Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA"

Transcrição

1 Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

2 SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação no Estado do Pará foi fundado em 14 de janeiro de1950, é uma entidade sindical patronal de fins não econômicos, com sede e foro em Belém, Capital do Estado do Pará. É constituído para fins de estudo, coordenação, proteção e representação legal da categoria econômica de empresas e agentes de navegação marítima, fluvial e lacustre na base territorial do Estado do Pará, com o intuito de colaboração com os poderes públicos, no sentido de solidariedade social e da subordinação dos interesses econômicos ou profissionais ao interesse nacional. É associado à FENAVEGA Federação Nacional das Empresas de Navegação Marítima, Fluvial, Lacustre e Tráfego Portuário ligada ao Sistema CNT Dentre as prerrogativas do SINDARPA; Representar perante as autoridades administrativas e judiciárias os interesses gerais da categoria econômica; Colaborar com o Estado, como órgão técnico e consultivo, no estudo e solução dos problemas que se relacionem com a categoria econômica; Celebrar Acordos e Convenções Coletivas de Trabalho; Colaborar com os poderes públicos no desenvolvimento da solidariedade social.

3 O Corredor Centro Norte Denominação para Corredor Estratégico de Transporte que conecta regiões produtoras à região Amazônica, estrategicamente localizada para a interação com o comércio exterior. Formado pelas regiões Centro Oeste e Norte do Brasil, abrangendo, aproximadamente, 60% do território Nacional Produção de Grãos estimada para 2014: 188,7 milhões de Toneladas (CONAB) 85,44 milhões de Toneladas de soja (CONAB) 26,90 milhões de Toneladas de soja no MT (IMEA) Previsão de Crescimento até 2023 (AGE/MAPA e SGE/Embrapa): 21,8% na produção 19,4% no consumo 27,5% na Exportação 3 Rotas de Escoamento através da região Amazônica

4 Visualização do Corredor Centro Norte

5 O Corredor Centro Norte Fronteiras Agrícolas x Hidrovias Mato Grosso Demanda escoamento pela Hidrovia Madeira Movimentação de aproximadamente 4 milhões de T / ano Demanda escoamento pela Hidrovia do Tapajós Potencial de Movimentação de 12 milhões de T / ano MATOPIPA Região que engloba os estados de MT, PI e PA Demanda escoamento pela Hidrovia Araguaia Tocantins Potencial inicial de Movimentação de 5 milhões de T (carga hoje exportada através de Vila do Conde e Itaqui e transportada por outros modais)

6 O papel da Amazônia e da Navegação Interior Realizar o escoamento dos Granéis Sólidos das regiões produtoras das Fronteiras Agrícolas para os portos da foz do Amazonas (Santana - AP e Vila do Conde - PA) Hidrovia do Madeira Formação de comboios de a T Hidrovia do Tapajós Formação de comboios entre T e T - previsão Formação do pólo logístico de Miritituba Demanda para transporte de outros produtos (derivados de petróleo, carga geral) Hidrovia Araguaia Tocantins Formação de comboios de até T Passagem pelas eclusas de Tucuruí

7 O papel da Amazônia e da Navegação Interior Integrar ao Corredor Centro Norte as rotas já estabelecidas no Corredor Amazônico Granéis Sólidos Minerais Rotas em diversas Hidrovias Escoamento para exportação Abastecimento do mercado interno nacional Movimentação de aproximadamente 6 milhões de Toneladas pela Navegação Interior em 2014 Potencial de movimentação de 23 milhões de T / ano Carga Geral e Granéis Líquidos Rotas em diversas Hidrovias Abastecimento do mercado interno da região Amazônica e do Nordeste do Brasil Apenas no Madeira, há movimentação média de granéis líquidos na ordem de 4 bilhões de litros.

8 Comboios em Operação no Corredor

9 Visualização do Corredor Centro Norte integrado à Amazônia

10 Maximizar o Potencial do Corredor Centro Norte Visão de um Sistema A partir de uma visão estratégica, temos o Corredor Centro Norte como um Sistema, integrando as regiões do Centro Oeste e da Amazônia e interagindo com os mercados interno e externo, prioritariamente através deste corredor, em detrimento de rotas para as regiões Sul e Sudeste do país. Granéis Sólidos Produtores Rodovia C Rodovia Terminais de Alimentação/ Escoamento Comboios C Comboios Portos da foz do Amazonas Navios Navios Mercado Externo Rodoviário C o m b oi o s Mercado Interno Fertilizantes Carga Geral Granéis Líquidos Conceito de Porto Concentrador

11 Produto Movimentado Hidrovias Perspectivas com integração do Sistema Investimento Necessário p/ Armadores Cenário Atual Granéis Sólidos Alimentares (Grãos) para os Portos da Foz do Amazonas - Madeira - Tapajós - Araguaia Tocantins -Aumento do volume transportado por essas rotas - Incorporação de volumes destinados a Itaqui -Construção de Terminais Graneleiros - Construção de Balsas Graneleiras - Derrocamento - Investimento sendo realizado por grandes produtores / tradings e empresas de navegação com contratos Recebimento de Fertilizantes nos Portos da Foz do Amazonas -Madeira - Tapajós - Araguaia Tocantins - Criação de rota de retorno para os comboios graneleiros. - Utilização dos Terminais Graneleiros - Utilização das Balsas Graneleiras -Derrocamento - Investimento sendo realizado por grandes produtores / tradings e empresas de navegação com contratos Granéis Sólidos Minerais para os Portos da Foz do Amazonas - Araguaia Tocantins -Amazonas - Aumento do volume transportado por essas rotas - Incorporação de volumes excedentes a Itaqui -Construção de Terminais Graneleiros - Construção de Balsas Graneleiras -Derrocamento -Terminais existentes de empresas produtoras - Escoamento por ferrovia até Itaqui e hidrovia para Vila do Conde Carga Geral -Amazonas - Madeira - Xingú - Tapajós - Araguaia Tocantins -Criação de novos Pólos de movimentação de cargas em Miritituba, Marabá, Praia Norte - Criação de Novas rotas de origem e destino nessas localidades - Construção de Balsas chatas - Construção de Novos terminais de carga geral -Terminais de Carga Geral já existentes de empresas de Navegação - Novos terminais sendo desenvolvidos por operadores logísticos Granéis Líquidos -Amazonas - Madeira - Xingú - Tapajós - Araguaia Tocantins -Criação de novos Pólos de movimentação de cargas em Miritituba, Marabá, Praia Norte - Aumento da demanda - Construção de Balsas Petroleiras -Construção de Novos terminais de granéis líquidos - Terminais de Carga já existentes de produtores / distribuidores

12 Visualização do Potencial do Corredor Centro Norte Sistema Logístico

13 Obstáculos ao Desenvolvimento do Corredor Regulamentações não são otimizadas à realidade da Região Amazônica, para o enquadramento e regularização de terminais privados Atividade existente há mais de 50 anos Documentação de terrenos Anúncio e Processo Seletivo Públicos Incerteza da continuidade de terminais de empresas de navegação Garantias para operação de terminais Privados Incerteza para novos investimentos Comparação com modal rodoviário Delimitações de Portos Organizados englobam terminais Privados mais incerteza para investimentos Dificuldades de empresas em obter financiamentos para novas construções FMM Agente Financeiro dificulta liberações tempo incompatível com as demandas da atividade Incapacidade da frota graneleira Possibilidade de comprometer a competitividade fundamental para a redução real do frete, esperada pelos produtores

14 Obstáculos ao Desenvolvimento do Corredor Possibilidade de escassez de profissionais da atividade de navegação fluviários Problemas com Segurança Pública assaltos em pontos já conhecidos perda de cargas - vítimas fatais Deficiência de Infraestrutura pública para apoiar o Corredor Insuficiência de terminais públicos para estas operações ônus é todo do investidor privado (comparar com modal aeroviário) Demora em transformar, de fato, os rios em hidrovias Derrocamentos, Dragagem, Sinalização, Balizamento.

15 Soluções Propostas Flexibilização das Regulamentações de Terminais Privados Avanços já foram constatados na última resolução da ANTAQ, entretanto há pontos que seguem causando incertezas ao setor Correta adequação das Poligonais de Portos Organizados Processo em andamento, mas que deve considerar a opinião dos armadores inseridos nas Poligonais Implementação de Linha de Financiamento Padronizada para Construção de Balsas de Granéis Sólidos Montante Pré-Aprovado para o mercado Financiamento ao Produtor (Estaleiros) balsas de prateleira Juros de capital anuais baixos para o estaleiro repassados ao armador no momento da venda Padronização garantiria produtividade, compras em larga escala de suprimentos e reduziria incerteza linha de montagem de barcaças Garantia pelo Mercado necessidade de criar alternativas para os portos das regiões Sul e Sudeste Armador assume a negociação com o Agente no momento da venda Desburocratização de procedimentos do FMM e dos Agentes Financeiros, visando redução do tempo de liberação e eliminação de despesas desnecessárias Revisão das diversas taxas / TJLP / Juros cobradas durante o Processo de Obtenção de Financiamento

16 Soluções Propostas Formação de Grupo de Trabalho entre a Marinha e a Iniciativa Privada, para identificar possíveis gargalos e atuar em parceria: Formação / Qualificação de Profissionais através de parcerias / convênios entre a Marinha e a Iniciativa Privada Utilização de recursos do Sistema SEST/SENAT Utilização de estrutura da Marinha simuladores Certificação da Marinha Envolvimento conjunto entre Marinha e Secretaria de Segurança para dar apoio contra ações criminosas Criação de bases avançadas nos trechos já conhecidos Ações Governamentais para efetivar o Corredor Centro Norte Derrocamento do Pedral do Lourenço Investimento em novas hidrovias, aumentando a capacidade da rede hidroviária atual Ex. Teles Pires / Rio das Mortes Manutenção Periódica das Hidrovias Formação de Plataformas Logísticas Já vem sendo planejada pelo Governo do Pará Investimentos em aumento da capacidade nos Portos da Foz do Amazonas Porto de Vila do Conde já vem desenvolvendo seu plano de expansão

17 Conclusão As vocações já identificadas, como a mineral, a agrícola e a energética devem ser fruto de interações entre governo e empresas, onde a visão sistêmica dos projetos permita que eixos de desenvolvimento substituam conceitos ultrapassados de polos de irradiação Além disso, o valor do modal hidroviário para a Economia da Amazônia necessita de um esforço concentrado da União e dos Estados, para que resultados concretos sejam obtidos no mais curto prazo, removendo carências, implementando infraestruturas e acelerando o processo de desenvolvimento da região, estimulando, assim, a criação de incentivos ou prêmios para aqueles que, em suas operações no transporte de cargas, minimizam riscos, preservando o meio ambiente e os ecossistemas regionais.

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia Plano Hidroviário Estratégico Belém, 01 de setembro de 2015 PHE - Objetivos Aumentar a participação do modal hidroviário

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Plano Hidroviário Estratégico - PHE. Imagine o resultado

Plano Hidroviário Estratégico - PHE. Imagine o resultado Plano Hidroviário Estratégico - PHE Imagine o resultado 12 de novembro de 2013 . 2 Objetivos Desenvolver o transporte hidroviário interior (THI) de forma a: Ampliar alternativas de escoamento de produção

Leia mais

LOGÍSTICA DA REGIÃO NORTE PARA O AGRONEGÓCIO

LOGÍSTICA DA REGIÃO NORTE PARA O AGRONEGÓCIO PRESIDENTE DIRETOR EXECUTIVO LOGÍSTICA DA REGIÃO NORTE PARA O AGRONEGÓCIO ESTAÇÕES DE TRANSBORDO DE CARGAS E TERMINAIS PORTUÁRIOS (Amazônia) Kleber Menezes Maio-2014 OBJETIVOS ATAP/ATOC PERSEGUIR O USO

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA PLATAFORMAS LOGÍSTICAS E TERMINAIS HIDROVIÁRIOS 02.09.2015 SUMÁRIO 1 2 INTRODUÇÃO - Objetivos e Plano Estratégico

Leia mais

Gargalos logísticos e o novo corredor de exportação agrícola pelo norte do país

Gargalos logísticos e o novo corredor de exportação agrícola pelo norte do país Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Gargalos logísticos e o novo corredor de exportação agrícola pelo norte do país Seminários Folha de S.Paulo - Fórum de Exportação Daniel Furlan Amaral

Leia mais

Navegação Interior. Entraves para suas atividades

Navegação Interior. Entraves para suas atividades Navegação Interior Entraves para suas atividades A navegação interior no Brasil, permitiu a expansão da fronteira para o oeste, sendo a via de acesso ao Mato Grosso, Rondônia, Acre e Amazonas. Hoje, a

Leia mais

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Fundação André Maggi Originação Processamento Exportação Soja Milho Geração

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades Ferrovias OBJETIVOS Ferrovias Novo modelo de investimento/exploração das ferrovias Quebra do monopólio na oferta de serviços de transporte ferroviário Expansão, modernização e integração da malha ferroviária

Leia mais

APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE

APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE Novembro/2011 Introdução A demanda mundial por produtos originados de recursos naturais renováveis e não-renováveis

Leia mais

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL O Papel da ANTAQ no desenvolvimento da navegação interior brasileira FERNANDO FIALHO Diretor Geral Brasília Embaixada da Holanda, 30 de agosto de 2007 A ANTAQ É - Autarquia

Leia mais

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Adalberto Tokarski Diretor CT Log Junho de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS A ANTAQ Criada pela Lei nº10.233,

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA)

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) O QUE É A FENAVEGA A FENAVEGA é uma Entidade de Classe de grau superior, constituída em conformidade com o disposto

Leia mais

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL 64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL PALESTRA: DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA AQUAVIÁRIA Painel - Um modelo institucional para a infraestrutura logística dentro

Leia mais

Logística e Escoamento da Safra

Logística e Escoamento da Safra Logística e Escoamento da Safra Carlos Eduardo Tavares Economista da Superintendência de Logística Operacional da CONAB/MAPA Brasília (DF), outubro de 2015 Contextualização Monitoramento da Safra Agrícola

Leia mais

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação.

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação. Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Originação Processamento Frota fluvial Soja Geração Exportação Terminal Milho Algodão Terminal flutuante Fundação André Maggi Geração

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Agência Nacional de Transportes Aquaviários O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

Leia mais

II Seminário Portos e vias navegáveis

II Seminário Portos e vias navegáveis II Seminário Portos e vias navegáveis Plano Nacional de Integração Hidroviária PNIH Adalberto Tokarski Superintendente da Navegação interior da ANTAQ Brasília, 22 de setembro de 2011 Parceiros Estratégicos

Leia mais

Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração. Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará

Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração. Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará Pará Um universo de oportunidades Investimentos no Tapajós

Leia mais

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ 12º Fórum Portos Brasil 2011 Maio 2011 Fatos Gerais sobre o Brasil Área Total:8.514.876

Leia mais

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins Corredor do Rio Tocantins DNIT Diretoria de ADMINISTRAÇÕES Infraestrutura Aquaviária HIDROVIÁRIAS Demandas de Infraestrutura CNA / BRASIL PAC INVESTIMENTOS INICIADOS AÇÕES INVESTIMENTOS PREVISTOS CORREDOR

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba

Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba TRANS 2015 VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA Iana Araújo Rodrigues Setembro 2015 Agenda Conceitos

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos

A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Conselho Superior Temático de Meio Ambiente - COSEMA Brasília, 19 de maio de 2009. Aspectos

Leia mais

do Transporte Aquaviário

do Transporte Aquaviário Principais dados da Pesquisa CNT do Transporte Aquaviário Cabotagem 2013 Pesquisa CNT do Transporte Aquaviário Cabotagem 2013 OBJETIVOS Pes Mensurar a importância econômica da cabotagem no Brasil. Identificar

Leia mais

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja azambuj@uol.com.br TREINTA Y TRES 04.10.2012 CARACTERIZAÇÃO Lagoa Mirim São Gonçalo Lagoa dos

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

HIDROVIAS DO MATO GROSSO

HIDROVIAS DO MATO GROSSO HIDROVIAS DO MATO GROSSO ADALBERTO TOKARSKI Gerente de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Interior Cuiabá/MT 21-08-2009 ADMINISTRAÇÃ ÇÃO O DAS HIDROVIAS LOCALIZAÇÃ ÇÃO O DA HIDROVIA NA BACIA BR -163

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ Salvador - BA, 10 de março de 2008 Regulação do transporte aquaviário e das atividades

Leia mais

Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso

Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso Nelson Carlini 26 de Agosto de 2015 Hidrovias Europa Movimentação e Matriz Modal Diferentemente do Brasil, as hidrovias na Europa são largamente

Leia mais

Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br

Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br Histórico 1930 fundação da Luchsinger Madörin & Cia Ltda 1964 fundação da Trevo

Leia mais

Brasília Fevereiro/2012

Brasília Fevereiro/2012 Brasília Fevereiro/2012 ADMINISTRAÇÕES HIDROVIÁRIAS PORTOS NA REGIÃO NORTE ECLUSAS ECLUSAS NO RIO TOCANTINS Dique de proteção a ferrovia ESCOAMENTO AGRÍCOLA PELOS PORTOS DO NORTE DO PAIS Exportação do

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br Inovação Tecnológica Frente aos Desafios da Indústria Naval Brasileira Isaias Quaresma Masetti Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br ... O maior obstáculo à indústria

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação.

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação. Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Originação Processamento Frota fluvial Soja Geração Exportação Terminal Milho Algodão Terminal flutuante Fundação André Maggi Geração

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Desafios Regulatórios: Visão dos Reguladores Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Brasília, 29 de novembro de 2006

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária Dr. Adalmir José de Souza Abril de 2007 A Hidropolítica já é um dos temas mais importantes no mundo, numa humanidade que se projeta, os cursos

Leia mais

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Seminário: Oportunidade de Investimento no Pará Palestra: Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Palestrante: Valmir Pedro Rossi - Presidente São Paulo, 02 de dezembro de 2013 Pauta da

Leia mais

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências Prof. Manoel A. S. Reis, PhD I SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA DA BRITCHAM Segmento de Transportes no Brasil São Paulo 18 de Novembro de 2010 1. Características

Leia mais

O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil. Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009

O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil. Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009 O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009 Hidrovia Paraná-Paraguai PAC FERROVIAS, HIDROVIAS E MARINHA MERCANTE Terminais

Leia mais

Requerimento Nº /2011

Requerimento Nº /2011 Requerimento Nº /2011 (Da Sra. Deputada JANETE CAPIBERIBE) Solicita Audiência Pública a fim de debater os resultados parciais das ações planejadas resultantes do GT Naval, proposto no âmbito desta Comissão,

Leia mais

Legislação de Cabotagem no Brasil: oportunidades e entraves para a indústria de construção naval. São Paulo, 23 de outubro de 2007

Legislação de Cabotagem no Brasil: oportunidades e entraves para a indústria de construção naval. São Paulo, 23 de outubro de 2007 Legislação de Cabotagem no Brasil: oportunidades e entraves para a indústria de construção naval São Paulo, 23 de outubro de 2007 O transporte por cabotagem cresce solidamente no Brasil Milhões de Toneladas

Leia mais

CSHG Unique Long Bias FIC FIA

CSHG Unique Long Bias FIC FIA CSHG Asset Management Comentários do gestor CSHG Unique Long Bias FIC FIA Novembro de 2013 Em novembro, o fundo CSHG Unique Long Bias FIC FIA teve um retorno de 0,04%. No ano, o fundo acumulou retorno

Leia mais

ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS

ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS V SIMPÓSIO DE TRANSPORTE E MOBILIZAÇÃO ANÁLISE DA INFRA-ESTRUTURA DOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS JOSÉ ALEX BOTÊLHO DE OLIVA Superintendente de Navegação Interior Brasília, 18 de Julho de 2007. ASPECTOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos

Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos Edson Dalto Departamento de Transporte e Logística (DELOG) Área de Infraestrutura Brasília, 15/10/2015 (o conteúdo da apresentação é de responsabilidade

Leia mais

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL São Paulo, 07 de abril de 2015 Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ Definição legal da navegação de cabotagem BAHIA Art. 2º, IX navegação de cabotagem: a realizada entre

Leia mais

As Dificuldades para o Transporte de Carga Geral na Cabotagem Brasileira

As Dificuldades para o Transporte de Carga Geral na Cabotagem Brasileira As Dificuldades para o Transporte de Carga Geral na Cabotagem Brasileira A matriz brasileira de transporte de cargas é distorcida quando comparada à de países com extensões e características geográficas

Leia mais

A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ

A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ Litoral Sudeste, 16 de fevereiro de 2008 Regulação do transporte aquaviário e

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Fábrica de. Imperatriz

Fábrica de. Imperatriz Fábrica de Industrial Por que Maranhão? Logística Florestal Fábrica de Por que Maranhão? COMPETITIVIDADE FLORESTAL Nova Fronteira para produção de celulose PA MA PI TO BA FLORESTAL 25 anos de pesquisa

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

O setor aquaviário e o comércio exterior

O setor aquaviário e o comércio exterior O setor aquaviário e o comércio exterior Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB ENAEX 2011 - Encontro nacional de comércio exterior Rio de Janeiro, RJ 19 de agosto de 2011 Fernando Antonio Brito

Leia mais

Infraestrutura para o Desenvolvimento

Infraestrutura para o Desenvolvimento PORTOS DA AMAZÔNIA Infraestrutura para o Desenvolvimento Belém (PA), maio de /2010 PORTO DE SANTARÉM PORTO DE VILA DO CONDE PORTO DA AMAZÔNIA PORTO DE BELÉM PORTO DE ÓBIDOS PORTO DE S.FRANCISCO PORTO DE

Leia mais

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Ressalvas sobre considerações futuras As afirmações contidas neste documento quanto a perspectivas de negócios para a Santos Brasil Participações

Leia mais

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Uma análise do Comitê de Logística da ABAG e de seus núcleos: Infraestrutura do Transporte Logística do Transporte Armazenagem Energia Telemática Capital

Leia mais

INDÚSTRIA NAVAL NO BRASIL

INDÚSTRIA NAVAL NO BRASIL INDÚSTRIA NAVAL NO BRASIL DÉCADA DE 70 E 80 O BRASIL CHEGOU A SER O 2º PRODUTOR MUNDIAL DE EMBARCAÇÕES EMPREGAVA 40 MIL TRABALHADORES DIRETOS E CERCA DE 160 MIL INDIRETOS DÉCADA DE 90 Abertura indiscriminada

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Dezembro/2013 Pauta 1. Banco da Amazônia enfoque institucional 2. Ações

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

1º BALANÇO DO PAC 2015 RESULTADOS ATÉ JUNHO DE 2015

1º BALANÇO DO PAC 2015 RESULTADOS ATÉ JUNHO DE 2015 1º BALANÇO DO PAC 2015 RESULTADOS ATÉ JUNHO DE 2015 1. RESULTADOS GERAIS No novo ciclo do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), entre 2015 e 2018, serão investidos de R$ 1,05 trilhão. Nesse período,

Leia mais

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Apresentação para o Grupo Votorantim Brasília, 05 de maio de 2009. Aspectos Institucionais Criada pela

Leia mais

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP Programa de Investimentos, Arrendamentos e TUPs, e o Potencial do Pará como novo Corredor de Exportação LUIS CLAUDIO S. MONTENEGRO Diretor de Informações Portuárias SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos

IV Brasil nos Trilhos IV Brasil nos Trilhos Crescimento do Setor Ferroviá Bruno Batista Diretor Executivo CNT Brasília, 11 de agosto de 2010. Objetivos da Pesquisa Identificar as alterações ocorridas no setor nos últimos anos

Leia mais

VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014

VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014 VISÃO DO SETOR DE TRANSPORTES SOBRE O TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DNIT - ABRIL 2014 CORREDORES HIDROVIÁRIOS CORREDORES HIDROVIÁRIOS NECESSIDADE PARA IMPLANTAÇÃO DE TODOS OS CORREDORES VALORES (milhões): CORREDOR

Leia mais

A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA AMAZONAV LTDA

A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA AMAZONAV LTDA A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA CARACTERÍSTICAS Área aproximada em km²: 3.900.000 23.000 Km de rios navegáveis. Estados Abrangidos: Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Pará, Amapá e norte do Mato Grosso

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado.

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado. Hamburg Süd encerra 2014 com faturamento de 5,2 bilhões de euros Empresa movimentou, juntamente com a subsidiária Aliança, cerca de 3,4 milhões de contêineres, um aumento de 2% em relação ao período anterior

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA RI XINGU PIB de R$ 2,7 bilhões, respondendo por 3% do total do estado. 57.149 empregos

Leia mais

A Utilização da Hidrovia Tapajós-Teles Pires para a Exportação de Grãos do Mato Grosso

A Utilização da Hidrovia Tapajós-Teles Pires para a Exportação de Grãos do Mato Grosso A Utilização da Hidrovia Tapajós-Teles Pires para a Exportação de Grãos do Mato Grosso Ana Paula Fajardo Engenheira Civil D.Sc. Especialização em Gerenciamento de Portos CIAGA/ COPPETEC Mestre em Engenharia

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima - PSTM Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO 1 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA MUNDIAL Rotterdam (5) (1) (4) Porto do Itaqui (3) (2) Itaqui China (Shangai) (1) Via Canal Panamá ~ 12.000

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais