Puzzle de Investigação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Puzzle de Investigação"

Transcrição

1 Atividades: Puzzle de Investigação Nivel de ensino: 9º, 10º, 11º e 12º Duração: 30 min de preparação + 30 minutos de atividade Objetivos: Figura 1- Esquema acerca do processo de investigação Compreender como se desenvolve um projeto de investigação. 1

2 Levar os alunos a discutir e a refletir acerca das etapas inerentes à investigação, da relação entre elas. Discutir o método cientifico de forma crítica Materiais: Peças do puzzle Tesoura Saco/envelopes Preparação (30 min): Imprimir vários conjuntos da figura 1. Recortar os balões, as setas e as perguntas. Colocar nos envelopes as peças correspondentes a um conjunto. Recomenda-se que plastifique as peças. Procedimento: 1. Comece por perguntar aos alunos o que acham que faz um cientista. 2. Registe as suas respostas ou palavras/frases chave no quadro. 3. Mostre aos alunos a seguinte lista (a lista deve estar desordenada propositadamente): Fazem observações Recolhem dados Analisam os dados Fazem previsões Constroem teorias e explicações Planificam e conduzem experiências Trabalham em equipa Publicam os resultados da investigação 4. Compare a lista com as respostas deles 5. Divida os alunos em grupos. 6. Distribua um conjunto de peças por cada grupo. 7. Peça aos alunos para construam o puzzle de acordo com a maneira que para eles se deve desenrolar um processo científico. 8. Verifique quais os grupos que têm propostas diferentes e peça-lhes para explicar aos restantes grupos o porquê da sua ordem. 2

3 9. Tentar chegar a um consenso da turma. 10. Mostrar o esquema final e explicá-lo aos alunos. Lidar com as propostas dos alunos: Os alunos vão mostrar vários esquemas (ver fig. 2 e 3), uns circulares e outros lineares. Ir perguntando aos alunos o porquê da sua construção. Explicar sempre que um esquema deve ser o reflexo exato e claro daquilo que eles pensam. Explicar que a investigação raramente é linear. Os alunos vão perguntar se precisam usar as peças todas. Dizer para construir de maneira a que o esquema tenha clareza para os alunos independentemente das peças que utilizem. Reflexão: A ciência é um processo linear? Ou todos os passos estão interligados? Deve-se primeiro planear ou pesquisar? Como se forma um problema e uma hipótese de investigação? Como se comunica a ciência? Quais as diferenças entre a linguagem comum e a linguagem científica? Qual a diferença entre publicação cientifica e divulgação cientifica? As teorias científicas são eternas ou podem ser alteradas? Para que servem os congressos científicos? 3

4 Figura 2- Exemplo de esquema conceptual de investigação cientifica defendido por alunos do secundário modelo linear Figura 3- Exemplos de de esquema conceptual de investigação cientifica defendido por alunos do secundário modelos circulares Copos de Som Nivel de ensino: 9º, 10º, 11º e 12º Duração: 60 minutos de preparação + 45 minutos de atividade 4

5 Os copos de plástico são excelentes câmaras de ressonância, permitindo que objetos simples possam produzir um som misterioso. Apenas através de observações cuidadosas os alunos serão capazes de construir copos de som a condizer. Podem conseguir produzir um som correspondente utilizando objetos diferentes daqueles que constam nos copos originais. Objetivo Refletir acerca do processo de investigação científica. Compreender a diferença entre evidência e inferência, compreender a validade dos modelos e teorias científicas. Meljhorar a noção acerca da natureza da ciência e da investigação científica Materiais: Copos plásticos opacos (3 por aluno) Fita-cola Pequenos objetos para colocar dentro dos copos (Por exemplo: papel, clips, moedas, alfinetes, berlindes, elásticos, cordéis, bolas de algodão, cotonetes, anilhas, copos menores) Uma bandeja para cada mesa 5

6 Preparação (60 min): Opte pela forma como pretende que os alunos trabalhem, em pares ou em grupo. Se optar pelo trabalho de pares, precisa de preparar 2 conjuntos idênticos de um único tipo de som - por exemplo, fazer 2 pares de copos contendo palhinhas, 2 pares de copos contendo uma moeda, 2 pares de copos contendo anilhas, etc. Se optar pelo trabalho de grupo (4 elementos), precisa organizar quatro conjuntos idênticos de um único tipo de som - por exemplo, fazer quatro pares de copos contendo palhinhas, etc. Coloque o(s) objeto(s) num copo, coloque por cima outro copo com o fundo virado para cima e feche (una os copos) com fita-cola. Prepare outro conjunto exatamente igual (com o mesmo tipo de som) antes de começar a preparar copos com tipos de sons diferentes. Enquanto prepara os copos de som, vá colocando, em cada bandeja, os exemplos dos objetos que utilizou. Prepare um copo de som para cada aluno. Procedimento: 1. Distribua um copo de som a cada aluno. Peça aos alunos para ouvirem atentamente e, em seguida, para encontrarem o colega que tem um copo que pareça emitir o mesmo som. Pode optar pela realização da primeira parte da atividade em silêncio. 2. Peça aos alunos para ouvirem os sons uns dos outros, e sentarem-se com o colega que eles julgam que tem um copo que produz o mesmo som. 3. Logo que os alunos encontrem os seus pares irão trabalhar em conjunto para tentar construir um copo com som idêntico. Para esse fim utilizarão os materiais fornecidos nas bandejas. Coloque uma bandeja de materiais em cada mesa (ou em várias estações de trabalho). Os alunos podem falar entre eles mas não podem abrir os copos originais. 4. Assim que os alunos terminem de construir o novo copo de som, cada par deve apresentar o seu trabalho. Devem demonstrar o som dos copos originais, falar sobre a perceção que tiveram e como decidiram fazer o copo de som que combinava com o original. É importante que os alunos partilhem o processo de pensamento que desenvolveram até à tomada de decisão e é útil que os grupos questionem quem apresenta. 5. À medida que cada par for apresentando a sua exposição, faça uma lista das palavras utilizadas pelos alunos para descrever o processo que os levou a demonstrar os sons ( testar, experimentar, evidência, inferência, dúvida, validar- são algumas das palavras que devem surgir). 6

7 Lidar com as propostas dos alunos: Os alunos vão querer saber se "está certo". Em ciência, muitas vezes, não somos capazes de apelar a uma autoridade superior e temos de confiar nas nossas observações e experiências para dar resposta às questões. Isto pode ser frustrante para os alunos mas é importante salientar esta questão essencial do processo científico. Isto significa que no final, não se deve abrir os copos. Só assim compreenderam a diferença entre inferência e evidencia. Reflexão: Os pares têm sons similares? Conseguiste encontrar alguém cujo copo soa como o teu? Que observações fizeste para chegar ao teu par? Porquê? Como soa o copo construído pelo par em comparação com o copo fornecido inicialmente? O que te levou a construir essa teoria? O que é que esse som faz lembrar? Descreve a forma como construíste o copo com o som similar? Quais foram as tuas experiências para chegares a esse copo? O que observaste? Qual foi o material que funcionou? Que observações apoiam a tua teoria? Como poderias provar a tua teoria? Que métodos usarias para inferir ou validar as tuas hipóteses? Ex: balança para comparar peso, aparelho de raio X para determinar a forma do(s) objetos. Peças do Puzzle Nivel de ensino: 9º, 10º, 11º e 12º Duração: 45 min 7

8 Figura 1- Exemplo de Imagem para esta atividade Objetivos: Esta atividade é demonstrativa da importância de se obter uma grande quantidade de dados e da partilha de resultados entre a comunidade científica. Materiais: Uma imagem, que pode ser uma fotografia de uma paisagem, de um animal, de uma pessoa, ou de outro objeto real Tesouras, 8 envelopes e 1 lápis Preparação (30-40 minutos) Corte a imagem em oito retângulos iguais (conforme figura 1). Corte cada uma das secções retangulares em pelo menos 20 partes de forma aleatória. Adicione o número da secção (1-8) na parte de trás de cada peça e coloque as peças dentro de um envelope. Escreva no envelope o número correspondente. 8

9 Procedimento: 1. Divida a turmas em oito grupos de investigadores. Diga a cada grupo que agora fazem parte de uma equipa de investigação. 2. Cada equipa recebe um envelope e cada envelope contém apenas uma parte da imagem. 3. A cada equipa será permitido retirar 5 peças do envelope e observá-las com muito cuidado. Cada grupo deve então tentar descobrir o que estará representado na imagem. Devem registar a proposta e explicar quais os fatores que lhes permitem justificar a previsão que apresentam. 4. Terminada esta fase, devem retirar mais 5 peças do envelope. Agora, a equipa tem 10 peças para examinar. Será que pretendem mudar a proposta inicial ou acrescentar mais detalhes? Mais uma vez, devem registar e explicar quais os fatores que permitem justificar esta nova previsão. 5. Por fim, permita que as equipas retirem mais 3 peças do envelope e que apresentem a última previsão. 6. Cada um dos 8 grupos faz uma apresentação oral, explicando o que julgam que a imagem pode representar e quais os fatores que os levaram a considerar essa possibilidade. 7. Após a visualização de todas as peças, que todas as equipas retiraram dos envelopes, devem reformular a resposta final. Reflexão: A análise que fizeste dos fragmentos da imagem fez-te pensar e criar uma hipótese? As observações que fizeste ajudaram-te a criar novas teorias ou a consolidar a que já tinhas? As tuas conclusões foram inferidas apartir das tuas observações? Os resultados e as teorias que os outros grupos apresentaram ajudaram-te a completar a tua teoria? Concordaste com todas as observações deles? As suas teorias mereciam críticas? Ao realizares este atividade por que etapas do processo de investigação passaste? 9

10 A ciência é um quebra-cabeças Nivel de ensino: 10º, 11º e 12º Articulação Curricular: Aspetos sobre a atividade de investigação científica, sobre a natureza da construção do conhecimento científico e sobre a ciência enquanto empreendimento humano. Duração: 45 min Figura 1. A solução final com todas as peças do puzzle Figura 2 A primeira solução final (sem o quadrado). Objetivos: Esta atividade direcionada para alunos do secundário promove a reflexão acerca da natureza da ciência e também mostra a importância dos estudantes serem participantes ativos no processo de aprendizagem. Materiais: Impressão da figura 1 em cartolina ou papel grosso em número suficiente para os alunos trabalharem individualmente. Tesoura 10

11 Procedimento: Dar a cada aluno as peças do puzzle com excepção do quadrado assinalado com o círculo. 1. Peça aos alunos para juntarem as peças de forma a fazerem um quadrado. 2. Enquanto tentam juntar as peças pode explicar-lhes que cada peça do puzzle representa um dado e/ou um conjunto de dados científicos e que o seu conjunto (o quadrado final) representa um modelo científico ou um resultado científico. 3. Quando os alunos conseguirem chegar à solução final (figura 2), distribua o quadrado assinalado com o círculo e peça para eles refazerem o quadrado incorporando essa peça. Deve referir que essa peça representa uma nova descoberta científica. 4. Provavelmente nesta etapa, alguns dos alunos terão dificuldade em arranjar uma solução ou tenderão a refazer o quadrado inicial. Encoraje-os nessa fase a trabalharem em grupos pequenos para conseguirem chegar à solução (figura 1). Questões para reflexão durante esta atividade: Esta atividade permite a reflexão acerca das características inerentes ao processo de experimentação na investigação científica: Pode sugerir aos alunos que discutam as semelhanças entre a construção do puzzle e fazer ciência. A experimentação, a tentativa e erro são etapas comuns durante a investigação científica e que muitas vezes provocam reações de frustração e irritação nos cientistas (estas etapas e reações foram experimentadas durante a atividade de construção do puzzle). Por outro lado, quando se alcança uma solução plausível, o desafio é atingido, tal como o que os alunos sentiram durante a atividade. 11

12 Informação adicional: A reflexão acerca da natureza da ciência: 1. Criatividade 2. Colaboração entre pares 3. Teoria e modelo científico 4. Natureza empírica da ciência, natureza tentativa do conhecimento (experimentação, tentativa e erro) Com esta atividade criamos condições para que os alunos sejam criativos e propiciamos uma atmosfera propícia para que os alunos não tenham receio de tentar e de errar, de experimentar (natureza empírica e tentativa do conhecimento científico), de partilhar (colaboração entre pares) e de refletir. Ações comuns durante o processo de investigação científica. Por outro lado, quando pedimos para acrescentar uma peça (um novo dado científico, uma nova evidência) os alunos vão desfazer o modelo teórico (a que tinham chegado com os dados iniciais) e vão ter que construir um modelo distinto por causa da nova evidência. Isto significa que os novos dados podem originar novos modelos e consequentemente novas teorias (o conhecimento científico é modificado à luz de novas evidências). 12

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

Construir uma estratégia

Construir uma estratégia Aula 7 Construir uma estratégia Construindo um Percurso - Programa de Empreendedorismo para o 3º Ciclo do Ensino Básico - Aula 7 - Página: 1 / 21 Programa de Empreendedorismo para o 3º Ciclo do Ensino

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul Projeto educativo A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul A Ponte Entre a Escola e a Ciência Azul é um projeto educativo cujo principal objetivo é a integração ativa de estudantes do ensino secundário

Leia mais

Como é que a Poluição Luminosa Afeta as Estrelas

Como é que a Poluição Luminosa Afeta as Estrelas Como é que a Poluição Luminosa Afeta as Estrelas Poluição Luminosa Projeto DSR Apagar as Luzes para Acender as Estrelas Resumo: Cada aluno irá construir um Leitor de Magnitude que será utilizado para determinar

Leia mais

Mãos na massa. com a cabeça a pensar. Actividades para crianças dos 8 aos 12 anos. Encarte NOESIS #66 6/22/06 5:43 PM Page 1. Destacável Noesis n.

Mãos na massa. com a cabeça a pensar. Actividades para crianças dos 8 aos 12 anos. Encarte NOESIS #66 6/22/06 5:43 PM Page 1. Destacável Noesis n. Encarte NOESIS #66 6/22/06 5:43 PM Page 1 Mãos na massa com a cabeça a pensar Actividades para crianças dos 8 aos 12 anos Destacável Noesis n.º 66 Concepção de Odete Valente Faculdade de Ciências, Universidade

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

COMO SE PREPARA UMA REPORTAGEM i DICAS PARA PREPARAR UMA REPORTAGEM

COMO SE PREPARA UMA REPORTAGEM i DICAS PARA PREPARAR UMA REPORTAGEM COMO SE PREPARA UMA REPORTAGEM i DICAS PARA PREPARAR UMA REPORTAGEM Ver, ouvir, compreender e contar eis como se descreve a reportagem, nas escolas de Jornalismo. Para haver reportagem, é indispensável

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras.

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras. 6 6 NOME DA AULA: 6 Algoritmos Duração da aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10-25 minutos (dependendo da disponibilidade de tangrans prontos ou da necessidade de cortá-los à mão) Objetivo principal:

Leia mais

MOSTRA DE CULTURA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA MONTAGEM DO DOSSIÊ

MOSTRA DE CULTURA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA MONTAGEM DO DOSSIÊ MOSTRA DE CULTURA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA MONTAGEM DO DOSSIÊ Prezada Equipe, É com grande prazer que recebemos sua proposta de participação na I Mostra de Cultura, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

de de património imaterial

de de património imaterial de Kit recolha de património imaterial FICHA DE ENTREVISTA / HISTÓRIA DE VIDA FICHA N.º NOME DO ENTREVISTADO: ENTREVISTA REALIZADA POR: LOCAL: DATA: DURAÇÃO (HORAS): TIPOS DE REGISTO OU GRAVAÇÃO: ÁUDIO

Leia mais

Tu e a publicidade. A publicidade está em toda a parte. Exercício. Início. Sabia que?

Tu e a publicidade. A publicidade está em toda a parte. Exercício. Início. Sabia que? 1 Tu e a publicidade Temas abordados A publicidade à nossa volta. Objectivos da aprendizagem Compreender as diferentes utilizações da publicidade, tais como vender, convencer ou expor um ponto de vista.

Leia mais

LIÇÃO Interacção na Internet - Web 2.0

LIÇÃO Interacção na Internet - Web 2.0 LIÇÃO Interacção na Internet - Web 2.0 Idade-alvo recomendada: 11 anos Guia da lição Os alunos irão desenvolver uma compreensão básica das considerações de segurança envolvidas na comunicação online. Objectivos

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO

COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO SABER USAR A INFORMAÇÃO DE FORMA EFICAZ - CONSTRUIR UM CURRICULUM VITAE CURRICULUM VITAE Segundo o Dicionário da Academia de Ciências de Lisboa, a expressão latina

Leia mais

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes Como fazes os teus trabalhos escritos? Há dois métodos para fazer trabalhos 1-Vais à Net copias a informação, colas num novo documento, imprimes e já está! 2-Pesquisas informação em fontes diversas, retiras

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

Planificação Anual da Sala dos 5anos

Planificação Anual da Sala dos 5anos Nome do Aluno: Janine Colaço Reis Planificação Anual da Sala dos 5anos Calendarizaçã o (mês) Áreas de conteúdo/ Conteúdos Curriculares Competências Situações de aprendizagem/ Estratégias Recursos Humanos/

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Eleição. para o Presidente da República

Eleição. para o Presidente da República Eleição para o Presidente da República O que é uma eleição? Uma eleição é quando votamos na melhor pessoa para defender os nossos interesses. Podemos decidir votar numa pessoa porque concordamos com as

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Editor Direção-Geral de Educação Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos

Editor Direção-Geral de Educação Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos Ficha Técnica Titulo À DESCOBERTA Editor Direção-Geral de Educação Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos Conceção Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos

Leia mais

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas 5 a a 8 a séries Ensino Fundamental Jovens do mundo todo Conheça outras culturas Softwares Necessários: Microsoft Encarta 2000 Internet Explorer 5,0 Microsoft Publisher 2000 Microsoft Word 2000 Áreas:

Leia mais

Formando rectângulos (ou áreas)

Formando rectângulos (ou áreas) Formando rectângulos (ou áreas) Objectivos - descobrir os divisores de um número - identificar números primos Actividade Organiza 18 quadrados em tantos rectângulos quantos possível. E se tivesses 30 quadrados,

Leia mais

Apresentação de Seminário

Apresentação de Seminário UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Departamento de Ciência da Informação Apresentação de Seminário Profa. Marta Valentim Marília 2012 Introdução O seminário

Leia mais

CONSTRUIR UM BARCO VELOZ

CONSTRUIR UM BARCO VELOZ CONSTRUIR UM BARCO VELOZ Propostas de atividades de Ciência e Matemática Público-alvo: alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico (3º e 4º anos) Autores: Claus Auning & Ida Guldager, University College South

Leia mais

Sequência (Níveis) na medida de área

Sequência (Níveis) na medida de área Sequência (Níveis) na medida de área Comparação A: Decalques da mão Rectângulo e triângulo Sobreposição das mãos Unidades não Estandardizadas Unidades Estandardizadas Concreto Representacional Símbólico

Leia mais

Planificação da Formação Total

Planificação da Formação Total Planificação da Formação Total Mobility Coach - Introdução e Indução - Duração 5 horas Tempo: Assunto: Método: Resultado: Material: Introdução à Formação e ao Projeto Mobility Coach Apresentação-PP Os

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios em Domínios/Competências Fatores de ponderação Instrumentos de Domínio Cognitivo Compreensão oral 20% Registos e grelhas de observação

Leia mais

Mestrado em Educação Pré-escolar

Mestrado em Educação Pré-escolar Apêndice 10 Exemplo de planificação diária cooperada em jardim-de-infância Dia: 09-05-14 Mestrado em Educação Pré-escolar Prática de Ensino Supervisionada em Jardim-de- Infância 2013/2014 Planificação

Leia mais

Competências em Literacia da Informação. Saber usar a informação de forma eficaz Construir um curriculum vitae

Competências em Literacia da Informação. Saber usar a informação de forma eficaz Construir um curriculum vitae Competências em Literacia da Informação Saber usar a informação de forma eficaz Construir um curriculum vitae Ana Isabel Roxo 2013 CURRICULUM VITAE Segundo o Dicionário da Academia de Ciências de Lisboa,

Leia mais

JOGOS E MATERIAIS MANIPULATIVOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

JOGOS E MATERIAIS MANIPULATIVOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL JOGOS E MATERIAIS MANIPULATIVOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL Henrique Moura Fietz 1 Sílvia Letícia Shardozim Martins 2 PALAVRAS-CHAVE: JOGOS MATEMÁTICOS; MATERIAIS MANIPULATIVOS; ENSINO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

Sentido de número e visualização no pré escolar e primeiros anos

Sentido de número e visualização no pré escolar e primeiros anos no pré escolar e primeiros anos Cenfores 2009 As relações mais, menos e o mesmo que Estes conceitos são as relações mais básicas para o conceito de número no seu aspecto mais global e a criança começa

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Os microrganismos e suas funções

Os microrganismos e suas funções ós na ala de Aula - Ciências 6º ao 9º ano - unidade 3 essa unidade, as atividades propostas visam colaborar para desenvolver novas perspectivas sobre a fermentação, processo realizado por fungos e bactérias.

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Educação Pré-Escolar 2014/15 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em cada nível de educação e

Leia mais

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I Diego Barboza Prestes 1 Universidade Estadual de Londrina diego_led@hotmail.com Tallys Yuri de Almeida Kanno 2 Universidade

Leia mais

Os meus amigos Robots

Os meus amigos Robots Os meus amigos Robots O objetivo principal desta atividade é promover técnicas de programação e ilustrar o uso das funções. Através do recurso a um vocabulário pré-definido, o Vocabulário Robot, os alunos

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

dicas para usar o celular nas aulas

dicas para usar o celular nas aulas E-book 11 dicas para usar o celular nas aulas Sugestões de atividades com os aplicativos mais básicos e simples de um aparelho Por Talita Moretto É permitido compartilhar e adaptar este material, desde

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010 Tarefa: As roupas do Tomás ESE/IPS 8 de Julho de 2010 Enquadramento Curricular: Tema: Números

Leia mais

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1 Módulo 1 Unidade 10 Teorema de Pitágoras Para início de conversa... Certamente, você já deve ter ouvido falar no Teorema de Pitágoras. Pois bem, nesta unidade, ele será o centro das atenções, mas vamos

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PUBLICAÇÕES (COPE): ORIENTAÇÃO SOBRE BOA PRÁTICA EM PUBLICAÇÕES

COMITÊ DE ÉTICA EM PUBLICAÇÕES (COPE): ORIENTAÇÃO SOBRE BOA PRÁTICA EM PUBLICAÇÕES COMITÊ DE ÉTICA EM PUBLICAÇÕES (COPE): ORIENTAÇÃO SOBRE BOA PRÁTICA EM PUBLICAÇÕES Por que os protocolos foram criados? O comitê de publicação de ética (COPE) foi fundado em 1997 para tratar da questão

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática 2012 Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 2012 Designação: Aprender com o scratch Enquadramento curricular

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

CADEIA DE TAREFAS I. GROWING PATTERNS. Continua os padrões. Página 1. Programa de Acompanhamento e Formação Contínua em Matemática

CADEIA DE TAREFAS I. GROWING PATTERNS. Continua os padrões. Página 1. Programa de Acompanhamento e Formação Contínua em Matemática INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CADEIA DE TAREFAS I. GROWING PATTERNS Continua os padrões. [In, APM (2002, 2ª Ed.). Materiais para o 1.º Ciclo. Caderno 1. Lisboa: APM. (pág. 15)] Página 1 II. GROWING PATTERNS

Leia mais

SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos

SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos CURRÍCULO DO PROGRAMA SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos Iniciando o currículo do Sonhe, Realize, o objetivo desta sessão é começar estabelecer um espaço seguro e acolhedor para as participantes, começar

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA O sistema educativo deve garantir a coordenação, a consistência e a coerência do ensino para o desenvolvimento da educação científica Critérios de qualidade O conhecimento dos alunos e das suas aptidões

Leia mais

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS O QUE SABEMOS UMA METODOLOGIA DE PROJETO PARA A EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE É O TRABALHO DE PROJETO? Os projetos da coleção «O Que Sabemos» enquadram-se numa metodologia

Leia mais

Tema: Imagens. Problema: Será que a imagem de um objeto é igual em qualquer tipo de espelho?

Tema: Imagens. Problema: Será que a imagem de um objeto é igual em qualquer tipo de espelho? Tema: Imagens Atividade experimental nº. 1 Problema: Será que a imagem de um objeto é igual em qualquer tipo de espelho? 1. Nesta experiência desafiamos-te a observar a tua imagem em três tipos de espelhos.

Leia mais

Documentação Empreendedora

Documentação Empreendedora Aula 1 Documentação Empreendedora Crescer a Empreender - Programa de Empreendedorismo para o 2º Ciclo do Ensino Básico - Aula 1 - Página: 1 / 12 Programa de Empreendedorismo para o 2º Ciclo do Ensino Básico

Leia mais

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo

Plano de Aula 1. Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Plano de Aula 1 Nível de Ensino: Básico e Secundário. Tópico : Finanças Tema: Consumo Competências - Comparar as taxas associadas aos diferenets cartões de crédito. - Comparar as taxas com a inflação.

Leia mais

GUIÃO COMO FAZER UM TRABALHO

GUIÃO COMO FAZER UM TRABALHO GUIÃO COMO FAZER UM TRABALHO BE-CRE 2012/2013 1ª Etapa Penso sobre o tema 2ª Etapa Onde vou encontrar a informação? 3ª Etapa Seleciono os documentos 4ª Etapa Recolho a informação 5ª Etapa Trato a informação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

Guião da Atividade Declaração de Compromisso com o Futuro

Guião da Atividade Declaração de Compromisso com o Futuro Guião da Atividade Declaração de Compromisso com o Futuro 1. INTRODUÇÃO No âmbito do projeto Twist A tua energia faz a diferença e com o objetivo de promover a tomada de compromisso individual e coletivo

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente?

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente? Oficina 03 Plantas Atividade 1: O que tem dentro da semente? 1- Apresentação do problema Para iniciar a atividade, o professor deverá distribuir diferentes sementes e lançar a pergunta: O que tem dentro

Leia mais

Apresentação. Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa. Atuação 1 Matando a charada. Recomendada para 5a/6a EF. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa. Atuação 1 Matando a charada. Recomendada para 5a/6a EF. Tempo previsto: 4 aulas Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa Atuação 1 Matando a charada Recomendada para 5a/6a EF Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Decifrar uma charada significa

Leia mais

Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês

Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês Criar ambientes de partilha; Proporcionar momentos de incentivo à leitura e ao relevo das ilustrações; Facilitar e promover a criatividade e imaginação;

Leia mais

Introdução: Satisfazendo a fome espiritual 05

Introdução: Satisfazendo a fome espiritual 05 Sumário Introdução: Satisfazendo a fome espiritual 05 Série 1: Lidando com o Estresse Estresse 1: Novos lugares, Novas situações estressantes 12 Estresse 2: O sonho impossível 18 Estresse 3: No calor do

Leia mais

Como é que os cientistas observam?

Como é que os cientistas observam? PARSEL teaching learning materials compiled by the consortium as part of an EC FP6 funded project (SAS6-CT-2006-042922-PARSEL). Como é que os cientistas observam? Disciplina: Diferentes disciplinas da

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA MATEMÁTICA ALFA Título do Perímetro e área em situações reais Podcast Área Matemática Segmento Ensino Fundamental Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos Duração 6min32seg

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009. Como fazer um trabalho

Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009. Como fazer um trabalho Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009 Como fazer um trabalho Etapas na elaboração de um trabalho 1ª Etapa Penso sobre o tema 2ª Etapa Onde vou encontrar a informação? 3ª

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO MATEMÁTICA TESTE 2

GUIA DE APLICAÇÃO MATEMÁTICA TESTE 2 GUIA DE APLICAÇÃO MATEMÁTICA TESTE 2 2012 ELABORAÇÃO: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Diretoria de Avaliação da Educação Básica (Daeb) COLABORADORES: Ministério

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professores do Estúdio: Cláudio

Leia mais

PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Dandara Queiroga de Oliveira Sousa Ana Luiza Silva Costa Gleidson Patrick Melo de Paula Maria Aparecida Dias

Leia mais

Nome: N.º Turma: Suficiente (50% 69%) Bom (70% 89%)

Nome: N.º Turma: Suficiente (50% 69%) Bom (70% 89%) Escola E.B. 2,3 Eng. Nuno Mergulhão Portimão Ano Letivo 2012/2013 Teste de Avaliação Escrita de Matemática 9.º ano de escolaridade Duração do Teste: 90 minutos 17 de outubro de 2012 Nome: N.º Turma: Classificação:

Leia mais

Planificação Anual 1º Ciclo 3º ano

Planificação Anual 1º Ciclo 3º ano Planificação Anual 1º Ciclo ano Planificação do Período Língua Portuguesa Descritores de desempenho Compreensão do oral Prestar atenção ao que ouve de modo a tornar possível:, responder a questões sobre

Leia mais

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS!

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS! As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

saber identificar as ideias principais, organizá las e relacioná las com as anteriores;

saber identificar as ideias principais, organizá las e relacioná las com as anteriores; Leitura na diagonal É um tipo de leitura rápida, em que o objectivo é procurar uma informação específica ou identificar as ideias principais de um texto, que te vai permitir organizar melhor o teu estudo.

Leia mais

ENCONTRO "PCN EM AÃÃO"

ENCONTRO PCN EM AÃÃO ENCONTRO "PCN EM AÃÃO" RELATO DA PAUTA DO ENCONTRO Cuiabaß - Parte de 5¼ a 8¼ súrie por Caio M. Costa 1 a. dia - Manhã 1 a. parte - todos juntos - Ana Rosa e Rosaura Apresentação dos PCNs Níveis de concretização

Leia mais

DESENVOLVIMENTO-DO-RACIOCÍNIO-MATEMÁTICO-E-AS- PRÁTICAS-DE-COMUNICAÇÃO-NUMA-AULA 1 -

DESENVOLVIMENTO-DO-RACIOCÍNIO-MATEMÁTICO-E-AS- PRÁTICAS-DE-COMUNICAÇÃO-NUMA-AULA 1 - PráticasdeEnsinodaMatemática DESENVOLVIMENTODORACIOCÍNIOMATEMÁTICOEAS PRÁTICASDECOMUNICAÇÃONUMAAULA 1 CláudiaDomingues Escola#Secundária#de#Caldas#das#Taipas# cmadom@gmail.com MariaHelenaMartinho CIEd#

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE PET (Preliminary English Test for Schools): READING & WRITING E LISTENING PROVA DIA 06 DE MAIO DE 2015.

MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE PET (Preliminary English Test for Schools): READING & WRITING E LISTENING PROVA DIA 06 DE MAIO DE 2015. MANUAL DE APLICAÇÃO DO TESTE PET (Preliminary English Test for Schools): READING & WRITING E LISTENING PROVA DIA 06 DE MAIO DE 2015 Introdução Deste resumo do manual constam os procedimentos e as instruções

Leia mais

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva;

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; OBJETIVOS Definir objetivos de estudo a nível pessoal; Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; Sensibilizar os E.E. para

Leia mais

ELABORAÇÃO DE REGISTOS

ELABORAÇÃO DE REGISTOS ELABORAÇÃO DE REGISTOS Excerto de Methodological Guide, Inquiry-Based Science Education: Applying it in the Classroom (capítulo 5) Os registos relativos às actividades que os alunos realizam podem ter

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor

SENTE FAZ PARTILHA IMAGINA. Kit do Professor Kit do Professor A Associação High Play pretende proporcionar a crianças e jovens um Projecto Educativo preenchido de experiências positivas que permitam o desenvolvimento de competências transversais

Leia mais

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Andréia Veber Rede Pública Estadual de Ensino de Santa Catarina andreiaveber@uol.com.br Viviane Beineke Universidade do Estado

Leia mais

Projeto Timóteo. Como Implantar um Programa de. Ação Social na Sua Igreja. Apostila do Orientador

Projeto Timóteo. Como Implantar um Programa de. Ação Social na Sua Igreja. Apostila do Orientador Como Implantar um Programa de Ação Social na Sua Igreja www.projeto-timoteo.org Projeto Timóteo Apostila do Orientador 1 Como Implantar um Programa de Ação Social na Sua Igreja www.projeto-timoteo.org

Leia mais

WORKSHOPS DE INGLÊS TEENS

WORKSHOPS DE INGLÊS TEENS WORKSHOPS DE INGLÊS TEENS Avenida dos Bombeiros Voluntários de Algés, 29-2º 1495-024 Algés Portugal T. 214102910 www.imagineacademies.com business@imagineacademies.com NIF - 508.835.445 Capital Social

Leia mais

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais - TJMG Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes - EJEF Programa de Educação a Distância do TJMG EAD-EJEF Programa EAD-EJEF Manual do Estudante Versão

Leia mais

Competências em Literacia da Informação. Saber comunicar a informação Apresentações orais

Competências em Literacia da Informação. Saber comunicar a informação Apresentações orais Competências em Literacia da Informação Saber comunicar a informação Apresentações orais Ana Isabel Roxo 2009 Apresentações orais Em algum momento da tua vida terás de fazer uma apresentação oral que poderá

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 1.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 1.º ano 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Estudo do Meio 1.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade / Tema) Subdomínio

Leia mais

Matemática na Vida. Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia

Matemática na Vida. Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia Matemática na Vida Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia Resumo Com uma câmera nas mãos, o nosso curioso personagem Euclides, procura compreender os mistérios da Matemática por de trás de situações

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 1.º ano 2014/2015

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 1.º ano 2014/2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Estudo do Meio 1.º ano 2014/2015 Domínio (Unidade / Tema) Subdomínio

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016 DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual / Critérios de avaliação Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade/ tema) Subdomínio/Conteúdos Metas de Aprendizagem Estratégias/

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas de investigação sobre os seres vivos. Pedro Reis ISBN 978-111-11-2500-4

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas de investigação sobre os seres vivos. Pedro Reis ISBN 978-111-11-2500-4 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 3 Propostas de investigação sobre os seres vivos ISBN 978-111-11-2500-4 9 781111 125004 Introdução Todos os seres vivos estão bem adaptados aos locais

Leia mais