Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo"

Transcrição

1 Cirurgia I Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Docente: Profª Isabel Fonseca Data: 16/12/2010 Número da Aula Previsto: 14ª Desgravador: Corrector: Teresa Estevens Índice de Conteúdos EXAME EXTEMPORÂNEO 2 BREVE NOTA HISTÓRICA 2 O QUE É O EXAME EXTEMPORÂNEO? 2 QUAIS SÃO OS OBJECTIVOS DO EXAME EXTEMPORÂNEO? 2 QUAIS SÃO AS VANTAGENS DE FAZER ESTE EXAME EM CONDIÇÕES INTRA-OPERATÓRIAS? 3 EXAME EXTEMPORÂNEO PARA DIAGNÓSTICO 3 TÉCNICAS 3 EXAME EXTEMPORÂNEO NAS NEOPLASIAS DA MAMA 4 O QUE É QUE UM PATOLOGISTA FAZ DURANTE O EXAME EXTEMPORÂNEO DE MAMA? 4 LESÕES INFRA-CLÍNICAS 5 GÂNGLIO LINFÁTICO SENTINELA 7 AVALIAÇÃO DE MARGENS E LIMITES CIRÚRGICOS INTRA-OPERATÓRIOS 7 EXAME EXTEMPORÂNEO PARA ESTADIAMENTO 8 NEOPLASIAS EPITELIAIS DO OVÁRIO 8 ADENOCARCINOMA DO ÚTERO 9 METÁSTASE CERVICAL-PRIMÁRIO OCULTO 10 NEOPLASIA DA LINHA MÉDIA 10 CONTRA-INDICAÇÕES E LIMITAÇÕES DO EXAME EXTEMPORÂNEO 11 Comissão de Curso 07/13 4º Ano Página 1 de 11

2 Cirurgia I Breve nota histórica Nesta aula vai-se falar sobre o que é o exame extemporâneo. A maior parte da actividade anatomo-patológica deriva muito da cirurgia, uma vez que os primeiros anatomo-patologistas eram cirurgiões com interesse em verificar mecanismos de doenças. Assim, até meados dos anos 60 do século passado, a maior parte dos patologistas tinham alguma formação cirúrgica e até se costumava dizer que os cirurgiões que não tinham jeito de mãos eram convidados a ir para anatomo-patologia. Era uma espécie de segunda opção para quem quisesse ter uma actividade cirúrgica. O que é o exame extemporâneo? O exame extemporâneo consiste numa avaliação anatomo-patológica realizada durante a cirurgia de modo a fornecer um diagnóstico ou informações sobre determinado tumor no decorrer do tempo intra-operatório. Dependente do resultado, o cirurgião poderá modificar a sua conduta a nível de tratamento, área de ressecção e adequar a quantidade de material a remover para posterior análise biopatológica. Este procedimento que tem vindo a perder importância progressivamente devido à introdução de novas técnicas de biópsia pré-operatória. Quais são os objectivos do exame extemporâneo? Fazer o diagnóstico intra-operatório, ou seja, circunstâncias em que os doentes estão anestesiados numa sala de operações e estão a ser objecto de um procedimento cirúrgico seja ele qual for; Fazer o estadiamento; Avaliação de limites cirúrgicos. Comissão de Curso 07/13 4º Ano Página 2 de 11

3 Quais são as vantagens de fazer este exame em condições intraoperatórias? Diminui-se ou retira-se a necessidade de uma segunda anestesia; Reduz-se muito o tempo de internamento do doente; O doente quando acorda já tem informação sobre aquilo que aconteceu durante a cirurgia e, portanto, os níveis de ansiedade em relação a algumas dúvidas reduzem exponencialmente. para diagnóstico Hoje em dia é extremamente raro que seja necessário o diagnóstico intra-operatório, sendo muito poucos os doentes que vão para a sala de operações sem terem o diagnóstico feito das lesões que têm, tanto imagiológico como histológico. Isto porque mesmo lesões profundas (por exemplo, um nódulo do pulmão numa localização profunda de difícil acesso para se fazer uma biópsia ou uma citologia aspirativa) são situações raras em que não existe já um diagnóstico e que provavelmente um radiologista experiente já tinha dito o que era com grande facilidade. Por isso, hoje em dia a quantidade de exames extemporâneos que é pedido com o objectivo de diagnóstico será cerca de 1 em cada 100 exames realizados. Técnicas Corte por congelação : a peça cirúrgica removida sofre rápido congelamento (por jacto de dióxido de carbono, azoto ou pela utilização de criostatos) que permite reduzir muito o tempo de fixação comparativamente a outras técnicas. Após o congelamento, é colocada num micrótomo que permite cortes finos transversais. Este procedimento possibilita que o patologista faça um exame em pouco tempo. A colheita Comissão de Curso 07/13 4º Ano Página 3 de 11

4 Cirurgia I de tecido deve ser feita por um anatomo-patologista na sala de operações, tendo como objectivo a armazenagem de tecido em condições óptimas - o tecido é congelado a -80 ºC, o que permite técnicas que não podem ser utilizadas em tecidos fixados em formol. Punção aspirativa por parafina nas Neoplasias da Mama As situações mais frequentes da chamada do patologista à sala de operações são as neoplasias malignas da mama. Hoje em dia é regra e boa prática que todas as doentes que chegam ao bloco operatório tenham diagnóstico feito porque a mama é um órgão superficial, existem agulhas de biópsia e agulhas de citologia aspirativa. É no entanto necessário lembrar que determinadas situações são realmente extemporâneas, ou seja, há casos nos quais durante o acto operatório se encontram situações em que há surpresa total, mas isso hoje em dia é relativamente raro. O que é que um patologista faz durante o exame extemporâneo de mama? Em primeiro lugar, todos os doentes que são operados a neoplasias malignas da mama devem ter um patologista presente na sala, ou pelos menos nos arredores da sala; Avaliação de margens e limites cirúrgicos o Medição da distância entre a neoplasia e os limites cirúrgicos, sendo que a tumorectomia mamária (remoção do tumor e do tecido normal à volta) tem a forma de uma esfera, e portanto tem 6 margens; o Avaliação da totalidade da excisão e dos limites em que se pretende que a menor distância entre o limite da neoplasia e o limite da excisão seja superior a 1 cm (1 cm é o aceitável, o ideal Comissão de Curso 07/13 4º Ano Página 4 de 11

5 é que seja 1,5 a 2 cm, o que nem sempre é possível por razões relacionadas com a anatomia dos doentes e com a localização da lesão) Realização do exame extemporâneo do gânglio linfático sentinela: É um procedimento relativamente recente e ao consultar livros mais antigos verifica-se que antes realizava a Mastectomia Radical a Halsted, na qual, quando uma mulher ou um homem tinham um carcinoma da mama, se removia a totalidade da glândula mamária, os gânglios linfáticos axilares e eventualmente alguma parte dos músculos peitorais. Hoje em dia já não é assim, sendo que um estudo publicado há cerca de 10 anos conseguiu demonstrar vantagens de uma cirurgia com abordagem altamente conservativa. Verificou-se que era possível ter a mesma qualidade de tratamento com uma redução muito grande da quantidade de tecido removido, ou seja, não era necessário toda aquela mutilação, bastava fazer uma tumorectomia com excisão da lesão com 1 a 1,5 cm de tecido normal de margem livre, o que envolve um componente estético importantíssimo. Estes doentes neste momento podem fazer reconstrução mamária intra-operatória durante o procedimento cirúrgico. Lesões Infra-Clínicas Hoje em dia, grande parte da patologia maligna mamária não é diagnosticada pela auto-palpação, mas sim detectada através de rastreios e identificada por alterações radiográficas. As duas alterações mamográficas mais frequentes que condicionam uma série de procedimentos, nomeadamente a biópsia e a cirurgia, são as alterações do parênquima e a presença de microcalcificações. São lesões muito pequenas e são chamadas de lesões infra-clínicas, uma vez o doente está completamente assintomático e as lesões não são possíveis de identificar pelo exame objectivo. Comissão de Curso 07/13 4º Ano Página 5 de 11

6 Cirurgia I Assim as lesões infra-clínicas, como o próprio nome indica, têm uma complicação cirúrgica: não se vêem, nem se palpam. Portanto, durante o acto operatório o cirurgião não consegue localizar, palpar ou remover o tecido neoplásico que está à volta. Nestes casos, o que se faz é introduzir um arpão metálico, que no fundo é uma referência metálica, que é colocada na zona das microcalcificações, sob controlo mamográfico, sendo este procedimento realizado anteriormente ao acto cirúrgico, no doente acamado. Esta referência permite ao cirurgião localizar a lesão, que ao seguir ou ao dissecar o trajecto do arpão que posteriormente é removido, permite a excisão do tecido à sua volta. A peça removida terá que ser novamente radiografada e a ponta do arpão terá que ser verificada para averiguar se as microcalcificações estão a 1cm ou mais da excisão, para que depois se possa informar ao cirurgião se é necessário alargar a área de excisão e em que localização topográfica da mama deve ser feito esse alargamento. Não esquecer que mesmo o nódulo com 1 cm pode ser uma lesão infraclínica. Se a doente tiver uma mama muito grande e a lesão for profunda e encostada à aponevrose, esta não é palpável. Portanto, nem sempre as lesões infra-clínicas são distorções de parênquima e microcalcificações, podendo ser nódulos que não são passíveis de ser palpados no exame objectivo, seja por a mama ser muito grande, seja pela sua localização muito posterior. Novamente nestas circunstâncias, o que se faz é referenciar a lesão. Existem tumores que se vêem mal sobretudo porque em vez de serem neoplasias nodulares ou que têm uma distorção do parênquima, são neoplasias intra-ductais, ou seja, estão a crescer dentro dos ductos mamários normais. Isto condiciona a avaliação destas margens macroscopicamente, enquanto que se um nódulo ou se um carcinoma não tiver componente intraductal nós teremos limites bem-definidos. Nota: As referências intra-operatórias não têm critérios universais. No IPO, a peça cirúrgica é referenciada da seguinte maneira: o limite externo é delimitado com um fio com duas pontas iguais e o limite interno com um fio com uma ponta maior que a outra e um fio enrolado como medida de superior. Assim, conseguem-se identificar as 6 margens que são necessárias: a profunda, a superficial, a superior, a inferior, a externa e a interna. Pode ser referenciado pelo patologista que está na sala ou pode ser referenciado pelos cirurgiões. Comissão de Curso 07/13 4º Ano Página 6 de 11

7 Gânglio linfático sentinela Utilizando um corante que usualmente é o corante azul patente, tornase possível identificar os gânglios linfáticos de drenagem do território afectado (gânglios linfáticos axilares ou eventualmente a cadeia mamária interna), pois aqueles que drenam os primeiros gânglios ficam corados de azul. Estes gânglios são depois excisados e analisados microscopicamente num tempo posterior ao intra-operatório. É possível fazer o exame do gânglio linfático sentinela dentro do mesmo tempo operatório, o que é importante porque se esse gânglio tiver metástases de carcinoma, o doente vai ter de tirar os restantes gânglios axilares. Um gânglio sentinela sem patologia macroscópica pode ter patologia microscópica que é confirmada por análise histológica. Perante esta situação, deve-se ou não fazer um exame extemporâneo? Cada instituição tem os seus próprios critérios. No entanto, se há uma forte suspeita intra-operatória, se o cirurgião ao tirar o gânglio linfático sentinela o palpa como o mais firme ou lhe palpa um nódulo, torna-se necessário chamar o patologista para analisar o nódulo. Portanto, ou se processa a totalidade do gânglio e procede-se a um exame extemporâneo que poderá demorar entre 1 hora a 1 hora e meia ou o exame é realizado em diferido seguindo um protocolo de vários níveis de corte dentro do gânglio linfático, o que aumenta muito a probabilidade de encontrar uma metástase que num primeiro corte não se observou. A regra de ouro é os cirurgiões não tocarem nas peças operatórias excepto para as tirar do doente e pô-las em cima de uma mesa. A partir daí é trabalho do anatomo-patologista. Avaliação de margens e limites cirúrgicos intra-operatórios Os limites cirúrgicos são variáveis conforme a localização anatómica e as condições anatómicas do local em que a lesão se encontra. Admite-se, por exemplo, um limite cirúrgico de 5 mm na laringe, enquanto que na língua por Comissão de Curso 07/13 4º Ano Página 7 de 11

8 Cirurgia I exemplo deverá ser de 1 cm. Em determinadas localizações anatómicas complexas nem sempre é possível obter os limites ideais de 1,5-2 cm, sendo que o doente passa a ter provavelmente indicação para fazer radioterapia. Alguns dos locais com anatomia complexa são a região da cabeça e do pescoço, cavidade oral, laringe, entre outros. Daí a importância da avaliação de margens ser feita com extremo cuidado e muitas vezes implicar a presença de um patologista num exame extemporâneo. A margem cirúrgica não se trata apenas de uma margem livre de doença, tendo que ser definida como sendo normal. A displasia ligeira, ou seja, uma alteração ligeira da arquitectura normal de um tecido ainda pode ser considerada uma margem livre em algumas circunstâncias, nomeadamente na laringe. Caso se identifique um carcinoma in situ, por exemplo, ou uma displasia moderada ou grave, essa margem não é considerada própria, não é considerada uma margem livre. Portanto, é necessário fazer o corte de congelação para ter informação completa da histologia da lesão. Uma situação que acontece histologicamente nos limites cirúrgicos das mucosas é ocorrer o efeito de cautério pela utilização do canivete eléctrico. O tecido fica completamente queimado pelo canivete eléctrico e torna-se impossível distinguir com precisão as margens livres das que não são. Outro exemplo de falha na avaliação macroscópica dos tecidos são as situações de invasão vascular, cuja análise histológica requer um patologista treinado e experiente. para estadiamento Neoplasias Epiteliais do Ovário As neoplasias epiteliais do ovário podem ser benignas, borderline ou malignas, sendo que as duas últimas situações são de estadiamento obrigatório. É importante fazer a distinção do tipo histológico da neoplasia do ovário (epitelial mucinosa, epitelial serosa, ) porque nem todos os estadiamentos Comissão de Curso 07/13 4º Ano Página 8 de 11

9 são iguais. O estadiamento peritoneal consiste em realizar uma biópsia da cavidade peritoneal para ver se há infiltração e remover o epiploon por razões associadas à radioterapia. Quando as neoplasias são mucinosas, é necessário retirar o apêndice porque existe o risco de doentes com neoplasias mucinosas do ovário desenvolverem um pseudomixoma peritoneal. O pseudomixoma peritoneal é uma doença gravíssima em que a cavidade peritoneal se enche de muco que pode ou não ter células. Esta doença tem origem frequente em neoplasias mucisosas do apêndice, neoplasias mucinosas do ovário e eventualmente em neoplasias mucinosas do cólon. Portanto, quando se identifica uma neoplasia mucinosa no ovário é crítico averiguar se o doente ainda tem o apêndice, e se ainda o tiver, realizar-se uma apendicectomia. A apendicectomia faz parte deste estadiamento. Adenocarcinoma do Útero Outro exemplo da área da ginecologia é o adenocarcinoma do útero. Se formos ver o TNM, um dos critérios de progressão de T0 para T4 é que o tumor esteja limitado a nível médio ou invada menos de metade da espessura do miométrio, constituindo duas categorias distintas. Esta classificação é feita intra-operatoriamente, o útero é seccionado, verifica-se se há invasão da metade externa ou somente invasão da metade interna. Se houver invasão da metade externa há indicação para fazer estadiamento, que não é idêntico ao do ovário porque neste caso o estadiamento consiste na remoção de gânglios linfáticos inguinais e pélvicos. Esta avaliação é importante porque altera o curso da cirurgia, modifica o planeamento cirúrgico intra-operatoriamente, e poderá ter um impacto importante no prognóstico da doença (ao avaliar a profundidade da invasão do miométrio pela neoplasia, se houver invasão da metade externa, o prognóstico será diferente). Comissão de Curso 07/13 4º Ano Página 9 de 11

10 Cirurgia I Metástase cervical-primário oculto No caso de um doente com metástase cervical-primário oculto, durante a cirurgia pede-se um exame extemporâneo do gânglio linfático com intuito de descobrir que tipo de tumor é, porque pode dar indicação de onde é que se deve ir procurar o tumor primário, e idealmente, efectuar a excisão do mesmo. Essa indicação levará à excisão do tumor primário no mesmo tempo operatório. Neoplasia da Linha Média Uma jovem de 32 anos que foi tratada no IPO fez uma biópsia inconclusiva, sendo-lhe diagnosticada uma neoplasia classificada de neoplasia maligna indiferenciada. Portanto, tratava-se de uma neoplasia maligna (um tumor que não se parecia com nenhum tecido normal, com mais células em mitose do que aquelas que não estão), mas não se conseguia saber se era epitelial, se era mesenquimatosa ou se era linfóide. Neste caso, ou se faz um tratamento um bocadinho excessivo, o que se aplica porque às vezes há situações em que não se chega a determinar o tipo de neoplasia, ou então pede-se uma biópsia com exame extemporâneo. Nesta situação, o exame extemporâneo não tem como objectivo fazer o diagnóstico, mas sim congelar tecido em boas condições para realizar microscopia electrónica e ser feita citogenética convencional. A partir desta técnica verificou-se que a única alteração genética que esta neoplasia tinha como origem era uma translocação entre os cromossomas 15 e o 19. E esta translocação define uma doença que tem o nome de Carcinoma da Linha Média, com poucos casos descritos até agora, sendo que a maior parte aparece em doentes novos. É uma doença que frequentemente é de evolução rápida e fatal, acabando os doentes por falecer em pouco tempo. No entanto já é um avanço em relação ao diagnóstico de neoplasia maligna indiferenciada. Portanto é absolutamente crítico que os cirurgiões tenham alguma atenção entre patologia rara, patologia pouco frequente e também patologia muito frequente. Comissão de Curso 07/13 4º Ano Página 10 de 11

11 Nota: Actualmente temos muito conhecimento da biopatologia do carcinoma do cólon porque é uma zona de fácil acesso. O linfoma também é uma situação em que é fácil obter tecido, é só tirar sangue. A facilidade que hoje temos de recolher tecido constitui uma das razões pelas quais hoje em dia se sabe muita coisa em áreas muito específicas. Contra-indicações e limitações do Exame Extemporâneo o Não se realiza se não alterar o tratamento imediato do doente; o Problemas de amostragem - se a amostra for muito pequena, com dimensões inferiores a 5 mm e não houver possibilidade de biópsia, o exame deve ser feito em diferido no dia seguinte (excepção para os tecidos calcificados que não se conseguem cortar); o Erros no manuseamento da amostra e equipamento inadequado; o Falhas na comunicação de informação e problemas de interpretação nos relatórios de Anatomia Patológica; o Disponibilidade de uma sala de exame extemporâneo no bloco operatório. Comissão de Curso 07/13 4º Ano Página 11 de 11

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado 15.6.2012 MÓDULO 1 - Mama normal; Patologia benigna; Patologia prémaligna; Estratégias de diminuição do risco de Cancro da Mama. 1 1 Introdução ao Programa de Formação 9:00 9:15 1 2 Embriologia, Anatomia

Leia mais

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina Citopatologia mamária Puberdade: crescimento das mamas em função do desenvolvimento glandular e da deposição aumentada de tecido adiposo. Mulheres durante o ciclo menstrual: aumento do volume mamário em

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA.

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. CITOLOGIA CLÍNICA O exame citológico é uma das grandes ferramentas para auxiliar o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e na tomada de

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009

Estadiamento dos cancros ginecológicos: FIGO 2009 A Estadiamento dos cancros ginecológicos: FGO 2009 Sofia Raposo e Carlos Freire de Oliveira O estadiamento dos cancros é preconizado com o intuito de permitir uma comparação válida dos resultados entre

Leia mais

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

Entende-se como boa amostra àquela obtida em quantidade suficiente, em recipiente adequado, bem identificado e corretamente transportado.

Entende-se como boa amostra àquela obtida em quantidade suficiente, em recipiente adequado, bem identificado e corretamente transportado. INTRODUÇÃO Este manual tem por finalidade se adequar às exigências do Programa de Qualidade e às Normas de Biossegurança nos Serviços de Saúde. Desta forma procuramos sistematizar as orientações para coleta,

Leia mais

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Cancro do Pulmão O DESAFIO CONSTANTE Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Telma Sequeira Interna de Formação Complementar de Pneumologia Amadora,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

Ordem dos Médicos Dentistas Lisboa - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos

Ordem dos Médicos Dentistas Lisboa - Programa de intervenção precoce no cancro oral Avaliação de candidatos Esta prova tem a duração de 30 minutos. O total das perguntas equivale a 20 valores. Marque com V/F (verdade ou falso) na folha de resposta. As respostas erradas descontam 25% do valor de cada resposta

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AO SISTEMA DA GESTÃO DE DOCUMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MACAU PROVISÓRIA

BREVE INTRODUÇÃO AO SISTEMA DA GESTÃO DE DOCUMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MACAU PROVISÓRIA Administração n.º 47, vol. X III, 2000-1.º, 263-271 BREVE INTRODUÇÃO AO SISTEMA DA GESTÃO DE DOCUMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MACAU PROVISÓRIA Iong Chi Seng, Lao Chon Pio e Lao Sok Chi* A Câmara Municipal

Leia mais

Unidade de cabeça e pescoço Actividade durante o ano de 2007

Unidade de cabeça e pescoço Actividade durante o ano de 2007 Unidade de cabeça e pescoço Actividade durante o ano de 2007 Hospital de S. Marcos Braga Departamento de Cirurgia. Serviço de Cirurgia I Director: Dr. A. Gomes Unidade de Cabeça e Pescoço Responsável:

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL] fundação portuguesa de cardiologia TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL Nº. 12 REVISÃO CIENTÍFICA: Dr. João Albuquerque e Castro [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Tratamento Conservador do Cancro da Mama Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Sessão Clínica Serviço de Ginecologia Diretora de Departamento: Dra. Antónia Nazaré Diretor de Serviço: Dr. Silva Pereira Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Leia mais

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA.com.br Dr. Miguel Srougi é médico, professor de Urologia na Universidade Federal de São Paulo e autor do livro Próstata: Isso É Com Você..com.br Drauzio Varella Vamos

Leia mais

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia OROFARINGE Os tumores de cabeça e de pescoço totalizam 4,5% dos casos de diagnósticos de câncer. Uma importante fração dos tumores malignos da região da cabeça e pescoço se localiza primeiramente na orofaringe.

Leia mais

Preparação da época de exames

Preparação da época de exames Preparação da época de exames Sugestões para os estudantes Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg A preparação para os Exames começa no início do Semestre O ritmo de exposição da

Leia mais

Possíveis questões dos profissionais durante a notificação

Possíveis questões dos profissionais durante a notificação Possíveis questões dos profissionais durante a notificação Q: O que é um sistema de notificação de incidentes e eventos adversos? R: É um sistema que alimenta uma base de dados com os diferentes tipos

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE ORTOPEDIA. Portaria 50/ 97

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE ORTOPEDIA. Portaria 50/ 97 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE ORTOPEDIA Portaria 50/ 97 314 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 16 20-1-1997 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n. o 50/97 de 20 de Janeiro As crescentes exigências

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável ANEXO I LISTA DAS DENOMINAÇÕES FORMAS FARMACÊUTICAS, DOSAGENS, VIA DE ADMINISTRAÇÃO DOS MEDICAMENTOS, DOS TITULARES DAS AUTORIZAÇÕES DE INTRODUÇÃO NO MERCADO NOS ESTADOS-MEMBROS 1 Medicamentos que contêm

Leia mais

Câncer. Claudia witzel

Câncer. Claudia witzel Câncer Claudia witzel Célula Tecido O que é câncer? Agente cancerígeno Órgão Célula cancerosa Tecido infiltrado Ozana de Campos 3 ESTÁGIOS de evolução da célula até chegar ao tumor 1 Célula 2 Tecido alterado

Leia mais

Mensal. Saúde. Nacional TENHO O COLESTEROL ALTO OS MEUS FILHOS VÃO HERDÁ LO

Mensal. Saúde. Nacional TENHO O COLESTEROL ALTO OS MEUS FILHOS VÃO HERDÁ LO TENHO O COLESTEROL ALTO OS MEUS FILHOS VÃO HERDÁ LO A hipercolesterolemia familiar é uma doença genética que se manifesta desde a nascença e que está associada a um maior risco cardiovascular Em Portugal

Leia mais

5.º Ano 2014 Campanha de Prevenção do Câncer de Intestino Grosso 2016 O que é o intestino grosso? 1,5 m de comprimento 6,5 cm de diâmetro COLON SIGMÓIDE CECO ÂNUS Câncer de Intestino Grosso Surge, em 90%

Leia mais

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS O que é a armazenagem? A armazenagem é constituída por um conjunto de funções: - de recepção, - descarga, - carregamento, matérias-primas, - arrumação produtos acabados ou semi-acabados

Leia mais

- Ambulatório: Termo usado geralmente em regime de tratamentos não obriga a estar acamado ou em observação;

- Ambulatório: Termo usado geralmente em regime de tratamentos não obriga a estar acamado ou em observação; A - Ambulatório: Termo usado geralmente em regime de tratamentos não obriga a estar acamado ou em observação; - Ajudas técnicas: segundo a ISO (Organização Internacional de Normalização entidade internacional

Leia mais

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Sumário Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Seção 1 Introdução 1 Epidemiologia 3 2 Diretrizes de rastreamento do câncer de mama na população geral e de alto risco 9 3 Mamografia 17 4 BI-RADS ACR (Breast

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Análise de 203 nódulos tiroideus do Hospital Geral de Coimbra Oliveira, C.M.; Costa, R.A.; Estêvão, A.;

Leia mais

E R R E C B N Â C SOR FALAS O VAM

E R R E C B N Â C SOR FALAS O VAM VAMOS FALAR SOBRE CÂNCER Câncer O que é? O câncer tem como principal característica o crescimento desordenado das células do corpo. O que diferencia os tipos de câncer, entre maligno e benigno, é a velocidade

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

SERVIÇO DE GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA DO HOSPITAL DE SANTARÉM

SERVIÇO DE GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA DO HOSPITAL DE SANTARÉM curso ibérico de formação em SENOLOGIA PROGRAMA OFICIAL SANTARÉM 2014 24 E 25 DE OUTUBRO CENTRO NACIONAL DE EXPOSIÇÕES SERVIÇO DE GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA DO HOSPITAL DE SANTARÉM MENSAGEM/CONVITE MENSAGEM/CONVITE

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

Radioterapia no Cancro do Pulmão

Radioterapia no Cancro do Pulmão Editado em: Novembro de 2006 Apoio: Radioterapia no Cancro do Pulmão Comissão de Pneumologia Oncológica Sociedade Portuguesa de Pneumologia ÍNDICE A Comissão de Pneumologia Oncológica agradece ao autor

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules.

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules. Citologia Mamária Keratin plug Squamous epithelium Lactiferous sinus Interlobular ducts Lobule with acini Subsidiary duct Terminal (intralobular) ducts Lobules Main ducts 2ª Costela Músculo Grande Peitoral

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER

SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER Estrutura deste E-book SINAIS DE ALARME? REMOVA ESSA PREOCUPAÇÃO 2 SINAIS PERIGOSOS ATENÇÃO! 3 QUE TIPO DE SINAIS É PRECISO VIGIAR COM MAIS ATENÇÃO? 3 QUAIS

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial.

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial. Tipos de Câncer Saber identifi car sinais é essencial. O QUE É CÂNCER É uma doença cuja característica principal é o crescimento acelerado e desordenado das células, as quais têm grande potencial para

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública. Universidade Atlântica. 4.º Ano. - Investigação Aplicada

Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública. Universidade Atlântica. 4.º Ano. - Investigação Aplicada Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública Universidade Atlântica 4.º Ano - Investigação Aplicada AVALIAÇÃO DO GRAU DE SENSIBILIZAÇÃO PARA A AMAMENTAÇÃO Projecto de Investigação Docente: Ana Cláudia

Leia mais

Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina ESTÁGIO NA CLÍNICA DE MAMA DO INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DO PORTO FRANCISCO GENTIL, E.P.E.

Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina ESTÁGIO NA CLÍNICA DE MAMA DO INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DO PORTO FRANCISCO GENTIL, E.P.E. Relatório de Estágio Mestrado Integrado em Medicina ESTÁGIO NA CLÍNICA DE MAMA DO INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DO PORTO FRANCISCO GENTIL, E.P.E. Manuel João da Silva Praia de Sousa Pinto Orientador

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais

Neoplasias dos epitélios glandulares II

Neoplasias dos epitélios glandulares II Neoplasias dos epitélios glandulares II PATOLOGIA II Aula Prática nº4 MAMA: Correlação estrutura/lesão Cél. Basais/mioepiteliais Cél. Basais/mioepiteliais (actina) Cél. luminais Cél. luminais MAMA: Estrutura

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

Processo de Bolonha. Regime de transição na FCTUC

Processo de Bolonha. Regime de transição na FCTUC Processo de Bolonha Regime de transição na FCTUC Aprovado na Comissão Coordenadora do Conselho Pedagógico a 20 de Setembro de 2006, na Comissão Coordenadora do Conselho Científico a 22 de Setembro de 2006,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Rastreio do Aneurisma Aórtico Abdominal (AAA)

Rastreio do Aneurisma Aórtico Abdominal (AAA) Portuguese translation of Abdominal aortic aneurysm screening: Things you need to know Rastreio do Aneurisma Aórtico Abdominal (AAA) Aquilo que deve saber A quem se destina este folheto? Este folheto destina-se

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 01-Out-2015 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 01/10/2015

Leia mais

Prolapso dos Órgãos Pélvicos

Prolapso dos Órgãos Pélvicos Prolapso dos Órgãos Pélvicos Autor: Bercina Candoso, Dra., Ginecologista, Maternidade Júlio Dinis Porto Actualizado em: Julho de 2010 No prolapso dos órgãos pélvicos, a vagina e os órgãos adjacentes, uretra,

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

Avaliação de riscos de empréstimo: Um caso de estudo de Data Mining.

Avaliação de riscos de empréstimo: Um caso de estudo de Data Mining. Curso de Engenharia de Sistemas e Informática - 5º Ano Ficha T. Prática n.º 8 Análise Inteligente de Dados Objectivo: Tomar contacto a descrição relativa a um caso prático de utilização de ferramentas

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Nódulos tiroideanos são comuns afetam 4- a 10% da população (EUA) Pesquisas de autópsias: 37

Leia mais

GRUPO DE BIÓPSIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA ANÁLISE DOS PRIMEIROS 500 CASOS

GRUPO DE BIÓPSIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA ANÁLISE DOS PRIMEIROS 500 CASOS GRUPO DE BIÓPSIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA ANÁLISE DOS PRIMEIROS 500 CASOS Hospital de S. Marcos Braga Departamento de Cirurgia. Serviço de Cirurgia I Director: Dr. A. Gomes Unidade de Cabeça e Pescoço

Leia mais

Problema de Mistura de Produtos

Problema de Mistura de Produtos Problema de Mistura de Produtos A companhia Electro & Domésticos pretende escalonar a produção de um novo apetrecho de cozinha que requer dois recursos: mão-de-obra e matéria-prima. A companhia considera

Leia mais

INTRODUÇÃO. Mais frequentes: Idosos Sexo feminino Deficiência de iodo AP de irradiação cervical

INTRODUÇÃO. Mais frequentes: Idosos Sexo feminino Deficiência de iodo AP de irradiação cervical Célia Antunes INTRODUÇÃO Incidência dos nódulos tiroideus tem vindo a aumentar devido à maior solicitação de estudo da tiróide por ecografia. % Detecção: Palpação 4 a 8% Ecografia 19 a 67% Autópsia 50%

Leia mais

Survey de Satisfação de Clientes 2009

Survey de Satisfação de Clientes 2009 Survey de Satisfação de Clientes Fevereiro de 2010 Índice 1. Sumário Executivo 4 2. Metodologia 6 3. Estratificação da Amostra 7 4. Classificação das pontuações 8 5. Apresentação de Resultados das Urgências

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 835/2.ª Fase 13 Páginas Duração

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro)

Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro) Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro) Boas práticas de fabrico de manipulados (Revogado pela Portaria n.º 594/2004, de 2 de Junho) O Dec.

Leia mais

Estudos epidemiológicos em áreas contaminadas

Estudos epidemiológicos em áreas contaminadas Estudos epidemiológicos em áreas contaminadas Divisão de Doenças Ocasionadas pelo Meio Ambiente Centro de Vigilância Epidemiológica SES/SP Clarice Umbelino de Freitas Chernobyl O problema Em 1986 explosão

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL LIGEIRA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL LIGEIRA NOTA JUSTIFICATIVA 1º-O presente Regulamento, tem como principal objectivo compilar as alterações a que a versão inicial foi sujeita e expurgá-lo de algumas dificuldades de leitura e interpretação que

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Prevenção do Câncer Bucal

Prevenção do Câncer Bucal CÂNCER BUCAL Câncer: conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

RASTREIO DO CANCRO E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P.

RASTREIO DO CANCRO E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P. RASTREIO DO CANCRO DO CÓLON C E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P. COR Grupo de trabalho do RCCR 12 Janeiro 2009 Segundo a OMS, o cancro do cólon e do recto, constitui a nível mundial

Leia mais

CAPSULITE ADESIVA OU OMBRO CONGELADO. A capsulite adesiva ou ombro congelado é uma doença de causa

CAPSULITE ADESIVA OU OMBRO CONGELADO. A capsulite adesiva ou ombro congelado é uma doença de causa CAPSULITE ADESIVA OU OMBRO CONGELADO A capsulite adesiva ou ombro congelado é uma doença de causa desconhecida. Por vezes os doentes associam o seu inicio a um episódio traumático. Outros doentes referiam

Leia mais

Anatomopatologista, o médico invisível

Anatomopatologista, o médico invisível Anatomopatologista, o médico invisível Não está diante dos doentes, não está patente ao público, é antes um médico de médicos, e, como tal, muitos desconhecem o valor real e a importância da anatomia patológica

Leia mais

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs

Patologia geral. Neoplasias - quarta. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Patologia geral Neoplasias - quarta Alunos 4º semestre Prof. Jane Maria Ulbrich Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Material utilizado em sala de aula com alunos Neoplasia Neoplasia:

Leia mais

Ética no exercício da Profissão

Ética no exercício da Profissão Titulo: Ética no exercício da Profissão Caros Colegas, minhas Senhoras e meus Senhores, Dr. António Marques Dias ROC nº 562 A nossa Ordem tem como lema: Integridade. Independência. Competência. Embora

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009* Doença pelo novo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 Mulheres grávidas ou a amamentar

Actualizado em 21-09-2009* Doença pelo novo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 Mulheres grávidas ou a amamentar Doença pelo novo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 Mulheres grávidas ou a amamentar Destaques A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de risco, pelo

Leia mais

Mulheres grávidas ou a amamentar*

Mulheres grávidas ou a amamentar* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 OMS Mulheres grávidas ou a amamentar* Destaques: A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância/Ensino Secundário Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil Turma [I] do 10º Ano de Escolaridade

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Rastreio Cancro Colo-rectal

Rastreio Cancro Colo-rectal O que é o cancro colo-rectal? O cancro colo-rectal é um tumor maligno que se localiza no cólon (também conhecido por intestino grosso) ou no recto. Mata 9 a 10 pessoas por dia em Portugal Cólon e Recto

Leia mais

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Rastreamento Populacional de Câncer Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Roteiro de aula Aspectos relacionados ao rastreamento de câncer Exercícios introdutórios Desenvolvimento

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

workshop» tratamento de feridas

workshop» tratamento de feridas workshop» tratamento de feridas protocolos de orientação no tratamento de feridas vila real 2014 índice 00.1» introdução protocolo 01» ferida hemorrágica protocolo 02» ferida com tecido de granulação não

Leia mais

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009 Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico do

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS ORGANISMOS PROCARIOTAS

CARACTERÍSTICAS DOS ORGANISMOS PROCARIOTAS Escola Secundária do Padre António Manuel Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Biologia CARACTERÍSTICAS DOS ORGANISMOS PROCARIOTAS Pedro Pinto Nº 20 10ºA 23/01/2003 Introdução Esta actividade serviu

Leia mais

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003 L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia DECISÃO N. o 190 de 18 de Junho de 2003 relativa às características técnicas do cartão europeu de seguro de doença (Texto relevante para efeitos do EEE e do

Leia mais

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA A cirurgia mamária, seja ela uma tumorectomia, quadrantectomia ou mastectomia, provoca uma alteração significativa no órgão e que pode e deve ser minimizada.

Leia mais

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V O código V é uma classificação suplementar que se destina a classificar situações e outras circunstâncias que não as de doença ou lesão, que aparecem registadas como

Leia mais

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1 TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 A prevenção, a detecção e o tratamento do câncer de mama (CM) formam hoje o grande objetivo para a melhoria da saúde

Leia mais

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO Introdução A atuação da Fonoaudiológica veio a preencher uma importante lacuna no campo hospitalar. Principalmente na área oncológica ela é relativamente

Leia mais