Notas de Aula 2: Métodos de Prova

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas de Aula 2: Métodos de Prova"

Transcrição

1 IFMG Campus Formiga Matemática Discreta Notas de Aula 2: Métodos de Prova Prof. Diego Mello 2o. Semestre 2012 Sumário 1 Introdução 2 2 Conceitos 2 3 Teoremas 4 4 Métodos de Prova Prova Direta Prova por Contraposição Prova por Contradição Prova por Equivalência Prova por Contra-Exemplo Prova por Divisão em Casos Prova por Exaustão Provas Existenciais Prova de Unicidade Outros Métodos de Prova Resumo: Técnicas de Prova 27 6 Exercícios de Fixação 29 1

2 1 Introdução Este documento contém as notas de aula sobre o tema Métodos de Prova da disciplina de Matemática Discreta do curso de Ciência da Computação do Insituto Federal de Minas Gerais - Campus Formiga. Ela é baseada no conteúdo dos livros referenciados neste documento. Este documento serve apenas como referência para acompanhamento das aulas, e não substitui a necessidade de leitura e estudo da bibliografia oficial do curso. Muitos dos exemplos, tabelas e diagramas contidos no documento foram extraídos e/ou adaptados dos livros contidos na seção de referências bibliográficas. 2 Conceitos Uma prova é um argumento válido que estabelece a verdade de uma declaração matemática. Uma prova pode utilizar (i) as hipóteses de um teorema, (ii) axiomas ou (iii) teoremas previamente provados como ingredientes que, em conjunto com regras de inferência, estabelecem a verdade da declaração que está sendo demonstrada. Um teorema é uma sentença que pode ser demonstrada como verdadeira. Um teorema pode ser a quantificação universal de uma declaração condicional com uma ou mais hipóteses, e uma conclusão. Uma definição alternativa diz que um teorema é uma afirmação específica que pode ser provada. Alguns teoremas são mais importantes ou menos importantes que os outros; daí existem designações alternativas que os matemáticos usam no lugar de teorema. Por exemplo, o teorema de Pitágoras merece ser chamado de teorema em função de sua importância na geometria. A afirmação o quadrado de um inteiro par é também um inteiro par também é um teorema, mas talvez não mereça uma designação deste nível. Outra afirmação, = 12 é também um teorema, mas não tem tanto prestígio para usar essa designação. Por isso, teoremas podem adotar outras nomenclaturas. Teoremas também podem ser chamados de fatos, resultados, lemas, proposições, corolários e alegações. Descreveremos brevemente no decorrer desta seção algumas situações em que as designações alternativas são empregadas. Um resultado é uma declaração modesta, genérica para um teorema. Um fato é um teorema de importância bastante limitada, tal como 6+3 = 9. Uma proposição é um teorema de importância secundária, mais importante que um fato porém com menos prestígio que um teorema. Um teorema é demonstrado ser verdadeiro por meio de uma prova. Uma prova pode conter como declarações os axiomas, as premissas do teorema (se houverem), e outros teoremas já demonstrados anteriormente. Um axioma ou postulado é uma sentença ou proposição que não é provada ou demonstrada, mas é considerada óbvia e aceita como verdade na construção de deduções e inferências. Como exemplo, 2

3 a Tabela 1 apresenta uma série de axiomas úteis sobre os números reais; alguns também se aplicam ao conjunto dos números inteiros. Tabela 1: Tabela de Axiomas sobre os Números Reais Axioma Declaração Fecho Aditivo Para todo número real x e y, x + y é um número real Fecho multiplicativo Para todo número real x e y, x y é um número real Associatividade Aditiva Para todo número real x, y e z, (x+y)+z = x+(y +z) Associatividade Multiplicativa Para todo número real x, y e z, (x y) z = x (y z) Comutatividade Aditiva Para todo número real x e y, x+y = y +x Comutatividade Multiplicativa Para todo número real x e y, x y = y x Identidade Aditiva Para todo número real x, x+0 = 0+x = x Identidade Multiplicativa Para todo número real x, x 1 = 1 x = x Elemento Identidade A identidade aditiva 0 e a identidade multiplicativa 1 são distintas, i.e., 0 1 Lei Inversa para Adição Para todo número real x, existe um número real x (inverso aditivo de x) tal que x+( x) = ( x)+x = 0 Para todo número real x, existe um número real x Lei Inversa para Multiplicação = 1 x (inverso multiplicativo de x) tal que x ( 1 x ) = (1 x ) x = 1 Para todos os números reais x, y e z, x (y+z) = x y+x z, Lei Distributiva e (x+y) z = x z +y z. Lei da Tricotomia Para todos os números reais x e y, exatamente uma das condições x = y, x < y ou x > y é verdadeira Lei da Transitividade Para todos os números reais x, y e z, se x > y e y > z, então x > z Lei da Compatibilidade Aditiva Para todos os números reais x, y e z, se x > y, x+z > y+z Lei da Compatibilidade Multiplicativa Para todos os números reais x, y e z, se x > y e z > 0, x z > y z Uma definição é uma sequência de palavras que expressa o significado de uma expressão. Definições são elementos essenciais na dedução sobre a verdade de um teorema. Para exemplificar, segue a Definição 1, sobre o significado de um número ser primo no conjunto dos números inteiros. Definição 1 (Primalidade). Um número primo é um número inteiro n > 1 tal que n não é divisível por nenhum inteiro além de 1 e n. Teoremas menos importantes que são úteis na prova de outros resultados são denominados de lemas. Provas mais complicadas tornam-se fáceis de compreender quando são provadas usando uma série de lemas, onde cada lema é provado separadamente, decompondo o teorema em partes menores. Os lemas são as partes (instrumentos) usados para provar teoremas complexos. Uma alegação é análoga ao lema. Alegações são afirmações que aparecem dentro da prova de um teorema. A função de uma alegação é organizar os passos-chave da prova. A formulação de uma 3

4 alegação pode envolver termos que só fazem sentido no contexto da prova. Um corolário é um teorema que pode ser estabelecido diretamente a partir de um teorema que foi provado. O corolário é uma decorrência imediata de um teorema. É um resultado com uma prova rápida. Exemplo: O Teorema de Pitágoras afirma que a 2 = b 2 +c 2, onde a é a diagonal do triângulo retângulo, e b e c são os catetos opostos e adjacentes do triângulo retângulo. A diagonal de um quadrado cujos lados medem l unidades é l 2; tal declaração é um corolário do Teorema de Pitágoras. Uma conjectura é uma declaração em que propõem-se ser verdadeira, geralmente com base em alguma evidência parcial, argumento heurístico ou intuição de um especialista. Quando a prova de uma conjectura é encontrada, a declaração correspondente torna-se um teorema; obviamente, se uma conjectura é provada ser falsa, ela não é um teorema. Enfim, uma conjectura é uma proposição que ainda não foi provada nem refutada. Exemplo: Conjectura de Goldbach: n, se n é par, a,b tal que a e b são primos e a+b = n. A conjectura de Goldbach é uma das mais antigas conjecturas de teoria dos números. Segundo [Loureiro, A. A. F.], até novembro de 2010 ela foi verificada para números até por meio de programas de computador. O último resultado publicado 1 em Setembro de 2012 atingiu números verificados até Embora tenha sido verificada para números até , não significa que a conjectura é verdadeira para números entre e. 3 Teoremas Resultados matemáticos são geralmente expressos como teoremas da forma se p, então q, ou p q. onde p e q podem representar sentenças compostas. Em teoremas expressos desta forma, tentamos deduzir q de p a partir de axiomas, regras de inferência, definições e resultados já provados. Se for possível usar na dedução apenas axiomas (i.e., sentença assumida verdadeira), então o teorema é verdadeiro. No entanto, muitas vezes desejamos demonstrar teoremas sobre um tema em particular (ex: algoritmos de grafos, algebra booleana, teoria de compiladores, programação linear ou outros temas). Neste casos, usamos como premissas fatos sobre o assunto em questão (como definições e resultados previamente provados) em conjunto com axiomas e regras de inferência para 1 Ver novidades em 4

5 deduzir q de p a partir de uma sequência lógica de passos que começam em p e terminam em q. Exemplo: Provar o teorema: se um inteiro é divisível por 6, então ele também é divisível por 3. Para efetuar a prova, devemos usar uma série de axiomas, fatos e definições para mostrar que a hipótese x é divisível por 6 (p) leva à conclusão x é divisível por 3 (q). Podemos partir da definição de divisibilidade: um inteiro a é divisível por um inteiro b se a for igual ao produto de um inteiro k por b, ou seja, a = k b. Apresentaremos os passos envolvidos na demonstração do teorema. Hipótese: x é divisível por 6 x = k 6 para algum inteiro k (Definição de divisibilidade) 6 = 2 3 (Fato numérico) x = k(2 3) (Substituição) x = (k 2)3 (Axioma da associabilidade multiplicativa) x = (k 2) 3 }{{} (Fato: é fechada sobre os inteiros) inteiro Conclusão: x é divisível por 3 Demonstramos através de uma sequência de axiomas, definições e fatos matemáticos que a hipótese x é divisível por 6 leva à conclusão x é divisível por 3, logo o teorema apresentado foi provado ser verdadeiro. Este tipo de prova é denominada de prova direta, e será abordada mais adiante. A maioria das afirmações em matemática são universais; assim, um teorema pode conter um resultado sobre todos os objetos do domínio de interpretação. Neste caso, a expressão formal do teorema começará com pelo menos um quantificador universal, na forma x D(P(x) Q(x) que pode ser escrito informalmente como P(x) Q(x). Quando D é um conjunto finito, ou existe um número finito de valores x que satisfazem a propriedade P(x), uma possível forma de provar a afirmação consiste no uso do método de exaustão, onde a afirmação é provada verdadeira desde que mostre ser verdadeira para cada um dos elementos da coleção finita. Veja o exemplo a seguir: Exemplo: [Adaptado de [Loureiro, A. A. F.]] n Z, se n é par e 4 n 30, então n pode ser escrito como a soma de dois números primos. Podemos mostrar a verdade desta declaração enumerando todos os números pares entre 4 e 30, decompondo-os em uma soma de dois números primos. Listando-os, teremos 5

6 4 = = = = = = = = = = = = = = Através da enumeração de todos os elementos do domínio x Z 4 x 30 mostramos que a afirmação é verdadeira. Entretanto, o método da exaustão é pouco prático quando o domínio D é muito grande ou não finito. Podemos nestes casos utilizar o método da generalização para mostrar a verdade de uma afirmação. A única forma para a sentença P(x) Q(x) ser falsa é P(x) ser verdadeira e Q(x) ser falsa. Para mostrar que (Px) Q(x) é verdadeira suponha que P(x) é verdadeira e mostre que Q(x) também deve ser verdadeira. Para mostrar que x D(P(x) Q(x)) é verdadeiro, suponha que c é um elemento específico mas escolhido arbitrariamente do domínio D, e mostre que c satisfaz a propriedade P(c) Q(c). Se provarmos P(c) Q(c) para um elemento arbritrário c, então teremos provado x D(P(x) Q(x)). Esta generalização funciona devido ao uso da regra de generalização da lógica de predicados, apresentada nas notas de aula sobre lógica. 4 Métodos de Prova A construção de provas é uma tarefa complexa e difícil. No entanto, existem alguns métodos de se mostrar que a declaração condicional P(x) Q(x) é verdadeira a partir da lógica. Dentre eles estão a prova direta, a prova por contraposição, a prova por contradição, a prova por contra-exemplo e a prova por divisão de casos. Entender a mecânica destes métodos é a chave para aprender a ler e construir provas matemáticas. Uma vez escolhido o método de prova, empregamos axiomas, definições de termos, resultados previamente provados e regras de inferência para completar a prova. As próximas seções irão apresentar a idéia central de cada método, exemplificando sua aplicação. 4.1 Prova Direta A prova direta de uma declaração condicional p q consiste em provar que a declaração p q é verdadeira mostrando que, se p é verdadeiro, então q também deve ser verdadeiro tal que a combinação de p verdadeiro e q falso nunca ocorrerá. A prova direta de uma declaração condicional p q é construída quando: o primeiro passo consiste na consideração de que p é verdadeiro; 6

7 os passos subsequentes são construídos através de axiomas, definições, resultados provados e regras de inferência; o último passo mostra que q também deve ser verdadeiro. Em uma prova direta, assumimos que p é verdadeiro e usamos axiomas, definições e resultados provados, juntamente com regras de inferência para provar que q também é verdadeiro. Provas diretas levam das premissas do teorema até a conclusão. Elas começam com as premissas, continuam com a sequência de deduções e finalizam com a conclusão. Em [Loureiro, A. A. F.] é apresentado um método para construir provas diretas, cuja adaptação é apresentada a seguir, no Algoritmo 1. Algoritmo 1 Construção de uma prova direta 1: Expresse a declaração a ser provada na forma x D, se P(x), então Q(x) 2: Comece a prova supondo que x é um elemento específico de D escolhido abritrariamente para o qual P(x) é V. 3: Mostre que Q(x) é V usando axiomas, definições, resultados anteriores e regras de inferência Alguns exemplos de prova direta serão apresentados a seguir. Definições serão apresentadas onde houver necessidade. Definição 2 (Paridade). Um inteiro n é par se existir algum inteiro k tal que n = 2k, e n é ímpar se existir algum inteiro k tal que n = 2k + 1. Dois inteiros tem a mesma paridade quando ambos são pares ou quando ambos são ímpares; eles tem a paridade oposta quando um é par e o outro é ímpar. Teorema 1. Se n é um inteiro ímpar, então n 2 é ímpar. Prova Direta. O teorema declara que n(p(n) Q(n)), onde P(n) é n é um inteiro ímpar e Q(n) é n 2 é ímpar. Para mostrar a prova direta deste teorema, vamos assumir que a hipótese desta declaração condicional é verdadeira, ou seja, assumimos que n é ímpar. Pela Definição 2, temos que n = 2k + 1, para um inteiro k. Queremos mostrar que n 2 também é ímpar. Elevando ambos os termos da equação n = 2k +1 ao quadrado, obtém-se a equação n 2 = (2k +1) 2 que expressa o valor de n 2. Desenvolvendo o termo à direita, temos n 2 = 4k 2 +4k+1 n 2 = 2(2k 2 +2k) +1 }{{} t Pela Definição 2 temos que quando n é ímpar, n 2 também é ímpar 7

8 Teorema 2 ([Loureiro, A. A. F.]). Se a e b são inteiros, então 6a 2 b é par. Prova Direta. Pela Definição 2, um inteiro n é par quando n = 2k. Considere n = 6a 2 b e k = 3a 2 b. Como as operações de +, e entre inteiros resultam em inteiros, temos que 3a 2 b é um inteiro, e 6a 2 b é o dobro de 3a 2 b. Assim, }{{} 6a 2 b = 2(3a }{{} 2 b). Concluímos que 6a 2 b é par. n k Definição 3 (Quadrado Perfeito). Um inteiro a é um quadrado perfeito se houver um inteiro b tal que a = b 2. Teorema 3. Se m e n são quadrados perfeitos, então n m é também um quadrado perfeito. Prova Direta. Para produzir a prova direta deste teorema, vamos assumir que a hipótese é verdadeira (no caso, que ambos números n e m são ambos quadrados perfeitos). Pela Definição 3 temos que existem dois números, r e s tais que n = r 2 e m = s 2. O objetivo da prova é mostrar que n m é também um quadrado perfeito; faremos isso substituindo os valores r 2 e s 2 no produto n m. Assim, n m = r 2 s 2 n m = rr ss n m = (rr)(ss) n m = (rs)(rs) n m = (rs) 2 Logo, n m é o quadrado de rs, um número inteiro. Pela Definição 3, temos que o produto n m é também um quadrado perfeito. Teorema 4 ([Loureiro, A. A. F.]). Se a soma de dois números inteiros é par, então a sua diferença também é par (linguagem natural). inteiros n e m, se n+m é par, então n m é par (linguagem formal). Prova Direta. Suponha m e n inteiros tal que m+n seja par. Pela Definição 2, m+n = 2k, para algum inteiro k. Subtraindo-se uma quantidade n de ambos os lados da igualdade m + 2 = 2k, teremos m+n n = 2k n m = 2k n Usando este resultado, podemos expressar a diferença entre m e n como m n = (2k n) n }{{} m m n = 2k 2n m n = 2(k n) }{{} t onde t = (k n) é um inteiro que, multiplicado por 2, resulta em um inteiro par. Logo, a diferença entre dois inteiros m e n cuja soma é par é um inteiro par. 8

9 4.2 Prova por Contraposição Provas de teoremas da forma x(p(x) Q(x)) que não começam com as premissas e terminam com a conclusão são também possíveis; dá-se a este tipo de prova a denominação de prova indireta. Se você falha em provar uma conjectura através de prova direta, mas tem o sentimento de que ela é verdadeira, poderá empregar algum dos métodos de prova indireta para realizar tal demonstração. Um tipo de prova indireta é aquela conhecida como prova por contraposição, que faz uso de fatos onde a declaração condicional (p q) é verdadeira quando a sua contrapositiva ( q p) também é verdadeira. Este resultado advém da tautologia [( q p) (p q)]. Para deixar isto claro, verifique a tabela verdade apresentada na Tabela 2, que mostra os valores verdades da declaração condicional, sua contrapositiva e da tautologia correspondente. Tabela 2: Tabela verdade para as proposições (p q), ( q p) e [( q p) (p q)] p q p q (p q) ( q p) ( q p) (p q) Na prova contrapositiva, provamos uma declaração condicional do tipo (p q) aplicando a prova direta sobre sua contrapositiva ( q p), mostrando que ela é verdadeira quando ( q) e ( p) forem verdadeiras. A prova por contraposição de uma declaração condicional p q é construída quando: o primeiro passo consiste em considerar a premissa ( q) da contrapositiva verdadeira; os passos subsequentes são construídos através de axiomas, definições, resultados provados e regras de inferência; o último passo consiste em mostrar que a conclusão ( p) da contrapositiva segue dos passos anteriores. O Algoritmo 2 (adaptado de [Loureiro, A. A. F.]) apresenta alguns passos que podem ser seguidos na construção de uma prova por contraposição. Algoritmo 2 Construção de uma prova por contraposição 1: Escreva a declaração a ser provada na forma x D, se P(x), então Q(x) 2: Reescreva a declaração na forma contrapositiva: x D, se Q(x), então P(x) 3: Prove o contrapositivo ( q p) por prova direta 4: (a) Suponha x um elemento específico, escolhido de forma arbitrária de D tal que Q(x) é V 5: (b) Mostre que P(x) é V A seguir serão apresentados alguns exemplos de prova de teoremas por meio do método de prova pela contrapositiva. 9

10 Teorema 5. Se n é um inteiro e 3n+2 é ímpar, então n é ímpar. Prova Direta. Assuma que 3n + 2 é um inteiro ímpar. Da Definição 2, 3n + 2 = 2k + 1 para algum valor de k inteiro. Da expressão resultante 3n +1 = 2k parece não haver uma forma direta de se concluir que n é ímpar. Aqui, a tentativa de prova direta falha. Prova por Contraposição. A primeira coisa que necessitamos fazer é identificar a hipótese e conclusão da declaração condicional nas formas direta e contrapositiva. Isto posto, temos: p : 3n+2 é ímpar q : n é ímpar p : 3n+2 é par q : n é par O próximo passo deste método consiste em assumir que a conclusão q é falsa, ou seja, q é verdadeira. Neste caso, assumimos que q : n é par é verdade. Este é o ponto de partida da prova. Por meio de prova direta, devemos partir de q e usar axiomas, definições e resultados previamente provados para mostrar que se q é verdadeiro, então p também deve ser verdadeiro. Pela definição de paridade (Definição 2), n = 2k para algum inteiro k. Substituindo 2k por n, temos 3n+2 = 3(2k)+2 3n+2 = 6k +2 3n+2 = 2(3k +1) }{{} t onde t = 3k +1 é um inteiro que, multiplicado por 2, resulta em um inteiro par. Pela Definição 2 temos que 3n+2 é par. Observe que 3n+2 é par consiste justamente na negação da hipótese do teorema original, ou seja, a partir de q chegamos à p. Se q leva à p, então a sentença ( q p) é verdadeira. Por equivalência, a sentença (p q) também é verdadeira. Logo, demonstramos que se 3n + 2 é ímpar, então n é ímpar. Teorema 6. Para todo número real positivo x e y, se o produto xy excede 25, então x > 5 ou y > 5. Prova por Contraposição. Identificando a premissa e conclusão da sentença original e sua contrapositiva. Temos p : xy excede 25 q : x > 5 ou y > 5 (r s) p : xy não excede 25 q : 0 < x 5 e 0 < y 5 DeMorgan: (r s) ( r s) Consideramos a negação da conclusão do teorema, ou seja, consideramos verdade que 0 < x 5 e 0 < y 5. Sob tais circunstâncias, encontramos que o produto xy é limitado por 0 < xy < 5 5, ou seja, 0 < xy 25. Em outras palavras, o produto xy não excede 25, que corresponde à sentença p. Assim, q leva à p, ( q p) é verdadeira e, consequentemente, a o teorema (p q) é verdadeiro. 10

11 Teorema 7. Se n = ab, com a e b inteiros positivos, então a n ou b n. Prova por Contraposição. Identificando as premissas e conclusões da forma direta e contrapositiva do teorema: p : n = ab q : (a n) ou (b n) (r s) p : n ab q : (a > n) e (b > n) DeMorgan: (r s) ( r s) Para provar o teorema original pela sua forma contrapositiva, devemos assumir que q é verdadeiro. Seja r : (a n) e s : (b n). Logo, q pode ser substituído por (r s), e ( q) pode ser substituído por (r s). Uma das equivalências lógicas mais importantes consiste em uma das Leis de DeMorgan, que declara que (r s) ( r s). Logo, a sentença ( q) pode ser substituída pela equivalência lógica ( r s). Nesta demonstração, a declaração ( r s) pode ser traduzida como (a > n) e (b > n). Estamos interessados em mostrar que n ab. Podemos fazer isso multiplicando ambas as quantidades a e b, obtendo a b > n n, ou seja, ab > n. Logo, ab n, ou seja, chegamos em p. Demonstramos que q leva à p, então ( q p) é verdadeira, de forma que o teorema (p q) também é verdadeiro. Teorema 8. Se um inteiro x é divisível por 6, então x também é divisível por 3 Prova por Contraposição. Seja p : um inteiro x é divisível por 6 e q : um inteiro x é divisível por 3. Na prova contrapositiva, o teorema (p q) é demonstrado pela prova direta da sua contrapositiva, isto é, ( q p). O enunciado deste teorema na forma contrapositiva passa a ser se um inteiro x não é divisível por 3, então x não é divisível por 6. A demonstração da prova é dada a seguir. Hipótese: x não é divisível por 3 x k 3 para algum inteiro k (Negação da divisibilidade por 3) x (2k 1 ) 3 k é igual a um inteiro 2k 1 x k 1 (2 3) (Axioma da associabilidade multiplicativa) x k 1 6 para algum inteiro k 1 (Fato) Conclusão: x não é divisível por 6 Teorema 9 ([Loureiro, A. A. F.]). Dado qualquer inteiro n, se n 2 é par, então n é par. 11

12 Prova por Contraposição. Vamos identificar as premissas e conclusões do teorema e da sua forma contrapositiva: p : n 2 é par q : n é par p : n 2 não é par q : n não é par Partimos da declaração q, ou seja, assumimos que n não é par. Oras, se n não é par, então n é ímpar (ver Definição 2). Se n é ímpar, então n = 2k + 1 para algum inteiro k. O produto de n por n é, dessa forma, expresso por (2k +1)(2k +1) = (2k +1) 2. Desenvolvendo a expressão, temos n 2 = (2k +1)(2k +1) n 2 = (2k +1) 2 n 2 = 4k 2 +4k+1 n 2 = 2(2k 2 +2k) +1 }{{} t Pela definição de paridade (Definição 2) temos que, assumindo n ímpar, n 2 é ímpar, ou seja, partindo de q chegamos a p. Logo, a declaração condicional ( q p) é verdadeira, e o teorema (p q) também é verdadeiro. 4.3 Prova por Contradição Outra forma de provar uma declaração condicional do tipo (p q) consiste na prova por contradição. Na prova por contradição, o teorema (p q) é demonstrado de maneira indireta. Neste tipo de prova, assumimos que a declaração x D(P(x) Q(x)) é falsa, isto é, p q é falsa para pelo menos uma substituição de x do domínio D. Existe algum elemento x do domínio D para o qual P(x) é verdadeiro e Q(x) é falso. Em linguagem lógica, partimos de (p q) e deduzimos que (p q) leva à uma contradição. Usamos a verdade de (p q) para derivar uma contradição, isto é, uma sentença que sempre resulta em falso. Uma vez que uma contradição seja obtida, provamos a verdade do teorema (p q), pois [(p q) 0] (p q) é uma tautologia, onde (p q) equivale à [(p q) 0] (ver Tabela 3). Tabela 3: Tabela verdade para as proposições (p q), [(p q) 0] e [(p q) 0] (p q) p q q (p q) (p q) 0 (p q) [(p q) 0] (p q)

13 Como vimos, a forma (p q) é útil para provar declarações condicionais na forma (p q). Existe ainda uma outra forma de provar uma declaração na forma p por contradição, usando a sentença p (r r). Nesta forma, a demonstração começa considerando que p é falso, ou seja, p é verdadeiro, e usamos axiomas, definições e resultados já provados para deduzir que p leva à alguma contradição do tipo (r r) para alguma proposição r. Oras, se afirmar que a declaração p é falsa leva à uma contradição, então a declaraçãopéverdadeira pois[( p (r r)] p é uma tautologia (ver Tabela 4). Tabela 4: Tabela verdade para as proposições [ p (r r)] e [ p (r r)] p p r p r (r r) [ p (r r)] [ p (r r)] p O Algoritmo 3 apresentado a seguir foi adaptado de [Loureiro, A. A. F.], e apresenta alguns princípios para construir provas por contradição. Algoritmo 3 Construção de uma prova por contradição 1: Suponha que a declaração a ser provada é falsa 2: Mostre que esta declaração leva logicamente à uma contradição 3: Conclua que a afirmação a ser provada é verdadeira Para finalizar, vimos nesta sub-seção que um teorema ou sentença pode ser demonstrado através da prova por contradição. Duas formas foram apresentadas, uma para declarações na forma p e outra para declarações na forma (p q). Nos exemplos de demonstração por contradição apresentados neste documento procuraremos destacar a forma escolhida para se mostrar a contradição e, desta forma, demonstrar a verdade sobre a sentença ou teorema enunciado. Definição 4 (Números Racionais e Irracionais). Um número real r é racional se existem inteiros p e q com q 0 tal que r = p /q. Um número real que não é racional é denominado irracional. Teorema 10. O número 2 é um número irracional. Prova por Contradição. Seja p a proposição 2 é um número irracional. Para demonstrar a verdade desta sentença, usaremos a prova por contradição na forma p (r r). Suponha que p é verdadeiro, ou seja, 2 não é um número irracional. Se 2 não é irracional, logo 2 é racional. 13

14 Se 2 é racional, segundo a Definição 4 existem inteiros a e b tal que 2 = a /b, onde b 0 e a e b não possuem fatores em comum, i.e., a /b é o menor termo desta relação. Aplicando o quadrado à ambos os lados da expressão 2 = a /b, obtemos: ( 2 ) 2 = ( a b) 2 2 = a2 b 2 2b 2 = a 2 Esta última expressão mostra que, pela definição de paridade (Definição 2), o número a 2 é um número par. Segundo o Teorema 9, se a 2 é par, então a também é par. Logo a pode ser escrito da forma a = 2k, para algum inteiro k. Substituindo o termo a na expressão já desenvolvida, temos: 2b 2 = a 2 2b 2 = (2k) 2 2b 2 = 4k 2 Dividindo ambos os termos da igualdade por 2, temos: b 2 = 2k 2 Acabamos de concluir que b 2 é par (Definição 2). Oras, se b 2 é par, b também é par (Teorema 9). A hipótese usada nesta demonstração assumiu que 2 é um número racional, ou seja, 2 = a /b, onde a e b não possuem fatores em comum. Porém, deduzimos da Definição 2 e Teorema 9 que os números a e b são pares, logo o número 2 divide a e b. Seja r : 2 divide os inteiros a e b, e r : os inteiros a e b não possuem fatores em comum. A dedução partindo da hipótese p levou à contradição (r r). Isto é suficiente para concluir que a sentença p : 2 é um número irracional é verdadeira. Teorema 11 ([Loureiro, A. A. F.]). Não existe um inteiro que seja o maior de todos. Prova por Contradição. Para demonstrar a verdade desta sentença, usaremos a prova por contradição na forma p (r r). Suponha que p seja verdadeira, ou seja, existe um inteiro N que é o maior de todos os inteiros. Partindo de p temos que N n, para cada inteiro n. Seja M = N +1 a soma de dois inteiros. A operação + é fechada sobre o conjunto dos números inteiros: a soma de dois inteiros resulta em um novo inteiro logo existe um inteiro M que equivale à N + 1. Concluímos que M > N. Seja r : existe um inteiro N que é maior do que todos os inteiros e r : existe um inteiro M > N. A dedução da sentença p levou à contradição (r r), que é suficiente para demonstrar por contradição que a sentença original, p, é verdadeira. 14

15 Até o presente momento utilizamos a forma p (r r) para provar os Teoremas 10 e 11. Entretanto, podemos usar outras formas na prova por contradição com objetivo de provar declarações condicionais na forma (p q). Trata-se da forma (p q) 0. Neste tipo de prova, nós assumimos que a hipótese do teorema é verdadeira e a sua conclusão é falsa, e usamos axiomas, definições e resultados já provados para deduzir uma contradição. Em notação formal, (p q) 0. Mostrar uma contradição partindo de p q é suficiente para demonstrar a verdade do teorema, já que existe uma equivalência lógica entre as proposições (p q) e (p q 0), já apresentada na Tabela 3. Teorema 12. Se 3n+2 é ímpar, então n é ímpar Prova por Contradição. Seja p : 3n+2 é ímpar e q : n é ímpar. O teorema tem a forma (p q), logo podemos demonstrar a verdade de (p q) por uma prova por contradição. Para construir a prova por contradição, assuma a verdade de (p q), isto é, 3n+2 é ímpar e n não é ímpar. Pela definição de paridade (ver Definição 2), se n não é ímpar, então n é par e existe um inteiro k tal que n = 2k. Substituindo n por 2k na expressão 3n + 2, obtemos 3n+2 = 3(2k)+2 3n+2 = 6k +2 3n+2 = 2(3k +1) }{{} t O número t = 3k + 1 é um inteiro que, multiplicado por 2, resulta em um número par logo 3n + 2 é um número par. Segundo a dedução, p é verdadeiro. Na prova, assumimos a verdade de p : 3n+2 é ímpar, e por meio de dedução sobre a definição de paridade encontramos p : 3n+2 é par. Logo, (p q) (p p), ou seja, (p q) 0. Como [(p q) 0] (p q), então o teorema (p q) é verdadeiro. Teorema 13. Se a e b são números inteiros, então a 2 4b 2. Prova por Contradição. Seja p : a e b Z e q : a 2 4b 2. Para provar por contradição que o teorema (p q) é verdadeiro, podemos usar a forma (p q) 0. Devemos considerar a verdade das proposições (p q), ou seja, a e b Z, e a 2 4b = 2. Vamos trabalhar sobre a sentença a 2 4b = 2: a 2 4b = 2 15

16 a 2 = 4b+2 a 2 = 2(2b+1) De acordo com a Definição 2, a 2 é par. Se a 2 é par, pelo Teorema 9 temos que a também é par e pode ser escrita na forma a = 2k, para algum inteiro k. Substituindo a por 2k na expressão a 2 4b = 2, temos a 2 4b = 2 (2k) 2 4b = 2 4k 2 4b = 2 Dividindo ambos os lados da expressão acima por 2 resultará em 2k 2 2b = 1 2(k 2 b) = 1 }{{} t Da expressão acima, temos que t = k 2 b é um inteiro. Se 1 = 2t, pela definição de paridade temos que 1 é par. Seja a proposição r : 1 é par, e seja a proposição r : 1 é ímpar. Pela dedução, encontramos que r é verdadeiro, porém, pela definição de paridade sabemos que 1 é ímpar porque não existe nenhum inteiro que multiplicado por 2 resulte em 1. Se tanto r quanto r são verdadeiros, temos a contradição (r r). Partimos de (p q) e deduzimos a contradição (r r), ou seja, [(p q) 0]. Por equivalência, se [(p q) 0] é verdadeiro, então o teorema (p q) também é verdadeiro. Teorema 14. Para todo número real x [0, π /2], temos sinx+cosx 1. Prova por Contradição. Seja p : x [0, π /2], e p : sinx+cosx 1. Para provar o teorema (p q) por contradição, devemos assumir a verdade de (p q), ou seja, x [0, π /2] e sinx+cosx < 1. De p temos que o ângulo varia entre 0 x π /2, ou seja, nem sinx nem cosx são negativos, logo 0 sinx+cosx < 1. Elevando a expressão 0 sin x + cos x < 1 ao quadrado, temos 0 2 (sinx+cosx) 2 < sin 2 x+2sinxcosx+cos 2 x < 1 0 sin } 2 x+cos {{ 2 x } +2sinxcosx <

17 Substituindo sin 2 x+cos 2 x por 1, temos 0 1+2sinxcosx < 1 Se de p temos que nem sinx, nem cosx são negativos, então 1+2sinxcosx será sempre maior do que zero. Assim, 1+2sinxcosx < 1 2sinxcosx < 0 Seja r : 2sinxcosx < 0. Partindo de (p q), deduzimos que r é verdadeiro; no entando p afirma que se 0 x π /2, nem o sinx nem o cosx são negativos, logo 2sinxcosx também não é negativo. Em outras palavras, r também é verdadeiro. Chegamos à contradição (r r), ou seja, (p q) 0. Por equivalência, se (p q) 0 é verdadeiro, o teorema (p q) também é verdadeiro. 4.4 Prova por Equivalência A prova por equivalência é útil para provar teoremas bicondicionais, na forma (p q). Para demonstrar um teorema nesta forma, necessitamos mostrar que (p q) e (q p) são ambos verdadeiros. Este tipo de demonstração é suficiente para provar (p q) graças à relação entre as proposições (p q) e [(p q) (q p)], que resultam na tautologia (p q) [(p q) (q p)] cujos valores verdade são apresentados na Tabela 5. Tabela 5: Tabela verdade para a tautologia (p q) [(p q) (q p)] p q p q q p (p q) (q p) p q (p q) [(p q) (q p)] Teorema 15. Se n é um inteiro, então n é impar se e somente se n 2 é ímpar. Prova por Equivalência. Seja p : n é ímpar e q : n 2 é ímpar. O teorema tem a forma (p q), logo para provar o teorema necessitamos mostrar que as proposições (p q) e (q p) são ambas verdadeiras. O Teorema 1 consiste justamente na proposição (p q), que já demonstramos ser verdadeira por meio de prova direta (ver demonstração do Teorema 1). Agora resta provar que a proposição (q p) é igualmente verdadeira. 17

18 Para provar que a proposição (q p) é verdadeira, vamos usar a prova por contraposição. Em um teorema na forma (q p), a proposição q é a hipótese ou premissa do teorema, e a proposição p é a conclusão. Para demonstrar que o teorema é verdadeiro por contraposição, devemos partir da verdade sobre a negação da conclusão (neste caso, p) para deduzir que a negação da hipótese (neste caso, q) é também verdadeira. Em linguagem formal, ( p q). Seja p : n é par verdadeira. Da definição de paridade (Definição 2), temos que o número n pode ser determinado por n = 2k, para algum inteiro k. Elevando a expressão n = 2k ao quadrado, temos: (n) 2 = (2k) 2 n 2 = 4k 2 n 2 = 2 ( 2k 2) }{{} t Ou seja, n 2 é par uma vez que pode ser expresso por n 2 = 2t, para um inteiro t = 2k 2. Acabamos de deduzir q. Nesta demonstração, partimos de p e deduzimos q usando definições e fatos matemáticos. Como existe equivalência entre ( p q) e (q p), mostrar a verdade sobre ( p q) é suficiente para provar que (q p) é verdadeira. Como nesta demonstração mostramos que as proposições (p q) e (q p) são ambas verdadeiras, pela equivalência entre as proposições (p q) e [(p q) (q p)] temos que o teorema (p q) é verdadeiro. Em alguns casos, um teorema declara que diversas proposições, ditas p 1,p 2,...,p n são equivalentes. Tal fato é formalizado da seguinte maneira: p 1 p 2 p 3 p n, que declara que todas as n proposições possuem a mesma tabela verdade. Consequentemente, para todo i e j com 1 i n e 1 j n, p i e p j são equivalentes. Uma forma de provar essa equivalência mútua é usar o resultado da tautologia (p 1 p 2 p n ) [(p 1 p 2 ) (p 2 p 3 ) (p n p 1 )]. Se as n proposições condicionais (p 1 p 2 ), (p 2 p 3 ),..., (p n p 1 ) forem demonstradas serem verdadeiras, então as proposições p 1, p 2,..., p n são todas equivalentes. Essa forma de demonstrar equivalência entre as n proposições é bastante eficiente, pois envolve n demonstrações. A alternativa consiste em provar a verdade de (p i p j ), para todo i j, com 1 i n e 1 j n, que envolve demonstrar n 2 n proposições condicionais deste tipo. Teorema 16. Para um inteiro n, as declarações n é par, n 1 é ímpar e n 2 é par são equivalentes. 18

19 Prova por Equivalência. Sejam p 1 : n é par, p 2 : n 1 é ímpar e p 3 : n 2 é par. Para provar a equivalência entre p 1, p 2 e p 3 iremos usar a demonstração por equivalência. Na demonstração por equivalência, devemos provar a verdade de (p 1 p 2 ), (p 2 p 3 ) e (p 3 p 1 ) usando os métodos de prova direta e indireta. Vamos demonstrar a verdade de cada uma das proposições condicionais a seguir, em separado. Demonstrando (p 1 p 2 ) por prova direta: Assumindo que n é par, então temos que n = 2k para algum inteiro k. Por consequência, n 1 = (2k) 1 n 1 = 2k 1 n 1 = 2(k 1) +1 }{{} t Logo, n 1 é igual ao produto de um inteiro t = k 1 por 2, somado à 1. Pela definição de paridade (Definição 2) temos que n 1 é ímpar. Partimos da verdade sobre p 1 e chegamos à verdade sobre p 2 usando demonstração direta, logo a proposição condicional (p 1 p 2 ) é verdadeira. Demonstrando (p 2 p 3 ) por prova direta: Assumimos que n 1 é ímpar, ou seja, n 1 pode ser escrito na forma n 1 = 2k + 1, para algum inteiro k. Disso, temos n 1 = 2k +1 n = 2k +2 (n) 2 = (2k +2) 2 n 2 = 4k 2 +8k+4 n 2 = 2(2k 2 +4k +2) }{{} t Ou seja, n 2 pode ser escrito pelo produto de um inteiro t = 2k 2 +4k +2 por 2. Pela definição de paridade, n 2 é par. Partindo de p 2, por demonstração direta mostramos a verdade de p 3 ; logo a proposição condicional (p 2 p 3 ) é verdadeira. Demonstraremos (p 3 p 1 ) por contraposição, ou seja, assumindo que p 1 é verdadeiro, chegaremos a p 3 verdadeiro. Assumiremos que n 1 é par, ou seja, n 1 = 2k para algum inteiro k. Assim, n 1 = 2k n = 2k +1 (n) 2 = (2k +1) 2 n 2 = 4k 2 +4k+1 n 2 = 2(2k 2 +2k) +1 }{{} t 19

20 Ou seja, n 2 é dado pelo produto de um inteiro t = 2k 2 +2k por 2, somado à 1, ou seja, n 2 = 2t+1. Pela definição de paridade, n 2 é ímpar, ou seja, p 3 é verdadeiro. Provamos que se ( p 1 p 3 ) é verdadeiro, então a proposição condicional (p 3 p 1 ) é também verdadeira. Demonstramos que as 3 proposições condicionais (p 1 p 2 ), (p 2 p 3 ) e (p 3 p 1 ) são verdadeiras, que nos leva à concluir que p 1, p 2 e p 3 são equivalentes. 4.5 Prova por Contra-Exemplo Para mostrar que uma declaração na forma x D(P(x)) ou na forma x D(P(x) Q(x)) é falsa, basta encontrar um contra-exemplo. Um contra-exemplo consiste em um valor x do domínio D para o qual P(x) é falso em declarações do tipo x D(P(x)), ou para o qual P(x) é verdadeiro e Q(x) é falso em declarações da forma x D(P(x) Q(x)). Este tipo de prova é usada quando uma declaração da forma x D(P(x)) ou x D(P(x) Q(x)) nos parece ser falsa, mas que não conseguimos demonstrar pelas técnicas já discutidas. Neste casos, buscamos um contra-exemplo que mostre a falsidade da declaração. Teorema 17 (Adaptado de [Loureiro, A. A. F.]). Para todo a,b R, [(a 2 = b 2 ) (a = b)]. Prova por Contra-Exemplo. Seja P(a,b) : (a 2 = b 2 ), e seja Q(a,b) : (a = b). Para mostrar que a afirmação a b(p(a, b) Q(a, b)) é falsa, basta encontrar um contra-exemplo para o qual a igualdade dos quadrados de a e b não implique que a e b sejam iguais. Observamos que a atribuição de valores a = 4 e b = 4 torna a sentença P(a,b) verdadeiro e Q(a,b) falso, logo a declaração condicional P(a, b) Q(a, b) é falsa. Logo, os valores a = 4 e b = 4 são um contra-exemplo para a afirmação [(a 2 = b 2 ) (a = b)]. Teorema 18. Cada inteiro positivo é a soma dos quadrados de dois inteiros. Prova por Contra-Exemplo. Seja P(x) : n = a 2 +b 2. Para mostrar que P(x) é falso, basta apresentar um contra-exemplo, ou seja, um inteiro que não é formado pela soma dos quadrados de outros dois inteiros. Buscaremos por um contra-exemplo, enumerando alguns casos. Assim, 0 = (Verdadeiro) 1 = (Verdadeiro) 2 = (Verdadeiro) 3 =? +? (Falso) O número 3 é um inteiro que não pode ser escrito pela soma do quadrado de dois outros inteiros. Logo, o número 3 é um contra-exemplo para P(x), pois torna P(x) falso. 20

21 4.6 Prova por Divisão em Casos Existe ainda um outro tipo de prova, conhecida como prova por divisão de casos, que é útil quando temos que examinar múltiplos casos antes de demonstrar que uma declaração é verdadeira em todos os cenários. Uma prova por divisão em casos deve cobrir todos os casos que surgem no teorema em questão. Geralmente uma prova por casos é aplicada quando não existe uma forma óbvia de começar a demonstração, porém existem informações extras sobre cada caso que ajudam a desenvolver a prova. Teorema 19 (Adaptado de [Loureiro, A. A. F.]). Dois números inteiros consecutivos quaisquer tem paridade oposta. Prova por Divisão em Casos. Suponha m e m + 1 dois inteiros consecutivos. Para provar o teorema acima, devemos mostrar que um dos números, m ou m+1, é par, e o outro é ímpar. Pela definição de paridade (Definição 2) sabemos que ou m é par, ou m é ímpar. Vamos verificar ambos os casos em separado. Caso 1 (m é par): Se considerarmos quemépar, então m = 2k para algum inteiro k. Substituindo m por 2k na expressão m+1, obtemos: m+1 = (2k)+1 m+1 = 2k +1 Logo, m+1 é ímpar. Temos que um dos números é par, enquanto que o outro é ímpar logo os inteiros m e m + 1 tem paridade oposta. Caso 2 (m é ímpar): Se considerarmos que m é ímpar, então m = 2k +1 para algum inteiro k. Substituindo o valor de m na expressão m+1, temos: m+1 = (2k +1)+1 m+1 = 2k +2 m+1 = 2(k +1) }{{} t Ou seja, m+1 pode ser escrito na forma m+1 = 2t, onde t = k +1 é um inteiro. Logo, m+1 é par. Se considerar m ímpar nos levou à encontrar que m+1 é par, temos que os inteiros m e m+1 tem paridade oposta. Conclui-se que, independente de qual dos dois casos ocorre, os números m e m + 1 sempre tem paridade oposta. Isto posto, o teorema é verdadeiro. 21

22 Teorema 20. Se n N, então 1+( 1) 2 (2n 1) é um múltiplo de 4. Prova por Divisão em Casos. Suponha n N verdadeiro. Logo, n é par ou n é ímpar. Como o fator ( 1) n na expressão pode assumir um valor diferente dependente da paridade de n, devemos então considerar os dois casos em separado. Caso 1 (n é par): Se n é par, então n = 2k para algum inteiro k, e ( 1) n = 1. A expressão 1+( 1) 2 (2n 1) torna-se 1+(2n 1). Substituindo n por 2k, temos 1+[2(2k) 1] = 4k. O resultado 4k é múltiplo de 4. Caso 2 (n é ímpar): Se n é ímpar, então n = 2k + 1 para algum inteiro k, e ( 1) n = 1. Assim, a expressão 1+( 1) 2 (2n 1) resulta em 1 (2n 1). Substituindo n por 2k +1, temos 1 (2n 1) = 1 [2(2k+1) 1] = 1 [4k+2 1] = 1 [4k+1] = 4k. O resultado 4k também é múltiplo de 4. Ambos os casos mostram que 1+( 1) 2 (2n 1) é sempre múltiplo de 4. Teorema 21. Mostre que xy = x y para x e y números reais. Prova por Divisão em Casos. A notação c é usada para indicar o valor absoluto de um número real c. Por definição, c = c quando c 0, ou c = c quando c < 0. Para provar o teorema, temos que mostrar todos os casos possíveis envolvendo o valor absoluto de x e y. Tomando a definição usada acima, verificamos que existem quatro casos a serem demonstrados: x positivo, y positivo; x positivo, y negativo; x negativo, y positivo e x negativo, y negativo. Caso 1 (x 0, y 0): se x 0 e y 0, então o produto xy 0. Pela definição de valor absoluto, se c 0 então c = c. Neste caso, tanto x quanto y são positivos, ou seja, x = x e y = y. Logo, xy = xy = x y. Caso 2 (x 0, y < 0): se x 0 e y < 0, então o produto xy < 0. Logo, xy = xy. Pela definição de valor absoluto, c = c se c 0, ou c = c se c < 0. Neste caso, consideramos que x é positivo e y é negativo, logo x = x e y = y. Em função dos sinais de x e y, a expressão resultante xy = xy pode ser reescrita como xy = x( y). Usando a definição de valor absoluto temos então que xy = x y. Caso 3 (x < 0, y 0). Se x < 0 e y 0, então o produto xy < 0. Logo, xy = xy. Pela definição de valor absoluto, c = c se c 0, ou c = c se c < 0. Neste caso, consideramos que x é negativo e y é positivo, logo x = x e y = y. Em função dos sinais de x e y, a expressão resultante xy = xy pode ser reescrita como xy = ( x)y. Usando a definição de valor absoluto temos então que xy = x y. Caso 4 (x < 0, y < 0). Se x < 0 e y < 0, então o produto xy 0. Logo, xy = xy. Pela definição de valor absoluto, c = c se c 0, ou c = c se c < 0. Neste caso, consideramos que x e y são negativos, logo x = x e y = y. Em função dos sinais de x e y, a expressão resultante xy = xy 22

23 pode ser reescrita como xy = ( x)( y). Usando a definição de valor absoluto temos então que xy = x y. A igualdade xy = x y se manteve em todos os casos demostrados, esgotando as possibilidades. Logo, concluímos que a afirmação xy = x y é verdadeira. 4.7 Prova por Exaustão Alguns teoremas podem ser provados pelo exame de um número relativamente pequeno de exemplos. Provas deste tipo são denominadas de provas exaustivas ou prova por exaustão, pois a prova ocorre esgotando-se todas as possibilidades. Provas exaustivas são um tipo especial de prova por casos onde cada caso consiste em verificar um único exemplo. Teorema 22. Prove que (n+1) 3 3 n se n é um inteiro positivo com n 4. Prova por Exaustão. Podemos provar a declaração acima por meio de exaustão, visto que temos uma quantidade pequena de casos (mais especificamente, n = 1, n = 2, n = 3 e n = 4. A prova consiste na inspeção de que a desigualdade (n+1) 3 3 n é verdadeira para todos os casos: n = 1 (1+1) (Verdadeiro) n = 2 (2+1) (Verdadeiro) n = 3 (3+1) (Verdadeiro) n = 4 (4+1) (Verdadeiro) Logo, em todos os casos do domínio a desigualdade se manteve verdadeira. Provamos por exaustão que (n+1) 3 3 n é verdadeiro para n inteiro positivo com n Provas Existenciais Alguns teoremas são afirmações de que objetos de um determinado tipo existem. Teoremas deste tipo tem a forma xp(x), para um dado predicado P. Provas para proposições na forma xp(x) são denominadas provas existenciais. Existem diversas formas de provas teoremas deste tipo. Uma das formas consiste em encontrar um elemento a, chamado de testemunha, tal que P(a) seja verdadeiro. Este tipo de prova de existência é denominada de prova construtiva. Teorema 23. Existe um inteiro positivo que pode ser escrito como a soma dos cubos de inteiros positivos em duas maneiras diferentes. Prova Existencial Construtiva. O menor número que pode ser escrito desta forma é o número De fato, 1729 = 10 } 3 {{ +9 3 } = 12 } 3 {{ +1 3 } Forma 1 Forma 2 23

24 Se P(x): x é positivo e pode ser escrito como a soma dos cubos de inteiros positivos de duas maneiras diferentes, temos que P(1729) é verdadeiro; logo 1729 é uma testemunha para esta prova construtiva de xp(x). Teorema 24. Existe um inteiro que é par e primo. Prova Existencial Construtiva. Seja P(x): x é par e x é primo. A afirmação acima pode ser formalizada como xp(x). Considere o número inteiro 2. O número 2 Z e o número 2 é um número primo, pois os únicos inteiros que dividem o número 2 é o número 1 e ele próprio. O número 2 é uma testemunha de que P(x) é verdadeiro, logo xp(x) é verdadeiro. Também é possível dar uma prova de existência não construtiva para declarações do tipo xp(x), isto é, não encontramos um elemento a tal que P(a) seja verdadeiro mas provamos que xp(x) é verdadeiro de outra maneira. Teorema 25. Mostre que existem números irracionais x e y tal que x y é racional. Prova Existencial Não-Construtiva. Seja 2 um número irracional. Se tomarmos x = 2 e y = 2, então x y = ( 2 ) 2. Se ( 2 ) 2 é um número racional, então temos dois irracionais x = 2 e y = 2 tal que x y resulta em um racional. Por outro lado, se ( 2 ) 2 ( ) 2 for um irracional, então podemos assumir x = 2 e y = 2 ( 2 ) 2 irracionais tal que x y 2 = = ( 2 ) 2 2 ( ) 2 = 2 = 2, que é racional. Neste caso, x y resulta em um número racional. Na prova não-construtiva apresentada acima, nós não encontramos irracionais x e y tal que x y é irracional, mas mostramos que ou o par x = 2,y = 2, ou o par x = ( 2 ) 2,y = 2 possui a propriedade desejada, mesmo sem indicar qual dos dois pares é a prova existencial do Teorema 25. Outra maneira ainda de apresentar provas existenciais não-construtivas para um teorema consiste em mostrar xp(x) indiretamente. Por exemplo, podemos mostrar que xp(x) leva à uma contradição, de forma que a declaração xp(x) é verdadeira. 24

25 4.9 Prova de Unicidade Quando um teorema afirma a existência de um único objeto que satisfaz uma determinada propriedade, devemos fazer a demonstração de tal teorema utilizando a prova por unicidade. Uma prova por unicidade envolve demonstrar que existe um elemento com tal propriedade (como uma prova existencial), e que nenhum outro elemento além deste possui tal propriedade. Uma prova de unicidade envolve duas partes: existência: mostrar que existe um elemento x com a propriedade enunciada. unicidade: mostrar que se x y, então y não tem tal propriedade 2 ; ou podemos mostrar que se x e y têm a propriedade desejada, então x = y. A seguir apresentamos dois exemplos de prova por unicidade. Teorema 26. Se a e b são números reais e a 0, então há um único número real r tal que ar+b = 0 Prova de Unicidade. Dividiremos a demonstração em duas partes, para mostrar a existência de tal número r, seguida da demonstração de unicidade de r no sentido de que apenas r satisfaz a equação ar +b = 0. Para demonstrar que tal número r existe, podemos isolar o r na equação acima, de onde obteremos o seu valor como r = b /a. O número r é, portanto, a raíz da equação ar + b = 0, tornando a igualdade verdadeira. Uma vez identificado que existe r tal que ar+b = 0, devemos provar que ele é o único número real que também satisfaz essa equação. Seja s um número real tal que as+b = 0. Isolando o valor de s, obtemos que s = b /a. O número s também satisfaz a equação as+b = 0; no entanto s = b /a e r = b /a; logo s = r. Teorema 27. Todo inteiro tem um único inverso aditivo. Prova de Unicidade. Seja p um inteiro. Iremos mostrar que existe um inteiro q tal que p+q = 0. Se isolarmos o valor de q na equação acima, teremos que q = p. Logo, existe um inteiro q = p tal que p+q = 0. Agora provaremos que q é único. Seja um inteiro r q tal que p + r = 0. Como p + q = 0 e p+r = 0, então p+q = p+r. Subtraindo-se p de ambos os lados, a igualdade resulta em q = r. Oras, a declaração q r levou a deduzir que q = r, ou seja, chegamos a uma contradição. Isto posto, p = r e, portanto, existe apenas um número q = p que é inverso aditivo de p. 2 i.e., x(p(x) y(y x P(y))) 25

Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos Análise de Algoritmos Técnicas de Prova Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG julho - 2015 Técnicas de Prova Definição Uma prova é um argumento válido que mostra a veracidade de um enunciado matemático.

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/81 1 - LÓGICA E MÉTODOS DE PROVA 1.1) Lógica Proposicional

Leia mais

Matemática Discreta - 04

Matemática Discreta - 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Lista 2 - Bases Matemáticas

Lista 2 - Bases Matemáticas Lista 2 - Bases Matemáticas (Última versão: 14/6/2017-21:00) Elementos de Lógica e Linguagem Matemática Parte I 1 Atribua valores verdades as seguintes proposições: a) 5 é primo e 4 é ímpar. b) 5 é primo

Leia mais

MD Métodos de Prova 1

MD Métodos de Prova 1 Métodos de Prova Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br http://www.dcc.ufmg.br/~loureiro MD Métodos de Prova 1 Introdução Objetivo: ter precisão de pensamento e linguagem para obter a certeza

Leia mais

Lógica. Fernando Fontes. Universidade do Minho. Fernando Fontes (Universidade do Minho) Lógica 1 / 65

Lógica. Fernando Fontes. Universidade do Minho. Fernando Fontes (Universidade do Minho) Lógica 1 / 65 Lógica Fernando Fontes Universidade do Minho Fernando Fontes (Universidade do Minho) Lógica 1 / 65 Outline 1 Introdução 2 Implicações e Equivalências Lógicas 3 Mapas de Karnaugh 4 Lógica de Predicados

Leia mais

1. Métodos de prova: Construção; Contradição.

1. Métodos de prova: Construção; Contradição. Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Bacharelado em Ciência da Computação Fundamentos Matemáticos para Computação 1. Métodos de prova: Construção; Contradição.

Leia mais

Demonstrações, Recursão e Análise de Algoritmo

Demonstrações, Recursão e Análise de Algoritmo Demonstrações, Recursão e Análise de Algoritmo Objetivos do Capítulo Após estudar este capítulo, você estará apto a: Realizar demonstrações de conjecturas, usando técnicas de demonstração direta, demonstração

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte:

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte: Prova de Implicações Uma implicação é verdadeira quando a verdade do seu antecedente acarreta a verdade do seu consequente. Ex.: Considere a implicação: Se chove, então a rua está molhada. Observe que

Leia mais

MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados 1

MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados 1 Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br http://www.dcc.ufmg.br/~loureiro MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados

Leia mais

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F.

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1.

Leia mais

Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17)

Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17) Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17) Lista 1 - Bases Matemáticas Elementos de Lógica e Linguagem Matemática 1

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Texto de apoio às aulas. Amélia Bastos, António Bravo Dezembro 2010 Capítulo 1 Números reais As propriedades do conjunto dos números reais têm por base um conjunto restrito

Leia mais

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS.

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. SANDRO MARCOS GUZZO RESUMO. A construção dos conjuntos numéricos é um assunto clássico na matemática, bem como o estudo das propriedades das operações

Leia mais

Aula 1 Aula 2. Ana Carolina Boero. Página:

Aula 1 Aula 2. Ana Carolina Boero.   Página: Elementos de lógica e linguagem matemática E-mail: ana.boero@ufabc.edu.br Página: http://professor.ufabc.edu.br/~ana.boero Sala 512-2 - Bloco A - Campus Santo André Linguagem matemática A linguagem matemática

Leia mais

Uma proposição é uma frase que pode ser apenas verdadeira ou falsa. Exemplos:

Uma proposição é uma frase que pode ser apenas verdadeira ou falsa. Exemplos: 1 Noções Básicas de Lógica 1.1 Proposições Uma proposição é uma frase que pode ser apenas verdadeira ou falsa. 1. Os sapos são anfíbios. 2. A capital do Brasil é Porto Alegre. 3. O tomate é um tubérculo.

Leia mais

MD Métodos de Prova 1

MD Métodos de Prova 1 Métodos de Prova Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br http://www.dcc.ufmg.br/~loureiro MD Métodos de Prova 1 Introdução Objetivo: ter precisão de pensamento e linguagem para obter a certeza

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Teoria de Conjuntos Um conjunto é uma colecção de objectos/elementos/membros. (Cantor

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/26 3 - INDUÇÃO E RECURSÃO 3.1) Indução Matemática 3.2)

Leia mais

n. 18 ALGUNS TERMOS...

n. 18 ALGUNS TERMOS... n. 18 ALGUNS TERMOS... DEFINIÇÃO Uma Definição é um enunciado que descreve o significado de um termo. Por exemplo, a definição de linha, segundo Euclides: Linha é o que tem comprimento e não tem largura.

Leia mais

Elementos de Lógica Matemática p. 1/2

Elementos de Lógica Matemática p. 1/2 Elementos de Lógica Matemática Uma Breve Iniciação Gláucio Terra glaucio@ime.usp.br Departamento de Matemática IME - USP Elementos de Lógica Matemática p. 1/2 Vamos aprender a falar aramaico? ǫ > 0 ( δ

Leia mais

Os números reais. Capítulo O conjunto I

Os números reais. Capítulo O conjunto I Capítulo 4 Os números reais De todos os conjuntos numéricos que estudamos agora, a transição de um para outro sempre era construída de forma elementar A passagem do conjunto dos números racionais aos reais

Leia mais

SMA Elementos de Matemática Notas de Aulas

SMA Elementos de Matemática Notas de Aulas Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação SMA 341 - Elementos de Matemática Notas de Aulas Ires Dias Sandra Maria Semensato de Godoy São Carlos 2009 Sumário 1 Noções

Leia mais

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Apresentamos aqui diversas propriedades gerais dos números inteiros que não precisarão ser provadas quando você, aluno, for demonstrar teoremas nesta disciplina.

Leia mais

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais não nulos (inteiros positivos) Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais não nulos (inteiros positivos) Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago Capítulo 1 Os Números Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago 1.1 Notação Números naturais: Neste texto, N = {0, 1, 2, 3,...} e N + = {1, 2, 3, }. Mas existem vários autores considerando

Leia mais

Números naturais e cardinalidade

Números naturais e cardinalidade Números naturais e cardinalidade Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 5 de Janeiro de 2008 Resumo 1 Axiomas de Peano e o princípio da indução Intuitivamente, o conjunto N dos números naturais corresponde

Leia mais

Universidade Aberta do Brasil - UFPB Virtual Curso de Licenciatura em Matemática

Universidade Aberta do Brasil - UFPB Virtual Curso de Licenciatura em Matemática Universidade Aberta do Brasil - UFPB Virtual Curso de Licenciatura em Matemática Argumentação em Matemática Prof. Lenimar Nunes de Andrade e-mail: numerufpb@gmail.com ou lenimar@mat.ufpb.br versão 1.0

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/81 1 - LÓGICA E MÉTODOS DE PROVA 1.1) Lógica Proposicional

Leia mais

Negação. Matemática Básica. Negação. Negação. Humberto José Bortolossi. Parte 3. Regras do Jogo. Regras do Jogo

Negação. Matemática Básica. Negação. Negação. Humberto José Bortolossi. Parte 3. Regras do Jogo. Regras do Jogo Matemática Básica Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Parte 3 Parte 3 Matemática Básica 1 Parte 3 Matemática Básica 2 Qual é a negação do predicado

Leia mais

Estruturas Discretas INF 1631

Estruturas Discretas INF 1631 Estruturas Discretas INF 1631 Thibaut Vidal Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Rua Marquês de São Vicente, 225 - Gávea, Rio de Janeiro - RJ, 22451-900, Brazil

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida EMENTA: Conceitos introdutórios de limite, limites trigonométricos, funções contínuas, derivada e aplicações. Noções introdutórias sobre a integral

Leia mais

Representação decimal dos números racionais

Representação decimal dos números racionais Representação decimal dos números racionais Alexandre Kirilov Elen Messias Linck 4 de abril de 2017 1 Introdução Um número é racional se puder ser escrito na forma a/b, com a e b inteiros e b 0; esta é

Leia mais

Gestão Empresarial Prof. Ânderson Vieira

Gestão Empresarial Prof. Ânderson Vieira NOÇÕES DE LÓGICA Gestão Empresarial Prof. Ânderson ieira A maioria do texto apresentado neste arquivo é do livro Fundamentos de Matemática Elementar, ol. 1, Gelson Iezzi e Carlos Murakami (eja [1]). Algumas

Leia mais

Axiomas de corpo ordenado

Axiomas de corpo ordenado Axiomas de corpo ordenado 2 a lista de exercícios Análise real A abordagem axiomática dos números reais previne erros que a intuição pode ocasionar e torna mais rigoroso o processo de demonstração matemática,

Leia mais

Estruturas Discretas INF 1631

Estruturas Discretas INF 1631 Estruturas Discretas INF 1631 Thibaut Vidal Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Rua Marquês de São Vicente, 225 - Gávea, Rio de Janeiro - RJ, 22451-900, Brazil

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula João Roberto Gerônimo 1 1 Professor Associado do Departamento de Matemática da UEM. E-mail: jrgeronimo@uem.br. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Esta notas de aula

Leia mais

Produtos de potências racionais. números primos.

Produtos de potências racionais. números primos. MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 4 Dezembro/2006 pp. 23 3 Produtos de potências racionais de números primos Mário B. Matos e Mário C. Matos INTRODUÇÃO Um dos conceitos mais simples é o de número natural e

Leia mais

1. CONJUNTOS NUMÉRICOS

1. CONJUNTOS NUMÉRICOS . CONJUNTOS NUMÉRICOS.. INTRODUÇÃO Uma exposição sistemática dos conjuntos numéricos, utilizados na Matemática, pode ser feita a partir dos números usados para contar, chamados de números naturais. Estes

Leia mais

1. CONJUNTOS NUMÉRICOS

1. CONJUNTOS NUMÉRICOS . CONJUNTOS NUMÉRICOS.. INTRODUÇÃO Uma exposição sistemática dos conjuntos numéricos, utilizados na Matemática, pode ser feita a partir dos números usados para contar, chamados de números naturais. Estes

Leia mais

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x Notas de aula de MAC0329 (2003) 17 3 Álgebra Booleana Nesta parte veremos uma definição formal de álgebra booleana, a qual é feita via um conjunto de axiomas (ou postulados). Veremos também algumas leis

Leia mais

GABARITO E PAUTA DE CORREÇÃO DO ENQ Questão 2 [ 1,0 pt ::: (a)=0,5; (b)=0,5 ] Sejam a, b, p inteiros, com p primo.

GABARITO E PAUTA DE CORREÇÃO DO ENQ Questão 2 [ 1,0 pt ::: (a)=0,5; (b)=0,5 ] Sejam a, b, p inteiros, com p primo. GABARITO E PAUTA DE CORREÇÃO DO ENQ-014. Questão 1 [ 1,0 pt ::: (a)=0,5; (b)=0,5 ] Sejam a, b, p inteiros, com p primo. Demonstre que: (a) se p não divide a, então (p, a) = 1. (b) se p ab, então p a ou

Leia mais

Matemática Discreta. Prof. Nilson Costa 2014

Matemática Discreta. Prof. Nilson Costa 2014 1 Matemática Discreta Prof. Nilson Costa nilson.mtm@hotmail.com 2014 Definições Importantes 2 Proposição: É qualquer afirmação, verdadeira ou falsa, mas que faça sentido. Exemplos: A: Todo número maior

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

MATRIZES - PARTE Mais exemplos Multiplicação de duas matrizes AULA 26

MATRIZES - PARTE Mais exemplos Multiplicação de duas matrizes AULA 26 AULA 26 MATRIZES - PARTE 2 26. Mais exemplos Nesta aula, veremos mais dois algoritmos envolvendo matrizes. O primeiro deles calcula a matriz resultante da multiplicação de duas matrizes e utiliza três

Leia mais

1 TEORIA DOS CONJUNTOS

1 TEORIA DOS CONJUNTOS 1 TEORIA DOS CONJUNTOS Definição de Conjunto: um conjunto é uma coleção de zero ou mais objetos distintos, chamados elementos do conjunto, os quais não possuem qualquer ordem associada. Em outras palavras,

Leia mais

Um pouco de história. Ariane Piovezan Entringer. Geometria Euclidiana Plana - Introdução

Um pouco de história. Ariane Piovezan Entringer. Geometria Euclidiana Plana - Introdução Geometria Euclidiana Plana - Um pouco de história Prof a. Introdução Daremos início ao estudo axiomático da geometria estudada no ensino fundamental e médio, a Geometria Euclidiana Plana. Faremos uso do

Leia mais

Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas.

Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas. Teoria dos Conjuntos Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas. Porém, não é nosso objetivo ver uma teoria axiomática dos conjuntos.

Leia mais

Cálculo proposicional

Cálculo proposicional Notas de aula de MAC0329 (2003) 9 2 Cálculo proposicional Referências para esta parte do curso: capítulo 1 de [Mendelson, 1977], capítulo 3 de [Whitesitt, 1961]. Proposição Proposições são sentenças afirmativas

Leia mais

2013/1S EP33D Matemática Discreta Avaliação 01

2013/1S EP33D Matemática Discreta Avaliação 01 013/1S EP33D Matemática Discreta Avaliação 01 Data: 10/07/013 Início: 13h00min Duração: 03 aulas h30min) OBSERVAÇÕES: i) a prova é individual; ii) qualquer forma de consulta não autorizada acarretará no

Leia mais

IGUALDADES EM IR IDENTIDADES NOTÁVEIS

IGUALDADES EM IR IDENTIDADES NOTÁVEIS IGUALDADES EM IR Uma relação muito importante definida em IR (conjunto dos números reais) é a relação de igualdade. Na igualdade A = B, A é o primeiro membro e B é o segundo membro. As igualdades entre

Leia mais

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que:

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que: Matemática Discreta 2008/09 Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Axioma (Princípio da Boa Ordenação dos Números Naturais) O conjunto parcialmente (totalmente) ordenado (N, ), em que

Leia mais

3 O Teorema de Ramsey

3 O Teorema de Ramsey 3 O Teorema de Ramsey Nesse capítulo enunciamos versões finitas e a versão infinita do Teorema de Ramsey, além das versões propostas por Paris, Harrington e Bovykin, que serão tratadas no capítulos subseqüentes.

Leia mais

Matemática Discreta - 07

Matemática Discreta - 07 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 07 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Respostas Aula 1 (POTI) = Produtos Notáveis

Respostas Aula 1 (POTI) = Produtos Notáveis Respostas Aula 1 (POTI) = Produtos Notáveis 01. CPM 010. Alternativa B. (a b) +(a+b) a (a+b) (a b) (a+b) = a ab+b +a +ab+b a b a +ab+b a +b = ab+b = b b (a+b) = b a+b 0. Ora: (x + xy + y ) = (x + y) =

Leia mais

Enumerabilidade. Capítulo 6

Enumerabilidade. Capítulo 6 Capítulo 6 Enumerabilidade No capítulo anterior, vimos uma propriedade que distingue o corpo ordenado dos números racionais do corpo ordenado dos números reais: R é completo, enquanto Q não é. Neste novo

Leia mais

Matemática Discreta - 07

Matemática Discreta - 07 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 07 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização 1 Provas, lemas, teoremas e corolários Uma prova é um argumento lógico de que uma afirmação é verdadeira Um teorema

Leia mais

1 Congruências e aritmética modular

1 Congruências e aritmética modular 1 Congruências e aritmética modular Vamos considerar alguns exemplos de problemas sobre números inteiros como motivação para o que se segue. 1. O que podemos dizer sobre a imagem da função f : Z Z, f(x)

Leia mais

Álgebra Linear Semana 05

Álgebra Linear Semana 05 Álgebra Linear Semana 5 Diego Marcon 4 de Abril de 7 Conteúdo Interpretações de sistemas lineares e de matrizes invertíveis Caracterizações de matrizes invertíveis 4 Espaços vetoriais 5 Subespaços vetoriais

Leia mais

Demonstrações. Terminologia Métodos

Demonstrações. Terminologia Métodos Demonstrações Terminologia Métodos Técnicas de Demonstração Uma demonstração é um argumento válido que estabelece a verdade de uma sentença matemática. Técnicas de Demonstração Demonstrações servem para:

Leia mais

X Encontro da Olimpíada Regional de Matemática

X Encontro da Olimpíada Regional de Matemática completa X Encontro da Olimpíada Regional de Matemática Florianópolis, 28 de Março de 2015. completa Demonstrando igualdades Seja n um número natural qualquer maior do que 1. Qual será o valor da soma

Leia mais

Produtos Notáveis. Vejamos alguns exemplos para diversos produtos notáveis que auxiliarão na formação de ideias para problemas futuros mais difíceis.

Produtos Notáveis. Vejamos alguns exemplos para diversos produtos notáveis que auxiliarão na formação de ideias para problemas futuros mais difíceis. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Álgebra - Nível Prof. Marcelo Mendes Aula Produtos Notáveis Vários problemas de Álgebra para alunos do Ensino Fundamental utilizam Produtos Notáveis, que são identidades

Leia mais

Estruturas Discretas

Estruturas Discretas Estruturas Discretas 2017.2 Marco Molinaro > Conceitos Básicos Quantificadores Exercícios 1/27 Conteúdo 1 Conceitos Básicos Teorema Lema e Corolário Proposição Axiomas e Definições 2 Quantificadores 3

Leia mais

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos MAT 1351 Cálculo para funções uma variável real I Curso noturno de Licenciatura em Matemática 1 semestre de 2016 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios

Leia mais

Lógica predicados. Lógica predicados (continuação)

Lógica predicados. Lógica predicados (continuação) Lógica predicados (continuação) Uma formula está na forma normal conjuntiva (FNC) se é uma conjunção de cláusulas. Qualquer fórmula bem formada pode ser convertida para uma FNC, ou seja, normalizada, seguindo

Leia mais

Elementos de Matemática Finita

Elementos de Matemática Finita Elementos de Matemática Finita Exercícios Resolvidos 1 - Algoritmo de Euclides; Indução Matemática; Teorema Fundamental da Aritmética 1. Considere os inteiros a 406 e b 654. (a) Encontre d mdc(a,b), o

Leia mais

OS DIFERENTES TIPOS DE DEMONSTRAÇÕES: UMA REFLEXÃO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

OS DIFERENTES TIPOS DE DEMONSTRAÇÕES: UMA REFLEXÃO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Revista da Educação Matemática da UFOP, Vol I, 2011 - XI Semana da Matemática e III Semana da Estatística, 2011 ISSN 2237-809X OS DIFERENTES TIPOS DE DEMONSTRAÇÕES: UMA REFLEXÃO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA

Leia mais

Cálculo proposicional

Cálculo proposicional O estudo da lógica é a análise de métodos de raciocínio. No estudo desses métodos, a lógica esta interessada principalmente na forma e não no conteúdo dos argumentos. Lógica: conhecimento das formas gerais

Leia mais

Seminário Semanal de Álgebra. Técnicas de Demonstração

Seminário Semanal de Álgebra. Técnicas de Demonstração UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÂMPUS CATALÃO Seminário Semanal de Álgebra Técnicas de Demonstração Catalão, 26/11/2013. Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Seminário Semanal de Álgebra Orientador:

Leia mais

Recorrências - Parte I

Recorrências - Parte I Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Álgebra - Nível Prof. Marcelo Mendes Aula 4 Recorrências - Parte I Na aula anterior, vimos alguns exemplos de sequências. Em alguns deles, os termos são dados em

Leia mais

4.1 Cálculo do mdc: algoritmo de Euclides parte 1

4.1 Cálculo do mdc: algoritmo de Euclides parte 1 page 92 92 ENCONTRO 4 4.1 Cálculo do mdc: algoritmo de Euclides parte 1 OAlgoritmodeEuclidesparaocálculodomdcbaseia-senaseguintepropriedade dos números naturais. Observamos que essa propriedade está muito

Leia mais

A reta numérica. Praciano-Pereira, T

A reta numérica. Praciano-Pereira, T A reta numérica Praciano-Pereira, T Sobral Matemática 3 de fevereiro de 205 Textos da Sobral Matemática Editor Tarcisio Praciano-Pereira, tarcisio@member.ams.org - reta numérica Se diz duma reta na qual

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ENQ 016. Gabarito Questão 01 [ 1,00 ] A secretaria de educação de um município recebeu uma certa quantidade de livros para distribuir entre as escolas

Leia mais

Os números primos de Fermat complementam os nossos números primos, vejamos: Fórmula Geral P = 2 = 5 = 13 = 17 = 29 = 37 = 41 = Fórmula Geral

Os números primos de Fermat complementam os nossos números primos, vejamos: Fórmula Geral P = 2 = 5 = 13 = 17 = 29 = 37 = 41 = Fórmula Geral Os números primos de Fermat complementam os nossos números primos, vejamos: Fórmula Geral P = 2 = 5 = 13 = 17 = 29 = 37 = 41 = Fórmula Geral 4 4 13 + 1 = 53 Em que temos a fórmula geral: Exatamente um

Leia mais

Lógica Computacional Aulas 8 e 9

Lógica Computacional Aulas 8 e 9 Lógica Computacional Aulas 8 e 9 DCC/FCUP 2017/18 Conteúdo 1 Lógica proposicional 1 11 Integridade e completude dum sistema dedutivo D 1 111 Integridade do sistema de dedução natural DN 1 112 3 12 Decidibilidade

Leia mais

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Módulo de Equações do Segundo Grau Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Equações do o grau: Resultados Básicos. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. A equação ax + bx + c = 0, com

Leia mais

Fundamentos 1. Lógica de Predicados

Fundamentos 1. Lógica de Predicados Fundamentos 1 Lógica de Predicados Predicados e Quantificadores Estudamos até agora a lógica proposicional Predicados e Quantificadores Estudamos até agora a lógica proposicional A lógica proposicional

Leia mais

4 ÁLGEBRA ELEMENTAR. 4.1 Monômios e polinômios: valor numérico e operações.

4 ÁLGEBRA ELEMENTAR. 4.1 Monômios e polinômios: valor numérico e operações. 4 ÁLGEBRA ELEMENTAR 4.1 Monômios e polinômios: valor numérico e operações. 4.1.1 - Introdução: As expressões algébricas que equacionam os problemas conduzem logicamente à sua solução são denominados polinômios

Leia mais

Gabarito e Pauta de Correção ENQ

Gabarito e Pauta de Correção ENQ Gabarito e Pauta de Correção ENQ 015.1 Questão 01 [ 1,00 ::: (a=0,50; (b=0,50 ] (a Mostre que se x e y são números irracionais tais que x y seja racional não nulo, então x + y e x y são ambos irracionais.

Leia mais

O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE

O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE ANA PAULA CHAVES AND THIAGO PORTO 1. Introdução Os temas centrais deste texto - bases numéricas e critérios de divisibilidade

Leia mais

Elementos de Lógica Matemática. Uma Breve Iniciação

Elementos de Lógica Matemática. Uma Breve Iniciação Elementos de Lógica Matemática Uma Breve Iniciação Proposições Uma proposição é uma afirmação passível de assumir valor lógico verdadeiro ou falso. Exemplos de Proposições 2 > 1 (V); 5 = 1 (F). Termos

Leia mais

Material Teórico - Módulo Equações do Segundo Grau. Equações de Segundo Grau: outros resultados importantes. Nono Ano do Ensino Funcamental

Material Teórico - Módulo Equações do Segundo Grau. Equações de Segundo Grau: outros resultados importantes. Nono Ano do Ensino Funcamental Material Teórico - Módulo Equações do Segundo Grau Equações de Segundo Grau: outros resultados importantes Nono Ano do Ensino Funcamental Autor: Prof. Fabrício Siqueira Benevides Revisor: Prof. Antonio

Leia mais

AT1-3 Introdução à Matemática Discreta

AT1-3 Introdução à Matemática Discreta BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Matemática Discreta Profa. Dra. Heloisa de Arruda Camargo AT1-3 Introdução à Matemática Discreta Nesta unidade, após uma breve explicação geral sobre

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES

MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES Newton José Vieira 21 de agosto de 2007 SUMÁRIO Teoria dos Conjuntos Relações e Funções Fundamentos de Lógica Técnicas Elementares de Prova 1 CONJUNTOS A NOÇÃO

Leia mais

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c Números Reais Víctor Arturo Martínez León (victor.leon@unila.edu.br) 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais

Leia mais

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais :

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Neste conjunto podemos resolver uma infinidade de equações do tipo A solução pertence

Leia mais

ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. Questão 01 [ 1,25 ]

ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. Questão 01 [ 1,25 ] MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ENQ 017 Gabarito Questão 01 [ 1,5 ] Encontre as medidas dos lados e ângulos de dois triângulos ABC diferentes tais que AC = 1, BC = e A BC = 0 Considere

Leia mais

CRÉDITOS: 0 OBRIGATÓRIA: SIM CURSO:

CRÉDITOS: 0 OBRIGATÓRIA: SIM CURSO: DISCIPLINA: Nivelamento em Matemática II CÓDIGO: MDPMAT027 SIGLA: NM PROFESSOR: A definir CARGA HORÁRIA: 10h DATA DE INÍCIO: 02/01/2017 DATA DE FIM: 06/01/2017 CRÉDITOS: 0 OBRIGATÓRIA: SIM CURSO: NÃO M

Leia mais

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Fernando Neres de Oliveira 21 de junho de 2015 Resumo Neste trabalho iremos provar uma curiosa propriedade para listas de inteiros positivos da forma 1, 2,...,

Leia mais

37 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase

37 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase 7 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase Problema Sejam m e n inteiros positivos, X um conjunto com n elementos e seja 0 k n um inteiro. São escolhidos aleatória e independentemente

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 3

Lógica Proposicional Parte 3 Lógica Proposicional Parte 3 Nesta aula, vamos mostrar como usar os conhecimentos sobre regras de inferência para descobrir (ou inferir) novas proposições a partir de proposições dadas. Ilustraremos esse

Leia mais

O verbo induzir significa gerar. Nesta aula, começaremos a ver o assunto Indução Matemática

O verbo induzir significa gerar. Nesta aula, começaremos a ver o assunto Indução Matemática Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Álgebra - Nível 2 Prof. Marcelo Mendes Aula 6 Indução - Parte I O verbo induzir significa gerar. Nesta aula, começaremos a ver o assunto Indução Matemática (ou Indução

Leia mais

Cálculo proposicional

Cálculo proposicional O estudo da lógica é a análise de métodos de raciocínio. No estudo desses métodos, a lógica esta interessada principalmente na forma e não no conteúdo dos argumentos. Lógica: conhecimento das formas gerais

Leia mais

Soluções dos exercícios propostos

Soluções dos exercícios propostos Indução e Recursão Soluções dos exercícios propostos 1 Iremos demonstrar que a expressão proposta a seguir é correta: i = 0 + + + + + (n 1) = n(n 1), para n > 0 0 i

Leia mais

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira:

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira: Aula 1 1. Ângulo entre duas retas no espaço Definição 1 O ângulo (r1, r ) entre duas retas r1 e r se define da seguinte maneira: (r1, r ) 0o se r1 e r são coincidentes, Se as retas são concorrentes, isto

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito. a(x x 0) = b(y 0 y).

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito. a(x x 0) = b(y 0 y). MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ENQ 016.1 Gabarito Questão 01 [ 1,00 ::: (a)=0,50; (b)=0,50 ] (a) Seja x 0, y 0 uma solução da equação diofantina ax + by = c, onde a, b são inteiros

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

19 AULA. Princípio da Boa Ordem LIVRO. META Introduzir o princípio da boa ordem nos números naturais e algumas de suas conseqüências.

19 AULA. Princípio da Boa Ordem LIVRO. META Introduzir o princípio da boa ordem nos números naturais e algumas de suas conseqüências. LIVRO Princípio da Boa Ordem META Introduzir o princípio da boa ordem nos números naturais e algumas de suas conseqüências. OBJETIVOS Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Aplicar o princípio

Leia mais