Feminilidade e Violência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Feminilidade e Violência"

Transcrição

1 Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma variedade de estudos científicos sobre a violência e a mulher em diferentes abordagens teóricas e campos do saber. No entanto, apesar dessa multiplicidade de estudos, esse tema continua nos propondo uma série de enigmas que, ainda, estão longe de serem esgotados. Diante da amplitude de caminhos e possibilidades de se abordar esse tema, privilegiaremos circunscrever tal tema na análise das relações possíveis entre a constituição do feminino e a questão da violência. O surgimento dessa problemática parte da observação e experiência de dois contextos. De um lado, a prática clínica mostra um grande número de pessoas que procuram por atendimento psicológico em decorrência da presença de transtornos mentais ocasionados primariamente ou secundariamente pelo enfrentamento de situações de violência. Além da alta prevalência desses casos nos serviços de saúde mental, tanto privados como públicos, constituindo-se num problema de saúde mental, verificamos as dificuldades de encontrar estratégias adequadas para minimizar o alto índice de interrupção dos trabalhos terapêuticos realizados com tais pacientes e, como conseqüência, a manutenção e recorrência da submissão aos atos de violência. De outro lado, a violência sofrida tanto pela mulher como pelo homem nas relações intersubjetivas apresenta-se como um fenômeno presente na sociedade como um todo. Trata-se, portanto, de um problema multifacetado, englobando questões históricas, sociais, políticas e culturais que traz graves prejuízos tanto para os sujeitos em situação de violência como para todas as instâncias sociais envolvidas no trabalho com a violência e, como conseqüência para a população em geral. Dessa forma, as questões emergentes na clínica atual e nas mais variadas instituições sociais nos confrontam incessantemente com as repercussões dos atos de violência cometidos contra o feminino.

2 As estatísticas apontam um índice alarmante de violência contra a mulher, apesar dos avanços alcançados na promulgação de leis mais severas de proteção aos direitos da mulher e das políticas públicas de cuidados a saúde física e mental das mulheres submetidas a uma situação de violência. Ainda assim, os números continuam preocupantes apontando um alto índice de conduta baseada no gênero, que causa morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto na esfera pública como na esfera privada. Existem diversas teorias sociais, antropológicas, psicológicas que tentam explicar e trazer contribuições para a compreensão de tal fenômeno. Por outro lado, a realidade impõe uma repetição que não cessa de não se escrever, indicando que existe algo nesse contexto que não se inscreve. Diante da complexidade e dos diversos fatores presente nos estudos sobre a violência contra a mulher, uma questão nos causa estranheza. De um lado temos uma insistência de vitimização da mulher em situação de violência, apoiados pelos mais diversos campos de estudo e, de outro uma compulsão a repetição dessas mulheres, resistindo a qualquer abordagem terapêutica e intervenção social. Tal constatação impõe a realização de um estudo que problematize o papel da pulsão de morte na constituição do feminino que poderá deflagrar uma situação traumática produzindo uma força pulsional que irrompe na organização subjetiva de algumas mulheres, ameaçando sua autonomia e impedindo uma construção de sentido de sua experiência subjetiva. Assim, entendemos que a compreensão dessa problemática apresenta grande relevância tanto para o desenvolvimento de novas construções teóricas como para a obtenção de ferramentas de intervenção e análise para um tema de tão grande alcance social. A violência é, de maneira geral, um processo ou ação pelo qual um indivíduo é transformado de sujeito em coisa. Pode também ser compreendida pelo prisma da violação, da transgressão de regras, normas e leis aceitas por uma coletividade. Neste sentido, a primeira coisa que temos que pensar é que a violência destitui o sujeito, ou seja, retira dele seu lugar de alguém que pensa, sente e deseja, transformando-o em coisa. A pessoa exposta à violência ocupa um lugar de passividade, de não poder falar, de estar assujeitada ao outro.

3 A violência está inserida no campo social, não escolhendo idade, raça, nível sócioeconômico, ou nível cultural, transcendendo o tempo e o espaço. A história da humanidade nos mostra a expressão da violência no seio da sociedade. Em todos os tempos encontramos a existência de guerras, crimes, a exploração do outro. Não podemos afirmar que a violência é um fenômeno específico da sociedade contemporânea. Ela sempre existiu em suas mais variadas formas. O homem, desde que existe, nunca deixou de fazer guerras e exterminar seu próximo. Segundo Freud, a violência é um fenômeno presente tanto na constituição do sujeito como na constituição da civilização. Para nosso autor, o homem é regido por dois tipos de pulsão: a pulsão de vida que é representada pela sexualidade e é responsável pelas ligações, pelo desenvolvimento e crescimento. É a construção e criação. E a pulsão de morte definida como um poder demoníaco, podendo efetuar, de forma silenciosa, um trabalho destrutivo. O aspecto destrutivo da pulsão de morte pode se voltar para o próprio indivíduo ou para o outro. Nesse sentido, os atos de violência cometidos contra o outro são, na perspectiva freudiana, a expressão mais pura da pulsão de morte. Na realidade, para Freud o ser humano é ambivalente, ou seja, ele carrega dentro de si tanto aspectos bons como aspectos maus. Assim, coabitam nele amor e ódio, egoísmo e altruísmo. Embora a violência enquanto uma manifestação da pulsão de morte, esteja presente como um mal-estar na sociedade, Freud não deixou de apostar em uma ética que pudesse fazer valer novas formas de enfrentamento desse mal. Em uma carta dirigida a R. Rolland, Freud questiona a necessidade de aprendermos a distrair nossas pulsões do ato de destruir. Quando nos deparamos com as estatísticas avassaladoras das mulheres nas mais variadas situações de violência nos perguntamos por que será que grande parte delas não está conseguindo distrair suas pulsões destrutivas? Independente das questões de gênero socialmente construídas, o que há de pulsão de morte na constituição do feminino que escapa a uma possível simbolização? O que acontece que não conseguem dominar a força pulsional e desviar seu excesso, levando a uma incessante vivência do mesmo? Tais perguntas nos impõem no primeiro momento, uma breve retomada dos estudos psicanalíticos sobre as relações entre a feminilidade e a pulsão morte.

4 Desde os primeiros estudos, Freud deparou com grandes questões colocadas pelas mulheres. Podemos verificar que seu primeiro enfrentamento com a questão feminina teve origem na clínica da histeria. A tentativa freudiana de buscar a cura para os sintomas histéricos proporcionou o desenvolvimento de princípios básicos para a elaboração de uma teoria sobre a sexualidade feminina. Mesmo de forma incipiente, é possível encontrar, nos Estudos sobre a histeria e no chamado caso Dora, os pressupostos fundamentais que nortearam sua concepção final sobre a feminilidade. No entanto, os textos fundamentais que apresentam uma teoria consistente sobre a feminilidade só aparecem a partir de 1920, coincidindo com a formulação da segunda tópica. Nesse contexto, Freud finaliza seus escritos clínicos postulando que a feminilidade e a pulsão de morte encerram as duas grandes questões que determinam os destinos de uma análise. Em 1937, ele concebe que tanto o homem quanto a mulher, marcados por uma constituição bissexual, repudiam a feminilidade, obviamente se utilizando de modos diferentes. A recusa da feminilidade aparece no tratamento analítico como um entrave à cura, sendo uma expressão da pulsão de morte. Em contrapartida, o fim da análise corresponderia, independentemente do gênero, a uma assunção da feminilidade. Vemos, assim, que Freud encerra sua grande obra apontando, em nossa leitura, para uma questão central na feminilidade: a expressão da dualidade pulsional. Referências bibliográficas Freud, S. (1895d [ ]). Estudos sobre a histeria, in Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. II, Rio de Janeiro: Imago,. (1920g). Além do princípio de prazer, in Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XVIII, Rio de Janeiro: Imago,. (1924c). O problema econômico do masoquismo, in Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XIX, Rio de Janeiro: Imago, 1987

5 (1927). O Futuro de uma ilusão, in Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XIX, Rio de Janeiro: Imago, (1929). O mal-estar na civilização, n Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XIX, Rio de Janeiro: Imago,. (1931b). Sexualidade feminina, in Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XXI, Rio de Janeiro: Imago,. (1937c). Análise terminável e interminável, in Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XXIII, Rio de Janeiro: Imago, Lacan, J. (1998). O estádio do espelho como formador da função do Eu, in Escritos. Rio de janeiro: Jorge Zahar Editor. (Originalmente publicado em 1966). (1998). Diretrizes para um congresso sobre a sexualidade feminina, in Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Originalmente publicado em 1966). (1998). Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano, in Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Originalmente publicado em 1966). (1985). O Seminário, Livro XX: Mais, Ainda. Rio de janeiro: Jorge Zahar Editor. (Originalmente publicado em 1975)

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

9. Papel, funções, atuação, limites e possibilidades do pesquisador na concepção burocrática e na concepção complexa de metodologia da pesquisa;

9. Papel, funções, atuação, limites e possibilidades do pesquisador na concepção burocrática e na concepção complexa de metodologia da pesquisa; Setor de Estudos: Fundamentos Teóricos Metodológicos da Psicologia 1. Conhecimentos popular, filosófico, religioso, artístico e científico: relações, construções, dificuldades e desafios do pesquisador;

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

Violência e Sustentabilidade *

Violência e Sustentabilidade * 1 Violência e Sustentabilidade * Uma menina reclamou sentida e veementemente com a avó quando a viu arrancando uma planta. Ela lhe disse que ela não podia fazer isso, porque estaria matando a natureza.

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro A expressão politicamente correto refere-se a uma política que consiste em

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às transformações. Eixo temático 3 A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com intensidade pela dupla, seja

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 A terra da verdade é uma ilha, rodeada por um oceano largo e tormentoso, a região da ilusão; onde muitos nevoeiros, muitos icebergs, parecem ao

Leia mais

Revista Mal-estar E Subjetividade ISSN: 1518-6148 malestar@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil

Revista Mal-estar E Subjetividade ISSN: 1518-6148 malestar@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil Revista Mal-estar E Subjetividade ISSN: 1518-6148 malestar@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil Holanda Martins, Karla Patricia Reseña de "Freud e a Literatura: destinos de uma travessia" de Leônia

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara "Uma análise termina quando analista e paciente deixam de encontrar-se para a sessão analítica" Sigmund Freud em Analise

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental

Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Métodos e Técnicas COORDENADOR: Paola Espósito de Moraes Almeida PROFESSORES: Alice Maria de Carvalho Dellitti, Denigés Maurel Regis Neto,

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

TÍTULO: ARTE MARCIAIS EM BUSCA DO AUTOCONHECIMENTO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: ARTE MARCIAIS EM BUSCA DO AUTOCONHECIMENTO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARTE MARCIAIS EM BUSCA DO AUTOCONHECIMENTO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES

A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES Silva. M. C, (Dra. Professora do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia CEFET-PR/PPGTE e doutora pela FAU-USP) Magnabosco, M. (Mestrando do

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Camila Chudek Ribeiro 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A obesidade tem atingido níveis epidêmicos na atualidade.

Leia mais

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO 1 PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Daniele Almeida Duarte Mariana Devito Castro Francisco Hashimoto Resumo: É fato que o indivíduo, quando é

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2 INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA MÓDULO: REAL, SIMBÓLICO E IMAGINÁRIO Quintas-feiras, horário: 9:30 às 11:30h, semanal

Leia mais

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 Maria Izabel Oliveira Szpacenkopf izaszpa@uol.com.br Psicanalista, Membro

Leia mais

A LOUCURA DO TRABALHO

A LOUCURA DO TRABALHO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA: PSICOLO GIA ORGANIZACIONAL II PROFESSORA: SIRLEI CAVINATO A LOUCURA DO TRABALHO Acadêmica:

Leia mais

a justifique. Em resumo, a IASP reconhece que a dor poderia existir apenas no plano do vivido e na queixa que a exprime.

a justifique. Em resumo, a IASP reconhece que a dor poderia existir apenas no plano do vivido e na queixa que a exprime. No livro A DOR FÍSICA, Nasio se preocupa com as origens psicológicas da dor corporal, mais claramente falando, se preocupa com aquela parte enigmática que vem descrita nos artigos médicos como o fator

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Entre a lei e o ato: considerações acerca da violência policial 1

Entre a lei e o ato: considerações acerca da violência policial 1 Entre a lei e o ato: considerações acerca da violência policial 1 Flávia Brasil Lima O monopólio da violência legítima A violência que verificamos na vida cotidiana das grandes cidades é um importante

Leia mais

A sexualidade entre legados e interrogações. Palavras chave: psicanálise, sexualidade, ética, alteridade.

A sexualidade entre legados e interrogações. Palavras chave: psicanálise, sexualidade, ética, alteridade. A sexualidade entre legados e interrogações Bárbara de Souza Conte 1 Resumo O trabalho discute a sexualidade, entendida a partir do legado de Freud, como uma ruptura do modelo moral da cultura, dando origem

Leia mais

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915)

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Flávia Lana Garcia de Oliveira (Doutoranda em Teoria Psicanalítica pela UFRJ Bolsa CAPES no Brasil e Bolsa doutorado sanduíche FAPERJ Université Paris-Diderot

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PSICOLOGIA (Currículo iniciado em 2009):

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PSICOLOGIA (Currículo iniciado em 2009): EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PSICOLOGIA (Currículo iniciado em 2009): ABORDAGENS TEÓRICO-METODOLÓGICAS DA PSICOLOGIA CONTEMPORÂNEA I C/H 102 (0829/I) Diferentes linhas de intervenção teórico-metodológicas

Leia mais

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito,

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito, 1 TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE Marisa De Costa Martinez i Tiago Ravanello ii Nem só a Arte e a Ciência servem; No trabalho há que mostrar paciência 1 São a fome e o amor

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Etapas da Introdução do Projeto de Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Introdução do Projeto de Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Introdução do Projeto de Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ A Pesquisa: Conceitos e Definições O que é pesquisa? Pesquisar, significa, de forma

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 Gisela do Carmo Lourencetti - PPG Educação Escolar/ UNESP Araraquara Maria da Graça Nicoletti Mizukami - PPGE/ Universidade Federal de São Carlos. Introdução A literatura

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da O GOZO E SEUS DESDOBRAMENTOS NA CLÍNICA DA HISTERIA E DA PERVERSÃO Marco Aurélio de Carvalho Silva Vivian Ligeiro Partindo da relação de parentesco entre a histeria e a perversão, resolvemos abordar a

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 Anelise Scheuer Rabuske Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de,

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Fabio Thá Psicólogo, psicanalista, doutor em estudos linguísticos pela UFPR, coordenador do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato

Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato Luciana Tiemi Kurogi 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A morte é algo muito difícil de ser explicado, por se tratar de um fenômeno que desconhecemos

Leia mais