4 ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4 ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA"

Transcrição

1 4 ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA A Escola da Administração Científica tem como grande foco as tarefas da organização. O termo Administração Científica vem da tentativa de aplicar métodos científicos na resolução de problemas administrativos, com o objetivo de aumentar a eficiência dos processos organizacionais. Os principais métodos científicos aplicados são a observação e a mensuração. O fundador dessa escola e da própria Teoria da Administração foi o engenheiro Frederick W. Taylor. Ele teve inúmeros seguidores e causou uma grande revolução no pensamento administrativo em sua época. 4.1 A OBRA DE TAYLOR Frederick Winslow Taylor ( ) nasceu na Filadélfia. Sua educação familiar foi baseada na disciplina, dedicação ao trabalho e poupança. Quando trabalhava como engenheiro, o sistema de remuneração em vigor era por peça ou por tarefa. Os patrões procuravam ganhar o máximo na hora de fixar o preço da tarefa. Para contrabalancear o preço das peças, os funcionários diminuíam o ritmo de produção. Este cenário levou Taylor a analisar o problema da produção, buscando balancear os interesses de patrões e empregados PRIMEIRO PERÍODO DE TAYLOR Este primeiro período corresponde a época da publicação de seu primeiro livro Shop Management (Administração das Oficinas), onde ele enfoca técnicas para racionalização do trabalho operário, através de Estudos de Tempo e Movimento (Motion-time Study). Seu estudo começou com os operários, onde passou a analisar cuidadosamente as tarefas de cada operário. Ele segmentou cada movimento e processo de trabalho. Em seguida, Taylor procurou aperfeiçoá-los. Uma de suas conclusões foi que os operários produziam muito menos do que realmente poderiam produzir com os equipamentos disponíveis, pois mesmo que ele produzisse mais, ele não teria uma remuneração adicional para isso. Era preciso mudar o sistema de remuneração, nesse seu primeiro livro Taylor recomenda que: 1. O objetivo da administração é pagar salários melhores e reduzir os custos unitários de produção; 2. Como forma de alcançar esse objetivo, a Administração deve aplicar métodos científicos de pesquisa e experimentos para formular princípios e 10

2 estabelecer processos padronizados que permitam o controle das operações da organização; 3. Os funcionários devem ser alocados em seus postos de trabalho segundo os métodos científicos, juntamente com os recursos para realizar as suas tarefas de forma adequada; 4. Eles também devem ser treinados segundo um método científico para aperfeiçoar suas aptidões e executar as suas tarefas de forma mais eficiente; 5. A Administração também deve criar uma atmosfera de íntima e cordial cooperação com os funcionários. Taylor tentou aplicar os princípios tecnológicos de sua época nos processos manuais. Para fazer isto, ele identificava o trabalho a ser feito, segmentava o trabalho, designava a forma correta de executar a tarefa. Em seguida, ele reunia as operações na seqüência onde havia o melhor rendimento SEGUNDO PERÍODO DE TAYLOR Este período é marcado pelo livro Princípios de Administração Científica, onde Taylor concluiu que a racionalização do trabalho operário deveria ser acompanhada de uma estruturação geral da organização e que tornasse coerente a aplicação dos seus princípios. Ele, então, desenvolveu estudos sobre a Administração Geral, a qual denominou Administração Científica, sem deixar as preocupações com as tarefas operárias. Segundo Taylor, as organizações de sua época sofriam de três enfermidades: 1. Vadiagem sistemática dos funcionários. Eles reduziam a produção para aproximadamente um terço da sua capacidade real, para evitar a redução das tarifas de salários pela gerência. Havia três causas para esta vadiagem sistemática: O falso conceito de que o maior rendimento do homem e da máquina provoca o desemprego; O sistema deficiente de administração que força os operários à ociosidade no trabalho para proteger interesses pessoais. Receio à mudança; Os métodos empíricos ineficientes utilizados nas empresas, com os quais os operários desperdiçam grande parte de seus esforços e tempo. 2. A gerência desconhecia as rotinas de trabalho e do tempo necessário para a sua realização; 3. Falta de padrão para as técnicas de métodos de trabalho. 11

3 Para sanar essas enfermidades, Taylor desenvolveu a Scientific Management ou Administração Científica, Sistema de Taylor, Organização Científica do Trabalho ou Racionalização Científica do Trabalho. Taylor mesmo definiu que a Administração Científica não era uma teoria, mas uma evolução, onde é composta por 75% de análise e 35% de bom senso. A implantação da Administração é um processo gradativo, cujo tempo de implantação iria variar entre quatro a cinco anos. Este período de tempo requerido se deve ao cuidado a ser tomado para evitar que alterações bruscas causem descontentamentos por parte dos funcionários e prejuízo aos patrões. Não é difícil perceber a imagem negativa de Taylor a respeito do ser humano. Entretanto, ele se preocupou em criar um ambiente educativo baseado na intensificação do ritmo de trabalho em busca da maior eficiência da organização. Mas, é importante estar claro que seu foco não está no humano, mas nas tarefas e como elas são realizadas. Ele se preocupava com as perdas que o seu país estava sofrendo devido, segundo ele, à vadiagem e ineficiência do funcionário. 4.2 ADMINISTRAÇÃO COMO CIÊNCIA Segundo Taylor, a administração deveria ser estudada de forma científica e não de forma empírica. A improvisação deve ceder lugar para o planejamento, assim como o empirismo deve ceder lugar para a ciência. O lugar de destaque ocupado por Taylor se deve ao fato de ter sido o primeiro a fazer uma análise completa do trabalho, incluindo os movimentos e tempos. Ele pregou a padronização dos modos de execução, o treinamento de funcionários, a especialização. Em resumo, ele foi o primeiro a assumir uma atitude metódica ao analisar e organizar as empresas, o qual era adotada em todas as camadas da pirâmide hierárquica. Os elementos da Administração Científica são: 1. Estudo de tempos e padrões de produção; 2. Supervisão funcional; 3. Padronização de máquinas, ferramentas, instrumentos e materiais; 4. Planejamento do desenho de tarefas e cargos; 5. Princípio de execução; 6. Prêmios de produção pela execução eficiente das tarefas; 7. Definição de rotina de tarefa. 12

4 4.3 ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO Taylor verificou que os funcionários obtinham o conhecimento para execução de suas tarefas do trabalho através da observação de funcionários mais experientes. Ele notou que este fato resultava em diferentes métodos empregados na execução da mesma tarefa. Sempre há técnicas e ferramentas melhores que as demais. Estas técnicas e ferramentas podem ser encontradas, analisadas e aperfeiçoadas de forma científica através de um estudo de tempos e movimentos, substituindo métodos empíricos por métodos científicos. Dessa forma é possível estabelecer um padrão para a organização através de uma pesquisa. Isto foi chamado de Organização Racional do Trabalho (ORT). Segundo Taylor, os operários não tinham competência, nem formação ou meios para analisar cientificamente o seu trabalho e estabelecer de forma científica o método ou ferramenta mais eficiente. Os supervisores deixavam sob a responsabilidade dos seus subordinados a escolha da melhor técnica de execução do trabalho. A Administração Científica ocorre uma re-alocação e divisão das responsabilidades. A gerência é responsável pelo planejamento e supervisão do trabalho dos operários, enquanto estes se limitam a execução das tarefas. A ORT é baseada nos seguintes princípios: 1. Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos; 2. Estudo da fadiga humana; 3. Divisão do trabalho e especialização do operário; 4. Desenho de cargos e tarefas; 5. Incentivos salariais e prêmios de produção; 6. Conceito de Homo Economicus (Homem Econômico); 7. Condições ambientais de trabalho, como iluminação e conforto; 8. Padronização de métodos e ferramentas; 9. Supervisão funcional ANÁLISE DO TRABALHO E ESTUDO DE TEMPOS E MOVIMENTOS O instrumento básico de racionalização do trabalho é o estudo de tempos e movimentos (motion-time study). O trabalho é mais bem executado e de forma mais econômica através da análise do trabalho. Isto é através da divisão e subdivisão dos movimentos de uma tarefa. 13

5 Taylor percebeu que a decomposição das tarefas em seus movimentos permitia a sua análise e a sua reprodução em uma série ordenada de movimentos. Os movimentos inúteis eram eliminados, enquanto os úteis eram simplificados. Esta análise era seguida de estudos de tempos e movimentos. Este estudo verificava o tempo médio que cada operário levava para executar uma determinada tarefa. A este tempo médio eram adicionados os tempos mortos e elementares (esperas, saídas dos operários para resolução de outros assuntos) formando o chamado tempo padrão. Dessa maneira era padronizado o método de trabalho, assim como passava a existir uma referência de tempo de execução. É sabido que suas principais vantagens são: 1. Elimina movimentos inúteis e os substitui por outros mais eficazes; 2. Racionaliza a seleção e treinamento de pessoas; 3. Melhora a eficiência do operário e o rendimento da produção; 4. Distribui uniformemente o trabalho, para não haver falta ou excesso do mesmo; 5. Oferece uma base para salários e bonificações. Os seus objetivos são: 1. Eliminação do desperdício de esforço humano; 2. Adaptação dos funcionários às suas tarefas; 3. Treinamento dos operários para melhor adequação aos seus trabalhos; 4. Maior especialização em suas atividades; 5. Estabelecimento de normas de execução de trabalho. Frank B. Gilbreth acompanhou o trabalho de Taylor. Ele era um engenheiro e se interessou pelo tratamento humano proposto por Taylor. Ele introduziu o Estudo de Tempos e Movimentos. Ele concluiu que todos os movimentos podiam ser reduzidos a um conjunto de movimentos elementares, chamados de therblig e são ilustrados na Tabela 4.1. MOVIMENTOS ELEMENTARES DE GILBRETH (THERBLIG) 1. Procurar 2. Escolher 3. Pegar 4. Transportar vazio 10. Utilizar 11. Soltar a carga 12. Inspecionar 13. Segurar 14

6 5. Transportar cheio 6. Posicionar 7. Preposicionar 8. Unir 9. Separar 14. Esperar inevitavelmente 15. Esperar mesmo que seja evitável; 16. Repousar 17. Planejar Os movimentos elementares permitem decompor e analisar qualquer tarefa. O therblig constitui o elemento básico da Administração Científica. Ela é o elemento chave na busca de maior eficiência da máquina organizacional. Para a Administração Científica, eficiência significa a correta utilização dos recursos. Ela pode ser definida pela equação: E= P/R, onde P são os produtos obtidos com o uso dos recursos R. A ORT é adepta do homem econômico, ou seja, procura a melhor maneira de fazer as tarefas. Dessa maneira, sempre há um referencial para comparar o desempenho dos funcionários. Esta comparação fornece um índice individual de eficiência do funcionário ESTUDO DA FADIGA HUMANA O estudo dos movimentos é baseado na anatomia e fisiologia humana. Neste sentido, Gilbreth realizou estudos estatísticos sobre os efeitos da fadiga na produtividade dos operários. A fadiga, ele concluiu, predispõe os operários a diminuição do ritmo de produtividade, além da degradação da qualidade da mesma. Além disso, ela propicia a perda de tempos, aumento de rotatividade de pessoal, doenças e diminuição da capacidade de esforço. Em outras palavras, a fadiga é um redutor de eficiência. Não é possível eliminar a fadiga, mas é possível reduzi-la. Para isso ele criou três grupos de tipos de movimentos de trabalho: a) Relativos ao uso do corpo humano; b) Relativos aos arranjos de material do local de trabalho; c) Relativos ao desempenho das ferramentas e dos equipamentos DIVISÃO DO TRABALHO E ESPECIALIZAÇÃO DO FUNCIONÁRIO Uma das decorrências do estudo dos Tempos e Movimentos foi a Divisão do Trabalho e a Especialização dos Funcionários para aumentar a produtividade dos funcionários. Dessa maneira, cada funcionário passou a se especializar em uma única tarefa, ajustando-se aos padrões estabelecidos das organizações. 15

7 Esta medida tirou a liberdade do funcionário em determinar a sua maneira de trabalhar. Ele ficou confinado a uma única tarefa de execução padrão e repetitiva. A idéia básica era de que a especialização aumenta a eficiência DESENHO DE CARGAS E TAREFAS A primeira tentativa de estabelecer uma política de cargos e tarefas foi proposta por Taylor. Segundo ele, Tarefa é toda atividade executada por uma pessoa em seu trabalho. Ela constitui a menor unidade dentro da divisão de trabalho de uma organização. Cargo é o conjunto de tarefas executadas de forma cíclica e repetitiva. Desenhar um cargo significa especificar as tarefas que o compõe, os métodos de execução e a relação com os demais cargos existentes. Administração Científica prega que o desenho de cargos seja feito de forma simples e elementar. A ênfase nas tarefas levou os engenheiros a simplificar os cargos para obter o máximo de especialização por parte de cada operário e, conseqüentemente, a maior eficiência. A simplicidade facilita o treinamento dos funcionários, pois permite que eles aprendam de forma rápida as suas tarefas, além de facilitar o controle por parte dos supervisores. Este conceito foi muito aplicado em linhas de montagens. Ao invés de um operário realizar uma tarefa complexa, esta tarefa é decomposta em várias partes dispostas em uma linha de produção, onde cada uma é tratada por um funcionário. É importante saber que o fluxo de seqüência é definido, assim como o seu tempo de execução INCENTIVOS SALARIAIS E PRÊMIOS DE PRODUÇÃO Como forma de fazer o operário colaborar com os princípios idealizados, Taylor e seus seguidores desenvolveram planos de incentivos salariais e prêmios de produção. A idéia era que os salários fixos não são estimulantes para uma postura colaborativa e altamente produtiva dos operários. Ele propôs que os operários fossem remunerados por sua produção. É estabelecido um patamar a ser alcançado periodicamente pelos funcionários. A produção conseguida acima da meta deve ser recompensada de forma adicional. Com planos de prêmios de produção, Taylor procurava atender os objetivos das empresas e dos funcionários que poderiam ganhar mais se produzissem mais. O operário americano tornou-se o tipo mais bem pago no mundo. Entretanto, ele tinha que suportar longos períodos de trabalho repetitivo. Não demorou para verificarem alguns de seus erros. 16

8 4.3.6 HOMO ECONOMICUS Segundo este conceito, as pessoas são influenciadas pelo salário e recompensas financeiras e materiais. Ou seja, é o meio de ganhar a vida e não procura o trabalho por afinidade. Este princípio pode ser um dos mais deploráveis, pois via o ser humano como um indivíduo mesquinho, limitado, preguiçoso e culpado pela ineficiência da organização e seus desperdícios CONDIÇÕES DE TRABALHO É certo que apenas a recompensa financeira não é suficiente para obter o máximo de produtividade dos operários. Era preciso de um conjunto de condições de trabalho que possibilitassem que a produtividade fosse aumentada: 1. Adequação de instrumentos de trabalho, equipamentos de produção aos processos para minimizar o esforço do trabalho e o desperdício de tempo na execução das tarefas; 2. Arranjo físico das máquinas e equipamentos para racionalizar o fluxo de produção; 3. Melhoria do ambiente físico de trabalho de maneira que o ruído, ventilação, iluminação e conforte não reduzam a produtividade e eficiência do operário; 4. Projeto de instrumentos e equipamentos especiais para reduzir movimentos inúteis PADRONIZAÇÃO Um dos pontos altos as ORT é padronização dos métodos de trabalho. Padronização de máquinas, equipamentos, matérias primas e componentes. O objetivo é reduzir a variabilidade e diversidade do processo produtivo, eliminando desperdícios e aumentando a eficiência SUPERVISÃO FUNCIONAL Taylor recomenda que a autoridade de gerir os operários deveria ser dividida entre vários supervisores, onde cada um é especializado em uma área diferente. Dessa maneira, cada supervisor tem uma autoridade funcional. A autoridade funcional é relativa e parcial. Para Taylor a melhor estrutura de organização era a funcional. Administração Funcional consiste em dividir o trabalho de maneira que cada homem tenha que executar a menor variedade possível de funções, independente de seu nível hierárquico. Sempre que possível deverá se limitar a uma função. 17

9 Para Taylor, cada funcionário não responde a um único supervisor, mas a um número maior, de acordo com a funcionalidade especificada, conforme é ilustrado na Figura 4.1. Qualidade Produção Manutenção Operário A Operário B Operário C Figura Supervisão Funcional A supervisão funcional representa a divisão do trabalho para as funções de chefes e de supervisores. Ele separa o planejamento mental do braçal. Esta abordagem trouxe uma série de críticas, pois acreditava-se que a eficiência era alcançada pela subordinação única. 4.4 PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA A preocupação de racionalizar, padronizar e prescrever normas de conduta do administrador levou vários pensadores da Administração Científica que esses princípios pudessem ser aplicados a qualquer situação. Vários autores estabeleceram princípios de administração. Um princípio é uma afirmação válida para uma determinada situação. Nos tópicos a seguir são expostos os principais princípios que cercam a Administração Científica PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA DE TAYLOR Para Taylor, há quatro princípios administrativos: Planejamento: os critérios individuais e as improvisações são substituídos por métodos científicos através de planejamentos dos métodos; Preparo: selecionar cientificamente os operários de acordo com as suas aptidões, prepará-los e treiná-los para produzirem mais e melhor. Prepara as máquinas e equipamentos de forma adequada para as tarefas que serão realizadas com as mesmas; Controle: o trabalho deve ser analisado para verificar se ele está sendo da forma adequada e com os métodos estabelecidos; 18

10 Execução: as atribuições e responsabilidades devem ser distribuídas para que a execução do trabalho seja disciplinada. 4.5 PENSADORES DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA Além de Frank B. Gilbreth houve outros pensadores da administração científica. Cada um deu sua contribuição para a formação da Administração Científica inicializada por Taylor HENRY GANTT Henry Gantt foi assistente de Taylor na Midvale Steel. Em 1899, na Bethlehem onde foi trabalhar juntamente com Taylor, ele apresentou um trabalho intitulado A graphical daily balance in manufacturing (Controle Gráfico Diário da Produção), no qual ele descreve um método gráfico para análise dos fluxos de produção. Este método ficou conhecido como o Gráfico de Gantt, o qual é ilustrado na Figura 4.2. Este tipo de gráfico é muito utilizado para planejamento de projetos, sendo implementado em ferramentas para gestão de projetos como, por exemplo, o MS Project. Figura Gráfico de Gantt Além do gráfico, Gantt fez uma série de observações a respeito do comportamento humano. Ele verificou uma resistência as mudanças e normas grupais que iriam degradar a produtividade. Com base nessas observações ele formulou trabalhos sobre o treinamento de pessoas nas organizações como forma de aumentar a produtividade HUGO MUNSTERBERG Hugo Munsterberg foi um psicólogo que, entre vários estudos, realizou pesquisas da psicologia nas indústrias. Defendia a utilização da psicologia em situações práticas. Ele publicou o livro Psychology and industrial efficiency, no qual ele definiu os papéis dos psicólogos nas empresas: 1. Ajudar a encontrar os homens mais capacitados para o trabalho; 2. Definir condições psicológicas mais favoráveis ao aumento da produção; 19

11 3. Produzir influências desejadas na mente humana. Ele criou os primeiros testes de seleção de pessoal HENRY FORD Os princípios pregados por Taylor foram aplicados com a revolução industrial. Porém, a linha de Taylor não agiu sozinha, ela encontrou parceira com a Linha de Montagem de Henry Ford. Se Taylor está diretamente associado com a Administração Científica, Ford está associado com a linha de montagem móvel. Porém esta foi apenas uma das contribuições de Ford. Ele foi o que mais se aprofundou na filosofia de produção em massa. Para ele havia dois princípios para obter a produção em massa com sucesso: Peças e componentes padronizados e intercambiáveis; Alta especialização do operário O MODELO DE MONTAGEM FORD Ford observou que os operários perdiam muito tempo fazendo tarefas inúteis, principalmente a procura de peças e ferramentas que estavam em lugares distantes de seus postos de trabalho, além disso tudo era feito de forma artesanal. Fazendo uma cronometragem, ele verificou que em média um ciclo de produção, ou seja, o tempo de execução de todas as tarefas chegava a mais de oito horas. Mesmo assim houveram problemas devido às diferenças das velocidades de trabalho de cada operário. Ele introduziu uma linha de montagem móvel e mecanizada. Ela os funcionários não se movimentavam para pegar os insumos, mas os insumos chegavam a eles. O tempo de ciclo foi reduzido para cerca de uma hora e meia. Esta nova tecnologia reduziu a necessidade de investimentos, aumentou a produção, assim como diminuiu o custo de produção dos carros. Para motivar os funcionários, Ford duplicou os salários dos funcionários. Ele via que seus principais compradores eram fazendeiros da classe média que possuíam ferramentas de mecânica, por isso ele inseriu no carro alguns manuais de manutenção. Seus princípios foram seguidos por indústrias no mundo todo, tornando-se referência mundial para as indústrias que queriam aumentar a produtividade e diminuir custos ALFRED SLOAN E A GENERAL MOTORS Ford se preocupava somente com a produção, esquecendo-se da parte administrativa, atividades de engenharia e do marketing. Alfred Sloan era um dos sócios de uma empresa que fora adquirida pela GM - General Motors. Ele assumiu 20

12 a presidência da GM em meio a uma grande crise da empresa, onde as vendas estavam caindo vertiginosamente. Ao assumir a ponta da empresa, Sloan colocou em prática um estudo que havia realizado intitulado Organization Study, onde ele tinha desenvolvido o conceito de descentralização e delegação de autoridades. Ele detectou duas ações a serem tomadas: 1. Profissionalizar a administração; 2. Era preciso modificar o produto padrão para ele atender a várias camadas aquisitivas e propósitos. Na primeira parte, ele descentralizou a administração da empresa se tornando o pai do conceito de Centros de Lucros. Cada centro produzia carros ou componentes diferentes que eram administrados pela alta cúpula através dos números obtidos do centro. Ele exigia relatórios detalhados de vendas, participação de mercados, perdas, lucros e orçamentos. Para Sloan os executivos deveriam se ater a verificar os relatórios. A estrutura idealizada por Sloan é ilustrada na Figura 4.3. Administração Superior Funções Centrais de Finanças e Marketing Centros de Lucros (Unidades de Negócio) Figura Estrutura de Centros de Lucros Ele também introduziu os administradores financeiros e os responsáveis por marketing. As várias unidades da General Motors se tornaram centros de lucros com outros centros de lucro. Entretanto, as pesquisas, definição de métodos, política de vendas e financeira eram centralizadas. A Figura 4.4 ilustra o modelo de administração científica dos três autores americanos. 21

13 TAYLOR, FORD E SLOAN ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA SISTEMA FORD DE PRODUÇÃO ORGANIZAÇÃO DA GENERAL MOTORS Ênfase na eficiência do processo produtivo e economia de recursos Linha de montagem móvel Especialização do operário Sistema produtivo administrativo de forma sistêmica Verificação Um produto para todos Um produto para cada cliente Divisões autônomas (unidades de negócio, centros de lucros) para cada produtos Administração central define objetivos e resultados Figura Modelo Americano de administração 22

Abordagem Clássica da Administração

Abordagem Clássica da Administração Abordagem Clássica da Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 05 Principais Personagens Fredeick Winslow Taylor (americano) Escola da Científica: aumentar a eficiência da indústria por meio

Leia mais

Teoria Geral da Administração (TGA)

Teoria Geral da Administração (TGA) Uma empresa é uma organização social que utiliza recursos a fim de atingir tais objetivos. O lucro, na visão moderna das empresas privadas, é conseqüência do processo produtivo e o retorno esperado pelos

Leia mais

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração:

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração Profa. Andréia Antunes da Luz andreia-luz@hotmail.com No despontar do XX, 2 engenheiros desenvolveram os primeiros trabalhos pioneiros a respeito da Administração.

Leia mais

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol.

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. Partiram de pontos distintos

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho?

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho? A abordagem típica da Escola da Administração Científica é a ênfase nas tarefas; Objetivava a eliminação dos desperdícios e elevar os níveis de produtividade Frederick W. Taylor (1856-1915): Primeiro período

Leia mais

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam.

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. Evolução da Teoria Administrativa Escolas de Concepção Administrativa. Abordagem Clássica da Administração. Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. 1 - Visão Americana: Liderada

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO 1 ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO NO DESPONTAR DO SÉCULO XX, DOIS engenheiros desenvolveram os primeiros trabalhos pioneiros a respeito da Administração. Um era americano, Frederick Winslow Taylor,

Leia mais

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com A história administração A história da Administração é recente,

Leia mais

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO 1. INTRODUÇÃO As origens da Abordagem Clássica da Administração remontam às conseqüências geradas pela Revolução Industrial e que poderiam ser resumidas

Leia mais

ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO FACEAR Faculdade Educacional de Araucária DISCIPLINA: Evolução do Pensamento Administrativo SÉRIE: 1º Período - 1º Semestre - 2007 Professor Camargo, Msc. ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO No despontar

Leia mais

4. Escolas Clássicas da Administração

4. Escolas Clássicas da Administração 4. Escolas Clássicas da Administração Conteúdo 1. Abordagem Clássica da Administração 2. Administração Científica - Frederick W. Taylor 3. Teoria Clássica - Henry Fayol 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto:

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações.

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações. Introdução à Teoria Geral da Administração Organização É uma combinação intencional de recursos para atingir um determinado objetivo. O que são teorias? São explicações, interpretações ou proposições sobre

Leia mais

Douglas Filenga TGA I. Tópicos do módulo: a)campo de atuação profissional; b)perspectivas organizacionais;

Douglas Filenga TGA I. Tópicos do módulo: a)campo de atuação profissional; b)perspectivas organizacionais; Administração Douglas Filenga TGA I Tópicos do módulo: a)campo de atuação profissional; b)perspectivas organizacionais; c) Habilidades profissionais; d)influências históricas. Campo de atuação: Os diferentes

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT Rua Bento Gonçalves, 1171 Telefone: 3592.1795 - CEP: 93010-220 São Leopoldo RS.

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT Rua Bento Gonçalves, 1171 Telefone: 3592.1795 - CEP: 93010-220 São Leopoldo RS. ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT Rua Bento Gonçalves, 1171 Telefone: 3592.1795 - CEP: 93010-220 São Leopoldo RS. Professor: Fernando dos Santos Seminário Integrado Teorias da Administração:

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

Teoria Geral da Administração

Teoria Geral da Administração Teoria Geral da Administração João Batista Vieira Bonome 2009 2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

Objetivos da aula 9/8/2012. Gestão de Recursos Humanos. Teorias da Administração. Empresas X Pessoas X Administração: uma coisa tem a ver com a outra?

Objetivos da aula 9/8/2012. Gestão de Recursos Humanos. Teorias da Administração. Empresas X Pessoas X Administração: uma coisa tem a ver com a outra? Gestão de Recursos Humanos Profª: Silvia Gattai Teorias da Administração Objetivos da aula Construir conhecimentos sobre as várias teorias da administração, que embasam as metodologias de gestão de pessoas

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

I I HAVE BEEN IMPRESSED WITH THE URGENCY OF DOING. KNOWING IS NOT ENOUGH; WE MUST APPLY. BEING WILLING IS NOT ENOUGH; WE MUST DO.

I I HAVE BEEN IMPRESSED WITH THE URGENCY OF DOING. KNOWING IS NOT ENOUGH; WE MUST APPLY. BEING WILLING IS NOT ENOUGH; WE MUST DO. I I HAVE BEEN IMPRESSED WITH THE URGENCY OF DOING. KNOWING IS NOT ENOUGH; WE MUST APPLY. BEING WILLING IS NOT ENOUGH; WE MUST DO. Leonardo da Vinci PLANO ORIGENS DA TEORIA CLÁSSICA QUEM FOI TAYLOR? LIVRO

Leia mais

Teoria Geral da Administração Abordagem Clássica da Administração

Teoria Geral da Administração Abordagem Clássica da Administração Teoria Geral da Administração Abordagem Clássica da Administração Prof. Paulo César Campos Bibliografia: Idalberto Chiavenato Elsevier/Campus SUMÁRIO RESUMIDO PARTE 1: INTRODUÇÃO À TGA PARTE 2: OS PRIMÓRDIOS

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 2º Encontro - 17/02/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO DA

Leia mais

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO http://www.administradores.com.br/artigos/ A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS),

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado.

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado. 3 PAPEL DOS GERENTES Os gerentes são os protagonistas do processo administrativo. Eles são responsáveis por coordenar o trabalho dos outros funcionários da empresa. Não existe apenas um modelo administrativo,

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM ALCANÇAR OS SEUS OBJETIVOS E OUTRAS NÃO?

POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM ALCANÇAR OS SEUS OBJETIVOS E OUTRAS NÃO? PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZAÇÃO NO TRABALHO Doutorando - UFG romeumontes@gmail.com Rio Verde GO, agosto de 2012 POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM ALCANÇAR OS SEUS OBJETIVOS E OUTRAS NÃO?

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a.

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a. TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Para a abordagem clássica, a base fundamental da organização é a divisão do trabalho. À medida que uma organização

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

apresentado pelas alunas: Maria Samanta Pereira Silva Solange Fernandes Alvito Estela Maria Santos

apresentado pelas alunas: Maria Samanta Pereira Silva Solange Fernandes Alvito Estela Maria Santos apresentado pelas alunas: Maria Samanta Pereira Silva Solange Fernandes Alvito Estela Maria Santos Crescimento acelerado e desorganizado das empresas Necessidade de aumentar a eficiência e a competência

Leia mais

GABARITO COMENTADO. A resposta correta é a opção 4, conforme consta na tabela das Necessidades Humanas Básicas, à página 65 da apostila.

GABARITO COMENTADO. A resposta correta é a opção 4, conforme consta na tabela das Necessidades Humanas Básicas, à página 65 da apostila. ADMINISTRAÇÃO SEMESTRE ESPECIAL MP2 (reposição) 18/11/2008 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO 2008/2 GABARITO COMENTADO A. Sobre as conclusões e contribuições da experiência de Hawthorne, pode-se afirmar que:

Leia mais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais Módulo 4.Estruturas Organizacionais Como vimos anteriormente, a Abordagem Contingencial afirma que a forma de atuar da organização deve levar em conta o ambiente onde está inserida. Sua estrutura, igualmente,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Professor Djair Picchiai Campus São Paulo Março 2010 AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Todo diretor, gerente, chefe e encarregado exercem estas sete funções administrativas, a saber:

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

CONCURSO PETROBRAS DRAFT. Planejamento da Produção e Sistemas de Produção. Questões Resolvidas. Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.

CONCURSO PETROBRAS DRAFT. Planejamento da Produção e Sistemas de Produção. Questões Resolvidas. Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com. CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE PRODUÇÃO JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: PRODUÇÃO Planejamento da Produção e Sistemas de Produção Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br CONCEITOS E DEFINIÇÕES drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS - Base, alicerce, apoio, sustentáculo, motivo, razão, justificativa, conjunto

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Teoria das Relações Humanas Professor: Roberto César Abordagem Humanística Ênfase Tarefas Estrutura Pessoas Preocupação Máquina e Método Organização formal e princípios O

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker O presente artigo busca destacar as principais contribuições teóricas que definiram a linha evolutiva da Administração que se desenvolveu desde

Leia mais

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 2 1.2-História

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 12 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS: Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. Definir responsabilidade e autoridade e suas implicações especialização,

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFEREN SOB ENCOMENDA S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O CONTÍNUA IN TER MI TEN TE IN TER Página 2 de 17 SISTEMAS FATORES AS PRINCIPAIS DIVISÕES

Leia mais

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa - Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa A teoria clássica

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Administração Científica. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Administração Científica. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Administração Científica Professor: Roberto César Abordagem Clássica da Administração Administração Científica Taylor Ênfase nas Tarefas Abordagem Clássica da Administração

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

GESTÃO. 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão. 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1

GESTÃO. 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão. 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1 1.2-História do Pensamento sobre a Gestão As organizações e a prática da Gestão foram,

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012 Novembro de 2012 Aula baseada no livro Teoria Geral da Administração Idalberto Chiavenato 7ª edição Editora Campus - 2004 Nova ênfase Administração científica tarefas Teoria clássica estrutura organizacional

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Introdução às teorias organizacionais.

Introdução às teorias organizacionais. Curso: Teologia Prof. Geoval Jacinto da Silva. Introdução às teorias organizacionais. Boas vindas Apresentação. Iniciamos hoje, com o Tema: Introdução às teorias organizacionais. Portanto, espero contar

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

www.boscotorres.com.br MA_19_Formalização do Comportamento - 1a_Parte 1

www.boscotorres.com.br MA_19_Formalização do Comportamento - 1a_Parte 1 FORMALIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO - I DISCIPLINA: Macro Análise das Organizações FONTE: Henry Mintzberg. Criando Organizações Eficazes. Atlas. São Paulo: 2006. Prof. Bosco Torres MA_19_Formalização do Comportamento

Leia mais

Novas Formas de Organização do Trabalho

Novas Formas de Organização do Trabalho Novas Formas de Organização do Trabalho Nesse cenário tecnológico, os trabalhadores são organizados em um novo conceito de divisão do trabalho que compreende: a) Novas tecnologias de produção; b) Novos

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO A palavra administração tem origem no latim e significa: administratione Ad = (direção para, tendência, junto de) Minister = Comparativo de inferioridade, o sufixo ter (subordinação

Leia mais