IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA ORÇAMENTO BASE ZERO EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA E SOFTWARE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA ORÇAMENTO BASE ZERO EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA E SOFTWARE"

Transcrição

1 IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA ORÇAMENTO BASE ZERO EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA E SOFTWARE Cesar Augusto Mazzillo Junior (UFRGS) Cleiton Cristiano Spaniol (UFRGS) Francisco Jose Kliemann Neto (UFRGS) O presente artigo tem como objetivo apresentar o planejamento da implementação do Oçamento Base Zero (OBZ) em uma empresa de serviços de engenharia, com o intuito de sistematizar a gestão para controle e redução dos gastos da empresa. Iniciialmente são abordados os conceitos e aplicações do OBZ, de forma a guiar a estruturação do programa de implementação. Em um segundo momento, será apresentada a metodologia utilizada para formular o programa em específico da empresa foco. Por último, será apresentado o programa estruturado de implementação, bem como alguns resultados já conquistados no curto prazo. Pode-se concluir deste estudo que a ferramenta OBZ ultrapassa a utilidade de reduzir custos e gerar economias, servindo também como uma ferramenta gerencial por meio da qual se obtém o conhecimento sobre a situação da organização e de suas atividades, proporcionando uma base para melhorias e controle financeiro. Palavras-chaves: OBZ, implementação, gestão empresarial, controle, redução de gastos.

2 1. Introdução O cenário atual de competitividade e busca pela eficiência em processos não admite a inexistência de controles gerenciais financeiros nas empresas de médio porte. A simples administração por meio de fluxo de caixa e centralização da responsabilidade de controle e aprovação dos gastos em um único responsável, ou em um pequeno grupo, gera um descomprometimento dos demais colaboradores com os gastos da empresa (COSTA, 2008). A simples análise de resultado pelo indicador custos x receita não atende as crescentes exigências do mercado atual, tornando de vital importância a estruturação de uma administração financeira nas organizações. Percebe-se que, para empresas de menor porte, a centralização da gerência de custos em uma única pessoa torna-se possível devido à baixa complexidade e volume de recursos movimentados. Porém, com o crescimento da empresa, e o conseqüente aumento do volume de recursos, bem como da complexidade das inter-relações envolvendo a gerência de custos, impõe-se a utilização de ferramentas e sistemáticas estruturadas que orientem o planejamento e controle desse crescimento, tornando-o mais eficaz. Isso permite que os dados sejam usados para melhorias internas, constituindo uma base para tomada de decisão ou para formulação do orçamento organizacional (GOMES, 2000). Estas duas observações, centralização da responsabilidade e crescimento não acompanhado da evolução gerencial, podem ser identificadas na empresa escolhida para realização da análise apresentada neste trabalho. A Chemtech Serviços de Engenharia e Software é uma empresa com sede no Rio de Janeiro, fundada em 1989, e que possui escritórios em 7 estados brasileiros. Como foco para a análise apresentada neste artigo, foi escolhido o escritório de Porto Alegre. O crescimento da empresa pode ser comprovado pelo aumento de 10 para 50 funcionários no período entre 2009 e O crescimento do número de colaboradores foi resultado do aumento do número de projetos e do volume de recursos movimentados. A motivação do trabalho surgiu a partir da identificação de gastos excessivos e falta de controle por parte do gestor do escritório quanto aos despendimentos financeiros da empresa. Identificou-se, por exemplo, que, para os gastos com transporte dos funcionários da sede da empresa até o Pólo Petroquímico de Triunfo, valores acima dos necessários para a realização da atividade. Identificou-se também que, apesar de em todos os meses o gasto ter superado o orçamento planejado, nenhuma ferramenta ou prática foi utilizada para realizar o controle ou tomar uma ação sobre a anomalia. Demais itens de gasto apresentaram o mesmo problema, quando realizada uma análise superficial sobre a situação. São eles: material de escritório, infraestrutura de TI, condomínio e gastos com pessoal. Desta forma, avaliou-se que, dados os problemas identificados na empresa, uma solução poderia ser a implementação do Método do Orçamento Base Zero, com o objetivo de criar uma sistemática para controle e redução de despesas. Espera-se, também, a divisão das responsabilidades sobre aprovação dos gastos, criando desta forma maior engajamento dos colaboradores para realizar os serviços visando a eliminação das perdas. Para apresentação do descrito acima, o trabalho foi estruturado da seguinte forma: a seção 1 apresenta a introdução, cujo objetivo é fornecer uma visão geral do trabalho; e na seção 2 encontra-se o referencial teórico, onde é feita uma revisão sobre o Orçamento Base Zero, na 2

3 qual foca-se principalmente o método de implementação. A seção 3 traz o método empregado no desenvolvimento do trabalho. Posteriormente, são apresentados, na seção 4, os resultados decorrentes da aplicação do método e, por fim, apresentadas as conclusões finais na seção Referencial teórico Na sequência, será apresentada a conceituação teórica que orientou o desenvolvimento do trabalho apresentado neste artigo, estruturado tal como segue: i) O Orçamento Base Zero (histórico e definições); ii) Método de Implantação; e iii) Benefícios O orçamento base zero O crescimento das empresas, na maioria das vezes não sustentado por uma base de controle e otimização dos gastos, faz com que os gestores percam o controle sobre as reais necessidades de recursos de operação da organização. Isso é decorrência do método de orçamentação clássico, ainda muito utilizado nas empresas, na qual aumentos de gastos são orçados para os próximos anos partindo de métricas empíricas dos gestores das áreas e com base em dados passados do histórico da empresa (COSTA, 2008). Devido à preocupação com a fidedignidade das informações e com a eficiência do planejamento das operações, gestores buscam incorporar novos métodos e ferramentas em suas empresas. Isso faz com que se consiga reduzir a fragilidade dos modelos de orçamentos clássicos aplicados, os quais, segundo Lunckes (2003), tendem a perpetuar as ineficiências do passado visto que são elaborados com base nas informações dos anos anteriores. Dito isso, um dos métodos de controle gerencial de custos que visam acabar com esta inconsistência é conhecido como Orçamento Base Zero. Grippa apud Padoveze (2000, p. 384) afirma que a filosofia do orçamento base zero está em romper com o passado, ou seja, nunca deixar o orçamento partir da observação dos dados do passado, pois estes podem conter ineficiências que poderiam ser perpetuadas. O Orçamento Base Zero foi usado pela primeira vez no final da década de 60 pela empresa americana Texas Instruments para orçamentação do setor de Assessoria e Pesquisa. Após esta experiência, o método foi expandido para toda a empresa no preparo do orçamento de Posteriormente, em vista do êxito obtido nesta experiência, o ex-presidente Jimmy Carter, então governador do Estado da Georgia, contratou executivos que haviam desenvolvido esta técnica na Texas Instruments para implantá-la em seu estado, o que foi feito com grande sucesso. O OBZ consiste em uma técnica operacional de planejamento que exige dos gestores grandes responsabilidades e cuidados na elaboração do orçamento organizacional, pois deverá ser construído com base em possibilidades de melhoria, sem levar diretamente em consideração as receitas e despesas realizadas no passado. Além disso, devido a suas características de operacionalização, abrange todos os departamentos e engaja um grande número de colaboradores no processo de orçamentação da organização. Segundo Grippa apud Silva (1991), o Orçamento Base Zero tem os seguintes objetivos: a) Desenvolver um planejamento operacional e Orçamentário para o próximo ano; b) Conduzir a uma redução de custos; 3

4 c) Diagnosticar o que realmente está acontecendo na organização para realizar melhorias no processo de planejamento estratégico; d) Alocar recursos com uma base mais real; e) Validar o planejamento em longo prazo; f) Auditar a efetividade das atividades/programas. O OBZ é uma ferramenta gerencial de controle e redução de despesas, que explora sistematicamente todos os departamentos da empresa, envolvendo grande número de colaboradores dos diversos níveis organizacionais em um processo de otimização das atividades e de orçamentação, e que expõe a todos a necessidade real de alocação dos recursos nas diversas áreas estudadas Método de implantação A motivação para implantação do Orçamento Base Zero na organização deve vir da Alta Direção da empresa. Complementar a isso, deve ser bem planejada por uma equipe capacitada e referendada pela Alta Direção, que forneça treinamentos e suporte para os vários níveis organizacionais envolvidos no programa. Grippa apud Souza e Freitas (2003) apresenta como possibilidades na implantação do OBZ: a) Utilizar o método para construir todo o orçamento do período: pode ser considerada a opção mais adequada, porém necessita de tempo e de uma equipe bastante qualificada; b) Fazer uma implantação parcial: é uma opção bastante recomendável. O tempo deixa de ser um problema, aumentando a chance de êxito e a posterior motivação para implementação no restante da empresa; c) Aplicação de urgência: recomendada para situações de emergência, por exemplo, perdas acumuladas; d) Utilizar o método como instrumento de revisão do orçamento: recomendável para a primeira aplicação na empresa. De acordo com Phyrr (1976), o Orçamento Base Zero não é uma metodologia imutável, podendo o processo ser modificado para ajustar-se as necessidades específicas de cada organização. Entretanto, destaca alguns princípios básicos que devem ser seguidos para a correta estruturação do programa: Definir as unidades de decisão Unidades de Decisão são os elementos significativos da empresa, os quais devem ser isolados para serem analisados e tomarem as decisões necessárias. Também denominadas entidades, correspondem na prática à divisão organizacional departamental da empresa. Cada organização define de acordo com as suas particularidades, o que considera como melhor divisão da estrutura da empresa para definição das entidades Definir os pacotes de decisão Segundo Phyrr (1976) um pacote de decisão é: 4

5 Documento que identifica e descreve uma atividade específica de modo a que a administração possa (1) avaliá-la e priorizá-la em relação a outras atividades que concorram para a obtenção de recursos limitados e (2) decidir aprová-la ou rejeitá-la. Portanto, as informações prestadas em cada pacote tem que apresentar, para a administração, todas as informações necessárias para essa avaliação. De forma objetiva, os Pacotes de Decisão são agrupamentos de contas similares, que podem também ser divididos em Pacotes de Gastos e Pacotes de Capital Empregado. A definição dos pacotes geralmente segue assuntos como Pessoal, Serviços Recebidos, Despesas de Capital, entre outros. O Pacote de Decisão deve ser definido a partir do desdobramento contábil da empresa. Ou seja, o agrupamento das diversas contas inter-relacionadas, que constam como itens da contabilidade da empresa, é que comporão um pacote de decisão, o que possibilita explorar todas as subatividades geradoras de custo da empresa. Segundo Phyrr (1976), a chave para o desenvolvimento dos Pacotes de Decisão é analisar as diversas alternativas para execução de uma determinada atividade. Para isso, duas análises devem ser feitas: a) Descrição das diferentes maneiras possíveis de realizar uma atividade: identifica-se quais seriam as diferentes formas de executar uma mesma atividade, apresentando para cada uma delas o valor do investimento necessário e o retorno, quantitativo e qualitativo. Apenas uma das maneiras será aprovada, a qual deverá conter uma descrição mais aprofundada do método de operacionalização; b) Diferentes níveis de esforço de desempenho para a mesma função: identificada a melhor maneira de realizar determinada atividade, são atribuídos a ela diversos níveis de esforço incluindo, principalmente, o menor nível de esforço para que determinada atividade seja realizada. Tem-se, desta forma, a possibilidade de eliminação de determinadas atividades. Em termos práticos, um dos fatores determinantes para o sucesso ou fracasso do programa está na atribuição de responsabilidades. Para cada um dos Pacotes de Decisão devem ser atribuídos gestores e donos, que irão negociar diretamente com os gestores das entidades as metas de gasto propostas. A seguir, descrevem-se as atribuições de cada uma das responsabilidades mencionadas Gestores de pacotes São designados Gestores dos Pacotes os colaboradores de áreas mais operacionais da empresa, atuando preferencialmente de forma imparcial à atividade estudada. Ao Gestor do Pacote cabem as seguintes atribuições: a) Especializar-se no assunto, ou seja, entender quais as atividades compõem sua variável de estudo; b) Levantar métricas de gasto para períodos anteriores, servindo de referência para posteriores comparações; c) Propor melhorias, a partir dos dados das análises iniciais; d) Participar das reuniões de priorização, apresentando os dados para o Pacote estudado; e) Realizar o acompanhamento dos indicadores e metas. 5

6 Donos de pacotes São designados Donos dos Pacotes de Decisão os colaboradores que ocupam cargos hierárquicos mais elevados em relação aos Gestores. Ao Dono do Pacote cabe as seguintes atribuições: a) Dar suporte à proposição das melhorias, orientando o método de estudo; b) Negociar com os setores da empresa o atendimento às metas propostas; c) Garantir as implementações perante os demais colaboradores; d) Realizar o acompanhamento dos indicadores e metas Avaliar e classificar os pacotes de decisão Determinados os pacotes de decisão, o processo de alocação, segundo Phyrr (1976), deve se concentrar em responder adequadamente as seguintes questões: Quanto pode ser gasto e Onde pode ser gasto. Procede-se desta maneira com uma classificação dos pacotes de forma a alocar os recursos disponíveis nos projetos que proporcionem maiores impactos, financeiros e/ou estratégicos. A priorização pode ser feita listando todos os benefícios advindos da execução de determinado pacote, avaliando impactos de sua implantação, bem como da sua não implantação, além de considerar sua facilidade de execução. Deve ser feita pelo nível organizacional que realizou o pacote, com revisões e aprovações dos níveis superiores Alocar recursos adequadamente Realizada a priorização, cabe aos gestores liberarem e direcionarem os recursos para a execução dos pacotes, coordenando e supervisionando a implementação das melhorias. 2.3 Benefícios Tem-se como resultado na implementação do Orçamento Base Zero, segundo Vieira (2011), benefícios quantitativos e qualitativos, conforme apresentado a seguir: a) Desenvolvimento de um planejamento operacional e orçamentário para o próximo ano; b) Diagnóstico do que realmente está acontecendo na organização; c) Condução para uma redução de custos; d) Alocação de recursos com uma base mais real. 3. Metodologia Conforme mencionado no Referencial Teórico, o método de implantação do OBZ não é imutável, podendo ser ajustado às particularidades da empresa em estudo. Desta forma, para implantação do método na Chemtech Serviços de Engenharia e Software, algumas peculiaridades, inerentes ao tipo de serviço prestado e à estrutura da empresa, foram 6

7 determinantes para a modelagem ideal do programa a ser desenvolvido, sendo as mesmas discutidas conforme for sendo apresentada a estruturação do método Estruturação do programa Entendidas as particularidades da empresa, partiu-se para a estruturação do método. Inicialmente foram apresentados para o Gerente do Escritório o conceito e o método de operacionalização do Orçamento Base Zero, contextualizando-o relativamente à problemática de falta de controle dos gastos e centralização de responsabilidades identificada na Chemtech. Após isso, seguiu-se a seguinte ordem de definições, conforme visto na literatura e apresentado no Referencial Teórico: i) Unidades de Decisão; ii) Pacotes de Gastos; e iii) Gestores e Donos de Pacotes Unidades de decisão O escritório de Porto Alegre apresenta uma estrutura organizacional Matricial, voltada para a Gestão dos Projetos, e não para uma gestão gerencial do escritório. O escritório se encontra dividido em especialidades técnicas e equipe de apoio, com seus respectivos Coordenadores de Disciplina. Líderes de Projeto atuam na gestão horizontal dos projetos e um Gerente de Projetos atua tanto na macro gestão dos projetos quanto na gestão do escritório. Desta forma, a divisão organizacional do escritório em Disciplinas técnicas constituiu as Unidades de Decisão do método OBZ, não sendo identificada nenhuma razão para o não aproveitamento desta estrutura da empresa na definição das entidades Pacotes de gastos De posse da discriminação contábil dos gastos do escritório, apresentados em formato eletrônico referente aos gastos do Centro de Custos de Porto Alegre, foram definidos os Pacotes de Decisão do programa, doravante denominados Pacotes de Gastos. Para esta definição, foram agrupados itens semelhantes de custo, denominados Variáveis Base Zero. A base contábil serve para possibilitar a rastreabilidade dos gastos já incorridos com determinado item a ser estudado e garante a abrangência do estudo para todos os itens causadores de gastos da empresa. Conforme comentado anteriormente, uma particularidade foi a causa para a adoção de uma implementação parcial do método. Por se tratar de um escritório de serviços de engenharia, a folha salarial e os benefícios relacionados correspondem a aproximadamente 75% dos gastos totais. Uma análise muito profunda neste Pacote poderia ser demasiado trabalhosa e resultar em ações de difícil implementação, podendo causar resistência dos colaboradores, que o veriam como um programa de redução de gastos direcionado para o corte de pessoal. Desta forma, apenas dois itens de pessoal foram inclusos no programa (pagamento de horas extras e de periculosidade), o que fez com que os pacotes abrangessem 25% da totalidade dos gastos do escritório Gestores e donos de pacotes 7

8 Para cada variável de gasto foi determinado um Gestor e para cada Pacote de Gasto um Dono. Por sugestão do Gerente do escritório, colaboradores da equipe de apoio foram designados como gestores para não tirar o foco das atividades das equipes operacionais de projetos. Como Donos de Pacotes foram designados os Líderes de Projeto e o próprio Gerente, os quais ocupam posições mais elevadas na hierarquia do escritório. Uma reunião com os nomes sugeridos foi realizada, de forma a apresentar o método e validar a aceitação na participação do programa a ser desenvolvido. Estas definições resultaram na matriz de apoio apresentada na Figura 1, que ilustra a estrutura de implementação do OBZ. Nela são apresentadas as entidades em que foi dividida a empresa, bem como seus Gestores. Nas linhas à esquerda, são apresentados os Pacotes de Gastos, bem como as variáveis que os compõem, relacionando-se cada uma delas a um Gestor, e cada um dos pacotes a um Dono. A definição de metas de redução de gastos obedecerá outra das particularidades da empresa. Para algumas variáveis, como aluguéis, por exemplo, não é possível estabelecer metas para cada uma das entidades, sendo mais coerente estabelecer uma meta global. Estas metas, globais ou por entidade, para cada uma das variáveis, serão estabelecidas na etapa posterior ao planejamento apresentado neste artigo. 8

9 Figura 1: Estrutura da Matriz de apoio à Implementação do OBZ 3.2. Treinamentos Após a estruturação do programa, foram realizados treinamentos com a equipe para orientar os colaboradores quanto ao método de trabalho a ser seguido, de forma a padroniza-lo, de acordo com os seguintes passos: a) Estudar e entender as atividades geradoras de custo da variável em estudo; b) Estabelecer métricas de gastos para períodos retroativos. O período pode variar conforme característica do item estudado; c) Propor alternativas à realização das atividades, com o intuito de otimizar e reduzir custos; d) Estabelecer indicadores e metas de redução dos gastos (numa base anual) Apoiando-se nesses indicadores, acompanhar os gastos realizados nas ações de melhoria propostas Ferramenta gerencial Para proporcionar uma base única para controle e acompanhamento da implementação do OBZ na empresa, foi elaborada uma ferramenta computacional gerencial. Essa ferramenta, criada no Excel, possibilita o desenvolvimento do trabalho na página correspondente da variável, permitindo que todos os dados estejam visíveis para a equipe. Cria-se assim um ambiente colaborativo, onde as melhores práticas de desenvolvimento do trabalho podem ser adotadas pelos demais integrantes. Na ferramenta estão inclusas páginas específicas para o controle de indicadores, relatórios de anomalias e planos de ação, o que possibilita que todas as etapas de um ciclo PDCA (Plan Planejar, Do Executar; Check Controlar; e Action Agir Corretivamente) sejam colocadas em prática e seguidas pela equipe do programa. No anexo 1, pode-se visualizar a estrutura da página elaborada para uma variável.

10 4. Resultados A partir do planejamento apresentado, cada um dos Gestores iniciou o processo de estudo de sua respectiva variável. O estudo compreende i) levantar métricas de gastos passados; ii) buscar contratos ou documentos que possibilitem o entendimento quanto às atividades relacionadas à variável; iii) propor melhorias com vistas à otimização e/ou redução de custos; iv) projetar implementação, avaliando investimentos e retorno; v) estabelecer indicadores e metas; e vi) acompanhar a implementação. Para cada uma das variáveis propostas, foram levantadas métricas de gastos referentes aos últimos 5 meses, bem como foram solicitados todos os contratos ou documentos que possibilitem o entendimento da variável em estudo. Em virtude das características de cada variável, algumas apresentam resultados mais expressivos no curto prazo, enquanto outras necessitam de um prazo maior para proposição e implementação de melhorias. Para a variável Transporte para o Pólo, foi identificado que o contrato previa um valor fixo a ser pago para o transporte de 12 funcionários. De posse dos dados de acompanhamento de transportes de 2011, observou-se que a média transportada era de somente 8 colaboradores, e que o número de transportados variava consideravelmente. Percebe-se que não é interessante para a empresa a realização de um contrato com preço fixo, e sim que seja pago variável conforme a demanda por transportes. Sendo assim, propôs-se, no curto prazo, a mudança do contrato atual de transportes, tornando o pagamento variável por viagem. Para o longo prazo, propôs-se a mudança para outra empresa de logística humana, que faria a cobrança por vaga utilizada, e não por viagem, como a anterior. Para ambas as propostas foram analisados investimentos e retorno, para avaliação da viabilidade. Um controle foi criado, bem como indicadores e metas relacionados com esse, para o acompanhamento dos gastos e comparação com a métrica levantada. Nos dois meses iniciais de implementação do método para a variável Transportes para o Pólo, nos quais houve apenas a mudança da forma de pagamento com a empresa que já prestava os serviços para a Chemtech, observou-se uma redução de 23% nos gastos. Projetase, com a mudança da empresa prestadora do serviço, uma redução de até 35% nos valores gastos anteriormente. As demais variáveis estão em fase de estudo para proposição de melhorias e formulação de controles. Projeta-se a conclusão do processo para todas as variáveis até agosto de 2012, início do ano fiscal 2013 na empresa em estudo. 5. Discussão e conclusões Dado os problemas identificados na Chemtech, observou-se que a implantação do OBZ pode atenuar de forma significativa as dificuldades de controle gerencial sobre os gastos do escritório. Apoiando-se sobre o conceito da divisão de responsabilidades e sistematização do controle de gastos, o método proporciona a descentralização das decisões sobre o Gerente do escritório, bem como garante que, a partir da base contábil, todos os gastos de interesse sejam analisados. Observa-se também a capacidade do método em retornar resultados expressivos no curto prazo, ainda que esta não seja a melhoria principal esperada. Projeta-se que a implementação 10

11 no escritório para o próximo ano fiscal gere resultados de redução de custos, mas também venha acompanhado das demais melhorias proporcionadas pelo OBZ. Dentre elas, pode-se destacar maior engajamento dos demais funcionários, bem como a abertura de um canal no qual melhorias podem ser propostas. Outro resultado advindo do uso do OBZ consiste na criação de controles para cada uma das variáveis e o vínculo com indicadores e metas, garantindo que o ciclo PDCA seja respeitado. Ainda que, em alguns casos, reduções de gastos não sejam atingidas no curto prazo, o controle sobre as atividades provavelmente resultará em ganhos futuros. A pronta visualização de como se encontram os gastos da empresa proporciona ao Gestor ações e respostas rápidas nos setores, nos quais iidentificam-se inconsistências com os gastos previstos. Finalmente, pode-se avaliar o OBZ como um método que, embora consiga gerar resultados imediatos, é voltado para uma mudança cultural na forma como são tratados os gastos na empresa. Garante, pela sua metodologia, que estudos sejam realizados ano a ano, trazendo benefícios contínuos, e configurando-se como uma ferramenta de apoio gerencial. 6. Referências COSTA, A.M., MORITZ, G.O., MACHADO, F.M.V. Contribuições do Orçamento Base Zero (OBZ) no Planejamento e Controle de Resultados em Organizações Empresariais. Florianópolis: UFSC, GOMES, R.C.V. O Orçamento Base-Zero como técnica de planejamento financeiro. Taubaté, Monografia apresentada ao Departamento de Economia, Contabilidade e Administração de Empresas da Universidade de Taubaté, São Paulo, GRIPPA, D.B. Proposta de uma sistemática orçamentária para o controle e redução de despesas: o Gerenciamento Sistêmico de Despesas (GESIDE). Porto Alegre: UFRGS, Projeto de Trabalho de conclusão do curso submetido ao Departamento de Engenharia de Produção e Transportes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, LUNKES, R.J. Contribuição à Melhoria do Processo Orçamentário Empresarial. Florianópolis: UFSC, Tese (Doutorado em Engenharia de Produção), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Management Journal, v. 41, n. 3, p. 4-14, PYHRR, P.A. Zero-Base Budgeting: Where to use it and how to begin. S.A.M. Advanced VIEIRA, G.F. Um estudo contributivo às ferramentas de melhoria do resultado econômico com foco no Gerenciamento Matricial de Despesas. Porto Alegre: UFRGS, Dissertação de Mestrado submetido ao Departamento de Engenharia de Produção e Transportes, UFRGS,

12 7. Anexos Pacote de Gasto - Dono do Pacote Re sponsáve l #1 In d i c a d o r e s: ANOMALIA! Mês: Março Variável Base Zero Ge stor do Pacote Re sponsáve l #2 M é t r i ca de Val or gas t o e m R$ - Val or gas t o at ual Possibilidade s de Me lhoria R$ - Sugestão #1 M e t a de R e dução Sugestão #2 R$ - Sugestão #n Evol ução na Var i áve l B as e - Ze r o Eficiê ncia Planejado Realizado 79,94% ATENÇÃO! Indicadore s Eficiê ncia Indicador #1 67,90% Planejado Realizado GERAR RELAT. ANOMALIA! Indicador #2 53,87% Planejado Realizado GERAR RELAT. ANOMALIA! 12

13 Anexo 1 Estrutura da ferramenta para uma variável base-zero 13

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

1. Estruturação da Matriz Orçamentária. O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá

1. Estruturação da Matriz Orçamentária. O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá Nos processos tradicionais, quando um executivo prepara o orçamento do departamento sob sua responsabilidade, age como somente o seu centro

Leia mais

ORÇAMENTO BASE ZERO. Ana Elisa Gonçalves Josiane de Fátima Sidô. Autores: RESUMO

ORÇAMENTO BASE ZERO. Ana Elisa Gonçalves Josiane de Fátima Sidô. Autores: RESUMO ORÇAMENTO BASE ZERO Autores: Ana Elisa Gonçalves Josiane de Fátima Sidô RESUMO O Orçamento Base Zero (OBZ) consiste em uma técnica utilizada para a elaboração do programa orçamentário de uma organização,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. PROJETO IDF SAÚDE Nº 07/2014 2. TÍTULO Consultoria individual especializada em Tecnologia da Informação - TI 3. ENQUADRAMENTO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

PROCESSOS DE PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PROCESSOS DE PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Ficha Técnica Proposto por: Presidente Des. Cássio Rodolfo Sbarzi Guedes Vice-Presidente Des. Marcos Alaor Diniz Grangeia Corregedor-Geral da Justiça Des. Paulo Kiyochi Mori Coordenação Juiz Francisco

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO

O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO Sérgio Ribeiro e Silva Jailson Teixeira Medeiros Regional de Transmissão do Maranhão OMA Divisão de Transmissão

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO O mundo corporativo tem demonstrado muito interesse nos aspectos que se relacionam à adoção de metodologias de controles internos, motivado

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto I Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição de Projeto, Operação, Programa e Portfólio. Stakeholders. O que é Gerenciamento de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Estruturando Processo de Gestão de Projeto. José Renato Santiago

Estruturando Processo de Gestão de Projeto. José Renato Santiago Estruturando Processo de Gestão de Projeto Metodologia de Gestão de Projetos Objetivo: O objetivo deste documento é apresentar ações e iniciativas voltadas para a implantação de metodologia de Gestão de

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Uma nova cultura em processos e projetos

Uma nova cultura em processos e projetos Uma nova cultura em processos e projetos 10 KPMG Business Magazine Mercado caminha para a maturidade, com uma maior percepção dos benefícios da gestão por processos para atender aos objetivos estratégicos

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Este plano descreve como serão administrados os processos de aquisição de bens e serviços neste projeto. As perguntas a serem respondidas no plano são: o

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais