Números naturais e cardinalidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Números naturais e cardinalidade"

Transcrição

1 Números naturais e cardinalidade Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 5 de Janeiro de 2008 Resumo 1 Axiomas de Peano e o princípio da indução Intuitivamente, o conjunto N dos números naturais corresponde aos números 1, 2, 3,.... Os chamados axiomas de Peano descrevem as propriedades fundamentais destes números em termos abstratos, através de três propriedades intuitivas básicas. 1. Existência de sucessor: todo elemento n N tem um sucessor, chamado provisoriamente de s(n). Dois elementos distintos de N têm sucessores também distintos. [Isto implica que a função s : N N que leva cada natural em seu sucessor é injetiva.] 2. Existência de um primeiro elemento. Existe um elemento de N, chamado de 1, tal que 1 s(n) para todo n N (isto é, 1 não é o sucessor de número algum em N). 3. Princípio da indução: seja X N um subconjunto tal que 1 X e s(n) X para todo n X. Então X = N. O último axioma é o de mais difícil compreensão. Um exemplo do seu uso é dado logo a seguir. Teorema 1. Para todo n N, s(n) n. IMPA, Rio de Janeiro, RJ, Brazil,

2 Prova: Seja X = {n N : s(n) n}. Veja que X é um subconjunto de N. axioma X, já que, pelo segundo axioma, 1 s(1). Provaremos que X = N usando o 2. Se n X, então s(n) n. Como s é injetiva, para todos x, y N com x y tem-se s(x) s(y). Em particular, para n X como acima, vê-se que s(s(n)) s(n) (tome x = s(n), y = n). Donde concluímos que s(n) X. Portanto, s(n) X para qualquer n X. 2 Soma, produto e ordem Agora mostramos como as operações básicas sobre os naturais podem ser definidas a partir dos axiomas. Começamos com a adição. Ela é uma operação que leva um par de números na sua soma, portanto é uma função de N N em N: soma : N N N. Fato 1. Existe uma única função soma como acima tal que para todo p N: soma(p, 1) = s(p); e seja n N. Então soma(p, s(n)) = s(soma(p, n)). Fato 2. Existe uma única função prod : N N N tal que para todo p N: prod(p, 1) = p; e Seja n N. Então prod(p, s(n)) = soma(prod(p, n), p). Em geral escreveremos p + n no lugar de soma(p, n) e pn ou p.n no lugar de prod(p, n). Os seguintes fatos são essenciais. Teorema 2 (Associatividade da soma). Para todos p, q, r N, soma(soma(p, q), r) = soma(p, soma(q, r)). Ou seja, (p + q) + r = p + (q + r). 2

3 Prova: Fixe p, q N. Mostraremos que o conjunto X = X p,q {r N : (p + q) + r = p + (q + r)} é igual a N. Como p, q são arbitrários, isto prova o teorema. Note primeiro que 1 X, já que, usando as duas propriedades da soma (a primeira, a segunda e a primeira nesta ordem): soma(soma(p, q), 1) = s(soma(p, q)) = soma(p, s(q)) = soma(p, soma(q, 1)). Provaremos agora que n X implica que s(n) X; deste modo, X = N seguirá por indução. Veja que se n X, então soma(soma(p, q), n) = soma(p, soma(q, n)). Tomando o sucessor dos dois lados da igualdade, s(soma(soma(p, q), n)) = s(soma(p, soma(q, n))). (1) Note agora que, pela segunda propriedade da soma, o lado esquerdo de (1) é igual a soma(soma(p, q), s(n)), enquanto o lado direito é igual a soma(p, s(soma(q, n))) = soma(p, soma(q, s(n))) onde a igualdade decorre da prop. 2 da soma usada mais uma vez. Segue que: soma(soma(p, q), s(n)) = soma(p, soma(q, s(n))), logo s(n) X, como desejado. Teorema 3 (Comutatividade da soma). Para todos m, n N, m + n = n + m. Prova: Fixe um n N e defina o conjunto dos elementos de N que comutam com n. C n {m N : m + n = n + m}. Nosso objetivo é provar que C n = N para todo n N. Primeiro provaremos que 1 C n para todo n, o que equivale a provar que C 1 = N. Para isso, usaremos indução. Veja que 1 C 1 trivialmente, já que =

4 Seja agora n C 1 ; provaremos que s(n) C 1 (donde seguirá C 1 = N). Veja que 1 + n = n + 1 (pois n C 1 ), logo s(1 + n) = s(n + 1) = n + s(1) pela primeira propriedade da soma. Além disso, s(1 + n) = 1 + s(n), pela segunda propriedade. Unindo as duas igualdades, temos 1+s(n) = n+s(1). Mas note que n+s(1) = n+(1+1) = (n+1)+1 por associatividade, e como (n + 1) = s(n), temos n + s(1) = s(n) + 1. Segue, portanto, que s(n) C 1, como queríamos demonstrar. A partir do que provamos, o princípio da indução mostra que C 1 = N. Agora mostraremos que, dado um n N fixo, temos C n = N. Novamente usaremos indução, notando que 1 C n segue do que vimos acima. Agora note que, se m C n, temos (pela segunda prop. da soma): n + s(m) = s(n + m) = s(m + n) (já que m C n ) = m + s(n). Além disso, m + s(n) = m + (n + 1) = m + (1 + n), já que 1 + n = n + 1 (ou seja, n C 1, provado acima). Por sua vez a associatividade implica que m + (1 + n) = (m + 1) + n = s(m) + n. Deduzimos que n + s(m) = s(m) + n (isto é, s(m) C n ) sempre que m C n. Como 1 C n N, o princípio da indução implica que C n = N, como desejado. O Exercício 1 abaixo prova que: Proposição 4. Também valem a comutatividade e associatividade da multiplicação, assim como a distributividade. 3 Ordem Definimos o que chamamos de ordem. Definição 5 (Ordem). Se n, m N, dizemos que n < m (ou equivalentemente m > n) se existe algum p N tal que m = n + p. Proposição 6. [1 é menor que qualquer outro natural] Para todo n N, ou 1 = n ou 1 < n. Prova: Seja X o seguinte subconjunto de N: X = {n N : n = 1 ou 1 < n}. Provaremos que X = N por indução. De fato, 1 X já que 1 = 1. Além disso, se n X, temos duas alternativas: 4

5 1. A primeira alternativa é n 1. Neste caso, 1 < n, já que n X. Deste modo, existe p N tal que 1 + p = n. Pelas regras da soma, vemos que s(n) = s(1 + p) = 1 + s(p), logo existe um elemento p = s(p) N tal que s(n) = 1 + s(p). Daí se deduz que se n X e n 1, s(n) > 1, logo s(n) X. 2. A segunda alternativa é n = 1. Neste caso, pelas propriedades da soma s(1) = e como acima vê-se que s(1) X. Obviamente, se n X, n = 1 ou n 1. Nos dois casos, vimos que s(n) X. Logo n X, s(n) X. Como 1 X, o Princípio da Indução mostra que X = N, como queríamos demonstrar. Observação 7. A demonstração acima lista todas as possibilidades para n X e prova a afirmação desejada em cada um dos casos. Esta técnica chama-se análise de casos e é extremamente útil, embora algo cansativa. Proposição 8 (Cancelamento). Sejam dados quatro números a, b, c, d N. Então a = b é equivalente a a + c = b + c e a ad = bd. Do mesmo modo, a < b equivale a a + c < b + c e a ad < bd. Prova: Provaremos apenas a equivalência entre a = b e a + c = b + c. O resto fica como exercício. Seja H = {c N : a, b N a + c = b + c a = b }. Provaremos que H = N pelo princípio da indução. 1 H porque para quaisquer a, b N, a + 1 = b + 1 equivale a s(a) = s(b) ; e como pelos axiomas de Peano, naturais distintos têm sucessores distintos, vê-se que s(a) = s(b) é equivalente a a = b. Donde concluímos que a = b equivale a a + 1 = b + 1, isto é, 1 H. Agora veja que se c H, para todos a, b N, a+c = b+c s(a+c) = s(b+c) (s é injetiva) a+s(c) = b+s(c) (prop. 2 da soma). Em particular, a + s(c) = b + s(c) a + c = b + c a = b onde a segunda equivalência corresponde ao fato que c H. Deduzimos que c H s(c) H, o que, junto com o resultado do parágrafo anterior, implica que H = N. 5

6 Proposição 9 (Transitividade da ordem). Se a, b, c N satisfazem a < b e b < c, então a < c. Prova: Se a, b, c são como acima, existem p 1, p 2 N com b = a + p 1, c = b + p 2. Deduzimos que: c = (a+p 1 )+p 2 = a+(p 1 +p 2 ) (por assoc.) = a+p, onde p p 1 +p 2 N. Donde a < c, como desejado. Proposição 10 (Tricotomia da ordem). Se a, b N, então há exatamente três possibilidades possíveis e mutuamente excludentes: a < b, a = b ou a > b. Prova: Chame a de tricotômico se para todo b N a tricotomia acima se verifica. Provaremos por indução que T = N. Prova de que 1 T : para todo b N temos a dicotomia fundamental: ou b = 1, ou b 1. O segundo caso implica que b > 1. Logo a tricotomia não vale se e somente se b > 1 b 1, pois neste caso ou b = 1, ou b > 1 é uma dicotomia equivalente á anterior. Mas veja que b > 1 implica que 1 + p = b para algum p N, logo b = p + 1 = s(p) para o mesmo p. Portanto, b é o sucessor de p, o que implica (pelos axiomas de Peano) que b 1. Prova de n T, s(n) T : Seja n T. Tome b N. Se b = 1, sabemos pelos axiomas que s(n) 1, logo s(n) > b sempre e esta é a única possibilidade. Se b 1, então b = s(c) = c + 1 para algum c N (também pelos axiomas). Pelas propriedade de cancelamento, vemos que b < n + 1, b = n + 1 e b > n + 1 são respectivamente equivalentes a c < n, c = n e c > n. Como n T, estas três últimas possibilidades são tricotômicas, de modo que b < n + 1, b = n + 1 e b > n + 1 também o são. Donde deduzimos que s(n) = n + 1 T também. 4 A segunda forma da indução Antes de prosseguir, provaremos uma forma modificada da propriedade de indução, que usaremos posteriormente. Teorema 11 (Segunda forma da indução). Seja X N um subconjunto de N com 1 X e i N, se j X para todo j i, então i + 1 X. 6

7 Então X = N. Prova: Considere X como acima. Seja Y = {n N : x n, x X}. Note que N X Y. Provaremos pela indução tradicional que de fato Y = N (em particular, X = Y = N). Veja que 1 Y, já que todo x N com x 1 é igual a 1, e além disso 1 X. Agora suponha que n Y. Veja que então j n, j X, de modo que, por hipótese, n + 1 = s(n) X. Para mostrar que s(n) Y, basta ver que todo x < n também está em x. Para isto, consideramos dois casos: 1. se x = 1, então x X por hipótese; 2. se x > 1, então x = a + 1 para algum a N (isto é, x é o sucessor de algum a) e além disso, como x < n+1, temos x+p = n+1 para algum p N. Vemos que (usando assoc., comut, assoc e cancelamento) n+1 = x+p = (a+1)+p = a+(1+p) = a+(p+1) = (a+p)+1 n = a+p n > a. Deste modo, usando um exercício abaixo, sabemos que ou n > a + 1 = x, ou n = x. De qualquer maneira, vê-se que x n e, como n Y, x X. Deduzimos que n Y implica x X para todo x s(n), logo s(n) Y. 5 O mínimo de um conjunto Proposição 12 (Existência do elemento mínimo). Todo subconjunto nãovazio X de N possui um único elemento x = min X, chamado de elemento mínimo, tal que para todo y X\{x}, tem-se y > x. Prova: Defina: R {z N : X N z X!x X : y X\{x}, x < y }. Provaremos pela segunda forma da indução que R = N, o que implica o teorema. Veja que 1 R: se X contem 1, então min X = 1 é o único min de X: qualquer outro elemento de X é maior que 1, como vimos acima. Suponha agora que n N é tal que para todo a n, a R. Provaremos que n + 1 N. Para isto, basta mostrar que qualquer conjunto X N contendo n + 1 tem um único mínimo. Seja então X como acima. Temos duas possibilidades: 7

8 1. Existe a < n + 1 contido em X. Neste caso, pelo Exercício 2, a n, logo a R por hipótese da indução. Como a X, isto significa que!x X : y X\{x}, x < y, como desejado. 2. Para todo a X, a n + 1. Mas então todo y X\{n + 1} é diferente de n + 1 e não é menor que ele, donde (tricotomia) é maior: y > n + 1. Concluímos que neste caso x = n + 1 é o mínimo de X, com as propriedades desejadas. Logo n + 1 R sempre que j R para todo j n. Portanto, R = N, como desejado. 6 Cardinalidade de conjuntos finitos Os seguintes conjuntos são fundamentais para a contagem de elementos de outros conjuntos. Definição 13. Se n N, chamamos de [n] ou I n o seguinte conjunto: I n = [n] {m N : m n}. Proposição 14 (Ordem e conjuntos). Para n, m N, n m se e somente se [n] [m]. Se n < m, então [n] [m] mas [n] [m]. Prova: Exercício simples. Definição 15. Dizemos que um conjunto não-vazio X é finito se existe uma função injetiva f k : X [k] para algum k N. Seja U X N o conjunto de todos os k N para os quais existe uma f k deste tipo (U X se X é finito). Chamamos min U X de número de elementos (ou cardinalidade) de X (#X ou card(x)). Se X não é finito, é dito infinito. Note que # ainda não foi definida (deveria ser 0, claro, mas este número ainda não nos foi apresentado). Proposição 16. Sejam X, Y conjuntos finitos. Se há uma injeção de X em Y, então #X #Y. Se há uma sobrejeção, #X #Y. Se há uma bijeção, #X = #Y. Prova: Primeira afirmação: Seja ψ : X Y uma injeção e k = #Y. Sabemos que existe uma injeção f : Y [k]. A compisição g = f ψ é uma injeção de X em [k], logo #X k. 8

9 Segunda afirmação: Seja η : X Y uma sobrejeção e f : X [k] uma injeção, onde k = #X. Isto significa que para todo y Y, S y {i [k] : x X f(x) = i η(x) = y }. é não vazio, já que existe algum x com η(x) = y. Defina: α : Y [k] y α(y) min S y. Note que isto está bem definido porque S y é um subconjunto de N. Provaremos que α é uma injeção, de modo que #Y k = #X c.q.d. De fato, sejam y, z Y com α(y) = α(z). Então S y S z, já que os dois conjuntos têm o mesmo mínimo. Isto implica que existe algum x X com η(x) = y e η(x) = z, donde vemos que y = z. Provamos, portanto, que ou seja, α é injetiva. y, z Y α(z) = α(y) z = y, Terceira afirmação: Se há uma bijeção h : X Y, então h é injetiva e sobrejetiva, logo #X #Y e #X #Y. Dito de outro modo, #X #Y e #X #Y. Deduzimos da tricotomia da ordem que #X = #Y. Proposição 17. Suponha que A [n] é não vazio mas A [n]. Então #A < n. Prova: Note (exercício) que n > 1. Logo existe m N com n = m + 1. Seja agora v um elemento de [n]\a (ele existe porque sabemos que A [n], logo [n]\a ). Seja g : [n] [n] y, y {v, n}; y v, y = n; n, y = v. Ou seja, g troca v e n de lugar, mantendo todos os outros elementos de [n] parados. Note que g é bijeção de [n], logo sua restrição g A é injetiva. Além disso, a imagem de A por g está contida em [m], já que a A : a v g(a) g(v) = n g(a) [n]\{n} = [m] (por Exercício 2). De fato, Exercício 2 entra na última igualdade acima porque x N : x [n] \{n} x n x n x < n (tric.) x m (pelo ex.). Deduzimos que (exercício) g A pode ser tomada como uma função injetiva de A em [m], logo #A m < n. 9

10 Proposição 18. Um conjunto finito X tem cardinalidade [n] se e somente se existe uma bijeção entre X e [n]. Prova: Se: Suponha que #X = n. Neste caso, existe uma função injetiva f n : X [n]. Considere a imagem A = f(x) de X, isto é, o conjunto dos a [n] para os quais existe x X com f(x) = a. Afirmamos que A = [n], o que significa que A é sobrejetiva e portanto uma bijeção, como queremos demonstrar. De fato, suponha (para chegar a uma contradição) que A [n]. Como A [n], a Proposição 17 implica que #A < n, de modo que existe uma função injetiva g : A [m] para algum m < n. Defina então r(x) g(f(x)), para x X. r define uma função de X em [m], já que f(x) A para todo x X e g(a) [m] para todo a A. Além disso, r é injetiva, já que f e g o são. A existência de r : X [m] injetiva implica que #X m < n (transitividade), o que contradiz o fato que #X = n já que, pela tricotomia, #X < n #X n. A contradição implica que f : X [n] é sobrejetiva, logo bijetiva. Somente se: Como há uma bijeção entre X e [n], temos #X = #[n] pela Proposição 16. Logo basta mostrar que #[n] = n para todo n N. Faremos isto por indução. Seja W o conjunto dos n N satisfazendo #[n] = n. Note que 1 W (exercício). Para n W, [n] [n + 1] mas n + 1 [n] (já que n + 1 > n), de modo que n = #[n] < #[n + 1] pela Proposição 17. Além disso, #[n + 1] n + 1, já que a função u definida por u(j) = j (j [n + 1]) é injetiva. Segue que #[n + 1] n + 1 e #[n + 1] > n, donde #[n + 1] = n + 1 pelo Exercício 2. Logo n W n + 1 W. 7 Cardinalidade de conjuntos não necessariamente finitos Há uma noção de cardinalidade de conjuntos infinitos que permite que se associe algum valor a expressões como #X < #Y. Não definiremos o que é a cardinalidade de um conjunto, mas apenas comparações de cardinalidades. Definição 19. Sejam X, Y conjuntos. Diremos que #X #Y se existe uma função injetiva de X em Y. Se existe uma função sobrejetiva, diremos que #X #Y. Por fim, diremos que #X = #Y se há uma bijeção entre X e Y. Também escreveremos que #X < #Y se #X #Y e #X #Y, etc. É um fato não trivial de teoria de conjuntos que: 10

11 Teorema 20 (Cantor). Para quaisquer X, Y como acima: #X = #Y #X #Y #Y #X. Não provaremos este resultado no curso, mas o usaremos a seguir. Definição 21. Um conjunto não-vazio X é dito enumerável se e somente se #X = #N. Veja que todo conjunto enumerável é infinito. Definição 22. Dado um conjunto X, o conjunto das partes de X (P(X)) é o conjunto cujos elementos são os subconjuntos A X. Teorema 23. Para todo conjunto X, #P(X) > #X. Em particular, P(N) é infinito e não-enumerável. Prova: Precisamos mostrar que nenhuma função f : X P(X) é sobrejetiva, isto é: f : X P(X), A P(X), x X, f(x) A. Seja então f : X P(X) dada. Defina: A {x X : x f(x)}. Esmiuçando: sabemos que f(x) é um subconjunto de X para todo x X; botamos um dado x em A se e somente se x f(x). Isto garante a seguinte propriedade: para todo x X, x A x f(x), de modo que, em particular, A f(x) (já que A = f(x) implicaria x A x f(x)). A existência de A é exatamente o que pretendíamos demonstrar. 8 Exercícios Exercício 1. Prove alguma das seguintes propriedades: a comutatividade da multiplicação, associatividade da multiplicação e distributividade. Exercício 2. Mostre que para todos n, m N, n < m implica s(n) m. Mais ainda, se m = s(k) para algum k, então n k. 11

12 Exercício 3. Sejam a, b N tais que c N\{1} com a = bc. Prove que a > b. Exercício 4. Se a, b N, dizemos que a b (a divide b) se existe f N com af = b. Mostre que a a para todo a N. Prove ainda que, se a, b, c N, a divide b e b divide c, então a c. Exercício 5. Sejam 2 s(1) e 3 s(2). Mostre que 2 < 3 mas 2 não divide 3. Exercício 6. Chame p N de primo se p = 1 e os divisores de p são apenas 1 e p. Demonstre que todo n N tem um divisor primo. Exercício 7. Mostre que 2 = s(1), 3 = s(2) e 5 = s(s(3)) são primos, mas 4 = s(3) não é. Exercício 8. Mostre que para todo n, m N com n 1, n m n m+1. Exercício 9. Prove que #[1] = 1 a partir da definição de cardinalidade. Mostre também que dois conjuntos finitos X, Y têm a mesma cardinalidade se e somente se há uma bijeção entre eles. Mostre ainda que #X #Y equivale a haver uma injeção de X a Y, enquanto #X #Y é equivalente a existir uma sobrejeção. Exercício 10. Prove que se A e B são conjuntos finitos, #(A B) #A + #B. Exercício 11. Prove que N não é finito. Exercício 12. (Trabalhoso) Prove que todo conjunto infinito contem um subconjunto enumerável. 12

Análise I. Notas de Aula 1. Alex Farah Pereira de Agosto de 2017

Análise I. Notas de Aula 1. Alex Farah Pereira de Agosto de 2017 Análise I Notas de Aula 1 Alex Farah Pereira 2 3 23 de Agosto de 2017 1 Turma de Matemática. 2 Departamento de Análise-IME-UFF 3 http://alexfarah.weebly.com ii Conteúdo 1 Conjuntos 1 1.1 Números Naturais........................

Leia mais

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS.

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. SANDRO MARCOS GUZZO RESUMO. A construção dos conjuntos numéricos é um assunto clássico na matemática, bem como o estudo das propriedades das operações

Leia mais

Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso)

Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso) Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso) Roberto Imbuzeiro Oliveira 8 de Janeiro de 2014 1 Conjuntos e funções Neste curso procuraremos fundamentar de forma precisa os fundamentos

Leia mais

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais não nulos (inteiros positivos) Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais não nulos (inteiros positivos) Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago Capítulo 1 Os Números Última atualização em setembro de 2017 por Sadao Massago 1.1 Notação Números naturais: Neste texto, N = {0, 1, 2, 3,...} e N + = {1, 2, 3, }. Mas existem vários autores considerando

Leia mais

Parte 1. Conjuntos finitos, enumeráveis e

Parte 1. Conjuntos finitos, enumeráveis e Parte 1 Conjuntos finitos, enumeráveis e não-enumeráveis Georg Ferdinand Ludwig Philipp Cantor (1845-1818) Rússia. A descoberta de que há diversos tipos de infinito deve-se a Georg Cantor. Mas, para os

Leia mais

Números Naturais: Continuação

Números Naturais: Continuação Números Naturais: Continuação AULA 2 META: Apresentar as propriedades de Multiplicação e o Princípio da Boa Ordem. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Entender o processo de multiplicação

Leia mais

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais (inteiros positivos)

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais (inteiros positivos) Capítulo 1 Os Números 1.1 Notação Números naturais: N = {1, 2, 3,...}, mas existem vários autores considerando N = {0, 1, 2, 3,...}. Por isso, é recomendado dizer números positivos, números não negativos,

Leia mais

Enumerabilidade. Capítulo 6

Enumerabilidade. Capítulo 6 Capítulo 6 Enumerabilidade No capítulo anterior, vimos uma propriedade que distingue o corpo ordenado dos números racionais do corpo ordenado dos números reais: R é completo, enquanto Q não é. Neste novo

Leia mais

σ-álgebras, geradores e independência

σ-álgebras, geradores e independência σ-álgebras, geradores e independência Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 15 de Março de 2009 Resumo Notas sobre a σ-álgebra gerada por uma variável aleatória X e sobre as condições de independência de

Leia mais

Os números naturais. Capítulo Operações em N

Os números naturais. Capítulo Operações em N Capítulo 1 Os números naturais O conjunto dos números naturais, denotado por N, é aquele composto pelos números usados para contar. Na verdade, o mais correto seria dizer que é o conjunto dos números usados

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

Notas de Aula de Fundamentos de Matemática

Notas de Aula de Fundamentos de Matemática Universidade Estadual de Montes Claros Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Departamento de Ciências Exatas Notas de Aula de Fundamentos de Matemática Rosivaldo Antonio Gonçalves Notas de aulas que

Leia mais

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Apresentamos aqui diversas propriedades gerais dos números inteiros que não precisarão ser provadas quando você, aluno, for demonstrar teoremas nesta disciplina.

Leia mais

Contando o Infinito: os Números Cardinais

Contando o Infinito: os Números Cardinais Contando o Infinito: os Números Cardinais Sérgio Tadao Martins 4 de junho de 2005 No one will expel us from the paradise that Cantor has created for us David Hilbert 1 Introdução Quantos elementos há no

Leia mais

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit CONSTRUÇÃO DOS REAIS: UM ENFOQUE

Leia mais

Ordem dos Inteiros AULA. 4.1 Introdução. 4.2 Ordem Ordem dos Inteiros

Ordem dos Inteiros AULA. 4.1 Introdução. 4.2 Ordem Ordem dos Inteiros META: Apresentar ordem nos números inteiros e os Princípio de indução e do Menor elemento. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Usar o processo de indução finita dos Inteiros. Justificar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL. Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL. Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano CAMPO MOURÃO 203 Capítulo Conjuntos e Funções Neste capítulo vamos fazer uma breve

Leia mais

Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações

Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações Notação. Usaremos Nat para representar o conjunto dos números naturais; Int para representar o conjunto dos números inteiros. Para cada n Nat, [n] representa o

Leia mais

Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia

Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia Giselle Moraes Resende Pereira Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação Tutorial

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 1. Prove que para todo x 0 IR

Leia mais

Um Estudo Sobre a Enuberabilidade do Conjunto Q dos Números Racionais

Um Estudo Sobre a Enuberabilidade do Conjunto Q dos Números Racionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Relatório de Pesquisa Um Estudo Sobre a Enuberabilidade do Conjunto Q dos Números Racionais Laís Ribeiro

Leia mais

17 AULA. Números Naturais: Axiomas de Peano LIVRO. META: Introduzir o conceito de números naturais através dos axiomas de Peano.

17 AULA. Números Naturais: Axiomas de Peano LIVRO. META: Introduzir o conceito de números naturais através dos axiomas de Peano. 2 LIVRO Números Naturais: Axiomas de Peano 17 AULA META: Introduzir o conceito de números naturais através dos axiomas de Peano. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de Definir o conjunto

Leia mais

A Construção dos Números Reais e suas Extensões

A Construção dos Números Reais e suas Extensões A Construção dos Números Reais e suas Extensões IVAN AGUILAR & MARINA SEQUEIROS DIAS Universidade Federal Fluminense 4 o Colóquio da Região Centro-Oeste Novembro de 2015 Sumário 1 Introdução 1 1.1 Noções

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Teoria de Conjuntos Um conjunto é uma colecção de objectos/elementos/membros. (Cantor

Leia mais

Axiomas de corpo ordenado

Axiomas de corpo ordenado Axiomas de corpo ordenado 2 a lista de exercícios Análise real A abordagem axiomática dos números reais previne erros que a intuição pode ocasionar e torna mais rigoroso o processo de demonstração matemática,

Leia mais

18 AULA. Operações em N LIVRO. META: Definir as operações de soma e produto e uma relação de ordem no conjnto dos números naturais.

18 AULA. Operações em N LIVRO. META: Definir as operações de soma e produto e uma relação de ordem no conjnto dos números naturais. 2 LIVRO Operações em N META: Definir as operações de soma e produto e uma relação de ordem no conjnto dos números naturais. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de Demonstrar propriedades

Leia mais

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas. Aula 05 GRUPOS QUOCIENTES METAS Estabelecer o conceito de grupo quociente. OBJETIVOS Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Leia mais

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos Capítulo 2 Conjuntos Infinitos Não é raro encontrarmos exemplos equivocados de conjuntos infinitos, como a quantidade de grãos de areia na praia ou a quantidade de estrelas no céu. Acontece que essas quantidades,

Leia mais

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c Números Reais Víctor Arturo Martínez León (victor.leon@unila.edu.br) 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais

Leia mais

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Fernando Neres de Oliveira 21 de junho de 2015 Resumo Neste trabalho iremos provar uma curiosa propriedade para listas de inteiros positivos da forma 1, 2,...,

Leia mais

1 Congruências e aritmética modular

1 Congruências e aritmética modular 1 Congruências e aritmética modular Vamos considerar alguns exemplos de problemas sobre números inteiros como motivação para o que se segue. 1. O que podemos dizer sobre a imagem da função f : Z Z, f(x)

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula João Roberto Gerônimo 1 1 Professor Associado do Departamento de Matemática da UEM. E-mail: jrgeronimo@uem.br. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Esta notas de aula

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Câmpus Catalão Aluno: Bruno Castilho Rosa Orientador: Igor Lima Seminário Semanal de Álgebra

Universidade Federal de Goiás Câmpus Catalão Aluno: Bruno Castilho Rosa Orientador: Igor Lima Seminário Semanal de Álgebra Universidade Federal de Goiás Câmpus Catalão Aluno: Bruno Castilho Rosa Orientador: Igor Lima Seminário Semanal de Álgebra Notas de aula 1. Título: Subgrupos finitos de. 2. Breve descrição da aula A aula

Leia mais

Aula 12 HOMOMORFISMO DE ANÉIS PRÉ REQUISITOS. As aulas 6, 10 e 11. META. Estabelecer o conceito de Homomorfismo de Anéis.

Aula 12 HOMOMORFISMO DE ANÉIS PRÉ REQUISITOS. As aulas 6, 10 e 11. META. Estabelecer o conceito de Homomorfismo de Anéis. Aula 12 HOMOMORFISMO DE ANÉIS META Estabelecer o conceito de Homomorfismo de Anéis. OBJETIVOS Reconhecer e classificar homomorfismos de anéis. Aplicar as propriedades básicas dos homomorfismos na resolução

Leia mais

Conjuntos Numéricos Aula 6. Conjuntos Numéricos. Armando Caputi

Conjuntos Numéricos Aula 6. Conjuntos Numéricos. Armando Caputi Conjuntos Numéricos Aula 6 Conjuntos Numéricos E-mail: armando.caputi@ufabc.edu.br Página: http://professor.ufabc.edu.br/~armando.caputi Sala 549-2 - Bloco A - Campus Santo André Conjuntos Numéricos Aula

Leia mais

extensões algébricas.

extensões algébricas. META: Determinar condições necessárias e/ou suficientes para caracterizar extensões algébricas. OBJETIVOS: Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Reconhecer se uma dada extensão é algébrica. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

Funções, Seqüências, Cardinalidade

Funções, Seqüências, Cardinalidade Funções, Seqüências, Cardinalidade Prof.: Rossini Monteiro Noções Básicas Definição (Função) Sejam A e B conjuntos. Uma função de A em B é um mapeamento de exatamente um elemento de B para cada elemento

Leia mais

Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas.

Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas. Teoria dos Conjuntos Já falamos que, na Matemática, tudo se baseia em axiomas. Já estudamos os números inteiros partindo dos seus axiomas. Porém, não é nosso objetivo ver uma teoria axiomática dos conjuntos.

Leia mais

O espaço das Ordens de um Corpo

O espaço das Ordens de um Corpo O espaço das Ordens de um Corpo Clotilzio Moreira dos Santos Resumo O objetivo deste trabalho é exibir corpos com infinitas ordens e exibir uma estrutura topológica ao conjunto das ordens de um corpo.

Leia mais

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização 1 Provas, lemas, teoremas e corolários Uma prova é um argumento lógico de que uma afirmação é verdadeira Um teorema

Leia mais

Material Teórico - Módulo: Vetores em R 2 e R 3. Operações Envolvendo Vetores. Terceiro Ano - Médio

Material Teórico - Módulo: Vetores em R 2 e R 3. Operações Envolvendo Vetores. Terceiro Ano - Médio Material Teórico - Módulo: Vetores em R 2 e R 3 Operações Envolvendo Vetores Terceiro Ano - Médio Autor: Prof. Angelo Papa Neto Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto 1 Adição de vetores Na aula anterior

Leia mais

Funções monótonas. Pré-Cálculo. Funções decrescentes. Funções crescentes. Humberto José Bortolossi. Parte 3. Definição. Definição

Funções monótonas. Pré-Cálculo. Funções decrescentes. Funções crescentes. Humberto José Bortolossi. Parte 3. Definição. Definição Pré-Cálculo Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Funções monótonas Parte 3 Parte 3 Pré-Cálculo 1 Parte 3 Pré-Cálculo 2 Funções crescentes Funções

Leia mais

Produtos de potências racionais. números primos.

Produtos de potências racionais. números primos. MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 4 Dezembro/2006 pp. 23 3 Produtos de potências racionais de números primos Mário B. Matos e Mário C. Matos INTRODUÇÃO Um dos conceitos mais simples é o de número natural e

Leia mais

Aula 1 Conjuntos. Meta. Introduzir as noções básicas de conjunto e produto cartesiano de. conjuntos. Objetivos

Aula 1 Conjuntos. Meta. Introduzir as noções básicas de conjunto e produto cartesiano de. conjuntos. Objetivos Conjuntos AULA 1 Aula 1 Conjuntos Meta conjuntos. Introduzir as noções básicas de conjunto e produto cartesiano de Objetivos Ao final desta aula, você deve ser capaz de: Definir as noções básicas de conjunto

Leia mais

3 O Teorema de Ramsey

3 O Teorema de Ramsey 3 O Teorema de Ramsey Nesse capítulo enunciamos versões finitas e a versão infinita do Teorema de Ramsey, além das versões propostas por Paris, Harrington e Bovykin, que serão tratadas no capítulos subseqüentes.

Leia mais

Construção dos Números Reais

Construção dos Números Reais 1 Universidade de Brasília Departamento de Matemática Construção dos Números Reais Célio W. Manzi Alvarenga Sumário 1 Seqüências de números racionais 1 2 Pares de Cauchy 2 3 Um problema 4 4 Comparação

Leia mais

Aula 4 Aula 5 Aula 6. Ana Carolina Boero. Página:

Aula 4 Aula 5 Aula 6. Ana Carolina Boero.   Página: E-mail: ana.boero@ufabc.edu.br Página: http://professor.ufabc.edu.br/~ana.boero Sala 512-2 - Bloco A - Campus Santo André Números naturais Como somos apresentados aos números? Num primeiro momento, aprendemos

Leia mais

O Corpo completo dos Números Reais

O Corpo completo dos Números Reais O Corpo completo dos Números Reais Márcio Nascimento da Silva 15 de janeiro de 2009 Resumo Neste trabalho definimos uma estrutura algébrica chamada corpo e a partir de fatos elementares (axiomas), deduzimos

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES

MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES Newton José Vieira 21 de agosto de 2007 SUMÁRIO Teoria dos Conjuntos Relações e Funções Fundamentos de Lógica Técnicas Elementares de Prova 1 CONJUNTOS A NOÇÃO

Leia mais

Tópicos de Matemática Elementar

Tópicos de Matemática Elementar Revisão Básica de Prof. Dr. José Carlos de Souza Junior Universidade Federal de Alfenas 26 de novembro de 2014 Revisão de Definição 1 (Espaço Vetorial) Um conjunto V é um espaço vetorial sobre R, se em

Leia mais

Os números inteiros. Capítulo 2

Os números inteiros. Capítulo 2 6 Capítulo 2 Os números inteiros Intuitivamente, o conjunto Z dos números inteiros é composto pelos números naturais e pelos "negativos". Como justificamos de uma forma simples qual a origem dos números

Leia mais

TEORIA DOS NÚMEROS NATURAIS

TEORIA DOS NÚMEROS NATURAIS TEORIA DOS NÚMEROS NATURAIS Maicon Luiz Collovini Salatti - luizcollovini@gmail.com Universidade Federal de Pelotas, Polo de Arroio dos Ratos, 96740-000 - Arroio dos Ratos, RS, Brasil. Luis Felipe Kiesow

Leia mais

20 AULA. Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis LIVRO. META: Estabelecer os conceitos de cardinalidade e de conjuntos enumeráveis.

20 AULA. Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis LIVRO. META: Estabelecer os conceitos de cardinalidade e de conjuntos enumeráveis. 2 LIVRO Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis META: Estabelecer os conceitos de cardinalidade e de conjuntos enumeráveis. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Conceituar cardinalidade

Leia mais

Análise na Reta - Verão UFPA 1a lista - Números naturais; Corpos ordenados

Análise na Reta - Verão UFPA 1a lista - Números naturais; Corpos ordenados Análise na Reta - Verão UFPA 1a lista - Números naturais; Corpos ordenados A lista abaixo é formada por um subconjunto dos exercícios dos seguintes livros: Djairo G. de Figueiredo, Análise na reta Júlio

Leia mais

Análise Real. IF Sudeste de Minas Gerais. Primeiro semestre de Prof: Marcos Pavani de Carvalho. Marcos Pavani de Carvalho

Análise Real. IF Sudeste de Minas Gerais. Primeiro semestre de Prof: Marcos Pavani de Carvalho. Marcos Pavani de Carvalho IF Sudeste de Minas Gerais Prof: Primeiro semestre de 2014 Proposição: É uma afirmação que pode ser classificada em verdadeira ou falsa, mas que faça sentido. Exemplo: Sejam as proposições: A: A soma dos

Leia mais

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X.

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X. 1. Redes Quando trabalhamos no R n, podemos testar várias propriedades de um conjunto A usando seqüências. Por exemplo: se A = A, se A é compacto, ou se a função f : R n R m é contínua. Mas, em espaços

Leia mais

Tópicos de Matemática. Teoria elementar de conjuntos

Tópicos de Matemática. Teoria elementar de conjuntos Tópicos de Matemática Lic. em Ciências da Computação Teoria elementar de conjuntos Carla Mendes Dep. Matemática e Aplicações Universidade do Minho 2010/2011 Tóp. de Matemática - LCC - 2010/2011 Dep. Matemática

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

1. CONJUNTOS NUMÉRICOS

1. CONJUNTOS NUMÉRICOS . CONJUNTOS NUMÉRICOS.. INTRODUÇÃO Uma exposição sistemática dos conjuntos numéricos, utilizados na Matemática, pode ser feita a partir dos números usados para contar, chamados de números naturais. Estes

Leia mais

complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 - Jerônimo C. Pellegrini Relações de Equivalência e de Ordem

complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 - Jerônimo C. Pellegrini Relações de Equivalência e de Ordem Relações de Equivalência e de Ordem complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 Jerônimo C. Pellegrini 5 de agosto de 2013 ii Sumário Sumário Nomenclatura 1 Conjuntos e Relações 1 1.1

Leia mais

Sumário. 1 Ação de Grupos 3. 2 Teoremas de Sylow Aula 02/09/

Sumário. 1 Ação de Grupos 3. 2 Teoremas de Sylow Aula 02/09/ Sumário 1 Ação de Grupos 3 2 Teoremas de Sylow 5 2.1 Aula 02/09/2011................................ 5 2 SUMÁRIO Capítulo 1 Ação de Grupos Seja G um grupo e S um G-conjunto. No estudo de aç ao de grupos,

Leia mais

Soluções dos exercícios propostos

Soluções dos exercícios propostos Indução e Recursão Soluções dos exercícios propostos 1 Iremos demonstrar que a expressão proposta a seguir é correta: i = 0 + + + + + (n 1) = n(n 1), para n > 0 0 i

Leia mais

MAT Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004

MAT Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004 MAT 317 - Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004 1 Nome : Número USP : Assinatura : Professor : Severino Toscano do Rêgo Melo 2 3 4 5 Total Podem tentar fazer todas as questões.

Leia mais

Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos Análise de Algoritmos Técnicas de Prova Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG julho - 2015 Técnicas de Prova Definição Uma prova é um argumento válido que mostra a veracidade de um enunciado matemático.

Leia mais

Dízimas e intervalos encaixados.

Dízimas e intervalos encaixados. Dízimas e intervalos encaixados. Recorde que uma dízima com n casas decimais é um número racional da forma a 0.a a 2...a n = a 0 + a 0 + a 2 0 2 + + a n n 0 n = a j 0 j em que a 0,a,...,a n são inteiros

Leia mais

Michely de Melo Pellizzaro. Números Naturais via Teoria Ingênua dos Conjuntos

Michely de Melo Pellizzaro. Números Naturais via Teoria Ingênua dos Conjuntos Michely de Melo Pellizzaro Números Naturais via Teoria Ingênua dos Conjuntos Florianópolis Junho de 2015 Michely de Melo Pellizzaro Números Naturais via Teoria Ingênua dos Conjuntos Dissertação apresentada

Leia mais

X Encontro da Olimpíada Regional de Matemática

X Encontro da Olimpíada Regional de Matemática completa X Encontro da Olimpíada Regional de Matemática Florianópolis, 28 de Março de 2015. completa Demonstrando igualdades Seja n um número natural qualquer maior do que 1. Qual será o valor da soma

Leia mais

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada:

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada: Aula 8 polinômios (Anterior: chinês. ) 8.1 séries formais Fixemos um anel A. Denotaremos por A N o conjunto de todas as funções de N = {, 1, 2,... } a valores em A. Em termos mais concretos, cada elemento

Leia mais

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que:

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que: Matemática Discreta 2008/09 Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Axioma (Princípio da Boa Ordenação dos Números Naturais) O conjunto parcialmente (totalmente) ordenado (N, ), em que

Leia mais

Os números primos de Fermat complementam os nossos números primos, vejamos: Fórmula Geral P = 2 = 5 = 13 = 17 = 29 = 37 = 41 = Fórmula Geral

Os números primos de Fermat complementam os nossos números primos, vejamos: Fórmula Geral P = 2 = 5 = 13 = 17 = 29 = 37 = 41 = Fórmula Geral Os números primos de Fermat complementam os nossos números primos, vejamos: Fórmula Geral P = 2 = 5 = 13 = 17 = 29 = 37 = 41 = Fórmula Geral 4 4 13 + 1 = 53 Em que temos a fórmula geral: Exatamente um

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ENQ 2017.1 Gabarito Questão 01 [ 1,25 ] Determine as equações das duas retas tangentes à parábola de equação y = x 2 2x + 4 que passam pelo ponto (2,

Leia mais

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x Notas de aula de MAC0329 (2003) 17 3 Álgebra Booleana Nesta parte veremos uma definição formal de álgebra booleana, a qual é feita via um conjunto de axiomas (ou postulados). Veremos também algumas leis

Leia mais

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 Neste curso, consideraremos o conjunto dos números naturais como sendo o conjunto N = {0, 1, 2, 3,... }, denotando por N o conjunto N \ {0}. Como

Leia mais

Funções. Funções. Cardinalidade de conjuntos. Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006.

Funções. Funções. Cardinalidade de conjuntos. Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006. Funções Funções. Cardinalidade de conjuntos. Referência: Capítulo: 3 Discrete Mathematics with Graph Theory Edgar Goodaire e Michael Parmenter, 3rd ed 2006 1 FUNÇÕES Funções-2 Definição de função Uma função

Leia mais

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores.

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores. Aula 5 Produto interno - Aplicações MÓDULO 1 - AULA 5 Objetivos Calcular áreas de paralelogramos e triângulos. Calcular a distância de um ponto a uma reta e entre duas retas. Determinar as bissetrizes

Leia mais

Os números reais. Capítulo O conjunto I

Os números reais. Capítulo O conjunto I Capítulo 4 Os números reais De todos os conjuntos numéricos que estudamos agora, a transição de um para outro sempre era construída de forma elementar A passagem do conjunto dos números racionais aos reais

Leia mais

Teoria Combinatória dos Números

Teoria Combinatória dos Números Teoria Combinatória dos Números Samuel Feitosa, Yuri Lima, Davi Nogueira 27 de fevereiro de 2004 O objetivo deste artigo é mostrar algumas propriedades dos números inteiros, que combinadas podem originar

Leia mais

Elementos de Matemática Finita

Elementos de Matemática Finita Elementos de Matemática Finita Exercícios Resolvidos 1 - Algoritmo de Euclides; Indução Matemática; Teorema Fundamental da Aritmética 1. Considere os inteiros a 406 e b 654. (a) Encontre d mdc(a,b), o

Leia mais

Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos

Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos Autora: Orientador: Grace Alioska Kawakubo Santana

Leia mais

Matemática para o Ensino Fundamental. Éder Matheus de Souza

Matemática para o Ensino Fundamental. Éder Matheus de Souza Matemática para o Ensino Fundamental Éder Matheus de Souza São Cristóvão/SE 2010 Matemática para o Ensino Fundamental Elaboração de Conteúdo Éder Matheus de Souza Capa Hermeson Alves de Menezes Copyright

Leia mais

Topologia e espaços métricos

Topologia e espaços métricos Topologia e espaços métricos Roberto Imbuzeiro Oliveira 7 de Fevereiro de 2014 Conteúdo 1 Preliminares sobre conjuntos 2 2 Introdução aos espaços métricos 3 2.1 Definição............................. 3

Leia mais

Mais uma aplicação do teorema de isomorfismo. Sejam G um grupo, H um subgrupo de G e N um subgrupo normal de

Mais uma aplicação do teorema de isomorfismo. Sejam G um grupo, H um subgrupo de G e N um subgrupo normal de Obs: tem exercícios na página 6. Mais uma aplicação do teorema de isomorfismo. Sejam G um grupo, H um subgrupo de G e N um subgrupo normal de G. Seja HN = {hn : h H, n N}. Então HN G, H N H e H/H N = HN/N.

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/42 7 - ESTRUTURAS ALGÉBRICAS 7.1) Operações Binárias

Leia mais

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012 NÚMEROS INTEIROS PROF. FRANCISCO MEDEIROS Álgebra Abstrata - Verão 2012 Faremos, nessas notas, uma breve discussão sobre o conjunto dos números inteiros. O texto é basicamente a seção 3 do capítulo 1 de

Leia mais

Notas Para o Curso de Medida e. Daniel V. Tausk

Notas Para o Curso de Medida e. Daniel V. Tausk Notas Para o Curso de Medida e Integração Daniel V. Tausk Sumário Capítulo 1. Medida de Lebesgue e Espaços de Medida... 1 1.1. Aritmética na Reta Estendida... 1 1.2. O Problema da Medida... 6 1.3. Volume

Leia mais

Elementos de Matemática

Elementos de Matemática Elementos de Matemática Leandro F. Aurichi 1 18 de novembro de 2011 1 Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação - Universidade de São Paulo, São Carlos, SP 2 Capítulo 1 Rudimentos de lógica 1.1

Leia mais

Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c.

Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c. Divisores Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c. Quando a é múltiplo de d dizemos também que a é divisível

Leia mais

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina.

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. O material completo a ser estudado encontra-se no Capítulo 11 - Seção 1.3 do livro texto da disciplina: Aritmética, A. Hefez,

Leia mais

Elementos de Matemática

Elementos de Matemática Elementos de Matemática Leandro F. Aurichi 1 2 de dezembro de 2016 1 Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação - Universidade de São Paulo, São Carlos, SP 2 Sumário 1 Rudimentos de lógica 7 1.1

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo. Aritmética das Classes Residuais

MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo. Aritmética das Classes Residuais MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo Aritmética das Classes Residuais Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio

Leia mais

AXIOMAS DE PEANO E OS NÚMEROS NATURAIS

AXIOMAS DE PEANO E OS NÚMEROS NATURAIS AXIOMAS DE PEANO E OS NÚMEROS NATURAIS Hugo Felipe Gequelim [Bolsista PICME/CNPq], Ronie Peterson Dario [Orientador] 1 1 Departamento Acadêmico de Matemática Campus Sede Universidade Tecnológica Federal

Leia mais

VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. teoria dos números. Conteudista Isidorio Rodrigues Queiros

VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. teoria dos números. Conteudista Isidorio Rodrigues Queiros VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA teoria dos números Conteudista Isidorio Rodrigues Queiros Rio de Janeiro / 2008 Todos os direitos reservados à

Leia mais

Definição 3.1: Seja x um número real. O módulo de x, denotado por x, é definido como: { x se x 0 x se x < 0

Definição 3.1: Seja x um número real. O módulo de x, denotado por x, é definido como: { x se x 0 x se x < 0 Capítulo 3 Módulo e Função Módular A função modular é uma função que apresenta o módulo na sua lei de formação. No entanto, antes de falarmos sobre funções modulares devemos definir o conceito de módulo,

Leia mais

LFA. Provas formais; Indução; Sintaxe e Semântica Teoria dos Conjuntos

LFA. Provas formais; Indução; Sintaxe e Semântica Teoria dos Conjuntos LFA Provas formais; Indução; Sintaxe e Semântica Teoria dos Conjuntos Técnicas de Demonstração Um teorema é uma proposição do tipo: p q a qual, prova-se, é verdadeira sempre que: p q Técnicas de Demonstração

Leia mais

Aula 11 IDEAIS E ANÉIS QUOCIENTES META. Apresentar o conceito de ideal e definir anel quociente. OBJETIVOS

Aula 11 IDEAIS E ANÉIS QUOCIENTES META. Apresentar o conceito de ideal e definir anel quociente. OBJETIVOS Aula 11 IDEAIS E ANÉIS QUOCIENTES META Apresentar o conceito de ideal e definir anel quociente. OBJETIVOS Aplicar as propriedades de ideais na resolução de problemas. Reconhecer a estrutura algébrica de

Leia mais

Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n

Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n 1. Descrição do método e alguns exemplos Colocamos o seguinte problema: dado um conjunto finito: A = {a 1, a 2,...,

Leia mais

TEORIA DOS CONJUNTOS. Turma: A - Licenciatura em Matemática 1 Semestre de Prof. Dr. Agnaldo José Ferrari OS NÚMEROS NATURAIS

TEORIA DOS CONJUNTOS. Turma: A - Licenciatura em Matemática 1 Semestre de Prof. Dr. Agnaldo José Ferrari OS NÚMEROS NATURAIS TEORIA DOS CONJUNTOS Turma: 0004105A - Licenciatura em Matemática 1 Semestre de 2014 Prof. Dr. Agnaldo José Ferrari OS NÚMEROS NATURAIS Em 1908 Ernst Zermelo (Alemanha / 1871 1953) propôs usar a sequência,

Leia mais

Uma introdução ao estudo dos números transfinitos

Uma introdução ao estudo dos números transfinitos Uma introdução ao estudo dos números transfinitos Anna Beatriz Amaral Santos - UFF abas@pontocomcombr Carla do Nascimento Lopes - UFF Marisa Ortegoza da Cunha - UFF ganmoc@vmuffcombr Uma introdução ao

Leia mais

MA21 (2015) - Teste - Gabarito comentado. Problema 1 (OBM 2005) Na sequência de números

MA21 (2015) - Teste - Gabarito comentado. Problema 1 (OBM 2005) Na sequência de números MA21 (2015) - Teste - Gabarito comentado Problema 1 (OBM 2005) Na sequência de números 1, a, 2, b, c, d,... dizemos que o primeiro termo é 1, o segundo é a, o terceiro é 2, o quarto é b, o quinto é c e

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides 1 Máximo Divisor Comum Definição 1.1 Sendo a um número inteiro, D a indicará o conjunto de seus divisores positivos,

Leia mais