APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE Novembro/2011

2 Introdução A demanda mundial por produtos originados de recursos naturais renováveis e não-renováveis (alimentos, papel e celulose, minérios e metais, etc) deverá crescer consideravelmente nos próximos dez anos, tendo a China como o maior responsável. A China vem se destacando, devido a seu grande consumo e desenvoltura em aquisições de terras, concessões em todo mundo, mostrando assim sua força perante os demais países. O Brasil será o país mais qualificado para atender a essa demanda, assumindo a posição de destaque no cenário mundial, mas para isso, faz-se necessário a criação de novos corredores de exportação (saída para os portos do Norte e Nordeste), bem como a recuperação dos já existentes, diminuindo assim os custos de transporte, neste caso os modais ferroviário, hidroviário e o complexo portuário terão um papel fundamental na consolidação da liderança do Brasil no agronegócio mundial. 2 2

3 CENÁRIO AGRÍCOLA E PESPECTIVA MUNDIAL

4 Brasil - Projeção da produção e área de soja e milho O Brasil é muito eficiente da porteira para dentro (produtividade, maquinário moderno, sementes e melhores técnicas) e segundo ministério da agricultura a produção dos cinco principais grãos e oleaginosas (arroz, feijão, milho, soja e trigo) poderá ser de 37,5% a mais na safra 2019/2020. A produção agropecuária tem crescido com muita velocidade em relação aos investimentos na infraestrutura de transportes, armazenagem e portos, é um desafio fazer essa produção chegar até os portos com competitividade. 4 4

5 Projeção nacional de soja até 2022 Fonte: Caramuru Commodities 5

6 Projeção nacional de milho até 2022 Fonte: Caramuru Commodities ESTUDO DE LOGÍSTICA

7 PERSPECTIVA MUNDIAL

8 do consumo mundial de farelo e soja em grãos ( t) O consumo mundial de soja em grãos deverá crescer cerca de 29% entre as safras 2009/10 a 2018/19. Neste período, o maior incremento no consumo de soja ocorrerá na China, onde projeta-se um aumento de 30,6 milhões de toneladas de soja(consumo atual: 58 milhões) e 20 milhões de toneladas de farelo de soja(consumo atual: 36 milhões). Projeção do crescimento do consumo na China p/ próximos 10 anos Consumo Soja Consumo Farelo Série1 8 8

9 COMPLEXO SOJA DISTORÇÕES TRIBUTÁRIAS INTERNACIONAIS E NACIONAIS Elaborado por Caramuru Alimentos Atualizado em 16/02/2011

10 Tarifas praticadas EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO Fonte: ESTUDOS ABIOVE E / SAGPyAr PROJETOS DE LOGÍSTICA

11 MIL / T MIL / T MIL / T MIL / T Evolução da produção agrícola EUA: 53,1% * BRASIL: 179,5% * ARGENTINA: 306,3% * CHINA: 6,7% * * PREVISÂO Fonte: USDA 11 3

12 MIL / T Evolução das exportações Brasileiras MIL / T MIL / T t t SOJA: 764,3% t t FARELO: 25,1% t t t t t t t t t t t t 0 t * 0 t * t ÓLEO: 16,4% t t t t t t 0 t * * PREVISÂO Fonte: USDA 12 4

13 Evolução das exportações da Argentina MIL / T MIL / T MIL / T t t SOJA: 476,0% t t FARELO: 276,4% t t t t t t t t t t 0 t * 0 t * t t ÓLEO+BIODIESEL: 268,7% t t t t t 0 t * * PREVISÂO Fonte: USDA / INFOCAMPO-AR 13 5

14 MATRIZ DE TRANSPORTE E AS VANTAGENS DO MODAL HIDROVIÁRIO

15 Matriz de transporte Segundo a CNA, a matriz de transporte de grãos no Brasil é de 72% de rodovia, 23,5% ferrovia e 4,5% hidrovia e dependendo do período o custo com logística chega a 50% do preço do produto. Nos Estados Unidos e Argentina os custos com transportes são bem mais competitivos comparados com o Brasil. Nos Estados Unidos mais de 60% da produção agrícola é transportada pelo Rio Mississipi, na Argentina as fábricas estão localizadas nas margens dos rios e a produção próxima as mesmas. MATRIZ DE TRANSPORTE BRASIL, EUA E ARGENTINA CARGA GERAL A Argentina possui a maior matriz de transporte rodoviária, porém as suas fábricas estão próximas aos rios

16 Comparativo de transporte entre modais Custo de frete por tonelada transportada por km. (Considerar caracteristicas de cada hidrovia) R$ 100,00 R$ 70,00 R$ 45,

17 VANTAGENS DO MODAL HIDROVIÁRIO

18 Hidrovias 1 - Hidrovia: modal mais competitivo e que polui menos, uma grande alternativa para o agronegócio, porém pouco utilizada, menos de 5% da soja é transportada pelas hidrovias, apesar do Brasil possuir uma grande bacia hidrográfica. As hidrovias utilizadas para grãos e farelo são: Tietê-Parana com destino ao porto de Santos-SP e a hidrovia do Madeira com destino aos portos de Itacoatiara-AM e Santarém-PA. Projetos conclusos, em andamento e em estudo para navegação: Teles Pires - Tapajós Araguaia - Tocantins Rio São Francisco Eclusas do Tucurui Canal do Panamá Expansão da hidrovia Tietê-Parana 18 Comboio com 4 chatas na hidrovia Tietê- Fonte: Logística Commodities Paraná (6.000 t) 18

19 Vantagens do modal Hidroviário Base hidrovia Tietê-Paraná Considerando somente a movimentação da Caramuru( t), e utilizando somente bitrens graneleiros, estamos considerando aprox caminhões fora das estradas. Fonte: DH, TCL 19 19

20 Parâmetro de comparação de transporte entre modais Fonte: IPT / Freight 20 20

21 Consumo de Combustível Fontes: National Waterways Foundation and MARAD - USA 21 21

22 INSTITUCIONAL CARAMURU

23 Grupo Caramuru Característica societária Capital Empresa Familiar 100% Nacional Data da Fundação 1964 Fundador Origem Matriz Atual Múcio de Souza Rezende Maringá - PR Itumbiara-GO 23

24 Grupo Caramuru em números Capacidade de Armazenagem GO/MT/SP/PR Processamento de Soja GO/MT Processamento de Milho GO/PR Processamento de Girassol/Canola Refinaria Biodiesel 2,379 milhões t de grãos 76 Armazéns 1,6 milhão t/ano Itumbiara-GO São Simão-GO Sorriso-MT 310 mil t/ano Itumbiara-GO Apucarana-PR 40 mil t/ano Itumbiara-GO 230 mil t/ano Óleos de soja, milho, girassol e canola 450 milhões l/ano São Simão-GO Ipameri-GO Colaboradores: 2.404* (*) Base dez/10 24

25 FLUXO LOGÍSTICO DA CARAMURU EXPORTAÇÃO - GOIÁS E MATO GROSSO

26 Planta de Itumbiara-GO Armazém: t Secagem: t/dia Exportação de farelo hipro NonGmo: t/ano 27

27

28 Planta de biodiesel em Ipameri e armazenagem Processamento de Biodiesel com capacidade de 225 milhões l/ano. Cap. estática armazenagem t 30

29

30 Porto de Tubarão-ES VALE BUNGE MULTIGAIN VALE CEBRAGEL BUNGE ADM BUNGE Capacidade: t Parceria Caramuru ADM Granol Capacidade de expedição Soja t/h Farelo t/h Capacidade de recepção Ferroviária t/h 32

31 FLUXO LOGÍSTICO EXPORTAÇÃO PLANTA DE SÃO SIMÃO-GO

32

33 Unidade Industrial de Processamento de Soja São Simão-GO Esmagamento t/dia Produção Lecitina de soja 400 t/mês Produção de Biodiesel 400t/dia Geração de Energia Elétrica Kw/hora 35

34 Vista aérea complexo industrial de São Simão-GO 36

35 FLUXO LOGÍSTICO ATUAL CARAMURU NO MATO GROSSO

36 Fluxo logístico atual do Vale do Araguaia-MT 38

37 Fluxo logístico atual do Nortão-MT Hidrovia Rodovia Ferrovia Marítimo 39

38 OPERAÇÃO HIDROVIÁRIA

39 X 1000 Toneladas Movimentação de carga da Caramuru Hidrovia Tietê Paraná * Ano * Estimativa 41

40 Carregamento Hidroviário - São Simão 42

41 Carregamento Hidroviário - São Simão ESTUDO DE LOGÍSTICA

42 Carregamento Hidroviário - São Simão 44

43 Carregamento Hidroviário - São Simão ESTUDO DE LOGÍSTICA

44 Descarga Hidroviária - Pederneiras 46

45 Descarga Hidroviária - Pederneiras 47

46 Descarga Hidroviária - Pederneiras 48

47 TERMINAL INTERMODAL DE PEDERNEIRAS-SP

48 Terminal Hidro-Ferroviário de Pederneiras-SP Capacidade estática: t Capacidade recebimento: 500 t/h Capacidade expedição: 500 t/h 50

49 FROTA FERROVIÁRIA

50 Locomotivas e vagões 120 VAGÕES 5 LOCOMOTIVAS 52

51 Terminal hidro-rodoviário de Anhembi-SP 120 VAGÕES 5 LOCOMOTIVAS Capacidade t Capacidade recebimento: 500 t/h Capacidade expedição: 400 t/h 53

52 PORTO DE SANTOS

53 Porto de Santos Armazéns XXXIX, XL e Berço Armazém XXXIX 2- Armazém XL 3- Berço 38 ( t) ( t) (2.400 t/h) 55

54 Porto de Santos-SP 1-Armazém XL capacidade de armazenamento t 2-Armazém XXXIX capacidade de armazenamento t 3-Berço 38 56

55 Terminal XXXIX Construção do Berço 36

56 NOVOS CORREDORES DE EXPORTAÇÃO E NOVAS FRONTEIRAS AGRÍCOLAS MATO GROSSO GOIÁS MAPITO

57 Fluxo logístico MAPITO e Leste do Mato Grosso (Área de influência) 59

58 NOVO FLUXO LOGÍSTICO EXPORTAÇÃO - GOIÁS

59 Fluxo logístico Goiás 61

60

61 NOVOS FLUXO LOGÍSTICO EXPORTAÇÃO MATO GROSSO

62 Fluxo Mato Grosso 64

63 Impacto do frete sobre o preço da soja: Fluxo atual x Fluxo a curto prazo (Destino final Rotterdam) Querência-MT Querência-MT Via Colinas do Tocantins-TO Rodovia km Porto de Santos-SP Rodo-ferro km Porto de Itaqui-MA Frete R$/sc: 15,79 Preço soja R$/sc: 35,00 Impacto do frete sobre o preço da soja: 45% Marítimo km Frete R$/sc: 13,74 Preço soja R$/sc: 35,00 Impacto do frete sobre o preço da soja: 39% Marítimo km Rotterdam Holanda Rotterdam Holanda Km total: Km total:

64 Impacto do frete sobre o preço da soja: Fluxo atual x Fluxo a curto prazo (Destino final Rotterdam) Sorriso-MT Sorriso-MT Via Miritituba-PA Rodovia km Porto de Santos-SP km Rodo-hidro Porto de Belém-PA Marítimo km Frete R$/sc: 17,59 Preço soja R$/sc: 35,00 Impacto do frete sobre o preço da soja: 50% Frete R$/sc: 14,79 Preço soja R$/sc: 35,00 Impacto do frete sobre o preço da soja: 36% Marítimo km Rotterdam Holanda Rotterdam Holanda Km total: Km total:

65 FERROVIA NORTE-SUL: SÃO SIMÃO - GO

66 Fotos das obras da Norte-Sul em São Simão-GO 68

67 69

68 CARAMU RU CORREDOR DE EXPORTAÇÃO HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ PATIO DA FERROVIA NORTE-SUL 70

69 CARAMURU PATIO DA FERROVIA NORTE-SUL CORREDOR DE EXPORTAÇÃO HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ 71

70 Corredor de exportação hidroviário de São Simão-GO Granol Louis Dreyfus Caramuru Nova Roseira Torque Futuras instalações do pátio ferroviário da Norte-Sul ( 2 km de extensão) Caramuru Alimentos ADM Areia Bergamo Seta Mineração 72

71 Acesso a cidade de São Simão-GO FERROVIA NORTE-SUL BR 364 São Simão-GO sentido a Ituiutaba-MG BR

72 RODOVIAS BR 163 E BR 158

73

74

75 Fotos da Viagem BR

76 Fotos da Visita as eclusas do Tucuruí 78

77 VIAGEM A SANTARÉM 2011 VIA BR 163

78 BR OBRA DO PAC SANTARÉM-PA 362 km ITAITUBA-PA PA 418 km NOVO PROGRESSO-MT BR km em pavimentação 325 km pavimentado 225 km em obras 593 km sem obras (apenas pontes e bueiros em construção) 363 km MT Estrada pavimentada Estrada não pavimentada GUARANTÃ DO NORTE-MT 80 80

79 Fotos da Viagem BR

80 Fotos da Viagem BR

81 Fotos BR : Miritituba-PA 83

82 Resoluções da ANTT Novo Marco Regulatório do Transporte Ferroviário 3.694/ / /11 Dita as regras de cada parte, direitos, deveres, qualidade dos serviços Regulamenta as operações de direito de passagem e tráfego mutuo Regulamenta metas de produção por trecho e metas de segurança 84

83 Conclusão 1- Conclusão das obras da BR 158 ligando Vale Araguaia região Leste do MT a Colinas no Tocantins ou a Marabá-PA, previsto para final Conclusão das Obras TEGRAM no porto de Itaqui-MA, já licitado, início operação Conclusão das Obras da BR 163 ligando Norte do MT a Miritituba/Santarém no Pará, previsto para final Navegação na hidrovia do Tapajós via Miritutubá-PA com a conclusão da BR Conclusão da Ferrovia Norte Sul ligando Maranhão a São Paulo, obras bastante avançadas no trecho São Luiz-MA Anápolis-Go ( dos km faltam 70 km para concluir este trecho). 6- Navegação do Rio Tocantins através de Marabá com a conclusão eclusa de Tucurui em 2010, faltando derrocamento Pedral do Lourenço e dragagem, para deixar a hidrovia com melhor navegabilidade e competitiva. 85

84 Conclusão (Cont.) 7- Licitação Porto Vila do Conde ou outras alternativas na região de Belém. 8 - Conclusão da extensão da ferrovia Ferronorte de Alto Araguaia-MT a Rondonópolis - MT(163 Km), previsto para final Conclusão do projeto de eliminação de gargalos da hidrovia Paranaíba- Tietê-Paraná ( proteção de pilares de pontes/alargamento vãos de pontes) projeto para final Grandes projetos de melhorias ferroviárias na passagem pelo estado de São Paulo(Ex: Ferroanel) e Porto de Santos(Ex: Av. Perimetral), etc Outros projetos em andamento, como por ex: Ferrovia de Integração Oeste-Leste( FIOL) e Ferrovia de Integração do Centro Oeste( FICO) e Ampliação do canal do Panamá. 12- Resoluções da ANTT regulamentando do transporte ferroviário. 86

85 Conclusão Com todos esses projetos concluídos a curto e médio prazo(3 a 5 anos) iremos assistir uma transformação nos fluxos atuais de logística, desconcentração dos portos Sul e Sudeste (Santos/Paranaguá/Tubarão) para portos do Norte e Nordeste, gerando maior rentabilidade ao produtor rural, maior geração de emprego e de divisas para o país. 87

86 Antonio I. Ballan Diretor de Logística

Logística e Escoamento da Safra

Logística e Escoamento da Safra Logística e Escoamento da Safra Carlos Eduardo Tavares Economista da Superintendência de Logística Operacional da CONAB/MAPA Brasília (DF), outubro de 2015 Contextualização Monitoramento da Safra Agrícola

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS CORREDORES DO ARCO NORTE AVALIAÇÕES TÉCNICAS MAIO DE 2014 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

Gargalos logísticos e o novo corredor de exportação agrícola pelo norte do país

Gargalos logísticos e o novo corredor de exportação agrícola pelo norte do país Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Gargalos logísticos e o novo corredor de exportação agrícola pelo norte do país Seminários Folha de S.Paulo - Fórum de Exportação Daniel Furlan Amaral

Leia mais

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins Corredor do Rio Tocantins DNIT Diretoria de ADMINISTRAÇÕES Infraestrutura Aquaviária HIDROVIÁRIAS Demandas de Infraestrutura CNA / BRASIL PAC INVESTIMENTOS INICIADOS AÇÕES INVESTIMENTOS PREVISTOS CORREDOR

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

MRS Logística. Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio. Famasul SENAR. Claudenildo dos Santos Chaves. 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS

MRS Logística. Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio. Famasul SENAR. Claudenildo dos Santos Chaves. 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS MRS Logística Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio Famasul SENAR Claudenildo dos Santos Chaves 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS A MRS e sua malha 2 2 MRS Uma Visão Geral Alguns fatos

Leia mais

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL 64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL PALESTRA: DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA AQUAVIÁRIA Painel - Um modelo institucional para a infraestrutura logística dentro

Leia mais

"As mudanças logísticas causadas pelo novo terminal de transbordo de Rondonópolis-MT"

As mudanças logísticas causadas pelo novo terminal de transbordo de Rondonópolis-MT Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Economia, Administração e Sociologia Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial - ESALQ-LOG "As mudanças

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AVALIAÇÕES TÉCNICAS JUNHO 2013 EVOLUÇÃO DO BRASIL HÁ 50 ANOS = IMPORTADOR HÁ 20 ANOS = VENDEDOR HOJE = FORNECEDOR DISPUTADO

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil. Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009

O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil. Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009 O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009 Hidrovia Paraná-Paraguai PAC FERROVIAS, HIDROVIAS E MARINHA MERCANTE Terminais

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

II - INFRA-ESTRUTURA PARA O DESENVOLVIMENTO

II - INFRA-ESTRUTURA PARA O DESENVOLVIMENTO II - INFRA-ESTRUTURA PARA O DESENVOLVIMENTO aceleração do desenvolvimento sustentável no Brasil. Dessa forma, o país poderá superar os gargalos da economia e estimular o aumento da produtividade e a diminuição

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL O Papel da ANTAQ no desenvolvimento da navegação interior brasileira FERNANDO FIALHO Diretor Geral Brasília Embaixada da Holanda, 30 de agosto de 2007 A ANTAQ É - Autarquia

Leia mais

TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

TRANSPORTE HIDROVIÁRIO TRANSPORTE HIDROVIÁRIO SÃO PAULO - SP 06/NOV/2010 TRANSPORTE 10% do PIB 60% dos custos logísticos TRANSPORTE HIDROVIÁRIO (AQUAVIÁRIO) Aquele executado em meio hídrico por equipamento flutuante HIDROVIAS

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS ENESUL -2013 FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 Metodologia de Trabalho Identificação de Mercados Aptidão e Competitividade da Produção Competitividade

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹ A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO Valéria Cristina Campos¹ Resumo. A eficiência ferroviária em transporte de grandes quantidades a grandes distâncias, adequada aos países de dimensões continentais

Leia mais

No caminho da logística

No caminho da logística 12 No caminho da logística Cesar Borges de Souza Vice-presidente da Caramuru Alimentos Klaus Kleber, de São Paulo Com fábricas e fornecedores muito longe do litoral, a Caramuru Alimentos, a maior empresa

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

SIMPÓSIO HIDROVIAS DE MATO GROSSO 22-11-2012 CUIABÁ-MT

SIMPÓSIO HIDROVIAS DE MATO GROSSO 22-11-2012 CUIABÁ-MT SIMPÓSIO HIDROVIAS DE MATO GROSSO 22-11-2012 CUIABÁ-MT SIMPÓSIO HIDROVIAS DE MATO GROSSO 22-11-2012 CUIABÁ-MT Abertura Carlos Henrique Baqueta Fávaro Pres. Aprosoja Movimento Pró Logística Hidrovias de

Leia mais

A logística de transportes e telecomunicações no noroeste do Mato Grosso: entrave ao desenvolvimento ou oportunidade de negócios.

A logística de transportes e telecomunicações no noroeste do Mato Grosso: entrave ao desenvolvimento ou oportunidade de negócios. A logística de transportes e telecomunicações no noroeste do Mato Grosso: entrave ao desenvolvimento ou oportunidade de negócios. III SASEL SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO Professora Ma. Terezinha Márcia de

Leia mais

José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI

José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI Os nós da infraestrutura OS CENÁRIOS CONSIDERADOS Patinando na infraestrutura deficitária Atingindo a velocidade de cruzeiro Para

Leia mais

Categoria: Construção de Ferrovia

Categoria: Construção de Ferrovia Projeto 015 : Construção do contorno ferroviário de São Francisco do Sul E2 Ferroviária LOCALIZAÇÃO: São Francisco do Sul - SC INTERVENÇÃO: Construção Categoria: Construção de Ferrovia EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ 12º Fórum Portos Brasil 2011 Maio 2011 Fatos Gerais sobre o Brasil Área Total:8.514.876

Leia mais

Assessoria de Imprensa

Assessoria de Imprensa Assessoria de Imprensa Alex Branco Neto MTB: 12.834 Telefone:(11) 3021 4830 e mail: alex.branco@uol.com.br Release Um Grupo 100% brasileiro Somos o principal Grupo de capital nacional no processamento

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL Impactos causados por gargalos e desbalanceamento da Matriz de Transportes Custo de Logística: Resultado: Agricultura e Mineração:

SITUAÇÃO ATUAL Impactos causados por gargalos e desbalanceamento da Matriz de Transportes Custo de Logística: Resultado: Agricultura e Mineração: Reunião do Conselho Superior de Infraestrutura FIESP O PROGRAMA DE CONCESSÕES São Paulo, 12 de Setembro de 2013 SITUAÇÃO ATUAL Impactos causados por gargalos e desbalanceamento da Matriz de Transportes

Leia mais

As Hidrovias como fator de desenvolvimento brasileiro

As Hidrovias como fator de desenvolvimento brasileiro As Hidrovias como fator de desenvolvimento brasileiro Guilherme Almeida Diretor da Área de Revitalização das Bacias Hidrográficas 2 Forum sobre Hidrovias Congresso Nacional - 24 de agosto de 2011 CODEVASF

Leia mais

LOGÍSTICA DA REGIÃO NORTE PARA O AGRONEGÓCIO

LOGÍSTICA DA REGIÃO NORTE PARA O AGRONEGÓCIO PRESIDENTE DIRETOR EXECUTIVO LOGÍSTICA DA REGIÃO NORTE PARA O AGRONEGÓCIO ESTAÇÕES DE TRANSBORDO DE CARGAS E TERMINAIS PORTUÁRIOS (Amazônia) Kleber Menezes Maio-2014 OBJETIVOS ATAP/ATOC PERSEGUIR O USO

Leia mais

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências Prof. Manoel A. S. Reis, PhD I SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA DA BRITCHAM Segmento de Transportes no Brasil São Paulo 18 de Novembro de 2010 1. Características

Leia mais

1º BALANÇO DO PAC 2015 RESULTADOS ATÉ JUNHO DE 2015

1º BALANÇO DO PAC 2015 RESULTADOS ATÉ JUNHO DE 2015 1º BALANÇO DO PAC 2015 RESULTADOS ATÉ JUNHO DE 2015 1. RESULTADOS GERAIS No novo ciclo do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), entre 2015 e 2018, serão investidos de R$ 1,05 trilhão. Nesse período,

Leia mais

Infraestrutura para o Desenvolvimento

Infraestrutura para o Desenvolvimento PORTOS DA AMAZÔNIA Infraestrutura para o Desenvolvimento Belém (PA), maio de /2010 PORTO DE SANTARÉM PORTO DE VILA DO CONDE PORTO DA AMAZÔNIA PORTO DE BELÉM PORTO DE ÓBIDOS PORTO DE S.FRANCISCO PORTO DE

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF São Paulo, 03 de Abril de 2013 Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA MEDIDA PROVISÓRIA 595 MARÇO 2013 Enfrentamento dos gargálos logísticos Programa rodoviário Programa

Leia mais

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Adalberto Tokarski Diretor CT Log Junho de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS A ANTAQ Criada pela Lei nº10.233,

Leia mais

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08 Logística Integrada André Ravara A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais

Leia mais

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Marcelo Alves Pereira, Bunge Fertilizantes Novembro - 2009 Estimativas da ONU indicam que a população mundial em 2050 será de

Leia mais

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Setor Portuário Brasileiro Estimativa do aumento da Movimentação nos Portos (em milhões de toneladas) 2.400

Leia mais

Investimento no Transporte Hidroviário Interior. Fernando Antonio Brito Fialho

Investimento no Transporte Hidroviário Interior. Fernando Antonio Brito Fialho Investimento no Transporte Hidroviário Interior Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Rio de Janeiro, 8 de outubro de 2007 Estrutura do Estado UNIÃO Poder Executivo Secretaria de Portos

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 4,0 ) Comparar os sistemas de transportes da Região Norte com os da Região Centro-Oeste, concluindo sobre as medidas

Leia mais

International Projects Logistics

International Projects Logistics International Projects Logistics VALE e a utilização das hidrovias DEEB 01.10.08 Novembro 2009 Apresentação para Câmara dos Deputados Vale e a utilização das hidrovias Mina de Urucum Corumbá Localização

Leia mais

O TRANSPORTE AQUÁTICO NA REGIÃO CENTRO-OESTE

O TRANSPORTE AQUÁTICO NA REGIÃO CENTRO-OESTE Agência Nacional de Transportes Aquaviários O TRANSPORTE AQUÁTICO NA REGIÃO CENTRO-OESTE Curso de Gerência Executiva de Transporte e Mobilização - GETRAM QUARTEL GENERAL DO EXÉRCITO BRASILEIRO COLÉGIO

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

BALANÇO DAS AÇÕES FAET / SENAR ANO 2013

BALANÇO DAS AÇÕES FAET / SENAR ANO 2013 1 BALANÇO DAS AÇÕES FAET / SENAR ANO 2013 A) PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICOS O Produto Interno Bruto do agronegócio do Tocantins deve fechar 2013 com crescimento, dado os indicadores da safra 2013/2014

Leia mais

CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO

CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO SUMÁRIO DO PROJETO Contexto geral do projeto: potencias benefícios Eixo de integração e desenvolvimento regional Corredor facilitador do comércio interno: produção

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso

Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso Aspectos atuais da navegação de Interior, Cabotagem e Longo Curso Nelson Carlini 26 de Agosto de 2015 Hidrovias Europa Movimentação e Matriz Modal Diferentemente do Brasil, as hidrovias na Europa são largamente

Leia mais

Impacto da logística na competitividade agrícola do Mato Grosso 1

Impacto da logística na competitividade agrícola do Mato Grosso 1 Impacto da logística na competitividade agrícola do Mato Grosso 1 Marcelo Chalella Nogueira Graduando em Engenharia Naval e Oceânica (POLI-USP) Centro de Estudos em Gestão Naval marcelo.nogueira@gestaonaval.org.br

Leia mais

O DESAFIO BRASILEIRO

O DESAFIO BRASILEIRO O DESAFIO BRASILEIRO 1 Principais desafios do comércio mundial para o Brasil O comércio global brasileiro por meio de contêineres principal motor para a globalização do país está crescendo cerca de 4%

Leia mais

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM MERCADO FUTURO Soja Diego Marafon Edemir Miotto Júnior Felipe Patel Prof. Dr. Miguel Ângelo Perondi INTRODUÇÃO Na atualidade, a soja apresenta-se como um produto em evidência Grão muito proveitoso, devido

Leia mais

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES: ALTERNATIVAS DE ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA NO ESTADO DE MATO GROSSO 1

LOGÍSTICA DE TRANSPORTES: ALTERNATIVAS DE ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA NO ESTADO DE MATO GROSSO 1 LOGÍSTICA DE TRANSPORTES: ALTERNATIVAS DE ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA NO ESTADO DE MATO GROSSO 1 Nilton Marques de Oliveira, Msc 2 Heleno do Nascimento Santos, Dr 3 RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Otimização dos impactos econômicos regionais

Otimização dos impactos econômicos regionais Otimização dos impactos econômicos regionais Financiado pelo CNPq Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília Laboratório de Infraestruturas INFRALAB Contexto Desbalanço da Matriz de Transportes

Leia mais

PRONUNCIAMENTO SOBRE LOGÍSTICA DE TRANSPORTES

PRONUNCIAMENTO SOBRE LOGÍSTICA DE TRANSPORTES PRONUNCIAMENTO SOBRE LOGÍSTICA DE TRANSPORTES Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Senadores, Amigos que nos assistem e nos ouvem pela Rádio Senado e pela TV Senado Há poucos dias, um fato foi amplamente

Leia mais

3 Logística da soja. 3.1 Definindo a logística

3 Logística da soja. 3.1 Definindo a logística 3 Logística da soja Neste capítulo são dadas algumas definições da logística. É abordada também, a logística da soja brasileira no que se refere à infra-estrutura de transporte e de armazenamento. Finalmente,

Leia mais

Análise da logística de transporte na comercialização da produção de soja na região Centro-Oeste com foco no modal rodoviário

Análise da logística de transporte na comercialização da produção de soja na região Centro-Oeste com foco no modal rodoviário Análise da logística de transporte na comercialização da produção de soja na região Centro-Oeste com foco no modal rodoviário PAULO ROBERTO VIEIRA DE ALMEIDA; GISLENE ZINATO RODRIGUES; ALCIDO ELENOR WANDER

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

O setor aquaviário e o comércio exterior

O setor aquaviário e o comércio exterior O setor aquaviário e o comércio exterior Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB ENAEX 2011 - Encontro nacional de comércio exterior Rio de Janeiro, RJ 19 de agosto de 2011 Fernando Antonio Brito

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES):

Leia mais

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA 13 ANOS DE ALL Março de 1997 Início das atividades Privatização Malha Sul Julho de 2001 Aquisição da Delara Consolidação Logística Maio de 2006 Aquisição da Brasil Ferrovias

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES TRANSPORTE NO BRASIL. Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES TRANSPORTE NO BRASIL. Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES 1 TRANSPORTE NO BRASIL Fórum Intermodal FGV-CELog São São Paulo, abril de de 2006 2 1 ROTEIRO GERAL DA PALESTRA 1) Função Transporte e Eficiência; 2) Considerações

Leia mais

A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ

A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ A ANTAQ e a regulação do transporte aquaviário e das atividades portuárias Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ Litoral Sudeste, 16 de fevereiro de 2008 Regulação do transporte aquaviário e

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

BR 163 QUEBRA DE PARADIGMA NO TRANSPORTE DO COMÉRCIO EXTERIOR

BR 163 QUEBRA DE PARADIGMA NO TRANSPORTE DO COMÉRCIO EXTERIOR BR 163 QUEBRA DE PARADIGMA NO TRANSPORTE DO COMÉRCIO EXTERIOR Brasília 2012 BR 163 QUEBRA DE PARADIGMA NO TRANSPORTE DO COMÉRCIO EXTERIOR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO

Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO Brasília, 27 de agosto de 2013 O setor de transporte no Brasil Agente indutor de desenvolvimento e integração; Histórico de baixos investimentos em

Leia mais

Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas. André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT

Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas. André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT Lei 9.611, de 19 de fevereiro de 1998 Art. 2º - Transporte Multimodal de Cargas é aquele

Leia mais

HIDROVIAS DO MATO GROSSO

HIDROVIAS DO MATO GROSSO HIDROVIAS DO MATO GROSSO ADALBERTO TOKARSKI Gerente de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Interior Cuiabá/MT 21-08-2009 ADMINISTRAÇÃ ÇÃO O DAS HIDROVIAS LOCALIZAÇÃ ÇÃO O DA HIDROVIA NA BACIA BR -163

Leia mais

CPS CP/ECEME - 2009 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA

CPS CP/ECEME - 2009 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA CPS CP/ECEME - 2009 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO Al Nº: 1ª QUESTÃO (Valor 6,00) Comparar os sistemas de transportes da Região Norte com os da Região Centro-Oeste do Brasil, concluindo

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Fundação André Maggi Originação Processamento Exportação Soja Milho Geração

Leia mais

Programa de Investimento em Logística

Programa de Investimento em Logística Programa de Investimento em Logística HÉLIO MAURO FRANÇA Empresa de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos para o desenvolvimento acelerado e sustentável: Ampla e moderna

Leia mais

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Os investimentos da Logística de Carga Geral da Vale Fabiano Lorenzi Rio de Janeiro RJ, 30/05/12 A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de pesquisa,

Leia mais

Caroline Rodrigues Gerente de Atendimento

Caroline Rodrigues Gerente de Atendimento Caroline Rodrigues Gerente de Atendimento NOSSOS PROJETOS SUMÁRIO 1. Modelo de Negócios 2. Projetos em Infraestrutura 3. Cases de Sucesso 4. Próximos Passos I-MODELO DE NEGÓCIOS 4 OBJETIVOS MODELO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Agenda. Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases

Agenda. Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases Agenda Logística no Brasil Estrutura Ferroviária ALL Estratégia de Crescimento Cases 1 Logística no no Brasil EUA Market Share Market Share 16% 14% 30% 40% Rodoviário Ferroviário Hidroviário Outros Argentina

Leia mais

FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE. Prof. Dr. José Vicente Caixeta Filho Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG

FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE. Prof. Dr. José Vicente Caixeta Filho Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG Curitiba, 21 de novembro de 2011 ESTRUTURA DESTA APRESENTAÇÃO background referencial teórico para a precificação

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA MT - 100

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA MT - 100 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA MT - 100 Novembro/2014 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA-MT), Associação

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA Palestra Logística Ferroviária Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 ABIFER, há mais de 37 anos ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar o crescimento

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RELATÓRIO I ESTUDO DE DEMANDA TRECHO Estrela D Oeste (SP) - Dourados (MS) Audiência Pública nº 139/2013

Leia mais

UMA ANÁLISE DOS TIPOS DE TRANSPORTES NO ESCOAMENTO DA SOJA: IMPACTOS E CUSTOS

UMA ANÁLISE DOS TIPOS DE TRANSPORTES NO ESCOAMENTO DA SOJA: IMPACTOS E CUSTOS UMA ANÁLISE DOS TIPOS DE TRANSPORTES NO ESCOAMENTO DA SOJA: IMPACTOS E CUSTOS Gabriela Petinati Rodrigues (UFMS ) gabipetinati@hotmail.com Matheus Massuia Regazzini (UFMS ) matheus_massuia@yahoo.com.br

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - 2010

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - 2010 Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Brasília, 22 de Fevereiro de 2011 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - Coletiva de Imprensa ANTF - Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários

Leia mais

3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global. Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo.

3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global. Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo. 3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo Ivan Wedekin Você é competitivo quando tem um desempenho a longo prazo acima da

Leia mais

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Resultados positivos dos quinze anos de concessões ferroviárias comprovam a importância das ferrovias para o desenvolvimento do País Crescimento de

Leia mais

Canola. Informação sobre a. Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel DF 03.07.2013

Canola. Informação sobre a. Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel DF 03.07.2013 Produção de mel Informação sobre a Produção de Canola Raízes profundas Reunião Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel Brasília DF 03.07.2013 Engº Agrº Msc Valdir Zonin SEAPA Coordenador

Leia mais

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Prof. Manoel de Andrade e Silva Reis - FGV 1 Sumário Matriz Brasileira de Transportes Características do Sistema Logístico Brasileiro O Plano

Leia mais

Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba

Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba TRANS 2015 VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA Iana Araújo Rodrigues Setembro 2015 Agenda Conceitos

Leia mais

Agricultura Familiar AVANÇOS E DESAFIOS

Agricultura Familiar AVANÇOS E DESAFIOS Agricultura Familiar AVANÇOS E DESAFIOS Tema Centrais As mudanças nas regras do Selo O Selo existiria em um cenário sem leilões? A importância do Selo Social para o novo Governo. A Função da Secretaria

Leia mais

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1.

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1. Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. PORTO DE ITAQUI/MA AÇAILÂNDIA/MA Extensão de 1.550 km; Açailândia/MA Goiânia/GO;

Leia mais

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL BIODIESEL O que é? O biodiesel pode ser produzido a partir de qualquer óleo vegetal - tal como soja, girassol, canola, palma ou mamona -, assim como a partir de gordura

Leia mais