Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde"

Transcrição

1 Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço

2 Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade em dar mais saúde ao dinheiro Ambiente de contratação de serviços 2

3 Sector Cooperativo e Social Cooperativas, organizações comunitárias ou em autogestão e pessoas colectivas sem carácter lucrativo com fins principais de solidariedade social, como as associações mutualistas e as IPSS Protecção do Terceiro Sector incentiva os poderes públicos ao estimulo, apoio e fomento, e criação da actividade por Organizações do Terceiro Sector (OTS), em diversas áreas económicas e sociais. 3

4 O Terceiro Sector conjunto de organizações muito diversificadas entre si, que representam formas de organização de actividades de produção e distribuição de bens e prestação de serviços, distintas dos dois agentes económicos os poderes públicos e as empresas privadas com fins lucrativos, frequentemente designados, e de forma simplificada, por Estado e Mercado Quintão C,

5 Contornos do Terceiro Sector em Portugal Quintão C,2006 5

6 Terceiro Sector na Saúde Actividades e Serviços promoção da Saúde prestação de cuidados diferenciados apoio social a populações carenciadas Perspectiva proximidade à comunidade continuidade e complementaridade com o SNS 6

7 Financiamento das OTS Externas fundos públicos por transferência de recursos de empresas donativos de pessoas singulares Internas quotizações dos membros venda de produtos e/ou prestação de serviços 7

8 Terceiro Sector no âmbito do SNS Cuidados de Saúde Primários Acordos Regionais Modelo C - Experimental - contrato programa a celebrar com equipas do sector público, privado, cooperativo ou social Cuidados de Saúde Hospitalares Parcerias com o sector social (regionais) Hospital da Prelada Sector Convencionado Convenções (DL 97/98 de 18 Abril) Acordos RNCCI DL 101/2006 de 6 de Junho - cria a Rede (colaboração de diversos parceiros sociais,a sociedade civil e o Estado) Apoios financeiros pelos serviços e organismos do Ministério da Saúde a entidades privadas sem fins lucrativos (DL 186/2006 de 12.09) 8

9 Evolução da despesa em saúde em percentagem do PIB

10 United States Norway Switzerland Luxembourg (2006)1 Canada Netherlands Austria France Belgium Germany Denmark Ireland Sweden Iceland Australia (2006/07) United Kingdom OECD Finland Greece Italy Spain Japan (2006) New Zealand2 Portugal (2006) Korea Czech Republic Slovak Republic Hungary Poland Mexico Turkey (2005) Despesa pública e privada per capita em saúde OCDE, 2010

11 Crescimento anual da despesa em saúde e PIB per capita, Crescimento anual médio na despesa em saúde per capita (%) 12 SVK PRT ITA LUX ESP NZL GBR NLD OECD DNK USA CAN SWE MEX BEL AUS AUT FRA CHE JPN NOR DEU ISL FIN IRL CHL KOR POL GRC TUR CZE HUN Notas: : Luxemburgo e Portugal : Austrália, Dinamarca, Grécia, Japão e Turquia : Islândia. Crescimento anual médio do Produto Interno Bruto per capita (%) OECD Health Data, 2010

12

13 Dar mais saúde ao dinheiro Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 13

14 Dar mais saúde ao dinheiro Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 14

15 Dar mais saúde ao dinheiro Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 15

16 Dar mais saúde ao dinheiro Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 16

17 Dar mais saúde ao dinheiro Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 17

18 Dar mais saúde ao dinheiro Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 18

19 Proximidade e resposta atempada 19

20 Flexibilidade na resposta 20

21 Resposta integrada 21

22 22

23 Dar mais saúde ao dinheiro Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 23

24 Dar mais saúde ao investimento Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 24

25 Dar mais saúde ao investimento Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 25

26 Prevenção Abordagem tradicional Gestão da doença + Cuidados de paliativos de fim de vida Idade Activa Idade Idade Activa ou não Esperança de vida adicional A despesa apresentada após os 55 anos não é proporcional

27 Dar mais saúde ao investimento Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 27

28 Dar mais saúde ao investimento Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 28

29 Relação entre a despesa de saúde e nível de cuidados Menos episódios Autocuidado ou cuidado por amigos & familiares C Saúde Primários C Saúde Secundários CS Terciários Menos custos

30 Relação entre a despesa de saúde e nível de cuidados Menos episódios Autocuidado ou cuidado por amigos & familiares C Saúde Primários C Saúde Secundários CS Terciários Menos custos Proporção da despesa de cuidados de saúde

31 Milhões Despesa com antiretrovíricos (em milhões de euros) ,1% ,7% ,0% Fonte: Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida Fonte: Inquérito Coordenação Nacional para a Infecção VIH/sida. A despesa em 2009 conta com 24 HH respondentes em 30 inquiridos

32 Dar mais saúde ao dinheiro Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 32

33 Dar mais saúde ao dinheiro Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 33

34 Modelo Comando - Controlo Administração Central Nunca fazem o planeado! Fazem planos que nunca consideram as condições no terreno! Ponto de Prestação de Cuidados 34

35 Convergência por resultados em saúde Administração Contratualização Local e Estratégica Ponto de Prestação de Cuidados Cidadão 35

36 Ambiente de contratualização, processo e interacções Monitorização e Avaliação Avaliação de Necessidades Prestação de Cuidados Princípios Gerais Desenho dos Serviços Identificação de Prestadores Adaptado de National Audit Office,

37 Avaliação das Necessidades Monitorização e Avaliação Avaliação de Necessidades Prestação de Cuidados Princípios Gerais Desenho dos Serviços Identificação de Prestadores Adaptado de National Audit Office,

38 Incidência de amputações em diabéticos / habitantes (2008) 38

39 Taxa bruta de mortalidade por doenças atribuíveis ao álcool antes dos 65 anos (2009) 39

40 Avaliação das Necessidades Monitorização e Avaliação Avaliação de Necessidades Prestação de Cuidados Princípios Gerais Desenho dos Serviços Identificação de Prestadores Adaptado de National Audit Office,

41 Desenho dos serviços Monitorização e Avaliação Avaliação de Necessidades Prestação de Cuidados Princípios Gerais Desenho dos Serviços Identificação de Prestadores Adaptado de National Audit Office,

42 Dar mais saúde ao dinheiro Comprador/ Prestador de Serviços Outras Influências Objectivos Processos Recursos Inputs Produtos Resultados Intencionais e não intencionais Economia Minimizar o custo dos mantendo a qualidade dos serviços Eficiência produtos e os recursos utilizados para os produzir Efectividade resultados/ impacto de um serviço e os Custo-Efectividade Utilização de recursos com o objectivo de alcançar resultados desejados 42

43 Desenho dos serviços Monitorização e Avaliação Avaliação de Necessidades Prestação de Cuidados Princípios Gerais Desenho dos Serviços Identificação de Prestadores Adaptado de National Audit Office,

44 Identificação de prestadores Monitorização e Avaliação Avaliação de Necessidades Prestação de Cuidados Princípios Gerais Desenho dos Serviços Identificação de Prestadores Adaptado de National Audit Office,

45 Prestação de cuidados Monitorização e Avaliação Avaliação de Necessidades Prestação de Cuidados Princípios Gerais Desenho dos Serviços Identificação de Prestadores Adaptado de National Audit Office,

46 Contratação de serviços Considerar o investimento na capacidade de prestadores de base, particularmente aqueles que trabalham com grupos mais difíceis Garantir processos de contratualização transparentes e justos, facilitando a participação da mais ampla variedade de prestadores, permitindo a subcontratação e a realização de consórcios, quando apropriado Garantir contratos de longo termo e partilha dos riscos, sempre que adequado, como formas de alcançar maior eficiência e eficácia 46

47 47

48 Prestação de cuidados Monitorização e Avaliação Avaliação de Necessidades Prestação de Cuidados Princípios Gerais Desenho dos Serviços Identificação de Prestadores Adaptado de National Audit Office,

49 Monitorização e avaliação Monitorização e Avaliação Avaliação de Necessidades Prestação de Cuidados Princípios Gerais Desenho dos Serviços Identificação de Prestadores Adaptado de National Audit Office,

50 Ambiente de contratualização, processo e interacções com as organizações do terceiro sector (OTS) OTS Serviços Novos e Existentes OTS Sector Privado Sector Público Sector Público OTS Monitorização e Avaliação Prestação de Cuidados Sector Público Princípios Gerais Identificação de Prestadores OTS Avaliação de Necessidades Desenho dos Serviços Sector Privado Sector Público Sector Público Sector Privado OTS Adaptado de National Audit Office,

51 Iliteracia Desemprego Doença/ Incapacidade Divida Exclusão Social Violência/ Criminalidade Imigração Sistema de Saúde Abuso de Drogas Sem abrigo Prostituição

Ética e os Custos com Cuidados de Saúde

Ética e os Custos com Cuidados de Saúde Ética e os Custos com Cuidados de Saúde Simpósio de Ética, 11 de Novembro de 2011 Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Pontos de vista Contextualização do Sistema de Saúde Português Perspectivas

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Portugal na União Europeia 1986-2010 Faculdade de Economia, Universidade do Porto - 21 Janeiro 2011 Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Pedro Teixeira (CEF.UP/UP e CIPES);

Leia mais

Valor & Preço. Financiamento & Contratualização.

Valor & Preço. Financiamento & Contratualização. Valor & Preço Financiamento & Contratualização Objectivos do Sistemas de Saúde Melhorar a saúde Responder compreensivamente às necessidades Justiça contributiva/ equidade da prestação Sistema de saúde

Leia mais

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise Adalberto Campos Fernandes O Contexto FINANCIAMENTO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE EM TEMPOS DE CRISE O CONTEXTO A ESPECIFICIDADE DO BEM

Leia mais

Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial. João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 2015

Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial. João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 2015 Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 215 Pode o capitalismo sobreviver? «A tese que tentarei estabelecer

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas.

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. Constança Paúl, 19 Abril 2012, IPO-Porto Health Cluster Portugal: Encontros com a inovação em saúde A procura

Leia mais

Sessão 6 A Economia Portuguesa

Sessão 6 A Economia Portuguesa Sessão 6 A Economia Portuguesa Neves (216) População portuguesa (império e emigração) após 1415 3 25 2 15 1 Africa Emig. PORTUGAL P+Ilhas P+Isl+Asia P+I+As+Brasil P+I+A+B+Afric P+Emp+Emi 5 Brasil continental

Leia mais

João Eudes Bezerra Filho TCE-PE / FUCAPE-ES / ABCP

João Eudes Bezerra Filho TCE-PE / FUCAPE-ES / ABCP João Eudes Bezerra Filho TCE-PE / FUCAPE-ES / ABCP ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1ª) Reflexão sobre Alinhamento, Convergência Parcial ou Convergência Integral no Brasil. Apresentação da pesquisa realizada nos

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 14 José Ricardo Roriz Coelho PARTE II Novembro

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego:

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Economia Social Pós Parte III: Mercado de Trabalho Ênfase na parte de políticas Profa. Danielle Carusi Prof. Fábio Waltenberg Aula 5 (parte III) setembro de 2010 Economia UFF 1. Políticas macroeconômicas,

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006. Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas

EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006. Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006 Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas Junho 2009 1 Amostra O European Social Survey 3 foi aplicado a amostras aleatórias e probabilísticas

Leia mais

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais sobre assistência à saúde da OECD e da Europa Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Por que a qualidade do cuidado

Leia mais

impacto econômico e social

impacto econômico e social Depósito de patentes no Brasil e seu impacto econômico e social Jorge Arbache UnB e Arbache Consultoria II Congresso Brasileiro de Propriedade Intelectual Tubarão, 29/10/2015 Globalização nova etapa De

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior Headquarters: Rua Senhor da Paciência, 39 6200-158 Covilhã Portugal Telephone: +351 275 319 530 Fax: +351 275

Leia mais

NOVOS DESAFIOS DO SISTEMA DE SAÚDE. Adalberto Campos Fernandes

NOVOS DESAFIOS DO SISTEMA DE SAÚDE. Adalberto Campos Fernandes NOVOS DESAFIOS DO SISTEMA DE SAÚDE Adalberto Campos Fernandes O Contexto NOVOS DESAFIOS DO SISTEMA DE SAÚDE O CONTEXTO OS OBJECTIVOS DAS POLÍTICAS DE SAÚDE O SISTEMA DE SAÚDE, OS MODELOS DE FINANCIAMENTO,

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

Associação KNX Portugal

Associação KNX Portugal Associação KNX Portugal Organização KNX e rede de parceiros KNX Association International Page No. 3 Associações Nacionais: Membros Membros KNX Nacionais: Fabricantes: Empresas fabricantes ou representantes

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal 0 Sumário e conclusões 1 - O peso das receitas fiscais totais no PIB 2 O peso dos impostos sobre o rendimento

Leia mais

BENEFÍCIOS A ECONOMIA NA REFORMA DAS EXIGÊNCIAS DE CONTEÚDO LOCAL (ECL) Mark Dutz e Mariana Vijil

BENEFÍCIOS A ECONOMIA NA REFORMA DAS EXIGÊNCIAS DE CONTEÚDO LOCAL (ECL) Mark Dutz e Mariana Vijil BENEFÍCIOS A ECONOMIA NA REFORMA DAS EXIGÊNCIAS DE CONTEÚDO LOCAL (ECL) Mark Dutz e Mariana Vijil Outline 1. Tendências das ECLs: Brasil em comparação com outros países 2. Custos e benefícios das ECLs:

Leia mais

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal APDH - CONVERSAS DE FIM DE TARDE O Desempenho Organizacional Hospitalar. Como Obter Ganhos de Eficiência nos Serviços de Saúde 22 de Junho de 2006 João Batista Controlo

Leia mais

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE Discutir a importância do cumprimento dos requisitos de conformidade e comportamento ético à luz de leis e regulamentações estrangeira em vigor. FEIRA HOSPITALAR Junho de 2008

Leia mais

arquitetura da Conta Satélite da Economia Social

arquitetura da Conta Satélite da Economia Social Índice Parte I Desenvolvimentos nas Contas Nacionais e a arquitetura da Conta Satélite da Economia Social Parte II Porquê uma nova Conta Satélite da Economia Social? 2 1 Índice Parte I 0. O que é uma Conta

Leia mais

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal Reflexões e preocupações para o sector dos pequenos ruminantes na PAC-pós 213 -------------------------------------------------------------------- Reunião da SPOC Evolução Recente dos Sistemas de Produção

Leia mais

Previdência Brasileira: cenários e perspectivas" Lindolfo Neto de Oliveira Sales Brasília, 23/03/2017

Previdência Brasileira: cenários e perspectivas Lindolfo Neto de Oliveira Sales Brasília, 23/03/2017 Previdência Brasileira: cenários e perspectivas" Lindolfo Neto de Oliveira Sales Brasília, 23/03/2017 % de Pobres 100,0% Percentual de Pobres* no Brasil, por Idade, com e sem Transferência Previdenciárias

Leia mais

Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil. André Portela Souza EESP/FGV

Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil. André Portela Souza EESP/FGV Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil André Portela Souza EESP/FGV SEADE 25 de Março de 2013 Estrutura da Apresentação 1. Alguns Aspectos Conceituais: A Teoria do Capital Humano 2. Evidências

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAE DA CRISE 2,00% 1,50% Evolução do PIB espanhol 1,70% 1,00% 1% 0,50% 0,00% -0,50% -0,20% 0,10% 2010 2011 2012

Leia mais

Tecnologia Conectividade

Tecnologia Conectividade Funcionalidade de Alimentos como Ferramenta de Marketing Mª Engª Alexia Hoppe I Mostra de Ciência e Tecnologia TecnoDohms Porto Alegre, Maio 2012 Tecnologia Conectividade Geração Y: valores e atitudes

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 2014 José Ricardo Roriz Coelho PARTE I Novembro

Leia mais

Índice: Gráfico 1 Gráficos 2 e 3 Gráfico 4 Gráfico 5 Gráficos 6 e 7 Gráficos 8 e 9 Gráficos 10 e 11 Metodologia

Índice: Gráfico 1 Gráficos 2 e 3 Gráfico 4 Gráfico 5 Gráficos 6 e 7 Gráficos 8 e 9 Gráficos 10 e 11 Metodologia Índice: Gráfico 1 - Despesa em I&D em percentagem do PIB - total nacional (todos os setores de execução)... 1 Gráficos 2 e 3 - Despesa em I&D em percentagem do PIB, por setores de execução... 2 Gráfico

Leia mais

Foad Shaikhzadeh Presidente Furukawa Industrial SA

Foad Shaikhzadeh Presidente Furukawa Industrial SA Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

Miguel Gouveia. Catolica Lisbon School of Business and Economics. Despesas em Saúde em Portugal e OCDE

Miguel Gouveia. Catolica Lisbon School of Business and Economics. Despesas em Saúde em Portugal e OCDE Saude e Orçamento 2015 Miguel Catolica Lisbon School of Business and Economics 1 Temas a Abordar Despesas em Saúde em Portugal e OCDE Orçamento e Saúde Estratégias da Política de Saúde Não se abordarão

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Objectivos: Construir participativamente e partilhar amplamente uma visão dos determinantes da evolução do sistema de saúde português,

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global Eco-Inovação, EACI, Comissão Europeia Beatriz Yordi, Chefe de Unidade Replicação de Mercado, Eco-Inovação e Energia Inteligente

Leia mais

Como realinhar o financiamento para melhorar a resposta aos doentes crónicos?

Como realinhar o financiamento para melhorar a resposta aos doentes crónicos? Como realinhar o financiamento para melhorar a resposta aos doentes crónicos? Financiamento & Contratualização Perspectiva do Financiador/ Comprador Capacidade para pagar Qualidade/ Acesso aos Cuidados

Leia mais

Manuel Mira Godinho, ISEG UTL

Manuel Mira Godinho, ISEG UTL Análise e caracterização do sistema de investigação e inovação em Portugal: Dinâmicas institucionais e falhas sistémicas Manuel Mira Godinho, ISEG UTL WORKSHOP 11-12 Dezembro de 2012 O Sistema Nacional

Leia mais

Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes

Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes Seminário Valor Econômico: O Futuro do Mercado de Previdência, Seguros e Resseguros Rio de Janeiro, 28 de maio de 2014 Por: Helmut

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

A Previdência Social ao redor do mundo

A Previdência Social ao redor do mundo A Previdência Social ao redor do mundo Pinheiro IBRE/FGV IE/UFRJ Brasília, 17 de abril de 2017 17 abr 2017 1960 1964 1968 1972 1976 1980 1984 1988 1992 1996 2000 2004 2008 2012 2016 2020 2024 2028 2032

Leia mais

BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO Financiamento de Infra-estruturas Parcerias Público Privadas/ Project Finance Alexandra Almeida Chefe do Gabinete de Lisboa 1 Sumário 1. O Banco Europeu de Investimento 2.

Leia mais

Programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos II ENCONTRO NACIONAL DE MUNICÍPIOS Programa Mais Médicos Brasília- 02/03/16 Lançado em julho de 2013 para atender demanda histórica da insuficiência de médicos no Brasil, em especial, no SUS e na Atenção

Leia mais

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim OECD Territorial Review of Portugal Mario Pezzini Soo-Jin Kim GDP per capita in OECD countries Luxembourg United States Norway Ireland Switzerland Iceland Austria Denmark United Kingdom Canada Australia

Leia mais

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC Participamos do processo de escolha da Entidade Aferidora

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Compromisso para o Crescimento Verde Sessão de discussão pública Porto, 2 de dezembro de 2014 Apresentado por: Gabriela Prata Dias 1 Conceito de Eficiência Energética (EE) 2 As medidas

Leia mais

Fevereiro 2009. Gabinete de Estudos

Fevereiro 2009. Gabinete de Estudos Desafios para Portugal em 2009 Fevereiro 2009 1 A situação actual Uma economia em declínio Um país endividadíssimo Um Estado pesado e opressor Uma sociedade cada vez mais desigual 2 A forte descida do

Leia mais

Gestão Educacional. Ciclo de Debates

Gestão Educacional. Ciclo de Debates Gestão Educacional Ciclo de Debates 2012 Gestão Educacional Ciclo de Debates 2012 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Dialogos sobre a gestão

Leia mais

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 MVNO Operadoras Virtuais no Brasil Conhecendo o usuário brasileiro Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 O estudo A&R contempla 17 países com mais de 20 mil entrevistas, agrupadas em 3 categorias: Mature,

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social

O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social Naércio Aquino Menezes Filho Instituto Futuro Brasil, Ibmec São Paulo e USP 1ª Jornada da Educação - TCE - 04/12/2008 Roteiro 1) Introdução O papel

Leia mais

OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2004. Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Edição 2004. Summary in Portuguese. Sumário em Português

OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2004. Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Edição 2004. Summary in Portuguese. Sumário em Português OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2004 Summary in Portuguese Ciência, Tecnologia e Indústria na OCDE: Edição 2004 Sumário em Português DESTAQUE Ganhando terreno em ciência, tecnologia e inovação

Leia mais

SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros

SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros Fabiana Montanari Lapido Projeto SciELO FAPESP, CNPq, BIREME, FapUNIFESP Informação Conhecimento científico pesquisa científica

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

Custos com medicamentos em países da OCDE. Pedro Pita Barros

Custos com medicamentos em países da OCDE. Pedro Pita Barros Custos com medicamentos em países da OCDE Pedro Pita Barros Tema muito vasto Escolhi fazer uma digressão pelo que nos dizem os números das despesas com medicamentos nos países da OCDE Fonte: OECD Health

Leia mais

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS CIM ALTO MINHO COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO ALTO MINHO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE PONTE DE LIMA 17 DE JULHO DE 2014 O projeto

Leia mais

Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal

Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal Memorando Complementar ao Relatório de Setembro de 2011 13 de Dezembro de 2012 Carla Sá João Cerejeira Miguel Portela NIPE Núcleo de Investigação em Políticas

Leia mais

"SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro

SMS sem fronteiras: Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro IP/08/1144 Bruxelas, 15 de Julho de 2008 "SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro Os 2500 milhões de mensagens de texto enviadas

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP e-ciência em Portugal IBERCIVIS: Lançamento do projecto SOLUVEL e apresentação de resultados do projecto AMILOIDE Museu da Ciência, U. de Coimbra, 1 de Julho de 211 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS 1 RELATÓRIO Nº CCT, DE 2015 AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Presidente: SENADOR CRISTOVAM BUARQUE Vice-Presidente:

Leia mais

CRESCIMENTO, CONTAS PÚBLICAS > PRODUTIVIDADE E GLOBALIZAÇÃO DANIEL TRAÇA

CRESCIMENTO, CONTAS PÚBLICAS > PRODUTIVIDADE E GLOBALIZAÇÃO DANIEL TRAÇA 1 CRESCIMENTO, CONTAS PÚBLICAS > PRODUTIVIDADE E GLOBALIZAÇÃO DANIEL TRAÇA 2 O DESAFIO DO CRESCIMENTO 10% 8% 6% 4% 2% EST POL CAGR PIB per capita, PPP 1990-2000 SVN PRT IRL GRC GBR ESP NLD AUT FIN BEL

Leia mais

UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro

UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro Saúde no Mundo: Notas para o Debate I Encontro Nacional Conselho Federal de Medicina Brasília 08 de março de 2012 Ligia Bahia Roteiro da Apresentação 1. Um Panorama

Leia mais

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Patrícia Jardim da Palma Professora Universitária no ISCSP Coordenadora do Hélios Directora do INTEC ppalma@iscsp.utl.pt Agenda O empreendedorismo

Leia mais

Relação entre emendas parlamentares e corrupção municipal no Brasil, aplicados à educação

Relação entre emendas parlamentares e corrupção municipal no Brasil, aplicados à educação Relação entre emendas parlamentares e corrupção municipal no Brasil, aplicados à educação Aluno: Julia Wrobel Folescu Orientadores: Sérgio Firpo Introdução Foi feito um estudo de forma a determinar o aumento

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º)

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º) Nicaragua (1º) Dominican Republic (2º) Brazil (3º) Honduras (4º) Guatemala (5º) Equatorial Guinea (6º) Panama (7º) Cuba (8º) El Salvador (9º) Uruguay (10º) Colombia (11º) Guyana (12º) Mexico (13º) Ecuador

Leia mais

REDE NACIONAL CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

REDE NACIONAL CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS REDE NACIONAL CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Geriatria vs respostas Sociais inovadoras A R.N.C.C.I. J.M. Abreu Nogueira SISTEMAS DE SAÚDE E CONTINUIDADE Acesso aos cuidados necessários: Indivíduo duo

Leia mais

Relatórios Económicos da OCDE PORTUGAL

Relatórios Económicos da OCDE PORTUGAL Relatórios Económicos da OCDE PORTUGAL OUTUBRO DE 214 SUMÁRIO O presente documento, bem como qualquer mapa aqui incluído, não prejudicam o estatuto ou a soberania de qualquer território, a delimitação

Leia mais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação Aveiro, 10 Mar 2006 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014 José António Vieira da Silva 1. A proteção social como conceito amplo a ambição do modelo social europeu 2. O modelo de proteção social no Portugal pós 1974 3. Os desafios

Leia mais

Os padrões de especialização na UE-15. Os padrões de especialização na UE-15. Política Económica e Actividade Empresarial

Os padrões de especialização na UE-15. Os padrões de especialização na UE-15. Política Económica e Actividade Empresarial Política Económica e Actividade Empresarial Política Económica e Actividade Empresarial 2. O Crescimento, a Competitividade e o Desenvolvimento Empresarial 2.1. A evolução da competitividade e da produtividade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Impacto Positivo de uma Redução de Tributos para Empresas e Consumidores Rio de Janeiro, 27 de maio de 2009 Em 2008, o mercado brasileiro de CDs e DVDs

Leia mais

Economia Não Registada: Actualização do índice para Portugal

Economia Não Registada: Actualização do índice para Portugal Economia Não Registada: Actualização do índice para Portugal Nuno Gonçalves e Óscar Afonso 1 Nota Prévia 2 O (OBEGEF) constituiu-se no dia 21 de Novembro de 2008, como associação de direito privado sem

Leia mais

Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 21/03/2011

Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 21/03/2011 Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 21/03/2011 ECONOMIA SOCIAL Sumário I. Caracterização do terceiro sector em

Leia mais

ICC 109 8. 14 setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido

ICC 109 8. 14 setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido ICC 109 8 14 setembro 2012 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido Tendências do consumo de café em países importadores selecionados Antecedentes

Leia mais

Macroeconomia II (1E207)

Macroeconomia II (1E207) Macroeconomia II (1E207) Equipa docente 2010/11 20 Maio 2011 Conceitos e factos Funções económicas do Estado - estabilização macroeconómica O financiamento da despesa pública e a dinâmica da dívida Financiamento

Leia mais

Maria João da Cruz Nogueira

Maria João da Cruz Nogueira Maria João da Cruz Nogueira Trabalho elaborado para a Oficina de Formação: A Educação Sexual em Meio Escolar: metodologias de abordagem/intervenção Formadoras: Cândida Ramoa, Isabel Leitão Matosinhos Fevereiro

Leia mais

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) É A AGÊNCIA PÚBLICA NACIONAL PARA A INVESTIGAÇÃO E A INOVAÇÃO EM PORTUGAL WWW.FCT.PT A VISÃO DA FCT É: TORNAR PORTUGAL UMA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA,

Leia mais

Centro de Referência em Inovação (CRI) Multinacionais. Incentivos governamentais (financiamentos e subsídios) para a inovação no Brasil

Centro de Referência em Inovação (CRI) Multinacionais. Incentivos governamentais (financiamentos e subsídios) para a inovação no Brasil Centro de Referência em Inovação (CRI) Multinacionais Incentivos governamentais (financiamentos e subsídios) para a inovação no Brasil Carlos Arruda Erika Barcellos Cleonir Tumelero Agenda Abertura e apresentação

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

Fonte: http://www.mckinsey.com

Fonte: http://www.mckinsey.com 30000000 70000000 Fonte: http://www.mckinsey.com 700000 1400000 Fonte: http://www.mckinsey.com 22000 43000 Fonte: http://www.mckinsey.com Fonte: http://www.mckinsey.com Disponível em: http://www.gs1.org/healthcare/mckinsey

Leia mais

e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011

e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011 e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011 Agenda Sobre a IATA O que é e-freight Mensagens Padronizadas Requerimentos básicos para a Aduana Conhecimento Aéreo Eletrônico (e-awb) 2 IATA

Leia mais

Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum

Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum José Viegas Secretário Geral International Transport Forum 19º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito, Brasília,

Leia mais

Indices de Felicidade

Indices de Felicidade Indices de Felicidade FELICIDADE PRESENTE NotaMédiadeFelicidadePresente(de0a10)3-55-66-77-88-9Seminformação Denmark Felicidade Presente (Nota de 0 a 10) Italy Brazil Russia China Fonte: CPS/FGV Processando

Leia mais

Conselho Empresarial de Tecnologia do Sistema FIRJAN

Conselho Empresarial de Tecnologia do Sistema FIRJAN Conselho Empresarial de Tecnologia do Sistema FIRJAN Rumos da Inovação nas Empresas Fluminenses 16/11/2016 Contexto nacional e internacional Importantes mudanças na dinâmica da inovação nos países mais

Leia mais

Como políticas de estado podem minimizar os impactos da longevidade? Jaime Mariz de Faria Junior Secretário de Políticas de Previdência Complementar

Como políticas de estado podem minimizar os impactos da longevidade? Jaime Mariz de Faria Junior Secretário de Políticas de Previdência Complementar Como políticas de estado podem minimizar os impactos da longevidade? Jaime Mariz de Faria Junior Secretário de Políticas de Previdência Complementar SUMÁRIO I. Panorama Demográfico II. Iniciativas do CNPC

Leia mais

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril A Internacionalização do Ensino A Experiência Europeia O Ensino Superior Europeu "in a nutshell"

Leia mais

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição Os Segredos da Produtividade por Pedro Conceição Em 1950, cada português produzia durante uma hora de trabalho um quinto do que um trabalhador norte-americano conseguia na mesma hora. Em 1999 esta diferença

Leia mais

Maximizando os Incentivos à Inovação

Maximizando os Incentivos à Inovação TAX CIESP Maximizando os Incentivos à Inovação R&D Tax Incentives Proposta para prestação de serviços profissionais Agosto de 2014 Agenda Ambiente de Inovação e Incentivos Incentivos Fiscais à Inovação

Leia mais

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008 Introdução à Economia da Saúde Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude Abril/2008 Tópicos Introdução à Economia da Saúde : Definição de Economia da Saúde; Gasto em Saúde;

Leia mais

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 DAE Going Local Portugal 12 de Novembro de 2013, Lisboa Mário Campolargo European Commission - DG CONNECT Director, NET Futures "The views expressed

Leia mais