A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA"

Transcrição

1 A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA Álvaro Gehlen de Leão Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia de Produção Avenida Ipiranga, 6681 Prédio Porto Alegre RS Resumo. O ensino da disciplina de Engenharia Econômica, cujos conceitos são fundamentais para a avaliação de projetos de investimento, tem experimentado um avanço significativo a partir da utilização de ferramentas computacionais. A disponibilidade de programas de computador, entre os quais pode-se destacar as planilhas eletrônicas e os otimizadores, tem permitido aos docentes uma reformulação dos métodos e processos de ensino-aprendizado. Neste artigo pretende-se apresentar uma proposta de metodologia de ensino a ser empregada em cursos de graduação e pós-graduação no âmbito da Engenharia, permitindo um melhor aprendizado das técnicas e dos conceitos vinculados à disciplina de Engenharia Econômica. Será detalhada uma abordagem de ensino com a utilização de ferramentas computacionais, permitindo a solução de problemas complexos a partir da modelagem matemática dos fluxos econômico-financeiros. Como conclusão deste artigo, o emprego da metodologia proposta será ilustrado através de exemplos utilizados na disciplina de Engenharia Econômica, ministrada nos Cursos de Graduação e Pós-graduação em Engenharia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul nos anos de 1999 e Nestes exemplos será apresentada a solução de problemas de avaliação econômico-financeira de projetos de investimento, a partir do uso de funções financeiras e de otimização existentes nas planilhas eletrônicas. Palavras-chave: Metodologia, Ferramentas Computacionais, Engenharia Econômica NTM - 674

2 1. INTRODUÇÃO O moderno pensamento empresarial tem apontado para a integração dos principais fatores determinantes da competitividade gestão da qualidade, marketing e inovação tecnológica, gerenciamento de recursos humanos, tecnologia da informação, logística empresarial e gestão financeira, através de modelos de excelência que possibilitem atender às dimensões básicas de criação de valor para o cliente: disponibilidade de produtos e serviços, qualidade conforme as especificações e desempenho em custo e em tempo de entrega. Nesse contexto, a disciplina de engenharia econômica cujos conceitos permitem a avaliação econômica de projetos em um ambiente de escassez de recursos tem experimentado uma constante reformulação dos seus métodos e processos de ensino-aprendizado, com a utilização crescente de tecnologias de informação e de ferramentas computacionais. 2. O PROGRAMA DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA O programa da disciplina de engenharia econômica ministrada nos cursos de graduação e pós-graduação em engenharia inclui, normalmente, a revisão de conceitos de matemática financeira e a apresentação de métodos para avaliação econômica de projetos de investimento. A Figura 1 apresenta uma proposta de desenvolvimento deste programa com a utilização de ferramentas computacionais, de forma a atingir os objetivos e as metas de aprendizado estabelecidas para a disciplina de engenharia econômica. Engenharia Econômica Objetivos da Disciplina Metas de Aprendizado Fundamentos de Matemática Financeira Cálculo Financeiro com Planilhas Eletrônicas Métodos de Avaliação de Alternativas de Investimento Avaliação Intermediária Depreciação e Imposto de Renda Determinação do Fluxo de Caixa de Projetos de Investimento Otimização com Planilhas Eletrônicas Análise Integrada de Projetos Avaliação Final Gerenciamento de Projetos de Investimento Figura 1. O processo de ensino-aprendizado da disciplina de engenharia econômica NTM - 675

3 As primeiras semanas de um curso de engenharia econômica com carga-horária de 60 horas-aula distribuídas ao longo de um semestre são dedicadas à apresentação de fundamentos de matemática financeira e à introdução ao uso de ferramentas computacionais, permitindo o cálculo de juros e a conversão de taxas de juros, bem como o cálculo da equivalência de capitais em um fluxo de caixa distribuído ao longo do tempo. Para tanto, utilizam-se as funções financeiras contidas nas planilhas eletrônicas, que podem substituir as tabelas financeiras impressas e as calculadoras programáveis. Nas semanas seguintes são apresentados os principais métodos de avaliação de alternativas de investimento e as questões tributárias depreciação e imposto de renda envolvidas na determinação do fluxo de caixa de um projeto. Nesta etapa, a utilização de planilhas eletrônicas conforme Lapponi [1] permite automatizar os cálculos envolvendo o fluxo de caixa antes e após o pagamento dos impostos e vincular os resultados obtidos às funções financeiras específicas para cálculo do valor presente líquido e da taxa interna de retorno dos fluxos de caixa dos projetos. Na segunda parte da disciplina após a realização de atividades de avaliação intermediária são desenvolvidas as etapas finais, nas quais são apresentados os modelos de determinação do fluxo de caixa de projetos de investimento e as funções de otimização existentes nas planilhas eletrônicas. Como conclusão do processo de ensinoaprendizado avaliação final procede-se a uma análise integrada, envolvendo a elaboração de um modelo de gerenciamento de projetos de investimento, com a utilização das ferramentas computacionais e dos modelos matemáticos desenvolvidos ao longo do curso. 3. A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS Nesta seção será discutida a utilização de ferramentas computacionais no ensino da disciplina de engenharia econômica, apresentando de forma sucinta as bases conceituais envolvidas, seguidas de um exemplo de aplicação Avaliação de Alternativas de Investimento Segundo Galesne et al. [2], a engenharia econômica, através da utilização de métodos de avaliação de alternativas de investimento, permite determinar a viabilidade econômica de projetos de investimento. Dentre os métodos mais utilizados vide Ref. [2] destacam-se o do valor presente líquido (VPL) vide Eq. (1) que utiliza o conceito de fluxo de caixa descontado, calculando o valor presente dos fluxos de caixa (FC) futuros a uma taxa de desconto denominada taxa mínima de atratividade (TMA) e o método da taxa interna de retorno (TIR) vide Eq. (2) que consiste em calcular a taxa de desconto que zera o valor presente dos fluxos de caixa (FC) futuros. VPL = n FC j j = 0 ( 1+ TMA ) j (1) n FC ( 1 TIR) j= 0 + j j = 0 (2) Exemplo. Considerando duas alternativas de projetos de investimento vide Fig. 2 e Fig. 3, determinar-se-á qual o melhor projeto, utilizando o método do valor presente líquido. Utiliza-se, para avaliação, taxas mínimas de atratividade de 3%, 6%, 9% e 12% ao ano. Será definido, ainda, qual projeto apresenta a maior taxa interna de retorno Figura 2. Fluxo de caixa do projeto A NTM - 676

4 Figura 3. Fluxo de caixa do projeto B Utilizando planilhas eletrônicas vide Fig. 4 pode-se determinar o valor presente líquido dos projetos, para diferentes taxas mínimas de atratividade; pode-se, também, calcular a taxa interna de retorno dos fluxos de caixa dos projetos. Figura 4. Planilha para cálculo do VPL e da TIR Na Tabela 1 é apresentado o cálculo do valor presente líquido do fluxo de caixa dos projetos A e B para os valores de TMA requeridos. Na Tabela 2 apresenta-se o cálculo da taxa interna de retorno do fluxo de caixa dos projetos A e B. Tabela 1. Cálculo do valor presente líquido (VPL) dos projetos TMA (%) VPL ($) Projeto A VPL ($) Projeto B 3 815,34 705, ,71 449, ,37 223, ,54 25,65 Tabela 2. Cálculo da taxa interna de retorno (TIR) dos projetos Projeto A Projeto B TIR (%) 11,55 12,42 NTM - 677

5 Na ilustração abaixo vide Fig. 5 apresenta-se um gráfico com o valor presente líquido dos projetos A e B para diferentes valores de taxa mínima de atratividade, permitindo definir o projeto mais favorável segundo o método de avaliação de alternativas adotado. VPL ($) Projeto A Projeto B 11,55 12,42 TMA (%) Figura 5. Gráfico do VPL dos projetos versus TMA adotada No exemplo proposto, utilizando o método do valor presente líquido, o projeto A é preferível ao projeto B para taxas de desconto de 3% e 6% e o projeto B é superior ao projeto A para taxas de desconto de 9% e 12%. Utilizando o método da taxa interna de retorno, o projeto B é melhor do que o projeto A, pois sua taxa interna de retorno é superior. Cabe ressaltar que neste artigo não está sendo discutido o mérito de cada um dos métodos de avaliação de alternativas de investimento, limitando-se a apresentar o seu cálculo através de ferramentas computacionais Depreciação e Imposto de Renda na Avaliação de Alternativas de Investimento Na seção anterior foi discutida a aplicação de ferramentas computacionais na solução de problemas de avaliação de alternativas de investimento sem a consideração do pagamento de imposto sobre a renda tributável. Para determinação da renda tributável, deve-se considerar a depreciação vide Ref. [2], que é definida como a despesa equivalente à perda de valor de um bem. A depreciação pode ser abatida do resultado operacional, para fins de diminuição da renda tributável e, conseqüentemente, do imposto de renda. A depreciação é realizada de forma linear, determinando-se a parcela a ser depreciada em cada período pela divisão do valor do bem pelo número de períodos de duração da vida contábil do bem. Exemplo. Uma construtora analisa a viabilidade de realizar um investimento de $ , dos quais $ serão gastos na compra de um terreno e o restante na construção de um prédio. A vida útil prevista para o prédio é de 15 anos, ao final dos quais ele não terá valor residual. Estima-se, ainda, que o prédio poderá ser alugado por $ por ano, e que serão gastos $ anuais na sua manutenção. Estima-se, finalmente, vender o terreno após 15 anos por $ Determinar-se-á a taxa interna de retorno deste investimento, antes e após o pagamento do imposto de renda, supondo depreciação linear e alíquota de imposto de renda de 30% ao ano. NTM - 678

6 Na ilustração abaixo vide Fig. 6 apresenta-se a planilha para o cálculo da taxa interna de retorno dos fluxos de caixa antes dos impostos (FCAI) e depois dos impostos (FCDI), com a determinação da depreciação anual (DEPR), da renda tributável (RT) e do imposto de renda (IR). Figura 6. Planilha para cálculo da TIR dos fluxos de caixa antes e após os impostos Analisando a Figura 6 verifica-se que o fluxo de caixa antes dos impostos no período 15 inclui o valor de venda do terreno ; a renda tributável neste período refere-se ao resultado operacional descontado da depreciação e acrescido do lucro obtido pela venda do terreno. Verifica-se, portanto, que a utilização de planilhas eletrônicas permite automatizar e tornar dinâmicos os cálculos financeiros, possibilitando a avaliação de projetos de investimento com a consideração dos impostos a serem pagos sobre a renda tributável Análise Integrada de Projetos de Investimento A engenharia econômica possibilita a análise integrada de projetos de investimento através da utilização de conceitos de programação matemática vide Monahan [3], cujo objetivo é otimizar o resultado de um sistema operacional, através de uma função-objetivo, respeitando um conjunto de restrições. Exemplo. A empresa ABC necessita avaliar vários projetos de investimento para melhoria dos seus processos de fabricação. Os projetos X, Y, Z e T vide Tabela 3 podem ser executados simultaneamente, desde que respeitado o orçamento anual. Entradas de caixa em cada ano podem ser incorporadas ao orçamento do próprio ano, porém recursos de um ano não podem ser utilizados em outros anos. Determinar-se-á os projetos que devem ser executados para maximizar o valor presente líquido total, respeitando as restrições orçamentárias e a restrição de valor binário projeto executado (1) e projeto não executado (0). Tabela 3. Fluxo de caixa dos projetos X, Y, Z e T e orçamento anual Fluxo de Caixa ($) Ano X Y Z T Orçamento NTM - 679

7 Pode-se criar uma planilha eletrônica vide Fig. 7, que contém colunas de células com os fluxos de caixa dos projetos, bem como células para o cálculo do valor presente líquido. Utiliza-se a função solver do menu de ferramentas, para estabelecer as variáveis de decisão, a função-objetivo e as restrições vide Ref. [3]. As restrições devem estabelecer que o fluxo de caixa total em cada ano seja maior ou igual ao orçamento e que as variáveis de decisão sejam binárias projeto executado (1) e projeto não executado (0). Para encontrar a solução ótima deve-se utilizar a tecla resolver na janela solver. Assim, considerando os projetos X, Y, Z e T, com seus respectivos fluxos de caixa, e as restrições orçamentárias, pode-se determinar a seleção de projetos que maximiza o valor presente líquido total (VPL Total) para uma determinada taxa mínima de atratividade (TMA). Na ilustração da Fig. 7 apresenta-se a escolha ótima para uma TMA = 10%. A solução ótima determina a execução dos projetos X e Z, com um valor presente líquido total de $ Figura 7. Planilha para seleção de projetos de investimento sob restrição orçamentária Verifica-se que foi encontrada uma solução que maximiza o valor presente líquido total, respeitando as restrições orçamentárias. Observa-se que no ano 1 o fluxo de caixa total é igual ao orçamento e nos demais anos o fluxo de caixa total é superior ao orçamento. A utilização de planilhas eletrônicas permite, além de automatizar os cálculos de valor presente líquido, otimizar a utilização dos recursos de capital disponíveis. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste artigo foi apresentada uma proposta de desenvolvimento de um programa de ensino para a disciplina de engenharia econômica, integrando as bases conceituais tradicionais com ferramentas computacionais de cálculo e otimização. Pode-se destacar, ainda, que a utilização de planilhas eletrônicas permite a avaliação de projetos de investimento com fluxos de caixa probabilísticos, através do uso de funções estatísticas Lopes [4] integradas com as funções financeiras. Além do emprego de planilhas eletrônicas, a utilização de outras ferramentas computacionais, como os programas de gerenciamento que permitem a monitoração dos fluxos de caixa durante a realização das atividades, possibilita que sejam corrigidos os desvios entre o planejamento e a execução dos projetos Casarotto et al. [5]. Finalmente, destaca-se que a utilização de ferramentas computacionais no ensino de engenharia econômica permite que a modalidade de treinamento à distância tenha um aproveitamento mais efetivo, considerando as suas características de interatividade no processo de ensino-aprendizado. NTM - 680

8 5. REFERÊNCIAS [1] J.C. Lapponi, Projetos de Investimento: construção e avaliação do fluxo de caixa, Lapponi Editora, São Paulo, [2] A. Galesne, J.E. Fensterseifer e R. Lamb, Decisões de Investimentos da Empresa, Atlas, São Paulo, [3] G.E. Monahan, Management Decision Making: spreadsheet modeling, analysis, and applications, University Press, Cambridge, United Kingdom, [4] P.A. Lopes, Probabilidades e Estatística: conceitos, modelos e aplicações em Excel, Reichmann e Affonso Editores, Rio de Janeiro, [5] N. Casarotto Filho, J.S. Fávero, J.E.E. Castro, Gerência de Projetos e Engenharia Simultânea, Atlas, São Paulo, NTM - 681

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO 1. OS CRITÉRIOS DE DECISÃO Dentre os métodos para avaliar investimentos, que variam desde o bom senso até os mais sofisticados modelos matemáticos, três

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa

04/08/2013. Custo. são os gastos com a obtenção de bens e serviços aplicados na produção ou na comercialização. Despesa DECISÕES DE INVESTIMENTOS E ORÇAMENTO DE CAPITAL Orçamento de capital Métodos e técnicas de avaliação de investimentos Análise de investimentos Leia o Capítulo 8 do livro HOJI, Masakazu. Administração

Leia mais

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA

CAP. 4b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA CAP. b INFLUÊNCIA DO IMPOSTO DE RENDA A influência do Imposto de renda Do ponto de vista de um indivíduo ou de uma empresa, o que realmente importa, quando de uma Análise de investimentos, é o que se ganha

Leia mais

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MBA EM FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda

Leia mais

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Finanças e Governança Corporativa Desenvolver conhecimentos e habilidades que possibilitem ao profissional dominar os conteúdos

Leia mais

PARTE ANÁLISE DE INVESTIMENTO

PARTE ANÁLISE DE INVESTIMENTO PARTE V ANÁLISE DE INVESTIMENTO FLUXO DE CAIXA Fluxo de Caixa é uma série de pagamentos ou de recebimentos ao longo de um intervalo de tempo. Entradas (+) Saídas (-) Segundo Samanez (1999), os fluxos de

Leia mais

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo:

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo: A Faculdade de Economia e Finanças Ibmec/RJ torna pública a abertura de processo seletivo para contratação de professores PJ para o curso de Pós Graduação Executiva - CBA. I Das vagas abertas para seleção

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Imobiliários

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Imobiliários A LDUARTE ENGENHARIA, em parceria com a EXECUT Consultoria & Treinamentos, traz a Salvador e Aracaju o curso Análise de Viabilidade de Empreendimentos Imobiliários. O curso fundamenta-se na Engenharia

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos

Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos 1. Introdução Resumo sobre Métodos de Análise de Investimentos Pode-se definir Investimento como sendo um sacrifício hoje em prol da obtenção de uma série de benefícios futuros. Sob o enfoque das finanças

Leia mais

Tabelas. Curva Normal Padronizada área entre a média e o valor de Z. Observação importante: Valores gerados no Excel com a Função DIST.NORMP().

Tabelas. Curva Normal Padronizada área entre a média e o valor de Z. Observação importante: Valores gerados no Excel com a Função DIST.NORMP(). Anexo 373 Tabelas Curva Normal Padronizada área entre a média e o valor de Z Z 0,00 0,01 0,02 0,03 0,04 0,05 0,06 0,07 0,08 0,09 0,00 (0,0000) 0,0040 0,0080 0,0120 0,0160 0,0199 0,0239 0,0279 0,0319 0,0359

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO

ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL ANHANGUERA - PÓS-GRADUAÇÃO ANHANGUERA EDUCACIONAL 5 Aula Disciplina : GESTÃO FINANCEIRA Prof.: Carlos Nogueira Agenda 19h00-20h15: Matemática Financeira 20h15-20h30: Métodos de Avaliação

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 4 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Técnicas de Análise Financeira CMPC Custo Médio Ponderado de Capital. Relação custo-benefício. Valor presente. Valor presente

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA Amanda de Campos Diniz 1, Pedro José Raymundo 2

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Administração Geral

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Tecnólogo. Portfólio Easy to Learn. em gestão FINANCEIRA

Tecnólogo. Portfólio Easy to Learn. em gestão FINANCEIRA Tecnólogo Portfólio Easy to Learn em gestão FINANCEIRA ÍNDICE Introdução à Gestão Empresarial...2 Fundamentos de Sistemas de Informação...2 Gerenciamento de Projetos...2 Empreendedorismo...2 Fundamentos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes Coordenação Acadêmica: Ana Ligia Nunes Finamor CÓDIGO: 1 OBJETIVO Desenvolver visão estratégica, possibilitando ao

Leia mais

Controladoria Análise de Viabilidade Econômica de Projetos. aula. Prof. Dr. Fábio Frezatti. Análise de Viabilidade Econômica de Projetos

Controladoria Análise de Viabilidade Econômica de Projetos. aula. Prof. Dr. Fábio Frezatti. Análise de Viabilidade Econômica de Projetos Controladoria Análise de Viabilidade Econômica de Projetos Prof. Dr. Fábio Frezatti aula 01 1 Boas-Vindas Professor Fábio Frezatti Boas-Vindas! Análise de Viabilidade Econômica de Projetos 2 Teoria Prática

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES

ANEXO 01. CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES ANEXO 01 CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES PERFIL DOS CANDIDATOS 1 2 3 4 de Custos Intermediária Introdução à Adm e Comp Organizacional Economia

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi OBJETIVO

ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi OBJETIVO ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi 2000 OBJETIVO Capacitar os participantes a analisar a viabilidade econômica e financeira

Leia mais

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário.

daniel.falcao@agexconsult.com.br Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia das empresas do mercado imobiliário. Viabilidade do Negócio Imobiliário Uma Gestão Consciente Prof. Daniel F. Falcão daniel.falcao@agexconsult.com.br Objetivo Central Discutir a aplicação das ferramentas contábeisfinanceiras no dia-a-dia

Leia mais

Análise de Viabilidade para Estruturação de Loteamentos

Análise de Viabilidade para Estruturação de Loteamentos A LDUARTE ENGENHARIA, em parceria com a EXECUT Consultoria & Treinamentos, traz a Salvador, Aracaju e Fortaleza o curso Análise de Viabilidade para Estruturação de Loteamentos. Este curso tem como pilares

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL TABELA

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL TABELA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL TABELA! Fazendo simulações rapidamente! Comparando resultados na análise de sensibilidade! Relacionando variáveis e gerando valores para uma tomada de decisão!

Leia mais

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão MÓDULO IX - CUSTOS A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão 1 Conteúdo Objetivo do custeio Conceito de valor Gestão de Custos versus Gestão Estratégica Componentes básicos de custos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL

FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL 1. OBJETIVOS Proporcionar aos discentes conhecimentos teóricos e práticos acerca da gestão empresarial com intuito de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA Métodos para Análise de Fluxos de Caixa A análise econômico-financeira e a decisão

Leia mais

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos

6 Análise Econômica. 6.1. Fundamentos Análise Econômica 74 6 Análise Econômica 6.1. Fundamentos Os tradicionais métodos de análise econômico-financeira se baseiam em considerações sobre o Fluxo de Caixa Descontado (FCD). Para a análise econômica

Leia mais

Análise de Viabilidade Econômica

Análise de Viabilidade Econômica UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Análise de Viabilidade Econômica Régis Kovacs Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO Cristiane de Mesquita Tabosa (UFC) cristiane_dmt@yahoo.com.br MAXWEEL VERAS RODRIGUES (UFC) maxweelveras@gmail.com Glenia Rodrigues

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Análise de Investimentos ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Me. Jorge França Análise de Investimentos Jorge França: Graduado em Engenharia pela UFF-RJ; Pós-graduado em Gestão da Qualidade (UFMG), Marketing (ESPM e UFRJ), Gestão Empresarial

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: MATEMÁTICA FINANCEIRA

Leia mais

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE AVALIAÅÇES E PERÉCIAS IBAPE/AM - 2011

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE AVALIAÅÇES E PERÉCIAS IBAPE/AM - 2011 XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE AVALIAÅÇES E PERÉCIAS IBAPE/AM - 2011 TRABALHO DE AVALIAÅÑO VALOR PATRIMONIAL DE TERRENO NO MÉTODO VPL O valor patrimonial de terreno próprio para incorporações imobiliárias

Leia mais

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 4 PLANILHA ELETRÔNICA 4.1 CONTEXTO O Capítulo 3 tratou do método de pesquisa utilizado, as etapas e as estratégias adotadas neste trabalho. Neste capítulo, discorre-se sobre a planilha eletrônica desenvolvida

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

Quais as aplicações do custo de capital?

Quais as aplicações do custo de capital? Quais as aplicações do custo de capital? Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados, empresa especializada na elaboração de sistemas financeiros nas áreas

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 14/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Comparação de Projetos de Inves3mentos

Comparação de Projetos de Inves3mentos Parte II ENGENHARIA ECONÔMICA Comparação de Projetos de Inves3mentos Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Análise de Investimentos Introdução Método do Valor Anual Uniforme Equivalente

Leia mais

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 1 Análise de Investimentos MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 2 Sumário 1- Juros------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MS877 PROJETO SUPERVISIONADO II Técnicas de Análise de Investimentos

MS877 PROJETO SUPERVISIONADO II Técnicas de Análise de Investimentos MS877 PROJETOSUPERVISIONADOII TécnicasdeAnálisedeInvestimentos TathianaFarinelliSanchezRA046576 INTRODUÇÃO Capitalismo:sistemaeconômicocaracterizadopelapropriedadeprivadadosmeiosdeproduçãoepela existênciademercadoslivres,trabalhoassalariado.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Princípios Fundamentais

Princípios Fundamentais Graduação Curso de Engenharia de Produção 20/5/2012 Prof. Dr. Mário Luiz Evangelista Princípios Fundamentais Todas as Decisões são Tomadas a Partir de Alternativas É necessário um denominador comum a fim

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: MATEMÁTICA FINANCEIRA

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Ubiratam de Nazareth Costa Pereira (UNIFEI) upereira@sp.senac.br João Batista Turrioni (UNIFEI) turrioni@unifei.edu.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

Como Analisar Projetos Independentes E Excludentes

Como Analisar Projetos Independentes E Excludentes Como Analisar Projetos Independentes E Excludentes! Na análise de projetos independentes a TIR e o VPL levam à mesma conclusão?! VPL ou TIR para analisar projetos independentes?! Na análise de projetos

Leia mais

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR João Batista de Jesus FATEC-JAHU Célio Favoni 2 FATEC-JAHU Resumo Este trabalho expõe de maneira sintetizada as funcionalidades

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados Os cálculos para análise econômica de um projeto E&P, devem considerar que os dados empregados são imprecisos e sem certeza da ocorrência dos resultados esperados, apesar de estarem

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1

1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1 Sumário Prefácio xiii 1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1 A EMPRESA 6 CUSTO DE OPORTUNIDADE 8 PROJETO DE INVESTIMENTO 9 VALOR DO PROJETO 10 LUCRO ECONÔMICO DO PROJETO 14 VALOR PRESENTE LÍQUIDO DO

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 *

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR 1 Graduando Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * 2 Pesquisador - Orientador 3 Curso de Matemática, Unidade Universitária

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados Mauro Ricardo Machado Costa Dezembro/2008 1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados PLANEJAMENTO

Leia mais

MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESPORTES

MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESPORTES PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESPORTES SIGA ZMBAEESP11/00 Rua Almirante Protógenes, 290 Bairro Jardim Santo André SP - CEP 09090-760 - Fone: (11) 4433 3222 Av.

Leia mais

Relatório da ListEx02 Aplicação da Heurística do objetivo na definição das propostas do meu aplicativo de banco de dados e dissertação de mestrado

Relatório da ListEx02 Aplicação da Heurística do objetivo na definição das propostas do meu aplicativo de banco de dados e dissertação de mestrado ITA Instituto Tecnológico da Aeronáutica IEC Divisão de Ciência da Computação Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica e Computação Relatório da ListEx02 Aplicação da Heurística do objetivo na definição

Leia mais

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE NCERTEZA E SUA APLICAÇÃO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

COMPRAR VERSUS ALUGAR (qual a melhor opção)

COMPRAR VERSUS ALUGAR (qual a melhor opção) COMPRAR VERSUS ALUGAR (qual a melhor opção) Como analisar projetos excludentes. Quais componentes considerar na elaboração do fluxo de caixa. Qual métrica utilizar para a tomada de decisão. Francisco Cavalcante

Leia mais

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional DISCIPLINA: Contabilidade Gerencial CÓDIGO: 2ADM.0 VALIDADE: a partir de agosto de 200 TÉRMINO: Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: aulas Créditos: Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo

Leia mais

Substituição de equipamentos

Substituição de equipamentos PLANEJAMENTO ECONÔMICO E FINANCEIRO Prof. Marco A. Arbex Substituição de equipamentos Para Souza e Clemente (1999), o nome substituição de equipamentos refere-se a qualquer ativo fixo da empresa, como

Leia mais

COMO CALCULAR E PROJETAR A DEPRECIAÇÃO PELO MÉTODO DA LINHA RETA COM O AUXÍLIO DO EXCEL

COMO CALCULAR E PROJETAR A DEPRECIAÇÃO PELO MÉTODO DA LINHA RETA COM O AUXÍLIO DO EXCEL COMO CALCULAR E PROJETAR A DEPRECIAÇÃO PELO! O que é Depreciação?! Quais os problemas da Depreciação?! O problema da Vida Útil?! Como calcular o valor da depreciação pelo Método da Linha Reta no Excel?

Leia mais

PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA. CARGA HORÁRIA TOTAL: 54 hs TEORIA: 54 hs PRÁTICA:

PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA. CARGA HORÁRIA TOTAL: 54 hs TEORIA: 54 hs PRÁTICA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: DESA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA SIGLA:

Leia mais

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Pedro Beck Di Bernardi (UFSC) pedrodibernardi@hotmail.com Norberto Hochheim (UFSC) hochheim@ecv.ufsc.br

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Turno: MATUTINO/NOTURNO Matutino Currículo nº 8 Noturno Currículo nº 8 Reconhecido pelo Decreto n 83.799, de 30.07.79, D.O.U. de 31.07.79 Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO

MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA ESPM EM GOVERNANÇA CORPORATIVA E FINANÇAS COM ÊNFASE NO AGRONEGÓCIO

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçamento Empresarial Copyright Pereira, F. I. Prof. Isidro

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro MBA Controller Ao cursar o MBA CONTROLLER FIPECAFI/ANEFAC, o aluno convive com pessoas de diferentes perfis entre os mais diversos segmentos de mercado e com a experiência profissional exigida para que

Leia mais

FAMETRO FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA (Credenciada pela Portaria N.º 220/02-MEC- D.O.U. de 29.01.02.)

FAMETRO FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA (Credenciada pela Portaria N.º 220/02-MEC- D.O.U. de 29.01.02.) EDITAL 012/2011 - FAMETRO, de 12 de julho de 2011. SELEÇÃO DE PROFESSORES PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. O Diretor Geral da Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

(*) Valor residual refere-se ao valor de compra (1.100.000) deduzido da depreciação correspondente aos quatro anos do projeto (4 x 220.

(*) Valor residual refere-se ao valor de compra (1.100.000) deduzido da depreciação correspondente aos quatro anos do projeto (4 x 220. 7) Investimento Inicial Acréscimo da NCG Equipamento 1.100.000 NCG Inicial 900.000 Necessidade Capital de Giro 900.000 NCG Operações 1.500.000 2.000.000 Investimento adicional - 1º ano 600.000 Fluxo de

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER 1 SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS Vimos que a variação de um capital ao longo do tempo pode ser ilustrada em uma planilha eletrônica. No

Leia mais

Engenharia Econômica

Engenharia Econômica Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Curso de Especialização em Gerenciamento de Obras - GEOB Engenharia Econômica aplicada à avaliação de projetos imobiliários 1 2 3 4 Eduardo G. Quiza (41)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo tecnológico: Administração Habilitação Profissional: Médio integrado ao Técnico em Administração

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais