Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos"

Transcrição

1 Empresas Sem Fins Lucrativos Prof. Giácomo Balbinotto Neto Notas de Aula Curso de Especialização em Direito e Economia Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos A característica que define uma empresa sem fins lucrativos é a restrição de distribuição de lucros. Isto significa que ninguém têm direitos legais sobre o saldo financeiro positivo de uma empresa sem fins lucrativos, ou seja, a diferença df entre suas receitas e custos, ou o que uma empresa chamaria de lucros. Como não há ninguém a reclamar esse saldo, é possível que os objetivos das empresas sem fins lucrativos sejam outros que não o lucro. 2 Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos Além disso, as organizações sem fins lucrativos são tipicamente isentas de impostos, e as doações a empresas sem fins lucrativos recebem tratamento tributário favorável. 3 [ECONOMIA - UFRGS] 1

2 Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos Donativos Causa Comum Sociedades Clubes Políticos Mútuos Empresarial Museus de Arte Orquestas Sinfônicas Comercial Country Club American Automobile Association Associação de consumidores Hospitais comunitário Asilos National Geografic Society Adaptado de Hausmann (1980, p.842) 4 A Teoria dos Bens Públicos A teoria de Weisbrod (1975) para a existência de organizações sem fins lucrativos propõe que as empresas sem fins lucrativos surgem para satisfazer as demandas d por bens públicos não atendidas. Ou em outras palavras, firmas sem fins lucrativos servem como produtoras privadas de bens públicos. 6 [ECONOMIA - UFRGS] 2

3 Weisbrod (1975) conclui que as organizações sem fins lucrativos surgem porque os mercados privados e motivados pelo lucro tendem a produzir bens e serviços aquém da demanda, devido aos problemas de externalidades positivas. 7 Por outro lado, o governo também pode fornecer esses bens e serviços aquém do ideal aos olhos de uma significativa minoria de eleitores devido aos problemas políticos numa eleição (teorema do eleitor mediano). Assim, este último grupo tende a incluir cidadão que têm uma percepção mais aguçada do benefício externo para a comunidade. Tais cidadãos estabelecem suas próprias empresas sem fins lucrativos. 8 Considere o caso em que o governo fornece um bem público. Sejam as curvas D1 a D5 as curvas de demanda de 5 diferentes indivíduos que votam a favor da provisão de um bem público pelo governo. As curvas de demanda representam os benefícios externos para esses diferentes grupos de contribuintes. As curvas de demanda representam os benefícios marginais para doadores do bem aos contribuintes. 9 [ECONOMIA - UFRGS] 3

4 Para pagar por esse bem público, é assumido que os cinco contribuintes sejam tributados igualmente com uma alíquota de imposto por unidade, d MT, que é o imposto marginal. Isto implica que o imposto marginal para cada um deles será exatamente (1/5) do custo marginal para a sociedade. 10 Se o governo, por exemplo, fosse prover a quantidade de produção OC, então a cada um dos 5 contribuintes seria cobrado (OC x MT), e a arrecadação total cobriria exatamente o custo do projeto. Se a quantidade de produção fosse OB, então seria arrecadado (OB x MT) de cada indivíduo, e assim por diante. 11 Aqui assumimos que o governo tem que escolher um único nível de produção. Quem nível de produção o governo vai prover se o resultado for deixado a cargo do processo político democrático? 12 [ECONOMIA - UFRGS] 4

5 Se o nível proposto fosse AO, quatro de cinco eleitores iriam preferir um nível mais alto, tal como OB. Se o nível proposto fosse OB, três de cinco eleitores iriam preferir um nível mais alto e votariam contra o nível proposto. Se o nível proposto fosse OD, três eleitores achariam que haveria uma quantidade demasiada de bem público e votariam contra. O meso aconteceria par ao nível OE. 13 neste exemplo, vemos então que somente o nível OC ganhará a maioria dos votos. Esta maioria é comporta pelo eleitor 3, que está exatamente satisfeito porque seus benefícios marginais se igualam ao imposto marginal, e pelos eleitores 4 e 5, que gostariam de ter mais, mas estão satisfeitos com o nível OC. 14 O nível escolhido pela governo implica que eleitores insatisfeitos na margem, cujas demandas são exatamente atendidas. A alíquota do imposto marginal só se encaixa ou é adequada ao eleitor #3, o eleitor mediano. Neste caso, alguns eleitores vão preferir ter mais do bem público (saúde por exemplo) e o governo terá fracassado em satisfazer as demanda daqueles que preferem ter mais. Esses eleitores insatisfeitos terão incentivos para criar ou fundar uma empresa sem fins lucrativos e passar a fornecer eles mesmos os bens. 15 [ECONOMIA - UFRGS] 5

6 $ D1 D2 D3 D4 D5 MT= Imposto marginal 0 A B C D E Quantidade de bem público 16 Weisbrod (1975, 1988) argumentou que o governo irá tender a prover bens públicos somente até o nível que satisfaça o eleitor mediano; conseqüentemente haverá alguns eleitores residuais insatisfeitos com relação ao fornecimento de bens públicos cujas as preferências seja maiores do que a do eleitor mediano. Assim, as organizações sem fins lucrativos surgem para atender a esta demanda residual pela provisão de bens públicos num montante suplementar aquele fornecido pelo governo. 17 A análise de Weisbrod (1975) se aplica à saúde nos casos em que ela não é um bem puramente privado. Assistência à saúde fornecida ao indigente é, por si própria, um bem privado, porque a pessoa indigente poderia ter sido excluída se assim o desejássemos. 18 [ECONOMIA - UFRGS] 6

7 A assistência à saúde fornecida ao indigente acarreta numa externalidade benéfica a qualquer pessoa consciente de caridade. É este benefício externo que é um bem público, e é neste sentido que a assistência à saúde não é um bem puramente privado. 19 O modelo de Weisbrod (1975) aplicará este princípio a quaisquer serviços que forneçam benefícios externos a uma grande comunidade. Assim, as empresas de assistência á saúde e hospitais podem surgir onde uma minoria suficiente de eleitores está insatisfeita com a quantidade ou qualidade de assistência fornecidos pelo setor sem fins lucrativos ou pelo governo. 20 A teoria de Weisbrod (1975) fornece uma explicação plausível para o surgimento e proliferação de hospitais sem fins lucrativos, provendo assistência aos pobres e dependendo pesadamente de doações. 21 [ECONOMIA - UFRGS] 7

8 Resumindo, no modelo de Weisbrod (1975) as organizações sem fins lucrativos satisfazem a demanda por bens públicos que não são fornecidos pelo governo. O governo satisfaz a demanda d do eleitor mediano e portanto, provê um nível de bem público a menos para alguns indivíduos os quais o nível de demanda é maior do que desejo do eleitor mediano. Estas organizações sem fins lucrativos são financiadas por doações de indivíduos que desejem aumentar a produção do bem público. 22 Implicações do Modelo de Weisbrod (1975) Uma das principais implicações empíricas do modelo de Weisbrod (1975) é o teste da hipótese da heterogeneidade que afirma que em comunidades mais heterogêneas, na qual os cidadãos tem preferências mais diversas por bens públicos do que o eleitor mediano, deverá haver mais organizações com fins não lucrativos produzindo mais bens públicos. 23 Empresas sem fins lucrativos como uma resposta ao fracasso de contrato: O Modelo de Hansmann (1980) [ECONOMIA - UFRGS] 8

9 Empresas sem fins lucrativos como uma resposta ao fracasso de contrato A teoria do fracasso de contrato assume que a existência de empresa sem fins lucrativos são vantajosas sob circunstâncias em que é difícil ou impossível para o comprador do bem verificar a entrega e a qualidade do mesmo. 25 O Modelo de Hansmann (1980) Arrow (1963, p.950) sugeriu que a freqüência das organizações sem fins lucrativos se deveria à incerteza ao se tentar identificar a qualidade da assistência a saúde, por exemplo. 26 Modelo de Hansmann (1980) Hansmann(1980) assumiu que o setor sem fins lucrativos ajudaria a reparar os problemas de fracasso de contrato que ocorrem devido a assimetria de informação quando a quantidade ou qualidade ld d da produção édfí difícil ou cara de ser observada. Assim sendo, a assimetria de informação entre a firma e o comprador de serviços se torna importante ao se explicar o papel da organização sem fins lucrativos. 27 [ECONOMIA - UFRGS] 9

10 Modelo de Hansmann (1980) No modelo de Hansmann (1980), as organizações sem fins lucrativos seriam ou funcionariam como uma espécie de sinal de confiança sobre a qualidade e a quantidade de bens fornecidos. 28 Modelo de Hansmann (1980) Para Hansmann (1980), em essência, a teoria da falha de contrato vê as firmas sem fins lucrativos como uma resposta aos problemas de agência, onde o principal não pode monitorar o desempenho doa gente que ela tenha contratado para desempenhar uma atividade ou serviço. 29 Modelo de Hansmann (1980) Assim, haveria um forte incentivo para adotar uma outra estrutura de governança [Oliver Williamson (1979)] que busca mitigar os incentivos do agentes de não agir em benefício dos interesses do principal. A forma ou estrutura de governança na forma de empresa sem fins lucrativos serviria a este propósito. 30 [ECONOMIA - UFRGS] 10

11 O Modelo dos Grupos de Interesse de Bays (1983) A teoria dos grupos de interesse como explicação da existência de hospitais sem fins lucrativos propõe que os médicos são a favor de organizações hospitalares sem fins lucrativos porque nelas eles podem exercer maior controle econômico. 32 Com o avanço da tecnologia, os hospitais se tornaram o ponto de concentração e trabalhos dos médicos. Deter privilégios em um ou mais hospitais passou a ser crucial para a prática médica. O controlando os privilégios de admissão ao hospital, organizações de médicos ganharam mais poder de mercado inclusive a capacidade de exercer disciplina sobre médicos cujas práticas tendiam a erodir o poder de mercado do grupo organizado. 33 [ECONOMIA - UFRGS] 11

12 No modelo de Bays (1983), os médicos preferem os hospitais sem fins lucrativos, porque neles o seu poder é maior. E este poder sobre as decisões permite que os médicos aumentem a sua renda pessoal. 34 Além disso, o tratamento fiscal privilegiado e os subsídios aos hospitais sem fins lucrativos se devem, segundo Bays (1983), em parte, ao apoio político do médicos, que, em última instância, beneficia o médico através da provisão de insumos hospitalares complementares por custos menores. 35 Sob a teoria dos grupos de interesse, pequenos grupos ganham poder quando os seus interesses são altamente concentrados e a afiliação fl ao grupo éhomogênea. Passa então a valer a pena, nesses casos, que os médicos apóiem o lobby a favor de medidas que resultem em benefícios significativos para eles próprios, ao passo que a perda par ao público em geral fica difusa. 36 [ECONOMIA - UFRGS] 12

13 Embora o consumidor individual possa se beneficiar do desafio do status quo, os ganhos pessoais são pequenos em relação aos custos pessoais. Esta situação retratada no modelo de Bays (1983) favorece ao médico às custas do público em geral, pode, no entanto, representar um equilíbrio regulatório. 37 Bays (1983) formulou a teoria dos grupos de interesse sob a qual os médicos preferem uma organização sem fins lucrativos e usam a sua influência enquanto grupo de pressão com interesses latentes para estender o papel das organizações sem fins lucrativos além dos interesses destas e em benefício próprio. Assim, pela teoria de Bayes (1983), o tratamento privilegiado de hospitais sem fins lucrativos não é tão obviamente pelo interesse público, mas sim, em benefício principalmente de um grupo organizado, os médicos. 38 Empresas Sem Fins Lucrativos Prof. Giácomo Balbinotto Neto Notas de Aula Curso de Especialização em Direito e Economia [ECONOMIA - UFRGS] 13

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Fundamentos de competição Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Objetivo Conhecer os principais conceitos envolvidos na regulação econômica: Oferta e demanda Teoremas

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados Estruturas de Mercado 17. Concorrência Monopolística Número de Firmas? Muitas firmas Tipo de Produto? Uma firma Poucas firmas Produtos diferenciados Produtos idênticos Monopólio Oligopólio Competição Monopolística

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de 1 Introdução Os economistas norte-americanos Joseph Stiglitz, George Akerlof e Michael Spence foram agraciados, em 2001, com o Prêmio Nobel de Economia, devido à contribuição dada por seus trabalhos, no

Leia mais

Gestão de Organizações Cooperativas Uma visão aplicada. Davi R. de Moura Costa EESP-FGV/SP

Gestão de Organizações Cooperativas Uma visão aplicada. Davi R. de Moura Costa EESP-FGV/SP Gestão de Organizações Cooperativas Uma visão aplicada Davi R. de Moura Costa EESP-FGV/SP Apresentação Geral 1. Características do Mercado de Serviços 2. A lógica da ação coletiva 3. A gestão das organizações

Leia mais

QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA?

QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA? QUAIS OS EFEITOS DE UMA TRIBUTAÇÃO MAL PLANEJADA? FERNANDO B. MENEGUIN 1 A Análise Econômica do Direito Tributário promove uma união entre o direito tributário e a economia, com o intuito de melhorar a

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA Aula 4 FUNDAMENTOS DA ECONOMIA 1.2.3 Noção de custo de oportunidade e de análise marginal A escassez de recursos leva os produtores a efetuar escolhas para produção de bens. Em um mundo de recursos limitados,

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção CEAV Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia : Dornbusch,

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 01/10/2015 ATENÇÃO: Prorrogação dos incentivos fiscais ao esporte Os incentivos fiscais para fomento das atividades de caráter desportivo (originalmente

Leia mais

RELATÓRIO DA CÂMARA TÉCNICA Nº. 06/13

RELATÓRIO DA CÂMARA TÉCNICA Nº. 06/13 Brasília, 21 de março de 2013. RELATÓRIO DA CÂMARA TÉCNICA Nº. 06/13 Origem: Valdir Coscodai. Interessado: Valdir Coscodai. Assunto: Consulta sobre o reconhecimento das receitas de doações e subvenções

Leia mais

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais.

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Externalidades. Externalidades. Externalidades

Externalidades. Externalidades. Externalidades Externalidades IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Externalidades As externalidades são uma falha de mercado (por isso a intervenção governamental pode ser aconselhável). As externalidades

Leia mais

QUE SISTEMA TRIBUTÁRIO ESTÁ SENDO PENSADO PARA O BRASIL COM A RETOMADA DA DISCUSSÃO SOBRE A REFORMA TRIBUTÁRIA

QUE SISTEMA TRIBUTÁRIO ESTÁ SENDO PENSADO PARA O BRASIL COM A RETOMADA DA DISCUSSÃO SOBRE A REFORMA TRIBUTÁRIA *José Antonio de França I CONTEXTUALIZAÇÃO O Sistema Tributário Brasileiro é um sistema complexo, composto por muitos impostos, taxas e contribuições de competência Federal, Estadual e Municipal. A tarefa

Leia mais

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos.

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos. NBC TSP 5 Custos de Empréstimos Objetivo Esta Norma indica o tratamento contábil dos custos dos empréstimos. Esta Norma geralmente exige o reconhecimento imediato no resultado do exercício dos custos dos

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Reunião de 18 de junho de 2010 Resumo

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Discussão Neutralidade de Rede e Reflexões sobre Regulação da Mídia Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Definição A neutralidade da rede é o princípio de que todo

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

Por que a intervenção do governo pode gerar prejuízos à sociedade?

Por que a intervenção do governo pode gerar prejuízos à sociedade? Por que a intervenção do governo pode gerar prejuízos à sociedade? Marcos Mendes 1 Já foi postado neste site um texto, de minha autoria, com o título Por que o governo deve intervir na economia?, em que

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br INCENTIVOS FISCAIS Contexto MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA 151 CC02/C01 Fls. MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10830.009075/2002-15 Recurso nº 134.197 Matéria Ressarcimento de IPI Acórdão nº 201-79.995 Sessão de

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Constituição de 1988 Implantação do SUS Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

Reforço da sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde: Modelos de Financiamento e Alternativas

Reforço da sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde: Modelos de Financiamento e Alternativas Reforço da sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde: Modelos de Financiamento e Alternativas Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa http://ppbarros.fe.unl.pt Outra vez?

Leia mais

1.1.1 Instituições: o que são? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem?

1.1.1 Instituições: o que são? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? PARTE I A análise económica das instituições. 1. Dos dilemas sociais e das instituições para os resolver 1.1 Instituições 1.1.1 O que são? 1.1.3 Como avaliá-las?

Leia mais

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente.

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. Evelyse Amorim Lourival Amorim Florianópolis, 11 de novembro de 2014 ITG 2002 Introdução e Principais

Leia mais

3 Motivações para Doar

3 Motivações para Doar 3 Motivações para Doar As pessoas podem fazer donativos de diversas formas. Podem doar dinheiro, bens e presentes, podem ceder o seu tempo de forma voluntária. As doações em dinheiro tanto podem ser efectuadas

Leia mais

As vantagens de partilhar seus bens em vida

As vantagens de partilhar seus bens em vida As vantagens de partilhar seus bens em vida Antecipar a herança por meio de doações pode sair mais em conta e protege a família de preocupações Planejar a partilha da herança poupa a família de gastos

Leia mais

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica 2.4 Contratos e custos de transacção 2.4.1 Os custos de transacção (económicos e políticos) 2.4.2 O Teorema de Coase 2.5 Agência e problemas

Leia mais

MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI. 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP

MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI. 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP 2. Doação/Patrocínio de Projeto Cultural por pessoa jurídica (art. 18 da Lei Rouanet) e 3. Doação/Patrocínio

Leia mais

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos.

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. EXTERNALIDADE: São é conseqüência de algo que um agente realiza e afeta outro. Pode ser positiva

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios.

Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios. Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios. O Instituto Abramundo é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) e com isso pode receber doações e incentivos para a execução de seus

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado

TERCEIRO SETOR. Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado TERCEIRO SETOR Financiamento com recursos do orçamento público e ou do setor privado Modalidade de apoio e financiamento por parte do Estado ESPÉCIE Auxílios Contribuições Subvenções PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS NUTRINDO RELAÇÕES A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS APRESENTAÇÃO José Alberto Tozzi Adm. Empresas FGV MBA USP Mestre pela PUC-SP Instrutor de Gestão

Leia mais

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço.

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço. Preparação do Instrutor Trazer para a reunião/encontro de vendas: DVD : Módulo 7 Aparelho de DVD e monitor de TV Flip chart e canetas ( pincel atômico) Canetas/lápis apontados Manuais dos participantes

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Planejamento Tributário O debate sobre a carga tributária brasileira é incessante desde os tempos em que esta não ultrapassava 25% do PIB nacional.

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal de Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA AMANDA GURGEL

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal de Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA AMANDA GURGEL PROJETO DE LEI 103/2015 Dispõe sobre a redução do subsídio do(a) prefeito(a), do(a) vice-prefeito(a), e dos(as) vereadores(as), para o equivalente ao dobro do fixado como piso salarial nacional para os(as)

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

Sumário. Parte I. Parte II 3 FERRAMENTAS DE ANÁLISE NORMATIVA 34 1 INTRODUÇÃO 2 2 FERRAMENTAS DE ANÁLISE POSITIVA 18 4 BENS PÚBLICOS 54

Sumário. Parte I. Parte II 3 FERRAMENTAS DE ANÁLISE NORMATIVA 34 1 INTRODUÇÃO 2 2 FERRAMENTAS DE ANÁLISE POSITIVA 18 4 BENS PÚBLICOS 54 Parte I PRIMEIROS PASSOS 1 1 INTRODUÇÃO 2 FINANÇAS PÚBLICAS E IDEOLOGIA 3 Visão orgânica do governo 3 Visão mecanicista do governo 4 Ponto de vista deste livro 5 O GOVERNO RESUMIDO 5 O marco legal 5 O

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S como organizar as finanças da sua empresa 4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S AUTHOR NAME ROBSON DIAS Sobre o Autor Robson Dias é Bacharel em Administração de Empresas e Possui MBA em Gestão Estratégica

Leia mais

Curso Direito Empresarial Básico

Curso Direito Empresarial Básico Seja bem Vindo! Curso Direito Empresarial Básico CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 20hs Conteúdo Programático: 01. Introdução 02. Definições 03. Conceito contemporâneo de marketing 04. História do marketing

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE OS IMPOSTOS NA! O que é Lucro Real?! O que é Lucro Presumido?! Como é calculada a tributação pelo SIMPLES?! Qual o regime tributável mais vantajoso para a elaboração de um projeto?!

Leia mais

A Teoria Econômica da Prática Médica

A Teoria Econômica da Prática Médica A Teoria Econômica da Prática Médica Prof. Giácomo Balbinotto Neto Economia da Saúde UFRGS Bibliografia Recomendada Cap. 15 Cap. 9 & 10 Cap. 3 (p.75-92) e Cap. 5 2 Introdução Nesta aula focamos o médico

Leia mais

Introdução... 3 Certificações da FFM... 4

Introdução... 3 Certificações da FFM... 4 MANUAL DE BENEFÍCIOS FISCAIS DOAÇÕES EFETUADAS À FFM São Paulo SP 2014 Índice Introdução... 3 Certificações da FFM... 4 1. Doações a Entidades sem Fins Lucrativos... 5 1.1. Imposto de Renda e Contribuições

Leia mais

O conceito de assistência à saúde...

O conceito de assistência à saúde... Prof. Humberto Medrado hmedrado@ventureconsultoria.com.br O conceito de assistência à saúde... Estabelecer prioridades Planejar, avaliar e implementar continuamente ações de assistência integral à saúde

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR

ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR O que é projeto? Um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades interrelacionadas e coordenadas,

Leia mais

Avenida Arlindo Joaquim de Lemos, 693 Vila Lemos Campinas SP CEP 13100-450 Fone (19) 9114-9922 ivva-campinas@ivva-campinas.org.br

Avenida Arlindo Joaquim de Lemos, 693 Vila Lemos Campinas SP CEP 13100-450 Fone (19) 9114-9922 ivva-campinas@ivva-campinas.org.br Lei 9.790/99 Incentivo Fiscal: contribuindo para ações de responsabilidade social Elaborado por: Miriane de Almeida Fernandes CRA 1.65.348-9 e CRC 1SP229778-P-3 Iara Hernandes Barciella, CRC 1SP184189/P-6

Leia mais

PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado

PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado Índice v Prefácio... xix Apresentação da 1ª edição... xxii Agradecimentos... xxiv Nota dos autores à 4ª edição... xxiv Os autores... xxvii PARTE I As Finanças Públicas e o Papel do Estado 1 Economia e

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO MUNICIPIO DE RIO DE JANEIRO

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO MUNICIPIO DE RIO DE JANEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO MUNICIPIO DE RIO DE JANEIRO RECURSO VOLUNTÁRIO Nº 10.995 Recorrente: CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - CAARJ Recorrido: COORDENADOR DA COORDENADORIA

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 171, DE 2000

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 171, DE 2000 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 171, DE 2000 Dispõe sobre a aplicação do 5º do art. 150 da Constituição Federal, para que os consumidores sejam esclarecidos acerca dos

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

4 Aspectos tributários nas operações de reorganização societária nos Estados Unidos

4 Aspectos tributários nas operações de reorganização societária nos Estados Unidos 4 Aspectos tributários nas operações de reorganização societária nos Estados Unidos As empresas que atuam no mercado norte-americano buscam constantemente a eficiência financeira e a obtenção de novas

Leia mais

Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B

Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B Estrutura para a avaliação de estratégias fiscais para Certificação Empresas B Este documento fornece a estrutura que B Lab utiliza para avaliar as estratégias fiscais que atendam aos requisitos da Certificação

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Constituição de 1988 Implantação do SUS Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Objetivo: Realizar um estudo comparativo entre as Sistemáticas de Apuração

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP

ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP O que é uma OSCIP Uma OSCIP está situada no Terceiro Setor (considerando-se que o Primeiro Setor é formado pelo Estado e o Segundo Setor pelo Mercado,

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

LUIZ ANTONIO SOARES DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR

LUIZ ANTONIO SOARES DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR Apelação Cível - Turma Espec. II - Tributário Nº CNJ : 0100686-34.2014.4.02.5006 (2014.50.06.100686-0) RELATOR : LUIZ ANTONIO SOARES APELANTE : PARANÁ GRANITOS LTDA ADVOGADO : EDGAR LENZI E OUTROS APELADO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS SEMINÁRIO: Cidadania Fiscal para uma Nova Ordem Social Jurandir Gurgel Gondim Filho Secretário Municipal de Finanças 20-09-2013 A Grande Questão: POR QUE O SETOR PÚBLICO

Leia mais

NBC T 10.16. Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT

NBC T 10.16. Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT NBC T 10.16 Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações AUDIT NBC T 10.16 - Entidades que recebem subvenções, contribuições, auxílios e doações Foco do seminário em: Conceito (conceituando

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Preliminares Prof.: Antonio Carlos Assumpção Segundo Ludwig Von Mises (1948): Economia A economia é a ciência da ação humana. Preliminares Slide 2 Economia Como os agentes tomam decisões?

Leia mais

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas Introdução e Noções de Mercados Compreendendo o processo de Marketing ADMINISTRAÇÃO - Produtos - Serviços - Mercados - Processos MARKETING COMUNICAÇÃO - Propaganda Marketing é uma filosofia de negócio

Leia mais

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Viabilidade da Tributação Verde Lucilene Prado Existe no sistema jurídico brasileiro fundamentos para uma tributação que induza a comportamentos e atividades empresariais

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos BRASIL Guia de Declaração IR 2014- Investimentos O dia 30/04/2014 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 e com o objetivo de

Leia mais

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071 A Artigo 19 apresenta análise comparada de países que permitem publicidade e propaganda comercial em rádios comunitárias em referência à minuta do Projeto Legislativo do Senado que propõe possibilitar

Leia mais

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil 1 Guia Declaração Imposto de Renda 2012 Investimentos Março de 2012 Brasil Guia de Declaração IR 2012 - Investimentos 2 O dia 30/04/2012 é ultimo dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil Guia de Declaração IR 2014 Investimentos Março de 2014 Brasil Guia de Declaração IR 2014 - Investimentos O prazo de entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 tem início no dia 6 de março e o

Leia mais

DEMANDA EFETIVA E PROPENSÃO A CONSUMIR

DEMANDA EFETIVA E PROPENSÃO A CONSUMIR DEMANDA EFETIVA E PROPENSÃO A CONSUMIR Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO Os postulados da Teoria Geral, defendidos por Keynes 2, servem para contrastar

Leia mais

É possível colaborar financeiramente com os projetos do Instituto Brasil Solidário* doando parte do imposto de renda.

É possível colaborar financeiramente com os projetos do Instituto Brasil Solidário* doando parte do imposto de renda. Pessoa Física III Encontro Nacional Brasil Solidário É possível colaborar financeiramente com os projetos do Instituto Brasil Solidário* doando parte do imposto de renda. Existe um benefício fiscal que

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 10 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 19 Data 13 de agosto de 2013 Origem COFIS ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA IRPJ A EIRELI não se confunde com

Leia mais

Gastos Tributários do governo federal: um debate necessário

Gastos Tributários do governo federal: um debate necessário do governo federal: um debate necessário Coordenação de Finanças Sociais Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Assessoria Técnica da Presidência do Ipea Este Comunicado atualiza trabalho publicado ano

Leia mais

Campanha Anual e Campanha Capital de Captação de Recursos*

Campanha Anual e Campanha Capital de Captação de Recursos* Campanha Anual e Campanha Capital de Captação de Recursos* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público que visa promover e estruturar

Leia mais

Secretaria da Receita Federal do Brasil. Missão. Valores

Secretaria da Receita Federal do Brasil. Missão. Valores Secretaria da Receita Federal do Brasil Missão Exercer a administração tributária e o controle aduaneiro, com justiça fiscal e respeito ao cidadão, em benefício da sociedade. Respeito ao cidadão Integridade

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

POLÍTICA DE ACEITAÇÃO DE DOAÇÕES & PROGRAMA DO ADVANCEMENT DO ISC

POLÍTICA DE ACEITAÇÃO DE DOAÇÕES & PROGRAMA DO ADVANCEMENT DO ISC POLÍTICA DE ACEITAÇÃO DE DOAÇÕES & PROGRAMA DO ADVANCEMENT DO ISC I. Introdução A Política de Doações para o programa de Advancement do International School of Curitiba é responsável por identificar as

Leia mais

7692 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015

7692 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7692 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 36 Os royalties são acrescidos de acordo com os termos do contrato relevante e são usualmente reconhecidos nessa base, a menos que, tendo

Leia mais