Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009"

Transcrição

1 A Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO 2009 Sofia Raposo e Carlos Freire de Oliveira O estadiamento dos cancros é preconizado com o intuito de permitir uma comparação válida dos resultados entre os diversos centros bem como no sentido de criar vários grupos de doentes, com prognósticos diferentes, que muitas vezes tem abordagem terapêutica diversificada. Nos capítulos dedicados ao cancro ginecológico, do volume deste manual, foram utilizadas as classificações da Federação nternacional de Ginecologia e Obstetrícia (FGO) então em vigor. A revisão recente de algumas destas classificações justifica esta actualização numa adenda. A FGO foi a primeira organização a desenvolver a sua classificação e estadiamento para os cancros ginecológicos. Neste sentido adoptou as primeiras regras em De facto, já desde 1930 que os oncologistas ginecológicos tinham procurado uma linguagem comum e universal para a abordagem e tratamento dos cancros ginecológicos. O objectivo é conseguir uma terminologia uniforme, que permita proporcionar um prognóstico apropriado para as diversas doentes. A classificação dos cancros encontra-se em constante mudança, em grande parte devido aos grandes avanços científicos e novas descobertas na forma de abordagem dos mesmos. É de salientar que nas últimas duas décadas houve um crescimento explosivo na investigação médica, principalmente, na área da oncologia. Assim, a FGO e outras sociedades científicas internacionais consideraram que havia chegado a altura de rever a classificação dos cancros ginecológicos. No entanto, durante estas revisões, há sempre dúvidas e opiniões diferentes que surgem na comunidade científica. sto resulta, em parte, dos estudos e das evidências clínicas analisadas, e o impacto que os mesmos apresentam no estadiamento dos cancros. Os cancros do tracto genital feminino são estadiados cirurgicamente, com excepção do cancro do colo do útero cujo estadiamento é clínico, e da doença do trofoblasto gestacional que combina aspectos clínicos e biológicos. O estadiamento clínico do cancro do colo do útero mantém-se, fundamentalmente, devido a factores epidemiológicos. 1. CANCRO DO COLO DO ÚTERO O estadiamento do cancro de colo do útero é o mais antigo descrito na literatura, datando de 1928, quando pela primeira vez foi agrupado em diferentes estádios, de acordo com a extensão da doença. Desde então este cancro já foi submetido a sete revisões, tendo ocorrido a última em A maioria das alterações concentrou-se no estádio e na sua subdivisão. De referir que diversas controvérsias rodeiam a classificação do cancro do colo do útero, algumas das quais conduziram à presente revisão e a pequenas alterações introduzidas. O comité da FGO para o cancro ginecológico está de acordo de que importantes benefícios podem advir de um estadiamento cirúrgico. No entanto, o seu custo-benefício 623

2 e algumas questões científicas ainda constituem matéria de investigação e debate, visto que esta doença pode ser curada com a mesma eficácia com tratamentos não cirúrgicos. Assim, o estadiamento do cancro do colo do útero mantém-se clínico. São as seguintes as alterações aprovadas pela FGO para o cancro do colo do útero: Anulação do estádio 0: a FGO decidiu retirar o estádio 0 do estadiamento de todos os cancros, pois trata-se uma lesão pré-invasiva. Quadro 1. Estadiamento da FGO (2009) para o cancro do colo do útero 1 2 b b1 b2 Tumor limitado ao colo : diferentes estudos presentes na literatura demonstraram, consecutivamente, que em pacientes no estádio o tamanho do tumor, definido como o diâmetro máximo da lesão, afecta o prognóstico, tal como observado no estádio b. Assim, o estádio inclui agora dois subestádios: 1 (lesões 4 cm) e 2 (lesões > 4 cm). No quadro 1 apresenta-se o estadiamento da FGO (2009) para o cancro do colo do útero. Carcinoma invasivo que apenas é diagnosticado por microscopia, com invasão profunda 5 mm e extensão 7 mm nvasão do estroma 3 mm em profundidade e 7 mm em extensão nvasão do estroma > 3 mm e 5 mm em profundidade e 7 mm de extensão Lesões invasivas, clinicamente visíveis, mas limitadas ao colo do útero ou doença microscópica acima de * Lesão clinicamente visível 4 cm na sua maior dimensão Lesão clinicamente visível > 4 cm na sua maior dimensão Carcinoma com invasão para além do útero, mas não atingindo a parede pélvica ou o 1/3 inferior da vagina 1 2 b Sem invasão dos paramétrios Lesão clinicamente visível 4 cm na sua maior dimensão Lesão clinicamente visível > 4 cm na sua maior dimensão Com invasão dos paramétrios Extensão para a parede pélvica e/ou envolvimento do 1/3 inferior da vagina e/ou hidronefrose ou rim não funcionando Envolvimento do 1/3 inferior da vagina sem envolvimento da parede pélvica Extensão para a parede pélvica e/ou hidronefrose ou rim não funcionando 624 Adenda

3 V Va Vb Extensão para além da pélvis ou envolvimento (confirmado por biopsia) da mucosa da bexiga ou recto Envolvimento de órgãos adjacentes Envolvimento de órgãos à distância *Todas as lesões macroscopicamente visíveis, mesmo com invasão superficial, devem ser incluídas no estádio b. nvasão é limitada a um máximo de invasão do estroma em profundidade de 5 mm e um máximo de extensão horizontal de 7 mm. A invasão em profundidade não deve ser superior a 5 mm, tendo sempre como referência de base o epitélio do tecido original. Esta invasão deve ser sempre reportada em milímetros. Ao toque rectal detecta-se que a parede pélvica se encontra livre de tumor. Todos os casos de hidronefrose ou rim não funcionando devem ser incluídos, a menos que sejam devido a outras causas. O envolvimento do espaço linfovascular deve ser sempre referido, mas não altera o estádio. O comité da FGO teve, igualmente, em consideração algumas investigações e recomendações clínicas: O recurso a técnicas imagiológicas de diagnóstico no sentido de aferir o tamanho da lesão é aconselhado, mas não obrigatório. Outros tipos de exames, nomeadamente, toque sob anestesia, cistoscopia, sigmoidoscopia, pielografia intravenosa são também opcionais. Todos os achados patológicos, quando disponíveis, devem ser relatados. O cancro vaginal que surge após 5 anos de tratamento e resposta completa continuada do cancro do colo do útero deverá ser considerado como um cancro primário da vagina. O objectivo de alcançar um estadiamento uniforme depende da sua utilidade para a realização de novos estudos clínicos e epidemiológicos, no aumento do rastreio da população, na descoberta de novos tratamentos e novos marcadores biomoleculares. De salientar, que há uma necessidade crescente de identificar novos marcadores biológicos de prognóstico, com o intuito de melhor identificar as pacientes de alto risco. Assim, a ciência deve tentar compreender melhor a biologia deste tumor e melhorar a sua capacidade de individualizar o tratamento. 2. CANCRO DO ENDOMÉTRO O estadiamento do cancro do endométrio foi, em primeira instância, clínico. Este estadiamento pareceu apropriado na altura, visto que o verdadeiro padrão de disseminação do cancro do endométrio não havia sido avaliado de forma sistemática. Entre diversos estudos foram realizados no sentido de avaliar o padrão de disseminação, com particular ênfase para os gânglios pélvicos e para-aórticos. No seguimento destes estudos, em 1988, a FGO propôs que o estadiamento do cancro do endométrio fosse cirúrgico. Ao longo das duas últimas décadas, este estadiamento foi sendo rotineiramente adoptado e, mais uma vez, estudos clínicos e epidemiológicos foram realizados no sentido de melhor compreender a reprodutibilidade, utilidade e acuidade do novo estadiamento. Deste modo à luz dos conhecimentos actuais a FGO aprovou as seguintes alterações no estadiamento do cancro do endométrio: s e b: não podem ser microscopicamente diferenciados com exactidão, pelo que foram agrupados em apenas um estádio, que compreende a invasão do endométrio e de menos da metade interna do miométrio. Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO

4 s e b: não diferem de forma significativa a nível de prognóstico, tendo sido considerado que o estádio não deve ser subdividido, englobando a invasão do estroma endocervical. : é muito heterogéneo e há grandes diferenças de prognóstico entre os vários grupos. A citologia peritoneal positiva isolada é rara e tem pouco significado prognóstico. Assim, no estádio deixou de se incluir a presença de citologia peritoneal positiva; no estádio inclui-se também a invasão dos paramétrios; e o estádio c subdivide-se em dois, de acordo com invasão dos gânglios linfáticos pélvicos ou para-aórticos. No quadro 2 apresenta-se o estadiamento cirúrgico da FGO (2009) do cancro do endométrio. 3. CANCRO DA VULVA Quadro 2. Estadiamento da FGO (2009) para o cancro do endométrio b c c1 c2 V Va Vb Características Tumor confinado ao corpo uterino nvasão < ½ interna miométrio nvasão ½ externa miométrio nvasão do estroma cervical* Extensão regional e/ou local do tumor nvasão da serosa e/ou anexos Envolvimento dos paramétrios e/ou da vagina Metástases em gânglios linfáticos pélvicos e/ou para-aórticos Metástases em gânglios linfáticos pélvicos Em 1988 a FGO adoptou o estadiamento cirúrgico para o cancro da vulva. Esta mudança revelou-se lógica, uma vez que o principal tratamento do cancro da vulva é cirúrgico. O envolvimento dos gânglios linfáticos constitui o factor de prognóstico isolado mais importante, e a avaliação clínica dos gânglios linfáticos é falível. O estadiamento do cancro da vulva foi o que sofreu maior número de alterações, na sequência de um debate baseado na invasão e tamanho da lesão, assim como no tipo e número de gânglios linfáticos invadidos. Em seguida apresentam-se as referidas alterações: : permanece igual. b: compreende lesões superiores a 2 cm. Metástases em gânglios linfáticos para-aórticos com ou sem gânglios pélvicos positivos Tumor invade a bexiga e/ou mucosa intestinal ou apresenta metástases à distância nvasão vesical e/ou da mucosa intestinal Metástases à distância (intra-abdominais e/ou gânglios linfáticos inguinais) *A extensão exclusiva à mucosa endocervical deverá ser considerada no estádio. A citologia peritoneal positiva deverá ser anotada mas não altera o estádio. Em qualquer estádio deve-se classificar o tumor de acordo com o grau (G1, G2 e G3). 626 Adenda

5 : lesões de qualquer tamanho com invasão das estruturas perineais adjacentes. : é subdivido em três, de acordo com as características e o número de gânglios linfáticos invadidos. Va: passa a ter-se também em consideração as características dos gânglios inguino-femurais atingidos. No quadro 3 apresenta-se o estadiamento cirúrgico da FGO (2009) para o cancro da vulva. Quadro 3. Estadiamento FGO (2009) para o cancro da vulva b Tumor limitado à vulva 4. CANCRO DO OVÁRO O estadiamento do cancro do ovário não foi abordado, pelo que não sofreu qualquer alteração. O Comité de Ginecologia Oncológica da FGO tem como objectivo analisar e rever o mesmo, dentro dos próximos 3 anos. O cancro do ovário é estadiado cirurgicamente através da inspecção dos ovários, trompas, útero e de toda a cavidade abdominal. Biopsias de lesões suspeitas deverão ser realizadas, bem como a excisão selectiva Lesões 2 cm limitadas à vulva ou ao períneo e com invasão do estroma 1 mm, com gânglios negativos Lesões > 2 cm limitadas à vulva ou ao períneo e com invasão do estroma > 1 mm*, com gânglios negativos Tumor de qualquer tamanho com extensão às estruturas perineais adjacentes (1/3 inferior da uretra; 1/3 inferior da vagina, ânus), com gânglios negativos Tumor de qualquer tamanho com ou sem extensão às estruturas perineais adjacentes (1/3 inferior da uretra; 1/3 inferior da vagina, ânus), com gânglios inguino-femurais positivos c V Va Vb Uma metástase ganglionar 5 mm ou 1-2 metástases ganglionares < 5 mm Duas ou mais metástases ganglionares 5 mm ou Três ou mais metástases ganglionares < 5 mm Metástases ganglionares com extensão extracapsular Tumor invade estruturas regionais (2/3 superiores da uretra; 2/3 superiores da vagina) ou à distância Tumor atinge qualquer das seguintes estruturas: Mucosa vaginal ou uretral superior, mucosa vesical, mucosa rectal ou ossos pélvicos Gânglios inguino-femurais fixos ou ulcerados Qualquer metastização à distância, incluindo gânglios linfáticos pélvicos *A invasão profunda é definida como a medida do tumor da junção epitélio-estroma da papila dérmica adjacente mais superficial até ao ponto mais profundo da invasão. Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO

6 ou sistemática dos gânglios linfáticos paraaórticos e pélvicos, histerectomia total e anexectomia bilateral. A omentectomia e a apendicectomia também são recomendadas, embora esta última seja sobretudo importante nos tumores mucinosos. No quadro 4 apresenta-se o estadiamento da FGO (não alterado) do cancro do ovário. Quadro 4. Estadiamento FGO para o cancro do ovário b c b c c Tumor limitado aos ovários Bibliografia Creasman W. Revised FGO staging for carcinoma of the endometrium. nt J Gynecol Obstet. 2009;105:109. FGO Committee on Gynecologic Oncology. Revised FGO staging for carcinoma of the vulva, cervix and endometrium. nt J Gynecol Obstet. 2009;105: Hacker NF. Revised FGO staging for carcinoma of the vulva. nt J Gynecol Obstet. 2009;105: Pecorelli S, Zigliani L, Odicino F. Revised FGO staging for carcinoma of the cervix. nt J Gynecol Obstet. 2009;105: Tumor limitado a um ovário; cápsula intacta; ausência de tumor na superfície ovárica; ausência de ascite com células malignas Tumor limitado a ambos os ovários; cápsula intacta; ausência de tumor na superfície ovárica; ausência de ascite com células malignas Tumor limitado a um ou a ambos os ovários com: cápsula rota e/ou tumor na superfície ovárica e/ou células neoplásicas na ascite ou no lavado peritoneal O tumor envolve um ou ambos os ovários com extensão pélvica Extensão e/ou implantes no útero e/ou trompa Extensão a outras estruturas pélvicas Tumor nos estádios ou b com tumor na superfície de um ou dos dois ovários; ou com cápsula rota; ou com ascite com células tumorais ou lavagem peritoneal positiva Tumor envolve um ou ambos os ovários com metástases peritoneais confirmadas fora da pélvis e/ou metástases nos gânglios regionais. Metástases superficiais no fígado. Tumor limitado à pélvis mas com metástases no intestino delgado ou omento* Metástases peritoneais microscópicas para além da pélvis e gânglios negativos Metástases peritoneais macroscópicas fora da pélvis 2 cm na sua maior dimensão e gânglios negativos Metástases peritoneais fora da pélvis 2 cm na sua maior dimensão e/ou metástases nos gânglios regionais V Metástases à distância (metástases peritoneais excluídas) *Metástases na cápsula hepática correspondem ao estádio, metástases no parênquima hepático são incluídas no estádio V. Para poder ser considerado como estádio V o derrame pleural deverá ter uma citologia positiva. 628 Adenda

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

Prolapso dos Órgãos Pélvicos

Prolapso dos Órgãos Pélvicos Prolapso dos Órgãos Pélvicos Autor: Bercina Candoso, Dra., Ginecologista, Maternidade Júlio Dinis Porto Actualizado em: Julho de 2010 No prolapso dos órgãos pélvicos, a vagina e os órgãos adjacentes, uretra,

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA DA BEXIGA INVASIVO E METASTÁTICO (Texto actualizado em Março de 2008) A. Stenzl (Presidente), N.C. Cowan, M. De Santis, G. Jakse, M. Kuczyk, A.S. Merseburger, M.J. Ribal, A.

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA CONSENSO SOBRE CANCROS DO COLO, CORPO DO ÚTERO E OVÁRIO

SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA CONSENSO SOBRE CANCROS DO COLO, CORPO DO ÚTERO E OVÁRIO SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA CONSENSO SOBRE CANCROS DO COLO, CORPO DO ÚTERO E OVÁRIO REUNIÃO CONSENSO SOBRE CANCROS DO COLO, CORPO DO ÚTERO E OVÁRIO Espinho, 4 e 5, Julho 2003 Participantes: Almerinda

Leia mais

Registo Oncológico Nacional 2008

Registo Oncológico Nacional 2008 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado pelo Registo Oncológico Regional do Centro Editado pelo Instituto Português de Oncologia de Coimbra Francisco Gentil EPE 2 Registo Oncológico Nacional 2008 Elaborado

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo

Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo Cirurgia I Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Docente: Profª Isabel Fonseca Data: 16/12/2010 Número da Aula Previsto: 14ª Desgravador: Corrector: Teresa Estevens Índice de Conteúdos EXAME EXTEMPORÂNEO

Leia mais

Cancro da trompa de Falópio

Cancro da trompa de Falópio 26 Cancro da trompa de Falópio Fernando Mota 1. INTRODUÇÃO O carcinoma da trompa de Falópio é uma das neoplasias ginecológicas mais raras, representando menos de 1% de todos os cancros do aparelho genital

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Exame Papanicolaou. Câncer do Colo do Útero. Resultados.

PALAVRAS-CHAVE Exame Papanicolaou. Câncer do Colo do Útero. Resultados. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000.

Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000. Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000. IX Encontro de Provedores, Diretores e Administradores Hospitalares de Santas Casas e Entidades Filantrópicas do Estado de São Paulo De: 13 a 15 de

Leia mais

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013 NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR diagnóstico e conduta RIO DE JANEIRO 2013 A NIV aumentou em 4 vezes nos EUA entre 1973 e 2000 A regressão da NIV existe O câncer invasor está presente em 3% das mulheres

Leia mais

Modelagem Fuzzy para Predizer os Riscos de Recidiva e Progressão de Tumores Superficiais de Bexiga

Modelagem Fuzzy para Predizer os Riscos de Recidiva e Progressão de Tumores Superficiais de Bexiga Biomatemática 2 (2), ISSN 679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Modelagem Fuzzy para Predizer os Riscos de Recidiva e Progressão de Tumores Superficiais de Bexiga Kenia D. Savergnini,

Leia mais

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Objetivos do seguimento após tratamento de Câncer Detecção

Leia mais

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU Yara Furtado Professora Assistente da UNIRIO Chefe Ambulatório de Patologia Vulvar e Cervical do HUGG Comissão de Título de Qualificação ABPTGIC Descrito em 1952 (Hepler) Laudos citológicos Sistema Bethesda

Leia mais

À medida que ocorre a invasão do estroma, a doença torna-se clinicamente manifesta e revela padrões de crescimento visíveis ao exame especular.

À medida que ocorre a invasão do estroma, a doença torna-se clinicamente manifesta e revela padrões de crescimento visíveis ao exame especular. Introdução à neoplasia invasiva do colo uterino A neoplasia invasiva pré-clínica refere-se à neoplasia cervical precoce com invasão mínima do estroma e em geral não apresenta sintomas ou características

Leia mais

XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO

XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO ESTRATÉGIAS DE RASTREIO Gutemberg Almeida Instituto de Ginecologia da UFRJ OBJETIVO DO RASTREAMENTO Além de detectar o câncer cervical em um estágio inicial,

Leia mais

GUIA PARA PACIENTES. Anotações

GUIA PARA PACIENTES. Anotações Anotações ENTENDENDO DO OS MIOMAS MAS UTERINOS GUIA PARA PACIENTES 1620641 - Produzido em maio/2010 AstraZeneca do Brasil Ltda. Rodovia Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 - Cotia/SP ACCESS net/sac 0800

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

Ordem dos Médicos Dentistas Lisboa - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos

Ordem dos Médicos Dentistas Lisboa - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos Esta prova tem a duração de 30 minutos. O total das perguntas equivale a 20 valores. Marque com V/F (verdade ou falso) na folha de resposta. As respostas erradas descontam 25% do valor de cada resposta

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

Vaginal Metastasis from Colorectal Adenocarcinoma: Diagnosis in Cervicovaginal Cytology

Vaginal Metastasis from Colorectal Adenocarcinoma: Diagnosis in Cervicovaginal Cytology Vaginal Metastasis from Colorectal Adenocarcinoma: Diagnosis in Cervicovaginal Cytology Oliveira B 1 Ɨ, Cunha C 1 Ɨ, Mendes M 1 * Ɨ, Coimbra N 2, Duarte A 2, Babo A 2, Martins C 2, Monteiro P 2 1 School

Leia mais

HPV em mulheres infectadas pelo HIV Goldman ARNP, MPH

HPV em mulheres infectadas pelo HIV Goldman ARNP, MPH Welcome to I-TECH HIV/AIDS Clinical Seminar Series 30 de Agosto de 2012 HPV em mulheres infectadas pelo HIV Goldman ARNP, MPH Objectivos 1. Discutir a epidemiologia do HPV entre mulheres infectadas pelo

Leia mais

06/02/2012. Sinais e Sintomas SINAIS E SINTOMAS APARELHO REPRODUTOR FEMININO SEMIOLOGIA. Anamnese Sistema Genital Feminino

06/02/2012. Sinais e Sintomas SINAIS E SINTOMAS APARELHO REPRODUTOR FEMININO SEMIOLOGIA. Anamnese Sistema Genital Feminino CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNA CURSO: ENFERMAGEM APARELHO REPRODUTOR FEMININO SEMIOLOGIA Anamnese Sistema Genital Feminino Idade da menarca Duração do fluxo Periodicidade ou intervalo entre as menstruações.

Leia mais

01 Nos casos de histerectomia é necessário fazer a citologia do colo do útero?

01 Nos casos de histerectomia é necessário fazer a citologia do colo do útero? 01 Nos casos de histerectomia é necessário fazer a citologia do colo do útero? R. Conforme Diretrizes Brasileiras para Rastreamento do Câncer do Colo do Útero de 2001, na página 36, a recomendação é que:

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos

Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos O prolapso de órgão pélvico é uma condição muito comum, principalmente em mulheres maiores de quarenta anos. Estima-se que a metade das mulheres que têm filhos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Mais frequentes: Idosos Sexo feminino Deficiência de iodo AP de irradiação cervical

INTRODUÇÃO. Mais frequentes: Idosos Sexo feminino Deficiência de iodo AP de irradiação cervical Célia Antunes INTRODUÇÃO Incidência dos nódulos tiroideus tem vindo a aumentar devido à maior solicitação de estudo da tiróide por ecografia. % Detecção: Palpação 4 a 8% Ecografia 19 a 67% Autópsia 50%

Leia mais

NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL. Marília da Glória Martins

NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL. Marília da Glória Martins NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL Resumé NEOPLASIA TROFOBLÁSTICA GESTACIONAL A nomenclatura proposta por Ewing em 1910, mantém-se atual. Ratificada pela União Internacional de Combate ao Câncer (UICC)

Leia mais

1.1 Tratamento pré e pós-operatório 1. 1.1.1 Pré-operatório 1

1.1 Tratamento pré e pós-operatório 1. 1.1.1 Pré-operatório 1 1. Considerações iniciais 1.1 Tratamento pré e pós-operatório 1 1.1.1 Pré-operatório 1 No ambulatório/na internação 1 Esclarecimentos/perguntas de ordem legal 2 Anestesia 3 Exames laboratoriais e de imagem

Leia mais

ST. James s University Hospital; Leeds; England. Radiology Agosto de 2001

ST. James s University Hospital; Leeds; England. Radiology Agosto de 2001 TÍTULO ESTENOSES DO CÓLON SIGMOIDE: AVALIAÇÃO EM CLÍSTER DUPLO COTRASTE. AUTORES F Anthony Blakeborough; F Anthony H. Chapman; F Sarah Swift; F Gary Culpan. INSTITUIÇÃO ST. James s University Hospital;

Leia mais

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia OROFARINGE Os tumores de cabeça e de pescoço totalizam 4,5% dos casos de diagnósticos de câncer. Uma importante fração dos tumores malignos da região da cabeça e pescoço se localiza primeiramente na orofaringe.

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância/Ensino Secundário Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil Turma [I] do 10º Ano de Escolaridade

Leia mais

MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina

MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina Orientador: Prof. Dr. Laécio C. Barros Aluna: Marie Mezher S. Pereira ra:096900 DMA - IMECC - UNICAMP 25 de Junho de

Leia mais

Neoplasias dos epitélios glandulares II

Neoplasias dos epitélios glandulares II Neoplasias dos epitélios glandulares II PATOLOGIA II Aula Prática nº4 MAMA: Correlação estrutura/lesão Cél. Basais/mioepiteliais Cél. Basais/mioepiteliais (actina) Cél. luminais Cél. luminais MAMA: Estrutura

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Histerectomia Radical Laparoscópica versus Aberta para tratamento de cancer de colo uterino inicial: epidemiologia e resultados cirúrgicos

Histerectomia Radical Laparoscópica versus Aberta para tratamento de cancer de colo uterino inicial: epidemiologia e resultados cirúrgicos Histerectomia Radical Laparoscópica versus Aberta para tratamento de cancer de colo uterino inicial: epidemiologia e resultados cirúrgicos Reitan R. 1, Bereza, B. 1, Foiato, T.F. 1, Luz, M.A. 1, Guerreiro,

Leia mais

TROCANDO IDEIAS XIX 2015 Dificuldade no diagnostico histopatológico da NIC II

TROCANDO IDEIAS XIX 2015 Dificuldade no diagnostico histopatológico da NIC II TROCANDO IDEIAS XIX 2015 Dificuldade no diagnostico histopatológico da NIC II ABG capítulo RJ Cecília Vianna Andrade Clique para editarde o estilo do subtítulo mestre A biopsia do colo uterino Avaliação

Leia mais

RR 449 /2014. Sling suburetral para cirurgia de incontinência urinária

RR 449 /2014. Sling suburetral para cirurgia de incontinência urinária 05/08/2014 RR 449 /2014 Sling suburetral para cirurgia de incontinência urinária SOLICITANTE : Dr. Wellington Reis Braz Juiz de Direito da 2º Vara Cível NÚMERO DO PROCESSO: 0362.14.006639-4 SOLICITAÇÃO/

Leia mais

NORMAS DA USF FAMALICÃO I

NORMAS DA USF FAMALICÃO I I.- MARCAÇÃO DE CONSULTAS Como marcar uma consulta? Opte pelas consultas com hora certa; quando necessitar de consulta dê preferência às consultas pré marcadas. Terá a sua consulta previamente assegurada

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 RELATÓRIO FINAL 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO A publicação das normas ISO 24500 (ISO 24510, ISO 24511 e ISO 24512), que constituem o primeiro conjunto de normas

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA (Actualização limitada do texto em Março de 2009) M. Babjuk, W. Oosterlinck, R. Sylvester, E. Kaasinen, A. Böhle, J. Palou Introdução Eur Urol 2002;41(2):105-12

Leia mais

Qual o tamanho da próstata?

Qual o tamanho da próstata? É o aumento benigno do volume da próstata. A próstata é uma glândula situada na parte inferior da bexiga e anterior ao reto. No seu interior passa a uretra (o canal pelo qual a urina é eliminada do corpo).

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Cancro do colo do útero Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Bibliografia Parceiros de informações Introdução O cancro

Leia mais

Despiste de cancro do colo do útero: O exame colposcópico. Orientações atualizadas

Despiste de cancro do colo do útero: O exame colposcópico. Orientações atualizadas Despiste de cancro do colo do útero: O exame colposcópico Orientações atualizadas Page 2 Porque tenho eu de ir à consulta colposcópica? Foi-lhe pedido que fizesse um exame complementar devido ao seu exame

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento

Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento Fundação Oncocentro de São Paulo Registro Hospitalar de Câncer: Conceitos, rotinas e instruções de preenchimento 2013 2º edição ÍNDICE APRESENTAÇÃO p. 03 1 ROTINAS E CONCEITOS p. 05 1.1 REGISTRO HOSPITALAR

Leia mais

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL

ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL ROTINA DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA A CATETERISMO VESICAL Definição: Infecção urinária sintomática associada ao cateter: Febre > 38 o C ou sensibilidade suprapúbica e cultura positiva

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO

Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO Apoio e realização: II Congresso Brasileiro de Ginecologia Oncológica AGINON 2015 I Jornada Latino-Americana de Ginecologia Oncológica - LASGO Local: Minas Centro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Leia mais

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013)

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Van Pinxteren B, Knottnerus BJ, Geerlings SE, Visser HS, Klinkhamer S, Van der Weele GM, Verduijn MM, Opstelten W, Burgers

Leia mais

< Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB >

< Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB > Índice < Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB > Índice Índice... 2 Métodos Contraceptivos... 3 O que são?... 3 Métodos Reversíveis... 4 Métodos Contraceptivos Hormonais... 4 Pílula Contraceptiva...

Leia mais

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS RADIOEMBOLIZAÇÃO 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS 1 RADIOEMBOLIZAÇÃO A radioembolização é uma radioterapia selectiva administrada por via intra-arterial

Leia mais

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 P. Quando entrará em funcionamento o PNAAS? O Plano Nacional de Acção Ambiente e Saúde (PNAAS) foi aprovado pela Resolução de Conselho de Ministros

Leia mais

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV Nota Técnica 2015 NATS HC UFMG Solicitante: Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Seção Judiciária de Minas Gerais Nº Processo: 41970-36.2015.4.01.3800 Data 20/08/2015 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE HIPERPLASIA BENIGNA DA PROSTATA

ORIENTAÇÕES SOBRE HIPERPLASIA BENIGNA DA PROSTATA ORIENTAÇÕES SOBRE HIPERPLASIA BENIGNA DA PROSTATA (Texto actualizado em Março de 2005) M. Oelke (Presidente), G. Alivizatos, M. Emberton, S. Gravas, S. Madersbacher, M. Michel, J. Nordling, C. Rioja Sanz,

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

HIPOSPÁDIAS. Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO

HIPOSPÁDIAS. Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO HIPOSPÁDIAS Herick Bacelar Antonio Macedo Jr INTRODUÇÃO Hipospádia resulta de um desenvolvimento anormal do pênis que é definido como um meato uretral ectópico proximal a sua posição normal na glande,

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA.

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. CITOLOGIA CLÍNICA O exame citológico é uma das grandes ferramentas para auxiliar o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e na tomada de

Leia mais

Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Funções Produz gametas: óvulos Produz hormônios da reprodução Recebe as células reprodutivas do macho Fornece local

Leia mais

O Portal Saúde www.oportalsaude.com O Nosso Corpo Volume XVIII Aparelho Genital Feminino Parte 1 O Portal Saúde www.oportalsaude.

O Portal Saúde www.oportalsaude.com O Nosso Corpo Volume XVIII Aparelho Genital Feminino Parte 1 O Portal Saúde www.oportalsaude. O Nosso Corpo Volume XVIII Aparelho Genital Feminino Parte 1 um Guia de O Portal Saúde Fevereiro de 2010 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright

Leia mais

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Francisco J. Candido dos Reis Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP Um Breve Histórico Diagnóstico Principais Indicações Dor

Leia mais

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial.

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial. Tipos de Câncer Saber identifi car sinais é essencial. O QUE É CÂNCER É uma doença cuja característica principal é o crescimento acelerado e desordenado das células, as quais têm grande potencial para

Leia mais

SAÚDE. Câncer Cervico Uterino. Aracel Santos, Dilma Malungo. Tutor: Dr. Ramón Cruz

SAÚDE. Câncer Cervico Uterino. Aracel Santos, Dilma Malungo. Tutor: Dr. Ramón Cruz SAÚDE Câncer Cervico Uterino Aracel Santos, Dilma Malungo Tutor: Dr. Ramón Cruz Resumo: O cancro cervico uterino é um processo maligno que acomete o útero e que em graus avançados acaba por invadir órgãos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 26, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 26, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 26 - Ano Opcional em Urologia Nome do Candidato Caderno de Prova

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO

DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO DIAGNÓSTICO DO PARTO PRÉ-TERMO ASPECTOS CLÍNICOS E ECOGRÁFICOS Miguel Branco MBB -CHC Definição é clínica: Contractilidade uterina com alteração características do colo ( mais específico se > 6 /h e >

Leia mais

CASOS DE SUCESSO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES. O sucesso. dos métodos. não invasivos. de detecção. do cancro

CASOS DE SUCESSO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES. O sucesso. dos métodos. não invasivos. de detecção. do cancro CASOS DE SUCESSO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES O sucesso dos métodos não invasivos de detecção do cancro Foi distinguida no Concurso Nacional de Inovação BES em 2007 e desde então já lançou no mercado

Leia mais

Faculdade de Medicina de Lisboa

Faculdade de Medicina de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa ÉTICA E DEONTOLOGIA MÉDICA Andreia Martins, Rita Gameiro, Sofia Fernandes A.B., 29 anos Nasceu com corpo de sexo feminino A partir dos 25 anos, sujeitou-se a 18 operações

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

3 a 6 NOVEMBRO 2016 CAPITULO I - DEFINIÇÃO. PARÁGRAFO DOIS Todos os candidatos deverão se submeter a todos as provas independente da pós graduação.

3 a 6 NOVEMBRO 2016 CAPITULO I - DEFINIÇÃO. PARÁGRAFO DOIS Todos os candidatos deverão se submeter a todos as provas independente da pós graduação. SOCIEDADE BRASILEIRA DE CITOLOGIA CLÍNICA REGULAMENTO PARA 19º CONCURSO PARA CONCESSÃO DE TÍTULO DE ESPECIALISTA EM CITOLOGIA CLÍNICA 16º Congresso Brasileiro de Citologia Clinica MERCURE MAR HOTEL - RECIFE-

Leia mais

TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE

TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE Quais as principais doenças da próstata? Que tratamentos existem para estas doenças? Qual o melhor tratamento para o cancro da próstata? Esclareça todas as suas dúvidas

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO CANCER CERVICAL DE MANITOBA PAPA NICOLAU. Entenda os resultados

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO CANCER CERVICAL DE MANITOBA PAPA NICOLAU. Entenda os resultados PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO CANCER CERVICAL DE MANITOBA PAPA NICOLAU Entenda os resultados The Manitoba Cervical Cancer Screening Program is a program of Manitoba Health, managed by CancerCare Manitoba All

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

Unidade de cabeça e pescoço Actividade durante o ano de 2007

Unidade de cabeça e pescoço Actividade durante o ano de 2007 Unidade de cabeça e pescoço Actividade durante o ano de 2007 Hospital de S. Marcos Braga Departamento de Cirurgia. Serviço de Cirurgia I Director: Dr. A. Gomes Unidade de Cabeça e Pescoço Responsável:

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor Neoplasias Renais e das Vias Excretoras Dr.Daniel Bekhor CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Diagnóstico por imagem Neoplasias benignas Neoplasias malignas Sugestão de algoritmo de exames ANATOMIA Gore RM et al. The

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

29/10/09. E4- Radiologia do abdome

29/10/09. E4- Radiologia do abdome Radiologia do abdome 29/10/09 Milton Cavalcanti E4- Radiologia do abdome INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é uma das maiores causas de morte entre mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Leia mais

Rastreio em situações especiais Diretrizes Brasileiras, 2011

Rastreio em situações especiais Diretrizes Brasileiras, 2011 Gestantes; Pós-menopausa; Histerectomizadas; Mulheres sem história de atividade sexual; Imunossuprimidas. Gestantes Mesmo risco que não gestantes de apresentarem câncer do colo do útero ou seus precursores.

Leia mais

Caso Clínico/Case Report

Caso Clínico/Case Report Caso Clínico/Case Report Tumor mulleriano misto maligno uterino com metastização mamária: caso clínico Malignant mixed mullerian tumor of the uterus with breast metastasis: a case report Maria Geraldina

Leia mais

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável ANEXO I LISTA DAS DENOMINAÇÕES FORMAS FARMACÊUTICAS, DOSAGENS, VIA DE ADMINISTRAÇÃO DOS MEDICAMENTOS, DOS TITULARES DAS AUTORIZAÇÕES DE INTRODUÇÃO NO MERCADO NOS ESTADOS-MEMBROS 1 Medicamentos que contêm

Leia mais

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI T1 ALTO GRAU DOENCA AGRESSIVA 4ª Causa de Óbito oncológico Pouca melhora

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA Práticas do Técnico de Enfermagem no Atendimento ao Paciente Oncológico Tratamento Cirúrgico - Ginecologia Téc. de Enfermagem Juliana

Leia mais