RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15

2 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34

3 Índice 1. Introdução Sucesso Escolar º Ciclo do Ensino Básico º Ciclo do Ensino Básico º Ciclo do Ensino Básico Ensino Regular Cursos de Educação e Formação Ensino Secundário Cursos Científico Humanísticos Cursos Profissionais do Ensino Secundário Cursos de Educação e Formação de Adultos Resultados dos Exames Nacionais Exames Nacionais do 4º Ano de Escolaridade Exames Nacionais do 6º Ano de Escolaridade Exames Nacionais do 9º Ano de Escolaridade Exames Nacionais do Ensino Secundário Sucesso pleno Qualidade do Sucesso Metas de Aprendizagem Conclusões.3 8. Melhorias.32 P á g i n a 3 34

4 1. Introdução A autoavaliação da escola, segundo a Lei nº 31/2 de de dezembro, designada por "Lei do Sistema de Avaliação da Educação e do Ensino Não Superior", aplica-se, de acordo com o ponto 2 do artigo 2º, "aos estabelecimentos de educação pré-escolar e de ensino básico e secundário da rede pública, privada, cooperativa e solidária" e é obrigatória e permanente, sendo que deverá assentar na análise dos seguintes aspetos: a) Grau de concretização do projeto educativo e modo como se prepara e concretiza a educação, o ensino e as aprendizagens dos alunos, tendo em conta as suas características específicas; b) Nível de execução de atividades proporcionadoras de climas e ambientes educativos capazes de gerarem as condições afetivas e emocionais de vivência escolar propícias à interação, à integração social, às aprendizagens e ao desenvolvimento integral da personalidade dos alunos; c) Desempenho do órgão de administração e gestão do Agrupamento de Escolas/Escola Não Agrupada, abrangendo o funcionamento das estruturas escolares de gestão e de orientação educativa, o funcionamento administrativo, a gestão de recursos e a visão inerente à ação educativa, enquanto projeto e plano de atuação; d) Sucesso escolar, avaliado através da capacidade de promoção da frequência escolar e dos resultados do desenvolvimento das aprendizagens escolares dos alunos, em particular dos resultados identificados através dos regimes em vigor de avaliação das aprendizagens; e) Prática de uma cultura de colaboração entre os membros da comunidade educativa. O Grupo de Avaliação Interna (GAI) do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos, decidiu numa primeira fase do seu trabalho, a realizar durante o ano letivo de 14/15, abarcar as seguintes dimensões: - Sucesso Escolar, com Relatório de Autoavaliação a concluir até Fevereiro de 15; - Ambiente Educativo e Cultura de Colaboração, com Relatório de Autoavaliação a concluir até Julho de 15. Numa segunda fase do seu trabalho a decorrer durante o ano letivo de 15/16 o Grupo de Avaliação Interna (GAI) abarcará as seguintes dimensões: -Projeto Educativo, com Relatório de Autoavaliação a concluir até Fevereiro de 16; -Liderança, com Relatório de Autoavaliação a Concluir até Julho de 16. Assim o presente Relatório de Autoavaliação debruça-se sobre a dimensão Sucesso Escolar no Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos. P á g i n a 4 34

5 Neste sentido, apresentam-se as taxas de sucesso para todos os níveis de ensino aferidas ao longo dos últimos três anos letivos em resultado da avaliação interna para que possamos ter uma perceção da sua evolução. Para concretizar a análise aos resultados das aprendizagens no nosso agrupamento de escolas, dedicamos a segunda parte desta secção às classificações obtidas em resultado da avaliação externa. Também para estes serão considerados os três últimos anos lectivos. P á g i n a 5 34

6 2. Sucesso Escolar As tabelas e os gráficos que se seguem dizem respeito ao resultado das aprendizagens no Ensino Básico e Secundário para cada um dos ciclos e para o ensino secundário º Ciclo do Ensino Básico Ano Quadro nº 1 Taxas de Transição/Aprovação Agrupamento de Escolas e Nacional 11/12 12/13 13/14 AEJO NAC AEJO NAC AEJO NAC 1º 2º 86, ,6 89, ,7 3º 92, ,4 94,1 94,4 94,5 4º 96,4 95,1 93,5 95,2 96,5 96,1 Gráfico nº 1 Taxa de Sucesso Escolar do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos - 1º Ciclo 86,7 86, ,5 95,4 94,4 96,4 93,5 96, º Ano 2º Ano 3º Ano 4º Ano 11/12 12/13 13/14 No 1º Ciclo do Ensino Básico constata-se que o sucesso escolar no Agrupamento de Escolas no 3º e 4º anos de escolaridade subiu no último triénio, verificando-se por outro lado um agravamento do insucesso no 2º ano de escolaridade situando-se este no ano letivo de 13/14 em 17%. P á g i n a 6 34

7 Constata-se igualmente que no 4º ano de escolaridade o sucesso do Agrupamento de Escolas acompanhou o aumento do sucesso escolar que se verificou a nível nacional estando ao mesmo nível deste no ano letivo de 13/14. No 3º ano de escolaridade o sucesso no Agrupamento subiu no último triénio em cerca de 2% enquanto a nível nacional se verificou um decréscimo do sucesso em cerca de 1,5%. Verifica-se igualmente que no 2º ano de escolaridade o decréscimo do sucesso escolar a nível nacional foi acompanhado pelo decréscimo do sucesso no mesmo ano de escolaridade no Agrupamento de Escolas embora neste ligeiramente mais acentuado º Ciclo do Ensino Básico Quadro nº 2 Taxas de Transição/Aprovação Agrupamento de Escolas e Nacional 11/12 12/13 13/14 Ano AEJO NAC AEJO NAC AEJO NAC 5º 91,7 9,1 89,1 89,2 82,9 88,2 6º 87,3 86,3 81,5 83,9 82,1 86,5 Gráfico nº 2 Taxa de Sucesso Escolar do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos - 2º Ciclo ,7 89,1 82,9 87,3 81,5 82,1 5º Ano 6º Ano 11/12 12/13 13/14 No 2º Ciclo, quer no 5º ano quer no 6º ano de escolaridade, constata-se que o sucesso escolar no Agrupamento de Escolas diminuiu no último triénio, sendo que no 5º ano de escolaridade essa descida foi mais acentuada do que no 6º ano de escolaridade e maior do que a descida que se verificou a nível nacional. P á g i n a 7 34

8 No 6º ano de escolaridade a uma manutenção da taxa de sucesso nacional correspondeu no Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos um decréscimo da taxa de sucesso escolar de 5,2%. No último ano letivo do triénio considerado, 13/14, a taxa de sucesso escolar do Agrupamento de Escolas é inferior à taxa de sucesso escolar nacional nos 5º e 6º anos de escolaridade º Ciclo do Ensino Básico Ensino Regular Quadro nº 3 Taxas de Transição/Aprovação Agrupamento de Escolas e Nacional 11/12 12/13 13/14 Ano AEJO NAC AEJO NAC AEJO NAC 7º 77,8 82,1 62,8 82, º 94 86,9 9,9 85,5 88,6 86 9º 85,9 82,2 64, ,2 Gráfico nº 3 Taxa de Sucesso Escolar do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos 3º Ciclo 8 77,8 62,8 94 9, ,6 85,9 64, º Ano 8º Ano 9º Ano 11/12 12/13 13/14 No 3º Ciclo do Ensino Básico verifica-se no 7º ano de escolaridade, no último triénio, uma melhoria dos resultados escolares em 8,2%. Nos 8º e 9º anos de escolaridade constata-se no triénio considerado descidas no sucesso escolar respetivamente de 5,4% e 7,9%. P á g i n a 8 34

9 Salienta-se que nos 7º e 8º anos de escolaridade no último ano do triénio considerado, 13/14, a taxa de sucesso escolar do Agrupamento de Escolas foi superior à taxa de sucesso escolar nacional em respetivamente 4% e 2,6%. No 9º ano de escolaridade em 13/14 a taxa de sucesso escolar do Agrupamento de Escolas foi inferior à taxa de sucesso escolar nacional em 5,2% Cursos de Educação e Formação Quadro nº 4 Taxas de Conclusão Agrupamento de Escolas e Nacional Ano 11/12 12/13 13/14 AEJO NAC AEJO NAC AEJO NAC CEF 9,9 89,3 9, 87, 82,6 86,1 Gráfico nº 4 Taxa de Sucesso Escolar dos Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF) Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos 8 9,9 9 82,6 6 4 CEF 11/12 12/13 13/14 Nos Cursos de Educação Formação de Jovens tem-se verificado ao longo do triénio de anos letivos considerado taxas de sucesso de conclusão elevadas embora se verifique uma descida mais acentuada da taxa no último ano letivo de 13/14, acompanhando assim a tendência nacional de descida. P á g i n a 9 34

10 Salienta-se o facto de nos anos letivos de 11/12 e 12/13 a taxa de sucesso de conclusão que se verificou com os alunos que frequentaram os Cursos de Educação e Formação ter sido superior à média nacional em respetivamente 1,6% e 3% Ensino Secundário Cursos Científico Humanísticos Ano Quadro nº 5 Taxas de Transição/Aprovação Agrupamento de Escolas e Nacional 11/12 12/13 13/14 AEJO NAC AEJO NAC AEJO NAC 1º 9,9 84, ,5 77,3 84,3 11º 89,5 86,8 72,7 85,9 8 87,3 12º 81,8 64,6 63,6 62,1 64,7 63,3 Gráfico nº 5 Taxa de Sucesso Escolar do Ensino Secundário do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos ,9 89, ,3 8 72,7 81,8 63,6 64,7 1º Ano 11º Ano 12º Ano 11/12 12/13 13/14 O sucesso escolar do agrupamento de escolas no 1º, 11º e 12º anos de escolaridade sofreu uma descida no triénio considerado. Salienta-se que nos anos letivos de 12/13 e 13/14, a taxa de sucesso escolar dos 1º e 11º anos ficaram abaixo da média nacional o que não aconteceu no 12º ano de P á g i n a 1 34

11 escolaridade uma vez que nos três anos letivos que constituem o triénio considerado (11/12;12/13 e 13/14) a taxa de sucesso escolar do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos no referido ano de escolaridade foi sempre superior à taxa de sucesso escolar que se verificou a nível nacional Cursos Profissionais do Ensino Secundário Quadro nº 6 Taxas de Conclusão Agrupamento de Escolas e Nacional 11/12 12/13 13/14 Ano AEJO NAC AEJO NAC AEJO NAC Cursos Profissionais 83,3 88,4 88,6 55,3 81,7 Gráfico nº 6 Taxa de Sucesso Escolar dos Cursos Profissionais do Ensino Secundário Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos ,3 Cursos Profissionais 55,3 11/12 12/13 13/14 Os resultados do sucesso de conclusão dos Cursos Profissionais do Ensino Secundário tendo por base os dados apurados pela MISI do Ministério da Educação e Ciência dão-nos a ideia de uma certa disparidade no valor P á g i n a 11 34

12 percentual dos mesmos em virtude de se considerar para o respetivo cálculo os alunos que nos anos intermédios estão em processo de avaliação facto que só por si justifica os % que se verificaram na respetiva taxa do ano letivo de 12/13. Salienta-se que olhando para os valores absolutos de conclusão que se registaram quer em 11/12 (concluiram 3 alunos dos 42 que frequentaram os cursos) quer em 13/14 (concluiram 5 alunos dos alunos que frequentaram o único curso que teve a sua conclusão), constata-se um descida na respetiva taxa de conclusão Cursos de Educação e Formação de Adultos Quadro nº 7 Taxas de Conclusão Agrupamento de Escolas e Nacional 11/12 12/13 13/14 Ano AEJO NAC AEJO NAC AEJO NAC Cursos Profissionais 85,7 82,7 96,5 83,4 36,5 82,7 Gráfico nº 7 Taxa de Sucesso Escolar dos Cursos de Educação e Formação de Adultos Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos 85,7 96, ,5 4 EFA 11/12 12/13 13/14 P á g i n a 12 34

13 Os resultados do Sucesso Escolar de conclusão do Ensino Secundário através dos Cursos de Educação e Formação de Adultos nos anos de 11/12 e 12/13 suplantaram os resultados que se verificaram a nivel nacional, o que não aconteceu em 13/14, ano letivo em que ficou abaixo do resultado que se verificou a nivel nacional. Para a baixa percentagem do sucesso verificado no ano letivo de 13/14 contribuiu de forma decisiva o elevado número de desistencias que levou à exclusão por faltas de cerca de 38 formandos ao longo dos três anos de duração do curso. P á g i n a 13 34

14 3. Resultados dos Exames Nacionais Exames Nacionais do 4º Ano de Escolaridade Gráfico nº 8 % de Níveis Positivos (3,4,5) na Prova de Exame de Matemática no 4º Ano ,1 73,3 38,1 57,9 6 44, C. Alvito C. Arcos C. Furadouro Nacional 12/13 13/14 Gráfico nº 9 Média do Exame de Matemática do 4º Ano de escolaridade em % ,3 61,5 53, ,1 51,8 43,5 45,3 C. Alvito C. Arcos C. Furadouro Nacional 12/13 13/14 P á g i n a 14 34

15 Gráfico nº 1 % de Níveis Positivos (3,4,5) na Prova de Exame de Português no 4 º Ano , ,9 12,2 13,3 C. Alvito C. Arcos C. Furadouro Nacional 12/13 13/14 Gráfico nº 11 Média do Exame de Português do 4º Ano de escolaridade em % ,5 61,1 64,5 62,2 48, ,1 34,1 C. Alvito C. Arcos C. Furadouro Nacional 12/13 13/14 P á g i n a 15 34

16 Nos resultados dos Exames Nacionais do 4º Ano de escolaridade nas disciplinas de Português e de Matemática das Escolas do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos registou-se de 12/13 para 13/14 uma melhoria significativa quer na percentagem de níveis positivos, quer na média em percentagem dos referidos exames. Nesta melhoria significativa, destaca-se a subida que se verificou nos resultados do Exame da disciplina de Português nas três Escolas Básicas onde se leciona o 1º Ciclo do Agrupamento de Escolas, subida essa que permitiu que os resultados obtidos pelos alunos da Escola Básica do Alvito e pela Escola Básica do Furadouro suplantassem os resultados que foram obtidos a nivel nacional. Os resultados obtidos pelos alunos da Escola Básica de Óbidos na diciplina de Português ficaram praticamente ao mesmo nivel dos resultados nacionais. Na disciplina de Matemática os resultados obtidos pelos alunos da Escola Básica do Alvito ultrapassaram os resultados obtidos nesta disciplina a nivel nacional, estando os resultados obtidos pelos alunos da Escola Básica de Óbidos e da Escola Básica do Furadouro bastante perto da média nacional Exames Nacionais do 6º Ano de Escolaridade Gráfico nº 12 % de Níveis Positivos (3,4,5) na Prova de Exame de Português no 6 º Ano ,5 75, , ,8 51,2 57, C. Alvito C. Arcos C. Furadouro Nacional 12/13 13/14 P á g i n a 16 34

17 Gráfico nº 13 Média do Exame de Português do 6º Ano de escolaridade em % ,8 59 5, ,8 57, ,9 C. Alvito C. Arcos C. Furadouro Nacional 12/13 13/14 Gráfico nº 14 % de Níveis Positivos (3,4,5) na Prova de Exame de Matemática no 6 º Ano ,6 58, , ,6 27 C. Alvito C. Arcos C. Furadouro Nacional 12/13 13/14 P á g i n a 17 34

18 Gráfico nº 15 Média do Exame de Matemática do 6º Ano de escolaridade em % ,5 47,6 46,8 49, ,3 4,3 36,7 C. Alvito C. Arcos C. Furadouro Nacional 12/13 13/14 Os resultados do Exame Nacional do 6º ano de escolaridade na disciplina de Português nas Escolas do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos regista de 12/13 para 13/14 uma melhoria significativa quer na percentagem de níveis positivos, quer na média em percentagem do referido exame facto que se verificou igualmente a nivel nacional. Salienta-se igualmente que a percentagem do número de niveis positivos obtidos pelos alunos do 6º ano das Escola Básica do Alvito e da Escola Básica de Óbidos suplantaram os resultados verificados a nivel nacional, ficando a Escola Básica do Furadouro ligeiramente abaixo desses mesmos resultados. No que diz respeito à média em percentagem que foi obtida pelos alunos das Escolas do 6º ano do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos, destaca-se o resultado obtido pela Escola Básica de Óbidos que suplantou a média nacional, ficando o resultado da Escola Básica do Alvito igual à média nacional e o resultado da Escola Básica do Furadouro ligeiramente abaixo da média nacional. Nos resultados do Exame Nacional de Matemática do 6º de escolaridade das Escolas do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos verifica-se de 12/13 para 13/14 uma descida quer na percentagem de níveis positivos quer na média em percentagem do referido exame acompanhando assim o que se passou a nivel nacional. No entanto verifica-se que no caso dos resultados obtidos pelos alunos do 6º na Escola Básica de Óbidos e na Escola P á g i n a 18 34

19 Básica do Alvito, os mesmos foram melhores do que aqueles que se verificaram a nivel nacional Exames Nacionais do 9º Ano de Escolaridade Gráfico nº 16 % de Níveis Positivos (3,4,5) na Prova de Exame de Português no 9 º Ano , ,5 52,9 5,7 49,6 11/12 12/13 13/14 AEJO NACIONAL Gráfico nº 17 Média do Exame de Português do 9º Ano de escolaridade em % ,7 47, /13 13/14 56 AEJO NACIONAL P á g i n a 19 34

20 Gráfico nº 18 % de Níveis Positivos (3,4,5) na Prova de Exame de Matemática no 9 º Ano ,1 54,7 52, ,1 31,9 11/12 12/13 13/14 AEJO NACIONAL Gráfico nº 19 Média do Exame de Matemática do 9º Ano de escolaridade em % ,2 41, /13 13/14 53 AEJO NACIONAL Nos resultados dos Exames de Português do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos, verifica-se uma melhoria no triénio considerado quer na percentagem de níveis positivos obtidos pelos alunos quer na média em percentagem obtida no exame embora com valores inferiores aos verificados a nível nacional. P á g i n a 34

21 No exame da disciplina de Matemática, verifica-se que o Agrupamento de Escolas acompanhou a tendência nacional de diminuição da percentagem de níveis positivos que foram obtidos na referida prova e a subida da média em percentagem do exame, no entanto com valores inferiores àqueles que se verificaram a nível nacional Exames Nacionais do Ensino Secundário Gráfico nº Exames de Português 12º Ano 1ª Fase ,5 11,6 1,1 1,4 1,1 9,8 11/12 12/13 13/14 AEJO NACIONAL Gráfico nº 21 Exames de Matemática A 12º Ano 1ª Fase ,2 1,4 9 9,7 7,2 9,2 5 11/12 12/13 13/14 AEJO NACIONAL P á g i n a 21 34

22 Gráfico nº 22 Exame de Biologia e Geologia 11º Ano 1ª Fase ,8 7,9 7,7 8, /12 12/13 13/14 AEJO NACIONAL Gráfico nº 23 Exame de Física e Quimica A 11º Ano 1ª Fase ,1 8,1 7,8 9,2 6,1 5,1 11/12 12/13 13/14 AEJO NACIONAL Os Exames Nacionais realizados pelos alunos que frequentam o Ensino Secundário na Escola Sede do Agrupamento de Escolas de Josefa de Óbidos correspondem àqueles que dizem respeito à frequência do único Curso Científico Humanístico existente até ao ano letivo de 13/14, e que é o Curso de Ciências e Tecnologias. A análise da evolução dos exames realizados pelos alunos, quer no 11º ano de escolaridade nas disciplinas de Biologia e Geologia e Física e Química A, quer P á g i n a 22 34

23 no 12º Ano dos Exames de Português e de Matemática A permite-nos tirar as seguintes conclusões: - Melhoria da média obtida pelos alunos na disciplina de Biologia e Geologia que atingiu o valor positivo de 1 valores em 13/14, inferior à média nacional mas com aproximação à mesma; - Melhoria da média do Exame de Físico Química A, com aproximação à média nacional mas inferior à mesma em 1,4 valores; - Melhoria da média do Exame da disciplina de Português que atingiu em 13/14 a média positiva de 11,5 valores, praticamente semelhante à média nacional que foi de 11,6 valores. Realça-se o facto de que em 12/13 a média do Agrupamento de Escolas ter mesmo ultrapassado a média nacional em,3 valores; Descida significativa da média na disciplina de Matemática A, situando-se a mesma a cerca de 2 valores da média nacional. P á g i n a 23 34

24 4. Sucesso pleno Quadro nº8 Alunos Aprovados - % de niveis inferiores a 3 e avaliações insuficientes 12/13 níveis «3 1 nível «3 2 níveis «3 3 níveis «3 Total valor % valor % valor % valor % valor % 4º Ano 79 84, ,9 2 2, Quadro nº 9 Alunos Aprovados - % de niveis inferiores a 3 e avaliações insuficientes 13/14 níveis «3 1 nível «3 2 níveis «3 3 níveis «3 Total valor % valor % valor % valor % valor % 4º Ano 91 8,5 12 1,6 1 8, No 4º ano de escolaridade, dos alunos que obtiveram aprovação em 12/13, 84,9% fizeram-no sem níveis inferiores a 3 e em 13/14, 8,5% dos alunos aprovados não obtiveram nenhum nível inferior a 3. Verificase assim uma diminuição do sucesso pleno de 4,4% no quarto ano de escolaridade nos dois últimos anos letivos. Quadro nº 1 Alunos Transitados/ Aprovados - % de niveis inferiores a 3 12/13 níveis «3 1 nível «3 2 níveis «3 3 níveis «3 Total valor % valor % valor % valor % valor % 5º Ano 78 62, , ,4 8 6, º Ano 65 65, , , Total 2ºC , , ,5 8 3, º Ano 36 5, ,5 28,2 4 5,6 71 8º Ano 36 44, , 27 33,3 1 1,3 81 9º Ano 21 35, , , Total3º C 93 44, , ,2 5 2,4 211 P á g i n a 24 34

25 Quadro nº 11 Alunos Transitados/ Aprovados - % de niveis inferiores a 3 13/14 níveis «3 1 nível «3 2 níveis «3 3 níveis «3 Total valor % valor % valor % valor % valor % 5º Ano 62 68, , ,3 1 1,1 91 6º Ano 69 61, , , Total 2º C , , ,7 1,5 4 7º Ano 46 5,6 19, ,8 8 8,7 91 8º Ano 31 5, 12 19, ,4 7 11,2 62 9º Ano 21 3, ,2 21 3, Total 3º C 98 44, , ,1 15 6,8 221 No 2º Ciclo do Ensino Básico, em 12/13, dos alunos que transitaram/aprovaram, 63,8% fizeram-no sem níveis inferiores a 3, e em 13/14, 64,2% dos alunos transitados/aprovados fizeram-no sem a obtenção de nenhum nível inferior a 3. Verifica-se assim um crescimento do sucesso pleno em,4% no 2º ciclo do Ensino Básico, devido fundamentalmente ao crescimento do sucesso pleno que se verificou no 5º ano de escolaridade (+ 5,7%), uma vez que no 6º ano de escolaridade se verificou uma descida de cerca de 4,6%. No 3º Ciclo do Ensino Básico, em 12/13, dos alunos que transitaram/aprovaram, 44,1% fizeram-no sem níveis inferiores a 3, e em 13/14, 44,3 % dos alunos transitados fizeram-no sem terem obtido qualquer nível inferior a 3. Verifica-se assim que de 12/13 para 13/14 houve um crescimento de,2% de sucesso pleno. O crescimento verificado deve-se ao aumento que se verificou no sucesso pleno do 8º ano de escolaridade que passou de 44,4% em 12/13 para 5,% em 13/14 (+5,6%), uma vez que o sucesso pleno no 7º ano de escolaridade em 13/14 (5,6%) se manteve praticamente igual ao verificado em 12/13 (5,7%) e o sucesso pleno no 9º ano de escolaridade baixou cerca de 4,7% nos dois últimos anos letivos. P á g i n a 25 34

26 Quadro nº 12 Alunos Transitados/ Aprovados - % de classificações inferiores a 1 12/13 class. «1 1 class. «1 2 class. «1 Total valor % valor % valor % valor % 1º Ano 22 61,2 7 19,4 7 19, º Ano 5 35,7 2 14,3 7 5, 14 12º Ano Total Sec. 4 63,5 9 14, ,2 63 Quadro nº 13 Alunos Transitados/ Aprovados - % de classificações inferiores a 1 13/14 class. «1 1 class.«1 2 class. «1 Total valor % valor % valor % valor % 1º Ano 14 46, ,3 3 11º Ano 17 58,6 7 24,1 5 17, º Ano Total Sec , , ,7 69 No ensino secundário, em 12/13, dos alunos que transitaram/ aprovaram de ano, 63,5 % fizeram-no sem classificações inferiores a 1 valores e em 13/14, 59,4% dos alunos transitados/aprovados fizeram-no tendo sucesso pleno. Verifica-se assim uma diminuição da taxa de sucesso pleno nos dois ultimos anos letivos em cerca de 4,1%, tendo contibuido decisivamente para este facto a diminuição do sucesso pleno registada no 1º ano de escolaridade em cerca de 14,5%. Salienta-se a melhoria registada no 11º ano de escolaridade onde a taxa de sucesso pleno em 13/14 foi melhor em 22,9% à registada em 12/13. A taxa de sucesso pleno no 12º ano é igual a % uma vez que a aprovação dos alunos neste ano de escolaridade que coincide com o final do ensino secundário só acontece com a aprovação em todas as disciplinas. P á g i n a 26 34

27 5. Qualidade do Sucesso Quadro nº 14 % de niveis atribuidos na avaliação interna 12/13 Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Total valor % valor % valor % valor % valor % valor % 5º Ano , , , , º Ano 1, ,2 57 5, , , Total2º C 1, , , ,1 26 1, º Ano 5, , , ,1 88 7, º Ano 3,3 95 9, , ,7 37 3, º Ano 3, , , ,6 92 8,4 196 Total3º C 11, , , , , Quadro nº 15 % de niveis atribuidos na avaliação interna 13/14 Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Total valor % valor % valor % valor % valor % valor % 5º Ano 4, , , ,3 13 9,8 15 6º Ano 6, , , , , Total 2º C 1, , , 754 3, , º Ano 2, , , , 71 5, º Ano , , ,2 9 9, º Ano 2, , , , 35 3,8 918 Total 3º C 4, , , , , A qualidade do sucesso obtido (% de níveis 4 e níveis 5) foi no 2º Ciclo do Ensino Básico de 36,5% em 12/13 e de 41,4% em 13/14. Verifica-se assim um crescimento de 4,9% de 12/13 para 13/14 na obtenção de níveis 4 e níveis 5 por parte dos alunos que frequentaram o 2º Ciclo. O crescimento da qualidade do sucesso que se verificou no 2º ciclo do ensino básico, deve-se por um lado à melhoria verificada no 5º ano de 7,8% e por outro lado à melhoria de 3% verificada no 6º ano de escolaridade. No 3º Ciclo do Ensino Básico a qualidade de sucesso obtida foi de 35,3% em 12/13 e de 34 % em 13/14. Verifica-se assim uma ligeira descida de 1,3% na qualidade do sucesso que foi obtida pelos alunos. P á g i n a 27 34

28 A descida verificada deve-se fundamentalmente por um lado à diminuição verificada na qualidade do sucesso no 7º ano de escolaridade (1,7%) e no 9º ano de escolaridade de (2,2%) uma vez que no 7º ano os valores registados nos dois últimos anos letivos são praticamente iguais. Quadro nº 16 % de classificações atribuidas na avaliação interna 12/13 Classif. «1 Classif.1-13 Classif Classif. 17- Total valor % valor % valor % valor % valor % 1º Ano , ,5 14 5, º Ano 5 32, ,6 3 19,5 13 8, º Ano 2 2,4 3 35, ,7 17,2 84 Total Sec 15, , ,2 44 8,8 53 Quadro nº 17 % de classificações atribuidas na avaliação interna 13/14 Classif. «1 Classif.1-13 Classif Classif. 17- Total valor % valor % valor % valor % valor % 1º Ano 69 24, , ,3 22 7, º Ano 41 18, , ,5 12 5, º Ano 4 7,1 35, , ,6 56 Total Sec 114, , ,7 45 8,1 556 Na qualidade do sucesso no ensino secundário (% de avaliações com classificação igual ou superior a 14 valores), salienta-se que os valores conseguidos nos anos letivos de 12/13 e 13/14 são praticamente semelhantes com uma ligeira descida em 13/14. Salienta-se no entanto a qualidade do sucesso obtida pelos alunos do 12º ano de escolaridade que atingiu os valores de respetivamente 61,9% em 12/13 e 57,1% em 13/14. P á g i n a 28 34

29 6. Metas de Aprendizagem Quadro nº 18 Ano de escolaridade Meta proposta para 13-14(%) (Sucesso) Sucesso em 13 14(%) 1º Ano 2º Ano 89 83, 3º Ano 95 94,4 4º Ano 95 96,5 5º Ano 89 82,9 6º Ano 84 82,1 7º Ano 82 86, 8º Ano 9 88,6 9º Ano 81 78, 1º Ano 84 77,3 11º Ano 86 8, 12º Ano 64 64,7 De acordo com as metas estabelecidas para 13/14 verifica-se que não foram atingidas as metas propostas para o 2º, 3º, 5º, 6º, 8º, 9º 1, e 11º anos de escolaridade. Foi atingida a meta do 1º Ano de escolaridade e foram ultrapassadas as metas propostas para o 4º (+,5%), 7º (+ 4%) e 12º ano de escolaridade (+,7 %). Salienta-se igualmente a proximidade entre as metas que foram estabelecidas e o sucesso alcançado no 3º ano (-,6%), 6º ano (-1,9%) e 8º ano de escolaridade (- 1,4%). P á g i n a 29 34

30 7. Conclusões - O sucesso escolar no 3º e 4º Anos de Escolaridade subiu no último triénio de anos letivos estando no caso do 4º ano de escolaridade ao nível do sucesso nacional; - No 2º ano de escolaridade verifica-se um agravamento do insucesso escolar; - No 2º Ciclo em ambos os anos de escolaridade o sucesso escolar diminuiu de 11/12 para 13/14; - No 3º ciclo, nos 7º e 8º anos de escolaridade no último triénio de anos letivos a taxa de sucesso escolar do Agrupamento de Escolas foi superior à taxa de sucesso Nacional; - No 9º ano de escolaridade a taxa de sucesso escolar do Agrupamento de escolas foi inferior à taxa de sucesso verificada a nível nacional; - Nos anos letivos de 11/12 e 12/13 a taxa de sucesso de conclusão que se verificou com os alunos que frequentaram os Cursos de Educação e Formação (CEF) foi superior à média nacional; - O Sucesso Escolar do Agrupamento de Escolas no Ensino Secundário desceu nos últimos anos letivos, no entanto a taxa de sucesso escolar no ano de conclusão do ensino secundário foi sempre superior à média nacional; - Os resultados do sucesso de conclusão dos Cursos Profissionais do Ensino Secundário desceram de 11/12 para 13/14; - Os resultados do Sucesso Escolar de conclusão do Ensino Secundário através dos Cursos de Educação e Formação de Adultos nos anos de 11/12 e 12/13 suplantaram os resultados que se verificaram a nivel nacional, o que não aconteceu em 13/14, ano letivo em que ficou abaixo do resultado que se verificou a nivel nacional; - Os resultados dos Exames Nacionais do 4º ano de escolaridade nas disciplinas de Português e Matemática registaram nos últimos dois anos letivos uma melhoria significativa tendo ultrapassado a média nacional, em Português, na Escola Básica do Alvito e na Escola Básica do Furadouro e em Matemática na Escola Básica do Alvito; - Os resultados dos Exames Nacionais do 6º ano na disciplina de Português registaram nos últimos dois anos letivos uma melhoria significativa tendo mesmo ultrapassado os resultados verificados a nível nacional na Escola Básica do Alvito e na escola Básica de Óbidos; - Os resultados dos Exames Nacionais na disciplina de Matemática no 6º ano de escolaridade tiveram nos últimos dois anos letivos uma descida quer na percentagem de níveis positivos quer na sua média. No entanto verifica-se que P á g i n a 3 34

31 no caso dos resultados obtidos pelos alunos da Escola Básica de Óbidos e na Escola Básica do Alvito foram melhores do que aqueles que se verificaram a nível nacional; - Os resultados dos Exames de Português do 9º ano de escolaridade melhoraram nos últimos três anos letivos, embora com valores inferiores à média nacional; - Os resultados dos Exames de Matemática do 9º ano acompanharam a tendência nacional de descida, no entanto com valores inferiores àqueles que se verificaram a nível nacional; - Nos resultados dos exames do ensino secundário constata-se o seguinte: - Melhoria da média na disciplina de Biologia Geologia, inferior à média nacional com aproximação da mesma; - Melhoria da média do Exame de Física e Química A, com aproximação à média nacional mas inferior à mesma em 1,4 valores; - Melhoria da média do Exame de Português que atingiu a média nacional; - Descida da média na disciplina de Matemática A situando- se a mesma a cerca de 2 valores da média nacional; Para finalizar, há ainda a salientar as seguintes conclusões: - Diminuição do sucesso pleno no 4º ano de escolaridade; - Crescimento do sucesso pleno no 2º ciclo do Ensino Básico; - Crescimento do sucesso pleno no 3º ciclo do Ensino Básico; - Diminuição da taxa de sucesso pleno no Ensino Secundário; - Aumento da qualidade do sucesso no 2º Ciclo do ensino Básico; - Ligeira descida na qualidade do sucesso no 3º Ciclo do Ensino Básico; - Ligeira descida na qualidade do sucesso no Ensino Secundário; - Foram atingidas e ultrapassadas as metas de aprendizagem propostas para o ano letivo de 13/14, no 1º, 4º, 7º e 12º ano de escolaridade; - Não foram alcançadas as metas de aprendizagem propostas para o ano letivo de 13/14 no 2º, 3º 5º,6º, 8º, 9º 1, e 11º anos de escolaridade. P á g i n a 31 34

32 8- Melhorias 1- A elevada Taxa de Retenção do 2º ano de escolaridade (17%), deve-se ao facto de não haver retenções no 1º ano, o que implica que alguns alunos frequentem o 2º ano a cumprir o programa do 1º ano, pelo que se propõe: - A criação de pequenos grupos de alunos para frequência de aulas de Apoio Educativo de acordo com os resultados escolares e nível de aprendizagem (alunos do 1º ano que tendo transitado, obtiveram avaliação não satisfatória em Português e/ou Matemática); - A formação dentro do possível e dentro de um quadro de autonomia de turmas do 2º ano com um menor número de alunos, de modo a propiciar o sucesso escolar. 2- Como promoção do sucesso escolar no 1º Ciclo, sugere-se ainda: - O reforço da articulação entre este ciclo e o pré-escolar de modo a melhorar os pré-requisitos dos alunos, no âmbito das áreas disciplinares de Português e Matemática; - Intervenção o mais precoce possível no sentido de colmatar dificuldades sentidas ao nível da compreensão e expressão; - A não constituição de turmas mistas (com mais de um ano de escolaridade) dentro de um quadro de autonomia; - O reforço junto dos encarregados de educação das crianças de frequência não obrigatória no 1º ciclo, da desvantagem da sua matrícula antecipada, dada a complexidade do currículo do referido ciclo e o facto de estas crianças terem menor maturidade, visto serem mais jovens que os restantes alunos; - Sempre que possível concentrar no período letivo da manhã as áreas curriculares com uma maior componente teórica deixando o período da tarde para a lecionação das áreas das expressões; - Constituição de pequenos grupos de alunos na componente de Apoio ao Estudo. 3 - Como promoção do sucesso escolar no Agrupamento de Escolas, propõe-se: - A promoção de uma maior articulação entre os três ciclos sob as mais variadas formas e estratégias educativas recorrendo a novos meios tecnológicos e os diversificados recursos físicos e humanos do Agrupamento de Escolas; P á g i n a 32 34

33 - O controlo da indisciplina, que tem aumentado nos últimos anos, aplicando o estatuto do aluno no que diz respeito a esta matéria; - A redefinição de estratégias adequadas aos alunos/turma sempre que se revele necessário; - A continuidade da atitude de constante reflexão crítica/avaliação sobre a prática educativa, que permita práticas que conduzam ao sucesso das aprendizagens; - A prestação de apoio educativo individualmente (caso se justifique) ou a grupos de alunos substancialmente mais reduzidos; - A continuidade do estímulo à frequência das estruturas de apoio às aprendizagens: Bibliotecas Escolares, Sala de Estudo e Oficina da Matemática; - A insistência da parte dos professores para que se verifique a mudança de atitude dos alunos que não cumprem os seus deveres, nomeadamente serem assíduos e pontuais, fazerem-se acompanhar do material escolar necessário, empenharem-se na execução das tarefas propostas e no estudo, persistirem na superação das suas dificuldades, em suma, cumprirem as orientações dadas pelos docentes; - O reforço do despiste vocacional dos alunos que apresentam repetências, de forma a detetar interesses/vocações e encontrar possíveis vias/percursos escolares onde os alunos experienciem sucesso (formação de turmas de PCA, Cursos Vocacionais do 2º e 3º Ciclos e Cursos Profissionais do Ensino Secundário); - Um envolvimento mais ativo dos pais e/ou encarregados de educação no processo de ensino /aprendizagem dos seus educandos, nomeadamente um maior controlo na apresentação dos materiais necessários para as aulas, elaboração e cumprimento de um horário de estudo e execução das tarefas escolares em casa; - Incremento da participação dos pais na vida escolar, valorizando experiências já iniciadas no Agrupamento de Escolas e percorrendo os vários ciclos de escolaridade; - Uma maior sensibilização dos pais e/ou encarregados de educação para o cumprimento dos deveres constantes no estatuto do aluno; - Insistência nos hábitos de vida saudável, facilitadores e promotores de aprendizagens. - Um esforço conjunto de toda a comunidade escolar para a consecução das seguintes metas de Aprendizagem que foram aprovadas em Conselho Pedagógico: P á g i n a 33 34

34 Metas de Aprendizagem 14/15 Ano de escolaridade Quadro nº 19 Taxa de Sucesso 13 14(%) Meta proposta para 14-15(%) 1º Ano 2º Ano 83, 88, 3º Ano 94,4 95, 4º Ano 96,5 96,5 5º Ano 82,9 88, 6º Ano 82,1 86, 7º Ano 86, 86, 8º Ano 88,6 89, 9º Ano 78, 83, 1º Ano 77,3 84, 11º Ano 8, 87, 12º Ano 64,7 65, P á g i n a 34 34

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO Ano letivo 2013-2014 Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) REFERENCIAL IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas D. Sancho I

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Externato Académico. Projeto Educativo

Externato Académico. Projeto Educativo Externato Académico Projeto Educativo 2015-2018 Índice 1. Introdução... 3 2. Caracterização... 4 2.1. Recursos materiais e educativos... 5 3. Princípios orientadores... 7 3.1.Missão, Visão, Objetivos e

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO

AUTO-AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO AUTO-AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO Os processos e as tecnologias podem unir aspectos importantes para melhores desempenhos organizacionais, mas são as pessoas, através dos seus desempenhos e comportamentos,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA Relatório de Autoavaliação Ano letivo 2014/2015 Grupo disciplinar de Página2 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 I ENQUADRAMENTO. 3 1. Caracterização da estrutura educativa.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013 RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO DO PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES RELATIVO A 2012/2013 1 - Enquadramento O presente relatório tem enquadramento legal no artigo 13.º alínea f, do Decreto -Lei nº 75/2008, de 22

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de julho de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 196/2014 Aprova o Calendário Escolar dos estabelecimentos

Leia mais

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA ACTIVIDADE Este documento é o relatório final da Actividade designada (+) Conhecimento, que se insere na Acção nº 4, designada Competência (+), do

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010 8.2 Do requerimento devem constar os seguintes elementos: a) Identificação completa (nome, filiação, naturalidade, data de nascimento,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 9 /2013, de 11 de fevereiro revogou a Portaria nº 29/2012, de 6 de março referente à avaliação das aprendizagens e competências no

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) MATRIZ DE CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Página 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas

Leia mais

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA PLANO TEIP 2014-2015 AÇÕES (a vermelho, ações propostas, mas que, por motivos de vária ordem, não é possível dinamizar, na totalidade ou nos s ou turmas referidos)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 6 de junho de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho normativo n.º 4/2013 Regulamenta a avaliação e certificação

Leia mais

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 PARTE C EDUCAÇÃO Gabinetes da Secretária de Estado Adjunta e da Educação e do Secretário de Estado da Educação Despacho normativo n.º

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos Abrangidos pela Educação Especial

Critérios de avaliação dos alunos Abrangidos pela Educação Especial Critérios de avaliação dos alunos Abrangidos pela Educação Especial ANO LETIVO 2013-2014 Departamento de Educação Especial Proposta Ano Letivo 2013-2014 Avaliação dos alunos com NEE de carácter permanente,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Montijo 23, 24 e 27 fev. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Colégio da Imaculada Conceição

Colégio da Imaculada Conceição AVALIAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO 2014/15 Resultados da avaliação (taxas de não transição/ não conclusão, em percentagem) Proposta do PDC Ano 09/10* 10/11* 11/12* 12/13 13/14 14/15 5.º

Leia mais

Avaliação das aprendizagens 2014/2015

Avaliação das aprendizagens 2014/2015 Avaliação das aprendizagens 2014/2015 Por uma Escola Viva e Exigente ÍNDICE ÍNDICE... I I - PRINCÍPIOS... 1 II - PROCESSO... 1 III - INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO... 2 IV - MODALIDADES DE AVALIAÇÃO... 2 V

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Observatório do Sistema Educativo da Região Autónoma da Madeira 2. EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação

FICHA TÉCNICA. Observatório do Sistema Educativo da Região Autónoma da Madeira 2. EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação FICHA TÉCNICA EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação TÍTULO Anuário 2014 AUTORIA Observatório do Sistema Educativo da RAM / Gabinete do Secretário EDIÇÃO Observatório do Sistema Educativo da

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade)

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16 (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) Os alunos com Necessidades Educativas Especiais, de caráter permanente, a beneficiar de Medidas

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO De acordo com a Portaria n 266/2012, de 30 de agosto, compete ao Conselho Geral definir os critérios de avaliação do

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO Setembro 2013 ...A condição humana devia ser o objecto essencial de todo o ensino. (M.O. Mourin 2000) Índice 1-Introdução... 3 2 Caracterização do Meio...

Leia mais

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE Avaliação institucional: potencialização do processo ensino e aprendizagem A avaliação institucional é uma prática recente

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

S ucesso A c a démico 1. º P e r íodo

S ucesso A c a démico 1. º P e r íodo A v a liação do Sucesso A c a démico 1.º P eríodo A v a liação do S ucesso A ca démico 1. º P e r í o d o A v a l i a ç ã o d o S ucesso A c a démico 1.º P e r íodo Avaliação do S ucesso Relatório A c

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Escola Básica e Secundária do Levante da Maia PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DE TEMPOS ESCOLARES 2013-2017 Crescer, Saber e Ser Página 0 (Anexo I) ÍNDICE I. Nota Introdutória

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

AEB_AVALIAÇÃO EXTERNA_2012/2013 DOCUMENTO DE APRESENTAÇÃO. Avaliação Externa 2012/2013

AEB_AVALIAÇÃO EXTERNA_2012/2013 DOCUMENTO DE APRESENTAÇÃO. Avaliação Externa 2012/2013 DOCUMENTO DE APRESENTAÇÃO Avaliação Externa 2012/2013 0 ÍNDICE 1. Introdução 2 2. Breve caracterização do AEB 2 3. Resultados 3 3.1. Resultados académicos 3 3.2. Resultados sociais 8 3.3. Reconhecimento

Leia mais

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014

Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão. Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 Agrupamento de Escolas D. Sancho I Vila Nova de Famalicão Relatório de Avaliação do Projeto Educativo do Agrupamento 2013/2014 PAR Índice Introdução 4 1. Avaliação Final do Sucesso Académico 5 1.1. Ensino

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Expressões Educação Especial INTRODUÇÃO A Educação Especial, através dos Docentes de Educação Especial (DEE), intervêm na realidade escolar, realizando ações diversificadas

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

ADENDA Ano letivo 2015/2016

ADENDA Ano letivo 2015/2016 ADENDA Ano letivo 2015/2016 INTENCIONALIDADE EDUCATIVA Plano de Estudo e de Desenvolvimento do Currículo 2013/2017 3.2. Desenho Curricular e Carga Horária das Ofertas Educativas do Agrupamento 3.2.1. Desenho

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 660/XII/4.ª

PROJETO DE LEI N.º 660/XII/4.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 660/XII/4.ª ESTABELECE UM NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA E POR DOCENTE NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO Exposição de

Leia mais

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento Avaliação Interna e monitorização do Projeto Educativo do Agrupamento 2014-2015 0 1. INTRODUÇÃO No ano letivo (2012/13), no nosso agrupamento, concluiu-se um processo de autoavaliação iniciado em 2009/10,

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação...

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação... PROJETO EDUCATIVO Triénio 2012/2015 Colaborar, Formar, Construir o Futuro ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Página 1 de 16 Índice Introdução... 3 Diagnóstico... 5 Visão e missão... 7 Finalidades e

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE UM MODELO INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E DO DESEMPENHO DE EDUCADORES E DOCENTES DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Exposição de motivos A avaliação

Leia mais

SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE

SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Artigo 74.º Direitos dos pais e encarregados de educação São direitos dos pais e encarregados de educação: a) Participar

Leia mais

PLANO DE OCUPAÇÃO DOS TEMPOS ESCOLARES

PLANO DE OCUPAÇÃO DOS TEMPOS ESCOLARES 2012/2013 PLANO DE OCUPAÇÃO DOS TEMPOS ESCOLARES Pré-Escolar 1. Sempre que um educador falte por um período de curta duração, os alunos na componente curricular serão assegurados pela Assistente Operacional

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR ANO LETIVO 2013/2014 Departamento do Pré- Escolar 2013/2014 Page 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Introdução A avaliação em educação é um elemento integrante

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO AGRUPAMENTO

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO AGRUPAMENTO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO AGRUPAMENTO Pré-Escolar, 1º, 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico, Cursos de Educação Formação e Cursos EFA Ano letivo 2012/2013 1 I - CARATERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO 1- Contexto sociocultural

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Mortágua 13 a 15 março 2013 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo X Regulamento do Mérito Escolar Artigo 1.º Prémios de valor, mérito e excelência 1. Para efeitos do disposto na alínea h) do ponto 1 do artigo 7.º, conjugado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO DOS PRÉMIOS DE MÉRITO Preâmbulo De acordo com o artigo 7.º da Lei nº 51/ 2012, de 5 de setembro, o aluno tem direito a: d) «ver reconhecidos e valorizados

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Ano lectivo 2010 / 2011 Introdução De modo a dar cumprimento à legislação em vigor, tendo como base os objectivos do Projecto Educativo: Diminuir o Insucesso e abandono

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) (Anexo à ata nº 4, da reunião de 07-03-2014) A. LEITURA GLOBAL DOS

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. 1.º Ciclo do Ensino Básico

DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. 1.º Ciclo do Ensino Básico DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico ANO LETIVO 2015/2016 Constituem objeto de

Leia mais

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO PREÂMBULO Este regulamento é um documento orientador, de cariz predominantemente pedagógico, que especifica as normas que

Leia mais

BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA NOTA INFORMATIVA

BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA NOTA INFORMATIVA BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA NOTA INFORMATIVA A Bolsa de Contratação de Escola (BCE) deve ser constituída pelos Agrupamentos de Escolas/Escolas Não Agrupadas (AE/ENA) TEIP e/ou com Contrato de Autonomia,

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015

Plano Anual de Atividades 2014/2015 Ação do PE e Atividade Ação nº1: Diversificação Pedagógica: a) Componente local do currículo (rentabilizar a cultura patrimonial ambiental e histórica da região); b) Assessorias Pedagógicas (colaboração

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/2015

PLANO DE AÇÃO 2013/2015 PLANO DE AÇÃO 2013/2015 INTRODUÇÃO: Os planos de formação previstos na alínea b) do n.º 2 do artigo 20.º e na alínea d) do artigo 33.º, ambos do Decreto -Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, devem conter,

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho (PREÂMBULO) Artigo 1.º Objeto O presente diploma procede à alteração do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho. Artigo 2.º Alterações

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária do Marquês de Pombal LISBOA 23 e 24 fev 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

Organização do Ano Letivo 2014/2015

Organização do Ano Letivo 2014/2015 Organização do Ano Letivo 2014/2015 Distribuição de serviço, elaboração de horários e constituição de turmas 1) Aplicação das normas e organização do ano letivo (Despachos normativos n.º 6/2014 ) a) Duração

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2014.2018

REGULAMENTO INTERNO 2014.2018 REGULAMENTO INTERNO 2014.2018 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MANUEL TEIXEIRA GOMES PORTIMÃO 0 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS 4 5 SECÇÃO I DEFINIÇÃO E DISPOSIÇÕES GERAIS 6 SECÇÃO II

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES. Sobre Horários. Pessoal docente, escolas públicas. 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores?

PERGUNTAS FREQUENTES. Sobre Horários. Pessoal docente, escolas públicas. 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores? PERGUNTAS FREQUENTES Sobre Horários Pessoal docente, escolas públicas 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores? Sim! A elaboração dos horários dos professores e educadores obedece

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Programa de Actividades de Enriquecimento Curricular no 1º. Ciclo do Ensino Básico Relatório de Acompanhamento da Execução Física 2008/2009 CAP Comissão de Acompanhamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE PROJETO EDUCATIVO 2013/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE PROJETO EDUCATIVO 2013/2016 PROJETO EDUCATIVO 2013/2016 INDICE Página Introdução 4 Caracterização do agrupamento 5 1. Inserção na Comunidade Local 5 2. O agrupamento 7 Valores e princípios do Projeto Educativo 10 Diagnóstico 11 Objetivos:

Leia mais

ENCONTROS REFLETIR PARA MELHORAR CONCLUSÕES

ENCONTROS REFLETIR PARA MELHORAR CONCLUSÕES ENCONTROS REFLETIR PARA MELHORAR CONCLUSÕES Estruturas responsáveis pela implementação das ações de melhoria: 1. Conselho Geral/Direção/ Conselho Pedagógico; 2. Departamentos curriculares; 3. Conselhos

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o 1-2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola -- Escola Secundária da Ribeira Grande Projeto Educativo de Escola 2013-2016 Projeto apreciado em reunião de Conselho Pedagógico do dia 2 de maio de 2013 B Escola Secundária da Ribeira Grande - Projeto

Leia mais

Entrevista ao Professor

Entrevista ao Professor Entrevista ao Professor Prof. Luís Carvalho - Matemática Colégio Valsassina - Lisboa Professor Luís Carvalho, agradecemos o tempo que nos concedeu para esta entrevista e a abertura que demonstrou ao aceitar

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE PAIVA Escola Sede: Escola Secundária de Vila Nova de Paiva Rua Padre Joaquim Rodrigues da Cunha 3650-219 Vila Nova de Paiva Telefone: 232609020 Fax:232609021 http://esvnp.prof2000.pt

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais