Logística de Carga no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Logística de Carga no Brasil"

Transcrição

1 Logística de Carga no Brasil Como reduzir Custos Logísticos e Melhorar Eficiência? Sumário Executivo Jorge Rebelo The World Bank Sustainable Development Department Latin America and the Caribbean Region Dezembro 2011

2 Conteúdo da Apresentação Objetivos da Apresentação Metodologia Seguida Comparação com outros países Matriz de Transporte: Repartição Modal e Custos Identificação de Gargalos, deficiências em procedimentos na Supply chain, incentivos fiscais e licenças ambientais Estado de Preparação Logística do Brasil par Competir Globalmente Constações e Conclusões Opções para Ação Como Reduzir Custos Cenários para Desenvolvimento da Logística 2

3 Sumário Executivo Objetivos do trabalho Comparar o Brasil com outros países emergentes e industrializados na área de logística Identificar gargalos ao melhoramento dos atuais índices de desempenho logístico do país. Propôr opções para eliminar esses obstáculos e cenários para desenvolvimento da logístca nacional Identificar tópicos para discussão/estudos específicos Contribuir para a elaboração de uma agenda de políticas públicas que priorizem projetos e procedimentos na área de logística de carga com maior potencial de ganhos de custo-eficiência para o país. 3

4 Sumário Executivo Metodologia Mapeou-se os principais corredores de exportação, examinou-se a infraestrutura e operações pelos vários modais, entrevistou-se operadores e usuários para entender quais os maiores entraves ao comércio internacional. Comparou-se os custos logísticos do Brasil em relação ao PIB com os custos de outros países emergentes e industrializados. Examinou-se o índice de percepção logística (Logistics Performance Index) para o Brasil vs outros países e o tempo para realizar negócios ( time for doing business ). Examinou-se a repartição modal e a redução de custos devido a uma repartição modal mais racional Se propôs cenários para melhoramento da logística de carga e respetivos investimentos Identificou-se os principais investimentos em infraestrutura e melhoramentos na supply chain Apresentou-se constações e conclusões Se propôs opções para um plano de ação 4

5 Sumário Executivo Comparando o Brasil com outros Países Indice de Desempenho Logístico (Logistics Performance Index) País Pontos Rank Canadá USA Austrália Nova Zelândia China Chile Índia Argentina México Brazil Russian Fed Source: World Bank 2010 O LPI é um índice de desempenho em logística que compreende 7 categorias distintas: Source: Alfândega, Infra-estrutura, Carregamento Internacional, Competência Logística, Rastreamento, Custos Domésticos Logísticos, Prazo. Baseado num questionário direcionado a prestadores de serviço na área de logística e empresas que demandam esse tipo de serviço em 150 países, o LPI assume o valor máximo de 5 pontos. 5 5

6 Comparando o Brasil com outros Países LPI por Categoria BRASIL BRASIL VS OUTROS Infra-estrutura Fonte: Banco Mundial (2010) 6

7 Comparando o Brasil com outros Países Quando avaliamos o desempenho do Brasil em logística a partir do custo logístico em dólares que engloba o custo de transporte, estoque e armazenagem vemos que o Custo Brasil é bastante alto comparativamente a seus concorrentes. Segundo estimativa do Banco Mundial (2007), o custo logístico brasileiro seria 15.4% do PIB, mais que 2 vezes acima do percentual americano. Vale ressaltar que o Brasil apresenta um custo logístico bem maior, como proporção do PIB, que outros países da América Latina, como Chile e México. Custo Logístico/PIB País CL/PIB EUA 8.5% OCDE (média) 9% Chile 16% México 18.5% Brasil* 10.6%-15.4% Argentina 27% Peru 32% Fonte: Guasch J.L (2002). Logistics Costs and their Impact and Determinants in Latin America and Caribbean. The World Bank. Washington, DC. Mimeo. *Existem controvérsias sobre o cálculo de custo logístico no Brasil que são discutidas na seção 3. A COPPEAD estima o custo logístico do Brasil em 13.6% do PIB em Outros autores consideram o custo de estoques muito mais alto. De Castro estima o custo logístico em cerca de 17% e Guasch estmou em 24% em

8 PNLT TRATA MUITO BEM Ilos analiza periodicamente Ilos analiza periodicamente Source, Ilos, 2011 Ilos analiza periodicamente 8

9 Potencial de Redução de Custo Logístico Custo da Logística no PIB (15,4%)....US$ bilhões Custo possível da logística no PIB (9%)...US$ 72.6 bilhões Comparação do Custo da Logística 8% (GNP) United States % (GNP) 0.9 Source : World Bank estimates and COPPEAD, Davis onte: Estimativa Banco Mundial 9 5 Brazil 0.5 Administrative Warehousing Inventories Transportation Espaço para redução de custo...us$51.8 bilhões/ano Transporte de Carga (49%) Custo do setor de transp. no PIB (9%)...US$72,7 bilhões Custo possível do transp. no PIB (5%)...US$40,3 bilhões Espaço para redução de custo...us$32.4 bilhões/ano Estoque (42%) Custo do estoque no PIB (5%)...US$40,3 bilhões Custo possível de estoque no PIB (3.1%)...US$25.0 bilhões Espaço para redução de custo...us$15.3 bilhões/ano Armazenagem (5%) Custo de armazenagem no PIB (0,9%)...US$7.3 bilhões Custo possível de armaz. no PIB (0.6%)...US$5,0 bilhões Espaço para redução de custo...us$2 bilhões/ano Administrativo (4%) Custo administrativo no PIB (0.5%)...US$4,0 bilhões Custo possível administ. no PIB (0.3%)...US$2,4 bilhões Espaço para redução de custo...us$1.6 bilhões/ano 9

10 10

11 Iilos,

12 ILOS,

13 Distribuição dos Custos Logísticos nas Empresas Brasileiras por Setor Alimentos, Farmacia, Higiene e Fumo 65% 16% 19% Automotivo 74% 10% 16% Quimico, Petroquimico, Papel e Celulose 68% 16% 16% Siderurgia, Metalurgia e Mineracao 63% 20% 16% Tecnologia, Computacao e Eletronico 40% 34% 27% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Custo de Transporte Custo de Estoque Custo de Armazenagem Fonte: CEL/COPPEAD 13

14 Argentina Australia Canada Chile China India Russian Federation United States Upper middle income(income average) Brazil Clearance time with physical inspection 0 (days) 1 Clearance 2 time without 3 physical inspection 4 (days)

15 Argentina Australia Canada Chile China India Russian Federation United States Upper middle income(income average) Brazil Multiple inspection (%) Physical inspection (%) 15

16 Argentina Australia Canada Chile China India Russian Federation United States Upper middle income(income average) Brazil Lead time import for port/airport, median case (days) Lead time export for port/airport, median case (days) 16

17 Argentina Australia Canada Chile China India Russian Federation United States Upper middle income(income average) Brazil Lead time import for port/airport, median case (days) Lead time export for port/airport, median case (days) 17

18 Argentina Australia , Canada , Chile 1, , China India Russian Federation , , , United States Upper middle income(income average) Brazil 1, , , , , , , Typical charge for a 40-foot import container or a semi-trailer (US$) 1, , , , Typical charge for a 40-foot export container or a semi-trailer (US$) 18

19 Sumário Executivo Estrutura do Custo Logístico (Corredor do porto de Santos) Observa-se que do custo logístico de exportação dos setores industriais 48% refere-se a parcela de transporte e 21% para o custo portuário, a parcela de custo de estoque corresponde a 22% do total e as parcelas de armazenagem e administração correspondem a 5% e 4% respectivamente. 2% 4% 14% Porto Transporte Armazenagem Administração 80% 5% 4% 22% 48% 21% Estoque Porto Transporte Armazenagem Administração Para o setor agrícola, o custo de transporte representa 80% do custo logístico total, com a parcela portuária sendo responsável por 14%. 19

20 Sumário Executivo Identificação dos Gargalos de Custo Logístico Setorial para a Exportação Industrial Observa-se que os setores com gargalos predominantes em transportes são os de produtos alimentares, papel e celulose, autopeças, químicos e automotivos. Os setores de produtos Combustível e Metalurgia Básica apresentam gargalos significativos em custos portuários. O setor de máquinas e equipamentos apresenta gargalo predominante quanto ao custo de estoque. O custo de estoque também é significativo para o setor automotivo, metalurgia básica e produtos químicos. Setor Máquinas e Equipamentos Setor Automotivo Setor Metalúrgica Básica Setor Químicos Setor Peças Automóveis Setor Combustível Setor Papel e Celulose Setor Alimentos 0% 20% 40% 60% 80% 100% Estoque Custo Portuário Custo Transporte 20 20

21 Sumário Executivo Composição do Custo Logístico Setorial para a Exportação Industrial Total Automotores Autopeças Químicos Metalurgia Básica Papel e Celulose Máquinas e Equipamentos Combustíveis Alimentos 0% 20% 40% 60% 80% 100% Estoque Porto Transporte Armazenagem Administração No conjunto de setores, as maiores participações de custo de transporte se referem aos setores de Alimentos com 56%, Papel e Celulose com 54% e Autopeças com 51%; As maiores participações de custo de estoque se relacionam a Máquinas e Equipamentos com 52% e Automotores com 36% e as maiores parcelas de custo portuário se referem a Combustíveis com 47% e Metalurgia básica com 32%. 21

22 Matriz de Transporte O desbalanceamento da matriz de transportes brasileira constitui um dos principais focos de ineficiência do sistema de logistíca e transporte brasileiro. O modal rodoviário acumula quase 60% do transporte de carga brasileiro, medido em toneladas-quilometro úteis (TKU), apesar de ser o meio de transporte mais caro depois do transporte aéreo. Tendo em vista a extensão territorial do Brasil e a predominância de cargas volumosas e pesadas, como minérios e grãos, o uso do modal rodoviário em detrimento dos modais ferroviário e hidroviário torna ainda mais patente a inadequação da atual matriz de transportes brasileira. Vale ressaltar que o modal rodoviário representa apenas 30% da matriz de transporte americana, enquanto que o modal ferroviario representa quase 40%. Então porque razão não há mais transporte ferroviário e hidroviário no Brasil em comparação por exemplo com os Estados Unidos e os BRICs? Em seguida comparamos a quantidade de terminais hidroviários nos EUA e no Brasil e fazemos o mesmo para a rede ferroviária 22

23 Terminais Intermodais Aquaviários - Brasil Terminais Intermodais Aquaviários - EUA 23

24 Pequena extensão da malha ferroviária A malha ferroviaria brasileira é de km. Enquanto que os EUA apresentam 23,4 km de ferrovia por mil km 2 de área, o Brasil apresenta apenas 3,4 km por mil km 2. Além de pequena comparativamente à extensão do território nacional, a malha ferroviária é também mal distribuída; quase que a totalidade das ferrovias se encontram na região Sul e Sudeste do país. Segundo COPPEAD (2004), a extensão da rede rodoviária é aproximadamente 5 vezes maior que a extensão da malha ferroviária, quando consideramos apenas as vias pavimentadas; quando consideramos as vias não-pavimentadas também, chegamos a uma extensão da rede rodoviária 50 vezes maior que a extensão da malha ferroviária brasileira. Fonte: Associação Nacional de Transporte Ferroviário (2006), Association of American Railroads (2006) 24

25 25

26 26

27 Infelizmente o Brasil no que respeita à logística não está preparado para atender às tendências globais essencialmente devido à falta de investimento em infraestrutura de transporte em todos os modais mas particularmente nos setores portuário, ferroviário e hidroviário. Embora tenha havido melhoramentos significativos no serviço oferecido pelas ferrovias desde a concessão, os serviços de camionagem são ineficientes embora com tarifas baixas só possíveis devido à sobrecarga dos camiões e, na maior parte dos casos, a não inclusão do custo da depreciação dos veículos no cálculo da tarifa. Isso faz com que a frota esteja em mau estado porque falta dinheiro para renová-la. O resultado da sobrecarga traduz-se em efeitos muito negativos sobre a rede de rodovias que, por si só, já sofre com a falta de manutenção. 27

28 Sumário Executivo As Tendências Globais e como o BRASIL está respondendo TENDÊNCIAS GLOBAIS Logística integrada porta-a-porta, para atender ao just in time e reduzir estoques; Evolução tecnológica nos processos produtivos ao longo das cadeias produtivas (ex: fiex); Agregação de valor ao longo das cadeias transformação, dimunuição de custo, aumento da produção (carnes, biodiesel, isoflavonas, alimentos especiais, aço etc...); Novos produtos não-tradicionais a partir da matéria-prima (ex: alcoolquímica, biodiesel,etc...); Globalização das empresas produtoras e aumento da escala de produção; Evolução dos modais de transporte, especialmente o marítimo de cabotagem e transoceânico (navios post panamax, portos modernos como China-Binhai); Desenvolvimento da China e da Índia, com forte impacto das estratégias destes países na localização da produção mundial ; Perspectivas de escassez de recursos naturais (ex: commodities, água, etc...); Instabilidade no mercado mundial de energia. Fonte: Macrologística IMPLICAÇÕES E NECESSIDADES Adotar logística com visao sistêmica para atender aos mercados consumidores interno e externo; Eficiência na integração e coodernação de todas as cadeias de suprimentos (supply-chain) espalhadas geograficamente; Conhecimento e capital humano mais sofisticado; Eficiência e eficácia governamental: Planejamento estratégico, governança, diminuição de despesas, velocidade de decisão, critérios econômicos e sociais para alocação de investimentos, definir regras mais claras para licenciamento ambiental. Definir estratégias adequadas para competir no mercado globalizado e se complementar com as economias da China e India; Viabilizar, institucionalizar, desburocratizar e criar regras flexíveis que permitam as empresas nacionais se adaptarem ao ambiente global altamente competitivo e volatil; Fortalecimento dos arranjos produtivos locais. O Brasil necessita agilizar os seus planos de logística para responder a estes desafios 28

29 29

30 OS MODAIS DE TRANSPORTE NO BRASIL 30

31 31

32 32

33 REPARTIÇÃO MODAL NO BRASIL 13% 4% Rodoviário Ferroviário Aquaviário Dutoviário e Aéreo 25% 58% ANTT

34 comparação com países de porte equivalente. Rússia 81% 8% 11% Canadá 46% 43% 11% Austrália 43% 53% 4% EUA 43% 32% 25% China 37% 50% 13% Brasil 25% 58% 17% Ferroviário Rodoviário Aquaviário, outros 34

35 Desafios ao crescimento 35

36 A importância da intermodalidade 36

37 Constatações e Conclusões COMPARAÇÃO COM OUTROS PAÍSES Custos logísticos no Brasil são altos de 10-15% do PIB quase 2 vezes mais que nos EUA e países da OECD. Falta de boa infraestrutura, falta de gestão de estoques, armazenagem e administração burocrática aumentam os custos em pelo menos 20-30% Os LPIs estão na média da AL mas atrás dos BRICs (exceto Rússia) e da OECD 37 37

38 Matriz de Transporte Desbalanceada A matriz de transporte do Brasil favorece o transporte rodoviário em vez de modos economicamente mais favoráveis (particularmente para produtos a granel) como hidrovias e ferrovias. As rodovias são altamente usadas por camiões sobrecarregados o que deteriora considerávelmente os pavimentos Só 25% da rede ou 45% da rede pavimentada em boa ou muito boa condição. Transportar por camião é mais caro no entanto a maior parte da carga se move por camião A rede ferroviária tem cobertura insuficiente particularmente nas áreas que são produtoras de grãos; a existência de duas bitolas dificulta transferências, não tem terminais de transferência suficientes e tem ainda uma confiabilidade baixa. Devido a esses problemas em alguns produtos os seus custos são mais altos do que por rodovia. O direito de passagem pela malha de outro concessionário está regulamentado mas na prática há poucoscasos Embora o transporte de containers por ferrovia tenha aumentado ele ainda é baixo em relação ao número de containers movimentado no apís 38

39 Matriz de Transporte Desbalanceada (cont.) Portos estão muitas vezes insuficientemente equipados, têm manutenção de dragagem periódica postergada, o que compromete os canais de acesso; os arranjos trabalhistas não incentivam a eficiência. Acessos aos portos estão congestionados O modelo portuário centralizado escolhido merece discussão para ver como poderia responder mais ágilmente aos interesses do hinterland local. Pelo menos um dos grandes portos poderia ser entregue ao privado e servir de benchmark para os outros geridos públicamente A rede de dutos parece ampla para produtos standard mas necessita de ser ampliada para etanol que está sendo transportado por camião O sistema de hidrovias carece de investimentos para poder torná-las mais navegáveis e necessita de mais terminais intermodais (CARAMURU). A cabotagem necessita de ser facilitada e incentivada 39 39

40 LOGÍSTICA: ESTOQUES, ARMAZENAGEM E ADMINISTRAÇÃO UNIFORMIZAÇÃO DE MANIFESTOS A falta de documentos estandardizados e computerizados como conhecimentos de carga aumenta a burocracia e duplicações que poderiam ser evitadas tornando mais ágil o transporte As atuais práticas da Aduana, Receita e Agências Fito-Sanitárias nos portos e fronteiras, causam demoras e custos devido à duplicação da documentação necessária para exportar/importar nos principais portos. O projeto do Porto Sem Papel tem de ser posto em prática o mais rápido possível 40 40

41 Intermodalidade Faltam mais terminais portuários privados e terminais intermodais para facilitar transferências intermodais de maneira eficiente do ponto de vista custo A falta de terminais intermodais agrava a repartição modal desequilibrada e ineficiente a favor da rodovia, dificultando o uso da ferrovia e hidrovia Está faltando um clima propício (incentivos fiscais e outros) para incentivar os investidores a construir terminais intermodais e também áreas de armazenagem para produtos agrícolas que por isso sofrem danos anuais significativos. Há um déficit importante de armazéns particularmente durante a colheita (Macrologística) que causa perda de produto Há um valor alto de estoques para suprir a falta de confiabilidade do transporte. Esses estoques aumentam o custo logístico

42 Planejamento de Políticas de Logística: Marco Institucional Apesar do grande esforço do Secretário de Política do Ministério dos Transporte, a tomada de decisões em logística no que respeita a planejamento, implementação e gastos está fragmentada entre vários ministérios e agências governamentais. O CONIT é uma boa ideia mas na prática o setor privado queixase de que ele é lento. Brasil necessita de um Conselho Nacional de Logística mais ágil que coordene essas agências e incorpore os inputs dos usuários, operadores e participantes no planejamento e tomada de decisões no sistema logístico talvez com uma estrutura em que a liderança seja do setor privado. Há falta de uma liderança privada reconhecida no setor de logística ou seja de um verdadeiro campeão que no início possa liderar o Conselho Nacional de Logística com um mandato específico da Presidência e do Secretário de Políticas de Transporte para poder mostrar resultados num período de tempo de 5 anos

43 Plano Nacional de Logística de Transportes (PNLT) O PNLT é um grande avanço na definição da estratégia de logística do país e tem de ser continuado, aprofundado e discutido com os stakeholders com bastante periodicidade ou quando novos pólos industriais aparecem. O PNLT criou e continuará a criar uma base de dados que permitirá maior continuidade nas análises. Esse banco de dados deverá ser preservado e compartilhado com instituições que poderão garantir a sua continuidade em caso de mudanças governamentais. PNLT deveria ser complementado com uma análise mais rigorosa de estoques, armazenagem e administração para cada produto. É nessas áreas que os melhores países em logística estão mais avançados No Brasil, institutos como o ILOS examinam em detalhe esses aspectos assim como algumas firmas privadas como a Macrologística O PNLT não parece incluir um benchmarking rigoroso das metas de logística para ver se houve progresso com os investimentos realizados todos os anos. Não parece haver um benchmarking para os corredores mais importantes de maneira apermitir compará-los 43 43

44 Plano Nacional de Logística de Transportes (PNLT) O planejamento, avaliação, e seleção e composição de pacotes de investimento e políticas para diminuir os custos logísticos de carga não parece ser feito de forma sistêmica por um grupo especializado nessa função e isso é um importante desafio. Não parece haver um estoque de projetos já concebidos, com projeto de engenharia detalhado e análise ambiental completada é urgente. O PAC gastou menos do que devia por não ter tido mais projetos devidamente preparados na prateleira. 44

45 NÍVEL DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA Estima-se que para corrigir os atuais desquilíbrios e deter a deterioração da infraestrutura assim como para construir nova infraestrutura o Brasil teria que investir cerca de US$20b/ano ou o dobro do que investe hoje. Países que estão crescendo a 7% por ano investem cerca de 5-7% do seu GNP em infraestrutura enquanto o Brasil está investindo só %. Investimento em rodovias, ferrovias, portos e aeroportos atraem mais investimento privado. Ampliam as oportunidades de investimento e aumentam o retorno do investimento privado. Nos últimos 6 anos houve muitos investimentos disponibilizados para novas ferrovias. Mas a implementação tem sido lenta e aos soluços por falta de bons projetos de engenharia e ambientais

46 Setor Privado e Logística O setor privado está cada vez mais preocupado com a sua logística e está professionalizando o seu staff, utilizando de preferência operadores idóneos e gerenciando melhor seus estoques e rastreando as suas cargas. Ele cobra do governo maior liberalização dos OTMs que são poucos e melhoramento dos portos, anéis rodoviários e ferroviários nas regiões metropolitanas e particularmente do interface porto/aduana/receita/fito-sanitário Ele também reclama de mais terminais intermodais e de maior navegabilidade em hidrovias assim como duma política de cabotagem que ajude a baixar o preço desse modal As associações de usuários como ANUT, ABAG, ASLOG e outras têm participado ativamente em seminários e cobrado investimentos e ações do Governo. A FIESP, CNT e ANTF entre muitas outras têm estado ativas no setor e impacientes por melhoras. 46

47 Opções para Ação Curto a Médio Prazo Tornar o CONIT mais ágil e orientado para o setor privado com representantes do Governo e líderes da indústria, liderados por um representante do setor privado com credenciais reconhecidas para energizar o setor e Atribuir ao CONIT a preparação de uma verdadeira Agenda para o Desenvolvimento da Indústria de Logística de Carga do Brasil e subsequentemente de uma Estratégia De Logística Nacional a Médio e Longo Prazo Dotar esse CONIT de um Gabinete de Planejamento Estratégico e Avaliação de Investimentos em Logística que serviria de crivo para novos investimentos Acordar com o CONIT um orçamento anual de investimento para os projetos selecionados e procedimentos de melhoramento da supply chain 47 47

48 Opções para Ação Promover a criação de Conselhos Estaduais de Logística e incentivar através de priorização nos investimentos aqueles que submeterem projetos de interesse mútuo nacional e estadual Duplicar os investimentos anuais para cerca de 2-4% do PIB ou seja um mínimo de US$20b/ano e Concluir rapidamente os seguintes investimentos Rodoanéis em São Paulo e Rio e outras Regiões metropolitanas Ferroanéis em São Paulo e Rio Dragagem postergada nos portos de Santos e outros Programa de Manutenção Assegurada da rede nacional de rodovias Medidas para melhorar os procedimentos na supply chain Simplificar procedimentos alfandegários, da Receita e Fito-Sanitários Harmonizar impostos para evitar longos percursos Criar incentivos para a Construir terminais intermodais e armazéns Melhorar a regulação da indústria de camionagem 48 Realizar rapidamentre os seguintes estudos: 48

49 E1: Como conseguir uma baixa no preço ao consumidor através de reduções no custo de transporte?; E2: Como alcançar competitividade global em áreas como segurança no transporte e documentação mínima; E3: Estudo profundo sobre a Indústria de camionagem, suas características e agenda para melhoras; E4: Análise de métodos para aumentar a competitividade entre ferrovias. Uma revisão dos modelos atuais e um balanço do que aconteceu deveria ser solicitado a experts como está sendo feito com o Staggers Act nos EUA; E5: Como aumentar a participação ferroviária no mercado de curta distância para containers e carga geral?; E6: Impacto de acrescentar um terceiro trilho á bitola larga para permitir a ligação com a bitola métrica; 49

50 E7: Custo-beneficio da introdução mais generalizada do double-stack E8: Como melhorar substancialmente o sistema de informática relacionado com os transportes; E9: Benchmarking periódico dos processos aduaneiros e fito sanitários; E10: Identificação de corredores intermodais para reduzir a congestão e impactos ambientais; E11: Como aumentar a competição entre portos para reduzir custos 50

51 Opções para Ação Médio a Longo Prazo Aumentar a participação dos modais ferroviário e hidroviário através da conclusão das ferrovias Norte-Sul e Transnordestina e ramais que liguem as redes existentes a zonas de produção; e melhorando a navegabilidade das hidrovias Aumentar o número de portos post-panamax Aumentar o número de terminais de transferência intermodal e terminais portuários Garantir a manutenção dos eixos rodoviários principais Simplificar a documentação e procedimentos no interface com os portos Aumentar a capacidade de armazenagem nas zonas de produção 51 51

52 Jorge Rebelo 52

53 53

54 Comparativo dos fretes por modal HIDROVIA FERROVIA RODOVIA 45,00 95,00 110,00 Os fretes acima dependem de cada origem/ fluxo/ modal e concessionária R$ /t por KM 54

55 55

56 Mas comparado com o Movimento total de contêineres... (em milhões de TEU) 5,7 6,1 6,5 7,0 6,1 6,8 2,2 2,5 2,9 3,5 2,7 3, Fonte: Anuário Estatístico Portuário - ANTAq 56

57 NECESSIDADE DE EXPANSÃO DA MALHA FERROVIÁRIA 57

58 58

59 59

60 INCREMENTANDO O USO DAS HIDROVIAS Existe um desequilíbrio na matriz de transporte brasileira, priorizamos o modal rodoviário. Precisamos alterar nossa Matriz de Transporte, buscar um equilíbrio entre os modos existentes(rodovias ferrovias - hidrovias). O Brasil tem mais de Km de hidrovias entre navegáveis e em potencial para navegação, sua utilização atual é muito baixa, temos que valorizar/investir nesse modelo de transporte. Atualmente só temos navegação comercial nas hidrovias do Rio Madeira/Amazonas/Tietê-Paraná/Paraguai-Paraná Hidrovias potencias como por ex. Tocantins / Teles Pires-Tapajós/São Francisco e outras precisam virar realidade. Todos nós sabemos da importância da navegação, do menor impacto ao meio ambiente, redução de acidentes, maior competitividade, etc. 60

61 Unidade de São Simão (CARAMURU) Rod. 700 km Rod. 200 km São Simão-GO Processamento e Transbordo Pederneiras-SP Transbordo Hidro-ferroviário Hidr. 634 Km Hidr. 754 Km Anhembi-SP Transbordo Hidro-rodoviário Porto Santos-SP EUROPA ÁSIA Rodovia Ferrovia NOSSA EXPERIÊNCIA NA HIDROVIA PARANAÍBA-TIETÊ-PARANÁ Hidrovia Marítimo 61

62 Comparativo dos fretes por modal HIDROVIA FERROVIA RODOVIA 45,00 95,00 110,00 Os fretes acima dependem de cada origem/ fluxo/ modal e concessionária R$ /t por KM 62

63 Restrições da Hidrovia Paranaíba-Tietê-Paraná Desmembramento de comboios para passagem de pontes e eclusas Calado em alguns trechos(períodos de seca), ex: Barra Bonita/SP Anhembi/SP Tamanho do comboio limitado a 4 chatas 63

64 Restrições da Hidrovia Paranaíba-Tietê-Paraná Falta de integração entre as modalidades HIDROVIA FERROVIA RODOVIA PORTOS 64

65 MAS É NECESSÁRIO TER BONS TERMINAIS INTERMODAIS Terminal Hidro-Ferroviário de Pederneiras-SP Capacidade estática: t Capac. recebimento: 500 t/h Capac. expedição: 500 t/h 65

66 Potencialidades da Hidrovia Paranaíba-Tietê-Paraná Açúcar Etanol Álcool Biodiesel Milho Com a melhoria nas condições operacionais da hidrovia, amplia-se a área de abrangência e de produtos transportados Madeira / celulose 66

67 Vantagens do modal hidroviário 1 Modal mais competitivo, mas não dá para pensar nele isoladamente As hidrovias sozinhas não funcionam 2 O que menos gera impacto ambiental Menor emissão de poluentes Menor degradação da natureza Menor utilização de óleos lubrificantes Não utilização de pneus 67

68 Vantagens do modal hidroviário 3 Acidentes praticamente Zero 4 Mais econômico para implantação 5 Menor custo de manutenção 6 Transporte confiável / seguro 7 O mix de modais permite além da estratégia empresarial, uma economia de 15 a 20% de custo, e também não fica restrito a um único modal 68

69 Logística intermodal Investimentos estratégicos REDE DE ARMAZENAGEM FÁBRICA SÃO SIMÃO UTILIZAÇÃO HIDROVIA INTERMODALIDADE CONSOLIDADA TERMINAIS TRANSBORDOS OPERACÃO C/ FERROVIA SANTOS: CARAMURU OPERADORA 69

70 Como realizar essa redução no custo logístico? Embora o ideal fosse conseguir que o Brasil tivesse uma redução de custo logístico em relação ao PIB de 10 pontos percentuais para ficar ao nível dos Estados Unidos e países da OCDE, isso só será possível a longo prazo. No entanto, no curto a médio prazo (5-10 anos) seria possível reduzir de cerca de us$10b/ano o custo logístico do Brasil através de uma combinação de investimento na ferrovia, hidrovia, portos, terminais intermodais e gestão de estoques Antes de propôr soluções sobre como realizar essa redução examinemos os principais queixas dos usuários; e Os principais entraves descritos em vários estudos realizados recentemente 70

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos

IV Brasil nos Trilhos IV Brasil nos Trilhos Crescimento do Setor Ferroviá Bruno Batista Diretor Executivo CNT Brasília, 11 de agosto de 2010. Objetivos da Pesquisa Identificar as alterações ocorridas no setor nos últimos anos

Leia mais

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Prof. Manoel de Andrade e Silva Reis - FGV 1 Sumário Matriz Brasileira de Transportes Características do Sistema Logístico Brasileiro O Plano

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL Tatiana Torres Em um país com tantas deficiências em termos de gestão, investimentos e política pública,

Leia mais

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011 Cresce o transporte de cargas nas ferrovias brasileiras As ferrovias brasileiras se consolidaram como uma alternativa eficiente e segura para o transporte de cargas. A, que traçou um panorama do transporte

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

do Transporte Aquaviário

do Transporte Aquaviário Principais dados da Pesquisa CNT do Transporte Aquaviário Cabotagem 2013 Pesquisa CNT do Transporte Aquaviário Cabotagem 2013 OBJETIVOS Pes Mensurar a importância econômica da cabotagem no Brasil. Identificar

Leia mais

Logística Agroindustrial alguns conceitos. Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp.

Logística Agroindustrial alguns conceitos. Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp. Logística Agroindustrial alguns conceitos Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp.br POR QUE LOGÍSTICA?? Produção O Agronegócio no Brasil 1º 1º 1º 2º 2º

Leia mais

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira Mauro Dias Diretor-Presidente 1 Seminário Cabotagem Brasileira Agosto 2009 Mercado de Cabotagem de Contêineres O mercado de contêineres

Leia mais

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 SOBRE LOG-IN QUEM SOMOS? Quem Somos Números 96% 96% DE REDUÇÃO EM EMISSÕES DE CO 2 EM RELAÇÃO AO

Leia mais

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA)

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) O QUE É A FENAVEGA A FENAVEGA é uma Entidade de Classe de grau superior, constituída em conformidade com o disposto

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 NOMENCLATURA DE CARGAS Classificação de Cargas Classes de Cargas Sub-Classes

Leia mais

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal Unificação das associações em uma nova entidade José Perboyre Diretor Financeiro e Administrativo Coordenador do Grupo Permanente de Logística A UBABEF Entidades

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões Miguel Andrade Comitê de Planejamento da ANTF São Paulo, 12 de maio de 2011 TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões www.antf.org.br Associadas ANTF Malhas Sul,

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

O DESAFIO BRASILEIRO

O DESAFIO BRASILEIRO O DESAFIO BRASILEIRO 1 Principais desafios do comércio mundial para o Brasil O comércio global brasileiro por meio de contêineres principal motor para a globalização do país está crescendo cerca de 4%

Leia mais

A REALIDADE LOGÍSTICA

A REALIDADE LOGÍSTICA A REALIDADE LOGÍSTICA Logística NO BRASIL Por Marco Aurélio O Brasil teve, até o ano de 2010, 1,76 milhão de quilômetros de vias rodoviárias. Desse total, somente 212.000 quilômetros estavam pavimentados.

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Outubro, 2013 UTi Provedor de Soluções Logísticas Financeiro

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico Secretaria Especial de Portos da Presidência da República A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem C- Fabrízio Pierdomenico Sub-Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Portuário

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG

Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG Infraestrutura de transportes no Brasil: políticas para elevar a oferta e a eficiência dos modais de transporte PAULO RESENDE, Ph.D. Núcleo FDC de Infraestrutura,

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB. Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente

Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB. Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente São Paulo, 4 de Dezembro de 4 Apresentação Evento MBC Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente O crescimento do PIB

Leia mais

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC PORTO DE PELOTAS - RS 08/JULHO/2010 Projeto de Incentivo à CABOTAGEM LUIZ HAMILTON Coordenador Geral de Gestão da Informação do Departamento de Sistemas de Informações

Leia mais

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental Missão Rússia Seminário Portos Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 14/05/2010 Local: Hotel Ritz-Carlton Uma breve visão do Brasil Fatos

Leia mais

Características do Transporte no Brasil Bruno Batista - Diretor Executivo CNT Brasília, Outubro de 2009

Características do Transporte no Brasil Bruno Batista - Diretor Executivo CNT Brasília, Outubro de 2009 Características do Transporte no Brasil Bruno Batista - Diretor Executivo CNT Brasília, Outubro de 2009 Panorama do Transporte 1 Sumário Matriz de transporte Características Infraestrutura Frota Combustíveis

Leia mais

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Uma análise do Comitê de Logística da ABAG e de seus núcleos: Infraestrutura do Transporte Logística do Transporte Armazenagem Energia Telemática Capital

Leia mais

Acarência de informações

Acarência de informações Custos logísticos na economia brasileira Maurício Pimenta Lima Introdução Acarência de informações sobre custos logísticos no Brasil torna freqüente a utilização de dados defasados. O grande problema é

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências Prof. Manoel A. S. Reis, PhD I SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA DA BRITCHAM Segmento de Transportes no Brasil São Paulo 18 de Novembro de 2010 1. Características

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Rio de Janeiro, 23 de Agosto de 2013. Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia Norte Sul

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

Propostas Governamentais

Propostas Governamentais Propostas Governamentais PRINCÍPIOS DEFENDIDOS PELO FÓRUM DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO SETOR EMPRESARIAL DE MINAS GERAIS Guilherme Velloso Leão Setembro/2014 Lógica do desenvolvimento O que os candidatos

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11

São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11 Os avanços e a sustentabilidade da logística brasileira São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11 1- A ANTAQ 2- Contexto 3- Portos e Terminais 4- Navegação Marítima e

Leia mais

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Ressalvas sobre considerações futuras As afirmações contidas neste documento quanto a perspectivas de negócios para a Santos Brasil Participações

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS COMISÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura

Leia mais

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL 64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL PALESTRA: DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA AQUAVIÁRIA Painel - Um modelo institucional para a infraestrutura logística dentro

Leia mais

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Agência Nacional de Transportes Aquaviários O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo Outubro / 2003 A MARINHA MERCANTE BRASILEIRA MMB ítens abordados: transporte internacional; cabotagem;

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos

A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Conselho Superior Temático de Meio Ambiente - COSEMA Brasília, 19 de maio de 2009. Aspectos

Leia mais

O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo

O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo Figura importada dos relatórios do PPIAF - Public Private Infrastructure Advisory Facility (http://www.ppiaf.org/)

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 1. Introdução 2. Sistema Ferroviário no Brasil 3. Avaliação dos Principais Corredores Ferroviários 4. Avaliação do Nível de Serviço 5. Conclusões Objetivos Identificar as

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL Seminário: Terminais, Ferrovias e Contêineres Maio/2009 A Empresa Nossa Atuação Logística de Minério de Ferro Transporte, manuseio e armazenagem de minério de ferro e pelotas

Leia mais

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Apresentação para o Grupo Votorantim Brasília, 05 de maio de 2009. Aspectos Institucionais Criada pela

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

2.8 Infraestrutura. Por que Infraestrutura? Comparação Internacional

2.8 Infraestrutura. Por que Infraestrutura? Comparação Internacional 2.8 Infraestrutura Por que Infraestrutura? Uma rede eficaz de transportes intermodal é fundamental para a competitividade da indústria. A logística eficiente permite a realização das entregas dos insumos

Leia mais

Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso

Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso Nelson Carlini 26 de Agosto de 2015 Hidrovias Europa Movimentação e Matriz Modal Diferentemente do Brasil, as hidrovias na Europa são largamente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS Câmara dos Deputados Comissão Especial PL 0037/11 Audiência Pública em 18 de Setembro de 2013 TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS (Brasília-DF) INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO SUMÁRIO 1) A MINERAÇÃO HOJE 2) MINERAÇÃO

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Fernando Antonio Brito Fialho Agência Nacional de Transportes Aquaviários Diretor Geral São Paulo, 16 de junho de 2009

Leia mais

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 Rio de Janeiro, 18 e 19 de Agosto de 2011 Reflexos das Concessões de Terminais Públicos e Privativos Juarez Moraes e Silva Presidente do Conselho Associação

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL As Concessionárias do Transporte Ferroviário de Carga Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Brasília, 31 de Julho de 2013. Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE FERROVIÁRIO OUTUBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS O transporte ferroviário responde por 20,7% do transporte de cargas no Brasil e por 0,5% do transporte

Leia mais

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL SOBRE LOG-IN BENEFÍCIOS MONITORAMENTO 24HS DAS CARGAS Monitoramento de risco e informação de todas as viagens; INTERMODALIDADE

Leia mais

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior 1. Programa de modernização portuária 2. Operadores privados alavancam portos públicos

Leia mais

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA DÉCADA DE 70 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO DÉCADA DE 80 SISTEMA INTEGRADO DÉCADAS DE 90 / 00 SERVIÇO

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF São Paulo, 03 de Abril de 2013 Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia

Leia mais

Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres

Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres Seminário Terminais, Ferrovias e Contêineres Terminal de contêiner é bom negócio? São Paulo 25 de Maio de 2009 José Eduardo Bechara Diretor Comercial e Marketing E Grupo Libra Nossa atuação em Contêineres

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ

Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ Infra-estrutura de Intermodalidade no Brasil Um Estudo Comparativo Centro de Estudos em Logística COPPEAD/UFRJ Dados preliminares sujeitos a alterações Roteiro de Apresentação Definição de Transporte Intemodal

Leia mais

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG Agenda A Vale Logística da Vale Números Corredores Logísticos Novos Corredores FNS Noroeste de MG A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais de 500 comunidades ao

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil. FIESP, São Paulo 27/08/2015

Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil. FIESP, São Paulo 27/08/2015 Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil FIESP, São Paulo 27/08/2015 Conteúdo Custos Logísticos no Brasil Carga Aérea no Mundo Evolução do Transporte Aéreo no Brasil

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística

Leia mais