Ordem dos Médicos Dentistas Lisboa - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ordem dos Médicos Dentistas Lisboa - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos"

Transcrição

1 Esta prova tem a duração de 30 minutos. O total das perguntas equivale a 20 valores. Marque com V/F (verdade ou falso) na folha de resposta. As respostas erradas descontam 25% do valor de cada resposta certa. NOME PROFISSIONAL: CP: 1. Das seguintes situações (leucoplasia, Síndrome de Plummer- Vinson, leucoedema, queilite actínica e eritroplasia), a menos provavelmente associada com um aumento de risco para cancro é o eritroplasia. Falso 2. Doentes imunodeprimidos (por exemplo submetidos a transplantes ou infetados pelo HIV) não têm maior incidência de cancro oral particularmente do lábio, estando este unicamente associado à exposição solar. Falso 3. Uma dieta com baixos níveis de vitaminas A e B e um baixo consumo de vegetais e frutas pode contribuir para o risco de cancro oral. Verdadeiro 4. Na população ocidental, embora muitos cancros orais possam surgir de novo, uma elevada proporção não é precedida por lesões clinicamente visíveis na mucosa oral (leucoplasias e eritroplasias). Falso 5. A localização mais frequente do carcinoma da cavidade oral é o dorso da língua que é também a localização mais comum das leucoplasias. Verdadeiro 6. Carcinomas de pequenas dimensões ( < de 1 cm) podem ser assintomáticos e descobertos em exames orais de rotina. Verdadeiro 7. Nos carcinomas da língua, a dor não é geralmente o primeiro sintoma. Falso 8. Uma biópsia incisional consiste na remoção de uma amostra representativa da lesão em causa, deixando intatos os tecidos adjacentes normais. Falso 9. Após a colheita de uma amostra de tecidos, a solução fixadora deve ser constituída por formol a 10% em soro fisiológico (também chamado formol salgado ou formalina a 10%) ou em alternativa álcool isopropílico, soro fisiológico ou água destilada. Falso 10. A amostra recolhida numa biópsia deve ir sempre com identificação do local onde foi colhida, mas sem a descrição clinica da lesão para não induzir o patologista no seu diagnóstico histológico. Falso Página 1 de 7

2 Caso Clínico - Em Março de 2010, uma mulher de 53 anos desenvolveu uma coloração negra da língua. Quatro semanas antes de suceder este episódio, a doente tinha sido submetida a uma cirurgia eletiva ginecológica, da qual ainda estava a recuperar em regime de internamento. A doente não fumava e tinha um grande consumo de cafeína (6 chávenas de chá e dois cafés por dia). Durante a sua estadia hospitalar efectuou um tratamento de 3 semanas com amoxicilina+ácido clavulânico e metronidazol por uma suspeita de infeção pélvica pós- operatória. (Esta questão foi publicada em: The Lancet, Early Online Publication, 25 March 2011). 11. O seu diagnóstico clinico de primeira escolha seria hemorragia submucosa por terapêutica anticoagulante. Falso 12. O seu diagnóstico clinico de primeira escolha seria língua pilosa negra. Verdadeiro Caso Clínico - Um jovem de 12 anos apresenta- se com febre, ulcerações orais extensas e alguma hemorragia gengival. Existem também algumas adenomegálias cervicais. A história clinica não apresenta nenhum dado relevante. 13. O diagnóstico mais provável será de infeção pelo vírus Herpes simplex pelo que o tratamento deve iniciar- se com um antifúngico. Falso 14. O diagnóstico mais provável será de infeção pelo vírus Herpes simplex pelo que o tratamento deve ser sintomático. Verdadeiro 15. O diagnóstico mais provável será de infeção por Candida pelo que o tratamento deve iniciar- se com um antifúngico. Falso Caso Clínico - Mulher de 55 anos apresentando- se com uma úlcera com 5 mm de diâmetro, no 1/3 anterior, bordo lateral da língua, que não cicatriza há 3 meses. A úlcera também não regrediu com medidas locais aplicadas pelo Médico Dentista. 16. A principal suspeita no diagnóstico é de úlcera oral recorrente. Falso 17. Se suspeitarmos de um carcinoma da língua o passo diagnóstico será uma citologia exfoliativa por ser uma técnica não invasiva. Falso 18. Ou pelo contrário preconizamos de imediato uma biópsia incisional. Falso 19. O fator mais significativo afetando o prognóstico em doentes com carcinoma intra- oral é a presença ou ausência de metástases. Verdadeiro Página 2 de 7

3 20. A eritroplasia é a lesão pré- maligna ou potencialmente maligna mais comum na cavidade oral. Falso 21. Os vírus do papiloma humano (VPH 16 e 18) têm sido associados com o cancro da cavidade oral e existe atualmente uma vacina para estes dois subtipos. Verdadeiro 22. O diagnóstico diferencial da leucoplasia inclui o líquen plano oral reticular ou em placa, as lesões traumáticas ou friccionais e o nevus branco esponjoso, entre outras. Verdadeiro 23. O diagnóstico diferencial da leucoplasia inclui ainda lesões intraorais de lúpus, mucocelos, hemangiomas e lesões bilaterais de líquen plano oral ulcerativo/erosivo. Falso 24. O grau de displasia (ligeira, moderada ou grave) de uma leucoplasia não influencia na decisão sobre a abordagem terapêutica desta lesão. Verdadeiro 25. A leucoplasia proliferativa verrucosa, pela sua rápida evolução tem maior potencial de malignização do que outras lesões de leucoplasia. Verdadeiro 26. A dimensão das lesões não é patognomónico relativamente ao potencial de malignidade das eritroplasias Verdadeiro 27. De um modo geral, com uma filosofia de diagnóstico precoce presente, qualquer lesão branca ou vermelha isolada que não desapareça após duas semanas ou entre em resolução (espontaneamente ou após qualquer tratamento) após o mesmo período, deve ser reavaliada e considerada candidata a biópsia de forma a obter- se um diagnóstico definitivo. Verdadeiro 28. Qualquer lesão na cavidade oral, de origem traumática, com dimensão superior a 1 cm deve ser biopsada. Falso 29. A taxa de sobrevivência de lesões malignas localizadas, na altura do diagnóstico é de cerca de 80%, no entanto, também com carcinomas metastizados, a taxa de sobrevivência mantem- se muito elevada. Falso 30. Segundo o International Head and Neck Cancer Epidemiology Consortium, ao contrário do tabaco, comprovadamente um importante fator etiológico do cancro da cavidade oral, o álcool, em não fumadores, só está associado a um maior risco de cancro da cabeça e do Página 3 de 7

4 pescoço quando consumido em quantidades elevadas (mais de 3 ou 4 bebidas por dia) e só se encontra esta associação para os cancros da orofaringe, hipofaringe e laringe, mas não para o cancro oral. Verdadeiro 31. A prevalência de cancro oral tem diminuído nos indivíduos do sexo feminino. Falso 32. O cancro oral é mais frequente acima da 4ª década de vida. Verdadeiro 33. O rácio (homem/mulher) de incidência do cancro oral é de 1:2. Falso No que diz respeito ao vírus do papiloma humano (HPV) e sua associação ao risco de desenvolvimento de cancro oral: 34. O comportamento sexual dos indivíduos influencia o risco. Verdadeiro 35. Os carcinomas orais associados à infeção por HPV são mais frequentes no bordo da língua e palato mole. Falso 36. Os carcinomas orais associados à infeção por HPV ocorrem mais frequentemente em doentes sem os fatores de risco tradicionais (tabaco e álcool) e em faixas etárias mais jovens. Verdadeiro 37. As leucoplasias benignas podem ser removidas por raspagem com uma compressa originando uma mucosa hemorrágica. Falso 38. O potencial maligno de uma eritroplasia é superior ao potencial maligno de uma leucoplasia. Verdadeiro 39. As leucoplasias quanto ao seu aspeto clínico dividem- se em homogéneas e não homogéneas. Verdadeiro 40. Uma úlcera localizada no bordo da língua, dolorosa, com limites irregulares e bordos endurecidos pode corresponder a uma lesão de etiologia traumática. Verdadeiro 41. O facto de um doente ter tido um cancro oral aumenta o risco de desenvolver um segundo carcinoma. Verdadeiro 42. O cancro oral raramente invade estruturas locais e metastiza por via hematogénica. Falso 43. Apenas os tumores classificados como T3 e T4, segundo a classificação TNM, cursam com sintomatologia álgica. Falso Página 4 de 7

5 44. Apesar de o consumo de álcool aumentar o risco de desenvolvimento de carcinoma da cavidade oral o seu consumo associado ao consumo de tabaco não atua como fator potenciador do risco. Falso 45. O cancro do lábio não está associado à exposição a radiação actínica. Falso 46. Segundo a classificação dos tumores malignos da UICC (UICC, 2002), um tumor no estadio 1 corresponde a um T1N0M0. Verdadeiro 47. Segundo a mesma classificação um T2NXMX é um tumor entre 2 e 4 cm na sua maior dimensão, sem metastização para os gânglios linfáticos regionais e sem metastização á distância. Falso 48. Doentes com epidermólise bolhosa, um grupo de doenças crónicas da pele e membranas mucosas que se caracteriza pelo desenvolvimento de bolhas em resultado de traumatismos menores, devem ser monitorizados regularmente em consultas de medicina dentária mas não pelo facto de serem considerados um grupo de risco para o cancro da cavidade oral. Falso 49. Todas as lesões ulcerativas oral de etiologia pouco clara tem indicação para biópsia. Falso 50. A incisão a efetuar numa biópsia incisional deve ser elíptica em extensão e em forma de cunha em profundidade tentando obter tecido são em ambos os eixos. Verdadeiro 51. A área da cavidade oral a ser submetida a biopsia não deve ser condicionada com soluções iodadas. Verdadeiro 52. A citologia oral apresenta a mesma sensibilidade para diagnóstico de lesões potencialmente malignas e malignas orais como a biopsia de tecido. Falso 53. A biopsia é mandatória em lesões orais potencialmente malignas. Verdadeiro 54. Uma lesão ulcerada de 4 mm em que exista uma forte suspeita de malignidade deve ser submetida a biopsia incisional. Falso 55. De um modo geral, as incisões para biopsia de tecidos moles da cavidade oral devem ser elípticas por forma a facilitarem a sutura da ferida. Verdadeiro 56. A anestesia infiltrativa para a realização de uma biopsia de uma lesão no pavimento bucal, deverá ser feita utilizando um anestésico local sem vasoconstritor, devido ao elevado risco de toxicidade sistémica. Falso Página 5 de 7

6 57. De um modo geral, um fio de sutura de seda 3.0 ou 4.0, constitui uma boa opção para o encerramento de feridas cirúrgicas decorrentes de biopsias orais. Verdadeiro 58. As amostras excisadas devem ser incluídas em agentes fixadores, designadamente soluções de formol a 20%. Falso 59. Nas biopsias incisionais, as amostras deverão ser representativas da lesão, isto é, deverão incluir tecido necrótico, sendo dispensável a inclusão de tecido livre de lesão. Falso 60. As biopsias incisionais estão contra- indicadas em lesões vasculares (risco de hemorragia) e em lesões compatíveis com melanomas (risco de metástase). Verdadeiro 61. Não devemos informar o doente sobre possíveis resultados de uma biopsia de forma a não o assustar. Falso 62. A biópsia com bisturi é a técnica de eleição e com menos limitações para o diagnóstico efetivo de lesões malignas da cavidade oral. Verdadeiro 63. Os gânglios mais frequentemente invadidos e aumentados de volume no carcinoma pavimento celular da cavidade oral são os gânglios jugulo- digástricos. Verdadeiro 64. As biopsias da cavidade oral devem ser preferencialmente excisionais. Falso 65. A biopsia deverá se possível envolver o limite macroscópico do tumor envolvendo a frente tumoral. Verdadeiro 66. O Consentimento Informado só é válido se for apresentado ao paciente e subscrito pelo próprio no formato escrito. Falso 67. A interpretação pelo Médico Dentista dos Exames Complementares de Diagnóstico deve fazer, sempre, parte do Ficheiro Clínico. Verdadeiro 68. Na relação Médico Dentista - Doente de médio envolvimento a capacidade do Médico Dentista na tomada de decisões relativamente aos processo de intervenção clínica não deve ser posta em causa por parte do doente, uma vez que, o mesmo (doente) deve participar no processo conducente à tomada de decisão. Verdadeiro 69. A Autonomia, na perspetiva do principalismo bioético de Beauchamp e Childress, está subjacente apenas aos conceitos de veracidade e de privacidade para com o doente. Falso Página 6 de 7

7 70. Existe uma Deliberação do Conselho Deontológico e de Disciplina da OMD que, para qualquer atividade de rastreio deve o médico dentista respeitar as regras dos princípios éticos da beneficência, autonomia, não maleficência e justiça e demais regras e procedimentos estabelecidos no âmbito da promoção da saúde pública comunitária. Verdadeiro Página 7 de 7

Ordem dos Médicos Dentistas Porto - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos

Ordem dos Médicos Dentistas Porto - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos Esta prova tem a duração de 30 minutos Marque com V/F (verdade ou falso) na folha de resposta. O total das perguntas equivale a 20 valores. As respostas erradas descontam 25% do valor de cada resposta

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas É a neoplasia mais freqüente da cabeça e pescoço 90% dos casos é por Carcinoma epidermóide

Leia mais

AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS

AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS Curso: Odontologia 5º Período Disciplina: Patologia Oral e Maxilofacial DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS

Leia mais

Prevenção do Câncer Bucal

Prevenção do Câncer Bucal CÂNCER BUCAL Câncer: conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS Curso: Graduação em Odontologia 4º e 5º Períodos Disciplina: Patologia Oral DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DOENÇAS AUTO-IMUNES

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR

PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CREO CISAMUSEP 1. PRÓTESE 2. ENDODONTIA 3. PERIODONTIA 4. CIRURGIA ORAL MENOR 5. PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS 6. ORTOPEDIA FUNCIONAL DOS MAXILARES

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo

Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo Cirurgia I Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Docente: Profª Isabel Fonseca Data: 16/12/2010 Número da Aula Previsto: 14ª Desgravador: Corrector: Teresa Estevens Índice de Conteúdos EXAME EXTEMPORÂNEO

Leia mais

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009 A Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO 2009 Sofia Raposo e Carlos Freire de Oliveira O estadiamento dos cancros é preconizado com o intuito de permitir uma comparação válida dos resultados entre

Leia mais

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO Introdução A atuação da Fonoaudiológica veio a preencher uma importante lacuna no campo hospitalar. Principalmente na área oncológica ela é relativamente

Leia mais

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial.

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial. Tipos de Câncer Saber identifi car sinais é essencial. O QUE É CÂNCER É uma doença cuja característica principal é o crescimento acelerado e desordenado das células, as quais têm grande potencial para

Leia mais

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia OROFARINGE Os tumores de cabeça e de pescoço totalizam 4,5% dos casos de diagnósticos de câncer. Uma importante fração dos tumores malignos da região da cabeça e pescoço se localiza primeiramente na orofaringe.

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Patologia Bucal Prof. Patrícia Cé No organismo, verificam-se formas de crescimento celular controladas e não controladas. A hiperplasia,

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013 NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR diagnóstico e conduta RIO DE JANEIRO 2013 A NIV aumentou em 4 vezes nos EUA entre 1973 e 2000 A regressão da NIV existe O câncer invasor está presente em 3% das mulheres

Leia mais

118 Paraíba. De todas as doenças que atingiram. Uma das Maiores Prevalências de Câncer Bucal da Federação Brasileira

118 Paraíba. De todas as doenças que atingiram. Uma das Maiores Prevalências de Câncer Bucal da Federação Brasileira 118 Paraíba Uma das Maiores Prevalências de Câncer Bucal da Federação Brasileira zxz Rosimar de Castro Barreto 1, Marcos Farias de Paiva 2, Giuseppe A. S. Pereira 3 e Joni M. S. Oliveira 4 1, 2 e 3 Professores

Leia mais

Dermatoses Pre-cancerosas

Dermatoses Pre-cancerosas Capítulo 14: Dermatoses Pre-cancerosas página: 434 Dermatoses Pre-cancerosas página: 435 Ceratoses actínicas Placas em relevo, eritematosas e bem delimitadas, cuja superfície rugosa está coberta de escamas

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER

SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER Estrutura deste E-book SINAIS DE ALARME? REMOVA ESSA PREOCUPAÇÃO 2 SINAIS PERIGOSOS ATENÇÃO! 3 QUE TIPO DE SINAIS É PRECISO VIGIAR COM MAIS ATENÇÃO? 3 QUAIS

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Cancro do colo do útero Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Bibliografia Parceiros de informações Introdução O cancro

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

Tumores Benignos e Malignos de Esôfago

Tumores Benignos e Malignos de Esôfago Tumores Benignos e Malignos de Esôfago Isabel Fonseca Santos - R1 Gastroenterologia UFRJ Lesões Benignas Frequentemente assintomáticas, sendo achado incidental da EDA. Sintomas: o o o o o o o disfagia

Leia mais

Tipos de tumores cerebrais

Tipos de tumores cerebrais Tumores Cerebrais: entenda mais sobre os sintomas e tratamentos Os doutores Calil Darzé Neto e Rodrigo Adry explicam sobre os tipos de tumores cerebrais. CONTEÚDO HOMOLOGADO "Os tumores cerebrais, originados

Leia mais

Câncer. Claudia witzel

Câncer. Claudia witzel Câncer Claudia witzel Célula Tecido O que é câncer? Agente cancerígeno Órgão Célula cancerosa Tecido infiltrado Ozana de Campos 3 ESTÁGIOS de evolução da célula até chegar ao tumor 1 Célula 2 Tecido alterado

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores.

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores. O que é um eco- doppler? O eco- doppler, ultrassonografia vascular ou triplex- scan é um método de imagem que se baseia na emissão e reflecção de de ondas de som (ultra- sons). Através deste exame é possível

Leia mais

Câncer de Pele. Os sinais de aviso de Câncer de Pele. Lesões pré câncerigenas. Melanoma. Melanoma. Carcinoma Basocelular. PEC SOGAB Júlia Käfer

Câncer de Pele. Os sinais de aviso de Câncer de Pele. Lesões pré câncerigenas. Melanoma. Melanoma. Carcinoma Basocelular. PEC SOGAB Júlia Käfer Lesões pré câncerigenas Os sinais de aviso de Câncer de Pele Câncer de Pele PEC SOGAB Júlia Käfer Lesões pré-cancerosas, incluindo melanoma, carcinoma basocelular e carcinoma espinocelular. Estas lesões

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis SLIDE 1 Introdução do trabalho: Bom dia, estamos aqui para falar a cerca das infeções sexualmente transmissíveis, os problemas associados e o modo

Leia mais

Derrotar o cancro do útero

Derrotar o cancro do útero Portuguese translation of Beating cervical cancer The HPV vaccine questions and answers for parents of girls in Year 9 Derrotar o cancro do útero A vacina HPV perguntas e respostas para os pais de jovens

Leia mais

Fonoaudiologia Oncológica Introdução

Fonoaudiologia Oncológica Introdução Fonoaudiologia Oncológica Introdução M.Sc. Profª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar da UVA Chefe da Equipe

Leia mais

Marcelo c. m. pessoa

Marcelo c. m. pessoa Marcelo c. m. pessoa CRM 52670502 CIRURGIA PLASTICA INFORMAÇÕES SOBRE TRATAMENTO MÉDICO-ESPECIALIZADO SOLICITAÇÃO E AUTORIZAÇÃO PARA TRATAMENTO Eu, identidade número expedida por, solicito e autorizo ao

Leia mais

GRANULOMA PIOGÊNICO: RELATO DE CASO CLÍNICO PYOGENIC GRANULOMA: CASE REPORT

GRANULOMA PIOGÊNICO: RELATO DE CASO CLÍNICO PYOGENIC GRANULOMA: CASE REPORT 12 GRANULOMA PIOGÊNICO: RELATO DE CASO CLÍNICO PYOGENIC GRANULOMA: CASE REPORT RESUMO Sérgio Herrero MORAES 1 Gabriela F. MORAES 2 Júlia DURSKI 3 Flávio Luiz VIERO 4 Débora D. da Silva MEIRA 5 Maria Eugênia

Leia mais

BROCHURA para o DOENTE com ARTRITE IDIOPÁTICA JUVENIL POLIARTICULAR (AIJp) em TRATAMENTO com RoACTEMRA

BROCHURA para o DOENTE com ARTRITE IDIOPÁTICA JUVENIL POLIARTICULAR (AIJp) em TRATAMENTO com RoACTEMRA BROCHURA para o DOENTE com ARTRITE IDIOPÁTICA JUVENIL POLIARTICULAR (AIJp) em TRATAMENTO com RoACTEMRA Esta brochura fornece informação de segurança importante para o doente com AIJp e para os seus pais/responsáveis

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS Fernando da Rocha Camara Quando discuto com meus alunos no curso de medicina, medidas para prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DST), excluímos a abstinência

Leia mais

Dossier Informativo. Osteoporose. Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal

Dossier Informativo. Osteoporose. Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal Dossier Informativo Osteoporose Epidemia silenciosa que afecta 800.000 pessoas em Portugal 2008 1 Índice 1. O que é a osteoporose? Pág. 3 2. Factores de risco Pág. 4 3. Prevenção Pág. 4 4. Diagnóstico

Leia mais

NEOPLASIA DE ESÔFAGO. Rodrigo Bordin Trindade

NEOPLASIA DE ESÔFAGO. Rodrigo Bordin Trindade NEOPLASIA DE ESÔFAGO Rodrigo Bordin Trindade INTRODUÇÃO HISTOLOGIA Ca de esôfago 3ª malignidade do TGI Entre os 10 mais prevalentes no mundo Taxa de sobrevida em 5 anos 57-78% para diagnóstico precoce

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Diagnóstico e Tratamento dos Tumores Cutâneos em Cabeça e Pescoço F R A N C I S C O B O M F I M J U N I O R

Diagnóstico e Tratamento dos Tumores Cutâneos em Cabeça e Pescoço F R A N C I S C O B O M F I M J U N I O R Diagnóstico e Tratamento dos Tumores Cutâneos em Cabeça e Pescoço F R A N C I S C O B O M F I M J U N I O R CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO DEZEMBRO 2011 HUWC Introdução Pele : maior órgão humano e principal

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE PÊNIS.

CARACTERÍSTICAS E PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE PÊNIS. CARACTERÍSTICAS E PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE PÊNIS. Kamylla Sejane Pouso Freitas; Ângela karina da Costa Silva; Arinah Lopes; Núbia Aguiar Marinho; Mônica de Oliveira Santos (mosbio@hotmail.com) FACULDADE

Leia mais

Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT. Importância da Campanha de. Nova Olímpia MT.

Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT. Importância da Campanha de. Nova Olímpia MT. Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT Importância da Campanha de câncer bucal no Município de Nova Olímpia MT. Autores: - CD Fabrício Galli e - CD Michelle Feitosa Costa. Com

Leia mais

Oncologia. Oncologia. Oncologia 16/8/2011 PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS. Patologia. Onkos tumor. Logia estudo

Oncologia. Oncologia. Oncologia 16/8/2011 PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS. Patologia. Onkos tumor. Logia estudo PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS Onkos tumor Logia estudo Oncologia - Estudo das neoplasias em toda sua extensão, investigando o processo patológico desordenado e incontrolável de proliferação

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11. São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11. São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 11 QUESTÃO 17 São estruturas que emergem do crânio pelo forame jugular, EXCETO: a) nervo vago. b) nervo acessório. c) nervo hipoglosso. d) veia jugular interna.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Exame Papanicolaou. Câncer do Colo do Útero. Resultados.

PALAVRAS-CHAVE Exame Papanicolaou. Câncer do Colo do Útero. Resultados. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

Patrícia dos Santos Pereira

Patrícia dos Santos Pereira Patrícia dos Santos Pereira AVALIAÇÃO DO PERFIL DE REFERENCIAÇÃO DOS DOENTES COM NEOPLASIA ORAL PARA O INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DO PORTO NO ANO 2013 Universidade Fernando Pessoa Faculdade Ciências

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Autor : Dr André Hamada medico assistente do Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal

Autor : Dr André Hamada medico assistente do Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal TUMORES INTRA OCULARES Autor : Dr André Hamada medico assistente do Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal Melanoma maligno de coróide Composto de células epitelióides e fusiformes A e B 1: 1 milhão USA

Leia mais

E R R E C B N Â C SOR FALAS O VAM

E R R E C B N Â C SOR FALAS O VAM VAMOS FALAR SOBRE CÂNCER Câncer O que é? O câncer tem como principal característica o crescimento desordenado das células do corpo. O que diferencia os tipos de câncer, entre maligno e benigno, é a velocidade

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EMPREGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica. Flexão do substantivo (gênero masculino e

Leia mais

Câncer de Pele. Faculdade de Medicina UFC. Catharine Louise Melo Araújo

Câncer de Pele. Faculdade de Medicina UFC. Catharine Louise Melo Araújo Câncer de Pele Faculdade de Medicina UFC Catharine Louise Melo Araújo Data: 25/10/2011 Camadas da Pele Câncer de Pele Os carcinomas cutâneos são as neoplasias malignas mais comuns. O principal fator para

Leia mais

Esses vírus foram reconhecidos como causas de cânceres humanos, especialmente de câncer de cérvice-uterina.

Esses vírus foram reconhecidos como causas de cânceres humanos, especialmente de câncer de cérvice-uterina. Segunda-feira, 4 de dezembro de 2006. Profa. Sônia. HPVs Papillomavirus humanos Esses vírus foram reconhecidos como causas de cânceres humanos, especialmente de câncer de cérvice-uterina. Introdução Anualmente

Leia mais

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico Infecciosa Auto-imune Traumática Evidência Clínica Inicialmente, vesículas ou bolhas, na pele ou mucosa, podendo ocorrer concomitantemente nessas regiões. Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

Alterações da normalidade podem ocorrer nos tecidos orais, sendo necessário

Alterações da normalidade podem ocorrer nos tecidos orais, sendo necessário ARTIGO ORIGINAL Conhecimento e importância atribuída a conteúdos curriculares de Patologia Oral por estudantes de Odontologia e cirurgiões-dentistas Knowledge and importance attached to curricular contents

Leia mais

workshop» tratamento de feridas

workshop» tratamento de feridas workshop» tratamento de feridas protocolos de orientação no tratamento de feridas vila real 2014 índice 00.1» introdução protocolo 01» ferida hemorrágica protocolo 02» ferida com tecido de granulação não

Leia mais

Acção de Sensibilização Demência. Prevenção Clinica

Acção de Sensibilização Demência. Prevenção Clinica Acção de Sensibilização Demência Prevenção Clinica Mitos sobre o Envelhecimento... Mito 1: A maioria é senil ou tem demência Facto: Menos de 20% tem limitações consideráveis da memória Mito 2: A maioria

Leia mais

O QUE ESPERAR DA CONSULTA

O QUE ESPERAR DA CONSULTA Manual do Paciente Manual do paciente O QUE ESPERAR DA CONSULTA O sucesso e a segurança do procedimento cirúrgico dependem de sua sinceridade durante a consulta. Você será questionado sobre sua saúde,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 QUESTÃO 26 Todas as estruturas descritas abaixo estão no Canal Anal, EXCETO: a) Criptas Anais. b) Linha Denteada. c) Colunas de Morgani. d) Valva inferior de Houston. QUESTÃO

Leia mais

Modelagem Fuzzy para Predizer os Riscos de Recidiva e Progressão de Tumores Superficiais de Bexiga

Modelagem Fuzzy para Predizer os Riscos de Recidiva e Progressão de Tumores Superficiais de Bexiga Biomatemática 2 (2), ISSN 679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Modelagem Fuzzy para Predizer os Riscos de Recidiva e Progressão de Tumores Superficiais de Bexiga Kenia D. Savergnini,

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO CÂNCER BUCAL

PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO CÂNCER BUCAL PROGRAMA DE PREVENÇÃO AO CÂNCER BUCAL MARINHA DO BRASIL ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA PROTOCOLO PARA EXAMES PREVENTIVOS DE DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS E MALIGNAS DA CAVIDADE BUCAL 1- PROPÓSITO

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO CANCER CERVICAL DE MANITOBA PAPA NICOLAU. Entenda os resultados

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO CANCER CERVICAL DE MANITOBA PAPA NICOLAU. Entenda os resultados PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO CANCER CERVICAL DE MANITOBA PAPA NICOLAU Entenda os resultados The Manitoba Cervical Cancer Screening Program is a program of Manitoba Health, managed by CancerCare Manitoba All

Leia mais

EXAMES COMPLEMENTARES EXAMES DE IMAGEM

EXAMES COMPLEMENTARES EXAMES DE IMAGEM EXAMES COMPLEMENTARES Os exames complementares fornecem informações necessárias para a realização do diagnóstico de uma determinada alteração ou doença. Vale ressaltar que a realização ou solicitação de

Leia mais

Atlas de Oftalmologia 9. TUMORES. António Ramalho

Atlas de Oftalmologia 9. TUMORES. António Ramalho 9. TUMORES 1 9 - TUMORES Nevo coróide É o tumor mais comum da úvea. Benigno. Início muito cedo na vida. Cresce lentamente durante a puberdade. Alguns podem sofrer degenerescência maligna. SINTOMAS: Assintomático.

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

ST. James s University Hospital; Leeds; England. Radiology Agosto de 2001

ST. James s University Hospital; Leeds; England. Radiology Agosto de 2001 TÍTULO ESTENOSES DO CÓLON SIGMOIDE: AVALIAÇÃO EM CLÍSTER DUPLO COTRASTE. AUTORES F Anthony Blakeborough; F Anthony H. Chapman; F Sarah Swift; F Gary Culpan. INSTITUIÇÃO ST. James s University Hospital;

Leia mais

Paulo Moita Macedo Ministro da Saúde GRUPO DE TRABALHO DA OMD ANTÓNIO MANO AZUL JOSÉ FRIAS BULHOSA PAULO RIBEIRO DE MELO PEDRO FERREIRA TRANCOSO

Paulo Moita Macedo Ministro da Saúde GRUPO DE TRABALHO DA OMD ANTÓNIO MANO AZUL JOSÉ FRIAS BULHOSA PAULO RIBEIRO DE MELO PEDRO FERREIRA TRANCOSO GUIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE INTERVENÇÃO PRECOCE NO CANCRO ORAL Paulo Moita Macedo Ministro da Saúde O Projeto de Intervenção Precoce no Cancro Oral constitui um novo passo em frente na estratégia

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

Papiloma Vírus Humano - HPV

Papiloma Vírus Humano - HPV VACINAÇÃO HPV 2015 Papiloma Vírus Humano - HPV O vírus HPV é altamente contagioso, sendo possível contaminar-se com uma única exposição. A sua transmissão se dá por contato direto com a pele ou mucosa

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

HPV e Câncer Cervical. Brunna L. Misael Alves Programa de Oncovirologia Departamento de Genética

HPV e Câncer Cervical. Brunna L. Misael Alves Programa de Oncovirologia Departamento de Genética HPV e Câncer Cervical Brunna L. Misael Alves Programa de Oncovirologia Departamento de Genética Epidemiologia da infecção pelo HPV no mundo 600 11,4% milhões das mulheres de pessoas com infectadas citologia

Leia mais

TUMORES CERVICAIS GIGANTES, NO PERIODO NEONATAL CAUSAS CIRÚRGICAS E TRATAMENTO

TUMORES CERVICAIS GIGANTES, NO PERIODO NEONATAL CAUSAS CIRÚRGICAS E TRATAMENTO 1 TUMORES CERVICAIS GIGANTES, NO PERIODO NEONATAL CAUSAS CIRÚRGICAS E TRATAMENTO RESUMO Os autores apresentam uma série de patologias do ponto de vista cirúrgico, as quais entram no diagnóstico diferencial

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida : Maria Angela M. Mimura As alterações e patologias apresentadas no caso de Dona Margarida são diversas e de etiologias diferentes, portanto serão tratadas por itens de modo

Leia mais

Prolapso dos Órgãos Pélvicos

Prolapso dos Órgãos Pélvicos Prolapso dos Órgãos Pélvicos Autor: Bercina Candoso, Dra., Ginecologista, Maternidade Júlio Dinis Porto Actualizado em: Julho de 2010 No prolapso dos órgãos pélvicos, a vagina e os órgãos adjacentes, uretra,

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Gustavo Rêgo Coêlho (TCBC) Serviço de Cirurgia e Transplante de Fígado Hospital das Clínicas - UFC Tumores Cís+cos do Pâncreas Poucos tópicos

Leia mais

OTORRINOLARINGOLOGIA

OTORRINOLARINGOLOGIA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO MÉDICA Presidente da Direcção Prof. A. Matos-Ferreira Secretário-Geral Prof. L. Campos Pinheiro Director Prof. A. Galvão-Teles Curso Teórico-Prático Patologia Oral Doenças, síndromas,

Leia mais

Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral

Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral Sinonímia Alterações Herdadas e Congênitas Defeitos de Desenvolvimento da Região Maxilofacial e Oral Doença Hereditária: é um desvio da normalidade transmitidos por genes e que podem estar presentes ou

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins DOENÇAS DA PRÓSTATA P/ Edison Flávio Martins PRÓSTATA NORMAL Peso: 15 a 20 gr Localização: Abaixo da bexiga Atravessada pela uretra Função: Reprodutiva DOENÇAS DA PRÓSTATA Infecção: Prostatite aguda e

Leia mais

LESÕES POTENCIALMENTE MALIGNAS: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL

LESÕES POTENCIALMENTE MALIGNAS: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL 1182 LESÕES POTENCIALMENTE MALIGNAS: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL Caroline Ferreira1; Maria Ramos2; 1. Bolsista FAPESB, Graduanda do curso de Odontologia, Universidade

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual .Leucoplasia: (grego: leuco = branco - plasis = formação) Transformação metaplásica do epitélio escamoso estratificado não ceratinizado consistindo em aumento das camadas de ceratina. Exemplos: mucosa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE DO ANO DE 2015 EDITAL N.º 1 COREMU/UFPA, DE 18/11/2014 18 de janeiro de 2015 Nome: N.º de Inscrição: BOLETIM DE QUESTÕES

Leia mais