VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA"

Transcrição

1 VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA Arielton Freire da Silva (UFRN) Fabio Andre Honorato Pereira (UFRN) Jodibel Niklas de Andrade Belo (UFRN) Judeilson Rocha de Souza (UFRN) Renan de Souza dos Santos (UFRN) O presente artigo aborda a importância da manufatura enxuta para as empresas, sobretudo, devido ao nível de globalização que atualmente caracteriza o mercado, as empresas buscam uma forma de se manterem competitivas. Para tanto se baseiam nno histórico do rápido desenvolvimento da indústria japonesa que no pós-guerra viu-se arruinada, e ergueu-se com um conjunto de nova ideias e uma mudança da cultura. Ideias voltadas para uma produção completamente enxuta, e uma das ferramentas utilizadas para implementação da manufatura enxuta é o VALUE STREAM MAPPING (Mapa de Valor), que permite visualizar o processo do início ao fim, com riqueza de detalhes. Por ser uma ferramenta de controle visual é de fácil interpretação, possibilitando visualizar os estoques presente em todo processo, e dessa forma auxilia na implementação de melhorias. Palavras-chaves: Palavras chave: Globalização, Manufatura Enxuta, Mapa de Valor, ferramenta.

2 1. Introdução Muitas empresas desenvolvem programas de melhoria no objetivo de se tornarem mais competitivas perante o mercado. É nesse contexto que tem se destacado os conceitos do lean manufacturing, ou manufatura enxuta em português, que visa eliminar os desperdícios, seja qual for sua origem, utilizando técnicas e ferramentas como o SMED, Poka-Yoke, Andon, Kanban, Heijunka, Kaizen, entre outros, algumas das quais serão posteriormente detalhadas, buscando aperfeiçoar o processo produtivo através da eliminação de atividades que não agregam valor, tornando o fluxo enxuto (desde o recebimento da matéria-prima até a entrega do produto final ao cliente). O VSM (Value Stream Mapping) é uma das ferramentas do lean para otimização do processo produtivo. De acordo com Rother & Shook (2009) um fluxo de valor é toda ação (agregando valor ou não) necessária para trazer um produto por todos os fluxos essenciais a cada produto, o fluxo de produção desde a matéria-prima até os braços do consumidor, e o fluxo do projeto do produto, da concepção até o lançamento. O uso de um mapeamento do fluxo de valor (VSM) fornece a descrição detalhada e de fácil visualização das operações de fabricação. Esta visão permite a identificação e localização dos desperdícios e restrições no processo atual que, no mapa futuro, irão transformar-se em oportunidades de melhoria. O presente trabalho trata-se de um estudo de caso que foi desenvolvido em uma indústria têxtil de moda praia localizada no estado do Rio Grande do Norte com o intuito de identificar as oportunidades de melhoria existentes no processo produtivo a partir da aplicação dos conceitos e ferramentas da Manufatura Enxuta, para tornar o processo mais enxuto e consequentemente mais eficiente. Utilizando como principal ferramenta o VSM. O presente artigo é composto de introdução, revisão bibliográfica, metodologia, caracterização da empresa, análise crítica, construção do VSM, proposições de melhorias e considerações finais. 2. A manufatura enxuta e o mapa fluxo de valor A manufatura enxuta ou lean manufacturing, é baseada no STP (Sistema Toyota de Produção), que foi o precursor do que viria a tornar um novo modelo de produção que visa produzir o produto certo, na hora certa, na quantidade certa: o Just-In-Time (JIT). A filosofia JIT pode ser definida como: Uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar os desperdícios. Esta abordagem possibilita a produção eficaz em termos de custo, assim como o fornecimento apenas da quantidade necessária de componentes, na quantidade correta, no momento e locais corretos, utilizando o mínimo de instalações, equipamentos, materiais e recursos humanos". (SLACK et al., 1999, p.355). Além disso, o JIT também cultua a melhoria contínua (Kaizen), a ideia de que a qualidade tem que ser inspecionada não apenas no final da produção, mas também no início e durante o processo produtivo, defende a criação de um fluxo contínuo, a produção puxada (partindo do 2

3 princípio de evitar desperdícios), o nivelamento da produção (Heijunka) entre outros. Na literatura clássica o STP classifica basicamente sete tipos de perdas (ANTUNES, 1995; ANTUNES, 1998; OHNO, 1997; SHINGO, 1996a; SHINGO 1996b): a) Superprodução: Produção de itens para os quais não há demanda, o que gera perda com excesso de pessoal e de estoque e com custos de transporte devido ao estoque excessivo; b) Superprocessamento ou processamento incorreto: Etapas desnecessárias para processar as peças. Geram perdas quando oferecem produtos com qualidade superior à que é necessária; c) Movimento desnecessário: Qualquer movimento inútil que os funcionários têm de fazer durante o trabalho, tais como procurar, pegar ou empilhar peças ou ferramentas; d) Transporte ou movimentação desnecessários: Movimento de estoque em processo por longas distâncias, criação de transporte ineficiente ou movimentação de materiais, peças ou produtos acabados para dentro ou fora do estoque ou entre processos; e) Excesso de estoque: Excesso de matéria-prima, de estoque em processo ou de produtos acabados, causando lead-times mais longos, obsolescência, produtos danificados, custos de transporte e de armazenagem e atrasos; f) Defeitos: Produção de peças defeituosas ou correção. Consertar ou retrabalhar, descartar ou substituir a produção e inspecionar significam perdas de manuseio, tempo e esforço; g) Espera (tempo sem trabalho): Funcionários que servem apenas para vigiar uma máquina automática ou que ficam esperando pelo próximo passo no processamento; Outros autores propõem desperdícios que complementam os acima citados, como propôs Antunes (1998), a incorporação de perdas ergonômicas e ambientais a análise e Liker (2004) que incorporou a perda por desperdício da criatividade dos funcionários. O STP tem como pilares de sustentação o just in time e a autonomação (automação com toque humano) (OHNO, 1997). Na manufatura enxuta também estão envolvidos conceitos como: a) Parar a produção quando houver algum problema, para evitar que a produção continue defeituosa (Jidoka); b) A padronização das tarefas, que influencia na capacitação dos funcionários; c) O uso de controle visual para auxilio na tomada de decisão, na resolução de eventuais problemas como: Kanban, cartões que sinalizam a necessidade de produto (produção puxada) e Andon, sistema luminoso que indica como esta o funcionamento da produção/atividade; d) A formação de líderes, para que possam motivar suas equipes na busca por resultados; e) Bom relacionamento com parceiros e fornecedores, para solidificar a confiabilidade da organização e estimular a inovação; f) Nivelamento da produção (Heijunka); g) Troca rápida de ferramentas, que visa diminuir o tempo de setup (SMED); h) Dispositivos anti-defeitos para evitar erros (Poka-Yoke). i) Melhoria contínua (kaizen) busca contínua pelo aprimoramento de processos produtivos e administrativos. O VSM é uma das ferramentas utilizadas pelo Lean para o auxilio na gestão dos processos, oferecendo uma visualização geral e ao mesmo tempo detalhada do processo produtivo. O Mapa Fluxo de Valor: 3

4 É seguir a trilha da produção de um produto, desde o consumidor até o fornecedor, e cuidadosamente desenhar uma representação visual de cada processo no fluxo de material e informação. Então, formula-se um conjunto de questões-chave e desenha-se um mapa do estado futuro de como o processo deveria fluir. Fazer isso repetidas vezes é o caminho mais simples para que se possa enxergar o valor e, especialmente, as fontes do desperdício (ROTHER; SHOOK, 1998, p. 4). Alguns dados são extremamente relevantes, e devem estar contidos no VSM, como é o caso do takt time que Taiichi Ohno define como sendo o resultado da divisão do tempo diário de operação pelo número de peças requeridas por dia (ALVAREZ; ANTUNES, 2001). Para a elaboração do VSM utilizam-se símbolos bem peculiares, padronizados, podendo ser criados novos símbolos de acordo com a necessidade. Na figura a seguir podem ser visualizados alguns dos símbolos mais utilizados. Fonte: Rentes (2000) Figura 1 Símbolos utilizados no mapeamento do fluxo de valor (VSM) Os dados necessários ao VSM são caracterizados por demonstrarem os recursos destinados ao processo, sua produtividade e medidas de eficiência como: tempo disponível, demanda e disponibilidade da máquina. De acordo com alguns autores: O mapeamento do fluxo de valor nos ajuda a entender onde estamos (estado atual), onde queremos chegar (estado futuro) e como chegar lá (plano de implementação), o mapeamento cria uma visão geral da eficiência e não individual ou dos departamentos. Mostra visualmente três fluxos: fluxo de materiais, de produtos e de informações para identificar oportunidades de melhoria e ajuda a identificar as 4

5 3. Metodologia ferramentas de melhoria aplicáveis e o plano de implementação da manufatura enxuta (CHEN; MENG, 2010, p. 204, tradução nossa). A metodologia adotada por este trabalho foi a de estudo de caso, que segundo Yin (2001) é uma investigação empírica que pesquisa um evento contemporâneo no contexto da vida real, principalmente quando os limites entre o fenômeno e o contexto não estão claramente definidos. A principal tendência do estudo de caso é a tentativa de esclarecer como decisões foram tomadas impulsionadas e resultados alcançados (YIN, 2001). Para a elaboração deste trabalho, realizaram-se visitas técnicas, registros fotográficos, entrevistas informais, aplicação de questionários e também foram realizadas revisões bibliográficas e pesquisas online. 4. Estudo de caso 4.1. Identificação da empresa O estudo foi realizado em uma pequena empresa de confecções do seguimento de moda praia, íntima e fitness localizada na zona norte de Natal-RN. Seu canal de distribuição abrange alguns estados brasileiros como: Ceará, Pernambuco, Pará, Piauí, entre outros. Atualmente a empresa possui uma produção de cerca de 10 mil peças/mês, podendo alcançar 30 mil peças/mês durante a alta estação (verão) no período de dezembro à fevereiro, contando com 48 funcionários entre a administração e a produção. A empresa opera em dois turnos, manhã e tarde, cujo horário de funcionamento vai das 07h15min às 17h00min, com intervalo para almoço de 1h (das 11h30min às 12h30min). Funciona normalmente de segunda a sexta com hora extra aos sábados (caso necessário). O mix de produtos da empresa é composto de: calça, bojo, sutiãs, cueca, sunga, maiô, calcinha, saídas de praia e atualmente também entram nesta lista a linha fitness: top, short, macacões e calças, que foram adicionados com a finalidade de tentar suprir a baixa demanda de moda praia no período de março à outubro, No setor de costura, seguinte ao de corte, foi observado um layout do tipo celular, com repetição de máquinas em células diferentes, existem três células de produção (com um total de 28 máquinas), com produtos específicos cada Processo produtivo O processo começa com a programação da produção, feita pela diretora de produção, a programação é realizada com base nos históricos de vendas e nas necessidades da loja para o período de 15 dias, além de considerar a sazonalidade do produto, representada pelo aumento na demanda durante os meses de dezembro a fevereiro. Depois de realizada a programação, é consultada a cartela de cores e estampas para em seguida verificar a disponibilidade no estoque dos rolos de tecido em questão. Os rolos, então, são selecionados e seguem para o setor de corte. A próxima etapa é o risco dos moldes que serão cortados. Após o risco, é realizado o enfesto dos tecidos que serão cortados, e tem início o processo do corte, onde as peças são cortadas e agrupadas de acordo com as cores e tamanhos. As peças cortadas normalmente seguem para um estoque, até serem costuradas no dia seguinte, ou seguem diretamente para a etapa da costura, caso haja programação para tal. Na etapa da costura, para a família de produtos escolhida para o estudo em questão, são 5

6 realizadas dez atividades que serão posteriormente detalhadas. As peças seguem em uma produção por célula, percorrendo as atividades em lotes equivalentes à uma hora de produção da atividade anterior. Após essas etapas as peças seguem para expedição, a produção é contabilizada e as peças recebem as etiquetas. Em seguida, o lote segue para a loja. 5. Análise crítica 5.1. Análise da demanda A demanda é caracterizada por ser sazonal, aumentando consideravelmente durante o verão. Devido uma dificuldade de acompanhamento dessa demanda pela produção, faz-se necessário a criação de um estoque para atender a mesma em períodos de baixa demanda. Essa necessidade de estoque gera desperdícios de superprodução, em contra ponto com a falta de alguns produtos (atrasos) Análise do fornecimento/estoque São observados na empresa altos níveis de estoque de matéria-prima justificados pela necessidade de absorver variações do fornecimento, que são realizados por empresas fornecedoras de outros estados: Pernambuco, Ceará e São Paulo; demandando um aumento no lead time de entrega, que para regiões próximas (Pernambuco e Ceará) variam de um à dois dias, e para localidades distantes (São Paulo) entre sete e dez dias. Os pedidos são feitos com base na previsão mensal, bem como as entregas. Outra característica que influencia de forma negativa o estoque é o acompanhamento da moda, que é uma característica das matérias-primas, principalmente com relação as tonalidades e estampas dos tecidos, fazendo com que a empresa seja obrigada a comprar certo tecido, em grande quantidade, justificado pela inexistência do mesmo em um futuro próximo. Na empresa foram verificados tecidos comprados há meses e que sequer foram retirados da embalagem. No estoque foi identificado grande quantidade de inventários em tecidos, cerca de 1.589,870 Kg, o que representa capital parado Análise da produção O tipo de produção observada na empresa foi empurrada, acarretando em desperdícios principalmente por superprodução. Este tipo de produção é influenciado erroneamente pela produção para estoque (Make-To-stock), por acreditar que produzir para estoque significa produzir de tudo (todos os tipos de produtos) em todos os momentos de forma a minimizar os custos de produção. Este tipo de produção pode resultar em problemas no instante em que se necessita de parada na produção em decorrência de ordens de produção atrasadas ou com maior prioridade (encomendas), gerando estoques intermediários e setups desnecessários (não programados). As células, por produzirem peças específicas, não desenvolvem habilidades para produzirem, com a mesma eficiência, peças diferentes destinadas à outra célula, caso exista uma necessidade emergencial. Outra falha detectada foi à ocorrência de vários setups durante o processo da costura, dependendo da tarefa destinada ao operador o setup pode exigir troca das linhas de costura de acordo com a estampa do produto. Neste caso, como são feitos produtos com várias estampas no mesmo lote, faz-se necessário que o operador efetue os setups equivalentes, ocasionando paradas desnecessárias durante o processo. Os componentes que 6

7 confeccionarão a peça que está sendo produzida não acompanham o produto em tempo hábil para produção, ou seja, esses componentes não estão no lugar certo, na hora certa, assim gerando paradas na etapa por falta de material, em que o operador aguarda estes materiais chegar a sua bancada. 6. Construção do VSM 6.1. Seleção da família de produtos A primeira etapa para mapear o fluxo de valor é a escolha da família de produtos, que preferencialmente deve ser selecionada a que mais impacta o resultado da empresa. Decidiuse escolher a família que mais obtinha saída nas vendas a partir de uma curva ABC, a família do produto bojo, que possui treze variações. Dentro da família bojo o estudo seguiu com o modelo que obtinha mais saída nas vendas e na produção. O produto selecionado foi um modelo de bojo simples (2019), que dispõe dos mesmos processos que os outros produtos da família Coleta de dados e elaboração do mapa da situação atual A partir das informações levantadas sobre os históricos de venda do bojo 2019, a gerência da empresa calcula a previsão de demanda para 15 dias e repassa as informações para o Controle da Produção, que é encarregado de realizar a programação semanal de produção para todas as famílias de produtos e as compras mensais de matéria-prima, além da programação diária para entregas de clientes e outras lojas da empresa. Em cada lote de produção para o bojo 2019 são fabricadas em média 250 peças. As pilhas de moldes cortados seguem para o setor de costura em que cada etapa do setor realiza o processamento das 250 peças. O lote de produção geralmente é composto por um mix de estampas (que é determinado de acordo com quantidade de peças a serem produzidas, em média de quatro a seis cores/estampas), ocasionando diversos setups em algumas atividades. 7

8 Fonte: Autoria própria Gráfico 1 Operações com setup Vale ressaltar que, além de apresentar setups, a operação de travetar é compartilhada com as outras duas células de produção que operam simultaneamente com a estudada, e que juntamente com o mix de cores/estampas apresentam um mix de produtos. Outra restrição encontrada na empresa foi à superprodução e falta de produção que ocorrem simultaneamente, apesar de serem modelos opostos, causados pela programação. As células são organizadas para produzirem produtos pré-determinados, influenciando uma cultura voltada para célula e não para produção. Para o estudo foram medidos os tempos de cada operação, cerca de doze vezes. Como a programação do bojo escolhido estava prevista para uma semana, foi necessário o acompanhamento diário da ordem de produção em todas as etapas, que foram devidamente cronometradas. Observou-se que a operadora que realiza a 3ª operação (pregar bojo) é a mesma que realiza a 5ª operação (pregar etiqueta e fechar base); logo, apesar do maior tempo de ciclo observado no gráfico a seguir ser de 66, segundos o tempo de vazão (das peças acabadas) é de 115 segundos, devido à operadora que realiza duas tarefas que para realizar uma tarefa ela necessita parar a anterior. 8

9 Fonte: Autoria própria Gráfico 2 Tempos de operações da costura Durante o acompanhamento aconteceram imprevistos, como a entrada de encomendas de clientes que detêm prioridade, ocasionando a pausa da produção do bojo. O tempo total de agregação de valor do processo produtivo em questão foi cronometrado em 2999s, sendo 2625s referentes ao corte (cronometrou-se o tempo total do corte e dividiu-se pela quantidade de peças cortadas) e 408s referentes à costura (tempo referente à soma dos tempos de ciclo todas as atividades de costura). O cálculo do Takt Time foi realizado com base na capacidade disponível da empresa (o tempo dos turnos, menos as paradas programadas), e a demanda mensal (feita por uma previsão com média móvel, com base em dados de produção dos meses de julho a setembro); posteriormente transformada em diária. O resultado foi um Takt Time de 304s. O Lead Time foi calculado com base nos estoques inicial e estoques de processo, onde foi calculado o tempo que leva para o Takt Time consumir tais estoques. O Lead Time aferido foi de 35,82 dias; ou seja, é o tempo que será gasto para que todo o estoque inicial de matéria-prima percorra todas as etapas de produção, ou pode ser considerado como o tempo para que a empresa transforme em receita todo o inventario existente no início do processo. 9

10 Fonte: Autoria própria Figura 3: Mapa da situação atual

11 7. Mapa da situação futura e propostas Com base no mapa da situação atual, análise de acordo com os conceitos da manufatura enxuta e propostas de melhoria, foi elaborado o mapa da situação futura Proposta um Fonte: Autoria própria Figura 2 - Mapa do estado futuro A Implementação de um fluxo contínuo (ver mapa acima) entre as seguintes operações da costura: fechamento/franzir/pregar bojo/desvirar/pregar etiqueta e fechar base/aparar sobra /passar viés. Com isso os estoques intermediários que antes existiam entre esses processos diminuirão consideravelmente; não será nulo, pois os tempos de ciclo entre essas operações são diferentes, mas será o mais próximo de zero possível, reduzindo o Lead Time em aproximadamente 10,16%. Para isto seria necessária uma mudança no lay-out. O novo lay-out existiria com as máquinas agrupadas lado-a-lado com um depósito ao lado da máquina (já disponível) em que a própria operadora subsequente pegaria a peça, realizaria a operação e colocaria no depósito seguinte. Todas as operações citadas anteriormente seriam realizadas uma-a-uma em cada peça (lote unitário) Proposta dois Considerando o Lead Time do fornecedor que é de sete dias em média, avaliou-se que não se faz necessário manter a quantidade de estoque atual que duraria cerca de 28 dias para ser consumido. Concluiu-se que poderia ser adotado um supermercado de matéria prima (tecido) que será consumido pelo corte de acordo com a necessidade. A quantidade de matéria prima que deveria existir neste supermercado seria o Lead Time do fornecedor (sete dias) mais um estoque de segurança, que seria somente o necessário para suprir dois dias de atraso. O

12 supermercado teria uma quantidade de estoque de nove dias, com uma redução ao atual de 19 dias, o que representa um aumento no capital de giro de aproximadamente R$5.410,00, considerando que um corte de um lote com 250 peças utiliza 4,13Kg de tecido e equivale a um dia de estoque de matéria prima que custa em média R$69,00/Kg Proposta três Outra proposta é a contratação de um novo operador para a atividade pregar etiqueta/fechar base do bojo, que atualmente é realizada pelo mesmo operador da atividade pregar bojo. Da forma atual o tempo de vazão de uma peça acabada é de 115s, pois a operadora dessas duas atividades não realiza as duas atividades simultaneamente. Com a proposta de um novo operador o tempo de ciclo de peças acabadas será a mesma do maior tempo de ciclo das atividades, que é pregar bojo, aumentaria a produção de 253 peças por dia (considerando um tempo disponível de 29100s e tempo de ciclo de 115s) para 440 peças dia (considerando o tempo disponível de 29100s e tempo de ciclo de 66s) Proposta quatro Implementar um supermercado de produtos acabados entre expedição e costura, que irá sinalizar a necessidade de produção, utilizando um sistema misto, puxado por um supermercado na expedição e empurrado pelo processo produtivo do corte à costura. Dessa forma seriam minimizados os desperdícios e torna desnecessária uma programação para produção visto que essa função será realizada pelo nível do supermercado Proposta cinco Atualmente para as operações que demandam troca de linha de costura (setup) é necessário parar a máquina, procurar a linha necessária (que pode estar em qualquer parte do setor ou no estoque de linhas) para depois trocar a linha, ou seja, existe uma operação (procurar a linha) que poderia ser feito pela funcionária que abastece as máquinas antes da necessidade da troca. Quando a funcionária for abastecer as máquinas, consequentemente já sabendo das linhas necessárias já realizaria essa função. Isso acarretaria em tempo de troca de linha de costura menor (setup), e consequentemente mais ágil, através da transformação de setups internos em externos. 8. Considerações finais Pode-se concluir que o VSM é uma importante ferramenta na implementação da manufatura enxuta em uma organização, pois retrata a situação da empresa de forma que possibilita visualizar no mapa, de modo rápido e simples os desperdícios ocorrentes no processo e todos os demais dados que juntos o compõem. Com a implementação das propostas citadas, a empresa reduzirá o seu lead time do processo em 3,64 dias: aumentará sua capacidade de produção do produto estudado em 33%, sem aumentar os recursos de transformação; reduzirá a quantidade de produtos acabados em estoque; eliminará a necessidade inventários constantes (proposta 4); e diminuirá o tempo de setup nas trocas de linha de costura, diminuindo o desperdício por movimento desnecessário e/ou espera. Neste estudo de caso foi comprovada a eficiência do mapa de valor que forneceu informações essenciais para as discussões referentes às necessidades de melhoria encontradas no processo, e posteriormente, a utilização de princípios do lean para as possíveis soluções dos referidos problemas. 12

13 Na engenharia de produção, onde a busca pela otimização é contínua, os conceitos do lean juntamente com o VSM auxiliam nas tomadas de decisões, tornando-se ferramentas indispensáveis. Referências CHEN, L; MENG, B. The application of value stream mapping based lean production system. International journal of business and management, v. 5, n. 6, p , jun ALVAREZ, R. R.; ANTUNES JR., J. A. V. Takt time: contexto e contextualização dentro do Sistema Toyota de Produção. Revista Gestão & Produção, v. 8, n. 1, p , abr ANTUNES JR., J. A. V. A Lógica das Perdas nos Sistemas de Produção: uma análise crítica. Revista Brasileira de Administração Contemporânea. Rio de Janeiro: ANPAD, v.1, n.7, p , ANTUNES JR., J. A. V. Em Direção a uma Teoria Geral do Processo na Administração da Produção; uma discussão sobre a possibilidade de unificação da teoria das restrições e da teoria que sustenta a construção dos sistemas de produção com estoque zero Tese de Doutorado em Administração, Programa de Pós- Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 399p. LIKER K.J., O Modelo Toyota. Porto Alegre: Ed. Bookman, OHNO, T. O Sistema Toyota de Produção: além da produção em larga escala. Porto Alegre: Bookman, RENTES, A.R. Transmeth Proposta de uma Metodologia para a Condução de Processos de Transformação de Empresas Tese (Livre Docência) Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. ROTHER, MIKE; SHOOK, JOHN. Aprendendo a enxergar. Lean Institute Brasil. São Paulo ROTHER, MIKE; SHOOK, JOHN. Aprendendo a enxergar. Lean Institute Brasil. São Paulo SHINGO, S. O Sistema Toyota de Produção do ponto de vista da Engenharia de Produção. 2 ed., Porto Alegre: Bookmark, 1996a. SHINGO, S. Sistemas de Produção com Estoque Zero; o sistema Shingo para melhorias contínuas. Porto Alegre: Bookman, 1996b. SLACK, N. et al. Administração da produção. 2. ed. São Paulo: atlas, YIN, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 2. ed. Porto Alegre: Editora Bookman,

14 14

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia

O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia Jordana Lemos Pinheiro Novaes - jordanalemos@hotmail.com MBA Gestão da Qualidade e Engenharia da Produção Instituto de Pós-Graduação IPOG Resumo

Leia mais

LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO RESUMO. Palavras-Chaves: Lean Manufacturing. Cronoanálise. Padronização.

LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO RESUMO. Palavras-Chaves: Lean Manufacturing. Cronoanálise. Padronização. LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO Daiane Maciel Rezende ¹ Jessica Freitas da Silva ² Sheila Marcela Miranda ³ Anderson Barros 4 RESUMO O objetivo deste artigo é de

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA

O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA Alexandro Gilberto Silva 1 Eduardo Gonçalves Magnani 2 Sabrina G. Cabral 3 RESUMO: Neste trabalho é feito uma análise da diferença

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 5 Lean Office Isto não é... LEAN OFFICE 1 Aqui parece ser... LEAN OFFICE Lean Thinking: Os 5 Princípios Fundamentais 1. Definir o que é VALOR sob a ótica do

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

Mapeamento do Fluxo de Valor

Mapeamento do Fluxo de Valor Mapeamento do Fluxo de Valor O que é Fluxo de Valor É um conjunto de ações as que agregam valor, bem como as que não agregam valor necessárias para viabilizar o produto: da concepção ao lançamento do produto

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real José Antonio de Queiroz (SC-USP) jaq@prod.eesc.usp.br Antonio Freitas Rentes (SC-USP) rentes@sc.usp.br Cesar Augusto

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA Gece Wallace Santos Reno (UFSCar) gece.reno@uol.com.br Carolina

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações KANBAN Kanban A Simplicidade no Controle das Operações Desmistificando JIT e Kanban; O Problema dos altos estoques; O Sistema MRP Os desperdícios 1 2 Just in Time Desperdícios A Filosofia Just in Time

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Introdução ao Lean Thinking Ministrante: Christopher Thompson Lean Institute Brasil Contatos: lean@lean.org.br Apoio São Paulo, 16 de setembro de 2010 Observação:

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.5 Kanban 4.5 Kanban Já foi citado o caso de como o supermercado funcionou como benchmarking para muitas ideias japonesas. Outra dessas ideais inverteu o fluxo da produção: de empurrada passou a ser puxada.

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Alessandro Lucas da Silva (EESC-USP) als@sc.usp.br Gilberto Miller Devós Ganga (EESC-USP) gilberto_mdg@yahoo.com.br Roberta

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

PROJETO DE LAYOUT ALINHADO ÀS PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ENXUTA EM UMA EMPRESA SIDERÚRGICA DE GRANDE PORTE

PROJETO DE LAYOUT ALINHADO ÀS PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ENXUTA EM UMA EMPRESA SIDERÚRGICA DE GRANDE PORTE ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROJETO DE LAYOUT ALINHADO ÀS PRÁTICAS DE PRODUÇÃO

Leia mais

Planejamento da produção

Planejamento da produção Planejamento da produção Capítulo 3, parte B Sumário Capacidade de produção Elaboração do plano de produção Just-in-time Capacidade de produção O que é capacidade de produção? Capacidade de produção O

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO

IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO IMPLEMENTAÇÃO DE ROTA LOGÍSTICA LEAN PARA O ABASTECIMENTO INTERNO DE MATERIAIS: ESTUDO EMPÍRICO EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO Bruno Carara (UFRGS) bcarara@hotmail.com Felipe Muller Treter (UFRGS)

Leia mais

MARCEL FISCHER MAIA WANDERSON MAROTA BARBOSA

MARCEL FISCHER MAIA WANDERSON MAROTA BARBOSA MARCEL FISCHER MAIA WANDERSON MAROTA BARBOSA ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) PARA ELIMINAÇÃO DOS DESPERDÍCIOS DA PRODUÇÃO Trabalho de graduação apresentado ao Departamento

Leia mais

Lean nos serviços - um caso prático. (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços)

Lean nos serviços - um caso prático. (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços) Lean nos serviços - um caso prático (Aplicação da filosofia Lean numa empresa de serviços) Palavras-chave Lean nos serviços, Ferramentas Lean, 5S, VSM Resumo Num mercado cada vez mais competitivo, é imperativo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Tatiane Vaz Ferreira Daudte 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

FELIPE BETTINI ESTEVES A MENTALIDADE ENXUTA E A VIABILIDADE DO JUST-IN-TIME NAS EMPRESAS

FELIPE BETTINI ESTEVES A MENTALIDADE ENXUTA E A VIABILIDADE DO JUST-IN-TIME NAS EMPRESAS 0 FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FELIPE BETTINI ESTEVES A MENTALIDADE ENXUTA E A VIABILIDADE DO JUST-IN-TIME NAS EMPRESAS

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING PARA MELHORIA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO EM UMA EMPRESA DE ELETRODOMÉSTICOS: UM ESTUDO DE CASO

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING PARA MELHORIA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO EM UMA EMPRESA DE ELETRODOMÉSTICOS: UM ESTUDO DE CASO APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING PARA MELHORIA DO PROCESSO DE PRODUÇÃO EM UMA EMPRESA DE ELETRODOMÉSTICOS: UM ESTUDO DE CASO Tayana Ortix Lopes (UFAM) tayanaortix@hotmail.com CLAUDIO DANTAS

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

INTRODUÇÃO A LE L A E N A N M AN A U N FA F C A TURI R NG N

INTRODUÇÃO A LE L A E N A N M AN A U N FA F C A TURI R NG N INTRODUÇÃO A LEAN MANUFACTURING O queé LEAN? Uma filosofia de produção que enfatiza o minimização da quantidade de todos os recursos (inclusive tempo) usados nas várias atividades da empresa. Envolve a

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos

Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos Resumo Hugo Machado de Castro hugomcastro@hotmail.com MBA Gestão da Qualidade e Engenharia de

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR: UMA ABORDAGEM DE MELHORIA CONTÍNUA EM UMA INDÚSTRIA MONTADORA DE COMPUTADORES

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR: UMA ABORDAGEM DE MELHORIA CONTÍNUA EM UMA INDÚSTRIA MONTADORA DE COMPUTADORES MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR: UMA ABORDAGEM DE MELHORIA CONTÍNUA EM UMA INDÚSTRIA MONTADORA DE COMPUTADORES Daniela Nunes dos Santos Ferreira (UESC) nunesep10@gmail.com Mayesk Alves Rocha (UESC) mayeskalvess@gmail.com

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC 2007 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS CCT DEPARTAMENTO

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA.

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA. OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA. Palestrante: Recife, Pernambuco LEAN THINK DEFINIÇÃO O Lean Manufacture é uma filosofia de administração da manufatura, surgida no Japão,

Leia mais

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta RESUMO Danieli Tavares Rates da Silva 1 Rogério de Souza 2 Anderson da Silva 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE LEAN PRODUCTION EM UMA EMPRESA DO SETOR AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE LEAN PRODUCTION EM UMA EMPRESA DO SETOR AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE LEAN PRODUCTION EM UMA EMPRESA DO SETOR AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO Antonio Freitas Rentes rentes@sc.usp.br Escola de Engenharia de São Carlos - USP Av. Trabalhador São-carlense,

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

3. Sistema Toyota de Produção, Just in Time e o Sistema Kanban

3. Sistema Toyota de Produção, Just in Time e o Sistema Kanban 30 3. Sistema Toyota de Produção, Just in Time e o Sistema Kanban Este capítulo fornece as bases para o desenvolvimento de um procedimento que possibilite avaliar a utilização do sistema Kanban nas indústrias.

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE)

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) Jeferson Duarte Oliveira * Este artigo tem como objetivo fazer uma revisão bibliográfica das mais importantes formas de desperdício nos escritórios e apresentar os métodos

Leia mais

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 O Papel da Cultura Lean no Contexto Actual António Abreu ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 Sumário i. O

Leia mais

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos P G Q P Gestão de Produtividade Ivan De Pellegrin Produttare Consultores Associados Alexandre Soares Medabil Sistemas Construtivos Plano de Vôo 1. Introdução a. Produtividade um dos requisitos... b. Indicadores

Leia mais

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS Eduardo Bezerra dos Santos (CESUPA) eduardosnts13@gmail.com Pedro Henrique Bueno Meirelles

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura Aplicação de Layout Celular na Recuperação de Produtos: Uma Proposta Lean para Aumentar a Eficiência na Remanufatura (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Carlos M. Taboada Rodriguez taboada@deps.ufsc.br Abelardo

Leia mais

CONCURSO PETROBRAS DRAFT. Planejamento da Produção e Sistemas de Produção. Questões Resolvidas. Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.

CONCURSO PETROBRAS DRAFT. Planejamento da Produção e Sistemas de Produção. Questões Resolvidas. Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com. CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE PRODUÇÃO JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: PRODUÇÃO Planejamento da Produção e Sistemas de Produção Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Lando T. Nishida O prazo ou lead time desde a concepção do produto até o lançamento no mercado é um dos fatores mais importantes

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5F)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4)2*OHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ANÁLIS CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROPOSTA DE UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA DE MANUFATURA ENXUTA EM UM SETOR DE USINAGEM

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais