arquitetura da Conta Satélite da Economia Social

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "arquitetura da Conta Satélite da Economia Social"

Transcrição

1 Índice Parte I Desenvolvimentos nas Contas Nacionais e a arquitetura da Conta Satélite da Economia Social Parte II Porquê uma nova Conta Satélite da Economia Social? 2 1

2 Índice Parte I 0. O que é uma Conta Satélite? 2.1. Revisões metodológicas 2.2. Integração de novas fontes 2.3. Impacto sobre o setor institucional das Instituições sem Fim Lucrativo ao Serviço das Famílias (ISFLSF) 3. Desenvolvimentos internacionais: Manual da ONU da Conta das Instituições Sem Fim Lucrativo 4. Como melhorar a nova CSES? 4 2

3 0. O que é uma Conta Satélite? Contas Nacionais 0. O que é uma Conta Satélite? AS CONTAS SATÉLITE NO INE B. Projetos em desenvolvimento Bens e serviços ambientais Despesasde Proteção Ambiental Energia Agricultura Silvicultura A. Projetos em rotina Ambiente Desporto Cultura Contas Nacionais Saúde MAR Turismo Economia Social Instituições sem fim lucrativo 6 3

4 PORQUÊ? Reconhecimento estatístico ( ) 16. Salienta que a medição da economia social é complementar à medição das organizações sem fins lucrativos (OSFL), convida a Comissão e os Estados Membros a promoverem a utilização do Manual da ONU sobre organizações sem fins lucrativos e a prepararem contas satélite que permitam melhorar a visibilidade das OSFL e das organizações da economia social. Fonte: Resolução do Parlamento Europeu, de 19 de Fevereiro de 2009, sobre a economia social. 7 CONCEPTUALIZAÇÃO Fase 3 Conta Satélite da Economia Social 2010 Fase 2 + Cooperativas + Mutualidades + Trabalho Voluntário Fase2 Fase 1 Conta Satélite das Instituições sem fim lucrativo 2006 Fase 1 + Outras instituições sem fim lucrativo Contas Nacionais 2006 Aprofundamento do estudo das Instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias (ISFL) Abordagem americana Abordagem europeia 8 4

5 CONCEPTUALIZAÇÃO Fase 3: Compilação de uma Conta Satélite da Economia Social 1. Conta de Produção 2. Conta de Exploração 3. Conta de Afetação dos Rendimentos Primários 4. Conta de Distribuição Secundária do Rendimento 5. Conta de Redistribuição do Rendimento em Espécie 6. Conta de Utilização do Rendimento Disponível 7. Conta de Capital 9 CONCEPTUALIZAÇÃO Multi - dimensional Ramos de Atividade / Classificação Organizações da Economia Social Setores Institucionais Conta Satélite das ISFL 10 5

6 CONCEPTUALIZAÇÃO Modular Associações e OOES Ramos de Atividade / Classificação Organizações da Economia Social Setores Institucionais Cooperativas Mutualidades Misericórdias Fundações Grupos de entidades da Economia Social 11 CONCEPTUALIZAÇÃO Apuramento especial -estatuto Ramos de Atividade / Classificação Organizações da Economia Social Setores Institucionais IPSS Grupos de entidades da Economia Social 12 6

7 PRINCIPAIS RESULTADOS 13 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR ATIVIDADE entidades Grande heterogeneidade 1º) Cerca de 50 das entidades na Cultura, Desporto e Recreio 2º) Cultos e Congregações: 15,8 3º) Ação Social: 14,0 Gráfico Entidades da ES, por atividade Cult., Desp. e Recreio 48,4 Org. Prof., Sindic. e Polít. 4,7 Cultos e Congr. 15,8 N.E. 4,1 Ação Social 14,0 Agric., Silvic. e Pescas 0,5 Ativ. Transf. 0,7 Com., Cons. e Serv. 1,2 Desenv., Hab. e Amb. 4,9 Ativ. Financ. 0,2 Ensino e Investig. Saúde e 4,2 Bem-Estar 1,5 14 7

8 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR ATIVIDADE Hierarquização distinta da observada em número: 1º: Cerca 50 do emprego na Ação Social 2º: Cultos e Congregações (15,8) 3º: Ensino e Investigação (10,5) Gráfico Emprego remunerado na ES (ETC) Cult., Desp. e Recreio 5,4 Ação Social 48,6 Cultos e Congr. 15,8 Org. Prof., Sindic. e Polít. 3,6 N.E. 0,3 Agric., Silvic. e Pescas Ativ. Transf. 0,4 2,8 Ensino e Investig. 10,5 Saúde e Bem-Estar 4,0 Com., Cons. e Serv. 3,2 Desenv., Hab. e Amb. 2,3 Ativ. Financ. 3,2 15 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR ATIVIDADE Mantém-se predominância da ação social no VAB: 1º: Ação social: (41,3); 2º: Cultos e Congregações : (13,8) 3º: Atividades Financeiras: (12,4) Gráfico VAB da ES, por atividade Cult., Desp. e Recreio 6,8 Ação Social 41,3 Saúde e Bem-Estar 3,5 Cultos e Congr. 13,8 Org. Prof., Sindic. e Polít. 0,4 Ativ. Financ. 12,4 Ensino e Investig. 11,8 N.E. 0,1 Agric., Silvic. e Pescas 0,2 Ativ. Transf. 5,1 Com., Cons. e Serv. 3,1 Desenv., Hab. e Amb. 1,5 16 8

9 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR GRUPOS entidades: 1) Associações e outras OES: (94,0) 2) Cooperativas: (4,1) Gráfico Entidades da ES, por grupos Cooperativas 4,1 Mutualidades 0,2 Misericórdias 0,7 3) Fundações: 537 (1,0) 4) Misericórdias: 381 (0,7) 5) Mutualidades: 119 (0,2) Ass. e outras OES 94,0 Fundações 1,0 17 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR GRUPOS 1) Associações e outras OES: 64,9 Gráfico Emprego remunerado na ES (ETC) 2) Misericórdias: 14,3 3) Cooperativas: 14,0 4) Fundações: 4,7 Ass. e outras OES 64,9 Cooperativas 14,0 Misericórdias 14,3 Mutualidades 2,0 5) Mutualidades: 2,0 Fundações 4,7 18 9

10 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR GRUPOS 1) Associações e outras OES: 54,1 Gráfico VAB da ES, por grupos de entidades 2) Cooperativas: 17,5 3) Misericórdias: 12,2 4) Fundações: 8,5 Ass. e outras OES 54,1 Cooperativas 17,5 5) Mutualidades: 7,7 Fundações 8,5 Misericórdias 12,2 Mutualidades 7,7 19 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR GRUPOS Gráfico Capacidade/necessidade líquida de financiamento, por grupos de entidades ,3 Cooperativas 54,1 Mutualidades Misericórdias 18,6 Fundações Associações e outras OES -45,8 Total CSES ,9-570,7 Associações e outras OES e as Misericórdias: únicos grupos a apresentar necessidade líquida de financiamento (767,9 e 45,8 milhões de euros, respetivamente); Cooperativas (170,3 milhões de euros), Mutualidades (54,1 milhões de euros) e Fundações (18,6 milhões de euros) apresentaram capacidade líquida de financiamento

11 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR ATIVIDADE E GRUPOS Hierarquização distinta: 1º) Atividades Financeiras (29,9) 2º) Atividades de Transformação (28,8) 3º) Ensino e Investigação (18,3) 4º) Comércio, Consumo e Serviços (17,4) (Ou seja, mais de 90 do VAB cooperativo teve origem nestas quatro atividades) Gráfico VAB nas Cooperativas, por atividade Desenv., Hab. e Amb. 1,7 Ativ. Financ. 29,9 Com., Cons. e Serv. 17,4 Ensino e Investig. 18,3 Ativ. Transf. 28,8 Saúde e Bem-Estar 0,2 Ação Social 0,2 Cult., Desp. e Recreio 2,4 Agric., Silvic. e Pescas 1,2 21 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR ATIVIDADE E GRUPOS Partição do VAB oposta: 1º) Atividades Financeiras: 92,3 2º) Ação Social: 6,3 3º) Saúde e Bem-Estar: 1,4 Gráfico VAB nas Mutualidades, por atividade Saúde e Bem-Estar 1,4 Ação Social 6,3 Ativ. Financ. 92,

12 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR ATIVIDADE E GRUPOS Gráfico VAB nas Misericórdias, por atividade 1º) Ação social: 91,1 2º) Saúde e bem estar: 7,7 3º) Cultos e congregações: 1,2 Ação Social 91,1 Cultos e Congr. 1,2 Saúde e Bem-Estar 7,7 23 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR ATIVIDADE E GRUPOS Distanciamento relativo entre Cultura, Desporto e Recreio e Cultos e a Ação Social não se verificou no VAB: 1º) Cultura, Desporto e Recreio: 38,7; 2º) Ação Social: 38,0. 3º) Ensino e Investigação : 17,5. Gráfico VAB nas Fundações da ES, por atividade Cult., Desp. e Recreio 38,7 Ação Social 38,0 Ensino e Investig. 17,5 Saúde e Bem-Estar 5,

13 PRINCIPAIS RESULTADOS, POR ATIVIDADE E GRUPOS Ordenação distinta: 1º) Ação social: 29,9; 2º) Cultura, Desporto e Recreio: 14,1; 3º) Cultos e Congregações: 13,9. Gráfico VAB nas Associações e outras OES Cult., Desp. e Recreio 14,1 Cultos e Congr. 13,9 Ação Social 29,9 Org. Prof., Sindic. e Polít. 11,0 Ensino e Investig. 12,3 Saúde e Bem-Estar 10,2 N.E. 2,7 Agric., Silvic. e Pescas 0,2 Com., Cons. e Serv. 0,3 Desenv., Hab. e Amb. 5,5 25 PRINCIPAIS RESULTADOS, APURAMENTO ESPECIAL Unidade: Nº Agricultura, Silvicultura e Pescas Atividades de Transformação Comércio, Consumo e Serviços Desenvolvimento, Habitação e Ambiente Atividades Financeiras Ensino e Investigação Saúde e Bem-Estar Ação Social Cultura, Desporto e Recreio/Lazer Cultos e Congregações Organiz. Profissionais, Sindicais e Políticas Não Especificadas Total de IP SS por Grupo F o nt e: INE, Conta Satélite da Economia Social Quadro 1.2 IPSS por grupos de entidades da ES e por atividade (2010) C A OES C o o perativas M utualidades M isericó rdias F undaçõ es A ss. e o utras OES T o tal 26 13

14 PRINCIPAIS RESULTADOS COMPARAÇÃO COM A ECONOMIA NACIONAL Gráfico Peso do VAB da ES e de alguns ramos de atividade, na Economia Nacional Gráfico Peso do emprego (rem) da ES e de alguns ramos de atividade, na ec. nacional Ativ. financ. e de seguros Construção Transportes e armazenagem Saúde Economia Social Eletricidade, gás, vapor e ar frio Agric., silvic. e pesca Agroindústria Telecomunicações Indústria têxtil Madeira, pasta, papel 1,5 Base ,3 2,1 2,0 2,0 2,8 2,7 4,9 4,7 6,3 6,9 Construção Economia Social Saúde Indústria têxtil Transportes e armazenagem Agroindústria Agric., silvic. e pesca Ativ. financ. e de seguros Madeira, pasta, papel Telecomunicações Eletricidade, gás, vapor e ar frio B06 5,5 4,8 4,3 4,0 2,6 2,3 2,2 1,5 0,4 0,2 9, PRINCIPAIS RESULTADOS COMPARAÇÃO COM A ECONOMIA NACIONAL Remuneração Média: 83,1 da Remuneração média nacional Gráfico Rem. Média por Setor Institucional (Economia Nacional = 100) 73,9 83,1 91,5 100,0 160,2 240,3 0 ISFLSF (S.15) Econ. Social Soc. Não financeiras (S.11) Economia Nacional (S.1) Adm. Públicas (S.13) Soc. Financeiras (S.12) 28 14

15 PRINCIPAIS RESULTADOS VOLUNTARIADO E ECONOMIA SOCIAL Gráfico Valorização económica do trabalho voluntário em proporção do PIB (preços correntes; 2012) 2 1 0,99 1,09 0,61 0 Salário Mínimo Salário de Apoio Social Salário por ocupação Valorização económica: Salário mínimo nacional: 1 014,6 milhões de euros: 0,61 do PIB nacional; Salário por ocupação profissional : 1 798,1 milhões de euros: 1,09 do PIB; Salário de apoio social : 1 636,3 milhões de euros : 0,99 do PIB nacional. PRINCIPAIS RESULTADOS VOLUNTARIADO E ECONOMIA SOCIAL Exercício Estima-se que cerca de 483 mil indivíduos tenham desenvolvido ações de voluntariado em organizações da Economia Social, o que corresponde a, aproximadamente, 90 do trabalho voluntário formal. Tomando como referência o total de horas trabalhadas nas Contas Nacionais e os equivalentes a tempo completo (ETC) associados, estima-se que o trabalho voluntário, expresso em ETC, equivale a cerca de 40 do Emprego (ETC) da Economia Social. 15

16 PARA MAIS INFORMAÇÃO Destaque: tema=55557&destaquesmodo=2 Publicações: Conta Satélite da Economia Social: UBLICACOEStema=55557&PUBLICACOESmodo=2 Inquérito ao Emprego: UBLICACOEStema=55574&PUBLICACOESmodo=2 Quadros: 797&INST= BASE 2011 das Contas Nacionais Portuguesas O Instituto Nacional de Estatística procedeu à atualização da base das Contas Nacionais Portuguesas. A anterior base 2006 foi substituída pela base 2011, sendo este o novo ano de referência. As revisões introduzidas com a nova base resultaram, por um lado, das alterações metodológicas decorrentes da implementação do Sistema Europeu de Contas 2010(SEC 2010) e, por outro, da incorporação de nova informação estrutural, nomeadamente dos Censos Em consequência desta revisão, o PIB de 2011 foi reavaliado em 2,9. Fonte: INE, Contas Nacionais, destaque de , adaptado 16

17 Fonte: INE, Contas Nacionais, destaque de Revisões metodológicas a) Registo das despesas em investigação e desenvolvimento (I&D) como investimento;* b) Novas regras de análise da classificação setorial das unidades institucionais* O SEC 2010 reforça significativamente os critérios qualitativos de análise das unidades institucionais públicas, com destaque para os aspetos relacionados com o controlo e com a natureza das receitas obtidas. Além disso, o critério quantitativo ( rácio de mercantilidade ) foi também alterado, passando agora a incluir no denominador, correspondente aos custos operacionais, os encargos líquidos com o pagamento de juros; c) Novas regras de registo das entidades com fins especiais (Special Purpose Entities SPE) unidades com pouca presença física; d) Registo das despesas com a aquisição de material militar como investimento; e) Novas regras de registo do aperfeiçoamento ativo ( processing ). * Revisões teoricamente com maior potencial de impacto sobre as ISFLSF (S.15) 17

18 2.1. Revisões metodológicas Nota sobre as ISFLSF 6 5 Gráfico Comparação com a economia nacional - grandes agregados Base 2006 VAB S.15 = 2,0 VAB nacional 4,6 5, ,8 2,7 2,8 2,4 3, Produção Consumo intermédio S.15 = 2,0 Valor Remunerações acrescentado bruto dos empregados Despesa de consumo final Formação bruta de capital Emprego remunerado (ETC) 2.1. Revisões metodológicas Nota sobre as ISFLSF Definição não sofreu alterações SEC95 ( 2.88.)=SEC2010 ( ) O setor das ISFLSF inclui os seguintes principais tipos de ISFLSF que fornecem bens e serviços não mercantis às famílias: a) Sindicatos, associações profissionais ou científicas, associações de consumidores, partidos políticos, igrejas ou associações religiosas (incluindo as financiadas mas não controladas pelas administrações públicas) e clubes sociais, culturais, recreativos e desportivos; e b) Associações de beneficência ou de assistência financiadas através de transferências voluntárias de outras unidades institucionais, em dinheiro ou em espécie. O setor S.15 inclui as associações de beneficência ou de assistência ao serviço de unidades não residenteseexcluias unidadesemrelaçãoàsquaisaqualidade demembrodá direitoaumconjunto predefinido de bens e serviços

19 2.1. Revisões metodológicas Nota sobre as ISFLSF Natureza das receitas sofreu alterações SEC 95 ( 2.87.) Definição: O sector instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias (ISFLSF)» (S.15) agrupa as instituições privadas sem fim lucrativo dotadas de personalidade jurídica que estão ao serviço das famílias e que são outros produtores não mercantis privados( ). Os seus recursos principais, além dos resultantes de vendas eventuais, provêm de contribuições voluntárias, em espécie ou dinheiro, efetuadas pelas famílias enquanto consumidoras, de pagamentos efetuados pelas administrações públicas e de rendimentos de propriedade. SEC 2010 ( ) Definição: O sector instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias (ISFLSF)» (S.15) agrupa as instituições privadas sem fim lucrativo dotadas de personalidade jurídica que estão ao serviço das famílias e que são outros produtores não mercantis privados. Os seus recursos principais, além dos resultantes de vendas eventuais, provêm de contribuições voluntárias, em espécie ou dinheiro, efetuadas pelas famílias enquanto consumidoras, de pagamentos efetuados pelas administrações públicas e de rendimentos de propriedade Revisões metodológicas Nota sobre as ISFLSF Controlo sofreu alterações SEC 95 ( 2.88.) Quando estas instituições são de pequena importância, não são consideradas neste sector; as suas operações integram-se nas das famílias (S.14). SEC 2010 ( ) Se forem de pequena importância, as instituições não são incluídas no setor ISFLSF, mas sim no setor "famílias" (S.14), uma vez que não é possível distinguir as suas operações de entre as das unidades deste setor. As ISFLSF não mercantis controladas pelas administrações públicas são classificadas no setor das administrações públicas (S.13)

20 2.2. Integração de novas fontes a) Recenseamento Geral da População e da Habitação Censos 2011* b) Recenseamento Agrícola RA 2009* c) Inquérito às Despesas das Famílias IDEF 2010/2011* d) Balança de Pagamentos* e) Incorporação dos resultados do Inquérito aos Gastos Turísticos Internacionais* Portal da Justiça estatutos, designação de órgãos sociais *Sem impacto significativo nas ISFLSF (S.15) 2.3. Impacto sobre as ISFLSF (S.15) Universo de Contas Nacionais N.º de unidades de atividade económica -1,6 B2011: Particular atenção ao papel do Estado (nomeação de órgãos de gestão) Revisão rácio de mercantilidade Outros (ex.: constituição de reservas e mutualidades; reclassificação das SAD; fundações das empresas) 0 Base 2006 Base 2011 Fonte: INE, Contas Nacionais 40 20

21 2.3. Impacto sobre as ISFLSF (S.15) VAB das ISFLSF (S.15), Base 2006 e Base aprox. Base 2010 Base B2011: Particular atenção ao papel do Estado (nomeação de órgãos de gestão) Revisão rácio de mercantilidade Outros (ex.: constituição de reservas e mutualidades; reclassificação das SAD; fundações das empresas) Fonte: INE, Contas Nacionais 2.3. Impacto sobre as ISFLSF (S.15) Peso do VAB das ISFLSF (S.15) no VAB nacional 2,4 2,0 1,6 2,1 2,0-0,2 p.p. 1,9 2,0 1,8 Efeito conjugado: 1,2 0,8 0,4 Revisão em baixa do VAB + efeito denominador 0,0 Base 2006 Base Fonte: INE, Contas Nacionais 21

22 3,0 2, Impacto sobre as ISFLSF (S.15) Peso do Setor das Instituições Sem Fim Lucrativo ao Serviço das Famílias (S.15) no VAB nacional ,5 2,0 1,5 1,0 0,5 2,1 1,8 1,7 1,7 1,5 1,4 1,4 1,1 1,0 1,0 0,9 0,8 0,8 0,7 0,7 0,6 0,6 0,6 0,5 0,5 0,4 0,2 0,1 0,0 Finland Austria Portugal France Switzerland Malta Denmark Sweden Hungary Belgium Greece Estonia Slovakia Spain Cyprus Romania Slovenia Croatia Czech Republic Poland Netherlands Latvia Italy Lithuania Fonte: Eurostat, última atualização: Impacto sobre as ISFLSF (S.15) 3,0 2,7 Peso do Setor das Instituições Sem Fim Lucrativo ao Serviço das Famílias (S.15) no VAB nacional ,5 2,0 1,5 1,0 0,5 2,1 2,0 1,7 1,7 1,5 1,5 1,4 1,3 1,3 1,1 1,1 0,9 0,8 0,8 0,7 0,7 0,6 0,6 0,5 0,5 0,4 0,2 0,1 0,0 Finland Austria Portugal France Switzerland Malta Denmark Sweden Greece Hungary Romania Belgium Estonia Spain Slovakia Cyprus Croatia Slovenia Czech Republic Netherlands Poland Latvia Italy Lithuania Fonte: Eurostat, última atualização:

23 3. Desenvolvimentos Internacionais 3.1. O novo manual da ONU para a conta das ISFL Revisão prevista para o final de 2015, motivada pela Revisão de 2008 do Sistema de Contas Nacionais (SNA, na sigla inglesa), que introduziu muitas melhorias no tratamento das ISFL. O novo manual da ONU sobre ISFL deverá apresentar melhores diretrizes para a identificação de fluxos financeiros incluindo os da administração pública, do mercado e famílias, sob a forma de donativos e quotas de associados. Publicação de 2011 do manual da OIT sobre Trabalho Voluntário. O novo manual incorporará as diretrizes deste manual daoitparaamedida docontributo dotrabalho voluntário paraasisfl. Revisão de 2008 do International Standard Industrial Classification of All Economic Activities, Rev. 4(ISIC Rev.4), que expandiu significativamente o número de áreas em que as ISFL operam. O novo manual atualizará a nomenclatura prevista (International Classification of Non-Profit Organizations - ICNPO), apresentará ferramentas de classificação das organizações em ISIC Rev. 4 e tabelas de correspondência entre a ICNPO e ISIC Rev.4. A relação entre a ICNPO e outros sistemas, como o sistema europeu de classificação de atividades económicas(nace) e o norte americano(naics), serão também abordados. A apresentação dos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU, o acompanhamento dos UN Millennium Development Goals. O novo manual dará diretrizes para os países que pretendem medir a produção, resultados e impacto das ISFL especialmente na forma como estão relacionadas com os objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU. Fonte: adaptado Desenvolvimentos Internacionais 3.1. O novo manual da ONU para a conta das ISFL Contactos com a Universidade Johns Hopkins Não se deverão verificar alterações de substância na definição ou regras de sectorização; o manual revisto deverá dar indicações mais claras sobre a identificação de ISFL, cálculo de variáveis de interesse, mensuração do trabalho voluntário e reporte de dados à luz das clarificações da setorização dasisflfeitapelosna2008; O únicoaspetoa observaralteraçõessignificativasdeverá ser a ICNPO... Mas ainda está em discussão A ideiainicialseriaalinharcom o ISIC... Contudo, umaclassificação purpose oriented tem vindoa ser solicitada 23

24 4. Como melhorar a nova CSES? Análise SWOT CS 2010 S (Pontos Fortes) Inovadora Detalhada (modular) Novas fontes de informação (Orçamento e Contas das IPSS, Censo das fundações, etc.) W (Pontos fracos) Inexperiência Falta/qualidade de informação Associações, unidades de pequena dimensão, donativos, etc.? Só um ano 4. Como melhorar a nova CSES? Análise SWOT CS 2013 S (Pontos Fortes) Inovadora? Detalhada (modular) reduzir/manter/aumentar o detalhe? Possibilidade de comparação com 2010 O (Oportunidades) Acesso a novasfontes de informação (ex.: modelo 22) + discussão/interesse internacional Revisão do manual das ISFL Novas contas satélite (ambiente, desporto, cultura, mar) Novas fontes? W (Pontos fracos) Inexperiência Falta/qualidade da informação Associações, unidades de pequena dimensão, donativos, etc. Só um ano Descontinuidade da informação sobre fundações (censo das fundações) T (Ameaças) Conclusão tardia do novo manual das ISFL (nova nomenclatura adequada à ES?) Ainda alguma indefinição conceptual Terceiro setor, Empresas sociais, Casos fronteira: fundações reclassificadas nas Administrações Públicas, Associações de freguesias, etc. 24

25 Obrigada pela vossa atenção

Índice. 2. Alguns resultados 2.1. Universo 2.2. Cooperativas 2.3. Mutualidades. 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário 24-10-2012 2

Índice. 2. Alguns resultados 2.1. Universo 2.2. Cooperativas 2.3. Mutualidades. 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário 24-10-2012 2 título Autor Índice 1. Desenvolvimentos da Conta Satélite 1.1. Contas Nacionais (Base 2006) 1.2. Conta Satélite das Instituições Sem Fim Lucrativo (ISFL) - 2006 1.3. Conta Satélite da Economia Social -

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

Índice Principais alterações face à edição de Principais resultados da CSES 2013 Por atividade Por grupo de entidades

Índice Principais alterações face à edição de Principais resultados da CSES 2013 Por atividade Por grupo de entidades Índice 1. Principais alterações face à edição de 2010 2. Principais resultados da CSES 2013 - Por atividade - Por grupo de entidades - Por setor institucional - Comparação com a economia nacional - Apuramentos

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal Reflexões e preocupações para o sector dos pequenos ruminantes na PAC-pós 213 -------------------------------------------------------------------- Reunião da SPOC Evolução Recente dos Sistemas de Produção

Leia mais

Contas dos Sectores Institucionais

Contas dos Sectores Institucionais Contas dos Sectores Institucionais Plano de Apresentação Enquadramento Sectorização da economia Composição, fontes de informação básica e tratamento Principais resultados Perspectivas Enquadramento O Quadro

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Compromisso para o Crescimento Verde Sessão de discussão pública Porto, 2 de dezembro de 2014 Apresentado por: Gabriela Prata Dias 1 Conceito de Eficiência Energética (EE) 2 As medidas

Leia mais

Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 «

Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 « Escola de Voluntariado Fundação Eugénio de Almeida Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 Departamento de Contas Nacionais Serviço de Contas Satélite e Avaliação de Qualidade das Contas Nacionais Ana Cristina

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014 José António Vieira da Silva 1. A proteção social como conceito amplo a ambição do modelo social europeu 2. O modelo de proteção social no Portugal pós 1974 3. Os desafios

Leia mais

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC Participamos do processo de escolha da Entidade Aferidora

Leia mais

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas.

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. Constança Paúl, 19 Abril 2012, IPO-Porto Health Cluster Portugal: Encontros com a inovação em saúde A procura

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

Conta Satélite do Mar. - Apresentação do projeto. 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores

Conta Satélite do Mar. - Apresentação do projeto. 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores Conta Satélite do Mar - Apresentação do projeto 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores Índice 1. Conta Satélite do Mar (CSM) porquê? 2. Os objetivos 3. O estudo de viabilidade 4. O conceito 5. As atividades/produtos

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

De acordo com a definição dada pela OCDE,

De acordo com a definição dada pela OCDE, Contabilidade Nacional: território geográfico, unidades residentes e operações económicas De acordo com a definição dada pela OCDE, A Contabilidade Nacional é uma técnica que se propõe apresentar sob uma

Leia mais

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos Contabilidade Geral 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira 1.1. A contabilidade financeira 1.1.1. Objeto e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Portugal na União Europeia 1986-2010 Faculdade de Economia, Universidade do Porto - 21 Janeiro 2011 Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Pedro Teixeira (CEF.UP/UP e CIPES);

Leia mais

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal atividades comerciais, industriais ou agrícolas Com as alterações introduzidas aos n.ºs 6 e 7 do art. 117 do CIRC 1, as obrigações

Leia mais

Presidente Eduardo Graça. www.cases.pt

Presidente Eduardo Graça. www.cases.pt FICHA TÉCNICA Título Conta Satélite da Economia Social 2010 Editores Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 218 426 100 Fax: 218 445 084

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 22 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

Associação KNX Portugal

Associação KNX Portugal Associação KNX Portugal Organização KNX e rede de parceiros KNX Association International Page No. 3 Associações Nacionais: Membros Membros KNX Nacionais: Fabricantes: Empresas fabricantes ou representantes

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

"SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro

SMS sem fronteiras: Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro IP/08/1144 Bruxelas, 15 de Julho de 2008 "SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro Os 2500 milhões de mensagens de texto enviadas

Leia mais

Empresas em Portugal 2012

Empresas em Portugal 2012 Empresas em Portugal 2012 21 de março de 2014 Principais indicadores revelaram uma contração da atividade económica em 2012 com exceção das sociedades exportadoras Em 2012 existiam em Portugal 1 086 452

Leia mais

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global Eco-Inovação, EACI, Comissão Europeia Beatriz Yordi, Chefe de Unidade Replicação de Mercado, Eco-Inovação e Energia Inteligente

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAE DA CRISE 2,00% 1,50% Evolução do PIB espanhol 1,70% 1,00% 1% 0,50% 0,00% -0,50% -0,20% 0,10% 2010 2011 2012

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Índice. Parte I Conta Satélite da Economia Social Parte II Inquérito piloto ao Trabalho Voluntário 2012

Índice. Parte I Conta Satélite da Economia Social Parte II Inquérito piloto ao Trabalho Voluntário 2012 «Índice Parte I Conta Satélite da Economia Social 2010 Parte II Inquérito piloto ao Trabalho Voluntário 2012 « «Índice Parte I 1. O que é uma Conta Satélite? 2. Porquê uma Conta Satélite da Economia Social?

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

SISTEMA DE CONTAS NACIONAIS REFERÊNCIA 2010

SISTEMA DE CONTAS NACIONAIS REFERÊNCIA 2010 Diretoria de Pesquisas SISTEMA DE CONTAS NACIONAIS REFERÊNCIA 2010 09 de março de 2015 Coordenação de Contas Nacionais IBGE MUDANÇA DE BASE Por que uma mudança na série? 2010 Classificação Base de dados

Leia mais

A Política Agrícola Comum pós 2013

A Política Agrícola Comum pós 2013 A Política Agrícola Comum pós 2013 Que Agricultura para Portugal no Séc. XXI? Desafios e Oportunidades Francisco Cordovil Director do GPP Universidade Évora 16 Dezembro 2011 A Política Agrícola Comum Pós-2013

Leia mais

www.ine.pt FICHA TÉCNICA

www.ine.pt FICHA TÉCNICA FICHA TÉCNICA Título Conta Satélite das Instituições sem fim lucrativo 2006 projecto-piloto Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone:

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1.

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. O fornecimento de bens e serviços não mercantis (não comercializáveis)

Leia mais

Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 21/03/2011

Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 21/03/2011 Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 21/03/2011 ECONOMIA SOCIAL Sumário I. Caracterização do terceiro sector em

Leia mais

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 26 de setembro de 2012 A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 Empresas agrícolas: o futuro da agricultura portuguesa? As 43 972 empresas da atividade agrícola (divisão 01 da CAE Rev.3)

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014 N.º 3 fevereiro 215 Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 21 O Banco de Portugal publica hoje, no Boletim Estatístico, as estatísticas de balanço e de

Leia mais

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização Sobre este inquérito Por toda a União Europeia, diferentes organizações proporcionam acesso e formação sobre Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC), juntamente com outros serviços para grupos

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Comércio e Serviços Andréa Bastos da Silva Guimarães. Contas-satélites

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Comércio e Serviços Andréa Bastos da Silva Guimarães. Contas-satélites Diretoria de Pesquisas Coordenação de Comércio e Serviços Andréa Bastos da Silva Guimarães Contas-satélites 24/06/2015 Fontes e referências Manual de Contas Nacionais SNA 1993. Manual de Contas Nacionais

Leia mais

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal APDH - CONVERSAS DE FIM DE TARDE O Desempenho Organizacional Hospitalar. Como Obter Ganhos de Eficiência nos Serviços de Saúde 22 de Junho de 2006 João Batista Controlo

Leia mais

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 03 março 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais 30 de Setembro de 2015 2º Trimestre 2015 Contacto (s): José Fernandes Próxima edição: 31 Dezembro 2015 Joses.Fernandes@ine.gov.cv Nataniel Barros Nataniel.L.Barros@GOVCV.gov.cv

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 16.2.2016 COM(2016) 51 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Estratégia da EU para o

Leia mais

Porquê Economia Social?

Porquê Economia Social? Porquê Economia Social? A economia social, para além do seu peso quantitativo, tem vindo nas últimas décadas a afirmar a sua capacidade de colaborar de uma forma eficaz para: Resolução dos novos problemas

Leia mais

gestores e formadores 3 DIRIGIR FORMAR abr. /jun. 2013 A Economia Social e os seus atores MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO ISSN 2182-7532 3

gestores e formadores 3 DIRIGIR FORMAR abr. /jun. 2013 A Economia Social e os seus atores MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO ISSN 2182-7532 3 DIRIGIR FORMAR gestores e formadores 3 abr. /jun. 2013 SEPARATA A Economia Social e os seus atores ISSN 2182-7532 3 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO A Economia Social e os seus atores Por: Carlos Barbosa

Leia mais

Seguro Social Voluntário

Seguro Social Voluntário Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 2

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 2 DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 2 Estrutura do Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012 Paridades de Poder de Compra 2012 12 de dezembro de 2013 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012 Em

Leia mais

ECONOMIA AGRÁRIA. O sector agrícola. Estruturas, recursos e resultados económicos: alguns conceitos. Sinopse das aulas Versão Provisória

ECONOMIA AGRÁRIA. O sector agrícola. Estruturas, recursos e resultados económicos: alguns conceitos. Sinopse das aulas Versão Provisória ECONOMIA AGRÁRIA Sinopse das aulas Versão Provisória O sector agrícola Estruturas, recursos e resultados económicos alguns conceitos O sector agrícola A agricultura e o complexo agroflorestal alguns conceitos

Leia mais

MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO

MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 010101 TITULARES DE ÓRGÃOS DE SOBERANIA E 94.610,00 94.610,00 94.610,00 70.063,47 70.063,47 94.610,00 94.610,00 70.063,47 70.063,47 24.546,53

Leia mais

Macroeconomia II (1E207)

Macroeconomia II (1E207) Macroeconomia II (1E207) Equipa docente 2010/11 20 Maio 2011 Conceitos e factos Funções económicas do Estado - estabilização macroeconómica O financiamento da despesa pública e a dinâmica da dívida Financiamento

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública dossiers Economic Outlook Conjuntura Public Debt Dívida Pública Last Update Última Actualização:08/12/2015 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios Freguesia de Fátima Índice Nota justificativa... 2 Capítulo I - Disposições gerais... 2 Artigo 1.º Lei habitante... 2 Artigo 2.º Objeto... 3 Artigo 3.º Âmbito

Leia mais

Salvador Malheiro. II Painel AS CENTRAIS DE BIOMASSA: ENGENHARIA, FINANCIAMENTO E TECNOLOGIA

Salvador Malheiro. II Painel AS CENTRAIS DE BIOMASSA: ENGENHARIA, FINANCIAMENTO E TECNOLOGIA Salvador Malheiro II Painel AS CENTRAIS DE BIOMASSA: ENGENHARIA, FINANCIAMENTO E TECNOLOGIA sponibilidades actuais de biomassa florestal em Portugal omassa florestal / ano ergia neladas equivalentes de

Leia mais

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 DAE Going Local Portugal 12 de Novembro de 2013, Lisboa Mário Campolargo European Commission - DG CONNECT Director, NET Futures "The views expressed

Leia mais

Indicador da Taxa de Juro implícita no Crédito à Habitação. Subsistema Estatístico da Habitação e Construção. Documento Metodológico

Indicador da Taxa de Juro implícita no Crédito à Habitação. Subsistema Estatístico da Habitação e Construção. Documento Metodológico I n d i c a d o r d a T a xa d e J u r o i m p lí c i ta n o C ré d i to à H a b it a çã o D o c u me n t o Me t o d o l ó g i c o Indicador da Taxa de Juro implícita no Crédito à Habitação Subsistema

Leia mais

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010 Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares Gabinete de Estratégia e Planeamento PIB, emprego e produtividade 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Seguro Social Voluntário Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição

Leia mais

A Política Agrícola Comum pós 2013

A Política Agrícola Comum pós 2013 A Política Agrícola Comum pós 2013 Análise das Propostas Legislativas Francisco Cordovil Director do GPP Auditório da CAP 10 Novembro 2011 Propostas de Reforma da PAC I. Enquadramento e principais elementos

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 3962-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 147 31 de julho de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Portaria n.º 225-A/2012 de 31 de julho As importantes reformas que estão a ser implementadas na economia

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem de Segurança Social Trabalhadores por Conta de Outrem Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO CONTABILIDADE BÁSICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Conteúdo da Aula UNIDADE I Noções Básicas de Contabilidade a. Conceito b. Aplicação da contabilidade c. Usuários

Leia mais

A importância do Agronegócio no contexto da Economia Nacional. Divanildo Monteiro (divanildo@utad.pt)

A importância do Agronegócio no contexto da Economia Nacional. Divanildo Monteiro (divanildo@utad.pt) A importância do Agronegócio no contexto da Economia Nacional Divanildo Monteiro (divanildo@utad.pt) Complexo Agroflorestal em Portugal Complexo agro-florestal: território, economia e sociedade 70% do

Leia mais

Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011

Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011 Caracterização da Habitação Social em Portugal 2011 18 de julho de 2012 Parque de habitação social aumentou 2% entre 2009 e 2011 O número de fogos de habitação social em Portugal registou um aumento de

Leia mais

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Eduardo Stock da Cunha CEO Novo Banco Novembro de 2014 Novembro 2014 Depois de um período de contração,

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO ENVIO DA FATURA ELETRÓNICA 30/12/2015

PROCEDIMENTO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO ENVIO DA FATURA ELETRÓNICA 30/12/2015 PROCEDIMENTO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO ENVIO DA FATURA ELETRÓNICA 30/12/2015 A Portaria n.º 24/2014, de 31 de janeiro, que veio alterar e republicara Portaria n.º 193/2011, de 13 de maio, introduziu a necessidade

Leia mais

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS CIM ALTO MINHO COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO ALTO MINHO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE PONTE DE LIMA 17 DE JULHO DE 2014 O projeto

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário de Segurança Social Seguro Social Voluntário Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica:

Leia mais

José Renato Dellagnelo Fernando José de Souza

José Renato Dellagnelo Fernando José de Souza José Renato Dellagnelo Fernando José de Souza Programa de Apoio à Inovação Tecnológica em Microempresas e Empresas de Pequeno Porte ESCOPO: Fomentar o desenvolvimento tecnológico das microempresas e empresas

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 16º Subsídios e subvenções Processo: nº 3141, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-28. Conteúdo: Tendo por referência

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 9/202, de 5 de julho Prova 72/2.ª Fase Braille Critérios de Classificação 2 Páginas 205 Prova

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA DOCT/1078/CSE/DS 14 a DECISÃO DA SECÇÃO PERMANENTE S DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS RELATIVA AO RELATÓRIO APRESENTADO PELO GRUPO DE TRABALHO SOBRE ESTATÍSTICAS DA PROTECÇÃO SOCIAL Considerando que constitui uma

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÈCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.13)

Leia mais

Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial. João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 2015

Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial. João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 2015 Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 215 Pode o capitalismo sobreviver? «A tese que tentarei estabelecer

Leia mais

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego:

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Economia Social Pós Parte III: Mercado de Trabalho Ênfase na parte de políticas Profa. Danielle Carusi Prof. Fábio Waltenberg Aula 5 (parte III) setembro de 2010 Economia UFF 1. Políticas macroeconômicas,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL +

DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL + DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL + Estratégia de Desenvolvimento Local Eixos Estratégicos Qualificação e diversificação da Economia Rural através da valorização do potencial económico

Leia mais

Fonte: http://www.mckinsey.com

Fonte: http://www.mckinsey.com 30000000 70000000 Fonte: http://www.mckinsey.com 700000 1400000 Fonte: http://www.mckinsey.com 22000 43000 Fonte: http://www.mckinsey.com Fonte: http://www.mckinsey.com Disponível em: http://www.gs1.org/healthcare/mckinsey

Leia mais

Estrutura sectorial de Macau em 2014

Estrutura sectorial de Macau em 2014 Estrutura sectorial de Macau em 2014 Not.002/2016 Nos anos anteriores, a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) calculava e analisava o valor bruto de produção (VBP), o valor acrescentado

Leia mais

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GOVERNO Orçamento Cidadão 2015 Os recursos públicos do Estado são recursos públicos do povo e para o povo, condição que dá ao cidadão o direito de saber como

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais