AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria"

Transcrição

1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014

2 1. INTRODUÇÃO ANÁLISE QUALITATIVA Áreas de Melhoria Identificação das AM Visão global do PAM Ficha da Ação de Melhoria... 8

3 1. Introdução O plano de ações de melhoria (PAM) é fundamentado nos aspetos realçados pela equipa de avaliação externa da Inspeção Geral da Educação, realizada em Resulta do relatório da Avaliação Externa das Escolas, baseando-se, assim, em evidências e dados provenientes da própria escola e, sobretudo, na perspetiva da comunidade escolar. O PAM a elaborar é determinado pelas áreas de melhoria que o agrupamento carece identificadas pela Equipa da Avaliação Externa. Este deve conduzir diretamente ao plano de ações para melhorar o desempenho do agrupamento nos três critérios de intervenção da Avaliação Externa Resultados, Prestação do Serviço Educativo e Liderança e Gestão. O PAM é concomitantemente um dos principais objetivos da autoavaliação do Agrupamento e as ações que constam do plano representam atividades fundamentais para o bom desempenho das pessoas e da própria organização. Estas ações, no seu conjunto, representam aquilo que poderá determinar, de forma positiva ou negativa, a identificação e o empenho das pessoas nos objetivos de melhoria do serviço, assim como mostrar à organização que o esforço que lhes foi solicitado ao longo de todo este processo tem, de facto, resultados concretos. Algumas das ações descritas decorrem também das inscritas no Contrato de Autonomia estabelecido entre o Agrupamento de Escolas de Arronches e a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares do Ministério da Educação e Ciência. Apresentados os resultados da Avaliação Externa do Agrupamento de Escolas de Arronches e definidas as ações de melhoria, seguiu-se a criação das equipas que têm de elaborar um plano de implementação das AM identificadas, de acordo com um planeamento. Cada AM terá assim uma equipa responsável pela sua implementação, e essa equipa é coordenada por uma pessoa, o Coordenador da Ação. 2. Análise qualitativa A análise que se segue contempla não só a avaliação da equipa da Avaliação Externa como também a avaliação da comunidade educativa (pessoal docente, pessoal não docente, alunos e pais/encarregados de educação) através dos questionários e as sugestões de melhoria dadas pelos mesmos. Neste diagnóstico é feita uma separação entre os Pontos Fortes e Áreas de Melhoria, sendo que os Pontos Fortes se referem aos aspetos que o agrupamento já desempenha com qualidade e sobre os

4 quais a satisfação da comunidade escolar é bastante positiva; por outro lado, as Áreas de Melhoria são os aspetos em que o agrupamento ainda não conseguiu alcançar o nível necessário à obtenção de uma maior satisfação por parte dessa mesma comunidade. As ações de melhoria são baseadas nas Áreas de Melhoria. Critério 1 Resultados Critério 1 Resultados 1.1 Resultados académicos. Subcritérios (SC) 1.2 Resultados sociais. 1.3 Reconhecimento pela comunidade. SC Pontos fortes Avaliação das aprendizagens no Pré-escolar. Análise sistemática dos resultados académicos internos e externos. Taxas de conclusão do 1º, 2º e 3º ciclo significativamente acima dos valores esperados para escolas do mesmo contexto e mesmo grupo de referência. Inexistência de abandono escolar. Participação dos alunos nas equipas de elaboração dos documentos orientadores. Assembleia de delegados e subdelegados de turma. Projetos abrangentes a toda a comunidade constantes no Plano Anual de Atividades SC Elevada satisfação de EE, alunos, pessoal docente e não docente pelo funcionamento do agrupamento em áreas como o refeitório, o bufete ou a segurança. Satisfação do pessoal não docente pelos contributos para o agrupamento e a autoavaliação. Prémios de mérito e excelência. Aspetos a melhorar Resultados das provas avaliação externa de Português e Matemática aquém dos esperados para escolas de contexto análogo e mesmo grupo de referência. Não identificação dos fatores intrínsecos que permitam uma definição concertada e eficiente de ações de melhoria. Ações pouco consistentes e com reduzida eficácia. Parecer menos favorável dos E.E. no que concerne ao comportamento disciplinar dos alunos, justeza das avaliações e instalações da escola. Insatisfação dos alunos no uso do computador em sala de aula, utilização da biblioteca e resolução de problemas de indisciplina. Pouco adequação dos espaços de desporto e recreio salientado pelos docentes.

