Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação"

Transcrição

1 Introdução aos Produtos Derivados Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner

2 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS Introdução às Opções Carcterísticas Tipos Posições com Opções Estratégias - Base Princípios de Avaliação 2

3 OPÇÕES FINANCEIRAS Contratos de Opções Características e Tipos de Opções Estratégias com Opções Determinantes do Prémio das Opções Modelos de Avaliação - Apresentação 3

4 Evolução Histórica Holanda - Sec. XVII Tulipas Londres - Séc XVIII Acções de Empresa EUA - Início Séc XIX Acções de Empresa Criado a CBOE - Chicago Board of Options Exchange 16 Acções de Empresa - padronizadas 4

5 Evolução Histórica Os contratos de opções padronizados e regulamentados começam: em 1973, no CBOE gestão de riscos contratos de opções que incidem sobre diversos activos subjacentes activos subjacente - divisas internacionais, acções, índices, títulos de dívida, mercadorias, etc mercados por todo o mundo 5

6 Evolução Histórica década de 80 - verdadeiro desenvolvimento dos mercados nascem diversos tipos de contratos ferramentas estratégicas para cobertura de riscos instrumento adicional de investimento em Portugal - 20 de Junho de 1996, iniciou-se na BDP, a negociação de produtos derivados, inicialmente futuros Opções sobre o índice PSI-20: 1999 Opções sobre PT: 1999 Opções sobre EDP: 2000 Opções sobre PTM: 2001 Opções sobre SONAE: 2001 Opções sobre TELECEL:

7 DEFINIÇÃO contrato de opções: conferem um direito, mas não obrigação, de comprar ou vender uma quantidade específica de um determinado activo, por um preço pré-definido, durante ou até um período estabelecido 7

8 DEFINIÇÃO conferem um direito mas não obrigação comprar ou vender quantidade específica determinado activo preço pré-definido durante ou até um período estabelecido 8

9 CLASSES DE OPÇÕES OPÇÃO DE COMPRA (CALL) - direito de comprar OPÇÃO DE VENDA (PUT) - direito de vender 9

10 CLASSES DE OPÇÕES OPÇÃO DE COMPRA (CALL) - confere o direito, mas não obrigação, de comprar uma quantidade específica de um determinado activo, por um preço pré-definido, durante ou até um período estabelecido OPÇÃO DE VENDA (PUT) - confere o direito, mas não obrigação, de vender uma quantidade específica de um determinado activo, por um preço pré-definido, durante ou até um período estabelecido 10

11 EXEMPLO: PT Maio 10 CALL =

12 EXEMPLO: PT Maio 10 CALL = 1.5 confere o direito mas não obrigação de comprar quantidade específica acções determinado activo - Acções da PT preço pré-definido - 10 durante ou até um período estabelecido - Maio CUSTO DESTE DIREITO = PRÉMIO 12

13 EXEMPLO: TELECEL Junho 13 PUT = 3.5 conferem o direito mas não obrigação de vender quantidade específica acções determinado activo - Acções da TELECEL preço pré-definido - 13 durante ou até um período estabelecido - Junho CUSTO DESTE DIREITO = PRÉMIO 13

14 FORMAS DE ESTAR NO MERCADO COMPRADOR VENDEDOR OPÇÃO DE COMPRA Adquire direito de comprar Assume obrigação de vender OPÇÃO DE VENDA Adquire direito de vender Assume obrigação de comprar 14

15 TERMINOLOGIA activo subjacente preço de exercício (strike) vencimento prémio da opção 15

16 TERMINOLOGIA activo subjacente - o que será transaccionado preço de exercício (strike) - o preço a que se vai comprar ou vender o activo vencimento - data limite para exercício do direito prémio da opção - custo deste direito 16

17 ESTILOS DE OPÇÕES OPÇÃO AMERICANA - o exercício pode ser efectuado em qualquer data até ao vencimento OPÇÃO EUROPEIA - o exercício pode ser efectuado apenas na data de vencimento 17

18 PADRONIZAÇÃO quantidade qualidade preços de exercício vencimento estilo da opção condições de entrega variações mínimas do prémio 18

19 TIPOS DE MERCADOS Mercados OTC (balcão) personalização adequação às necessidades Mercados Organizados (bolsa) padronizados transparência liquidez 19

20 COTAÇÕES OPÇÕES DE COMPRA E DE VENDA SOBRE A MODELO/CONTINENTE Preço da acção a 254c no dia 1 de Novembro PREÇOS OPÇÕES DE COMPRA OPÇÕES DE VENDA DE DATAS DE EXPIRAÇÃO DATAS DE EXPIRAÇÃO EXERCÍCIO JAN APR JUL JAN APR JUL

21 CONCEITOS VALOR INTRÍNSECO OPÇÕES de COMPRA (CALL) Preço spot do activo - Preço de Exercício OPÇÕES de VENDA (PUT) Preço de Exercício - Preço spot do activo 21

22 CONCEITOS VALOR INTRÍNSECO SE NEGATIVO, o VI = ZERO 22

23 CLASSIFICAÇÃO OPÇÕES In-the-money VI > 0 At-the-money VI = 0 Out-of-the-money VI < 0 23

24 CONCEITOS VALOR TEMPORAL PRÉMIO - VALOR INTRÍNSECO 24

25 COTAÇÕES OPÇÕES DE COMPRA E DE VENDA SOBRE A MODELO/CONTINENTE Preço da acção a 254c no dia 1 de Novembro PREÇOS OPÇÕES DE COMPRA OPÇÕES DE VENDA DE DATAS DE EXPIRAÇÃO DATAS DE EXPIRAÇÃO EXERCÍCIO JAN APR JUL JAN APR JUL

26 VALOR INTRÍNSECO VI Call 240? VI = = 14 VI Call 280? VI = = -26 VI = 0 VI Put 240? VI = = -14 VI = 0 VI Put 300? VI = = 46 26

27 VALOR TEMPORAL Valor Temporal Call 240 Abril? VT = = 11 Valor Temporal Call 280 Julho? VT = 23-0 = 23 Valor Temporal Put 240 Jan? VT = 6-0 = 6 Valor Temporal Put 300 Abril? VT = = 3 27

28 ESTRATÉGIAS Comprar a 1 de Novembro 1 OPÇÃO CALL MODELO/CONTINENTE VENCIMENTO: Abril PREÇO DE EXERCÍCIO = 260 PRÉMIO = 23 28

29 ESTRATÉGIAS 1 de Novembro Paga o Prémio à cabeça Aguarda pelo vencimento Decisão: Exerce ou Não a Opção? Resultado da Estratégia 29

30 ESTRATÉGIAS 1 de Novembro Paga o Prémio à cabeça = 23 c Aguarda pelo vencimento = Abril 30

31 ESTRATÉGIAS Abril Decisão: Exerce ou Não a Opção? Se Acções ModeloContinente = 290 Exerce ou não? SIM. Resultado da Estratégia: Compra por 260 algo que vale 290 e ganha 30, mas pagou o prémio inicial de 23. Saldo de

32 ESTRATÉGIAS Abril Decisão: Exerce ou Não a Opção? Se Acções ModeloContinente = 255 Exerce ou não? NÃO Resultado da Estratégia: perdeu o prémio inicial de 23. Saldo de

33 ESTRATÉGIAS Compra de Opção de Compra Resultado S 33

34 ESTRATÉGIAS Vender a 1 de Novembro 1 OPÇÃO CALL MODELO/CONTINENTE VENCIMENTO: Abril PREÇO DE EXERCÍCIO = 260 PRÉMIO = 23 34

35 ESTRATÉGIAS 1 de Novembro Recebe o Prémio à cabeça Aguarda pelo vencimento Decisão: : É ou não exercida a Opção? Resultado da Estratégia 35

36 ESTRATÉGIAS 1 de Novembro Recebe o Prémio à cabeça = 23 c Aguarda pelo vencimento = Abril 36

37 ESTRATÉGIAS Abril Decisão: : É ou não exercida a Opção? Se Acções ModeloContinente = 290 É Exercida ou não? SIM. Resultado da Estratégia: : É obrigado a vender por 260 algo que vale 290 e perde 30, mas recebeu o prémio inicial de 23. Saldo de

38 ESTRATÉGIAS Abril Decisão: : É ou não exercida a Opção? Se Acções ModeloContinente = 255 É Exercida ou não? NÃO Resultado da Estratégia: ganhou inicial de 23. Saldo de o prémio 38

39 ESTRATÉGIAS Venda de Opção de Compra Resultado S 39

40 ESTRATÉGIAS Comprar a 1 de Novembro 1 OPÇÃO PUT MODELO/CONTINENTE VENCIMENTO: Abril PREÇO DE EXERCÍCIO = 260 PRÉMIO = 18 40

41 ESTRATÉGIAS 1 de Novembro Paga o Prémio à cabeça Aguarda pelo vencimento Decisão: Exerce ou Não a Opção? Resultado da Estratégia 41

42 ESTRATÉGIAS 1 de Novembro Paga o Prémio à cabeça = 18c Aguarda pelo vencimento = Abril 42

43 ESTRATÉGIAS Abril Decisão: Exerce ou Não a Opção? Se Acções ModeloContinente = 240 Exerce ou não? SIM. Resultado da Estratégia: Vende por 260 algo que vale 240 e ganha 20, mas pagou o prémio inicial de 18. Saldo de

44 ESTRATÉGIAS Abril Decisão: Exerce ou Não a Opção? Se Acções ModeloContinente = 270 Exerce ou não? NÃO Resultado da Estratégia: perdeu inicial de 18. Saldo de o prémio 44

45 ESTRATÉGIAS Compra de Opção de Venda Resultado S 45

46 ESTRATÉGIAS Vender a 1 de Novembro 1 OPÇÃO PUT MODELO/CONTINENTE VENCIMENTO: Abril PREÇO DE EXERCÍCIO = 260 PRÉMIO = 18 46

47 ESTRATÉGIAS 1 de Novembro Recebe o Prémio à cabeça Aguarda pelo vencimento Decisão: : É ou não exercida a Opção? Resultado da Estratégia 47

48 ESTRATÉGIAS 1 de Novembro Recebe o Prémio à cabeça = 18 c Aguarda pelo vencimento = Abril 48

49 ESTRATÉGIAS Abril Decisão: : É ou não exercida a Opção? Se Acções ModeloContinente = 240 É Exercida ou não? SIM. Resultado da Estratégia: : É obrigado a comprar por 260 algo que vale 240 e perde 20, mas recebeu o prémio inicial de 18. Saldo de

50 ESTRATÉGIAS Abril Decisão: : É ou não exercida a Opção? Se Acções ModeloContinente = 275 É Exercida ou não? NÃO Resultado da Estratégia: ganhou inicial de 18. Saldo de o prémio 50

51 ESTRATÉGIAS Venda de Opção de Venda Resultado S 51

52 LONG STRADDLE ESTRATÉGIAS Comprar a 1 de Novembro 1 OPÇÃO CALL 1 OPÇÃO PUT MODELO/CONTINENTE VENCIMENTO: Abril PREÇO DE EXERCÍCIO =

53 ESTRATÉGIAS Long Straddle Re sultado S 53

54 ESTRATÉGIAS SHORT STRADDLE Vender a 1 de Novembro 1 OPÇÃO CALL 1 OPÇÃO PUT MODELO/CONTINENTE VENCIMENTO: Abril PREÇO DE EXERCÍCIO =

55 ESTRATÉGIAS Short Straddle Resultado S 55

56 ESTRATÉGIAS BULL CALL SPREAD Comprar 1 OPÇÃO CALL Abril 240 Vender 1 OPÇÃO CALL Abril

57 ESTRATÉGIAS Bull Call Spread 100 Resultado S 57

58 ESTRATÉGIAS BEAR CALL SPREAD Comprar 1 OPÇÃO CALL Abril 260 Vender 1 OPÇÃO CALL Abril

59 ESTRATÉGIAS Bear Call Spread Re sultad S 59

60 ESTRATÉGIAS COMPRAR UM BUTTERFLY Comprar 1 OPÇÃO CALL 240 ABRIL 1 OPÇÃO CALL 280 ABRIL Vender 2 OPÇÕES CALL 260 Abril 60

61 ESTRATÉGIAS Buy Butterfly 20 Res ultad S 61

62 ESTRATÉGIAS VENDER UM BUTTERFLY Vender 1 OPÇÃO CALL 240 ABRIL 1 OPÇÃO CALL 280 ABRIL Comprar 2 OPÇÕES CALL 260 Abril 62

63 ESTRATÉGIAS Sell Butterfly 20 Re sultado S 63

64 ESTRATÉGIAS LONG STRANGLE Comprar 1 OPÇÃO CALL 240 ABRIL Comprar 1 OPÇÃO PUT 260 Abril 64

65 ESTRATÉGIAS Long Strangle Resultado S 65

66 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS Perfis de Resultados das Posições Base em Opções Factores que influenciam o prémio das Opções Limites-Fronteira para os prémios das Opções Paridade Put-Call Considerações sobre o Exercício antecipado das Opções Americanas 66

67 DETERMINANTES DO PRÉMIO Preço do Activo Subjacente Preço do Exercício Vencimento Volatilidade Taxa de Juro (sem risco) Dividendos 67

68 DETERMINANTES DO PRÉMIO VARIÁVEIS CALL PUT Preço Activo Subjacente Preço Exercício Prazo Volatilidade Taxa de Juro Dividendos 68

69 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites CALL Limite Máximo = Preço do Activo Limite Mínimo = S - X e -rt 69

70 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites CALL Limite Mínimo = S - X e -rt Exemplo: S = 20 X = 18 r = 10% T = 1 ano 70

71 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites CALL Limite Mínimo = e -0.1x1 = 3.71 Se c = 3.00? Arbitragem Compra call e vende short o activo Encaixe = 20-3 = 17 Aplica a 1 ano = 17e -0.1x1 =

72 CALL OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites Final de 1 ano - Expira a Opção Se S > 18 - Exerce e compra activo por 18 Lucro = = 0.79 Se S < 18 - Não exerce. Por exemplo = 17 Lucro = = 1.79 CONCLUSÃO Prémio > =

73 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites PUT Limite Máximo = Preço de Exercício Limite Mínimo = X e -rt -S 73

74 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites PUT Limite Mínimo = X e -rt -S Exemplo: S = 37 X = 40 r = 5% T = 1 semestre 74

75 PUT OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites Limite Mínimo = 40 e -0.05x = Se p = 1.00? = 2.01 Arbitragem Pede empréstimo de 38 (38 e -0.05x0.5 )= Compra put = 1 Compra activo = 37 75

76 PUT OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites Final de 6 meses - Expira a Opção Se S < 40 - Exerce e vende por 40 e paga empréstimo Lucro = = 1.04 Se S > 40 - Não exerce. Vende activo. Por exemplo = 42 Lucro = = 3.04 CONCLUSÃO Prémio > =

77 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites de não-arbitragem CALL Menor o Preço de Exercício, Maior o Prémio Call A 6m X= 100 c= 20 Call B 6m X= 95 c= 15 Vender Call A CashFlow= +20 Comprar Call B CashFlow= -15 Saldo CF = +5 77

78 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites de não-arbitragem CALL Menor o Preço de Exercício, Maior o Prémio Call A 6m X= 100 c= 20 Call B 6m X= 95 c= 15 Se S = 95 Nenhuma exercida Lucro=5 Se S < 95 Nenhuma exercida Lucro=5 Se S > 100 Ambas exercidas Lucro=5+5=10 ARBITRAGEM-Lucro certo 78

79 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites de não-arbitragem CALL Diferença entre prémios não pode ser superior à diferença dos Preços de Exercício Call C 6m X= 95 c= 10 Call D 6m X= 100 c= 4 Vender Call C CashFlow= +10 Comprar Call D CashFlow= -4 Saldo CF = +6 79

80 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites de não-arbitragem CALL Diferença entre prémios não pode ser superior à diferença dos Preços de Exercício Call C 6m X= 95 c= 10 Call D 6m X= 100 c= 4 Se S = 95 Nenhuma exercida Lucro=6 Se S < 95 Nenhuma exercida Lucro=6 Se S > 100 Ambas exercidas Lucro=6-5=1 ARBITRAGEM-Lucro certo 80

81 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites de não-arbitragem CALL Maior vencimento, Maior o Prémio Call E 3m X= 100 c= 6 Call F 6m X= 100 c= 5 Vender Call E CashFlow= +6 Comprar Call F CashFlow= -5 Saldo CF = +1 81

82 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites de não-arbitragem CALL - Maior vencimento, Maior o Prémio Call E 3m X= 100 c= 6 Call F 6m X= 100 c= 5 OPÇÕES AMERICANAS Se Call E é exercida, então Exerço call F Lucro=1 OPÇÕES EUROPEIAS (Exemplo S= 105) Se Call E é exercida, Recebo 100 e entrego activo que vale 105 Vendo Call F e recebo S - X e -rt > = 5 ARBITRAGEM-Lucro certo > = 1 82

83 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites de não-arbitragem PUT Maior o Preço de Exercício, Maior o Prémio Put A 6m X= 100 p= 11 Put B 6m X= 95 p= 12 Vender Put B CashFlow= +12 Comprar Put A CashFlow= -11 Saldo CF=

84 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites de não-arbitragem PUT Maior o Preço de Exercício, Maior o Prémio Put A 6m X= 100 p= 11 Put B 6m X= 95 p= 12 Se S = 100 Nenhuma exercida Lucro=1 Se S > 100 Nenhuma exercida Lucro=1 Se S < 95 Ambas exercidas Lucro=5+1=6 ARBITRAGEM-Lucro certo 84

85 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Limites de não-arbitragem PUT Maior o Vencimento, Maior o Prémio PUT A diferença entre dois prémios de 2 Put não pode exceder a diferença dos respectivos Preços de Exercício EXEMPLO: Put C 6m X= 100 c= 4 Put D 6m X= 105 c= 10 85

86 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental Relação entre os prémios da call e do put sobre o mesmo activo, mesmo vencimento e mesmo preço de exercício Construir carteira por: Comprar activo subjacente S(t) Vender Call sobre o activo, com X e T- c(t,t) Comprar Put sobre o activo, com X e T - p(t,t) INVESTIMENTO INICIAL = S(t) + p(t,t) - c(t,t) 86

87 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental INVESTIMENTO INICIAL = S(t) + p(t,t) - c(t,t) O que acontece no vencimento T? Se S(T) > X Put - não é exercido Call é exercida e vale S(T) - X (negativo) Então a carteira vale S(T) - S(T) + X = X 87

88 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental INVESTIMENTO INICIAL = S(t) + p(t,t) - c(t,t) O que acontece no vencimento T? Se S(T) < X Call - não é exercido Put é exercido X - S(T) Então a carteira vale S(T) + X- S(T) = X 88

89 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental INVESTIMENTO INICIAL = S(t) + p(t,t) - c(t,t) O que acontece no vencimento T? Se S(T) = X Call - não é exercido Call - não é exercido Então a carteira vale S(T), mas S(T) = X, portanto carteira = X 89

90 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental INVESTIMENTO INICIAL = S(t) + p(t,t) - c(t,t) O que acontece no vencimento T? CONCLUSÃO- valor da carteira em T Se S(T) > X - carteira = X Se S(T) < X - carteira = X Se S(T) = X - carteira = X INVESTIMENTO CERTO - remunerado à taxa de juro sem risco 90

91 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental INVESTIMENTO INICIAL = S(t) + p(t,t) - c(t,t) INVESTIMENTO CERTO - remunerado à taxa de juro sem risco Carteira Final/Carteira Inicial = 1 + r rf (t,t) X/ S(t) + p(t,t) - c(t,t) = 1 + r rf (t,t) c(t,t) + X e -rt = p(t,t) + S(t) 91

92 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental c(t,t) + X e -rt = p(t,t) + S(t) ARBITRAGEM S(t) = 31 X = 30 p(t,t) = 2.25 c(t,t) = 3 r rf (t,t) = 10% T = 3 meses 92

93 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental c(t,t) + X e -rt = p(t,t) + S(t) c(t,t) + X e -rt = e -0.1x0.25 = p(t,t) + S(t) = = ARBITRAGEM 93

94 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental c(t,t) + X e -rt = p(t,t) + S(t) Estratégia de Arbitragem: Comprar Call Vender Put Vender Short Activo 94

95 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Estratégia de Arbitragem - Fluxo inicial Comprar Call - 3 Vender Put Vender Short Activo (inflow) 95

96 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call (inflow) - no final de 3 meses, temos: e 0.1x0.25 = Se S(T) > 30 exerce call, compra activo por 30 e devolvê-lo (short) LUCRO = = 1.02 Se S(T) < 30 o put é exercido. Significa que somos obrigados a comprar o activo por 30 e devolvê-lo LUCRO = =

97 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental c(t,t) + X e -rt = p(t,t) + S(t) ARBITRAGEM S(t) = 31 X = 30 p(t,t) = 1 c(t,t) = 3 r rf (t,t) = 10% T = 3 meses 97

98 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental c(t,t) + X e -rt = p(t,t) + S(t) c(t,t) + X e -rt = e -0.1x0.25 3=32.26 p(t,t) + S(t) = = 32 ARBITRAGEM 98

99 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Paridade Put/Call - Teorema Fundamental c(t,t) + X e -rt = p(t,t) + S(t) Estratégia de Arbitragem: Comprar Put Vender Call Comprar Activo 99

100 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call Estratégia de Arbitragem - Fluxo inicial Vender Call - 3 Comprar Put - 1 Comprar Activo - 31 empréstimo 29 (outflow) 100

101 OPÇÕES AVALIAÇÃO - Paridade Put/Call 29 (outflow) - no final de 3 meses, temos: 29 e 0.1x0.25 = Se S(T) > 30 call é exercida, vende activo por 30 e liquida empréstimo LUCRO = = 0.27 Se S(T) < 30 exerce put, vende activo por 30 e liquida empréstimo LUCRO = =

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Principios de Avaliação de Opções. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Principios de Avaliação de Opções. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Principios de Avaliação de Opções Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner 1 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS Perfis de Resultados

Leia mais

Módulo 1. Introdução aos Activos Financeiros Derivados

Módulo 1. Introdução aos Activos Financeiros Derivados Módulo 1 Introdução aos Activos Financeiros Derivados Índice 1. Mercados à Vista e a Prazo. 2. Contratos de Futuros 3. Contratos de Opções 4. Estratégias que Utilizam Derivados: Cobertura de Risco, Especulação

Leia mais

Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados

Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Módulo 2 Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Mercados organizados e de balcão Bolsas de Derivados Principais Características Padronização

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Tópicos Avançados sobre Opções -III Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner 1 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS MODELO BLACK-SCHOLES

Leia mais

Índice. Introdução 15

Índice. Introdução 15 Índice Introdução 15 Capítulo 1 OPÇÕES FINANCEIRAS E A MODERNA TEORIA DAS FINANÇAS 1. A moderna teoria das finanças e os derivados financeiros 17 2. Teorias de base da moderna teoria das finanças 19 3.

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

2 Opções e Carteiras não lineares

2 Opções e Carteiras não lineares 22 2 Opções e Carteiras não lineares 2.1 Distinção entre derivativos lineares e não-lineares No capítulo 1 foram apresentados os principais derivativos utilizados no mercado de petróleo e derivados. Neste

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS)

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) João Duque Fevereiro de 2004 1 Exercício 1 Usando a informação que lhe é fornecida pelo quadro abaixo sobre as opções cotadas

Leia mais

OPÇÕES FINANCEIRAS - Exame (resolução)

OPÇÕES FINANCEIRAS - Exame (resolução) OPÇÕES FINANCEIRAS - Exame (resolução) 1/0/006 1. (a) Aplicando o lema de Itô ao processo obtém-se: y (t) :=exp( bt) X (t), (1) dy (t) = be bt X (t) dt + e bt {[a + bx (t)] dt + W (t) dw (t)} = ae bt dt

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Banco Best 2009. Best Trading Pro Opções de Forex Eduardo Ricou, 13 de Abril de 2010

Banco Best 2009. Best Trading Pro Opções de Forex Eduardo Ricou, 13 de Abril de 2010 Banco Best 2009 Best Trading Pro Opções de Forex Eduardo Ricou, 13 de Abril de 2010 Banco Best Best Trading Pro Aviso O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores

Leia mais

Opções. Opção. Tipos de Opções. Uma opção de compra (call) é um contrato que te da o direito de comprar

Opções. Opção. Tipos de Opções. Uma opção de compra (call) é um contrato que te da o direito de comprar Opções Prf. José Fajardo EBAPE-FGV Opção É um contrato que da o direito, mais não a obrigação de comprar ou vender um determinado ativo subjacente a um determinado preço Tipos de Opções Uma opção de compra

Leia mais

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants Academia de Warrants 3. Turbo Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Turbo Warrants 4. Como negociar - Direct Trade 1/281 Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3.

Leia mais

Academia de Warrants. 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais

Academia de Warrants. 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais Academia de Warrants 4. Turbo Warrants Parte 2, Inline Warrants e mais Sumário Executivo 1. Turbo Warrants - Parte 2 2. Inline Warrants 3. Como investir 1/281 Sumário Executivo 1. Turbo Warrants - Parte

Leia mais

Academia de Warrants. 2. Warrants (Plain Vanilla)

Academia de Warrants. 2. Warrants (Plain Vanilla) Academia de Warrants 2. Warrants (Plain Vanilla) 1. Warrants (Plain Vanilla) Sumário Executivo 1. Definição 2. Motivos para investir em Warrants 3. Valorização de Warrants 4. Estratégias 1 1. Warrants

Leia mais

Opções. Opção. Tipos de Opções. Uma opção de compra (call) é um contrato que te da o direito de comprar

Opções. Opção. Tipos de Opções. Uma opção de compra (call) é um contrato que te da o direito de comprar Opções Prf. José Fajardo FGV \ EBAPE Opção É um contrato que da o direito, mais não a obrigação de comprar ou vender um determinado ativo subjacente a um determinado preço Tipos de Opções Uma opção de

Leia mais

Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos. N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling

Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos. N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling Conceitos Básicos Tipos de Warrants e Exemplos N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling Produto Financeiro Complexo Um investimento responsável exige que conheça as

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo)

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 118/96 ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Tendo presente as alterações introduzidas no Código do Mercado de Valores

Leia mais

Manual de cálculo de risco de carteira de investimentos DEGIRO

Manual de cálculo de risco de carteira de investimentos DEGIRO Manual de cálculo de risco de carteira de s DEGIRO Conteúdo 1. Introdução... 4 2. Resumo da carteira de s... 5 2.1 Resumo de margem... 6 2.1.1 Valor da carteira... 6 2.1.2 Saldo contabilístico... 6 2.1.3

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS

INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS INTRODUÇÃO AOS INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS HEDGE FUNDS Fundos de Investimento Alternativo Os investimentos alternativos proporcionam uma fonte alternativa de rendimentosaos investimentos tradicionais, tais

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade;

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade; Modalidades Fora o clássico buy & hold, que é a compra e eventual construção de uma posição comprada no mercado acionário algumas outras modalidades são: Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas;

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Diretoria de Agronegócios

Diretoria de Agronegócios Proteção de Preços no Mercado Agropecuário Renato Barreto Riscos da atividade agropecuária Climáticos e/ou intempéries Preço Crédito... Mitigadores de Risco de Preço Risco: Oscilação nos preços das mercadorias

Leia mais

Produtos e Mercados de Dívida

Produtos e Mercados de Dívida Produtos e Mercados de Dívida Raquel M. Gaspar Sérgio F. Silva 1 Parte II Derivados de Taxas de Juro 2 Raquel M. Gaspar/ Sérgio F. Silva PARTE II Derivados de Taxas de Juro 1. Swaps, Fras s e Futuros sobre

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates Academia de Warrants 6. Factor Certificates Factor Certificates - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Exemplos 4. Mecanismo de protecção 5. Como negociar Academia de Warrants 6. Factor Certificates

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Introdução aos Contratos de Futuros

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Introdução aos Contratos de Futuros Ephi-ciência Financeira Introdução aos Contratos de Futuros Objectivo Definição e Avaliação dos Futuros Mercados e Produtos de Futuros Financeiros Utilização Prática dos Futuros João Cantiga Esteves Senior

Leia mais

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas.

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas. O presente documento visa fornecer-lhe informações simples e práticas sobre como deve investir de forma responsável. Independentemente da protecção conferida pela legislação aos investidores não profissionais,

Leia mais

/ Warrants: uma definição /

/ Warrants: uma definição / Warrants www.warrants.commerzbank.com Warrants: uma definição Os warrants são valores mobiliários associados a activos como acções, índices ou taxas de câmbio que amplificam os movimentos DE preço dos

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Forex

Conceitos básicos de negociação em Forex Conceitos básicos de negociação em Forex A GoBulling é uma marca do Banco Carregosa. EM 2012 O BANCO CARREGOSA É ELEITO O MELHOR EM BANCA PRIVADA EM PORTUGAL www.facebook.com/gobulling Produtos Financeiros

Leia mais

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros?

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros? Introdução O que são Futuros? São instrumentos financeiros derivados, negociados em bolsa, que obrigam ao seu comprador/vendedor comprar/vender uma determinada quantidade de um activo numa determinada

Leia mais

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants Academia de Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Motivos para investir em Warrants 4. O Emitente 5. Como

Leia mais

OS CONTRATOS DE OPÇÃO

OS CONTRATOS DE OPÇÃO 1 FINANCIAMENTO POR MEIO DE INSTRUMENTOS HÍBRIDOS 2 OS CONTRATOS DE OPÇÃO 1 3 OS CONTRATOS DE OPÇÃO CALL OPTIONS: contratos de opção de compra PUT OPTIONS: contratos de opção de venda O VALOR DA OPÇÃO

Leia mais

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Conceitos básicos de negociação em Forex N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1)

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Março de 2011 Designação: Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1). Classificação: Caracterização do Produto: Garantia de Capital: Garantia

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

Módulo 3. Arbitragem e Valorização de Contratos de Futuros.

Módulo 3. Arbitragem e Valorização de Contratos de Futuros. Módulo 3 Arbitragem e Valorização de Contratos de Futuros. Arbitragem - Definição V(0)=0 e V(t,ω)>0, para todos ω Investimento Inicial = 0 e Ganho > 0 Certo! Preço a Futuro - Definição Preço a Futuro de

Leia mais

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial EPGE - FGV. Derivativos

Mestrado em Finanças e Economia Empresarial EPGE - FGV. Derivativos Mestrado em Finanças e Economia Empresarial EPGE - FGV Derivativos Parte 4: Opções 1 Introdução (Ch. 8), Payoffs e Estratégias (Ch. 10) e Propriedades dos Preços das Opções (Ch. 9) Derivativos - Alexandre

Leia mais

Investimento Financeiro

Investimento Financeiro Investimento Financeiro Apontamentos de: Sandra Gomes E-mail: Data: Janeiro 2009 Livro: Mercados e Investimentos financeiros Nota: é o resumo dos 3 primeiros capítulos do livro / guião da cadeira 1 GUIÃO

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires Mercados e Investimentos Financeiros Cesaltina Pacheco Pires iv Índice Prefácio xiii 1 Introdução 1 1.1 Activos reais e activos financeiros...................... 1 1.2 Escolhaintertemporaletaxadejuro...

Leia mais

MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL.

MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL. MERCADO DE CÂMBIO HEDGE PARA IMPORTAÇÕES PROTEÇÃO CONTRA VOLATILIDADE CAMBIAL. 1. Valdir Alcântara de Souza Junior. 2. Anderson Mateus Batista de Rezende. Introdução. As empresas que fazem importações

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. OPÇÕES SOBRE FOREX Contraparte:

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS 1/12 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS 1 - OBJECTIVO A presente directriz tem por objectivo o tratamento contabilístico dos contratos de futuros, negociados em mercados organizados com

Leia mais

Best Trading Pro. 23 Abril 2013

Best Trading Pro. 23 Abril 2013 Best Trading Pro 23 Abril 2013 Copyright 2013 Banco Best BEST Trading Pro Uma verdadeira sala de mercados numa única plataforma Plataforma BTP: toda a oferta à sua medida Negociação on-line de 17.000 activos

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS COLECTÂNEA DE EXERCÍCIOS

MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS COLECTÂNEA DE EXERCÍCIOS MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS COLECTÂNEA DE EXERCÍCIOS (ACÇÕES, OBRIGAÇÕES, GESTÃO DE CARTEIRAS, OPÇÕES, FORWARDS e FUTUROS, SWAPS, PRODUTOS ESTRUTURADOS, VaR e TCE, AVALIAÇÃO DA PERFORMANCE, ÉTICA

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference CFDs sobre acções CFDs sobre Índices CFD s Contracts for Difference Introdução Caracteristicas O que são? 1 Vantagens 1 Alavancagem Flexibilidade Outras vantagens 2 Exposição mínima Inexistência de Liquidação

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) Opções sobre Futuro de S&P 500 Diversifique o seu portfólio com derivativos que possuem exposição no mercado financeiro internacional

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

Produtos e Mercados de Dívida

Produtos e Mercados de Dívida Produtos e Mercados de Dívida Raquel M. Gaspar Sérgio F. Silva 1 Parte II Derivados de Taxas de Juro 2 Raquel M. Gaspar/ Sérgio F. Silva PARTE II Derivados de Taxas de Juro 1. Swaps, Fras s e Futuros sobre

Leia mais

Processo de Decisão. Determinada perspectiva sobre um subjacente. Perspectiva sobre o movimento do subjacente. Escolher o tipo de produto.

Processo de Decisão. Determinada perspectiva sobre um subjacente. Perspectiva sobre o movimento do subjacente. Escolher o tipo de produto. Processo de Decisão Determinada perspectiva sobre um subjacente Perspectiva sobre o movimento do subjacente Escolher o tipo de produto Warrant Inline À escolha Certificados Turbo 1 1. Subjacentes Sumário

Leia mais

Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE

Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE Relatório e Contas CARREGOSA TECHNICAL TRADING FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO NÃO HARMONIZADO PERÍODO FINDO EM 30 DE JUNHO DE 2011 Índice 1 Relatório de Gestão... 3 Enquadramento Geral da actividade

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

Análise de Risco no Ajuste de Strike Price na Rolagem de Opções de Compra em Operações de Lançamento Coberto (petr4)

Análise de Risco no Ajuste de Strike Price na Rolagem de Opções de Compra em Operações de Lançamento Coberto (petr4) Análise de Risco no Ajuste de Strike Price na Rolagem de Opções de Compra em Operações de Lançamento Coberto (petr4) Isabela Ribeiro da Silva isabela.silva5@fatec.sp.gov.br FATEC BP Jéssica Mori de Oliveira

Leia mais

LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES

LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS Ricardo Schio LANÇAMENTO COBERTO DE OPÇÕES Porto Alegre 2009 Ricardo Schio LANÇAMENTO COBERTO DE

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros

Mercados e Investimentos Financeiros Mercados e Investimentos Financeiros Funcionamento dos Mercados de Reporte e Empréstimos de Valores Mobiliários Ana H. Roseiro Ana Luísa Cardoso Newton Chatala Tiago Carvalho APRESENTAÇÃO DO TEMA Objectivo

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Glossário de Termos Relativos a Instrumentos Financeiros

Glossário de Termos Relativos a Instrumentos Financeiros 1 Glossário de Termos Relativos a Instrumentos Financeiros Abertura de Posição: Operação inicial de investimento que expõe o investidor às consequências da variação do preço de um activo financeiro. O

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS Banco de Cabo Verde O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades,

Leia mais

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 1.1 - Introdução ao Mercado de Swaps O que são Swaps? Exemplos Swaps & Forwards Intervenientes e Organização do Mercado de Swaps 1.2 - Swaps de Taxa

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

Aviso n. o 006/2014-AMCM

Aviso n. o 006/2014-AMCM Aviso n. o 006/2014-AMCM ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DERIVADOS NOS FUNDOS DE PENSÕES De acordo com o disposto no n. o 6 do aviso n. o 006/2013-AMCM, de 10 de Janeiro, os instrumentos derivados, tais

Leia mais

Mercado Ca C mbia i l - Fo F re r x

Mercado Ca C mbia i l - Fo F re r x Mercado Cambial - Forex AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as principais características dos produtos derivados aqui apresentados, não

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social.

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social. Esclarecimento 1. O Grupo INVESTIFINO contratou junto da CGD, no período de 2005 a 2007, diversos financiamentos que globalmente atingiram um valor elevado. 2. Os referidos financiamentos destinaram-se

Leia mais

FORWARDS, FUTUROS E SWAPS

FORWARDS, FUTUROS E SWAPS ISEG Instituto Superior de Economia e Gestão Mestrado em Finanças Módulo I FORWARDS, FUTUROS E SWAPS FORWARDS, FUTUROS E SWAPS 2 de Outubro de 2007 Objectivos Programáticos: Nivelar os conhecimentos sobre

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Futuros

Conceitos básicos de negociação em Futuros Conceitos básicos de negociação em Futuros N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar

Leia mais

Derivativos. Que é um Derivativo. Contrato Duas Partes. Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas

Derivativos. Que é um Derivativo. Contrato Duas Partes. Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas Que é um Derivativo Derivativos Contrato Duas Partes Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas Visando um conjunto de Pagamentos e Retornos Alguns numa direção, alguns na outra Alguns agora, e outros mais

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado EUR/USD No Touch Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

The Midas Formula BBC 1999

The Midas Formula BBC 1999 The Midas Formula BBC 1999 Raquel M. Gaspar ISEG, UTL Workshop de Mercados e Investimentos Financeiros 3 e 4 Dezembro 2007 Os mercados têm risco 1 O que são opções? São contractos financeiros que, a troco

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

[tradução livre dos Final Terms em língua inglesa Em caso de discrepância a versão inglesa deverá prevalecer] TERMOS FINAIS

[tradução livre dos Final Terms em língua inglesa Em caso de discrepância a versão inglesa deverá prevalecer] TERMOS FINAIS [tradução livre dos Final Terms em língua inglesa Em caso de discrepância a versão inglesa deverá prevalecer] TERMOS FINAIS BCP Finance Bank, Ltd. (BCP Finance) Emissão de até EUR 10,000,000 Millennium

Leia mais

Estratégias Operacionais no Mercado de Ações. Giácomo Diniz 01/10/2013

Estratégias Operacionais no Mercado de Ações. Giácomo Diniz 01/10/2013 Estratégias Operacionais no Mercado de Ações Giácomo Diniz 01/10/2013 Agenda 1) Aluguel de Ações 2) Estratégia ShortSelling 3) Estratégia Long &Short a) Spread b) Ratio c) Apuração de Resultado 4) ETF

Leia mais

DECLARAÇÃO DE RISCO DE INVESTIMENTO (OTC) De 15 de Fevereiro de 2012

DECLARAÇÃO DE RISCO DE INVESTIMENTO (OTC) De 15 de Fevereiro de 2012 DECLARAÇÃO DE RISCO DE INVESTIMENTO (OTC) De 15 de Fevereiro de 2012 1. Definições Instrumentos Financeiros OTC - são os instrumentos financeiros descritos no Regulamento de prestação de serviços para

Leia mais

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo Capítulo 3 Taxas de câmbio e mercados de divisas Objectivos do capítulo A função das taxas de câmbio no comércio internacional; Como se determinam as taxas de câmbio? Preços e decisões dos agentes económicos

Leia mais

turbo warrants manual /////// www warrants commerzbank com ///////////////////////////////////////////////////////////////////// Warrants Estruturados Turbo warrants Turbo Warrants Acelere os seus investimentos

Leia mais

Best Trading Pro. Market Rules. Alfredo Sousa 21 Nov 2013 Lisboa - 0 - Copyright 2013 Banco Best

Best Trading Pro. Market Rules. Alfredo Sousa 21 Nov 2013 Lisboa - 0 - Copyright 2013 Banco Best Best Trading Pro Alfredo Sousa 21 Nov 2013 Lisboa Market Rules Copyright 2013 Banco Best - 0 - AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as

Leia mais

ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS

ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS Exame 1ª Época 12.07.04 ESCOLA DE GESTÃO DO ISCTE FINANÇAS INVESTIMENTOS Duração: 3 horas CASO 1 (3x1.0= 3 valores) Responda (sucinta e objectivamente) a somente três das quatro questões seguintes: a)

Leia mais

Academia de Warrants. 5. ETFs

Academia de Warrants. 5. ETFs Academia de Warrants 5. ETFs ETFs - Sumário Executivo 1. Definição 2. Comparação ETF Fundo Activo 3. ComStage 4. Como negociar 1 1/28 ETFs - Sumário Executivo 1. Definição 2. Comparação ETF Fundo activo

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE Mercado a Termo e Futuro I Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas-EBAPE Contratos a Termo O Contrato a Termo é um acordo OTC (Over The Counter), é dizer negociado no Mercado de Balcão, entre 2 companhias

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

Banco Português de Investimento, S.A.

Banco Português de Investimento, S.A. 1 Banco Português de Investimento, S.A. TABELA GERAL DE REMUNERAÇÕES, COMISSÕES E DESPESAS PRODUTOS E SERVIÇOS Actualizada em 2008-07-16 7 VALORES MOBILIÁRIOS TRANSACÇÕES 1. Mercado a Contado a) Comissão

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais