A clínica do sujeito adolescente usuário de drogas: desafio para a adesão ao tratamento nos CAPSi 12

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A clínica do sujeito adolescente usuário de drogas: desafio para a adesão ao tratamento nos CAPSi 12"

Transcrição

1 1 A clínica do sujeito adolescente usuário de drogas: desafio para a adesão ao tratamento nos CAPSi 12 Introdução Este trabalho tem como finalidade apresentar algumas considerações obtidas, até o momento, da pesquisa doutoral em andamento no Programa de Pós-graduação em Psicologia da PUC Minas, cujo objetivo é entender como o estudo das dificuldades de adesão aos CAPSi, Centro de Atenção Psicossocial infanto-juvenil, apresentadas por adolescentes usuários de álcool e outras drogas, pode contribuir para que esses sujeitos se beneficiem de um tratamento na rede de atenção psicossocial de saúde mental em Minas Gerais. Delineou-se o tema a partir de observações referentes à experiência profissional da pesquisadora, bem como, de um estudo realizado em 2013, por um CAPSi da região metropolitana de Belo Horizonte, do qual destacou-se: elevado número de abandono do tratamento por adolescentes usuários de drogas; baixo número de encaminhamentos referentes a estes casos, pela Rede, para o CAPSi; quando se tratavam de adolescentes psicóticos e usuários de drogas, não se constatou abandono algum de tratamento, naquele ano. Diante disto, os demais CAPSi do Estado de Minas Gerais foram contatados pela pesquisadora e declararam viver situações semelhantes às encontradas no estudo citado. Além destes aspectos, evidenciou-se também que a articulação entre o CAPSi e o CAPS ad tem apresentado especificidades de acordo com o contexto territorial, as características e os recursos da rede psicossocial de cada município. A constatação referente ao abandono de tratamento nos casos de álcool e drogas em todos os CAPSi pesquisados indicou-nos um contexto sintomático presente nestes serviços de algo que interroga esta prática. O abandono de tratamento, tomado como um sintoma institucional convocou-nos ao trabalho que se insere no campo da psicanálise aplicada, no sentido de aplicada ao sintoma, tal como proposto por Miller (2001) em seu artigo Psicanálise pura, psicanálise aplicada versus psicoterapia. Dizer de uma aplicação é dizer dos usos possíveis da psicanálise em diferentes contextos em que o analista pode contribuir com o seu saber e seu fazer. Neste sentido, o aspecto posto em relevo, por Miller (2001), refere-se ao alerta de que os praticantes de psicanálise cuidem 1 Mônica Eulália da Silva 2 Ilka Franco Ferrari

2 2 para que a psicanálise aplicada à terapêutica não se misture ao conjunto das psicoterapias, deixando de ser psicanálise. É pelo fato da psicanálise aplicada operar no sintoma, seja ele social ou de outra ordem, que nos é possível, nesta pesquisa, estabelecer uma interlocução entre o ensino lacaniano e o campo da saúde mental, aqui circunscrito. No intuito de delimitar o campo de estudo aqui proposto ressalta-se que a inserção do tratamento de crianças e adolescentes usuários de drogas nos textos normativos das políticas de saúde mental no Brasil datam, com mais vigor, de 2011, com a publicação da Portaria 3088 (BRASIL, 2011) que trata da Rede de Atenção Psicossocial. Historicamente, os CAPSi, surgem no Brasil na esteira da Reforma Psiquiátrica como serviços substitutivos ao modelo asilar e, desta forma, passam a ter como público alvo os casos graves e ou persistentes de transtorno mental, ou seja, psicoses, autismos e neuroses graves. Os casos de uso de drogas na adolescência chegavam aos CAPSi diluindo-se em meio à gravidade de tantos outros. Contudo, a Portaria citada dá oficialidade para o tratamento destes casos na rede pública de saúde, e reforça o CAPSi como um dos importantes reguladores desta rede. Os estudos com adolescentes usuários de drogas em nosso país ainda são incipientes diante da complexidade do problema, contudo, Lima et al. (2013) indica trabalhos que apontam, desde a década de 90, o aumento do uso de drogas, especialmente o crack na população infanto-juvenil brasileira que vive em situação de rua. E aqui é importante esclarecer que entende-se, portanto, como criança e adolescente em situação de rua, aquele que, com ou sem laço familiar, vive parte de seu tempo na rua sem a supervisão de um adulto que se responsabilize por ele. (LIMA et al. 2013, p. 162). A Universidade Federal da Bahia (ANDRADE & SANTIAGO, 2007) apresenta uma pesquisa a qual evidencia que a faixa etária de maior consumo de crack naquele estado está entre 16 e 20 anos de idade, o que corresponde a 26,9 % dos casos estudados. Esses dados confirmam o crescimento do consumo de drogas na população de adolescentes e, consequentemente, em sujeitos cada vez mais jovens, fato este que têm sido usado, em algumas capitais do país, para justificar o abrigamento compulsório como a única forma de abordar o problema. Pretende-se realizar esta pesquisa a fim de potencializar os CAPSi, ou o próprio campo da saúde mental como recursos possíveis para o tratamento do uso abusivo de drogas na adolescência. Para isso, deseja-se ouvir os próprios adolescentes e as questões que os levaram a não vinculação a estes serviços, como também, os profissionais que os

3 3 acolheram e os aspectos que podem ser destacados para ampliação das possibilidades de enfrentamento desta questão. O sujeito adolescente e o recurso à droga A psicanálise freudiana, assim como a lacaniana, não possuem uma teoria específica sobre a adolescência. Alberti (1999) propõe a noção de sujeito adolescente, justamente para marcar que no que se refere à psicanálise o que está em causa é como cada sujeito atravessa o túnel aberto pelos dois lados, da infância à fase adulta, tal como propõe Freud (1905/1996). Para ele, a adolescência é um momento no qual, após o período de latência das pulsões sexuais, o sujeito é convocado a vivenciar as transformações e a elaborar os lutos que a puberdade anuncia. As mudanças que se impõem no real do corpo, a primazia genital e a exigência pulsional na busca de novos objetos de amor, substitutos daqueles encontrados na infância, remetem o sujeito à exigência de se situar na partilha dos sexos sustentando os avatares do feminino e do masculino, assim como, as questões da existência. Mas, para que o sujeito da infância possa dar lugar àquele que de alguma forma surge como adulto, será preciso realizar outro trabalho, bastante doloroso, que Freud (1905/1996) chamou de desligamento da autoridade dos pais. Trata-se, como menciona Alberti (2004), de uma queda da figura idealizada do par parental da infância, ocasionada principalmente pela constatação de que o Outro, ou seus substitutos, não são tão plenos quanto outrora, no período da infância, se sustentava. A castração do Outro, ou seja, a constatação de que o Outro é barrado, lança o sujeito adolescente ao encontro com uma outra experiência de desamparo e o principal recurso psíquico que ele pode se valer neste momento é a inscrição da lógica fálica que ocorreu durante o Édipo. E esta inscrição está inteiramente ligada à função paterna e à forma com que o sujeito vivenciou a castração simbólica. Ocorre que, diante da constatação feita pelo sujeito adolescente de que o Outro é barrado, uma ruptura se impõe, o que o convoca a produzir respostas para dar conta deste novo momento. Algumas destas tentativas são destacadas, por Viganó, (2008) como formas de dar conta de realizar esta separação. Para ele, muitos jovens prolongam o período de latência ou mesmo se bloqueiam diante da primeira experiência amorosa, o que vai produzir eventos geradores das frequentes depressões presentes na adolescência, que podem ser a ocasião para inserir-se na via do uso dependente de um objeto ou de

4 4 um comportamento. (VIGANÓ, 2008, p. 7). Para ele, o uso de uma substância consiste em um recurso frente à falha da via do sintoma, possível pela castração simbólica, o que coloca a droga como um substituto protético, um algo a mais, que vem prometer as garantias das quais o sujeito necessita. As questões referentes ao recurso à droga na adolescência levam o autor a verificar que, atualmente, dois aspectos favorecem negativamente o trabalho psíquico ao qual o sujeito adolescente precisa realizar. O primeiro refere-se ao caráter das brincadeiras e histórias atuais que não favorecem o jogo das identificações e da fantasia, próprios da Infância, importantes por sua capacidade de colocar o sujeito numa posição criativa diante do laço social. O segundo diz de certa generalização da função da autoridade paterna, através das diversas instâncias atuais que a corporificam, tais como, a mídia, a ciência e a lógica do consumo. Estas vertentes de autoridade seduzem o sujeito adolescente, mas não conseguem oferecer-lhe as garantias das quais precisa para o trabalho psíquico da puberdade. O sujeito, o gozo e o falasser A noção de sujeito tem origem em Lacan, mas é em Freud que encontramos a noção de subjetividade, própria das formulações da psicanálise. Acompanhamos no ensino lacaniano o surgimento de uma noção de sujeito que vem como efeito de linguagem na representação de um significante para outro significante, transmitido ao pequeno vivente pelo Outro ou por aquele que o substitui. Aprendemos assim, que o sujeito do significante é o sujeito em causa, na psicanálise lacaniana, (...) seguimos falando frequentemente do sujeito, por que no ensino de Lacan as aparições do termo são muito mais freqüentes, fomos formados para falar do sujeito, para nos referirmos a ele 3. (MILLER, 2008, p.163). Verifica-se, contudo, que apesar da noção de sujeito advir de um efeito de linguagem, não se reduz a ele. É fato que no capítulo IV do Seminário 20, o sujeito ainda está ancorado na dimensão do significante, o sujeito não é outra coisa (...) senão o que desliza numa cadeia de significantes (LACAN, 1995, P.68). Da mesma forma, 3 Nosotros, por otra parte, seguimos hablando corrientemente del sujeto porque en la enseñanza del Lacan las apariciones del término son mucho más frecuentes, estamos formados para hablar del sujeto, para referimos a él.

5 5 até aquele momento, o sujeito não tem grande coisa a fazer com o gozo. (LACAN, 1995, p. 69). Mas, a partir do capítulo V, segundo Miller (2008), o uso do termo falasser surge como aquele que deve vir no lugar da noção de sujeito. Isso se deve ao fato de que a noção de falasser refere-se aos seres falantes e, por isso, comporta a disjunção entre o sujeito do significante e o sujeito do gozo numa mesma definição. por Miller. Chegamos, então, ao ponto em que esta formalização sofre uma torção indicada (...) a partir do Seminário Mais, ainda, no que se segue, podemos dizer que o termo sujeito já não alcança Lacan. Posto que o termo sujeito nesse momento é tomado como morto, como esvaziado de gozo, se faz necessário agregar-lhe uma relação com um resto de gozo, retomando a fórmula do fantasma. (...) Portanto o verdadeiro centro de atenção de Lacan a partir desta data é o ser falante que inclui o corpo, por que dali em diante não pensa mais o inconsciente sem a pulsão 4. (MILLER, 2008, p. 164). Na toxicomania está em causa uma relação pulsional com o corpo que não convoca o sujeito da falta, da castração. O circuito posto em operação busca sempre um gozo a mais que marca esse corpo, pois, o trabalho psíquico aqui é aquele que se esforça para tamponar a falta-a-ser do sujeito com um gozo a mais e não esvaziá-lo. O sujeito da toxicomania é, portanto, um sujeito de gozo. Neste trabalho, as duas nomeações estarão presentes, a do sujeito do significante, como também a do falasser, mas esta última terá uma função específica tendo em vista a evidência do gozo na toxicomania. Crise dos ideais e das instituições Para Lipovetsky (2004), a hipermodernidade potencializa as características modernas, como é o caso do consumismo que contribui significativamente para fazer emergir uma subjetividade mediada por uma instância de alteridade que tanto se articula como também, se coloca enquanto objeto a ser usado, consumido e substituído. Esta forma peculiar de laço social foi formalizada por Lacan ( /1992) no Seminário 17, O avesso da Psicanálise, com o nome de discurso capitalista. Mas, ao 4 Por lo tanto, a partir Del Seminario Aun y, lo que sigue, podemos decir que el término ya no le alcanza a Lacan. Puesto que al término sujeto en ese momento se lo toma como muerto, como vaciado de goce, se hace necesario agregarle una relación con un resto del goce, retomando la fórmula del fantasma. (...). Por lo tanto el verdadero centro del atención de Lacan a partir del esta fecha es el ser hablante, que incluye el cuerpo, porque del ahí en más no piensa más en inconsciente sin la pulsión.

6 6 contrário dos outros quatro discursos, propostos por ele, o do Mestre, o da Histérica, o da Universidade e o do Analista, o discurso capitalista não faz laço social. Se é possível dizer que (...) nada é alheio a sua época, os sintomas dos seres falantes e os tratamentos que recebem, tampouco (BELAGA, CAPELLI e SCHUJMAN, 2009, p.21), a toxicomania deve ser pensada, tal como nos indica Naparstek (2008), enquanto uma patologia atual que coincide com um modo de organização social típico de nosso tempo. A droga surge com a função de tamponar o mal-estar dos seres falantes através da promessa de realização e prazer, algo que Freud (1930/1996) já apontava em Mal-estar na civilização. É deste modo que a lógica da toxicomania tem, na hipermodernidade, o terreno propício para uma potente inscrição. No entanto, a frase de Lacan na qual ele afirma que conseguiu, (...) em suma, aquilo que se gostaria, no campo do comércio comum, de poder realizar com a mesma facilidade: com a oferta, criei a demanda (LACAN, 1958/1998, p.623), traz um problema para o tratamento da toxicomania, pois, aqui a demanda que encontramos é a de gozo e não, pelo menos, a princípio, de tratamento. Isso se evidencia pelo fato de que a relação estabelecida entre o sujeito e o objeto droga exige cada vez mais outro objeto droga, isto é, haverá sempre uma exigência a mais de satisfação, um gozo impossível de ser realizar em sua totalidade, mas que não para de se inscrever. Este aspecto é determinante para entendermos que no tratamento da toxicomania a relação entre oferta e demanda gera um curto circuito que tem como resultado uma estagnação do sujeito em uma posição subjetiva convertida em um não querer saber, uma não implicação, uma completa alienação a uma relação de objeto. Dois pontos, então, balizam o problema da toxicomania: um discurso que não faz laço e uma demanda que é de gozo. Na busca por identificar quais dispositivos a psicanálise dispõe para o tratamento da toxicomania nas instituições, Naparstek (2008) destaca o primeiro momento do ensino lacaniano. O texto de Miller (2012), Os seis paradigmas do gozo, em que o autor divide o ensino de Lacan em seis períodos distintos com relação ao gozo, é citado para demarcar os dois primeiros paradigmas: o gozo imaginarizável, e a significantização do gozo. No primeiro, discute-se a elaboração de Lacan de que a análise não é uma relação de igual para igual, mas sim, entre um sujeito e o Outro, contudo, sem barra, o que lhe dá o caráter de um Outro abstrato e mortificado. No segundo paradigma, altera-se o estatuto de Outro. Ele deixa de ser abstrato e passa a ser vivificado, fato este que só é

7 7 possível, na medida em que o Outro surge como barrado, ou seja, desejante. Será nesta operação colocada em ação pelo analista que se localizará a direção da cura. Em virtude disso, Naparstek (2008) recorre também ao texto de Lacan (1958/1998) A direção da cura e os princípios de seu poder e ressalta que este é um momento da clínica lacaniana centrada na pergunta e não no sintoma. Uma pergunta, seja ela qual for, instaura a presença de um Outro, já que na medida em que lhe é dirigido uma questão, é suposto que ele tenha um saber sobre sua resposta. O ponto crucial é que quando o analista ocupa o lugar de Outro, deve fazê-lo, recusando o poder de dirigir o paciente. Então, toda a questão é saber como fazer com que uma pergunta interrogue o sujeito neurótico. Naparstek (2008) vai dizer que a possibilidade de fazer surgir um sujeito barrado depende de que haja no lugar do Outro, um Outro também barrado. E aqui fica claro a intenção do autor em articula o texto de Miller (2012) ao de Lacan (1958/1998). A presença da psicanálise nas instituições públicas de tratamento para a toxicomania insere-se numa configuração tensionada entre aquilo que é para todos e aquilo que é para cada um. Apesar de reconhecer a importância da igualdade preconizada nas políticas públicas, a psicanálise busca a singularidade do sujeito. Uma instituição que rechaça um sujeito que não se adapta às suas normas, constitui-se enquanto a encarnação de um Outro sem barra, ou seja, pleno e justamente por isso, falha na possibilidade de acolher o sujeito enquanto desejante (Naparstek, 2008). Ao considerar às vicissitudes de interrogar o desejo de um sujeito localizado numa operação de mais de gozo, como é o caso da toxicomania, bem como, ao reconhecer a crise das instituições, existente em nosso tempo, como afirmam Belaga, Capelli e Schujman (2009), como é possível construir laços que tornem possível o tratamento do uso abusivo de drogas pelo sujeito adolescente em um CAPSi? Avançar nestas e em outras questões requer a escuta dos sujeitos adolescentes e dos profissionais que os acolheram. Aguardemos o que eles têm a dizer. Referências Bibliográficas ALBERTI, Sônia. Eis a questão. In: Esse sujeito adolescente. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, ALBERTI, Sônia.O adolescente e o Outro. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2004.

8 8 ANDRADE, T. M., &SANTIAGO, L. A farmacologia social do Crack: O uso de pitilho (um cigarro contendo crack e maconha) por jovens vivendo em bairros pobres da cidade de Salvador, Bahia.Trabalho apresentado no I Fórum Internacional sobre uso de crack nos últimos 20 anos, Recuperado de BELLAGA, guilhermo, CAPELLI, Walter e SCHUJMAN, Gustavo. Políticas para la infancia. Salud Mental Justicia Educación. In : LAURENT, Eric. Psicoanálisis con niños y adolescentes 2 políticas, prácticas y saberes sobre el niño. 1ª ed. Buenos Aires : Gama Ediciones, 2009, p BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 3088/2011. Disponível em: Acesso em: 30 abr de 2013 FREUD, Sigmund. [1905] Um caso de histeria, Três Ensaios sobre a teoria da sexualidade - As transformações da Puberdade. In: Obras completas de Sigmund Freud, Edição Standar, Vol VII, FREUD, Sigmund. (1930). O mal-estar na civilização. In: Obras completas de Sigmund Freud, Edição Standar, Vol. XXI, 1996, p LACAN, Jacques. ( ) O Seminário livro 17: O avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Ed., LACAN, Jacques. ( ). O Seminário: livro 20 Mais, ainda. Rio de Janeiro: Zahar Ed., LACAN, Jacques. A direção do tratamento e os princípios de seu poder. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998, p LIMA, Cláudia Henschel de et al. Crack: Uma Abordagem Psicanalítica de seu Consumo entre Crianças e Adolescentes em Situação de Rua Revista. Revista Malestar e Subjetividade - Fortaleza - Vol. XIII - Nº p mar/jun2013 LIPOVETSKY, Guilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, NAPARSTEK, Fabián (col). Introducción a la clínica con toxicomanías y alcoholismo. 2ª ed. Buenos Aires :Grama Ediciones, MILLER, Jacque-Alain. Os seis paradigmas do gozo. In: Opção Lacaniana online nova série. Ano 3, Nº 7, março, MILLER, Jacque-Alain. Psicanálise pura, psicanálise aplicada versus psicoterapia. In: Phoenix Revista da Delegação Paraná da Escola Brasileira de Psicanálise. Nª 3 setembro 2001, p MILLER, Jacques-Alain. Revalorización del amor. In: El partenaire-íntoma. Barcelona: Paidós, 2008, p

9 9 VIGANÓ, Carlo. As dependências patológicas. Latusa digital ano 5 N 33 junho de 2008, p 1-13.

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico De nossos antecedentes Existem instituições onde a psicanálise aplicada da orientação lacaniana tem lugar há muitos anos, como é o caso do Courtil e L Antenne

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2 INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA MÓDULO: REAL, SIMBÓLICO E IMAGINÁRIO Quintas-feiras, horário: 9:30 às 11:30h, semanal

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB.

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB. TÍTULO:TRABALHO CRIATIVO NUMA EXPERIÊNCIA EM UM AMBULATÓRIO PSIQUIÁTRICo AUTORES: Margarida Maria Elia Assad 1 Cleide Pereira Monteiro 2 João Mendes de Lima Júnior 3 Alzira Edjane da Nóbrega Xavier, Elizabeth

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro

O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro Atualmente, em vários países do mundo, o uso prejudicial de álcool e

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO Ana Elizabeth Araujo Luna Roseane Freitas Nicolau O presente trabalho é fruto de uma experiência realizada no

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

A Estrutura na Psicanálise de criança

A Estrutura na Psicanálise de criança A Estrutura na Psicanálise de criança Maria de Lourdes T. R. Sampaio O que está na cabeça do filho depende de seu desejo 1 Esta frase de Alfredo Jerusalinsky, que se refere à ilusão de alguns pais de que

Leia mais

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Oscar Zack O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre as pessoas mediatizadas pelas imagens. Guy

Leia mais

O diagnóstico diferencial na clínica das toxicomanias Julia Reis

O diagnóstico diferencial na clínica das toxicomanias Julia Reis Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 na clínica das toxicomanias Julia Reis Os descompassos da psiquiatria O DSM Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde Curso de Psicologia Núcleo 3.2 Saúde Mental (2014)

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde Curso de Psicologia Núcleo 3.2 Saúde Mental (2014) Núcleo 3.2 Saúde mental: política e clinica ampliada DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Psicologia do Desenvolvimento e Psicologia Social COORDENADOR: Maria Claudia Tedeschi Vieira PROFESSORES: Deborah Sereno Elisa

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 7 março 2012 ISSN 2177-2673

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 7 março 2012 ISSN 2177-2673 Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 7 março 2012 ISSN 2177-2673 O que pode a psicanálise diante do destino para o pior? Considerações sobre a direção de tratamento das toxicomanias no avesso

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Esse estranho que nos habita. neuroses clássicas e atuais Marcia Zucchi

Esse estranho que nos habita. neuroses clássicas e atuais Marcia Zucchi Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : o corpo nas neuroses clássicas e atuais Marcia Zucchi Introdução Foi através dos mistérios do corpo que Freud criou a psicanálise.

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de EX-SISTO, LOGO SÔO Eriton Araújo O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de um aforismo. Mas, para que mais um aforismo para o sujeito da psicanálise? Se considerarmos

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Fernando Del Guerra Prota O presente trabalho surgiu das questões trabalhadas em cartel sobre pulsão e psicossomática. Não se trata de

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose. adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania.

ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose. adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania. ADEUS ESTRADA DE TIJOLOS AMARELOS: adolescência, toxicomania, psicose José Tiago dos Reis Filho [1] Palavras-chave: adolescência, desencadeamento, psicose, toxicomania. Resumo: Buscar articular os conceitos

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Luis Francisco Espíndola Camargo 1 lfe.camargo@gmail.com Resumo: A noção de sujeito do desejo não inclui a substância gozante. Na clínica, tal característica

Leia mais

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL?

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL? 1 Autora: Juliana Ribeiro Câmara Lima Eixo Temático: AT e instituição de educação Pertinência Institucional: IECE- Instituto Educacional Casa Escola Domicílio: R Raimundo Chaves, 1652. Casa H 03, Candelária,

Leia mais

SUJEITOS DESNORTEADOS: EM BUSCA DA FELICIDADE? 1 Vera Lopes Besset 2

SUJEITOS DESNORTEADOS: EM BUSCA DA FELICIDADE? 1 Vera Lopes Besset 2 SUJEITOS DESNORTEADOS: EM BUSCA DA FELICIDADE? 1 Vera Lopes Besset 2 Introdução Nossa proposta de intervenção se relaciona às pesquisas em andamento no âmbito do Grupo de Pesquisa UFRJ/CNPq CLINP (Clínica

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda

Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Tudo o que gosto é ilegal, imoral ou engorda Maria Cristina da Cunha Antunes Flávia Lana Garcia de Oliveira Introdução: O campo freudiano de orientação lacaniana trabalha segundo o axioma de que não há

Leia mais

5. Referências bibliográficas:

5. Referências bibliográficas: 82 5. Referências bibliográficas: ASSOUN, P. Lecciones Psicoanalíticas sobre Hermanos y Hermanas., Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1998. BENGHOZI, P. E FERÉS- CARNEIRO, T. Laço frátrio e continente

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade

Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade Coordenador: Prof. Doutor Ademir Pacelli Ferreira - Instituto de Psicologia - UERJ 2) A Clínica Psicanalítica no Campo da Saúde Mental:

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

Presentación del VI ENAPOL / Apresentação do VI ENAPOL Elisa Alvarenga

Presentación del VI ENAPOL / Apresentação do VI ENAPOL Elisa Alvarenga Presentación del VI ENAPOL / Apresentação do VI ENAPOL Un nuevo Encuentro Americano toma existencia entre nosotros: el VI ENAPOL. A continuación, les presentamos el boletín que será nuestro medio para

Leia mais

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE Germano Quintanilha Costa Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund Freud, a infância se difundiu e se impôs à cultura

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

Não temos tempo a perder 1

Não temos tempo a perder 1 Não temos tempo a perder 1 Ana Martha Wilson Maia Em entrevista concedida a uma revista brasileira, o filósofo Carl Honoré 2 descreve a pressão exercida sobre os pais para oferecerem uma infância perfeita

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança O ponto central da investigação que, atualmente, a Nova Rede Cereda realiza,

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no CRAS? Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2

Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no CRAS? Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2 CRAS? Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2 Este trabalho discute as possibilidades de operar com o saber

Leia mais

Negar é no fundo querer recalcar

Negar é no fundo querer recalcar Negar é no fundo querer recalcar Jorge A. Pimenta Filho Introdução A Negativa 1 artigo de Freud escrito em 1925 se refere à metapsicologia e também à técnica psicanalítica. (FREUD, 1976). A primeira indicação

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora Contardo Calligaris Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses 2 a edição z Zagodoni Editora Copyright 2013 by Contardo Calligaris Todos os direitos desta edição reservados à Zagodoni Editora Ltda.

Leia mais

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924)

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) A dissolução do complexo de Édipo Comentários sobre A dissolução do complexo de Édipo (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) Em extensão sempre crescente, o complexo de Édipo revela sua

Leia mais

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD Renato Diniz Silveira 1 Allisson Vasconselos Oliveira 2 Cláudio Alves Taioba Júnior

Leia mais

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito,

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito, 1 TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE Marisa De Costa Martinez i Tiago Ravanello ii Nem só a Arte e a Ciência servem; No trabalho há que mostrar paciência 1 São a fome e o amor

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Uma introdução Chafia Américo Farah 1

Uma introdução Chafia Américo Farah 1 PASSAGEM AO ATO, ACTING OUT, ATO PSICANALÍTICO: Uma introdução Chafia Américo Farah 1 Palavras chaves: passagem ao ato, acting,psicose,gozo Manhãs de quartas-feiras. Caso clínico ou apresentação de pacientes?

Leia mais

TÍTULO: AUTORES Instituição de Ensino Superior: E-mails: Área Temática: A Reforma Psiquiátrica Brasileira

TÍTULO: AUTORES Instituição de Ensino Superior: E-mails: Área Temática: A Reforma Psiquiátrica Brasileira TÍTULO: A CLÍNICA DA PSICOSE: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, A PSICANÁLISE E A REFORMA PSIQUIÁTRICA AUTORES: Margarida Maria Elia Assad Cleide Pereira Monteiro João Mendes de

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

A CLÍNICA PSICANALÍTICA DAS TOXICOMANIAS: SUJEITO, ÉTICA E GOZO COMO BALIZADORES PARA A DIREÇÃO DO TRATAMENTO

A CLÍNICA PSICANALÍTICA DAS TOXICOMANIAS: SUJEITO, ÉTICA E GOZO COMO BALIZADORES PARA A DIREÇÃO DO TRATAMENTO A CLÍNICA PSICANALÍTICA DAS TOXICOMANIAS: SUJEITO, ÉTICA E GOZO COMO BALIZADORES PARA A DIREÇÃO DO TRATAMENTO De qual sujeito se trata? Cynara Teixeira Ribeiro Andréa Hortélio Fernandes O estudo do fenômeno

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Manuela Rossiter Infância - tempo de brincar, coisa séria. Sônia Pereira Pinto da Motta O atendimento de crianças

Leia mais