PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES"

Transcrição

1 PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012

2 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África do Sul Argentina Austrália Brasil Canadá Chile China Colômbia Coreia Espanha India México Polonia Russia

3 Fatores que condicionam a competitividade das empresas fatores que afetam diretamente a eficiência das empresas fatores que afetam indiretamente o desempenho das empresas Fatores Disponibilidade e custo da mão de obra Disponibilidade e custo do capital Infraestrutura e logística Peso dos tributos Ambiente macroeconômico Ambiente microeconômico Educação Tecnologia e inovação Subfatores custo da mão de obra disponibilidade da mão de obra custo do capital disponibilidade do capital sistema financeiro infraestrutura de transporte Infraestrutura de energia e telecomunicações alfândega e operadores Peso dos tributos ambiente macroeconômico ambiente microeconômico disseminação da educação qualidade do ensino gastos com educação apoio governamental P&D e inovação nas empresas

4 Posicionamento do Brasil nas ordenações relativas aos fatores e subfatores de competitividade Fatores que afetam diretamente a eficiência das empresas e sua competitividade Disponibilidade e custo da mão-de-obra [10 em 11] Disponibilidade e custos do capital [14 ] Infraestrutura e logística [12 ] Carga tributária [13 ] Custo da mãode-obra [11 em 11] Custo do capital [14 ] infraestrutura de transporte [14 ] Disponibilidade da mão-de-obra Disponibilidade do capital [7 ] Infraestrutura energia e telecomunicações [9 ] sistema financeiro [6 ] alfândega e operadores etamente o desempenho das empresas Ambiente macroeconômico [14 ] Ambiente microeconômico [9 ] Educação [9 em 9] Tecnologia e inovação disseminação da educação [8 em 9] apoio governamental qualidade do ensino [9 em 11] P&D e inovação nas empresas gastos com educação

5

6 Disponibilidade e custo da mão-de-obra [10 em 11] Custo da mão-de-obra [11 em 11] Disponibilidade da mão-deobra Níveis de remuneração na indústria manufatureira [5 em 11] População economicamente ativa [2 ] Produtividade do trabalho na indústria [11 em 13] Crescimento da força de trabalho Rigidez do emprego [13 ]

7 Produtividade do trabalho na indústria PIB (PPP) por pessoa ocupada na indústria -- US$ PPP / pessoa ocupada Fonte: IMD. Informações provenientes de World Development Indicators, World Bank, April 2009; fontes nacionais; OECD StatExtracts 200,0 180,0 Produtividade do trabalho - indústria 160,0 140,0 US$ mil PPP / pessoa ocupada 120,0 100,0 80, ,0 40, , Norway Ireland USA Sweden Canada Belgium Netherlands Australia Austria U.K. Switzerland Qatar Denmark Germany France Iceland Spain Israel Finland Japan Luxembourg Chile Korea Italy Singapore Greece Jordan Taiwan Hong kong Turkey Slovenia New Zealand Czech Republic Venezuela Mexico Hungary S.Africa Croatia Poland Lithuania Russia Slovak Republic Romania Kazakhstan Malaysia Estonia Portugal Colombia Thailand Peru Bulgaria Indonesia Brazil Ukraine China Philippines India

8 Produtividade do trabalho na indústria PIB (PPP) por pessoa ocupada na indústria -- Número índice Fonte: IMD. Informações provenientes de World Development Indicators, World Bank, April 2009; fontes nacionais; OECD StatExtracts

9 500,0 400,0 300, Produtividade do trabalho - indústria ,0 100, ,0 800, Produtividade do trabalho - agricultura 300,0 250, Produtividade do trabalho - serviços , , , , , ,0 50,

10 Níveis de remuneração na indústria manufatureira Remuneração total do trabalhador por hora de trabalho (salários mais benefícios complementares) - Número índice 2008 Fonte: IMD. Informações provenientes de U.S. Department of Labor, Bureau of Labor Statistics; fontes nacionais

11 Composição do custo do trabalho Fonte: Internacional Labor Organization. The Key Indicator of the Labor Market - KILM 35% 30% 32% 27% 26% Benefícios sociais e taxas relacionadas ao trabalho / pagamento total por hora 25% 20% 15% 21% 21% 18% 16% 10% 5% 0% Brasil Mexico Espanha Canada Australia Coréia Polonia

12 140,0 120,0 126 ULC ,0 80,0 60,0 40,0 20, ,0 400, Produtividade do trabalho 600,0 500,0 Remuneração do trabalho , , , , ,0 100, ,

13 Fatores que condicionam a produtividade do trabalho Características da mão-de-obra disponível Características do estoque de bens de capital Escala de produção Capacitação técnica e de inovação das empresas Gestão empresarial

14 Disponibilidade e custo da mão-de-obra [10 em 11] Custo da mão-de-obra [11 em 11] Disponibilidade da mão-deobra Níveis de remuneração na indústria manufatureira [5 em 11] População economicamente ativa [2 ] Produtividade do trabalho na indústria [11 em 13] Crescimento da força de trabalho Rigidez do emprego [13 ]

15 Rigidez do emprego Índice de = média de três índices referentes à rigidez da jornada de trabalho e à dificuldade de contratar e de demitir um empregado Fonte: World Bank, Doing Business 2010

16 Disponibilidade de mão-de-obra qualificada Escala de 1 a 10 Fonte: IMD

17 Educação [9 em 9] disseminação da educação [8 em 9 ] qualidade da educação [9 em 11] gastos com educação Matrículas no ensino secundário [4 ] Avaliação da educação em leitura [9 em 11] Gasto público em educação [6 ] Matrículas no ensino superior [10 ] Avaliação da educação em matematica [11 em 11] Gasto público per capita em educação [9 ] População que completou pelo menos curso secundário [8 em 9] Avaliação da educação em ciências [10 em 11] População que completou curso superior [9 em 9]

18 10 8 Avaliação da educação em leitura, matemática e ciência Coreia Canada Australia Polonia Espanha Russia Chile Mexico Brasil Colombia

19 Produtividade do trabalho na indústria X qualidade da educação Qualidade da educação : Índice refletindo as notas médias referentes ao desempenho de estudantes de 15 anos de idade em testes de leitura, matemática e ciências Fonte: OECD PISA 2006: Science Competencies for Tomorrow's World

20 Produtividade do trabalho na indústria X conclusão do curso secundário Fonte: Education at a Glance 2009: OECD Indicators - OECD

21 Formação bruta de capital fixo como percentagem do PIB Fonte: IMD

22 Tecnologia e inovação T ecnologia e inovação Apoio governamental P&D e inovação nas empresas Despesa total com P&D [7 ] Gastos de P&D nas empresas Pessoal total dedicado a P&D no país per capita [9 ] Pessoal dedicado a P&D nas empresas per capita Compra governamental de produtos de tecnologia avançada Capacidade de inovação [5 ]

23 Tecnologia e gestão Production process sophistication Level technology absorption Adaptability of companies Competent senior managers 1 Canada Coreia Brasil Chile 2 Australia Australia Argentina India 3 Coreia Canada Australia Canada 4 Brasil Africa do Sul Chile Australia 5 Chile Chile India Argentina 6 Espanha India Polonia Polonia 7 Africa do Sul Brasil Canada Mexico 8 India Espanha Coreia Russia 9 Polonia China Africa do Sul Colombia 10 China Polonia China Espanha 11 Argentina Colombia Mexico Brasil 12 Mexico Mexico Colombia China 13 Colombia Argentina Russia Coreia 14 Russia Russia Espanha Africa do Sul Production process sophistication. In your country, how sophisticated are production processes? [1 = not at all laborintensive methods or previous generations of process technology prevail; 7 = highly the world s best and most efficient process technology prevails] Fonte: World Economic Forum Level technology absorption. To what extent do businesses in your country absorb new technology? [1 = not at all; 7 = aggressively absorb] Fonte: World Economic Forum Adaptability of companies to market changes (1 = low; 7 = high). Fonte: IMD 1 =Competent senior managers is not readily available; 7 =Competent senior managers is readily available. Fonte: IMD

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) É A AGÊNCIA PÚBLICA NACIONAL PARA A INVESTIGAÇÃO E A INOVAÇÃO EM PORTUGAL WWW.FCT.PT A VISÃO DA FCT É: TORNAR PORTUGAL UMA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA,

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2016 PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION 2016 1 ESTES SÃO OS RESULTADOS DA NOVA EDIÇÃO DA PESQUISA PERIGOS DA PERCEPÇÃO DA IPSOS. OS RESULTADOS

Leia mais

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim OECD Territorial Review of Portugal Mario Pezzini Soo-Jin Kim GDP per capita in OECD countries Luxembourg United States Norway Ireland Switzerland Iceland Austria Denmark United Kingdom Canada Australia

Leia mais

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º)

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º) Nicaragua (1º) Dominican Republic (2º) Brazil (3º) Honduras (4º) Guatemala (5º) Equatorial Guinea (6º) Panama (7º) Cuba (8º) El Salvador (9º) Uruguay (10º) Colombia (11º) Guyana (12º) Mexico (13º) Ecuador

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

Teoria e Sistemas da Inovação

Teoria e Sistemas da Inovação A technology gap approach to why growth rates differ FAGERBERG, Jan Trabalho elaborado por: Fernando Machado 1. Introdução (Porque diferem as taxas de crescimento entre países?) Introdução Diferenças do

Leia mais

Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência econômica afetará os salários no Brasil

Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência econômica afetará os salários no Brasil INFORMAÇÕES À IMPRENSA GWA Comunicação Integrada Caroline Mártire Tel.: (11) 3030-3000 ramal 229 / (11) 96396 6222 caroline@gwa.com.br Previsão Salarial 2016 Korn Ferry Hay Group aponta que turbulência

Leia mais

UNI EN ISO 9001:2008 UNI EN ISO 14001:2004 BS OHSAS 18001:2007 EC DIRECTIVE 2014/34/EU (ATEX) CERTIFIED MANAGEMENT SYSTEM

UNI EN ISO 9001:2008 UNI EN ISO 14001:2004 BS OHSAS 18001:2007 EC DIRECTIVE 2014/34/EU (ATEX) CERTIFIED MANAGEMENT SYSTEM PT ISM-BSM CERTIFIED Tecnologia Made in Italy Desde 1955 o Grupo Varvel projecta e fabrica redutores e variadores para aplicações de pequena e média potências. Parceiro de confiança na produção e comercialização

Leia mais

PERFIL DO MERCADO Automotive Business VII Forum 2016

PERFIL DO MERCADO Automotive Business VII Forum 2016 28/03/2016 PERFIL DO MERCADO Automotive Business VII Forum 2016 Vitor Klizas, Presidente, JATO Dynamics Brasil WTC São Paulo - Brasil A GLOBAL COMPANY JATO Dynamics JATO North America USA Canada JATO China

Leia mais

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal 0 Sumário e conclusões 1 - O peso das receitas fiscais totais no PIB 2 O peso dos impostos sobre o rendimento

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Dezembro de 2008 Os níveis de preços confirmaram em dezembro a tendência baixista que se observava no mercado cafeeiro desde setembro de

Leia mais

PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde

PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde Carlos Frederico Rocha Professor da Instituto de Economia da UFRJ e Diretor da ADUFRJ (fred@ie.ufrj.br) Art. 6º da Constituição da República Federativa do

Leia mais

Sistemas DYWIDAG - Ancoragens em Solos e Rochas

Sistemas DYWIDAG - Ancoragens em Solos e Rochas Sistemas DYWIDAG - Ancoragens em Solos e Rochas ANCORAGENS EM SOLOS E ROCHAS Os sistemas DYWIDAG são mundialmente reconhecidos na execução de tirantes ancorados no terreno (solos e rochas), permanentes

Leia mais

ASPECTOS DA ROTULAGEM AMBIENTAL PROJETO DE COOPERAÇÃO ENTRE SECEX/UNIÃO. CURSO DE CAPACITAÇÃO SETOR PRIVADO ABTCP/ SÃO PAULO 02/03/2010 e 03/03/2010

ASPECTOS DA ROTULAGEM AMBIENTAL PROJETO DE COOPERAÇÃO ENTRE SECEX/UNIÃO. CURSO DE CAPACITAÇÃO SETOR PRIVADO ABTCP/ SÃO PAULO 02/03/2010 e 03/03/2010 ASPECTOS DA ROTULAGEM AMBIENTAL PROJETO DE COOPERAÇÃO ENTRE SECEX/UNIÃO EUROPÉIA/PNUMA CURSO DE CAPACITAÇÃO SETOR PRIVADO ABTCP/ SÃO PAULO 02/03/2010 e 03/03/2010 Rotulagem Ambiental: O que é isto? É a

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP e-ciência em Portugal IBERCIVIS: Lançamento do projecto SOLUVEL e apresentação de resultados do projecto AMILOIDE Museu da Ciência, U. de Coimbra, 1 de Julho de 211 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência

Leia mais

Empreendedorismo em Israel. Gilberto Sarfati

Empreendedorismo em Israel. Gilberto Sarfati Empreendedorismo em Israel Gilberto Sarfati gilberto.sarfati@fgv.br Empreendedorismo O empreendedor é aquele que gera valor através da criação ou expansão da atividade econômica identificando novos produtos,

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO P RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Janeiro de 2011 Problemas climáticos em muitos países exportadores continuaram a dominar a evolução do mercado, os preços do café e as notícias. Assim, os preços

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO Abril de 2009 A escassez de café colombiano e o aumento sem precedentes dos prêmios pagos por esta origem continuam a dominar a evolução

Leia mais

Inclusão digital e desenvolvimento

Inclusão digital e desenvolvimento Inclusão digital e desenvolvimento André Urani IETS e IE-UFRJ 46 o Painel Telebrasil Florianópolis, 30 de maio de 2003 Diagnóstico socioeconômico Brasil não é um país pobre, mas um país com muitos pobres

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de Ciência Política FLS 5028 Métodos Quantitativos e Técnicas de Pesquisa em Ciência Política FLP0406 Métodos e

Leia mais

Internacionalização da P&D farmacêutica: oportunidades para o Brasil?

Internacionalização da P&D farmacêutica: oportunidades para o Brasil? Internacionalização da P&D farmacêutica: oportunidades para o Brasil? I Ciclo de Conferências do Instituto Virtual de Fármacos do Rio de Janeiro 18 de abril de 2006 Sérgio Queiroz DPCT-IG-Unicamp Roteiro

Leia mais

JCR e Fator de Impacto Chegaram Para Ficar. Como viver Com Eles

JCR e Fator de Impacto Chegaram Para Ficar. Como viver Com Eles JCR e Fator de Impacto Chegaram Para Ficar. Como viver Com Eles Rogerio Meneghini Programa SciELO FAP-Fundação de Apoio à Universidade Federal de São Paulo National International Periódicos de Editoras

Leia mais

A reputação das cidades-sede da Copa do Mundo de Futebol 2014 no Brasil Resultados da Pesquisa City RepTrak Brasil

A reputação das cidades-sede da Copa do Mundo de Futebol 2014 no Brasil Resultados da Pesquisa City RepTrak Brasil A reputação das cidades-sede da Copa do Mundo de Futebol 2014 no Brasil Resultados da Pesquisa City RepTrak Brasil Maio de 2014 O ESTUDO A reputação é um dos temas que tem cada vez mais ganhado espaço

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO. Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved.

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO. Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved. CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO McGraw-Hill/Irwin Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved. O QUE É A MACROECONOMIA? Macroeconomia é o estudo do comportamento da economia como um todo

Leia mais

3 A economia na sociedade actual

3 A economia na sociedade actual 3 A economia na sociedade actual 3.1. A evolução económica da humanidade Leituras: [D] I, II e III; [S] cap. 27 3.2. Efeitos sociais do desenvolvimento Leituras: [N] 6; [S] cap. 28 3 A economia na sociedade

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAIU DA CRISE Crecemento do PIB espanhol 4 3 2 1 0-1 -2-3 0.1 0.3 0.5 0.5 0.7 0.9 1 0.8-0.1 0-0.4-0.3-0.5-0.4-0.6-0.6-0.5-0.3-0.3-0.10.3-0.9-0.8-1

Leia mais

Indústria Eletrônica: Posição das Economias Emergentes no Comércio Exterior e Possibilidades do Brasil

Indústria Eletrônica: Posição das Economias Emergentes no Comércio Exterior e Possibilidades do Brasil Indústria Eletrônica: Posição das Economias Emergentes no Comércio Exterior e Possibilidades do Brasil Um Breve Panorama na Indústria no Brasil...2 As Economia Emergentes no Comércio de Produtos Eletrônicos...4

Leia mais

REDE NACIONAL CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

REDE NACIONAL CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS REDE NACIONAL CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Geriatria vs respostas Sociais inovadoras A R.N.C.C.I. J.M. Abreu Nogueira SISTEMAS DE SAÚDE E CONTINUIDADE Acesso aos cuidados necessários: Indivíduo duo

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA

A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA LISBOA, 4 DE ABRIL DE 2013 A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS E DO ESTADO DESAFIOS DA ECONOMIA PORTUGUESA MANUEL CALDEIRA CABRAL - UNIVERSIDADE DO MINHO Y = F ( K; L; RN) K- Capital L Trabalho RN Recursos

Leia mais

O MERCADO MUNDIAL DE CARNE BOVINA. Agosto de 2016

O MERCADO MUNDIAL DE CARNE BOVINA. Agosto de 2016 O MERCADO MUNDIAL DE CARNE BOVINA Agosto de 2016 Pastagens 168 Mi ha Rebanho 209 Mi Cabeças Abates 39 Mi Cabeças CadeiadevalordeR$483,5bilhões Perfil do Setor 2015 Produção de Carne Bovina 9,56 Mi TEC

Leia mais

Desafios da Produtividade no Brasil e as Inovações

Desafios da Produtividade no Brasil e as Inovações Desafios da Produtividade no Brasil e as Inovações Jorge Arbache U n B e B N D E S F D C, 1 1 / 1 2 / 2 0 1 3 A s o p i n i õ e s a q u i a p r e s e n t a d a s n ã o r e p r e s e n t a m n e c e s s

Leia mais

Portugal e a economia do conhecimento. A despesa empresarial em Investigação e Desenvolvimento

Portugal e a economia do conhecimento. A despesa empresarial em Investigação e Desenvolvimento IET Inovação Empresarial e do Trabalho Portugal e a economia do conhecimento A despesa empresarial em Investigação e Desenvolvimento (Draf paper) Nuno F.F.G. Boavida nunoboavida@gmail.com Maio de 28 RESUMO

Leia mais

Sistemas DYWIDAG 36mm

Sistemas DYWIDAG 36mm Sistemas DYWIDAG 36mm SISTEMA DYWIDAG 36mm As barras e componentes DYWIDAG excedem os limites requeridos pelas normas brasileiras. Sua rosca robusta proporciona máxima aderência aço/concreto, única no

Leia mais

Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009

Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009 Seminário Qualidade do Ar Interior Porto, 4 de Junho de 2009 O Subsistema da Normalização do SPQ O IPQ é o Organismo Nacional de Normalização, desenvolvendo a coordenação global do Subsistema da Normalização

Leia mais

Portugal e a economia do conhecimento: A despesa empresarial em Investigação e Desenvolvimento

Portugal e a economia do conhecimento: A despesa empresarial em Investigação e Desenvolvimento ISBN: 1646-8929 IET Working Papers Series No. WPS02/2008 Nuno F.F.G. Boavida (e-mail: nunoboavida@gmail.com) Portugal e a economia do conhecimento: A despesa empresarial em Investigação e Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA GEWI 50mm PROPRIEDADES DO SISTEMA

SISTEMA GEWI 50mm PROPRIEDADES DO SISTEMA Sistemas GEWI 50mm SISTEMA GEWI 50mm O sistema GEWI é composto por barras e componentes de ancoragem de alta capacidade. Possuem rosca esquerda, duplo filetada e robusta, por toda sua extensão. Esta característica

Leia mais

Da Ciência que Sonha ao Verso que Investiga

Da Ciência que Sonha ao Verso que Investiga Aula 1 Da Ciência que Sonha ao Verso que Investiga Glauco Arbix Depto de Sociologia USP Optativa 1º sem. 2016 Cinco Imagens do Brasil Desigualdade coeficiente de Gini 0,65 0,64 0,63 0,62 0,61 0,60 0,59

Leia mais

Avanços, Amortecedores e Agenda Social - Brasil

Avanços, Amortecedores e Agenda Social - Brasil Avanços, Amortecedores e Agenda Social - Brasil Os BRICs sob uma nova Perspectiva Fecomércio e ESPM São Paulo, 2 de Dezembro de 2008 Marcelo Neri mcneri@fgv.br (*leia-se: Processo de Equalização Recente

Leia mais

A incerteza da renovação das concessões e os investimentos em infraestrutura

A incerteza da renovação das concessões e os investimentos em infraestrutura A incerteza da renovação das concessões e os investimentos em infraestrutura Corporação Cemig Áreas de Atuação: Geração, transmissão, comercialização e distribuição de energia elétrica Exploração e Distribuição

Leia mais

Evolução Nacional e Comparações Internacionais

Evolução Nacional e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação 10 de Março de 2006 Evolução Nacional e Comparações Internacionais Facilitação da Compra de Computador com Ligação à Internet por Famílias com Estudantes Dedução fiscal

Leia mais

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA.

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA. Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará (CRC-CE) SUMÁRIO Introdução Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento Marcelo Lettieri e-mail: marlettieri@gmail.com STN: princípios

Leia mais

ERIFLEX. FLEXIBAR Ferramentas para Dobragem Simples & Dobragem Sobreposta

ERIFLEX. FLEXIBAR Ferramentas para Dobragem Simples & Dobragem Sobreposta ERIFLEX FLEXIBAR Ferramentas para Dobragem Simples & Dobragem Sobreposta ERIFLEX FLEXIBAR Ferramentas para Dobragem Sobreposta ERIFLEX FLEXIBAR Ferramenta de Dobragem Sobreposta - MFF ERIFLEX FLEXIBAR

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DE INOVAR NO BRASIL

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DE INOVAR NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES DE INOVAR NO BRASIL Alvaro T. Prata Secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação MCTI Governo Federal I Fórum Latino-Americano de Engenharia Perspectivas para

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

Miguel Gouveia. Catolica Lisbon School of Business and Economics. Despesas em Saúde em Portugal e OCDE

Miguel Gouveia. Catolica Lisbon School of Business and Economics. Despesas em Saúde em Portugal e OCDE Saude e Orçamento 2015 Miguel Catolica Lisbon School of Business and Economics 1 Temas a Abordar Despesas em Saúde em Portugal e OCDE Orçamento e Saúde Estratégias da Política de Saúde Não se abordarão

Leia mais

CABOS SUBMARINOS E SERVIÇOS DA ANTEL IX (PTT) FÓRUM 10. Eng. Fernando López

CABOS SUBMARINOS E SERVIÇOS DA ANTEL IX (PTT) FÓRUM 10. Eng. Fernando López CABOS SUBMARINOS E SERVIÇOS DA ANTEL IX (PTT) FÓRUM 10 Eng. Fernando López Agenda ANTEL CABOS SUBMARINOS SERVIÇOS DE CONECTIVIDADE ANTEL Uruguai Empresa lider em telecomunicações do país (53% da telefonia

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis.

SGA. Introdução. Qualidade PLANEAMENTO SGA Aspectos ISO SGA por. Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. por DO DESENVOLVIMENTO DO À SISTEMAS DE GESTÃO DO AMBIENTE 2004/2005 4.3 - PLANEAMENTO 4.3.1 - Aspectos Ambientais 4.3.2 - Requisitos Legais por e Outros Requisitos 4.3.3 - Objectivos e metas 4.3.4 - Programa

Leia mais

COMO SE COMPORTA O MERCADO DE CERVEJA

COMO SE COMPORTA O MERCADO DE CERVEJA COMO SE COMPORTA O MERCADO DE CERVEJA No último ano 2012, o consumo de cerveja na Europa Ocidental foi de 267 Milhões de Hectolitros, decrescendo 3% face ao ano anterior. Em Portugal o consumo foi de 5

Leia mais

ICC abril 2006 Original: francês. Estudo. Conselho Internacional do Café Nonagésima quinta sessão maio 2006 Londres, Inglaterra

ICC abril 2006 Original: francês. Estudo. Conselho Internacional do Café Nonagésima quinta sessão maio 2006 Londres, Inglaterra ICC 95-3 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 19 abril 2006 Original: francês Estudo P Conselho Internacional

Leia mais

Folha de protocolo do QIAsymphony SP

Folha de protocolo do QIAsymphony SP Folha de protocolo do QIAsymphony SP Protocolo DNA_Blood_200_V7_DSP Informações gerais Para utilização em diagnóstico in vitro. Este protocolo destina-se à purificação de ADN total genómico e mitocondrial

Leia mais

SERVIÇOS PANORAMA DO COMÉRCIO DO BRASIL COM OS PAÍSES DA ASSOCIAÇÃO LATINO- AMERICANA DE INTEGRAÇÃO

SERVIÇOS PANORAMA DO COMÉRCIO DO BRASIL COM OS PAÍSES DA ASSOCIAÇÃO LATINO- AMERICANA DE INTEGRAÇÃO SERVIÇOS PANORAMA DO COMÉRCIO DO BRASIL COM OS PAÍSES DA ASSOCIAÇÃO LATINO- AMERICANA DE INTEGRAÇÃO 2014 2 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria

Leia mais

Accountability & Compliance

Accountability & Compliance Accountability & Compliance 22-set-2016 Fernando Noronha Conteúdo Introdução Administrador Responsável Definição Transversalidade do conceito na aviação civil Aprovação Responsabilidades Mudança de Administrador

Leia mais

Valor & Preço. Financiamento & Contratualização.

Valor & Preço. Financiamento & Contratualização. Valor & Preço Financiamento & Contratualização Objectivos do Sistemas de Saúde Melhorar a saúde Responder compreensivamente às necessidades Justiça contributiva/ equidade da prestação Sistema de saúde

Leia mais

Classe C (%) no Brasil - Evolução % Microempresários na População Total- Evolução 1992 a 2007

Classe C (%) no Brasil - Evolução % Microempresários na População Total- Evolução 1992 a 2007 Classe E (%) no Brasil - Evolução 35.00 35.0 35.0 30.00 25.00 20.00 15.00 28.6 28.8 28.4 26.9 28.7 27.5 26.6 28.0 25.3 22.7 19.2 18.1 15.3 Classe C (%) no Brasil - Evolução % na População Total- Evolução

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

Pesquisa TIC Domicílios 2011

Pesquisa TIC Domicílios 2011 Pesquisa TIC Domicílios 211 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil São Paulo, 31 de Maio de 212 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br

Leia mais

Tabelas Anexas Capítulo 1

Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabela anexa 1.1 População, segundo grandes regiões Brasil e Estado de São Paulo 1980-2007 1-3 Tabela anexa 1.2 Analfabetos e total de pessoas na população de 15 anos ou mais,

Leia mais

SC 67/ setembro 2016 Original: inglês

SC 67/ setembro 2016 Original: inglês SC 67/16 16 setembro 2016 Original: inglês P Comitê de Estatística 11. a reunião 20 setembro 2016 Londres, Reino Unido Cumprimento da exigência de fornecer dados estatísticos Anos cafeeiros de 2007/08

Leia mais

Folha de protocolo do QIAsymphony SP

Folha de protocolo do QIAsymphony SP Folha de protocolo do QIAsymphony SP Protocolo DNA_Buffy_Coat_400_V6_DSP Informações gerais Para utilização em diagnóstico in vitro. Este protocolo destina-se à purificação de ADN total genómico e mitocondrial

Leia mais

12º Fórum de Economia

12º Fórum de Economia 12º Fórum de Economia da Fundação Getúlio Vargas 4º Painel Salários e Produtividade 15/09/2015 1 A produtividade assume um papel central* em função de sua importância no crescimento do PIB. Crescimento

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS

PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS PRESCRIÇÃO DE QUINOLONAS ACES CÁVADO II GERÊS/CABREIRA 2015-03 - 13 Raul Varajão Borges ACES CÁVADO II GERÊS / CABREIRA O começo é a parte mais importante de qualquer trabalho. PLATÃO Distribution of antimicrobial

Leia mais

Limites globais para o montante da dívida consolidada da União Competência do Senado por proposta do Presidente da República Constituição, art.

Limites globais para o montante da dívida consolidada da União Competência do Senado por proposta do Presidente da República Constituição, art. Limites globais para o montante da dívida consolidada da União Competência do Senado por proposta do Presidente da República Constituição, art.52, VI José Roberto R. Afonso Professor mestrado IDP e pesquisador

Leia mais

UNIVERSITY OF CAMPINAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSITY OF CAMPINAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNIVERSITY OF CAMPINAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 6 Campuses: Campinas, Piracicaba, Limeira, Paulínia 24 Schools & Institutes 2 Technical High Schools Courses 36 technical high school 66 undergraduate

Leia mais

Emerging Economies. Luís Monteiro, April 2012

Emerging Economies. Luís Monteiro, April 2012 Emerging Economies - China - Luís Monteiro, April 2012 Agenda 1. Emerging Economies 1.1 Introduction 1.2 Long Term Projections 2. China 2.1 Challenges to World Balance 2.2 Opportunities 3. Portugal 3.1

Leia mais

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Produtividade e Eficiência Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Introdução Países são pobres não só porque possuem relativamente menos (e piores) fatores de produção, mas porque organizam

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Relatório Fórum Social Mundial 2003 Rio de Janeiro, 29 de janeiro de 2003 Caros amigos, Apresentamos

Leia mais

Sessão 6 A Economia Portuguesa

Sessão 6 A Economia Portuguesa Sessão 6 A Economia Portuguesa Neves (216) População portuguesa (império e emigração) após 1415 3 25 2 15 1 Africa Emig. PORTUGAL P+Ilhas P+Isl+Asia P+I+As+Brasil P+I+A+B+Afric P+Emp+Emi 5 Brasil continental

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

Plantão de Dúvidas Campanha de Migração dos Perfis 2016

Plantão de Dúvidas Campanha de Migração dos Perfis 2016 Plantão de Dúvidas Campanha de Migração dos Perfis 2016 Fundação Itaú Unibanco Outubro 2016 Agenda I - CENÁRIO ECONÔMICO II - CARTEIRA E PERFORMANCE DOS PERFIS III - ESPECIAL: AJUSTES NOS PERFIS Cenário

Leia mais

Razões. para tornar-se um parceiro Maple Bear

Razões. para tornar-se um parceiro Maple Bear Razões para tornar-se um parceiro Maple Bear 2 ABOUT MAPLE BEAR A Maple Bear é uma rede de escolas de Ensino Infantil e Fundamental que tem como missão levar a seus alunos uma Educação Bilíngue de alta

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO ECONOMIA DO TRABALHO [PPGE/UFRGS] 2/3/2006 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO 1 INTRODUÇÃO À ECONOMIA DO TRABALHO

MERCADO DE TRABALHO ECONOMIA DO TRABALHO [PPGE/UFRGS] 2/3/2006 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO 1 INTRODUÇÃO À ECONOMIA DO TRABALHO INTRODUÇÃO À ECONOMIA DO TRABALHO PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO UFRGS/PPGE MERCADO DE TRABALHO POPULAÇÃO TOTAL PINA PIA PNEA PEA INCAPACITADOS PARA O TRABALHO CAPACITADOS PARA O TRABALHO OCUPADOS DESOCUPADOS

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL BRASÍLIA, 08 DE OUTUBRO DE elaborado pela

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL BRASÍLIA, 08 DE OUTUBRO DE elaborado pela PREÇOS DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL BRASÍLIA, 08 DE OUTUBRO DE 2014 elaborado pela Todo ano a UIT divulga relatório com os preços dos serviços de telecomunicações De acordo com o último relatório

Leia mais

O Consumo Sustentável como um Vector de Mitigação das Alterações Climáticas

O Consumo Sustentável como um Vector de Mitigação das Alterações Climáticas O Consumo Sustentável como um Vector de Mitigação das Alterações Climáticas Ricardo Aguiar Unidade de Análise Energética e Alterações Climáticas MINISTÉRIO DA ECONOMIA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Focos

Leia mais

Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China

Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China Matéria publicada em 29 de Novembro de 2014 SÃO PAULO -

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 14/06/11 12/07/11 09/08/11 06/09/11 04/10/11 01/11/11 29/11/11 27/12/11 24/01/12 21/02/12 20/03/12 17/04/12 15/05/12 12/06/12 10/07/12 07/08/12 04/09/12

Leia mais

Zheng Bingwen, Professor & Director-General

Zheng Bingwen, Professor & Director-General ILAS CASS & IBRE FGV Seminar MIDDLE INCOME TRAP: PERSPECTIVES OF BRAZIL AND CHINA Ultrapassando a Armadilha da Renda Média : Vantagens e Desafios da China comparativo com América Latina (abertura 10 minutos)

Leia mais

C&T em São Paulo. Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp

C&T em São Paulo. Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp C&T em São Paulo Carlos H de Brito Cruz Diretor Científico, Fapesp http://www.ifi.unicamp.br/~brito 27/09/07; sp-educacao-10092007.ppt; CH Brito Cruz e Fapesp 1 State of São Paulo, Brazil 33% of Brazil

Leia mais

Embalagens e Resíduos de Embalagem

Embalagens e Resíduos de Embalagem III Conferência Internacional de Resíduos Sólidos Urbanos DA NOVA DIRECTIVA À SOCIEDADE EUROPEIA DA RECICLAGEM A RESPONSABILIDADE ALARGADA DO PRODUTOR Embalagens e Resíduos de Embalagem Manuel Pássaro

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

FATCA FOREIGN ACCOUNT TAX COMPLIANCE ACT ATO DE CONFORMIDADE FISCAL DE CONTAS ESTRANGEIRA. Titre de la présentation

FATCA FOREIGN ACCOUNT TAX COMPLIANCE ACT ATO DE CONFORMIDADE FISCAL DE CONTAS ESTRANGEIRA. Titre de la présentation FATCA FOREIGN ACCOUNT TAX COMPLIANCE ACT ATO DE CONFORMIDADE FISCAL DE CONTAS ESTRANGEIRA 2015 1 Titre de la présentation MAZARS BRASIL 01 HISTÓRICO 2 HISTÓRICO CRISE DO SUBPRIME INFLUXO DE SOLDADOS AMERICANOS

Leia mais

Limas Rotativas de Metal Duro. Gama alargada 2016

Limas Rotativas de Metal Duro. Gama alargada 2016 Limas Rotativas de Metal Duro Gama alargada 2016 1 LIMAS ROTATIVAS DE METAL DURO Gama alargada 2016 INTRODUÇÃO A gama de Limas Rotativas de Metal Duro da Dormer, é um programa de elevada qualidade, abrangente,

Leia mais

A INDÚSTRIA PORTUGUESA DE TÊXTIL E VESTUÁRIO EM NÚMEROS The Portuguese Textile and Clothing Industry in Numbers

A INDÚSTRIA PORTUGUESA DE TÊXTIL E VESTUÁRIO EM NÚMEROS The Portuguese Textile and Clothing Industry in Numbers A INDÚSTRIA PORTUGUESA DE TÊXTIL E VESTUÁRIO EM NÚMEROS The Portuguese Textile and Clothing Industry in Numbers 2010 Volume de Negócios: 6.361 milhões euros* Turnover: 6.361 million euros Produção: 5.782

Leia mais

COLÔMBIA. Comércio Exterior

COLÔMBIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COLÔMBIA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

MACROECONOMIC OUTLOOK

MACROECONOMIC OUTLOOK MACROECONOMIC OUTLOOK DETERMINED BY CHANGES IN THE GLOBAL OUTLOOK AND ITS IMPACTS ON EXCHANGE-RATE AND BY THE SLOWER DOMESTIC GROWTH Economic Research Department - DEPEC 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990

Leia mais

The Role of Brazilian Regions in the Global Value Chain Erik Dietzenbacher Joaquim Guilhoto Denise Imori

The Role of Brazilian Regions in the Global Value Chain Erik Dietzenbacher Joaquim Guilhoto Denise Imori The Role of Brazilian Regions in the Global Value Chain Erik Dietzenbacher Joaquim Guilhoto Denise Imori Faculty of Economics and Business, University of Groningen, The Netherlands Departamento de Economia,

Leia mais

Introdução à Macroeconomia. Danilo Igliori Contabilidade Nacional

Introdução à Macroeconomia. Danilo Igliori Contabilidade Nacional Introdução à Macroeconomia Danilo Igliori (digliori@usp.br) Contabilidade Nacional 1 O Fluxo Circular da Renda Mercado de fatores Renda ($) Trabalho Famílias Firmas Bens Despesas ($) Mercado de produtos

Leia mais

Família na Europa: entre novos sentidos e velhas tensões

Família na Europa: entre novos sentidos e velhas tensões VI CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA MUNDOS SOCIAIS: SABERES E PRÁTICAS Lisboa 25 28 Junho 2008 Família na Europa: entre novos sentidos e velhas tensões Anália Torres Rui Brites Bernardo Coelho Inês Cardoso

Leia mais

Declaração de Projeções

Declaração de Projeções Declaração de Projeções Este documento pode conter projeções, declarações e estimativas a respeito de circunstâncias ou eventos ainda não ocorridos. Estas projeções e estimativas têm embasamento, em grande

Leia mais

os periódicos brasileiros na comunicação da pesquisa nacional

os periódicos brasileiros na comunicação da pesquisa nacional os periódicos brasileiros na comunicação da pesquisa nacional Abel L. Packer SciELO, Coordenação Operacional Consultor em Informação e Comunicação em Ciência Fundação da Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

Avaliação Econômica de Tecnologias em Saúde

Avaliação Econômica de Tecnologias em Saúde Palestra 3: Avaliação Econômica de Tecnologias em Saúde Everton Nunes da Silva everton@ppge.ufrgs.br Maio/2008 CONTEXTO MUNDIAL: GASTO EM SAÚDE Total Health Expenditure % of GDP Public Expenditure % of

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

Comparações Internacionais em Finanças Públicas e Desempenhos em áreas de atuação Governamental

Comparações Internacionais em Finanças Públicas e Desempenhos em áreas de atuação Governamental PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 4 Comparações Internacionais

Leia mais

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard 1 Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas 2010 03 26 Jean Pol Piquard Metodologia e estrutura do Benchmark individual e Colectivo Definições e Referencias para a leitura

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+

Sessão de Informação ERASMUS+ Sessão de Informação ERASMUS+ Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal docente, diretores de escolas e profissionais ativos no domínio da juventude

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior. Balança Comercial Brasileira 2005

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior. Balança Comercial Brasileira 2005 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Balança Comercial Brasileira 2005 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA 2005 / 2004 US$ MILHÕES 2005 2004 % 2005/2004

Leia mais

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Fórum Estadão de Competitividade Carlos Eduardo Abijaodi Diretor de Desenvolvimento Industrial Confederação Nacional da Indústria 1

Leia mais