RELATÓRIO DE CONSULTORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE CONSULTORIA"

Transcrição

1 Recomendação ao Sr. Silva RELATÓRIO DE CONSULTORIA CONSTITUIÇÃO DO ÍNDICE PSI0 ALTRI SGPS, S.A. BCP Banco Comercial Português, S.A. BES Banco Esírito Santo, S.A. BPI Banco Português de Investimento, S.A. BRISA PRIV. Auto-estradas de Portugal, S.A. CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. EDP Energias de Portugal, S.A. GALP ENERGIA-NOM Petróleos e Gás de Portugal, SGPS, S.A. IMPRESA, SGPS, S.A. Jerónimo Martins, SGPS, S.A

2 CONSTITUIÇÃO DO ÍNDICE PSI0 MOTA-ENGIL, SGPS PT Portugal Telecom, SGPS, S.A. PORTUCEL Emresa Produtora de Pasta e Pael, S.A PTM Portugal Telecom Multimédia, SGPS, S.A. REN Rede Eléctrica Nacional, S.A. SOARES DA COSTA, SGPS, S.A. SEMAPA, S.A. SONAE IND. Sonae Indústria, SGPS, S.A. SONAE, SGPS, S.A. SONAECOM, SGPS, S.A. 3 PESO DE CADA EMPRESA NO ÍNDICE SONAECOM SONAE SONAE IND SEMAPA SOARES COSTA REN PTM PORTUCEL PT MOTA-ENGIL J. MARTINS IMPRESA GALP EDP CIMPOR BRISA BPI BES BCP Altri % Peso

3 RENDIBILIDADE ESPERADA E VOLATILIDADE Emresas Rendibilidades Eseradas (%) Volatilidade (%) Diárias Anuais Ajustada Diária Anual ALTRI 0,30 115,13 65,60*,38 39,38 BCP 0,08,18,18 1,61 6,15 BES 0,10 7,65 7,65 0,87 13,95 BPI 0,1 34,1 34,1 1,57 5,41 BRISA 0,07 0,7 0,7 0,94 15,19 CIMPOR 0,06 16,77 16,77 1,31 1,11 EDP 0,1 35,48 35,48 1,11 17,91 GALP 0,6 93,66 93,66 1,56 5,4 IMPRESA 0,003 0,73,8* 1,4,91 J.MARTINS 0,13 38,79 38,79 1,33 1,48 M.ENGIL 0,13 40,34 40,34 1,79 9,19 PT 0,06 16,86 16,86 1,0 19,40 PORTUCEL 0,11 31,31 31,31 1,39,46 PT-MULT. 0,04 9,98 9,98 1,01 16,5 REN -0,01-3,56-3,56,70 45,16 S.COSTA 0,45 17,76 17,76 3,09 5,47 SEMAPA 0,15 47,30 45,70* 1,39,45 SONAE-IND. 0,06 15,85 15,85 1,75 8,46 SONAE-SGPS 0,15 45,01 45,01 1,73 8, SONAE-COM 0,0 4,56 4,56,13 34,98 Dados históricos - indicadores mais consistentes; Cotações dos dois últimos anos; Evolução económico-financeira do ano de investimento homóloga aos dois anos em estudo; Rendibilidades Eseradas Anuais Ajustadas: - Altri, Imresa e Semaa; - Considerada somente amostra último ano; - Afastamentos rovocados or factores macroeconómicos de cariz extraordinária, os quais causaram flutuações anómalas nos reços das acções. Volatilidade - calcula com base nas rendibilidades históricas dos últimos dois anos, com exceção das três emresas 5 CORRELAÇÕES DAS ACÇÕES DO PSI-0 ALTRI BCP BES BPI BRISA CIMPOR EDP GALP IMPRESA J.MARTINS M.ENGIL PT PORTUCEL PTM REN S.COSTA SEMAPA SONAE IND. SONAE SONAECOM ALTRI 1 BCP 0, 1 BES 0,5 0,1 1 BPI 0,13 0,0 0,34 1 BRISA 0,0 0, 0,19 0,18 1 CIMPOR 0,9 0,35 0,3 0,13 0,33 1 EDP 0,1 0,0 0,14 0,10 0,30 0,1 1 GALP 0,40 0,37 0,31 0,10 0,8 0,31 0,19 1 IMPRESA 0,5 0,5 0,6 0,1 0,3 0,37 0,13 0,39 1 J.MARTINS 0,4 0, 0,0 0,06 0, 0,3 0, 0,17 0,00 1 M.ENGIL 0,9 0,30 0,8 0,10 0,5 0,31 0,0 0,45 0,00 0,8 1 PT 0,07 0,1 0,17 0,11 0,08 0,1 0,13 0,09 0,00 0,1 0,09 1 PORTUCEL 0,33 0,30 0,9 0,13 0,15 0,7 0,19 0,50 0,00 0,5 0,33 0,08 1 PTM 0,08 0,14 0,08 0,16 0,1 0,08 0,18 0,10 0,00 0,15 0,13 0,19 0,1 1 REN 0,85 0,66 0,56 0,3 0,53 0,7 0,30 0,98 0,03 0,45 0,86 0,8 1,01 0,06 1 S.COSTA 0,17 0, 0,16 0,09 0,15 0,18 0,13 0,3 0,01 0,1 0,7 0,01 0,15 0,11 0,45 1 SEMAPA 0,6 0,4 0,6 0,13 0,13 0,8 0,4 0,34 0,00 0, 0,9 0,1 0,43 0,15 0,53 0,16 1 SONAE IND 0,3 0,19 0,18 0,15 0,18 0,3 0,9 0,4 0,00 0, 0,31 0,08 0,31 0,17 0,49 0,15 0,34 1 SONAE 0,9 0,8 0,6 0,14 0,3 0,37 0,8 0,38 0,00 0,4 0,37 0, 0,7 0,3 0,93 0,16 0,1 0,34 1 SONAECOM 0,3 0,1 0,17 0,06 0,14 0,5 0,1 0,6 0,01 0,16 0,30 0,19 0,4 0,16 0,63 0,14 0,18 0,5 0,55 1 Exemlo: Mota-Engil e Soares da Costa Quando a rendibilidade de uma varia unitariamente a da outra varia 0,7 no mesmo sentido. Média das correlações = 0,1710 6

4 ACTIVO SEM RISCO Considerados activos sem risco, ois a robabilidade de incumrimento or arte do Estado é raticamente nula; Instrumentos de financiamento do Estado (Bilhetes e Obrigações de Tesouro); Otamos elos Bilhetes de Tesouro, ois estes desenvolvem-se num mercado de curto razo, indo ao encontro das exectativas do Sr. Silva (obter rendimentos no razo de um ano); Rendibilidade 4% Taxa de juro sem risco dos bilhetes do tesouro, em vigor ara o razo de um ano. SHORT SELLING Vendas a descoberto; Estratégia de investimento que ermite vender títulos que não se ossui, com objectivo de obter ganhos aquando da sua desvalorização, sendo assim ossível investir noutros activos da carteira; Artigo 370º Código Valores Mobiliários admissível oerações de Short Selling, ficando sujeita ao regulamento da Euronext Lisboa 7 CARTEIRAS EFICIENTES 1. Teoria Média Variância com Short Selling. Teoria Média Variância sem Short Selling 3. Variante da Teria da Média Variância com Short Selling 4. Teoria Média Variância Ajustada á definição de Litner 5. Modelo das Correlações Constantes 6. Modelo de Índice Único

5 1. TEORIA MÉDIA-VARIÂNCIA COM SHORT SELLING Emresas Carteira Eficiente 1 Peso na carteira % ALTRI -79,14% ,85 BCP -153,50% ,0 BES 13,87% ,00 BPI 69,6% ,31 BRISA -18,73% ,10 CIMPOR -146,88% ,48 EDP 6,49% ,8 GALP 347,07% ,87 IMPRESA -71,3% ,9 J.MARTINS 158,9% ,1 M.ENGIL -174,81% ,95 PT 1,9% ,73 PORTUCEL -360,5% ,40 PT-MULT. 68,04% ,00 REN 3,94% ,96 S.COSTA 176,49% ,15 SEMAPA 185,0% ,39 SONAE-IND. -4,98% ,09 SONAE-SGPS -56,79% ,09 SONAE-COM -1,15% ,99 Possibilidade de realização de vendas a descoberto de forma ilimitada; Devido aos valores estimados serem muito elevados e o mercado ortuguês não ter liquidez suficiente ara resonder a estes valores, torna-se uma carteira imraticável. = 100% = TEORIA MÉDIA-VARIÂNCIA SEM SHORT SELLING Não realização de oerações de Short Selling; Investimento executar-se-á somente sobre os activos descritos na tabela; Reajustamos os esos excluindo os valores anteriores em relação á carteira anterior. Carteira Eficiente Peso na carteira Emresa % ALTRI - - BCP - - BES 7,57% ,14 BPI 4,5% 1.684,79 BRISA - - CIMPOR - - EDP 16,04% ,7 GALP 1,0% ,11 IMPRESA - - J.MARTINS 9,71% ,34 M.ENGIL - - PT 0,75% ,37 PORTUCEL - - PT-MULT. 4,16% , REN 14,3% ,70 S.COSTA 10,78% ,61 SEMAPA 11,30% ,01 SONAE-IND. - - SONAE-SGPS - - SONAE-COM - - = 100% =

6 3. VARIANTE DA TEORIA MÉDIA-VARIÂNCIA COM SHORT SELLING Oerações de Short Selling e comra de forma limitada; Tentativa de resolução do roblema da liquidez; Investimento dos resectivos sem necessidade de aresentar garantias bancárias; Carteira baseada na Carteira Eficiente 1. Com alicação dos seguintes onderadores de maneira a manter as ercentagens: 0,34 caso das comras 0,30 caso das vendas com short selling Carteira Eficiente 3 Peso na carteira Emresa % ALTRI -3,74% ,76 BCP -46,05% ,1 BES 4,46%.1.947,40 BPI 3,86% ,85 BRISA -38,6% ,43 CIMPOR -44,07% ,04 EDP 89,97% ,89 GALP 118,96% ,14 IMPRESA -81,37% ,48 J.MARTINS 54,47% ,50 M.ENGIL -5,44% ,39 PT 4,1% ,78 PORTUCEL -108,16% ,5 PT-MULT. 3,3% ,05 REN 79,85% ,97 S.COSTA 60,49% ,17 SEMAPA 63,4% ,9 SONAE-IND. -1,89% ,3 SONAE-SGPS -17,04% ,63 SONAE-COM -36,64% ,00 = 100% = TEORIA MÉDIA-VARIÂNCIA AJUSTADA À DEFINIÇÃO DE LITNER Carteira Eficiente 4 Peso na carteira Emresa % ALTRI -,49% ,48 BCP -4,84% ,3 BES 3,90% ,5 BPI,19% ,35 BRISA -4,06% ,87 CIMPOR -4,63% ,78 EDP 8,7% ,60 GALP 10,94% ,5 IMPRESA -8,55% ,84 J.MARTINS 5,01% ,9 M.ENGIL -5,51% ,3 PT 0,39% ,35 PORTUCEL -11,36% ,44 PT-MULT.,14% ,37 REN 7,34% ,99 S.COSTA 5,56% ,4 SEMAPA 5,83% ,51 SONAE-IND. -1,35% ,11 SONAE-SGPS -1,79% ,97 SONAE-COM -3,85% , ,75 Oerações de Short Selling de forma limitada; Tentativa de resolução do roblema da liquidez; Exigência de garantias bancárias no montante de ,5. 1

7 CARTEIRAS HOMOGÉNEAS Evolução do risco de carteiras homogéneas à medida que o n.º activos aumenta 0,09 0,08 Risco (Variância) 0,07 0,06 0,05 0,04 0,03 0,0 0, Nº Activos Incororação de maior número de activos Eliminação risco esecifico Risco carteira homogénea, tenderá ara o risco de mercado (risco sistemático) MODELO DAS CORRELAÇÕES CONSTANTES i Activos -i -Rf)/ Ci (Ri-Rf)/ 1 S.COSTA 0, 4,078 0,885 4,078 GALP 0,18 7,637 1,36 3,559 3 SEMAPA 0,15 9,497 1,438 1,859 4 EDP 0,13 11,57 1,480 1,761 5 BES 0,1 1,954 1,505 1,697 6 J.MARTINS 0,10 14,575 1,517 1,61 7 ALTRI 0,09 16,141 1,5 (C*) 1,566 8 SONAE-SGPS 0,09 17,596 1,516 1,455 Assim a artir da Sonae SGPS excluem-se da carteira de activos todos os outros, ois o valor do Ci é maior que o valor do activo, tendo em consideração o valor do activo sem risco e da variância. 14

8 5. MODELO DAS CORRELAÇÕES CONSTANTES (CONT.) 9% 7% 40% 1% 6% % 35% S.COSTA GALP SEMAPA EDP BES J.MARTINS ALTRI Tendo or base uma correlação média de 0, MODELO ÍNDICE ÚNICO Índice Único PSI0: Comosto elas rinciais emresas nacionais, ao nível de dimensão e liquidez; Melhor se adata às necessidades do Sr. Silva; Estimação valores Alfa e Beta da carteira eficiente: = 0, ; = 0, ; Estimação valores Alfa e Beta de cada emresa: M.ENGIL PT PORTUCEL PTM REN S.COSTA SEMAPA SONAE-IND SONAE SONAECOM 0,0006-0, , , ,0056 0, , , , , , , , ,4500 1, ,5566 0,7915 0, , ,9647 ALTRI BCP BES BPI BRISA CIMPOR EDP GALP IMPRESA J.MARTINS 0, , ,0004 0, , ,0008 0, , , ,0006 1,3618 1, , , ,664 0, , , , ,

9 6. MODELO DE ÍNDICE ÚNICO (CONT.) Activos (Ri-Rf)/i (Ri-Rf)*/ ei^() i^ /ei^() Ri-Rf)*ei^() i^ /ei^()) Ci S.COSTA 1,70 10,77 6,33 10,77 6,33 0,13 GALP 0,9 18,68 0,37 9,45 6,70 0,8 SEMAPA 0,53 7,86 14,9 37,31 41,6 0,31 J.MARTINS 0,47 6,59 13,97 43,90 55,58 0,33 ALTRI 0,45 6,56 14,49 50,46 70,07 0,34 BPI 0,40 1,71 4,6 5,17 74,33 0,34 BES 0,39 1,08,75 53,5 77,08 0,34 (C*) EDP 0,33,39 7,15 55,64 84,3 0,34 Assim a artir da Bes excluem-se da carteira de activos todos os outros, ois o valor do Ci é maior que o valor do activo, tendo em consideração o valor do activo sem risco e o Beta MODELO ÍNDICE ÚNICO (CONT.) 1% 1% 9% 4% 7% S.COSTA GALP 14% SEMAPA EDP BES 44% J.MARTINS ALTRI Carteira que não ermite realização de oerações de Short Selling; Constituída elas sete emresas reresentadas no diagrama; activos bem como da correlação entre eles, ao invés da do modelo índice único, em que a sua rendibilidade e risco são exlicados ela forma como cada activo se correlaciona com o mercado. 18

10 FUNÇÃO UTILIDADE CARTEIRA EFICIENTE Só entra em linha de conta com a rendibilidade eserada e risco; Carteira Eficiente Carteira a qual, ara o mesmo nível de risco não é ossível encontrar uma outra com rendibilidade eserada suerior; Indeendente do erfil de risco do investidor; Maximização da rendibilidade eserada onderada elo nível de risco. Novo objectivo: Maximização da Utilidade Eserada Carteira Ótima Aós analise do questionário em anexo concluímos que o Sr. Silva aresentava um erfil de aversão ao risco absoluta e relativa crescente. 0

11 FUNÇÃO UTILIDADE SR. SILVA Pressuosto ara a construção da função utilidade: 1ª Proriedade U(W) = -a = -a.w + b, com a.w + b>0 b>a.w ª Proriedade U(W) = -a, com a>0 3ª Proriedade assenta na alteração das referências do investidor face a variações na riqueza. No seu caso e de acordo com as resostas ao questionário constatamos que exibe uma aversão absoluta ao risco crescente. Assim: U ( a A A( U ( aw b da( a dw ( aw b) (, é ositiva ara qualquer valor de a e b 4ª Proriedade assenta na alteração da ercentagem do montante investido em activos com risco face a variações na riqueza. De acordo com as resostas ao questionário constatamos que exibe uma aversão relativa ao risco crescente. WU ( W ) aw dr( a w ab a w Assim: R( 0, com a e b > 0 ou a e b < 0 U ( W ) aw b d( ( aw b) 1 FUNÇÃO UTILIDADE SR. SILVA, com w0;15000 U( 0.000w 50w U(W) Função de Utilidade W

12 FUNÇÃO TOLERÂNCIA AO RISCO SR. SILVA 1ª) Utilidade eserada U w E 0,000w 50w 0,000Ew 50Ew 0,000 0,000w w E 50 E w w Uw 0,000 0,000 * * ,com r w ª) Definição de Função de Tolerância ao Risco E U r 0,000 0, r r CARTEIRA ÓPTIMA SR. SILVA Considerações ara o cálculo do investimento ótimo: R f 4% (Rendibilidade do activo sem risco) R 35,5% (Rendibilidade eserada da carteira eficiente que maximiza a relação rendibilidade/risco) 66,96% (Risco da carteira eficiente que maximiza a relação rendibilidade/risco) 35,5 4 E( R ) 4 E( R ) 4 3, 46 (A função tolerância ao risco sujeita a tal condição ) 66,96 Max 0, (4 3,46 ) Max 59858, (4 3,46 ) Alicando a condição de rimeira ordem: ,78% (A carteira ótima tem um risco de 5,78%) Logo, E ( R ) 4 3,465,78 E( R ) 4% (A carteira ótima tem uma rendibilidade eserada de 4%) 4

13 CARTEIRA ÓPTIMA SR. SILVA Função de Tolerância ao Risco E(R) Z investimento ótimo Então a comosição da carteira é dada or: 4% R f M Z 5,78% 4x f 35,5(1 x ) 4 f Em que: x 91,36%, x f f é a % a alicar em activo sem risco e 100% 91,36% 8,64% é o Investimento na carteira, considerada no relatório anterior. 5 CARTEIRA ÓPTIMA - CASAL Alteração da anterior roosta de investimento, tendo em conta as referências do casal, visto a Sr.ª Silva aresentar um erfil de risco ainda mais avesso ao do Sr. Silva; Nova Função Utilidade: U( w 50w, com w0;83333,(3) Para esta nova função continua-se a alicar as quatro roriedades que foram definidas ara a função de utilidade do Sr. Silva; Nova Função Tolerância ao Risco: E U r 0,0003 0, r r ,5 4 E( R ) 4 E( R ) 4 3, 46 (A função tolerância ao risco sujeita a tal condição ) 66,96 Max 0, (4 3,46 ) Alicando a condição de rimeira ordem: ,37% 35000(4 3,46 ) 4500 (A carteira ótima do casal tem um risco de 3,37%) Logo, E( R ) 4 3,463,37 E( R ) 15,66% (A carteira ótima tem uma rendibilidade eserada de 15,66%) 6

14 CARTEIRA ÓPTIMA - CASAL E(R) Função de Tolerância ao Risco Z investimento ótimo Então a comosição da carteira é dada or: 4x f 35,5(1 x ) 15,66 f 15,66% R f Z M Em que: 95%, x f é a % a alicar em activo sem risco x f e 100% 95% 5% é o Investimento na carteira eficiente calculada com a Teria Média-Variância. 3,37% 7 FIM Fale gentilmente. Ame bastante. Ria frequentemente. Trabalhe com afinco. Dê com generosidade. Pague ontualmente. Ore fervorosamente. (Elmer Wheeler) 8

15

Academia de Warrants. 5. ETFs

Academia de Warrants. 5. ETFs Academia de Warrants 5. ETFs ETFs - Sumário Executivo 1. Definição 2. Comparação ETF Fundo Activo 3. ComStage 4. Como negociar 1 1/28 ETFs - Sumário Executivo 1. Definição 2. Comparação ETF Fundo activo

Leia mais

Processo de Decisão. Determinada perspectiva sobre um subjacente. Perspectiva sobre o movimento do subjacente. Escolher o tipo de produto.

Processo de Decisão. Determinada perspectiva sobre um subjacente. Perspectiva sobre o movimento do subjacente. Escolher o tipo de produto. Processo de Decisão Determinada perspectiva sobre um subjacente Perspectiva sobre o movimento do subjacente Escolher o tipo de produto Warrant Inline À escolha Certificados Turbo 1 1. Subjacentes Sumário

Leia mais

10. Risco, Retorno e Mercado

10. Risco, Retorno e Mercado 10. Risco, Retorno e Mercado 10.1 Mercado eficiente 10.2 Risco e retorno eserados 10.3 Retorno eserado de um ortfólio 10.4 Risco na estrutura de uma carteira de ativos 1/3/2009 1 Introdução A incerteza

Leia mais

ETFs. Produtos de Investimentos Estruturados. José da Silva Pires / Commerzbank

ETFs. Produtos de Investimentos Estruturados. José da Silva Pires / Commerzbank ETFs Produtos de Investimentos Estruturados ETFs Ideias geniais são frequentemente muito simples fósforo (em grego o que traz luz ) - 1669 1993, os primeiros ETF s negociados na American Stock Exchange

Leia mais

Jogo do Investimento 2012 REGULAMENTO DO JOGO

Jogo do Investimento 2012 REGULAMENTO DO JOGO Jogo do Investimento 2012 REGULAMENTO DO JOGO Jogo do Investimento 2012 ÍNDICE Acerca do Jogo do investimento... 2 Como Participar no Jogo do Investimento?... 4 Qual o objectivo do jogo?... 5 Qual o calendário

Leia mais

Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses

Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses O ano de 2011 é marcado por um acentuado aumento do custo de vida, concretizado pela subida da

Leia mais

Listed Companies Results First Quarter 2015 Resultados das Empresas Cotadas Primeiro Trimestre 2015. dossiers

Listed Companies Results First Quarter 2015 Resultados das Empresas Cotadas Primeiro Trimestre 2015. dossiers dossiers Business and Companies Empresas e Listed Companies Results First Quarter 215 Resultados das Empresas Cotadas Primeiro Trimestre 215 Last Update Última Actualização: 8/6/215 Portugal Economy Probe

Leia mais

BPI Portugal. Rentabilidades Anualizadas a 30-06-2011 1 Ano -2.6% 3 Anos -6.1% 5 Anos -4.2% Desde o inicio 5.2% VALORIZAÇÃO

BPI Portugal. Rentabilidades Anualizadas a 30-06-2011 1 Ano -2.6% 3 Anos -6.1% 5 Anos -4.2% Desde o inicio 5.2% VALORIZAÇÃO BPI Portugal VALORIZAÇÃO Tipo de Fundo: Fundo aberto de acções. Fundo de Acções Nacionais Data de Início: 3 de Janeiro de 1994 Objectivo: Política de Distribuição de Rendimentos: Banco Depositário: Locais

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 29-03-2012 João Correia da ilva (joao@fe.u.t) 2. Estruturas de Mercado 2.1. Concorrência Perfeita. 2.2. Monoólio. 2 CONCORRÊNCIA PERFEITA O modelo de concorrência erfeita

Leia mais

As nossas acções Sonaecom

As nossas acções Sonaecom 3.0 As nossas acções Em 2009, as acções da Sonaecom registaram o segundo melhor desempenho do PSI-20, valorizando cerca de 92,2 %, o que constitui uma prova clara da nossa resiliência e um voto de confiança

Leia mais

1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1. 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013, Ordem dos Engenheiros 2

1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1. 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013, Ordem dos Engenheiros 2 Tema de Pesquisa: Internacional 20 de Agosto de 2013 Revista de Imprensa 20-08-2013 1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013,

Leia mais

O objectivo de maximização da relação rendibilidade/risco leva os investidores a aventurarem-se em novos mercados internacionais

O objectivo de maximização da relação rendibilidade/risco leva os investidores a aventurarem-se em novos mercados internacionais 1 Principal objectivo do investidor financeiro consiste na procura de oportunidades de investimento O objectivo de maximização da relação rendibilidade/risco leva os investidores a aventurarem-se em novos

Leia mais

c) Repita as alíneas (a) e (b), admitindo que o investidor pretende agora obter um rendimento esperado de 12%.

c) Repita as alíneas (a) e (b), admitindo que o investidor pretende agora obter um rendimento esperado de 12%. Casos Práticos Caso 3.1 Considere as seguintes inormações relativas a duas acções: cção cção Rendibilidade eserada 15% 10% Desvio adrão da rentabilidade eserada 1% 8% Valor de cotação EUR10 EUR15 Coeiciente

Leia mais

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates Academia de Warrants 6. Factor Certificates Factor Certificates - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Exemplos 4. Mecanismo de protecção 5. Como negociar Academia de Warrants 6. Factor Certificates

Leia mais

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16%

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16% A SITUAÇÃO ACTUAL É MAIS GRAVE DO QUE EM 1977/78 E EM 1983/84 POR PORTUGAL PERTENCER À ZONA EURO E NESTA DOMINAR UMA POLITICA NEOLIBERAL DE SUBMISSÃO AOS MERCADOS. Um erro grave é confundir a situação

Leia mais

Análise de Resultados do Estudo sobre o Estado de Arte das Práticas de Sustentabilidade em Portugal

Análise de Resultados do Estudo sobre o Estado de Arte das Práticas de Sustentabilidade em Portugal Análise de Resultados do Estudo sobre o Estado de Arte das Práticas de Sustentabilidade em Portugal Release 2007 presentation by: to: on: Name of Person Location/company Insert date Índice Introdução...1

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ESPÍRITO SANTO PLANO POUPANÇA ACÇÕES FUNDO POUPANÇA ACÇÕES

FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ESPÍRITO SANTO PLANO POUPANÇA ACÇÕES FUNDO POUPANÇA ACÇÕES ESAF Espírito Santo Fundos de Investimento Mobiliário, SA ES PP Acções FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO ESPÍRITO SANTO PLANO POUPANÇA ACÇÕES FUNDO POUPANÇA ACÇÕES O Espírito Santo Poupança Acções é um

Leia mais

Investimentos e Mercados Financeiros

Investimentos e Mercados Financeiros MESTRADO EM CONTABILIDADE, FISCALIDADE E FINANÇAS EMPRESARIAIS 1º SEMESTRE 2007/2008 Investimentos e Mercados Financeiros Caderno de Exercícios nº3 Escolha da Carteira Óptima Raquel M. Gaspar 1 Teoria

Leia mais

ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS

ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS Exame 1ª Época 12.07.04 ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS Duração: 3 horas CASO 1 (3x1.0= 3 valores) Responda (sucinta e objectivamente) a somente três das quatro questões seguintes: a)

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS)

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) João Duque Fevereiro de 2004 1 Exercício 1 Usando a informação que lhe é fornecida pelo quadro abaixo sobre as opções cotadas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA

UNIVERSIDADE DE ÉVORA UNIVERSIDADE DE ÉVORA Análise da entropia como medida de incerteza e valor ordinal da informação no mercado bolsista de acções português. Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção

Leia mais

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov UMA ANÁLISE APLICADA DE DECISÃO COM OPÇÃO DE VENDA UTILIZANDO CADEIAS DE MARKOV JOSÉ CÉSAR CRUZ JÚNIOR; RICARDO MENDONÇA FONSECA; LUIZ FERNANDO OHARA KAMOGAWA; ESALQ/USP PIRACICABA - SP - BRASIL cesarcruzjr@hotmail.com

Leia mais

Listed Companies Results Full Year 2015 Resultados das Empresas Cotadas Ano dossiers. Business and Companies Empresas e Negócios

Listed Companies Results Full Year 2015 Resultados das Empresas Cotadas Ano dossiers. Business and Companies Empresas e Negócios dossiers Business and Companies Empresas e Listed Companies Results Full Year 2015 Resultados das Empresas Cotadas Ano 2015 Last Update Última Actualização: 19/02/2016 Next Update Próxima Actualização:

Leia mais

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA)

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA) Modelo uzzy de tomada de decisão ara avaliação de rojetos de Resonsabilidade Socioambiental (RSA) Katia Cristina Garcia Laboratório Interdiscilinar de Meio Ambiente - COPPE/URJ Centro de Tecnologia, Bloco

Leia mais

4º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade Lisboa, 21 Outubro 2010. conflito de interesses ou confluência de esforços?

4º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade Lisboa, 21 Outubro 2010. conflito de interesses ou confluência de esforços? 4º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade Lisboa, 21 Outubro 2010 conflito de interesses ou confluência de esforços? A biodiversidade sustenta a oferta qualificada de serviços

Leia mais

MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS COLECTÂNEA DE EXERCÍCIOS

MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS COLECTÂNEA DE EXERCÍCIOS MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS COLECTÂNEA DE EXERCÍCIOS (ACÇÕES, OBRIGAÇÕES, GESTÃO DE CARTEIRAS, OPÇÕES, FORWARDS e FUTUROS, SWAPS, PRODUTOS ESTRUTURADOS, VaR e TCE, AVALIAÇÃO DA PERFORMANCE, ÉTICA

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados - Contratos de Futuros

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados - Contratos de Futuros Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados - Contratos de Futuros Objectivo João Cantiga Esteves Senior Partner Estratégias de Hedging Futuros sobre Divisas Considerações sobre Índices Futuros sobre Índices

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Introdução aos Produtos Derivados Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS Introdução às Opções

Leia mais

PRESS RELEASE. Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo

PRESS RELEASE. Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo PRESS RELEASE Iberia 125 Climate Change Report Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo O relatório Iberia 125 Climate Change

Leia mais

Portugal Positivo. Descrição. Produto financeiro complexo Portugal Positivo

Portugal Positivo. Descrição. Produto financeiro complexo Portugal Positivo Produto financeiro complexo Portugal Positivo Descrição Este produto financeiro complexo possui características que importa destacar: Risco máximo, na maturidade, de perda de 5% do capital investido pelo

Leia mais

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso MARCELO RIBEIRO DA LUZ MARCOS KUFNER Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho aresentado ara a discilina de Laboratório de Estatística II do curso de graduação em Estatística da Universidade

Leia mais

Trabalho Final de Mestrado TRABALHO DE PROJECTO

Trabalho Final de Mestrado TRABALHO DE PROJECTO MESTRADO EM FINANÇAS Trabalho Final de Mestrado TRABALHO DE PROJECTO EVOLUÇÃO DOS SPREADS DE RISCO DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS DO ÍNDICE PSI-20 HENRIQUE SILVA GARCIA RAMOS DE CARVALHO PROFESSOR ORIENTADOR:

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira EMITENTE Grupo Visabeira SGPS, S.A. RATING DE EMITENTE Médio e Longo Prazo BB+ (BB+, com tendência estável) B

Leia mais

tem Soares dos Santos mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos - P3O

tem Soares dos Santos mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos - P3O tem Soares dos Santos mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos - P3O Soares dos Santos tem mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos A subida das acções da Jerónimo Martins levou a família

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros

Mercados e Investimentos Financeiros Mercados e Investimentos Financeiros Funcionamento dos Mercados de Reporte e Empréstimos de Valores Mobiliários Ana H. Roseiro Ana Luísa Cardoso Newton Chatala Tiago Carvalho APRESENTAÇÃO DO TEMA Objectivo

Leia mais

JERÓNIMO MARTINS SGPS, S.A. Lista de Transacções de Dirigentes

JERÓNIMO MARTINS SGPS, S.A. Lista de Transacções de Dirigentes JERÓNIMO MARTINS SGPS, S.A. Lista de Transacções de Dirigentes 30 de Abril de 2009 Jerónimo Martins, SGPS, S.A., vem, no cumprimento do número 7 do artigo 14º do Regulamento da CMVM 5/2008 informar sobre

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Investimentos Internacionais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Investimentos Internacionais Ephi-ciência Financeira Investimentos Internacionais Objectivo Enquadramento Internacional O SMI, O SME e o EURO Os Mercados Cambiais As Taxas de Câmbio João Cantiga Esteves Senior Partner 1 INVESTIMENTO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS SEMESTRAL

RELATÓRIO E CONTAS SEMESTRAL RELATÓRIO E CONTAS SEMESTRAL 30 DE JUNHO DE 2013 BANIF ACÇÕES PORTUGAL Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Acções Nacionais Banif Gestão de Activos Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário,

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 1 de Julho de 2015

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 1 de Julho de 2015 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados de: - Oferta Pública de Subscrição de Obrigações ME Fev-2020 - Oferta Pública de Troca de Obrigações ME Mar-2016 1 de Julho de 2015 Não

Leia mais

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão Gestão Financeira O custo do capital MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão A criação de valor para os accionistas/sócios pressupõe a remuneração do capital investido a uma taxa superior à do custo desse

Leia mais

Banif Investimento Moderado

Banif Investimento Moderado Banif Investimento Moderado Fundo de Investimento Mobiliário Janeiro de 2014 Enquadramento Macroeconómico Variação (%) Dezembro Desde o início do ano EUA (S&P 500) 2,4% 29,6% Japão (Nikkei) 4,0% 56,7%

Leia mais

Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE

Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2011 Índice 1 Relatório de Gestão... 3 Enquadramento Geral da actividade

Leia mais

Módulo 1. Introdução aos Activos Financeiros Derivados

Módulo 1. Introdução aos Activos Financeiros Derivados Módulo 1 Introdução aos Activos Financeiros Derivados Índice 1. Mercados à Vista e a Prazo. 2. Contratos de Futuros 3. Contratos de Opções 4. Estratégias que Utilizam Derivados: Cobertura de Risco, Especulação

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DA ATIVIDADE DE SUPERVISÃO DA ANÁLISE FINANCEIRA

RELATÓRIO ANUAL DA ATIVIDADE DE SUPERVISÃO DA ANÁLISE FINANCEIRA RELATÓRIO ANUAL DA ATIVIDADE DE SUPERVISÃO DA ANÁLISE FINANCEIRA 2011 ÍNDICE ÍNDICE... 2 LISTA DE TABELAS... 2 LISTA DE GRÁFICOS... 4 SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 1. INTRODUÇÃO... 11 2. ANÁLISE DESCRITIVA DA

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social.

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social. Esclarecimento 1. O Grupo INVESTIFINO contratou junto da CGD, no período de 2005 a 2007, diversos financiamentos que globalmente atingiram um valor elevado. 2. Os referidos financiamentos destinaram-se

Leia mais

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 1 Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 Relatório 2014 ACEGIS Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social 8 de março de 2014 Dia Internacional

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista Caítulo 7 O Modelo de Crescimento Harrod-Domar e seus desdobramentos. 7.1 Introdução. A abordagem ós-keynesiana ara o crescimento e distribuição de renda tem sua origem com as contribuições seminais de

Leia mais

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião Perfil Socioeconômico e Cultural dos Visitantes dos Museus Fluminenses e Paulistas: Uma Análise Comarativa. Camila Pereira Koehler (ENCE); José Matias de Lima (ENCE); Leandro Lins Marino (Fundação Cesgranrio)

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das OBRIGAÇÕES TAXA FIXA MOTA-ENGIL 2013/2016

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das OBRIGAÇÕES TAXA FIXA MOTA-ENGIL 2013/2016 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das OBRIGAÇÕES TAXA FIXA MOTA-ENGIL 2013/2016 14 de Março de 2013 ENTIDADE OFERENTE OFERTA PÚBLICA DE

Leia mais

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão 7631 2º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Introdução O desemenho de aviões e de motores atmosféricos deende da combinação de temeratura, ressão e densidade do ar circundandante. O movimento

Leia mais

dívida das empresas Dividendos são mais atractivos que H ^^" "^ T á2o anos que a

dívida das empresas Dividendos são mais atractivos que H ^^ ^ T á2o anos que a Dividendos são mais atractivos que dívida das empresas Algumas das maiores empresas do PSI 2O, como a Portugal Telecom e a EDP, têm uma taxa de rentabilidade dos dividendos mais elevada que os juros pagos

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações Julho de 2014 Banif Euro Corporates porquê? Trata-se de um Fundo de obrigações maioritariamente

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS A aresentação dos resultados advém dos factos observados durante a colheita de dados e do tratamento estatístico. O tratamento dos dados é efectuado através

Leia mais

No início da década de 90 o mercado de capitais português apresentava-se num estádio de relativo

No início da década de 90 o mercado de capitais português apresentava-se num estádio de relativo Fernando Teixeira dos Santos Presidente do Conselho Directivo da CMVM Mercado de capitais português um olhar sobre o passado a pensar no século XXI I. Introdução No início da década de 90 o mercado de

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO

RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO RELATÓRIO DE ATIVIDADE DO FUNDO DE INVESTIMENTO MOBILIÁRIO MONTEPIO CAPITAL - Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Acções 30.06.2015 1. Política de Investimentos Tratando-se de um fundo de ações

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 19 de Março de 2015 1 Destaques No ano de, o Resultado líquido atingiu 112,8M, menos 7,0% do que em igual período de (-8,5M ), tendo sido penalizado pela contribuição

Leia mais

Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM

Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM Clientes utilizadores de meios electrónicos Caixadirecta Invest 15 de Outubro de 2010 Aviso nos termos da instrução

Leia mais

SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO

SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição de Obrigações CONTINENTE 7% 2015 23 de Julhode 2012 ENTIDADE OFERENTE OFERTA PÚBLICA DE SUBSCRIÇÃO Obrigações

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Carteiras

Pós-Graduação em Gestão de Carteiras 4. A Decisão de Alocação de Investimentos Ricardo Valente 1 Ricardo Valente 1 PONTOS A ANALISAR Introdução O ciclo de vida do investidor O processo de gestão de activos Conclusões Ricardo Valente 2 Ricardo

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES Sylio Luiz Andreozzi 1 Fláia Aarecida Vieira de Araújo 2 Introdução As uniersidades úblicas brasileiras determinam

Leia mais

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009 INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Reginaldo J. Santos Deartamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais htt://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 última atualização em 10 de abril de

Leia mais

Ramo Vida. João Paulo Tomé Calado

Ramo Vida. João Paulo Tomé Calado A gestão de activos Ramo Vida Objectivos Política de investimentos; Tipos de risco; A gestão dos riscos financeiros dos fundos de pensões; Estratégias de gestão; Definição da performance da carteira; Conceito

Leia mais

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno dos Investimentos Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno Esperados Linha Característica Linha do Mercado de Títulos Linha de Combinação Realidade Brasileira genda Risco e Retorno

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem)

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem) Para melhor aroveitamento das informações roduzidas or diferentes sensores, alguns métodos de rocessamento de imagens têm sido roostos. Estes métodos combinam imagens de diferentes características esectrais

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

Modelagem Conceitual parte II

Modelagem Conceitual parte II Modelagem Conceitual arte II Vitor Valerio de Souza Camos Objetivos Aresentar o conceito de. Mostrar a cardinalidade de. Aresentar os tios de s. Aresentar o conceito de entidade fraca Aresentar o conceito

Leia mais

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Breve Descrição do produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO 2013 MARÇO DE 2014 2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 1. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO... 3 2. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE MERCADO... 4 3. CONCENTRAÇÃO DE RISCO

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

Os principais critérios valorimétricos utilizados na preparação das demonstrações financeiras foram os seguintes:

Os principais critérios valorimétricos utilizados na preparação das demonstrações financeiras foram os seguintes: NOTA INTRODUTÓRIA A Fundação Portugal - África ( Fundação ) é uma pessoa colectiva de direito privado e fins de utilidade pública, regendo-se pelos seus estatutos e, em tudo o que neles é omisso, pela

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Total. Acções / Equities 0 Dívida / Debt 0

Total. Acções / Equities 0 Dívida / Debt 0 Valores / Securities (Qtd) Livro Ordens Order Book Registo Trade Acções / Equities 0 0 0 Dívida / Debt 0 0 0 Derivados & Estruturados / Derivatives & Structured Fundos de Investimento / Investment Funds

Leia mais

Bolsa Buzz. Sumário. Editorial. Actividade TRIMESTRAL FEVEREIRO 2010 O FOLHETO DOS INVESTIDORES INDIVIDUAIS. 1 EDITORIAL Novo Índice Ibérico

Bolsa Buzz. Sumário. Editorial. Actividade TRIMESTRAL FEVEREIRO 2010 O FOLHETO DOS INVESTIDORES INDIVIDUAIS. 1 EDITORIAL Novo Índice Ibérico Bolsa Buzz 08 O FOLHETO DOS INVESTIDORES INDIVIDUAIS TRIMESTRAL FEVEREIRO 2010 O essencial do mercado português Sumário 1 EDITORIAL Novo Índice Ibérico 2 TRADING FOCUS Mercado Europeu de ETFs continua

Leia mais

3. SUPERVISÃO DE RECOMENDAÇÕES DE INVESTIMENTO ENTRE OUTUBRO DE 2011 E SETEMBRO DE 2012

3. SUPERVISÃO DE RECOMENDAÇÕES DE INVESTIMENTO ENTRE OUTUBRO DE 2011 E SETEMBRO DE 2012 3. SUPERVISÃO DE RECOMENDAÇÕES DE INVESTIMENTO ENTRE OUTUBRO DE 2011 E SETEMBRO DE 2012 O enquadramento jurídico 15 em matéria de recomendações não sofreu nenhum aditamento face ao período analisado no

Leia mais

Data: 08-07-2009. Registo Trade Acções / Equities 0 0 0. Livro Ordens Order Book. Valores / Securities (Qtd) Total

Data: 08-07-2009. Registo Trade Acções / Equities 0 0 0. Livro Ordens Order Book. Valores / Securities (Qtd) Total Valores / Securities (Qtd) Livro Ordens Order Book Registo Trade Acções / Equities 0 0 0 Total Dívida / Debt 16000 0 16000 Derivados & Estruturados / Derivatives & Structured Fundos de Investimento / Investment

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

A Volatilidade recente dos Preços das Acções. em Portugal e na Europa

A Volatilidade recente dos Preços das Acções. em Portugal e na Europa A Volatilidade recente dos Preços das Acções em Portugal e na Europa 0 Introdução Os principais mercados accionistas europeus registaram elevados níveis de volatilidade durante 2002, colocando no centro

Leia mais

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português Proposta de Reorganização 3 de Abril de 2003 Política Energética Governamental: uma política para o Futuro A reorganização proposta pelo Governo

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DOS INTERMEDIA RIOS FINANCEIROS NUM MOD:f:LO DE POLíTICA MONETÁRIA

A INTEGRAÇÃO DOS INTERMEDIA RIOS FINANCEIROS NUM MOD:f:LO DE POLíTICA MONETÁRIA A INTEGRAÇÃO DOS INTERMEDIA RIOS FINANCEIROS NUM MOD:f:LO DE POLíTICA MONETÁRIA José de Freitas Uchoa ( ) A - INTRODUÇAO O esfôrço que, há alguns anos, tem sido continuamente desenvolvido no Brasil através

Leia mais

turbo warrants manual /////// www warrants commerzbank com ///////////////////////////////////////////////////////////////////// Warrants Estruturados Turbo warrants Turbo Warrants Acelere os seus investimentos

Leia mais

CLÁUSULAS CONTRATUAIS GERAIS DO CONTRATO DENOMINADO FLEX SINGLE STOCK FUTURES

CLÁUSULAS CONTRATUAIS GERAIS DO CONTRATO DENOMINADO FLEX SINGLE STOCK FUTURES CLÁUSULAS CONTRATUAIS GERAIS DO CONTRATO DENOMINADO FLEX SINGLE STOCK FUTURES Para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 207.º do Código dos Valores Mobiliários, a Euronext Lisbon (abreviadamente designada

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

CAPITULO VI1 O SECTOR SEGURADOR: Ehm~uçÁO E PERSPECTNAS 1. História recente da Actividade Seguradora

CAPITULO VI1 O SECTOR SEGURADOR: Ehm~uçÁO E PERSPECTNAS 1. História recente da Actividade Seguradora CAPITULO I PREPARA~AOEE~ECU~;AOD~~PROGRA~~~ASDE PRIVATIZAÇÕES 1996-1999 1. Introdução 2. Enquadramento Legal e Regulamentar 3. Estadio do Processo em 1995 - Breve Síntese 4. Programa de Privatizações para

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado EUR/USD No Touch Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais