Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação"

Transcrição

1 Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011

2 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação no Brasil Resultados de Quantidade Resultados de Qualidade Gastos em Educação 3. Desafios Institucionais: Como aumentar a eficiência dos gastos? Algumas experiências brasileiras O uso dos métodos estruturados O uso do sistema de incentivos: O programa pró-jovem Elementos para um sistema de accountability no Brasil A provisão descentralizada da educação pública O IDEB

3 Porque educação A educação é um elemento importante para o crescimento pois é um componente do capital humano das pessoas. O capital humano é um dos fatores determinantes do crescimento econômico

4 Educação e Crescimento

5 Educação e crescimento

6 Educação no Brasil Embora tenha aumentado ao longo dos anos, o Brasil apresenta níveis relativamente baixos de anos de escolaridade (quantidade) Analogamente, embora tenha aumentado ao longo dos anos, o Brasil apresenta níveis muito inferiores de proficiência (qualidade)

7 Educação no Brasil: Quantidade Médias de Anos de Escolaridade da População Adulta Argentina Brazil Chile Colombia Fonte: Banco Mundial, 2010 Mexico Peru Canada France United Kingdom USA China Japan Korea, Rep. OECD average

8 Educação no Brasil: Quantidade Fluxo Educacional no Brasil Fonte: Banco Mundial, 2010.

9 Educação no Brasil: Qualidade Exame de Matemática do PISA

10 600 Educação no Brasil: Qualidade Score point change in mathematics between 2003 and 2009 PISA 2009 performance above OECD average Performance declined PISA 2009 performance above OECD average Performance improved Mean score in mathematics in Hong Kong-China Korea Finland Japan Liechtenstein Switzerland Netherlands Canada Macao-China New Zealand Belgium Australia Germany France Iceland Denmark Slovak Republic Norway Czech Republic Sweden Poland Hungary Ireland Luxembourg Spain United States Latvia Russian Federation Serbia Italy OECD average - 34 Portugal Greece Turkey Thailand Uruguay Mexico PISA 2009 performance below OECD average Performance declined Indonesia Tunisia Score point change in mathematics performance between 2003 and 2009 Brazil PISA 2009 performance below OECD average Performance improved

11 Educação no Brasil: Qualidade Percentage of students below proficiency Level Korea o Hong Kong-China o Liechtenstein o Finland o Korea o Hong Kong-China o Macao-China o Canada o Japan o Netherlands o Liechtenstein o Macao-China o Canada o Japan o Switzerland o New Zealand o Australia o Netherlands o Switzerland o New Zealand o Luxembourg + Italy - Australia o Iceland + Denmark o Norway o Germany o Belgium + Poland o Ireland + Slovak Republic o Sweden + Hungary o Czech Republic + France + Latvia o United States o Portugal - Spain o Luxembourg + Italy - Russian Federation Greece - Serbia o Turkey - Uruguay o Mexico - Thailand o Brazil - Tunisia - Indonesia o Change in the percentage of students below proficiency Level 2 in th ti b t

12 Educação no Brasil: Qualidade Proficiência de Matemática no SAEB Score Year 4th Grade 8th Grade 11th Grade Note: Public schools include Estadual and Municipal Schools, except in 11th Grade where it only includes Estadual Schools

13 Gastos em Educação no Brasil O Brasil não gasta pouco em educação. O Brasil gasta em educação, em proporção ao PIB, cerca da média dos gastos dos países da OCDE. Mas o Brasil gasta mal. A distribuição dos recursos é mais favorável ao alunos ao final do ciclo de vida escolar A eficiência dos gastos em termos de quantidade e qualidade da educação é muito baixa

14 Gastos em Educação Gastos Públicos em Educação como % PIB de 2007 Fonte: Banco Mundial 2010.

15 Gastos em Educação Gastos por aluno por níveis educacionais em relação ao custo aluno na educação primária em 2007 Educação primária = 100 Fonte: Banco Mundial 2010.

16 Gastos em Educação Proficiência Média Gastos por aluno nos municípios do Brasil em 2007 Menezes Filho (2009)

17 A influência da escola na proficiência Estudos nossos aplicando métodos de decomposição de variância encontram que do total da variância de proficiência entre os alunos da quarta série do ensino público: 60%-70% é devido à qualidade do matching escola/aluno Destes, 10%-15% é efeito da escola. O restante é devido ao efeito fixo do aluno

18 Desafios institucionais: Como aumentar a eficiência dos gastos Algumas experiências brasileiras: O uso dos métodos estruturados Os sistemas de ensino de métodos estruturados propõem oferecer: Estruturação dos conteúdos curriculares e das atividades pedagógicas por meio de materiais didáticos destinado a alunos e professores. Capacitação e assessoria pedagógica ao corpo docente e acesso a portal educativo.

19 Desafios institucionais: Impactos dos métodos estruturados Tabela 16: Regressão com Efeito Fixo do Município: Amostra Ampliada 4a Série 8a Série Taxa de Taxa de Proficiência Proficiência Proficiência Aprovação Aprovação Matemática Português Matemática (1a a 4a) (5a a 8a) Proficiência Português Método Estruturado 0,626 4,712** 3,353** 2,077 6,261** 4,921* (0,655) (2,284) (1,624) (1,596) (2,928) (2,660) Ano ,342*** 12,679*** 0,569 1,481** 3,058** 6,955*** (0,255) (0,887) (0,631) (0,670) (1,230) (1,118) Constante 91,341*** 194,622*** 185,610*** 86,396*** 246,692*** 228,509*** (0,169) (0,591) (0,420) (0,456) (0,836) (0,760) Número de Observações nota: *** p<0.01, ** p<0.05, * p<0.1. Desvio padrão entre parênteses.

20 Desafios institucionais: Impactos dos métodos estruturados O Efeito Por Ponto de Partida 4a Série Português Matemática

21 Desafios Institucionais: A experiência do Programa Jovem do Futuro A finalidade do projeto é a melhoria na gestão das escolas estaduais com o objetivo principal de elevar o desempenho escolar e diminuir a evasão dos alunos do Ensino Médio O Instituto Unibanco propõe que as escolas elaborem um Plano Estratégico de Melhoria de Qualidade (PEMQ) As atividades desenvolvidas pelas escolas participantes do projeto, de acordo com seu PEMQ, devem respeitar as linhas financiáveis propostas pelo Instituto Unibanco, são elas: incentivos ao professor, incentivos ao aluno e infra-estrutura. As escolas participantes recebem um valor total de R$ 100 por aluno cadastrado, cursando o Ensino Médio (1 ao 3 ano), durante 3 anos (tempo de duração do projeto em cada escola). Para verificar a meta de desempenho escolar, o Instituto Unibanco desenvolveu um sistema de avaliação em larga escala, baseado no SAEB, que permite medir a proficiência dos alunos nas disciplinas de língua portuguesa e matemática. Os alunos da 1ª série do Ensino Médio são avaliados censitariamente por meio de três avaliações: uma diagnóstica em março, uma formativa em junho e uma somativa ao final do ano letivo, em novembro. A escolha das escolas participantes do projeto foi feita aleatoriamente.

22 Desafios Institucionais: A experiência do Programa Jovem do Futuro Modelo Estimado: NS ij = α + ρnd ij + βt + γy j + u j + e ij NS ij Nota somativa somativa do aluno i da escola j ND ij Nota diagnostica do aluno i da escola j T T=1 se o aluno i pertence a uma escola j do grupo de tratamento e T=0 se pertence a uma escola j do grupo de controle Y j Matriz de variáveis observáveis relativas à escola j a qual o aluno pertence, do censo escolar u j componente aleatório do erro da escola j e ij componente aleatório do erro do aluno i da escola j Minas Gerais Nota somativa de matemática Nota somativa de português Rio Grande do Sul Nota somativa de matemática Nota somativa de português Intercepto 87,61*** 78,05*** (11,4884) (11,2144) Intercepto 99,38*** 118,86*** (8,0495) (10,2523) Nota diagnóstica de 0,65 *** 0,65*** Nota diagnóstica de 0,58*** 0,50*** matemática/portuguê s (0,0099) (0,00949) matemática/portugu ês (0,01275) (0,0124) Tratamento (T) 11,16** 15,34*** (4,4260) (4,3135) Tratamento (T) 20,57*** 23,93*** (3,4267) (4,9748) N N

23 Elementos para um sistema de Accountability Um sistema de accountability comporta: Provisão descentralizada do bem público Um sistema de avaliação externa (provas, exames,etc.) Um sistema de indicadores Formulação de metas com base nos indicadores Um sistema de prêmios e punições em função das metas alcançadas O Brasil já possui alguns desses elementos. O desafio está em organizá-los de modo a alinhá-los aos resultados de aprendizado dos alunos

24 Elementos para um sistema de Accountability A descentralização da provisão da educação pública Ocorreu nas últimas duas décadas a municipalização das redes de ensino: transferências das escolas dos estados para os municípios A expectativa é que a descentralização permita alinhar melhor os interesses dos beneficiários com os provedores e gestores

25 Desafios institucionais 70% 60% Participação das Matrículas em Escolas Privadas e Públicas Estaduais e Municipais em Relação às Matrículas Totais do Ensino Fundamental Estaduais Municipa is Privadas 50% 40% 30% 20% 10% 0%

26 Desafios institucionais: impacto da municipalização Resultados Médios dos Exames de Proficiência 4ª Série E-E E-M M-M Matemática SAEB 173,77 175,61 170,21 Prova Brasil 178,55 180,03 174,79 Diferença 4,78 4,42 4,58 Dif. - Dif. -0,36 Português SAEB 165,96 165,52 162,38 Prova Brasil 172,10 172,13 167,77 Diferença 6,14 6,61 5,39 Dif. - Dif. 0,46

27 O IDEB IDEB sj = ProvaBrasil sj * π sj ProvaBrasil sj = proficiência média na última série do ciclo Π sj = taxa de aprovação média no ciclo s = ciclo j = escola Normalizado entre 0 e 10

28 Desafios institucionais A dificuldade do sistema de accountability está em criar indicadores que reflitam bem o impacto dos esforços dos agentes sobre os resultados de interesse (aprendizado dos alunos)

29 Results Ranking by Familiar Background versus Ranking Proficiency 4 th rank profic y = 0,8861x + 58,141 R² = 0, rank θj Fonte: Cury e Portela Souza 2011.

30 Results Ranking by Management versus Ranking Proficiency 4 th rank profic y = 0,2685x + 373,42 R² = 0, rank θj Fonte: Cury e Portela Souza 2011.

31 Desafios institucionais A outra dificuldade está em estabelecer um sistema explícito de metas e punições. Remuneração variável Progressão em carreira Prêmios coletivos ou individualizados

32 Desafios institucionais Fonte: de Pieri, 2011.

33 Desafios institucionais Fonte: de Pieri, 2011.

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ESCOLAR E OS SALÁRIOS NO BRASIL

A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ESCOLAR E OS SALÁRIOS NO BRASIL A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ESCOLAR E OS SALÁRIOS NO BRASIL Andréa Zaitune Curi Tendências Consultoria Naercio Aquino Menezes Filho IBMEC-SP, USP, IFB e Fundação Itaú Social Introdução Processo de educação

Leia mais

O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social

O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social Naércio Aquino Menezes Filho Instituto Futuro Brasil, Ibmec São Paulo e USP 1ª Jornada da Educação - TCE - 04/12/2008 Roteiro 1) Introdução O papel

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Portugal na União Europeia 1986-2010 Faculdade de Economia, Universidade do Porto - 21 Janeiro 2011 Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Pedro Teixeira (CEF.UP/UP e CIPES);

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego:

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Economia Social Pós Parte III: Mercado de Trabalho Ênfase na parte de políticas Profa. Danielle Carusi Prof. Fábio Waltenberg Aula 5 (parte III) setembro de 2010 Economia UFF 1. Políticas macroeconômicas,

Leia mais

Gestão Educacional. Ciclo de Debates

Gestão Educacional. Ciclo de Debates Gestão Educacional Ciclo de Debates 2012 Gestão Educacional Ciclo de Debates 2012 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Dialogos sobre a gestão

Leia mais

A Relação entre o Desempenho Escolar e os Salários no Brasil. Andréa Zaitune Curi Naércio Aquino Menezes Filho

A Relação entre o Desempenho Escolar e os Salários no Brasil. Andréa Zaitune Curi Naércio Aquino Menezes Filho A Relação entre o Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Andréa Zaitune Curi Naércio Aquino Menezes Filho A Relação entre o Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Andréa Zaitune Curi * Naércio

Leia mais

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais sobre assistência à saúde da OECD e da Europa Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Por que a qualidade do cuidado

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior Headquarters: Rua Senhor da Paciência, 39 6200-158 Covilhã Portugal Telephone: +351 275 319 530 Fax: +351 275

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

Os Determinantes do Desempenho Escolar do Brasil

Os Determinantes do Desempenho Escolar do Brasil Os Determinantes do Desempenho Escolar do Brasil Naercio Menezes-Filho Instituto Futuro Brasil, Ibmec-SP e FEA-USP Sumário Executivo Depois de um avanço educacional muito lento com relação aos outros países

Leia mais

Os Determinantes do Desempenho Escolar do Brasil

Os Determinantes do Desempenho Escolar do Brasil Os Determinantes do Desempenho Escolar do Brasil Naercio Menezes-Filho Instituto Futuro Brasil, Ibmec-SP e FEA-USP Sumário Executivo Depois de um avanço educacional muito lento com relação aos outros países

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

Análise da Municipalização do Ensino Fundamental no Estado de São Paulo e seus Impactos. Andréa Zaitune Curi André Portela de Souza

Análise da Municipalização do Ensino Fundamental no Estado de São Paulo e seus Impactos. Andréa Zaitune Curi André Portela de Souza Análise da Municipalização do Ensino Fundamental no Estado de São Paulo e seus Impactos Andréa Zaitune Curi André Portela de Souza Descentralização administrativa do sistema educacional... O principal

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

Foad Shaikhzadeh Presidente Furukawa Industrial SA

Foad Shaikhzadeh Presidente Furukawa Industrial SA Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

Programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos II ENCONTRO NACIONAL DE MUNICÍPIOS Programa Mais Médicos Brasília- 02/03/16 Lançado em julho de 2013 para atender demanda histórica da insuficiência de médicos no Brasil, em especial, no SUS e na Atenção

Leia mais

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal 0 Sumário e conclusões 1 - O peso das receitas fiscais totais no PIB 2 O peso dos impostos sobre o rendimento

Leia mais

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Impacto Positivo de uma Redução de Tributos para Empresas e Consumidores Rio de Janeiro, 27 de maio de 2009 Em 2008, o mercado brasileiro de CDs e DVDs

Leia mais

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios:

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios: CREBi Media Kit Atualmente, somos a mais representativa mídia eletrônica do setor de jóias e afins e também já superamos em muito as maiores médias de outras categorias de mídia. O CREBi oferece três canais

Leia mais

Associação KNX Portugal

Associação KNX Portugal Associação KNX Portugal Organização KNX e rede de parceiros KNX Association International Page No. 3 Associações Nacionais: Membros Membros KNX Nacionais: Fabricantes: Empresas fabricantes ou representantes

Leia mais

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 MVNO Operadoras Virtuais no Brasil Conhecendo o usuário brasileiro Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 O estudo A&R contempla 17 países com mais de 20 mil entrevistas, agrupadas em 3 categorias: Mature,

Leia mais

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas.

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. Constança Paúl, 19 Abril 2012, IPO-Porto Health Cluster Portugal: Encontros com a inovação em saúde A procura

Leia mais

Avaliação de aprendizagem em larga escala: o PISA

Avaliação de aprendizagem em larga escala: o PISA Avaliação de aprendizagem em larga escala: o PISA Marta Feijó Barroso Instituto de Física UFRJ Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física LIMC Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento em Ensino de

Leia mais

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise Adalberto Campos Fernandes O Contexto FINANCIAMENTO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE EM TEMPOS DE CRISE O CONTEXTO A ESPECIFICIDADE DO BEM

Leia mais

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Patrícia Jardim da Palma Professora Universitária no ISCSP Coordenadora do Hélios Directora do INTEC ppalma@iscsp.utl.pt Agenda O empreendedorismo

Leia mais

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º)

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º) Nicaragua (1º) Dominican Republic (2º) Brazil (3º) Honduras (4º) Guatemala (5º) Equatorial Guinea (6º) Panama (7º) Cuba (8º) El Salvador (9º) Uruguay (10º) Colombia (11º) Guyana (12º) Mexico (13º) Ecuador

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS E A EDUCAÇÃO BÁSICA: PROPOSTAS PARA SUPERAR A CRISE

O ENSINO DE CIÊNCIAS E A EDUCAÇÃO BÁSICA: PROPOSTAS PARA SUPERAR A CRISE O ENSINO DE CIÊNCIAS E A EDUCAÇÃO BÁSICA: PROPOSTAS PARA SUPERAR A CRISE 2007 Grupo de Estudo Ernst Wolfgang Hamburger Fernando Galembeck Joao Lucas Marques Barbosa Keti Tenenblat (Coordenadora) Luiz Davidovich

Leia mais

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo ED 2068/09 16 junho 2009 Original: inglês P Obstáculos ao consumo 1. Cumprimentando os Membros, o Diretor-Executivo recorda-lhes que, de acordo com o Artigo 33 do Convênio Internacional do Café de 2001

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS 1 RELATÓRIO Nº CCT, DE 2015 AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Presidente: SENADOR CRISTOVAM BUARQUE Vice-Presidente:

Leia mais

Frente Parlamentar pela Federalização da Educação Básica A Nota da Federalização

Frente Parlamentar pela Federalização da Educação Básica A Nota da Federalização Frente Parlamentar pela Federalização da Educação Básica A Nota da Federalização Cristovam Buarque Brasília, dezembro de 2013 Frente Parlamentar pela Federalização da Educação Básica Senadores e Deputados

Leia mais

Tecnologia Conectividade

Tecnologia Conectividade Funcionalidade de Alimentos como Ferramenta de Marketing Mª Engª Alexia Hoppe I Mostra de Ciência e Tecnologia TecnoDohms Porto Alegre, Maio 2012 Tecnologia Conectividade Geração Y: valores e atitudes

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL % DE RESPOSTAS POR REGIÃO INTRODUÇÃO Américas 19% Ásia 31% A pesquisa global de opinião sobre o mercado

Leia mais

Amartya Sen e os desafios da educação. Wanda Engel Superintendente Executiva do Instituto Unibanco

Amartya Sen e os desafios da educação. Wanda Engel Superintendente Executiva do Instituto Unibanco Amartya Sen e os desafios da educação Wanda Engel Superintendente Executiva do Instituto Unibanco 1 O desenvolvimento pode ser visto como um processo de expansão das liberdades reais que as pessoas desfrutam.

Leia mais

O E N S I N O D E C I Ê N C I A S E A EDUCAÇÃO BÁSICA Propostas para Superar a Crise

O E N S I N O D E C I Ê N C I A S E A EDUCAÇÃO BÁSICA Propostas para Superar a Crise O E N S I N O D E C I Ê N C I A S E A EDUCAÇÃO BÁSICA Propostas para Superar a Crise 2007 Direitos autorais, 2008, de organização, da Academia Brasileira de Ciências Rua Anfilófio de Carvalho, 29-3o Andar

Leia mais

SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros

SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros Fabiana Montanari Lapido Projeto SciELO FAPESP, CNPq, BIREME, FapUNIFESP Informação Conhecimento científico pesquisa científica

Leia mais

Relação entre emendas parlamentares e corrupção municipal no Brasil, aplicados à educação

Relação entre emendas parlamentares e corrupção municipal no Brasil, aplicados à educação Relação entre emendas parlamentares e corrupção municipal no Brasil, aplicados à educação Aluno: Julia Wrobel Folescu Orientadores: Sérgio Firpo Introdução Foi feito um estudo de forma a determinar o aumento

Leia mais

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC Participamos do processo de escolha da Entidade Aferidora

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

Estudo de Caso da Folha de Pagamento dos Servidores do Estado do Rio Grande do Sul

Estudo de Caso da Folha de Pagamento dos Servidores do Estado do Rio Grande do Sul Estudo de Caso da Folha de Pagamento dos Servidores do Estado do Rio Grande do Sul 1 - Introdução Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa A literatura econômica estabelece um consenso

Leia mais

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE Discutir a importância do cumprimento dos requisitos de conformidade e comportamento ético à luz de leis e regulamentações estrangeira em vigor. FEIRA HOSPITALAR Junho de 2008

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAE DA CRISE 2,00% 1,50% Evolução do PIB espanhol 1,70% 1,00% 1% 0,50% 0,00% -0,50% -0,20% 0,10% 2010 2011 2012

Leia mais

Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum

Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum José Viegas Secretário Geral International Transport Forum 19º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito, Brasília,

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE ÁGUA MINERAL NA GRÉCIA

INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE ÁGUA MINERAL NA GRÉCIA INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE ÁGUA MINERAL NA GRÉCIA Embaixada do Brasil em Atenas Setor Comercial secomgre@embratenas.gr Tel: 30 210 72 444 34 Fax: 30 210 724 47 31 http://atenas.itamaraty.gov.br MAR

Leia mais

Projeto GeoCONVIAS abril 2009

Projeto GeoCONVIAS abril 2009 Projeto GeoCONVIAS abril 2009 Logica 2008. All rights reserved Agenda 1 2 3 4 5 6 7 8 Instituições Participantes Objetivo do Projeto Fluxo de Trabalho de CONVIAS Benefícios Escopo do Projeto Arquitetura

Leia mais

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) É A AGÊNCIA PÚBLICA NACIONAL PARA A INVESTIGAÇÃO E A INOVAÇÃO EM PORTUGAL WWW.FCT.PT A VISÃO DA FCT É: TORNAR PORTUGAL UMA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA,

Leia mais

2,7. Brasil sairá de 374 mil para 600 mil médicos até 2026. 11,5 mil novas vagas de graduação até 2017. 12,4 mil novas vagas de residência

2,7. Brasil sairá de 374 mil para 600 mil médicos até 2026. 11,5 mil novas vagas de graduação até 2017. 12,4 mil novas vagas de residência Brasil sairá de 374 mil para 600 mil médicos até 2026 Atingindo a meta de 2,7 médicos por mil habitantes 11,5 mil novas vagas de graduação até 2017 12,4 mil novas vagas de residência para formação de especialistas

Leia mais

Serviços de telefonia. condições de prestação

Serviços de telefonia. condições de prestação Serviços de telefonia móvel: preços e condições de prestação Audiência pública na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Ercio Alberto Zilli Presidente Executivo

Leia mais

A valorização do professor no Brasil no contexto das tendências globais

A valorização do professor no Brasil no contexto das tendências globais A valorização do professor no Brasil no contexto das tendências globais Teachers appreciation in Brazil in global trends context Aline Chalus Vernick Carissimi 1 Rose Meri Trojan 2 Resumo Este trabalho

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2015 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2015 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2015 BRASIL INTRODUÇÃO Europe 43% % DE RESPOSTAS POR REGIÃO Americas 9% Asia 48% A pesquisa global de opinião sobre

Leia mais

Exportar para Crescer. Novos Caminhos para o Mercado Externo

Exportar para Crescer. Novos Caminhos para o Mercado Externo Exportar para Crescer Novos Caminhos para o Mercado Externo Panorama Coface 30 06 2011 Denise Cortez Grupo Coface Visão Global Empresa de Origem francesa especializada no Gerenciamento de Risco de Crédito:

Leia mais

e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011

e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011 e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011 Agenda Sobre a IATA O que é e-freight Mensagens Padronizadas Requerimentos básicos para a Aduana Conhecimento Aéreo Eletrônico (e-awb) 2 IATA

Leia mais

O MUNDO EM 2050 E OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. Antônio da Luz Economista

O MUNDO EM 2050 E OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. Antônio da Luz Economista O MUNDO EM 2050 E OS DESAFIOS E OPORTUNIDADES NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Antônio da Luz Economista EVOLUÇÃO E PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL - 2050 POPULAÇÃO MUNDIAL RURAL X URBANA (%) HÁ50 ANOS, TÍNHAMOS

Leia mais

Indicadores da Internet no Brasil

Indicadores da Internet no Brasil Indicadores da Internet no Brasil Estatísticas sobre o uso das TIC para o monitoramento da Sociedade do conhecimento Juliano Cappi Itupeva, 22 de outubro de 2012 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil

Leia mais

Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro

Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro Introdução O programa de fresas de metal duro para interpolar rosca da Dormer é abrangente e as ferramentas são de alta performance oferecendo ao usuário uma

Leia mais

Com base nesse diagnóstico, a consultoria analisou uma série de determinantes para evidenciar as possibilidades de sucesso no torneio:

Com base nesse diagnóstico, a consultoria analisou uma série de determinantes para evidenciar as possibilidades de sucesso no torneio: Press release Data: 11 de Junho de 2014 Contato: Marta Telles Tel: (11) 3526-4508 marta.telles@imagemcorporativa.com.br Marcia Avruch Tel: (11) 3674-3762 marcia.avruch@br.pwc.com Brasil tem vantagem na

Leia mais

Israel: Inovando para um mundo melhor

Israel: Inovando para um mundo melhor Israel: Inovando para um mundo melhor O futuro, Israel e você Boaz Albaranes Cônsul para Assuntos Econômicos Missão Econômica de Israel no Brasil O que todos estes têm em comum? Dilema atual Tecnologias

Leia mais

CIESP SOROCABA Riscos Comerciais e Políticos e Seguro de Crédito à Exportação. Denise Cortez Executiva de Negocios

CIESP SOROCABA Riscos Comerciais e Políticos e Seguro de Crédito à Exportação. Denise Cortez Executiva de Negocios CIESP SOROCABA Riscos Comerciais e Políticos e Seguro de Crédito à Exportação 26 04 2012 Denise Cortez Executiva de Negocios Panorama Mundial Desta vez, a crise é realmente diferente Crescimento mundial

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Compromisso para o Crescimento Verde Sessão de discussão pública Porto, 2 de dezembro de 2014 Apresentado por: Gabriela Prata Dias 1 Conceito de Eficiência Energética (EE) 2 As medidas

Leia mais

Políticas de Inovação no Brasil. Naercio Menezes Filho, Bruno Komatsu, Andrea Lucchesi e Marcela Ferrario

Políticas de Inovação no Brasil. Naercio Menezes Filho, Bruno Komatsu, Andrea Lucchesi e Marcela Ferrario Políticas de Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho, Bruno Komatsu, Andrea Lucchesi e Marcela Ferrario Policy Paper Nº 11 Agosto, 2014 Políticas de Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho, Bruno Komatsu,

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL 50 40 30 20 10 0-10 -20-30 -40-50 Fev 2009 Jul 2009 SENTIMENT NÍVEL GLOBAL Jan 2010 % DE RESPOSTAS POR

Leia mais

Mudanças na Educação Médica do Brasil. Brasília, agosto de 2015

Mudanças na Educação Médica do Brasil. Brasília, agosto de 2015 Mudanças na Educação Médica do Brasil Brasília, agosto de 2015 Mais Médicos para o Brasil Eixos do Programa Ampliação e Melhoria da Infraestrutura Formação para o SUS Provimento Emergencial Ampliação da

Leia mais

NOVOS FATORES DE RISCO PARA DIRETORES E CONSELHEIROS

NOVOS FATORES DE RISCO PARA DIRETORES E CONSELHEIROS NOVOS FATORES DE RISCO PARA DIRETORES E CONSELHEIROS Gustavo Galrão Head of Professional Lines Brazil XL Group Insurance ABGR, Sao Paulo, Brazil 23 de Outubro de 2013 1 Agenda 1) Responsabilidade de Administradores

Leia mais

Educação para o Desenvolvimento

Educação para o Desenvolvimento Educação para o Desenvolvimento FIESC Jornada pela Inovação e Competitividade Florianópolis, 19 de julho de 2012 gustavo.ioschpe@g7investimentos.com.br gioschpe A Educação no Brasil 74% da população brasileira

Leia mais

FAQ Obrigatoriedade do GTIN

FAQ Obrigatoriedade do GTIN FAQ Obrigatoriedade do GTIN 1. O que é o GTIN? GTIN, acrônimo para Global Trade Item Number é um identificador para itens comerciais desenvolvido e controlado pela GS1, antiga EAN/UCC. GTINs, anteriormente

Leia mais

SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105

SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105 Sistemas DYWIDAG SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105 As barras e componentes DYWIDAG excedem os limites requeridos pelas normas brasileiras. Sua rosca robusta proporciona máxima aderência aço/concreto, única no

Leia mais

Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional

Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional Antonio Delfim Netto 25/03/2009 São Paulo, SP I. A Economia de Mercado A. O que ela produziu 1. Melhoria nas condições de vida 2. Tecnologia e crescimento

Leia mais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação Aveiro, 10 Mar 2006 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP e-ciência em Portugal IBERCIVIS: Lançamento do projecto SOLUVEL e apresentação de resultados do projecto AMILOIDE Museu da Ciência, U. de Coimbra, 1 de Julho de 211 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência

Leia mais

Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal

Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal Memorando Complementar ao Relatório de Setembro de 2011 13 de Dezembro de 2012 Carla Sá João Cerejeira Miguel Portela NIPE Núcleo de Investigação em Políticas

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro

BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro 2 Conteúdo Introdução... 3 Campos de Aplicação... 4 Principais Vantagens... 4 Descrição do Sistema... 4 Componentes do Sistema... 4

Leia mais

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014 José António Vieira da Silva 1. A proteção social como conceito amplo a ambição do modelo social europeu 2. O modelo de proteção social no Portugal pós 1974 3. Os desafios

Leia mais

Maximizando os Incentivos à Inovação

Maximizando os Incentivos à Inovação TAX CIESP Maximizando os Incentivos à Inovação R&D Tax Incentives Proposta para prestação de serviços profissionais Agosto de 2014 Agenda Ambiente de Inovação e Incentivos Incentivos Fiscais à Inovação

Leia mais

Pesquisa TIC Kids Online Brasil

Pesquisa TIC Kids Online Brasil Semana da Infraestrutura da Internet no Brasil Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes GTER Grupo de Trabalho em Segurança de Redes GTS Pesquisa TIC Kids Online Brasil Parte I: Visão geral

Leia mais

CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA

CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA OVERVIEW CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA A solução Ethernet para a Fábrica (EttF) da Cisco é um componente da visão Rede Inteligente para Manufatura (INM) da Cisco. Ela elimina a distância entre o escritório

Leia mais

PESQUISA GLOBAL Job:11521

PESQUISA GLOBAL Job:11521 PESQUISA GLOBAL Job:11521 1 2 GLOBAL BAROMETER ON NUCLEAR ENERGY After Japan Earthquake Global WIN Survey Amostra global de 34,122 respondentes Homens e mulheres de todas as classes sociais Entrevistas

Leia mais

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web ALGUNS EVENTOS E DADOS IMPORTANTES DA INTERNET NO BRASIL E NO MUNDO NO BRASIL Primeira conexão à redes (Bitnet) => Outubro 88 Domínio.br foi registrado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS ESTRATÉGIA E DESENVOLVIMENTO INSTITUTO DE ECONOMIA GUILHERME COSTA PEREIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS ESTRATÉGIA E DESENVOLVIMENTO INSTITUTO DE ECONOMIA GUILHERME COSTA PEREIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS ESTRATÉGIA E DESENVOLVIMENTO INSTITUTO DE ECONOMIA GUILHERME COSTA PEREIRA UMA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO

Leia mais

EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006. Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas

EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006. Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006 Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas Junho 2009 1 Amostra O European Social Survey 3 foi aplicado a amostras aleatórias e probabilísticas

Leia mais

Serviços de Informação do Benchmark de Métricas da Força de Trabalho

Serviços de Informação do Benchmark de Métricas da Força de Trabalho Serviços de Informação do Benchmark de Métricas da Força de Trabalho Transformando dados em conhecimento que você pode aplicar imediatamente Foco em composição da força de trabalho e métricas de retenção.

Leia mais

1. AS RAÍZES DE HOJE: O ATRASO EDUCATIVO PORTUGUÊS NO CONTEXTO OCIDENTAL

1. AS RAÍZES DE HOJE: O ATRASO EDUCATIVO PORTUGUÊS NO CONTEXTO OCIDENTAL Opções educativas sectoriais de alguns países integrados no PISA 1. AS RAÍZES DE HOJE: O ATRASO EDUCATIVO PORTUGUÊS NO CONTEXTO OCIDENTAL António Candeias 1.1. Dados sobre o lugar de Portugal nos processos

Leia mais

OS DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PNE NA REDE MUNICIPAL

OS DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PNE NA REDE MUNICIPAL OS DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PNE NA REDE MUNICIPAL Maurício Fernandes Pereira PRESIDENTE DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA PRESIDENTE DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE

Leia mais

Avaliação da Educação Básica. Saeb/Prova Brasil e Ideb

Avaliação da Educação Básica. Saeb/Prova Brasil e Ideb Avaliação da Educação Básica Saeb/Prova Brasil e Ideb Saeb/Prova Brasil O desafio de planejar uma avaliação Matriz de Referência Elaboração de Itens - Capacitação IES - Laboratório Cognitivo BNI Pré-Teste

Leia mais

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Claudia Bindo Gerente de Novos Negócios GfK 2013 1 Empresas de Ótica & Eyewear Pesquisa do Mercado Global feita para você TM Apresentação corporativa GfK 2013

Leia mais

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 DAE Going Local Portugal 12 de Novembro de 2013, Lisboa Mário Campolargo European Commission - DG CONNECT Director, NET Futures "The views expressed

Leia mais

Artemis7. Portfolio and Project Management Solutions. Better decisions. Better results

Artemis7. Portfolio and Project Management Solutions. Better decisions. Better results Artemis7 Portfolio and Project Management Solutions Better decisions. Better results ESCRITÓÓÓORIO BRASIL Av. Dr. Guilherme Dumont Villares, 1410 6o. andar - Morumbi - 05640-003 55 11 3773-9009 REGIONAL

Leia mais

Eficiência Energética. Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios

Eficiência Energética. Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios j Infrastructures & Cites Building Efficiency Monitoring Eficiência Energética Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios Monitorização e Controlo de Energia de forma simples e eficaz.

Leia mais