O INÍCIO DA COBERTURA NO SEGURO DESPORTWO. 1. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O INÍCIO DA COBERTURA NO SEGURO DESPORTWO. 1. Introdução"

Transcrição

1 O INÍCIO DA COBERTURA NO SEGURO DESPORTWO MARGARIDA LIMA REGO Professor d Fculdde de Direito d Universidde Nov de Lisbo Sumário: L Introduçdo; Ii Os seguros de grupo e o seguro desportivo obrigtório; III. Segu ros de cidentes de trblho «prémio fixo» e «prémio vridvel»; IV O problem d inclusdo dos segurdos no seguro desportivo; V Incumprimento do dever de segurr?; VI. Not flnl 1. Introdução A Lei de Bses d Atividde Físic e do Desporto grnte «institucion lizção de um sistem de seguro obrigtório dos gentes desportivos inscritos ns federções desportivs» destindo «cobrir os prticulres riscos que estão sujeitos» (319) O seguro desportivo obrigtório «cobre os riscos de cidentes pessois inerentes à respetiv tividde çlesportiv» (320) Ê, pois, um seguro de cidentes pessois (321) (319) Artigo 42., n. 1, d Lei n. 5/2007, de 16 de jneiro. Anteriormente à su entrd em vigor, cfr o rtigo 70. d Lei n. 30/2004, de 21 de julho (Lei de Bses do Des porto). O preceito determin ind que o sistem deverá «protege[r] em termos especiis o prticnte desportivo de lto rendimento». Pr os efeitos deste estudo, não relevm s espe ciliddes do seguro desportivo dos prticntes brngidos pelo regime de lto rendimento (que, de or em dinte, se desconsiderm). (320) Artigo 5, n. 1, do Decreto-Lei n , de 12 de jneiro (Lei do Seguro Desportivo Obrigtório, dinte «LSD»). Este diplom veio substituir o Decreto-Lei ri /93, de 26 de bril, que, por su vez, substitufr o Decreto-Lei n. 162/87, de 8 de bril (diplom que instituiu o seguro desportivo obrigtório). Sobre este diplom, cfr P F. ALvEs, Decreto-Lei n. 10/2009, de 12 de Jneiro, que estbelece o regime jurfdico do seguro desportivo obrigtório, em AA.VV, A nov legislçdo do desporto comentd, Coimbr 2010, Coimbr Edilor)1

2 212 II Ar Questões Civis O Instituto de Seguros de Portugl, entidde regdor d tividde segu rdor, não provou nenhum norm regulmentr fixr um clusuldo uniforme pr o seguro desportivo obrigtório. No entnto, lei fixou s sus coberturs mínims (322) Ests permitem-nos qulificá-lo como um figur híbrid, com um vertente de seguros de cpitis porque proporcion o pgmento de um cpitl por morte ou invlidez permnente, totl ou prcil, em cuj fixção não se plic o chmdo princípio indemniztório, que limi tri prestção do segurdor o vlor do dno decorrente do sinistro (323); e um vertente de seguro de dnos já que cobre s despess de trtmento e de reptrimento, plicndo-se esss coberturs o princípio indemniztó rio (324) O seguro desportivo obrigtório prece corresponder um seguro de grupo em sentido estrito, porque celebrção de um único contrto entre o segur dor e um federção desportiv, que ocup, enqunto prte no contrto, posição de tomdor do seguro, prece proporcionr cobertur um mul tiplicidde de segurdos (325) N medid em que ssim sej, este seguro poderá pp ; e A. BRILHA, O novo regime do seguro desportivo (2009), VI, n. 17, DeJrD, pp (321) É um clssificção comum o direito contrtul dos seguros verddeir inovção?, cfr definição de seguro de cidentes pessois constnte do rtigo d Lei do Contrto de Seguro provd pelo Decreto-Lei n , de 16 de bril (dinte «LCS»); e o direito institucionl dos seguros cfr clssificção deste contrto no rmo de «cidentes» e modlidde de «ciden tes pessois», que integrm o elenco de rmos «não vid constnte do rtigo 123. do Regime Gerl ds Empress Segurdors e Ressegtirdors (Decreto-Lei n. 94-B/98, de 17 de bril, com s lterções introduzids té à Lei n. 46/2011, de 24 de junho) (dinte «RGES»). Os contrtos de seguro de cidentes pessois são especilmente reguldos, enqunto tis, pelo disposto nos rtigos LCS, sendo-lhes ind plicáveis os preceitos reltivos os seguros de vid pr os quis remete o n. 1 do rtigo LCS e generlidde dos pre ceitos constntes do Título 1 d LCS (Regime Comum) e ind do Cpítulo 1 do Título III (Disposiçóes Comuns os Seguros de Pessos). Em tudo o que não se encontre especilmente reguldo, os contrtos de seguro regem-se ind, nturlmente, pelo disposto n lei comercil e n lei civil (rtigo 4. LCS). (322) Cfr. os rtigos 5 0, 16. e 18. LSD. (3231 Cfr. o rtigo 128. LCS. (324) Além do rtigo 128., cfr ind o rtigo 175., n. 2, mbos d LCS. (325) É ssim expressmente designdo nos rtigos LSD. O regime dos segu ros (coletivos e) de grupo const dos rtigos LCS. Sobre estes, cfr M. LIMA REGO, Contrto de seguro e terceiros. Estudo de direito civil, Coimbr 2010, pp. 777 ss. (cp. 8) e Os Coimbr Editor

3 O Inicio d Cobertur no Seguro Desportivo 213 ind qulificr-se como um seguro por cont de outrem, ddo que os sujeitos pssivos do dever de segurr s federções desportivs não coincidem com pesso dos segurdos, titulres d cobertur os gentes desporti vos (326) Neste texto, nliso o regime do seguro desportivo e o seu trtmento jurisprudencil, com vist verificr se corresponde, efetivmente, um ver ddeiro seguro de grupo. Dou especil tenção o problem do início de cobertur num perspetiv gerl, comum os vários seguros de grupo, con cluindo com identificção ds especificiddes de que o problem se reveste no contexto do seguro desportivo. II. Os seguros de grupo e o seguro desportivo obrigtório Um seguro de grupo em sentido estrito deve reunir s seguintes crcte rístics: deve ser (i) um contrto; (ii) um contrto de seguro; (iii) celebrdo por um único tomdor; (iv) por cont de vários segurdos; (v) ligdos o tomdor por um vínculo distinto do de segurr; (vi) cobrindo cumultivmente (vii) riscos homogéneos de todos os segurdos; (viii) com perfeit seprbili chde; e (ix) sem um correlção positiv forte entre os riscos dos vários segu rdos (327) A grnde miori dests crcterístics está presente, sem dúvid lgum, no seguro desportivo obrigtório. As dúvids que poss hver qunto à qu lificção deste seguro como um verddeiro e próprio seguro de grupo pren dem-se, essencilmente, com questo de sber se este deve qulificr-se, rigorosmente, como um único contrto de seguro ou, distintmente, se não será ntes um contrto-qudro, preprtório d celebrção de contrtos seguros coletivos e de grupo, kms de direito dos seguros. A propósito d nov lei do contrto de seguro, coord. M. Lllvi REGo, Almedin 2012, pp A principl obr de referên ci nest mtéri ind é monogrfi de H. MILLAUER, Rechtsgrundsdtze der Gruppenversi cherung, 2. cd., Krlsruhe, Cfr o rtigo 2. LSD. De cordo com o rtigo 7. LSD, são gentes desportivos, nomedmente, os prticntes desportivos federdos, os árbitros, juizes e cronometrists, os treindores de desporto e os dirigentes desportivos (rtigo 7 0 LSD). Sobre s federções desportivs, cfr., por todos, J. M. MEIrJM, A fiderção desportiv como sujeito pzblico do sistem desportivo, Coimbr (327) Cfr. M. LIMA REGO, obrs cit. supr not 325. Coimbr Editors

4 214 II As Questões Civis de seguro, como é o cso de tod um série de figurs que indústri segur dor e lgum jurisprudênci e doutrin qulfficm hbitulmente como seguros de grupo, ms que será conveniente distinguir dos seguros de grupo em sentido estrito, muito embor enqudrndo-os sob égide, mis mpl, dos seguros coletivos. Est questão coloc-se sempre que os segurdos prticipem, de lgum modo, no processo contrtul. Com efeito, ess prticipção dificult, muits vezes, n prátic, respost à questão de sber se os segurdos deverão quli ficr-se como terceiros ou ntes como prtes em relção o contrto, ind que não de molde configurrem verddeiros tomdores do seguro. Crcterísti cos dests modliddes híbrids são, precismente, queles seguros em que os prticipntes se pede que preenchm e entreguem um declrção individul, sendo duvidoso se est se reduz um mero consentimento, e/ou à prestção de informção relevnte, ou se corresponde um propost de desão o con trto, n qulidde de prtes dicionis, ou mesmo n qulidde de prtes de um contrto individul que se complet sob égide do contrto celebrdo pels federções desportivs. Antes de verigur em que termos ess intervenção contece no seguro em preço, import notr que lei só exige que s pessos segurs consintm n celebrção de um contrto de seguro de cidentes pessois, sob pen de nulidde, qundo o beneficiário do seguro for o próprio tomdor (328) Nesses csos, lei exige emissão, pel pesso segur, de um declrção unilterl que utorize celebrção, pelo tomdor, de um contrto de seguro. O perigo de crição, com celebrção de um ontrto de seguro, de um potencil incentivo à violção d integridde físic d pesso segur só existe nos csos em que est sej pesso distint do beneficiário. Trt-se, pelo menos em prte, indiscutivelmente, de um respost do sistem à preocupção de eliminr incentivos excessivos tis prátics (329) Os obstáculos cridos pel lei tum em dois momentos distintos: (i) num primeiro momento, dificultndo, pre (32k) Cfr o rtigo 212., n. 2, LCS. (329) A explicção trdicionl d rzão de ser d exigênci legl do consentimento d pesso segur encontr-se, por exemplo, em N. DREws, «Die Zustimmung des Versicherten in der Lebensversicherun» (1987) 38 VersR , pp. 634 e 637. O seu propósito é o de impedir celebrção de seguros que possm constituir um incentivo à provocção do sinistro, exigindo-se o consentimento pr ssegurr: (i) que o visdo tom conhecimento do seguro; e (ii) que pode ele próprio ferir d oportunidde de um tl seguro. Coimbr Editor

5 O Início d Cobertur no Seguro Desportivo 215 ventivmente, celebrção de seguros que constitum um incentivo demsido forte à violção d integridde físic d pesso segur; (ii) num segundo momento, postummente, negndo o direito à prestção quem, ind ssim, cometeu ou de lgum modo prticipou n violção d integridde físic d pesso segur (330) Contudo, mis do que de qulquer outr explicção, exigênci do consentimento d pesso segur prece dever explicr-se como decorrênci d dignidde d pesso humn: impõe-se como reconhecimento de um direito de personlidde, ter um plvr dr n questão de sber quem ficrá gnhr com noss morte. Afinl, o contrário seri um exem plo cbdo de instrumentlizção de um ser humno por outro um tdo o impertivo kntino de trtmento de cd ser humno como um fim em si mesmo e não como um meio pr o uso rbitrário dest ou dquel vontde (331) No seguro em preço, não tem plicção exigênci legl de consenti mento ds pessos segurs, porque, embor lei não o dig de form clr, result d su interpretção conclusão de que os beneficiários do seguro desportivo de grupo serão os próprios gentes desportivos ou, em cso de morte, ou os beneficiários contrtulmente designdos ou, n flt de desig nção contrtul válid e eficz, os que resultem d plicção do regime legl supletivo (332), A necessidde d intervenção dos gentes desportivos é o resul tdo de um outr exigênci legl: d su «desão» o seguro ). Pronunciei-me, noutr sede, sobre o significdo que este termo ssume em direito contrtul dos seguros (334), Não vou deter-me gor nesse tem, ten (330) Cfr o disposto no rtigo 192. LCS, que se plic os seguros de cidentes pessois ex vi o rtigo 21 1., n. 1, LCS. Em sentido convergente, cfr. regr gerl do rtigo 46., n. 2, LCS (o beneficiário cusdor do dno não tem direito à prestção). Cfr 1. KAN r, Fundmentção d metfisic dos costumes, orig. 1785, trd. E Quin tel, Lisbo 1995, p. 69. Cfr. o rtigo 1. d Constituição d Repúblic Portugues. Este direito de personlidde goz d proteção genericmente conferid todos os bens de perso nlidde pelo rtigo 70., n. 1 e 2, do Código Civil. (332) Cfr o rtigo 198., n. 2, plicável ex vi o rtigo 211., n. 1, LCS. Qunto à interpretção do diplom legl institutivo deste seguro obrigtório, vej-se em especil o rtigo 2. LSD (»Os gentes desportivos (...) devem, obrigtorimente, beneficir de um contrto de seguro desportivo».). Cfr. os rtigos 8. e 9,0 LSD. Cfr M. Li»i R&o, 1. obr cit. supr not 325, pp ; e 2. obr cit. supr not 325, pp > (1 Coimbr Editorx

6 216 II As Questões Civis ntes cingindo minh nálise o lcnce d supost «obrigção de desão» dos gentes desportivos o seguro desportivo obrigtório. No entnto, pe ns pr me situr, julgo importnte ssinlr, brevemente, s váris mod liddes de seguros de grupo existentes no mercdo, num clssificção bsed nos modos de inclusão dos segurdos nos verddeiros seguros de grupo (ii) A cobertur de cd um dos segurdos pode ser: crecer de prticipção ticipção pode nem chegr (336) (i) utomátic; ou Nos seguros de cobertur utomátic, existir, ou corresponder estes tomdor com efeito mermente declrtivo. São os pr.. um obrigção do csos em que segurdos descrito no contrto como grupo seguro. Os que não pertencerem o grupo se encontrm cobertos pelo simples fcto de pertencerem o grupo no momento d contrtção, tornr-se-ão segurdos, utomticmente, com su entrd no grupo tes cso se Nos seguros cuj cobertur não trte de seguros bertos tomdor tem efeito constitutivo, estendendo-se sej utomátic, cobertur os novos prticipn prticipção do cd um dos Est clssificção é diferente d que sepr os seguros coletivos entre os seguros contributivos e os não contributivos, que respeit o rtigo 77 0 LCS. Neste sentido, tmbém R. MAGNUSSON, «Gruppenversicherung, insbesondere in der Lebensversicherung» em Mterilen des Zweiten Weltkongresses fir Versicherungsrecht IX, Hmburgo 1966, pp. 1-28, pp. 4-5; e A. WIE5ER, Gruppenversicherungen, Vien 2006, pp , que distinguem o seguro de «forçdo» (Zwngsgruppenversicherung), em que é utomátic entrd e síd do seguro, n decorrênci d entrd e síd do grupo, e o seguro de grupo ((com prticipção» (Gruppenversicherung mitanmeldung), em que entrd no seguro crece d prticipção do subscritor, sendo prticipção constitutiv est tingue-se d prticipção mermente declrtiv existente nlguns seguros utomáticos. No primeiro, um vez definido o grupo, cobrem-se durnte tod vigênci do contrto os riscos d totlidde dos seus membros presentes ou futuros. A prtir d celebrção do contrto, s prtes não têm mis nd dizer sobre quem benefici ou não d cobertur do seguro, não ser por vi de um lterção contrtul. A relção de seguro encontr-se totlmente dependente d pertenç o grupo: n entrd como n síd. A últim utor mencion possibilidde de se segurr um grupo fechdo desde o início, cso em que definição do grupo cb por pssr pr um segundo plno, n medid em que o objeto do seguro se encontr, à prtid, totlmente definido. H. BUcHNER / P Curz / K. FIsCRER / H. E. MILLAUER, «Gruppenversicherung» em Flndworterbuch des Vèrsicherungswesens, E. Finke (cd.), Drmstdt 1958, cc , distinguem ind, nestes seguros, entre os seguros de grupo com e sem entrd de novos prticipntes. grtpo Coimbr Editor3 dis

7 O Início thz Cobertur no Seguro Desportivo 217 segurdos somente pós su prticipção o segurdor. Neste cso, prti cipção pode () corresponder um obrigção do tomdor pernte o segur dor; ou (b) estr n discricionriedde do tomdor prticá-l ou não reltiv mente cd um dos membros do grupo Em qulquer dos csos, prticipção pode ser (1) suficiente; ou (2) crecer ind d ceitção do segurdor. Est pode corresponder (cc) um dever do segurdor; ou (R) um seu to discricionário Esss s modliddes de seguros de grupo no ver ddeiro sentido d expressão, ds quis há que distinguir os seguros coletivos que dão zo relções contrtuis complexs composts por um contrto-qu dro e por um sucessão de contrtos individuis de seguro celebrdos pelos próprios segurdos ou pelo tomdor em nome dos segurdos (340) Só nestes últimos entrd dos segurdos pr o grupo seguro pssrá por um verddeiro to de «desão» dos segurdos. Só determinção do modo de inclusão dos segurdos no seguro despor tivo obrigtório, ou sej, d form como cd um dos gentes desportivos se torn segurdo, pssndo estr coberto pelo seguro, permite retirr lgum conclusão qunto à integrção do seguro em nálise num dests modliddes de seguro de grupo ou, o invés, qunto à su qulificção como um seguro coletivo pens em sentido mpio. Est mtéri foi bundntemente trtd pel noss jurisprudênci propósito do chmdo «seguro por folh de féris» (modlidde de seguro de cidentes de trblho). (338) Outr possibilidde é de sujeitr produção de efeitos do contrto à entrd de um número mínimo de prticipntes. Exemplo de semelhnte condição é-nos ddo pelo ACSTJ, de 10 de Mio de 2007, Processo n. 07B 1277, reltdo por Slvdor d Cost e disponível, n íntegr, em Cfr A. WIF.sER, cit. supr not 336, pp , n send de E. H. MIuÀUER (cit. supr not 325). Tmbém H. MÓLLER, «Rechtsgrundsãtze der Gefolgschftsversicherung» (1939) 62 NeumZ , p. 731, distingui os seguros de grupo em função d fcult tividde ou obrigtoriedde de inclusão, do ldo, quer do segurdor, quer do subscritor. Note-se que est distinção nd tem que ver com distinção trçd pel doutrin de expres são frnces entre os «seguros de desão obrigtóri» e os «seguros de desão fculttiv». Sobre est distinção, cfr M. LIMA REGO, l obr cit. supr not 325, pp e 2. obr cit. supr not 325, pp (340) Um ctegori importnte dentro dos seguros coletivos é dos seguros contribu tivos, reguldos nos rtigos LCS. Sobre estes, cfr M. LIMA REGo, 1 obr cit. supr not 325, pp e 2. obr cit. supr not 325, pp Coimbr Editor

8 218 II As Questões Civis III. Seguros de cidentes de trbffio «prémio fixo» e «prémio vriável» Existem seguros de cidentes de trblho «prémio fixo» e «prémio vriável» (34o) Entre os primeiros contm-se o seguro de um ou mis trb lhdores identificdos pelo nome e o seguro de um número determindo de trblhdores identificdos pel função, com um montnte de retribuições ntecipdmente conhecido. Os segundos, de cordo com definição regu lmentr, correspondem o chmdo seguro «por folh de féris». Sobre este, pronunciou-se neste sentido o Supremo Tribunl de Justiç: <(N verdde, nest modlidde de seguro, entidde ptronl trns fere su responsbilidde infortunístic pelos dnos sofridos por um número vriável de pessos. Por conseguinte, tl vribilidde de pessol, que implic necessrimente um vrição de mss slril, terá que repercutir-se no montnte dos prémios cobrr. O objecto do seguro de prémio vriável depende, pois, d declrção periódic do tomdor de seguro que, pr não celebrr diversos contrtos consonte s flutuções do pessol que empreg, firm um único contrto com conteúdo vriável, sendo consequentemente vriável respectiv obrigção de seguro. Com preende-se, ssim, obrigção d empregdor de incluir o trblhdor ns folhs de féris envir à segurdor té o di quinze do mês seguinte o início ds respectivs funções.» 2) Est figur cusv lgum perplexidde os nossos tribunis, originndo jurisprudênci discordnte, que dotr «siuções, não só diverss, como té Cfr. Cláusul 5. e Condição Especil 01 d Apólice de Seguro obrigtório de Acidentes de Trblho pr Trblhdores por Cont de Outrem provd pel Norm Regul mentr do Instituto de Seguros de Portugl n. 1/2009-R, de 8 de jneiro ( «Apólice Uniforme»). Há ind possibilidde de celebrção do chmdo «seguro por áre», em que o prémio é cl culdo, não em íiznção do número de trblhdores, ms em função d áre áre de cons trução civil de edifícios ou áre cultivd. Cfr. s Condições Especiis 02 e 03. (342) Acórdão de Uniformizção de Jurisprudênci n. 10/2001, de 21 de novembro, reltdo por José Mesquit, publicdo no Diário d Repzb1ic, 1 série, de 27 de dezembro de 2001, p A obrigção do tomdor de envir menslmente o segurdor, té o di quinze de cd mês, s folhs de retribuições pgs no mês nterior todo o seu pessol const d Cláusul 24. /IIc) d tul Apólice Uniforme. Cfr ind Condição Especil 01 (seguros de prémio vriável). Coimbr Editor

9 O Início d Cobertur no Seguro Desportivo 219 contrditóris» (343), ms tmbém qunto rel e o não pens qunto o seu correto enqudrmento jurídico às declrdo. Com efeito, erm consequêncis d verificção de discrepâncis entre ind ocorrem cidentes com trblhdores cuj existênci prticipr o segurdor. (e são) frequentes o os csos o em que tomdor (ind) não Um primeir corrente jurisprudencil vi neste seguro de grupo um contrto prcilmente inválido, n prte respeitnte folhs de no domínio dos cidentes de trblho. ds féris (344) os trblhdores omitidos Est posição já vinh perdendo terreno, pelo menos Um segund corrente jurisprudencil, mis protetor do trblhdor, sustentv que o er um contrto ciário, do que resultri que féris, seguro por folh de fvor de terceiro, sendo féris, em relção o o podendo relevr no domínio ds relções entre do seguro, não er circunstânci que obstsse lhdor fosse cidentdo estivesse inextidões frudulents gerrim Por fim, trblhdor sinistrdo, trblhdor um terceiro benefi omissão do nome do sinistrdo ns folhs de que o o segurdor e o sinistro de que coberto do seguro. Apens su nulbilidde corrente jurisprudencil que vinh (345) s tomdor o trb omissões que sufrgd pelo tribunl no resto uniformizdor de jurisprudênci, obser foi vv, e bem, que tornr-se mjoritári, omissão do nome do trblhdor ns folhs de féris reme tids o segurdor tem por únic consequênci su não cobertur pelo contrto de seguro, por flt de prticipção, não dndo medid em que não configur um problem de formção do contrto ms zo e e invlidde, n (343) Acórdão de Uniformizção de Jurisprudênci n. 10/200 1, p Cfr, neste sentido, embor propósito de um contrto de seguro obrigtório de cidentes pessois de bombeiros voluntários, o ACSTJ, de 16 de novembro de 1993, reltdo por Cur Mrino, sumário publicdo no Boletim do Ministério d Justiç, n. 431, pp (345) Neste sentido, vejm-se, designdmente, os ACSTJ de 16 de jneiro de 1991, reltdo por Sous Mcedo, publicdo no Boletim do Ministério djustiç, n. 403, pp ; ACSTJ, de 5 de junho de 1991, reltdo por Jime de Oliveir, publicdo no Boletim do Ministério d Justiç, n. 408, pp ; ACSTJ, de 3 de julho de 1996 reltdo por Almeid Devez, publicdo nos Acórdãos Doutrinis do Supremo Tribunl Administrtivo, n. 419, pp e ACSTJ, de 2 de outubro de 1996, reltdo por Almeid Devez, publicdo nos Acórdãos Doutrinis do Supremo 7ibunlAdministrtivo, n. 422, pp O tribunl não explic o fstmento do disposto no rtigo 449. do Código Civil. Coimbr Editor

10 220 II As Questões Civis ntes um problem n su execuçdo. conclusões do tribunl: Subscrevi, noutr sede, s seguintes «O incumprimento, por prte do tomdor de seguro, d obrigção consubstncid n inclusão do(s) trblhdor(s) o seu serviço n folh de féris envir à segurdor té o di 15 do mês seguinte o do início ds funções do(s) respectivo(s) trblhdor(es), determin, consequente mente, não ssunção de responsbilidde, por prte d segurdor, pelos dnos sofridos pelo trblhdor omitido, pois verific-se um situção de não cobertur, decorrente do não preenchimento ds condições necessáris estbelecids pels prtes, pr ssunção d responsbilidde, tendo entidde ptronl de suportr o pgmento do que for devido o trb lhdor.» (347) Ests conclusões pressupõem um prévi tomd de posição sobre mod lidde de seguro de grupo correspondente o seguro obrigtório de cidentes de trblho pr trblhdores por cont de outrem subscritos n modlidde de seguro «prémio vriável». Ess posição é, necessrimente, de que est se reconduz um verddeiro seguro de grupo, e de que cobertur de cd um dos segurdos não é utomátic, ntes crecendo de prticipção. Assim, prticipção do tomdor qunto à inclusão de determindo trblhdor tem efeito constitutivo, estendendo-se cobertur cd um dos segurdos somente pós su prticipção o segurdor. Est corresponde o cumprimento de um obrigção legl do tomdor. Julgo conveniente tomr ests conclusões do Supremo Tribunl de Justiç como ponto de referênci d minh nálise, pois precem-me certeirs n Vej-se, por todos, o Acórdão de Uniformizção de Jurisprudênci n. 10)2001. Já o deíndi R PIRES, Seguro de cidentes de trblho, Lisbo 1999, pp Pr exemplos jurisprudenciis nteriores, cfr. oacstj de 14 de bril de 1999, reltdo por Almeid Devez, 1999, CJ-STf 7-2, pp e disponível, n íntegr, em oacstj 9 de dezembro de 1999, reltdo por Sous Lms, 1999, publicdo no Boletim do Ministério dz Justiç, n. 492, pp e disponível, n íntegr, em o ACSTJ de 31 de outubro de 2000, reltdo por José Mesquit, 2000, CJ-STJ, 8-3, pp ; e o ACSTJ de 25 de jneiro de 2001, reltdo por Diniz Nunes, Acdrdãos Doutrinis do Supremo 7ibunlAdministrtivo, n. 478, pp Acórdão de Uniformizção de Jurisprudênci n. 10/2001, p Coimbr Editorz

11 O Inicio d Cobertur no Seguro Desportivo 221 determinção dquele que será o regime regr no direito contrtul dos segu ros. O mesmo é dizer que, slvo disposição legl em sentido distinto, em todos os seguros obrigtórios que possm ou devm celebrr-se n modlidde de seguro de grupo em sentido estrito e em que não se exij identificção de todos os membros do grupo seguro no momento d celebrção, cobertur de cd um deles não deverá ter-se por utomátic, tendo prticipção do tomdor efeito constitutivo, ou sej, estendendo-se cobertur cd um dos segurdos somente pós su prticipção o segurdor. W O problem d inclusão dos segurdos no seguro desportivo O regime nterior não se plic o seguro desportivo obrigtório, por forç do disposto no rtigo 10.0 LSD: (348) «Reltivmente cd gente desportivo, cobertur do seguro des portivo de grupo produz efeitos desde o momento d inscrição n fede rção e mntém-se enqunto est vigorr.» Como não poderi deixr de ser, o precir o problem d inclusão dos segurdos no seguro desportivo, o Supremo Tribunl de Justiç chegou um conclusão distint d que chegr em mtéri de seguro obrigtório de -ciden tes de trblho pr trblhdores por cont de outrem, subscritos n mod lidde de seguro «prémio vriável». Atente-se no seguinte trecho do ACSTJ de 6 de mio de 2004: (349) «Estbelecendo [ lei] que o seguro colectivo de ctividdes despor tivs produz efeitos, em relção cd gente desportivo, desde o momento em que este se inscreve n respectiv federção, flt dest últim, não comunicndo à segurdor tl inscrição, situ-se no plno ds relções entre els, não podendo fectr grnti legl de cobertur do beneficiá rio do seguro.» (34 Disposição que tem trnsitdo, sucessivmente, dos diploms nteriores (cfr. supr not 320). (349) ACSTJ, de 6 de mio de 2004, Processo n. 03B2984, reltdo por Bettencourt de Fri e disponível, n íntegr, em Coimbr Editor

12 As Questões Civis O tribunl deix implícito o cminho seguir n resolução deste problem, observndo que flt se situ no plno ds relções entre o segurdor e federção (350) Com efeito, tendendo o teor do preceito legl cim trnscrito, neces sário será concluir que, prtir do momento em que exist um contrto de seguro, eventuis flhs n inclusão de cd um dos gentes desportivos no seguro não lhes serão oponíveis pelo segurdor, o que signific que, no plno ds relções entre o segurdor e cd um dos segurdos, cobertur será eficz Só ssim desde o momento em que cd um deles se inscreve n federção. não será qunto os gentes desportivos que, no to de inscrição n federção, fçm prov de que estão brngidos por outro seguro que grnt coberturs equivlentes ou superiores o mínimo leglmente exigido pr o seguro des portivo. (351) No entnto, se s eventuis flhs n inclusão forem imputáveis à feder ção, ou sej, se consistirem n omissão ou no cumprimento defeituoso do seu dever de prticipr o segurdor inscrição de um ou mis gentes desportivos, no plno ds relções entre o segurdor e federção não hverá motivo pr proteger est últim em detrimento do primeiro, que, efetivmente, desconhe ci o risco que cobri. Ns relções entre mbos, tudo deverá pssr-se, tnto qunto possível, como se não existisse seguro, plicndo-se-lhes o disposto no rtigo 20. LSD: «As entiddes que incumprem obrigção de celebrr e mnter vigen tes os contrtos de seguro despohivo previstos no presente decreto-lei respondem, em cso de cidente decorrente d tividde desportiv, nos mesmos termos em que responderi o segurdor, cso o seguro tivesse sido contrtdo.» ) A conclusão prece não se desvir dquel que me referi como segund corrente jurisprudencil reltiv o seguro obrigtório de cidentes de trblho. Cfr. supr o texto junto à not 345. Artigo 8, n. 3, LSD. Se prov for feit em momento subsequente, os gentes deixrão então de estr cobertos pelo seguro, ms ess prov não oper retrotivmente, não eliminndo su nterior inclusão no seguro contrtdo pel federção. De notr que celebrção, por gente desportivo profissionl, do seguro obrigtório de cidentes de trblho dispens respetiv cobertur pelo seguro desportivo, conforme dispóe o rtigo 90 d Lei n. 27/2011, de 16 de junho. Coimbr EditorX

13 O Inicio d Cobertur no Seguro Desportivo 223 Assim, o segurdor que sej chmdo indemnizr um gente desportivo de cuj inscrição não tivesse ind conhecimento à dt do sinistro por flh de comunicção imputável à federção tem direito de regresso contr fede rção pel totlidde do que houver pgo o gente desportivo ou terceiro, em cso de morte do próprio (352) Com efeito, lei impõe solidriedde ds sus obrigções de indemnizr os gentes desportivos sinistrdos, ms pens pr proteção destes últimos Ns relções entre o segurdor e federção, tende-se que est não trnsferiu pr quele o correspondente risco, não tendo pgo o respetivo prémio, pelo que s consequêncis d verificção do sinistro deverão recir, n totlidde, sobre su esfer. (354) (355) v Incumprimento do dever de segurr? A ltere, dir-se-á que est prece ser um ds poucs circunstâncis em que o rtigo 20. LSD se plic sem dificulddes prátics de mont. Com efeito, nos csos em que federção simplesmente incumpre o seu dever de segurr, não celebrndo nenhum contrto de seguro desportivo, dificilmente serão demonstráveis os «termos em que responderi o segurdor, cso o seguro tivesse sido contrtdo)). O preceito já prece não dever plicr-se, sem mis, os csos em que o seguro é celebrdo com um cobertur inferior à leglmente exigid, design dmente por consgrção, no respetivo clusuldo, de um exclusão que não respeite s coberturs mínims leglmente fixds, porque est é um flh imputável o segurdor, utor ds dáuuls contrtuis geris plicáveis. (352) (354) Nos termos do disposto nos rtigos e 524. do Código Civil. É ess, figur-se, únic conclusão retirr do disposto no rtigo 10.0 LSD. Qunto o pgmento do prémio, note-se que, o contrário do que sucede n lrg miori dos verddeiros seguros de grupo, o seguro desportivo é um seguro contributivo, pois os segurdos suportm, no todo ou em prte, o pgmento do prémio (rtigo 77.0, n. 2, LCS). É o que result do rtigo 9., n. 2 e 3, LSD. A comprticipção devid pelos gen definid por deliberção dos órgãos competentes d federção, dmitindo-se, prentemente, que est poss ser dispensd. Não o sendo, o seguro será um seguro contri tes desportivos é butivo. No entnto, pernte o segurdor responsbilidde pelo seu pgmento reci intei rmente n federção, conforme dispõe o rtigo 8., n. 2, LSD. Em poio dest conclusão, tente-se ind nos formentos est regr gerl sobre o direito de regresso do segurdor contr o tomdor do seguro constntes dos rtigos 101.0, n. 4, e 144. LCS. Coimbr Editor

14 224 II As Que#ões Civis Os tribunis superiores chegrm dois resultdos distintos n nálise de dois csos dest nturez. No cso que deu origem o ACSTJ de 3 de mrço de 2009 (356), Federção Portugues de Futebol celebrr o seguro desportivo com exclusão d cobertur de incpciddes permnentes iguis ou inferiores 10%. O tribunl concluiu que o seguro não contemplv s coberturs mínims fixds n lei 7) Entendeu o tribunl que, o contrtr um seguro que não tingi, neste ponto, s coberturs mínims, federção violr o seu dever de segurr, por conseguinte, deveri responder pernte o gente despor tivo em cus nos mesmos termos em que responderi o segurdor. (358) Distint foi decisão no ACTRC de 8 de setembro de 2009 O cso er semelhnte: dest feit, protgonist er Federção Portugues de Bs quetebol, ms exclusão em nálise er, prentemente, mesm: exclusão d cobertur de incpciddes permnentes iguis ou inferiores 10%. Enten deu o tribunl que cláusul que continh exdusão er nul, por contrrir norm impertiv (360) O tribunl plicou est situção regr gerl do rtigo 294. do Código Civil. Entendeu o tribunl que os problems suscit dos por est nulidde se resolvim «com projecção direct no contrto d norm impertiv viold (...) que mnd indemnizr tods s incpciddes permnentes geris, qul pss clintegrr o contrto, em substituição do trecho violdor dess disposição legl, proveitndo-se o restnte d cláusul e do contrto». Ou sej, o contrto não subsiste como se cláusul nul não existisse: est consider-se ntes substituíd pel disposição legl viold (efi cáci imedit ds norms impertivs). De cordo com primeir soluçãô, o segurdor é bsolvido do pedido, devendo federção pgr o gente desportivo coberto pelo seguro corres pondente indemnizção. Em conformidde com segund solução, o segu rdor é condendo no pedido. Julgo que est últim solução é de preferir. Processo n. 08A4004, reltdo por Slzr Csnov e disponível, n íntegr, em Cfr, tulmente, o disposto no rtigo 6. LSD. Por plicção do rtigo 1 O. do Decreto-Lei n. 146/93, de 26 de bril. A dispo sição correspondente tulmente vigente é o citdo rtigo 20. LSD.» Processo n. 165/06.8TBGVA.C1, reltdo por Teles Pereir e disponível, n íntegr, em ww.dgsi.pt/jtrc. O rtigo 4, n. 1, líne ), do Decreto-Lei n. 146/93, de 26 de bril, corres pondente, tulmente, o rtigo 5.0, n. 2, líne ), LSD. coimbr Editor

15 O Início d Cobertur no Seguro Desportivo 225 Antes de mis, e pensndo pens n justiç do cso concreto, trtndo-se este de um problem reltivo à redção ds condições geris ou especiis do seguro, que são cláusuls contrtuis geris previmente elbords pelo segurdor, dir-se-i que solução não deve penlizr o tomdor. Dejure condito, só poderá concluir-se que o tomdor violou o seu dever de segurr se, previmente, se tiver concluído pel vlidde e eficáci d exclusão em preço. Or, ess vli dde e eficáci form, e bem, posts em cus pelo Tribunl d Relção de Coimbr. N verdde, se s prtes tivessem celebrdo um seguro de cidentes pes sois qulquer, federção só cumpriri o seu dever de segurr n medid em que esse seguro proporcionsse os segurdos coberturs iguis ou superiores às coberturs mínims fixds n lei pr o seguro desportivo 1) No entnto, embor o relto dos fctos constnte dos dois córdãos em preço não nos permit concluir que ssim é, será rzoável supor que s prtes não terão cele brdo um seguro qulquer: o seguro celebrdo pel federção ter-lhe-á sido presentdo, pelo segurdor ou por um medidor, como «o» seguro de ciden tes pessois dos gentes desportivos, ou sej, como o seguro que federção estri obrigd celebrr e mnter em vigor. Tmbém seri rzoável supor que, ind ntes d contrtção deste seguro, o segurdor teri registdo s sus condições geris e especiis junto do Instituto de Seguros de Portugl, como sucede em relção todos os seguros obrigtórios, e que o Instituto de Seguros de Portugl verificr su conformidde com lei (362) Se descon formidde em preço escpou o crivo pertdo do próprio Instituto de Segu ros de Portugl, seri excessivo exigir às federções desportivs su deteção, qundo d contrtção do seguro. Em todo o cso, o presentr um ddo clusuldo como «o» seguro desportivo, o segurdor remete pr lei que o regul, devendo entender-se, como fez o Tribunl d Relção de Coimbr, que, em cso de contrriedde de lgum estipulção com s. coberturs mínims leglmente fixds, quel será nul, devendo o intérprete, sempre que os termos d lei ssim o permitm, (361) Ess conclusão result do disposto no rtigo 146., n. 5, LCS. É um preceito sistemticmente inserido entre s disposições especiis plicáveis os seguros obrigtórios de responsbilidde civil, ms própri lei estende su plicção os seguros de cidentes de trblho (rtigo 138., n. 3, LCS), não se vendo motivo pr não o plicr de igul modo os seguros obrigtórios de cidentes pessois. (362) Cfr o disposto no rtigo 129. RGES. Coimbr Edi1or

16 226 II As Questões Civis substituí-l diretmente pel norm legl viold, pr qul remete, de resto, o clusuldo que se rrogue corresponder «o» seguro desportivo. VI. Not finl Em conclusão, o modo de inclusão dos segurdos num seguro de grupo foi questão bundntemente trtd pel jurisprudênci portugues propósito do chmdo «seguro por folh de féris» (modlidde de seguro de cidentes de trblho) e gerou decisões díspres. A corrente jurisprudencil que se tornou mjoritári, e que foi sufrgd num resto uniformizdor de jurisprudênci, defendi que omissão do nome do trblhdor ns folhs de féris remetids o segurdor tem por únic con sequênci su não cobertur pelo contrto de seguro, por flt de prticip ção, não dndo zo invlidde, n medid em que não configur um problem de formção do contrto ms ntes um problem n su execução. Não obstnte, pernte questão d inclusão dos segurdos no seguro desportivo, o Supremo Tribunl de Justiç chegou, e bem, um conclusão distint dquel que chegr em mtéri de seguro obrigtório de cidentes de trblho, por forç de disposição legl injuntiv que determin produção de efeitos do seguro, em relção cd gente desportivo, desde o momento d su inscrição n federção. O tribunl observ que, nestes csos, flt se situ no plno ds relções entre o segurdor e federção, o que drá zo um direito de regresso do segurdor contr federção pel totlidde do que houver pgo o gente desportivo ou terceiro. Coimbr Editor

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

O início da cobertura no seguro desportivo. Margarida Lima Rego*

O início da cobertura no seguro desportivo. Margarida Lima Rego* I. Introdução O início da cobertura no seguro desportivo Margarida Lima Rego* A Lei de Bases da Atividade Física e do Desporto garante «a institucionalização de um sistema de seguro obrigatório dos agentes

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES

SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES E FUNDOS PENSÕES o O Gui de Seguros e tem como objectivo principl esclrecer o leitor, em lingugem simples e cessível, cerc dos conceitos, tipos de contrtos e procedimentos n áre dos seguros e fundos de

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 1 Est declrção destin-se solicitr liquidção

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau Registo inicil Actulizção de ddos Direcção dos Serviços d Reform Jurídic e do Direito Interncionl Questionário Bse de Ddos dos Recursos Humnos d Áre Jurídic d Administrção Públic d Região Administrtiv

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1.

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1. 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR SOC. COMERCIAL C. SANTOS Montepio Crédito - Instituição Finnceir de Crédito, S.A. Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO 6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRTOS EMPRESRIIS 6.1 NOT PROMISSÓRI DEC. 57.663/66 Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com NOT PROMISSÓRI

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS Mnul de GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Deprtmento/Gbinete Pág. 1/26 FICHA TÉCNICA TÍTULO Gui Prático Abono de fmíli pr crinçs e jovens

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Cpítulo Cpítulo 1. COMPONENTES DO CUSTO DE PRODUÇÃO MATÉRIAS (bens dquiridos pr trnsformção): Prims: quels que são trnsformdos noutros produtos Subsidiáris: quels que poim trnsformção

Leia mais

Finalidade Pessoa Física Residencial

Finalidade Pessoa Física Residencial Gui de Contrtção Finlidde Pesso Físic Residencil Setembro/2013 O correto preenchimento e envio de documentos é ponto importnte n contrtção do Seguro Aluguel ou Finç Loctíci. Elbormos este gui pr judá-lo

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276 Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1274; 1275 e 1276 A Câmr Municipl Mi procede

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

ÍNDICE Registro De Empregados 5 Informações Básicas 5 Documentação Para O Registro 5 Sistema Informatizado 6 Conceito Trabalhadores 6 Empregado 6

ÍNDICE Registro De Empregados 5 Informações Básicas 5 Documentação Para O Registro 5 Sistema Informatizado 6 Conceito Trabalhadores 6 Empregado 6 1 ÍNDICE Registro De Empregdos 5 Informções Básics 5 Documentção Pr O Registro 5 Sistem Informtizdo 6 Conceito Trblhdores 6 Empregdo 6 Empregdo Rurl 6 Empregdo Doméstico 6 Empregdo Temporário 6 Aprendiz

Leia mais

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias UNIÃO EUROPEIA Fundos Estruturis SIME Gui do Beneficiário (Portri n.º 262/2004, de 11 de Mrço) - Introdução 1. Notificção e Contrtção dos Incentivos. 1.1. Notificção 1.2. Contrtção 1.3. Elementos Adicionis,

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Mod. 65 - Emp. - Julho 2015

Mod. 65 - Emp. - Julho 2015 Mod. 65 - Emp. - Julho 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO EMPRESA UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX Boletim de Segurnç XRX07-001 Há vulnerbiliddes n ESS/Controldor de Rede que, se forem explords, podem permitir execução remot de softwre rbitrário, flsificção

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento (CE) nº 924/2009, o Decreto-Lei

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento

Leia mais

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Busc Digitl (Trie e Árvore Ptríci) Estrutur de Ddos II Jiro Frncisco de Souz Introdução No prolem de usc, é suposto que existe um conjunto de chves S={s 1,, s n } e um vlor x correspondente um chve que

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos http://www.plnlto.gov.br/ccivil_03/eis/cp/cp139.htm Pge 1 sur 22 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos EI COMPEMENTAR Nº139, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 Mensgem de veto Vigênci Alter

Leia mais

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 04ª Junta de Recursos

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 04ª Junta de Recursos Ministério d Previdênci Socil Conselho de Recursos d Previdênci Socil 04ª Junt de Recursos Número do Processo: 44232.000327/2014-37 Unidde de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL RIO DE JANEIRO-COPACABANA

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

BRAINSTORMING O BRAINSTORMING QUE É ISSO? O QUE É ISSO?

BRAINSTORMING O BRAINSTORMING QUE É ISSO? O QUE É ISSO? A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS O O E inversão do ônus d prov em fvor do segurdo? *Erik Pereir: Administrdor e Consultor. Especilist em Gestão de Pessos e Plnejmento Estrtégico. Por Ann Cd M. Frclossi I *Erik

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS DE DIREITO DAS SUCESSÕES

QUESTÕES OBJETIVAS DE DIREITO DAS SUCESSÕES QUESTÕES OBJETIVAS DE DIREITO DAS SUCESSÕES ÓR doção Em mtéri de sucessões, entre o dotnte e o dotdo, o direito de herdr: ) o filho dotdo herd metde dos bens, concorrendo com legítimos. b) o dotnte não

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO GERENCIA DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS -TGO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO GERENCIA DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS -TGO PREGÃO ELETRÔNICO 010/2010 ITEM 15.1.5 NEXO V DOCUMENTOS SEREM OBRIGTORIMENTE PRESENTDOS PR LIBERÇÃO DOS PGMENTOS NOME D EMPRES CONTRTD: Nº DO CONTRTO: NO Item DOCUMENTOS DETLHMENT O QUNDO EXIGIR DOCUMENTO

Leia mais