Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico"

Transcrição

1 Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos de Lean Manufacturing vem mudando sensivelmente o panorama produtivo das empresas proporcionado manufaturas mais produtivas com menos custos e desperdícios. O presente artigo tem como objetivo realizar uma análise de como uma pequena empresa do setor do setor metal mecânico utiliza alguns dos conceitos de produção enxuta. Para isso, foi realizada uma breve descrição de alguns conceitos fundamentais da mentalidade enxuta (Sete grandes perdas, Just in Time e 5S) e depois uma análise de como a empresa aplica cada um desses conceitos em seu processo produtivo. Palavras-Chaves: Sistema toyota de produção; Pequena empresa; Just in time; 5S. 1. Introdução As empresas atualmente buscam cada vez mais através de métodos de gestão organizacional melhorar as suas atividades produtivas, reduzindo os desperdícios com matérias-primas, recursos produtivos, insumos e mão de obra com o intuito de alcançar a qualidade em seus processos e consequentemente à satisfação dos clientes, aumentando assim a sua credibilidade de seus produtos e/ou serviços ofertados e ao mesmo tempo aumentando a sua competitividade no mercado. A as mudanças constantes da economia e a inovação tecnológica propõem novas formas de fabricação e fazem com que as empresas repensem a estrutura do seu processo produtivo. As empresas que não adaptarem seus processos produtivos para melhoria contínua da produtividade não terão espaço no processo de globalização. É neste contexto que a produção enxuta adequa-se para alcançar o melhor nível de competitividade, pois, objetiva em primeira mão a redução de desperdícios é uma maior otimização dos recursos. O objetivo deste trabalho é analisar de que forma uma pequena empresa aplica algumas ferramentas do Lean Manufacturing em seu processo produtivo. Neste artigo foi realizado um pequeno estudo de caso na área de manufatura de uma empresa atuante do setor metal mecânico que produz essencialmente peças para fins diversos para a área industrial localizada no município de Caixas do Sul no estado do Rio Grande do Sul. Neste estudo de caso foi realizado um levantamento de como ela combate as sete grandes perdas apontadas pelo Sistema Toyota de Produção (STP), aplicação do Just in Time e do programa 5S. 2. Referencial Teórico 2.1. Sistema Toyota de Produção

2 Criado após a segunda guerra mundial o Sistema Toyota de Produção (STP), também conhecido como Manufatura Enxuta ou Lean Manufacturing, foi criado no Japão e tem como principal objetivo a redução e eliminação do desperdício no processo produtivo das empresas, adotando como estratégia principal a otimização do processo através de técnicas como mapeamento do fluxo, Just In Time, Kanban dentre outras (MORAES et al.,2011). A mentalidade enxuta pode ser entendida como um sistema de gestão de operação embasada em uma mentalidade de manufatura destinada a racionalização do conjunto de operações e tem como suporte um conjunto de técnicas e ferramentas que fornecem condições gerenciais e operacionais para suportar tal mentalidade com o grande objetivo de eliminação do desperdício (SLACK, 2009). Para Ohno (1997), o sistema Toyota de produção se desenvolveu a partir de uma necessidade, produzindo poucas quantidades com muitas variedades e com demanda baixa. Logo, sob essas condições os engenheiros japoneses tentaram desenvolver um sistema que unia o trabalho artesanal com profissionais altamente qualificados dispondo de ferramentas flexíveis para atender o cliente conforme sua necessidade, com alta produtividade e baixo custo. A filosofia enxuta significa fazer mais com menos menos tempo, menos material, menos espaço, menos máquina, menos esforço humano, ou seja, oferecendo aos clientes somente aquilo que eles desejam (DENNIS, 2008). De acordo com Tubino (2007), apresentar um sistema com resultados reais é um dos principais indicadores do Lean Manufacturing tais como o aumento da competitividade e a mensuração dos desperdícios nas organizações. Uma grande vantagem do STP é o fato de possuir uma grande eficiente e grande capacidade de aproveitar os recursos disponíveis que por consequência reduz todo ou parcialmente o desperdício ocasionado pelo processo produtivo. A mentalidade Lean só atinge seu real objetivo quando suas ferramentas são aplicadas de maneira coerente e sincronizadas dentro da organização e assim alcançando reduções de custos e desperdícios para o processo produtivo. Para Moraes (2011), os processos que causam desperdícios e tarefas que não agregam valor serão eliminados através da identificação de sete tipos de perdas mais recorrentes no processo produtivo apontados pelo Sistema Toyota que são perdas relacionadas à: superprodução, estoque, produtos defeituosos, espera, transporte, movimentação e superprocessamento. A atribuição às habilidades das pessoas e aos resultados torna o Lean uma ferramenta de avaliação diferenciada dos colaboradores através dos resultados do processo em si e do aprendizado. Profissionais capacitados são de fundamental importância para que haja acompanhamento dos projetos e das etapas do processo de maneira lógica e sustentável. Essa avaliação é pela verificação do processo e pela forma de gestão bem como levantamento do diálogo com os profissionais envolvidos no processo, a fim de que as perguntas relacionadas ao modelo de gestão e aos resultados da organização possam contribuir com o desempenho dos profissionais (BAUBIN, 2012). A produção enxuta pode enfrentar diversos desafios no meio empresarial e para isso possui muitas competências para tratar de tais desafios. Seja a implementação de uma nova

3 tecnologia, reduções de custos para o processo, assim como uma estrutura muito bem fundamentada para avaliar benefícios e prospectar o sucesso das operações As sete grandes perdas Tendo em vista a identificação das perdas no processo produtivo, Taiichi Ohno visualizou sete tipos de grandes desperdícios no processo. Para Ohno (1997), o Sistema Toyota de Produção tem como objetivo reduzir custos através da eliminação de desperdícios, ou seja, tudo que não agrega valor ao processo produtivo e com isso melhorar o aproveitamento, qualidade e a produtividade. Ainda Ohno (1997) as setes perdas que podem afetar o processo são: Perda por Superprodução; Perda por Transporte; Perda por Processamento; Perda por Produção Defeituosa; Perda por Movimentação; Perda por Espera; Perda por Estoque Perdas por superprodução É a mais danosa ao processo, pois pode esconder outras perdas e é a mais difícil de ser eliminada. É produzir em excesso e sem com o devido pedido do cliente. Existem dois tipos de perdas por superprodução: - Perda por produzir antecipadamente (antecipação): os produtos processados ficam estocados aguardando o momento certo para serem consumidos no processo posterior, sendo essa a perda mais perseguida do STP; - Perda por produzir demais (quantidade): quando é produzido além do volume necessário. É um tipo de perda inaceitável em qualquer hipótese. Sendo assim a mentalidade enxuta defende que é produzido somente o necessário e no momento determinado, para que haja reduções em tempos de set up e sincronize a produção com a demanda (OHNO, 1997) Perdas por transporte A atividade de transporte é aquela que não agrega valor, ocorrendo quando o produto é levado de um ponto a outro da fábrica. A atividade de transporte adiciona movimentos desnecessários ao processo e não pode ser eliminada por completo e sim melhor planejada para que haja redução de movimentos desnecessários. Segundo Slack; Chambers; Johnston (2009), as mudanças no arranjo físico proporcionam a proximidade dos estágios do processo e os métodos de transporte/rota bem definida juntamente com a organização do local de trabalho podem reduzir esse tipo de desperdícios Perdas por processamento São etapas do processo que poderiam ser eliminadas sem alterar as características ou as funções básicas do produto/serviços. As perdas em um processo produtivo são recorrentes

4 e que podem ser derivadas de maus projetos ou falta de manutenção, no entanto, podem ser eliminadas (SLACK; CHAMBERS; JOHNSTON, 2009) Perdas por produção defeituosas É a fabricação de um produto que não esteja em conformidade com as necessidades dos clientes, apresentando características de qualidade fora de um padrão estabelecido, não satisfazendo o cliente e sendo inviável para o uso. Esta perda é a mais comum e visível, ocasionando retrabalho ou até mesmo sucateamento (OHNO, 1997) Perdas por movimentação Seria o movimento desnecessário realizado por um operário no momento em que se está realizando uma operação. Este tipo de perda pode ser eliminado através de melhorias como um estudo de métodos de tempos e movimentos. A introdução de melhorias nesse tipo de perda pode reduzir os tempos das operações em 10 a 20%, essa melhoria poderia ser feita através de uma automação e/ou mecanização dos movimentos, no entanto, deve haver cautela ao utilizar essas ferramentas, as mesmas além de caras podem acabar automatizando o desperdício (OHNO, 1997) Perdas por espera Uma perda relacionada a um intervalo de tempo no qual o processo ou operação é executado por um operador ou maquina, sendo que no caso do primeiro, o mesmo tem que acompanhar o processo até o final junto à máquina, no caso da segunda, seria a parada da mesma por atrasos de suprimentos ou por desbalanceamentos do fluxo de produção (SLACK; CHAMBERS; JOHNSTON, 2009) Perdas por estoque As perdas por estoque de material em processo ocorrem quando um produto de um lote, por exemplo, fica esperando outro produto ser processado para assim ser inserido no processo, esta perda é imposta sucessivamente a cada um dos produtos do lote (OHNO,1997) Just In Time Para Slack; Chambers; Johnston (2009), Just in Time é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar os desperdícios. Ele possibilita a produção eficaz em termos de custos, assim como o fornecimento apenas da quantidade correta, no momento e locais corretos, utilizando o mínimo de instalações, equipamentos, matérias e recursos humanos. Ainda, para Slack; Chambers; Johnston (2009), o Just in Time é dependente do balanço entre a flexibilidade do fornecedor e a flexibilidade do usuário. Ele é alcançado por meio da aplicação de elementos que requerem um envolvimento total dos funcionários e trabalho em equipe. Em síntese uma filosofia chave do Just in Time é a simplificação. O Just in Time é uma das bases do Sistema Toyota de Produção. A aplicação do conceito de puxar a produção tem como principal objetivo a redução no volume de inventário é gerar mais flexibilidade ao sistema produtivo. A aplicação do conceito Just in Time

5 proporciona inúmeros benefícios para a organização. Ele reduz desperdícios pela redução de estoque, pois, as peças devem estar disponíveis no momento certo e na hora exata (AGUIAR, 2002). Slack; Chambers; Johnston (2009) afirma também o Just in Time visa atender à demanda instantaneamente, com qualidade perfeita e sem desperdício, ou seja, só se produz o quer a demanda solicita, com produtos competitivos e com baixo índice de perdas. Pode definir Just in Time também como uma produção de bens e serviços exatamente no momento em que são necessários, ou seja, não antes para que não formem estoques, e não depois para que seus clientes não tenham que esperar S O 5S compõe a mentalidade enxuta. Segundo Rabello (2005) a metodologia surgiu no Japão na década de 50 em um momento que a busca pela melhor qualidade era o principal foco de uma organização. A aplicação do 5S é de fundamental importância para as organizações que buscam a excelência em seus processos pela busca da redução dos desperdícios e consequentemente eliminando o mesmo. É composto por cinco palavras: Seiri, Seiko, Seiketsu, Shiketsu, Shitsuke cuja tradução para o português significa respectivamente, senso de utilização, senso de ordenação, senso de limpeza, senso de saúde e senso de autodisciplina Senso de Utilização Conhecido também como seleção, descarte, arrumação, este senso tem como objetivo estabelecer critérios para identificar os itens desnecessários, separá-los e definir seus destinos. Este senso também se aplica as atividades que não agregam valor ao processo. Dentre seus benefícios destacam-se: Melhor organização do local de trabalho; Liberação de espaços no ambiente; Diminuição da perda de tempo e desperdícios de recursos (materiais, humanos e financeiros) Senso de Ordenação É posicionar sistematicamente os objetos, ou seja, é colocar cada item no seu único e exclusivo lugar de forma sistemática para ter acesso rápido e eficiente, através da comunicação visual utilizando etiquetas ou placas de identificação. Vantagens deste senso: Melhor aproveitamento dos espaços existentes; Rapidez e facilidade na busca de itens; Maior racionalização do trabalho; Ambiente de trabalho funcional e agradável Senso de Limpeza

6 Este senso tem como objetivo eliminar a sujeira e suas fontes de forma a manter o ambiente limpo e agradável proporcionando bem-estar e segurança para os colaboradores. O ambiente mais limpo não é aquele que mais se limpa, mas sim o que menos se suja, cada um que mantém seu posto de trabalho limpo, é consciente das vantagens de não sujar. Alguns benefícios do senso: Evitar danos à saúde da equipe; Evitar perda de material que não apresenta condições de uso; Evitar danos ao equipamento; Melhorar a imagem interna e externa da empresa Senso de Saúde Também conhecido como asseio, saúde e higiene. Significa manter os materiais organizados, arrumados e limpos, de acordo com os critérios estabelecidos nos sensos anteriores, proporcionado bons condições de trabalho para o colaborador. Destacam-se os benefícios: Ambiente de trabalho agradável; Motivação dos funcionários por meio de ginástica laboral, por exemplo; Melhora a qualidade de vida dos colaboradores Senso de Disciplina Responsável pela manutenção do Programa 5S, ou seja, consolida o processo iniciado, atribuindo ao programa uma característica disciplinada e rotineira. Esta etapa visa a reeducação dos colaboradores referente ao cumprimento de horários, compromissos e responsabilidades. É considerada a etapa mais difícil de implantar, pois envolve a mudança de comportamento e de hábito. Alguns dos benefícios do senso de disciplina: Melhoria das relações humanas; Confiabilidade e credibilidade das informações; Facilidade de execução de todas as tarefas. 3. Metodologia O trabalho teve como principais objetivos, a identificação de conceitos da mentalidade enxuta e a análise de que maneira essas ferramentas enxutas se aplicavam na organização objeto de estudo desta produção. Desta forma, estudo caracterizou-se como uma pesquisa explicativa e bibliográfica. Para a coleta de dados, foi feita a observação do ambiente de produção da empresa e entrevistas não estruturadas com pessoas da organização. A observação foi realizada através de visita técnica, na qual se observou todo o seu processo produtivo. A observação do ambiente de trabalho foi um importante instrumento para levantar dados e fazer uma análise de todo o PCP da empresa.

7 As entrevistas não estruturadas foram realizadas com as pessoas que estão ligadas diretamente as atividades de produção: supervisor, líder da linha de produção e auxiliares de produção. 4. Resultados: estudo de caso 4.1. Análise da utilização dos conceitos de Lean Manufacturing no processo produtivo de uma pequena empresa do setor metal mecânico STP e as sete perdas A empresa em estudo apesar de ser de pequeno porte, consegue de maneira bastante satisfatória aplicar alguns dos conceitos do Sistema Toyota de Produção em seu processo produtivo. Ao longo da visita in loco realizada na empresa percebeu-se, que além da aplicação dos conceitos, tanto gestores quanto colaboradores do chão de fábrica possuíam conhecimento dos conceitos do Lean Manufacturing e que isso era claramente disseminado pelo gestor principal da organização. Outro fator que chamou bastante atenção foi o fato a empresa praticamente não possuir perdas em seu processo, reflexo esse da adoção da prática da mentalidade enxuta. Neste sentido, a empresa em estudo adota as seguintes práticas para combater as setes perdas identificadas pelo STP: Perda por superprodução Nesta organização este tipo de perda é inaceitável, pois, assim como na teoria, esta perda é extremamente danosa para o processo produtivo da empresa. Para a eliminação desse tipo de perda a pequena empresa do setor metal mecânico mantém um controle rigoroso sobre sua produção bem como um constante acompanhamento e atualização da previsão da demanda dos seus clientes a fim de produzir nada além do que programado pelo PCP Perda por transporte Todos os trajetos do produto ainda em processamento ao longo do processo foram cuidadosamente estudados para que não haja movimentos desnecessários ao longo do processo. Para isso ser possível, a empresa realizou um estudo de arranjo físico para chegar ao melhor layout Perda por processamento Todas as máquinas e ferramentas necessárias para a produção de peças foram pensadas e adquiridas para que não haja processamento desnecessário no processo. Desta formam, todas as etapas do processo de fabricação de peças de metal agregam de alguma forma valor ao produto da empresa Perdas por produção defeituosas Há uma atenção e valorização muito forte nas áreas de manutenção industrial e treinamento e desenvolvimento dos colaboradores. A primeira é pelo fato de a fábrica possuir muitas máquinas que exigem manutenções anuais e periódicas e calibrações mensais para que as peças saiam de acordo com os padrões e especificação. A segunda se justifica pelo fato do colaborador saber operar e programar as máquinas para que não haja peças fora do padrão.

8 Perdas por movimentação Através da aplicação de um estudo de tempos e movimentos, todas as movimentações dos operadores foram analisadas e as desnecessárias e que as que não agregam valor foram gradativamente eliminadas. Todas as movimentações dos operadores são simples e definidas respeitando sempre os princípios da ergonomia e do projeto do trabalho Perda por espera Essas perdas são eliminadas através do balanceamento entre a capacidade, demanda e disponibilidade dos equipamentos, sequenciando a produção e cada operação do processo, não gerando acúmulos de peças ao longo do processo produtivo Perda por estoque Neste caso, não há estoque de produtos acabados que permanecem por mais de um dia na área de expedição da empresa, pois, toda a produção se baseia pelo sistema Just in Time onde cada peça no processo já possui um destino definido apenas esperando o momento de ser levada ao cliente Just in Time O conceito do Just in Time é muito forte na pequena empresa do setor metal mecânico. Todo seu PCP é feito de acordo com a demanda do cliente. Não há produções para estoque na empresa. O setor comercial recebe e analisa os pedidos e repassa para a gerência de produção que sinaliza se poderá ou não atender ao pedido no prazo desejado pelo cliente. O pedido podendo ser atendido entra na programação de produção. O sistema Just in Time reflete em vários outros aspectos da empresa. Impacta diretamente na manutenção dos equipamentos no que diz respeito ao nível de produção até a necessidade de uma nova intervenção de manutenção e nos tempos de setup de modo a sequenciar o PCP para que haja o mínimo de trocas possíveis. Outro fator observado como consequência da adoção do Just in Time foi o fato da empresa ter baixos níveis de inventário. Sua redução se dar devido entre outras razões a própria capacidade física da fábrica. Possuindo uma pequena área para estocagem de peças e levando em consideração a produção média de 15 mil peças, o material para um pouco mais de um dia é o máximo que as instalações da fábrica podem suportar S O programa 5S na empresa é altamente disseminado pela alta direção da empresa. Com a sua implantação eliminou-se atividades que não agregavam valor ao fluxo logístico produtivo, melhorou as condições de trabalho, a utilização dos recursos, a organização da área e com isso conseguiu melhores índices de produtividade. Cada senso tem seu papel fundamental: Senso de utilização Cada colaborador contribui para que só haja na área materiais que realmente tenham algum tipo de função definida. Objetos desnecessários são descartados pelo próprio colaborador Senso de ordenação

9 Todos os colaboradores são estritamente responsáveis por manter um ambiente organizado com todos os materiais em ordem se não estão sendo utilizados Senso de limpeza Como consequência dos dois primeiros sensos, na empresa há sempre a mentalidade de se manter tudo limpo desde maquinários até salas da administração Senso de saúde Este senso é uma consequência dos três primeiros e está muito presente na mentalidade dos colaboradores Senso de disciplina Como mencionado, a mentalidade 5S é extremamente forte entre os colaboradores da empresa. Este senso serve para disseminar os conceitos da prática do programa contribuindo para o seu desenvolvimento. 5. Conclusões O objetivo deste artigo foi realizar uma análise da utilização de alguns conceitos do Sistema Toyota de Produção em uma pequena empresa do setor metal mecânico. O Lean Manufacturing possuiu a capacidade mediante a aplicação dos seus conceitos, consideráveis reduções de custos bem como o aumento da qualidade do produto e ordenação do ambiente organizacional. Uma organização, seja de qual for a dimensão, para sobreviver num ambiente altamente competitivo como o que se apresenta atualmente, deve ter como foco uma gestão direcionada para a satisfação dos clientes e das pessoas que compõem a sua força de trabalho, mas, possuir um processo produtivo que lhe possibilite se posicionar de forma competitiva no mercado. No caso da empresa em estudo, a mentalidade enxuta trouxe importantes melhorias nas quais se destacam: redução de estoques, eliminação de excesso de movimentos no processo, produção de acordo com o pedido do cliente e implementação do programa 5S. Levando em consideração todos os itens analisados neste artigo, conclui-se que a mentalidade enxuta é bastante forte na organização e que todos seus esforços têm como embasamento os conceitos do Lean Manufacturing, pois, seu modelo de gestão organizacional e análise do processo produtivo proporcionou a organização um melhor desempenho em um ambiente de competição acirrada eliminando as diversas formas de desperdícios. Referências AGUIAR, E. C. Relações de Fornecimento na Indústria Automobilística do Paranaense: o caso Chrysler Dana. Mestrado Interinstitucional PPGA-UFRGS POSITIVO, Disponível em: <http://volpi.ea.ufrgs.br/teses_e_dissertacoes/td/ pdf>. Acesso em: 02 fev BAUDIN, M. Indicadores no Lean. São Paulo: Lean Institute Brasil, DENNIS, P. Produção Lean Simplificada. Porto Alegre: Bookman, MORAES, M. N. Utilização do mapeamento do fluxo de valor para a identificação de desperdícios: estudo de um caso de uma empresa de confecção. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 31., 2011, Belo Horizonte. OHNO, T. O sistema Toyota de produção: além da produção em larga escala. Porto alegre: Bookman, 1997.

10 REBELLO, M. A. de F. R. Implantação do programa 5S para a conquista de um ambiente de qualidade na biblioteca do hospital universitário da Universidade de São Paulo. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, jan Disponível em: <www.sbu.unicamp.br>. Acesso em: 20 jan SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart; JOHNSON, Robert. Administração da Produção. São Paulo: Editora Atlas, TUBINO, D. F. O Planejamento e Controle da Produção: Teoria e Prática. São Paulo: Editora Atlas, 2007.

O Planejamento e Controle da Produção em uma Montadora de Veículos Urbanos e Rodoviários

O Planejamento e Controle da Produção em uma Montadora de Veículos Urbanos e Rodoviários O Planejamento e Controle da Produção em uma Montadora de Veículos Urbanos e Rodoviários Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: O objetivo desse artigo é apresentar

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL Programa 5S Base da implantação da qualidade total nas organizações. Introdução: É possível eliminar o desperdício (tudo que gera custo extra), em cinco fases, com base no programa 5S, surgido no Japão

Leia mais

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA 5S ADRIANA VIEIRA ARCANJO ANDRADE GIOVANE DA SILVA GUILHERME CHAVES KENYA OLIVEIRA WEVERTON DE OLIVEIRA Professor: Elielson

Leia mais

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta RESUMO Danieli Tavares Rates da Silva 1 Rogério de Souza 2 Anderson da Silva 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Implementação do programa 5S, como elemento do lean administrativo, no almoxarifado da FCM/UNICAMP

Implementação do programa 5S, como elemento do lean administrativo, no almoxarifado da FCM/UNICAMP Implementação do programa 5S, como elemento do lean administrativo, no almoxarifado da FCM/UNICAMP Adalberto da Cruz Lima (UFPA) aclima@fem.unicamp.br Paulo Corrêa Lima (UNICAMP) plima@fem.unicamp.br Resumo:

Leia mais

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S Gestão da Qualidade Os 5 S Histórico dos 5S A gestão da Qualidade é primordial para o estabelecimento e sobrevivência de uma instituição e para viabilizar o controle de atividades,informações e documentos.

Leia mais

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO SUCESSO JAPONÊS E GESTÃO DO CONHECIMENTO: COMO AS FORMAS DO CONHECIMENTO EXPLÍCITO SE TRADUZEM ATRAVÉS DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO Liliane Dolores Fagundes (UNIS) engenhariadeproducao@unis.edu.br

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE PRODUTIVIDADE MELHORIA CONTÍNUA / KAIZEN CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conceituar Melhoria Contínua e sua importância no contexto

Leia mais

5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt

5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt 5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt Usado para solucionar os problemas comportamentais nas empresas, principalmente para formar uma cultura de combate ao desperdício, à desordem,

Leia mais

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS RESUMO Williana de Souza Costa 1 Bruno de Araújo Santos 2 Carlos Alberto dos Santos Júnior 3 Jean Karlos Gouveia Januário 4 Natália dos Santos Pessoa 5 Osmar

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Histórico: - Um dos registros mais antigos de produção gerenciada data de cerca de 5.000 a.c.: monges sumérios já contabilizavam seus estoques,

Leia mais

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos P G Q P Gestão de Produtividade Ivan De Pellegrin Produttare Consultores Associados Alexandre Soares Medabil Sistemas Construtivos Plano de Vôo 1. Introdução a. Produtividade um dos requisitos... b. Indicadores

Leia mais

Produção Enxuta. Lean Manufacturing

Produção Enxuta. Lean Manufacturing Produção Enxuta Lean Manufacturing Produção Enxuta Principais ferramentas Ferramentas do STP 5S; SMED ; Gestão Visual; Poka-Yoke; TPM Kanban; Kaizen; VSM Casa do STP 5 Sensos Filosofia cujo objetivo é

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

O Programa 5S ORIGEM. Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país. Surgiu no Japão no fim dos anos 60

O Programa 5S ORIGEM. Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país. Surgiu no Japão no fim dos anos 60 O Programa 5S ESCOLA POLITÉCNICA André Gilmar Hélio Surgiu no Japão no fim dos anos 60 Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país ORIGEM 5S para lembrar as 5 palavras

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia Logística/6º 07/05/2015 PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Hendy de Oliveira Analista de Suprimentos

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Processos da Qualidade (JURAN) Planejamento Execução Monitoramento e Controle Planejar a qualidade Realizar a garantia da qualidade Realizar o controle da qualidade Inclui os

Leia mais

José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira. São Luis 2013

José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira. São Luis 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAS - CCSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira São Luis 2013 GESTÃO DA QUALIDADE: Plano

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Equipe UNAFIN

APRESENTAÇÃO. Equipe UNAFIN APRESENTAÇÃO O Programa 8 S, Mudança e Qualidade de Vida, está sendo implantado na Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí, pela UNAFIN (Unidade Administrativa Financeira) para aumentar a qualidade e

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Aplicação da Matriz Importância x Desempenho com usuários de uma pizzaria no Município de Marabá- Sudeste do Pará

Aplicação da Matriz Importância x Desempenho com usuários de uma pizzaria no Município de Marabá- Sudeste do Pará Aplicação da Matriz Importância x Desempenho com usuários de uma pizzaria no Município de Marabá- Sudeste do Pará Bruna Dayanne da Silva Tavares (brunaday_tavares@hotmail.com / UEPA) Lenilton Godinho da

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais

PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE

PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE QUALIDADE COMEÇA COM 5S 5S = Filosofia de mudança comportamental baseada em cinco princípios básicos, cujas palavras sinônimas (em Japonês) se pronunciam com o som de

Leia mais

TÍTULO: JUST IN TIME OS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO EM RESTAURANTE PARA REDUÇÃO DO DESPERDÍCIO

TÍTULO: JUST IN TIME OS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO EM RESTAURANTE PARA REDUÇÃO DO DESPERDÍCIO TÍTULO: JUST IN TIME OS BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DO MÉTODO EM RESTAURANTE PARA REDUÇÃO DO DESPERDÍCIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 1 CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! _Seiri _Seiton _Seiso _Seiketsu _Shitsuke _Shido _Sitsuyaki

Leia mais

MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA

MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA ARENA, Karina de Oliveira 1 ; BUGLIA, Patrícia Rodrigues 1 ; PEREIRA, Mariane Francine Pereira 1 ; TAMAE, Rodrigo Yoshio 2 1-Acadêmicos do curso de Administração de

Leia mais

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão;

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão; Sistema 5 S's Conceito: O Método "5S" foi a base da implantação do Sistema de Qualidade Total nas empresas. Surgiu no Japão, nas décadas de 50 e 60, após a Segunda Guerra Mundial, quando o país vivia a

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com Programa 8S Promovendo a Qualidade de Vida O R I G E N S 1 9 5 0 JAPÃO DO PÓS GUERRA KAORU ISHIKAWA O B J E T I V O S melhorar a qualidade de vida dos funcionários, transformando o ambiente da empresa,

Leia mais

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade Desenvolvido no Japão, pós Segunda Guerra Mundial, o Programa 5S (conhecido também como Housekeeping) era um método utilizado pelos pais para ensinar a seus filhos os

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Eberson de Andrade Moreira (SULZER) eng_eberson@hotmail.com Paulo Augusto Cauchick Miguel (USP)

Leia mais

Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques.

Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques. Dimensionamento de armazenagem, layout, classificação e controle de estoques. Luiz Alberto Viana Menezes Guedes 1 Charles Emerson Cabral Marinho 2 Resumo Este artigo é resultado de uma pesquisa bibliográfica

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE. Palavras-chave: Qualidade. Gestão da Qualidade. Definições da Qualidade.

GESTÃO DA QUALIDADE. Palavras-chave: Qualidade. Gestão da Qualidade. Definições da Qualidade. GESTÃO DA QUALIDADE Luiz Antonio Bertoli de Oliveira Prof. Pablo Rodrigo Bes Oliveira Centro Universitário Leonardo Da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Administração (ADG 0257)- Módulo I 08/11/2012 RESUMO

Leia mais

PROGRAMA 5S E OS DESPERDÍCIOS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO APLICADOS EM UMA PLANTA DE PRÉ-TRATAMENTO DE REEE

PROGRAMA 5S E OS DESPERDÍCIOS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO APLICADOS EM UMA PLANTA DE PRÉ-TRATAMENTO DE REEE PROGRAMA 5S E OS DESPERDÍCIOS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO APLICADOS EM UMA PLANTA DE PRÉ-TRATAMENTO DE REEE RESUMO Claudia Adriana Kohl (*), Cristine Santos de Souza da Silva, Caroline Lobato de Lima

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS 1. Por que adotar o Lean Office? Parabéns! Você já conseguiu estabelecer o fluxo contínuo em suas atividades do chão de fábrica.

Leia mais

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação Benefícios! Quais são? Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação de condições e atos inseguros

Leia mais

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação 5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação Introdução Década de 50 Japão tenta se reerguer da derrota sofrida na Segunda Grande. Profissionais dos Estados Unidos vão ao Japão a ensinar como

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA Adriana de Fatima Meira Vital (UFCG) vital.adriana@hotmail.com Gislaine Handrinelly de Azevedo (UFCG)

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA NA ÁREA DE PROCESSOS TWISTER DE UMA EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA: UM ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA NA ÁREA DE PROCESSOS TWISTER DE UMA EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA: UM ESTUDO DE CASO ISSN 1984-9354 ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA NA ÁREA DE PROCESSOS TWISTER DE UMA EMPRESA AUTOMOBILÍSTICA: UM ESTUDO DE CASO Paulo Henrique Paulista (FEPI) Maycon Leandro Ribeiro Pires (FEPI)

Leia mais

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC

CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC CARLA ANDREIA DE ALMEIDA IMPLANTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA EM UMA CÉLULA DE PRODUÇÃO JOINVILLE - SC 2007 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS CCT DEPARTAMENTO

Leia mais

Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos.

Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos. O QUE É O 5S? Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos. TAMBÉM É CONHECIDO COMO HOUSE KEEPING 2 QUAIS SÃO OS SIGNIFICADOS

Leia mais

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês

Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Administração da Qualidade e o Modelo Japonês Fonte: Maximiano Autores Principais Idéias e Contribuições Shewhart, Dodge e Romig Cartas de Controle. Controle estatístico da qualidade e controle estatístico

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA Daiane Milioli Dagostin 1 Wagner Blauth 2 RESUMO Atualmente as empresas

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos

Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos O Sistema Municipal de Bibliotecas de Guarulhos possui 11 bibliotecas, sendo 11 da Secretaria de Cultura e 1 espaço troca livros. Atendemos

Leia mais

Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC

Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC Tiago Tenório 1 *, Jediel Grangeiro 1, Evanaldo Brandão 2 1 lanejamento e recursos de material rodante EFC Vale S.A. 2 Manutenção

Leia mais

PDCA and Lean Manufacturing: Case Study in Appliance of Quality Process in Alfa Graphics

PDCA and Lean Manufacturing: Case Study in Appliance of Quality Process in Alfa Graphics PDCA e Lean Manufacturing: Estudo de Caso de Aplicação de Processos de Qualidade na Gráfica Alfa PDCA and Lean Manufacturing: Case Study in Appliance of Quality Process in Alfa Graphics Jefferson Mariano

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO DE UMA INDÚSTRIA DE CATAVENTOS APOIADO PELO GRÁFICO DE GANTT: UM ESTUDO DE CASO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO DE UMA INDÚSTRIA DE CATAVENTOS APOIADO PELO GRÁFICO DE GANTT: UM ESTUDO DE CASO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO DE UMA INDÚSTRIA DE CATAVENTOS APOIADO PELO GRÁFICO DE GANTT: UM ESTUDO DE CASO Joao Paulo Veloso Borges (UFCG ) jpvelosoborges@gmail.com Josenildo de Oliveira Sobrinho

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Autor: José Roberto Ferro Novembro de 2010 Ao adotar conceitos do Sistema Lean na logística, como Sistema Puxado, Milk Run e Rotas de Abastecimento,

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3 Max-Prod Resumo: O software possui três simuladores distintos, sendo que o presente descritivo enfoca o primeiro deles, no qual foram gerados

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA FACULDADE DE JAGUARIÚNA Campus I: (19) 3837-8800 Rua Amazonas, 504 Jardim Dom Bosco Campus II: (19) 3837-8500 Rod. Adhemar de Barros Km 127 Pista Sul Jaguariúna SP 13.820-000 http://www.faj.br e-mail:

Leia mais

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência José Mauro Mendes Pelosi* 1. O conceito atual de competitividade O processo de globalização e a evolução econômica de países emergentes, como China,

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: QUALIDADE DE SOFTWARE Aula N : 03 Tema:

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo

Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria São Paulo Assunto Assunto Página Página Introdução Introdução...... 01 01 Os Os Cinco Cinco s s...... 02 02 Seiri Seiri Utilização Utilização......

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

Sensibilizando para Organização e Limpeza

Sensibilizando para Organização e Limpeza Sensibilizando para Organização e Limpeza Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com. @sebraesp.com.br Ver-03/04 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS FAZER

Leia mais

Programa de qualidade 5s 5 Sensos

Programa de qualidade 5s 5 Sensos Programa de qualidade 5s 5 Sensos 5s no Brasil No Brasil foi lançado em1991.o Brasil é o país campeão mundial de desperdícios,estatísticas comprovam que o desperdício está incorporado na cultura nacional.

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO.

A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO. A TEORIA DAS FILAS COMO FERRAMENTA DE APOIO PARA ÁREA DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO. José Carlos A. Cordeiro Valesca A. Corrêa Julio M. Filho cordeiro21jcac@gmail.com valesca.correa@unitau.com.br eng.juliomalva@gmail.com

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

ANÁLISE E SUGESTÕES DE MELHORIAS NOS PROCESSOS

ANÁLISE E SUGESTÕES DE MELHORIAS NOS PROCESSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LINHA DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM ANÁLISE DE SISTEMAS ANÁLISE E SUGESTÕES DE MELHORIAS NOS PROCESSOS INTERNOS DE UMA EMPRESA DE SOFTWARE. Matias Maciel

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015! XXVIENANGRAD A LOGÍSTICA DENTRO DA CONSTRUÇÃO ENXUTA: ESTUDO DE CASO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA. LARISSE OLIVEIRA COSTA Andriele Pinto de Amorim ÁreaTemática GESTÃODEOPERAÇÕESELOGÍSTICA

Leia mais

6. Resultados obtidos

6. Resultados obtidos 6. Resultados obtidos 6.1 O Balanced corecard final Utilizando a metodologia descrita no capítulo 5, foi desenvolvido o Balanced corecard da Calçados yrabel Ltda. Para facilitar o entendimento deste trabalho,

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Programa 5S como base para implementação do sistema de gestão da qualidade em uma unidade industrial.

Programa 5S como base para implementação do sistema de gestão da qualidade em uma unidade industrial. Resumo Programa 5S como base para implementação do sistema de gestão da qualidade em uma unidade industrial. Penha Maria Freire Leão Rocha penha.lrocha@gmail.com Gestão da Qualidade e Engenharia da Produção

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

FACULDADE DE TÉCNOLOGIA SENAC CHAPECÓ-SC MÉTODOS E FERRAMENTAS DA QUALIDADE: IMPLANTAÇÃO PRÁTICA EM UMA EMPRESA DE CHAPECÓ-SC

FACULDADE DE TÉCNOLOGIA SENAC CHAPECÓ-SC MÉTODOS E FERRAMENTAS DA QUALIDADE: IMPLANTAÇÃO PRÁTICA EM UMA EMPRESA DE CHAPECÓ-SC FACULDADE DE TÉCNOLOGIA SENAC CHAPECÓ-SC MÉTODOS E FERRAMENTAS DA QUALIDADE: IMPLANTAÇÃO PRÁTICA EM UMA EMPRESA DE CHAPECÓ-SC Acadêmicas 083.332.599-01 052.762.169-24 Gean Paulo Pacheco de Oliveira 893.054.429-00

Leia mais

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas.

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO O presente curso é composto de quatro módulos, a saber: MÓDULO I MÓDULO II MÓDULO III MÓDULO IV Gestão de Pessoas para Logística, com duração de 220 horas. Gestão Empresarial

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 5 Lean Office Isto não é... LEAN OFFICE 1 Aqui parece ser... LEAN OFFICE Lean Thinking: Os 5 Princípios Fundamentais 1. Definir o que é VALOR sob a ótica do

Leia mais

DIA DA BERMUDA - 2011. Arrumando a nossa casa

DIA DA BERMUDA - 2011. Arrumando a nossa casa DIA DA BERMUDA - 2011 Arrumando a nossa casa 2 Entenda o que são os 5S Para praticar o Dia da Bermuda, primeiro você precisa entender o que são os 5S... Princípios dos 5S 3 O conceito de 5S tem como base

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais