Gestão estratégica da tecnologia de informação em uma instituição de ensino como diferencial competitivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão estratégica da tecnologia de informação em uma instituição de ensino como diferencial competitivo"

Transcrição

1 Gestão estratégica da tecnologia de informação em uma instituição de ensino como diferencial competitivo Resumo Autoria: Zacarias Gonçalves de Oliveira Junior, Dagmar Silva Pinto de Castro O presente estudo busca analisar o impacto da gestão estratégica da tecnologia de informação na Universidade Metodista em São Paulo através de um estudo de caso. Realizando um resgate histórico de autores da estratégia como Mintzberg, Ahlstrand, Lampel, Wenerfelt, Porter e Ansoff dentre outros. Tem-se como pano de fundo as principais teorias de gestão estratégica, os conceitos envolvendo a tecnologia da informação enquanto recurso propiciador da geração da informação e sua gestão. Os pontos levantados no estudo de caso revelam que a gestão estratégica aliada às tecnologias de informação pode trazer às corporações um diferencial competitivo no que diz respeito à otimização dos recursos, redução de custos e agilidade no processo de tomada de decisão. Os dados apresentados referem-se ao ano de 2000 e 2001, momento em que foi implantado o sistema de otimização na gestão do espaço físico da instituição em questão. A experiência obteve sucesso e ocorreu a transferência da tecnologia desse conhecimento ao Instituto Metodista em Porto Alegre (IPA) e Universidade Metodista em Piracicaba (UNIMEP) que passaram a utilizar o mesmo sistema a partir do ano 2005 e 2006 respectivamente. 1

2 I Introdução A intensificação do uso das novas tecnologias de informação e comunicação (NTICs), está afetando as formas como os indivíduos e grupos se organizam e relacionam. Diferentes equipamentos pocket pcs, telefones celulares, televisores digitais, computadores e todos os seus periféricos... transformam a maneira como as pessoas agem e se relacionam socialmente. Novas demandas profissionais surgem e desaparecem em ciclos cada vez mais breves. Flexibilidade profissional, velocidade tecnológica, múltiplos tempos e espaços vivenciais, desterritorialização do conhecimento, reterritorialização das interações e comunicações pessoais nos novos espaços virtuais são algumas das características percebidas em nosso atual contexto. De acordo com Castells (2003, p. 39, 40) a revolução tecnológica (NTICs) iniciou o processo de remodelagem da base material da sociedade num ritmo muito acelerado. O próprio capitalismo passa por um processo de profunda reestruturação caracterizado por maior flexibilidade de gerenciamento; descentralização das empresas e sua organização em redes tanto internamente quanto em suas relações com outras empresas; (...) aumento da concorrência econômica global em um contexto de progressiva diferenciação dos cenários geográficos e culturais para a acumulação e a gestão do capital. (...) testemunhamos a integração global dos mercados financeiros; o desenvolvimento da região do pacífico asiático como o novo centro industrial global dominante; a difícil unificação econômica da Europa. (...) observamos a liberação paralela de forças produtivas consideráveis da revolução informacional e a consolidação de buracos negros de miséria humana na economia global. O filósofo Edgar Morin afirma que: É extraordinário hoje, que os computadores possam ser utilizados em atividades extremamente diversificadas. Assim, as suas computações podem dirigir atividades práticas (manipulações robóticas), atividades organizadoras (controle da gestão de uma empresa) e atividades propriamente cognitivas, como perceber (reconhecimento de formas), diagnosticar (por exemplo, uma doença) e raciocinar (através da linguagem e idéias). i Somando-se a este contexto, alguns autores da administração (Peter Drucker, Peter Senge, Karl Sveiby) indicam que o principal ativo de uma organização é o conhecimento, que diferentemente de um estoque financeiro ou recurso natural, não é tão facilmente compreendido, classificado e medido. Uma de suas características fundamentais, porém, é o fato desse recurso (conhecimento) ser altamente reutilizável, ou seja, quanto mais utilizado e difundido, maior seu valor. Com isso, as pessoas passaram a configurar-se como uma força direta de produção. Esse contexto, denominado por alguns autores como Sociedade Pós-Industrial, Sociedade baseada em Conhecimento e Economia baseada no Conhecimento, tem como aspecto adicional a difusão das novas tecnologias com grande rapidez, e de forma globalizada, no período compreendido entre meados da década de 70 e a década de 90 do século XX, através da aplicação imediata no próprio desenvolvimento da tecnologia gerada. Sveiby em seu artigo Welcome to the Knowledge Organisation ii destaca que estamos rumo a um novo contexto, ainda paradoxal, que parece ser intangível e caótico, individual e global, pequeno e grande, mecânico e humano, tudo ao mesmo tempo. Independente de reconhecer ao certo se a sociedade está caminhando para mudar seu paradigma, algumas evidências são percebidas, entre elas está a importância da 2

3 informação e do conhecimento, como fatores a serem gerenciados para se alcançar o diferencial competitivo. Na concepção de Terra (2000), os desafios e a complexidade dessa nova era começam pelas próprias tentativas de quantificar ou medir o recurso conhecimento. Ao contrário dos estoques financeiros, de recursos naturais ou mesmo de mão-de-obra não qualificada, o valor econômico do recurso conhecimento não é tão facilmente compreendido, classificado e medido. Uma de suas características mais fundamentais, porém, é o fato desse recurso ser altamente reutilizável, ou seja, quanto mais utilizado e difundido, maior seu valor. Com isso, as pessoas passaram a configurar-se como uma força direta de produção e não apenas um elemento de decisão no sistema produtivo, onde as suas idéias, a sua expertise, criatividade, conhecimento e habilidade para resolver problemas passaram a ser expressos na forma de bens, serviços, produção material e intelectual. E, mais ainda, os computadores, sistemas de comunicação, decodificação e programação genética foram transformados em verdadeiros amplificadores e extensões da mente humana. Para tanto, nosso propósito será o de apresentar um estudo de caso numa instituição de ensino superior confessional (METODISTA) que experimentou ao longo destes últimos 5 anos o uso intensivo das novas tecnologias de informação e comunicação como instrumento estratégico em sua governança corporativa. A análise do estudo de caso apresenta uma situação onde houve a necessidade de fazer uso estratégico da informação na gestão do espaço físico que, se não corresponde ao principal desafio na gestão educacional, tem grande relevância do ponto de vista de alocação dos ambientes utilizados para o desenvolvimento do ensino-aprendizagem, fato este que culminou com uma redução significativa do seu custo operacional e ampliou sua vantagem competitiva a partir da otimização dos seus processos. Neste aspecto, refletiremos sobre o papel da gestão estratégica e o uso da tecnologia de informação como atores que possibilitarão o estabelecimento de uma fundamentação para o entendimento do estudo de caso analisado. I.1 Gestão estratégica Para a compreensão do processo de estratégia, Mintzberg, Ahlstrand e Lampel (2000) afirmam ter revisado nos últimos anos perto de publicações e que crescem a cada dia, o que comprova a extensão dos estudos e pesquisas sobre o tema. Mesmo com a vasta literatura o tema não se esgota no campo do aprendizado organizacional. A palavra chave do aprendizado organizacional pode ser "adaptação", pois, em princípio, é possível discutir tudo o que foi escrito a respeito de administração. Mintzberg et al. (2000) afirmam que aquilo que os biólogos escreveram a respeito da adaptação das espécies (por exemplo, "equilíbrio interrompido") pode ter relevância para a compreensão da estratégia como posição de mercado; aquilo que os historiadores concluem a respeito de períodos no desenvolvimento das sociedades (tais como "revolução") pode ajudar a explicar diferentes estágios nos desenvolvimentos organizacionais. A mecânica quântica, objeto de estudo dos físicos e a teoria do caos de matemáticos podem dar uma idéia de como as organizações mudam. Outras áreas como: psicologia, sociologia e antropologia têm dado contribuições relevantes na compreensão do fenômeno da estratégia organizacional e teorias administrativas. A produção literária sobre o tema cresce numa velocidade similar a da velocidade de mudança das organizações nos últimos tempos, em decorrência de novas tecnologias, sobretudo da Tecnologia da Informação - TI. O cuidado que deve ser levado em consideração é que na literatura de Administração atual, há uma supervalorização de alguns conceitos, no sentido de o atual ser o melhor ou como registram Mintzberg et al. (2000) "...o mais quente". 3

4 A gestão estratégica (do conhecimento) se refere ao empenho da organização em formular as estratégias que irão guiar o caminho da organização, considerando para isso não somente o processo formal de elaboração das estratégias, mas um processo que leva em consideração a identificação dos conhecimentos essenciais para a empresa, o processo de aprendizagem individual e organizacional, bem como o aproveitamento das competências individuais e organizacionais, visando a criação de vantagem competitiva. Para Oliveira Junior (2001), "o desafio em descobrir as formas pelas quais as empresas desenvolvem e mantêm sua competitividade em suas respectivas indústrias é o principal ponto de pesquisa na teoria em administração estratégica. A abordagem da análise da indústria tem sido a mais freqüentemente utilizada para a definição dos aspectos a serem considerados no desenvolvimento de uma estratégia competitiva. Essa abordagem constitui uma contribuição valiosa e extremamente útil para o campo da administração estratégica." No artigo "A Vantagem competitiva das nações", Porter (1993) afirma que "em um mundo de crescente competição global, as nações tornam-se mais importantes. À medida que a base da competição se voltou mais e mais para a criação e assimilação do conhecimento, o papel da nação cresceu. A vantagem competitiva é criada e sustentada por meio de um processo altamente localizado. Diferenças de valores, culturas, estruturas econômicas, instituições e histórias entre as nações contribuem para o sucesso competitivo. Há diferenças marcantes nos padrões de competitividade em cada país; nenhuma ação conseguirá ser competitiva em todos ou mesmo na maioria dos setores industriais. Finalmente, as nações têm sucesso em certos setores industriais porque seu ambiente interno é o mais avançado, dinâmico e desafiador." Nos últimos anos, uma abordagem para a estratégia que combina ambas à análise interna e externa da organização tem emergido e sua premissa básica é que os recursos internos à organização comandam o desempenho da empresa. Essa abordagem é conhecida como "visão da empresa baseada em recursos" (WENERFELT, 1984; PRAHALAD E HAMEL, 1990, dentre outros). Essa abordagem propõe que os recursos internos à empresa sejam os principais determinantes de sua competitividade, em oposição à abordagem da análise da indústria, na qual o principal determinante da competitividade da empresa é sua posição na indústria. (PORTER, 1993) Cavalcanti (2003) acrescenta que é importante atentar para a necessidade de um recurso que seja difícil de imitar, transferir, comprar, vender ou substituir e possua uma integração sistêmica com outros recursos da empresa - é portanto a principal contribuição da visão da empresa baseada em recursos para o desenvolvimento e sustentação de uma vantagem competitiva. Os recursos podem ser tangíveis ou intangíveis e algumas vezes, é difícil a identificação de qual deles estamos nos referindo, mas recursos ou ativos invisíveis como o conhecimento organizacional, segundo Schoemaker não podem ser negociados ou facilmente replicados por competidores, na medida em que estão fortemente enraizados na história e na cultura da organização. Tais ativos são acumulados lentamente ao longo do tempo. Quanto mais específico à organização for o ativo, mais durável ele será e mais difícil será para os competidores imitá-lo. Quanto mais duráveis forem os ativos, menor será o investimento requerido para contrabalançar sua depreciação, o que pode conferir ao conhecimento organizacional o status de ativo estratégico. Em relação à perspectiva da estratégia empresarial, Fleury e Oliveira Junior (2001), afirmam que "os nexos entre competitividade e gestão do conhecimento têm sido objeto de atenção crescente. A perspectiva hegemônica em administração estratégica tem-se debruçado sobre a análise do ambiente em que a empresa está inserida e em como a empresa deve-se posicionar em relação às forças desse ambiente competitivo, o que se pode chamar de abordagem de fora para dentro". 4

5 A abordagem baseada em recursos e, mais especificamente, o desenvolvimento de recursos intangíveis partem dos trabalhos de Hamel e Prahalad. Para Fleury e Oliveira Junior (2001), na "visão da empresa baseada em recursos" esses recursos podem ser pensados como um ponto forte ou um ponto fraco da empresa, ou como aqueles ativos tangíveis ou intangíveis que estão associados à organização. Alguns exemplos de recursos, sob essa perspectiva, são: nome da marca, conhecimento tecnológico desenvolvido na empresa, emprego de pessoal qualificado, rede de negócios, infra-estrutura, procedimentos eficientes e capital. A visão da empresa baseada em recursos a percebe como um conjunto de recursos capazes de maximizar valor por meio do desenvolvimento ótimo dos mesmos e capacidades existentes, debruçando-se ao mesmo tempo sobre a tarefa de desenvolver os recursos que vão constituir a base para o futuro da empresa. De acordo com Stewart (2002), "qualquer estratégia precisa de uma proposição de valor único (algo que os clientes queiram...), uma fonte de controle (que eu domino e é inacessível aos concorrentes...), e um modelo de lucro (um bom indicador, como parte integrante)." Além disso, o autor sugere que "as estratégias baseadas no conhecimento precisam de algo mais. Elas devem ser construídas sobre os pilares da economia do conhecimento: concentração de conhecimento cada vez maior nos produtos, serviços e funções; primado dos ativos intelectuais sobre os ativos físicos; e ênfase na gestão do conhecimento." No complexo ambiente político, institucional e econômico dos dias de hoje, as empresas que procuraram competitividade adotam uma postura de aprendizagem intensiva e permanente, enquanto buscam a identificação de estratégias que maximizem a probabilidade de sobreviver e prosperar (FLEURY, 2001). Em 1965, Igor Ansoff propôs uma matriz de quatro estratégias que se tornaram bastante conhecidas - penetração de mercado, desenvolvimento de produto, desenvolvimento de mercado e diversificação. Em 1980, Michael Porter introduziu o que se tornou a lista mais conhecida de estratégias genéricas: liderança em custos, diferenciação e enfoque. Porém, segundo Mintzberg e Quinn (2001), a lista de Porter também era incompleta, pois "enquanto Ansoff enfocava as extensões de estratégia de negócios, Porter dava destaque à identificação de estratégia de negócios em primeiro lugar." Mintzberg e Quinn (2001) propõem então que "as famílias de estratégias" sejam divididas em cinco grupos gerais, onde esses grupos são apresentados como uma hierarquia lógica, embora deva ser enfatizado que as estratégias não se desenvolvem necessariamente desta forma, sendo eles: 1. Localizando a essência do negócio; 2. Distinguindo a essência do negócio; 3. Desenvolvendo a essência do negócio; 4. Estendendo a essência do negócio e 5. Reconfigurando a essência do negócio. Dando seqüência a este trabalho, Mintzberg (2001) aperfeiçoou o processo de estratégia, que foi aproveitado e desenvolvido em uma tese de doutorado (Fortes, 1995) considerando quatro mapas estratégicos principais. Os mapas trazem diversas ações estratégicas que podem estar sendo ou foram utilizadas pelas empresas ordenadas do que seria mais fraco para o mais forte, ou seja, apresentam as estratégias de forma gradativa - da menos radical para a mais radical dentro de cada posicionamento, quais sejam: sobrevivência (possui pontos fracos e ameaças ambientais), manutenção (possui pontos fortes mas ameaçada), crescimento (possui pontos fracos mas com ambiente de oportunidades) e desenvolvimento (possui pontos fortes com ambiente de oportunidades). Uma empresa pode planejar ações de sobrevivência para o presente momento e pensar em manutenção logo em seguida, e no futuro a médio e longo prazo, em crescimento. O difícil, porque não dizer, muito difícil, é estar em uma postura de sobrevivência e sair para postura de desenvolvimento. 5

6 Ressalte-se que as organizações podem ter suas unidades e áreas de negócios em postura estratégica diferente. I.2 Tecnologias de informação A gestão estratégica da organização se tornará concreta pela empresa a partir do uso de ambientes, recursos e tecnologias específicas que possibilitem a sua execução. Neste sentido, o uso da Tecnologia de Informação (TI) merece uma abordagem no que diz respeito ao seu papel enquanto recurso propiciador tanto da geração da informação quanto da sua gestão, possibilitando às corporações a tomada de decisão. A TI pode ser conceituada como recursos tecnológicos e computacionais para guarda, geração e uso da informação e está fundamentada nos seguintes componentes: hardware e seus dispositivos e periféricos; softwares e seus recursos; sistemas de telecomunicações; gestão de dados e informações iii. É muito útil para apoiar o processo de gestão estratégica da informação e do conhecimento nas organizações, dentre elas: groupware, gestão eletrônica de documentos (GED), Internet, Intranet, Extranet e sistemas de informação. Para Rezende e Pereira (2002), as principais TI aplicadas à geração de informações oportunas dos sistemas de informação são: Executive Information System (EIS); Enterprise Resource Planning (ERP); Sistema de Apoio a Decisões (SAD); Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados (SGBD); Data Warehouse (DW); Inteligência Artificial (IA); Sistemas Especialistas (SE); Data Mining (DM); Database Marketing (DBM); recursos de Internet; automação de escritórios; On-Line Analytic Processing (OLAP) e On-Line Transaction Processing (OLTP). Além das TI acima mencionadas, existem outras que são mais direcionadas à geração e gestão de sistemas de informação e conhecimento, destacando-se: ferramentas baseadas na Internet e Portais; mapas de conhecimento; gerenciamento eletrônico de documentos (GED); groupware; workflow; automação de processos; bases inteligentes de conhecimento; sistemas especialistas; softwares de Business Inteligence; sistemas de apoio à inovação e produtos (CARVALHO apud REZENDE; PEREIRA, 2002). Algumas ferramentas para a análise de informações estratégicas nas empresas são utilizadas no mercado atualmente, tais como: Workflow; Data Mining; Data Warehouse; Data Mart, também conhecido como Warehouse Departamental, é uma abordagem descentralizada do conceito de Data Warehouse; CRM (Costumer Relationship Management); Internet - TCP/IP (Transfer Control Protocol/Internet Protocol); Intranet; Extranet; OLAP (On-Line Analitical Processing); softwares especialistas utilizados para pesquisa operacional e otimização de recursos (infraestrutura). II ESTUDO DE CASO A instituição de ensino analisada (Universidade Metodista de São Paulo) possui 15 Faculdades, 33 cursos, 800 docentes, 1000 funcionários técnico-administrativos e mais de alunos. Possui uma história de mais de 60 anos, com a instalação da Faculdade de Teologia da Igreja Metodista em São Bernardo do Campo - em 1938, onde tem como mantenedor o Instituto Metodista de Ensino Superior (IMS). A Metodista (como é conhecida) está entre as mais conceituadas instituições de Ensino Superior do país, ocupando uma posição privilegiada no cenário educacional brasileiro. Como uma escola confessional e de caráter comunitário, ou seja, tem as ações voltadas à comunidade, a Metodista tem como principal objetivo a formação cidadã (consciência social que faça diferença na sociedade), com uma educação com visão de mundo mais solidária, desde a educação infantil até a Universidade. 6

7 Dentro desta perspectiva cidadã, em 2004 foram oferecidos mais de 125 mil atendimentos clínicos, 97 projetos de pesquisa em andamento, 9838 alunos assistidos com bolsas de estudo e mais de 900 jovens envolvidos com a Escola de Esporte, deixando-os longe das ruas. II. 1 Estrutura organizacional Dentro de sua estrutura organizacional, o IMS (mantenedor da Universidade Metodista) abrange a Diretoria de Tecnologia e Informação (DTI), responsável por toda a tecnologia da informação das instituições mantidas (Universidade: campus Rudge Ramos, Vergueiro, Planalto, Guaratinguetá, Itapeva e Colégios: São Bernardo, Bertioga e Itapeva), conforme organograma simplicado (figura 1) a seguir. IMS Organograma Simplificado Direção Geral Comitê Gestor Tecnologia Diretoria de Tecnologia e Informação GTI GTA GTR Universidade Metodista de São Paulo Colégios Unidade I, II e III Mantidas Daví Nelson Betts Figura 1 A DTI tem como missão ajudar a definir, desenvolver, implantar, promover e manter uma infra-estrutura de tecnologia e informação de alta qualidade que contribua para que a instituição seja reconhecida por serviços de excelência e relevância social nas áreas de ensino, pesquisa e extensão. Em sua visão busca ser promotora e provedora de infra-estrutura de informação e tecnologia educacional inovadora e de alta qualidade. A DTI é composta por três gerências: GTI (Gerência de Tecnologia de Informação que responde por toda a questão do desenvolvimento e integração de sistemas, projetos tecnológicos e sistemas especialistas); GTR (Gerência de Telecomunicações e Redes que cuida da segurança digital, redes, internet, servidores e telefonia) e GTA (Gerência de Tecnologia Aplicada que responde pelo suporte técnico, manutenção hardware e software, laboratórios de informática, salas multimídia, estúdios 7

8 de rádio e televisão). Além disso, a DTI se relaciona com o Comitê Gestor de Tecnologia (CGT), representado pelas diretorias da mantenedora e por diretores das Faculdades, que tem como responsabilidade discutir e propor as principais diretrizes tecnológicas para a instituição. II.2 Desafios Até o ano 2000, a universidade recebia os horários disponíveis dos docentes de cada Faculdade, de maneira que cada turma possuía uma sala específica. Com o aumento da quantidade de alunos que passou de para nesta época, a gestão do espaço físico (laboratórios de informática e as salas de aulas) tornou-se a grande questão estratégica pois, caso a instituição não encontrasse uma solução para a otimização do seu espaço, haveria a necessidade de investimento significativo para promover os espaços suficientes para os alunos, com um pequeno detalhe: toda a possível nova construção deveria ser feita em 45 dias, ou seja, existia a inviabilidade de tempo. Somando-se a esta questão, outro fator que possibilitou a busca por alternativas inovadoras foram os choques de horários disponíveis dos docentes por laboratórios específicos. Nesta época cada Faculdade administrava seu espaço físico. Ou seja, no final do 2º semestre de 2000 a universidade enfrentou o seguinte cenário: havia a necessidade de criação de seis novas salas de aula de 80 alunos, cinco laboratórios de informática de 40 PCs e mais de 2700 disciplinas oferecidas por semana para serem atendidas. II.3 Gestão estratégica da Tecnologia de Informação no contexto educacional No 2º semestre de 2000 foi designado um grupo de trabalho pela reitoria com o objetivo de trazer estudos que sinalizassem alternativas na gestão do espaço físico. A proposta inicial foi de um software de pesquisa operacional, que possibilitasse encontrar a solução mais adequada dentro das variáveis construídas por cada Faculdade (docente, disciplina e espaço necessário). Para tanto, cinco faculdades (Faculdade de Comunicação Multimídia, Faculdade de Propaganda, Publicidade e Turismo, Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas, Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas e Faculdade de Administração) foram envolvidas no programa piloto. A adoção ou uso de um software exigiu mudanças organizacionais, ou seja, nova cultura envolvendo todos os seguimentos da instituição de ensino (coordenação de cursos, direção, docentes, discentes, funcionários) para acolher a novidade estratégica. Neste sentido, algumas políticas foram implementadas para que o uso da tecnologia pudesse ter efeito: 1) Horário coletivo: toda a estrutura da instituição passa a ser compartilhada, ou seja, não mais existiria salas específicas (salas multimídias, laboratórios e salas comuns) para Faculdades, mas um uso itinerante e otimizado dos espaços; 2) Administração dos espaços: a mantenedora passou a realizar a gestão de todos os espaços físicos, isto é, não haveria mais alocação de sala de aula por Faculdade; 3) Como desdobramento do item anterior, foi criada uma área na instituição denominada de Assessoria de Espaço Físico, que responderia pela gestão dos espaços (salas multimídia, salas comuns, laboratórios de informática). Estas políticas possibilitaram que a instituição trabalhasse a gestão de mudança com uma visão de otimização de recursos, onde as faculdades passaram a entender os espaços e recursos tecnológicos como pertencentes a todos e não mais somente a um 8

9 único curso. Além disso, a instituição passou a ter um controle centralizado da administração dos espaços, facilitando assim a tomada de decisão. O fluxo de informação para a gestão do espaço ilustra o processo adotado na preparação da melhor solução em termos de espaço físico, conforme figura 2: FACULDADE/ CURSO necessidade ASSESSORIA ESPAÇO FÍSICO Entrada das informações: docente/ disciplina/ local SISTEMA ADESOFT Envio da solução SISTEMA ACADÊMICO (DTI) horário/sala dos docentes Figura 2 Secretaria acadêmica Preparação dos laboratórios Outras áreas No processo ilustrado acima, toda solicitação e/ou necessidade referente ao espaço físico é planejado para o semestre (20 semanas) pelas Faculdades/Cursos e enviado à Assessoria de Espaço Físico iv. Esta área administra as informações (disciplina, local, docente) no sistema, que por sua vez interage com o ambiente acadêmico de maneira que as diversas áreas institucionais também recebam a informação (melhor solução apontada pelo sistema). Como desdobramento, a Faculdade/Curso requisitante da solução recebe a informação (retorno) das salas e horários disponíveis e, os demais setores administrativos ficam com a responsabilidade do preparo e configuração dos ambientes (por exemplo: instalação de softwares específicos nos laboratórios, informação para o aluno no Portal, divulgação via correio eletrônico), bem como o atendimento e orientação ao aluno. A seguir, a figura 3 apresenta a lógica utilizada para a infra-estrutura dos servidores e base de dados do otimizador. ADE Optimizer ADE Java Client JDBC ADE ServerJava R M I ORACLE Database ADE API Java Beans Server JavaBeans XML ADE Servlet and JSP Server HTTP ADE Web Client Figura 3 Daví Nelson Betts 9

10 II.4 Sistema O software adotado para a realização das soluções da gestão do espaço físico foi o programa francês ADESOFT (ADE ENTERPRISE), que tem como principal característica a otimização de recursos, contemplando a análise, construção, simulação, colaboração e a gestão do ambiente v. No estudo analisado, foram trabalhadas quatro variáveis (turmas, recursos, docentes e espaço físico) visando o atendimento de uma atividade específica. Conforme entrevista dada pelo prof. Dr. Daví Nelson Betts (Diretor de Tecnologia e Informação), o otimizador (ADESOFT) recebeu as informações dos sistemas legados e integrados (docentes, turmas, espaço físico e recursos) e através de cálculos algorítmicos encontrou a melhor solução, gerando em sua saída informações (estratégicas) para as diversas áreas da instituição, desde a publicação da matriz horária no Portal do aluno até a folha de pagamento do docente conforme figura 4, a seguir. Sistemas Legados Publicação de informações Cadastros Docentes Turmas Espaço físico Recursos OTIMIZADOR Saídas Alocação otimizada de espaço físico e laboratórios Geração de matriz horária Sistemas Integrados Centros de custos Folha de pagamento Figura 4 Daví Nelson Betts II.V Otimização De acordo com Ministério da Ciência e Tecnologia vi, quando tratamos da otimização, estamos falando do processo que visa o melhor curso de ação entre um conjunto de alternativas. Como desdobramento, temos o impacto da otimização na produtividade que pode aplicar-se em dois níveis: a) em uma visão restrita, onde corresponde a maximização dos resultados através da otimização dos recursos utilizados. Tem relação direta entre o output (saída) e o input (entrada). Neste caso a produtividade pode ser medida de forma monofatorial (parcial) através de fatores de produção como matéria-prima, combustível, equipamentos, trabalho, terra, capital, etc. Entretanto, em geral, quando falamos em produtividade, geralmente estamos nos referindo à produtividade do trabalho; 10

11 b) Em uma visão ampla, a produtividade continua sendo a relação entre o output/input, porém considerando vários outros fatores econômicos, sociais e de meio ambiente. A definição ampla de produtividade para o BLS Bureau Labor Statistics, dos Estados Unidos pode ser traduzida da seguinte forma: "Produtividade é um dos maiores determinantes do padrão de vida, desde que os aumentos de produtividade gerem aumento real de renda e estabilidade de preço. A medição da produtividade é um importante elemento na avaliação da eficiência, tanto no nível interno como em comparações internacionais". Segundo Goldratt (1997) a produtividade é o ato de fazer uma empresa ficar mais próxima de sua meta. Todas as ações que fazem com que a empresa fique mais próxima de sua meta são produtivas. II.6 Solução encontrada Com a nova política implementada (horário coletivo e administração centralizada dos recursos), e a adoção do software para a gestão do espaço físico, nenhuma sala de aula foi construída no ano de 2001, somente dois laboratórios de informática foram montados em espaço resultante da otimização, com uma taxa de ocupação de 99,2% do espaço físico para os laboratórios no período noturno, fato que gerou uma economia de aproximadamente R$ ,00 em investimentos. O microcomputador utilizado foi um Pentium III 800Mhz com 256MB de memória RAM, que após todos os dados estarem digitados no sistema e após negociação junto às coordenações de curso para horários que docentes não haviam sinalizado, realizou o cálculo da solução em torno de um minuto e meio. Hoje a universidade continua utilizando o software como ferramenta estratégica na sua gestão de espaço físico e, segundo dados obtidos junto à Assessoria de Espaço Físico pelo prof. Sérgio Batista, temos para a graduação nos campi Rudge Ramos, Vergueiro e Planalto a seguinte taxa de ocupação dos espaços: Taxa de ocupação (2005): Campus Rudge Ramos Sala Turnos multimídia Laboratório Sala de aula (*) informática 40 al. 60 al. 80 al. 90 al. 100 al. Manhã 50% 60% 10% 90% 70% 40% 20% Tarde 20% 30% 0% 30% 50% 10% 5% Noite 100% 90% 80% 90% 100% 95% 100% (*) Sala multimídia é uma sala de aula com recursos tecnológicos contendo projetor multimídia, tela de projeção, sistema de sonorização e computador. Taxa de ocupação (2005): Campus Vergueiro Turnos Sala multimídia Laboratório Sala de aula informática 80 al. 70 al. 50 al. 40 al. Manhã 100% 10% 100% 100% 50% 0% Tarde 100% 0% 50% 100% 0% 0% Noite 100% 50% 100% 100% 70% 30% 11

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Aline França a de Abreu, Ph.D

Aline França a de Abreu, Ph.D Aline França a de Abreu, Ph.D igti.eps.ufsc.br 07 / 10/ 04 Núcleo de estudos Criado em 1997 - UFSC/EPS Equipe multidisciplinar, com aproximadamente 20 integrantes OBJETIVO Gerar uma competência e uma base

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

RESUMO AULAS DE TSSI I. Prof.MsC. Ly Freitas Filho

RESUMO AULAS DE TSSI I. Prof.MsC. Ly Freitas Filho 1 RESUMO AULAS DE TSSI I Prof.MsC. Ly Freitas Filho Março, 2006 1 Sistemas de Informação Desde 1950, a Teoria Geral de Sistemas TGS começou a ser estruturada como teoria pelo biólogo Ludwig von Bertalanffy,

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L : Diagnóstico A realidade é como ela é e não como gostaríamos que ela fosse. (Maquiavel) INTRODUÇÃO O Diagnóstico Estratégico de uma organização, também chamado por muitos autores de Análise do Ambiente,

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD Maringá-PR Maio 2014 Prof. Evandro Paulo Bolsoni Centro Universitário de Maringá NEAD-UniCesumar evandro.bolsoni@unicesumar.edu.br

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Sistemas de Informação O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Objetivos Impactos na gestão das empresas: Macro mudanças no ambiente Novas tecnologias de comunicação e informática Macro

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Sumário. Apresentação, xix Pre/dcio à 7 a edição, xxi Prefácio à 1 a edição, xxiii. Parte I - EMPRESA E SISTEMAS, l

Sumário. Apresentação, xix Pre/dcio à 7 a edição, xxi Prefácio à 1 a edição, xxiii. Parte I - EMPRESA E SISTEMAS, l Sumário Apresentação, xix Pre/dcio à 7 a edição, xxi Prefácio à 1 a edição, xxiii Parte I - EMPRESA E SISTEMAS, l l SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ PLANO DE ENSINO - 2º SEMESTRE 2011 Disciplina ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS Professor MSC. ADOLFO FRANCESCO DE OLIVEIRA COLARES Carga Horária Semanal Curso ADMINISTRAÇÃO Carga Horária

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

1.1 Missão de uma empresa

1.1 Missão de uma empresa CI069 - Administração de Empresas de Informática - Turma 2010-1 Nome: Carlos Augusto Ligmanowski Junior GRR 20081238 Título: 3 - Estrutura, missão, valores e visão organizacionais Data: 01/06/2010 e como

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

CASO HONDA. Em 1975, a situação:

CASO HONDA. Em 1975, a situação: CASO HONDA Em 1975, a situação: O governo britânico contratou o Boston Consulting Group para ajudar a explicar por que as empresas japonesas, em especial a Honda, superavam de forma tão acentuada as britânicas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Organização, Sistemas e Métodos. Estruturas Organizacionais Modernas

Organização, Sistemas e Métodos. Estruturas Organizacionais Modernas Organização, Sistemas e Métodos Estruturas Organizacionais Modernas A Qualidade na Estrutura Organizacional Acredita-se que uma empresa terá uma estrutura organizacional de qualidade, se os seus processos

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 13: Tecnologia da Informação Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Uma informação é um arranjo de dados (nomes, palavras, números, sons, imagens) capazes de dar forma ou sentido a algo do interesse

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

BPM - Sem Processos, Sem Nada!

BPM - Sem Processos, Sem Nada! BPM - Sem Processos, Sem Nada! Márcio Teschima email: marcio@teschima.com Cientista da Informação, Pós Graduado em Qualidade, Processos e Projetos e com MBA em Gestão Empresarial, busco a oportunidade

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento, em

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

[Ano] Estratégia: Um Conceito em Construção. Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br

[Ano] Estratégia: Um Conceito em Construção. Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br [Ano] Estratégia: Um Conceito em Construção Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Estratégia: Um Conceito em Construção MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof.Ms. Gabriel

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence e-book Senior Business Intelligence 1 Índice 03 05 08 14 17 20 22 Introdução Agilize a tomada de decisão e saia à frente da concorrência Capítulo 1 O que é Business Intelligence? Capítulo 2 Quatro grandes

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Administração de Sistemas de Informação Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6 1 - Ementa (sumário, resumo) Sistemas de

Leia mais

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas ESTRATEGICA 1985 a hoje Aumentar o envolvimento dos colaboradores e integrar sistemas de suporte ADMINISTRATIVA 1965 a 1985 Foco: indivíduos

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais