EUROPEAN SOCIAL SURVEY Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006. Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas"

Transcrição

1 EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006 Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas Junho

2 Amostra O European Social Survey 3 foi aplicado a amostras aleatórias e probabilísticas dos 23 países participantes, correspondendo a um total de indivíduos. As entrevistas foram realizadas entre Outubro de 2006 e Março de O universo é constituído pelos residentes em cada país com idade igual ou superior a 15 anos independentemente da sua nacionalidade. Indicadores 1. Percepção de risco de ataque terrorista O questionário ESS continha duas perguntas para avaliar a percepção de risco de um ataque terrorista na Europa e no próprio país. Acha que a ocorrência de um ataque terrorista, algures na Europa, nos próximos 12 meses é Acha que a ocorrência de um ataque terrorista em Portugal nos próximos 12 meses é As respostas eram dadas na seguinte escala: 1 Nada provável; 2- Pouco provável; 3- Provável; 4 Muito provável. O Gráfico 1 mostra a resposta à primeira pergunta. Pode-se ver que, de um modo geral, a atitude prevalecente é de algum receio de ocorrência de um ataque terrorista na Europa (M=3.02; DP=0.75). No caso do Reino Unido a percepção de um ataque terrorista é mais elevada. (Gráfico 1) Probabilidade de ocorrência de um ataque terrorista na Europa 4 3,5 3 2,5 2,4 2,7 2,7 2,7 2,8 2,8 2,8 2,9 2,9 2,9 2,9 2,9 2,9 3,0 3,0 3,0 3,0 3,1 3,1 3,1 3,1 3,2 3,4 2 1,5 1 Hun Aut Bul PT Slovk Est Slove Spain Ireland Bel Pol Cyp Fr Ger Ne Ukr Swe Nor Swi Fin Rus Den U K 2

3 No quadro 1 apresentamos os resultados, em percentagem, separando as respostas em duas categorias. (Quadro 1) Acha que a ocorrência de um ataque terrorista, algures na Europa, nos próximos 12 meses é Provável Improvável Austria 62,5 37,5 Belgium 74,4 25,6 Bulgaria 62,6 37,4 Switzerland 83,2 16,8 Cyprus 72,7 27,3 Germany 74,7 25,3 Denmark 87,9 12,1 Estonia 70,4 29,6 Spain 74,8 25,2 Finland 83,9 16,1 France 75,9 24,1 United Kingdom 92,4 7,6 Hungary 43,5 56,5 Ireland 72,6 27,4 Netherlands 81,1 18,9 Norway 85,0 15,0 Poland 77,4 22,6 Portugal 69,1 30,9 Russian Federation 84,4 15,6 Sweden 81,0 19,0 Slovenia 76,0 24,0 Slovakia 68,9 31,1 Ukraine 81,2 18,8 Relativamente à probabilidade de ocorrência de um ataque terrorista no próprio país, as probabilidades são francamente mais baixas. No Gráfico 2, encontram-se ordenadas as médias dos 23 países relativamente a esta questão. O Reino Unido, a Espanha e a Rússia encontram-se entre os países onde as pessoas manifestam mais receio de ocorrência de um ataque terrorista, muito provavelmente devido às experiências vividas. 3

4 (Gráfico 2) Probabilidade de ocorrência de um ataque terrorista no próprio país 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1,6 1,7 1,8 1,8 1,9 1,9 2,0 2,0 2,0 2,0 2,0 2,1 2,1 2,2 2,3 2,4 2,4 2,5 2,5 2,6 2,7 3,0 3,2 1 No quadro 2, apresentamos os resultados, em percentagem, separando as respostas em duas categorias. (Quadro 2) Acha que a ocorrência de um ataque terrorista, algures em [país], nos próximos 12 meses é Provável Improvável Austria 13,7 86,3 Belgium 32,4 67,6 Bulgaria 27,2 72,8 Switzerland 26,3 73,7 Cyprus 11,8 88,2 Germany 50,4 49,6 Denmark 47,8 52,2 Estonia 15,8 84,2 Spain 64,9 35,1 Finland 5,7 94,3 France 53,6 46,4 United Kingdom 86,3 13,7 Hungary 13,7 86,3 Ireland 20,4 79,6 Netherlands 44,6 55,4 Norway 25,8 74,2 Poland 40,4 59,6 Portugal 26,6 73,4 Russian Federation 77,0 23,0 Sweden 13,4 86,6 Slovenia 17,2 82,8 Slovakia 21,2 78,8 Ukraine 42,1 57,9 4

5 2. Apoio da Prisão Preventiva como forma de evitar ataques terroristas Para medir a atitude face à prisão preventiva como forma de evitar actos terroristas foi realizada a seguinte pergunta: A) Se um homem for suspeito de planear um ataque terrorista em [país], a polícia devia ter poderes para o manter na prisão até se certificar de que ele não tinha nenhum envolvimento. As respostas eram dadas numa escala que variava entre 1 Concorda totalmente e 5- discorda totalmente. No quadro 3 apresentam-se as respostas a esta pergunta nos 23 países. Como se pode verificar existe uma opinião generalizada de apoio à prisão preventiva nesta situação concreta. (Quadro 3) Se um homem for suspeito de planear um ataque terrorista em [país], a polícia devia ter poderes para o manter na prisão até se certificar de que ele não tinha nenhum envolvimento. Concorda Discorda Austria 89,7 10,3 Belgium 92,3 7,7 Bulgaria 97,9 2,1 Switzerland 88,4 11,6 Cyprus 92,8 7,2 Germany 83,7 16,3 Denmark 83,9 16,1 Estonia 91,0 9,0 Spain 81,5 18,5 Finland 93,3 6,7 France 86,4 13,6 United Kingdom 89,6 10,4 Hungary 98,0 2,0 Ireland 87,0 13,0 Netherlands 91,1 8,9 Norway 91,2 8,8 Poland 93,5 6,5 Portugal 86,6 13,4 Russian Federation 83,8 16,2 Sweden 86,8 13,2 Slovenia 91,5 8,5 Slovakia 95,0 5,0 Ukraine 90,7 9,3 5

6 3. Apoio da Tortura como forma de evitar ataques terroristas Para medir a atitude face à tortura como forma de evitar actos terroristas foi realizada a seguinte pergunta: B) A tortura de prisioneiros numa prisão [do país] nunca é justificável, ainda que forneça informações que possam evitar um ataque terrorista. As respostas eram dadas numa escala que variava entre 1 Concorda totalmente e 5- discorda totalmente. No quadro 4 apresentam-se as respostas, em percentagem, a esta pergunta nos 23 países. Como se pode verificar existe atitude generalizadamente desfavorável relativamente à tortura. (Quadro 4) A tortura de prisioneiros numa prisão [do país] nunca é justificável, ainda que forneça informações que possam evitar um ataque terrorista. Concorda Discorda Austria 79,7 20,3 Belgium 74,5 25,5 Bulgaria 66,7 33,3 Switzerland 80,8 19,2 Cyprus 53,8 46,2 Germany 74,3 25,7 Denmark 79,6 20,4 Estonia 67,6 32,4 Spain 77,0 23,0 Finland 82,5 17,5 France 74,1 25,9 United Kingdom 68,4 31,6 Hungary 72,4 27,6 Ireland 65,2 34,8 Netherlands 73,7 26,3 Norway 80,8 19,2 Poland 68,5 31,5 Portugal 62,7 37,3 Russian Federation 66,5 33,5 Sweden 72,9 27,1 Slovenia 69,5 30,5 Slovakia 64,4 35,6 Ukraine 67,0 33,0 6

7 No gráfico 3 estão ordenados os 23 países de acordo com a atitude manifestada (M=2.41, DP=1.25). (Gráfico 3) Apoio da tortura como forma de evitar actos terroristas em 23 países 5,0 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 2,0 2,1 2,1 2,2 2,2 2,2 2,3 2,3 2,3 2,4 2,4 2,4 2,5 2,5 2,6 2,6 2,6 2,6 2,6 2,6 2,7 2,7 2,9 Uma análise de clusters realizada, mostra que os 23 países se organizam em dois grupos: o primeiro (a vermelho) contendo os que são mais claramente contra a tortura e o segundo (a verde) reunindo os que, sendo igualmente contra, têm uma atitude menos desfavorável. Seleccionámos 5 países para proceder a uma análise mais detalhada. No primeiro grupo de países, com atitude mais desfavorável, escolhemos a Espanha e a Alemanha. No segundo grupo escolhemos Portugal, o Reino Unido e a Polónia. Do conjunto destes 5 países Portugal surge como o país onde mais se considera justificável o recurso à tortura como forma de evitar actos terroristas. Em contrapartida, a Espanha apresenta a média mais baixa destes 5 países mas também uma das médias mais baixas no conjunto dos 23 países. 7

8 Para tentar compreender melhor os factores que influenciam uma atitude mais ou menos favorável relativamente à tortura como modo de prevenir um ataque terrorista, realizou-se uma análise de regressão. Embora de uma forma geral, os indicadores seleccionados como variáveis explicativas contribuem pouco para explicar o fenómeno. Podemos ver (quadro 5) que os inquiridos menos escolarizados, com uma orientação ideológica mais à direita, com níveis mais baixos de confiança interpessoal e que consideram mais provável um ataque no próprio país são aqueles que mais tendem a concordar com o recurso à tortura como forma de evitar um ataque terrorista. Do ponto de vista dos valores que guiam as suas vidas são também os que mais procuram segurança (individual e do país) que encontram maior justificação no recurso à tortura. Inversamente, a adesão aos valores universalistas (importância atribuída à igualdade e ao pluralismo) associa-se a uma opinião mais crítica face à tortura. Portugal é o único país onde nenhuma das variáveis seleccionadas ajudou a compreender o fenómeno. (Quadro 5) - Preditores da Atitude face à Tortura (Análise de Regressão) Total 23 Países Alemanha Espanha Reino Unido Portugal Polónia Idade Educação Religião Posicionamento Político Confiança Interpessoal Preocupação com + + Crime Violento Ataque Terrorista - na Europa Ataque Terrorista no País Universalismo Segurança Nota: os resultados assinalados são significativos a p<.001 (++/--) ou p<.01 (+/-). Todos os modelos testados são estatisticamente significativos (p<.05). 8

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Portugal na União Europeia 1986-2010 Faculdade de Economia, Universidade do Porto - 21 Janeiro 2011 Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Pedro Teixeira (CEF.UP/UP e CIPES);

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas.

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. Constança Paúl, 19 Abril 2012, IPO-Porto Health Cluster Portugal: Encontros com a inovação em saúde A procura

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Maria João da Cruz Nogueira

Maria João da Cruz Nogueira Maria João da Cruz Nogueira Trabalho elaborado para a Oficina de Formação: A Educação Sexual em Meio Escolar: metodologias de abordagem/intervenção Formadoras: Cândida Ramoa, Isabel Leitão Matosinhos Fevereiro

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014 José António Vieira da Silva 1. A proteção social como conceito amplo a ambição do modelo social europeu 2. O modelo de proteção social no Portugal pós 1974 3. Os desafios

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Compromisso para o Crescimento Verde Sessão de discussão pública Porto, 2 de dezembro de 2014 Apresentado por: Gabriela Prata Dias 1 Conceito de Eficiência Energética (EE) 2 As medidas

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior Headquarters: Rua Senhor da Paciência, 39 6200-158 Covilhã Portugal Telephone: +351 275 319 530 Fax: +351 275

Leia mais

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC Participamos do processo de escolha da Entidade Aferidora

Leia mais

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal Reflexões e preocupações para o sector dos pequenos ruminantes na PAC-pós 213 -------------------------------------------------------------------- Reunião da SPOC Evolução Recente dos Sistemas de Produção

Leia mais

O trabalho da Organização das Nações Unidas

O trabalho da Organização das Nações Unidas O trabalho da Organização das Nações Unidas Report A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a Inclusion Europe and its 47 members in these 34 countries are fighting exclusão social

Leia mais

Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial. João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 2015

Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial. João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 2015 Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 215 Pode o capitalismo sobreviver? «A tese que tentarei estabelecer

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

"SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro

SMS sem fronteiras: Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro IP/08/1144 Bruxelas, 15 de Julho de 2008 "SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro Os 2500 milhões de mensagens de texto enviadas

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAE DA CRISE 2,00% 1,50% Evolução do PIB espanhol 1,70% 1,00% 1% 0,50% 0,00% -0,50% -0,20% 0,10% 2010 2011 2012

Leia mais

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego:

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Economia Social Pós Parte III: Mercado de Trabalho Ênfase na parte de políticas Profa. Danielle Carusi Prof. Fábio Waltenberg Aula 5 (parte III) setembro de 2010 Economia UFF 1. Políticas macroeconômicas,

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

Pesquisa TIC Kids Online Brasil

Pesquisa TIC Kids Online Brasil Semana da Infraestrutura da Internet no Brasil Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes GTER Grupo de Trabalho em Segurança de Redes GTS Pesquisa TIC Kids Online Brasil Parte I: Visão geral

Leia mais

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global Eco-Inovação, EACI, Comissão Europeia Beatriz Yordi, Chefe de Unidade Replicação de Mercado, Eco-Inovação e Energia Inteligente

Leia mais

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS CIM ALTO MINHO COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO ALTO MINHO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE PONTE DE LIMA 17 DE JULHO DE 2014 O projeto

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

Associação KNX Portugal

Associação KNX Portugal Associação KNX Portugal Organização KNX e rede de parceiros KNX Association International Page No. 3 Associações Nacionais: Membros Membros KNX Nacionais: Fabricantes: Empresas fabricantes ou representantes

Leia mais

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal APDH - CONVERSAS DE FIM DE TARDE O Desempenho Organizacional Hospitalar. Como Obter Ganhos de Eficiência nos Serviços de Saúde 22 de Junho de 2006 João Batista Controlo

Leia mais

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Patrícia Jardim da Palma Professora Universitária no ISCSP Coordenadora do Hélios Directora do INTEC ppalma@iscsp.utl.pt Agenda O empreendedorismo

Leia mais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação Aveiro, 10 Mar 2006 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública dossiers Economic Outlook Conjuntura Public Debt Dívida Pública Last Update Última Actualização:08/12/2015 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo ED 2068/09 16 junho 2009 Original: inglês P Obstáculos ao consumo 1. Cumprimentando os Membros, o Diretor-Executivo recorda-lhes que, de acordo com o Artigo 33 do Convênio Internacional do Café de 2001

Leia mais

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 DAE Going Local Portugal 12 de Novembro de 2013, Lisboa Mário Campolargo European Commission - DG CONNECT Director, NET Futures "The views expressed

Leia mais

Tecnologia Conectividade

Tecnologia Conectividade Funcionalidade de Alimentos como Ferramenta de Marketing Mª Engª Alexia Hoppe I Mostra de Ciência e Tecnologia TecnoDohms Porto Alegre, Maio 2012 Tecnologia Conectividade Geração Y: valores e atitudes

Leia mais

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012 Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA Lisboa, 31 de Maio de 2012 O ESPAD European School Survey on Alcohol and other Drugs é um inquérito a nível europeu, que se realiza atualmente em

Leia mais

Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro

Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro Introdução O programa de fresas de metal duro para interpolar rosca da Dormer é abrangente e as ferramentas são de alta performance oferecendo ao usuário uma

Leia mais

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização Sobre este inquérito Por toda a União Europeia, diferentes organizações proporcionam acesso e formação sobre Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC), juntamente com outros serviços para grupos

Leia mais

Fonte: http://www.mckinsey.com

Fonte: http://www.mckinsey.com 30000000 70000000 Fonte: http://www.mckinsey.com 700000 1400000 Fonte: http://www.mckinsey.com 22000 43000 Fonte: http://www.mckinsey.com Fonte: http://www.mckinsey.com Disponível em: http://www.gs1.org/healthcare/mckinsey

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+

Sessão de Informação ERASMUS+ Sessão de Informação ERASMUS+ 18 de março de 2014 - Universidade de Évora Instituto de Investigação e Formação Avançada PROGRAMA APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROGRAMAS INTERNACIONAIS PARA O ENSINO SUPERIOR

Leia mais

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril A Internacionalização do Ensino A Experiência Europeia O Ensino Superior Europeu "in a nutshell"

Leia mais

76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016

76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016 76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016 LISBOA (17 Dezembro, 2015) O Estudo Workforce+Pay 2016 lançado pela Korn Ferry (NYSE:KFY), a consultora global na gestão organizacional e de

Leia mais

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais sobre assistência à saúde da OECD e da Europa Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Por que a qualidade do cuidado

Leia mais

ICC 109 8. 14 setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido

ICC 109 8. 14 setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido ICC 109 8 14 setembro 2012 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 109 a sessão 24 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido Tendências do consumo de café em países importadores selecionados Antecedentes

Leia mais

Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil. André Portela Souza EESP/FGV

Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil. André Portela Souza EESP/FGV Transição da Escola para o Mercado de Trabalho no Brasil André Portela Souza EESP/FGV SEADE 25 de Março de 2013 Estrutura da Apresentação 1. Alguns Aspectos Conceituais: A Teoria do Capital Humano 2. Evidências

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ESCOLAR E OS SALÁRIOS NO BRASIL

A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ESCOLAR E OS SALÁRIOS NO BRASIL A RELAÇÃO ENTRE O DESEMPENHO ESCOLAR E OS SALÁRIOS NO BRASIL Andréa Zaitune Curi Tendências Consultoria Naercio Aquino Menezes Filho IBMEC-SP, USP, IFB e Fundação Itaú Social Introdução Processo de educação

Leia mais

Projeto GeoCONVIAS abril 2009

Projeto GeoCONVIAS abril 2009 Projeto GeoCONVIAS abril 2009 Logica 2008. All rights reserved Agenda 1 2 3 4 5 6 7 8 Instituições Participantes Objetivo do Projeto Fluxo de Trabalho de CONVIAS Benefícios Escopo do Projeto Arquitetura

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

http://www.amoportugal.org/

http://www.amoportugal.org/ OBJETIVOS A promoção de eventos de âmbito nacional com recurso à mobilização de Voluntários e ao envolvimento de parcerias públicas e privadas gratuitas. O desenvolvimento da cooperação e da solidariedade

Leia mais

A PMA E AS TRANSFORMAÇÕES NA FAMÍLIA

A PMA E AS TRANSFORMAÇÕES NA FAMÍLIA PMA: Presente e Futuro. Questões Emergentes nos contextos Científico, Ético, Social e Legal A PMA E AS TRANSFORMAÇÕES NA FAMÍLIA Anália Cardoso Torres Professora Catedrática do ISCSP Instituto Superior

Leia mais

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 Unidade: % Unit:% Taxa de cobertura das pelas para os 4 principais mercados

Leia mais

Programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos II ENCONTRO NACIONAL DE MUNICÍPIOS Programa Mais Médicos Brasília- 02/03/16 Lançado em julho de 2013 para atender demanda histórica da insuficiência de médicos no Brasil, em especial, no SUS e na Atenção

Leia mais

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Claudia Bindo Gerente de Novos Negócios GfK 2013 1 Empresas de Ótica & Eyewear Pesquisa do Mercado Global feita para você TM Apresentação corporativa GfK 2013

Leia mais

Sociedade Portuguesa para o

Sociedade Portuguesa para o Prevalência e Monitorização da Obesidade e do Controlo do Peso Prevalência da Obesidade Índice de Massa Corporal (IMC) Excesso de Peso 25-30 kg/m 2 Obesidade >30 kg/m 2 Exemplo: Mulher com 1,65 m 68-82

Leia mais

Serviços de Transmissão de Dados (STD) Serviço de Acesso à Internet (ISP) Data Transmission Services / Internet Access Service

Serviços de Transmissão de Dados (STD) Serviço de Acesso à Internet (ISP) Data Transmission Services / Internet Access Service 009 Serviços de Transmissão de Dados (STD) Serviço de Acesso à Internet (ISP) Data Transmission Services / Internet Access Service 087 Serviços de Transmissão de Dados (STD) / Serviço de acesso à Internet

Leia mais

UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro

UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro Saúde no Mundo: Notas para o Debate I Encontro Nacional Conselho Federal de Medicina Brasília 08 de março de 2012 Ligia Bahia Roteiro da Apresentação 1. Um Panorama

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

Emília Telo Juntos na prevenção dos riscos profissionais V Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho

Emília Telo Juntos na prevenção dos riscos profissionais V Jornadas Técnicas de Segurança no Trabalho Emília Telo Campanha «Locais de trabalho seguros e saudáveis» 2012-13 Juntos na prevenção dos riscos profissionais Novo Regulamento CLP sobre Classificação, Rotulagem e Embalagem de Produtos Químicos 2013.05.02

Leia mais

Exportação de Software e Serviços de TI. Mercado Europeu. Allan Pires

Exportação de Software e Serviços de TI. Mercado Europeu. Allan Pires Exportação de Software e Serviços de TI Mercado Europeu Allan Pires Sócio Diretor da PA Latinoamericana Allan Adolfo Pires Mais de 20 anos de experiência em marketing, vendas e desenvolvimento de negócios

Leia mais

Os padrões de especialização na UE-15. Os padrões de especialização na UE-15. Política Económica e Actividade Empresarial

Os padrões de especialização na UE-15. Os padrões de especialização na UE-15. Política Económica e Actividade Empresarial Política Económica e Actividade Empresarial Política Económica e Actividade Empresarial 2. O Crescimento, a Competitividade e o Desenvolvimento Empresarial 2.1. A evolução da competitividade e da produtividade

Leia mais

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal

A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal A evolução dos impostos nos países da OCDE, no período de 1990 a 2003: Comparação com Portugal 0 Sumário e conclusões 1 - O peso das receitas fiscais totais no PIB 2 O peso dos impostos sobre o rendimento

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS 1 RELATÓRIO Nº CCT, DE 2015 AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Presidente: SENADOR CRISTOVAM BUARQUE Vice-Presidente:

Leia mais

Macroeconomia II (1E207)

Macroeconomia II (1E207) Macroeconomia II (1E207) Equipa docente 2010/11 20 Maio 2011 Conceitos e factos Funções económicas do Estado - estabilização macroeconómica O financiamento da despesa pública e a dinâmica da dívida Financiamento

Leia mais

Segurança no transporte para a Indústria de Garrafas e Latas

Segurança no transporte para a Indústria de Garrafas e Latas Segurança no transporte para a Indústria de Garrafas e Latas Instalações automáticas Cintagem de garrafas em camadas Cintagem horizontal de camadas individuais de garrafas de vidro em linhas de produção

Leia mais

Serviços Postais. Postal Services

Serviços Postais. Postal Services 002 Serviços Postais Postal Services 019 Serviços Postais Postal Services Prestadores de Serviços Postais Postal services Providers * Serviços não enquadrados na categoria de Correio Expresso Services

Leia mais

ECONOMIA AGRÁRIA. O sector agrícola. Estruturas, recursos e resultados económicos: alguns conceitos. Sinopse das aulas Versão Provisória

ECONOMIA AGRÁRIA. O sector agrícola. Estruturas, recursos e resultados económicos: alguns conceitos. Sinopse das aulas Versão Provisória ECONOMIA AGRÁRIA Sinopse das aulas Versão Provisória O sector agrícola Estruturas, recursos e resultados económicos alguns conceitos O sector agrícola A agricultura e o complexo agroflorestal alguns conceitos

Leia mais

1. AS RAÍZES DE HOJE: O ATRASO EDUCATIVO PORTUGUÊS NO CONTEXTO OCIDENTAL

1. AS RAÍZES DE HOJE: O ATRASO EDUCATIVO PORTUGUÊS NO CONTEXTO OCIDENTAL Opções educativas sectoriais de alguns países integrados no PISA 1. AS RAÍZES DE HOJE: O ATRASO EDUCATIVO PORTUGUÊS NO CONTEXTO OCIDENTAL António Candeias 1.1. Dados sobre o lugar de Portugal nos processos

Leia mais

Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal

Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal Retribuição Mínima Mensal Garantida em Portugal Memorando Complementar ao Relatório de Setembro de 2011 13 de Dezembro de 2012 Carla Sá João Cerejeira Miguel Portela NIPE Núcleo de Investigação em Políticas

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE ÁGUA MINERAL NA GRÉCIA

INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE ÁGUA MINERAL NA GRÉCIA INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE ÁGUA MINERAL NA GRÉCIA Embaixada do Brasil em Atenas Setor Comercial secomgre@embratenas.gr Tel: 30 210 72 444 34 Fax: 30 210 724 47 31 http://atenas.itamaraty.gov.br MAR

Leia mais

A Previdência Social ao redor do mundo

A Previdência Social ao redor do mundo A Previdência Social ao redor do mundo Pinheiro IBRE/FGV IE/UFRJ Brasília, 17 de abril de 2017 17 abr 2017 1960 1964 1968 1972 1976 1980 1984 1988 1992 1996 2000 2004 2008 2012 2016 2020 2024 2028 2032

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Anália Cardoso Torres Quatro ideias fundamentais. Grande valorização da família em todos

Leia mais

Gestão Educacional. Ciclo de Debates

Gestão Educacional. Ciclo de Debates Gestão Educacional Ciclo de Debates 2012 Gestão Educacional Ciclo de Debates 2012 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Dialogos sobre a gestão

Leia mais

Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC

Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC IP/08/605 Bruxelas, 18 de Abril de 2008 Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC Mais de metade dos europeus são neste momento

Leia mais

Uma visão para o futuro da Europa

Uma visão para o futuro da Europa Uma visão para o futuro da Europa 5 Passos para promover a inovação, a competitividade e a produtividade sustentável Inovação Ciência Produtividade agrícola Melhor regulamentação Políticas consistentes

Leia mais

Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 21/03/2011

Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 21/03/2011 Economia Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS 21/03/2011 ECONOMIA SOCIAL Sumário I. Caracterização do terceiro sector em

Leia mais

HD WIRELESS N OUTDOOR CLOUD CAMERA DCS-2330L GUIA DE INSTALAÇÃO

HD WIRELESS N OUTDOOR CLOUD CAMERA DCS-2330L GUIA DE INSTALAÇÃO HD WIRELESS N OUTDOOR CLOUD CAMERA DCS-2330L GUIA DE INSTALAÇÃO CONTEÚDOS DE EMBALAGEM HD WIRELESS N OUTDOOR CLOUD CAMERA DCS-2330L ADAPTADOR DE CORRENTE ADAPTADOR CABO ETHERNET (CAT5 UTP) LIGUE A CÂMARA

Leia mais

A concorrência nos mercados financeiros em Portugal v. UE

A concorrência nos mercados financeiros em Portugal v. UE A concorrência nos mercados financeiros em Portugal v. UE Apresentação Comissão Parlamentar Orçamento e Finanças Abel M. Mateus Autoridade da Concorrência Lisboa, 24/5/2006 Temas I -Sumário Executivo II

Leia mais

Airpad Acondicionamento e protecção de produtos com ar

Airpad Acondicionamento e protecção de produtos com ar Airpad Acondicionamento e protecção de produtos com ar Airpad AP502 Produção no local conforme as necessidades e «just in time» Você tem agora a possibilidade de produzir nas suas instalações o material

Leia mais

A Política Agrícola Comum pós 2013

A Política Agrícola Comum pós 2013 A Política Agrícola Comum pós 2013 Que Agricultura para Portugal no Séc. XXI? Desafios e Oportunidades Francisco Cordovil Director do GPP Universidade Évora 16 Dezembro 2011 A Política Agrícola Comum Pós-2013

Leia mais

Relação entre emendas parlamentares e corrupção municipal no Brasil, aplicados à educação

Relação entre emendas parlamentares e corrupção municipal no Brasil, aplicados à educação Relação entre emendas parlamentares e corrupção municipal no Brasil, aplicados à educação Aluno: Julia Wrobel Folescu Orientadores: Sérgio Firpo Introdução Foi feito um estudo de forma a determinar o aumento

Leia mais

e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011

e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011 e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011 Agenda Sobre a IATA O que é e-freight Mensagens Padronizadas Requerimentos básicos para a Aduana Conhecimento Aéreo Eletrônico (e-awb) 2 IATA

Leia mais

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE Discutir a importância do cumprimento dos requisitos de conformidade e comportamento ético à luz de leis e regulamentações estrangeira em vigor. FEIRA HOSPITALAR Junho de 2008

Leia mais

Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor

Leia mais

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Impacto Positivo de uma Redução de Tributos para Empresas e Consumidores Rio de Janeiro, 27 de maio de 2009 Em 2008, o mercado brasileiro de CDs e DVDs

Leia mais

www.dalecarnegie.com. Programa de Treinamentos De Alta Performance

www.dalecarnegie.com. Programa de Treinamentos De Alta Performance www.dalecarnegie.com. Programa de Treinamentos De Alta Performance Copyright 2007 Dale Carnegie & Associates, Inc. 290 Motor Parkway Hauppauge, New York 11788 All rights reserved. Tabela de Conteúdos 1.

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS SOBRE PNEUS:

INFORMAÇÕES TÉCNICAS SOBRE PNEUS: INFORMAÇÕES TÉCNICAS SOBRE PNEUS: Como saber a idade do pneu? Qual é o ano de fabricação do meu pneu? Como ler o DOT? Para saber a idade o data de fabricação do seu pneu você tem que ler o código DOT que

Leia mais

Módulo 3 - Iniciar o próprio negócio

Módulo 3 - Iniciar o próprio negócio Programa LLP/Leonardo da Vinci Contrato: 2010-1-PT1-LEO05-05164 Módulo 3 - Iniciar o próprio negócio Curso-piloto de formação de consultores de negócios SPI Sociedade Portuguesa de Inovação 1 Índice 1.

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP e-ciência em Portugal IBERCIVIS: Lançamento do projecto SOLUVEL e apresentação de resultados do projecto AMILOIDE Museu da Ciência, U. de Coimbra, 1 de Julho de 211 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência

Leia mais

CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA

CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA OVERVIEW CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA A solução Ethernet para a Fábrica (EttF) da Cisco é um componente da visão Rede Inteligente para Manufatura (INM) da Cisco. Ela elimina a distância entre o escritório

Leia mais

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios:

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios: CREBi Media Kit Atualmente, somos a mais representativa mídia eletrônica do setor de jóias e afins e também já superamos em muito as maiores médias de outras categorias de mídia. O CREBi oferece três canais

Leia mais

A Ética em Processos de Expatriação 24 de Outubro de Mauricio Rossi

A Ética em Processos de Expatriação 24 de Outubro de Mauricio Rossi A Ética em Processos de Expatriação 24 de Outubro de 2012 Mauricio Rossi Roche - Valores e Competências de Liderança Valores Roche Competências de Liderança Integridade Foco para Criar Valor Coragem Mobilizar

Leia mais

Cirurgia Robótica. Enfermeiro Rodrigo Pinheiro Clinical Sales Manager

Cirurgia Robótica. Enfermeiro Rodrigo Pinheiro Clinical Sales Manager Cirurgia Robótica Enfermeiro Rodrigo Pinheiro Clinical Sales Manager Décadas de mudanças na formação cirúrgica 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Anfiteatros Cirúrgicos Cirurgia Experimental Indústria de pesquisa

Leia mais

Segurança no transporte para a Indústria da Madeira e Aglomerados

Segurança no transporte para a Indústria da Madeira e Aglomerados Segurança no transporte para a Indústria da Madeira e Aglomerados T E C H N O L O G Y Instalações automáticas Para novas instalações ou para integração em linhas de embalamento existentes Benefícios para

Leia mais

Família na Europa: entre novos sentidos e velhas tensões

Família na Europa: entre novos sentidos e velhas tensões VI CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA MUNDOS SOCIAIS: SABERES E PRÁTICAS Lisboa 25 28 Junho 2008 Família na Europa: entre novos sentidos e velhas tensões Anália Torres Rui Brites Bernardo Coelho Inês Cardoso

Leia mais

Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional

Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional Antonio Delfim Netto 25/03/2009 São Paulo, SP I. A Economia de Mercado A. O que ela produziu 1. Melhoria nas condições de vida 2. Tecnologia e crescimento

Leia mais