5 Critério 2 Prestação do serviço educativo Agrupamento de Escolas de Arronches Critério 2 Prestação do serviço educativo 2.1 Planeamento e articulação. Subcritérios (SC) 2.2 Práticas de ensino. 2.3 Monitorização e avaliação do ensino e das aprendizagens. SC SC Pontos fortes Conceção e o planeamento do currículo inscritos no plano de estudos e atividade do agrupamento. Planeamento da prática letiva e gestão flexível do currículo segundo as orientações dos documentos estruturantes. Desporto escolar, Educação para a Saúde, Plano Nacional de Leitura e atividades no âmbito das TIC e da ciência como enriquecedores dos contextos de aprendizagem e integração dos alunos. PAAPOT com o percurso escolar de cada aluno que permite uma maior adequação das estratégias e dos apoios educativos. Diversas modalidades de apoio disponibilizadas pelo agrupamento aos alunos com maiores dificuldades. Adequado acompanhamento de crianças e alunos com necessidades educativas especiais pelas equipas pluridisciplinares. Rentabilização das novas tecnologias nas práticas de ensino. Práticas e instrumentos de avaliação diversificados. Monitorização e avaliação do ensino e das aprendizagens apresentada trimestralmente pela direção ao conselho geral. Divulgação dos critérios de avaliação em toda comunidade educativa e aferidos em conselho pedagógico. Elevadas taxas de transição dos alunos com necessidades educativas especiais. Prevenção do abandono escolar que resulta de medidas proactivas entre o agrupamento e parceiros. Aspetos a melhorar Pouca eficácia das estratégias e dos apoios educativos a julgar pela diferença entre os resultados académicos obtidos nas avaliações interna e externa. Atividades de diferenciação pedagógica pouco utilizadas em contexto de sala de aula. Ensino experimental sem um carácter regular, enquanto estratégia para fomentar a pesquisa e a resolução de problemas. A observação de aulas não assume uma prioridade no processo de desenvolvimento profissional. PAAPOT sem incorporar reflexões conjuntas, conducentes à diversificação de práticas com impacto nos resultados escolares. Falta de mobilização de pais e EE, na procura e na implementação de estratégias que invertam a tendência de insucesso verificada nos resultados escolares. 2.4 Falta de eficácia na gestão da disciplina em contexto de sala de aula e consequente desperdício de tempo ao serviço da aprendizagem.

6 Critério 3 Liderança e gestão Critério 3 Liderança e gestão 3.1 Liderança. Subcritérios (SC) 3.2 Gestão. 3.3 Autoavaliação e melhoria. SC SC Pontos fortes Coerência dos documentos orientadores do agrupamento que relacionam propostas e finalidades, resultantes do diagnóstico efetuado junto dos diferentes agentes educativos. Melhoria do trabalho desenvolvido em conselho geral. Liderança de proximidade da direção. Papel dos diretores de turma na ligação entre a escola e as famílias. Envolvimento do agrupamento em projetos que asseguram uma formação integral de qualidade. Parcerias com instituições da comunidade envolvente. As várias infraestruturas concelhias colocadas ao serviço dos alunos. Adequada distribuição do serviço docente. Adequada constituição de turmas. Constituição de turmas e organização dos horários de acordo com os interesses dos alunos. Valorização das competências de cada docente e do pessoal não docente. Formação interna e externa eficaz. Eficácia da comunicação interna e externa. Cultura de autoavaliação no Agrupamento. Autoavaliação que permite alterações consistentes ao nível do planeamento e da organização pedagógica. Aspetos a melhorar Falta de desenvolvimento de estratégias efetivas da associação de pais e encarregados de educação no sentido de serem encontradas respostas à superação do insucesso académico registado pelos alunos. Não perceção, pelo processo de autoavaliação, de melhorias sustentadas ao nível das práticas dos profissionais, melhoria das aprendizagens e evolução dos resultados escolares.

7 3. Plano de Ações de Melhoria Áreas de Melhoria Tabela 1 Identificação das Áreas de Melhoria Áreas de Melhoria Aspetos a Melhorar Diferenças registadas entre os resultados das avaliações interna e externa Ensino experimental Atividade experimental. Mobilização dos pais/encarregados de educação na procura e implementação de estratégias promotoras de um maior sucesso escolar Consolidação dos processos de autoavaliação do Agrupamento Resultados das provas avaliação externa de Português e Matemática. Identificação dos fatores intrínsecos que permitam uma definição concertada e eficiente de melhoria dos resultados escolares. Apoios Educativos. Atividades de diferenciação pedagógica em contexto de sala de aula. A observação de aulas como processo de melhoria profissional. Desenvolvimento de estratégias efetivas entre o Agrupamento, a associação de pais e encarregados de educação e a autarquia no sentido de serem encontradas respostas à superação do insucesso académico registado pelos alunos. Processo de autoavaliação, que contemple melhorias sustentadas ao nível das práticas dos profissionais, melhoria das aprendizagens e evolução do sucesso académico.

8 3.1. Identificação das AM Tabela 2 Identificação das Acções de Melhoria Áreas de Melhoria Diferenças registadas entre os resultados das avaliações interna e externa Ensino experimental Mobilização dos pais/encarregados de educação na procura e implementação de estratégias promotoras de um maior sucesso escolar Consolidação dos processos de autoavaliação do Agrupamento Ações de Melhoria Melhorar o planeamento do ensino e das aprendizagens com vista à melhoria dos resultados escolares. Melhorar a avaliação do ensino e das aprendizagens. Melhorar a qualidade das aprendizagens nas disciplinas de Português e Matemática. Melhorar o acompanhamento do trabalho dos docentes. Diversificar a oferta educativa. Melhorar a gestão da disciplina em contexto de sala de aula Dinamizar o ensino experimental. Melhorar a participação dos pais e encarregados de educação na vida escolar dos seus educandos. Comprometer toda a comunidade educativa na promoção do sucesso escolar dos alunos agrupamento. Aperfeiçoar os mecanismos de autoavaliação do Agrupamento com vista a promover melhorias sustentadas ao nível das práticas dos profissionais, melhoria das aprendizagens e evolução do sucesso académico.

9 3.2. Visão global do PAM Tabela 3 Cronograma do PAM Prioridade AM - Melhorar os resultados escolares - Melhorar a participação dos pais e encarregados na vida escolar dos seus educandos. - Comprometer toda a comunidade educativa na promoção do sucesso escolar dos alunos agrupamento. - Aperfeiçoar os mecanismos de autoavaliação do Agrupamento com vista a promover a melhoria dos resultados escolares. Responsável pela Ação Conselho pedagógico / Coordenadores Departamento Patrícia Bom / Susana Palmeiro Conselho Geral João Garrinhas Data prevista para conclusão Cronograma temporal da actividade S O N D J F M A M J J A x 2014 x X x X X Estado

10 Ficha da Acão de Melhoria FICHA DE ACÇÃO DE MELHORIA N.º 1 Designação da Ação de Melhoria - Melhorar os resultados escolares. Coordenador da Ação Diretora: Ana Maria Reis Equipa operacional Conselho Pedagógico Coordenadores de departamento Critério Critério 1 Resultados. Descrição da acção de melhoria - Promover uma articulação horizontal e vertical do currículo, de modo melhorar a sequencialidade das aprendizagens e a melhoria dos resultados académicos dos alunos. - Implementar práticas de reflexão sobre os resultados escolares reguladoras do processo ensino aprendizagem - Implementação de permutas entre os professores do mesmo ano de escolaridade na lecionação e correção de instrumentos de avaliação. - Implementar a supervisão do trabalho do docente. - Monotorização pelo departamento de Matemática e Ciências Experimentais da eficiência das estratégias de ensino experimental na melhoria dos resultados escolares. - Observação de aulas - Reflexão entre observadores e observados das aulas supervisionadas - Criação de cursos de educação vocacional de 2º e 3º ciclo

11 Objectivo (s) da acção de melhoria - Reforçar o papel das lideranças intermédias na promoção de um trabalho cooperativo no seio dos departamentos e conselho de docentes e na criação de equipas pedagógicas (Trabalho de Equipas Pedagógicas). - Identificação no conselho de docentes e nos departamentos curriculares dos conteúdos em que os alunos revelam mais dificuldades de modo a ser feito um tratamento mais aprofundado ao longo dos diferentes ciclos de escolaridade. - Adequação das planificações às dificuldades identificadas nos alunos. - Partilha de boas práticas - Oferta vocacional em áreas específicas destinadas a alunos cujo perfil não se enquadra nos currículos regulares Atividades a realizar - Reuniões de Conselho Pedagógico - Reuniões pedagógicas com os docentes de Português e Matemática de 2º e 3º ciclo e do 4ºano supervisionadas pelos coordenadores de departamento e diretora. -Reunião da equipa pedagógica dos cursos vocacionais. - Observação de aulas Resultado (s) a alcançar Indicadores de medida - Reuniões mensais. - Nº de reuniões realizadas e % de participação. Factores críticos de sucesso - Forte empenhamento e disponibilidade da diretora, coordenadores de departamento e docentes. Data de início Janeiro de 2014.

12 Constrangimentos Data de conclusão Julho de Recursos humanos envolvidos - Diretora - Coordenadores de departamento - Docentes - Equipa pedagógica dos cursos vocacionais Custos estimados - Não se aplica. Revisão e avaliação da acção Final do 2º período.

13 FICHA DE ACÇÃO DE MELHORIA N.º 2 Designação da Ação de Melhoria - Melhorar a participação dos pais e encarregados da educação na vida escolar dos seus educandos. Coordenador da Ação Psicóloga: Patrícia Bom Equipa operacional - Psicóloga: Susana Palmeiro - Diretores de turma Critérios Critério 2 Prestação do serviço. Critério 3 Liderança e gestão. Descrição da ação de melhoria - Escola de Pais Ações de formação parental. Objetivo (s) da ação de melhoria - Reforçar o conceito de família. - Aprimorar a formação dos pais, ajudando-os a melhor exercerem as suas funções educativas na família e na sociedade. - Promover competências de relacionamento entre a Família, a Escola e a Comunidade. - Promover competências de conciliação do trabalho com a vida familiar. Atividades a realizar - Ações de Formação Parental.

14 Resultado (s) a alcançar Indicadores de medida - Realização das ações de formação. Nº de ações de formação realizadas e % de participação de país no total do número de pais e encarregados de educação do Agrupamento. Fatores críticos de sucesso Data de início - Experiência, currículo e competência da psicóloga Patrícia Bom na área da formação parental. Constrangimentos - Dificuldade em reunir os pais e encarregados de educação. Recursos humanos envolvidos - Psicóloga: Patrícia Bom. - Psicóloga: Susana Palmeiro. - Diretores de Turma. - Pais e encarregados de educação Janeiro de Data de conclusão Junho de Custos estimados - Não se aplica. Revisão e avaliação da ação - Final do 2º período.

15 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA N.º 3 Designação da Ação de Melhoria - Comprometer toda a comunidade educativa na promoção do sucesso escolar dos alunos do agrupamento. Coordenador da Ação José Monteiro Critério Equipa operacional Conselho Geral Critério 3 Liderança e gestão. Descrição da ação de melhoria - Garantir um Compromisso pela educação entre a toda comunidade educativa na consecução da melhoria dos resultados escolares do Agrupamento. Objetivo (s) da ação de melhoria - Construção de um Projeto Educativo Municipal. Atividades a realizar - Promover reuniões da equipa do Projeto Educativo Municipal que incluam representantes dos pais/encarregados de educação, pessoal não docente, alunos, professores, autarquia e outras instituições estratégicas parceiras do Agrupamento.

16 Resultado (s) a alcançar Indicadores de medida - Reuniões mensais da equipa do Projeto Educativo Municipal. - Nº de reuniões realizadas e % de participação dos membros da equipa do Projeto Educativo Municipal. Fatores críticos de sucesso Data de início - Ligação estratégica de proximidade entre o Agrupamento os parceiros institucionais do concelho de Arronches. Constrangimentos - Dificuldade em reunir por questão de agendas com os parceiros estratégicos do agrupamento. Recursos humanos envolvidos - Pais e encarregados de educação. - Alunos. - Docentes. - Pessoal não docente. - Parceiros estratégicos do Agrupamento. Janeiro de Data de conclusão Fevereiro de Custos estimados - Não se aplica. Revisão e avaliação da ação - No final do 3º período.

17 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA N.º 4 Designação da Ação de Melhoria - Aperfeiçoar os mecanismos de autoavaliação do Agrupamento com vista a promover melhorias sustentadas ao nível das práticas dos profissionais, melhoria das aprendizagens e evolução do sucesso académico. Coordenador da Ação Subdiretor: João Garrinhas Equipa operacional - Nuno Rosado - Cristina Sala - Alexandra Medeiros - Anabela Laranjo Critério Critério 3 Liderança e gestão. Descrição da ação de melhoria - Instituir práticas de monitorização e de avaliação das ações de apoio à melhoria das práticas pedagógicas, das aprendizagens e dos resultados escolares. Objetivo (s) da ação de melhoria - Pretende-se a criação de mecanismos que permitam monitorizar e avaliar a eficiência de estratégias de ensino e de aprendizagens implementadas no Agrupamento para a melhoria dos resultados escolares Atividades a realizar - Monitorização pela equipa da avaliação interna da eficiência das estratégias de ensino aprendizagem na melhoria dos resultados escolares.

18 Resultado (s) a alcançar - Reunião da equipa da avaliação interna no final de cada período para a produção de um relatório sobre o grau de eficiência das estratégias de ensino aprendizagem destinadas à melhoria das aprendizagens e dos resultados escolares. Indicadores de medida - Nº de reuniões realizadas. - Relatório trimestral da equipa da avaliação interna. Fatores críticos de sucesso Data de início - Forte empenhamento e disponibilidade da equipa da avaliação interna. Janeiro de Constrangimentos Recursos humanos envolvidos Data de conclusão Julho de Custos estimados - Equipa da avaliação interna. - Não se aplica. Revisão e avaliação da ação - No final de cada período.

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino Básico Relatório-Síntese Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ÉVORA CÓDIGO 135537 CONCELHO DE ÉVORA DELEGAÇÃO REGIONAL

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA ANEXO II DOMÍNIO: GESTÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Estudex PROJETOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS PARCERIAS CALENDARIZAÇÃO Sala de estudo para o

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Julho 2014

PLANO DE MELHORIA Julho 2014 PLANO DE MELHORIA Julho 2014 Índice Nota Introdutória... 2 1. Resultados da avaliação externa... 3 2. Áreas e ações de melhoria... 4 3. Acompanhamento e divulgação... 7 AET Plano de melhoria 2014/2015

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013 RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO DO PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES RELATIVO A 2012/2013 1 - Enquadramento O presente relatório tem enquadramento legal no artigo 13.º alínea f, do Decreto -Lei nº 75/2008, de 22

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PROENÇA-A-NOVA - 160799. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PROENÇA-A-NOVA - 160799. Plano de Melhoria Índice Objetivo... 2 1 Introdução... 2 2... 3 2.1 Identificação do Agrupamento... 3 2.2 Áreas de Melhoria... 3 2.3 Identificação das Ações de Melhoria... 4 2.4 Visão global do Plano de melhoria.... 5 3

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 Plano de Melhoria Biénio 2013/2015 Agrupamento de Escolas de Clara

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Carta de Missão. (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto)

Carta de Missão. (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto) Carta de Missão (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto) Nome Germano António Alves Lopes Bagão Escalão: 8º Escola Professor do quadro da EBI Frei António das Chagas, do Agrupamento de Escolas de Vidigueira

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

Projeto de Intervenção. Jorge Manuel da Conceição Nunes

Projeto de Intervenção. Jorge Manuel da Conceição Nunes Projeto de Intervenção Jorge Manuel da Conceição Nunes Concurso para provimento do lugar de Diretor do Agrupamento de Escolas de Odivelas Nº1 Pontinha 2014 " ( ) a escola eficaz é aquela que faz com que

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna

Agrupamento Vertical de Ourique. Relatório de Avaliação Interna. Relatório de Avaliação Interna Agrupamento Vertical de Ourique Relatório de Avaliação Interna Relatório de Avaliação Interna 211/212 Índice I - Introdução. II - Enquadramento Legal III Metodologia. A - Constituição da Equipa de Avaliação

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Escola Sede: E.B. 2,3 de Pegões 1. FUNCIONAMENTO DO SPO Desenvolve o seu trabalho com base em atribuições e competências legais, adaptadas ao contexto

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Plano de ação de melhoria

Plano de ação de melhoria Agrupamento de Escolas de Portela e Moscavide Escola Secundária da Portela Escola EB 2,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela Plano de ação de melhoria

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA Relatório de Autoavaliação Ano letivo 2014/2015 Grupo disciplinar de Página2 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 I ENQUADRAMENTO. 3 1. Caracterização da estrutura educativa.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA Departamento do 1ºCiclo PLANO DE TURMA Ano Turma Plano de Turma 1º Ciclo Ano Letivo 20 /20 Índice Introdução 1. Caracterização da turma 1.1. Caracterização dos

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015

Plano Anual de Atividades 2014/2015 Ação do PE e Atividade Ação nº1: Diversificação Pedagógica: a) Componente local do currículo (rentabilizar a cultura patrimonial ambiental e histórica da região); b) Assessorias Pedagógicas (colaboração

Leia mais

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA ATL,LDA TEL.:(053)215650 PROJETO DE INTERVENÇÃO º 4776/2014, de 8 de abril I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, Caminha Concurso prévio à eleição

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Montijo 23, 24 e 27 fev. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 O presente documento constitui-se como uma avaliação final que procura refletir, não só a evolução dos aspetos indicados nas avaliações anteriores como também

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias RELATÓRIO FINAL Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias Introdução Pontos Conteúdos Explicação dos objetivos do

Leia mais

Relatório Final de Autoavaliação

Relatório Final de Autoavaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA Relatório Final de Autoavaliação Ano letivo 2014/2015 Grupo Disciplinar de Educação Especial (910) PROPOSTA DE INDICE DO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS Caráter holístico e contextualizado do processo de desenvolvimento e aprendizagem da criança; Coerência entre os processos de avaliação e os princípios subjacentes

Leia mais

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado 1. Introdução O Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado (AEMC) entende a autoavaliação como um processo ao serviço do seu desenvolvimento

Leia mais

Plano de Melhorias do Agrupamento

Plano de Melhorias do Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRANCISCO SIMÕES Plano Melhorias do Agrupamento 2014/2016 Equipa Autoavaliação Setembro 2014 Conhece-te a ti mesmo Aforismo grego inscrito no pronaus do templo Apolo em Delfos Página

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas n.º 1 de Elvas 27 fevereiro a 1 março 2013 Área Territorial de Inspeção do Alentejo e Algarve 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

CONTRATO DE AUTONOMIA

CONTRATO DE AUTONOMIA CONTRATO DE AUTONOMIA Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Agrupamento de Escolas de Arronches Preâmbulo O Agrupamento de Escolas de Arronches agrega as escolas e jardins-de-infância do concelho

Leia mais

Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012

Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012 Registo da Avaliação de Desempenho Docente Professor contratado - 2011-2012 Nome do professor avaliado Departamento Grupo de Recrutamento NIF Nome do professor relator Departamento Grupo de Recrutamento

Leia mais

António José Cardoso Pires da Silva

António José Cardoso Pires da Silva (PLANO DE INTERVENÇÃO APRESENTADO PELO DIRECTOR AO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO) Quadriénio 2010/2014 Director António José Cardoso Pires da Silva INTRODUÇÃO O conhecimento do Agrupamento Marquês de Pombal

Leia mais

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico Sumário Executivo e Recomendações Entidade responsável pelo Estudo: Centro de Investigação em Educação

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos (COD. 172145) PLANO DE MELHORIA 2012/2013

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos (COD. 172145) PLANO DE MELHORIA 2012/2013 Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos (COD. 172145) PLANO DE MELHORIA 2012/2013 (reformulado após a reunião de Peagógico de 13/03/2013 Áreas de melhoria 1. Melhorar a disciplina 1.1 Sensibilização

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia MAIA 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE 1.º

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

JOVENS PROMOTORES DE SAÚDE

JOVENS PROMOTORES DE SAÚDE AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO JOVENS PROMOTORES DE SAÚDE Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz e Fernanda Cunha Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivos Gerais e Específicos

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Marco de Canaveses 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE 1.º CEB

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento Avaliação Interna e monitorização do Projeto Educativo do Agrupamento 2014-2015 0 1. INTRODUÇÃO No ano letivo (2012/13), no nosso agrupamento, concluiu-se um processo de autoavaliação iniciado em 2009/10,

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 660/XII/4.ª

PROJETO DE LEI N.º 660/XII/4.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 660/XII/4.ª ESTABELECE UM NÚMERO MÁXIMO DE ALUNOS POR TURMA E POR DOCENTE NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO Exposição de

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Mortágua 13 a 15 março 2013 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR ANO LETIVO 2013/2014 Departamento do Pré- Escolar 2013/2014 Page 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Introdução A avaliação em educação é um elemento integrante

Leia mais

I Relatório da Avaliação Interna. Ano letivo 2012-2013

I Relatório da Avaliação Interna. Ano letivo 2012-2013 I Relatório da Avaliação Interna Ano letivo 2012-2013 QUADRIÉNIO 2012-2016 EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA Índice INTRODUÇÃO... 4 O MODELO CAF... 5 CONCEITOS CHAVE... 6 CRONOGRAMA DA AVALIAÇÃO INTERNA NO ANO

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS A AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas da Madalena VILA NOVA DE GAIA 6 a 8 maio 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016

PARTE C EDUCAÇÃO. 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 18966-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 114 16 de junho de 2016 PARTE C EDUCAÇÃO Gabinetes da Secretária de Estado Adjunta e da Educação e do Secretário de Estado da Educação Despacho normativo n.º

Leia mais

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO Psicólogas do Externato Pré-Escolar Dra. Irene Lopes Cardoso 1º Ciclo - (1º e 2º anos) Dra. Irene Lopes Cardoso (3º e 4º anos) Dra. Manuela Pires

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES O Plano Plurianual de Atividades é um documento de planeamento que define, em função do Projeto Educativo, os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e que procede à identificação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO PLANO DE FORMAÇÃO 1 PLANO DE FORMAÇÃO Índice Introdução 4 Pressupostos teóricos 5 Enquadramento legal 7 Âmbito da formação (objetivos) 9 Docentes Não docentes Pais e encarregados de educação Levantamento

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

Projecto de Intervenção 2010-2014

Projecto de Intervenção 2010-2014 Projecto de Intervenção 2010-2014 Desafios da Boa Água AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA-ÁGUA QUINTA DO CONDE - SESIMBRA Nuno Mantas Maio de 2010 1. Introdução O Agrupamento de Escolas da Boa-Água foi criado

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Sines 4 a 6 fevereiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Alentejo e Algarve 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/2015

PLANO DE AÇÃO 2013/2015 PLANO DE AÇÃO 2013/2015 INTRODUÇÃO: Os planos de formação previstos na alínea b) do n.º 2 do artigo 20.º e na alínea d) do artigo 33.º, ambos do Decreto -Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, devem conter,

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO Setembro 2013 ...A condição humana devia ser o objecto essencial de todo o ensino. (M.O. Mourin 2000) Índice 1-Introdução... 3 2 Caracterização do Meio...

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018

PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018 Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas de Mira, a vigorar no quadriénio de 2014 a 2018. O projeto não é um futuro qualquer mas um futuro a construir, o que exige, à partida,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS N AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Abelheira VIANA DO CASTELO 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERMESINDE

PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERMESINDE Conhecimento e humanismo PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERMESINDE 2013/2017 Índice Preâmbulo... 3 Quem somos?... 4 Análise Swot... 5 Plano Estratégico... 9 Avaliação... 21 Divulgação do

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO Ano Letivo 2015-2016 ÍNDICE ÍNDICE 2 CAPÍTULO I 3 (Introdução) 3 CAPÍTULO II 3 (Objetivos) 3 CAPÍTULO III 4 (Destinatários) 4 CAPÍTULO IV

Leia mais

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento Enquadramento Lei nº 39/2010, de 2 de Setembro «CAPÍTULO VI Mérito escolar Artigo 51.º -A Prémios de mérito 1 Para efeitos do disposto na alínea h) do artigo 13.º, o regulamento interno pode prever prémios

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

2013/2014 [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - BIBLIOTECA ESCOLAR]

2013/2014 [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - BIBLIOTECA ESCOLAR] Projeto / Atividade Objetivos Intervenientes Recursos/ materiais Voluntários de Leitura Construir relações/parcerias com a BMP e com as redes locais (ADA/Centro Comunitário de Portel) BE - Vamos Partilh@r

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Proença-a-Nova 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de

Leia mais

AGENDA DE TRABALHO 2

AGENDA DE TRABALHO 2 AGENDA DE TRABALHO 2 Agrupamento de Escolas (Educação Pré-Escolar e Ensino Básico/ Educação Pré-Escolar, Ensino Básico e Ensino Secundário) 1.º DIA 9:00 CHEGADA À ESCOLA-SEDE 9:00-10:30 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO

Leia mais

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO Ano letivo 2013-2014 Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) REFERENCIAL IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas D. Sancho I

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE Apresentação geral do Decreto Regulamentar (a publicar em breve) - diferenciação; Princípios orientadores - distinção pelo mérito (diferenciação pela positiva);

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s Regulamento Interno Serviço de Educação Especial 1 Artigo 1.º Definição 1.1. O Presente documento define e regula o funcionamento e a missão

Leia mais