LUÍS FELIPE MASINI SAMPAIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LUÍS FELIPE MASINI SAMPAIO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU DE ESPECIALIZAÇÃO EM TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS LUÍS FELIPE MASINI SAMPAIO ANÁLISE DO CICLO DE GERENCIAMENTO DOS PROJETOS DE AMPLIAÇÃO DE PÁTIOS E DUPLICAÇÃO DE LINHAS NA MRS LOGÍSTICA S/A. Rio de Janeiro

2 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA LUÍS FELIPE MASINI SAMPAIO ANÁLISE DO CICLO DO GERENCIAMENTO DOS PROJETOS DE AMPLIÇÃO DE PÁTIOS E DUPLICAÇÃO DE LINHAS NA MRS LOGÍSTICA S/A. Monografia apresentada à Pós-Graduação Latu Sensu de Especialização de Transporte Ferroviário de Cargas do Instituto Militar de Engenharia, como requisito parcial para a conclusão do curso. Orientador: Prof. Álvaro Vieira. Tutor: Petrônio Foscarini Filho. Rio de Janeiro

3 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA LUÍS FELIPE MASINI SAMPAIO ANÁLISE DO CICLO DO GERENCIAMENTO DOS PROJETOS DE AMPLIÇÃO DE PÁTIOS E DUPLICAÇÃO DE LINHA NA MRS LOGÍSTICA S/A. Monografia apresentada à Pós-Graduação Latu Sensu de Especialização de Transporte Ferroviário de Cargas do Instituto Militar de Engenharia, como requisito parcial para a conclusão do curso. Orientador: Prof. Álvaro Vieira. Tutor: Petrônio Foscarini Filho. Aprovada em 14 de outubro de 2008 pela seguinte Banca Examinadora: Prof.Cel. Luiz Antônio Silveira Lopes, do IME - Presidente Prof. Álvaro Vieira, do IME Prof. Manoel Ferreira Mendes, do CEPEFER Rio de Janeiro

4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus pais, Ruy e Josete, que durante toda minha vida se dedicaram à possibilitar a construção da minha maior herança, o aprender. À Brenna, minha futura esposa, que sempre esteve ao meu lado vencendo os desafios, me apoiando nos momentos difíceis e comemorando as conquistas, dedico a você te amo. 4

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a todas as pessoas que me incentivaram e apoiaram nesta conquista. Agradeço aos meus amigos de curso, a ajuda, os incentivos dados e o excelente ambiente criado ao longo desta caminhada. Agradeço a todos os mestres, que ministraram disciplinas no curso, pelo conhecimento transmitido. Agradeço ao Manoel Mendes, toda sua dedicação a qualidade do curso e os exaustivos conselhos ao longo desta jornada. Agradeço à MRS Logística mais esta oportunidade de desenvolvimento profissional e ao IME toda a infra-estrutura fornecida durante o período do curso. Agradeço aos amigos Luís Renato e Claudio Goretti, a compreensão da minha ausência no exercício das minhas atividades profissionais durante o desenvolvimento do curso. Agradeço ao meu Tutor Petrônio Foscarini pela atenção e preocupação com a qualidade do trabalho. Agradeço ao meu Professor Orientador Álvaro Vieira por sua disponibilidade, presteza e os comentários pertinentes. Agradeço ao meu pai seu esforço para melhoria do trabalho. Agradeço à Brenna Marcato Guerra Sampaio, por toda sua compreensão e carinho, ao entender o tamanho desta oportunidade. 5

6 SUMÁRIO DEDICATÓRIA...4 AGRADECIMENTOS...5 SUMÁRIO...6 LISTA DE FIGURAS...7 LISTA DE TABELAS...8 LISTA DE GRÁFICOS...9 LISTA DE SIGLAS...10 RESUMO...11 ABSTRACT INTRODUÇÃO Histórico MRS Logística O Problema em Estudo Objetivo Justificativa Estrutura do Trabalho REFERENCIAL TEÓRICO Histórico do Gerenciamento de Projetos Plano de Negócios Projetos Programa Escritório de Projetos (PMO) Partes Interessadas no Projeto ou Stakeholders Estrutura Organizacional Ciclo de Vida do Projeto Gerenciamento de Projetos Estrutura Analítica do Projeto EAP

7 2.11 Diagrama de Precedência Metodologia MRS de Gerenciamento de Projetos MMGP Fluxo de Caixa de Projetos Estimativas de Custos x Orçamentos Reservas de Orçamento ANÁLISE DO CICLO DE GERENCIAMENTO DOS PROJETOS DE AMPLIAÇÃO DE PÁTIOS E DUPLICAÇÃO DE LINHA NA MRS Introdução Programa MRS Estrutura Analítica do Projeto Diagrama de Precedências Estrutura Organizacional do Projeto Descrição dos Principais Pacotes de Trabalho Análise da Aderência Física dos Projetos Análise da Aderência Financeira dos Projetos CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1.1 Evolução do Volume Transportado da MRS...15 Figura 1.2 Evolução dos Investimentos da MRS...15 Figura 3.1 Estrutura Analítica do Projeto...39 Figura 3.2 Diagrama de Precedência

9 LISTA DE TABELAS Tabela 3.1 Lista de Pacotes de Trabalho, Atividades e suas Relações de Precedências...38 Tabela 3.2 Aderência Financeira dos Investimentos Realizados pelo Programa MRS Tabela 3.3 Cálculo da Perda de Possibilidade do Retorno Financeiro...54 Tabela 3.4 Risco de Perda de Capital devido à Antecipação dos Projetos Executivos

10 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 3.1 Distribuição das Atividades do Projeto nas Gerências da MRS

11 LISTA DE SIGLAS PMI PMBOK PMO EAP MMGP TMA VPL TIR MAST LI ASV OAE Project Management Intitute Project Management Body of Knowlege Proect Management Oficce Estrutura Analítica do Projeto Metodologia MRS de Gerenciamento de Projeto Taxa Mínima de Atratividade Valor Presente Líquido Taxa Interna de Retorno Meio Ambiente Segurança do Trabalho Licença de Instalação Autorização de Supressão de Vegetação Obra de Arte Especial 11

12 RESUMO A MRS Logística, preocupada com a capacidade operacional da sua malha, devido ao expressivo aumento do número de trens circulando em suas linhas, iniciou em 2004 um Programa de Obras de infra-estrutura e superestrutura ferroviária que tem como objetivo resolver os diversos gargalos operacionais, contribuindo assim para seu crescimento ano a ano. A equipe de projetos tem o desafio de propor e implementar soluções para as diversas questões relacionadas à necessidade de ampliação da capacidade de vazão de suas linhas. No presente trabalho, é apresentada uma análise do ciclo de gerenciamento dos projetos de ampliações de pátios e duplicações de linhas na MRS Logística. Nesta análise, verifica-se o cumprimento do cronograma físico dos projetos que compõem o programa de obras, contudo com uma baixa aderência financeira. E como proposta para aumento da aderência financeira, é sugerido antecipar em um ano a execução dos projetos executivos das obras. 12

13 ABSTRACT MRS Logística, concerned about the operational capacity of its railway grid due to the considerable increase in the number of trains moving on its rails, started, in 2004, a Railworks Program for railway infrastructure and superstructure whose aim is to solve the many operational constraints and, thus, contribute to its growth year after year. The project team has the challenge of proposing and implementing solutions to the several operational problems. The current paper has the objective of doing an analysis of the management cycle of the projects of enlargement of sidings and duplication of rail lines at MRS Logística. In this analysis, the fulfillment of the table of contents that compose the program of workmanship projects is verified, however with a low financial tack. As a proposal for increase of this financial tack, it is suggested to anticipate in one year the execution of the executive projects of the workmanship. 13

14 1. INTRODUÇÃO 1.1. Histórico MRS Logística No dia 20 de setembro de 1996 foi realizado na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro o leilão de privatização das então Malha Sudeste da Rede Ferroviária Federal S.A., que compreendia as linhas das Superintendências Regionais SR3 (Juiz de Fora) e SR4 (São Paulo), no qual o Consórcio MRS Logística tornou-se arrendatário de seus ativos e concessionária do transporte ferroviário de carga por 30 anos, renováveis por mais 30 anos. Os trechos que foram concedidos para a exploração do transporte ferroviário de cargas são aqueles que pertenceram às antigas ferrovias Estrada de Ferro Central do Brasil, nas linhas que ligam Rio de Janeiro a São Paulo e a Belo Horizonte, bem como aqueles que pertenceram à Estrada de Ferro Santos-Jundiaí excluídas, em ambos os casos, as linhas metropolitanas de transporte de passageiros no Rio de Janeiro e em São Paulo. Suas linhas abrangem a mais desenvolvida região do país, e atravessam os seus maiores centros consumidores e produtores. Sua malha é também o acesso ferroviário aos principais portos brasileiros: Rio de Janeiro, Itaguaí e Santos. Atende também o terminal marítimo privativo de embarque de minério de ferro, instalado na Ilha de Guaíba na Baía de Sepetiba. O mercado para o transporte ferroviário de cargas é extremamente favorável na área de influencia da MRS, sendo os três estados atendidos por sua malha concentradores de 65% do produto interno bruto do Brasil. Nestes estados, estão instaladas as principais siderúrgicas, cimenteiras e mineradoras do nosso país e abrange também uma área de grande produção agrícola. Este mercado está fortemente ligado a atividade portuária, sendo que grande parte dos transportes se dão entre porto e produção, seja no sentido exportação (minério, aço, graneis agrícolas e contêineres) ou importação (carvão, coque, trigo, enxofre e contêineres). No mercado interno são feitos transportes de matérias-primas (contêineres, minério, fundentes para siderúrgicas e escória para cimenteiras) e também escoamento de produtos acabados, tais como aço e cimento. Interligando-se a outras ferrovias tais como Ferrovia Centro-Atlântica, a Estrada de Ferro Vitória a Minas-EFVM e a ALL, a MRS permite uma opção de transporte intramodal para outras regiões do país. 14

15 1.2. O Problema em Estudo A MRS Logística S.A., em 11 anos de atividades, traçou uma trajetória de expressivo crescimento nos volumes transportados, consolidando um cenário empresarial de grande incremento de produção. Sua trajetória de investimentos pode ser divida em duas fases principais. Durante os sete primeiros anos de operação, a MRS viveu momentos de grandes desafios. Com pouco dinheiro em caixa, seus investimentos estavam voltados para modernização nos conceitos e modelos de gestão, qualificação e desenvolvimento dos colaboradores, recuperação dos ativos rodantes e melhoria nas instalações da malha existente. Nesse período, estes investimentos, somados aos ganhos com as melhorias nos processos de carga e descarga e em conjunto com a capacidade instalada de sua malha, permitiram que a MRS apresentasse grandes resultados. Contudo, em 2002, a MRS definiu seu plano de negócios para o qüinqüênio e percebeu que era hora de se preparar para uma nova fase. Durante os estudos, foram avaliados os vários cenários apresentados pelos seus principais clientes que demonstraram perspectivas de um grande aumento da demanda. Assim, a MRS, preocupada em atender à demanda, organizou um grupo de especialistas para dimensionar a nova frota de material rodante necessária, simular a futura operação da malha, apresentar diversas soluções de engenharia para os possíveis gargalos operacionais identificados nos estudos, e implementar as soluções de forma sincronizada com o a perspectiva de aumento efetivo da produção de transporte ano a ano. Este grupo foi dividido por especialidades. O Departamento de Planejamento consolidou o plano de negócios da companhia e forneceu suporte na gestão dos projetos através de ferramentas, metodologias e treinamentos nesta área. A Engenharia de Vagões dimensionou o incremento necessário da frota. O Departamento de Operação Ferroviária definiu o modelo operacional e simulou os diversos cenários demonstrando os diversos gargalos operacionais da malha. O Programa MRS2008 foi criado com o escopo de propor as soluções para restrições operacionais e gerenciar a implementação das obras de infra-estrutura e superestrutura ferroviária de ampliações e instalação de novos pátios de cruzamentos e duplicações de linhas entre pátios, necessários à eliminação dos gargalos operacionais. Em 2007 a MRS novamente definiu seu plano de negócios, agora com a visão 2008 a Os novos números apontam um aumento de produção ainda mais agressivo para os 15

16 próximos 5 anos. Novamente, preocupada com sua capacidade operacional, a MRS prolongou o programa de expansão de capacidade, aumentando sua visão para as obras até O gráfico da Figura 1.1 mostra a evolução dos investimentos realizados ano a ano, e a projeção para os próximos quatro anos. Já o gráfico da Figura 1.2 mostra a evolução do resultado operacional ano a ano e a projeção de aumento para os próximos anos. Analisandose os gráficos, pode-se perceber o crescente aumento da produção realizada e projetada ano a ano, bem como os volumes de investimentos anuais previstos e realizados. Os valores realizados estão em azul e os projetados estão em amarelo. Transportes em Milhões de Toneladas Figura Evolução do volume transportado. Evolução do Investimento em M ilhões de Reais Figura Evolução dos Investimentos 16

17 1.3. Objetivo O objetivo do trabalho é realizar uma análise do ciclo de gerenciamento dos projetos de ampliação de pátios e duplicação de linha na MRS. O estudo almeja identificar os primeiros níveis da estrutura analítica desses projetos, descrever os principais pacotes de trabalho, ordená-los conforme suas relações de precedências, de forma a se obter o diagrama de rede e fazer uma análise da aderência física e financeira do programa Justificativa Nos dois últimos anos, ocorreu um enorme aquecimento do mercado de minério de ferro, prevendo-se um grande incremento da sua produção e, conseqüentemente, um aumento expressivo da demanda de transporte ferroviário para os próximos quatro anos. Com este cenário, torna-se de grande relevância a habilidade da MRS em combater previamente os possíveis gargalos operacionais que surgirão com o aumento do número de trens circulando em sua malha, permitindo assim continuidade do seu crescimento Estrutura do Trabalho O presente trabalho foi dividido conforme descrito abaixo: Capítulo 1 Introdução: apresentar o histórico da MRS, o problema em estudo, os objetivos, a justificativa e a estrutura do trabalho. Capítulo 2 Referencial Teórico: apresentar os principais conceitos, técnicas e ferramentas de gerenciamento de projetos necessários a perfeita compreensão da análise proposta. Capítulo 3 Análise do ciclo de gerenciamento dos projetos de ampliação de pátios e duplicação de linha na MRS: apresentar a estrutura analítica do projeto, a descrição dos principais pacotes de trabalho, às relações de precedências entre as atividades, o diagrama de rede do projeto e a análise da aderência física e financeira do programa. Capítulo 4 Conclusão e recomendações: Apresentar a conclusão e as recomendações. 17

18 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1. Histórico do Gerenciamento de Projetos O gerenciamento de projetos é a utilização de diversos conhecimentos, habilidades e técnicas na execução de atividades para atingir um grupo de objetivos acordados. O gerenciamento de projetos percorre a iniciação, planejamento, execução, monitoramento/ controle e encerramento de um trabalho único, temporário e com início e fim bem definidos. Os projetos são realizados pelas empresas em todo mundo por que criam novos produtos e serviços, introduzem mudanças e implementam inovações e agregam valor as companhias. No final do século XIX aconteceu um crescimento significativo na complexidade dos novos negócios em todo mundo. A Revolução Industrial modificou a estrutura econômica do mundo ocidental e teve como uma das suas principais conseqüências, o desenvolvimento do capitalismo industrial. Profundas modificações aconteceram nas relações de produção, gerando uma onda de transformações que exigiram das empresas uma nova competência. Surge, neste momento, a necessidade de sistematizar e organizar a forma de garantir estas transformações que são introduzidas através de novos projetos. Nos Estados Unidos da América, a primeira grande organização a utilizar os conceitos de gerenciamento de projetos foi a Central Pacific Railroad 3, que iniciou suas atividades por volta de 1870, com a implementação do projeto de construção da estrada de Ferro Transcontiental. Durante a execução do projeto os Gerentes depararam com a complexa tarefa de iniciar, planejar, executar, monitorar/ controlar e encerrar as inúmeras atividades desenvolvidas por milhares de trabalhadores. Na primeira metade do século XX, Frederick Taylor iniciou estudos detalhados sobre o seqüenciamento do trabalho. Antes de Taylor a única maneira de melhorar a produtividade era exigir dos trabalhadores mais horas de dedicação ao trabalho. Taylor ocupa um importante lugar na história do gerenciamento de projetos, mas foi Henry Grantt, seu sócio, que estudou minuciosamente o seqüenciamento das operações no trabalho. Grantt elaborou o diagrama com barras de tarefas e marcos que mostram a seqüência e a duração das atividades em um projeto. Este modelo de diagrama ao longo de tempo provou ser uma ferramenta analítica importante para o gerenciamento de projetos e se manteve inalterada por quase cem anos. A primeira mudança no diagrama de Grantt aconteceu na década de 90, quando foram incluídas as linhas de ligação entre as barras das tarefas que mostram suas as relações de dependências. 18

19 Estes estudos sobre o gerenciamento de projetos foram aplicados na construção militar durante a II Guerra Mundial, contudo apenas no auge dos projetos espaciais da NASA, um grupo de cinco profissionais de gestão de projetos se reuniu para discutir as melhores práticas de gerenciamento de projetos, fundando então o Project Mangement Institute PMI. O PMI, atualmente, é a maior instituição internacional dedicada ao estudo, disseminação do conhecimento e aprimoramento das atividades de gestão profissional dos projetos Plano de Negócios Plano de negócio é um documento pelo qual as empresas formalizam os seus estudos a respeito de suas idéias sobre seus negócios. No plano de negócios estarão registrados os conceitos do negócio, os riscos, os concorrentes, o perfil dos clientes, as possíveis áreas de expansão, as estratégias de marketing, bem como todo o plano financeiro que viabilizará as estratégias para o negócio. No plano de negócio está documentada a missão, os cenários, objetivos e as metas da empresa. O plano de negócio não tem um caráter estático, mas sim, dinâmico. Na medida em que haja mudança do cenário do mercado, da economia, da tecnologia ou das ações dos competidores, deve ser feita a revisão do plano de negócio. Isso em geral requer uma revisão periódica do plano que depende do tipo de negócio e da situação do mercado, podendo, assim ser, maior ou menor o período desta revisão. Fazendo uma revisão periódica do plano de negócio a empresa estará acompanhando a evolução do mercado que pertence, de seus competidores e da sua situação econômica e tecnológica Projetos Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Temporário por que os projetos possuem um início um final definidos. Temporário não significa necessariamente de curta duração pois muitos projetos duram vários anos. Em todos os casos, no entanto, a duração de um projeto é finita. Projetos não são esforços contínuos. Contudo, geralmente, a maioria dos projetos é realizada para criar um resultado duradouro. (PMBOK, 2004) Um projeto cria entregas exclusivas que são produtos, serviços ou resultados. A singularidade é uma característica importante das entregas do projeto. Por exemplo, muitos 19

20 milhares de prédios de escritórios foram construídos, mas cada prédio em particular é único por que tem proprietário diferente, projeto executivo diferente, local diferente, construtora diferente, etc. A presença de elementos repetitivos não muda a singularidade fundamental do trabalho do projeto. (PMBOK, 2004) Um projeto tem objetivos fundamentalmente diferentes dos trabalhos operacionais. A finalidade de um projeto é atingir seu objetivo e, em seguida, terminar. Por outro lado, o objetivo de uma operação contínua é manter o negócio. Os projetos são diferentes porque terminam quando seus objetivos foram atingidos ou quando não existe mais a possibilidade de atingi-los, enquanto as operações adotam um novo conjunto de objetivos e o trabalho continua. (PMBOK, 2004) Os projetos são um meio de organizar atividades que não podem ser abordadas dentro dos limites operacionais normais da organização. Os projetos são, portanto, freqüentemente utilizados como um meio de atingir o plano estratégico de uma organização. (PMBOK, 2004) A MRS por entender a importância e a complexibilidade do gerenciamento dos projetos de expansão da sua malha ferroviária, criou em 2004 um departamento exclusivo para implementação dos projetos Programa Programa é um grupo de projetos relacionados que são administrados usando-se as mesmas técnicas, de modo coordenado. Quando gerenciados coletivamente, como programas, os projetos capitalizam benefícios e controle que não seriam aproveitados caso de optassem pela administração individual. (HELDMAN, 2004) Ao contrário do gerenciamento de projetos, o gerenciamento de programas é o gerenciamento centralizado e coordenado de um grupo de projetos para atingir os objetivos e benefícios estratégicos do programa Escritório de Projetos (PMO) Um escritório de projeto (PMO) é uma unidade organizacional que centraliza e coordena o gerenciamento de projetos sob seu domínio. Um PMO supervisiona o gerenciamento de projetos e programas ou uma combinação dos dois. O PMO atua no monitoramento de 20

21 projetos e subprojetos vinculados aos objetivos estratégicos da companhia para a garantia da realização do seu plano de negócios. Os PMOs podem operar de modo contínuo, desde o fornecimento de funções de apoio ao gerenciamento de projetos na forma de treinamento, sofware, políticas, padronizações e procedimentos, até o gerenciamento direto real tendo a responsabilidade pela realização dos objetivos do projeto Partes Interessadas no Projeto ou Stakeholders Partes interessadas no projeto são pessoas e organizações ativamente envolvidas no projeto ou cujos interesses podem ser afetados como resultado da execução ou do término do projeto. As partes interessadas podem ter uma influência positiva ou negativa em um projeto. Partes interessadas positivas são as que normalmente se beneficiariam de um resultado bemsucedido do projeto, enquanto partes interessadas negativas são as que enxergam resultados negativos a partir do sucesso do projeto Estrutura Organizacional Assim como os projetos são únicos, as organizações em que os executam também o são, por que possuem estilo e cultura própria que influenciam no modo como o trabalho do projeto é conduzido. O segredo para determinar o tipo de organização é avaliar quanta autoridade a alta diretoria pretender delegar aos gerentes de projeto. Embora a singularidade seja a regra nas culturas empresariais, todas as organizações são estruturadas segundo uma destas três modalidades: funcionais, por projetos ou matricial. Existem variações e combinações das três modalidades, tal como uma estrutura por projetos dentro de uma organização funcional, ou organizações matriciais fracas, equilibradas ou sólidas. (HELDMAN, 2004) Estrutura Funcional O tipo mais comum de organização é a funcional. Nestas organizações suas atividades giram em torno de especialidades e são agrupadas por função. Nelas existirá um departamento para cada especialidade como: departamento financeiro, departamento recursos humanos, departamento jurídico, departamento de engenharia, e assim por diante. O trabalho executado 21

22 nesses departamentos é especializado e requer que os funcionários tenha aptidões específicas e experiência nas funções para cumprir com as suas responsabilidades. Este tipo de organização é configurada de maneira hierárquica. Os funcionários são subordinados aos gerentes, que respondem aos chefes de departamentos, que se reportam aos vice-presidentes, que são subordinados aos presidentes. Em outras palavras, cada funcionário responde a um único gerente e, em ultima instância, existe um único responsável no topo. (Kim Heldman) Numa organização funcional os profissionais alocados nos diversos departamentos possuem elementos comuns. Teoricamente é mais fácil gerenciar um grupo de pessoas com habilidades e experiências semelhantes, o que torna o trabalho mais eficiente. Contudo neste tipo de estrutura o gerente de projeto enfrenta dificuldades pelo fato de ter pouca ou nenhuma autoridade sobre os recursos funcionais. (HELDMAN, 2004) Estrutura por Projetos As organizações estruturadas por projetos são praticamente o oposto das organizações funcionais. Os recursos organizacionais e suas metas são direcionados aos projetos. Quase sempre, os gerentes de projetos têm total autoridade sobre o projeto e são subordinados diretamente ao presidente. As funções de apoio, como recursos humanos e contabilidade, também podem responder diretamente aos gerentes de projeto. Estes são responsáveis pelas decisões na aquisição e alocação de recursos, tendo autoridade para escolher recursos de outras áreas da companhia. Entretanto, os gerentes de projetos são limitados pelas três restrições básicas (Escopo, Cronograma, Orçamento), e assim, por exemplo, se não houver orçamento para contratar recursos adicionais, o gerente de projeto deverá apresentar alternativas para solucionar o problema. (HELDMAN, 2004) Os membros da equipe do projeto são subordinados ao gerente de projetos, e não a um gerente funcional ou departamental como nas organizações estruturadas funcionalmente. Uma desvantagem óbvia de uma organização estruturada por projetos é que a equipe do projeto pode ficar sem trabalho quando o projeto terminar. (HELDMAN, 2004) Estrutura Matricial As organizações matriciais surgiram para minimizar as diferenças entre os pontos fortes e fracos das organizações funcionais e das estruturadas por projetos e para melhor 22

23 explorá-los. A idéia é obter o melhor dos dois mundos, combinando-os em um só. Os objetivos de projetos são atendidos, técnicas eficientes de gerenciamento de projetos são aplicadas, ao mesmo tempo em que também se mantém a estrutura hierárquica da organização. (HELDMAN, 2004) Os funcionários de uma organização matricial se reportam ao gerente funcional e a, no mínimo, um gerente de projeto podendo ser subordinados a vários gerentes de projetos, caso trabalhem em vários projetos simultâneos. O gerente funcional responde por incumbências administrativas e aloca funcionários para os projetos, além de monitorar o trabalho de seus funcionários nos diversos projetos. O gerente do projeto, por sua vez, é responsável pela execução do projeto e distribuição das tarefas de acordo com as atividades previstas. Ambos dividem a responsabilidade pelas avaliações de desempenho dos funcionários. (HELDMAN, 2004) As organizações matriciais permitem que os gerentes de projetos se concentrem no projeto e em sua execução, exatamente como em uma organização estruturada por projetos. A equipe fica livre para se dedicar aos objetivos do projeto, sem as distrações do departamento funcional. (HELDMAN, 2004) Cabe ao gerente funcional alocar ou liberar recursos para o projeto. Se o gerente estiver contando com determinado funcionário para trabalhar em determinado horário, deverá tratar com antecedência da disponibilidade desse funcionário com o gerente funcional. (HELDMAN, 2004) 2.8. Ciclo de Vida do Projeto Os projetos e o gerenciamento de projetos são executados em um ambiente mais amplo que o do projeto propriamente dito. A equipe de gerenciamento de projetos precisa entender esse contexto para que possa dividir as fases do ciclo de vida, escolher os processos, as ferramentas e técnicas adequadas ao projeto. A organização ou os gerentes de projetos devem dividir os projetos em fases para oferecer melhor controle gerencial. Em conjunto, dessas fases são conhecidas como ciclo de vida do projeto. Muitas organizações identificam um conjunto específico de processos, ferramentas e técnicas para seu ciclo de vida que deverá ser usado em todos os seus projetos. O ciclo de vida do projeto define as fases que conectam o início de um projeto ao seu final. Por exemplo, quando uma organização identifica uma oportunidade que deseja 23

24 aproveitar, em geral irá autorizar um estudo de viabilidade para decidir se deve realizar o projeto. A definição de ciclo de vida do projeto pode ajudar o gerente de projeto a esclarecer se deve tratar o estudo de viabilidade como a primeira fase do projeto ou como um projeto autônimo separado. As fases do ciclo de vida de um projeto não são necessariamente iguais aos grupos de processos de gerenciamento de projetos como a iniciação, planejamento, a execução, o monitoramento e controle, e o encerramento. A transição de uma fase para a outra dentro do ciclo de vida de um projeto em geral envolve e normalmente é definida por alguma forma de transferência técnica ou entrega. As entregas de uma fase geralmente são revisadas, para garantir que estejam completas e exatas, e aprovadas antes que o trabalho seja iniciado na próxima fase. No entanto, não é incomum que uma seja iniciada uma nova fase antes da aprovação das entregas da fase anterior, isto pode ocorrer quando os riscos envolvidos são considerados aceitáveis. Essa prática de sobreposição de fases, normalmente feita sem seqüência, é um exemplo da aplicação da técnica de compressão do cronograma denominado paralelismo. Não existe uma única maneira para definir um melhor ciclo de vida para o projeto. Algumas organizações estabelecem políticas que padronizam todos os projetos com um único ciclo de vida, enquanto outras permitem que a equipe do projeto escolha o ciclo de vida mais adequado para seu próprio projeto. Além disso, as melhores práticas de um setor freqüentemente levarão ao uso de um ciclo de vida mais adequado para seus projetos. O ciclo de vida do projeto geralmente define que trabalho técnico deve ser realizado em cada fase, quem esta envolvido em cada fase e como controlar cada fase. As descrições do ciclo de vida do projeto podem ser muito genéricas ou muito detalhadas. Descrições altamente detalhadas dos ciclos de vida podem incluir formulários, gráficos e listas de verificação para oferecer estrutura e controle. A maioria dos ciclos de vida dos projetos compartilha diversas características comuns: - Os níveis de custos e de pessoal são baixos no início, atingem o valor máximo durante as fases intermediárias e caem rapidamente conforme o projeto é finalizado. - No início do projeto, o nível de incertezas é o mais alto e, portanto, o risco de não atingir os objetivos é o maior. A certeza de término geralmente se torna cada vez maior conforme o projeto continua. - A capacidade das partes interessadas de influenciarem as características finais do produto do projeto e o custo final do projeto é mais alta no início e torna-se cada vez menor 24

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 23/04/2013. 1 Semestre de 2013

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 23/04/2013. 1 Semestre de 2013 Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 23/04/2013 1 Semestre de 2013 Fonte: https://www.facebook.com/cons ELHOSDOHEMAN Defina os seguintes termos: a) Risco Definição do PMBoK, 4ª edição: Um evento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA Métodos para Análise de Fluxos de Caixa A análise econômico-financeira e a decisão

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares GESTÃO DE PROJETOS Prof. Anderson Valadares Projeto Empreendimento temporário Realizado por pessoas Restrições de recursos Cria produtos, ou serviços ou resultado exclusivo Planejado, executado e controlado

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS PO-10/2013 Unidade Responsável: PMO Ponto Focal OBJETIVO: Essas diretrizes visam ajudar a equipe e consultores do Funbio a responder às questões

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

MANUAL GESTÃO DE PROJETOS. COORDENADORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA TRT6 ESCRITÓRIO DE PROJETOS Junho/2015

MANUAL GESTÃO DE PROJETOS. COORDENADORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA TRT6 ESCRITÓRIO DE PROJETOS Junho/2015 MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS COORDENADORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA TRT6 ESCRITÓRIO DE PROJETOS Junho/2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É PROJETO?... 2 3 O QUE É GESTÃO DE PROJETOS?... 3 4 ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO...

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Projeto de regulamentação do Art. 192 da Constituição Federal Brasília (DF) Maio de 2009 i Conteúdo 1. Nivelamento de informações em Gerenciamento de Projetos...

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Airton Eustaquio Braga Junior aebjr@terra.com.br MBA Gestão de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pos-Graduação IPOG Goiania, GO, 02 de Setembro

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição Project Management Institute UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição NOTA As

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

TC 045 Gerenciamento de Projetos

TC 045 Gerenciamento de Projetos TC 045 Gerenciamento de Projetos Escopo Tempo Figura: D. Randa (2012) NAYARA SOARES KLEIN nayaraklein@gmail.com ANO: 2013 Escopo: s.m. Finalidade; alvo; intento; propósito. Dicionário Aurélio Escopo do

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS PARA CONSTRUÇÃO DE SUBMARINOS

MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS PARA CONSTRUÇÃO DE SUBMARINOS MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS PARA CONSTRUÇÃO DE SUBMARINOS Sumário Introdução Projeto e gerenciamento de projetos Contexto do gerenciamento de projetos Processos do gerenciamento de projetos Áreas de conhecimento

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

Geração de valor através do planejamento de longo prazo

Geração de valor através do planejamento de longo prazo Geração de valor através do planejamento de longo prazo Eduardo Simão e Silva¹*, Victor Hugo Ludwig¹, João Celso Teixeira¹, Jamir Cunha¹, Rafael Hipólito¹ 1 Gerência de Planejamento Estratégico e Gestão

Leia mais

3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal)

3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal) 3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal) Para que se possa propor a projetização da aquisição é necessário que se entenda o contexto do projeto, de sua organização, e de como integrar

Leia mais

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma sequência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido,

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

24/04/2011 GERÊNCIA DO ESCOPO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS NA PRÁTICA

24/04/2011 GERÊNCIA DO ESCOPO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS NA PRÁTICA GESTÃO DE PROJETOS NA PRÁTICA Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol 1 No contexto do projeto, o

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gerenciamento da Integração com metodologia PMBOK 30 h/a

Gerenciamento da Integração com metodologia PMBOK 30 h/a da Integração com 30 h/a Facundo Barbosa, MBA, PMP, ITIL, CSP 85 9444.9544 e 85 4005.5644 facunndo@mdb.com.br Slide 1 Metodologia Explanação Discussões em grupo Exercícios práticos Apresentação e estudo

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3.

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3. 02m Conteúdo Apresentação do PMBOK Brasília, 25 de Junho de 2015 Fase 01 1.PMBOK e PMI 2. Conceitos 3.Processos Fase 02 4. Áreas de Conhecimento 10m Gerenciamento de Projetos Projeto A manifestação da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1ª edição - 2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 O QUE É UM PROJETO?...04 O QUE É UM PROGRAMA?...07 ESTUDOS E PROJETOS...08 O QUE É O GERENCIAMENTO DE PROJETOS...09 QUEM É

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Aílson José Senra 1 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS A Administração é um conjunto de normas e funções elaboradas para disciplinar elementos de produção, que têm como objetivo alcançar um resultado eficaz

Leia mais

Curso de Gerência de Projetos Módulo I Introdução a Gerência de Projetos (PMBOK)

Curso de Gerência de Projetos Módulo I Introdução a Gerência de Projetos (PMBOK) Curso de Gerência de Projetos Módulo I Introdução a Gerência de Projetos (PMBOK) Roteiro Entrega do material; Apresentação da metodologia do curso: Aulas expositivas; Exercícios de fixação ao final de

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

Projetos: Terminologia e Aplicações

Projetos: Terminologia e Aplicações Capítulo 1 Projetos: Terminologia e Aplicações A profissionalização da área de Gerenciamento de Projetos é cada vez maior, não somente no Brasil, mas de modo universal. Tal fato é evidenciado observando-se

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto

Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto 5. Gerenciamento do escopo do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 5.1 Iniciação *** Reescrita e transferida para o capítulo 4 5.2 Planejamento do escopo

Leia mais

Front End Loading Estudo de caso: Transporte

Front End Loading Estudo de caso: Transporte 1 Front End Loading Estudo de caso: Transporte Rafael Luís de Oliveira ¹ Orientador: Ítalo Coutinho ² Resumo Este artigo apresenta a aplicação da ferramenta Front-End Loading (FEL) em projeto de logística.

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) PMI O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? O PMBoK Guide 3º Edition (2004) é uma denominação que representa todo o somatório de conhecimento dentro da área de gerenciamento de projetos, além de fornecer uma

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos 1.1 Introdução 31 1.2 O que é um projeto? 31 1.3 Ciclo de vida do projeto 33 1.4 O que é gerenciamento de projetos? 36 1.5 Relacionamento entre grupos

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

Vivian Borim www.vivianborim.com.br viborim@uol.com.br

Vivian Borim www.vivianborim.com.br viborim@uol.com.br MBA em Gestão de Projetos Fundamentos de Gerenciamento de Projetos Vivian Borim www.vivianborim.com.br viborim@uol.com.br 02.08.2013 Conceitos Fundamentais de Projeto 04.08.2013 O Gerente de Projeto Escritório

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos

MBA em Gerenciamento de Projetos MBA em Gerenciamento de Projetos Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 18 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas em outras turmas que

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

PROJETOS IV. Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009)

PROJETOS IV. Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009) PROJETOS IV Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009) Assinaturas de Aprovação Responsabilidade Organizacional Assinatura Data Gerente de Projeto 07/10/2009 Líder de

Leia mais

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Índice CAPÍTULO 1 INICIAÇÃO DE PROJETOS... 4 CAPÍTULO 2 PLANEJAMENTO DE PROJETOS... 5 CAPÍTULO 3 CONTROLE DE PROJETOS...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de TI. Alércio Bressano, MBA

Gerenciamento de Projetos de TI. Alércio Bressano, MBA Gerenciamento de Projetos de TI Alércio Bressano, MBA Os projetos possuem em seu código genético o fracasso! Eles nasceram para dar errado! Nós é que temos a responsabilidade de conduzí-los ao sucesso!

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

10 áreas de conhecimento e 5 processos

10 áreas de conhecimento e 5 processos 1 10 áreas de conhecimento e 5 processos Projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo Projetos são frequentemente utilizados como um meio de alcançar

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Tempo

Plano de Gerenciamento de Tempo Documento: Nome do Projeto: Gerente do Projeto: Sponsor: Equipe do Projeto: Plano de Gerenciamento de Tempo RESTAURANTE Renato Kaufmann João Cunha Angela Guglielmi Elizabet Sanae João Cunha Renata Santos

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS Marcelo Pereira da Conceição Resumo Respostas rápidas as mudanças pode ser uma ação de sobrevivência, este fato leva

Leia mais