JUST-IN-TIME & KANBAN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JUST-IN-TIME & KANBAN"

Transcrição

1 JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES 2 1

2 A IDÉIA INICIAL DE JIT UMA PRIMEIRA IDÉIA PODE SER ASSOCIADA À IDÉIA DE ELIMINAÇÃO DE DESPERDÍCIOS UMA SEGUNDA IDÉIA ESTÁ ASSOCIADA AO USO DE RECURSOS DA PRODUÇÃO SOMENTE NA QUANTIDADE E NO TEMPO NECESSÁRIO À OPERAÇÃO. UMA TERCEIRA IDÉIA DECORRE DAS 2 PRIMEIRAS: IMPOSSIVEL OBTER-SE UMA MANUFATURA VERDADEIRAMENTE JIT SEM SE ELIMINAR OS DESPERDÍCIOS AO LONGO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS 3 NASCIMENTO DO JUST IN TIME - JIT ORIGEM: TOYOTA MOTOR COMPANY BUSCAVA EQUILIBRAR A CAPACIDADE DE PRODUÇÃO COM A DEMANDA ESPECÍFICA DE DIFERENTES MODELOS E CORES DE VEÍCULOS ASSIM SE ESTRUTUROU O SISTEMA DE PUXAR A PRODUÇÃO A PARTIR DA DEMANDA, PRODUZINDO EM CADA ETAPA SOMENTE OS ITENS NECESSÁRIOS 4 2

3 LEMBRANDO A PRÁTICA DE EMPURRAR E PUXAR A PRODUÇÃO EMPURRAR & PUXAR NÃO É UMA ANOMALIA! TEM ESTOQUE NESTA SITUAÇÃO! INVENTÁRIO EM UMA FÁBRICA QUE ADOTA O MODELO PUXADO EMPURRADO QUAL A DEMANDA? MUITO ESTOQUE PUXADO DEMANDA É CONHECIDA! POUCO OU QUASE NENHUM ESTOQUE 5 ILUSTRAÇÃO DO FLUXO DE MATERIAIS EM UMA PLANTA Fábrica COMO A FÁBRICA CONSEGUE GARANTIR UM FUNCIONAMENTO DE SUAS OPERAÇÕES NO REGIME JIT? Fornecedor do conjunto/ módulo Portaria da fábrica Fornecimento JIT em sequência Sub-Fornecedores Valoragregado Área p/ sequência. Fluxo de material + embalagem Fluxo de embalagem vazia Custos Logísticos Descarga Armazenamento Transporte embalagem embalagem embalagem cheia cheia cheia Ponto de uso do Armazenamento Transporte conjunto/ módulo Carga embalagem vazia embalagem vazia embalagem vazia Montagem do conjunto/ módulo na sequência da linha de produção Fornecedor Fábrica 6 3

4 QUAIS PEÇAS SERÃO DEFINIDAS NO REGIME JIT? Painel de porta? Cockpit? Frontend? QUAIS CRITÉRIOS ADOTAREMOS PARA DEFINIR AS PEÇAS JIT? 7 JUST IN TIME: QUANDO USAR E CONSEQÜÊNCIA DO NÃO USO QUANDO UTILIZAR O JIT CONSEQUÊNCIA DO NÃO JIT Peças com custo elevado Gera necessidade de valores elevados em estoque Peças de grandes dimensões Gera necessidade de grande área de estoque Peças com grandes variações de mix e cor Gera necessidade de grande volume de peças estocadas Peças frágeis Risco de refugo devido ao processo de estocagem 8 4

5 O JIT É MUITO MAIS DO QUE UMA TÉCNICA! SEPARAR SUPRIMENTOS/COMPRAS DA GESTÃO DE ESTOQUES É UM BOM NEGÓCIO? PROJETO DO PRODUTO SUPRIMENTOS/ COMPRAS GESTÃO DE ESTOQUE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O JIT É UMA GRANDE FILOSOFIA DO AMBIENTE DE PRODUÇÃO ENVOLVENDO DIVERSAS ÁREAS/AÇÕES... GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO DE RH LAYOUT FREQUENTEMENTE, O ENFOQUE DA ÁREA DE GESTÃO DE ESTOQUES ADOTA UMA ABORDAGEM BASEADA NA VISÃO DO JIT COMO UMA SIMPLES TÉCNICA DE REDUÇÃO DE ESTOQUES QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES, KPI s etc 9 QUAL O OBJETIVO DO JUST IN TIME? OBJETIVOS OPERACIONAIS ESSENCIAIS QUALIDADE FLEXIBILIDADE COMO GARANTIR QUALIDADE E FLEXIBILIDADE? ATRAVÉS DAS AÇÕES DE MELHORIA CONTÍNUA E DA LUTA INCESSANTE PARA ELIMINAR DESPERDÍCIOS 10 5

6 O JIT E O SISTEMA PUXADO NO SISTEMA PUXADO, O MATERIAL SOMENTE É PROCESSADO NO MOMENTO EM QUE ELE ENTRA NA OPERAÇÃO SEGUINTE E NA JUSTA QUANTIDADE PARA O ATENDIMENTO ÓTIMO ( NEM FALTAR E NEM SOBRAR ). QUANDO NECESSÁRIO, UM SINAL É ENVIADO À OPERAÇÃO FORNECEDORA PARA QUE ESTA EXECUTE A PRODUÇÃO E FAÇA O ABASTECIMENTO. F1 F2 FORNECEDORES (JIT E/OU NÃO!) PRODUÇÃO JIT COMPRA DO PRODUTO F3 PRODUTO RECEBIDO PELO CLIENTE INFORMAÇÃO MATERIAL 11 PRODUZINDO NO SISTEMA TRADICIONAL EMPURRADO NO SISTEMA TRADICIONAL ( EMPURRADO ), DA AQUISIÇÃO DA MATÉRIA-PRIMA AOS ESTOQUES DE PRODUTOS ACABADOS, A PRODUÇÃO VAI SE REALIZANDO SEM PEDIDOS EFETIVOS. AS CONDIÇÕES PARA ESTE SISTEMA DISPARAR A PRODUÇÃO SÃO AS SEGUINTES: 1. DISPONIBILIDADE DO MATERIAL A SER PROCESSADO 2. EXISTÊNCIA DE ORDEM NO PROGRAMA DA PRODUÇÃO (DEFINIDA A PARTIR DE PREVISÃO DA DEMANDA) 3. DISPONIBILIDADE DE EQUIPAMENTO O MRP (MATERIAL REQUIREMENTS PLANNING / PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS) É UM SISTEMA EMPURRADO 12 6

7 A QUESTÃO DOS ESTOQUES NO JIT QUANDO SE TRABALHA NO SISTEMA JIT, OS ESTOQUES SÃO CONSIDERADOS PROBLEMAS PORQUE OCULTAM DEFICIÊNCIAS DA PRODUÇÃO (BAIXA QUALIDADE, BAIXA PRODUTIVIDADE) A ADOÇÃO DO JIT COMO FORMA DE SE TRABALHAR, FREQUENTEMENTE PRODUZ UM ESFORÇO GERENCIAL GRANDE NA BUSCA DA IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DAS CAUSAS GERADORAS DOS ESTOQUES. PROCESSO: ONDE ESTÃO AS RAZÕES DESTES ESTOQUES? ALGUMAS DIFICULDADES NO USO DO JIT Uso de embalagens específicas (custo, área, devolução, arquitetura específica etc) Atualizações do sistema (part number,, estações para envio de dados etc) Custo mensal do sistema (responsabilidade do fornecedor) Fatores externos 14 7

8 JIT EM UMA MONTADORA DE VEÍCULOS VISÃO GERAL DO MACRO FLUXO DE FUNCIONAMENTO MONTAGEM 4 LINHAS ESTAÇÃO A ESTAÇÃO B ESTAÇÃO K ESTAÇÃO I ESTAÇÃO C ESTAÇÃO D ESTAÇÃO E ESTAÇÃO G FUNILARIA PINTURA CabJIT EXPLOSÃO D.B. Local LINKS EXCLUSIVOS DE COMUNICAÇÃO J.I.T. 15 ILUSTRAÇÃO DO JIT SEQÜENCIADO PROGRESSIVO 4032 LINHA 2 03/05/06 15:00 DESENHO A PROGRESSIVO 4033 LINHA 3 03/05/06 15:00 DESENHO C LINHA DE MONTAGEM Linha 1 Linha 2 Linha 3 Linha 4 ABASTECIMENTO A B FORNECEDOR C JIT 16 8

9 LOTE DE PRODUÇÃO E COMPRAS: PILARES DO JIT Custos Custo total de gerir o sistema é maior para qualquer outro tamanho de lote Lote Econômico (Tamanho de lote que minimiza custo total) Tamanho do lote 17 LOTE DE PRODUÇÃO E COMPRAS: PILARES DO JIT ABORDAGEM TRADICIONAL (EMPURRADA) Cf = custo fixo de fazer um pedido de ressuprimento Ce = custo unitário anual de estocagem DA = demanda anual (depende de PREVISÃO!!!) OS CUSTOS MÍNIMOS DE OPERAÇÃO DO SISTEMA OCORREM QUANDO OS CUSTOS TOTAIS DE ARMAZENAGEM (CUSTOS DE ESTOCAGEM) IGUALAM-SE AOS CUSTOS TOTAIS COM PEDIDOS QUE QUANTIDADE DE ESTOQUE DE SEGURANÇA MANTER? CP = DA Cf x L CA = L Ce x 2 CP= custo do pedido L = tamanho do lote UMA QUANTIDADE PROPORCIONAL A INCERTEZA DA DEMANDA CA = custos de armazenagem 18 9

10 LOTE DE PRODUÇÃO E COMPRAS: PILARES DO JIT ABORDAGEM TRADICIONAL (EMPURRADA) Cf = custo fixo de fazer um pedido de ressuprimento Ce = custo unitário anual de estocagem DA = demanda anual (depende de PREVISÃO!!!) OS CUSTOS MÍNIMOS DE OPERAÇÃO DO SISTEMA OCORREM QUANDO OS CUSTOS TOTAIS DE ARMAZENAGEM (CUSTOS DE ESTOCAGEM) IGUALAM-SE AOS CUSTOS TOTAIS COM PEDIDOS QUE QUANTIDADE DE ESTOQUE DE SEGURANÇA MANTER? CP = DA Cf x L CA = L Ce x 2 CP= custo do pedido L = tamanho do lote UMA QUANTIDADE PROPORCIONAL A INCERTEZA DA DEMANDA CA = custos de armazenagem 19 LOTE DE PRODUÇÃO E COMPRAS: PILARES DO JIT NA PRODUÇÃO, A REDUÇÃO DO CUSTO DE OBTENÇÃO OCORRE SOBRETUDO PELA REDUÇÃO DO TEMPO NECESSÁRIO À PREPARAÇÃO DO EQUIPAMENTO (SET-UP TIME), QUANDO DA TROCA DO PRODUTO A SER PRODUZIDO. A REDUÇÃO DO TEMPO DE SET-UP DEVERÁ SER OBJETO DE PREOCUPAÇÃO CENTRAL QUANDO DO PROJETO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO. REDUZIR O MÁXIMO POSSÍVEL O TEMPO DE SET-UP! NO JIT, ERROS E DEFEITOS SÃO FOCOS DAS AÇÕES DE MELHORIA CONTÍNUA. O OBJETIVO É MELHORAR O PROCESSO, DE FORMA QUE ELE NÃO PRODUZA MAIS FALHAS. ZERO DEFEITO É UM ESTADO DE ESPÍRITO QUE COMEÇA NO PROJETO DO PRODUTO E ATRAVESSA TODO O MONITORAMENTO DO PROCESSO NO JIT, A ÊNFASE GERENCIAL SE SITUA NO FLUXO DE PRODUÇÃO E NÃO NA CAPACIDADE NOMINAL DOS EQUIPAMENTOS (USAR EQUIPAMENTSO NO MOMENTO CERTO E NA INTENSIDADE CERTA!) 20 10

11 LOTE DE PRODUÇÃO E COMPRAS: PILARES DO JIT NA PRODUÇÃO, A REDUÇÃO DO CUSTO DE OBTENÇÃO OCORRE SOBRETUDO PELA REDUÇÃO DO TEMPO NECESSÁRIO À PREPARAÇÃO DO EQUIPAMENTO (SET-UP TIME), QUANDO DA TROCA DO PRODUTO A SER PRODUZIDO. A REDUÇÃO DO TEMPO DE SET-UP DEVERÁ SER OBJETO DE PREOCUPAÇÃO CENTRAL QUANDO DO PROJETO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO. REDUZIR O MÁXIMO POSSÍVEL O TEMPO DE SET-UP! NO JIT, ERROS E DEFEITOS SÃO FOCOS DAS AÇÕES DE MELHORIA CONTÍNUA. O OBJETIVO É MELHORAR O PROCESSO, DE FORMA QUE ELE NÃO PRODUZA MAIS FALHAS. ZERO DEFEITO É UM ESTADO DE ESPÍRITO QUE COMEÇA NO PROJETO DO PRODUTO E ATRAVESSA TODO O MONITORAMENTO DO PROCESSO NO JIT, A ÊNFASE GERENCIAL SE SITUA NO FLUXO DE PRODUÇÃO E NÃO NA CAPACIDADE NOMINAL DOS EQUIPAMENTOS (USAR EQUIPAMENTSO NO MOMENTO CERTO E NA INTENSIDADE CERTA!) 21 PAPEL DA MÃO-DE-OBRA NO JIT O JIT DETERMINA QUE PARA FAZER AS COISAS CERTAS DA PRIMEIRA VEZ, OS OPERÁRIOS DEVEM SER OS RESPONSÁVEIS PELA QUALIDADE DOS PRODUTOS. GERENTES DEVEM ORIENTAR OS OPERÁRIOS E SE DEDICAREM AO TRABALHO DE RESOLVER OS PROBLEMAS TÉCNICOS DE MAIS ALTO NÍVEL 22 11

12 USANDO O JIT PARA ELIMINAR DESPERDÍCIOS E PROMOVER A MELHORIA CONTÍNUA ILUSTRAÇÃO DESPERDÍCIO DE SUPERPRODUÇÃO DESPERDÍCIO DE ESPERA DESPERDÍCIO DE TRANSPORTE DESPERDÍCIOS: DESENVOLVIMENTO, FABRICAÇÃO, MONTAGEM, EMBALAGEM, ARMAZENAGEM, DISTRIBUIÇÃO, MARKETING COMERCIALIZAÇÃO ETC DESPERDÍCIO DE PROCESSAMENTO DESPERDÍCIO DE MOVIMENTO DESPERDÍCIO DE PRODUZIR PRODUTO DEFEITUOSO DESPERDÍCIO DE ESTOQUES 23 METAS DO JIT LEAD TIME ZERO QUEBRAS ZERO LOTE UNITÁRIO ZERO TEMPO DE PREPARAÇÃO (SET-UP ZERO!) METAS DO JIT MOVIMENTAÇÃO ZERO ESTOQUE ZERO ZERO DEFEITO 24 12

13 QUESTÃO Como a redução de estoques pode ajudar a encontrar problemas no processo de produção? Quais são os tipos de problemas frequentemente escondidos pelos estoques? 25 KANBAN: UMA FORMA DE PUXAR O FLUXO DE MATERIAIS KANBAN: TERMO JAPONÊS QUE SIGNIFICA CARTÃO OCARTÃOKANBANÉO DISPARADOR O DA PRODUÇÃO EM ESTÁGIOS ANTERIORES 26 13

14 KANBAN DE PRODUÇÃO & KANBAN DE TRANSPORTE USO FREQUENTE ATUAL DE KANBAN, SISTEMAS DE 2 CARTÕES: KANBAN DE PRODUÇÃO KANBAN DE TRANSPORTE KP - produção Número da peça: 1213 Descrição: Rotor tipo C Lote: 12 peças C.P.: célula J-32 Armazém: J-32 Centro de Produção responsável KT - transporte Número da Peça: 1213 Descrição: Rotor tipo C Lote: 12 peças C.P. origem: célula J-32 C.P. destino: posto L-45 KANBAN DE PRODUÇÃO: DISPARA A PRODUÇÃO DE UM LOTE (FREQUENTEMENTE PEQUENO E PRÓXIMO A UNIDADE DE PRODUÇÃO) DE PEÇAS DE DETERMINADO TIPO EM UM CENTRO DE PRODUÇÃO DA FÁBRICA KANBAN DE TRANSPORTE: AUTORIZA A MOVIMENTAÇÃO DO MATERIAL PELA FÁBRICA, DO CENTRO DE PRODUÇÃO QUE DETERMINADO COMPONENTE FABRICA PARA O CENTRO DE PRODUÇÃO QUE O CONSOME Há movimentação sem autorização de kanban de produção? Por que? 27 ILUSTRAÇÃO DO PROCESSO DE PUXAR COM SISTEMA KANBAN KT-A KT-B KT-B KT-C KT-C Planta de bombas hidráulicas (processo de produção de rotores das bombas e sua montagem na linha) Container vazio Container cheio KT KP KT KP A B C D E A B C D E Estoque de Entrada Centro de produção M-12 Centro de produção Est. Ent J-32 Est. Sai Saída Estoque de 28 14

15 ILUSTRAÇÃO DO PROCESSO DE PUXAR COM SISTEMA KANBAN Container vazio Container cheio KT KP KT KP KT KP A B C D E A B C D E Est. Ent Centro de produção M-12 Est. Sai Est. Ent Centro de produção J-32 Est. Sai 29 ILUSTRAÇÃO DO PROCESSO DE PUXAR COM SISTEMA KANBAN Container vazio Container cheio KT KP KT KP A B C D E A B C D E Est. Ent Centro de produção M-12 Est. Sai Est. Ent Centro de produção J-32 Est. Sai 30 15

16 ILUSTRAÇÃO DO PROCESSO DE PUXAR COM SISTEMA KANBAN Sistema Puxado - 2 cartões Alternativa: quadrado kanban KT KP KT KP A B C D E A B C D E Est. Ent Centro de produção M-12 Est. Sai Est. Ent Centro de produção J-32 Est. Sai 31 LÓGICA ORIENTANDO O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA O SISTEMA KANBAN FAZ A COORDENAÇÃO DA PRODUÇÃO DE DIVERSOS CENTROS DE TRABALHO, EM QUALQUER ESTÁGIO DO PROCESSO. O KANBAN DE TRANSPORTE CIRCULA ENTRE OS POSTOS DE ARMAZENAGEM DE 2 CENTROS DE PRODUÇÃO. O KANBAN DE PRODUÇÃO CIRCULA ENTRE UM CENTRO DE PRODUÇÃO E SEU POSTO DE ARMAZENAGEM RESPECTIVO EE M- 12 ES EE J- 32 ES EE LINHA Fluxo de material Fluxo de kanbans de transporte Fluxo de kanbans de produção EE = ESTOQUE DE ENTRADA ES = ESTOQUE DE SAÍDA 32 16

17 COMO DEFINIR O NÚMERO DE CARTÕES KANBAN ENTRE 2 CENTROS DE PRODUÇÃO? X = D (Te + Tp) (1+ F) C X = número total de kanbans D = demanda do centro consumidor por unidade de tempo Te = tempo de espera do lote no centro consumidor Tp = tempo de processamento do lote no centro produtor F = fator de segurança C= tamanho do lote ou capacidade do conteiner (peças por kanban) Como obter o número mínimo de cartões? O número mínimo de cartões kanban pode ser obtido fazendo F = 0. Desta forma, X será minimizado Mas isto é realista no mundo empresarial real? Somente se todas as incertezas do processo forem eliminadas, eliminando-se a necessidade dos estoques de segurança Qual é o pressuposto de zerar (a rigor, baixar o máximo!) os estoques de segurança? Processo estruturado, estabilizado, documentado e sob controle Isto é fácil de ser obtido? Não. Não é fácil de ser obtido. Trata-se de um processo de melhoria contínua e que exige muito tempo 33 ENTENDENDO F = FATOR DE SEGURANÇA Cenário 1: A B C DEMANDA ( D ) 100 POR DIA 100 POR DIA 100 POR DIA TAMANHO DO LOTE ( C ) 20 UNIDADES 5 UNIDADES 40 UNIDADES ESTOQUE DE SEGURANÇA ( F ) 15% 25% 10% LEAD TIME ( Te + Tp ) 3 SEMANAS 3 SEMANAS 1 SEMANA X = D (Te + Tp) (1+ F) C 16,5 kanbans 75 kanbans 2,75 kanbans REDUZINDO A INCERTEZA DO PROCESSO PODEREMOS REDUZIR O FATOR DE SEGURANÇA 34 17

18 REDUZINDO F = FATOR DE SEGURANÇA Cenário 2: A B C DEMANDA ( D ) 100 POR DIA 100 POR DIA 100 POR DIA TAMANHO DO LOTE ( C ) 20 UNIDADES 5 UNIDADES 40 UNIDADES ESTOQUE DE SEGURANÇA ( F ) 5% 8% 2% LEAD TIME ( Te + Tp ) 3 SEMANAS 3 SEMANAS 1 SEMANA X = D (Te + Tp) (1+ F) C 15,75 kanbans 64,8 kanbans 2,55 kanbans ( ANTES = 16,5 kanbans 75 kanbans 2,75 kanbans ) Se F = 0 e o Lead Time total ( Te + Tp ) próximo de zero: o número total de kanbans também será minimizado. RESUMINDO: Se F=0, X DEPENDERÁ DA DEMANDA D, DO LEAD TIME TOTAL ( Te + Tp ) E DO TAMANHO DO LOTE C 35 NÚMERO MÍNIMO DE KANBANS PARA UMA DETERMINADA DEMANDA REAL DO PONTO DE VISTA PRÁTICO, E MESMO PARA F = 0, X NÃO PODE SER IGUAL A ZERO PARA UMA DETERMINDA DEMANDA REAL ( D > 0 ), POIS TERÍAMOS QUE TER UM LEAD TIME TOTAL IGUAL A ZERO E O QUE SIGINIFICA UM LEAD TIME TOTAL IGUAL A ZERO PARA UMA SITUAÇÃO DE DEMANDA REAL? SIGNIFICA: Te = 0 e Tp = 0 E EVIDENTEMENTE QUE NÃO PODEMOS TER UM Tp=0, POIS O PROCESSAMENTO É ALGO QUE CONSOME UM DETERMINADO TEMPO. E ISTO PARA FALAR APENAS DO TEMPO REAL DE PROCESSAMENTO DO LOTE NO CENTRO PRODUTOR. POR OUTRO LADO, OBTER E MANTER UM Te (tempo de espera) MUITO BAIXO É SEMPRE UM GRANDE DESAFIO 36 18

19 EXERCÍCIOS SOBRE KANBAN 37 UMA EVIDÊNCIA DO SISTEMA KANBAN O SISTEMA KANBAN FUNCIONA BEM QUANDO OS POSTOS DE TRABALHO ABASTECEDORES SÃO CAPAZES DE SATISFAZER AS NECESSIDADES DOS POSTOS ABASTECIDOS. SENDO ASSIM, O CONJUNTO DOS POSTOS DEVEM TER UMA CAPACIDADE SUPERIOR A DEMANDA. (OFERTA > DEMANDA) P1 P2 P3 P4 > > > > cliente 38 19

GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL

GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL GESTÃO VISUAL 28/11/2009 1 A BASE DA LEAN É O 5S SEIRI SEITON SEISOO SEIKETSU SHITSUKE ARRUMAÇÃO ORDENAÇÃO LIMPEZA ASSEIO AUTO DISCIPLINA No sistema de Lean é importante reconhecer (enxergar) de imediato os problemas

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Universidade do Sagrado Coração

Universidade do Sagrado Coração Universidade do Sagrado Coração Questões Administração da Produção II 1. DEFINA QUALIDADE Qualidade é a conformidade com os padrões estabelecidos pela organização para um determinado produto, mas também

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.5 Kanban 4.5 Kanban Já foi citado o caso de como o supermercado funcionou como benchmarking para muitas ideias japonesas. Outra dessas ideais inverteu o fluxo da produção: de empurrada passou a ser puxada.

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUES E O PLANEJAMENTO DE PRODUÇÃO

O CONTROLE DE ESTOQUES E O PLANEJAMENTO DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado Os Sistemas Kanban

Estruturando o Fluxo Puxado Os Sistemas Kanban 1 DIMENSIONAMENTO DE KANBANS - O Caso do Quiosque - CASO DO QUIOSQUE: SOLUÇÃO USANDO QUANTIDADE FIXA DE ENCOMENDA RESUMO DA SOLUÇÃO PARÂMETROS DE OPERAÇÃO: PONTO DE PEDIDO (PP) : 80 80 unidades QUANTIDADE

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações KANBAN Kanban A Simplicidade no Controle das Operações Desmistificando JIT e Kanban; O Problema dos altos estoques; O Sistema MRP Os desperdícios 1 2 Just in Time Desperdícios A Filosofia Just in Time

Leia mais

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time)

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time) Sistemas de Empurrar Os componentes são fabricados em resposta a um programa, independentemente do próximo estágio poder absorver ou de fato necessitar peças naquele momento ada estágio envia os componentes

Leia mais

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm

BORDO DE LINHA. Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm BORDO DE LINHA Equipe: André Evaristo Felipe Hilário Jaqueline Ostetto Renan Pazin Teresa Tromm Os sete principais desperdícios (mudas): Desperdícios e valor: Apenas uma pequena quantidade do tempo é despendida

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

Características das etiquetas Kanban

Características das etiquetas Kanban Etiqueta Kanban A etiqueta kanban é um tipo de kanban de produção usado quando a quantidade de produção é tão grande e a velocidade tão rápida que somente a etiqueta é utilizada para controle. Características

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Planejamento da produção

Planejamento da produção Planejamento da produção Capítulo 3, parte B Sumário Capacidade de produção Elaboração do plano de produção Just-in-time Capacidade de produção O que é capacidade de produção? Capacidade de produção O

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Nelson Eiji Takeuchi Uma cadeia logística convencional é composta por logística inbound, logística outbound, warehouse e movimentação interna. Fala-se que

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS. Eng. Liane Freitas, MsC.

GESTÃO DE MATERIAIS. Eng. Liane Freitas, MsC. GESTÃO DE MATERIAIS Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 A natureza e a função dos estoques 2 Métodos de gestão dos estoques Método LEC Método ABC Método de revisão contínua e periódica

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

O novo sistema de movimentação de materiais da Toyota mostra a flexibilidade do TPS

O novo sistema de movimentação de materiais da Toyota mostra a flexibilidade do TPS O novo sistema de movimentação de materiais da Toyota mostra a flexibilidade do TPS Tradução: Diogo Kosaka A Toyota introduziu um novo sistema de manuseio de material baseado em kits para reduzir a complexidade

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

Cobertura de Estoques-Antigiro (Prazo médio de Rotação)

Cobertura de Estoques-Antigiro (Prazo médio de Rotação) Aula 3 Adm. de Materiais-TRE- ALEX DINIZ INDICADORES Giro de estoques Rotação de Estoques GIRO é a média de entrada e saída de um item em estoque, A unidade que este vem expresso é o inverso da unidade

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Administração Materiais X Distribuição Física

Administração Materiais X Distribuição Física ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2010 2 Administração Materiais X Distribuição Física A é o inverso da Distribuição Física Trata do fluxo de produtos para a empresa ao invés

Leia mais

Mapeamento do Fluxo de Valor

Mapeamento do Fluxo de Valor Mapeamento do Fluxo de Valor O que é Fluxo de Valor É um conjunto de ações as que agregam valor, bem como as que não agregam valor necessárias para viabilizar o produto: da concepção ao lançamento do produto

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Armazenagem e movimentação de materiais

Armazenagem e movimentação de materiais V I R T U A L Armazenagem e movimentação de materiais Lote econômico e estoque de segurança GESTÃO DE LOGÍSTICA Professor: Wilson Luigi Silva Mestre em Administração Apresentação da unidade Uma vez determinada

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN

Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Gestão da Produção - Optimizar a produção através do LEAN Introdução Lean é uma filosofia de produção nascida após a segunda guerra mundial no sector automóvel com intuito de optimizar o sistema de produção.

Leia mais

Noções de Administração de Materiais

Noções de Administração de Materiais Noções de Administração de Materiais ANTES DA DÉCADA DE 70 POUCA IMPORTÂNCIA MATERIAL EM ABUNDÂNCIA COM POUCAS OPÇÕES CUSTOS BAIXOS DE MANTER OS ESTOQUES INVESTIMENTOS PARA AQUISIÇÃO DOS ESTOQUES CONSUMO

Leia mais

A filosofia do MRP

A filosofia do MRP http://www.administradores.com.br/artigos/ A FILOSOFIA DO MRP DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração (FAE), Especialista em Gestão de Negócios (ULBRA) e pós graduando

Leia mais

Medida de desempenho é uma maneira de medir (mensurar) o desempenho em determinada área e de agir sobre os desvios em relação aos objetivos traçados.

Medida de desempenho é uma maneira de medir (mensurar) o desempenho em determinada área e de agir sobre os desvios em relação aos objetivos traçados. Medidas de Desempenho: Medida de desempenho é uma maneira de medir (mensurar) o desempenho em determinada área e de agir sobre os desvios em relação aos objetivos traçados. Medidas de Desempenho: A mensuração

Leia mais

Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais

Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Curso Superior de Tecnologia em Logística Disciplina: Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Professor: Roberto Cézar Datrino Carga horária semanal: 4 h/a

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS GESTÃO DE ESTOQUE Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Higino José Pereira Neto Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três

Leia mais

Gestão de Materiais e Patrimônio

Gestão de Materiais e Patrimônio Gestão de Materiais e Patrimônio Prof. Dr Jovane Medina jovanemedina@gmail.com Roteiro de Aula Gestão de Materiais Previsão e Controle Armazenagem Patrimônio Definição; Importância; Indagações da realidade.

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 6 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA NÍVEL DE SERVIÇO CUSTO TOTAL

LOGÍSTICA INTEGRADA NÍVEL DE SERVIÇO CUSTO TOTAL LOGÍSTICA INTEGRADA NÍVEL DE SERVIÇO CUSTO TOTAL João Roberto Rodrigues Bio 1o. Prof. Semestre João Roberto de 2006 R. Bio LOGÍSTICA INTEGRADA Logística Integrada Planejamento, implantação e operação da...

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Mensuração Auditoria Indicadores de desempenho Relatórios Padrões/ Objetivos Metas de desempenho Correção Ajuste fino Grande

Leia mais

Evolução da Disciplina. Programação e Controle. Conteúdo da Aula. Contextualização. Sinergia. Prof. Me. John Jackson Buettgen Aula 6.

Evolução da Disciplina. Programação e Controle. Conteúdo da Aula. Contextualização. Sinergia. Prof. Me. John Jackson Buettgen Aula 6. Programação e Controle da Produção Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 Conceitos gerais de planejamento Aula 2 Planejamento de produção Aula 3 Planejamento de recursos Prof. Me. John Jackson Buettgen

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais