A PADRONIZAÇÃO DAS ROTINAS ADMINISTRATIVAS RUMO À CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE O CASO ROCHAZ INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PADRONIZAÇÃO DAS ROTINAS ADMINISTRATIVAS RUMO À CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE O CASO ROCHAZ INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS A PADRONIZAÇÃO DAS ROTINAS ADMINISTRATIVAS RUMO À CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE O CASO ROCHAZ INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. LEANICE MARIA PERUZZO GUIO VIÇOSA - MG Agosto de 2006

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS A PADRONIZAÇÃO DAS ROTINAS ADMINISTRATIVAS RUMO À CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE O CASO ROCHAZ INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Monografia apresentada ao Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do curso de Secretariado Executivo Trilíngüe, tendo como orientador o Professor Sérgio Augusto Pereira Monteiro do Departamento de Administração. LEANICE MARIA PERUZZO GUIO VIÇOSA - MG Agosto de 2006 ii

3 Leanice Maria Peruzzo Guio A PADRONIZAÇÃO DAS ROTINAS ADMINISTRATIVAS RUMO À CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE O CASO ROCHAZ INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Monografia apresentada ao Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do curso de Secretariado Executivo Trilíngüe. Aprovada em de agosto de Profª. Débora Carneiro Zuin DLA/UFV Examinadora Prof. Odemir Vieira Baêta DLA/UFV Examinador Prof. Sérgio Augusto Pereira Monteiro DAD/UFV Orientador Viçosa, MG Agosto de 2006 Nota: iii

4 AGRADECIMENTOS Agradeço a todas as pessoas que me ajudaram a realizar este trabalho, em especial à equipe da Rochaz Indústria e Comércio Ltda, que me acolheu com muito carinho e atenção no período que lá estive e à equipe da Pró-Reitoria de Planejamento e Orçamento, especialmente ao Gustavo, Zélia e Leiza. Meu sincero agradecimento também ao meu orientador, Professor Sérgio Augusto Pereira Monteiro, que me incentivou a realizar o trabalho na área da qualidade e padronização das rotinas administrativas, agradeço sua dedicação e atenção. Ao Dirceu pela paciência, estímulo e compreensão; à minha família, especialmente ao meu irmão Leandro, pelo carinho; a Deus, pela força e perseverança e a todos aqueles, que de foram indireta e mesmo não presentes, me ajudaram a concluir esse trabalho tão importante para mim. iv

5 LISTA DE FIGURAS E GRÁFICOS Figura 1 Tabela Resumo 5 s...22 Figura 2 - Estrutura Organizacional...35 Gráfico Gráfico Gráfico Gráfico Gráfico Gráfico Gráfico Gráfico v

6 SUMÁRIO 1 - APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS METODOLOGIA Instrumentos de Coleta de Dados Entrevistas Questionários Observação Pessoal Observação de Ambiente e Análise Descrição do Ambiente Administrativo FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Rotina Processos Tipos de Processos Método O Programa de Qualidade 5 s O Programa de Qualidade 6-Sigma NBR ISO POR QUE PADRONIZAR AS ROTINAS ADMINISTRATIVAS? A Importância da Certificação de Qualidade IDENTIFICAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO Missão Visão Histórico Estrutura Organizacional RESULTADOS Falta de Cooperação das Áreas Envolvidas Falta de Padronização nos Formulários Exercício de Múltiplas Funções Centralização Falta de Racionalização no Arquivo e na Guarda de Documentos Falta de Avaliação Crítica das Etapas dos Processos Falta de Harmonização e Padronização do Ambiente de Trabalho CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Questionários Política de Qualidade Institucional Rochaz Indústria e Comércio Ltda Estrutura Organizacional Rochaz Indústria e Comércio Ltda APÊNDICES Entrevista Sugestão de Descrição Cargos Sugestão de Procedimento Operacional Sugestão de Organograma vi

7 1.1 - INTRODUÇÃO 1 - APRESENTAÇÃO As empresas são como organismos vivos e sua relação com o ambiente - no qual atuam torna-se cada vez mais presente na administração. As empresas precisam constantemente se adequar a este ambiente para continuarem ativas e operando, de forma satisfatória, pois se, para a administração interna, preparar-se e planejar ações é vital, preparar-se para as reações externas - do meio ambiente, dos concorrentes e clientes - é fundamental e constitui-se uma prioridade. A teoria dos sistemas muda a maneira de encarar as organizações, porque as vê como parte de um ambiente que há constante troca de energia e informações. A teoria dos sistemas abertos dos professores Daniel Katz e Robert Kahn, colocou o meio ambiente no centro das discussões, possibilitando o entendimento das partes, ou subsistemas. (CRUZ, 2002, p. 31) Assim como os sistemas, também as empresas necessitam de constante interação e troca de informações com o meio ambiente para sua sobrevivência. Os constantes feedbacks, tendências, elogios, críticas e necessidades do mercado tornam impulsionadores e indicadores de mudança. Dessa forma, as empresas preocupadas com melhoria de processos, melhorias no atendimento de especificações e satisfação do cliente, e também aquelas que implementam ações para tais mudanças permanecerão presentes no mercado como organizações de sucesso, e, conseqüentemente, não estarão fadadas ao fracasso. A visão sistêmica da

8 organização constitui-se basicamente em entender a organização como sendo um sistema integrado, inclusive à sociedade, com seus anseios e necessidades. Recentemente têm-se observado grandes transformações na área organizacional, oriundas da globalização, abertura de fronteiras, exigências dos clientes e crescente importância da expressão qualidade em todos os processos realizados pelas empresas. Neste contexto, não apenas as grandes organizações, mas também as pequenas e micro buscam melhorar seus processos e superar o conceito de organizações voltadas somente para as funções de trabalho e produção e essas empresas, ao invés de simplesmente fazerem caixas para satisfazer sócios ou acionistas, agora vivem também a chamada busca pela excelência, busca da qualidade, racionalização, fortalecimento, abertura de novos mercados, competitividade e ainda o aumento da lucratividade. De acordo com CRUZ (2002, p. 194), o conceito de qualidade não era preocupação para as organizações. Até alguns anos depois da Segunda Guerra Mundial, até por volta de 1962, principalmente nos Estados Unidos, que possuía uma economia estável e não passava por problemas físicos gerados pela guerra devastadora, não havia outra atenção senão consumir os bens produzidos. Entretanto, os países arrasados pelo conflito tinham muita dificuldade em competir e seus produtos não eram considerados bons, como foi o caso do Japão. Surge neste cenário o Dr. Edwards Deming, estudioso e estatístico americano que é convidado para ir até o Oriente ensinar aos japoneses como melhorar a qualidade de seu sistema de produção e os produtos, embora na América do Norte seu nome ainda fosse desconhecido. Foi somente em 1980, por meio de um documentário, que a rede de televisão americana BBC exibiu no dia 24 de junho, que a América tomou conhecimento de Edwards Deming, CRUZ (2002 p. 196). A partir daí a expressão qualidade passa a ser empregada no contexto empresarial de produção e prestação de serviços. Hoje, as empresas além de buscar a melhoria de seus processos, contam também com as entidades e organizações especializadas em certificá-las e enquadralas como possuidoras de todos requisitos necessários às empresas voltadas e preocupadas com si mesmas, que possuem a expressão qualidade integrada em toda a estrutura organizacional. Essas entidades como a Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT, juntamente com a International Organization for Standardization ISO, ou Organização Internacional para Padronização servem, 8

9 primeiramente como guia para que as empresas tenham uma referência e uma norma a seguir, um guia para a empresa olhar para si mesma de maneira holística e servem também, de maneira não menos importante, para ostentar e fazer seu próprio marketing no mercado competitivo. No Brasil a norma ISO, com sua série 9000 é desejada por muitas organizações e ter sua certificação aprovada significa que a organização conseguiu se adequar às exigências conseguiu inovar, mudou sua maneira de gerir e teve todos seus processos voltados para a qualidade, quer sejam processo ligado às atividadesfins ou atividades-meio. Dessa forma, também as atividades meio, como rotinas administrativas e seus processos, constituem-se indispensáveis ao bom funcionamento e administração da empresa e quando estas não possuem uma racionalização e padronização acabam por prejudicar toda a gestão e eficiência da organização tornando-se um desafio adequálas também às empresas que possuem como meta principal a gestão da qualidade e a certificação de qualidade JUSTIFICATIVA Em decorrência da grande competitividade gerada pelas transformações mundiais, e das mudanças que se operam todos os dias, as empresas necessitam estar atentas às essas inovações e procurar adaptar-se a elas na tentativa de manter-se operantes frente à acirrada concorrência. Ultimamente a falta de qualidade constitui-se num dos grandes obstáculos para o crescimento de empresas de qualquer setor e quando se fala de gestão da qualidade imediatamente vêm à mente melhoria de processos, abertura de novas fronteiras, redução de custos, menos morosidade, maior competitividade, diminuição de defeitos, e, acima de tudo, a satisfação do cliente. Assim, a certificação de qualidade tem se tornado uma constante no meio empresarial e se faz necessária na busca de alternativas e medidas para tornar as rotinas administrativas e os processos mais eficientes e menos morosos, e, em contrapartida, com redução, ou apresentação nula de defeitos ou o retrabalho. A padronização de rotinas, e, conseqüentemente, certificação de qualidade, lembrando que o termo qualidade total, segundo OLIVEIRA (2006, p. 183) é a capacidade de um produto ou serviço de satisfazer ou suplantar as necessidades, 9

10 exigências e expectativas dos clientes externo e interno das empresas, torna as empresas mais competitivas e mais rentáveis. A gestão da qualidade permite que as organizações revejam seus conceitos, sua forma de trabalhar, produzir e gerir e busquem a qualidade de forma integrada, tendo assim, a certificação de qualidade, como conseqüência natural de seu novo estilo de trabalho. Dessa forma, este trabalho justifica-se numa tentativa de conhecer melhor as transformações que as certificações de qualidade estão, de todo, proporcionando às empresas, bem como provar que a morosidade, ocasionada pela falta de padronização das rotinas causam ineficiência nos processos. Intui-se propor padronização de formulários utilizados nas rotinas administrativas, manualização (manuais de normas e procedimentos, manual de formulários, manual de qualidade e manual de redação) e um programa de gestão de qualidade para a empresa Rochaz Indústria e Comércio Ltda 10

11 2 - OBJETIVOS O objetivo geral deste trabalho é, por meio de um estudo de caso, identificar e descrever as principais dificuldades encontradas para a realização de rotinas administrativas em um ambiente informatizado e focar a contribuição de normatização e padronização de rotinas para a diminuição de morosidade e erros, gerando qualidade na realização destas. Pretende-se, também, chegar a uma conclusão da aplicação da qualidade e sua importância nas atividades administrativas na visão da empresa estudada, bem como de seus colaboradores. Como objetivos específicos pretende-se: ƒanalisar os processos de cinco setores administrativos da empresa Rochaz Indústria e Comércio Ltda: administrativo-financeiro, compras, vendas, P&D e contabilidade; ƒidentificar as principais dificuldades, eventuais morosidades nos processos, pontos fortes por meio de entrevistas com os colaboradores que trabalham nestes setores, bem como obter suas sugestões para possíveis melhorias; ƒpropor soluções para os problemas detectados por meio da implantação de um programa de qualidade nos setores analisados; ƒpropor a implementação de mecanismos que visem a agilidade, a padronização e a melhoraria das rotinas administrativas e seus processos, com a formulação de um manual de normas e procedimentos, manual de formulários e manual de qualidade. 11

12 3 - METODOLOGIA Este trabalho constitui-se de revisão literária, acrescentado-se o método diagnóstico, que objetivou descrever processos e esclarecimentos de situações de uma realidade organizacional. O processo de diagnóstico busca compreender a dinâmica da empresa, identificando e orientando situações sobre questões relevantes de áreas analisadas neste caso da área administrativa - visando seu desenvolvimento. Conhecer uma organização significa compreendê-la em todos seus aspectos, além de considerar suas variáveis a partir do seu negócio e área de atuação, sua situação atual e suas necessidades de mudanças. Assim, foi realizado um estudo de caso em uma empresa do ramo de fabricação de equipamentos para extração de rochas ornamentais, conforme descrita anteriormente. O presente trabalho pode ser dividido em duas etapas. A primeira constitui-se de revisão bibliográfica, onde foram consultados autores que abordam os temas relevantes ao estudo, bem como consulta à internet, buscando informações que pudessem enriquecer o trabalho. A segunda etapa foi prática, onde procurou-se vivenciar o dia-a-dia da empresa; estudando-a analiticamente e, posteriormente de forma propositiva, ou sejam, propor sugestões para os possíveis problemas encontrados. 12

13 O estudo de caso foi realizado in loco, primeiramente, no período de 2 a 12/5/2006 e, posteriormente de 17 a 21/7/2006, em horário integral das atividades da empresa. Antes do início do estudo foram realizadas visitas e reuniões com a administração da empresa, para apresentação do projeto de estudo de caso, além de contatos via telefone e . Ressalta-se que a empresa encontra-se atualmente conscientizada sobre a importância da implantação de um programa de qualidade para a melhoria contínua de seus processos e está contando com o suporte do Sebrae Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas para a difusão da cultura da qualidade na empresa e mobilização e a equipe se reúne semanalmente com a equipe designada para o comitê da qualidade. Dessa forma, durante o período de observação das atividades da empresa acompanhou-se duas reuniões da empresa com consultores do Sebrae Instrumentos de Coleta de Dados Na análise das rotinas e processos administrativos da Rochaz Ind. e Com. Ltda. foram utilizados os seguintes instrumentos: entrevistas, questionários, observação pessoal e análise de rotinas e processos. O início do estudo de caso se deu, primeiramente, com uma reunião com o gestor administrativo, para apresentação dos questionários a serem utilizados, bem como forma de observar o ambiente de trabalho, sem atrapalhar ou causar mal estar perante os colaboradores de cada setor. Assim, realizou-se uma apresentação em cada setor a ser estudado, explicando seus objetivos e metodologia utilizada entrevistas, junto com a observação pessoal e do ambiente, aplicação de questionários e posterior análise Entrevistas As entrevistas foram utilizadas abordando e descrevendo tarefas (o que é feito), como é feito, passo a passo, quem as realiza e como são realizados seus respectivos registros, totalizando 17 pessoas da área administrativa. Questionou-se também quais atividades são realizadas diariamente e quais podem ser realizadas 13

14 esporadicamente, além da necessidade de esforço físico, concentração, nível de conhecimento e nome designado ao processo. (ANEXO 12.1). Foram entrevistados colaboradores das unidades de contabilidade, administração, financeiro, compras, vendas e pesquisa e desenvolvimento Questionários Os 17 colaboradores responderam aos questionários sobre estudo organizacional e métodos de trabalho utilizados nas mesmas unidades em que houve a entrevista, com o objetivo de responderem acerca da organização como um todo, quais os problemas existentes, padronização ou não de atividades, conhecimento sobre objetivos e importância de seu setor na empresa, bem como aspectos e comentários do que poderia ser melhorado. (ANEXO 11.1) Observação Pessoal Esta técnica de análise objetivou constatar se as atividades descritas nas entrevistas eram, de fato, realizadas da forma explicitada, ou seja, se eram realizadas como descritas anteriormente Observação de Ambiente e Análise Após a realização das entrevistas e observação pessoal realizou-se a observação do ambiente bem como análise de processos, objetivando sua melhoria. Alguns dos principais processos realizados nas unidades são: 1 - Compras: solicitação de orçamento, análise de orçamento, pedido de compra e lançamento do pedido de compra no sistema. 2 - Contabilidade: apuração registro de freqüência, cálculo de horas extras, emissão de folha de pagamento, lançamento de folha pagamento no sistema, cálculo de férias, solicitação exames demissionais e admissionais, emissão aviso prévio, emissão de férias, apuração, cálculo e emissão de guias de recolhimento de impostos. 2 - Financeiro: emissão de relatórios de contas a pagar e receber, emissão relatório de fluxo de caixa, pagamento de despesas e demais compromissos, lançamento de pagamento e baixas no sistema, emissão de cheques, pagamento a colaboradores e transferências de valores por meio do sistema. 14

15 3 - Vendas: atendimento a clientes, emissão de orçamentos, emissão de contratos de vendas, recebimento de solicitação de visitas a clientes, emissão de relatórios de visitas, emissão de relatórios de comissão de vendedores, emissão de relatórios de vendas, lançamento de vendas no sistema e relatório de quilometragem e despesas em viagens. 4 - Pesquisa e Desenvolvimento: impressão de relação de insumos e matériasprimas, elaboração e desenho de equipamentos, análise de projetos de equipamentos, pesquisa de novos possíveis fornecedores, realização de testes dimensionais, emissão de formulários de acompanhamento de testes, análise de peças e acessórios e impressão de desenhos e projetos. 5 - Administrativo: emissão de documentos fiscais, atendimento a clientes, atendimento telefônico, emissão e análise de planilhas e relatórios, admissão, demissão e treinamento de pessoas, supervisão de pessoas, arquivamento e guarda de documentos, assinaturas de contratos e documentos, elaboração de planilhas de custos e de planejamento estratégico Descrição do Ambiente Administrativo A área administrativa da empresa situa-se anexa ao parque fabril, no segundo pavimento, possui ampla visão das atividades da indústria e possui proteção acústica. São cinco salas funcionais, recepção, copa e dois banheiros. As salas representam, respectivamente, sala da diretoria executiva, sala do diretor presidente, sala de expediente, onde atuam vendedores, assistentes de vendas e, esporadicamente, coordenadores de outras áreas da empresa, tais como extração e assistência técnica. Uma outra sala de expediente é a maior de todas e comporta maior número de colaboradores, além de sala do microcomputador, servidor e seus periféricos. Nesta sala de expediente atuam respectivamente: gestor administrativo, comprador, recepcionista/telefonista, auxiliar administrativo/faturamento, auxiliar administrativo/financeiro, auxiliar em contabilidade e auxiliar administrativo. A sala do gestor de produção também é utilizada como sala de reuniões e sala de treinamento, uma vez que possui recursos disponíveis para tais atividades. Na sala de pesquisa e desenvolvimento atuam três colaboradores desenhista técnico, coordenador de pesquisa e desenvolvimento e consultor de engenharia, além de atuar, não diariamente, o engenheiro mecânico responsável. 15

16 4.1 - Rotina 4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Rotina era o termo utilizado pelos analistas de O&M para descrever passo a passo como as pessoas interagiam dentro das empresas ou entre elas e os clientes. Genericamente, seria para identificar um conjunto de ações que tinham como principal preocupação o fluxo de papelada dentro das organizações CRUZ (2002, p. 114). Rotinas administrativas são os procedimentos diversos de uma empresa que envolve os processos e métodos. No estudo das rotinas, a seqüência mais comum, das etapas necessárias é a seguinte: escolher a rotina a ser trabalhada, coletar dados e desenhar a rotina. Para CAMPOS (2002, p. 71) A rotina é estabelecida pela administração da empresa para as pessoas que executam as tarefas do dia-a-dia Processos A expressão processo, para CRUZ (2002, p. 84) é a forma pela qual um conjunto de atividades cria, trabalha ou transforma insumos (entradas) agregandolhes valor, com a finalidade de produzir bens ou serviços, com qualidade, para serem entregues a clientes (saídas), sejam eles internos ou externos. Já JURAN (1992, p. 197) define processo da seguinte forma: 16

17 Nós definimos processo como uma série sistemática de ações direcionadas para a consecução de uma meta. A definição genérica aplica-se a um processo em todas as funções, relacionadas com a fabricação ou não. Também inclui as forças humanas assim como as instalações físicas. D ASCENÇÃO (2001, p. 56) define processo como um conjunto de causas (que provoca um ou mais efeitos). Uma organização, portanto, pode ser definida como processo, se considerarmos que para produzir um bem ou serviço (efeitos) existem vários componentes (causas) que contribuem para a realização desses efeitos.sob esse aspecto o autor afirma que o processo se estudado pelo diagrama de Ishikawa, constitui-se dos seguintes itens: matéria-prima, máquinas, medidas, meio ambiente, mão-de-obra e método. Para OLIVEIRA (2006, p. 8) define processo como um conjunto estruturado de atividades seqüenciais que apresentam relação lógica entre si, com a finalidade de atender e, preferencialmente, suplantar as necessidades e as expectativas dos clientes externos e internos da empresa Tipos de Processos Para CERQUEIRA NETO (1994, p. 70) são três tipos de processos que uma organização apresenta: processos primários são aqueles que tocam o cliente. Qualquer falha o cliente logo identifica; processos de apoio são os que colaboram com os processos primários na obtenção do sucesso junto aos clientes; processos gerenciais são aqueles que existem para coordenar as atividades de apoio e dos processos primários e processos industriais são aqueles que realizam atividades de transformação de matéria-prima em novos produtos. Para OLIVEIRA (2006, p. 183) existe também o processo de melhoria contínua, que tem duas sustentações básicas: a primeira de tornar os processos administrativos cada vez mais capazes de gerar produtos e serviços que atendam às crescentes exigências do cliente externo e interno e a segunda, de ajustar continuamente os padrões de qualidade. 17

18 4.3 - Método Método, para D ASCENÇÃO (2001, p. 58) é o caminho para se chegar a um ponto além do caminho. Assim, método de trabalho é a maneira pela qual as ações dos processos devem ser realizadas para que se alcance o resultado planejado, esperado. A partir das explicações anteriores, parte-se para definições da análise de processos. Analisar os processos requer documentá-los como objeto de estudo e dividi-lo em duas fases. Na primeira fase, faz-se o levantamento do processo, conhecendo cada atividade que dele faça parte. Na segunda etapa, deve-se documentar, através de um formulário apropriado, cada uma destas atividades. Para que se faça um levantamento dos processos utilizados nas empresas utiliza-se, basicamente, três técnicas: entrevista, questionário, ou coleta de dados e observação direta. Há que se levar em conta que cada técnica possui suas vantagens e possui também desvantagens. Na entrevista, um dos métodos mais utilizados, pode-se facilmente conhecer e entender o que se faz em cada atividade, pois o entrevistado se expressa livremente; se bem conduzida, propicia um clima de interação entre o entrevistado e entrevistador; o entrevistado pode fazer críticas e comentários que não faria à frente de outras pessoas; o entrevistador conhece peculiaridades da empresa, possíveis zonas de conflito, ligações informais, além de outras informações que podem auxiliar e permite, ainda, ao entrevistador conhecer a opinião pessoal de cada pessoa, sem que a presença dos outros possa influenciá-lo. Segundo CRUZ (2002, p. 90), Como em tudo que fazemos, existem pontos positivos e pontos negativos quando se usa a entrevista para levantar informações. Assim, os pontos negativos são: se houver falta de agilidade e praticidade do entrevistador pode-se ter dificuldades na tarefa de coleta de dados; o entrevistador deve manter-se neutro aos possíveis desabafos ou crises emocionais por parte do entrevistado; o entrevistador deve distinguir o que é ansiedade do que é necessidade; o entrevistador deve atentar e tomar cuidado ao ouvir expressões como eu acho, eu penso, em seu lugar eu faria..., eu faria... etc. A coleta de dados, ou questionário, para D ASCENÇÃO (2001, p. 98.) é definido de forma genérica, consiste em uma série de questões ou perguntas formuladas previamente, podendo ser utilizado com ou sem a presença das pessoas 18

19 envolvidas, ou seja, presencial ou a distância. O questionário, assim como a entrevista apresenta pontos positivos e negativos como a seguir. As vantagens de se utilizar o questionário são: ƒo entrevistado pode refletir sobre aquilo que vai responder, uma vez que as respostas são escritas; ƒpermite ao entrevistador ganhar tempo parta realizar outras tarefas enquanto o entrevistado responde ao questionário; ƒpermite ao entrevistador obter melhores respostas, uma vez que o entrevistado terá mais tempo para refletir; e ƒem alguns casos é possível conseguir que algumas pessoas colaborem com a coleta de dados, visto que as respostas ficarão arquivadas por escrito dando-lhes maior segurança. Já pontos negativos do questionário são: ƒmuitas pessoas não gostam de escrever e tampouco de responder a questionamentos, dessa forma o número de pessoas dispostas a responder aos questionamentos pode ser muito menor do que as não dispostas; ƒo entrevistador corre o risco de receber questionários com informações pouco verdadeiras, por isso, tem-se que tomar cuidado com os questionários sem assinaturas e não recebê-los anônimos. A última técnica para levantamento do processo é a observação de campo que consiste na verificação in loco do que acontece no ambiente que se desenvolve o processo em estudo, de forma sistemática e planejada. De acordo com C. SELLTIZ (1974) apud D ASCENÇÃO (2001, p. 103), a observação se torna científica à medida que serve a um objetivo formulado de pesquisa, é sistematicamente planejada, registrada e ligada a proporções mais gerais, uma vez que pode ser apresentada como conjunto de curiosidades interessantes, além de ser submetida a verificações e controles de validade e precisão. A observação direta apresenta as seguintes vantagens: ƒpermite verificação e registro pessoal dos fatores que influenciam e sofrem influência do processo tais como: as relações interpessoais, comportamento das pessoas que ali trabalham, interdependência ou dependência dos processos; ƒpermite estudo in loco do fluxo do processo, sendo possível detectar pontos críticos e possíveis gargalos ; 19

20 ƒnão depende da capacidade de responder bem aos questionamentos ou elaborá-los; ƒnão interrompe o trabalho das pessoas envolvidas no processo; ƒpermite ao observador fazer comparação e observação de informações obtidas em outras técnicas (questionário e entrevista); e ƒcompleta o levantamento realizado com outras técnicas. Desvantagens: ƒo simples fato de ter uma ou mais pessoas no local de trabalho inibe os colaboradores de agirem normalmente; ƒa observação direta depende, ou está limitada ao tempo de trabalho das pessoas, o que exige habilidade e concentração nas observações; ƒfatos imprevisíveis podem prejudicar a observação direta; e ƒo lapso de tempo entre a ocorrência de um acontecimento e a atenção do observador pode ser rápido e comprometer o respectivo registro. Vale ressaltar ainda a importância das fases de todos os processos, os quais se dividem nas seguintes etapas: implantação, treinamento, desenvolvimento e controle. Controle é visto na administração com vários significados, quer seja de coerção, regulamentação ou até mesmo como própria função administrativa. Na função de coerção o controle atua no sentido de coibir e prevenir possíveis erros nos processos; na função de regulação o controle mantém o fluxo de funcionamento de um determinado processo e detecta possíveis irregularidades e assim proporciona a regulação e, na função administrativa, completa o ciclo de planejamento, organização, direção e controle. A finalidade do controle para as organizações é assegurar que todos os procedimentos sejam realizados de acordo com o planejamento e que os resultados sejam satisfatórios, de acordo com os objetivos pré-estabelecidos. Por isso a palavra controle está atualmente tão ligada à palavra qualidade e a expressão controle de qualidade tornou-se uma constante no meio empresarial. Tratar-se-á a seguir do tema qualidade. Para JURAN & GRYNA (1991, p. 11), a palavra qualidade possui múltiplos significados e dentre esses significados os mais importantes são: a qualidade consiste nas características do produto que vão ao encontro das necessidades dos clientes e dessa forma proporcionam a satisfação do cliente. Há ainda a definição de qualidade como: a ausência de falhas. 20

21 Qualidade é um conjunto de atividades através das quais se atinge a adequação do produto ou do serviço ao uso, não importando em que parte da organização estas atividades são executadas. (JURAN, 1991, p. 16 apud PALADINI, 1995, p. 44) Para PALADINI (1995, p ),... a qualidade deve ser gerada a partir do processo produtivo... a gestão da qualidade no processo pode ser definida, de forma sucinta, como o direcionamento de todas as ações do processo produtivo para o pleno atendimento do cliente. Com o advento da qualidade iniciada no Japão e sua divulgação, o termo qualidade passou a ser conhecido também como requisito de equiparação das empresas e ganhou normatização, ou seja, foram criadas várias normas e procedimentos para garantir a qualidade e acabaram por se tornar mundialmente conhecidas. A mais divulgada e amplamente utilizada é a norma ISO 9000, ressaltando-se que muitas outras metodologias surgiram antes desta e acabaram por cair no esquecimento ou sucumbiram às mudanças constantes da modernidade. Porém, antes que argumente sobre a ISO e suas vantagens, há que comentar também sobre outros programas de qualidade como o Programa 5 S e o 6-Sigma O Programa de Qualidade 5 S O programa de qualidade 5 S é utilizado desde a década de 1960 e teve como primeiros usuários os japoneses. De acordo com COLENGHI (2003, p. 170), o modelo é muito simples, foi um dos elementos facilitadores para a recuperação da economia daquele país, sendo base para implantação dos sistemas de qualidade... Vale ressaltar ainda o fator cultural, ou seja, a disciplina daquele povo, ligada ao contexto pós-guerra, que fez da necessidade um exemplo para o mundo todo. O Programa 5 S visa, principalmente, a criação de condições dignas de trabalho por toda a empresa. Sua caracterização exige, e ao mesmo tempo facilita a participação interna de todos os colaboradores. As empresas que o têm aplicado, principalmente no Japão, concluíram que o programa 5 S é a base para a introdução de qualquer programa de modernização. Acreditar nesse método, que tem ajudado a revolucionar empresas japonesas, é muito importante para as empresas, pois uma vez aplicado com persistência e convencimento, seus resultados são surpreendentes: mudam a empresa radicalmente. 21

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

Sensibilizando para Organização e Limpeza

Sensibilizando para Organização e Limpeza Sensibilizando para Organização e Limpeza Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com. @sebraesp.com.br Ver-03/04 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS FAZER

Leia mais

Programa de qualidade 5s 5 Sensos

Programa de qualidade 5s 5 Sensos Programa de qualidade 5s 5 Sensos 5s no Brasil No Brasil foi lançado em1991.o Brasil é o país campeão mundial de desperdícios,estatísticas comprovam que o desperdício está incorporado na cultura nacional.

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação Benefícios! Quais são? Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação de condições e atos inseguros

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório

Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório Para obter a acreditação o laboratório deve implementar um sistema de gestão da qualidade com especial atenção para os aspectos da

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

O REFLEXO DA QUALIDADE PARA A PRODUTIVIDADE

O REFLEXO DA QUALIDADE PARA A PRODUTIVIDADE O REFLEXO DA QUALIDADE PARA A PRODUTIVIDADE Fernanda Aparecida de SOUZA 1 RGM: 079195 Juliana Regina de ALMEIDA 1 RGM: 079247 Mary Ellen dos Santos MOREIRA 1 RGM: 079248 Renato Francisco Saldanha SILVA

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

QUALIDADE: NÃO MAIS UM DIFERENCIAL, E SIM UMA SOBREVIVÊNCIA PARA AS INSTITUIÇÕES

QUALIDADE: NÃO MAIS UM DIFERENCIAL, E SIM UMA SOBREVIVÊNCIA PARA AS INSTITUIÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MBA EM GESTÃO DA QUALIDADE ELISANGELA ELIAS FERNANDES QUALIDADE: NÃO MAIS UM DIFERENCIAL, E SIM UMA SOBREVIVÊNCIA PARA

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO HISTÓRICO 1990 Mudanças no Pais e no Setor da Construção Civil - Abertura do

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Ferramentas da Qualidade: Uma visão Aplicada a Laboratórios de Ensaios Químicos

Ferramentas da Qualidade: Uma visão Aplicada a Laboratórios de Ensaios Químicos Ferramentas da Qualidade: Uma visão Aplicada a Laboratórios de Ensaios Químicos Resumo Com a globalização da economia e a formação de blocos econômicos, têm surgido barreiras técnicas e comerciais para

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!!

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! Revisão 06 de 08/02/2011 CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ A Cartilha do Sistema de Gestão da

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão;

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão; Sistema 5 S's Conceito: O Método "5S" foi a base da implantação do Sistema de Qualidade Total nas empresas. Surgiu no Japão, nas décadas de 50 e 60, após a Segunda Guerra Mundial, quando o país vivia a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC

Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC Aplicação dos 5S em uma empresa de confecção de roupas da cidade de Brusque SC Marcio Fernando, MAFFEZZOLLI, marcio9191@hotmail.com 1 André Luis Almeida, BASTOS, prof.abastos@gmail.com 2 Centro Universitário

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka

Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka PGQP - Direitos Reservados 1 A Concorrência PGQP - Direitos Reservados 2 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

Gestão e Qualidade - Aula 1

Gestão e Qualidade - Aula 1 Gestão e Qualidade - Aula 1 HISTÓRIA DA NORMATIZAÇÃO O conceito de normatização é tão antigo quanto a história do homem. Os homens das cavernas padronizaram os sons para obterem uma comunicação oral, associando

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Francislaine Pereira de Souza, Unisalesiano de Lins, e-mail: francislaine_ps@hotmail.com Janaina Fanali Daniel, Unisalesiano de Lins,

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES.

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Prof. Edson Costa Aildefonso FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Qualquer um de nós que possua alguma experiência em trabalho de grupo sabe como é difícil desenvolver maneiras criativas para

Leia mais

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes 25 de junho Mogi das Cruzes - Gestão Fabril: - Implantação de Melhorias e Sistemas de Gestão; - Estruturação e Desenvolvimento de Equipes; - Mentoring de Gestores para a Produtividade e Qualidade. - Otimização

Leia mais

Programa. 5S Housekeeping

Programa. 5S Housekeeping Programa 5S Housekeeping Verdadeiro sentido do 5S É a porta de entrada para qualquer Programa da Qualidade; É o ambiente da qualidade; A maior virtude do programa não é alcançada pela maioria das pessoas;

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5.1 INTRODUÇÃO Todas as pessoas convivem sob a sombra da palavra qualidade. Não é para menos, a qualidade tornou-se alicerce fundamental para as organizações, onde ganhou destaque

Leia mais

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento O R I G E N S 1 9 5 0 JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA O B J E T I V O S Preparar uma empresa, ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente. OBJETIVOS ESPECÍFICOS ü Melhorar

Leia mais

TPM Planejamento, organização, administração

TPM Planejamento, organização, administração TPM Planejamento, organização, administração A UU L AL A Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam desperdícios, retrabalhos, perda de tempo

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

XXII Congresso de Pós-graduação da UFLA 14 a 18 de outubro de 2013

XXII Congresso de Pós-graduação da UFLA 14 a 18 de outubro de 2013 ANÁLISE DO AMBIENTE DE TRABALHO MEDIANTE EMPREGO DA FERRAMENTA 10S THAMIRIS MARIA GARCIA SILVEIRA 1, SIMONE ROCHA RESENDE 2, HERALDO COLOM- BO JÚNIOR 3, ANDRÉ KAZUO KOBAYASHI 4, ALEXANDRE DE PAULA PERES

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Unidade I Conceito de Qualidade Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com UNIDADE I : Conceito de Qualidade 1.1 Qualidade de processo de software 1.2 Qualidade de produto de software UNIDADE

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Apresentação do programa 5S

Apresentação do programa 5S Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID 2011 Ciências da Natureza Apresentação do programa 5S Dia 04 de janeiro de 2012 Local: Escola Elisa Ferrari Valls Horário: 09h O "Programa

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Introdução à Qualidade. Aécio Costa

Introdução à Qualidade. Aécio Costa Introdução à Qualidade Aécio Costa O que é Qualidade? Percepções Necessidades Resultados O que influencia: Cultura Modelos mentais Tipo de produto ou serviço prestado Necessidades e expectativas Qualidade:

Leia mais

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é Identificação de problemas em seu sistema da gestão A melhoria contínua deve ser vista como uma atividade constante que tem como objetivos aumentar o envolvimento de todos da equipe, o aperfeiçoamento

Leia mais

INOVAR e AGIR. O 5s na Seção de Comunicações

INOVAR e AGIR. O 5s na Seção de Comunicações INOVAR e AGIR O 5s na Seção de Comunicações Karina Ferreira Rocha Castilho maio /2010 De tudo, ficaram três coisas: A certeza de que estamos sempre começando... A certeza de que precisamos continuar...

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme Gestão de Qualidade Alunos: Bruna Bastos Bruno Avelar Giacomini

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Regulamento de Recursos Humanos

Regulamento de Recursos Humanos Diretoria de Administração e Planejamento Novembro de 2001 Este regulamento estabelece as diretrizes e normas a serem adotadas pela RNP na gestão dos seus recursos humanos, aprovado na 2ª Reunião Ordinária

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

BPM - Sem Processos, Sem Nada!

BPM - Sem Processos, Sem Nada! BPM - Sem Processos, Sem Nada! Márcio Teschima email: marcio@teschima.com Cientista da Informação, Pós Graduado em Qualidade, Processos e Projetos e com MBA em Gestão Empresarial, busco a oportunidade

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE COMO DIFERENCIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS

A GESTÃO DA QUALIDADE COMO DIFERENCIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS A GESTÃO DA QUALIDADE COMO DIFERENCIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS Laís da Silva Oliveira (G-UEM) Jéssica Moraes Andreossi (G-UEM) José Braz Hercos Junior Resumo O estudo de caso mostra a implantação

Leia mais

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados.

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados. Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA Reduza suas perdas e melhore seus resultados. INSTITUCIONAL A Consustec é uma empresa com menos de um ano de mercado, com espírito jovem e um time extremamente

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Biblioteca Informa Novas Informações

Biblioteca Informa Novas Informações Biblioteca Informa Novas Informações Lista das informações incorporadas ao acervo da biblioteca adquiridas através de compra. Os vídeos estão disponíveis para consulta local. Administração Qualidade Nº

Leia mais

Tecnologia melhora o ABC

Tecnologia melhora o ABC Tecnologia melhora o ABC As inovações da informática estão contribuindo para tornar realidade a determinação de custos com base em atividade Por Mary Lee Geishecker FINANÇAS 18 Mais do que nunca, trabalhar

Leia mais