Cancro da trompa de Falópio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cancro da trompa de Falópio"

Transcrição

1 26 Cancro da trompa de Falópio Fernando Mota 1. INTRODUÇÃO O carcinoma da trompa de Falópio é uma das neoplasias ginecológicas mais raras, representando menos de 1% de todos os cancros do aparelho genital feminino 1. A raridade do tumor exclui a possibilidade de realização de estudos clínicos randomizados mas, em contrapartida, impõe a necessidade de criação de uma base de dados oncológica centralizada fidedigna. A histologia e o comportamento biológico do carcinoma da trompa são similares ao do carcinoma do ovário, pelo que a avaliação e a terapêutica destes tumores é essencialmente a mesma. Os carcinomas da trompa de Falópio são habitualmente tumores secundários, resultado da disseminação tubar de cancros primitivos do ovário, endométrio, tracto gastrointestinal, mama ou peritoneu, por ordem decrescente de frequência. A etiopatogenia do carcinoma da trompa permanece obscura. Contudo, foi demonstrado que mulheres com mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 têm um risco considerável de desenvolverem carcinoma da trompa 2. As mulheres com carcinoma da trompa deveriam, pois, ser submetidas a testes genéticos para identificar mutações em BRCA1 e BRCA2 e deveriam ser informadas sobre o maior risco que os seus familiares têm de vir a desenvolver cancro da mama e do ovário. 2. HISTOPATOLOGIA A maioria dos cancros primitivos da trompa é de origem epitelial, predominantemente do tipo seroso papilar (Fig. 1). Figura 1. Carcinoma seroso intraepitelial da trompa de Falópio. Secção transversal da trompa mostrando focalmente transformação neoplásica do epitélio tubar, com atipia citológica marcada e estratificação, sem invasão do estroma. 443

2 A distinção entre carcinoma primitivo da trompa e carcinoma metastático do ovário é, por vezes, difícil. Como consequência, muitos tumores disseminados da trompa são diagnosticados como carcinomas do ovário ou do peritoneu. Existem, contudo, dois critérios que ajudam a esclarecer o diagnóstico diferencial: a massa tumoral dominante localiza-se na trompa e cresce a partir do seu lúmen e existe evidência histológica de transição entre carcinoma in situ e carcinoma invasivo no epitélio tubar. Macroscopicamente, a trompa tumoral está habitualmente dilatada simulando um salpinge. Cancros bilaterais da trompa são encontrados em 40 a 50% dos casos e representarão tumores síncronos, ao invés de disseminação metastática para a trompa contralateral. 3. DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO Os cancros da trompa são usualmente diagnosticados entre os 55 e os 65 anos, apresentando as doentes uma idade média de 61 anos 3. A sua incidência aumenta com o avançar da idade SINAIS E SINTOMAS A tríade clássica de sinais e sintomas associada a cancro da trompa inclui: corrimento vaginal aquoso (conhecido por hydrops tubae profluens), dor pélvica e massa anexial. Tipicamente, surge dor pélvica, do tipo cólica, aliviada pela expulsão intermitente de leucorreia amarelada e aquosa profusa. Contudo, esta tríade sintomática só é encontrada em menos de 15% das doentes 4. O corrimento vaginal ou as metrorragias são as queixas habituais, referidas por mais de 50% das pacientes com cancro da trompa. Mulheres peri ou pós-menopáusicas com corrimento vaginal atípico, mais ou menos aquoso e rebelde à terapêutica, deveriam ser estudadas para afastar a possibilidade de cancro oculto da trompa. Dor ou desconforto pélvico são também referidos por muitas pacientes. O carcinoma primitivo da trompa é, por vezes, um achado insuspeitado numa peça operatória de histerectomia total e anexectomia bilateral EXAME CLÍNICO, EXAMES AUXILIARES DE DIAGNÓSTICO E EXAMES PRÉ-TERAPÊUTICOS O exame ginecológico pode detectar uma massa pélvica em aproximadamente 60% das doentes. Recorde-se, contudo, que na avaliação pré-operatória de uma massa anexial é muito difícil distinguir entre origem tubar ou ovárica. A ascite é habitual na doença tumoral avançada. Uma citologia esfoliativa do colo do útero mostrando células atípicas do tipo glandular, na presença de histeroscopia e curetagem endocervical e endometrial negativas, sugere a possibilidade de cancro da trompa 5. A ecografia pélvica, coadjuvada pela TC abdomino-pélvica, é um precioso meio complementar de diagnóstico perante a suspeição de um tumor da trompa, bem como ambos constituem indispensáveis exames complementares pré-terapêuticos para avaliação da extensão tumoral, permitindo fazer um melhor planeamento do tratamento. O marcador tumoral CA 125 deve ser requisitado aquando da avaliação pré-terapêutica de um carcinoma anexial VIAS DE DISSEMINAÇÃO Os cancros da trompa disseminam-se de maneira semelhante aos carcinomas epiteliais do ovário, ou seja, principalmente por esfoliação de células tumorais que se implantam por toda a cavidade peritoneal. Estes implantes peritoneais podem ocorrer na presença de trompas aparentemente intactas. A extensão tumoral directa aos órgãos adjacentes é também possível. Em aproximadamente 80% das pacientes com doença avançada, as metástases estão circunscritas à 444 Capítulo 26

3 cavidade peritoneal aquando do diagnóstico 6. As trompas de Falópio possuem uma pujante rede linfática, o que condiciona uma frequente disseminação tumoral para os gânglios pélvicos e para-aórticos, mesmo nos estádios iniciais, e que é superior à encontrada para o cancro do ovário ESTADIAMENTO O estadiamento do carcinoma da trompa, de acordo com a FIGO (Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia) 3, baseia-se nos achados cirúrgicos obtidos durante a laparotomia e é idêntico ao definido para o carcinoma epitelial do ovário (Quadro 1). Aproximadamente 27% das doentes são diagnosticadas com doença no estádio I, 24% no estádio II, 41% no estádio III e, finalmente, 8% têm doença no estádio IV TRATAMENTO O tratamento do carcinoma da trompa de Falópio é idêntico ao recomendado para o carcinoma epitelial do ovário. É necessária a laparotomia exploradora para remover o tumor primitivo e as suas metástases, bem como para estadiar a doença. Como terapêutica complementar, dita adjuvante, utiliza-se habitualmente a associação citotóxica de paclitaxel e carboplatina. Quadro 1. Classificação cirúrgica do carcinoma da trompa de Falópio (FIGO, 1997) Estádio Características tumorais 0 Carcinoma in situ (limitado à mucosa tubar) I II III IV IA IB IC IIA IIB IIC IIIA IIIB IIIC Tumor limitado às trompas Tumor limitado a uma trompa; ausência de tumor na serosa tubar Tumor limitado a ambas as trompas; ausência de tumor na serosa tubar Tumor limitado a uma ou a ambas as trompas com: tumor na serosa tubar e/ou células neoplásicas na ascite ou no lavado peritoneal O tumor envolve uma ou ambas as trompas com extensão pélvica Extensão e/ou implantes no útero e/ou ovário Extensão a outras estruturas pélvicas Tumor no estádio IIA ou IIB com: tumor na serosa tubar e/ou células neoplásicas na ascite ou no lavado peritoneal O tumor interessa uma ou ambas as trompas com metástases peritoneais confirmadas fora da pélvis e/ou metástases ganglionares Metástases peritoneais microscópicas para além da pélvis Metástases peritoneais macroscópicas fora da pélvis 2 cm na sua maior dimensão Metástases peritoneais fora da pélvis> 2 cm na maior dimensão e/ou metástases nos gânglios regionais ou inguinais Metástases à distância (metástases peritoneais excluídas) Metástases na cápsula hepática correspondem ao estádio III e metástases no parênquima hepático representam estádio IV. Para poder ser considerado como estádio IV, o derrame pleural deverá ter uma citologia positiva. Cancro da trompa de Falópio 445

4 4.1. CIRURGIA A cirurgia é a terapêutica primária recomendada e deve ser realizada por médicos com treino em ginecologia oncológica. Na ausência de contra-indicação cirúrgica e/ou de critérios de irressecabilidade tumoral, a laparotomia exploradora constitui a abordagem inicial do cancro da trompa. É fundamental para o diagnóstico, estadiamento e tratamento. Os princípios e os métodos da terapêutica cirúrgica no cancro tubar são idênticos aos empregues para o carcinoma epitelial do ovário, ou seja: Incisão mediana, infra, para e supra-umbilical. Colheita de líquido presente no fundode-saco de Douglas para exame citológico ou citologia do lavado peritoneal (~ 300 ml de soro fisiológico). Toda a cavidade peritoneal é explorada (inspecção e palpação), diafragma, intestino em toda a sua extensão e órgãos abdominais incluídos DOENÇA APARENTEMENTE LIMITADA À PÉLVIS Massas tumorais aparentemente confinadas à(s) trompa(s) são removidas intactas e enviadas para estudo extemporâneo. Citologia das cúpulas diafragmáticas por raspagem ou, em alternativa, biopsia. Biopsias de todas as lesões suspeitas ou em zonas de aderências. Biopsias múltiplas, em zonas aparentemente sãs, a nível do fundo-de-saco de Douglas, peritoneu vesical, goteiras parieto-cólicas, mesentério do intestino delgado e mesocólon. Omentectomia infracólica. Apendicectomia obrigatória nos tumores mucinosos. Linfadenectomia pélvica e para-aórtica sistemática interessando os gânglios obturadores, ilíacos internos, externos e primitivos, e aórticos, idealmente até às artérias renais. Esta atitude tem impacto na sobrevivência 8. Histerectomia total e anexectomia bilateral. Descrição minuciosa dos achados operatórios e da doença residual (localização e tamanho) DOENÇA AVANÇADA Líquido ascítico aspirado. Inspecção e palpação de toda a cavidade peritoneal para avaliar a extensão tumoral. O máximo esforço cirúrgico é a regra. Tipicamente são realizadas histerectomia total e anexectomia bilateral, omentectomia total e remoção da doença metastática das superfícies peritoneais e intestino. As ressecções intestinais são justificadas se detectada lesão estenosante/oclusiva ou se a doença residual for ausente ou mínima no final da intervenção. Mesmo na presença de doença disseminada, onde uma cirurgia de redução óptima se considere inexequível é, habitualmente, possível e desejável remover o tumor primitivo e/ou o omental cake massa tumoral em que está transformado o omento. Na doença irressecável é colhida uma biopsia e encerrado o abdómen. É sugestivo que o máximo esforço cirúrgico seja recompensado com um aumento das taxas de sobrevivência QUIMIOTERAPIA Os agentes citotóxicos mais activos no carcinoma da trompa são os taxanos e os derivados da platina, como acontece para o carcinoma epitelial do ovário. Foram documentadas respostas completas, no carcinoma tubar, com a associação cisplatina e paclitaxel 9. Portanto, a quimioterapia adjuvante recomendada realizada com fins curativos 446 Capítulo 26

5 após a cirurgia compreende a associação de um derivado da platina (habitualmente a carboplatina) e o paclitaxel. Contudo, o benefício desta terapêutica adjuvante não foi demonstrado nos estádios iniciais do cancro da trompa, em ensaios clínicos prospectivos, dada a raridade da doença. No carcinoma da trompa recidivante ou na doença persistente, a quimioterapia é a terapêutica habitualmente recomendada. É sugestivo que as drogas activas para o cancro epitelial recidivante do ovário o sejam também para os carcinomas tubares. Nestas circunstâncias têm sido prescritos, tipicamente em monoterapia e, habitualmente, de modo sequencial: docetaxel, topotecam, doxorrubicina lipossómica, gemcitabina e etoposido oral 10, RADIOTERAPIA A radioterapia não está indicada no tratamento primário ou adjuvante do cancro da trompa. A sua toxicidade imediata e tardia é inaceitável. Pode ser usada, raramente, com fins paliativos em doença localizada e sintomática (ex. massa pélvica). 5. PROGNÓSTICO O estádio FIGO do tumor bem como a profundidade da invasão da parede tubar são importantes factores de prognóstico. É sugestivo que o grau de diferenciação da neoplasia e a permeação dos espaços linfovasculares tenham também significado prognóstico 12. As doentes com carcinoma epitelial da trompa têm uma sobrevivência global aos cinco anos que ronda os 56%. Este valor é superior ao documentado para o cancro epitelial do ovário, o que poderá ser explicado pelo diagnóstico mais precoce do carcinoma tubar. Enquanto aproximadamente 75% dos cancros do ovário são diagnosticados em estádios avançados pela ausência de sintomatologia específica, o corrimento vaginal aquoso e as metrorragias numa mulher peri ou pós-menopáusica são sinais de alerta, podendo conduzir ao diagnóstico de carcinoma da trompa. De facto, 51% dos carcinomas tubares são diagnosticados nos estádios iniciais I e II 3. A sobrevivência aos cinco anos para os carcinomas da trompa no estádio I é de 81%, 67% para o estádio II, 41% para o estádio III e 33% para as doentes no estádio IV 3. Bibliografia 1. Jemal A, Siegel R, Ward F, et al. Cancer statistics. CA Cancer J Cin. 2008;58: Leeper K, Garcia R, Swisher E, et al. Pathologic findings in prophylactic oophorectomy specimens in high-risk women. Gynecol Oncol. 2002;87: Heintz A, Odicino F, Maisonneuve P, et al. Carcinoma of the Falopian tube. FIGO Annual Report, volume 26. Int J Gynecol Obstet. 2006;95(1):S Berek JS, Hacker NF. Practical gynecologic oncology. 4. a ed. Filadélfia: Lippincott Williams & Wilkins; p Podratz KC, Podczaski ES, Gaffey TA, et al. Primary carcinoma of the fallopian tube. Am J Obstet Gynecol. 1986;154: Alvarado-Cabrero I, Young RH, Vamvakas EC, et al. Carcinoma of the fallopian tube: a clinicopathological study of 105 cases with observations on staging and prognostic factors. Gynecol Oncol. 1999;72: Gadducci A, Landoni F, Sartori E, et al. Analysis of treatment failures and survival of patients with fallopian tube carcinoma: A Cooperative Task Force study. Gynecol Oncol. 2001;81: Klein M, Graf AH, Rosen A, Lahousen M. Analysis of treatment failures and survival of patients with fallopian tube carcinoma: A Cooperative Task Force study (letter). Gynecol Oncol. 2002;84: Cormio G. Experience at the Memorial Sloan-Kettering Cancer Center with paclitaxel-based combination chemotherapy following primary cytoreductive surgery in carcinoma of the fallopian tube. Gynecol Oncol. 2002;84: Rose PG, Rodriguez M, Walker J, et al. A phase I trial of prolonged oral etopide and liposomal doxorubicin in ovarian, peritoneal, and tubal carcinoma: a gynecologic oncology group study. Gynecol Oncol. 2002;85: Markman M, Zanotti K, Webster K, et al. Phase 2 trial of single agent docetaxel in platinum and paclitaxelrefractory ovarian cancer, fallopian tube cancer, and primary carcinoma of the peritoneum. Gynecol Oncol. 2003;91: Schiller HM, Silverberg SG. Staging and prognosis in primary carcinoma of the fallopian tube. Cancer. 1971;28:389. Cancro da trompa de Falópio 447

6

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009 A Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO 2009 Sofia Raposo e Carlos Freire de Oliveira O estadiamento dos cancros é preconizado com o intuito de permitir uma comparação válida dos resultados entre

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes CIRURGIA CITORREDUTORA E QUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTÉRMICA NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL Ademar Lopes CÂNCER COLORRETAL SOB mediana em doença avançada versus tratamento sistêmico Meyerhardt

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU Yara Furtado Professora Assistente da UNIRIO Chefe Ambulatório de Patologia Vulvar e Cervical do HUGG Comissão de Título de Qualificação ABPTGIC Descrito em 1952 (Hepler) Laudos citológicos Sistema Bethesda

Leia mais

SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA CONSENSO SOBRE CANCROS DO COLO, CORPO DO ÚTERO E OVÁRIO

SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA CONSENSO SOBRE CANCROS DO COLO, CORPO DO ÚTERO E OVÁRIO SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA CONSENSO SOBRE CANCROS DO COLO, CORPO DO ÚTERO E OVÁRIO REUNIÃO CONSENSO SOBRE CANCROS DO COLO, CORPO DO ÚTERO E OVÁRIO Espinho, 4 e 5, Julho 2003 Participantes: Almerinda

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO (Texto actualizado em Março de 2008) A. Stenzl (Presidente), N.C. Cowan, M. De Santis, G. Jakse, M. Kuczyk, A.S. Merseburger, M.J. Ribal, A.

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA NA CIRURGIA DO CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Guilherme Pinto Bravo Neto, TCBC-RJ Prof. Adjunto Departamentoamento de Cirurgia FM UFRJ Coordenador

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Cancro do endométrio. Fernando Mota 1. INTRODUÇÃO

Cancro do endométrio. Fernando Mota 1. INTRODUÇÃO 22 Cancro do endométrio Fernando Mota 1. INTRODUÇÃO O carcinoma do endométrio é a neoplasia ginecológica mais frequente nos países desenvolvidos. De entre todos os cancros que afectam a mulher é o quarto

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Escrito por Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira Sex, 18 de Junho de 2010 14:48 - Última atualização Qui, 15 de Julho de 2010 14:30

Escrito por Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira Sex, 18 de Junho de 2010 14:48 - Última atualização Qui, 15 de Julho de 2010 14:30 Prof. Dr. Sabas Carlos Vieira INTRODUÇÃO Para o ano de 2010, o INCA estima que ocorrerão cerca de 500mil novos casos de câncer no Brasil. Hoje cerca de 60% destes pacientes terão seus tumores controlados

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

GineColÓGiCo. r e u n i ã o d e C o n s e n s o n a C i o n a l. C o i m b r a 1 6 d e o u t u b r o 2 0 1 0-1 1-2 7

GineColÓGiCo. r e u n i ã o d e C o n s e n s o n a C i o n a l. C o i m b r a 1 6 d e o u t u b r o 2 0 1 0-1 1-2 7 CanCro GineColÓGiCo r e u n i ã o d e C o n s e n s o n a C i o n a l C o i m b r a 1 6 d e o u t u b r o 2 0 1 0-1 1-2 7 CanCro GineColÓGiCo r e u n i ã o d e C o n s e n s o n a C i o n a l cancro DO

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

O Avastin é utilizado em associação com outros medicamentos contra o cancro no tratamento de adultos com os seguintes tipos de cancro:

O Avastin é utilizado em associação com outros medicamentos contra o cancro no tratamento de adultos com os seguintes tipos de cancro: EMA/175824/2015 EMEA/H/C/000582 Resumo do EPAR destinado ao público bevacizumab Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou?

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Ilka Lopes Santoro EPM - Unifesp Conflito de Interesse Nada a declarar For myself I am an optimist it does not seem to be much use being anything else. Sir Winston

Leia mais

Gencitabina em câncer de pulmão: avaliação retrospectiva de resposta clínica, sobrevida livre de progressão e sobrevida global

Gencitabina em câncer de pulmão: avaliação retrospectiva de resposta clínica, sobrevida livre de progressão e sobrevida global 12 Artigo Original Gencitabina em câncer de pulmão: avaliação retrospectiva de resposta clínica, sobrevida livre de progressão e sobrevida global Ana Lucia Coradazzi CRM SP 87.242 Gustavo Fernando Veraldi

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. CARDOSO, Michel¹; DELFINO, Gabriel Felipe Lima¹; NEGRETTI, Fábio² ¹Acadêmico do curso de Medicina da Unioeste ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da

Leia mais

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Francisco J. Candido dos Reis Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP Um Breve Histórico Diagnóstico Principais Indicações Dor

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

À medida que ocorre a invasão do estroma, a doença torna-se clinicamente manifesta e revela padrões de crescimento visíveis ao exame especular.

À medida que ocorre a invasão do estroma, a doença torna-se clinicamente manifesta e revela padrões de crescimento visíveis ao exame especular. Introdução à neoplasia invasiva do colo uterino A neoplasia invasiva pré-clínica refere-se à neoplasia cervical precoce com invasão mínima do estroma e em geral não apresenta sintomas ou características

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Caso Clínico/Case Report

Caso Clínico/Case Report Caso Clínico/Case Report Tumor mulleriano misto maligno uterino com metastização mamária: caso clínico Malignant mixed mullerian tumor of the uterus with breast metastasis: a case report Maria Geraldina

Leia mais

da Junção Esofagogástrica

da Junção Esofagogástrica HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 15/04/04 Carcinoma da Junção Esofagogástrica strica Diego Teixeira Alves Rangel Casos do Serviço (2001 2004) Nome Idade Diagnóstico Acesso Cirurgia

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

Humberto Brito R3 CCP

Humberto Brito R3 CCP Humberto Brito R3 CCP ABSTRACT INTRODUÇÃO Nódulos tireoideanos são achados comuns e raramente são malignos(5-15%) Nódulos 1cm geralmente exigem investigação A principal ferramenta é a citologia (PAAF)

Leia mais

OPERAÇÃO DE WERTHEIM-MEIGS EM CARCINOMA DO COLO DO ÚTERO E TRATAMENTO COMPLEMENTAR Análise Crítica de Cinco Anos

OPERAÇÃO DE WERTHEIM-MEIGS EM CARCINOMA DO COLO DO ÚTERO E TRATAMENTO COMPLEMENTAR Análise Crítica de Cinco Anos ARTIGO ORIGINAL Acta Med Port 2011; 24(S2): 557-564 OPERAÇÃO DE WERTHEIM-MEIGS EM CARCINOMA DO COLO DO ÚTERO E TRATAMENTO COMPLEMENTAR Análise Crítica de Cinco Anos Daniela FREITAS, Fedra RODRIGUES, Daniel

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

29/10/09. E4- Radiologia do abdome

29/10/09. E4- Radiologia do abdome Radiologia do abdome 29/10/09 Milton Cavalcanti E4- Radiologia do abdome INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é uma das maiores causas de morte entre mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

Câncer de Ovário (Epitelial)

Câncer de Ovário (Epitelial) Câncer de Ovário (Epitelial) Ciclofosfamida + Carboplatina Ciclofosfamida: 600mg/m 2 IV D1 Carboplatina: 300mg/m 2 IV D1 a cada 28 dias X 6 ciclos Ref. (1) Ciclofosfamida + Cisplatina Ciclofosfamida: 600mg/m

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia Yara Furtado Atipias de Células Glandulares Bethesda 1991 Bethesda 2001 Células Glandulares *Células endometriais, benignas, em mulheres na pós-menopausa

Leia mais

QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA

QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA Dr. Markus Gifoni Oncologista Clínico Instituto do Câncer do Ceará Fortaleza 01/06/2013 Informações

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO

Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO Local: Minas Centro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Leia mais

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Objetivos do seguimento após tratamento de Câncer Detecção

Leia mais

Câncer do endométrio uterino no climatério e os efeitos de hormonioterapia

Câncer do endométrio uterino no climatério e os efeitos de hormonioterapia Câncer do endométrio uterino no climatério e os efeitos de hormonioterapia Maria das Dores Muniz Trindade Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Heloísa Antonia Tocci Docente do Curso de Graduação

Leia mais

QUIMIOTERAPIA NO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

QUIMIOTERAPIA NO CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO INDICAÇÕES 1 Carcinoma Espinocelular 2 Carcinoma da Rinofaringe 3 Carcinoma de Glândulas Salivares 1- CARCINOMA ESPINOCELULAR INDICAÇÕES: a. tratamento adjuvante: concomitante a RXT b. neo-adjuvante (indução)

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O estadiamento dos tumores é um sistema usado para descrever a extensão anatômica de determinada neoplasia maligna em um indivíduo. A partir dessas informações, julgue os itens a seguir. 41 O sistema de

Leia mais

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO PREVENÇÃO Use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA IVX CONGRESSO PAULISTA DE GINECOLOGIA E OBSTETRICIA CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA Lesão intra-epitelial de alto grau:hsil: Qual o significado? NIC

Leia mais

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Metastatis (grego) Transferência, mudança de lugar Disseminação da doença Sinal de doença avançada Qual a via preferencial de metástase

Leia mais

WDS, masculino, 57 anos

WDS, masculino, 57 anos Módulo: Câncer de Pulmão Não-Pequenas Células Metastático Caso 1 WDS, masculino, 57 anos FEV/2010: Dor lombar e em quadril E; ausência de tosse com hemoptise; sem sintomas neurológicos Cintilografia óssea:

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina.

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina. Alta taxa de resposta completa patológica (prc) em câncer de mama triplo negativo após quimioterapia neoadjuvante sequencial Augusto Ribeiro GABRIEL, MD* Ruffo de FREITAS JÚNIOR, MD, PhD* * Programa de

Leia mais

Controle loco-regional na doença metastática

Controle loco-regional na doença metastática Câncer de pâncreas Controle loco-regional na doença metastática Fabio Kater Centro Paulista de Oncologia Hospital Nove de Julho Não tenho conflitos de interesse FIGURE 1 Ten Leading Cancer Types for the

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

Indicações de quimioterapia intra-peritoneal com catéter nas pacientes com câncer de ovário avançado. Aknar Calabrich

Indicações de quimioterapia intra-peritoneal com catéter nas pacientes com câncer de ovário avançado. Aknar Calabrich Indicações de quimioterapia intra-peritoneal com catéter nas pacientes com câncer de ovário avançado Aknar Calabrich A importância do peritôneo 70% das pacientes com câncer de ovário avançado tem metástase

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) FMUSP Médico Titular

Leia mais

Hospital de Base do Distrito Federal - HBDF Unidade de Ginecologia Oncológica / UGON Estágio médico em Ginecologia Oncológica

Hospital de Base do Distrito Federal - HBDF Unidade de Ginecologia Oncológica / UGON Estágio médico em Ginecologia Oncológica 1. Observações gerais: Estágio de capacitação em Ginecologia Oncológica da Unidade de Ginecologia Oncológica (UGON) do Hospital de Base do Distrito Federal: O estágio em Ginecologia Oncológica da Unidade

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 R1 CIT Vinícius Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 Prolongamento na sobrevida em pacientes com Câncer avançado não-pequenas células (CPNPC) Recentemente, 2 estudos randomizados,

Leia mais

BETHESDA 2001 Versão portuguesa

BETHESDA 2001 Versão portuguesa Citologia ginecológica em meio líquido BETHESDA 2001 Versão portuguesa Exemplos de Relatório Satisfatória, com representação da zona de transformação Anomalias de células epiteliais pavimentosas Interpretação

Leia mais

DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE

DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE TUMOR DE PÊNIS: Abordagem inicial DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE TUMOR DE PÊNIS Epidemiologia Distribuição geográfica EUA 0,2 / 100.000

Leia mais

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama O câncer de mama - 2º tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum

Leia mais

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014

PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 PECOGI A.C.Camargo Cancer Center PROGRAMA 2014 21/08 QUINTA-FEIRA 7:50 8:00 Abertura 8:00 9:30 Mesa Redonda: CEC de Esôfago 8:00 8:15 Ferramentas de estadiamento na neoplasia esofágica. É possível individualizar

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. Na imunohistoquímica, qual(is) dos marcadores tumorais abaixo, em um paciente com carcinoma metastático de sítio primário desconhecido, sugere primário

Leia mais

Relato de Caso Adenocarcinoma de Tuba Artigo submetido em 19/10/09; aceito para publicação em 17/5/10

Relato de Caso Adenocarcinoma de Tuba Artigo submetido em 19/10/09; aceito para publicação em 17/5/10 Relato de Caso Adenocarcinoma de Tuba Artigo submetido em 19/10/09; aceito para publicação em 17/5/10 Adenocarcinoma de Tuba Uterina: Relato de Dois Casos Fallopian Tube Adenocarcinoma: a Report of Two

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Faculdade de Medicina - UNISUL NEOPLASIAS DO OVÁRIO. Aula disponível no site: Rodrigo Dias Nunes

Faculdade de Medicina - UNISUL NEOPLASIAS DO OVÁRIO. Aula disponível no site:  Rodrigo Dias Nunes NEOPLASIAS DO OVÁRIO Aula disponível no site: www.rodrigodiasnunes.com.br Rodrigo Dias Nunes Epidemiologia > 50 anos Obesidade Nuligestas Não usaram anticoncepcionais orais Ingesta carne e gordura animal

Leia mais

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Maria da Conceição Muniz Ribeiro O câncer do colo do útero, também chamado de cervical, demora muitos anos para se desenvolver. As alterações das células que podem desencadear o

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NEUROBLASTOMA E TUMOR DE WILMS

ATUALIZAÇÃO NEUROBLASTOMA E TUMOR DE WILMS ATUALIZAÇÃO NEUROBLASTOMA E TUMOR DE WILMS Beatriz de Camargo Programa de Hematologia-Oncologia Pediatrica CPq ATUALIZAÇÃO NEUROBLASTOMA /TUMOR DE WILMS Incidência Clinica Fatores prognósticos Tratamento

Leia mais

SAÚDE. Câncer Cervico Uterino. Aracel Santos, Dilma Malungo. Tutor: Dr. Ramón Cruz

SAÚDE. Câncer Cervico Uterino. Aracel Santos, Dilma Malungo. Tutor: Dr. Ramón Cruz SAÚDE Câncer Cervico Uterino Aracel Santos, Dilma Malungo Tutor: Dr. Ramón Cruz Resumo: O cancro cervico uterino é um processo maligno que acomete o útero e que em graus avançados acaba por invadir órgãos

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais