NOME DO ALUNO: Nome da Escola: Nome do

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOME DO ALUNO: Nome da Escola: Nome do"

Transcrição

1 International Statistical Literacy Competition of the ISLP Competição Internacional de Literacia Estatística do ISLP NOME DO ALUNO: Ano de Escolaridade: Idade: Nome da Escola: Nome do Professor: Turma: 1

2 INSTRUÇÕES PARA OS ALUNOS ESCREVE AS TUAS RESPOSTAS DE FORMA LEGÍVEL. SE A TUA LETRA NÃO FOR LEGÍVEL, ESCREVE EM LETRAS MAIÚSCULAS. RESPONDE APENAS NO ESPAÇO QUE TE FOI DADO. TENS 90 MINUTOS PARA RESOLVER ESTAS QUESTÕES. DEVES JUSTIFICAR TODOS OS TEUS CÁLCULOS. O PROFESSOR TEM QUE PERCEBER COMO RESOLVESTE CADA QUESTÃO. ANTES DE COMEÇARES, LÊ ATENTAMENTE CADA QUESTÃO. 2

3 RECICLAGEM E MERCADOS DE RECICLAGEM Em dois dias os 4358 estudantes do ensino secundário inquiridos beberam 7319 latas de bebida. O que dá uma média de 1.68 latas por estudante. Usando estes dados que são para 2 dias, será que podes determinar: 1. Quantas latas serão bebidas por aluno a) Em cada dia? b) Em cada mês? c) Em cada ano? 2. Para uma escola de 1000 alunos quantas latas vazias são produzidas em cada ano? 3. Usando a informação que é apresentada na Figura 1 abaixo, constrói o gráfico do número de latas bebidas e tira as conclusões que achares adequadas. 3

4 Figura 1 Se as latas forem de alumínio, então 60 latas pesam cerca de 1 quilograma. As firmas de reciclagem do alumínio pagam, em média, cerca de 1 cêntimo por um quilograma de lata. 4. Aproximadamente, quanto é que pesariam as latas vazias (em quilogramas) dos 4358 estudantes inquiridos? 5. Quanto dinheiro poderia ser angariado (em Euros) se todas as latas vazias dos estudantes inquiridos fossem recicladas? 6. Para uma escola de 1000 alunos, determina quantos Euros se conseguiriam angariar num ano escolar (de 40 semanas) se as escolas recolhessem todas as latas produzidas por todos os seus alunos. Admite que todas as latas são de alumínio e que os alunos trazem para a escola todas as latas vazias bebidas, quer durante as tardes e noites que não estão na escola, quer nos fins-de-semana. 4

5 7.- O sector de reciclagem é um sector da economia do país. Na Figura 2, abaixo, apresenta-se o Índice de Produção (em volume) do sector de reciclagem de países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico. De acordo com os dados da Figura 2, o que é que provável que aconteça ao sector da reciclagem? Figura 2.- Índice de produção (Volume) do sector económico da reciclagem em vários países da OCDE. 8.- Lê, atentamente, o texto de Janeiro de 2007 sobre a síntese da política da OCDE e analisa a Tabela 1 do mesmo documento (e também abaixo). De acordo com a informação do texto e da tabela, e admitindo que o comportamento destes preços é o mesmo em todos os países da OCDE, (a) De mês para mês, nos países da OCDE, que produto reciclável tem preços menos previsíveis? (b) De mês para mês, nos países da OCDE, que produto reciclável tem preços mais previsíveis? (c) De acordo com a informação da Tabela 1, e com o texto de Janeiro de 2007 com a síntese da política da OCDE (traduzido) e admitindo que o desvio padrão está em dólares americanos, em quanto é que variaria o valor que calculaste na questão 6? Justifica os teus cálculos. Justifica que factores influenciariam essa variação. Nota: 1 Euro = $1,5 (dólares americanos). 5

6 Texto de Janeiro de 2007 com a síntese da política da OCDE (traduzido): "Os governos usam muitas medidas para promover a reciclagem, tais como esquemas de recolha colectiva para papel, sistemas de depósito-reembolso para contentores de gás usados, programas de recolhas de pilhas, ou ainda impondo limites mínimos de material reciclável em certos produtos. Assim sendo, a reciclagem tem uma tendência crescente clara. (ver também a Figura 2). Contudo, as medidas políticas para encorajar a reciclagem terão sucesso limitado se o mercado de produtos reciclados não estiver a funcionar correctamente. Os governos pedem constantemente para que seja reciclada uma proporção cada vez maior de bens e de materiais. O custo para atingir estes objectivos é, em larga medida, determinado pelo funcionamento das empresas destes mercados. Infelizmente, há algumas evidências de que o mercado para alguns dos materiais a reciclar estão sujeitos a falhas e a determinadas barreiras, o que pode tornar a reciclagem desses produtos cara. Por outro lado, mercados pouco eficientes estão, muitas vezes, sujeitos a preços voláteis, instáveis. A tabela 1 mostra que a volatilidade dos preços de certos materiais recicláveis é maior (em certos casos, chega a ser cinco vezes maior) do que as flutuações dos materiais originais que os podem substituir. A volatilidade destes preços leva à incerteza e pode desencorajar o investimento e, desta forma, pode minar a viabilidade económica da reciclagem. Tabela 1.- Desvios padrões das variações dos preços mensais para materiais primários e secundários seleccionados. 6

7 9.- Escreve um parágrafo onde apresentes para os teus colegas alguns incentivos e conselhos realistas para a reciclagem das latas vazias da escola. Usa a informação que te foi fornecida até este momento É muito provável que o padrão de beber sumos de lata seja diferente nos rapazes e nas raparigas, pelo que qualquer política de reciclagem talvez tenha de ter este aspecto em consideração. Qual é a tua opinião? Usa a amostra aleatória de alunos que te apresentamos abaixo para encontrares argumentos e alguns gráficos que ajudem a justificar a tua resposta. 7

8 Tabela 2 Sexo (M = Masculino F= Feminino) Idade (em anos) Número de latas bebidas em dois dias M 16 1 F 16 1 M 16 0 M 16 0 M 16 0 M 16 1 F 16 1 F 15 1 M 16 1 M 15 2 F 15 1 M 15 7 F 15 1 F 15 2 M 16 2 F 15 3 M 16 0 F 16 0 M

NOME DO ALUNO: Nome da Escola: Nome do

NOME DO ALUNO: Nome da Escola: Nome do International Statistical Literacy Competition of the ISLP Competição Internacional de Literacia Estatística do ISLP NOME DO ALUNO: Ano de Escolaridade: Idade: Nome da Escola: Nome do Professor: Turma:

Leia mais

International Statistical Literacy Competition of the ISLP Competição Internacional de Literacia Estatística do ISLP

International Statistical Literacy Competition of the ISLP Competição Internacional de Literacia Estatística do ISLP International Statistical Literacy Competition of the ISLP Competição Internacional de Literacia Estatística do ISLP NOME DO ALUNO: Ano de Escolaridade: Idade: Nome da Escola: Nome do Professor: Turma:

Leia mais

Competição internacional de Literacia Estatística do ISLP http://www.stat.auckland.ac.nz/~iase/islp/competition

Competição internacional de Literacia Estatística do ISLP http://www.stat.auckland.ac.nz/~iase/islp/competition Competição internacional de Literacia Estatística do ISLP http://www.stat.auckland.ac.nz/~iase/islp/competition 1.- Beber Coca-Cola e a saúde dos ossos. http://figurethis.org/ Os dados organizados em tabelas

Leia mais

2ª Fase da 1ª Competição Internacional de Literacia Estatística do ISLP. Santo Tirso, 28 de Março de 2009 NOME COMPLETO DO ALUNO:

2ª Fase da 1ª Competição Internacional de Literacia Estatística do ISLP. Santo Tirso, 28 de Março de 2009 NOME COMPLETO DO ALUNO: International Statistical Literacy Competition of the ISLP 2ª Fase da 1ª Competição Internacional de Literacia Estatística do ISLP Santo Tirso, 28 de Março de 2009 NOME COMPLETO DO ALUNO: Ano de Escolaridade:

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º/11.º anos ou 11.º/12.º anos de Escolaridade Prova 835/1.ª Fase

Leia mais

Atividade 1.- A água (Maria Manuel da Silva Nascimento e

Atividade 1.- A água (Maria Manuel da Silva Nascimento e Atividade 1.- A água (Maria Manuel da Silva Nascimento e aluna Patricia) Adaptação da SEQUÊNCIA DIDÁCTCA 2 do livro "Tratamento da Informação para o Ensino Fundamental e Médio" de Irene Mauricio Cazorla

Leia mais

Os Usos da Literacia Estatística

Os Usos da Literacia Estatística Os Usos da Literacia Estatística Professora Janet Ainley School of Education University of Leicester Turning Data into Knowledge, June 2015 Os banhistas nesta área correm um risco de ataque de tubarão

Leia mais

Prova de Aferição de Matemática

Prova de Aferição de Matemática PROVA DE AFERIÇÃO DO ENSINO BÁSICO 2008 A PREENCHER PELO ALUNO Rubrica do Professor Aplicador Nome A PREENCHER PELO AGRUPAMENTO Número convencional do Aluno Número convencional do Aluno A PREENCHER PELA

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AOS ALUNOS. A Motivação no Ensino Aprendizagem. Questionário sobre as aulas de Inglês

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AOS ALUNOS. A Motivação no Ensino Aprendizagem. Questionário sobre as aulas de Inglês Anexo 2 INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AOS ALUNOS A Motivação no Ensino Aprendizagem Questionário sobre as aulas de Inglês O objectivo deste questionário é ajudar-te a teres um conhecimento melhor de ti próprio

Leia mais

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011 Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião Junho 2011 Objectivos Avaliar se os indivíduos que habitam em casas já certificadas, conhecem o respectivo certificado energético

Leia mais

Sequências de tarefas para a multiplicação de racionais.

Sequências de tarefas para a multiplicação de racionais. Sequências de tarefas para a multiplicação de racionais. O exemplo ao lado surgiu numa das provas de aferição do 6º ano. - Resolva a tarefa. 2 - Tendo como ponto de partida a situação anterior, invente

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação Após uma revisão literária dos vários autores que se debruçaram sobre a temática do nosso estudo, passamos a apresentar os procedimentos metodológicos adoptados no presente estudo. Neste capítulo apresentamos

Leia mais

Anexo A - A UTILIZAÇÃO DAS TIC PELOS ALUNOS (Questionário)

Anexo A - A UTILIZAÇÃO DAS TIC PELOS ALUNOS (Questionário) ANEXOS Anexo A - A UTILIZAÇÃO DAS TIC PELOS ALUNOS (Questionário) 153 A UTILIZAÇÃO DAS TIC PELOS ALUNOS (ESCOLA E.B. 2,3 DE SOURE 7.º Ano de Escolaridade) QUESTIONÁRIO A tua colaboração no preenchimento

Leia mais

Botão direito do rato >> Propriedades da página >> Formatação >> Cor: Fundo.

Botão direito do rato >> Propriedades da página >> Formatação >> Cor: Fundo. GUIÃO WEBQUEST 1 1 Criar um novo site no frontpage. Ficheiro >> Novo >> Web Site. 2 Criar uma nova página e guardá-la com o nome índex.htm. Ficheiro >> Novo >> Página. 3 Formatar o fundo com cor. Botão

Leia mais

Como elaborar um trabalho de Pesquisa

Como elaborar um trabalho de Pesquisa Como elaborar um trabalho de Pesquisa Como elaborar um trabalho de pesquisa O primeiro passo a dar é a escolha do tema por ti, pelo grupo ou até por sugestão do(a) professor(a). Seguidamente estabelecerás

Leia mais

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes Como fazes os teus trabalhos escritos? Há dois métodos para fazer trabalhos 1-Vais à Net copias a informação, colas num novo documento, imprimes e já está! 2-Pesquisas informação em fontes diversas, retiras

Leia mais

A calculadora se vamos utilizar na proposta de resolução deste exame nacional é a fx-cg20

A calculadora se vamos utilizar na proposta de resolução deste exame nacional é a fx-cg20 A calculadora se vamos utilizar na proposta de resolução deste exame nacional é a fx-cg20 2. Na actualidade, há uma crescente preocupação com a preservação da natureza, nomeadamente, quanto à necessidade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA / 3 DE ALFENA

ESCOLA SECUNDÁRIA / 3 DE ALFENA ESCOLA SECUNDÁRIA / 3 DE ALFENA Nome do aluno: Data: / / UMA CCASSA QUEENTTIINHA?? Caro membro da minha família: Em Ciências Físico-Químicas estamos a aprender como os diferentes materiais conduzem o calor

Leia mais

Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens. Observatório do Endividamento dos Consumidores

Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens. Observatório do Endividamento dos Consumidores Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens Observatório do Endividamento dos Consumidores 2 Inquérito sobre os comportamentos e os valores económicos dos jovens. 1. Considerações

Leia mais

Prova de Aferição de Matemática

Prova de Aferição de Matemática PROVA DE AFERIÇÃO DO ENSINO BÁSICO 2008 A PREENCHER PELO ALUNO Rubrica do Professor Aplicador Nome A PREENCHER PELO AGRUPAMENTO Número convencional do Aluno Número convencional do Aluno A PREENCHER PELA

Leia mais

LÁ NOS CONFINS. No Terreno

LÁ NOS CONFINS. No Terreno 30 31 Dossier Fazer, gerir e poupar No Terreno LÁ NOS CONFINS A actual crise financeira demonstrou a importância da literacia financeira e de consumo e as intrincadas ligações entre os mercados e o comportamento

Leia mais

Prova de Aferição de Matemática

Prova de Aferição de Matemática PROVA DE AFERIÇÃO DO ENSINO BÁSICO A PREENCHER PELO ALUNO Rubrica do Professor Aplicador Nome A PREENCHER PELO AGRUPAMENTO Número convencional do Aluno Número convencional do Aluno A PREENCHER PELA U.A.

Leia mais

1- Nem sempre os alunos da tua turma se portam bem na aula de Ciências da Natureza. Porque razão isso acontece?

1- Nem sempre os alunos da tua turma se portam bem na aula de Ciências da Natureza. Porque razão isso acontece? 1.7.2. Regra de reconhecimento e de realização Questionários aos alunos do 2º Ciclo do Ensino Básico (2001) QUESTIONÁRIO AOS ALUNOS Escola Ano Turma Sexo F M Data / / Este questionário tem por objectivo

Leia mais

LOLA LIVRO DO REPÓRTER. Um processo didáctico para abordar a pesquisa de inovação social sustentável. Nome: Turma: Ano:

LOLA LIVRO DO REPÓRTER. Um processo didáctico para abordar a pesquisa de inovação social sustentável. Nome: Turma: Ano: LOLA Looking for Likely Alternatives Nome: Turma: Ano: LIVRO DO REPÓRTER Um processo didáctico para abordar a pesquisa de inovação social sustentável. Objectivos: Supõe que agora és um repórter procurando

Leia mais

saber identificar as ideias principais, organizá las e relacioná las com as anteriores;

saber identificar as ideias principais, organizá las e relacioná las com as anteriores; Leitura na diagonal É um tipo de leitura rápida, em que o objectivo é procurar uma informação específica ou identificar as ideias principais de um texto, que te vai permitir organizar melhor o teu estudo.

Leia mais

Formando rectângulos (ou áreas)

Formando rectângulos (ou áreas) Formando rectângulos (ou áreas) Objectivos - descobrir os divisores de um número - identificar números primos Actividade Organiza 18 quadrados em tantos rectângulos quantos possível. E se tivesses 30 quadrados,

Leia mais

Actividade: Criar um e-mail e trocar mensagens

Actividade: Criar um e-mail e trocar mensagens Apêndice 7 A Nota Explicativa Actividade: Criar um e-mail e trocar mensagens A aplicação desta actividade pretende dotar os alunos de competências básicas relacionadas com a utilização do e-mail como uma

Leia mais

Estatística Aplicada

Estatística Aplicada INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Estatística Aplicada Ano Lectivo 2006/2007 Ficha n.º1 1. O director comercial de uma cadeia de lojas pretende comparar duas técnicas

Leia mais

Portugués PRUEBA DE ACCESO A LA UNIVERSIDAD 2012 BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR. Examen

Portugués PRUEBA DE ACCESO A LA UNIVERSIDAD 2012 BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR. Examen PRUEBA DE ACCESO A LA 2012 Portugués BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR Examen Criterios de Corrección y Calificación Este exame tem duas opções. Deves responder a uma

Leia mais

Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas

Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas Avaliação: um passo determinante para a implementação da qualidade no ensino O objectivo deste projecto é a compreensão

Leia mais

Tema 1, Nº 1 Junho 2001

Tema 1, Nº 1 Junho 2001 Tema 1, Nº 1 Junho 2001 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social e Saúde Estudo realizado no âmbito do protocolo entre a Faculdade de Motricidade Humana e o Gabinete

Leia mais

1993: MELHOR, PIOR OU IGUAL A 1992?

1993: MELHOR, PIOR OU IGUAL A 1992? 1993: MELHOR, PIOR OU IGUAL A 1992? UM ESTUDO PARA O 7º ANO Os incêndios são um dos actuais flagelos do Verão. Através da comunicação social, durante toda a época estival, somos informados da ocorrência

Leia mais

Plano Incentivos USW 2015

Plano Incentivos USW 2015 Plano Incentivos USW 2015 Conceito: Utilize, Partilhe, Ganhe Utilize Partilhe Ganhe Planeia as tuas compras mensais Nas redes sociais e grupo de amigos Rendimentos extra através do Plano de Incentivos,

Leia mais

GUIÃO PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHOS DE PESQUISA

GUIÃO PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHOS DE PESQUISA GUIÃO PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHOS DE PESQUISA Para enfrentares os desafios sociais que hoje te são colocados, deverás ser capaz de usar a informação de que dispões para a transformar em conhecimento.

Leia mais

A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito. 2 de Abril de 2008

A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito. 2 de Abril de 2008 A relação dos portugueses com o dinheiro e o crédito 2 de Abril de 2008 Caracterização dos inquiridos Sexo 37% 63% Feminino Masculino Idade 12% 18-25 anos 18% 26-35 anos 36-45 anos 54% 16% > de 45 anos

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS Tema 1, Nº 2 Junho 2001 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social e Saúde Estudo realizado em co-financiamento pela Faculdade

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA Se pesquisares sobre os temas das aulas, serás um aluno de sucesso que saberá aprender e continuará a aprender pela vida

Leia mais

Exmos. Membros da Direcção da Escola Secundária do Castêlo da Maia,

Exmos. Membros da Direcção da Escola Secundária do Castêlo da Maia, Exmos. Membros da Direcção da Escola Secundária do Castêlo da Maia, No âmbito da disciplina de Área de Projecto de ºAno, o grupo da Área Vida, Saúde e Ambiente, vem por este meio pedir autorização para

Leia mais

FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA O PERÍODO 2000-2009

FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA O PERÍODO 2000-2009 Centro de Investigação Sobre Economia Portuguesa INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade Nova de Lisboa Este questionário contém perguntas sobre as tuas experiências e tipo de aprendizagem na disciplina de Ciências Naturais. Não há respostas correctas nem erradas, apenas as que correspondem à forma como

Leia mais

Levantamento do Impacto Plataforma de Beijing no desenvolvimento da rapariga

Levantamento do Impacto Plataforma de Beijing no desenvolvimento da rapariga Levantamento do Impacto Plataforma de Beijing no desenvolvimento da rapariga Há 20 anos atrás, no mês de Setembro, as Nações Unidas realizaram a Quarta Conferência sobre a Mulher em Beijing, China. Neste

Leia mais

Estudo de investigação sobre a comunicação no âmbito do programa Janela Aberta à Família. Introdução

Estudo de investigação sobre a comunicação no âmbito do programa Janela Aberta à Família. Introdução Estudo de investigação sobre a comunicação no âmbito do programa Janela Aberta à Família Introdução O programa Janela Aberta à Família (website em www.janela-aberta-familia.org) teve início no Algarve

Leia mais

O Conselho da Europa é uma organização internacional com 47 países membros. O seu trabalho afecta a vida de 150 milhões de crianças e jovens.

O Conselho da Europa é uma organização internacional com 47 países membros. O seu trabalho afecta a vida de 150 milhões de crianças e jovens. Os Serviços de Saúde Amigos das Crianças Crianças e Jovens: digam-nos o que pensam! O Conselho da Europa é uma organização internacional com 47 países membros. O seu trabalho afecta a vida de 150 milhões

Leia mais

Preparação para a Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Olá, Matemática! 6.º Ano

Preparação para a Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Olá, Matemática! 6.º Ano Organização e tratamento de dados Representação e interpretação de dados Formulação de questões Natureza dos dados Tabelas de frequências absolutas e relativas Gráficos de barras, circulares, de linha

Leia mais

OZARFAXINARS N.2 DEZEMBRO 2005 81 4 APRENDER A PENSAR

OZARFAXINARS N.2 DEZEMBRO 2005 81 4 APRENDER A PENSAR OZARFAXINARS N.2 DEZEMBRO 2005 81 4 APRENDER A PENSAR A organização cognitiva é algo muito pessoal. É também flexível, sofrendo desejável reestruturação no contacto com o Outro e com recurso a técnicas

Leia mais

COMO TIRAR APONTAMENTOS

COMO TIRAR APONTAMENTOS Externato Infante D. Henrique 4709 008 RUÍLHE www.eidh.eu Projecto aprender a estudar COMO TIRAR APONTAMENTOS 1 Como tirar bons apontamentos 1.1 A importância de tirar bons apontamentos Para podermos ter

Leia mais

Apêndice A- Questionário Sócio-demográfico Jovens não-institucionalizados

Apêndice A- Questionário Sócio-demográfico Jovens não-institucionalizados A Vinculação e a Auto-estima em Jovens Não-Institucionalizados vs. Jovens Institucionalizados Data: / / Idade: Sexo: Feminino ( ) Ano: Masculino ( ) I II 1.Com quem vives? (Podes escolher mais que uma

Leia mais

Modelo Linear Geral V

Modelo Linear Geral V Modelo Linear Geral V Aula 10 Heij et al., 2004 Capítulo 5 Wooldridge, 2011 (4. ed) Capítulo 7 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA: O USO DA VARIÁVEL DUMMY Variável Dummy Uma

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O investidor-anjo e acadêmico Antonio Botelho discute as barreiras ao empreendedorismo e à inovação colaborativa no Brasil, e as formas de

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Educação sexual no contexto escolar em Portugal: dando voz aos alunos

Educação sexual no contexto escolar em Portugal: dando voz aos alunos Educação sexual no contexto escolar em Portugal: dando voz aos alunos Autor(es): Margarida Gaspar de Matos (1) Daniel Sampaio (2) & Equipa do Projecto Aventura Social (3) (1) Faculdade de Motricidade Humana/UTL;

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

Índice. I. Vamos começar por estudar a bússola Página 7. II. E agora... vamos estudar ao ímanes Página 9

Índice. I. Vamos começar por estudar a bússola Página 7. II. E agora... vamos estudar ao ímanes Página 9 Índice Uma aventura no misterioso Mundo Magnético... página 3 Regras de segurança página 5 Um guia com Um pouco de Ciência pelo meio... página 6 I. Vamos começar por estudar a bússola Página 7 II. E agora...

Leia mais

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS Departamento da Qualidade na Saúde Maio 2015 Ficha Técnica Relatório elaborado pelo Departamento da Qualidade na Saúde Ano: 2015 Condução

Leia mais

Vera L. Cardoso Neto encontra-se a realizar uma Dissertação de Mestrado intitulada ão e Formação: uma Trajetória de Reconciliação com o Sistema

Vera L. Cardoso Neto encontra-se a realizar uma Dissertação de Mestrado intitulada ão e Formação: uma Trajetória de Reconciliação com o Sistema Anexos 71 Anexo I Exmo. Sr. Encarregado de Educação Vera L. Cardoso Neto encontra-se a realizar uma Dissertação de Mestrado intitulada ão e Formação: uma Trajetória de Reconciliação com o Sistema Este

Leia mais

POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO

POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO POTENCIALIDADES E LIMITAÇÕES DE DISCUSSÕES DE CONTROVÉRSIAS SOCIOCIENTÍFICAS COM RECURSO À PLATAFORMA MOODLE PARA A PROMOÇÃO DA ARGUMENTAÇÃO José Fanica Agrupamento de escolas de Romeu Correia joseffanica@hotmail.com

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 04 de Dezembro 2007 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 MAIS DE 7 EM CADA 10 EMPRESAS COM DEZ E MAIS PESSOAS AO SERVIÇO ACEDEM

Leia mais

Síntese de Resultados Janeiro de 2004

Síntese de Resultados Janeiro de 2004 A Imprensa na Internet Síntese de Resultados Janeiro de 2004 Netsonda - Consultadoria, Sondagens e Estudos de Mercado, Lda. Travessa. do Jasmim, 10, 1º Tel: 213 429 318 netsonda@netsonda.pt 1200-230 Lisboa

Leia mais

Netsonda realiza estudo sobre o Natal e a Internet em Portugal Oeiras, 9 de Dezembro de 2013

Netsonda realiza estudo sobre o Natal e a Internet em Portugal Oeiras, 9 de Dezembro de 2013 Comunicado de Imprensa Netsonda realiza estudo sobre o Natal e a Internet em Portugal Oeiras, 9 de Dezembro de 2013 A Netsonda levou a cabo o estudo de opinião sobre um conjunto de questões relacionadas

Leia mais

Puzzle de Investigação

Puzzle de Investigação Atividades: Puzzle de Investigação Nivel de ensino: 9º, 10º, 11º e 12º Duração: 30 min de preparação + 30 minutos de atividade Objetivos: Figura 1- Esquema acerca do processo de investigação Compreender

Leia mais

OLIMPVS.NET. Capítulo Áreas / Disciplinas

OLIMPVS.NET. Capítulo Áreas / Disciplinas VOLUME 1 GUIÕES INTERDISCIPLINARES Capítulo Áreas / Disciplinas 1 Psicólogos e diretores de turma 2 História; Geografia 3 Psicólogos e Diretores de Turma ; Geografia 4 Matemática; História 5 História 6

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO População Portuguesa Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO INQUÉRITO...3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...3

Leia mais

European Family Empowerment. Questionário Adolescentes

European Family Empowerment. Questionário Adolescentes European Family Empowerment Questionário Adolescentes CÓDIGO DE ANONIMATO As tuas respostas serão CONFIDENCIAIS e NÃO SERÃO MOSTRADAS a mais ninguém. Como este projecto se focaliza no estudo das famílias,

Leia mais

Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I

Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I Ano lectivo: 2008/2009 Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À PSICOLOGIA I Ficha de exercícios 1 Validação de Pré-Requisitos: Estatística Descritiva Curso: Psicologia

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento Matemática Curso Engenharia do Ambiente º Semestre 1º Folha Nº4: Intervalos de confiança Probabilidades e Estatística 1.a) Determine o intervalo de confiança a 90% para a média de uma população

Leia mais

(Modelo de) Relatório: 1-Introdução. 2-Materiais e métodos. 3-Análise descritiva dos dados

(Modelo de) Relatório: 1-Introdução. 2-Materiais e métodos. 3-Análise descritiva dos dados (Modelo de) Relatório: 1-Introdução (Nessa seção faz-se uma apresentação/contextualização do problema e descreve-se como está organizado o relatório) Ex: Neste trabalho temos o objetivo de traçar o perfil

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade QUESTIONÁRIO N.º O presente inquérito tem como objectivo registar as opiniões dos trabalhadores que trabalham na Construção Civil, com vista a recolher informações relativamente às condições ambientais

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009. Como fazer um trabalho

Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009. Como fazer um trabalho Agrupamento Vertical de Escolas de Salir Biblioteca Escolar 2008/2009 Como fazer um trabalho Etapas na elaboração de um trabalho 1ª Etapa Penso sobre o tema 2ª Etapa Onde vou encontrar a informação? 3ª

Leia mais

! "#! #" $ % & $ % '! " #"!' ((() ((() (((((( '

! #! # $ % & $ % '!  #!' ((() ((() (((((( ' !"#! #"$ % &$ %'! " #"!'((()((()(((((( ' *+"","+*" &!"' " "-'. *+"","+*" " ' /0"1"*" /0"+1 *+"","+*""+"! + '1"!"#! #$% $ #$%& /02 3 &$ # 4 56 $ *+"","+*" 4 +% 1"+6 4 56"#*"+"! 0"# $ *+"","+*" " % Dispões

Leia mais

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses

iagnóstico de Situação Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses No Marco Sabemos Mais Sobre @ Doenças Sexualmente Transmissíveis / Métodos Contracetivos (SMS@DST) Dia iagnóstico de Situação na Escola Secundária com 3º Ciclo do Marco de Canaveses Realizado pela: ASSOCIAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES Mestrado em Gestão (MBA)

UNIVERSIDADE DOS AÇORES Mestrado em Gestão (MBA) UNIVERSIDADE DOS AÇORES Mestrado em Gestão (MBA) Métodos Estatísticos 1º ano -1º Trimestre 2009/2010 Ficha de trabalho nº 1 Exercícios usando o SPSS PARTE 1 - Estatística Descritiva 1. As notas de 32 alunos

Leia mais

Redes Sociais em Portugal

Redes Sociais em Portugal Relatório de Resultados Redes Sociais em Portugal Dezembro de 2009 Estudo NE396 Netsonda - Network Research Quem Somos? Com quase 10 anos de actividade, a Netsonda foi a primeira empresa em Portugal a

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

O QUE É A RECICLAGEM?

O QUE É A RECICLAGEM? O QUE É A RECICLAGEM? A reciclagem é a transformação dos resíduos de embalagens - depois de separados por famílias de materiais (papel/cartão, vidro e embalagens de plástico ou metal) em novos objectos.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro Ano letivo 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro Ano letivo 2014/2015 Português Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro Ano letivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO DE ESCOLARIDADE 3º Período ÁREAS ELEMENTOS A AVALIAR Lê com Relata acontecimentos; Retém informações

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 A ELIMINAÇÃO DA DESIGUALDADE DAS REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES EM PORTUGAL MELHORARIA A REPARTIÇÃO DA RIQUEZA E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Caracterização das práticas contraceptivas das mulheres em Portugal

Caracterização das práticas contraceptivas das mulheres em Portugal Caracterização das práticas contraceptivas das mulheres em Portugal Apresentação de resultados do estudo Porto, 8 de Março de 2005 Objectivos Objectivo principal O objectivo principal deste estudo é a

Leia mais

Exemplos de Exercícios da Cadeira Gestão de Projectos. Qualidade e Manutenção. Ano Lectivo 2006/2007

Exemplos de Exercícios da Cadeira Gestão de Projectos. Qualidade e Manutenção. Ano Lectivo 2006/2007 Exemplos de Exercícios da Cadeira Qualidade e Manutenção Ano Lectivo 2006/2007 1. Gestão da Qualidade 1.1 28 de Junho de 2000 (6 valores) Um fabricante de placas gráficas de computadores especificou que

Leia mais

IMPORTANTE! POR FAVOR GUARDAR PARA FUTURA REFERÊNCIA

IMPORTANTE! POR FAVOR GUARDAR PARA FUTURA REFERÊNCIA IMPORTANTE! POR FAVOR GUARDAR PARA FUTURA REFERÊNCIA Sempre Caboo de forma segura Por favor lê las instruções antes de usar o teu Caboo, pedimos que ponhas especial atenção as precauções de segurança e

Leia mais

Inferência Estatística-Macs11ºano

Inferência Estatística-Macs11ºano INFERÊNCIA ESTATÍSTICA Inferência Estatística-Macs11ºano Estatística Descritiva: conjunto de métodos para sintetizar e representar de forma compreensível a informação contida num conjunto de dados. Usam-se,

Leia mais

Anexo 1. Materiais Didácticos Fase de Diagnóstico. Documento 1 Teste de compreensão oral de texto (COT)

Anexo 1. Materiais Didácticos Fase de Diagnóstico. Documento 1 Teste de compreensão oral de texto (COT) Anexo 1 Materiais Didácticos Fase de Diagnóstico Documento 1 Teste de compreensão oral de texto (COT) Transcrição do estímulo oral do teste de COT (quatro ano e sexto ano) Experiências em Animais Por causa

Leia mais

A NATUREZA DA FIRMA (1937)

A NATUREZA DA FIRMA (1937) A NATUREZA DA FIRMA (1937) COASE, R. H. (1937). The nature of the firm. In: WILLIAMSON, O. & WINTER, S. (eds.) (1991) The nature of the firm: origin, evolution and development. Oxford: Oxford University

Leia mais

Departamento comercial e Marketing

Departamento comercial e Marketing Departamento comercial e Marketing Tânia Carneiro Nº20 12ºS Departamento Comercial Noção e objectivos da função comercial O departamento de vendas é considerado por muitos como mais importante da empresa,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES *

CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES * CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES * José Jacinto Vasconcelos Raposo João Paulo Lázaro Luís Filipe da Silva Cerqueira chapas@net.sapo.pt RESUMO Pretendeu-se verificar

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES

ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES ANÁLISE DOS INQUÉRITOS SOBRE OS HÁBITOS ALIMENTARES Os inquéritos foram realizados junto de alunos do 6º ano da Escola EB 2,3 de Matosinhos, durante o mês de Novembro de 24. Responderam ao inquérito 63

Leia mais

Explorações de alunos

Explorações de alunos A partir dos exemplos sugeridos e explorados pelos alunos pretende-se que possam conjecturar que, dadas duas funções reais de variável real f e g, o domínio da função quociente pode ser dado por: f f g

Leia mais

ÍNDICE: Introdução...2

ÍNDICE: Introdução...2 ÍNDICE: Introdução...2 COMO ELABORAR UM TRABALHO ESCRITO.. 3 1. Fases do trabalho...3 1.1 Planificação.. 3 1.2 Recolha e Organização da Informação....4 1.3 Preparação do texto final. 5 1.4 A redacção final...6

Leia mais

Junho 2007 nº4 MENSAGEM DO PRESIDENTE Olá Viva A edição da nossa revista O Ambúzio de Junho 2007 é um convite a uma visita às nossas Praia da Barra e da Costa Nova, e um desafio para que continues a participar

Leia mais