TERMINOLOGIA PARA A MONTAGEM DE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMINOLOGIA PARA A MONTAGEM DE"

Transcrição

1 TERMINOLOGIA PARA A MONTAGEM DE ESCRITÓRIOS DE PROJETOS NO SETOR PÚBLICO: UMA PROPOSTA A PARTIR DA PESQUISA-AÇÃO TIAGO VIEIRA CAPRONI DANIEL CAPALDO AMARAL MARLY MONTEIRO CARVALHO

2 2 Painel 20/061 Escritórios de projetos e gestão de portfólio: a disseminação da política de gestão pública TERMINOLOGIA PARA A MONTAGEM DE ESCRITÓRIOS DE PROJETOS NO SETOR PÚBLICO: UMA PROPOSTA A PARTIR DA PESQUISA-AÇÃO Tiago Vieira Caproni Daniel Capaldo Amaral Marly Monteiro Carvalho RESUMO O objetivo desse trabalho é investigar a adoção de um escritório de gerenciamento de projetos no setor público por meio de um modelo multivariável. A abordagem de pesquisa selecionada foi por meio da combinação de revisão da literatura com abordagem de pesquisa-ação, sendo este modelo desenvolvido em uma empresa pública de administração direita executiva, de uma cidade do interior de São Paulo com aproximadamente 90 mil habitantes. O modelo proposto é composto por 14 variáveis principais e acessórias, fundamentado em elementos presentes na Nova Gestão Pública, bem como premissas presentes no Plano Diretor de Reforma do Aparelho do Estado de 1995 e por benchmarks de práticas adotadas na iniciativa privada. Os resultados indicam ganhos qualitativos na qualidade das atividades desenvolvidas pelo órgão público que adotou o escritório de projeto em sua estrutura. Palavras-chaves: Escritório de Gerenciamento de Projetos. Governo. Estudo de caso. ABSTRACT The aim of this study is to investigate the adoption of a project management office in the public sector through a multivariate model. The selected research approach was through literature review combined with action research approach, and this model developed into a public company executive administration, of a town in the interior of São Paulo State with approximately 90,000 inhabitants. The proposed model consists of 14 main and supplementary variables, based on the elements present in the "New Public Management" as well as assumptions present in the Master Plan for Reform of the State Apparatus of 1995 and benchmark practices from the private sector. The results indicate qualitative improvements in the quality of the activities developed by the public agency that adopted the project office in its structure. Keywords: Project Management Office, Government, Case Study.

3 3 1 INTRODUÇÃO A governança de projetos e programas públicos traz inúmeros desafios (Winch e Sanderson, 2015, Brown et al., 2013) e embora várias ferramentas, técnicas e métodos tenham surgido no setor público, como PERT pela marinha americana, pouca atenção tem sido dada ao tema no âmbito de pesq uisa. No contexto Brasileiro a inclusão da emenda 19 de 1998 do artigo 37 da Constituição Federal Brasileira trouxe maior foco para resultados e eficiência. O princípio da eficiência foi precedido pelo que em 1995 ficou conhecido como Reforma da Gestão Pública ou reforma gerencial do Estado, conduzida pelo então Ministro Luiz Carlos Bresser-Pereira (MARE Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, extinto e convertido em Ministério do Planejamento e Gestão), cujo principal objetivo era estruturar o Estado com um aparelhamento forte e eficiente (BRESSER-PEREIRA, 1997). O projeto se consolida com a conversão dos preceitos do plano em emenda constitucional e passa a integrar o acrônimo LIMPE (legalidade, impessoalidade, moralidade, pessoalidade e EFICIÊNCIA), o binômio eficiência e transparência passa a ter cada vez mais destaque na pauta política brasileira, ainda mais com a intensificação da insatisfação popular em face dos escândalos de corrupção envolvendo partidos políticos e líderes de todas as esferas nacionais, culminando com os movimentos populares de junho de 2013 ocorridos em todo o Brasil. Há esforços de governos em propor metodologias de Gestão de Projetos como é o caso da primeira versão do PRINCE que surgiu no escritório de comércio da Inglaterra como referência para compras públicas (INGLATERRA CABINET OFFICE, 2011, CARVALHO, M. M.; RABECHINI, 2011). Além disso, alguns mecanismos de gestão de resultados oriundos da iniciativa privada estão sendo replicados para incrementar o ganho na administração pública em relação aos serviços entregues a sociedade e principalmente no combate a fraudes e perdas com gastos não programados, no entanto as características do setor público demandam customização da gestão de projetos.

4 4 No Brasil, vem-se adaptando padrões de gestão utilizados na indústria como PMBoK. Falta, porém, uma nomenclatura que torne compatível a linguagem dos fluxos de processos públicos com as exigências da legislação brasileira. O objetivo desse trabalho e investigar a possibilidade de proposição de uma terminologia padrão para auxiliar na definição de processos de negócio de um escritório de projetos do setor público. Dada a natureza ainda exploratória do tema, foi desenvolvida uma pesquisa ação em uma prefeitura no interior do Estado de São Paulo. O trabalho está dividido em cinco seções. A Seção 2 apresenta a síntese do referencial teórico, por meio da revisão literária do conceito de escritório de projetos expondo suas taxonomias dos escritórios de projetos públicos. Seguido aos elementos que caracterizam as fraudes em projetos e como a sistematização dos fluxos de trabalho pode mitigar anomalias e propensões a fraude. A Seção 3 apresenta a abordagem metodológica usada no campo da pesquisa. Na Seção 4 são expostos os resultados, e na seção cinco são apresentadas as conclusões e limitações do estudo. 2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 Gestão de projetos no setor público Organização pública é aquela que providenciam bens e serviços de um governo em um nível local ou nacional (Fryer et al. 2007) e não está voltada ao lucro (Dewburst et al. 1999). O uso de modelos de referência tem sido adotado por alguns órgãos públicos internacionalmente, em geral para suportar departamentos de compra. O emblemático caso da Agência Espacial Americana NASA, com o lançamento da Apollo 11 pioneira na adoção de ferramentas de gerenciamento de projetos (KWAK, 2003). O Departamento de Defesa americano, por exemplo, no setor de aquisições utiliza um sistema de gerenciamento de valor agregado EVMS (Department of Defense DoD, 2015), e o Departamento de Energia também deste país possui um dashboard com as respectivas indicações de programas, contratos,

5 5 informações de projetos e principalmente orçamento original de projetos, custo atual do projeto e os indicadores: desempenho de custo e desempenho de cronograma, (US Energy Department, 2015). No caso inglês, o seu escritório de comércio (Office of Government Commerce-OGC), estabeleceu em 1989 a metodologia PRINCEt, tornando -a de domínio público (INGLATERRA CABINET OFFICE, 2011, CARVALHO; RABECHINI, 2011). Outro órgão inglês que adotou ferramentas de desempenho foi o Escritório Nacional de Auditoria (NAO), órgão similar ao Tribunal de Contas da União, que mede a eficiência e eficácia do gasto público. Embora o governo inglês busque estar à frente com mecanismo de controle, este sofre um duro revés quando em 2008 estabelece um programa para criar uma plataforma de TI de controle dos infratores de gastos públicos, o programa deveria ser introduzido em janeiro de 2008 com um custo estimado de até 2020, em julho de 2007, já haviam sido gasto no projeto, este apresentava dois anos de atraso, e os custos estimados para o projeto haviam subido para , o exponencial gasto, fez com que o Ministério da Justiça, por meio de seu ministro pedisse a suspensão do projeto enquanto as opções de reequilíbrio orçamentário fosse elaboradas. Muitas das causas dos atrasos e custos poderiam ter sido evitados com uma melhor gestão e instrumentos de controle mais claros, segundo relatório do próprio NAO. (CRAWFORD; HELM, 2009) Claramente há indícios de uma gestão inadequada e a complexidade técnica do projeto foi significativamente subestimada. Observa-se que os contratos de fornecimento foram concebidos de tal forma que não haviam mecanismo para pressionar os fornecedores por meio de sanções pecuniárias ou restrições de participação em certames públicos em razão da não entrega de resultados no tempo e custo pactuados. Por outro lado, os jogos olímpicos de Londres se tornaram uma referência de programa público de governo bem realizado (Hone et al., 2011). Crawford e Helm (2009) apresentam o caso australiano no qual o Ministério da Defesa deste país em 2003 passou por questionamento públicos em relação a sua eficiência na alocação de recursos para a política nacional de segurança. Como resposta a esta avaliação e na busca de suavizar a publicidade

6 6 negativa causada e demonstrar capacidade de entrega o então primeiro ministro cria o Cabinet Implementation Unit (CIU) dentro do Departamento do Primeiro-Ministro, com o intuito de garantir a entrega comprometida e eficaz das políticas-chave do governo, por meio de cinco pilares: Relatórios Atualizações de progressos. Trabalho integrado com as agências reguladoras para monitorar e informar sobre o andamento das principais iniciativas políticas do Governo; Envolvimento Proativo Engajamento com agências reguladoras no processo de produção de políticas públicas; Política de Perícia Fazer ligações. Promover às melhores práticas de outras jurisdições na Austrália e do exterior, bem como a academia e a indústria e fornecer conselhos sobre como aplicá -las no contexto australiano. [Ou seja, operar como um conselho de benchmark de melhores práticas.] Recomendações para o gabinete Os planos de aplicação. Os planos de aplicação são necessários para submissões com riscos significativos de implementação ou desafios, incluindo aqueles com uma Ferramenta de Avaliação de Potencial de Risco (RPAT), avaliam-se os planos de execução em propostas de políticas para que seja assegurado aos tomadores de decisão todas as informações relevantes incluindo a forma como a política será implementada. Construindo capacidades Criação de competências em toda a administração. A Rede de Implementação da Política baseia -se na experiência dos membros, em compartilhar conhecimentos e desenvolver uma cultura de colaboração na implementação e concretização de projetos. Outro procedimento criado pelo Governo Federal australia no foi a adoção do processo de avaliação de Gateway. Adicionalmente governos estaduais tem adotado metodologias como PRINCE2 e MSP para a gestão de risco de forma mais eficaz a exemplo do governo estadual da Tasmânia (CRAWFORD; HELM, 2009). No Brasil esforços tem sido feitos para a melhoria dos resultados da máquina pública, ações como a implantação do "Novo de Modelo de Contabilidade Aplicada ao Setor Público" cujo objetivo é integrar as práticas de contabilidade vigentes aos padrões estabelecidos nas Normas Internacionais de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público. Esta normatização visa: estabelecer normas e procedimentos contábeis para a Federação; aprimorar o já existente Plano de Contas Aplicado ao Setor Público; padronização das prestações de contas e dos relatórios e demonstrativos de gestão fiscal; disseminar os padrões técnicos estabelecidos no MCASP e no MDF para a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios e por fim elaborar as demonstrações contábeis consolidadas da União. (TESOURO NACIONAL, 2014).

7 7 Internacionalmente a OCDE Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (1995), expressa que as mudanças dependem de: Maior eficiência e relação custo-eficácia no controle e redução das despesas públicas; Redução das diferenças nacionais em setores públicos; Aumento das expectativas de qualidade dos serviços de pessoas físicas e jurídicas para responder de forma flexível às mudanças; Oferecer novas tecnologias da informação. Crawford e Helm (2009), destacando os trabalhos de Peters e Savoie, (1998), relatam a necessidade da administração pública caminhar para novos direcionadores, enfatizando na gestão estratégica e planejamento; transparência gerencial; adição de medidas de desempenho associadas a responsabilização por resultados; busca pela "desburocratização". Aumento da eficiência e do custo efetivo para a redução e controle do gasto público, isonomia salarial no setor público de acordo com a atribuição [cabe aqui uma crítica a linha de pensamento destes autores para a estruturação de uma isonomia não temerária as contas públicas, atribuição da isonomia com racionalidade, a equiparação de acordo com o tamanho do município ou por meio de números índices]. Consolidado na iniciativa privada e institucionalizado por órgãos internacionais como o PMI (Project Management Institute) e IPMA (International Project Management Association), o gerenciamento de projetos esta baseados em áreas de conhecimento e parâmetros técnicos que formulam um referencial conceitual e metódico para o planejamento e controle de projetos. Embora pesquisadores e práticos argumentem que a contribuição da metodologia de gerenciamento de projetos aumente rendimento a matéria ainda gera controvérsias demandando estudos mais aprofundados (AUBRY e HOBBS, 2010). Estruturar uma sistemática que garanta a manutenção das atividades do escritório de projetos é não só uma forma de garantir que os projetos previamente constituídos tenham uma continuidade independentemente da postura adotada pelo político eleito. Adicionalmente tais mecanismos se mostram como valorosos instrumentos de transparência e monitoramento de resultados aos órgãos de fiscalização e controle como: Tribunais de Contas, Procuradorias e Ministério

8 8 Público. De acordo com o índice de percepção de corrupção de 2013, no qual se mede o nível de percepção de corrupção no setor público de 177 países e territórios, o Brasil obteve a 72 a posição. (TRANSPARENCY INTERNATIONAL, 2014). 2.2 Escritórios de gestão de projetos Kerzner (2002) ilustra o que conceito de escritório de projeto toma corpo a partir da década de 50. Segundo o departamento de energia americano, o projeto Distrito Manhattan construiu um legado para gerações estruturando conhecimento para o grande salto científico americano por meio da interação dos atores, controle dos escopos de resultados, orçamentos e prazos, componentes do triângulo de ferro do gerenciamento de projetos. Autores como Rad e Levin (2002) afirmam que a função primária do PMO é gerenciar e subsidiar projetos, de forma robus ta no intuito de constituição de práticas, adoção de princípios, metodologias, ferramentas e técnicas de gerenciamento de projetos (DAI, 2001; LITKE, 2002). Revisando artigos de múltiplos autores pelo período de nove anos Seweryn Spalek (2013), captura algumas variáveis críticas que condicionam ao sucesso dos escritórios de projetos. Segundo Spalek (2009) citando Desouza e Evaristo (2006), seis são os fatores críticos de sucesso e três tipos de papéis do PMO. Um rol de variáveis é elencado para ilustrar o que impulsiona e retraem as ações do escritório de projetos de acordo com o estudo de Spalek (2009), em mais de 444 questionários de empresas dos mais diversos setores, sendo encontrado como propulsores dos escritórios de projetos: suporte do gerenciamento de topo, definição dos critérios de sucesso do PMO, definição do escopo das atividades, grupo de precursores do escritório. Em contrapartida, são elencados como detratores: inabilidade dos gerentes de projetos em demonstrarem valor adicionado ao projeto, relutância da alta administração em aceitar as diretivas do escritório, resistência da equipe, falta de escopo definido e custo operacional não aceito. O suporte da alta gerência tem sido determinante para o sucesso da iniciativa dos escritórios de projetos no intuito de reduzir os riscos de implementação, DOS SANTOS VALE et al. (2014).

9 9 O processo de implantação do escritório de projetos sofre de riscos endógenos e exógenos. Os riscos endógenos estão associados a conflitos internos entre os membros das equipes que serão realocados para as funções. Em parte, por chefias não estarem dispostas a cederem seus profissionais para fazerem parte da equipe, ou por uma imposição da chefia em direcionar pessoas com perfil não adequado para a composição do quadro funcional. Hobbs, Aubry e Thuillier (2008), referenciam os riscos do escritório de projetos a tensões classificando-os em 5 (cinco) níveis: Em primeiro econômico, vinculado a relação do custo de manutenção do escritório de projetos ao seu desempenho de atividades. Segundo, político, relacionado estritamente a gestão prática dos projetos e situação dos prazos e custos, entendido aqui como risco endógeno. Em terceiro lugar a flexibilização e normatização interna dos procedimentos do PMO. Em quarto lugar o controle sobre os projetos e por fim o risco com os clientes, que neste caso pode ser interpretado como um risco endógeno se estiver associado a outras áreas da organização ou exógeno se vinculado a clientes externos. Os escritórios de projetos públicos sofrem particularmente de riscos exógenos relacionados não só a clientes externos, ou seja, toda a comunidade setorialmente ou globalmente impactada por uma política pública e ainda em função de fatores políticos. Dentre estes podem ser destacados visões partidárias contrárias as políticas públicas adotadas pelo executivo, no intuito meramente de dificultar a condução de projetos e avanços da administração. 2.3 Escritórios de projetos na iniciativa pública Revisando levantamento sobre a disponibilidade de artigos que elencam a taxonomia de escritório de projetos na iniciativa pública pouco material é encontrado nas bases de dados, por apresentarem taxonomia suigeneris. A própria experiência sistematizada e formalmente implantada na iniciativa privada é recente, segundo estudos de Dos Santos Vale (2009) os modelos privados brasileiros se deram a partir de 2003 em experiências corporativas isoladas.

10 10 Chen et al. 2013, acrescentam que PMO em projetos públicos contribuiriam para a formulação de programas de gerenciamento de alta eficiência nas organizações e um programa de acumulação de conhecimento gerencial. Crawford e Helm (2009) encontram importante elementos fundamentados na Nova Gestão Pública para a entrega de valor a comunidade. Os escritórios de projetos da administração pública podem assim colaborar diretamente para que a comunidade observe o valor entregue pela administração com os projetos executados, especialmente no que diz respeito: [1] Modo de operação, realizando um melhor gerenciamento dos contratos; [2] foco teórico e governança, com uma filosofia de governança corporativa e gerenciamento econômico por meio da interface com o departamento contábil da organização e controladoria; [3] Gestão da política de desempenho, pois até então o gerenciamento público está estruturado na gestão das entradas sem o comprometimento com o que é realizado, apenas focado em entregas formais, o escritório de projetos pode colaborar para melhor controlar não só as entradas como as saídas (obras, dispositivos e programas instituídos), trazendo confiança e legitimidade as propostas; [4] Gerenciamento por metas, por meio da criação de mecanismos de réguas e parâmetros é possível estabelecer prazos para os objetivos a serem entregues, garantindo que atrasos e potenciais perdas de convênios sejam mitigados; [5] Melhora das prestações de contas, ou accountability seja para os órgãos fiscais (câmaras: municipais, estaduais e federal, Tribunais de Contas Estaduais e da União), seja para a comunidade. [6] Participação da comunidade, por meio de audiências públicas dos resultados dos projetos sistematizados e apresentados nas câmaras municipais e reuniões de associações e sociedades organizadas. Deste modo, o Escritório de Projeto opera como suporte ao tomador de decisões não só na apresentação de resultados, mas na consolidação da democracia, por meio da mediação do tecnicismo dos projetos com a abstração das políticas públicas, trazendo estas para o plano concreto. Seria truísmo dizer que os escritórios de projetos em entes públicos propiciam ganhos para os cidadãos. Entretanto, o desafio de sua adoção esta intrinsicamente ligado as pessoas que comporão a estrutura deste órgão, com a

11 clara deliberação de seus papéis e o real engajamento destes nas atividades desenvolvidas pelo escritório e sistemáticas adotadas. Outro desafio é superar as disputas políticas internas e externas que este órgão possa vir a sofrer, desde manobras de opositores do governo em comando a agentes internos reati vos as medidas de mudanças que o escritório possa vir a capitanear MÉTODOS DE PESQUISA A definição do método aqui empregado combina revisão da literatura com abordagem de pesquisa-ação. Dada a característica exploratória da pesquisa e a atuação dos pesquisadores na proposição de um modelo multivariavel, optou-se pela abordagem metodológica da pesquisa-ação. Esse método de pesquisa é adequado quando pesquisadores estão de modo envolvidos participativamente (Thiollent, 2004), envolvendo-se diretamente com a organização estudada (Bryman 1989). São objetivos da pesquisa-ação contribuir para o melhor equacionamento possível do problema central na pesquisa que é a implementação de escritório de projetos no setor público. Este trabalho foi iniciado em 2014, seguindo os ciclos de vida da pesquisa-ação (Coughlan e Coghlan 2002). Esse artigo apresenta o primeiro ciclo de pesquisa-ação de elaboração do modelo proposto e teve início com a observação e concatenação de variáveis que permeiam a realidade da administração pública e que impactam diretamente nos processos da marcha de um projeto executivo especialmente de obras de arte civis. As primeiras questões colocadas foram aquelas propostas por Crawford e Helm (2009): modo de operação; foco teórico e governança; gestão da política de desempenho, gerenciamento por metas, melhora das prestações de contas, e participação da comunidade.

12 Caracterização da empresa A pesquisa foi conduzida em um escritório de projetos público com poucos meses de constituição (setembro de 2014) e em processo de consolidação, em uma cidade com habitantes do interior paulista, fundada em 1937, a administração pública deste município é responsável pela gestão direta de servidores distribuídos em 300 prédios públicos, dos quais a força de trabalho desta organização representa 3,8% dos postos laborais do município, contando com um orçamento de R$ ,00 para o exercício de Suas atividades impactam direta e indiretamente habitantes e habitantes das cercanias em um raio de 50 km. A equipe deste escritório é composta por 17 integrantes entre engenheiros, arquitetos, administradores e escriturários, todos em regime de dedicação exclusiva. O escritório em tela foi o único encontrado em cidades com menos de 500 mil habitantes (CONFERAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS, 2015). 4 RESULTADOS Os resultados alcançados com a pesquisa de campo realizada O escritório de projetos foi projetado para apoiar as atividades de planejamento arquitetônico, com a estruturação de utilização e viabilidade dos dispositivos, assim como a execução efetiva dos projetos estruturais e complementares de obras, convertendo conceitos em projetos executivos e estruturados para a realização de certames licitatórios. Paralelamente o escritório de projetos reúne ações de monitoramento da evolução dos processos para o acompanhamento da concepção arquitetônica como do processo de execução das rotinas. O monitoramento do processo permite o real controle da evolução das obras e projetos públicos. O escritório de projetos no caso em tela é composto por três núcleos: [1] unidade de planejamento: arquitetônico e institucional, [2] unidade de execução: orçamentação e projetos complementares e por fim [3] unidade de monitoramento e controle.

13 13 UNIDADE DE PLANEJAMENTO UNIDADE DE EXECUÇÃO O ESCRITÓRIO DE PROJETOS UNIDADE DE CONTROLE Figura 01 Estrutura Executiva do Escritório de Projetos do Modelo Fonte: Elaborado pelos autores. O papel do escritório de projetos em tela é se consolidar como uma estrutura perene no organograma da prefeitura, sendo este atemporal e não apenas para se operacionalizar por uma gestão administrativa, ou servir de estratégia de marketing de um plano de governo. As pesquisas de Spalek indicam que 88% dos escritórios de projetos encerram suas atividades antes do quinto aniversário. 4.1 Modelo proposto A definição de um escopo claro de projetos e um conhecimento pregresso de inserção de contexto nos quais estes se inserem por parte dos líderes e gestores de projetos, tendem a conduzir os projetos para resultados não alinhados com o plano original ou ainda resultando em projetos infrutíferos ou danosos ao erário público. Desenvolver e manter governança por meio de projetos e programas requer investimentos, e os responsáveis por políticas de implementação de projetos em organismos públicos são regularmente inquiridos pelos órgãos fiscais em apresentarem justificativas técnicas para a alocações destes recursos.

14 14 Segundo Thomas e Mullaly (2008), a capacidade de agregar valor no gerenciamento de projetos depende da natureza da implementação da gestão de projeto e de seu contexto. Estes destacam ainda que o contexto governamental é caracterizado por incertezas, ambiguidades, questões envolvendo partes interessadas, complexas e multifacetadas. Crawford e Helm (2009) sustentam também que a pressão política, o escrutínio público e a contabilidade exposta são elementos que acentuam a complexidade dos projetos no setor público. Disto conclui-se que a adoção de ferramentas de gestão de projetos conduz a gestão de resultados em cenários complexo suavizando inconformidades e facilitando o processo de governança. Analisando os procedimentos operacionais padrões do escritório de projetos em estudo observa-se que algumas ferramentas de controle têm sido testadas, desde a simples organização em planilhas online por meio de plataformas de compartilhamento virtual (Google Drive) aos softwares de maior aplicação do mercado, respectivamente o Microsoft Project e o software Primavera. Contudo, a abrangência dos sistemas padrões disponíveis no mercado e a não garantia de segurança dos dados condicionaram a não manutenção dos softwares apresentados. A equipe de projetos indicou que os esforços deveriam caminhar para o desenvolvendo de um modelo de gestão de projetos que apresentasse forte correlação com os marcos regulatórios nacionais aderentes principalmente a duas legislações específicas: a Lei federal n o 8.666/1993 (que regulamenta licitações e contratos públicos), além da Lei de Responsabilidade Fiscal, Lei Complementar n o 101/2000 e pelos elementos propostos no modelo da Nova Gestão Pública, elencados por Crawford e Helm, (2009): Modo de operação mais eficiente na observação não só dos contratos, mas na forma com que os membros da equipe de projeto coordenam as atividades e interações na gestão executiva dos pacotes de atividade para atendimento dos cronogramas, foco teórico e governança melhor integração da alta administração com as áreas meios, por meio da homogeneização do conhecimento, não só do cronograma físico, mas da disponibilidade financeira para que um determinado pacote de atividade seja exequível, sem comprometer o caixa da organização, Gestão da política de desempenho pavimentar um

15 15 caminho para a discussão de remuneração variável de engenheiros e demais membros do departamento, por meio do acompanhamento do desempenho de cada profissional, em face da rotina do projeto, Gerenciamento por metas vinculação da execução das rotinas a parâmetros mensuráveis de resultados, Melhora das prestações de contas sistematização do que cada um faz e tracking das atividades proporciona melhor busca de informação para o desenvolvimento das respectivas prestações de contas dos projetos, [6] Participação da comunidade vinculação dos resultados dos projetos a portais de transparência, seguindo a Lei federal n o , de 18 de novembro de Para o caso em tela a solução a ser desenhada para a aplicação dos elementos propostos no modelo da Nova Gestão Pública indicaria que os projetos do escritório (núcleo de situações críticas) fossem emoldurados em uma ferramenta de acompanhamento web que viabilizasse a integração não só dos procedimentos, mas também que se integre a sistemas de contabilidade e outras áreas da prefeitura (Secretaria de Obras, Secretaria de Finanças [controladoria, coordenação de convênios, contabilidade e prestação de contas], Secretaria de Planejamento Urbano e Gabinete do Prefeito). De forma a dirimir os problemas constatados em tentativas pregressas de implantação do escritório de projetos, bem como prover melhores informações ao órgão gestor para o processo de tomada de decisão. Para uma maior aplicação transversal do modelo na estrutura da organização assegurando um maior dinamismo nos procedimentos de atualização de variáveis e a entrega de relatórios on demand sugere-se a adoção das tecnologias em conjunto: 1. Plataforma ASP.NET 4.0; 2. Linguagem C#; 3. ASP.NET MVC4; 4. Sql Server 2008 R2 (ou sistema de banco de dados aberto); 5. HTML 5 (Responsive + Mobile); 6. jquery 2.0 e 7. CSS3. Ou ainda tecnologias que se sobreponham as citadas.

16 16 Adicionalmente os resultados da pesquisa de campo revelaram que a adoção de uma sistemática de controle da evolução dos projetos na administração pública, tem um efeito positivo para o resultado geral da administração e que o emprego sistemático e coletivo de um mecanismo de controle de projetos horizontalmente pelos departamentos da organização pode não só garantir a perenidade do escritório de projetos, mas também uma melhor condução das políticas públicas inseridas em um plano de governo, respondendo de forma mais alinhada com a expectativa da população que elegera tais governantes. 4.2 Variáveis propostas para o modelo O sistema de controle do modelo proposto buscará agrupar o maior número de variáveis que aperfeiçoem a gestão das informações de projetos (institucionais e de obras) sob responsabilidade da administração municipal direta, respeitando os marcos regulatórios vigentes até 2015, em relação a processos licitatórios e de acompanhamento de convênios. Iniciando com a inserção do cadastro de um novo projeto, no qual será alimentado o modelo com todas as informações pertinentes a projeto divido em agrupamentos de informações, estas variáveis serão estruturadas por subconjunto de dados. O objetivo das variáveis definidas é a estruturação de um mecanismo de controle que contemple as lacunas da gestão de projetos, bem como reduzir os riscos observados nas legislações existentes aplicadas a estes e que forneça subsídio aos órgãos públicos fiscais. O modelo engloba as variáveis: Informações envolve os dados básicos de parametrização do projeto/obra como: Tipo (Obra/Projeto), Classificação, Status, Nome, Valor Previsto, Endereço, PPA (Plano Plurianual, previsto na Constituição Federal de 1988, no artigo 167, regulamentado pelo Decreto 2.829, de 29 de outubro de 1998), no qual são disciplinadas as diretrizes, objetivos e metas do poder executivo em comando, por 4 anos (sobrepostos: 1 ano de seu antecessor e 3 anos de sua administração) e LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias, Lei federal n o 4320 de 17 de março de 1964), que opera como um balizador do gasto

17 17 público no exercício fiscal. Acrescenta-se ao modelo ainda os campos: Profissionais Envolvidos (engenheiros/técnicos responsáveis pela validação dos projetos) e Descrição; Andamento Pertinentes a obra/projeto, como Situação do Contrato, Responsabilidade técnica, ensaio de solo, placa de identificação e foto (imagem), decreto, processo, Execução do levantamento, informações sobre solicitante da obra, gestor da obra, data do levantamento topográfico, orçamento e a data de envio para a licitação; Convênio esta variável agrupa as informações sobre o convênio obra/projeto, com os dados: fonte, órgão repassador [F1, fonte de recurso próprio; F2, fonte de recurso estadual e F5, fonte de recurso federal], programa do convênio [atrelado a fonte do órgão repassador de recurso], número do convênio, ano, valor de repasse, valor da contrapartida/percentual do valor, data da solicitação do pedido, data da assinatura, data do vencimento, não poderá ser editado posteriormente com vinculação entre as datas para que as mesmas não sejam preenchidas de forma equivocada ou errônea; Licitação reúne as informações sobre a licitação/obra/projeto, desde a publicação até o final da execução com acompanhamento do contrato e prazos, especifica: modalidade, número da modalidade, número do empenho, número do processo, ano do edital, empresa vencedora, valor do contrato, campo este último que deverá estar vinculado e parametrizado com a modalidade licitatória (Lei federal n o 8.666/1993) evitando erros de valores inexatos, valor do empenho também atrelado ao valor do contrato, data da homologação, data da adjudicação, data da assinatura do contrato, prazo do contrato em dias, data final da vigência do contrato, data da ordem de serviço, prazo de execução em dias, data da vigência da execução, todas as datas não poderão ser editadas posteriormente para que não sejam incluídos dados errôneos.

18 Aditivos Neste item: constam aditivos e controles que possibilitam a criação de novos aditivos com as seguintes informações: aditivo, tipo, escolhido o tipo deve ter a opção para o prazo ou valor, ou ambos, e amarrações deste com os prazos e valores já preenchidos em outras abas, justificativa e opção para anexar documentos. Uma vez cadastrado um aditivo ele permanecerá na lista de aditivos para consulta, aguardando as opções de remoção de aditivo ou publicação deste, uma vez publicado, este não mais poderá ser removido; Prorrogação de convênio Permite a prorrogação de convênio, a opção de adicionar prorrogações vinculadas a variável convênio, permite disponibilizar que se todos itens do convênio [nos campos das variáveis] estiverem corretamente preenchidos dentro dos parâmetros legais estabelecidos e limites técnicos determinados pelos gestores, com alerta de não prorrogação caso existam erros, com abertura de campos para controle de solicitações de prorrogações indicando: a data do vencimento (variável crítica, pois caso ultrapasse o respectivo prazo, o órgão gestor estará obrigado a fazer a devolução do montante do convênio), a quantidade de dias a se prorrogar (métrica ad hoc estabelecida no modelo, por meio dos dias o algoritmo a ser desenvolvido deverá apontar as informações com justificativa do pedido de prorrogação). Seguidamente este poderá ser salvo ou poderse-á deletá-lo (a prorrogação) caso haja alguma inconformidade; Caderneta A execução de projetos de órgãos públicos está intimamente associada a projetos de obras, mais do que projetos institucionais. O modelo proposto aciona a variável caderneta como instrumento de acompanhamento diário da rotina do projeto, envolvendo: data, ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) de execução, Profissional Responsável e o texto em si, com os apontamentos da obra/projeto, que poderá ser digitado diariamente ou conforme necessidade, ficando os registros ordenados cronologicamente para impressão física (seguindo marco regulatório vigente) e eletrônico para acompanhamento gerencial. No subgrupo da 18

19 19 variável caderneta, deverá também ser possível a criação de novos usuários. O Conselho profissional que disciplina a categoria não tem sistemática de controle eletrônico do acervo de projetos de seus associados; Arquivos Os escritórios de projetos reúnem uma quantidade sem igual de documentos técnicos e burocráticos, sistematizar o arquivamento destes visa não só promover uma melhoria na busca de informações para o futuro, como o compartilhamento de informações entre as áreas correlatas, sendo pertinente a possibilidade e inclusão dos seguintes elementos: documentos, fotos, planilhas, arquivos referentes a(s) obra/projeto com legenda para cada um deles, e a opção de envio de múltiplos arquivos de uma vez só para um determinado gestor ou área específica; Localização Esta variável determina o ponto geodésico de uma obra/projeto em plataforma de acesso público, indicando exatamente as coordenadas e orientações do projeto, com a inserção destas coordenadas em um Mapa de Projetos equivalente a um painel de controle no qual um mapa geo-referenciando é plotado com todas as obras e projetos cadastrados com suas respectivas coordenadas e informações, permitindo consultas rápidas e eficientes; Fechamento da obra/projeto Condicionar a execução de um projeto a um determinado marco temporal finito não é garantia de execução real, mas estabelece a administração do(s) projeto(s) atenção a um plano de metas mínimas, contemplando: datas de conclusão, data do recebimento provisório e data do recebimento definitivo, sendo estas datas associadas para a mitigação de erros e uma vez preenchidas travadas para não edição (evitando assim potenciais fraudes no processo executivo); Área construída [restrito a projetos construtivos] A administração depara-se com apresentação de resultados quantitativos macros, embora haja questionamentos da aplicação desta métrica como critério técnico adequado de entrega de resultado, adota-se aqui por estar no

20 20 mainstream da construção civil e administração pública brasileira. Esta variável determina a área de um determinado projeto que resulte em uma edificação ou interferência ambiental, com os campos: área construída, área dos terrenos e cada um com sua determinada unidade de medida, com possibilidade de incluir outras unidades de medidas; Visualização de informações No modelo proposto é importante que seja possível não só o detalhamento da situação projeto a projeto, mas também uma visualização de todas as obras/projetos cadastrados e a possibilidade de surveys pontuais quando o número de projetos atingir um montante considerável que inviabilize a consulta analítica; Visualização de Detalhes No modelo apresentado o detalhamento em mapas do projeto com as respectivas imagens e demais arquivos cadastrados e as informações do projeto, assegurará celeridade no processo de tomada de decisões, em conjunto com o subitem Descrição do Andamento que indica os lançamentos cronológicos para a descrição dos andamentos e trâmites documentais, com a possibilidade de formatação textual e anexação de documentação; Financeiro e Medição Por meio desta variável é possível a tomada de decisão Inter setorial pelo controle de execução de obras/projetos e fluxos de pagamentos. Bem como a adição de medições ou liberação de recursos; Parte significativa dos recursos públicos são oriundos de recursos estaduais e federais. Estas vinculações condicionam os projetos e obras a obrigatoriedades legais de medições, desta forma, propõem-se no modelo teórico a inserção do campo Medições com as opções de adição de itens que compõe o orçamento de um projeto e a inclusão de medições cronologicamente estruturadas, com os seguintes campos: medição contratual ou de aditivo, com a respectiva descrição do item em planilha a ser medida, controle de valores item-à-item, controle de saldos de cada item e total geral financeiro alocado, este controle propicia a análise quantitativa que o PMI define como Estimate at Completion (EAC);

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Controle Interno na visão dos Auditores Externos Situação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PREFEITURA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Cargo de Nível Médio Agente Administrativo Contribuir com o correto fluxo de atividades, informações e materiais

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS - EAD PARA SERVIDORES DO TCE E CURSOS OBJETIVO PÚBLICO-ALVO CARGA HORÁRIA N. DE VAGAS MODALIDADE 1. As Novas Normas de Contabilidade Aplicada

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.307, DE 20 DE MARÇO DE 2014. (publicado no DOE n.º 055, de 21 de março de 2014) Estabelece o Sistema

Leia mais

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Secretaria de Fiscalização de Pessoal Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Fabiano Nijelschi Guercio Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Brasília-DF, 25 de fevereiro de 2013

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

A concatenação de profissionais experientes, percepções modernas do mercado e ferramentas avançadas de gestão fazem com que a Menchën ofereça ao seu

A concatenação de profissionais experientes, percepções modernas do mercado e ferramentas avançadas de gestão fazem com que a Menchën ofereça ao seu A concatenação de profissionais experientes, percepções modernas do mercado e ferramentas avançadas de gestão fazem com que a Menchën ofereça ao seu cliente um produto final mais completo e robusto, que

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO O mundo corporativo tem demonstrado muito interesse nos aspectos que se relacionam à adoção de metodologias de controles internos, motivado

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/15 A Coordenadoria do Sistema de Controle Interno do Município, considerando: - O volume de recursos recebidos pelo Município a título de repasse de outros entes da Federação via Convênio ou Contrato

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Nome da iniciativa inovadora: FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Painel de BI (Inteligência nos negócios) para publicação dos dados associados ao controle estadual Responsável pela Iniciativa

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PROCESSO: 0007733-93.2015.4.02.5110 (2015.51.10.007733-0) AUTOR: MINISTERIO PUBLICO FEDERAL REU: MUNICIPIO DE BELFORD ROXO Fls

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem:

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem: Descrição de Serviços Serviços Business Transformation and Plan O SAP Business Transformation and Plan é um serviço de consultoria e prototipagem para promover a inovação e transformação da Licenciada

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO

RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Prefeitura Municipal de Vitória Controladoria Geral do Município RELATO DA INICIATIVA OU PROJETO Nome da Iniciativa ou Projeto Portal de Transparência Vitória Caracterização da situação anterior O Portal

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.2.0 Julho 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD 1 UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD Serra, 05/2009 Saymon Castro de Souza Ifes saymon@ifes.edu.br

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os "Editais devem especificar, de

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os Editais devem especificar, de 1)TITULO PRÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSO PARA CONTROLE DE CRONOGRAMA E ETAPA/FASE DE OBRAS DE SANEAMENTO EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO NACINAL DE SAÚDE (FUNASA) - SUPERINTENDENCIA REGIONAL DE MATO GROSSO 2)DESCRIÇÃO

Leia mais

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG Forplad Regional Sudeste 22 de Maio de 2013 Erasmo Evangelista de Oliveira erasmo@dgti.ufla.br Diretor de

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. Monitoramento das Ações Estratégicas do Ministério da Educação

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. Monitoramento das Ações Estratégicas do Ministério da Educação 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública Monitoramento das Ações Estratégicas do Ministério da Educação Brasília, 12 de março de 2013 da Educação Contexto do Ministério Ministério da Educação 7 Secretarias

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

GESTORES/FISCAIS INSTITUCIONAIS. Módulo Monitoramento Obras 2.0 - FNDE

GESTORES/FISCAIS INSTITUCIONAIS. Módulo Monitoramento Obras 2.0 - FNDE GESTORES/FISCAIS INSTITUCIONAIS Módulo Monitoramento Obras 2.0 - FNDE CGIMP 06/09/2013 Como consultar e preencher o Modulo Monitoramento de Obras Simec 2.0 Sumário 2 Definições Apresentando o Sistema Integrado

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais