IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA ERP: METODOLOGIA E ESTUDO DE CASO MÓDULO PP/LOVC (SAP) NA EMPRESA KEPLER WEBER S/A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA ERP: METODOLOGIA E ESTUDO DE CASO MÓDULO PP/LOVC (SAP) NA EMPRESA KEPLER WEBER S/A"

Transcrição

1 UNIJUÍ - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul DCEEng - Departamento de Ciências Exatas e Engenharias Curso de Engenharia Mecânica Campus Panambi LENIOR DAL CORTIVO IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA ERP: METODOLOGIA E ESTUDO DE CASO MÓDULO PP/LOVC (SAP) NA EMPRESA KEPLER WEBER S/A Panambi Dezembro de 2013

2 LENIOR DAL CORTIVO IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA ERP: METODOLOGIA E ESTUDO DE CASO MÓDULO PP/LOVC (SAP) NA EMPRESA KEPLER WEBER S/A Trabalho de conclusão de curso apresentado à banca avaliadora do curso de Engenharia Mecânica da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUÍ, como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro Mecânico. Gil Eduardo Guimarães (Orientador) Prof. Dr. / Unijuí Luiz Carlos da Silva Duarte (Avaliador) Prof. Ms. / Unijuí Gil Eduardo Guimarães (Avaliador) Prof. Dr. / Unijuí Panambi, 06 de Dezembro de 2013

3 AGRADECIMENTOS À minha família, em especial aos meus pais Nilson e Ilce, pelo apoio incondicional dado durante todo o período em que estive lutando incansavelmente pelos meus objetivos. À todos os meus colegas de curso, que durante estes sete anos foram muitos, e que nem sempre foram os mesmos até sua conclusão. Aos colaboradores e colegas de trabalho da empresa Kepler Weber S/A e consultores do Projeto 3D, que muitas vezes cederam parte de seu tempo para fornecerem informações importantes no desenvolvimento deste trabalho. Ao meu professor Dr. Gil Eduardo Guimarães, pelo carinho, compreensão e conselhos desde o início deste trabalho. À Deus, pela força recebida para que eu continuasse na luta pelos meus objetivos.

4 DEDICATÓRIA Aos meus pais Nilson e Ilce Dal Cortivo pelo apoio dado incondicionalmente todo o tempo em que estive longe de casa em busca dos meus objetivos, pelo amor e conselhos recebidos durante períodos de difíceis escolhas, sem vocês nada teria sentido. A minha namorada Bruna Valduga, pessoa muito especial na minha vida que graças a Deus tive a oportunidade de ter ao meu lado me apoiando nas horas difíceis, pelo seu carinho imenso e conselhos nas horas difíceis, sem você talvez não tivesse me tornado a pessoa que sou hoje. Aos meus mestres, que neste período transpuseram seu conhecimento de forma extraordinária, em especial ao meu orientador Prof. Dr. Gil Eduardo Guimarães. A minha família, em especial aos meus tios(as) Marinês Tomasi, Marli Tomasi, Elso Tomasi, Dilema Dal Cortivo, Leda Dal Cortivo, os quais tenho muito amor e carinho. Aos meus colegas de trabalho, que nestes seis anos de empresa me orientaram e passaram seus conhecimentos profissionais, permitindo o meu crescimento pessoal e profissional.

5 Seja você quem for Seja qual for a sua posição social Que você tenha na vida, a mais alta Ou a mais baixa, Tenha sempre como meta muita força, Muita determinação e sempre faça Tudo com muito amor e com muita fé em Deus, Que um dia você chega lá. De alguma maneira você chega lá Ayrton Senna

6 RESUMO Neste trabalho serão apresentados estudos feitos sobre a implantação do software ERP (Enterprise Resource Planning) SAP o qual tem por objetivo aprimorar as informações que circulam na companhia, garantir a segurança de informação e integrar o fluxo de informações entre as diversas áreas da empresa de forma mais rápida e segura. O trabalho inicialmente apresenta o processo de escolha de um novo ERP, modelo de implantação, etapas do processo, impactos gerados na empresa e os riscos de implantação de um novo software ERP. Em seguida mostra as mudanças culturais sofridas na empresa e como minimizar este efeito. Posteriormente é demonstrado como é dada a implantação do módulo PP / LOVC e em específico e seu desenvolvimento durante o projeto de implantação. Expressões chaves: Implantação de ERP, Segurança de Informação, ERP, Variant Configuration.

7 ABSTRACT In this paper we present studies on the deployment of ERP (Enterprise Resource Planning) SAP which aims to improve the information circulating in the company, to ensure security of information and integrate the flow of information between the various areas of the company so quicker and safer. The work initially presents the process of choosing a new ERP deployment model, process steps, impacts business and the risks of deploying a new ERP software. Then shows the cultural changes undergone in the company and how to minimize this effect. Later is shown as given deployment module PP / LOVC and specific and its development during the project implementation. Keywords: Implementation of ERP, Information Security, ERP, Variant Configuration.

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SISTEMA ERP FATORES HISTÓRICOS E EVOLUÇÃO PRINCIPAIS ETAPAS PARA ADOÇÃO DE UM ERP CICLO DE VIDA DE UM ERP MERCADO DE SISTEMAS ERP MÓDULOS E PROCESSOS DE UM SISTEMA ERP IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DE UM ERP CONCEITO DE CULTURA ORGANIZACIONAL FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UM ERP PRODUTO, SERVIÇO OU RESULTADO ÚNICO GERÊNCIA DE PROJETOS ÁREAS DE CONHECIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS PLANO DE PROJETO EXECUÇÃO DO PLANO DE PROJETO FERRAMENTAS TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DO PLANO DE PROJETO IMPLANTAÇÃO DO MÓDULO PP-LOVC NA EMPRESA KEPLER WEBER A EMPRESA SELEÇÃO DO NOVO ERP METODOLOGIA SELECIONADA PARA IMPLANTAÇÃO ASAP ESTRUTURA DO ASAP VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA ASAP... 45

9 3. PROJETO 3D KEPLER WEBER OBJETIVO DO PROJETO CRONOGRAMA DO PROJETO ORGANOGRAMA DO PROJETO 3D CUT-OVER BIG BANG SMALL BANGS FASES PONTOS FORTES E FRACOS DOS MODOS DE CUT-OVER ESCOLHA DO MODO DE CUT-OVER NO PROJETO 3D O MÓDULO PP/LOVC VARIANT CONFIGURATION LISTA TÉCNICA E SUPER BOM MODELAGEM E CONSTRUÇÃO DE UM CONFIGURADOR DE PRODUTOS MODELO DE CONFIGURAÇÃO DEFINIÇÃO DAS CLASSES CLASSIFICAÇÃO DOS MATERIAIS PERFIL DE CONFIGURAÇÃO FUNÇÕES ADICIONAIS FUNÇÕES ADICIONAIS MANTER TABELAS MANTER DEPENDÊNCIAS GERENCIAR CONFIGURADOR DISCUSSÃO E RESULTADOS... 92

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1- Estrutura Típica de Funcionamento de um sistema ERP Figura 2 Abrangência do MRP e do MRP II Figura 3 Evolução do Sistema ERP Figura 4 Logomarca SAP Figura 5 Logomarca Oracle Figura 6 Logomarca TOTVS Figura 7 Logomarca PeopleSoft Figura 8 Logomarca Microsoft Dynamics Figura 9 Logomarca Primavera BSS Figura 10 Logomarca Baan Figura 11 Logomarca J.D. Edwards Figura 12 - Participação de mercado das principais empresas do setor Figura 13 - Os Módulos do Sistema SAP Figura 14 - Visão geral das Áreas de Conhecimentos e dos Processos Figura 15 - Baseline da metodologia ASAP Figura 16 - Estrutura da Metodologia ASAP Figura 17 - Logotipo do Projeto 3D Kepler Weber Figura 18 Cronograma do Projeto Figura 19 Macro Organograma Projeto 3D Figura 20 Equipe do Projeto Figura 21 Mapa de Modelagem do Configurador Figura 22 - Criar característica / Dados Básicos Figura 23 Criar Característica / Denominações Figura 24 Criar Característica / Valores Figura 25 - Criar Característica / Restrições Figura 26 - Criar Classe / Dados Básicos Figura 27 - Criar Classe / Inclusão de Características Figura 28 Criar Classe / Dados Adicionais Figura 29 Classificar Material Figura 30 - Criar Perfil de Configuração

11 Figura 31 - Criar Perfil de Configuração / Síntese Figura 32 - Criar Perfil de Configuração / Tela de Configuração Figura 33 - Criar Perfil de Configuração / Design Interface Figura 34 - Criar Perfil de Configuração / Lista Técnica Figura 35 - Criar Tabela / Dados Básicos Figura 36 - Criar Tabelas / Inserir Características Figura 37 - Criar Tabelas / Atualizar Valores Figura 38 - Criar Dependência / Dados Básicos Figura 39 - Criar Rede de Dependências Figura 40 Rede de Restrições Figura 41 - Modelagem de uma Restrição Figura 42 - Acesso ao Ambiente de Modelagem Figura 43 - Gerenciador do Configurador Figura 44 - Criar Design Interface Figura 45 - Edição Design Interface Figura 46 Edição Design Interface Figura 47 Simulação de Configuração Figura 48 Seleção do Modelo / Opções Disponíveis Figura 49 Seleção do Modelo / Modelo Selecionado Figura 50 Modelo Selecionado Figura 51 Seleção de Opcionais Figura 52 Opcionais Selecionados Figura 53 Resumo da Avaliação de Características Figura 54 Gerar Lista Técnica de Engenharia Figura 55 Lista Técnica do Produto Figura 56 Lista Técnica do Produto / Visualização Especial Figura 57 Árvore Construtiva do Configurador de Produtos

12 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Estrutura da Metodologia Tabela 2 Pontos fortes e fracos dos modos de Cut-over Tabela 3 Parâmetros para Criação de uma Característica Tabela 4 Parâmetros de Denominação de Criação Característica Tabela 5 - Parâmetros de Valores de Criação Característica Tabela 6 Dados Básicos de Criação de Classe Tabela 7 Parâmetros de Inserção da Característica na Classe Tabela 8 Parâmetros de Dados Adicionais de Criação de Classe Tabela 9 Parâmetros de Classificação de Material Tabela 10 Parâmetros de Perfil de Configuração Tabela 11 Parâmetros de 1ª Tela de Configuração do Perfil Tabela 12 Parâmetros de Interface do Perfil de Configuração Tabela 13 Parâmetros da Lista Técnica da Ordem Tabela 14 Parâmetros para Criar Design Interface Tabela 15 Parâmetros de Edição de Design Interface... 91

13 13 LISTA DE ABREVIATURAS ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos Empresariais BOM Bil of Materials Lista de Materiais CO Controling Controle FCS Fator Crítico do Sucesso FI Financial Accouting Financeiro MM Materials Management Gerenciamento de Materiais MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais MRP II Manufacturing Resource Planning Planejamento dos Recursos de Manufatura PP Production Planning Planejamento da Produção SAP Systemanalyse und Programmentwicklung KW Kepler Weber S/A VC Variant Configuration Configurador de Variáveis ASAP As Soon As Posible SD Sales and Distribuition Vendas e Distribuição KMAT Material Configurável RPM Rotações Por Minuto RH Recursos Humanos TI Tecnologia da Informação RFP Request for Proposal IMB International Business Machines

14 14 INTRODUÇÃO A competitividade entre as empresas no mercado de trabalho cresce diariamente e de forma exponencial, fazendo com que novas soluções sejam necessárias para manterem-se competitivas. As constantes mudanças, sob o ponto de vista de descobertas e avanços de novas tecnologias, acarretam em uma forte competição, forçando as organizações a assumirem riscos perante tais inovações. Com o passar do tempo, muitos mecanismos foram desenvolvidos com o intuito de disponibilizar aos gestores ferramentas adequadas para o tratamento de informações, otimizando o desempenho empresarial e aprimorando suas decisões ligadas ao planejamento estratégico da companhia. Mesmo com a crescente acurácia das ferramentas e quantidade de ferramentas disponíveis, muitas vezes o gestor não se encontra suficientemente informado, seja isto por não conseguir localizar uma informação importante ou simplesmente pelo fato da informação localizada não ser a desejada. Através deste contexto destaca-se o papel da tecnologia, que auxilia no armazenamento, processamento e disponibilização de informações de uma maneira mais simples e direta, tornando-se um elemento de diferenciação. A empresa então, focada no desenvolvimento e crescimento realiza uma análise das suas condições de operação de seu software ERP (Enterprise Resource Planning) em operação, a fim de verificar se o mesmo atende as condições acima citadas. Quando a decisão de que se faz necessário a troca do ERP é iniciado um processo longo e complexo até a sua troca por completa. A implantação de sistemas ERP é uma tarefa complexa que obrigatoriamente deve ser bem desempenhada a fim de se evitar falhas, além de exigir que mudanças organizacionais sejam feitas. O processo de implantação requer minimamente: análise dos processos da empresa, treinamentos, investimentos em informática e crucialmente métodos de trabalho. O ciclo consiste basicamente em: decisão de utilização do sistema, seleção do fornecedor, implantação do ERP e utilização propriamente dita.

15 15 Neste trabalho, além do enfoque na metodologia de implantação e seus impactos na companhia, será mostrado como é dado o processo de implantação de um módulo específico do sistema SAP (Systemanalyse und Programmentwicklung), o qual se denomina PP/LOVC (Variant Configuration) na empresa Kepler Weber S/A. Este processo será demonstrado de forma sistemática e técnica, para que possibilite a absorção do conhecimento de forma rápida e eficiente, pois trata-se de um módulo que muitas empresas não possuem atualmente em seu caráter de operação normal. Isso se dá devido a complexidade construtiva do mesmo, gerando um volume de trabalho relativamente grande. Existem várias metodologias de implantação do sistema SAP, tendo grande parte das consultoras desenvolvidas a sua própria. Basicamente, a maioria está baseada nas metodologias desenvolvidas propriamente pela SAP, a criadora do sistema. A principal razão para tal reside na necessidade de se obter uma certificação por parte do fornecedor de que a consultora e a sua metodologia respeitam as normas definidas pelo mesmo.

16 16 1. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1.1. Sistema ERP A sigla ERP traduzida literalmente significa, Planejamento dos Recursos da Empresa, o que pode não transmitir a realidade dos seus objetivos. Tipicamente, um sistema ERP é um sistema de informação integrado na forma de um pacote de software composto por vários módulos, tais como produção, vendas, finanças e recursos humanos, disponibiliza uma integração de dados horizontais ao longo da organização e através dos seus processos de negócio. Esses pacotes podem ser personalizados de forma a responder as necessidades específicas da organização (ESTEVES J., 1999). Outro conceito, apresentado refere que um ERP oferece à organização um sistema operacional, financeiro e de gestão integrado, sendo uma estrutura acessível que permite partilhar informação por toda a organização e por todo o mundo (COOPER & KAPLAN, July, 1998). Também pode-se definir um ERP como sendo um sistema de software que permite a uma organização automatizar e integrar a maioria dos seus processos de negócio, partilhar práticas e dados comuns através de toda a empresa, e por fim, produzir e ceder a informação num ambiente de tempo real (SOUZA & ZWICKER, 2000). Deste modo um sistema ERP propõe essencialmente, eliminar a redundância de operações e burocracia, ao automatizar os processos. Os módulos de um ERP permitem desenvolver e gerir o negócio de forma integrada. As informações são mais consistentes, permitindo uma melhor tomada de posição, com base em dados reais. Para muitas empresas, estes benefícios traduzem-se em grandes benefícios de produtividade e rapidez (DAVENPORT, Thomas, 1998).

17 17 De uma forma abrangente e integrada, estas atividades incluem, por exemplo, o desenvolvimento de produto; a compra de matéria-prima e componentes; a interação com fornecedores e clientes, a gestão de estoques, gestão de recursos humanos, entre outros. Os módulos identificados na Figura 1 fazem parte, da estrutura típica da maioria dos sistemas ERP existentes no mercado. Além destes, alguns sistemas ERP ainda possuem módulos adicionais, tais como: Gestão e Controle da Qualidade, Gestão de Projetos, Gestão da Manutenção, entre outros. Figura 1- Estrutura Típica de Funcionamento de um sistema ERP. Fonte : (DAVENPORT, Thomas, 1998). Pode-se dizer que um sistema ERP é a base da gestão da informação do negócio da organização. Deste modo o sistema de gestão integrado permite uma maior fluidez de informação em toda a organização, melhorando o reconhecimento e a compreensão das responsabilidades e inter-relações organizacionais Fatores históricos e evolução Os sistemas ERP surgiram na década de 60, a partir da utilização do BOM (Bil of Materials Lista de Materiais) que alterou a funcionalidade das questões relacionadas ao

18 18 controle das necessidades de materiais das empresas e os problemas da programação da produção intermitente. Em um futuro próximo, aproximadamente na década de 70, a necessidade de aperfeiçoamento dessas técnicas geraram os primeiros MRP s (Material Requirement Planning Planejamento das Requisições de Materiais), cujos quais surgiram já na forma de conjuntos de sistemas (ou pacotes) que se inter-relacionam e possibilitam o planejamento do uso dos materiais e a administração das mais diversas etapas dos processos produtivos (LAUDON, 2004). É uma ferramenta para melhores processos de negócios, como produção, compras ou distribuição, com informações on-line e em tempo real (CHOPRA & MEINDL, 2004). Nos anos 80, o sistema e o conceito do planejamento das necessidades de materiais foram expandidos e integrados a outras partes da empresa e o MRP evoluiu para o MRP II, uma extensão do antigo sistema para o chão de fábrica e o gerenciamento da distribuição das atividades. O MRP II era usado para o planejamento e monitoramento de todos os recursos de uma empresa de manufatura: Manufatura, Marketing, Finanças e Engenharia. A principal diferença entre eles (Figura 2) é que o MRP orienta as decisões sobre o que, quanto e quando produzir e comprar, enquanto que o MRP II engloba também as decisões de como produzir. Figura 2 Abrangência do MRP e do MRP II. Fonte: (CORRÊA, GIANESI, & CAON, 1999). A partir de da década de 90, nos mercados americano e europeu, podemos notar que as empresas começaram a sofrer modificações radicais e repentinas, assim possibilitando que um

19 19 volume de informações cada vez maior pudesse ser gerenciado por cada vez mais pessoas, a partir de um ambiente interno e externo. No Brasil estas modificações começaram desde 1996, presenciando um aumento na demanda crescente no uso destas ferramentas. Com o crescimento da globalização econômica, surgiu-se a necessidade da redução de diversos custos e novos padrões de qualidade. Dentro desta meta foi verificado que a integração entre diversas áreas funcionais da empresa, Figura 3, era cada vez mais necessária. Podemos citar as áreas de marketing, produção, finanças e RH (Recursos Humanos), dando assim início aos sistemas ERP (COLANGELO FILHO, 2001). Figura 3 Evolução do Sistema ERP. Fonte: (COLANGELO FILHO, 2001). O sistema ERP é um pacote comercial de software com a finalidade de padronizar, integrar e organizar as informações que transitam pelas organizações. É um sistema integrado que permite uma informação confiável de acordo com os dados mestres em tempo real, possuindo uma estrutura modular onde as melhores práticas do mercado foram aplicadas aos principais processos de negócios das empresas como: contabilidade, financeiro, compras, vendas, distribuição, planejamento, controle de produção, recursos humanos, processos fiscais, entre outros (DAVENPORT, Thomas, 1998). A implantação de um software ERP emprega práticas diferenciadas para cada empresa, devido a inúmeras características como: tipo de negócio, dispersão geográfica, recursos financeiros e retorno do investimento.

20 20 Antes do início de um projeto de implantação é necessária a realização de um estudo detalhado de todos os processos que a empresa possui, pois a sua organização é um fator muito importante, e que muitas vezes é mal dimensionado, acarretando em problemas durante a implantação do sistema. Esta dificuldade pode ser encontrada devido ao planejamento inadequado, à equipe de implantação contratada inexperiente, a própria resistência dos funcionários ao sistema e aos impactos organizacionais avaliados anteriormente Principais Etapas para Adoção de um ERP As principais etapas em um processo para adoção de um novo ERP envolve a seleção, aquisição, implantação e testes, os quais se presumem que devem ser planejados com antecedência passando por uma avaliação técnica de todas as funcionalidades da empresa e do sistema, e estar de acordo com a orientação estratégica da empresa. Para que os gestores possam se guiar referente a reflexão sobre a adoção de sistemas integrados é necessário seguir um roteiro, conscientizando para as necessidades e consequências da mudança organizacional. Um roteiro amplamente utilizado compreende basicamente cinco partes principais: i. Avaliação sobre a necessidade do ERP dividindo-se em 3 etapas: (1) análise da situação atual (refletir e discutir sobre os pontos fortes e fracos da empresa); (2) análise conceitual do ERP (realizar um estudo imparcial sobre os sistemas ERP); (3) análise do ERP como solução (confrontar o sistema com os pontos fortes e fracos da empresa) (ARAUJO, MATTOS, SANTOS, RODRIGUES, SILVA, & TAMAE, 2005); ii. Através de um documento RFP (Request For Proposal) é iniciado a seleção e adequação das funcionalidades dos sistemas integrados a empresa, relacionando os processos atuais com os fornecedores de ERP, tendo por objetivo analisar as soluções disponíveis no mercado, podendo assim selecionar a mais adequada às particularidades e especificidades da empresa, detalhada em 4 etapas: (4) análise dos processos da empresa (avaliar as necessidade de customizações, adaptações e modificações do sistema); (5) seleção do sistema (analisar os sistemas disponíveis no mercado através da avaliação de suas características técnicas (RFP)); (6) adequação (comparar as funcionalidades e processos do sistema default com as necessidades organizacionais);

21 21 (7) análise de custo (verificar customizações necessárias, mão de obra especializada para implantação, treinamento, investimento em hardware, e o contrato de manutenção após a implantação). Finalizada estas sub etapas a empresa solicita ao fornecedor a elaboração de um contrato, onde estejam definidas as funcionalidades do sistema, tempo total de projeto de implantação, serviços de suporte e os processos de manutenção e atualizações necessárias para manter o sistema, onde devem ser previstas as consequências da rescisão deste e do não cumprimento de suas cláusulas (ARAUJO, MATTOS, SANTOS, RODRIGUES, SILVA, & TAMAE, 2005). iii. A terceira etapa consiste na implantação, onde é planejado desde as atividades que procedem a implantação até a consumação da mesma, detalhada em três etapas: (8) definição da equipe de implantação (constituída por funcionários experientes e conhecedores plenamente dos processos atuais da empresa, envolvendo o menor número possível de funcionários externos a empresa, devido ao seu custo elevado); (9) Planejamento de todas as atividades de implantação (estabelecer o escopo do projeto e o tempo necessário para a sua execução, definindo os módulos a serem implantados, a ordem de implantação, ordem de implantação, atribuição de responsabilidades e planos de contingência); (10) Implantação dos módulos do sistema (parametrização e/ou customização do sistema e instalação do equipamento necessário, que deverá estar funcionando corretamente) (ARAUJO, MATTOS, SANTOS, RODRIGUES, SILVA, & TAMAE, 2005). iv. Conscientização e treinamento para os membros organizacionais e de treinamento operacional e gerencial, constituída por três etapas: (11) palestras e seminários de conscientização sobre o sistema, mudanças introduzidas, importância organizacional, implicações sobre má utilização e relevância do papel dos envolvidos; (12) treinamento gerencial focando aspectos e possibilidades gerenciais do sistema; (13) treinamento operacional realizado por área da empresa, focando os módulos específicos (enfatizar a busca pelo aperfeiçoamento do sistema e o não estabelecimento dos controles paralelos) (ARAUJO, MATTOS, SANTOS, RODRIGUES, SILVA, & TAMAE, 2005); v. Utilização abrangendo etapas de uso e identificação de alterações para se atender as mudanças nas regras de negócio, detalhada em duas etapas: (14) identificação de modificações no sistema; (15) feedback, dando orientação as modificações necessárias para atender as mudanças da empresa, podendo ser simples ou exigirem novos

22 22 desenvolvimentos, induzindo a nova aplicação do roteiro (ARAUJO, MATTOS, SANTOS, RODRIGUES, SILVA, & TAMAE, 2005) Ciclo de Vida de um ERP Como já vimos anteriormente, existe um processo gerido por algumas etapas quanto a adoção de um novo ERP na organização. Seu ciclo de vida passa também por estas etapas sendo acrescentado mais uma e importante: Abandono. O abandono do software se dá por muitos fatores, entre eles o surgimento de novas tecnologias, a inadequação do sistema ERP ou ainda a estratégia do negócio, fazem com que os gestores decidam substituir o sistema existente por um produto mais adequado as necessidades organizacionais do momento. O ciclo de vida dos sistemas ERP pode ser dividido em quatro etapas: decisão e seleção, implementação, estabilização e utilização. A primeira etapa, decisão e seleção, é o momento no qual a empresa decide adotar um sistema integrado de gestão que deve ser encarado como um projeto empresarial e não como um projeto de tecnologia (SOUZA & ZWICKER, 2000). Dentro dessa etapa, deve ser escolhido o fornecedor de software de acordo com as necessidades da organização. Após a decisão do fornecedor, define-se o plano geral de implementação referente aos módulos que serão implantados. Para isso, é necessário responder as seguintes questões: quais, onde e em que ordem esses módulos serão implantados. Também nessa fase devem ser estabelecidos os objetivos, o escopo do projeto, as metas, as métricas, a definição das responsabilidades e a estratégia de implementação. Dentro dessa estratégia, deverá ser definido o modo de inicio da operação, as atividades a serem realizadas e o cronograma com prazos e custos (SOUZA & ZWICKER, 2000). Todas as decisões devem ser baseadas em um volume considerável de informações, cuja a obtenção nem sempre é fácil, de maneira que, ao fim do projeto, o resultado seja positivo.

23 Mercado de Sistemas ERP Com o crescimento significativo da economia em países emergentes, o mercado de sistemas ERP foi um dos que cresceu em uma velocidade muito elevada na indústria de software. É possível verificar que os sistemas necessitam de um planejamento cauteloso, devido a sua complexidade, possibilitando assim um projeto de implantação de sucesso. Atualmente o foco das empresas fornecedoras de softwares ERP está localizado nas empresas de pequeno e médio porte, especialmente no Brasil. Podemos chamar esta aplicação de Small/Midle Market. A classificação do que é uma empresa média varia muito com o fornecedor de ERP, porém de uma forma geral é possível englobar nesta faixa, empresas cujo faturamento anual gira na faixa de U$$10 milhões e U$$300 milhões. As organizações modernas estão preocupadas com uma efetiva integração dos seus sistemas de informação e com a atualização da sua base tecnológica. Os sistemas ERP apresentam benefícios neste sentido. Existem disponíveis no mercado vários tipos de sistemas ERP, com características específicas e com pontos fortes e fracos em seus sistemas. Algumas fornecedoras de sistemas ERP são: o SAP Fundada em 1972 na Alemanha por cinco engenheiros da IBM (International Business Machines). O seu sistema foi otimizado para gerir os processos de produção e gestão, logística e recursos humanos. É considerada a maior empresa fornecedora de ERP a nível mundial, contribuindo para isso ter sido uma das pioneiras. Figura 4 Logomarca SAP. Fonte:[http://www.metaanalise.com.br/inteligenciademercado/images/stories/banco_de_imge ns/materias/logos/ - Acesso em 20/10/2013]

24 24 o Oracle Produz e vende aplicações ERP desde 1987, sendo a maioria dos seus clientes são empresas ligadas à produção e consumo de dados, sendo assim um adversário direto da SAP. Curiosamente em cerca de 80% dos casos, o software da SAP opera sobre uma base de dados da Oracle. Figura 5 Logomarca Oracle. Fonte: [http://houston-mfg.com/ghma-summer-tour-of-saint-arnold-brewery-and-networkingevent-sponsored-by-oracle/oracle-logo/ - Acesso em 20/10/2013]. o Totvs A totvs é uma empresa de software, serviços e tecnologia. Possui mais de 30 anos de mercado, sendo a primeira do setor de TI da América latina a fazer o IPO no mercado da bolsa de valores. Foi criada com o intuito de elaborar softwares acessíveis para empresas de pequeno e médio porte. Atualmente é a líder absoluta no mercado de ERP s no Brasil, possuindo cerca de 55,4% share de mercado, sendo também a maior empresa do setor sediada em países emergentes. Figura 6 Logomarca TOTVS. Fonte: [http://www.olharempreendedor.com.br/2010/07/06/empresas-de-t-i-brasileiras-estaoentre-as-100-melhores-do-mundo/logo-totvs/ - Acesso em 20/10/2013]. o PeopleSoft A sua imagem de marca são os módulos de gestão de recursos humanos. Atualmente está direcionando seus produtos para as áreas de serviços, com produtos de controle de custos.

25 25 Figura 7 Logomarca PeopleSoft Fonte: [http://www.bi.dev42.es/2011/06/26/una-historia-sobre-el-origen-deobiee/ - Acesso em 20/10/2013]. o Microsoft Empresa multinacional norte americana fundada em 1975, frequentemente abreviada como MS. Microsoft Dynamics é a linha da Microsoft destinada a empresas. Era anteriormente conhecido pelo seu nome de projeto Green, e substitui a família de aplicações da Microsoft Business Solutions. Esta família de produtos inclui software como o Microsoft Dynamics AX, direcionado para a gestão corporativa ERP. Figura 8 Logomarca Microsoft Dynamics. Fonte: [http://www.itoutsource.ca/index.php?v=dynamics Acesso em 20/10/2013]. o Primavera BSS Empresa portuguesa de software, fundada em Desenvolve e comercializa soluções de gestão e plataformas para integração de processos empresariais, disponibilizando soluções para as pequenas, médias, grandes organizações e administração pública.

26 26 Figura 9 Logomarca Primavera BSS. Fonte: [http://mei.di.uminho.pt/?q=pt-pt/1213/mfes - Acesso em 20/10/2013]. o Bann Empresa fundada em 1978 por Jan Baam em Barneveld, Países Baixos, para prestar serviços de consultoria administrativa e financeira. Com o desenvolvimento de seu primeiro pacote de software, Jan Baan e seu irmão Paul Baan, entraram na indústria de ERP. Baan ganhou popularidade no início dos anos noventa. O software Baan é famoso por as suas Dynamic Enterprise Modeler (DEM), arquitetura e sua linguagem em 4GL. Figura 10 Logomarca Baan. Fonte: [http://wikireedia.net/wikireedia/index.php?title=file:baan_logo.gif Acesso em 20/10/2013]. o J.D. Edwards Empresa fundada em 1977 em Denver, Colorado por Jack Thompson. Teve sucesso na criação de um programa de contabilidade para pequenas empresas, o Sistema/38. A companhia foi acrescentando funções ao seu software de contabilidade, em 1996 desenvolveu uma aplicação ERP que se designou OneWorld. Em junho de 2003, o conselho de administração de J.D. Edwards acedeu a oferta de aquisição da PeopleSoft, completando-se a aquisição em Julho. OneWorld acrescentou-se à linha de produtos de PeopleSoft.

27 27 Figura 11 Logomarca J.D. Edwards. Fonte: [http://nimishprabhu.com/jd-edwards-9-10-standalone-installation-step-by-stepguide.html - Acesso em 20/10/2013]. Na Figura 12 pode-se realizar uma análise através de uma pesquisa realizada pela empresa MBI, a participação de mercado de algumas das principais fornecedoras de softwares ERP. Figura 12 - Participação de mercado das principais empresas do setor. Fonte:[http://www.mbi.com.br/mbi/biblioteca/relatorios/ pesquisa-erp-bioutsourcing-grandes-empresas-brasil/ - Acesso em 20/10/2013]. Como podemos ver a liderança na SAP neste mercado, confirmada pela pesquisa, não se constitui em uma surpresa, visto que a mesma é a maior do segmento, bem como a segunda posição ocupada pela Oracle. Entretanto, a presença da Totvs e Microsoft em terceiro e quarto

28 28 lugares, são um fato novo neste mercado. Estas empresas se posicionam no mercado como fornecedoras de software para o mercado de empresas de porte médio. O crescimento de mercado da TOTVS em empresas de grande porte pode ser vista como uma tentativa destes clientes em reduzir seus custos com os softwares ERP. Através da soma dos percentuais de todos os fornecedores, podemos chegar a um valor ligeiramente superior a 150%, indicando que as empresas possuem, em média, pouco mais de 1,5 soluções ERP (ou módulos de fornecedores diferentes) implementadas Módulos e Processos de um sistema ERP Os sistemas ERP são comercialmente e didaticamente divididos em módulos. Nesta divisão podemos encontrar módulo financeiro, controladoria, materiais, vendas, produção, engenharia, qualidade, recursos humanos e assim sucessivamente. Neste conceito é importante salientar a diferença entre os dois conceitos: módulos e processos. Cada módulo dos sistemas de gestão integrada contempla funcionalidade relacionadas a área de atuação específica. Os módulos financeiros e de controladoria abrangem, por exemplo, funcionalidades de contabilidade geral, faturamento, contas a receber, contas a pagar, contabilidade de centros de custos, gestão de ativos, etc. Já o módulo de materiais contempla, entre outras, as funcionalidades de compra e controle de estoques. O sistema ERP SAP, por exemplo, é composto por vários módulos, abaixo demonstrado na Figura 13, com uma forte integração entre eles, garantindo a qualidade e a segurança dos dados corporativos. É comum encontrar comentários entre as gestões empresariais demonstrando que este ERP é feito para atender a gestão de toda a empresa, necessidades de controle e governança, e não para atender operacionalmente os processos, que incialmente ficam mais burocráticos em suas execuções. Porém, é sem sombra de dúvidas o melhor sistema corporativo do mundo.

29 29 Figura 13 - Os Módulos do Sistema SAP. Módulo Estudado Fonte: [Material de Treinamento Consultoria Complex Projeto 3D Kepler Weber S/A] No processo de implantação do software SAP na empresa Kepler Weber S/A, vamos destacar o módulo PP, com enfoque no Variant Configuration (LOVC), denominado nas bibliografias como produção sob encomenda com configuração de variantes. Este cenário demonstra o processamento da ordem do cliente com a configuração de variantes. O módulo PP ( Planejamento da Produção) é utilizado para planejar e controlar todas as atividades relacionadas a produção da empresa. Para facilitar o entendimento, é neste módulo onde todas as etapas do processo produtivo são monitoradas desde o planejamento dos materiais até a preparação final do equipamento ou peça produzida. O sistema SAP é um sistema totalmente integrado entre todos os seus módulos permitindo que qualquer alteração esteja visível para todos os departamentos em tempo real.

30 30 O módulo PP, seguindo este parâmetro, possui uma ligação mais forte que o normal com os módulos de MM (Mestre de Materiais), CO (Contabilidade e Custos) e SD (Vendas e Distribuição) Impactos da Implantação de um ERP Com as empresas cada vez mais preocupadas com as rápidas mudanças no cenário econômico-comercial atual, a atualizção constante é uma tarefa árdua que deve ser realizada constantemente. Estas atualizações passam invariavelmente pela troca de sistemas informatizados, com mais capacidade de processamento de encorpados em sua essência, respondendo com eficácia às solicitações de melhorias contínuas. Contudo, estas trocas de sistemas ou atualizações oferecem riscos contundentes quando mal implementados no que se refere a cultura orgaizacional da empresa. É necessário se ter uma visão estratégica de tomadas de decisões para a implantação de sistemas com esta filosofia. É de suma importância considerar alguns pontos no momento de se admitir a implementação, como o levantamento dos riscos mais comuns em que a empresa estará exposta durante este processo e o funcionamento em geral do sistema. A implantação do ERP não implica somente em adaptações de processos técnicos e administrativos ao sistema, implica também em mudança de postura de analistas de sistemas que deixaraão de se preocupar apenas em desenvolver sistemas, em desenvolver o processamento, e passam a atuar com a análise e suporte ao negócio. Dessa mudança de postura dos profissionais pode decorrer o sucesso ou insucesso da implantação e a empresa cliente precisa estar segura de que, ao contrarar a consuloria para o preocesso, fez a melhor escolha baseada nas competências e histórico de sucesso da contratada. A filosofia do software ERP acarreta em mudanças culturais e comportamentais de alto risco, sendo seu custo e complexidade igualmente altos. Daí a importância de analisar e ponderar sobre a relação custo x benefício da aquisição, levando em conta o tamanho da organização e aplicabilidade do sistema.

31 Conceito de Cultura Organizacional Para que se possa compreender o conceito de cultura organizacional é necessário partir do princípio, o conceito de organização. Para melhor compreendermos este conceito, podemos descrever da seguinte maneira uma organização é a coordenação de diferentes atividades de contribuintes individuais com a finalidade de efetuar transações planejadas com o ambiente (CHIAVENATO, 1999). Percebe-se que os indivíduos são referenciados como contribuintes das organizações, em vez de estarem nas organizações. Através desta colocação é permitido vislumbrar que nas organizações, cada indivíduo participa do grupo com suas experiências, suas crenças, seus anseios, seus valores, seus comportamentos formando uma identidade ímpar. Do outro lado, o ambiente em que a organização está inserida, proporciona elementos que implicam na forma de como estas contribuições são reconhecidas e transformadas, permitindo que a organização sobreviva como organismo mais amplo. Esta relação, entre o meio e as contribuições individuais vem a formar a Cultura Organizacional. Podemos citar ainda que dá-se o nome de cultura organizacional ao modo de vida próprio que cada organização desenvolve em seus participantes (CHIAVENATO, 1999). Os valores e crenças disseminadas, as tradições e hábitos que são reconhecidas pelos indivíduos formam o modo como a organização será vista e reconhecida no meio em que está inserida. Neste sentido o meio não é estático e permanente, mas sim pelo contrário, vive em constantes mudanças, logo a estrutura de uma organização precisa também ser dinâmica Fatores Críticos de Sucesso Os fatores mais importantes para que a implantação do sistema seja um sucesso tanto na parte técnica quanto na comportamental são: participação ativa da alta gerência; gerenciar as mudanças buscando reduzir o medo dos usuários pouco informados; identificar os usuários chave, que são indispensáveis em seus respectivos departamentos; escolher com segurança para Gerente do Projeto (Gerente-Usuário) um profissional experiente e respeitado; planejar e realizar treinamentos; definir claramente os diversos papéis na implementação do sistema através da união de conhecimentos e esforços para o alcance do sucesso; adaptar o sistema à empresa e vice-versa, refletindo sobre a realidade atual da empresa ou a utilização das

32 32 melhores práticas e know-how (escolher a consultoria adequada; garantir a qualidade; e simplificar em todos os sentidos: na definição de modelos, no desenho da solução, nos terinamentos e na própria implementação do sistema) (ARMELIM, BITTENCOURT, NUNES, & ALVES, 2009). Para tornar a utilização do novo sistema amigável aos usuários é necessário durante a implantação, realizar treinamentos, auditoria operacional e manualização sistêmica. Os treinamentos de usuários finais é uma tarefa fundamental e demorada devendo, portanto, ser considerada desde o início do projeto. O tempo de treinamento do ERP é mais elevado do que um treinamento em uma aplicação única. O planejamento das pessoas que serão terinadas, o local, a preparação do material a ser utilizado, a definição dos instrutores e as datas de realização dos treinamentos são fatores que devem ser tratados com bastante antecedência (ARMELIM, BITTENCOURT, NUNES, & ALVES, 2009) Projeto de Implantação de um ERP As organizações executam um trabalho e este trabalho envolve serviços continuados e/ou projetos, embora possa haver superposição dos dois. Serviços continuados e projetos possuem muitas características comuns: por exemplo, ambos são: Executados por pessoas; Restringidos por recursos limitados; Planejados, executados e controlados. Projetos são frequentemente implementados com meios de realizar o plano estratégico da organização. Serviços continuados e projetos diferem principalmente porque enquanto os primeiros são contínuos e repetitivos, os projetos são temporários e únicos. Assim, um projeto pode ser definido em termos de suas características distintas um projeto é um empreendimento temporário com o objetivo de criar um produto ou serviço único. Temporário significa que cada projeto tem um começo e um fim bem definidos. Único significa que o produto ou serviço produzido é de alguma forma diferente de todos os outros produtos ou serviços semelhantes. Para muitas organizações, projetos são o meio de responder a requisitos que não podem ser atendidos através dos limites normais de operação da organização (PMI, 2006).

33 33 Os projetos são desenvolvidos em todos os níveis da organização. Eles podem envolver uma única pessoa ou milhares delas. Podem durar poucas semanas ou mais de cinco anos. Os projetos podem envolver uma unidade isolada da organização ou atravessar as fronteiras organizacionais, como ocorre com consórcios e parcerias. Os projetos são os meios pelos quais as estratégias são implementadas (PMI, 2006). Pode-se citar como exemplo de projetos: Desenvolver um novo produto ou serviço; Implementar uma mudança organizacional a nível de estrutura, de pessoas ou de estilo gerencial; Planejar um novo veículo de transporte; Desenvolver ou adquirir um sistema de informação novo ou modificado. Construir um prédio ou instalações; Desenvolver um sistema de abastecimento de água para comunidades em desenvolvimento; Implementar um novo processo ou procedimento organizacional Produto, Serviço ou Resultado Único Os projetos envolvem o desenvolvimento de algo que nunca foi feito antes, e que é, portanto único. Um produto ou serviço pode ser único mesmo considerando que já tenha sido desenvolvida uma infinidade de produtos/serviços em sua categoria. Um exemplo fácil que podemos destacar é a incontável quantidade de edifícios que já foram construídos, mas cada nova unidade que é lançada é única, seja ela de um proprietário diferente, projeto próprio, localização específica, construtor diferente, e assim por diante (PMI, 2006). Através deste conceito podemos perceber que as presenças de fatores repetitivos não mudam a característica intrínseca de unicidade do esforço global do trabalho do projeto. Como exemplo, cita-se: Um projeto para desenvolver um novo tipo de avião comercial pode requerer uma série de protótipos;

34 34 Um projeto para liberação à população de um novo medicamento, pode requerer milhares de doses da droga para distribuição em testes clínicos; A construção de um conjunto habitacional pode incluir centenas de unidades individuais Gerência de Projetos A gerência de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, e técnicas para projetar atividades que visem atingir os requerimentos do projeto. O gerenciamento do projeto é acompanhado através do uso de processos como: iniciação, planejamento, execução, controle e encerramento (PMI, 2006). A equipe de projeto gerencia o trabalho do projeto e o trabalho tipicamente envolve: Demandas concorrentes: escopo, tempo, risco e qualidade; Partes envolvidas com diferentes necessidades e expectativas; Identificação de requerimentos. É importante notar que muitos processos dentro da gerência de projetos são naturalmente iterativos, isto é, em parte, devido a existência e a necessidade da elaboração progressiva no projeto durante todo o ciclo de vida do projeto, e logicamente quanto mais conhecimento na área, melhor você é capaz de gerenciá-lo (PMI, 2006). O termo gerência de projetos é algumas vezes usado para descrever uma abordagem organizacional para gerenciamento dos processos operacionais contínuos. Esta abordagem, mais conhecida como gerência por projetos, trata muitos aspectos dos serviços continuados como projetos, objetivando aplicar também a eles, os conceitos de gerência de projetos. Embora seja óbvia que o conhecimento da gerência de projetos é essencial para uma organização que a aplica uma discussão detalhada desta abordagem não é o foco deste trabalho (PMI, 2006).

35 Áreas de Conhecimento da Gerência de Projetos As áreas de conhecimento da gerência de projetos descrevem os conhecimentos e práticas em gerência de projetos em termos dos processos que as compõem. Estes processos estão organizados em nove áreas de conhecimento, descritos abaixo e como ilustrado na Figura 14 (PMI, 2006). Gerência da Integração do Projeto trata os processos necessários para assegurar que os diversos elementos do projeto sejam adequadamente coordenados. É composto pelo desenvolvimento do plano do projeto, execução do plano do projeto e controle integrado de mudanças (PMI, 2006). Gerência do Escopo do Projeto trata os processos necessários para assegurar que o projeto contemple todo o trabalho requerido, e nada mais do que isso, para completar o projeto com sucesso. É composto pela iniciação, planejamento do escopo, detalhamento do escopo, verificação do escopo e controle de mudanças do escopo (PMI, 2006). Gerência do Tempo do Projeto trata os processos necessários para assegurar que o projeto termine de acordo com o prazo previsto. É composto pela definição das atividades, sequenciamento das atividades, estimativa da duração das atividades, desenvolvimento do cronograma e controle do cronograma (PMI, 2006). Gerência do Custo do Projeto trata os processos necessários para assegurar que o projeto seja completado dentro do orçamento previsto. É composto pelo planejamento dos recursos, estimativas dos custos, orçamento dos custos e controle dos custos (PMI, 2006). Gerência da Qualidade do Projeto trata os processos necessários para assegurar que as necessidades que originaram o desenvolvimento do projeto serão satisfeitas. É composto pelo planejamento da qualidade, garantia da qualidade e controle da qualidade (PMI, 2006). Gerência dos Recursos Humanos do Projeto trata os processos necessários para proporcionar a melhor utilização das pessoas envolvidas no projeto. Ele é composto pelo planejamento organizacional, montagem da equipe e desenvolvimento da equipe (PMI, 2006). Gerência das Comunicações do Projeto trata os processos necessários para assegurar que a geração, captura, distribuição, armazenamento e pronta apresentação das informações do projeto sejam feitas de forma adequada e no tempo certo. É o composto

36 36 pelo planejamento das comunicações, distribuição das informações, relato de desempenho e encerramento administrativo (PMI, 2006). Gerência dos Riscos do Projeto trata os processos que dizem respeito à identificação, análise e resposta a riscos do projeto. É composto pelo planejamento da gerência de risco, identificação dos riscos, análise qualitativa de riscos, análise quantitativa de riscos, desenvolvimento das respostas aos riscos e controle e monitoração de riscos (PMI, 2006). Gerência das Aquisições do Projeto trata os processos necessários para a aquisição de mercadorias e serviços fora da organização que desenvolve o projeto. É composto pelo planejamento das aquisições, preparação das aquisições, obtenção de propostas, seleção de fornecedores, administração dos contratos e encerramento do contrato (PMI, 2006). Na Figura 14 pode-se verificar uma visão geral da gerência de projetos.

37 37 Figura 14 - Visão geral das Áreas de Conhecimentos e dos Processos Fonte: (PMI, 2006) Plano de Projeto O plano do projeto é um documento aprovado formalmente, utilizado para gerenciar e controlar a execução do projeto. O cronograma do projeto lista as datas planejadas para a

38 38 execução das atividades e para encontrar os marcos identificados neste plano. O plano e o cronograma devem ser distribuídos seguindo o que ficou definido pelo plano de gerência de comunicações. Em alguns casos, pode ser utilizado o termo plano integrado do projeto para referenciar este documento (PMI, 2006). Há varias maneiras de organizar e apresentar o plano do projeto, o qual em uma maneira geral inclui alguns itens, destacados abaixo: Descrição da abordagem ou estratégia da gerência de projetos; Declarações de escopo que incluem os objetivos e os subprodutos do projeto; Estimativas de custos, datas programadas para início e fim das atividades e atribuições de responsabilidade para cada subproduto; Documentos base de medição de desempenho para escopo técnico, cronograma e custo; Principais marcos e suas datas previstas; Mão de obra chave ou necessária e sua expectativa de custo e/ou esforço Execução do Plano de Projeto Para a execução do plano de projeto é importante salientar algumas etapas a serem seguidas, indicadas na metodologia geral de implantação de projetos (PMI, 2006). O plano de execução está dividido em cinco etapas, sendo elas: Plano de Projeto; Detalhes de Suporte; Políticas Organizacionais; Ações Preventivas; Ações Corretivas.

39 Ferramentas Técnicas para Execução do Plano de Projeto As ferramentas técnicas consistem em metodologias e habilidades para a execução do plano. Podemos constar que ao iniciar esta etapa, é importante seguir alguns fatores essenciais (PMI, 2006). A habilidade da administração geral engloba a liderança, comunicação e negociação, sendo essencial para uma efetiva execução do plano. As habilidades técnicas e o conhecimento do produto devem estar contemplados na equipe do projeto. Estas habilidades necessárias são definidas como parte do planejamento e são providas durante o processo de alocação de pessoal. O sistema de autorização do trabalho é um procedimento formal para sancionar o trabalho do projeto tendo por objetivo assegurar que o trabalho seja feito no tempo certo e na sequência adequada. Tipicamente é utilizado o mecanismo de uma autorização escrita para começar o trabalho (PMI, 2006). Uma ferramenta muito importante é a reunião de revisão de status (Status Report), as quais são encontros planejados com acontecimento regular e tendo por objetivo a troca de informação sobre o projeto. Na maioria dos projetos estas reuniões são periódicas e envolvem diversas áreas da empresa. O objetivo de envolver as áreas da empresa é uniformizar as informações de desenvolvimento do projeto para todos os gestores, possibilitando assim uma integração mais efetiva da empresa com o projeto.

40 40 2. IMPLANTAÇÃO DO MÓDULO PP-LOVC NA EMPRESA KEPLER WEBER 2.1. A Empresa A Kepler Weber S/A é uma empresa que atua no setor de agronegócios, na etapa pós colheita da cadeia produtiva de grãos. A companhia fabrica equipamentos para armazenagem, beneficiamento e movimentação de granéis, sendo especializada no desenvolvimento de soluções completas em armazenagem para seus clientes. O portfólio de produtos é constituído por silos metálicos, transportadores horizontais e verticais, secadores e máquinas de limpeza de grãos. A carteira de clientes da empresa é constituída dos mais variados consumidores destes produtos, como por exemplo Trading Companies, cooperativas, indústrias de beneficiamento/industrialização de alimentos, bem como produtores de grãos de médio e grande porte, sendo que para qualquer solução são desenvolvidos projetos sob medida no sistema turn key. A companhia é de capital aberto, possuindo duas plantas fabris instaladas respectivamente em Panambi RS e Campo Grande MS, está no mercado a mais de 85 anos, sendo há mais de 40 anos exportadora e líder no setor na América do Sul Seleção do Novo ERP A empresa está atualmente em constante desenvolvimento e com o mercado agrícola em crescimento ascendente, com isso verificou-se a necessidade de realizar melhorias em seu sistema de informação. O processo de seleção do novo ERP da organização passou por diversas etapas, sendo uma delas a abertura e solicitação de cotação do software, onde as empresas interessadas no

41 41 fornecimento deveriam realizar um estudo dos processos existentes e elaborar uma proposta técnica para a sua solução. Cada consultoria realizou seu estudo e entregou uma proposta para a empresa, indicando o que seu software atenderia e quais suas possíveis melhorias a um determinado prazo. Através destas propostas, foi verificado que o sistema ERP que atenderia as expectativas estipuladas no início do processo seletivo seria o SAP ECC 6.0. As expectativas da companhia são relacionadas quanto a compatibilidade com o mercado de negócio, qualidade e segurança da informação, volume de dados gerados pela mesma. A empresa vem em uma ascensão no mercado e possui uma visão de negócio muito audaciosa, e para que isso seja de possível execução, a segurança de informação e fluxo de dados é extremamente importante. A companhia espera que o novo sistema possa, além de uma maior segurança na informação, possa também permitir mudanças em sua forma de trabalho, pois historicamente a empresa possui muitas informações desatualizadas, as quais interferem significativamente na sua operação. Um fator que pode ser levado em consideração e que possui muita influência na seleção do novo ERP é o mercado de ações, visto que a organização é de capital aberto, os acionistas visam o lucro, e o novo ERP possui atualmente uma forte imagem no mercado de ações Metodologia Selecionada para Implantação Posteriormente do processo de seleção do software ERP para a companhia, iniciou-se a seleção e estudo das metodologias de implementação disponíveis no mercado. Através da ajuda de consultorias, pode-se concluir que, para um projeto de implantação SAP a melhor metodologia a ser seguida seria a ASAP (As Soon As Possible), que significa em português, assim que possível. Esta metodologia foi escolhida pelo fato de ser desenvolvida pela própria criadora do ERP, buscando as melhores práticas e aumentando assim a probabilidade de sucesso do projeto.

42 ASAP Em 1996, a SAP introduziu o Accelerated SAP, a metodologia de implementação do sistema SAP, com o objetivo de diminuir o tempo de implementação dos projetos em uma organização. O ASAP é uma metodologia estruturada que facilita adesão dos utilizadores ao sistema com um roadmap bem definido, eficiente documentação nas várias fases que a compõem. A metodologia ASAP possibilita aos novos clientes utilizar a experiência e conhecimentos adquiridos pelas milhares de implementações a nível mundial. O ASAP unifica todo um processo de implementação, de modo a alcançar a missão crítica das funcionalidades do negócio da organização. O centro da metodologia ASAP é o roadmap, um processo com cinco etapas que apoiam a empresa, desde a preparação inicial até à conclusão do projeto com a entrada em produção. A Figura 15 representa a baseline da metodologia ASAP, enquanto a Figura 16 demonstra a estrutura da metodologia ASAP. Figura 15 - Baseline da metodologia ASAP. Fonte: [Apresentação de Kickoff Projeto Implantação Bayer Módulo PP] As cinco fases que a compõem são: Preparação do Projeto; Análise dos Processos de Negócio; Realização; Preparação Final; Entrada em Produção e Suporte.

43 43 Figura 16 - Estrutura da Metodologia ASAP Fonte: (ESTEVES J., 1999) Os componentes que se destacam nesta metodologia são os roadmap de implementação, plano do projeto, melhorias contínuas, ferramentas e aceleradores, área de conhecimento, procedimentos dos processos de negócio e base de dados de perguntas e respostas. O ASAP fornece um guia passo a passo com as atividades paralelas e orientadas por processos dentro de cada fase necessária à implementação, servindo-se de uma base de dados de informação gerada durante todo o projeto Estrutura do ASAP As fases que compõem esta metodologia também são conhecidas por ASAP roadmap são definidas através da Tabela 1.

44 44 Fases de Implementação Preparação do Projeto Análise dos Processos de Negócio Realização Preparação Final Entrada em Produtivo e Suporte Tabela 1 Estrutura da Metodologia. Descrição O objetivo desta fase é definir o início do projeto, identificando os elementos da equipe e o desenvolvimento do plano de trabalho. Oficialmente o perâmbulo dos trabalhos é marcado com uma reunião chamada Kickoff, onde estão presentes todos os intervenientes do projeto e se clarificam as funções e responsabilidades de cada um dos elementos. No preparar da implementação são definidos as metas e objetivos, esclarecimento do âmbito e a estratégia de implementação, planejamento e sequência geral e o estabelecimento da organização. Consiste em criar uma análise de processos de negócio, que se caracteriza numa descrição pormenorizada dos resultados das entrevistas (Workshops) entre os consultores funcionais e os utilizadores chaves (Key-Users). Dessa forma são documentadas as exigências do processo de negócio da organização através duma ferramenta de perguntas e respostas, baseadas num fluxo de documentos. Tendo por base a documentação compilada atinge-se um entendimento comum de como a organização pretende gerir seus negócios no sistema SAP. Desenvolve-se um modelo de estado futuro, de uma forma integrada e de acordo com as soluções documentadas nos processos de negócio do cliente. Cada um dos processos analisados na fase anteior é parametrizado, testado, validado e documentado de um modo clínico. Conceitualmente o processo de refinamento é interativo, em que se obtém um resultado através das várias repetições, até à obtenção de resultados satisfatórios das necessidades declaradas. O intuito desta fase é concluir a preparação final, estratégia de arranque, migração dos dados de negócio, teste, treino dos utilizadores, administração do sistema, preparação da saída dos consultores, de modo a finalizar os pendentes para o início em produtivo. A preparação final serve para resolver todas as atividades cruciais que estão pendentes. A conclusão bem-sucedida desta fase, irá permitir ao utilizador as condições necessárias ao sistema ativo SAP. A SAP contempla um serviço de testes que permite que especialistas da própria SAP inspecionem remotamente o sistema e avalia potenciais problemas, disponibilizando recomendações para a sua otimizações. Esta etapa é marcada pelo culminar de um ambiente pré-produtivo para o início oficial do sistema em produtivo. É necessário preparar uma organização de suporte para os utilizadores, não só nos primeiros dias críticos das operações produtivas, mas para fornecer um suporte a longo prazo. O principal produto do ASAP utilizado é a avaliação do desempenho do sistema. Desta forma dá-se o projeto como concluído, passando a organização a ser responsável pela sobrevivência do sistema onde poderão haver mudanças contínuas de reengenharia de processos. Fonte: (PMI, 2006)

45 Vantagens da utilização da Metodologia ASAP O ASAP preocupa-se muito com o To-Be, como vai ser a organização, ao contrário das outras metodologias que evidenciam a necessidade de uma análise do As-Is, como é atualmente, bem como a necessidade de uma definição clara de quais objetivos do projeto. A metodologia do ASAP é uma metodologia muito bem estruturada no que se refere às tarefas a realizar, possivelmente excessivamente detalhada no que se refere ao número de tarefas do ponto de vista de projetos de implementação em pequenas e médias empresas. O ASAP possui uma grande vantagem no quesito de exigência de uma maior disciplina e organização por parte da equipe do projeto. Devido ao seu desenvolvimento e criação ser realizado pela própria SAP, a metodologia ASAP torna o projeto de implantação mais efetivo, no caso de implantação do ERP SAP.

46 46 3. PROJETO 3D KEPLER WEBER A implantação do novo ERP na empresa teve como marco inicial o nome do projeto. Projeto 3D foi o nome dado a este plano de implantação, cuja nomenclatura destaca as três dimensões que são os principais fatores críticos do sucesso para uma implantação de Sistemas de Gestão (ERP). São elas: Pessoas; Processos; Tecnologia. Através de uma entrevista com o gerente de projeto, o mesmo cita que a empresa acredita que as três dimensões trabalhando de forma integrada formam o tripé de sustentação, execução e entrega das estratégias corporativas, conforme ilustrado na Figura 17. Figura 17 - Logotipo do Projeto 3D Kepler Weber. Fonte: [Material Interno de Treinamento do Projeto 3D Kepler Weber S/A].

47 Objetivo do Projeto Pode-se verificar nas bibliografias disponibilizadas por empresas de diversas áreas de casos que possuíram um tempo de implantação do ERP muito acima do esperado inicialmente, sendo isto um ponto muito importante a ser considerado, pois através destes casos é possível tentar evitar cometer os mesmos erros em um novo projeto. Quando um projeto está na sua fase de concepção e elaboração é necessário especificar estritamente os objetivos que se deve alcançar em um determinado período de tempo. Os objetivos são extremamente importantes para que o projeto tenha um foco único, assim demandando toda a mão de obra disponibilizada para atingi-lo. No caso estudado detaca-se que os objetivos principais do projeto de implantação foram definidos para que estivessem atingidos após determinados períodos de tempos após o Go Live. São os seguintes: Um mês após Go Live: Todos os processos da organização deverão estar operacionais. Pode-se verificar que este objetivo é bastante audacioso, visto que quando é realizada a troca de ERP, é normal que as empresas adotem a implantação por módulos. Há um risco elevado para que este objetivo possa ser alcançado, pois toda a equipe deve estar totalmente dedicada e comprometida. A integração dos módulos é um fator que muitas vezes dificulta uma implantação por completo de todos os processos, pois é comum encontrar problemas com o saneamento de informações existentes, sendo que cada ERP possui diferentes classificações dos materiais bem como a quantidade de informações. No caso estudado, é constatado que a principal demanda de trabalho foi no saneamento de informações e materiais existentes na empresa. Um ano após Go Live: Melhoria de Processo (redução de despesas operacionais); Aumento da Produtividade do Funcionário;

48 48 Aumentar a receita/resultado (eficiência de marketing e vendas); Melhores Práticas/Controles (gerenciamento de riscos); Continuidade dos Negócios / Expansão para novas áreas de atuação. A implantação do novo ERP faz com que novas metas sejam traçadas na organização, assim pode-se verificar através dos objetivos em longo prazo que os principais pontos abordados são em relação à melhoria de processo e aumento da produtividade. Estes objetivos são compatíveis com o período em que estão estipulados, pois como já mencionado anteriormente, toda troca de sistema possui um período significativo de adaptação dos usuários. É válido ressaltar que a resistência da mudança de ERP começa perder espaço em um período de um ano após a sua implementação Cronograma do Projeto O Projeto 3D foi dimensionado inicialmente para um tempo total de 9 meses, conforme demonstrado na Figura 18. A data de Go-Live inicial foi determinada para 06/01/2014. Figura 18 Cronograma do Projeto. Fonte: [Kickoff Operacional Projeto 3D Kepler Weber S/A ] Organograma do Projeto 3D Para um projeto ser bem sucedido é necessário estar bem estruturado e com as posições na empresa bem definidas, para que as tomadas de decisões sejam rápidas e fáceis de

49 49 gerenciar. No Projeto 3D, foi desenvolvido um macro organograma do projeto, conforme Figura 19. Figura 19 Macro Organograma Projeto 3D. Fonte: [Kit Boas Vindas Projeto 3D Kepler Weber S/A 2013] Equipe do Projeto Para o desenvolvimento do Variant Configuration, foi necessário montar uma equipe para sua construção e modelagem, devido ao alto volume de trabalho contido nesta ferramenta. A equipe foi escolhida pelas gerências de cada área de engenharia e também analisando o perfil profissional de cada colaborador. O trabalho de modelagem e construção poderia ser realizado por menos pessoas, porém devido ao tempo de implantação ser relativamente curto, foi necessário alocar mais profissionais para esta tarefa sendo que a mesma é realizada em tempo integral. A figura 20 mostra os componentes da equipe no projeto 3D. Da esquerda para a direita: Stevan Haag, Daniel Schmidt, Lenior Dal Cortivo, Paulo Ott e Reginaldo Leandro Marchione.

50 50 Figura 20 Equipe do Projeto Fonte: O Autor Cut-over Cut-Over, é a interrupção total ou parcial da produção dos sistemas substituídos e o início da operação do novo sistema ERP. É, portanto, um dos marcos, senão o principal do projeto (COLANGELO FILHO, 2001). Para os autores (COLANGELO FILHO, 2001) e (SIEBER, SIAU, NAH, & SIEBER, 1996)as atividades que compõem o Cut-over são: carregamento dos dados, fechamentos dos sistemas legados e início da produção do sistema ERP. Para que seja possível dar início as atividades do novo sistema, devem-se realizar as tarefas no menor tempo possível e com segurança afim de minimizar o impacto da mudança sobre a organização. O planejamento do modo de Cut-over pode prever a implantação simultânea de todos os módulos necessários (Big Bang), assim como a implantação por Fases, implantando os módulos sucessivamente. Outra opção seria a realização de um projeto piloto (Small Bangs), no qual a implantação seria feita inicialmente em uma unidade menor da empresa para depois ser estendida às demais unidades.

51 51 O Cut-over é planejado para acontecer no final do modelamento do novo ERP, onde o mesmo encontra-se preparado para entrar em operação. É uma data importante e está diretamente ligada ao Go Live Big Bang Podemos definir o modo Big Bang (SOUZA & ZWICKER, 1999) como a total substituição dos sistemas existentes pelo novo sistema ERP, implantando todos os módulos simultaneamente em todas as unidades da organização. É considerada uma estratégia de alto risco, pois o grau de mudança é grande em um curto período de tempo. Por outro lado, não há necessidade do desenvolvimento de interfaces para a comunicação com o novo sistema (SOUZA & ZWICKER, 1999). Através das bibliografias consultadas, pode-se verificar que este método é inicialmente utilizado pelas empresas como inicio do processo de Cut-over, pelo fato de parecer menos custoso. Porém verifica-se que em muitas das organizações que optaram por este método possuem um alto índice de descontinuidade do projeto neste modo. É constatado que neste modelo de Cut-over a maior dificuldade das organizações é o fato de que os sistemas legados não estão mais operacionais, fazendo com que esta fique de certa forma, desprotegida durante o período de implantação Small Bangs Para o modo Small Bangs (SOUZA & ZWICKER, 2000), deve-se escolher uma unidade de negócio ou localidade de menor porte ou importância para o início simultâneo da operação, isto é, a implantação é realizada com base na configuração de uma outra implantação (COLANGELO FILHO, 2001). Dessa maneira, é possível obter experiência na implantação sem comprometer demasiadamente o negócio da empresa. Este modo é muito utilizado em empresas que possuem mais de uma unidade de negócios ou em implantações que envolvem muitos países. Cabe salientar que o modo Small Bangs pode ser utilizado em combinação com outros modos apresentados. Após a organização utilizar o modo Small Bangs, cabe a ela executar o

52 52 próximo passo estabelecido na estratégia de implantação. Neste momento pode ser utilizado o modo Big Bang ou modo Fases Fases O modo Fases (SOUZA & ZWICKER, 2000) é definido por implementar inicialmente um módulo ou grupo de módulos em uma ou mais localidades da empresa. Após esta implementação inicial o projeto prossegue com o próximo grupo de módulos e localidades. Neste modo de Cut-Over, o risco é reduzido se comparado ao Big Bang. Entretanto, existem aspectos negativos associados a ele. Um deles é o custo elevado, pois há a necessidade do desenvolvimento de interfaces para a comunicação do sistema legado com o novo sistema. Essas interfaces serão inutilizadas à medida que os outros módulos forem sendo implantados. Outro aspecto a considerar é o tempo de duração do projeto, que neste caso, é maior que o tempo que seria utilizado no modo Big Bang (COLANGELO FILHO, 2001) (SOUZA & ZWICKER, 2000) Pontos Fortes e Fracos dos modos de Cut-over Na Tabela 2 é possível verificar uma tabela com os pontos fortes e fracos dos modos de início de operação de um sistema ERP. Tabela 2 Pontos fortes e fracos dos modos de Cut-over Big Bang Pontos Fortes Há uma maior motivação para enfrentar os momentos iniciais da operação. Elimina a necessidade de construção de interfaces. Cria um senso de urgência que facilita o estabelecimento de prioridades. Pontos Fracos Possibilidade de parar a empresa, caso haja problemas com o novo sistema. É muito difícil voltar para o sistema antigo. Grande necessidade de esforço por parte da equipe na etapa de estabilização. Ocorre uma grande mudança em um curto período de tempo.

53 53 Small Bang Fases Há mais motivação para enfrentar os momentos iniciais da operação. Cria um senso de urgência facilitando o estabelecimento de prioridades. Facilita a implementação em vários países. Menor possibilidade de parar a empresa. Maior possibilidade de voltar atrás. É difícil voltar para o sistema anterior. Há a necessidade de construção de interfaces. Há a necessidade de construção de interfaces. Não há o envolvimento simultâneo de toda a empresa. Não consideração, nos primeiros módulos, das necessidades dos módulos seguintes. Custo elevado Maior tempo de duração do projeto. Fonte: (ARAUJO, MATTOS, SANTOS, RODRIGUES, SILVA, & TAMAE, 2005) Escolha do modo de Cut-over no Projeto 3D Dentre os modos citados e existentes a organização realizou um estudo para verificar em qual módulo se encaixaria da melhor forma possível. Foi constatado que devido aos sistemas legados estarem em bom funcionamento, com uma taxa de informação relativamente boa, o método ideal de Cut-over seria o modo de Fases. O modo de Fases foi escolhido por se encaixar nas características que a empresa possui como, tempo de projeto, valor para implantação, mão de obra e menor risco de implantação do novo sistema. Através de entrevistas com os gestores, pode-se constatar que o maior parâmetro pelo qual a organização decidiu optar pelo método de Fases foi o risco de implantação. Esta característica é compatível com o objetivo do projeto, já traçado anteriormente, sendo ele estar operacional após a virada do sistema. A determinação estar operacional significa que todos os processos da empresa, sejam eles legado ou novos, devem estar funcionando completamente.

54 54 Devido ao alto faturamento da organização, a mesma necessita que o faturamento e as entregas dos produtos aos clientes não sofram impactos, podendo assim prejudicar seu ano fiscal e até mesmo impactando na perda de alguns clientes, pelo fato de não estar atendendo as demandas nos prazos determinados O módulo PP/LOVC O Variant Configuration (VC) é um módulo do sistema SAP que permite a seleção de vários componentes (materiais) através da resposta de características pré-definidas. Estes componentes fazem parte de um produto ou equipamento ao qual será realizada a sua produção posteriormente. Este cenário de configuração de variantes demonstra o processamento da ordem de um determinado cliente com materiais, contendo valores característicos pré-selecionados (variantes do material) e componentes produzidos de acordo com as quantidades de vendas planejadas para as determinadas variantes. Um exemplo clássico que se pode demonstrar é quando uma pessoa tem a intenção de adquirir um veículo, onde a mesma tem a possibilidade de escolher várias características e combiná-las conforme suas necessidades entre elas podem citar as mais conhecidas como: - Cor; - Motorização; - Ar Condicionado; - Direção Hidráulica; - Tamanho das Rodas; - Farol de Neblina; - Computador de Bordo; - Etc. No Projeto 3D, este módulo será utilizado para a modelagem de dezesseis equipamentos que atualmente fazem parte do escopo comercial padrão da organização. São eles: - Silos Armazenadores;

55 55 - Silo Granja KWDR; - Silo Chapa Lisa; - Rosca Varredora; - Secadores; - Fornalha; - Máquinas de Limpeza; - Roscas Transportadoras; - Correias Transportadoras; - Transportador de Corrente; - Elevador Agrícola; - Canalização; - Tulhas Metálicas; - Estaiamento; - Galeria metálica; - Estruturas Metálicas. O modelamento dos produtos no Variant Configuration consiste em criar perguntas e possíveis respostas, a fim de determinar as características técnicas construtivas do equipamento a ser vendido/fabricado. Isto é necessário quando uma organização possui produtos com diversas características ou opcionais disponíveis para o cliente. Esta ferramenta possibilita que o cliente escolha o seu produto de forma mais rápida e eficiente. Para ter-se uma ideia, a gama de configuração dos produtos da Kepler Weber S/A é extremamente grande. É possível constatar tal fato, aplicando um cálculo de possibilidades para um equipamento teoricamente simples, Elevador Agrícola, que atualmente possui mais de 75 milhões de possibilidades disponíveis em sua forma standard. Para que isso possa ser gerenciado e de fácil escolha, o Variant Configuration é construído atendendo todas estas possibilidades de todos os equipamentos da linha padrão. As possibilidades citadas, são de forma mais simplificada, possíveis configurações em que pode ser construído um Elevador Agrícola. Isso faz com que a produção seja extremamente eficiente e que todas as áreas da organização estejam em perfeita sincronia.

56 56 Podemos dizer ainda que, para atender toda a linha de produtos da organização seria necessário realizar cerca de 7,5 bilhões de configurações (valor estimado). O configurador de produtos é atualmente utilizado por toda a área comercial da organização, sendo uma ferramenta muito poderosa para a realização de cotações e vendas para clientes a qualquer momento. Sua flexibilidade permite que o setor de vendas escolha com facilidade o produto que o cliente deseja, realizando sua configuração em tempo real. Devido a grande variação de produtos, seria praticamente impossível a organização trabalhar, por exemplo, com uma lista de preços, pois seria extremamente insensato possuir 75 milhões de opções impressas de modelos de produtos para o cliente escolher a desejada Variant Configuration A configuração de variantes, como é tecnicamente chamada na linguagem SAP, destinase à fabricação de produtos extremamente complexos. O fabricante, neste caso a empresa Kepler Weber, necessita sempre oferecer novas variantes (características) de seus produtos. Isso denomina-se a evolução constante dos produtos disponíveis no portfólio da empresa, ocasionando a constante criação de novas variantes para os produtos (Sap Help). Na Figura 21 é possível analisar o mapa de modelagem do configurador.

57 57 Figura 21 Mapa de Modelagem do Configurador. Fonte: [Material de Treinamento Consultoria Complex Projeto 3D Kepler Weber 2013] Lista Técnica e Super BOM Para que se possa controlar de forma eficiente a produção de qualquer produto, é necessário possuir um controle eficiente de todos os componentes que são produzidos ou comprados para a montagem completa do produto. Desde uma empresa de pequeno até uma de grande porte, os produtos são cadastrados em um sistema, onde são codificados singularmente. Um produto possui uma quantidade muito variada de componentes, sendo estes selecionados através do configurador de produtos. Super BOM é o nome técnico dado a lista de componentes total de um produto, ou seja, todos os componentes que podem ser utilizados para a produção de um determinado produto. A lista técnica é o resultado obtido através de uma configuração de variantes, sendo esta totalmente dinâmica e variável. Consiste basicamente na organização dos componentes da

58 58 Super BOM de acordo com os valores de características escolhidos pelo usuário. O Lista Técnica é a lista de componentes que é disponibilizada para a fabricação Modelagem e Construção de um Configurador de Produtos Para que se possa iniciar o processo de modelagem e construção de um configurador de produtos é extremamente importante possuir um estudo detalhado do produto a ser modelado, sendo que neste é necessário contemplar todos os seus dados construtivos e características técnicas. Do contrário, a modelagem e a definição de características do produtos caminhando juntas, tendem a retardar o tempo de trabalho para uma mesma tarefa. Desta forma, este estudo do produto é chamado de Mapa do Configurador. O mapa do configurador é elaborado pelo Engenheiro/Projetista responsável pelo seu desenvolvimento, onde o mesmo consta todas as suas variações e possibilidades construtivas. O início da modelagem e construção de um configurador de produtos tem como base o estudo do material didático do software em que o mesmo está sendo construído. No sistema SAP, este material elaborado pela própria SAP e em alguns casos por consultorias. A construção do configurador de produtos possui algumas etapas que devem ser seguidas, possibilitando assim um resultado final satisfatório. Neste caso, será apresentado apenas a sua forma de construção, lembrando que o processo por completo possui várias integrações com diversos módulos do sistema, os quais não estarão sendo tratados neste estudo de caso. As principais etapas para que se possa construir um configurador de produtos no SAP são as seguintes: Processo de Modelo de Configuração; Definição das Características; Definição das Classes; Classificação dos Materiais; Perfil de Configuração;

59 59 Funções Adicionais: Manter Tabelas; Atualizar Registros em Tabelas; Manter Dependências; Manter Rede de Dependências; Gerenciar Configurador Modelo de Configuração O modelo de configuração é a primeira etapa da construção de um configurador. Neste processo é necessário definir o sistema de classificação das características que serão utilizadas bem como seus respectivos valores. O modelo de configuração consiste em criar uma característica e atribuir seus possíveis valores, sendo que esta característica deve representar uma informação relevante do material, identificando de alguma maneira. É importante criar regras para a modelagem, seguindo um padrão construtivo, pois o mesmo permite que posteriormente seja fácil identificar e diferenciar as características construídas e onde estão utilizadas. No Projeto 3D foram determinados alguns parâmetros para que este padrão construtivo fosse desenvolvido de forma correta. Todas as características criadas seguiram o seguinte padrão: - CT_EQUIPAMENTO_CARACTERÍSTICA Onde: CT = Característica Técnica EQUIPAMENTO = Equipamento a ser Modelado CARACTERÍSTICA = Característica do Equipamento Exemplo: CT_EA_MODELO Onde: CT = Característica Técnica EA = Elevador Agrícola MODELO = Modelo do Elevador Agrícola

60 60 Após definido a estrutura da nomenclatura da característica, é então iniciado o seu processo de criação. Para que isto ocorra de forma correta, é necessário parametrizar o sistema de forma correta. Lembra-se que, para cada implantação de sistema SAP a sua parametrização pode ser diferente, pois se trata de um projeto singular para uma determinada empresa. Na Figura 22 verifica-se um exemplo de como criar uma característica e seus principais parâmetros. A transação SAP utilizada para realizar este processo é a CT04. Figura 22 - Criar característica / Dados Básicos. Fonte: (COMPLEX, 2013).

61 61 A Tabela 3 traz de forma detalhada os parâmetros citados na Figura 21. Tabela 3 Parâmetros para Criação de uma Característica Nº Campo Descrição Parâmetro 1 Característica Nome da Característica 2 Denominação Descrição da Característica 3 Grup. Caract. Grupo de Características 4 Status 5 Categoria de Dados Status da Liberação da Característica Tipo de Dados para os Valores 6 N de Posições Tamanho para os Valores 7 Maíusculas / Minúsculas Permitir letras minúsculas 8 De valor único Valor único 9 Polivalente Múltiplos valores 10 Restringível 11 Entrada Necessária Característica pode ser restringível É obrigatório informar um valor 12 Dependência Dependência de Objetos O nome da característica deve ser criado seguindo uma regra. O sufixo normalmente utilizado inicialemente é CT. É possível utilizar até 30 caracteres. É um campo livre que permite a descrição resumida da função da característica. Deve-se selecionar o grupo para qual esta característica pertence. Este campo é parametrizado de forma ímpar para cada projeto de implantação. Durante a criação sempre utilizar 0 Em Criação, para evitar que seja colocada em alguma classe. Após finalizar o preenchimendo dos dados pode-se mudar para o status 1 Liberado. O status 3 Bloqueado é utilizado para bloquear o seu uso em uma nova classe. No configurador de produtos são tratados somente dois tipos CHAR e NUM. O formato CHAR permite que um valor de característica seja alfanumérico enquanto o formato NUM permite somente valores numéricos. É recomendado que a característica seja criada sempre com o valor máximo de caracteres. No caso de CHAR utilizar o tamanho com 30 e NUM utilizar 15. Caso necessário a diferenciação entre os caracteres, é necessário marcar o flag. Nas bibliografias não é recomendado a utilização deste recurso. Apenas um valor poderá ser atribuído se esta opção estiver marcada. Permite que seja selecionado mais que um valor de característica. Quando selecionada esta opção, a característica é habilitada para que seus valores possam ser limitados por uma regra de dependência do tipo constraint. Indica que a característica deve, obrigatoriamente, ser respondida. Esta opção permite informar as regras de dependência para a característica. Não é recomendado a sua utilização nesta etapa. Fonte: (COMPLEX, 2013).

62 62 As denominações necessárias para o processo de criação de uma característica são demonstradas através da Figura 23. Figura 23 Criar Característica / Denominações. Fonte: (COMPLEX, 2013). Na Tabela 4 verifica-se os parâmetros das denominações demonstradas na Figura 23. Tabela 4 Parâmetros de Denominação de Criação Característica. Nº Campo Descrição Parâmetro 1 Idioma Idioma Neste campo pode-se informar diferentes 2 Denominação Descrição da característica para o idioma Fonte: (COMPLEX, 2013). descrições para qualquer idioma. Os valores de características são adicionados conforme Figura 23. Figura 24 Criar Característica / Valores. Fonte: (COMPLEX, 2013).

63 63 Os parâmetros do processo de inclusão de valores de característica são determinados através da Tabela 5. Tabela 5 - Parâmetros de Valores de Criação Característica. Nº Campo Descrição Parâmetro 1 2 Valores Adicionais Valores Permitidos Valores Adicionais Valores Permitidos Esta opção é utilizada quando o usuario deseja informar um valor diferente da lista de valores. Neste campo pode-se relacionar todos os valores de características desejado. A opção valor proposto V define qual valor já estará previamente selecionado para a característica. Fonte: (COMPLEX, 2013). Figura 25 - Criar Característica / Restrições. Fonte: (COMPLEX, 2013). Este campo (Figura 25) é utilizado para informar quais as classes de materiais que a característica pode ser utilizada. Caso não seja informado nenhum valor, esta característica poderá ser utilizada em qualquer classe de material. No caso estudado, as características criadas não possuem classe definidas, podendo ser utilizada nas diferentes classes de materiais Definição das Classes As classes são um parâmetro criado para que seja possível agrupar mais de uma característica, e posteriormente associar as mesmas em um material configurável. As classes são extremamente importantes no processo de modelagem, assim é necessário que a sua criação seja realizada de forma correta e clara.

64 64 Assim como as características é essencial determinar regras para a sua criação, permitindo também um padrão construtivo para todos os produtos a serem desenvolvidos. A parametrização de dados cadastrais é essencial em um processo de modelagem de um configurador de produtos, pois permite que a sua identificação e manutenção seja mais simplificada. No projeto em questão, as classes foram criadas com o seguinte padrão: - CL_EQUIPAMENTO_VERSÃO Onde: - CL = Classe - EQUIPAMENTO = Equipamento a ser Modelado - VERSÃO = Versão do Equipamento / Ano do Equipamento Exemplo: - CL_ELEVADOR_2014 Onde: - CL = Classe - EQUIPAMENTO = Elevador Agrícola - VERSÃO = 2014 Nas Figuras 26, 27 e 28 verifica-se como é o processo de criação deste parâmetro no sistema SAP e seus principais parâmetros a serem preenchidos pelo usuário. É válido lembrar que para cada Projeto de implantação de sistema SAP, as parametrizações podem ser diferentes, atendendo as necessidades específicas da empresa em questão. As classes podem ser criadas no sistema SAP a partir da transação CL01, modificadas na CL02 e disponíveis apenas para exibição na transação CL03.

65 65 Figura 26 - Criar Classe / Dados Básicos. classe. Fonte: (COMPLEX, 2013). Através da Tabela 6 é possível verificar os parâmetros de dados básicos para criar uma Tabela 6 Dados Básicos de Criação de Classe. Nº Campo Descrição Parâmetro 1 Classe Nome da Classe 2 Denominação Denominação da Classe 3 Status Status de liberação 4 Grupo Grupo de Classes Neste campo é preenchido a nomenclatura técnica da classe a ser criada. O padrão de nomenclatura pode ser diferente para cada projeto. Texto breve que identifica a classe técnica a ser criada. Segue a mesma regra definida para as características técnicas. O grupo é utilizado para agrupar classes criadas. Deve ser previamente parametrizado no sistema e definido pela equipe do projeto.

66 66 5 Mesma Classificação Validação quando identificada classificação igual Fonte: (COMPLEX, 2013). Caso for selecionada a opção Verificar c/ erro o sistema irá verificar se existe algum objeto já classificado com os mesmos valores, e não deixará criar duplicatas. Após os dados básicos estarem preenchidos, o usuário deve então incluir na classe, as características criadas anteriormente para o seu produto. Lembra-se que, caso o usuário esqueça de criar uma característica inicialmente, e finalizar o processo de criação de uma classe, é possível inserir uma nova característica na classe a qualquer momento. No estudo realizado, foi utilizado como padrão na modelagem a utilização da validação da classe como Verificar c/ erro para que se alguma classe fosse criada duas vezes o sistema identificasse e não permitisse a duplicação de informações. classe. Na Figura 27 verifica-se como são inseridas as características em uma determinada Figura 27 - Criar Classe / Inclusão de Características. Fonte: (COMPLEX, 2013).

67 67 As características podem ser inseridas manualmente ou podem ser copiadas de uma planilha eletrônica (Excel). Uma forma simples de agilizar este processo é salvar as características criadas anteriormente em uma planilha Excel para que nesta etapa não seja necessário redigitar todas novamente. Na Tabela 7 está descrito o que significa cada parâmetro no sistema. Tabela 7 Parâmetros de Inserção da Característica na Classe. Nº Campo Descrição Parâmetro 1 Característica Lista de Características 2 Botão Sistema Sobregravar Característica 3 Botão Sistema Sobregravar Valores Nestes campos, deve-se incluir todas as características que estarão ligadas a esta classe. Caso a característica seja global e por algum motivo específico é necessário alterar um parâmetro da mesma apenas para esta classe, utiliza-se este campo para sobregravar parâmetros apenas para esta classe, mantendo os demais para as outras classes. Este campo segue os mesmos princípios de sobregravar características, porém destinado apenas aos seus valores. Fonte: (COMPLEX, 2013). As abas Textos, Documentos e Normas (Txts. Doc. Norm respectivamente indicadas no sistema) não foram parametrizadas no projeto 3D, não tendo relevância significativa no processo de modelagem a na sua utilização. Os últimos parâmetros a serem definidos para criação da classe são os Dados Adicionais (Figura 28). Este campo é muito importante e contém informações essenciais para a utilização e modelagem do configurador. Através da Tabela 8 é possível verificar a parametrização para cada campo mencionado na Figura 28.

68 68 Figura 28 Criar Classe / Dados Adicionais. Fonte: (COMPLEX, 2013). Tabela 8 Parâmetros de Dados Adicionais de Criação de Classe. Nº Campo Descrição Parâmetro 1 2 Perm. em lista Técn. Componente Obrigatório 3 Seleção Múltipla Permitido em listas técnicas Componente obrigatório Seleção múltipla de componentes Fonte: (COMPLEX, 2013). Esta opção é utilizado somente quando é necessário utilizar a classe em uma lista técnica com nó de classe. Sempre que a classe for permitida em lista técnica é recomendado utilizar o este campo pois o mesmo evita que ocorra inconsistências na lista técnica. Neste caso a seleção múltipla permite que sejam selecionados mais que um componente para a mesma classificação. No projeto, o campo componente obrigatório foi determinado como padrão para utilização. O campo seleção múltipla não foi utilizado, pois foi determinado que nenhum material diferente poderia ser selecionado a partir da mesma classificação.

69 Classificação dos Materiais Para que se possa criar um configurador de produtos é necessário possuir um código KMAT (Material Configurável) para o produto desejado. Este código é específico para o variant configuration e utilizado para selecionar o produto no início da configuração. O código é criado a partir de uma série de parâmetros específicos para cada organização, pois nem todos os dados disponibilizados pelo sistema padrão são utilizados pelas empresas, assim como alguns dados utilizados pelas empresas não estão atendidos de forma standard. No caso da classificação de materiais, vamos utilizar como simulação um código criado para um Elevador Agrícola, sendo ele K99_EA_14. Foi definido pela equipe de desenvolvimento que todos os códigos com início K (alfanumérico) seriam códigos apenas para modelagem em testes e não para um ambiente de produção. A classificação dos materiais é executada para associar as classes específicas aos materiais configuráveis e responder as características não configuráveis. Este processo é executado através da transação MM02, conforme Figura 29.

70 70 Figura 29 Classificar Material. Fonte: (COMPLEX, 2013). Os parâmetros para classificação do material são determinados através da Tabela 9. Tabela 9 Parâmetros de Classificação de Material. Nº Campo Descrição Parâmetro 1 Atribuições Atribuições de Classe 2 Avaliação de Classe Avaliar Características Neste campo deve ser informado todas as classes que serão utilizadas no material criado. Pode-se utilizar mais que uma classe por material. Responder as características que não são inferidas pelo configurador e servem de base para as regras de dependência. Fonte: (COMPLEX, 2013).

71 Perfil de Configuração Nesta etapa é definido como será o perfil da configuração e o seu design interface com o usuário, bem como definido todos os parâmetros de como a lista técnica ira se comportar durante a configuração. O perfil de configuração possui algumas parametrizações standard e que devem ser seguidas por orientação da SAP. Também é neste processo onde é definido como a lista técnica será explodida para visualização de seus componentes pelo usuário. O primeiro passo para que este processo seja de possível execução é criar um perfil de configuração através da transação SAP CU41. O perfil deve ser criado seguindo as mesmas premissas técnicas e construtivas de uma característica técnica, conforme já citado anteriormente. Pode-se analisar que para um modelamento adequado do sistema, é necessário em cada etapa do seu processo, desenvolver regras próprias de organização dos dados cadastrais, pois permite assim um controle muito efetivo das informações que estão sendo abastecidas no sistema. É orientável que na fase de preparação do projeto seja desenvolvido estas regras através dos materiais disponibilizados pela SAP. Estes materiais podem ser encontrados através do site oficial da empresa ou através da consultoria de implantação. Na Figura 30 é demonstrado como é realizado a criação do perfil de configuração: Figura 30 - Criar Perfil de Configuração. Fonte: (COMPLEX, 2013).

72 72 Primeiro passo a ser realizado é informar para qual material é desejado ser criado o perfil de configuração, conforme mostrado acima. Posteriormente é informado o nome do perfil e o seu tipo de classe, demonstrado na Figura 31 e detalhado na Tabela 10. Figura 31 - Criar Perfil de Configuração / Síntese. Fonte: (COMPLEX, 2013). Tabela 10 Parâmetros de Perfil de Configuração. Nº Campo Descrição Parâmetro 1 Prioridade Prioridade do Perfil de Configuração 2 Nome Perfil Nome do Perfil 3 Tipo Classe Tipo de Classe Associado Caso for utilizado mais de um perfil de configuração para um mesmo material, este campo define a prioridade em que eles serão executados. Conforme as bibliografias, recomenda-se a utilização de somente um perfil. Neste campo deve ser informado o nome do perfil de configuração, atribuindo as regras de construção definidas no início do projeto. Para este parâmetro, deve-se informar o tipo de classe configurável. A ligação da classe com o perfil ocorre através da classificação do material. Fonte: (COMPLEX, 2013).

73 73 Após a criação dos dados básicos estar completamente preenchida, deve-se então parametrizar como será a tela de configuração do sistema. É importante salientar que, antes de qualquer definição, é orientável realizar várias discussões entre a equipe, assim chegando a um resultado satisfatório. Os principais parâmetros são definidos conforme Figura 32 e detalhados na Tabela 11. Figura 32 - Criar Perfil de Configuração / Tela de Configuração. Fonte: (COMPLEX, 2013).

74 74 Tabela 11 Parâmetros de 1ª Tela de Configuração do Perfil. Nº Campo Descrição Parâmetro 1 Processo Explosão Lista Técnica Parâmetro para Explosão Funções de Ordem 5 Nível de Explosão Tipo de Processamento do Configurador Nível de explosão da lista técnica Parâmetros para explosão da lista técnica Executar verificação de disponibilidade dos componentes Apenas conjuntos configuráveis Fonte: (COMPLEX, 2013). Utilizar neste parâmetro sempre LT da Ordem conforme resultado que irá garantir a geração de uma Order BOM com todo o resultado de inferência das regras de dependência. Para este campo é orientado utilizar o valor Multinível para que sejam apresentados todos os subconjuntos do material na visualização do resultado final. Este campo é parametrizado singularmente para cada projeto de implantação. Neste caso foi parametrizado o sistema SAP para a aplicação PP01. Caso necessário, podese escolher os filtros que definem quais os materiais serão apresentados para o usuário. Esta opção é marcada quando há necessidade de verificar a disponibildiade dos componentes no momento da configuração. Esta opção permite que seja visualizado apenas os subconjuntos configuráveis. Não foi aplicado este parâmetro no projeto estudado. Após os parâmetros da configuração estarem definidos, é possível iniciar a próxima etapa muito importante, onde é criado o design interface e parametrizado o seu comportamento no configurador. Segue-se nesta etapa as mesmas premissas anteriores quanto a parametrização da nomenclatura utilizada na modelagem do configurador. No projeto 3D foi definido que os designs interfaces seriam nomeados da seguinte maneira (Figura 33): - ID_EQUIPAMENTO_ VERSÃO

75 75 Figura 33 - Criar Perfil de Configuração / Design Interface. Fonte: (COMPLEX, 2013). A Tabela 12 demonstra os parâmetros de forma detalhada. Tabela 12 Parâmetros de Interface do Perfil de Configuração. Nº Campo Descrição Parâmetro 1 Design Interface Identificação da Interface 2 Browser Configuração 3 Telas permitidas Visualização com Browser Telas exibidas na configuração 4 Iniciar c/ Primeira tela apresentada Informar neste campo um nome para identificar a interface no configurador. Não é permitido deixar o campo em branco. Esta opção, quando selecionada, deixa o configuração com uma visualização mais amigável. Deve-se selecionar quais as telas / visões são permitidas a partir do configurador. Indicar qual tela deve ser a primeira a ser exibida quando é aberto o configurador. Fonte: (COMPLEX, 2013). Posteriormente da interface do configurador estar configurada e parametrizada, é necessário parametrizar a exibição da lista técnica no perfil de configuração, conforme Figura 34.

76 76 Figura 34 - Criar Perfil de Configuração / Lista Técnica. Fonte: (COMPLEX, 2013). Os parâmetros para a configuração da lista técnica são detalhados na Tabela 13. Tabela 13 Parâmetros da Lista Técnica da Ordem. Nº Campo Descrição Parâmetro 1 2 Atualiz. Permitida na Ordem Fixar Automaticamente 3 Botão Sistema Atualização permitida no documento de vendas Fixar Order BOM automaticamente Método de fixação e criação de instâncias Fonte: (COMPLEX, 2013). Esta opção deve ser selecionada, caso você queira que o botão Engenharia apareça na configuração pelo documento de vendas. Este parâmetro deve ser selecionado para que ao ser criado uma ordem de venda a lista técnica seja gerada automaticamente. É utilizado para definir o comportamento da fixação e criação de instâncias. Não foi utilizado no Projeto. Quando todos os parâmetros estiverem devidamente preenchidos é possível finalizar o processo de criação do perfil de configuração. Pode-se verificar que o processo é teoricamente simples, porém necessita que as informações estejam bem alinhadas na equipe do projeto. Todas as parametrizações até aqui mostradas formam uma cadeia de informações contínua durante todo o projeto e após projeto. É comum verificar em empresas de grande porte um volume de informações repetidas sem necessidade e em alguns casos, cadastradas de forma diferente, porém tentando exibir o mesmo resultado.

77 77 No projeto 3D foi utilizado como solução para este problema, colocar um quadro na sala da equipe e informar em um único lugar, visível a todos os colegas, as informações necessárias para a construção e modelagem do configurador. Parâmetros como nomenclatura, nomenclatura técnica, dados básicos e entre outros, foram todos colocados em um mesmo local, possibilitando uma visão rápida da informação, evitando que na dúvida ocorra um erro. Até o presente momento, a solução tem se mostrado eficiente, e os resultados são satisfatórios Funções Adicionais As funções adicionais são essenciais no processo de modelagem do configurador de produtos pois ajudam a solucionar problemas de grande complexidade de forma fácil e ágil. Essas funções contemplam Atualizações em Tabelas, Dependências, Constraints e Gerenciamento do Configurador. Muitas das funções adicionais podem ser executadas de forma direta no sistema SAP, através de uma transação muito utilizada para a modelagem, chamada PMEVC, onde se pode dizer que se passa cerca de 60% do tempo de modelagem somente nesta transação. Para que as funções adicionais possam ser executadas é necessário possuir todos os materiais previamente cadastrados no sistema. Estas funções estão definidas por: Manter Tabelas, Atualizar Registros em Tabelas, Manter Dependências, Manter rede de Dependências e Gerenciar Configurador Funções Adicionais Manter Tabelas As tabelas são amplamente utilizadas no configurador de produtos para gravar combinações de valores para diferentes características, tem-se como exemplo um carro onde somente é possível telo com o interior cinza se a sua pintura externa for azul.

78 78 É verdadeiro o fato de que as tabelas auxiliam a entrar dependências, pois o usuário entra a tabela em uma dependência. No SAP, o sistema utiliza a tabela para determinar e verificar valores. Deve-se tomar cuidado com a manutenção das interdependências entre as características, pois se as mesmas forem modificadas o usuário deve, obrigatoriamente modificar a tabela, não as dependências. Caso este procedimento não seja realizado, o configurador possuirá dados inconsistentes, e exibirá informações erradas para o usuário. As tabelas são possíveis de utilização em condições de seleção, condições prévias, atividades, procedimentos e restrições. Em condições de seleção, condições prévias, restrições e na parte condicional de atividades e procedimentos, são utilizadas para verificar a consistência dos valores entrados. Em atividades, procedimentos e restrições, as tabelas podem servir para determinar valores. No projeto 3D, o principal uso de tabelas foi implantado em condições de seleção, procedimentos e restrições. Neste processo, seguem-se os mesmos padrões e regras de nomenclatura estabelecidas no início do processo. Para as tabelas ficou definido que a nomenclatura técnica seria realizada da seguinte maneira: - TBV_EQUIPAMENTO_UTILIZAÇÃO Onde: TBV corresponde a Tabela de Valores, Equipamento corresponde ao produto em que está sendo criado a tabela e a Utilização é qual será a sua funcionalidade no sistema. Exemplo: TBV_EA_RPM1 Essa tabela seleciona o RPM do motor através da potência instalada. Na Figura 35 verifica-se como é realizado este processo no sistema SAP. As transações utilizadas para este processo são CU60, CU61, CU62 e CU63, onde há incialmente a Atualização de Tabelas, Criação, Manutenção e Exibição respectivamente.

79 79 Figura 35 - Criar Tabela / Dados Básicos. Fonte: (COMPLEX, 2013). Nesta etapa o usuário informa ao sistema qual o nome técnico e descritivo da tabela de valores a ser criada. Figura 36 - Criar Tabelas / Inserir Características. Fonte: (COMPLEX, 2013). Através da modificação de tabela, no campo características (Figura 36) o usuário informa ao sistema quais as características que serão utilizadas pelo sistema para processar as devidas informações. O flag campo chave determina quais as características são referência

80 80 para a tabela, ou seja, necessitam ser informadas pelo usuário. No caso acima, é constatado que o usuário deve informar o Modelo do Elevador, a Frequência, o Modelo da Caçamba e a Potência Calculada para que a tabela retorne o valor da RPM. Após a inclusão das características na tabela, é necessário atualizar seus valores, para que se possa informar os dados ao usuário. Na Figura 37, está representado como ficam dispostos os valores em uma tabela. Figura 37 - Criar Tabelas / Atualizar Valores. Fonte: (COMPLEX, 2013). Após a atualização de valores, pode-se concluir o processo de criação de tabelas no sistema SAP. As tabelas são acionadas a partir de regras de constraints elaboradas em uma próxima etapa.

81 Manter Dependências As dependências têm por finalidade descrever as interdependências entre as características e valores de características, controlar os componentes que são selecionados de uma lista técnica e que operações são selecionadas de uma lista de tarefas. Para manter as dependências é necessário realizar uma sintaxe especial no editor de dependências. As dependências são divididas em: - Condições Prévias - Condições de Seleção - Atividades (não utilizável) - Procedimentos - Restrições As condições prévias são utilizadas para ocultar características e valores de característica que não são permitidos e, assim, assegurar que a configuração de um objeto seja consistente. Podem-se diferenciar as dependências entre locais e globais. As dependências locais são criadas apenas para um único objeto e utilizadas para esse mesmo objeto, enquanto as dependências globais podem ser utilizadas em qualquer objeto. É possível atribuir condições prévias aos seguintes objetos: - Uma característica que o usuário deseja ocultar. - Um valor de característica que o usuário deseja ocultar. Uma condição prévia é atendida quando a condição de entrada é verdadeira ou não é violada. As condições de seleção são utilizadas para assegurar a marcação de todos os objetos relevantes para uma variante. Essas condições são basicamente utilizadas em componentes da lista técnica, porém, é possível atribuí-las aos seguintes objetos: - Características - Itens de Lista Técnica - Operações em listas de tarefas

82 82 - Sub-operações - Sequência de Operações - Meios Auxiliares de Produção As condições de seleção determinam as variantes (variáveis) que requerem um componente ou operação específica. Também determinam quando é obrigatório atribuir um valor a uma característica. verdadeira. Uma condição de seleção é atendida quando a condição contida nela é inequivocamente Os procedimentos são utilizados para determinar valores para as características, os mesmos podem sobregravar valores propostos definidos por outros procedimentos. Essa ferramenta é utilizada é vários tipos de objetos, tais como: - Valor de característica, para acionar um procedimento. - A característica que aciona um procedimento. - Perfil de configuração. - Itens de Lista Técnica (mais utilizado). - Operações em lista de tarefas. No projeto de desenvolvimento 3D, os procedimentos foram basicamente utilizados para realizar operações sobre os itens da lista técnica. Quando um procedimento é utilizado para deduzir um valor para uma característica, deve entrar a variável $SELF antes da característica. Este é um parâmetro de programação do próprio sistema SAP. Para que um procedimento altere um valor de qualquer característica é necessário parametrizar o sistema SAP com uma característica especial para a execução desta tarefa. Esta característica pode ser nomeada de acordo com o Projeto. Pode-se colocar vários procedimentos para um mesmo item na lista técnica, podendo o mesmo ser ativado por diferentes condições. A sequência de procedimentos para um item pode ser definida pelo usuário.

83 83 Supondo que temos um material que possui as características COR e PRESSÃO podemos desenvolver um exemplo de procedimentos conforme abaixo: $SELF.COR = VERDE IF PRESSÃO >= $SELF.COR = AMARELO IF PRESSÃO >= $SELF.COR = VERMELHO IF PRESSÃO >= 100 A partir dos procedimentos acima mencionados, o sistema identifica uma sequência de procedimentos, iniciando com a 0010, depois 0020 e finalizando com a 0030, assim a sequência assegura que uma pressão maior ou igual a 100 sempre define a cor vermelha. Este mesmo processo pode ser utilizado para a determinação de valores de característica. As restrições são um tipo de dependência utilizada para tarefas intensas de configuração interativa e para tarefas de configuração em que o usuário precisa considerar as dependências entre as características de vários objetos. O objetivo principal de uma restrição é supervisionar a consistência de uma configuração. Estas restrições possuem as seguintes características distintivas: - É possível utilizar as restrições para descrever as dependências entre objetos totalmente diferentes e suas características. - As restrições não são processadas em uma ordem específica, assim não se pode determinar quando uma restrição específica será utilizada. - As restrições não são atribuídas diretamente a objetos individuais. Elas são agrupadas para a formação de redes de dependências e são atribuídas a um material configurável no perfil de configuração. No sistema SAP de programação, as restrições possuem uma estrutura de restrições onde cada parte é identificada por uma palavra-chave. A palavra-chave é seguida por doispontos e cada seção termina com um ponto final.

84 84 Essas estruturas estão estruturadas da seguinte maneira: - OBJECTS: Nesta seção, deve-se entrar com os objetos relevantes somente para restrição. É extremamente necessário entrar com os objetos relevantes em todas as restrições. - CONDITION: A Condition determina que uma condição inicial precisa ser atendida para que a restrição escrita abaixo seja utilizada. Essa função é opcional, visto que se você possuir uma restrição que deve ser executada o tempo todo, ela não possui nenhuma condição de execução. - RESTRICTIONS: As restrições o usuário deve entrar com a relação que precisa existir entre os objetos e as características para que a configuração seja consistente. O sistema só irá aceitar a restrição se houver no mínimo uma restrição correta. - INFERENCES: Neste parâmetro devem ser informadas as características para quais os valores de característica serão determinados. A quantidade de restrições podem afetar também na performance operacional do sistema. O indicado é utilizar o menor número de restrições possíveis. Com as definições das restrições já apresentadas é possível iniciar o processo de criação e desenvolvimentos das restrições e sua rede de restrições no configurador de produtos. O primeiro passo a ser realizado é a criação da dependência, que pode ser efetuada através da transação SAP CU01, ou até mesmo pela transação gerencial PMEVC. A Figura 38 demonstra como é realizado este processo.

85 85 Figura 38 - Criar Dependência / Dados Básicos. Fonte: (COMPLEX, 2013). Posteriormente de criada uma restrição, é iniciado o processo de criação de uma rede de restrições, que irá conter todas as já criadas anteriormente para um mesmo produto. A rede de restrições é criada no meu SAP CU21, CU22 e CU23, demonstrado na Figura 39. Figura 39 - Criar Rede de Dependências. Fonte: (COMPLEX, 2013).

86 86 Após a rede de restrições estar criada, é então atribuída todas as restrições nesta rede conforme demonstrado na Figura 40. Figura 40 Rede de Restrições. Fonte: (COMPLEX, 2013). Conforme a estrutura de restrições mencionada anteriormente, as restrições são escritas de acordo com a Figura 41.

87 87 Figura 41 - Modelagem de uma Restrição. Fonte: (COMPLEX, 2013). Após os parâmetros estarem definidos é possível iniciar o processo de gerenciamento do configurador de produtos Gerenciar Configurador O processo de gerenciamento do configurador compreende todas as funções apresentadas anteriormente, ou seja, através deste processo é possível aplicar no perfil de configuração todas as opções já estudadas. Para que seja possível gerenciar as informações, é importante que as etapas anteriores já estejam sido desenvolvidas e bem estudadas. É possível realizar esta tarefa através da transação SAP PMEVC. A transação PMEVC é uma transação que trás uma visão completa do configurador.

88 88 Para acessar o ambiente de modelagem, é necessário informar alguns dados na tela inicial do sistema, que são: Material, Nº da Modificação, Tipo de Classe (geralmente é 300) e Centro, conforme Figura 42. Figura 42 - Acesso ao Ambiente de Modelagem. Fonte: (COMPLEX, 2013). Após os dados serem inseridos, é possível acessar o ambiente de modelagem conforme demonstrado na Figura 43. Figura 43 - Gerenciador do Configurador. Fonte: (COMPLEX, 2013).

89 89 Através do gerenciador, é necessário criar um design interface onde será modelado e parametrizado o design do configurador, onde o usuário irá visualizar as características e responde-las para concluir o processo. Na Figura 44 é possível verificar como é desenvolvido o processo de criar um design interface, e posteriormente na Tabela 14 é detalhado suas funções operacionais. Figura 44 - Criar Design Interface. Fonte: (COMPLEX, 2013). Tabela 14 Parâmetros para Criar Design Interface Nº Campo Descrição Parâmetro 1 2 Agrupamento de Característica Agrupamento como fichas de registro Criação de Fichas Através deste flag é determinado que os grupos de características são ordenados em fichas de registro na avaliação. Nome utilizado para a Ficha (1a) Selecione (Ficha)

90 90 Código que determina que a Selecionar (SD) 3 Ordenação das caracerísticas para a Engenharia sequência de características, determinada através do design interface apenas seja relevante pela engenharia. 4 Botão SAP Eliminar Eliminar agrupamento de característica No projeto de construção do variant configuration na Kepler Weber, o padrão de design interface foi utilizado como Fichas e dados relevantes para Engenharia, em avaliação conjunta pela equipe de modelagem. Quando o design interface é criado é possível ainda realizar algumas edições de posicionamento das características e quantidade de abas a serem utilizadas no configurador. Nos desenvolvimentos dos produtos estudados, projeto 3D, foi adotado como padrão a utilização de duas abas, contendo informações de Modelo e Acessórios respectivamente, facilitando assim a configuração dos produtos e das regras de dependência do configurador. Nas Figuras 45 e 46 pode-se verificar como é o processo de edição do design interface no sistema SAP, e através da Tabela 15 é demonstrado como é sua parametrização. Figura 45 - Edição Design Interface Fonte: (COMPLEX, 2013).

91 91 Figura 46 Edição Design Interface Fonte: (COMPLEX, 2013). Tabela 15 Parâmetros de Edição de Design Interface. Nº Campo Descrição Parâmetro 1 Síntese Edição de Fichas Selecione o nome da Ficha (1a) 2 Inserir um espaço vazio Shift + F5 3 Reposicionar Marcar Característica F9 4 Característica Deslocar Shift + F4 5 Excluir espaço Vazio Shift + F2 Com todos esses parâmetros mencionados é possível construir um configurador muito eficiente e rápido atendendo as expectativas comerciais e de engenharia.

92 92 4. DISCUSSÃO E RESULTADOS Este trabalho de modelamento e construção do configurador atualmente estão em constante desenvolvimento na empresa estudada, com isso, existem algumas integrações com o módulo de vendas que não estão contempladas. O processo de modelamento de um configurador é bastante complexo e possui várias etapas até a sua conclusão. Abaixo é possível verificar o resultado de um exemplo de configurador realizado neste estudo de caso, seguindo o processo acima destacado. Através da tela de gerenciamento do configurador no sistema SAP (PMEVC), pode-se realizar uma simulação de configuração (Figura 47), chamada tecnicamente de Avaliação de Características. Abaixo segue exemplo: Figura 47 Simulação de Configuração. Seleção de Valores Fonte: (Sistema SAP - Projeto 3D Kepler Weber SA, 2013).

93 93 Através desta tela, verifica-se que os parâmetros de construção do configurador de produtos mencionados anteriormente estão sendo seguidos, onde as opções estão divididas em abas e também respeitando a nomenclatura de criação das características. O processo de configuração consiste em selecionar valores de características prédefinidos pela engenharia. Para realizar a configuração basta clicar duas vezes na área em branco, ao lado da característica, conforme indicado na figura. Existem dois tipos de possíveis respostas no modelo de configurador SAP, sendo elas do tipo CHAR ou do tipo NUM, conforme já mencionado anteriormente. Nesta simulação, a seleção do modelo do silo ocorre em uma característica do tipo CHAR, abrindo para o usuário as possíveis entradas para esta característica. Figura 48 Seleção do Modelo / Opções Disponíveis. Fonte: (Sistema SAP - Projeto 3D Kepler Weber SA, 2013). Na Figura 48, o sistema está mostrando algumas opções de modelos, porém neste caso, o produto possui várias outras opções, que por questões técnicas não estão sendo demonstradas nesta imagem. O usuário então seleciona a opção desejada.

94 94 Figura 49 Seleção do Modelo / Modelo Selecionado. Fonte: (Sistema SAP - Projeto 3D Kepler Weber SA, 2013). Após a seleção do modelo estar realizada, basta confirmar a escolha clicando na seta verde no canto inferior direito da tela de seleção (Figura 49). Devido a sua forma construtiva, após realizada a seleção do modelo, o sistema preenche algumas respostas de características de forma automática, que o usuário não possui permissão para alterar, ou seja, servem apenas de informação para o mesmo durante o período de configuração.

95 95 Figura 50 Modelo Selecionado. Fonte: (Sistema SAP - Projeto 3D Kepler Weber SA, 2013). As características, Altura do Corpo, Diâmetro e Volume estão diretamente relacionadas com o modelo do silo escolhido, desta forma assim que o usuário escolhe o modelo desejado, o sistema já lhe informa quais são as suas principais características técnicas. Após a seleção do modelo estar concluída, o sistema habilita o usuário para responder quais são os seus opcionais a serem parametrizados. Desta forma a segunda aba é habilitada para o usuário conforme Figura 51.

96 96 Figura 51 Seleção de Opcionais. Status da Configuração Fonte: (Sistema SAP - Projeto 3D Kepler Weber SA, 2013). Para responder os valores de característica, basta seguir o mesmo processo de seleção do modelo, conforme já mencionado anteriormente e demonstrado na Figura 49. Pode-se verificar que na tela de simulação, o sistema possui uma sinaleira informando o status da configuração. Na Figura 51, é constatado que a configuração está em alerta, pois nem todas as características estão avaliadas. Na Figura 52 tem-se a configuração completa.

97 97 Figura 52 Opcionais Selecionados. Status da Configuração Fonte: (Sistema SAP - Projeto 3D Kepler Weber SA, 2013). Após concluído a avaliação das características, é constatado que o sistema habilita a configuração para prosseguir no processo posterior, conforme indicado na sinaleira do sistema. A sinaleira indica também se a configuração realizada possui alguma inconsistência, informando ao usuário qual é a inconsistência e quais os seus possíveis valores. Para certificar-se que a configuração realizada é a desejada, o usuário pode imprimir um resumo da sua avaliação das características, conforme Figura 53.

98 98 Figura 53 Resumo da Avaliação de Características. Fonte: (Sistema SAP - Projeto 3D Kepler Weber SA, 2013). Esta lista das características avaliadas, serve somente para informativo ao usuário, não possuindo impactos no resultado final. Feita a verificação e confirmação dos dados avaliativos, o usuário pode obter então a lista técnica dos itens selecionados para esta configuração realizada. Este processo é simples, basta o usuário clicar no campo Engenharia, no canto esquerdo superior da tela de configuração, conforme Figura 54.

99 99 Figura 54 Gerar Lista Técnica de Engenharia. Lista Técnica dos Configuração de Engenharia Itens Fonte: (Sistema SAP - Projeto 3D Kepler Weber SA, 2013). Depois de realizado este processo, basta o usuário clicar no primeiro ícone da barra avaliação de características para obter a listagem dos materiais desta configuração (Figura 55).

100 100 Figura 55 Lista Técnica do Produto. Fonte: (Sistema SAP - Projeto 3D Kepler Weber SA, 2013). A lista pode ser mais bem visualizada através de uma seleção simples no sistema SAP, selecionando a opção Lista, no canto direito inferior (Figura 54), assim a lista estará visível para o usuário conforme demonstra a Figura 56. Depois de obtido a visualização da lista técnica do produto configurado a mesma pode ser utilizada para diversas tarefas na Engenharia, como orçamentos e projetos especiais.

101 101 Figura 56 Lista Técnica do Produto / Visualização Especial. Fonte: (Sistema SAP - Projeto 3D Kepler Weber SA, 2013). Através destes resultados é constatado que, o objetivo principal do configurador de produtos é então permitir ao usuário milhares de opções de escolha de valores de características e como produto final retornar ao mesmo a lista de produtos necessária para fabricar a sua devida escolha. Este processo demanda pouco tempo para o usuário e agiliza todos processos da companhia ligados a produção. O sistema SAP ainda permite que esta lista possa ser exportada para diferentes extensões de arquivos, como.xls,.txt,.html entre outros, atendendo a necessidade do usuário. Para facilitar o entendimento de como é o processo de construção, é demonstrado na figura 57 um modelo de árvore construtiva permitindo a compreensão mais simplificada deste processo.

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais Sistemas ERP Prof. Breno Barros Telles do Carmo Conceitos Iniciais Sistema de Informação adquirido em forma de pacotes comerciais de software que permite a integração de dados de sistemas de informação

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP Enterprise Resource Planning Implantação de Sistema ERP Jorge Moreira jmoreirajr@hotmail.com Conceito Os ERP s (Enterprise Resource Planning) são softwares que permitem a existência de um sistema de informação

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) 1 ERP Sistema para gestão dos recursos administrativos-financeiros,

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning

ERP Enterprise Resourse Planning Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC Bacharelado em Sistemas de Informação 2B Fundamentos de Sistemas de Informação Professor: Paulo de Tarso ERP Enterprise Resourse Planning Alexandre

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

E R P. Enterprise Resource Planning. Sistema Integrado de Gestão

E R P. Enterprise Resource Planning. Sistema Integrado de Gestão E R P Enterprise Resource Planning Sistema Integrado de Gestão US$ MILHÕES O MERCADO BRASILEIRO 840 670 520 390 290 85 130 200 1995-2002 Fonte: IDC P O R Q U E E R P? Porque a única coisa constante é a

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning. Sistemas Integrados de Gestão

ERP Enterprise Resource Planning. Sistemas Integrados de Gestão ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão ERP O que é S.I. com módulos integrados que dão suporte a diversas áreas operacionais Ex. vendas, gestão de materiais, produção, contabilidade,

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes O que é ERP? ERP é a sigla de Enterprise Resourse Planning (Planejamento dos Recursos Empresariais). Trata-se de uma técnica moderna de gestão empresarial pela qual todas as informações de todas as áreas

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

A Importância do ERP na Gestão Industrial. Luiz Cunali Defilippi Usina Ipiranga

A Importância do ERP na Gestão Industrial. Luiz Cunali Defilippi Usina Ipiranga A Importância do ERP na Gestão Industrial. Luiz Cunali Defilippi Usina Ipiranga DADOS GRUPO IPIRANGA 2 Dados Grupo IPIRANGA. ESTIMATIVAS MOAGEM E PRODUÇÕES SAFRAS 14/15 E 15/16 - GRUPO IPIRANGA SAFRA 14/15

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning História

ERP Enterprise Resource Planning História ERP (Enterprise Resource Planning, Planejamento (ou planeamento, em Portugal) de Recursos Empresariais) são sistemas de informações transacionais(oltp) cuja função é armazenar, processar e organizar as

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012 Logística Profª. Paula Emiko Kuwamoto Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos Agenda da Teleaula Reforçar a importância dos projetos no cenário atual. Apresentar os principais conceitos envolvendo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso

Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso José Henrique de Andrade (EESC-USP) jandrade@sc.usp.br José Renato Munhoz (UFSCAR) renato.munhoz@citrovita.com.br

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

INFORMAÇÕES CONECTADAS

INFORMAÇÕES CONECTADAS INFORMAÇÕES CONECTADAS Soluções de Negócios para o Setor de Serviços Públicos Primavera Project Portfolio Management Solutions ORACLE É A EMPRESA Alcance excelência operacional com fortes soluções de gerenciamento

Leia mais

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN Sistemas ERP Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Definições Sistemas de informações que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Administração Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Luciano Venelli Costa Objetivos Diferenciar um de um processo. Compreender o ambiente que cerca os s. Identificar as fases do ciclo de vida de um.

Leia mais

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec Teoria geral do Sistemas O Sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

UMC/EPN 2013 - Sistemas de Informações Aula 02. Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva de Negócios

UMC/EPN 2013 - Sistemas de Informações Aula 02. Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva de Negócios Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva de Negócios Organização Sistemasde Informação Tecnologiada informação Gerenciamento Maio / 2013 31 Os Sistemas de Informação vistos de uma Perspectiva

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Informações gerais Família de Gestão: Gestão de Materiais Carga Horária: 172 horas (96 horas presencial + 76 horas e-learning) Objetivo: Proporcionar

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1ª edição - 2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 O QUE É UM PROJETO?...04 O QUE É UM PROGRAMA?...07 ESTUDOS E PROJETOS...08 O QUE É O GERENCIAMENTO DE PROJETOS...09 QUEM É

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

BM&FBOVESPA aperfeiçoa práticas de gerenciamento de projetos com CA Clarity PPM

BM&FBOVESPA aperfeiçoa práticas de gerenciamento de projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY BM&FBOVESPA aperfeiçoa práticas de gerenciamento de projetos com CA Clarity PPM PERFIL DEL CLIENTE Indústria: Serviços financeiros Companhia: BM&FBOVESPA Empregados: 1.400+ Faturamento

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Breve Currículo do Palestrante Filme Ilustrativo O Veleiro Objetivos do Tema : Projeto e Gestão Teoria x Prática de Gestão

Leia mais

Sistemas de Informação na Produção

Sistemas de Informação na Produção Sistemas de Informação na Produção ERP. Principais ERPs do mercado. Mitos sobre ERPs. Aula 6 - Questões para Refletir 2/26 Enterprise Resource Planning - ERP Sistemas de gerência que integram todos os

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA MBA EM GESTÃO SUSTENTÁVEL DE NEGÓCIOS. Nº MÓDULO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL Carga Horária

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA MBA EM GESTÃO SUSTENTÁVEL DE NEGÓCIOS. Nº MÓDULO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL Carga Horária UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA MBA EM GESTÃO SUSTENTÁVEL DE NEGÓCIOS Nº MÓDULO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL Carga Horária 1 Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental 15 2 Sistema

Leia mais