PANORAMA DOS IMPACTOS E IMPLICAÇÕES DA INTERNET SOBRE O MARKETING DE RELACIONAMENTO EM EMPRESAS DO MERCADO CONSUMIDOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PANORAMA DOS IMPACTOS E IMPLICAÇÕES DA INTERNET SOBRE O MARKETING DE RELACIONAMENTO EM EMPRESAS DO MERCADO CONSUMIDOR"

Transcrição

1 V I I S E M E A D P E S Q U I S A Q U A N T I T A T I V A M A R K E T I N G PANORAMA DOS IMPACTOS E IMPLICAÇÕES DA INTERNET SOBRE O MARKETING DE RELACIONAMENTO EM EMPRESAS DO MERCADO CONSUMIDOR Autoras: Maria Aparecida Gouvêa Profª Livre Docente do Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Av. Luciano Gualberto, 908 sala E-110 São Paulo SP. CEP Fone (11) Sandra Sayuri amashita Mestre em Administração de Empresas pelo Programa de Pós-graduação em Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Av. Paulista, 1804, 1º andar São Paulo SP. CEP Fone: (11) E- mail: Resumo Ao longo dos anos, a Internet tem se transformado num elemento que, longe de ser ignorado pelas empresas, tem tido seu potencial estratégico e suas interferências nos processos das organizações cuidadosamente considerados, especialmente em função do crescente acirramento da concorrência. Este estudo objetivou compreender quais os principais impactos e implicações trazidos por esta tecnologia às práticas de marketing de relacionamento das empresas, num cenário em que o contato rotineiro entre empresas e clientes passa a ser feito por intermédio do computador, ocorrido em meio a um longo e exaustivo processo de busca de maior aproximação. Para tanto, desenvolveu-se uma pesquisa exploratória multi-casos, realizada junto a empresas atuantes no mercado consumidor, com sede brasileira localizada na Grande São Paulo. Por meio de entrevistas em profundidade com executivos destas empresas, puderam-se identificar impactos e implicações em vários níveis e formas, ocasionados pela decisão de comercialização de produtos e serviços pela Internet, permitindo compor um panorama das transformações ocorridas até então, e reforçando a importância de se preservarem os conceitos do marketing de relacionamento para a manutenção da competitividade. Palavras-chave: Internet, Marketing de Relacionamento, Comércio Eletrônico, e-commerce

2 Panorama dos Impactos e Implicações da Internet sobre o Marketing de Relacionamento em Empresas do Mercado Consumidor Introdução Várias mudanças importantes nas tecnologias estimulam o desenvolvimento de novos produtos e melhoria nos processos de negócios em muitos setores. Nos últimos anos, representadas fundamentalmente por quatro itens, cujos efeitos foram sentidos em muitos aspectos do marketing, podem ser assim enunciadas (Winer, 1999:14): (1) o dramático crescimento na adoção de e no investimento em tecnologia da informação pelas empresas e canais de distribuição; (2) a rápida comercialização da Internet, especialmente a World Wide Web; (3) a tendência contínua da globalização dos negócios; (4) a crescente importância do relacionamento com clientes e a manutenção de bases de dados de clientes. Entre dezembro de 2003 e março de 2004, o número de pessoas que já tiveram pelo menos uma experiência de compra pela Internet cresceu de 2,5 milhões para 2,6 milhões; em março de 2003, eram 1,96 milhão (Valor Econômico, 2004). Mesmo assim, uma grande parcela da população de internautas ainda não realizou nenhuma compra pela Internet (E-bit, 2003:14). Em 2003, o e- commerce no Brasil movimentou R$ 1,18 bilhões (E-bit, 2004:11), e, embora tradicionalmente mais fracas no início do ano, as vendas do primeiro trimestre de 2004 foram 46% maiores que em 2003, indicando que a expectativa para o ano, que era de crescer 30% e atingir R$ 1,6 bilhão, será superada (Valor Econômico, 2004). Neste cenário, colocam-se em discussão o papel e a importância do Marketing de Relacionamento, estudado por diversos autores (Berry, 1983; Jackson, 1985; Grönroos, 1996; Ballantyne, 1994; Morgan e Hunt, 1994; Sheth, 1994; Porter, 1993, todos in Gummesson, 1999:243; McKenna, 1992; Vavra, 1992, entre outros), e que tem se desenvolvido ao longo dos anos como uma filosofia, uma estratégia, um processo ou uma forma de administrar capaz de proporcionar benefícios aos clientes, à empresa, a seus funcionários e fornecedores. Programas de fidelidade e filosofias como Customer Relationship Management (CRM) têm integrado a pauta das discussões estratégicas das empresas, com fundamentos no Marketing de Relacionamento e freqüente associação à tecnologia. Para Khirallah (2000:1, in Ragins e Greco, 2003:25), em essência, o CRM é uma estratégia de negócios que procura assegurar que toda interação do cliente com a empresa (...), seja apropriada, relevante e consistente, independentemente do canal de comunicação utilizado. Ghosh (1998:135) afirma que as mudanças possibilitadas pela Internet são estratégicas e fundamentais. Entretanto, tais mudanças, as quais ocorrem de maneira distinta nos vários setores, afetarão o relacionamento de cada empresa com seus clientes e as proposições de valor de várias empresas. Nos últimos anos, com a competição se estendendo aos mercados globais e com tantos recursos de informação e de comunicação que a tecnologia e os novos métodos proporcionam, o cliente tem adquirido cada vez mais poder (Gurley, 1997, in Ruefli, Whinston e Wiggins, 2001:51). Reichheld e Schefter (2000:113) salientam que no passado, as localizações convenientes das lojas, as forças de vendas agressivas e uma falta geral de informação protegiam as empresas das penalidades de fornecer qualquer coisa que não o melhor produto e qualidade de serviço; os consumidores eram leais por necessidade, e não por escolha. Graças à Internet, estas proteções têm sido derrubadas. Construir lealdade superior do cliente não é mais uma das muitas formas de turbinar os lucros. É essencial para a sobrevivência.

3 1. Problema de Pesquisa e Objetivo Tendo em vista as transformações observadas tanto no âmbito do marketing como no ambiente tecnológico, quais os efeitos que as mudanças tecnológicas poderiam produzir sobre os processos idealizados com base no relacionamento entre as pessoas? Assim, este estudo visou à busca de subsídios para compreender a seguinte situação-problema: quais os impactos da Internet sobre as práticas de Marketing de Relacionamento adotadas pelas empresas e quais as implicações para as mesmas? O objetivo principal deste trabalho foi estudar os impactos sofridos pelo Marketing de Relacionamento em função do surgimento da Internet, e, por conseqüência, da evolução do e- commerce, e identificar as ações praticadas para se manter um Marketing de Relacionamento ativo e bem sucedido, nesse contexto, traçando um panorama com empresas cuja sede brasileira está situada na Grande São Paulo. A contribuição maior deste estudo é aprofundar a discussão sobre o uso da Internet por empresas que praticam Marketing de Relacionamento, desvendando alguns impactos e implicações nas estratégias corporativa, no nível de negócios e operacional. O assunto se mostra relevante ao evidenciar aspectos da Internet que rompem de certa forma com todo o empenho em se promover uma maior interação pessoal entre clientes e empresas ao longo dos anos, criando, porém, outras formas de interação. Este estudo se justifica ainda pela escassez de literatura e de pesquisas a respeito do tema proposto, embora várias áreas do conhecimento sejam afetadas pelas mudanças aportadas pela Internet. 2. Impactos e implicações da Internet sobre o Marketing de Relacionamento Diversos impactos e implicações da Internet podem ser verificados como conseqüência da adoção da Internet como meio de comercialização de produtos e serviços pelas empresas. Segundo Barwise, Elberse e Hammond (2001:24-54), a meta principal do marketing online é utilizar a Internet, combinada a outros canais e atividades, para construir um relacionamento positivo, lucrativo e de longa duração com o cliente, como no ambiente físico. Pensando em termos estratégicos, o e-commerce não está criando barreiras à entrada por intermédio da estrutura. No entanto, ele está mudando a possibilidade de sucesso para aqueles que possuem a habilidade para analisar e interpretar rapidamente as necessidades do cliente à medida que elas surgem no mercado eletrônico e para responder às diversas demandas (Hopper, 1990: , in Sudharshan, 1995:144). Nesse sentido, Toledo, Nakagawa e amashita (2001:53) ressaltam que, à medida que a concorrência aumenta, a empresa não pode deixar de procurar agir sob uma orientação para o mercado para conquistar a lealdade do cliente, analisando a ótica da demanda na elaboração de estratégias competitivas, e monitorando os passos da concorrência. E para se manter a orientação para o mercado, um dos requisitos essenciais é a criação de valor para o cliente. Reichheld e Schefter (2000: ) acreditam que como a lealdade é uma necessidade competitiva em todos os setores, algumas empresas irão procurar dominar o potencial da Internet para criar valor excepcional para os clientes. Isto pode ser alcançado por meio de (Simon e Schumann, 2001: ; Ghosh, 1998:132): crescente compartilhamento de informações entre compradores e vendedores; maiores oportunidades para segmentação de mercado e customização em massa; redução significativa dos custos de transação, facilidade de realizar negócios, e melhorias reais nos produtos e serviços ao cliente. Esses autores afirmam ainda que a tecnologia online tem o potencial de: reduzir o custo de pesquisas com clientes, que podem ser rápida e facilmente conduzidas via Internet (Winer, 1999:365); permitir customização a baixo custo do marketing mix; apoiar algumas atividades relacionadas ao mercado, como leilões e comunidades de marca em áreas nas quais não eram previamente viáveis; dar aos clientes acesso às empresas (e também a recíproca), a qualquer hora, de qualquer local; abolir alguns tipos de intermediários e criar novos; reforçar expressivamente a globalização. Gummesson (1999:88) vê conseqüências diretas para a segmentação de mercado no fato de a produção, serviços, entrega e marketing estarem integrados pela tecnologia de

4 informação; volta-se aos segmentos individuais da sociedade artesanal, porém com tecnologia diferente. O database marketing, facilitado pela Internet, torna-se uma ferramenta particularmente interessante para construir relacionamentos por permitir às empresas analisar informações demográficas, rastrear padrões de compra, chamadas de serviços, desenvolver o perfil de relacionamento de seus clientes, customizar suas ofertas de produtos e promoção de vendas, reduzir erros e personalizar o serviço ao cliente. O principal objetivo é transformar produtos tradicionalmente oferecidos ao mercado de massa em produtos aparentemente personalizados para os indivíduos, a chamada customização em massa (Boone e Kurtz, 2001: ; Winer, 1999:382; Ruefli, Whinston e Wiggins, 2001:50), a qual, se bem desenvolvida, proporciona vantagem competitiva para a empresa. Segundo Boone e Kurtz (2001:129), questões de privacidade/segurança ainda constituem os principais desestimuladores das compras pela Internet. Evans e Wurster (1999:86) afirmam que a navegação é uma questão crucial para a conquista ou perda de vantagem competitiva, possuindo três dimensões: alcance, adesão, riqueza. Sites bem desenhados são objetivos, de desenho simples, fornecem segurança e privacidade e, mais importante, são de fácil navegação, de visualização rápida e possuem formatos visuais de tela familiares, segundo convenções aceitas na Internet (Boone e Kurtz, 2001:144; Reichheld e Schefter, 2000: ; Gianforte, 2001:1; Becker-Olsen, 2000, in Barwise, Elberse e Hammond, 2002:24). Bayne (2000:12) recomenda que as empresas se concentrem mais na praticidade e facilidade de uso de seu site de e-commerce que na sua aparência. Sterne (2000:213) considera essencial a presença de canais abertos para que os clientes se manifestem e se esforcem em desenvolver um relacionamento. A interatividade e a possibilidade de acesso e resposta rápida podem tornar relacionamentos distantes mais próximos (Gummesson, 1999:83). Em contrapartida, na análise de correlação realizada por Reibstein (2000:224) entre a probabilidade de comprar novamente do mesmo fornecedor e os níveis de performance, o atributo que teve a maior correlação com a compra repetitiva foi o nível e qualidade do serviço ao cliente, ao contrário do sugerido pelos autores anteriormente mencionados, que destacavam aspectos de navegação e aparência do site como essenciais à sua lealdade, mas que apresentaram baixa correlação nessa pesquisa. Segundo esse autor, se o cliente estivesse muito satisfeito com o nível do serviço, seria grande sua probabilidade de retorno. Gianforte (2001:1-7) enumera benefícios do serviço via Internet, como um meio para a prestação de serviço superior ao cliente: menor custo; serviço mais rápido e maior satisfação; habilidade de se adequar a picos de volume sazonais; liberação de pessoal. Esse autor relata que os inovadores no serviço online provaram que é possível responder a um grande percentual de questões de clientes online, por self-service, sem despender dinheiro e tempo. Muitos clientes preferem esse método pela economia de tempo propiciada; caso as respostas desejadas não possam ser obtidas por esse meio, podem optar por dialogar com a empresa via ou chat ao vivo. Os melhores sistemas incorporam continuamente as respostas dos questionamentos, de maneira que as consultas futuras possam ser respondidas também por esse meio (Raut, 2002:1-3; Honeycomb, 2001:2). Dependendo de quão bem for implantado, o self-service pode chegar a responder de 75 a 95% das questões dos clientes (Gianforte, 2001:1), com substancial diminuição do uso de linhas 0800, redução do volume de s, aumento da produtividade dos atendentes por telefone (Venetianer, 2001:45) e economia de algo entre US$5 e US$30, por ocorrência (Forbes, 2002:1). Alguns métodos de avaliação do desempenho da empresa em relação aos desejos do cliente, como o proposto por Fischer (1999, in Sterne), baseado no valor do produto/serviço percebido pelo cliente, permitem preparar um ranking de bons clientes aos quais podem ser destinados os gastos da empresa com ofertas de serviços e, ao mesmo tempo, identificar os maus clientes, possibilitando à empresa tratar de maneira diferenciada clientes que

5 mereçam tal distinção. Reichheld (1996:69-70) considera clientes certos os que oferecem fluxos de caixa constantes e retorno rentável para o investimento da empresa nos anos seguintes, cuja lealdade pode ser conquistada e mantida. Reichheld e Schefter (2000: ) verificaram, contudo, que os principais determinantes da lealdade residem em velhos princípios básicos de serviço ao cliente: suporte de qualidade, entrega no prazo, apresentações de produto persuasivas, embarque e manuseio convenientes e a um preço justo, e políticas de privacidade claras e confiáveis. Assim, conduzir negócios pela Internet requer mais que a habilidade de simplesmente processar pedidos; é necessário que a empresa esteja pronta e habilitada a servir os clientes por meio de qualquer canal que escolham para aproximar-se da mesma, quer sejam canais tradicionais, de vendas diretas, parceiros ou distribuidores, call center ou o próprio site na Internet (Pombriant, 2000). 3. Metodologia da Pesquisa A pesquisa em questão é de natureza exploratória, qualitativa, descritiva, com dados coletados em um estudo de campo multi-casos, com realização de entrevistas em profundidade e utilização de dados secundários. Os dados foram coletados entre novembro de 2002 e abril de 2003 junto a executivos de marketing ou ao responsável pelo e-commerce na empresa; em alguns casos, ambas as situações coincidiram. Tendo em vista o objetivo de se executar uma análise exploratória, sem intenção de realização de inferências estatísticas, a metodologia adotada se mostrou compatível para o seu alcance. O estudo se concentrou em empresas com histórico de Marketing de Relacionamento, detectado por questões específicas no roteiro de pesquisa, e com sede na Grande São Paulo, por este ser um local de destaque em termos econômicos para o país e onde há maior concentração de empresas com aplicação destas novas tecnologias. Devido à infra-estrutura necessária para vendas via Internet e também ao interesse na sua associação a práticas de Marketing de Relacionamento, optou-se por pesquisar empresas de grande porte, segundo critério de classificação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) (2001). Utilizou-se como sistema de referência uma combinação dos rankings das 100 maiores empresas não financeiras nacionais e das 100 maiores empresas não financeiras estrangeiras (Gazeta Mercantil, 2002:112;114). A amostragem foi não probabilística intencional, mostrando-se indicada em função de os objetivos do estudo se voltarem à análise exploratória, motivada pela escassez de publicações sobre o tema, e resultou na seleção de oito empresas. 4. Análise dos dados Antes da análise, uma breve caracterização das empresas pesquisadas. Uma das empresas é fornecedora de serviços, três são empresas de comércio, e quatro, de indústria e comércio de produtos. Cinco dessas empresas constam na relação das 100 maiores empresas de capital nacional do Balanço Anual da Gazeta Mercantil (2002), e cinco estão entre as 100 maiores empresas da região Sudeste, segundo a mesma publicação; todas elas ocupam posições de destaque nos respectivos rankings setoriais. Quatro das empresas figuraram entre as 100 maiores empresas de e-commerce em 2002, segundo pesquisa da Info Exame (Reggiani, 2003:70-77). Duas empresas receberam prêmios em três categorias consideradas no Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente 2003 (Cantero, Rizzo e Werneck, 2003). Duas das empresas entrevistadas não constavam do sistema de referência por não terem seu balanço anual publicado, mas foram selecionadas em função do setor a que pertencem. Com o intuito de preservar o sigilo de sua identidade e dos entrevistados, as empresas serão identificadas conforme o quadro 1, dispostas em ordem aleatória. Quadro 1 - Empresas entrevistadas Nome Setor de Atividade fictício Tempo de atividade no Brasil (anos) No setor Em e-commerce

6 A Comércio varejista supermercados 54 8 B Indústria de veículos montadoras 77 2 C Serviços de logística transportes aéreos 25 3 D Indústria de higiene e limpeza cosméticos 34 4 E Serviços de comunicação editoras de revistas 53 4 F Indústria têxtil - cama, mesa e banho 20 1 G Comércio varejista produtos para cultura e lazer 4 4 H Comércio varejista lojas de departamento e eletrodomésticos 3 3 Fonte: as autoras. Sete das empresas entrevistadas já desenvolviam ações de Marketing de Relacionamento, apoiadas por ferramenta de CRM, em diferentes estágios de implantação, antes mesmo do início de suas atividades de e-commerce. A exceção coube à Empresa H, cuja estratégia de relacionamento e de aplicação do CRM nasceu com a sua loja virtual, criada como uma nova operação, independente das atividades da empresa física. Assim, embora não fizesse parte da população em foco por não possuir histórico de Marketing de Relacionamento em suas lojas físicas, essa empresa proveu informações muito ricas para o presente estudo. Cabem ainda alguns destaques sobre as empresas entrevistadas, relacionados ao Marketing de Relacionamento. A Empresa A foi pioneira em relacionamento no varejo, a Empresa B foi a primeira a criar um cartão de crédito de afinidade em seu setor e a Empresa C foi a primeira a lançar um programa de fidelidade de empresa aérea no Brasil. A Empresa D desenvolveu um modelo peculiar de relacionamento com seus clientes, por meio de sua rede de representantes, e não deseja prescindir disso. A Empresa E, embora já viesse há algum tempo praticando ações pontuais de Marketing de Relacionamento, apenas recentemente decidiu criar uma área exclusivamente dedicada a esta função. A Empresa F, embora seja uma empresa de indústria e comércio de produção em larga escala, não permite que essa característica a impeça de atender a pedidos especiais de seus clientes. A Empresa G, embora nova no Brasil, conta com uma experiência de quase 50 anos desde a fundação de sua matriz européia, permitindo-lhe transferir boa parte dessa vivência às operações brasileiras, especialmente quanto aos cuidados com a satisfação do cliente. Em vários dos casos estudados, após a empresa adotar as vendas pela Internet, os custos transacionais apresentam tendência de redução, ao passo que o faturamento, o número de clientes e o número de segmentos atingidos sinalizam tendência de crescimento. Embora nem todas as empresas tenham revelado a magnitude dessas variações, sabe-se que é complexo avaliar o quanto desse crescimento se deve ao produto em si, ao canal, ao mercado ou às demais ações que permeiam todo o processo, em virtude da dificuldade operacional inerente. Dentre as oportunidades proporcionadas pelos negócios via Internet apontadas pelas empresas estão: ganhos de imagem perante seus clientes e/ou sua matriz no exterior; fortalecimento da marca junto a seus clientes, denotando modernidade, inovação e liderança tecnológica; divulgação da marca em localidades onde não possui loja física; alcance de novos segmentos de mercado; expansão das vendas; redução de custos. Dentre as ameaças, podem ser consideradas as mais preocupantes: o risco de se macular a marca física, pela associação a um serviço de má qualidade prestado pela marca digital; invasões de hackers; fraudes, que podem afetar a empresa, clientes e parceiros; a perda de noção sobre o grau adequado de automatização, sob pena de prejudicar o relacionamento com os clientes; e a vulnerabilidade criada pela intensa dependência da tecnologia, sem que os sistemas de continuidade de negócios estejam devidamente dimensionados. Os impactos e implicações declarados estão bastante associados não só ao Marketing de Relacionamento, mas às próprias vendas pela Internet. Os principais impactos da Internet sobre o Marketing de Relacionamento verificados pelas empresas pesquisadas estiveram relacionados à insuficiência ou inadequação de departamentos, cargos, processos e perfil de funcionários, ao surgimento/subtração de formas de relacionamento, aos benefícios oferecidos

7 aos clientes, à estrutura tecnológica, e à funcionalidade das operações. Outros impactos da Internet foram verificados na disponibilidade em tempo integral da loja virtual, nas formas diferenciadas de acesso, interação, comunicação e coleta de dados, e por conseguinte, nas maiores oportunidades para conhecer o consumidor e oferecer-lhe ações mais direcionadas, com aferição de resultados e potencial redução de custos de transação. Por outro lado, esta forma de comércio gerou algumas implicações, como a exigência de revisão na estrutura organizacional e no perfil de pessoal em vários níveis da empresa, aculturação, educação em relação a mudanças, capacitação em ferramentas tecnológicas. Alterações no processo de vendas e no composto de marketing também se fizeram necessárias: apresentação dos produtos/serviços, esclarecimento de dúvidas, atendimento ao cliente, cobrança, logística de entrega, administração de estoques, relações com intermediários, além de elementos adicionais como segurança e privacidade, com efeitos sobre as práticas de relacionamento e as expectativas dos clientes. Muitas empresas afirmaram fazer revisões constantes para verificar a adequação e desempenho do site e dos serviços por ele oferecidos. Além disso, dependendo da natureza da operação, a decisão pelo e-commerce implicou em diferenças de preços, de formas de pagamento, prazos de entrega, com vantagens e desvantagens para os clientes. De qualquer modo, segundo os entrevistados, o que as empresas oferecem como maiores benefícios das vendas eletrônicas é a conveniência, a praticidade, a economia de tempo, elementos muito valorizados nos dias atuais, especialmente pelo perfil de cliente que compra pela Internet. O fator preços mais baixos foi citado por algumas empresas como sendo ainda parte das expectativas dos clientes; outras declararam que esse não é o fator preponderante nas compras online. A maior parte das empresas afirmou possuir diferenças de tratamento entre clientes que compram via Internet e clientes que compram pelas vias tradicionais, porém, em função dos processos e não por intenção de privilegiar um ou outro canal, embora, no início das atividades de um canal admita-se sua promoção para que se torne conhecido. As empresas notam diferenças de comportamento entre clientes dos diversos canais, que trazem tipos diversos de questionamentos, anseios e necessidades. Isto provocou mudanças na abordagem nas relações com clientes, quer seja no sentido de passar de uma postura reativa para uma mais pró-ativa, quer seja no de procurar direcionar melhor sua comunicação, diante do perfil dos clientes via Internet. A estratégia de aproximação dos clientes por meio da criação de comunidades observada nos estudos de Moe e Fader (2000, in Barwise, Elberse e Hammond, 2001:21), supõe que as pessoas que visitam uma loja com maior freqüência, seja física ou virtualmente, estejam mais propensas a comprar. Essa estratégia tem sido considerada por algumas das empresas pesquisadas, porém, com algumas poucas iniciativas em ação. Contudo, como evidenciam autores como Danaher et al. (2000, in Barwise, Elberse e Hammond, 2001:23) e como apontado por algumas empresas, ainda é um desafio analisar e compreender o comportamento de compra do mesmo cliente no site e na loja física, e qual o grau de influência das comunidades sobre este comportamento. Em relação à personalização, há bastante espaço para desenvolvimento, embora existam várias práticas pulverizadas nas empresas. Notam-se, entretanto, algumas incongruências entre a noção das empresas e a teoria apresentada pelos autores sobre esse tema, especialmente relacionadas à dificuldade de diferenciação entre os vários níveis de personalização. Os sites das empresas entrevistadas oferecem diversas alternativas de contato: endereço de , endereços de suas lojas físicas, os respectivos números de telefone e os números de suas centrais de atendimento. Adicionalmente, as empresas têm se aproveitado da facilidade self-service da Internet a qual, como observam Honeycomb (2001:2), Forbes (2002:1) e Raut (2002:1-3), pode proporcionar agilidade para os clientes e economia para a empresa, desde que adequadamente estruturado e com o respaldo de um atendimento pessoal, caso não se encontrem as informações desejadas. Nas vendas pela Internet, o vendedor típico dá lugar ao

8 atendente de SAC, que herda a incumbência de prestar o melhor serviço possível aos clientes. Dependendo de sua atuação, o cliente pode optar por comprar ou não daquela empresa e, o que é mais importante, decidir repetir ou não a experiência. Embora em algumas empresas se tenha conversado com pessoal responsável por Internet, em geral, essas pessoas têm um perfil híbrido: são especialistas em tecnologia e em negócios. Pôde-se observar, a partir das entrevistas, que há grande variação no grau de proximidade e integração entre áreas responsáveis por Internet e Marketing de Relacionamento. Há empresas em que ambas se confundem, todas as ações são voltadas para vendas e relacionamento; em outras, trabalham em cooperação; e há empresas com pontos de intersecção, mas sendo o relacionamento tratado segundo o canal de contato. Outro aspecto que vale salientar, fundamental para o êxito destas atividades, é a concentração, nem sempre possível ou conveniente a todas as empresas, das decisões de tecnologia da informação e de parte das decisões de marketing em uma mesma diretoria, permitindo desenvolver ferramentas tecnológicas com foco intenso na visão estratégica do negócio. Todas as empresas, com exceção da Empresa C, que faz algumas ressalvas, acreditam que as relações entre empresa e clientes irão melhorar após a introdução das vendas pela Internet, pois esta possibilita a troca de informações em tempo real, com análise mais efetiva de resultados (Empresa A), em função da possibilidade de coleta de um maior volume de informações possíveis de serem coletadas (Empresa F), com oportunidade de interagir com mais freqüência e de maneira mais personalizada, oferecendo informações e serviços mais relevantes para todos os seus públicos (Empresa D); além disso, constitui um canal adicional e mais ágil que os outros: ao possibilitar o envio de mais informações ao cliente, a um custo menor, permite à empresa utilizá-lo com mais intensidade que os demais canais (Empresa E). Adicionalmente, as vendas pela Internet exigem mais transparência, de interesse de ambas as partes (Empresa B); a empresa passa a preocupar-se em tornar sua comunicação mais amigável, o que é especialmente importante para alguns setores por uma constatação: a faixa etária de clientes pela Internet tem aumentado nos últimos anos, o que sinaliza que a população de mais idade, a qual, em geral, não possui muita afinidade com computadores, está tendo mais acesso à Internet (Empresa F). A loja fica praticamente disponível todo o tempo: o cliente tem acesso à empresa quando desejar por telefone, ou loja física (Empresa G). A Empresa H acredita que, embora não houvesse relacionamento anterior, é mais interessante para a empresa oferecer e para o cliente receber um tratamento automatizado, segmentado, de alta qualidade, personalizado, e em aprimoramento contínuo. A Empresa C avalia que, com a Internet, as relações entre empresa e clientes vão mudar sensivelmente: a Internet é um ambiente frio, voltado ao self-service; a sociedade está caminhando para isso: no que for possível o self-service, as pessoas irão preferi-lo, pois querem tomar maior controle sobre o que estão comprando. Desta forma, as empresas que estiverem prontas para atenderem online a seus clientes, e conseguirem se preparar para essas necessidades aproveitando-se dos recursos oferecidos pela Internet, serão beneficiadas. 5. Panorama das práticas das empresas no contexto do binômio Marketing de Relacionamento e Internet A partir dos dados obtidos nas entrevistas, traçou-se um panorama da realidade das empresas no tocante ao tema em estudo. No quadro 2 a seguir, as células marcadas com um (bloco I) representam os aspectos indicados pelos próprios entrevistados como mais deficitários em termos de Marketing de Relacionamento; as células marcadas com (bloco II) indicam os aspectos que não foram alvo de modificações/implicações decorrentes da Internet que seriam esperadas por parte das empresas. Cabe salientar que a adesão às possibilidades de ações a seguir apresentadas dependem dos objetivos estratégicos, dos dados contábeis e financeiros e da cultura da organização, variáveis cuja análise não faz parte do objeto deste estudo. Deste modo, o caráter das sugestões inerentes ao bloco II é apenas

9 ilustrativo do uso prático dos conceitos teóricos referentes a Marketing de Relacionamento. Antes da apresentação do quadro 2, é preciso que se façam algumas ressalvas: A ausência de marcação no bloco II não garante que as ações previstas já estejam realizadas de forma adequada; tanto em caso positivo como negativo, é imprescindível um monitoramento contínuo para o seu aprimoramento. A presença de marcação no bloco II pode implicar/sugerir um hiato entre as ações/atividades apresentadas na teoria e a prática declarada pelas empresas devido a: a. Despreparo/imaturidade da empresa por falta de entendimento da contribuição destas ações para o uso mais eficiente do e-commerce na busca da excelência do relacionamento com clientes. b. Despreparo/imaturidade da empresa por falta de recursos financeiros, tecnológicos, de pessoal etc. c. Despreparo/imaturidade da empresa por ambos os motivos apresentados em a. e b. d. Canalização de esforços pelas empresas norteada por objetivos que priorizam outro nível de relacionamento com o cliente. A presença de marcação no bloco II pode significar, ainda, que, em determinada empresa, já existia um arcabouço de políticas, estrutura e procedimentos consistentes, e que as ações sugeridas já integravam seu cotidiano antes mesmo da sua experiência com e-commerce, não demandando mudanças de postura neste novo cenário. Quadro 2 - Panorama das empresas: Marketing de Relacionamento e Internet Blocos Empresas A B C D E F G H Programas de lealdade Pesquisas de opinião/satisfação dos clientes Canais de comunicação com cliente Definição de metas de satisfação dos clientes Administração de padrões para atendimento de reclamações Treinamento para funcionários sobre atendimento a clientes Valorização de funcionários em função do Marketing de Relacionamento Projetos de produtos em conjunto com clientes Implantação do CRM Produtos / serviços personalizados Perfil de pessoal Abordagem nas relações com clientes Canais de comunicação empresa-clientes I- Marketing de Relacionamento II Algumas implicações possíveis e não verificadas sobre o Marketing de Relacionamento Pesquisas sobre desejos e necessidades dos clientes Tratamento das sugestões, críticas ou reclamações de clientes Benefícios ofertados Programas de lealdade Políticas privacidade Forma de coleta de dados e tipos de dados coletados Gerenciamento e análise dos dados coletados Oferecimento de produtos ou serviços personalizados Desenho e funcionamento do site Formas de o cliente obter informações sobre o seu pedido Novos procedimentos operacionais de vendas Diferenciação de tratamento entre clientes que compram pela Internet e os que compram pelos meios tradicionais Políticas de investimento em tecnologia de informação Fonte: dados de campo. Não obstante a complexidade da tarefa de avaliar numericamente os efeitos da implantação do Marketing de Relacionamento em uma empresa, uma vez que os investimentos precisam ser justificados, deve-se partir de uma definição clara de metas e de

10 critérios para avaliação, com revisão periódica. Talvez seja este o aspecto mais deficitário das empresas, que têm consciência da importância e das vantagens do Marketing de Relacionamento, porém não possuem medidas para avaliá-lo. Daí emerge a importância de sistemas que armazenem e tratem analiticamente as informações dos clientes, especialmente em se tratando de empresas de grande porte, questão facilitada pelos recursos tecnológicos freqüentemente utilizados nas vendas pela Internet. Ainda que o Marketing de Relacionamento não faça parte das prioridades de algumas empresas, ações dirigidas ao seu aprimoramento a médio ou longo prazo certamente trariam contribuições para o alcance de seus principais objetivos, qualquer que seja a sua natureza. 6. Conclusão A conduta das empresas em relação à implantação de novos conceitos, envolvendo soluções tecnológicas ou não, apresenta um amplo espectro de variação, com experiências notáveis, a despeito do setor ou há quanto tempo se iniciou no comércio pela Internet ou nas práticas de Marketing de Relacionamento. Algumas empresas contam com o apoio de empresas de consultoria; outras, dependem do expertise e know-how de seus profissionais, que buscam nos livros e universidades embasamento teórico sobre as práticas a serem consideradas e aplicadas à sua realidade; outras, ainda, podem usufruir da experiência e estrutura de suas matrizes internacionais. O ponto comum entre todas elas é a visão de que os fundamentos do relacionamento devem estar presentes em todos os aspectos de seu negócio, quer seja pela Internet ou não, o que demanda educação e informação de todos os funcionários, intenso empenho dos líderes dessa mudança e patrocínio da alta administração da empresa. Em épocas de intensa competição como a atual, em que um simples clique de mouse pode transportar o cliente de uma loja a outra, torna-se imprescindível canalizar os preceitos do relacionamento aliados aos recursos da Internet para a conquista de maior competitividade. Padrões elevados no Marketing de Relacionamento podem constituir forte vantagem competitiva e, como afirma Porter (2001:64), as empresas que utilizam a Internet aliada às formas normais de competição é que terão maiores chances de sucesso. 7. Referências Bibliográficas BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Porte de empresa. Rio de Janeiro, Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/produtos/consulta/porte/porte.asp>. Acesso em: 25 abr BARWISE, P.; ELBERSE, A.; HAMMOND, K. Marketing and the Internet: a research review. London: London Business School, Disponível em: <http://www.marketingandtheinternet.com>. Acesso em: out BANE, K. M. Humanize your web customer service. e-business Advisor, San Diego, p , Aug BOONE, L. E.; KURTZ, D.L. Contemporary marketing. 10 th ed. Orlando: Harcourt College, CANTERO, C.; RIZZO, L.; WERNECK, T. Elas são excelentes. Consumidor Moderno, São Paulo, a. 8, n. 69, p , E-BIT. Evolução do comércio eletrônico brasileiro: Webshoppers, São Paulo, 8. ed. ago Disponível em: WebShoppers8.pdf. Acesso em: 29 ago E-BIT. Raio- do comércio eletrônico brasileiro Webshoppers, São Paulo, 9. ed., fev Disponível em: WebShoppers9.pdf. Acesso em: 20 abr EVANS, P.; WURSTER, T. S. Getting real about virtual commerce. Harvard Business Review, Boston, p , Nov./Dec FORBES, S. Best practices for online self-service. Norwalk, CT, 4 Apr Disponível em: <http://www.tmcnet.com/tmcnet/articles/040402rn.htm>. Acesso em: 24 abr

11 GAZETA MERCANTIL. Balanço anual. São Paulo, a. VI, n. 26, jun/2002. GHOSH, S. Making business sense of the Internet. Harvard Business Review, Boston, p , Mar./Apr GIANFORTE, G. Insider s guide to customer service on the Web: ten secrets for successful eservice. Bozeman, MT, Disponível em: <http://www.rightnow.com/resource/brief.html>. Acesso em: 24 abr GUMMESSON, E. Total relationship marketing rethinking marketing management: from 4Ps to 30Rs. Oxford: Butterworth Heinemann, HONECOMB, J. Insider s guide to the key elements of a complete Internet customer service solution. Bozeman, MT, Disponível em: <http://www.rightnow.com/resource/complete.html>. Acesso em: 24 abr MCKENNA, R. Marketing de relacionamento: estratégias bem-sucedidas para a era do cliente. Rio de Janeiro: Campus, POMBRIANT, D. Web commerce meets the consumer. Aberdeen.com, Boston: Aberdeen Group, June Disponível em: Acesso em: 10 ago PORTER, M. E. Strategy and the Internet. Harvard Business Review, Boston, p , Mar RAGINS, E. J.; GRECO, A. J. Customer Relationship Management and e-business: more than a software solution. Review of Business, 24, 1. Jamaica, N: ABI/Inform Global, p , Winter RAUT, P. Ensuring Customer Delight. [S.l.]: 24 jan CRMGuru. Disponível em: <http://www.crmguru.com/features/2002a/0124pr.html>. Acesso em: 24 abr REGGIANI, L. Os reis do e-commerce. Info Exame, a. 18, n. 206, São Paulo, p.70-75, maio REIBSTEIN, D. J. The Internet buyer. In: WIND, J.; MAHAJAN, V. Digital marketing: global strategies from... New ork: John Wiley, cap. 8, p REICHHELD, F. F. A estratégia da lealdade: a força invisível que mantém clientes e funcionários e sustenta crescimento, lucros e valor. Rio de Janeiro: Campus, ; SCHEFTER, P. E-loyalty: your secret weapon on the Web. Harvard Business Review, Boston, p , July/Aug RUEFLI, T. W.; WHINSTON, A.; WIGGINS, R. R. The digital technological environment. In: WIND, J.; MAHAJAN, V. Digital marketing: global strategies from the world s leading experts. New ork: John Wiley, cap. 2, p SIMON, H.; SCHUMANN, H. Pricing opportunities in the digital age. In: WIND, J.; MAHAJAN, V. Digital marketing: global strategies from the world s leading experts. New ork: John Wiley, cap. 14, p STERNE, J. Customer service on the Internet: building relationships, increasing loyalty, and staying competitive. 2 nd ed. New ork: John Wiley, SUDHARSHAN, D. Marketing strategy: relationships, offerings, timing e resource allocation. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, TOLEDO, G. L.; NAKAGAWA, M. H.; AMASHITA, S. S. O composto de marketing no contexto estratégico da Internet. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo: Editora Mackenzie, a. 3, n. 1, p , VALOR ECONÔMICO. Varejo online movimenta R$ 350 milhões no trimestre. Valor + News, Valor Econômico, 20 Abr Disponível em: <http://www.valoronline.com.br>. Acesso em: 23 abr VAVRA, T. G. Marketing de relacionamento = Aftermarketing. São Paulo: Atlas, VENETIANER, T. e-commerce na corda bamba. Rio de Janeiro: Campus, WINER, S. R. Marketing management. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, 1999.

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

livrarias. No Brasil, o mercado livreiro é um dos melhores do mundo.

livrarias. No Brasil, o mercado livreiro é um dos melhores do mundo. Universidade Castelo Branco O PROCESSO DE EVOLUÇÃO DO E-COMMERCE DA SARAIVA RUAN CAÍQUE DE JESUS SIMAS Orientação: Prof.ª Carla Mota. Rio de Janeiro, jun. 2014 Introdução O comercio varejista brasileiro

Leia mais

Preenchendo a lacuna entre o autoatendimento e o atendimento assistido

Preenchendo a lacuna entre o autoatendimento e o atendimento assistido Folheto do produto Genesys Chat Preenchendo a lacuna entre o autoatendimento e o atendimento assistido Hoje os clientes querem e esperam opções de autoatendimento quando participam de vendas on-line e

Leia mais

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Livraria Saraiva A Livraria Saraiva é uma empresa brasileira, fundada em 1914 e hoje é a maior livraria

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Profa. Reane Franco Goulart

Profa. Reane Franco Goulart Sistemas CRM Profa. Reane Franco Goulart Tópicos Definição do CRM O CRM surgiu quando? Empresa sem foco no CRM e com foco no CRM ParaqueCRM é utilizado? CRM não é tecnologia, CRM é conceito! CRM - Customer

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Pesquisa Profissionais de Ecommerce

Pesquisa Profissionais de Ecommerce Pesquisa Profissionais de Ecommerce Agosto de 2011 http://www.ecommerceschool.com.br Introdução O crescimento do comércio eletrônico brasileiro é feito com tecnologia e pessoas. Por trás desse crescimento

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

ecommerce 25.fev.2012 http://www.kso.com.br/kso/fce/

ecommerce 25.fev.2012 http://www.kso.com.br/kso/fce/ ecommerce 4 25.fev.2012 http://www.kso.com.br/kso/fce/ ecommerce Recapitulando Elementos Básicos Análise de Segmentação Análise SWOT/TOW Considerações Finais ecommerce Conceitos Básicos Principais Elementos

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Sistema Binário. Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Faculdades Integradas Campos Salles

Sistema Binário. Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Sistema Binário

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

CRM Customer Relationship Management

CRM Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management C R M : DEFINIÇÃO TEÓRICA NO PASSADO CONHECÍAMOS NOSSOS CLIENTES PELO NOME, ONDE VIVIAM, QUE TIPO DE PRODUTOS NECESSITAVAM, COMO SERIAM ENTREGUES, COMO QUERIAM PAGAR

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Gestão de Vendas e Relacionamento O programa desenvolve conhecimentos e habilidades que possibilitem ao profissional atender de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR

DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR 1 DESAFIOS OPERACIONAIS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: TRANSFORMADO A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR ENEXT CONSULTORIA: SÉRIE DE WHITE PAPERS Produzido por: Gabriel Lima As informações contidas neste White Paper são

Leia mais

Sistemas de Canais Sistemas de Informação

Sistemas de Canais Sistemas de Informação É necessário o entendimento de como os produtos chegam aos clientes, o que ocorre por meio de uma série de entidades de Marketing conhecidas como canais. Os Sistemas de Canais são todos os sistemas envolvidos

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA SEGURANÇA CIBERNÉTICA Fevereiro/2015 SOBRE A PESQUISA Esta pesquisa tem como objetivo entender o nível de maturidade em que as indústrias paulistas se encontram em relação

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Como sua empresa pode

Como sua empresa pode Como sua empresa pode [ O guia de segmentação por IP ] Tecnologia de Inteligência de IP e de geolocalização O método de encontrar a localização física e geográfica de um usuário com base unicamente em

Leia mais

O CURSO OBJETIVOS PÚBLICO ALVO METODOLOGIA

O CURSO OBJETIVOS PÚBLICO ALVO METODOLOGIA O CURSO Mergulho profundo e intenso em todas as práticas do marketing atual, procurando garantir aos alunos autossuficiência, competitividade, assimilação e domínio. Todas as aulas relacionam-se, exclusivamente,

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

Para manter o sucesso de um negócio, a empresa precisa compreender e manter uma relação positiva com seus clientes.

Para manter o sucesso de um negócio, a empresa precisa compreender e manter uma relação positiva com seus clientes. Profª Carla Mota UCB 2010 Unid 2 aula 2 CRM Para manter o sucesso de um negócio, a empresa precisa compreender e manter uma relação positiva com seus clientes. O seu objetivo principal é auxiliar as empresas

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais