Em termos de normas técnicas, Monitoramento de Partículas. capa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em termos de normas técnicas, Monitoramento de Partículas. capa"

Transcrição

1 capa Monitoramento de Partículas A maior rigidez dos órgãos reguladores nacionais e internacionais é fator decisivo para a constante preocupação com o monitoramento das áreas limpas Alberto Sarmento Paz Fotos: Arquivo SBCC Áreas de produção da fábrica da Sanofi-Aventis, em Suzano (SP) Em termos de normas técnicas, as especificações para ensaios e monitoramento para comprovar a contínua conformidade da classificação das áreas limpas (estabelecidas pela NBR ISO ) são apontadas na NBR ISO Cada instalação deve ter um histórico comprobatório da conformidade contínua dos requisitos de limpeza do ar, assegurando assim que um dado processo produtivo está seguro. Para tanto é necessário elaborar um planejamento detalhado e agir continuamente com base nos resultados dos ensaios. Miguel Ferreirós, da Análise Consultoria, entende que os processos de requalificação e os de monitoramento se complementam e têm por objetivo reduzir o risco de falhas, sem deixar de considerar a harmonia com os objetivos da produção. O monitoramento é normalmente executado pelo usuário durante a operação real de sua fábrica. Ele faz um conjunto de medições conforme planejamento e métodos previamente definidos para coletar provas do desempenho de sua instalação. Com base nestas informações o usuário pode detectar tendências e agir antes que ocorra prejuízo ao seu processo. As requalificações ou certificações via de regra são realizadas por empresas de engenharia independentes que executam um conjunto de ensaios mais abrangentes e que não poderiam ser aplicados em cada lote de produção. A NBR ISO parte 2 deixa claro que deve ser feita a análise de risco para definir quais ensaios devem ser aplicados e em que periodicidade. Há muito já se sabe que somente o ensaio de contagem de SBCC julho / agosto 2008

2 partículas em suspensão no ar não é evidência suficiente para garantir a segurança contínua da classificação dos ambientes, como salas limpas e equipamentos do tipo fluxo unidirecional ou até mesmo equipamentos de processo como estufas ou túneis de despirogeinização. Outros ensaios como vazão e uniformidade do fluxo de ar, pressurização e vazamento na instalação de filtros de alta eficiência são necessários e exigidos por órgãos regulatórios da área de saúde, comenta Ferreirós. A periodicidade dos ensaios deve ter como base de decisão o histórico da instalação. Uma dada instalação que demonstra ter baixa confiabilidade no resultado dos ensaios de vazamento na instalação de filtragem HEPA, por exemplo, jamais poderia adotar 24 meses como intervalo para a realização deste ensaio. Lembro também que é necessário refletir sobre o que estamos procurando comprovar quando especificamos que um determinado ensaio deve ser feito. Há uma tendência de não encontrarmos aquilo que não estamos procurando, então é preciso saber o que estamos desafiando. Um caso clássico é especificar ensaio de contagem de partículas para cabines de segurança biológica. Qual a chance de encontrarmos contagens elevadas se a sonda do contador está posicionada sobre um tripé a poucos centímetros da face do filtro de insuflação do equipamento? Ou ainda o que estaríamos comprovando ao colocar a sonda do contador de partículas a 30 centímetros do forro filtrante sobre uma máquina de envase de produto estéril?, questiona Ferreirós, que também é membro do GT-51 (CB-46 da ABNT), que trabalha na elaboração de normas para equipamentos autônomos de ar limpo. A NBR ISO parte 2 deixa claro que deve ser feita a análise de risco para definir quais ensaios devem ser aplicados e em que periodicidade Quando um processo não está sob controle lotes de produtos podem ser invalidados com retirada do produto dos pontos-de-venda, além de prejuízos incalculáveis à imagem da empresa. Uma forma de minimizar o risco é compor uma equipe multidisciplinar para definir qual a freqüência ade-

3 capa Foto: Divulgação / CCL Os clientes exigem a oferta de um portfólio completo de ensaios quada de monitoramento e requalificação e quais ensaios são necessários para a segurança do processo. Ferreirós explica ainda que se deveficar atento às especificações dos órgãos regulatórios nacionais, e eventualmente internacionais, quando a empresa exporta. Comenta também que as exigências são cada vez maiores e que nem sempre se conhece o fundamento científico que dá lastro a uma dada especificação. Algumas auditorias têm exigido os ensaios na condição as found (como encontrada) e as left (como certificada). Embora coerente, estes e outros novos conceitos ainda corporativos poderão ser adotados pelos órgãos regulatórios no futuro. Para que os resultados do monitoramento e das requalificações sejam positivos é recomendado que o planejamento inicie na fase de projeto da instalação e que a qualificação do projeto não seja esquecida e tenha tempo hábil para sua execução, conclui Ferreirós. A idéia de que a necessidade do monitoramento em áreas limpas deva acompanhar o ambiente desde o aceite da construção é também compartilhada por Eduardo Lopes, da Sanofi-Aventis. Essa situação, segundo Lopes, reflete com precisão a dimensão que o tema vem ganhando junto aos usuários-finais. Os parâmetros de monitoramento são influenciados pela operação a ser realizada na área limpa, pela exigência dos clientes e pelo atendimento integral às normas técnicas. Portanto, para evitar problemas com a obra em andamento ou mesmo já finalizada, o tema deve ser alvo de estudo minucioso na fase de projeto. Quanto mais cedo a empresa definir, melhor. O ideal é que Para que o monitoramento seja positivo é recomendado que o planejamento inicie na fase de projeto 8 SBCC julho / agosto 2008

4 antes de qualquer trabalho de projeto, a equipe encarregada produção, garantia da qualidade, fornecedores e engenharia deixe isso muito claro nos requerimentos do usuários (os user requirements ). Esse deve ser o primeiro documento do projeto; se a medição não está clara, não adianta começar a especificar a solução de Engenharia, comenta o Lopes. Foto: Arquivo SBCC Boas práticas Trabalhando há 12 anos na Sanofi- Aventis, uma das maiores empresas farmacêuticas do mundo, Eduardo Lopes acompanhou todo o processo de consolidação da unidade de Suzano da empresa, uma das mais importantes do grupo, com fábricas de medicamentos orais, semi-sólidos e sólidos. Para o caso do monitoramento, Lopes sugere que, nos ensaios Os parâmetros são definidos pela operação, exigências dos clientes e da legislação de aceite de uma obra, todos os ensaios físicos sejam realizados por empresas terceirizadas. Isto porque pressões de tempo e de contrato podem influenciar na qualidade dos ensaios, ou na credibilidade deles, se realizados pelo comprador ou fornecedor da obra. Então temos a referência de que todos os ensaios sejam feitos pelo fornecedor e documenta-

5 capa Todo o esforço de planejamento é recompensado com uma execução mais exata, sem perda de tempo e com melhor uso dos dados obtidos dos, é o chamado comissionamento, conta Lopes. Posteriormente, a Sanofi-Aventis solicita a repetição de todos os ensaios por outra empresa (qualificação e validação). Quando as áreas já estão em funcionamento para os ensaios periódicos (trimestrais, semestrais ou anuais), os ensaios para monitoramento podem ser executados tanto pela própria empresa como por terceiros. Existem vantagens e desvantagens em ambos os casos. O modelo que acredito ser o ideal é aquele no qual o cliente discute detalhadamente todos os ensaios a serem executados antes de qualquer execução. Nessa fase, pode ser necessário o apoio de alguma consultoria para a elaboração da documentação sob medida para o cliente, diz Lopes. As vantagens apontadas são, em linhas gerais, as seguintes: maior velocidade dos ensaios (uma área parada têm custo elevado para a empresa), pois um terceiro pode aportar recursos humanos e de equipamentos na quantidade necessária, justamente em um momento em que o pessoal interno está mobilizado na manutenção da área. Outro ponto é que a qualidade do trabalho tende a ser superior. As empresas especializadas têm grande experiência e normalmente equipamentos mais modernos do que os dos clientes, conta Lopes. Entre as desvantagens, Lopes explica que o cliente tende a ficar distante dos ensaios e apenas aguardar o relatório com os resultados finais. Com isso, acaba perdendo a oportunidade de conhecer melhor a própria área e interferir ainda de forma preventiva, evitando perdas maiores no futuro. Lopes argumenta que todo o esforço de planejamento é recompensado com uma execução mais exata, sem perda de tempo para todos os envolvidos e com melhor uso dos dados obtidos. É importante: os dados coletados são muito úteis para a melhoria contínua da área e não somente para mostrar que a área está conforme. Lopes acrescenta que o monitoramento tem alto impacto financeiro no custo operacional, algo entre 10% e 20%, excluindo materiais e mão-deobra. Este percentual leva em conta o trabalho de campo e a análise de laboratório e gerencial dos dados. Um fator que influencia em muito é o grau de ocupação da área, quanto mais ocupada, mais baixo o custo proporcional do monitoramento, explica. Fotos: Divulgação / PWM Um fator que influencia o custo é o grau de ocupação da área 10 SBCC julho / agosto 2008

6 Monitoramento contínuo Além dos testes realizados periodicamente, muitas empresas se valem do monitoramento contínuo, caracterizado por ser executado em 100% do tempo (ou com intervalos muito curtos, normalmente alguns minutos). Um dos exemplos é o uso de um contador de partículas que monitora o ambiente próximo a uma etapa crítica do processo e fornece os dados em tempo real. Geralmente conta com alarme que alerta o operador quando a contagem sai fora dos parâmetros, exigindo uma pronta interferência no processo. Miguel Ferreirós, da Análise Consultoria, explica que existem dois tipos de monitoramento contínuo das partículas: o em tempo real (que envolve um único contador em uma posição prédeterminada) e o em tempo seqüencial (uso de um contador para monitorar diversos pontos). Em linhas gerais, o modelo em tempo real é mais indicado para operações críticas ou muito sensíveis. Entre as maiores vantagens deste modelo estão a detecção contínua de todos os eventos da partícula e notificação imediata o que permite ações também imediatas. Já o seqüencial tem como maior vantagem cobrir uma área maior com poucos contadores, reduzindo assim os custos. A escolha se dará pela característica da área limpa, avalia. Em termos de ensaios de monitoramento ambiental, pode-se dividi-los em dois grandes grupos: os físicos (diferencial de pressão, contagem de partículas e velocidade de fluxo de ar, que são medidos rotineiramente) e os microbiológicos (exposição de placas deposição de partículas viáveis, testes de contato superfície de trabalho, mãos e vestimentas, e amostragem por ar forçado). Existem ainda os testes nos produtos, detecção de partículas e detecção de contaminação microbiológica e química, lembra Eduardo Lopes, da Sanofi-Aventis. Empresas de certificação A Revista da SBCC consultou algumas empresas relacionadas ao negócio do monitoramento de partículas para conhecer os serviços e a avaliação do mercado atual. Alcir Leal dos Santos, diretor operacional da CCL Farma, comenta que o monitoramento de partículas tem grande importância por confirmar se a área limpa está dentro dos padrões preestabelecidos em projeto. Com o crescimento da indústria farmacêutica no Brasil, os profissionais passaram a conhecer mais assuntos como certificação e qualificação. O maior conhecimento exigiu uma evolução

7 capa capa Foto: Divulgação / Ultra-Clean Os equipamentos estão mais práticos e funcionais dos prestadores de serviços, principalmente quanto aos equipamentos disponíveis. Há alguns anos era relativamente comum as empresas de serviço de certificação venderem apenas alguns ensaios. Hoje, é necessário oferecer um portfólio completo de ensaios, comenta Alcir. A CCL Farma fornece serviços de TAB, integridade do filtro HEPA utilizando o produto PAO ou similar, teste de contagem de partículas em suspensão do ar, de diferencial de pressão, de recuperação do ambiente, de fumaça, de velocidade do fluxo de ar, entre outros. Ramon Machado, da PWM Service, destaca que em um ambiente globalizado as ferramentas que dão confiabilidade à produção são cada vez mais exigidas, como é o caso do monitoramento de partículas. Hoje para que o fabricante nacional exporte medicamentos é necessário As empresas prestadoras de serviços têm grande experiência e normalmente equipamentos mais modernos do que os clientes receber a autorização de órgãos regulatórios internacionais, tais como o FDA e o EMEA e, para tanto, o fabricante necessita de um sistema FMS Facility Monitoring System capaz de monitorar, armazenar e garantir a inviolabilidade dos dados armazenados, comenta.

8 Com um histórico de 20 anos de atuação no mercado de contagem e certificação de áreas limpas, a PWM presta serviços de calibração e fornecimento de contadores de partículas em suspensão no ar. Além dos instrumentos, a empresa fornece suporte técnico para a definição de qual instrumento deve ser adquirido pelo cliente e como efetuar sua instalação. Com o crescimento da indústria, aumenta a demanda por sistemas de monitoramento. Acredito que em 2008 esse mercado deve crescer entre 30% e 40%, avalia Ramon. Apesar de não serem as únicas, as indústrias farmacêuticas são as que mais contratam serviços de monitoramento de partículas. O grau de exigência quanto ao controle de produção, com parâmetros rígidos estabelecidos pelas normas técnicas e por regulamentos como os do FDA e GMP tornam esse segmento o de maior demanda por monitoramento, comenta Alcides Betiol, da Ultra-Clean. Prestadora de serviços de classificação e certificação de conformidade do ar em áreas limpas, sistemas de HVAC e equipamentos de fluxo unidirecional, capelas de exaustão e cabines de pesagem e amostragem, a Ultra-Clean oferece uma ampla gama de ensaios para salas limpas, tais como contagem eletrônica de partículas, determinação do tempo de recuperação, dinâmica do ar através de fumaça, ensaio do nível de ruído e nível de pressão sonora, entre outros. O mercado está aquecido, mas as exigências dos clientes são cada vez maiores. A excelência na prestação de serviços será o maior diferencial na hora da contratação, comenta Betiol. Tendências Para Eduardo Lopes, da Sanofi-Aventis, a evolução do setor aponta para algumas novas variáveis. Os equipamentos de medição usados para ensaios físicos, assim como para integração (forma como os equipamentos conversam ) dos dados tiveram uma sensível redução de custos e se tornaram mais práticos e funcionais. A rapidez na geração dos dados também é um fato marcante. Por um lado, é excelente, porém está sendo mais rápido do que a capacidade humana de interpretálos e agir. Assim, penso que o ideal é focar em um pequeno número de dados críticos, que realmente influenciam o processo, e agir sempre com antecedência, comenta. Esses dados devem ser tratados como CEP (Controle Estatístico de Processo), no qual o operador deve saber, em tempo real, como está o processo e interferir imediatamente se necessário. Existe ainda uma tendência de tornar os monitoramentos microbiológicos cada vez mais rápidos. Num futuro próximo, eles também podem vir a fazer parte do CEP, finaliza Lopes. u SBCC julho / agosto

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Controle da produção veterinária. Com espaço otimizado, empresa amplia capacidade de produção. À direita acesso à área de Cefalosporínicos

Controle da produção veterinária. Com espaço otimizado, empresa amplia capacidade de produção. À direita acesso à área de Cefalosporínicos case Vet&Cia Controle da produção veterinária Vet&Cia instala novas áreas limpas destinadas à produção de medicamentos veterinários. Diretriz segue tendência global para levar ao segmento veterinário os

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Área limpa para o setor aeroespacial

Área limpa para o setor aeroespacial Área limpa para o setor aeroespacial Equatorial Sistemas inaugura 95 metros quadrados de área limpa, para desenvolver, fabricar, montar e integrar hardwares para aplicações aeroespaciais Alberto Sarmento

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

QUALIFICAÇÃO INSTALLATION QUALIFICATION (QUALIFICAÇÃO DE INSTALAÇÃO)

QUALIFICAÇÃO INSTALLATION QUALIFICATION (QUALIFICAÇÃO DE INSTALAÇÃO) QUALIFICAÇÃO DEFINIÇÃO: PROVA DOCUMENTADA QUE UM EQUIPAMENTO, MATERIAL OU SERVIÇO FUNCIONA DE MANEIRA REPRODUTÍVEL E ATENDE ÀS ESPECIFICAÇÕES PRÉ- ESTABELECIDAS. PODE SER SUBDIVIDIDA EM: DQ: IQ: OQ: PQ:

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Outubro/2014 BLOCO I Fundação Cristiano Varella Hospital do

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Certificação ISO Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Avanços em Medicina Laboratorial UNICAMP 2012 Introdução à Qualidade Não existem laboratórios

Leia mais

Norma mundial para testes e classificação de filtros HEPA e ULPA

Norma mundial para testes e classificação de filtros HEPA e ULPA artigo técnico Norma mundial para testes e classificação de filtros HEPA e ULPA Autores: R. Vijayakumar, Ph.D., Aerfil LCC (EUA) e Marco Adolph, Dr., Trox do Brasil Contato: marcoadolph@gmail.com R. Vijayakumar

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

FABR B I R CA C ÇÃO E E CONT N ROLE L DE QUALIDADE DE MEIOS DE E CU C LTURA

FABR B I R CA C ÇÃO E E CONT N ROLE L DE QUALIDADE DE MEIOS DE E CU C LTURA FABRICAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE DE MEIOS DE CULTURA A Laborclin, sabendo do comprometimento e preocupação que seus clientes tem com a Qualidade de suas Análises tem investido muito na melhoria de seus

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Apresentação da Norma ISO 9000-1. Camila Tamico Ushiwata Pós-Graduação ITA CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software

Apresentação da Norma ISO 9000-1. Camila Tamico Ushiwata Pós-Graduação ITA CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Apresentação da Norma ISO 9000-1 Camila Tamico Ushiwata Pós-Graduação ITA CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Introdução Apresentação da Norma ISO 9000 Derivação da Norma ISO 9000

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade Automação de Sistemas Industrias Automação com Qualidade Por que investir em QUALIDADE? Os crescentes números da Balança Comercial, apontam para uma nova e interessante tendência: a EXPORTAÇÃO de produtos.

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

SBCC presente no Congresso da SOBRAFO

SBCC presente no Congresso da SOBRAFO SBCC presente no Congresso da SOBRAFO Entidade leva o conhecimento técnico sobre áreas limpas aos farmacêuticos em oncologia Por Carlos Sbarai Fotos: SS Vídeo / Sergio Sampaio Conceição Vista parcial do

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

A evolução nas empresas

A evolução nas empresas A evolução nas empresas A Revista da SBCC consultou as empresas associadas fabricantes de produtos para arquitetura de áreas limpas e ambientes controlados sobre inovações e expectativas para o mercado

Leia mais

Guia do comprador de elevadores

Guia do comprador de elevadores Guia do comprador de elevadores Para os profissionais da assistência técnica Automotiva No quê prestar atenção quando se compra um elevador Aumente a Produtividade Melhore o balanço de contas De todas

Leia mais

Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção

Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção 2008: issue 3 A publication of Caterpillar Global Mining Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção Minas de sucesso usam medidas-chave para melhorar a disponibilidade O

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

A Viabilidade de Implementação de Sistemas de Calibração na Indústria Newton Bastos Vendas Técnicas Presys Instrumentos e Sistemas Ltda * Alguns Questionamentos * Você sabe como está a Gerenciamento das

Leia mais

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe 1 FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe ITIL V2 Service Support Aracaju, Setembro de 2009 EDUARDO DA PAIXÃO RODRIGUES LUCIELMO DE AQUINO SANTOS 2 ITIL V2 Service Support Trabalho de graduação

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

A Acreditação como Requisito num Laboratório de Referência

A Acreditação como Requisito num Laboratório de Referência A Acreditação como Requisito num Laboratório de Referência Departamento Saúde Ambiental Natália Faria; Teresa Anacleto Dia do INSA 29-09-2009 ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS (NP EN ISO/IEC 17025:2005) Requisitos

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS Consigo rastrear o minha Compra? Sim. As informações mais atualizadas sobre sua Compra e a situação de entrega de sua Compra estão disponíveis em Meus pedidos.

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE PRODUTOS ESTÉREIS E PIROGÊNIO

CONTROLE DE QUALIDADE DE PRODUTOS ESTÉREIS E PIROGÊNIO CONTROLE DE QUALIDADE DE PRODUTOS ESTÉREIS E PIROGÊNIO Prof(a): Erika Liz PRODUTOS ESTÉREIS Ausência de microrganismos e limite de pirogênios/ endotoxinas Produtos parenterais PRODUÇÃO DE ESTÉREIS Produto

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Auditoria em Sistemas de Medição. Ênfase no processo de Medição

Auditoria em Sistemas de Medição. Ênfase no processo de Medição Auditoria em Sistemas de Medição Ênfase no processo de Medição Geral Objetivo: Apresentar visão geral da execução de auditorias em sistemas de medição do gás natural. ABRANGÊNCIA SISTEMA DE MEDIÇÃO Características

Leia mais

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados

Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Implantação e Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade no Processo de Produção de Materiais de Referência Certificados Lívia Gebara Muraro Serrate Cordeiro Bolsista PCI/DTI, M.Sc. Maria Alice

Leia mais

2013.02 AUDITORIA INTERNA. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com.br

2013.02 AUDITORIA INTERNA. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com.br 2013.02 AUDITORIA INTERNA Prof. Esp. Ailton Nóbrega www.profailtonnobrega@gmail.com www.profailtonnobrega.blogspot.com.br 01. APRESENTAÇÃO Buscando complementar as informações trabalhadas em sala de aula

Leia mais

S ] Striai S indu o SS proce estão para g engenharia e S de S integrada [ Soluçõe nevesdobrasil.com.br

S ] Striai S indu o SS proce estão para g engenharia e S de S integrada [ Soluçõe nevesdobrasil.com.br [ Soluções integradas de Engenharia e Gestão para Processos Industriais ] [ apresentação ] A NEVES DO BRASIL Fundada em 2008 com sua unidade matriz em Americana (SP) a Neves do Brasil busca fornecer soluções

Leia mais

Proteção para os data centers

Proteção para os data centers MISSÃO CRÍTICA Proteção para os data centers Diferentes das áreas limpas comumente usadas na indústria farmacêutica, as chamadas salas-cofre ou salas de missão crítica são destinadas a proteger data centers,

Leia mais

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA O DESAFIO: A qualidade dos produtos finais e serviços prestados, é requisito mínimo nos dias de hoje para as organizações que desejam estar à frente. O mercado encontra-se cada

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR

LIMPEZA PREDIAL LIMPEZA HOSPITALAR A GUIMA CONSECO, fundada em 1988, tem no Controle de Qualidade a ferramenta que antecipa tendências e orienta seus procedimentos, na direção das expectativas e anseios de seus clientes, tornando-se assim

Leia mais

SELEÇÃO DE ESTÁGIO 2013/02

SELEÇÃO DE ESTÁGIO 2013/02 SELEÇÃO DE ESTÁGIO 2013/02 Estão abertas as inscrições para o processo seletivo de estágio no Laboratório Teuto. Os interessados deverão enviar currículos até dia 04/06/13, para o e-mail seleção@teuto.com.br,

Leia mais

Contract Compliance Services

Contract Compliance Services RISK CONSULTING Contract Compliance Services Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros kpmg.com/br 2 / Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros Gerenciando o risco e aumentando

Leia mais

NBC TA 500 - DISPOSIÇÕES. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.217, de 03.12.2009

NBC TA 500 - DISPOSIÇÕES. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.217, de 03.12.2009 NBC TA 500 - DISPOSIÇÕES RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.217, de 03.12.2009 Aprova a NBC TA 500 Evidência de Auditoria. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

Tecnologia em evolução

Tecnologia em evolução Isoladores Tecnologia em evolução Isoladores são usados principalmente para separar o processo do meio ambiente e operador ou para proteger o operador e meio ambiente de processos potencialmente tóxicos

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade Total, do inglês Total Quality Management - TQM é uma estratégia de administração completa que tem como objetivo

Leia mais

Análise de Lubrificantes

Análise de Lubrificantes Relatório de Análise de Lubrificantes pela Internet www.labitweb.com.br E se você pudesse A Lubrin pode auxiliá-lo nesta resposta. prever as falhas dos O laboratório da Lubrin é certificado pela ISO 9001:2008

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA Silvio Burrattino MELHADO Engenheiro Civil, Professor da Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2, n 271, CEP 05508-900 São Paulo

Leia mais

Higiene para a indústria alimentar e farmacêutica

Higiene para a indústria alimentar e farmacêutica Higiene para a indústria alimentar e farmacêutica HIGIENE PARA A INDÚSTRIA ALIMENTAR E FARMACÊUTICA INOVAÇÃO ESPECIALIDADES QUÍMICAS GESTÃO DA HIGIENE ITRAM CLEANING EQUIPMENTS UTENSÍLIOS VIKAN DETECÇÃO

Leia mais

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS VITÓRIA 2004 Dicas de como participar de feiras Introdução As feiras são eventos ricos em oportunidades de negócios. São ambientes privilegiados para o incremento das

Leia mais

Melhorias da Infraestrutura

Melhorias da Infraestrutura Melhorias da Infraestrutura Refino Papel e Celulose Energia Fóssil Processos Químicos Processos Industriais Conversão De Resíduos Em Energia www.azz.com/wsi Fornecedora de soluções e serviços completos

Leia mais

MEIO AMBIENTE Fiscalização ambiental: seu posto está preparado?

MEIO AMBIENTE Fiscalização ambiental: seu posto está preparado? MEIO AMBIENTE Fiscalização ambiental: seu posto está preparado? A resolução 273 do Conama já completou dez anos, mas muitos postos revendedores ainda não concluíram o licenciamento ambiental e, por isso,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE RESUMO Bruna Cássia Mendes de AZEVEDO¹ Kelly Ariane Dutra do PRADO¹ Osmar de Campos FONSECA¹ Patrícia dos Santos ALVES¹ Renato F. Saldanha

Leia mais

Qualidade na Saúde. Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF

Qualidade na Saúde. Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF Qualidade na Saúde Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF De acordo com o Dicionário Aurélio, QUALIDADE consiste na: * Maneira de ser, boa

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC Cosmetovigilância Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Roberto Wagner Barbirato Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Maria do Carmo Lopes Severo

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

2 Descrição da Empresa Focal

2 Descrição da Empresa Focal 2 Descrição da Empresa Focal 2.1 Origem e história da DNV A Det Norske Veritas 2 (DNV) é uma fundação global e independente, com o objetivo de salvaguardar a vida, a propriedade e o meio ambiente. Fundada

Leia mais

Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado

Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado Engenheiro Carlos Alberto Araujo de Queiroz CREA-RJ 1978104018 Legislação PORTARIA M.S. nº 3.523/98 RESOLUÇÃO RE-09/03 da ANVISA LEI ESTADUAL nº 4.192/03

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Carta Consumers Union. Outubro / 2006

Carta Consumers Union. Outubro / 2006 Carta Consumers Union Outubro / 2006 Jeff Asher Consumers Union A Global Consumer Product Testing Organization Data: Outubro 8, 2006 Histórico da Organização: A Consumers Union, que há 70 anos publica

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

O ciclo de vida das instalações elétricas e de instrumentação em Atmosferas Explosivas

O ciclo de vida das instalações elétricas e de instrumentação em Atmosferas Explosivas O ciclo de vida das instalações elétricas e de instrumentação em Atmosferas Explosivas Roberval Bulgarelli Petrobras Refinaria Presidente Bernardes de Cubatão Coordenador do Subcomitê SC-31 do Cobei Bulgarelli

Leia mais