Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego:"

Transcrição

1 Economia Social Pós Parte III: Mercado de Trabalho Ênfase na parte de políticas Profa. Danielle Carusi Prof. Fábio Waltenberg Aula 5 (parte III) setembro de 2010 Economia UFF 1. Políticas macroeconômicas, industriais e tecnológicas e políticas de infra-estrutura. Afetam o nível e a composição setorial da produção. Afetam a tecnologia e a intensidade do capital utilizado. 2. Regulamentação das relações de trabalho. Proteção dos salários em detrimento de uma queda do emprego. Proteção do emprego diante de uma queda da produtividade e da remuneração. Regulamentação das formas de interação dos agentes. 3. Políticas públicas que atuam diretamente no mundo do trabalho (políticas ativas). Elevar a disponibilidade de trabalho. Elevar nível de renda dos trabalhadores. Transformação dos agentes ou do ambiente em que operam. Oferta de serviços básicos, como treinamento, microcrédito e intermediação. 4. Políticas públicas que atuam diretamente nos trabalhadores (políticas passivas). Contribuem para reduzir os efeitos negativos de choques negativos sobre os trabalhadores. 1

2 Breve descrição do funcionamento do mercado de trabalho Existe uma diversidade de políticas voltadas para reduzir o desemprego e aumentar a produtividade. Existência de diferentes formas de desemprego e razões para a baixa produtividade. A adequabilidade de uma política dependerá da natureza destes dois fenômenos. Breve descrição do funcionamento do mercado de trabalho Três tipos de desemprego: Dificuldade de preenchimento dos postos existentes: Desemprego friccional: Desemprego por descasamento: Escassez de postos de trabalho Desemprego estrutural: Desemprego friccional O preenchimento das vagas não ocorre devido a informação assimétrica. Trabalhadores possuem informação limitada sobre a disponibilidade e natureza das vagas existentes. Empregadores possuem informação limitada sobre a disponibilidade, qualificação e características dos trabalhadores. Desemprego por descasamento A dificuldade de preenchimento das vagas relaciona-se a diferença entre a qualificação dos desempregados e a qualificação exigida pelas firmas que ofertam postos de trabalho. Desemprego estrutural Escassez de vagas. Baixo crescimento econômico. O crescimento econômico é pouco afetado por políticas ativas de emprego e renda (exceções: políticas de crédito para micro e pequenas empresas). Afetado por política macroeconômica e pela legislação trabalhista. Razões para a baixa produtividade Baixa qualificação do trabalhador; Baixa qualidade do posto de trabalho; Baixa qualidade do casamento entre trabalhador e posto de trabalho. 2

3 Baixa qualidade do trabalhador Baixa qualificação do trabalhador Pode ser corrigida com programas de qualificação e treinamento profissional. Baixa qualidade do casamento Heterogeneidade entre trabalhadores e empregadores. Alocações ineficientes. Baixa qualidade do casamento Trabalhador A é alocado no posto de trabalho Y, mas ele seria altamente produtivo no posto de trabalho X. Trabalhador B foi incorretamente alocado em X. Troca de posições entre A e B aumentaria a produtividade total da economia. Baixa qualidade do casamento A baixa produtividade pode ser gerada se o mercado de trabalho alocar trabalhadores a postos de trabalho de forma ineficiente. Existe outra realocação que aumenta o nível geral de produção. Ausência de informação completa. Intervenção do governo no mercado de trabalho Políticas passivas: transferência de renda via prestações pagas à população desempregada, consistindo basicamente no seguro-desemprego. Não aumentam a empregabilidade do desempregado. Políticas ativas: instrumentos destinados a melhorar a qualidade da oferta de mão-de-obra, a gerar demanda por trabalho e a intermediar o matching entre ofertantes e demandantes de trabalho. Aumentar a probabilidade do desempregado encontrar uma ocupação e; Aumentar a probabilidade do sub-empregado melhorar sua produtividade e seus ganhos. Políticas Ativas Serviços Públicos de Emprego: Intermediação de mão-de-obra, assistência ao desempregado, assessoria a empregadores, banco de empregos, estatísticas sobre mercado de trabalho. Programas de capacitação de trabalhadores: treinamento para adultos desempregados e trabalhadores ameaçados de perder o emprego; treinamento para trabalhadores adultos empregados. Emprego de jovens e medidas de treinamento: para jovens desempregados e em condições de desvantagem no mercado de trabalho; ajuda para aprendizado e outras formas de treinamento para o trabalho. Emprego subsidiado: subsídios para o emprego no setor privado, frentes de trabalho, emprego público, terceiro setor, apoio ao desenvolvimento de micro e pequenas empresas (oferta de crédito e assistência técnica). Programas de emprego para trabalhadores em dificuldade: reabilitação profissional, incentivos a postos de trabalhos específicos para trabalhadores em dificuldade. Incentivos à mobilidade de trabalhadores Seguro - Desemprego Políticas Passivas Qualquer outro tipo de transferência de renda aos trabalhadores desempregados ou em risco de perda de emprego. Aposentadoria precoce Extensão do ciclo escolar Expulsão de imigrantes 3

4 Políticas ativas Serviços públicos de emprego Reduzir os custos de busca de emprego. Promover o matching entre trabalhadores e vagas. Agências públicas: Agence Nationale pour l Emploi, U.S. Employment Service, SINE, etc. Job search assistance (JSA). Organizações privadas. Políticas ativas Políticas de treinamento Aumento da empregabilidade, aumento da produtividade individual. Dinamarca e Alemanha: principal política ativa. Treinamento geral ou específico. Políticas ativas Emprego e treinamento para jovens Melhorar a inserção dos jovens no mercado de trabalho. Aprendizagem (período de estágio ): instruções em classe e treinamento on the job (OJT 3 a 12 meses). Programas para jovens em situação de risco social. Programas para jovens que deixaram a escola e não conseguiram emprego ou para aqueles que deixaram a escola antes de terminar. Políticas ativas Emprego subsidiado Transferências (temporárias ou permanentes) a empresas privadas para incentivar contratação de grupos específicos de trabalhadores. Emprego público temporário para desempregados de longa duração ou jovens (elegíveis para SD ou para adquirir skills para uma nova ocupação). Apoio ao trabalho por conta própria e ao pequeno empreendedor. Políticas passivas e ativas Um trabalhador pode estar envolvido em diferentes programas. Definição de políticas ativas e passivas apenas para facilitar a análise. Em alguns casos, existe uma linha tênue entre estes dois tipos de políticas. Holanda: suporte para uma categoria específica. Diferenças entre os países Gasto Público como % PIB Total Ativas Passivas Australia 0,74 0,29 0,45 Austria 1,83 0,67 1,16 Belgium 3,32 1,28 2,04 Canada 0,96 0,3 0,66 Czech Republic 0,42 0,23 0,2 Denmark 2,56 1,35 1,22 Finland 2,18 0,82 1,35 France 1,98 0,81 1,17 Germany 1,91 0,81 1,1 Greece.... 0,46 Hungary 0,67 0,3 0,37 Ireland 2,03 0,7 1,33 Italy 1,26 0,45 0,81 Japan 0,57 0,26 0,3 4

5 Gasto Público como % PIB Total Ativas Passivas Korea 0,49 0,2 0,29 Luxembour g 0,95 0,42 0,53 Netherlands 2,31 1,04 1,26 New Zealand.... 0,28 Norway.... 0,32 Poland 0,91 0,56 0,35 Portugal 1,59 0,57 1,02 Slovak Republic 0,69 0,25 0,43 Spain 2,62 0,73 1,89 Sweden 1,45 0,99 0,46 Switzerland 1,01 0,47 0,54 United Kingdom 0,52 0,32 0,2 United States 0,98 0,17 0,81 OECD countries 1,37 0,57 0,78 Fonte: data extracted on 20 Sep :13 UTC (GMT) from OECD.Stat Usualmente o gasto em políticas passivas ultrapassa o gasto com políticas ativas Divisão dos gastos em políticas ativas e passivas Alemanha e França: emprego subsidiado. Dinamarca: treinamento (+55%). Japão, Austrália, Canadá e Inglaterra: serviços públicos de emprego. Políticas passivas: seguro desemprego, aposentadoria (França e Dinamarca). Sistema Público de Emprego (SPE) Arcabouço institucional que articula benefícios aos trabalhadores desempregados, a intermediação de mão de obra e a reciclagem e qualificação profissional. Histórico do SPE Brasil: consultar Azeredo e Ramos (1995) Financiamento dos Programas Sistema Nacional de Emprego (SINE) O objetivo do SINE (1975), que agrega a função de intermediação da mão-de-obra bem como o pagamento do segurodesemprego, é tornar mais ágil e eficiente a inserção dos trabalhadores desempregados. 5

6 Sistema Nacional de Emprego (SINE) Azeredo (1998) e Cardoso et al (2006): Apenas a intermediação de mão-de-obra se consolidou; Os serviços de atendimento aos trabalhadores foram bem heterogêneos entre os diversos SINEs do Brasil. SINE Ramos e Freitas (1998): indicadores para avaliar a eficácia do sistema de intermediação de mão-deobra: Grau de atratividade: razão entre o total de trabalhadores que procuram os postos de atendimento e o total de trabalhadores demitidos (6 milhões em 15 milhões, em 2008); Grau de matching: razão entre total de trabalhadores colocados pelos postos de atendimento e o total de trabalhadores inscritos nos SINEs (18%); Grau de abrangência: total de trabalhadores colocados pelos SINEs sobre total de trabalhadores admitidos. 6

7 Algumas considerações sobre o SPE brasileiro Falta de integração entre os diversos programas. Falta de participação social na fiscalização dos programas. Linhas de financiamento alternativas ao FAT. Incentivos a programas de geração de emprego e renda (microcrédito). 7

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Portugal na União Europeia 1986-2010 Faculdade de Economia, Universidade do Porto - 21 Janeiro 2011 Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Pedro Teixeira (CEF.UP/UP e CIPES);

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014 José António Vieira da Silva 1. A proteção social como conceito amplo a ambição do modelo social europeu 2. O modelo de proteção social no Portugal pós 1974 3. Os desafios

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

Foad Shaikhzadeh Presidente Furukawa Industrial SA

Foad Shaikhzadeh Presidente Furukawa Industrial SA Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

EVOLUÇÃO E TENDÊNCIA NOS SISTEMAS DE. Foto gestão serviços CONTENTORIZAÇÃO DE RESÍDUOS

EVOLUÇÃO E TENDÊNCIA NOS SISTEMAS DE. Foto gestão serviços CONTENTORIZAÇÃO DE RESÍDUOS EVOLUÇÃO E TENDÊNCIA NOS SISTEMAS DE Foto gestão serviços CONTENTORIZAÇÃO DE RESÍDUOS ESE Panorama geral Sede Facturação Maastricht 300 M Vendas > 3 750 000 (contentores 2 rodas) > 300 000 (contentores

Leia mais

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais sobre assistência à saúde da OECD e da Europa Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Por que a qualidade do cuidado

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAE DA CRISE 2,00% 1,50% Evolução do PIB espanhol 1,70% 1,00% 1% 0,50% 0,00% -0,50% -0,20% 0,10% 2010 2011 2012

Leia mais

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise Adalberto Campos Fernandes O Contexto FINANCIAMENTO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE EM TEMPOS DE CRISE O CONTEXTO A ESPECIFICIDADE DO BEM

Leia mais

Seguro-Desemprego no Brasil: aportes e desafios para uma gestão mais eficiente

Seguro-Desemprego no Brasil: aportes e desafios para uma gestão mais eficiente Seguro-Desemprego no Brasil: aportes e desafios para uma gestão mais eficiente Marcos Paulo Dhein Griebeler Dieter Rugard Siedenberg Santiago do Chile, 20 de Janeiro de 2011 PÚBLICO NO : O USO DE SD NO

Leia mais

Estudo de Caso da Folha de Pagamento dos Servidores do Estado do Rio Grande do Sul

Estudo de Caso da Folha de Pagamento dos Servidores do Estado do Rio Grande do Sul Estudo de Caso da Folha de Pagamento dos Servidores do Estado do Rio Grande do Sul 1 - Introdução Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa A literatura econômica estabelece um consenso

Leia mais

Associação KNX Portugal

Associação KNX Portugal Associação KNX Portugal Organização KNX e rede de parceiros KNX Association International Page No. 3 Associações Nacionais: Membros Membros KNX Nacionais: Fabricantes: Empresas fabricantes ou representantes

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006. Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas

EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006. Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006 Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas Junho 2009 1 Amostra O European Social Survey 3 foi aplicado a amostras aleatórias e probabilísticas

Leia mais

Tecnologia Conectividade

Tecnologia Conectividade Funcionalidade de Alimentos como Ferramenta de Marketing Mª Engª Alexia Hoppe I Mostra de Ciência e Tecnologia TecnoDohms Porto Alegre, Maio 2012 Tecnologia Conectividade Geração Y: valores e atitudes

Leia mais

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS CIM ALTO MINHO COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO ALTO MINHO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE PONTE DE LIMA 17 DE JULHO DE 2014 O projeto

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

A Previdência Social ao redor do mundo

A Previdência Social ao redor do mundo A Previdência Social ao redor do mundo Pinheiro IBRE/FGV IE/UFRJ Brasília, 17 de abril de 2017 17 abr 2017 1960 1964 1968 1972 1976 1980 1984 1988 1992 1996 2000 2004 2008 2012 2016 2020 2024 2028 2032

Leia mais

Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal

Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal Memorando Complementar ao Relatório de Setembro de 2011 13 de Dezembro de 2012 Carla Sá João Cerejeira Miguel Portela NIPE Núcleo de Investigação em Políticas

Leia mais

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Patrícia Jardim da Palma Professora Universitária no ISCSP Coordenadora do Hélios Directora do INTEC ppalma@iscsp.utl.pt Agenda O empreendedorismo

Leia mais

Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil. André Portela Souza EESP/FGV

Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil. André Portela Souza EESP/FGV Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil André Portela Souza EESP/FGV SEADE 25 de Março de 2013 Estrutura da Apresentação 1. Alguns Aspectos Conceituais: A Teoria do Capital Humano 2. Evidências

Leia mais

Amartya Sen e os desafios da educação. Wanda Engel Superintendente Executiva do Instituto Unibanco

Amartya Sen e os desafios da educação. Wanda Engel Superintendente Executiva do Instituto Unibanco Amartya Sen e os desafios da educação Wanda Engel Superintendente Executiva do Instituto Unibanco 1 O desenvolvimento pode ser visto como um processo de expansão das liberdades reais que as pessoas desfrutam.

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Compromisso para o Crescimento Verde Sessão de discussão pública Porto, 2 de dezembro de 2014 Apresentado por: Gabriela Prata Dias 1 Conceito de Eficiência Energética (EE) 2 As medidas

Leia mais

Programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos II ENCONTRO NACIONAL DE MUNICÍPIOS Programa Mais Médicos Brasília- 02/03/16 Lançado em julho de 2013 para atender demanda histórica da insuficiência de médicos no Brasil, em especial, no SUS e na Atenção

Leia mais

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

Finanças Públicas. Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ

Finanças Públicas. Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ Finanças Públicas Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ 1. INTRODUÇÃO Seguro Social X Programas de Bem estar Principais tipos de Seguro Social: Seguridade Social (aposentadoria) Seguro Saúde

Leia mais

2º Seminário Nacional sobre o Complexo Industrial da Saúde Doença Arterioesclerótica : Endopróteses Arteriais e Catéteres

2º Seminário Nacional sobre o Complexo Industrial da Saúde Doença Arterioesclerótica : Endopróteses Arteriais e Catéteres 2º Seminário Nacional sobre o Complexo Industrial da Saúde Doença Arterioesclerótica : Endopróteses Arteriais e Catéteres Antonio Jorge Kropf - Amil ADMIRÁVEL MUNDO NOVO SISTEMA DE SAÚDE NO BRASIL SISTEMAS

Leia mais

Programa de Proteção ao Emprego (PPE) MP/ASSEC

Programa de Proteção ao Emprego (PPE) MP/ASSEC Programa de Proteção ao Emprego (PPE) MP/ASSEC Programa de Proteção ao Emprego (PPE) Consiste em um mecanismo de proteção ao emprego em períodos de redução do nível da atividade econômica. Permite-se a

Leia mais

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008 Introdução à Economia da Saúde Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude Abril/2008 Tópicos Introdução à Economia da Saúde : Definição de Economia da Saúde; Gasto em Saúde;

Leia mais

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal 0 Sumário e conclusões 1 - O peso das receitas fiscais totais no PIB 2 O peso dos impostos sobre o rendimento

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE Discutir a importância do cumprimento dos requisitos de conformidade e comportamento ético à luz de leis e regulamentações estrangeira em vigor. FEIRA HOSPITALAR Junho de 2008

Leia mais

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC Participamos do processo de escolha da Entidade Aferidora

Leia mais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação Aveiro, 10 Mar 2006 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2004. Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Edição 2004. Summary in Portuguese. Sumário em Português

OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2004. Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Edição 2004. Summary in Portuguese. Sumário em Português OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2004 Summary in Portuguese Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Edição 2004 Sumário em Português DESTAQUE Ganhando terreno em ciência, tecnologia e inovação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

"SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro

SMS sem fronteiras: Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro IP/08/1144 Bruxelas, 15 de Julho de 2008 "SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro Os 2500 milhões de mensagens de texto enviadas

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas.

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. Constança Paúl, 19 Abril 2012, IPO-Porto Health Cluster Portugal: Encontros com a inovação em saúde A procura

Leia mais

SERVIÇOS OFERECIDOS PELA AGÊNCIA DO SINE-UERJ

SERVIÇOS OFERECIDOS PELA AGÊNCIA DO SINE-UERJ SERVIÇOS OFERECIDOS PELA AGÊNCIA DO SINE-UERJ Cadastramento de trabalhadores em geral, inclusive para primeiro emprego e deficientes. Cadastramento de empregadores e vagas. Emissão de carteira de trabalho

Leia mais

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior Headquarters: Rua Senhor da Paciência, 39 6200-158 Covilhã Portugal Telephone: +351 275 319 530 Fax: +351 275

Leia mais

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM

O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços. Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM O Pacto Nacional da Indústria Química: Avanços Henri Slezynger Presidente do Conselho Diretor da ABIQUIM Balança comercial de produtos químicos 1991 a 2011* US$ bilhões Déficit cresceu de forma explosiva:

Leia mais

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Impacto Positivo de uma Redução de Tributos para Empresas e Consumidores Rio de Janeiro, 27 de maio de 2009 Em 2008, o mercado brasileiro de CDs e DVDs

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro

UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro Saúde no Mundo: Notas para o Debate I Encontro Nacional Conselho Federal de Medicina Brasília 08 de março de 2012 Ligia Bahia Roteiro da Apresentação 1. Um Panorama

Leia mais

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização Sobre este inquérito Por toda a União Europeia, diferentes organizações proporcionam acesso e formação sobre Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC), juntamente com outros serviços para grupos

Leia mais

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril A Internacionalização do Ensino A Experiência Europeia O Ensino Superior Europeu "in a nutshell"

Leia mais

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 MVNO Operadoras Virtuais no Brasil Conhecendo o usuário brasileiro Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 O estudo A&R contempla 17 países com mais de 20 mil entrevistas, agrupadas em 3 categorias: Mature,

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim OECD Territorial Review of Portugal Mario Pezzini Soo-Jin Kim GDP per capita in OECD countries Luxembourg United States Norway Ireland Switzerland Iceland Austria Denmark United Kingdom Canada Australia

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social

O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social Naércio Aquino Menezes Filho Instituto Futuro Brasil, Ibmec São Paulo e USP 1ª Jornada da Educação - TCE - 04/12/2008 Roteiro 1) Introdução O papel

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ESCOLAR E OS SALÁRIOS NO BRASIL

A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ESCOLAR E OS SALÁRIOS NO BRASIL A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ESCOLAR E OS SALÁRIOS NO BRASIL Andréa Zaitune Curi Tendências Consultoria Naercio Aquino Menezes Filho IBMEC-SP, USP, IFB e Fundação Itaú Social Introdução Processo de educação

Leia mais

Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum

Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum José Viegas Secretário Geral International Transport Forum 19º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito, Brasília,

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO NO BRASIL: REALIDADE E PERPECTIVAS

SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO NO BRASIL: REALIDADE E PERPECTIVAS SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO NO BRASIL: REALIDADE E PERPECTIVAS ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL SEGUNDO DADOS DA RAIS 2011 ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL SEGUNDO DADOS DA RAIS 2011 Em

Leia mais

Eficiência Energética. Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios

Eficiência Energética. Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios j Infrastructures & Cites Building Efficiency Monitoring Eficiência Energética Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios Monitorização e Controlo de Energia de forma simples e eficaz.

Leia mais

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal Reflexões e preocupações para o sector dos pequenos ruminantes na PAC-pós 213 -------------------------------------------------------------------- Reunião da SPOC Evolução Recente dos Sistemas de Produção

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global Eco-Inovação, EACI, Comissão Europeia Beatriz Yordi, Chefe de Unidade Replicação de Mercado, Eco-Inovação e Energia Inteligente

Leia mais

Projeto GeoCONVIAS abril 2009

Projeto GeoCONVIAS abril 2009 Projeto GeoCONVIAS abril 2009 Logica 2008. All rights reserved Agenda 1 2 3 4 5 6 7 8 Instituições Participantes Objetivo do Projeto Fluxo de Trabalho de CONVIAS Benefícios Escopo do Projeto Arquitetura

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior Ministro Augusto Nardes TEMA 2: Geração de emprego e renda na economia nacional 1. Frente Parlamentar e a micro

Leia mais

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais

Serviços de telefonia. condições de prestação

Serviços de telefonia. condições de prestação Serviços de telefonia móvel: preços e condições de prestação Audiência pública na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Ercio Alberto Zilli Presidente Executivo

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 DAE Going Local Portugal 12 de Novembro de 2013, Lisboa Mário Campolargo European Commission - DG CONNECT Director, NET Futures "The views expressed

Leia mais

2,7. Brasil sairá de 374 mil para 600 mil médicos até 2026. 11,5 mil novas vagas de graduação até 2017. 12,4 mil novas vagas de residência

2,7. Brasil sairá de 374 mil para 600 mil médicos até 2026. 11,5 mil novas vagas de graduação até 2017. 12,4 mil novas vagas de residência Brasil sairá de 374 mil para 600 mil médicos até 2026 Atingindo a meta de 2,7 médicos por mil habitantes 11,5 mil novas vagas de graduação até 2017 12,4 mil novas vagas de residência para formação de especialistas

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP e-ciência em Portugal IBERCIVIS: Lançamento do projecto SOLUVEL e apresentação de resultados do projecto AMILOIDE Museu da Ciência, U. de Coimbra, 1 de Julho de 211 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência

Leia mais

Gestão Educacional. Ciclo de Debates

Gestão Educacional. Ciclo de Debates Gestão Educacional Ciclo de Debates 2012 Gestão Educacional Ciclo de Debates 2012 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Dialogos sobre a gestão

Leia mais

Mudanças na Educação Médica do Brasil. Brasília, agosto de 2015

Mudanças na Educação Médica do Brasil. Brasília, agosto de 2015 Mudanças na Educação Médica do Brasil Brasília, agosto de 2015 Mais Médicos para o Brasil Eixos do Programa Ampliação e Melhoria da Infraestrutura Formação para o SUS Provimento Emergencial Ampliação da

Leia mais

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 + competitivo + inclusivo + sustentável Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Santarém, 26 de setembro de 2014 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

TEXTOS PARA DISCUSSÃO UFF/ECONOMIA

TEXTOS PARA DISCUSSÃO UFF/ECONOMIA ISSN 1519-4612 Universidade Federal Fluminense TEXTOS PARA DISCUSSÃO UFF/ECONOMIA Universidade Federal Fluminense Faculdade de Economia Rua Tiradentes, 17 - Ingá - Niterói (RJ) Tel.: (0xx21) 2629-9699

Leia mais

O trabalho da Organização das Nações Unidas

O trabalho da Organização das Nações Unidas O trabalho da Organização das Nações Unidas Report A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a Inclusion Europe and its 47 members in these 34 countries are fighting exclusão social

Leia mais

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º)

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º) Nicaragua (1º) Dominican Republic (2º) Brazil (3º) Honduras (4º) Guatemala (5º) Equatorial Guinea (6º) Panama (7º) Cuba (8º) El Salvador (9º) Uruguay (10º) Colombia (11º) Guyana (12º) Mexico (13º) Ecuador

Leia mais

O QUE É MICROCRÉDITO?

O QUE É MICROCRÉDITO? O QUE É MICROCRÉDITO? Empréstimos de pequeno valor, concedido a pessoas de baixa renda ou em ramo de negócio com baixo volume de recurso, que usualmente não tem acesso ao crédito convencional. CRESCER

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

Pesquisa TIC Kids Online Brasil

Pesquisa TIC Kids Online Brasil Semana da Infraestrutura da Internet no Brasil Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes GTER Grupo de Trabalho em Segurança de Redes GTS Pesquisa TIC Kids Online Brasil Parte I: Visão geral

Leia mais

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios:

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios: CREBi Media Kit Atualmente, somos a mais representativa mídia eletrônica do setor de jóias e afins e também já superamos em muito as maiores médias de outras categorias de mídia. O CREBi oferece três canais

Leia mais

Com base nesse diagnóstico, a consultoria analisou uma série de determinantes para evidenciar as possibilidades de sucesso no torneio:

Com base nesse diagnóstico, a consultoria analisou uma série de determinantes para evidenciar as possibilidades de sucesso no torneio: Press release Data: 11 de Junho de 2014 Contato: Marta Telles Tel: (11) 3526-4508 marta.telles@imagemcorporativa.com.br Marcia Avruch Tel: (11) 3674-3762 marcia.avruch@br.pwc.com Brasil tem vantagem na

Leia mais

Recrutamento 12/02/2012. Recrutamento - Conceito. Mercado de Trabalho: Recrutamento - Conceito

Recrutamento 12/02/2012. Recrutamento - Conceito. Mercado de Trabalho: Recrutamento - Conceito Recrutamento Disciplina: Gestão de Pessoas Página: 1 Aula: 01 O Recrutamento ocorre dentro do mercado de trabalho e do mercado de Recursos Humanos; Mercado de Trabalho: O Mercado de Trabalho é o espaço

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 79 80 81 82 83 84. Restauração, Intervenção da Praça General Tibúrcio - Fortaleza Histórica

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 79 80 81 82 83 84. Restauração, Intervenção da Praça General Tibúrcio - Fortaleza Histórica CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 200.000,00 45.000,00 194.960,00 400.000,00 80.000,00 550.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência? 1.2 Escala da ação é compatível

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 37 38 39 40 41 42

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 37 38 39 40 41 42 085/230 - Terezinha - CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 500.000,00 120.000,00 5.200.000,00 693.000,00 2.790.000,00 8.000.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência?

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS 1 RELATÓRIO Nº CCT, DE 2015 AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Presidente: SENADOR CRISTOVAM BUARQUE Vice-Presidente:

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em alusão ao Dia da

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013 1 Política e Sistema de Promoção e Proteção do Emprego PROPOSTA DAS CENTRAIS SINDICAIS Novembro, 2013

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

O MUNDO EM 2050 E OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. Antônio da Luz Economista

O MUNDO EM 2050 E OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. Antônio da Luz Economista O MUNDO EM 2050 E OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Antônio da Luz Economista EVOLUÇÃO E PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL - 2050 POPULAÇÃO MUNDIAL RURAL X URBANA (%) HÁ50 ANOS, TÍNHAMOS

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais