Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas"

Transcrição

1 Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009

2 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades Administração de Empresas

3 INTRODUÇÃO No ambiente produtivo das empresas, a busca pela redução de custos e otimização dos processos produtivos tem sido uma constante nos dias de hoje. Além de produzir da forma mais rápida, ao menor custo possível, as empresas precisam proporcionar aos seus clientes a melhor qualidade, e ainda ter flexibilidade para atender as particularidades e exigências dos mesmos. (Referencias Bibliográfica) Nesse contexto, as ferramentas de administração da produção, como JIT, Kanban, 5S, melhorias do arranjo físico, entre outros, são fatores fundamentais para as empresas atingirem ou superarem seus objetivos. Buscando uma abordagem de forma mais prática a essas ferramentas, estudaremos uma empresa e sua linha de produção, destacando os pontos principais antes e após a aplicação de técnicas utilizadas para a otimização do sistema produtivo. (Referencias Bibliográfica) Mais teoria sobre as filosofias...principalmente as quais serão utilizadas como base para a otimização... EMPRESA ABORDADA A empresa estudada pertence ao ramo alimentício, atuando na área específica de confeitaria, na produção de bolos decorados. Atualmente sua produção é basicamente artesanal e se concentra na venda de bolos na própria confeitaria, sua capacidade de produção é de cinco bolos a cada um dia e meio de produção. 2

4 Contudo, essa empresa foi procurada por uma rede de supermercados para que se tornasse sua fornecedora de bolos, com uma demanda de aproximadamente cinquenta bolos a cada três dias. Para a concretização dessa parceria, a confeitaria precisaria readequar seu sistema produtivo, para atender a demanda desejada, e ainda reduzir os custos de produção para proporcionar ao cliente um custo unitário mais baixo. Para adequação, a empresa precisa rever seus pontos críticos ou de restrição, sua estrutura física e de mão-de-obra, além de buscar parcerias com seus fornecedores, para proporcionar redução de estoques e baixo custo de matéria-prima. Nesta fase será descrito como vocês encontraram a empresa... PROCESSO ORIGINAL DE OBTENÇÃO Antes do processo de manufatura, a primeira etapa realizada é o processo de obtenção dos insumos, que compreende a compra dos ingredientes utilizados como: ovos, açúcar, margarina, farinha de trigo, chocolate em pó, fermento em pó, leite, leite de coco, leite condensado, amido de milho, creme de leite, coco ralado e chocolate ao leite. Além dos ingredientes citados, é necessária a compra dos itens de decoração, prato e embalagem para a entrega. Para a manufatura de um bolo, é utilizada a seguinte estrutura: Itens Manufaturados na empresa: 1 receita de massa; 1 receita de recheio; 1 receita de cobertura; Itens comprados prontos: 1 decoração; 1 prato; 1 embalagem para entrega; 3

5 Todos os tempos... Deverá ser descrito como são feitas as coisas... Mapear o processo... O processo de obtenção de cada item da estrutura será especificado a seguir: Manufatura da massa: etapa compreendida na mistura dos ingredientes da massa: ovos, açúcar, margarina, farinha, chocolate em pó, fermento em pó, misturados em uma batedeira. Após a mistura, a massa é levada ao forno para assar, em assadeira untada e enfarinhada. O tempo dispensado para a obtenção de cinco massas é de 5,25 minutos para o Set Up, 440 minutos para a operação e 7,35 minutos para a movimentação. Sendo o custo do setor de R$ 8,00 por hora, o custo de manufatura total é de R$ 60,35, e o custo de matéria-prima é de R$ 50,15. Manufatura do recheio: etapa compreendida na mistura dos ingredientes do recheio: leite condensado, amido de milho, leite, ovos, margarina, chocolate em pó, coco ralado e creme de leite, que devem ser levados ao fogo para cozimento. O tempo dispensado para a obtenção de cinco recheios é de 6,3 minutos para o Set Up, 110 minutos para a operação e 5,25 minutos para a movimentação. Sendo o custo do setor de R$ 6,00 por hora, o custo de manufatura total é de R$ 12,16, e o custo de matéria-prima é de R$ 36,13. Manufatura da cobertura: etapa compreendida na mistura do chocolate ao leite derretido com o creme de leite. O tempo dispensado para a obtenção de cobertura para cinco bolos é de 2,04 minutos para o Set Up, 78,75 minutos para a operação e 3,06 minutos para a movimentação. Sendo o custo do setor de R$ 6,00 por hora, o custo de manufatura total é de R$ 8,39, e o custo de matéria-prima é de R$ 21,80. Decoração dos bolos: esta etapa compreende a montagem e a decoração que é definida de acordo com o bolo. O tempo total de decoração de cinco bolos é de 7,14 minutos para o Set Up, 165 minutos para a operação e 12,6 minutos para a movimentação. Sendo o custo do setor de R$ 6,00 por hora, o custo de manufatura total é de R$ 18,47, e o custo de matéria-prima é de R$ 39,00. 4

6 Embalagem: esta etapa compreende a embalagem do bolo para a entrega. O tempo total de embalagem de cinco bolos é de 3,06 minutos para o Set Up, 25,75 minutos para a operação e 7,14 minutos para a movimentação. Sendo o custo do setor de R$ 5,00 por hora, o custo de manufatura total é de R$ 3,00, e o custo de matéria-prima é de R$ 7,50. Nesta fase será analisada o que é feito em desacordo com as filosofias... RESTRIÇÕES DO PROCESSO ORIGINAL DE OBTENÇÃO Considerando a necessidade de aumento da capacidade produtiva e da redução de custos, a empresa enfrenta restrições no que diz respeito ao fornecimento de insumos, ao layout, aos equipamentos utilizados, e à mão-deobra disponível. Para o fornecimento de insumos, a empresa se utiliza de supermercados, com exceção das embalagens, que são adquiridas em fornecedores específicos do ramo. Esse processo de aquisição gera custos mais elevados, visto que o ramo de supermercados não é especializado na área de suprimentos para manufatura, ou seja, não opera no atacado, dificultando dessa forma a formação de parcerias e busca de redução de custos. O layout da empresa se baseia em uma cozinha comum e não industrial, não possuindo locais de manufatura adequados para cada etapa, e sim um mesmo local sendo utilizado para a realização de todas. O espaço também é reduzido dificultando o aumento de capacidade produtiva. Os equipamentos utilizados como batedeira, forno, fogão, e geladeira são convencionais, ou seja, restringem a capacidade produtiva, pois só é possível manufaturar um produto por vez. Além disso, as condições físicas dos mesmos se encontram bastante desgastadas, o que aumenta ainda mais o tempo de produção e os custos com energia elétrica, gás, entre outros. 5

7 A quantidade de mão-de-obra também é insuficiente para o aumento da capacidade produtiva, visto que um único funcionário é responsável pela realização de todas as etapas de manufatura do produto. Nesta fase deverá ser descrito como, o que, foi feito para reduzir os desperdícios...etc OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO 1. Parceria com Fornecedores Para a redução de estoques e principalmente a redução de custos com matéria-prima, a empresa necessita buscar parcerias com fornecedores especializados em vendas de produtos alimentícios no atacado, visto que com o aumento da demanda e da produção, o volume de matéria-prima adquirido será dez vezes maior, possibilitando dessa forma uma negociação de preços mais baixos em virtude da quantidade adquirida. Além disso, os ingredientes secos (farinha de trigo, açúcar, fermento em pó e chocolate em pó) podem ser substituídos por um mix ou composto para bolo, adquirido junto a indústrias especializadas, proporcionado dessa forma uma economia no custo da matéria-prima e uma redução no tempo de manufatura. Salientar que esta pratica descrita acima é atribuída afilosofia...jit, TOC, MRP, Poka yoke, etc Alteração do Layout ou Arranjo Físico Como o ambiente produtivo anterior era uma cozinha comum, tendo em vista a baixa demanda e consequentemente a baixa necessidade de capacidade produtiva, com o aumento dessa demanda será necessário criar um novo espaço produtivo, visando uma produção industrial, e adequando espaços e equipamentos para isso. 6

8 Há muitas razões pelas quais um arranjo físico é essencial para uma empresa, e para sua definição é necessário considerar os seguintes aspectos: Otimização de fluxos Minimização de distâncias entre os materiais, equipamentos e o local de utilização Aumento da higiene e segurança no trabalho, criando um ambiente agradável aos trabalhadores Diminuição dos problemas ergonômicos Definição de entradas, saídas e vias de circulação Definição do sistema de recebimento, transporte e armazenamento de materiais Promoção da melhoria do posto de trabalho Facilitação do controle de estoques de matérias-primas Permissão de uma boa impressão aos clientes que visitarem o ambiente de trabalho. Todos os fatores acima serão fundamentais para que o layout da nova cozinha seja um ambiente de produção agradável do aspecto físico e ergonômico para os trabalhadores, além de proporcionar uma melhor adequação do espaço a fim de buscar um melhor fluxo de produção, reduzindo também as necessidades de movimentação. Como no processo produtivo de bolos decorados, a variedade de produtos manufaturados será pequena, a cozinha industrial deverá ser arranjada favorecendo o produto, ou seja, o arranjo físico será por produto, ou em linha. Nesse arranjo físico, os equipamentos e mão-de-obra de cada processo serão locados na mesma seqüência do processo de fabricação dos bolos. Dessa forma haverá um ambiente para cada etapa do processo, o que deixará o ambiente produtivo mais organizado, facilitando o fluxo de produtos e informações, e diminuindo os tempos de movimentação dentro de cada etapa. Esse arranjo físico também possibilitará a introdução da técnica japonesa Kan Ban, que tem como fundamento básico manter um fluxo contínuo dos produtos que estão sendo manufaturados. O Kan Ban, que pode ser introduzido através de etiquetas ou cartões, traz como benefícios a eliminação de estoques, tanto de matérias-primas como de produtos acabados, fazendo 7

9 com que os materiais e componentes agregados ao produto cheguem no momento exato de sua produção/execução (Just in time). Além de reduzir custos, reduzindo desperdícios, visto que só é fabricado aquilo que realmente é necessário. A técnica do Kan Ban se utiliza de cartões ou etiquetas coloridas que tem duas funções principais, sendo um de requisição e outro de ordem de produção. O Kan Ban de requisição detalha a quantidade que o processo subseqüente deverá retirar. O Kan Ban de ordem de produção determina a quantidade que o processo produtivo precedente deverá produzir. Dessa forma, o processo subseqüente vai ao processo anterior retirar seu produto portando um Kan Ban de requisição, e deixa no local um outro Kan Ban de ordem de produção. Salientar que esta pratica descrita acima é atribuída afilosofia...jit, TOC, MRP, Poka yoke, etc Investimento em Equipamentos Na empresa em questão não há como aumentar a capacidade produtiva sem antes investir em novas tecnologias ou equipamentos. Tendo em vista que com a nova demanda a produção passará a ser em nível industrial, o mesmo deverá ocorrer com seus equipamentos. Para a produção de uma maior quantidade de massas de bolo, a empresa precisará adquirir uma batedeira industrial, com capacidade de produzir em quantidade e velocidade maiores que as convencionais. Além disso, necessitará de um forno industrial para que em um mesmo intervalo de tempo seja possível assar uma quantidade maior de massas. Para o aumento do processo de produção de recheios e coberturas será necessário a compra de um fogão industrial, que possibilitará uma produção mais rápida e em maior quantidade. Para o resfriamento das mesmas o refrigerador convencional utilizado anteriormente poderá ser mantido. Para a fase de finalização, ou seja, montagem e decoração dos bolos, a aquisição de ferramentas de decoração será essencial para tornar esse 8

10 processo mais rápido e também para que seja realizado de uma forma padronizada, ou seja, mantendo uma uniformidade na qualidade do produto final. Como o produto final precisa ser mantido em refrigeração até a entrega ao cliente, é essencial o investimento em refrigeradores industriais, com capacidade de armazenamento suficiente para o lote de produção, para que não haja riscos de avaria do produto por condições de armazenamento inadequadas. Quando investimos em algo sempre é importante que seja mensionado o seu retorno, as vantagens... formas de pagamento...acordos...etc 4. Adequação da mão- de- obra Na produção artesanal, apenas um funcionário era responsável pela execução de todo o processo produtivo. Com o aumento da demanda e a transformação da empresa será necessária a contratação de um funcionário para cada etapa de produção, e do aumento da jornada de trabalho com diluição em dois turnos. Como o trabalho de cada funcionário se limitará à parte de processo pelo qual é responsável, será possível a especialização do mesmo em sua área de trabalho e dessa forma o aumento da qualidade do produto, e ainda uma possível redução de tempo no processo que executa. A empresa também poderá investir em cursos e treinamentos de capacitação, buscando dessa forma um ganho na qualidade de seus produtos. Nesta fase vocês detalharão os principais impactos causados por esta melhoria...etc IMPACTOS CAUSADOS PELA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO Visando facilitar a visualização dos impactos causados pelas alterações no processo produtivo e que serão descritos a seguir, foram criadas três planilhas que constam como anexo, sendo classificada como Anexo I a planilha do processo original de obtenção, como Anexo II a planilha do processo 9

11 original de obtenção com aumento de demanda, e Anexo III a planilha do processo de produção otimizado. Como pode ser notado nas planilhas, com a formação de parcerias e negociação com fornecedores os resultados obtidos foram: Redução dos itens de matéria-prima, substituindo todos os ingredientes secos por um único composto, facilitando dessa forma o controle de estoque e diminuindo tempos despendidos com operação. Redução de 9% nos custos de matéria-prima. Com a alteração do arranjo físico as melhorias alcançadas foram: Redução média de 30% dos tempos e conseqüentemente dos custos de movimentação dos processos de obtenção da massa, recheio, cobertura, decoração e embalagem, passando o tempo total de movimentação para produção de 50 bolos de 35,4 minutos no processo original para 24,79 minutos no processo otimizado e os custos de R$ 3,59 para R$ 2,53 respectivamente. Espaço físico mais confortável ergonomicamente, favorecendo uma maior satisfação dos funcionários. Maior higiene e segurança no trabalho, devido a um ambiente mais organizado. Arranjo físico por produto proporcionando a utilização da técnica Kan Ban, diminuindo desperdícios e proporcionando redução de estoques, o que é fundamental quando se trabalha com produtos perecíveis, como no ramo alimentício. O investimento em equipamentos de nível industrial proporcionou à empresa as melhorias mais significativas em termos de redução de tempo e custos: Na manufatura da massa o tempo de operação sofreu uma redução de 75%, pois através de equipamentos industriais o tempo antes despendido para a fabricação de uma única unidade agora é otimizado para produção de quatro unidades. Através do aumento da capacidade dos equipamentos também foi possível conseguir redução dos tempos de operação da manufatura do recheio em 65%, da manufatura da cobertura em 53% e da operação de decoração em 33%. 10

12 A fadiga também foi reduzida em 20% em todo o processo produtivo devido ao aumento da capacidade dos equipamentos, que reduziram a necessidade de esforço manual, reduzindo também a fadiga causada por ele, além do novo arranjo físico que proporcionou melhor ergonomia e com isso maior conforto aos funcionários. Em resumo, os investimentos em equipamentos proporcionaram uma redução média de 62% dos tempos e custos com operação no processo total de obtenção dos bolos confeitados, passando o tempo total de operação para a produção de 50 bolos de minutos no processo original para minutos no processo otimizado, e os custos de R$ 961,90 para R$ 347,53 respectivamente. A adequação da mão-de-obra para a expansão da produção da empresa proporcionou os seguintes resultados: Mão-de-obra melhor capacitada para a execução das etapas produtivas, resultando em uma maior produtividade e melhor qualidade dos produtos. O aumento do quadro de funcionários proporcionou uma carga horária produtiva de dezesseis horas diárias, divididas em dois turnos, o que reduziu o prazo de entrega de 50 bolos de 17 dias no processo original para 3 dias no processo otimizado. Obtendo dessa forma uma redução de 80% no prazo de entrega. Com as adequações no processo de produção impostas anteriormente o objetivo final de otimização foi alcançado: Aumento de dez vezes ou 1.000% as unidades produzidas. Redução de 31,5 % do custo unitário do produto, que passou de R$ 51,39 para R$ 35,23 Redução do prazo de entrega de acordo com a necessidade do cliente, entregando o lote de 50 bolos a cada 3 dias. Estas condições possibilitam à empresa a realização da parceria com a rede de supermercados no fornecimento de bolos decorados, e a migração da confeitaria para uma produção de nível industrial 11

13 CONCLUSÃO As melhorias no processo produtivo, seja através da melhor adequação do arranjo físico, da parceria com fornecedores, do investimento em mão-deobra qualificada, ou da utilização de ferramentas de otimização da produção como o KAN BAN, proporcionam as empresas vantagens competitivas no que diz respeito aos tempos e custos dos produtos ou serviços. Tal fato tem tornado fundamental o investimento das empresas no estudo e aplicação das melhorias e otimização da produção para que as necessidades dos clientes possam ser atendidas, e as empresas possam se manter e ganhar espaço no mercado onde atuam, onde a tendência é enxugar cada vez mais os custos e eliminar ao máximo os desperdícios, ao menor tempo possível. MAIS... BIBLIOGRAFIA: 1. SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JONHSTON, R. Administração da Produção. 2ed.São Paulo: Atlas, consulta realizada em 11/04/2009. Colocar as referencias utilizadas neste trabalho...preferencialmente mais que 4. 12

Era uma vez... Uma empresa que resolveu se especializar em produtos diet para Food Service. O nome dela? Vitao Food Service.

Era uma vez... Uma empresa que resolveu se especializar em produtos diet para Food Service. O nome dela? Vitao Food Service. Receituário Dias das Crianças Era uma vez... Uma empresa que resolveu se especializar em produtos diet para Food Service. O nome dela? Vitao Food Service. Neste receituário, apresentamos muitas possibilidades

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Nesta edição, a Saborama apresenta

Nesta edição, a Saborama apresenta Nesta edição, a Saborama apresenta uma seleção de delícias apresentadas no Blog Saída de Emergência. Com uma experiência incrível no preparo de alimentos, a Mell Santos, criadora do blog e parceira da

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Características das etiquetas Kanban

Características das etiquetas Kanban Etiqueta Kanban A etiqueta kanban é um tipo de kanban de produção usado quando a quantidade de produção é tão grande e a velocidade tão rápida que somente a etiqueta é utilizada para controle. Características

Leia mais

Páscoa, a hora e a vez do Chocolate

Páscoa, a hora e a vez do Chocolate Invista nessa Paixão Páscoa, a hora e a vez do Chocolate A paixão por chocolate não escolhe dia nem hora! Mas não há como negar: a Páscoa é o principal momento do ano para degustar essa delícia e a maior

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

Bem-Nascido de Morango

Bem-Nascido de Morango Bem-Nascido de Morango BEM-NASCIDO DE MORANGO Rendimento: 60 unidades com aproximadamente 30g cada Ingredientes Massa 200g de ovo 120g de açúcar refinado 170g de farinha de trigo peneirada 10g de fermento

Leia mais

Argolinhas. Capuccino da Vovó

Argolinhas. Capuccino da Vovó Capuccino da Vovó Argolinhas 1 lata de achocolatado pequena 1 lata de leite em pó instantâneo 150g de café em pó solúvel 1 colher de sopa de bicarbonato 1 pacote de chantily em pó canela em pó 6 colheres

Leia mais

ALIMENTOS EXTENSAMENTE AQUECIDOS

ALIMENTOS EXTENSAMENTE AQUECIDOS ALIMENTOS EXTENSAMENTE AQUECIDOS RECEITAS SALGADAS WAFFLE/PANQUECA SALGADO Ingredientes 1 xícara chá de Farinha de Trigo 1 xícara chá de leite de vaca integral 1 ovo de galinha inteiro 1 colher chá de

Leia mais

Tortas Salgadas. Bolo de Batata. Ingredientes: - 1 Kg batata cozida. - sal. - pimenta-do-reino. - 2 colheres de sopa de margarina

Tortas Salgadas. Bolo de Batata. Ingredientes: - 1 Kg batata cozida. - sal. - pimenta-do-reino. - 2 colheres de sopa de margarina Tortas Salgadas Bolo de Batata Ingredientes: - 1 Kg batata cozida - sal - pimenta-do-reino - 2 colheres de sopa de margarina - 1 xícara de queijo ralado - 3 colheres de sopa de maisena 1 / 27 - 1 xícara

Leia mais

Torta alemã. Ingredientes do creme: 200 gramas de manteiga sem sal. 1 xıćara de cha de glaçucar 1 pitada de sal. 1 colher de cha de rum

Torta alemã. Ingredientes do creme: 200 gramas de manteiga sem sal. 1 xıćara de cha de glaçucar 1 pitada de sal. 1 colher de cha de rum Livro de receitas Torta alemã Ingredientes do creme: 200 gramas de manteiga sem sal 1 xıćara de cha de glaçucar 1 pitada de sal 1 colher de cha de rum 1 colher de cafe de esse ncia de baunilha 4 colheres

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

LIVRO DE RECEITAS. 3ª Edição

LIVRO DE RECEITAS. 3ª Edição LIVRO DE RECEITAS 3ª Edição Os produtos Purinha vêm mais uma vez presentear você com um novo livro de receitas. Esta é a terceira edição de uma coleção com sabores incríveis conseguidos a partir das combinações

Leia mais

Discurso Feminino. Cozinha Sob Medida. Receitas para Você Adoçar seu Coração

Discurso Feminino. Cozinha Sob Medida. Receitas para Você Adoçar seu Coração Discurso Feminino Cozinha Sob Medida Receitas para Você Adoçar seu Coração 1 Página 4 Bolo de Chocolate Índice Página 6 CupCake Página 8 Página 10 Bolo de Iogurte Torta de Limão 2 O Discurso Feminino é

Leia mais

Mapeamento do Fluxo de Valor

Mapeamento do Fluxo de Valor Mapeamento do Fluxo de Valor O que é Fluxo de Valor É um conjunto de ações as que agregam valor, bem como as que não agregam valor necessárias para viabilizar o produto: da concepção ao lançamento do produto

Leia mais

Docinho de abacaxi...4 Cheesecake de goiabada...5 Pavê de doce de leite com amendoim...6 Torta de chocolate...7 Bolo de fubá...8 Pão de coco...

Docinho de abacaxi...4 Cheesecake de goiabada...5 Pavê de doce de leite com amendoim...6 Torta de chocolate...7 Bolo de fubá...8 Pão de coco... www.liquigas.com.br Docinho de abacaxi...4 Cheesecake de goiabada...5 Pavê de doce de leite com amendoim...6 Torta de chocolate...7 Bolo de fubá...8 Pão de coco...9 Cocada de forno...10 Petit gateau...11

Leia mais

Receita. Fundo (caldo) 2L de água Pedaços de cebola, cenoura, salsão e outros legumes que aprecie. Risoto

Receita. Fundo (caldo) 2L de água Pedaços de cebola, cenoura, salsão e outros legumes que aprecie. Risoto s Feira Fika Risoto de calabresa com limão siciliano Fundo (caldo) 2L de água Pedaços de cebola, cenoura, salsão e outros legumes que aprecie Risoto 4 dentes de alho 1 cálice pequeno de vinho branco Azeite

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

RECEITAS SEM GLÚTEN BOLO DE BANANA CARAMELADA

RECEITAS SEM GLÚTEN BOLO DE BANANA CARAMELADA RECEITAS SEM GLÚTEN BOLO DE BANANA CARAMELADA COBERTURA: 1/ 1/4 de xíc de água 06 bananas-nanicas maduras firmes, cortadas ao meio no sentido do comprimento Margarina para untar a fôrma. MASSA: 4 ovos

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos

CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO CAPÍTULO 4 Projeto e organização do trabalho e dos recursos físicos 4.1 Arranjo físico GESTÃO DA PRODUÇÃO É a maneira segundo a qual se encontram dispostos fisicamente

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

Waffell de Milho Verde

Waffell de Milho Verde Waffell de Milho Verde Ingredientes: 30 g de milho verde in natura 5 g de amido de milho 12 g de açúcar 15 g de farinha de trigo 5 g de farinha de aveia 5 de farinha de soja 20 ml de leite 4 ml de óleo

Leia mais

Planejamento da produção

Planejamento da produção Planejamento da produção Capítulo 3, parte B Sumário Capacidade de produção Elaboração do plano de produção Just-in-time Capacidade de produção O que é capacidade de produção? Capacidade de produção O

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

PROJETO FORMAÇÃO PROFISSIONAL SSA (FPSSA)

PROJETO FORMAÇÃO PROFISSIONAL SSA (FPSSA) 1 PROJETO FORMAÇÃO PROFISSIONAL SSA (FPSSA) O PROJETO FPSSA É PROMOVIDO PELO ISTITUTO OIKOS (ONG ITALIANA) EM PARCERIA COM A COLIBRIS (COOPERATIVA BRASILEIRA) E APOIADO PELA UNIÃO EUROPEIA. SEU OBJETIVO

Leia mais

Bolo de Chocolate na Caneca Sem Glúten

Bolo de Chocolate na Caneca Sem Glúten Bolo de Chocolate na Caneca Sem Glúten Ingredientes Porcentagem () Quantidade Chocolate Meio Amargo 100 110g Ovos 100 110g Manteiga 40 60g Farinha de Arroz 37.5 35g Açúcar 30 30g Amido de Milho 25 25g

Leia mais

Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão

Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/ 03 FEV 2014 Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão Já pensou em tomar sorvete de mandioca? E doce de casca de maracujá?

Leia mais

Bettercreme. Experimente esta novidade! Informações cadastrais

Bettercreme. Experimente esta novidade! Informações cadastrais Bettercreme Novo Bettercreme sabor Doce de Leite! A combinação perfeita entre o sabor do Doce de Leite com a qualidade que só Bettercreme tem. Com sabor incrível e consistência firme e cremosa, deixe o

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO Edilaine Cristina Duarte de Souza Flávia Galdino Silva Com a concorrência acirrada nos dias de hoje, com grandes mudanças a todo tempo,

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Chef Cristiane Corrêa

Chef Cristiane Corrêa Chef Cristiane Corrêa Bem Casado Tradicional Ingredientes: Massa 6 ovos ½ xícara de açúcar 1 e ½ xícara de farinha de trigo 1 colher de chá (rasa) de fermento em pó 50ml de óleo Recheio 1 lata de creme

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 21º Encontro - 07/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - LAYOUTS DE EMPRESAS INDIVIDUAIS 02 ABERTURA

Leia mais

BISCOITINHO DE QUEIJO

BISCOITINHO DE QUEIJO ÍNDICE DE RECEITAS Salgados Biscoitinho de queijo, 3 Cheesecake de salmão defumado, 4 Mousse de azeitona, 5 Nhoque de ricota, 6 Pão de queijo, 7 Samboussek, 8 Torta de queijo, 9 Doces Bolo de côco ralado,

Leia mais

R$ 12,58 R$ 56,00. Rendimento: 5 ovos (700g cada) 1 hora. Fácil INGREDIENTES

R$ 12,58 R$ 56,00. Rendimento: 5 ovos (700g cada) 1 hora. Fácil INGREDIENTES Rendimento: 5 ovos (700g cada) Degradê 1 hora 1kg de NESTLÉ Chocolate Meio Amargo 1,5kg de NESTLÉ Chocolate ao Leite 1kg de NESTLÉ Ganache Meio Amargo Derreta e tempere o Chocolate Meio Amargo NESTLÉ conforme

Leia mais

Setor de Panificação e Confeitaria

Setor de Panificação e Confeitaria Setor de Panificação e Confeitaria Em 2014 o setor de Panificação e Confeitaria brasileiro cresceu 8,02%e faturou R$ 82,5 bilhões. Desde 2010, o mercado vem registrando uma desaceleração. Setor de Panificação

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.5 Kanban 4.5 Kanban Já foi citado o caso de como o supermercado funcionou como benchmarking para muitas ideias japonesas. Outra dessas ideais inverteu o fluxo da produção: de empurrada passou a ser puxada.

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

Não deixe de aproveitar os pratos com a economia do TodoDia!

Não deixe de aproveitar os pratos com a economia do TodoDia! Esta revista foi pensada para deixar você com água na boca do início ao fim. Nela, vou mostrar duas de minhas especialidades na cozinha: receitas de massas e tortas. Nada mais versátil para agradar à família

Leia mais

"Fornecer produtos de alta qualidade, buscando sempre a satisfação de seus clientes".

Fornecer produtos de alta qualidade, buscando sempre a satisfação de seus clientes. História da Empresa: Fundada em 06 de março de 1989, a Soller Indústria Gráfica atua no mercado de impressos gráficos comerciais e rotativos. Com sua sede localizada no município de Morro da Fumaça, Santa

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AMBROSIA PRIMAVERA ARROZ DOCE ESPECIAL PVT 10g 57g 15ml 04g Canela em pó 0,5g Arroz Água 70ml 30ml Custo médio estimado: R$ 0,13 Energia:264 Kcal. Proteína:6 g. Hidratar e escorrer o PVT; Colocar o açúcar

Leia mais

Cuquinha de banana. Receitas sem glúten e sem lactose. Ingredientes: Modo de preparo:

Cuquinha de banana. Receitas sem glúten e sem lactose. Ingredientes: Modo de preparo: Cuquinha de banana - 1 copo de farinha de arroz urbano; - 1 colher de sopa de fermento em pó; - 3/4 copo de óleo; - 1 copo de açúcar; - 1 copo de suco de laranja; - 3 ovos; - 1 colher de café de canela

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Ganache e Chocolates 2014 em Pó 2014. Receitas com Chocolate de verdade

Ganache e Chocolates 2014 em Pó 2014. Receitas com Chocolate de verdade Ganache e Chocolates Ganache em e Pó Chocolates 2014 em Pó 2014 Receitas com Receitas Chocolate com de verdade Chocolate de verdade Para quem tem dificuldade de fazer uma ganache com ponto para se trabalhar

Leia mais

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes APRESENTAÇÃO A alimentação e tão necessária ao nosso corpo quanto o ar que precisamos para a nossa sobrevivência, devem ter qualidade para garantir a nossa saúde. Quando falamos em alimentação com qualidade

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

RECHEIOS E COBERTURAS PARA BOLO NO POTE

RECHEIOS E COBERTURAS PARA BOLO NO POTE [APOSTILA] RECHEIOS E COBERTURAS PARA BOLO NO POTE 32 receitas rápidas e simples de fazer para você começar hoje mesmo! WWW.CLUBEDASDOCEIRAS.COM 1 ÍNDICE Conteúdo Página 1. RECHEIO DE CREME DE COCO 2 2.

Leia mais

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm BORDO DE LINHA Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm Os sete principais desperdícios (mudas): Desperdícios e valor: Apenas uma pequena quantidade do tempo é despendida

Leia mais

Fotos Chef. Nestlé Professional tem um toque especial

Fotos Chef. Nestlé Professional tem um toque especial Fotos Chef Nestlé Professional tem um toque especial Por todo o Brasil, nossos clientes contam com um time de consultores gastronômicos altamente capacitados que auxiliam no desenvolvimento dos estabelecimentos,

Leia mais

Agroindústria. Processamento artesanal de farinhas e farináceos Fabricação de pão caseiro

Agroindústria. Processamento artesanal de farinhas e farináceos Fabricação de pão caseiro 1 de 5 10/16/aaaa 10:35 Agroindústria Processamento artesanal de farinhas e farináceos Fabricação de pão caseiro Processamento artesanal de farinhas e Nome farináceos : fabricação de pão caseiro Produto

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 6 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

Sabores da. Confeitaria Ingredientes de alta qualidade

Sabores da. Confeitaria Ingredientes de alta qualidade Sabores da Confeitaria Ingredientes de alta qualidade Três ingredientes, infinitas combinações Uma edição especial com as melhores tendências em receitas feitas com chocolate, coco e maracujá, aliadas

Leia mais

VEGANISMO. Ideias Receitas Anticapitalismo

VEGANISMO. Ideias Receitas Anticapitalismo VEGANISMO Ideias Receitas Anticapitalismo O que é Veganismo? Veganismo é uma palavra que foi criada para diferenciar o Vegetarianismo Estrito, dieta contínua em que não se consome nada de origem animal,

Leia mais

Projeto. Projecto Picoleteria Fábrica Gelado. www.terrabrazilmaquinas.com.br

Projeto. Projecto Picoleteria Fábrica Gelado. www.terrabrazilmaquinas.com.br Projeto Projecto Picoleteria Nossa empresa está a mais de 10 anos no mercado angolano trabalhando no desenvolvimento e fornecimento de productos para abertura de seu próprio negócio, realizando ao seu

Leia mais

OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. PARA PROCESSAR O GRANDE VOLUME DE DADOS GERADOS E TRANSFORMÁ-LOS EM INFORMAÇÕES VÁLIDAS

OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. PARA PROCESSAR O GRANDE VOLUME DE DADOS GERADOS E TRANSFORMÁ-LOS EM INFORMAÇÕES VÁLIDAS O ADMINISTRADOR EM SUAS TAREFAS DIÁRIAS AJUSTA DADOS OS DADOS GERALMENTE OU SÃO INSUFICIENTES OU ABUNDANTES. 1.EXCESSO DE DADOS DISPENSÁVEIS 2. ESCASSEZ DE DADOS RELEVANTES NECESSITA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

Leia mais

DOCES MOMENTOS RECEITAS IRRESISTÍVEIS PARA PADARIAS E CONFEITARIAS

DOCES MOMENTOS RECEITAS IRRESISTÍVEIS PARA PADARIAS E CONFEITARIAS DOCES MOMENTOS RECEITAS IRRESISTÍVEIS PARA PADARIAS E CONFEITARIAS Uma temporada de momentos gostosos para você inovar e lucrar. O tempo todo, as pessoas querem mostrar que sabem encantar. É um almoço

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO INTRODUÇÃO Grupo: DESENVOLVIMENTO DO PROJETO Empresa: Setor da empresa: Produtos: I.Objetivos e metas do projeto: a) quais as razões para a elaboração do projeto (aumento de demanda, segurança, novos equipamentos,

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Índice. pg.03 Melhoradores Misturas para Pães Especiais. pg.06 Misturas para Pães Portugueses. pg.07 Produtos para Sabor e Decoração

Índice. pg.03 Melhoradores Misturas para Pães Especiais. pg.06 Misturas para Pães Portugueses. pg.07 Produtos para Sabor e Decoração 1 Índice pg.03 Melhoradores Misturas para Pães Especiais pg.06 Misturas para Pães Portugueses pg.07 Produtos para Sabor e Decoração pg.08 Mistura para Cremes pg.09 Mistura para Pão de Ló e Rocambole pg.10

Leia mais

Anonymus & Alarico. Show de sabores

Anonymus & Alarico. Show de sabores Anonymus & Alarico Show de sabores Este livro reflete a trajetória de um longo trabalho. Reúne receitas inéditas, testadas e aprovadas pelo público do nosso programa da TV. Como sempre, são receitas simples,

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Cachorro Quente de Forno

Cachorro Quente de Forno Cachorro Quente de Forno 2 xícaras (chá) de farinha de trigo 2 xícaras (chá) de leite 2 ovos 3 colher de sopa de fermentem pó 100 g de queijo parmesão ralado Recheio: 8 salsichas cozidas e picadas 1 cebola

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

www.500receitasparaemagrecer.com.br

www.500receitasparaemagrecer.com.br Sorvete de Limão 3 copos de iogurte natural desnatado 2 colheres (chá) de essência de baunilha 1 colher (sopa) de suco de limão 1 colher (sobremesa) de adoçante Casca ralada de um limão Misture todos os

Leia mais

Receitas do livro BOLO SALGADO DE FARINHA DE MANDIOCA

Receitas do livro BOLO SALGADO DE FARINHA DE MANDIOCA Receitas do livro BOLO SALGADO DE FARINHA DE MANDIOCA Nome da 4 xícaras de chá de farinha de farinha (500g) 4 ovos 2 Litros de leite morno 1 colher (sopa) de fermento em pó (10g) 2 gemas para pincelar

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

Lípidios (g) (g) MODO DE PREPARO. Vitamina C (mg) Açúcar g 7 27,09 6,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01

Lípidios (g) (g) MODO DE PREPARO. Vitamina C (mg) Açúcar g 7 27,09 6,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01 Cardápio nº 2455 - BISCOITO CASEIRO DE NATA E SUCO DE POLPA DE FRUTA os C Ca Mg Fe Zn Custo Açúcar g 8 30,96 7,97 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 R$ 0,01 Açúcar (suco) g 10 38,70 9,96 0,00

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Prof. Isidro

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais