Preparo do enfermeiro-líder para a qualidade da assistência de enfermagem: revisão da literatura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Preparo do enfermeiro-líder para a qualidade da assistência de enfermagem: revisão da literatura"

Transcrição

1 Preparo do enfermeirolíder para a qualidade da assistência de enfermagem: revisão da literatura Débora Cristina Fioretti Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Maria Cristina Sanna Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO O presente estudo tem o objetivo de verificar, na literatura científica, as propostas de preparo do enfermeirolider para o desenvolvimento do gerenciamento na Enfermagem, feitas pelos estudiosos do tema, e descrevê las. Para tanto foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre o tema liderança no período de 994 a 00. O total de publicações encontradas foi 9 artigos. Os resultados evidenciaram que a maior parte dos artigos publicados afirmam que, na prática da enfermagem brasileira, existe falta de liderança dos enfermeiros. Concluíu se que o preparo em liderança do enfermeiro é essencial para sua prática profissional, portanto, a formação desse profissional deve ter início na graduação e prosseguir de forma contínua na vida profissional. Descritores: Liderança; Educação; Enfermagem. Fioretti DC, Sanna MC. Preparo do enfermeirolíder para a aqualidade da assistência de enfermagem: revisão da literatura. Rev Enferm UNISA 00; : 7. INTRODUÇÃO Liderança é uma expressão de difícil e variada definição, é retratada na literatura sob os mais diferentes pontos de vista, cujos enfoques variam conforme a visão de mundo e a formação do estudioso. Pode ser entendido como processo de influenciar as atividades de um indivíduo ou grupo para a correção de um objetivo numa dada situação. Segundo TREVIZAN et al. (998), existe a falta de liderança na prática profissional da Enfermagem no Brasil, entretanto, escolas de enfermagem, associações de classe e instituições de saúde estão promovendo discussões e investindo no preparo de enfermeirolíder. O preparo do enfermeiro líder é uma condição básica para esse profissional tentar mudanças na sua prática diária, com vistas à melhoria da qualidade da assistência prestada ao paciente, conciliando os objetivos organizacionais com as necessidades do pessoal de enfermagem, pois a autora citada entende que o embasamento teórico dado na prática é essencial para a capacitação desse profissional. Para GALVÃO et al. (998), o preparo em liderança dos profissionais da área da saúde, sobretudo daqueles que se ocupam de funções gerenciais, é muito importante para a prática. Assim, acreditam que, para essa capacitação, a busca de estratégias seja fundamental e que o embasamento teórico seja um eixo norteador deste processo. Segundo LOURENÇO; TREVIZAN (00), as pessoas aprendem a liderar lentamente ao longo do tempo, por tentativa e erro, com o encorajamento de outras pessoas com grande capacidade de liderança. O grupo pesquisado pelos autores no estudo citado aponta que a Enfermagem precisa de mais líderes para modificar sua situação no contexto da sociedade e questiona a formação dada na graduação em Enfermagem, que não tem propiciado a formação de líderes. Para SIMÕES; FÁVERO (000), para que o enfermeiro possa exercer efetivarnente a liderança, deverá submeter se a uma transformação pessoal e profissional, aprimorando suas habilidades técnicas, científicas e interpessoais. Considerando o enfermeiro um agente de transformação, reforça se a necessidade de que ele aprenda e desenvolva habilidades de liderança tais como: buscar o auto conhecimento, reconhecendo suas potencialidades e limitações, manter bom relacionamento interpessoal, comunicar se com simplicidade e clareza, delegar poderes a fim de conseguir o melhor de cada um, incentivar a equipe, Rev Enferm UNISA 00; : 7. 7

2 valorizando e recompensando comportamentos, ser facilitador e inspirador mais que controlador, ter clareza da filosofia, das crenças e dos valores essenciais da profissão. Concordo com os autores mencionados quando falam que, para exercer uma liderança efetiva, a formação do enfermeiro líder precisa ter início na graduação e prosseguir com a Educação Continuada na vida profissional, buscando a melhoria da qualidade da assistência prestada ao paciente. Porém, em algumas publicações que li, constatei que os autores que em todos os trabalhos falam da importância do preparo do enfermeiro líder, não explicam como deveria ser esse preparo. Por isso resolvi estudar liderança sob esse prisma pretendendo, dessa forma, contribuir para o preparo do enfermeiro líder visando, em última instância, a qualidade da assistência prestada ao paciente. OBJETIVO O presente estudo teve o objetivo de verificar, na literatura científica, as propostas de preparo do enfermeiro líder para o desenvolvimento do gerenciamento na Enfermagem feitas pelos estudiosos do tema e descrevê las. MÉTODO Para atingir os objetivos propostos, foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre o tema liderança no período de 994 a 00. Foram identificadas as fontes bibliográficas através da base de dados DEDALUS na Biblioteca da Escola de Enfermagem da USP, empregando as palavras chaves de acesso liderança e enfermagem. Nessa pesquisa realizada no inicio de ano letivo de 00, foram encontrados 8 trabalhos. Também foram utilizadas as fontes bibliográficas do Setor de Pesquisa da Biblioteca Regional de Medicina BIREME SP com endereço na Internet Nela foram pesquisadas quatro bases de dados, com as mesmas palavras chaves de acesso no LILACS, encontrados 4 trabalhos; na BDENF foram encontrados nove trabalhos na AI)SAúDE foram encontrados três trabalhos, e no MEDLINE foram encontrados 7 trabalhos. RESULTADOS E DISCUSSÃO Na Tabela podese observar os tipos e o total de publicações nas cinco bases de dados e por ano. Nas cinco bases de dados foram encontradas 0 publicações, a partir das palavras chaves liderança e enfermagem, mas destes foram selecionados 9 trabalhos no total, sendo excluídos os repetidos e anteriores a 994, devido a este ser o ano da promulgação da legislação que definiu o Currículo Mínimo de Enfermagem (BRASIL, 994), no qual se destinou 5% de carga horária total do curso para Administração em Enfermagem. A Tabela mostra os estudos publicados segundo o veículo e o ano de publicação. A Revista Latino Americana de Enfermagem ficou com 4,% (8 publicações) e, com,% (4 publicações) ficou a Revista da Escola de Enfermagem da USP. A Revista Brasileira de Enfermagem teve 5,7% ( publicações), a Revista Gaúcha de Enfermagem 0,5% ( publicações) e por último a Revista Nursing 0,5% ( publicações). 000 foi o ano em que houve mais publicações, com 6,8% (7 publicações). 0 ano de 998 ficou com,% (4 publicações), o ano de 997 com 5,7% ( publicações), o ano 999 com 0,5% ( publicações) e, por último, os anos de 994, 996 e 00, com 5,% ( publicação cada). Em 995 não houve publicação sobre o tema pesquisado. Assim, cheguei à conclusão que os pesquisadores começaram a ter maior interesse pelo tema Liderança a partir de 998, já no fim do século XX, considerando a natural demora entre a elaboração do artigo e sua publicação, já que, houve escassez de trabalhos sobre liderança nos anos anteriores. Como resultado do levantamento realizado, encontrei 9 artigos que tratam de Liderança, enfocando a qualidade da assistência prestada ao paciente. Dos trabalhos pesquisados, 5 deles (78,9%) afirmam que, na prática da enfermagem brasileira, existe falta de liderança dos enfermeiros e que ocorre uma escassez de estudos sobre liderança. Destes 78,9% de artigos pesquisados que afirmam que existe falta de liderança, só 5,% um único artigo, indica como deveria ser o preparo do enfermeiro líder: fazendo educação continuada, apontando detalhadamente as etapas do programa. Já os autores de 78,9% dos artigos publicados apenas recomendam que, para ser um bom líder, é preciso um bom Embasamento Teórico (CASTRO; GALVÃO; SAWADA, 999; SIMÕES; FÁVERO, 000; GALVÃO et al, 997, GALVÃO et al, 998, GALVÃO et al, 000; ANTUNES, 999; VALE et al, 000; BECCARIA FÁVERO, 000; NETO, 000; TREVIZAN et ai, 998; KURCGANT; PERES; CIAMPONE, 996; ROZENDO; GOMES, 998; LOURENÇO; TREVIZAN, 00), Comunicação (GALVÃO et al, 998, GALVÃO et al, 000; CASTRO; GALVÃO; SAWADA, 999, SIMÕES; FÁVERO, 000; TREVIZAN et al, 998; CORNIANI; GALVÃO; SAWADA, 000), Educação Continuada (CASTRO; GALVÃO; SAWADA, 999; GALVÃO et al, 997, GALVÃO et al 000; ANTUNES 999; BECCARIA; FÁVERO, 000), Bom Relacionamento (SIMÕES; FÁVERO, 000; GALVÃO et al, 997, GALVÃO et al, 998; MIENDES et al, 000), Tomada de decisão (MENDES et ai, 000; GALVÃO et al, 000), Auto conhecimento (SIMÕES; FÁVERO, 000; ANTUNES, 999; GALVÃO et al 997, GALVÃO et al, 998; MENDES, et al 000), Incentivador (BECCARIA; FÁVERO, 000; SIMÕES; FÁVERO, 000), Facilitador (MENDES et al, 000), Inspirador (MENDES et al, 000) e Competência (ANTUNES, 999; MENDES et al, 000; LOURENÇO; TREVIZAN, 00). Nos artigos pesquisados só foi identificado um trabalho (5,%) relacionado ao preparo de enfermeiros líderes nos tópicos Liderança e Comunicação, demonstrando que há escassez de estudos sobre o preparo de enfermeiros líderes. Os artigos analisados foram divididos em quatro grupos, em razão das características de cada estudo, determinadas por seus objetivos. São eles: I ) Avaliar os conceitos chave, os modelos de liderança e 8 Rev Enferm UNISA 00; : 7.

3 Tabela. Total de publicações encontradas nas bases de dados pesquisadas com as palavras chaves de acesso liderança e enfermag em no período de 994 a 00. Bases de Dados Livros Teses Trabalhos Artigos Total DEDALUS LILAC S BDENF ADSAÚDE MED LINE Totais Tabela.Artigos segundo o veiculo e o ano de publicação, de 994 a 00. Periódico/Ano Total Rev. Latam Enf Rev. EEUSP Rev. B ras. Enf Rev. Gaúcha Enf Rev. Nursing 8 4 Totais Tabela. Artigos publicados segundo autores e o local da publicação, de 994 a 00. AUTORES/ São Paulo Ribeirão Porto Manaus Uberlândia Total LOC AL Preto Alegre Antunes Beccaria Caetano Carneiro Castro Ciampone Coleta Corniani Fávero 4 4 Ferraz Galvão 8 Gomes Hayashida Kurcgant Lourenço Melo Mendes 4 Munhoz Neto Peres Rozendo Sampaio Sawada 8 Simões Trevizan 4 8 Vale Yamarchi Totais os estilos de liderança exercida pelos enfermeiros; II ) Identificar os aspectos da liderança na prática profissional do enfermeiro, enfatizando a importância desta para a profissionalização do trabalho na Enfermagem; III ) Conhecer a opinião dos enfermeiros e dos alunos do 40. ano de Graduação em enfermagem sobre o preparo e a necessidade do aprendizado em liderança; IV ) Identificar o papel do enfermeiro líder sobre o tema liderança e comunicação. Análise do material I ) Estudos relacionados à avaliação dos conceitos chaves de modelos e estilos de Liderança exercida pelos enfermeiros Os estudos analisados apontaram que a Liderança Rev Enferm UNISA 00; : 7. 9

4 Situacional pode fornecer contribuição fundamental para o desempenho do enfermeiro líder e, de modo especial, no que tange à articulação entre a maturidade do liderado e o estilo de liderança. Cabe ao enfermeirolíder buscar mecanismos que proporcionem ao paciente uma assistência individualizada e com qualidade e, ao pessoal de enfermagem, o desenvolvimento do seu potencial. GALVÃO et al. (997) entendem que a liderança do enfermeiro seja de suma importância e que o embasamento teórico é um eixo norteador do processo de preparo para o desempenho do papel do líder. O enfermeiro, além de compreender o processo de liderança relativo a uma determinada situação, precisa também conhecer e conciliar o nível de maturidade do liderado com o estilo de liderança. O desenvolvimento da habilidade de liderar pelo enfermeiro abrange as estratégias que este profissional poderá empregar na sua prática diária com o intuito de promover mudanças, as quais possibilitem a melhoria da qualidade da assistência de enfermagem prestada ao paciente. As teorias sobre Liderança podem ser classificadas em grupos: a ) teorias de traços de personalidade b ) teorias sobre estilos de liderança e c ) teorias situacionais da liderança. As teorias de traços de personalidade são as mais antigas e preconizam que o líder apresenta traços específicos de personalidade por meio dos quais pode influenciar o comportamento das demais pessoas. As teorias sobre estilos de liderança estudam os tipos de comportamento do líder em relação aos seus liderados evidenciados em três estilos diferentes: o autocrático, o democrático e o liberal (laissez faire). Já as teorias situacionais apontam para as circunstâncias que influem no fenômeno Liderança. Há quatro estilos de liderança propostos pelos autores GALVÃO et al (997): o Estilo de liderança determinar é apropriado para pessoas com nível de maturidade baixo. Geralmente essas pessoas não possuem capacidade e nem disposição para assumirem a responsabilidade de fazer algo. O líder assume um estilo diretivo, em que a orientação é clara, específica e a supervisão rigorosa; define as atividades que as pessoas devem fazer, como, quando e onde devem executá las. Este estilo envolve um comportamento alto de tarefa e baixo de relacionamento. Para pessoas que não têm capacidade mas sentem disposição em assumir a responsabilidade de uma determinada tarefa, ou seja, com nível de maturidade entre baixo e moderado, o estilo de liderança correspondente é o persuadir. O estilo compartilhar é o mais apropriado, pois este estilo envolve um comportamento alto de relacionamento e baixo de tarefa. É um estilo participativo, de apoio e não diretivo, ou seja, líder e liderado participam juntos do processo de tomada de decisão. Para o liderado que tem capacidade e disposição para assumir responsabilidade, ou seja, nível de maturidade alto, o estilo de Liderança delegar é o mais eficaz. A Liderança Situacional pode ser utilizada como estrutura teórica para fundamentar a habilidade de liderar do enfermeiro, com vistas ao aprimoramento da qualidade da assistência de enfermagem e o desenvolvimento do potencial do pessoal de enfermagem. GALVÃO et al. (998) também acreditam que cabe ao enfermeiro a busca de estratégias para tentar modificações na sua prática diária. Ficou em evidência, pelos resultados do estudo de BECCARIA; FÁVERO (000), que os enfermeiros esperam que o diretor executivo relacione se com os subordinados de forma a manter um vínculo inseparável entre as necessidades de produção e as das pessoas, com participação ativa de todos, envolvimento e comprometimento com padrões de excelência, com forte espírito de trabalho em equipe. Nas organizações modernas, o estilo de liderança tem tido muita ênfase por se constituir um processo fundamental na consecução dos objetivos da empresa, pois é através dela que a pessoa desenvolve a habilidade de influenciar o comportamento de outras, facilitando lhes a realização de atividades desejadas. O estudo de VALE et al. (000) revelou que enfermeiras em cargos de chefia, apresentam estilo de liderança centrado no serviço e nas pessoas. As teorias contemporâneas da liderança surgiram no final dos anos 970, após longos anos de supremacia das teorias situacionais e contingências no mundo organizacional das instituições. Considerada uma teoria interacional, a liderança transformacional é mais que um novo marco conceitual da administração pós moderna, é um estilo de liderança voltado para a qualidade da assistência prestada pelo enfermeiro (NETO, 000). Outro aspecto importante na liderança da enfermeira, na perspectiva da ética pósmoderna, são as implicações no entendimento do que é ética: antes de tudo, o limite que a própria pessoa impõe a si mesma, e exige como base autonomia e responsabilidade (MENDES et al., 000). Nos estudos pesquisados, podese observar que há vários estilos e modelos de liderança mas, apesar de sua variedade, eles tem o mesmo objetivo, que é a melhoria da assistência prestada ao paciente. II) Identificar os aspectos da liderança na prática profissional do enfermeiro, enfatizando a importância da liderança para a profissionalização do trabalho na enfermagem Para ROZENDO; GOMES (998), a liderança na Enfermagem é vista segundo a perspectiva de que não é um fim em si mesma, ao invés, atende a determinadas necessidades e finalidades, presentes na atividade gerencial desenvolvida pelos enfermeiros, cuja finalidade é organizar o trabalho para possibilitar a prática do trabalho coletivo em saúde. O enfermeiro deverá desempenhar uma gerência voltada a transformações, para obter a melhora da qualidade da assistência de enfermagem, possibilitando maior satisfação para a equipe de enfermagem no seu dia a dia. O enfermeirolíder do futuro precisa visualizar cada membro da equipe de enfermagem como um ser único, dotado de capacidades e dificuldades. Conhecer as necessidades e expectativas pessoais e profissionais do pessoal de enfermagem é um aspecto fundamental para eficiência e a eficácia do processo de liderar (GALVÃO et al., 998). 0 Rev Enferm UNISA 00; : 7.

5 O grupo pesquisado no trabalho de LOURENÇ0; TREVIZAN (00), apontou que a Enfermagem precisa de mais líderes para modificar sua situação no contexto da sociedade e questionou a formação oferecida na graduação em Enfermagem, que não tem propiciado a formação de líderes. Segundo ANTUNES (999), a liderança é um fator fundamental ao bom gerenciamento do serviço de enfermagem e, conseqüentemente, importante para a qualidade da assistência prestada ao paciente. Por isso, é indispensável que o enfermeiro, que a todo momento atua como líder no desempenho de sua atividades, esteja capacitado para atuar como um líder competente nas diferentes situações profissionais. Para YAMARCHI; MUNHOZ (994), a filosofia da gerência da qualidade total na área hospitalar não é tarefa fácil de ser realizada, pois requer mudanças no comportamento e modo de pensar das pessoas. Concordo com os textos quando afirmam que a liderança é de suma importância para a Enfermagem a fim da obtenção de melhoria da qualidade da assistência prestada ao paciente, e que o enfermeiro líder tem que conhecer sua equipe de trabalho e ter um bom conhecimento teórico. III) Conhecer a opinião dos enfermeiros e dos alunos do 4o. ano de graduação sobre o preparo e a necessidade do aprendizado em liderança Partindo das considerações apresentadas nos trabalhos lidos, entendi que a capacitação do enfermeiro para o exercício da liderança e comunicação é fundamental para a sua prática profissional, uma vez que possibilitará um trabalho compartilhado com a equipe de enfermagem, buscando atender às reais necessidades do paciente/cliente. 0 preparo em liderança do enfermeiro é essencial para a sua prática profissional. Este deve ter início na graduação, através de disciplinas que possibilitem não só embasamento teórico mas principalmente o aprendizado a partir de experiências vividas no cotidiano do enfermeiro, como afirmam CASTRO; GALVÃO; SAWADA (999). A liderança é um processo coletivo para o qual é necessária a integração de esforços individuais, buscando alcançar objetivos definidos e compartilhados pelo grupo. Sendo assim, é imprescindível ao enfermeiro, reconhecer a importância e o valor de cada elemento da equipe, bem como as demandas situacionais. Para que o enfermeiro possa exercer efetivamente a liderança, deverá submeter se a uma transformação pessoal e profissional, aprimorando suas habilidades técnicas, científicas e interpessoais. Considerando o enfermeiro um agente de transformações, reforça se a necessidade de que ele aprenda e desenvolva habilidades de liderança tais como: buscar auto conhecimento, reconhecendo suas potencialidades e limitações, manter bom relacionamento interpessoal, comunicar se com simplicidade e clareza, delegar poderes, a fim de conseguir o melhor de cada um, incentivar a equipe, valorizando e recompensando comportamentos, ser facilitador e inspirador mais que controlador, ter clareza da filosofia, das crenças e dos valores essenciais da profissão (SIMÕES ; FÁVERO, 000). IV ) Identificar o papel do enfermeiro líder sobre o tema liderança e comunicação A liderança é a expressão de apoio e confiança, é o desenvolvimento de um real sentido de interdependência entre os integrantes, com respeito às individualidades, como afirmam TREVIZAN et al. (998). A comunicação é fundamental para o exercício da influência para a coordenação das atividades grupais e para a efetivação do processo de liderança. 0 objetivo do comunicador é transmitir uma mensagem para alguma pessoa, de modo que essa mensagem seja recebida de forma pretendida. 0 enfermeiro líder como fonte central de comunicação, tem o propósito de abordar o processo comunicativo como um instrumento essencial para o exercício da liderança nos sistemas de organização da assistência de enfermagem. A liderança e a comunicação consistem em estratégias essenciais para a prática profissional do enfermeiro. CORNIANI; GALVÃO ; SAWADA(000) definem comunicação como sendo um processo que possibilita o entendimento da informação que está sendo passada. Um enfermeiro refere dificuldade em desenvolver a habilidade de liderar por não saber como agir em determinadas situações. Acreditam que, se tivesse preparo melhor, saberia como agir. As dificuldades de comunicação ocorrem pela falta de clareza por parte de quem está transmitindo a mensagem e a falta de interesse do receptor. O líder deve emitir suas mensagens de tal forma que promova, nos liderados, o entendimento correto, acarretando satisfação e melhor desenvolvimento. CONSIDERAÇÕES FINAIS Frente aos resultados evidenciados nos artigos publicados, podese verificar que existem falhas no processo ensino aprendizagem da liderança na Enfermagem. A análise dos dados levantados demonstrou que os artigos publicados só indicam o que é preciso para ser um bom líder, mas não explicam como deveria ser o seu preparo. Afirmam que, para ser um bom líder, tem que ter bom embasamento teórico, tem que ter uma boa comunicação, fazer Educação Continuada nas instituições, ter um bom relacionamento, Tomada de decisão, Auto conhecimento, ser Incentivador, Facilitador, Inspirador e ter Competência. A forma como se deve conquistar o desenvolvimento desses conhecimentos, habilidades e atitudes, no entanto, é pouco debatida nos artigos. Acreditase que o preparo em liderança do enfermeiro é essencial para a sua prática profissional, devendo ter início na graduação, através de disciplinas que não ofereçam só o embasamento teórico mas, principalmente, o aprendizado a partir de experiências vívidas no cotidiano da Enfermagem. Por fim, penso que compete aos serviços de saúde promover os programas de educação continuada e, ao enfermeiro, buscar outras estratégias (leitura, cursos de especialização e de pós graduação), possibilitando o desenvolvimento da habilidade de liderar. A liderança é de suma importância para o desenvolvimento do gerenciamento em enfermagem, com vistas à Rev Enferm UNISA 00; : 7.

6 melhoria da qualidade da assistência de enfermagem prestada ao paciente/ cliente, proporcionando maior satisfação para a equipe de enfermagem. Portanto, o enfermeiro deve saber liderar sua equipe com coerência,isto é, saber ouvir seus liderados e harmonizar as idéias e opiniões de cada um, para o melhor desenvolvimento do trabalho, buscando a melhoria da qualidade da assistência. Para finalizar, acredito que cabe aos enfermeiros líderes pesquisarem sobre o preparo do enfermeiro líder. Devido à escassez de estudos sobre o tema e, sendo esta uma questão relevante para a melhoria da qualidade da assistência prestada ao paciente, penso que as pesquisas na área de atuação de Gerenciamento em Enfermagem devam priorizar este aspecto. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANTUNES, A.V. Liderança para a Qualidade na Enfermagem. Rev. Nursing. v., n. 5, p, 6, ago BECCARIA, L.M; FÁVERO, N. Expectativas de Gerentes e Assessores de Enfermagem quanto ao Estilo Gerencial do Diretor Executivo de um Hospital de Ensino. Rev. latino am. Enfermagem. v. 8, n., p. 890, abr, 000. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Portaria 7, de 5 de Dezembro de 994. Fixa os mínimos de conteúdo e duração do Curso de Graduação em Enfermagem. Diário Oficial da União. Brasília, 6 de Dezembro de 994, seção, p CASTRO, A.P.; GALVÃO, C.M.; SAWADA, N.O. Liderança e Comunicação: Construção de Instrumento de Medida para alunos de graduação em Enfermagem. Rev. Gaúcha de Enferm. v. 0, n., p. 7789, jul, 999. CORNIANI, F.; GALVÃO, C.M.; SAWADA, N.O. Liderança e comunicação: opinião dos enfermeiros responsáveis pelos serviços de enfermagem de um hospital governamental. Rev. Esc. Enf. USP. v. 4, n. 4, p. 475, dez, 000. GALVÃO, C.M.; SAWADA, N.O.; CASTRO, A.P.C; CORNIANI, F. Liderança e Comunicação: Estratégias essenciais para o gerenciamento da assistência de enfermagem no contexto hospitalar. Rev. lat am. Enfermagem. v. 8, n. 5, p. 44, out, 000,. GALVÃO, C.M.; TREVIZAN, M.A.; SAWADA, N.O.; COLETA, J.A.D. Liderança Situacional: Estrutura de Referência para o trabalho do Enfermeiro Líder no contexto Hospitalar. Rev. latam. Enfermagem. v. 6, n., p. 890, jan, 998. GALVÃO, C.M.; TREVIZAN, M.A.; SAWADA, N.O.; MENDES, I.A.C. Liderança Situacional: um modelo para aplicação na Enfermagem Brasileira. Rev. Esc. Enf. USP. v., n., p.76, ago, 997. GALVÃO, C.M.; TREVIZAN, M.A., SAWADA, N.O., FÁVERO, N. O estilo de Liderança exercido pelo Enfermeiro de Unidade de Internação Cirúrgica sob o enfoque da Liderança Situacional. Rev. lat am. Enf v. 5, n., p. 947, abr, 997. GALVÃO, C.M., TREVIZAN, M.A., SAWADA, N.O. Liderança do Enfermeiro no Século XXI: Algumas Considerações. Rev. Esc. Enf. USP, v., n. 4, p. 06, dez, 998. GALVÃO, C.M.; TREVIZAN, M.A.; SAWADA, N.O.; MENDES, I.A.C. Enfermeiro Cirúrgico: Seu Estilo de Liderança com o Pessoal Auxiliar de Enfermagem. Rev. Gaúcha Enferm. v. 8, n., p. 4, jan, 997. KURCGANT, P.; PERES, H.H.Q.; CIAMPONE, M.I.T. A liderança na administração do pessoal de enfermagem segundo a percepção de enfermeiras, auxiliares e atendentes de enfermagem. Rev. Esc. Enf. USP. v, 0, n., p. 468, dez, 996. LOURENÇO, M.R.; TREVIZAN, M.A. Líderes da Enfermagem Brasileira sua visão sobre a temática da liderança e sua percepção a respeito da relação liderança & liderança. Rev. latam. Enf. v., p. 49, mai, 00. MENDES, I.A.C.; TREVIZAN, M.A.; FERRAZ, C.A.; HAYASHIDiN, M. Liderança da Enfermeira na perspectiva da Ética Pós Moderna. Rev. Bras. Enferm. v. 5, n., p. 404, jul/set, 000,. NETO,DL. Liderança Transformacional: a Arte de Administrar com Inteligência Emocional. Rev. Nursing. v., n., p. 6 9, fev, 000. ROZENDO, C.A.; GOMES, E.L.R. Liderança na Enfermagem Brasileira: Aproximando se de sua desmistificação. Rev. lat am. enf. v. 6, n. 5, p.6776, dez, 998. SIMOES, A.L.A.; FAVERO, N. Aprendizagem da Liderança: Opinião de Enfermeiros sobre a formação acadêmica. Rev. lat am enf. v. 8, n., p. 96, jul, 000. TREVIZAN, M.A.; MENDES, I.A.C.; FÁVERO, N.; MELO, M.R.A.C.M. Liderança e Comunicação no Cenário da gestão em Enfermagem. Rev. lat am.enf v. 6, n. 5, p. 778, dez, 998. VALE, E.G.; CAETANO, F.I.; CARNEIRO, M.M.G.; SAMPAIO, M.G.C. Estilos de Liderança da Enfermeira numa instituição pública de fortaleza. Rev. Bras. Enferm. v. 5, n. 4, p.56, out./dez, 000. YAMARCHI, N.I.; MUNHOZ, C.H.F. Conceitos Básicos para um Gerenciamento de Enfermagem baseado na filosofia da qualidade total. Rev. Bras. Enferm. v. 47, n., p. 506, jan./ mar, 994. Rev Enferm UNISA 00; : 7.

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Liderança e Comunicação Professor: Roberto César Liderança O líder nasce líder ou aprende a ser líder? Liderar é conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas a

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Liderança. Profª Karina Gomes Lourenço

Liderança. Profª Karina Gomes Lourenço Liderança Profª Karina Gomes Lourenço 1.Conceito : Arte ou processo de influenciar pessoas de maneira a que se esforcem espontaneamente para o alcance dos objetivos do grupo. Processo pelo qual pessoas

Leia mais

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão.

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. Liderança Objetivo Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. 2 Introdução O que significa ser líder? Todo gestor é um líder? E o contrário? Liderança

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA LIDERANÇA COMO INSTRUMENTO GERENCIAL NO PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO

UTILIZAÇÃO DA LIDERANÇA COMO INSTRUMENTO GERENCIAL NO PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO UTILIZAÇÃO DA LIDERANÇA COMO INSTRUMENTO GERENCIAL NO PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO ISABELA FERNANDA LARIOS FRACAROLLI ANAIR LAZZARI NICOLA Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná,

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

ENFERMEIRO COMO GERENCIADOR DA REDE BÁSICA DE SAÚDE ¹

ENFERMEIRO COMO GERENCIADOR DA REDE BÁSICA DE SAÚDE ¹ ENFERMEIRO COMO GERENCIADOR DA REDE BÁSICA DE SAÚDE ¹ DIAS, Caliandra Letiere Coelho 2, Caren Franciele Coelho 3 ; FONSECA, Graziele Gorete Portella da 4 ; PARCIANELLO, Márcio Kist 5 ¹Pesquisa bibliográfica

Leia mais

Aula 5. Teorias sobre Liderança

Aula 5. Teorias sobre Liderança Aula 5 Teorias sobre Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br O que é Liderança Capacidade de influenciar um grupo em direção ao alcance dos objetivos. Desafios para o líder: desenvolvimento

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM Eliese Denardi Cesar 1 Luciane Stanislawski de Souza 2 Roberta Mota Holzschuh 3 Graciela Gonsalves Borba 4 Janaína Kettenhuber

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

Liderança em enfermagem: conceitos, evolução e dificuldades dos enfermeiros

Liderança em enfermagem: conceitos, evolução e dificuldades dos enfermeiros Liderança em enfermagem: conceitos, evolução e dificuldades dos enfermeiros Lilian Freitas da Silva Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Isabel Cristina Kowal Olm Cunha Docente do Curso de Graduação

Leia mais

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS.

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS. ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA PACIENTES COM DIABETES NA ATENÇÃO BASICA UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 BOEIRA, Giana 2 ; CADÓ, Thaís 3 ; FRIGO, Letícia 4 ; MANFIO, Francieli 5 ; MATTOS, Karen 6 ; PIAIA, Eveline

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM Górki Pires de Andrade gorkipires@hotmail.com Jessica Rabelo Holanda jeholanda2010@hotmail.com Kelianny Pinheiro Bezerra

Leia mais

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental (1976) 1- Variação normal da inteligência (VNI) QI entre 71e 84 Geralmente sem atraso do DNPM

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS NA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM

UTILIZAÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS NA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM TREVIZAN, M.A.; MENDES, I.A.C.; GALVÃO, C.M.; SAWADA, N.O. Utilização das teorias administrativas na produção do conhecimento sobre administração em enfermagem. Rev. Bras. Enf, v.44, n.4, p.36-40, 1991.

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR. Segue descrito abaixo o Regulamento de Estágio Curricular. REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL

ESTÁGIO CURRICULAR. Segue descrito abaixo o Regulamento de Estágio Curricular. REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL ESTÁGIO CURRICULAR Segue descrito abaixo o Regulamento de Estágio Curricular. REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL Introdução O presente Regulamento constitui um documento interno do curso

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO

GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA REITORIA DE PÓS P S GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PÓS P S GRADUAÇÃO GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER?

LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER? LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER? AILA MORAIS V. DE CARVALHO ALAN CÁSSIO G. EVERTON BENFICA DOS SANTOS MARAISA DE LIMA BARCELOS SHÁDYA AMÁBILLE RAMOS LOPES FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS - AEMS

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO ADMINISTRATIVA INTEGRADA A TECNOLOGIA UnC INTRODUÇÃO A UnC interage com um mundo organizacional competitivo, inclusive com sua própria estrutura administrativa e geográfica que

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: DE MAIRIPORÃ Código: 271 Município: MAIRIPORÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM CONTABILIDADE Qualificação:

Leia mais

Mudança Orientada por Comportamento

Mudança Orientada por Comportamento Mudança Orientada por Comportamento Quando um sistema de gestão de SSO não é suficiente para melhorar o desempenho organizacional em acidentes Caroline Passuello e Mauro Tavares Abril 2012 DNV Business

Leia mais

ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA

ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA Área Temática: Educação Responsável pelo trabalho: Tatiana Comiotto Menestrina Instituição: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC) Departamento:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS: O papel do Gestor de RH

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS: O papel do Gestor de RH ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS: O papel do Gestor de RH A importância de se implantar programas para aperfeiçoamento de gestores Ana Clara Jorge Carolina Marques de Rezende Isabela Amantéa M. Lima Marcelle

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Aula 05 Prof. Esp. Gladimir Ceroni Catarino gccatarino@senacrs.edu.br gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

FÁBRICA DO SABER SEMINÁRIOS TÉCNICOS BOMBAS CENTRÍFUGAS: TRANSFORMAÇÃO PELA EDUCAÇÃO

FÁBRICA DO SABER SEMINÁRIOS TÉCNICOS BOMBAS CENTRÍFUGAS: TRANSFORMAÇÃO PELA EDUCAÇÃO FÁBRICA DO SABER SEMINÁRIOS TÉCNICOS BOMBAS CENTRÍFUGAS: TRANSFORMAÇÃO PELA EDUCAÇÃO Edson França Rodrigues (1) Nadja Maria Rocha N Mello Filha (2) Janine Franco Lima (3) Aline Costa Rauen (4) Flávio Henrique

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 029/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo de Cooperação Técnica nº 1841/OC-BR Projeto: Programa

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas CLEBER FEIJÓ SILVA DANIELA PATRICIA VAZ TAIS MAZZOTTI cleber.feijo@famesp.com.br danielavaz@famesp.combr tamazzotti@terra.com.br Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano

O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano Prof. Cassimiro Nogueira Jr Hoje, as lideranças que querem obter sucesso, formam equipes de trabalho

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

Administração e Gerenciamento de Enfermagem

Administração e Gerenciamento de Enfermagem Administração e Gerenciamento de Enfermagem Questão 9 A Enfermagem utiliza o gerenciamento no seu processo de trabalho e vem, ao longo dos anos, buscando meios mais eficazes de adequar modelos administrativos

Leia mais

LÍDER 360º APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA

LÍDER 360º APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE LIDERANÇA PARA A GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA 24 HORAS DE MUITO CONHECIMENTO, DINÂMICAS E TROCA DE EXPERIÊNCIAS APRESENTAÇÃO LÍDER 360º Os princípios da liderança efetiva Para construirmos

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Liderança Pessoal para alunos do ensino superior: novos paradigmas para ensino, aprendizagem e carreira.

Liderança Pessoal para alunos do ensino superior: novos paradigmas para ensino, aprendizagem e carreira. Liderança Pessoal para alunos do ensino superior: novos paradigmas para ensino, aprendizagem e carreira. Escrito por: Maria de Lurdes Zamora Damião e Isabel Macarenco Cenário: jovens recém-formados que

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais