EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS)"

Transcrição

1 EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) João Duque Fevereiro de

2 Exercício 1 Usando a informação que lhe é fornecida pelo quadro abaixo sobre as opções cotadas sobre a empresa Worldfoods responda às seguintes alíneas: OPÇÕES DE COMPRA E DE VENDA SOBRE A WORLDFOODS Preço da acção a 2.54 no dia 1 de Novembro PREÇOS OPÇÕES DE COMPRA OPÇÕES DE VENDA DE DATAS DE EXPIRAÇÃO DATAS DE EXPIRAÇÃO EXERCÍCIO JAN APR JUL JAN APR JUL a) Quais as opções que estão in-the-money? b) Quais as opções de venda out-of-the-money c) Qual o Valor Intrínseco das opções que expiram em Abril? d) Qual o Valor Temporal das opções com preço de exercício 3.00? e) Qual o rácio de moneyness das opções de compra com vencimento em Julho? f) Se a dimensão do contrato for de 100 acções, quanto deverá pagar se quiser comprar um contrato de opções de venda com vencimento em Julho e preço de exercício de 2.80? g) Se em Julho as acções da Worldfoods estiverem cotadas a 3.00 qual o valor da opção de compra com vencimento nessa data e preço de exercício de 2.60? h) Se em Julho as acções da Worldfoods estiverem cotadas a 3.00 qual o valor da opção de venda com vencimento nessa data e preço de exercício de 2.60? i) Se em Julho as acções da Worldfoods estiverem cotadas a 3.15 qual o resultado (lucro / prejuízo) obtido através da compra, hoje, de uma opção de compra com vencimento para essa data e preço de exercício de 2.60? E se as acções estiverem a cotadas a 2.45? 2

3 j) Se em Julho as acções da Worldfoods estiverem cotadas a 3.15 qual o resultado (lucro / prejuízo) obtido através da compra, hoje, de uma opção de venda com vencimento para essa data e preço de exercício de 2.60? E se as acções estiverem a cotadas a 2.45? Exercício 2 Usando a informação do exercício 1, e admitindo que a taxa livre de risco continuamente composta é de 4% mostre se há a possibilidade de criação de carteiras de arbitragem usando os seguintes activos: a) Uma opção de venda com preço de exercício a 2.60 e maturidade em Abril, admitindo que as opções são de estilo europeu; b) Uma opção de venda com preço de exercício a 3.00 e maturidade em Abril, admitindo que as opções são de estilo americano; c) Uma opção de compra com preço de exercício a 2.40 e maturidade em Julho, admitindo que as opções são de estilo europeu; d) Uma opção de compra e outra de venda com maturidade em Janeiro e preços de exercício a 2.80, admitindo que as opções são de estilo europeu; e) Uma opção de compra com preço de exercício a 2.40 e maturidade em Julho admitindo que as opções são de estilo europeu e admitindo ainda que vai pagar dividendos de 0.20 em fins de Março. f) Uma opção de compra e outra de venda com maturidade em Abril e preços de exercício a 2.60, admitindo que as opções são de estilo americano; Exercício 3 Usando a informação do exercício 1, componha as seguintes estratégias e desenhe os gráficos de resultados: 3

4 a) Compra de uma opção de venda e uma opção de compra com preço de exercício de 2.60 e vencimento em Abril. a1) Qual o valor dessa carteira no vencimento se: A1.1) Se as acções estiverem cotadas a 3.20? A1.2) Se as acções estiverem cotadas a 2.60? A1.3) Se as acções estiverem cotadas a a2) Qual o resultado dessa estratégia no vencimento se: A2.1) Se as acções estiverem cotadas a 3.20? A2.2) Se as acções estiverem cotadas a 2.60? A2.3) Se as acções estiverem cotadas a a3) Quais as vantagens e desvantagens que vê nesta estratégia? b) Compra de uma opção de compra com vencimento em Abril e preço de exercício de 2.40 e venda de uma opção de compra com vencimento em Abril e preço de exercício de b1) Qual o valor dessa carteira no vencimento se: b1.1) Se as acções estiverem cotadas a 3.20? b1.2) Se as acções estiverem cotadas a 2.60? b1.3) Se as acções estiverem cotadas a b2) Qual o resultado dessa estratégia no vencimento se: b2.1) Se as acções estiverem cotadas a 3.20? b2.2) Se as acções estiverem cotadas a 2.60? b2.3) Se as acções estiverem cotadas a b3) Quais as vantagens e desvantagens que vê nesta estratégia? Exercício 4 Uma instituição financeira tem na sua carteira de activos várias acções que replicam exactamente a composição do índice europeu Stoxx 50. O índice está neste momento nos 1500 pontos a instituição teme uma descida violenta no índice. A carteira de acções vale hoje 3 milhões de euros. Existe um contrato a futuros sobre este índice com vencimento para Setembro cotado a 1550 e com vencimento para Dezembro cotado a

5 a) Se na data de vencimento dos contratos a futuro o índice estiver nos 1570 pontos qual o preço a futuro que se deve estar a praticar no mercado de futuros? b) Supondo que cada ponto é avaliado em 10 euros qual a posição a tomar em contratos a futuro (vencimento do contrato, posição - compradora ou vendedora - e quantidade de contratos) por forma a que a empresa esteja segura que os resultados do exercício de 2000 não serão afectados por quaisquer variações nos preços a futuro? c) Mostre, usando 2 cenários alternativos (por exemplo que o índice está nos 1400 pontos ou que está nos 1600 pontos) que tomando a sua indicação dada em b), os resultados da variação do índice não teriam quaisquer efeitos sobre os resultados financeiros da empresa. d) Se estiverem cotadas opções de compra e de venda sobre este índice, com vencimento para Dezembro e preço de 1500, estando as opções de compra cotadas a 120 pontos, e as opções de venda a 100 pontos, qual o valor destas opções no vencimento se o índice estiver nos 1600 pontos à data do vencimento? e) Usando as opções referidas na alínea anterior, que posição sugere que a empresa tome por forma a cobrir o risco de uma descida do índice? f) Se o índice estiver nos 1600 pontos em Dezembro (na data de vencimento) e tendo seguindo a estratégia proposta na alínea anterior, quais os resultados financeiros que a empresa obteve nas operações do mercado de capitais (à vista e em derivados)? Exercício 5 Suponha que um gestor de uma carteira de acções composta por activos europeus, deseja cobrir o risco dessa carteira com recurso a futuros ou opções sobre o índice FTSE Stars. O contrato está desenhado por forma a cada ponto do índice ser valorizado a 10, sendo o preço dos futuros e das opções estabelecido em pontos de índice e valorizado do mesmo modo. O preço mínimo de variação é de 1/2 ponto (5 ). O índice está neste momento nos 5500 pontos e existem futuros cotados a 3 5

6 meses, bem como opções com vencimento na mesma data e diversos preços de exercício. Cotações Futuros com vencimento a 3 meses Opções X = pontos Opções X = pontos Opções X = pontos 5570 pontos a) Estando na disposição de arriscar 10% do valor da carteira que é hoje de , qual a posição a tomar em futuros ou opções, estimando um beta de 1,8 para a carteira (calculado tendo por base o índice Stars). Especifique qual a posição, o número de contratos e o preço de exercício, se for caso disso, quer para futuros quer para opções. b) Se no vencimento o índice estiver a 5200 pontos, qual teria sido a melhor solução? (especifique se teria sido tomar posição a futuro ou em que série de opções) c) Suponha que lhe exigem uma margem inicial de Contabilize a evolução da margem ao longo dos 5 dias seguintes supondo a posição tomada em futuros na alínea a). Dias Cotação d) Supondo que o preço a futuro sobre o índice está em equilíbrio e que não é previsto um dividend yield, qual o valor esperado da sua carteira de acções dentro de 3 meses se, no vencimento o preço a futuro estiver nos seus 6000 pontos? Exercício 6 Um gestor de um Fundo composto por uma carteira diversificada que replica sensivelmente o índice PSI20, tem sob a sua administração um património no valor de 6

7 contos. O Índice está neste momento nos pontos, tem uma volatilidade esperada para o próximo semestre de 12%, distribui em média 3% de dividendos e a taxa livre de risco a 6 meses está nos 11%. Cada contrato de opções é estabelecido com base no valor do índice multiplicado por 100$00. No regulamento do Fundo define-se que as aplicações em derivados não podem exceder, avaliadas ao valor nominal dos contratos em que há posições abertas, 30% do valor do mesmo, quer para efeitos de cobertura de riscos quer para efeitos especulativos. O gestor do Fundo espera uma descida de cotações generalizada prevendo que em Dezembro o PSI20 venha a quedar-se pelos pontos. Não é política do Fundo o desinvestimento nos títulos que detém em carteira. Assim parece mais razoável um investimento em opções. As cotações das séries disponíveis em opções com vencimentos para Dezembro de 1995 são as seguintes: Preço de Exercício OPÇÕES DE COMPRA OPÇÕES DE VENDA Que estratégia sugere para o Fundo em causa tendo em vista uma cobertura estática até Dezembro de 1995 e supondo que se vêm a confirmar as expectativas do gestor do Fundo? Defina a posição (compradora/vendedora) a tomar, a série e o número de contratos. 2 - Se pretender efectuar uma cobertura dinâmica, que estratégia aconselha? Defina a posição (compradora/vendedora) a tomar, a série e o número de contratos. Exercício 7 Um fundo de investimento mobiliário detém em carteira 10 milhões de contos de valores mobiliários. Este montante está repartido do seguinte modo: 30% em acções 7

8 e 65% em Obrigações e 5% em numerário e Depósitos à Ordem. Do montante investido em acções 40% são de origem externa. Os restantes 60% constituem uma carteira diversificada com um Beta igual a 1,4. O gestor da carteira está apreensivo sobre a evolução do índice durante o maldito Verão que se aproxima. O índice PSI- 20 está neste momento cotado a 4120 pontos e o preço dos futuros sobre o índice com vencimento para Dezembro de 1996, está cotado a 4400 pontos. 1) Que posição deve o gestor da carteira tomar no mercado de futuros (sinal e quantidade de contratos), se desejar cobrir 50% do valor da carteira de títulos nacionais? 2) Qual a taxa de juro que o mercado está a assumir como taxa livre de risco, se considerar que a taxa de remuneração por via de dividendos (dividend yield) é de 0% até Dezembro? 3) Se o índice de acções PSI20 estiver nos 4000 pontos em Dezembro de 1996, que ganhos/perdas terão sido obtidos no mercado de futuros? De que modo terá sido compensado pelas variações de valor da carteira? 4) Caso o gestor da carteira pretenda alterar a composição da mesma, que estratégia deverá seguir usando futuros sobre índices e Obrigações do Tesouro por forma a obter uma composição de 20% de Obrigações e o remanescente de acções? Exercício 8 Um fundo de investimento mobiliário detém em carteira 10 milhões de contos de valores mobiliários. Este montante está repartido do seguinte modo: 30% em acções da Portugal Telecom, 25% em acções do BCP e 45% em acções da EDP. Os respectivos betas esperados para o próximo ano sâo 1,5, 1,2 e 0,8. O gestor da carteira está apreensivo sobre a evolução do índice durante o Outono que se aproxima. O índice PSI-20 está neste momento cotado a 7800 pontos e estão cotadas opções europeias sobre o índice com vencimento dentro de 5 meses (para finais de Dezembro de 1997). As séries de opções disponíveis são: 8

9 Opções de Compra Prémio Opções de Venda Prémio X = X = X = X = X = X = Assuma que a taxa de remuneração por via de dividendos (dividend yield) é de 0% até Dezembro 1) Suponha que a taxa livre de risco se situa nos 7% ao ano e que a volatilidade esperada para o índice PSI20 para o período decorrente até Dezembro de 96 é de 20%. Que posição deve o gestor da carteira tomar no mercado de opções (sinal e quantidade de contratos), se desejar cobrir 100% do valor da carteira de títulos nacionais de modo dinâmico? 2) Se no dia seguinte o índice se mover para os 7810 pontos qual o valor global da carteira? 3) Se o índice de acções PSI20 estiver nos 8100 pontos em Dezembro de 1996, que ganhos/perdas terão sido obtidos no mercado de opções e na carteira de acções se tivesse comprado opções de venda com preço de exercício X=7800? 4) Qual teria sido a melhor estratégia estática a usar se em Dezembro de 96 o índice se fixar em 7500 pontos? Exercício 9 Suponha que vai lançar um produto estruturado que está desenvolvido sobre o índice PSI20. O produto só permite o resgate no vencimento (dentro de 6 meses), o detentor dest produto (opção) recebe a diferença (contada em pontos de índice e convertida no mesmo número de euros), acima do preço de exercício (7.500 pontos) até ao limite de 8500 pontos. Isto é, se o índice estiver cotado a pontos o titular desta opção só recebe euros. A taxa de juro sem risco é de 6% ao ano e não se espera que as empresas constituintes do índice distribuam dividendos até ao vencimento. A volatilidade histórica dos últimos 6 meses foi de 25% ao ano, e o índice está neste 9

10 momento nos pontos. Assuma um ambiente semelhante e compatível com a equação de Black - Scholes. a) Usando uma árvore binomial em que as variações temporais para avaliação correspondem a 2 meses (árvore com 3 desdobramentos e 4 nódulos finais) qual o valor da opção? b) Qual o delta da opção? c) Qual o Theta da opção? d) Se a opção fosse americana o valor seria diferente? (Se acha que sim, basta exemplificar com um nódulo) e) Se uma instituição financeira emitir um produto semelhante, mas com as bandas mais afastadas (por exemplo preço de exercício inferior de pontos e preço de exercício superior de pontos) qual das duas opções deverá ser mais cara? Justifique. Exercício 10 Suponha que a prata é transacionada nos mercados mundiais e que, num determinado momento o preço spot é de 5.90 USD/oz de prata e que o futuro sobre a prata com vencimento a um ano está cotado a USD/oz de prata (compra - venda). a) Que tipo de agente poderá estar interessado em comprar contratos a futuro sobre a prata? b) Se a taxa de juro sem risco estiver a 5% ao ano, haverá oportunidades de arbitragem (asuma que a convenience yield é nula)? Em caso afirmativo, explique qual a estratégia a montar para e qual o benefício líquido por cada onça a negociar. 10

11 Exercício 11 Suponha que um contrato forward sobre um activo financeiro se vence a um ano e estabelece um preço forward de A taxa de juro sem risco é de 8%. Seis meses depois, novos contratos forward sobre o mesmo activo e com vencimentos a 6 meses estão a ser negociados ao preço de Qual é o valor do contrato forward original, no momento inicial e passado os 6 meses? Exercício 12 Um gestor gere uma carteira de acções no valor de 20 milhões de euros, tendo por base uma aproximação ao índice Stoxx 50. Este gestor acredita que o mercado vai descer durante o próximo mês e decide eliminar o risco durante esse período. Existe a seguinte informação disponível: Contrato Futuros de Stoxx 50 para entrega a 1 mês estão cotados a Dividendo yield da carteira em causa é de 2.1% ao ano. O beta da carteira é de 1,75. O índice Stoxx 50 hoje está hoje a Cada ponto do índice vale 10,00. a) Qual a estratégia de cobertura a realizar pelo gestor? b) Calcule a rendibilidade esperada a receber no próximo mês. Se necessário, assuma alguns pressupostos. Exercício 13 Suponha que se encontram cotadas opções europeias de compra e de venda sobre a Portugal Telecom com preço de exercício de e maturidade dentro de 6 meses. 11

12 Suponha que a taxa de juro sem risco é de 8% ao ano e que a volatilidade é de 20%. As acções da PT estão hoje cotadas a a) Usando a equação de Black - Scholes determine o preço teórico de uma opção de compra europeia e de uma opção de venda europeia sobre a PT com as carcaterísticas acima descritas. b) Se prevê que as acções PT vão pagar um dividendo de 0,5 dentro de 3 meses, qual o valor teórico de uma opção de compra europeia sobre a PT? c) Se possuir uma carteira de acções da PT e se estiver ligeiramente pessimista, prevendo apenas uma queda de 1 nos próximos 9 meses, qual a estratégia estática que propõe para combinar com as acções para maximizar a rendibilidade da sua carteira? d) Qual o delta da opção de compra europeia avaliada na alínea a)? e) Se as opções de compra avaliadas na alínea a) estiverem cotadas no mercado a 0,5 o que sugere que se faça esquecendo agora que tem uma carteira de acções e que pretende apenas retirar vantagens do mercado de opções? Exercício 14 Suponha que está interessado em avaliar uma opção exótica europeia sobre o índice PSI20. No vencimento (dentro de 6 meses), o detentor desta opção recebe a diferença (contada em pontos de índice e convertida no mesmo número de euros), acima do preço de exercício (7.500 pontos) até ao limite de 8500 pontos. Isto é, se o índice estiver cotado a pontos o titular desta opção só recebe euros. A taxa de juro sem risco é de 6% ao ano e não se espera que as empresas constituintes do índice distribuam dividendos até ao vencimento. A volatilidade histórica dos últimos 6 meses foi de 25% ao ano, e o índice está neste momento nos pontos. Assuma um ambiente semelhante e compatível com a equação de Black - Scholes. a) Usando uma árvore binomial em que as variações temporais para avaliação correspondem a 2 meses (árvore com 3 desdobramentos e 4 nódulos finais) qual o valor da opção? b) Qual o delta da opção? 12

13 c) Qual o Theta da opção? d) Se a opção fosse americana o valor seria diferente? (Se acha que sim, basta exemplificar com um nódulo) e) Se uma instituição financeira emitir um produto semelhante, mas com as bandas mais afastadas (por exemplo preço de exercício inferior de pontos e preço de exercício superior de pontos) qual das duas opções deverá ser mais cara? Justifique. Exercício 15 A administração de uma empresa refinadora de petróleo enviou uma nota interna ao director financeiro, no sentido de estabelecer os procedimentos e rotinas apropriados à cobertura do risco. O director financeiro ficou inicialmente indeciso sobre que atitude tomar pois não estava especificado qual a natureza dos riscos a cobrir. a) Tratando-se do risco operacional, quais as medidas que em seu entender devem ser tomadas para cumprir os desejos da administração? b) E tratando-se do risco de preço, sabendo-se que a empresa refina anualmente 1000 milhões de barris, cuja aquisição é feita trimestralmente em encomendas semelhantes, se a empresa estiver disposta a cobrir apenas 60% dessa quantidade, qual a política a seguir através de contratos a futuro? (explicite a quantidade de contratos, posição a tomar no mercado e respectivos vencimentos de acordo com os pressupostos que deve assumir no sentido de completar o problema) c) Se o preço a futuro na data de hoje, para um contrato com vencimento em Dezembro, estiver a $US o barril, e se o preço spot for de $US17.80, qual o movimento na conta margem da empresa que adoptou a política proposta na alínea anterior ao longo de um período de 5 dias, se as liquidações de ganhos e perdas forem feitas diariamente? Data Preço de liquidação diário Posições abertas t t t t t t

14 d) Pode considerar-se que a empresa apurou um ganho ou uma perda? e) Se a taxa de juro sem risco for de 5% ao ano, determine se existem oportunidades de arbitragem no mercado do petróleo para os preços de hoje (condições da alínea c), e explique que procedimentos tomar para daí tirar as devidas vantagens. Exercício 16 Uma determinada empresa tem sob sua gestão uma carteira de acções diversificada. O risco sistemático dessa carteira de acções é 1,5 e o gestor dessa carteira está expectante sobre uma possibilidade de descida de cotações. O índice PSI20 está hoje cotado a pontos e a taxa de juro sem risco está nos 4% ao ano. O valor da carteira de acções, avaliada às cotações de hoje é de 10 milhões de euros. Não se espera que de hoje até Dezembro as empresas constituintes do índice venham a distribuir dividendos. Se estiverem cotados contratos com vencimento para Setembro e Dezembro e se a empresa quer minimizar o risco de preço para uma data próxima do final do mês de Outubro (após as eleições legislativas) a) Que sugere à empresa como actuação mais adequada? (Explicite posição a tomar, número de contratos e contrato a seleccionar em concreto, assumindo que a correlação entre a rendibilidade do índice e a do preço a futuro é de 0.85 e que a volatilidade de ambos estes preços é de 20%) b) Se lhe sugerissem que cotasse o contrato com vencimento para Setembro, estando neste momento muito pessimista sobre a evolução das cotações nos próximos meses, qual o preço a futuro que proporia? c) Se no vencimento o índice estiver a pontos quanto é esperado que se tenha valorizado/desvalorizado a sua carteira e quanto ganhou/perdeu no mercado a futuro? d) Em que medida o preço à vista e a futuro observados hoje, lhe sugerem a existência de uma convenience yield? 14

15 Exercício 17 Suponha as condições propostas para o problema II incluindo as da alínea a). Tratando-se agora de opções sobre futuros sobre o índice PSI20, a) Qual o preço teórico para uma opção de compra sobre o índice com vencimento dentro de 6 meses e preço de exercício de pontos? Assuma que o dividend yield é nulo para o prazo até ao vencimento que ocorrerá dentro de 3 meses. b) Se desejar cobrir o risco de preço com o recurso a opções, o que sugere que se faça perante a hipótese de tomar posições em opções (indique contrato, número de contratos e posição a tomar seleccionando a partir das seguintes opções) Vencimento Preço de Exercício Opções de Compra Opções de Venda Outubro 99 X= Outubro 99 X= Outubro 99 X= c) Se no vencimento o PSI20 estiver nos 9.500, qual o resultado da estratégia enunciada na alínea anterior quer no mercado de derivados, quer na carteira em que tem posição? d) Comente a seguinte afirmação em não mais que 10 linhas: O recurso a opções para cobrir o risco de preço não tem qualquer utilidade, uma vez que o risco medido através do desvio padrão das rendibilidades não é eliminado integralmente. Com futuros o resultado é superior até porque no encerramento da posição, a remuneração é equivalente à taxa sem risco Exercício 18 a) Usando o modelo binomial, avalie uma das opções de venda do exercício anterior assumindo que o intervalo de tempo entre cada alteração de preço é apenas de 1 mês. b) Como explica a existência de diferentes volatilidades implícitas em opções sobre o mesmo activo subjacente e com a mesma data de vencimento? 15

MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS COLECTÂNEA DE EXERCÍCIOS

MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS COLECTÂNEA DE EXERCÍCIOS MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS COLECTÂNEA DE EXERCÍCIOS (ACÇÕES, OBRIGAÇÕES, GESTÃO DE CARTEIRAS, OPÇÕES, FORWARDS e FUTUROS, SWAPS, PRODUTOS ESTRUTURADOS, VaR e TCE, AVALIAÇÃO DA PERFORMANCE, ÉTICA

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Tópicos Avançados sobre Opções -III Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner 1 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS MODELO BLACK-SCHOLES

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Introdução aos Produtos Derivados Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS Introdução às Opções

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

/ Warrants: uma definição /

/ Warrants: uma definição / Warrants www.warrants.commerzbank.com Warrants: uma definição Os warrants são valores mobiliários associados a activos como acções, índices ou taxas de câmbio que amplificam os movimentos DE preço dos

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Futuros

Conceitos básicos de negociação em Futuros Conceitos básicos de negociação em Futuros N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar

Leia mais

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO 1 ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO Regulamento n.º [ ] / 2014 Preâmbulo Inserido no contexto da reforma legislativa em curso no Direito dos valores mobiliários cabo-verdiano, o presente regulamento

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo)

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 118/96 ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Tendo presente as alterações introduzidas no Código do Mercado de Valores

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants Academia de Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Motivos para investir em Warrants 4. O Emitente 5. Como

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants Academia de Warrants 3. Turbo Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Turbo Warrants 4. Como negociar - Direct Trade 1/281 Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3.

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI Contrato de Seguro Ligado a Fundos de Investimento Produto Financeiro Complexo - Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Período de Comercialização 26-10-2010

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS MBA 2006/2007 (1º Bloco) Caderno de Exercícios José Azevedo Pereira I O Conceito de VAL Exercício 1 Na figura seguinte, o

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos. N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling

Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos. N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling Produto Financeiro Complexo Um investimento responsável exige que conheça as

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

Módulo 3. Arbitragem e Valorização de Contratos de Futuros.

Módulo 3. Arbitragem e Valorização de Contratos de Futuros. Módulo 3 Arbitragem e Valorização de Contratos de Futuros. Arbitragem - Definição V(0)=0 e V(t,ω)>0, para todos ω Investimento Inicial = 0 e Ganho > 0 Certo! Preço a Futuro - Definição Preço a Futuro de

Leia mais

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social.

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social. Esclarecimento 1. O Grupo INVESTIFINO contratou junto da CGD, no período de 2005 a 2007, diversos financiamentos que globalmente atingiram um valor elevado. 2. Os referidos financiamentos destinaram-se

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Best Trading Pro. 23 Abril 2013

Best Trading Pro. 23 Abril 2013 Best Trading Pro 23 Abril 2013 Copyright 2013 Banco Best BEST Trading Pro Uma verdadeira sala de mercados numa única plataforma Plataforma BTP: toda a oferta à sua medida Negociação on-line de 17.000 activos

Leia mais

Produtos e Mercados de Dívida

Produtos e Mercados de Dívida Produtos e Mercados de Dívida Raquel M. Gaspar Sérgio F. Silva 1 Parte II Derivados de Taxas de Juro 2 Raquel M. Gaspar/ Sérgio F. Silva PARTE II Derivados de Taxas de Juro 1. Swaps, Fras s e Futuros sobre

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA DELIBERAÇÃO Nº 550, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008: Dispõe sobre a apresentação de informações sobre instrumentos financeiros derivativos em nota explicativa

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS

INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS Fundos de Investimento Alternativo Os investimentos alternativos proporcionam uma fonte alternativa de rendimentosaos investimentos tradicionais, tais

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Gestão Financeira de curto prazo Ano letivo 2015/2016 1 1 - A Gestão Financeira de Curto

Leia mais

turbo warrants manual /////// www warrants commerzbank com ///////////////////////////////////////////////////////////////////// Warrants Estruturados Turbo warrants Turbo Warrants Acelere os seus investimentos

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

15. CONTRATOS A TERMO (FORWARD)

15. CONTRATOS A TERMO (FORWARD) 18 15. CONTRATOS A TERMO (FORWARD) Por um contrato a termo ou forward, um vendedor e um comprador fixam hoje o preço de certo ativo que deverá ser liquidado em um prazo determinado ou data de exercício.

Leia mais

Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados

Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Módulo 2 Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Mercados organizados e de balcão Bolsas de Derivados Principais Características Padronização

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Forex

Conceitos básicos de negociação em Forex Conceitos básicos de negociação em Forex A GoBulling é uma marca do Banco Carregosa. EM 2012 O BANCO CARREGOSA É ELEITO O MELHOR EM BANCA PRIVADA EM PORTUGAL www.facebook.com/gobulling Produtos Financeiros

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção;

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção; 1 / 7 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1.1 O mercado de opções compreende as operações relativas à negociação de direitos outorgados aos titulares

Leia mais

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference CFDs sobre acções CFDs sobre Índices CFD s Contracts for Difference Introdução Caracteristicas O que são? 1 Vantagens 1 Alavancagem Flexibilidade Outras vantagens 2 Exposição mínima Inexistência de Liquidação

Leia mais

Aviso n. o 006/2014-AMCM

Aviso n. o 006/2014-AMCM Aviso n. o 006/2014-AMCM ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DERIVADOS NOS FUNDOS DE PENSÕES De acordo com o disposto no n. o 6 do aviso n. o 006/2013-AMCM, de 10 de Janeiro, os instrumentos derivados, tais

Leia mais

ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS

ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS Exame 1ª Época 12.07.04 ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS Duração: 3 horas CASO 1 (3x1.0= 3 valores) Responda (sucinta e objectivamente) a somente três das quatro questões seguintes: a)

Leia mais

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber?

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber? Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização Retalho Entidade

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

Mercado Ca C mbia i l - Fo F re r x

Mercado Ca C mbia i l - Fo F re r x Mercado Cambial - Forex AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as principais características dos produtos derivados aqui apresentados, não

Leia mais

dívida das empresas Dividendos são mais atractivos que H ^^" "^ T á2o anos que a

dívida das empresas Dividendos são mais atractivos que H ^^ ^ T á2o anos que a Dividendos são mais atractivos que dívida das empresas Algumas das maiores empresas do PSI 2O, como a Portugal Telecom e a EDP, têm uma taxa de rentabilidade dos dividendos mais elevada que os juros pagos

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 8/2005 Considerando a Directiva nº 98/31/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Junho, que alterou a Directiva nº 93/6/CE, de 15 de Março, relativa à adequação

Leia mais

Academia de Warrants. 2. Warrants (Plain Vanilla)

Academia de Warrants. 2. Warrants (Plain Vanilla) Academia de Warrants 2. Warrants (Plain Vanilla) 1. Warrants (Plain Vanilla) Sumário Executivo 1. Definição 2. Motivos para investir em Warrants 3. Valorização de Warrants 4. Estratégias 1 1. Warrants

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Objetivo 1 O objetivo desta Norma é estabelecer princípios para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Maio de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados - Contratos de Futuros

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados - Contratos de Futuros Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados - Contratos de Futuros Objectivo João Cantiga Esteves Senior Partner Estratégias de Hedging Futuros sobre Divisas Considerações sobre Índices Futuros sobre Índices

Leia mais

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações Julho de 2014 Banif Euro Corporates porquê? Trata-se de um Fundo de obrigações maioritariamente

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 475, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 475, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a apresentação de informações sobre instrumentos financeiros, em nota explicativa específica, e sobre a divulgação do quadro demonstrativo de análise de sensibilidade. Revoga a Instrução CVM

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Conceitos básicos de negociação em Forex N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1)

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Março de 2011 Designação: Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1). Classificação: Caracterização do Produto: Garantia de Capital: Garantia

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros Bê-á-Bá da poupança Há um vasto leque de escolhas para quem quer poupar, mas a análise da PROTESTE INVESTE mostra-lhe que nem todas são boas opções. No Dia Mundial da Poupança, saiba quais as alternativas.

Leia mais

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE PROSPECTO SIMPLIFICADO ICAE INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (NÃO NORMALIZADO) Os elementos constantes deste Prospecto Simplificado reportam-se a 30 de Abril de 2009

Leia mais

Academia de Warrants. 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais

Academia de Warrants. 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais Academia de Warrants 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais Sumário Executivo 1. Turbo Warrants - Parte 2 2. Inline Warrants 3. Como investir 1/281 Sumário Executivo 1. Turbo Warrants - Parte

Leia mais

sobre Instrumentos Financeiros

sobre Instrumentos Financeiros A Informação que deve ser Prestada pelos Intermediários Financeiros sobre Instrumentos Financeiros CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 A Informação que deve ser prestada pelos

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 1.1 - Introdução ao Mercado de Swaps O que são Swaps? Exemplos Swaps & Forwards Intervenientes e Organização do Mercado de Swaps 1.2 - Swaps de Taxa

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA

Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de risco Depósito Indexado Geo Diversificado

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros?

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros? Introdução O que são Futuros? São instrumentos financeiros derivados, negociados em bolsa, que obrigam ao seu comprador/vendedor comprar/vender uma determinada quantidade de um activo numa determinada

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

Investimentos e Mercados Financeiros

Investimentos e Mercados Financeiros MESTRADO EM CONTABILIDADE, FISCALIDADE E FINANÇAS EMPRESARIAIS 1º SEMESTRE 2007/2008 Investimentos e Mercados Financeiros Caderno de Exercícios nº3 Escolha da Carteira Óptima Raquel M. Gaspar 1 Teoria

Leia mais

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 Dezembro de 1997 Índice 1. Introdução do Euro 2. Preparação e Apresentação das Demonstrações Financeiras 3. Definições

Leia mais

Forex. 2013, Março. O Mercado Cambial

Forex. 2013, Março. O Mercado Cambial Forex 2013, Março O Mercado Cambial AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as principais características dos produtos derivados aqui apresentados,

Leia mais

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates Academia de Warrants 6. Factor Certificates Factor Certificates - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Exemplos 4. Mecanismo de protecção 5. Como negociar Academia de Warrants 6. Factor Certificates

Leia mais