Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso)"

Transcrição

1 Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso) Roberto Imbuzeiro Oliveira 8 de Janeiro de Conjuntos e funções Neste curso procuraremos fundamentar de forma precisa os fundamentos mais básicos do Cálculo. Para fazer isto com todo o rigor, teríamos que em primeiro lugar apresentar de forma adequada toda a Teoria de Conjuntos: de fato, todo objeto matemático que apresentarmos nestas notas será descrito por conjuntos, de uma forma ou de outra. Não teremos tempo de seguir esta abordagem ideal no curso, mas procuraremos esclarecer alguns pontos relacionados nestas notas. 1.1 O que é (ou não é) conjunto Um conjunto X é uma entidade abstrata sobre a qual se pode fazer perguntas do tipo x X? A interpretação que damos a esta pergunta é x pertence a X? ; se a resposta for sim, dizemos que x é elemento de X. Exemplo 1 (Exemplos intuitivos) N (números naturais), Z (inteiros), R (reais), Q (racionais), o conjunto de alunos desta turma. No final das contas, qualquer afirmação feita a respeito de um conjunto é na verdade a respeito dos elementos que ele contem ou não contem. Por exemplo, dois conjuntos X e Y são iguais se todos os elementos de um são elementos de outro. Em símbolos 1 : X=Y: x : x X x Y IMPA, Rio de Janeiro, RJ, Brazil, O símbolo significa para todo e significa se e somente se. 1

2 Da mesma forma, X Y se todo elemento de X é também elemento de Y. Em símbolos: X Y: x : x X x Y. Intuitivamente, um conjunto X representa uma coleção de elementos. Existe uma coleção vazia, simbolizada por, tal que x : x. De fato, só pode existir um conjunto vazio (exercício). No entanto, há coleções que não são conjuntos: por exemplo, não existe um conjunto cujos elementos incluem todos os conjuntos que existem. Isto está relacionado ao fato que, dado um conjunto X, podemos obter um subconjunto Y X via especificação: se P é uma propriedade que cada x X pode ou não satisfazer, então: Y {x X : X satisfaz P } é subconjunto de X. De fato, neste curso todo conjunto com o qual trabalharemos será ou declarado conjunto conhecido (no caso de N) ou então obtido de um outro conjunto via especificação e produtos cartesianos. Os leitores interessados numa melhor compreensão da Teoria de Conjuntos podem procurar os seguintes livros: Keith Devlin. The Joy of Sets. Paul Halmos. Naïve Set Theory. (Este livro é considerado um clássico.) 1.2 Funções são conjuntos Em geral uma função entre os conjuntos A e B é simbolizada por f : A B. Informalmente, ela dá uma regra que associa a cada elemento a A um elemento f(a) B. Recordamos que os conjuntos A e B são respectivamente chamados de domínio e contradomínio de f. Observe que as definições de domínio e contradomínio são parte da definição de f Esta definição informal tem alguns problemas. O mais óbvio deles é que a palavra regra tem de ser usada num sentido muito amplo para que ela valha. É f(x) = x 2 é uma regra clara que associa a cada x R o seu quadrado, mas outras funções podem ser muito mais complicadas ou não ter regra nenhuma 2. 2 Esta última afirmação será esclarecida mais adiante no curso. A ideia é que existem muito mais funções de N em {0, 1}, por exemplo, do que qualquer regra escrita seria capaz de descrever. 2

3 Um livro de Teoria de Conjuntos contornaria este problema e faria jus à nossa afirmação de que tudo é conjunto através da seguinte derfinição 3. Definição 1 Uma função com domínio A e contradomínio B é um subconjunto G A B com a seguinte propriedade: a A! b B : (a, b) G. (1) De que forma isto corresponde à ideia intuitiva? Veja que, por um lado, se f e função o conjunto G f {(a, f(a)) : a A} (chamado de gráfico de f) satisfaz a definição acima, pois a cada a A corresponde um único b (que é o b = f(a)). Por outro lado, dado G A B que satisfaz (1), podemos tomá-lo como o gráfico de alguma f descrita pela seguinte regra abstrata : se queremos saber quem é f(a), procuramos o único par (a, b) G contendo a e concluímos b = f(a). Dito de outro modo, G é uma tabela que nos diz o valor de f(a) para cada a A. No final das contas, o que vimos é que o conceito intuitivo de função encontra uma expressão rigorosa dentro da Teoria de Conjuntos. Este mesmo princípio se aplica a essencialmente todos os outros conceitos da Matemática. Na maior parte do tempo trabalharemos como se o conceito intuitivo fosse verdadeiro, retornando apenas ocasionalmente à definição formal. Observação 1 Dada f : A B e A 0 A, em geral definimos a restrição de f a A 0 como a função dada pela mesma regra que f, mas restrita aos elementos de A 0. Note que, no âmbito da nossa definição, isto pode ser expresso como: G 0 G (A 0 B) = {(a, b) G : a A 0 }. 2 Conjuntos finitos e cardinalidades Aqui nesta seção elucidamos o material no Cap 1 do Elon pequeno que se refere a cardinalidades. Tomamos como fatos conceitos como a ordem de N, a tricotomia da ordem e o fato que todo conjunto A N que não é vazio tem um elemento mínimo. Antes disto, recordamos alguns fatos. Sejam A e B conjuntos e f : A B uma função. Recorde que f : A B é: 3! significa existe um único. 3

4 injetiva se para quaisquer a, c A, a c f(a) f(c) ; sobrejetiva se para qualquer b B existe um a A com f(a) = b; bijetiva se é injetiva e sobrejetiva. Exercício 1 Prove que injetividade e sobrejetividade são preservadas pela composição de funções. Lembramos ainda que f g denota a composição de funções f : B C e g : A B. Dado n N, escreva [n] := {i N : i n}. Às vezes chamaremos este conjunto de I n, como nos livros do Elon (a notação do colchete vem se firmando como padrão). 2.1 O finito e o infinito Definição 2 (Finitude e infinitude) Dizemos que um conjunto X é finito se X é vazio ou se existem n N uma f : X I n que é injetiva (dizemos que f atesta a finitude de X). X é dito infinito quando esta função não existe. Observe alguns fatos simples: Se X é finito, qualquer Y X é finito. De fato, se f : X [n] atesta a finitude de X, a restrição de f a Y atesta a finitude de Y (pois a restrição de uma função injetiva também é injetiva). Se X, C são conjuntos, C é finito e existe g : X C injetiva, então X também é finito. De fato, se f atesta a finitude de C, f g atesta a finitude de X. Bijeções preservam a finitude e a infinitude de conjuntos. Segue do fato acima, juntamente com o fato que uma função bijetiva é injetiva e tem inversa injetiva. Se X N é limitado, então X é finito. A afirmação de que X é limitado significa que existe p N com x X : x p. Neste caso, vemos que X [p], portanto a f : X [p] que leva cada x X nele mesmo atesta a finitude de X. 4

5 2.2 Cardinalidade de conjuntos finitos Definição 3 (Cardinalidade) Seja X um conjunto finito. A cardinalidade de X, denotada por X, é definida como X = 0 se X = e X = n se n N é o menor natural para o qual existe uma função injetiva f : X [n]. (Este valor existe porque o conjunto dos n N tal que existe tal injeção não é vazio, posto que X é finito.) A ideia intuitiva é que a cardinalidade conta o número de elementos de um conjunto. O teorema a seguir mostra isto num caso particular. Teorema 1 [m] = m para qualquer m N. Prova: Note que a função identidade é uma injeção de [m] em [m], logo [m] m. Resta provar que não podemos ter [m] < m. Dito de outro modo, queremos provar que todo número natural n N satisfaz a seguinte propriedade: P(n): Não existe função injetiva f : [m] [n] para qualquer natural m > n. (Em forma contrapositiva: se f : [m] [n] é injetiva, m n.) A prova desta propriedade para todo n N será por indução em n. Base: Se n = 1, [n] = {1}. Tome m > 1. Veja que 1 [m] e portanto 1, m são dois elementos distintos de [m]. Isto implica que não pode haver f : [m] {1} injetiva. Passo indutivo. Suponha n 1 é tal que vale P(n). Vamos provar que P(n + 1) também vale. Para isso fixaremos m N tal que existe f : [m] [n + 1] injetiva e provaremos m n + 1. Temos três casos. Caso 1. n + 1 Imagem(f). Neste caso f pode ser encarada como uma função f : [m] [n]. Como P(n) vale, isto implica que m n e portanto m n + 1. Caso 2. f(m) = n + 1. Neste caso, a ideia é retirar m e notar que passamos a ter uma função injetiva de [m 1] em [n].de feito, como f é injetiva, nenhum i < m pode ter f(i) = n + 1. Deste modo, a restrição de f 5

6 a [m 1] é injetiva e tem imagem contida em [n + 1]\{n + 1} = [n]. No entanto, como [n] satisfaz P(n), isto implica que m 1 n, ou seja, m n+1. Caso 3. Agora considere o caso em que f(a) = n+1 para algum a [m], a m. A ideia é trocar a e m de lugar para voltar ao caso anterior. Mais exatamente, seja g : [m] [m] tal que g(a) = m, g(m) = a e g(r) = r para todos os demais elementos de [m]. Veja que esta g é uma bijeção e que portanto a composição f g : [m] [n] é injetiva e satisfaz f g(m) = n+1. Assim voltamos ao caso acima, em que já concluímos que m n + 1. Teorema 2 Seja X um conjunto finito que não é vazio. Então qualquer função injetiva f : X [ X ] é uma bijeção. Prova: Seja f : X [ X ] injetiva. Vamos supôr (para chegar a uma contradição) que f não é sobrejetiva. Então existe i [ X ] tal que i f(x) para qualquer x X. Temos agora dois casos a considerar: i = X e i X. Se i = X, vemos que a imagem de f está contida em [ X 1]. Redefinindo o contradomínio de f como [ X 1], vemos que existe g : X [ X 1] (definida por g(x) = f(x) para todo x X) que é injetiva. Isto contradiz a minimalidade de X. Suponha agora que i X. Neste caso, como i [ X ] temos i < X. Considere agora uma g : X [ X 1] definida da seguinte forma: { i se f(x) = X ; g(x) := f(x) se não. É um exercício verificar que g de fato tem contradomínio [ X 1] e é injetiva. Deste modo, também neste caso temos uma contradição: existe f : X [ X 1] injetiva, o que contradiz a minimalidade de X. As contradições excluem todos os casos possíveis, de modo que concluímos que a premissa existe f : X [ X ] injetiva, mas não sobre é falsa. Isto é exatamente o que desejávamos mostrar. Exercício 2 Conclua dos teoremas acima que, se X é conjunto finito, existe um único n N para o qual há uma bijeção b : X [n].além disto, este n é precisamente a cardinalidade de X. Antes de prosseguir, enunciamos um corolário importante dos resultados acima. 6

7 Corolário 1 Se A e B são finitos, então há uma função injetiva f : A B se e somente se A B ; e vice-versa. Prova: Sabemos que há bijeções h : B [ B ] e g : A [ A ]. Se existe tal f, note que h f g 1 é função injetiva de [ A ] em [ B ]. Desta forma, a cardinalidade de [ A ] (que é A ) é menor que a de [ B ] (que é B ). Por outro lado, se A B, vemos que f := h 1 g é função injetiva entre A e B. Exercício 3 Mostre que A < B sempre que A B com B finito e A B. Exercício 4 Mostre que, se A e B são finitos e A B =, então A B = A + B. 2.3 Conjuntos enumeráveis Nesta seção discutiremos uma classe de conjuntos possivelmente infinitos, mas que ainda assim podem ser contados de algum jeito. Definição 4 (Enumerabilidade) Um conjunto X é dito enumerável se X é vazio ou existe f : X N injetiva. (Neste caso dizemos que f atesta a enumerabilidade de X.) Eis algumas consequências simples desta definição, que deixamos como exercícios: Todo subconjunto de um conjunto enumerável é enumerável. N e todos os seus subconjuntos são enumeráveis. Falar do que seria a cardinalidade de um conjunto enumerável infinito não é tarefa muito simples. No entanto, vimos no caso finito que a cardinalidade de X é atestada por alguma bijeção b : X [n]. Do mesmo modo, o teorema a seguir nos diz que um conjunto enumerável infinito sempre tem uma bijeção com N. Teorema 3 Todo conjunto infinito enumerável tem uma bijeção com N. Esta é uma das primeiras demonstrações realmente difíceis do curso, portanto teremos bastante cuidado. 7

8 Prova: Seja X infinito enumerável e seja f : X N uma função injetiva que atesta isto. Chame de J a imagem de f. Como f é injetiva, X e J estão em bijeção (dito de outro modo, quando restringimos o contradomínio de f a sua imagem, o que obtemos é uma bijeção.). Em particular, J é infinito. No restante da prova vamos provar que há uma bijeção entre J e N, o que implica que há uma bijeção 4 entre X e N. Reiteramos: a partir de agora nosso objetivo é provar que Se J N é infinito, então há uma bijeção entre J e N. A ideia básica é que a bijeção levará o menor elemento de J em 1, o segundo menor elemento em 2, o terceiro menor elemento em 3 e assim por diante. Esta é uma maneira bem natural de conceber a bijeção; mas há outra maneira de escrevê-la que é mais conveniente. b : J N j b(j) := [j] J. Em palavras: b(j) conta quantos elementos de J são menores ou iguais a j. Note que b é uma função bem definida. Afinal, [j] é sempre finito, logo [j] J o é e podemos falar da cardinalidade deste conjunto. Além disto, a cardinalidade é sempre > 0 porque j [j] J e portanto [j] J. Concluímos que [j] J N sempre. Mostraremos que b é uma bijeção em duas partes. b é injetiva. Dados dois elementos distintos j, k J, temos j < k ou k < j. Vamos supôr que vale j < k, pois o outro caso é análogo. Veja que [j] {k} [k]. Como k J, temos [k] J ([j] {k}) J = ({j} J) {k}. Em outras palavras, [k] J tem pelo menos um elemento a mais que [j] J. O exercício implica que: b(k) = [k] J > [j] J = b(j). b é sobrejetiva. Vamos provar por indução que qualquer n N está na imagem de B. Base: 1 Imagem(b). De fato, como J, J tem um menor elemento j 1 J. Veja que [j 1 ] J tem j 1 como único elemento elemento; 4 Você consegue ver porque isto é verdade? O ponto é que podemos compôr as bijeções entre X e J e entre J e N! 8

9 caso contrário, existiria j ([j 1 ] J) {j 1 } = [j 1 1] J e tal j seria necessariamente menor que j 1 (contradição). Vemos, portanto, que b(j 1 ) = [j 1 ] J = {j 1 } = 1. Passo indutivo: supondo que n Imagem(b), provaremos agora que n + 1 Imagem(b). Para isto tomamos j J com b(j) (o que existe pela hipótese de indução). A ideia é que o próximo elemento de J será levado em n + 1. Sendo mais precisos, notamos que J [j], posto que J não é finito, de modo que J\[j] não é vazio. Seja k o menor elemento de J\[j]. Afirmamos que b(k) = n + 1. De fato, veja que: [k] J = A B com A := ([j] J) e B := ({j + 1,..., k} J). A tem b(j) = n elementos. B contem k (já que k J) e nenhum outro elemento, pois qualquer i {j + 1,..., k 1} J seria um elemento de J\[j] menor do que k. Deduzimos que B = 1. Como A e B são disjuntos, o exercício 4 nos diz que b(k) = [k] J = A B = A + B = b(j) + 1 = n + 1. Portanto n + 1 Imagem(b), CQD. Observação 2 A prova acima nos dá uma bijeção crescente entre J e N. Uma prova seguindo o Elon nos permitiria provar que se U é qualquer conjunto infinito, existe V U infinito e enumerável. 2.4 As partes de um conjunto e a existência de conjuntos não enumeráveis Nesta seção provaremos um dos fatos fundamentais a respeito de cardinalidades de conjuntos infinitos : que existem conjuntos não enumeráveis. Isto quer dizer que existem conjuntos infinitos I que são maiores do que N no seguinte sentido: existe uma injeção de N em I, mas não há injeção de I em N. Este resultado (e a técnica de demonstração a seguir) foram contribuições seminais de Georg Cantor aos Fundamentos da Matemárica A existência de conjuntos não enumeráveis segue de um resultado distinto que apresentamos a seguir. Recorde que, dado um conjunto X, podemos definir um conjunto cujos elementos são os subconjuntos de X. Este conjunto é chamado de conjunto das partes de X e denotado por P(X). Em símbolos, P(X) := {A conjunto : A X}. 9

10 Exercício 5 Prove que P(X) é finito se e somente se X é finito. Teorema 4 Para qualquer conjunto X, não pode existir uma função sobrejetiva de X em P(X). Em particular, isto implica que P(N) não está em bijeção com N. Como P(N) é infinito (pelo exercício), o Teorema 3 implica que ele não é enumerável. Prova: [do Teorema 4] A ideia desta prova é o chamado truque diagonal de Cantor. Na verdade várias ideias relacionadas recebem este mesmo nome; entre os muitos pontos em comum está o espanto que elas causam em quem nunca as viu. Digo sem exagero que a ideia da demonstração abaixo é algo que você deverá levar pelo resto da vida em algum canto da mente. Para enfatizar isto, vamos primeiro apresentar a prova a jato e depois refletir um pouco sobre ela, para entender por que ela faz algum sentido. A prova. Dada uma função F : X P(X), vamos provar que ela não é sobrejetiva mostrando que existe A P(X) (isto é, um subconjunto de X) diferente dos conjuntos F (x) para x X. De fato, A é definido da seguinte maneira: A := {x X : x F (x)}. Isto faz sentido porque, para cada x, F (x) é um subconjunto de X. Notamos ainda que qualquer x X pertence a um (e apenas um) dos conjuntos A, F (x). Portanto A F (x) para todo x X e deduzimos que A Imagem(F ). Refletindo sobre a prova. De que forma podemos construir um A que não está na imagem de F? Precisamos que, para cada x X, exista um y X tal que y A e y F (x) ou vice-versa. Afinal, dois conjuntos são diferentes se e somente se há algum elemento que só está em algum deles. A ideia de Cantor foi fazer a escolha mais simples para y, que é y = x. Esta decisão não é nada óbvia, mas, uma vez tomada, ela nos dá a saída. Se queremos que x esteja em exatamente um dos dois conjuntos A, F (x), devemos definir A de modo que x A x F (x). É exatamente desta forma que definimos A na nossa prova. 10

Números naturais e cardinalidade

Números naturais e cardinalidade Números naturais e cardinalidade Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 5 de Janeiro de 2008 Resumo 1 Axiomas de Peano e o princípio da indução Intuitivamente, o conjunto N dos números naturais corresponde

Leia mais

Contando o Infinito: os Números Cardinais

Contando o Infinito: os Números Cardinais Contando o Infinito: os Números Cardinais Sérgio Tadao Martins 4 de junho de 2005 No one will expel us from the paradise that Cantor has created for us David Hilbert 1 Introdução Quantos elementos há no

Leia mais

José Paulo Carneiro (0; 0) (0; 1) (0; 2) (0; 3) (1; 0) (1; 1) (1; 2) (1; 3) (2; 0) (2; 1) (2; 2) (2; 3) (3; 0) (3; 1) (3; 2) (3; 3)

José Paulo Carneiro (0; 0) (0; 1) (0; 2) (0; 3) (1; 0) (1; 1) (1; 2) (1; 3) (2; 0) (2; 1) (2; 2) (2; 3) (3; 0) (3; 1) (3; 2) (3; 3) A ENUMERABILIDADE DE E O CHÃO TRIANGULAR José Paulo Carneiro Nível Intermediário < < é < < e

Leia mais

σ-álgebras, geradores e independência

σ-álgebras, geradores e independência σ-álgebras, geradores e independência Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 15 de Março de 2009 Resumo Notas sobre a σ-álgebra gerada por uma variável aleatória X e sobre as condições de independência de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL. Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL. Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano CAMPO MOURÃO 203 Capítulo Conjuntos e Funções Neste capítulo vamos fazer uma breve

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 1. Prove que para todo x 0 IR

Leia mais

Parte 1. Conjuntos finitos, enumeráveis e

Parte 1. Conjuntos finitos, enumeráveis e Parte 1 Conjuntos finitos, enumeráveis e não-enumeráveis Georg Ferdinand Ludwig Philipp Cantor (1845-1818) Rússia. A descoberta de que há diversos tipos de infinito deve-se a Georg Cantor. Mas, para os

Leia mais

Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações

Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações Notação. Usaremos Nat para representar o conjunto dos números naturais; Int para representar o conjunto dos números inteiros. Para cada n Nat, [n] representa o

Leia mais

Os números naturais. Capítulo Operações em N

Os números naturais. Capítulo Operações em N Capítulo 1 Os números naturais O conjunto dos números naturais, denotado por N, é aquele composto pelos números usados para contar. Na verdade, o mais correto seria dizer que é o conjunto dos números usados

Leia mais

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos MAT 1351 Cálculo para funções uma variável real I Curso noturno de Licenciatura em Matemática 1 semestre de 2016 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios

Leia mais

Um Estudo Sobre a Enuberabilidade do Conjunto Q dos Números Racionais

Um Estudo Sobre a Enuberabilidade do Conjunto Q dos Números Racionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Relatório de Pesquisa Um Estudo Sobre a Enuberabilidade do Conjunto Q dos Números Racionais Laís Ribeiro

Leia mais

Lista 6. Bases Matemáticas. Funções I. 1 Dados A e B conjuntos, defina rigorosamente o conceito de função de A em B.

Lista 6. Bases Matemáticas. Funções I. 1 Dados A e B conjuntos, defina rigorosamente o conceito de função de A em B. Lista 6 Bases Matemáticas Funções I Dados A e B conjuntos, defina rigorosamente o conceito de função de A em B. Dados os conjuntos A = {a, e, i, o, u} e B = {,, 3, 4, 5}, diga qual das relações abaixo

Leia mais

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização 1 Provas, lemas, teoremas e corolários Uma prova é um argumento lógico de que uma afirmação é verdadeira Um teorema

Leia mais

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 bras.png Cálculo I Logonewton.png Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 Objetivos da Aula: Definir limite de uma função Definir limites laterias Apresentar as propriedades operatórias

Leia mais

20 AULA. Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis LIVRO. META: Estabelecer os conceitos de cardinalidade e de conjuntos enumeráveis.

20 AULA. Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis LIVRO. META: Estabelecer os conceitos de cardinalidade e de conjuntos enumeráveis. 2 LIVRO Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis META: Estabelecer os conceitos de cardinalidade e de conjuntos enumeráveis. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Conceituar cardinalidade

Leia mais

Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos Análise de Algoritmos Técnicas de Prova Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG julho - 2015 Técnicas de Prova Definição Uma prova é um argumento válido que mostra a veracidade de um enunciado matemático.

Leia mais

Uma introdução ao estudo dos números transfinitos

Uma introdução ao estudo dos números transfinitos Uma introdução ao estudo dos números transfinitos Anna Beatriz Amaral Santos - UFF abas@pontocomcombr Carla do Nascimento Lopes - UFF Marisa Ortegoza da Cunha - UFF ganmoc@vmuffcombr Uma introdução ao

Leia mais

Tópicos de Matemática. Teoria elementar de conjuntos

Tópicos de Matemática. Teoria elementar de conjuntos Tópicos de Matemática Lic. em Ciências da Computação Teoria elementar de conjuntos Carla Mendes Dep. Matemática e Aplicações Universidade do Minho 2010/2011 Tóp. de Matemática - LCC - 2010/2011 Dep. Matemática

Leia mais

Construção dos Números Reais

Construção dos Números Reais 1 Universidade de Brasília Departamento de Matemática Construção dos Números Reais Célio W. Manzi Alvarenga Sumário 1 Seqüências de números racionais 1 2 Pares de Cauchy 2 3 Um problema 4 4 Comparação

Leia mais

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula de maio de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula de maio de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Pré-Cálculo Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Aula 11 28 de maio de 2010 Aula 11 Pré-Cálculo 1 A função raiz quadrada f : [0, + ) [0, + ) x y

Leia mais

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas. Aula 05 GRUPOS QUOCIENTES METAS Estabelecer o conceito de grupo quociente. OBJETIVOS Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Leia mais

FUNÇÕES. Carlos Eurico Galvão Rosa UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR CAMPUS AVANÇADO DE JANDAIA DO SUL LICENCIATURAS UFPR JCE001 GALVÃO ROSA,C.E.

FUNÇÕES. Carlos Eurico Galvão Rosa UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR CAMPUS AVANÇADO DE JANDAIA DO SUL LICENCIATURAS UFPR JCE001 GALVÃO ROSA,C.E. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR CAMPUS AVANÇADO DE JANDAIA DO SUL LICENCIATURAS Injetiva FUNÇÕES Sobrejetiva Bijetiva Carlos Eurico Galvão Rosa UFPR 1 / 33 de Injetiva Sobrejetiva Bijetiva : Dados

Leia mais

2. A figura a seguir ilustra várias relações binárias em Quais são funções? Dentre as que são funções, quais as sobrejetivas? E quais as injetivas?

2. A figura a seguir ilustra várias relações binárias em Quais são funções? Dentre as que são funções, quais as sobrejetivas? E quais as injetivas? Seção 4.3 Funções 199 Exercícios 4.3 1. A figura a seguir representa uma função. a. Qual seu domínio? Qual seu contradomínio? Qual o conjunto imagem? b. Qual a imagem de 5? E de 8? c. Quais as pré-imagens

Leia mais

Produtos de potências racionais. números primos.

Produtos de potências racionais. números primos. MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 4 Dezembro/2006 pp. 23 3 Produtos de potências racionais de números primos Mário B. Matos e Mário C. Matos INTRODUÇÃO Um dos conceitos mais simples é o de número natural e

Leia mais

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais (inteiros positivos)

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais (inteiros positivos) Capítulo 1 Os Números 1.1 Notação Números naturais: N = {1, 2, 3,...}, mas existem vários autores considerando N = {0, 1, 2, 3,...}. Por isso, é recomendado dizer números positivos, números não negativos,

Leia mais

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos Pode-se dizer que a é em grande parte trabalho de um único matemático: Georg Cantor (1845-1918). noção de conjunto não é suscetível de definição precisa a partir d noções mais simples, ou seja, é uma noção

Leia mais

Definição: Todo objeto parte de um conjunto é denominado elemento.

Definição: Todo objeto parte de um conjunto é denominado elemento. 1. CONJUNTOS 1.1. TEORIA DE CONJUNTOS 1.1.1. DEFINIÇÃO DE CONJUNTO Definição: Conjunto é toda coleção de objetos. Uma coleção de números é um conjunto. Uma coleção de letras é um conjunto. Uma coleção

Leia mais

Notas sobre os anéis Z m

Notas sobre os anéis Z m Capítulo 1 Notas sobre os anéis Z m Estas notas complementam o texto principal, no que diz respeito ao estudo que aí se faz dos grupos e anéis Z m. Referem algumas propriedades mais específicas dos subanéis

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

LÓGICA I ANDRÉ PONTES

LÓGICA I ANDRÉ PONTES LÓGICA I ANDRÉ PONTES 3. Introdução à Teoria dos Conjuntos Um conjunto é uma coleção ou um agregado de objetos. Introduzindo Conjuntos Ex.: O conjunto das vogais; O conjuntos de pessoas na sala; O conjunto

Leia mais

EQUAÇÕES FUNCIONAIS PARA OS MAIS JOVENS Ricardo César da Silva Gomes, IFCE, Jaguaribe CE

EQUAÇÕES FUNCIONAIS PARA OS MAIS JOVENS Ricardo César da Silva Gomes, IFCE, Jaguaribe CE EQUAÇÕES FUNCIONAIS PARA OS MAIS JOVENS Ricardo César da Silva Gomes, IFCE, Jaguaribe CE Nível Intermediário Um dos temas mais desafiadores para um olímpico são os problemas sobre equações funcionais.

Leia mais

MA21 (2015) - Teste - Gabarito comentado. Problema 1 (OBM 2005) Na sequência de números

MA21 (2015) - Teste - Gabarito comentado. Problema 1 (OBM 2005) Na sequência de números MA21 (2015) - Teste - Gabarito comentado Problema 1 (OBM 2005) Na sequência de números 1, a, 2, b, c, d,... dizemos que o primeiro termo é 1, o segundo é a, o terceiro é 2, o quarto é b, o quinto é c e

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/30 3 - INDUÇÃO E RECURSÃO 3.1) Indução Matemática 3.2)

Leia mais

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c Números Reais Víctor Arturo Martínez León (victor.leon@unila.edu.br) 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais

Leia mais

Limites. 2.1 Limite de uma função

Limites. 2.1 Limite de uma função Limites 2 2. Limite de uma função Vamos investigar o comportamento da função f definida por f(x) = x 2 x + 2 para valores próximos de 2. A tabela a seguir fornece os valores de f(x) para valores de x próximos

Leia mais

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X.

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X. 1. Redes Quando trabalhamos no R n, podemos testar várias propriedades de um conjunto A usando seqüências. Por exemplo: se A = A, se A é compacto, ou se a função f : R n R m é contínua. Mas, em espaços

Leia mais

Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. Aplicar as propriedades dos anéis na relação de problemas.

Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. Aplicar as propriedades dos anéis na relação de problemas. Aula 10 O CONCEITO DE ANEL META Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. OBJETIVOS Definir, exemplificar e classificar anéis. Aplicar as propriedades dos

Leia mais

Topologia e espaços métricos

Topologia e espaços métricos Topologia e espaços métricos Roberto Imbuzeiro Oliveira 7 de Fevereiro de 2014 Conteúdo 1 Preliminares sobre conjuntos 2 2 Introdução aos espaços métricos 3 2.1 Definição............................. 3

Leia mais

Números - Aula 03. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

Números - Aula 03. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil Números - Aula 03 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 28 de Fevereiro de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2013106 - Engenharia Mecânica Corpos Vimos que o

Leia mais

Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011

Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011 Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011 Questão 1. Sejam X, X conjuntos e φ : X X uma função. (a) (valor 1,25 pontos) Mostre que se A é uma σ-álgebra

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 7 ISOMORFISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 7 ISOMORFISMO INRODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBRA LINERAR CAPÍULO 7 ISOMORFISMO A pergunta inicial que se faz neste capítulo e que o motiva é: dada uma transformação linear : V W é possível definir uma transformação linear

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 2. Conceitos Básicos da Teoria da Computação

Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série. Teoria da Computação. Aula 2. Conceitos Básicos da Teoria da Computação Curso: Ciência da Computação Turma: 6ª Série Aula 2 Conceitos Básicos da Computação pode ser definida como a solução de um problema ou, formalmente, o cálculo de uma função, através de um algoritmo. A

Leia mais

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada:

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada: Aula 8 polinômios (Anterior: chinês. ) 8.1 séries formais Fixemos um anel A. Denotaremos por A N o conjunto de todas as funções de N = {, 1, 2,... } a valores em A. Em termos mais concretos, cada elemento

Leia mais

Uma condição necessária e suciente para integrabilidade de uma função real

Uma condição necessária e suciente para integrabilidade de uma função real Uma condição necessária e suciente para integrabilidade de uma função real Jonas Renan Moreira Gomes 1 e Fernanda S. P. Cardona (orientadora) 1 Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de

Leia mais

Matemática I Capítulo 06 Propriedades das Funções

Matemática I Capítulo 06 Propriedades das Funções Nome: Nº Curso: Mineração Integrado Disciplina: Matemática I 1 Ano Prof. Leonardo Data: / /016 Matemática I Capítulo 06 Propriedades das Funções 6.1 Paridade das Funções 6.1.1 - Função par Dada uma função

Leia mais

A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e Máximos e Mínimos - Aula 18

A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e Máximos e Mínimos - Aula 18 A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e - Aula 18 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 10 de Abril de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106

Leia mais

Instituto de Matemática e Estatística, UFF Março de 2011

Instituto de Matemática e Estatística, UFF Março de 2011 ,,,,, Instituto de Matemática e Estatística, UFF Março de 2011 ,, Sumário,,. finitos,. conjunto: por lista, por propriedade.. Igualdade,. Propriedades básicas.. ,, Christos Papadimitriou, Autor dos livros

Leia mais

Nono Ano - Fundamental. Autor: Prof. Angelo Papa Neto Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto. Portal da OBMEP

Nono Ano - Fundamental. Autor: Prof. Angelo Papa Neto Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto. Portal da OBMEP Material Teórico - Módulo: Funções - Noções Básicas Noções Básicas - Parte 1 Nono Ano - Fundamental Autor: Prof. Angelo Papa Neto Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto 1 Definição de Função Chamamos de

Leia mais

Ordem dos Inteiros AULA. 4.1 Introdução. 4.2 Ordem Ordem dos Inteiros

Ordem dos Inteiros AULA. 4.1 Introdução. 4.2 Ordem Ordem dos Inteiros META: Apresentar ordem nos números inteiros e os Princípio de indução e do Menor elemento. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Usar o processo de indução finita dos Inteiros. Justificar

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 2 Formas Quadráticas

Cálculo Diferencial e Integral 2 Formas Quadráticas Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Cálculo Diferencial e Integral 2 Formas Quadráticas 1 Formas quadráticas Uma forma quadrática em R n é um polinómio do

Leia mais

INE Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação

INE Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação INE5403 - Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação 5) Relações 5.1) Relações e Dígrafos 5.2) Propriedades de Relações 5.3) Relações de Equivalência 5.4) Manipulação de Relações 5.5) Fecho de

Leia mais

Matemática Discreta - 07

Matemática Discreta - 07 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 07 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras. Silvia Gonçalves Santos

Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras. Silvia Gonçalves Santos Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras Silvia Gonçalves Santos Definição 1 Seja R um anel com unidade. O radical de Jacobson de R, denotado por J(R), é o ideal (à esquerda) dado pela

Leia mais

Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos

Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos Autora: Orientador: Grace Alioska Kawakubo Santana

Leia mais

REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES

REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES Marina Vargas R. P. Gonçalves a a Departamento de Matemática, Universidade Federal do Paraná, marina.vargas@gmail.com, http:// www.estruturas.ufpr.br 1 REVISÃO

Leia mais

Matemática Básica Relações / Funções

Matemática Básica Relações / Funções Matemática Básica Relações / Funções 04 1. Relações (a) Produto cartesiano Dados dois conjuntos A e B, não vazios, denomina-se produto cartesiano de A por B ao conjunto A B cujos elementos são todos os

Leia mais

INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS

INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS 1 INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS Gil da Costa Marques 1.1 Introdução 1.2 Conceitos básicos 1.3 Subconjuntos e intervalos 1.4 O conjunto dos números reais 1.4.1 A relação de ordem em 1.5 Intervalos 1.5.1

Leia mais

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro MAT 1511 - Laboratório de Matemática I - Diurno - 2005 Profa. Martha Salerno Monteiro Representações decimais de números reais Um número real pode ser representado de várias maneiras, sendo a representação

Leia mais

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012 NÚMEROS INTEIROS PROF. FRANCISCO MEDEIROS Álgebra Abstrata - Verão 2012 Faremos, nessas notas, uma breve discussão sobre o conjunto dos números inteiros. O texto é basicamente a seção 3 do capítulo 1 de

Leia mais

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Joaquim H Vianna Neto Relatório Técnico RTE-03/013 Relatório Técnico Série Ensino Variáveis

Leia mais

Teoria Combinatória dos Números

Teoria Combinatória dos Números Teoria Combinatória dos Números Samuel Feitosa, Yuri Lima, Davi Nogueira 27 de fevereiro de 2004 O objetivo deste artigo é mostrar algumas propriedades dos números inteiros, que combinadas podem originar

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Linguagens Formais e Autômatos (notas da primeira aula 1 Definições básicas 1.1 Conjuntos Definição 1. Um conjunto é uma coleção de objetos, denominados elementos. Notação 1. Para indicar que um elemento

Leia mais

Mais uma aplicação do teorema de isomorfismo. Sejam G um grupo, H um subgrupo de G e N um subgrupo normal de

Mais uma aplicação do teorema de isomorfismo. Sejam G um grupo, H um subgrupo de G e N um subgrupo normal de Obs: tem exercícios na página 6. Mais uma aplicação do teorema de isomorfismo. Sejam G um grupo, H um subgrupo de G e N um subgrupo normal de G. Seja HN = {hn : h H, n N}. Então HN G, H N H e H/H N = HN/N.

Leia mais

Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12

Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12 Propriedades das Funções Contínuas e Limites Laterais Aula 12 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 27 de Março de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 -

Leia mais

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa.

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa. DR. SIMON G. CHIOSSI @ GMA / UFF MB V 1 0/02/2016 NOME LEGÍVEL: Matemática Básica Prova V 1 turma A1 0 / 02 / 2016 MATRÍCULA: EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS (1) Sejam P(x) o predicado x 2 = x e Q(x) o predicado

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita

Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita 1 Preliminares Neste curso, prioritariamente, estaremos trabalhando com números inteiros mas, quando necessário,

Leia mais

Álgebra I. Volume 1 - Módulo 1. Adilson Gonçalves Luiz Manoel Figueiredo. Apoio:

Álgebra I. Volume 1 - Módulo 1. Adilson Gonçalves Luiz Manoel Figueiredo. Apoio: Álgebra I Volume 1 - Módulo 1 Adilson Gonçalves Luiz Manoel Figueiredo Apoio: Fundação Cecierj / Consórcio Cederj Rua Visconde de Niterói, 1364 Mangueira Rio de Janeiro, RJ CEP 20943-001 Tel.: (21) 2334-1569

Leia mais

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x Notas de aula de MAC0329 (2003) 17 3 Álgebra Booleana Nesta parte veremos uma definição formal de álgebra booleana, a qual é feita via um conjunto de axiomas (ou postulados). Veremos também algumas leis

Leia mais

Teoria Elementar dos Conjuntos

Teoria Elementar dos Conjuntos Teoria Elementar dos Conjuntos Este capítulo visa oferecer uma breve revisão sobre teoria elementar dos conjuntos. Além de conceitos básicos importantes em matemática, a sua imprtância reside no fato da

Leia mais

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos Segmento: Pré-vestibular Coleção: Alfa, Beta e Gama Disciplina: Matemática Volume: 1 Unidade 1: Série 17 Resoluções Conjuntos 1. A = {1, } O Conjunto A possui dois elementos: 1 e. O total de subconjuntos

Leia mais

AULA. Corpo de raízes

AULA. Corpo de raízes META: Conceituar corpo de raízes de um polinômio sobre um corpo, determinar sua existência e unicidade e caracterizá-lo por meio de extensões finitas e normais. AULA 10 OBJETIVOS: Ao final da aula o aluno

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula João Roberto Gerônimo 1 1 Professor Associado do Departamento de Matemática da UEM. E-mail: jrgeronimo@uem.br. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Esta notas de aula

Leia mais

Enumerabilidade em Subconjuntos de R

Enumerabilidade em Subconjuntos de R UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Relatório de Pesquisa Enumerabilidade em Subconjuntos de R Laís Ribeiro Lima Bolsista pelo Programa de Iniciação

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS Como vimos no Capítulo 4, no Volume I, um dos principais usos da derivada ordinária é na determinação dos valores máximo e mínimo. DERIVADAS PARCIAIS 14.7

Leia mais

Capítulo 2: Procedimentos e algoritmos

Capítulo 2: Procedimentos e algoritmos Capítulo 2: Procedimentos e algoritmos Para estudar o processo de computação de um ponto de vista teórico, com a finalidade de caracterizar o que é ou não é computável, é necessário introduzir um modelo

Leia mais

Fórmulas de Taylor - Notas Complementares ao Curso de Cálculo I

Fórmulas de Taylor - Notas Complementares ao Curso de Cálculo I Fórmulas de Taylor - Notas Complementares ao Curso de Cálculo I Gláucio Terra Sumário 1 Introdução 1 2 Notações 1 3 Notas Preliminares sobre Funções Polinomiais R R 2 4 Definição do Polinômio de Taylor

Leia mais

OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA

OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA Professora: Elisandra Figueiredo OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA DEFINIÇÃO 1 Sendo E um conjunto não vazio, toda aplicação f : E E E recebe o nome de operação sobre E (ou em E) ou lei de composição

Leia mais

Área: conceito e áreas do quadrado e do retângulo

Área: conceito e áreas do quadrado e do retângulo Área: conceito e áreas do quadrado e do retângulo Dada uma figura no plano, vamos definir a área desta figuracomo o resultado da comparação da figura dada como uma certa unidade de medida. No caso do conceito

Leia mais

eixo das ordenadas y eixo das abscissas Origem 1º quadrante 2º quadrante O (0, 0) x 4º quadrante 3º quadrante

eixo das ordenadas y eixo das abscissas Origem 1º quadrante 2º quadrante O (0, 0) x 4º quadrante 3º quadrante PLANO CARTESIANO eixo das ordenadas y 2º quadrante 1º quadrante eixo das abscissas O (0, 0) x Origem 3º quadrante 4º quadrante y ordenado do ponto P 4 P P(3, 4) O 3 x abscissa do ponto P No caso, 3 e 4

Leia mais

Quantos Dígitos...? 1

Quantos Dígitos...? 1 1 Introdução Quantos Dígitos? 1 Roberto Ribeiro Paterlini Departamento de Matemática da UFSCar É muito comum encontrarmos, em textos de Matemática para o 1 e 2 graus, questões sobre contagem de dígitos

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo. Divisão Euclidiana

MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo. Divisão Euclidiana MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo Divisão Euclidiana Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material

Leia mais

Bases Matemáticas. Definição ingênua de conjunto. Aula 3 Conjuntos. Rodrigo Hausen

Bases Matemáticas. Definição ingênua de conjunto. Aula 3 Conjuntos. Rodrigo Hausen 1 ases Matemáticas ula 3 Conjuntos Rodrigo Hausen v. 2012-9-26 1/14 Definição ingênua de conjunto 2 Um conjunto é uma qualquer coleção de objetos, concretos ou abstratos, sem repetição. Dado um conjunto,

Leia mais

Números Naturais: Continuação

Números Naturais: Continuação Números Naturais: Continuação AULA 2 META: Apresentar as propriedades de Multiplicação e o Princípio da Boa Ordem. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Entender o processo de multiplicação

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Teoria de Conjuntos Um conjunto é uma colecção de objectos/elementos/membros. (Cantor

Leia mais

extensões algébricas.

extensões algébricas. META: Determinar condições necessárias e/ou suficientes para caracterizar extensões algébricas. OBJETIVOS: Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Reconhecer se uma dada extensão é algébrica. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

Matemática tica Discreta Módulo Extra (2)

Matemática tica Discreta Módulo Extra (2) Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática tica Discreta Módulo Extra (2) Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br - www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

1.3 Conjuntos de medida nula

1.3 Conjuntos de medida nula 1.3 Conjuntos de medida nula Seja (X, F, µ) um espaço de medida. Um subconjunto A X é um conjunto de medida nula se existir B F tal que A B e µ(b) = 0. Do ponto de vista da teoria da medida, os conjuntos

Leia mais

15 AULA. Tipos de Funções LIVRO. META: Introduzir os diversos tipos de funções.

15 AULA. Tipos de Funções LIVRO. META: Introduzir os diversos tipos de funções. 2 LIVRO Tipos de Funções META: Introduzir os diversos tipos de funções. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Determinar se uma dada função é injetora, sobrejetora ou bijetora. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

10 AULA. Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano LIVRO. META: Introduzir propriedades para o produto cartesiano de conjuntos.

10 AULA. Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano LIVRO. META: Introduzir propriedades para o produto cartesiano de conjuntos. 1 LIVRO Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano META: Introduzir propriedades para o produto cartesiano de conjuntos. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Demonstrar propriedades

Leia mais

XXXV Olimpíada Cearense de Matemática Nível 3 - Ensino Médio

XXXV Olimpíada Cearense de Matemática Nível 3 - Ensino Médio XXXV Olimpíada Cearense de Matemática Nível 3 - Ensino Médio Reservado para a correção Prova Probl. 1 Probl. Probl. 3 Probl. 4 Probl. 5 Total # 3000 Nota - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Integrais de linha, funções primitivas e Cauchy Goursat

Integrais de linha, funções primitivas e Cauchy Goursat Integrais de linha, unções primitivas e Cauchy Goursat Roberto Imbuzeiro Oliveira 2 de Abril de 2015 1 Preliminares Nestas notas, U C sempre será um aberto, γ : [a, b] U uma curva retiicável e : U C, uma

Leia mais

A função raiz quadrada

A função raiz quadrada Matemática Básica Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense A função raiz quadrada Parte 6 Parte 6 Matemática Básica 1 Parte 6 Matemática Básica 2 A função

Leia mais

SEMINÁRIOS DE ENSINO DE MATEMÁTICA (SEMA FEUSP) SERÁ O INFINITO UM PONTO?

SEMINÁRIOS DE ENSINO DE MATEMÁTICA (SEMA FEUSP) SERÁ O INFINITO UM PONTO? SMINÁRIS D NSIN D MATMÁTICA (SMA FUSP) SRÁ INFINIT UM PNT? Sergio Alves IM USP salves@ime.usp.br Inspirado no artigo de mesmo título publicado na Revista ducação e Matemática, Nº 95, Portugal (2007) :

Leia mais

Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas

Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas Prof a.: Elisangela Farias e Sérgio Motta FUNÇÕES Sejam X e Y conjuntos.

Leia mais

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto -

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - MÓDULO 2 - AULA 10 Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - Aplicações II Objetivos Estudar as posições relativas entre retas no espaço. Obter as expressões para calcular distância entre retas. Continuando

Leia mais

Elementos de Topologia para Sistemas Dinâmicos

Elementos de Topologia para Sistemas Dinâmicos Elementos de Topologia para Sistemas Dinâmicos Fernando Lucatelli Nunes Brasília - DF Sumário Prefácio.............................. 3 0 Conjuntos e Relações 5 0.1 Conjuntos.............................

Leia mais

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis O Corpo dos Números Reais Prof. Doherty Andrade 2005/Agosto/20 Vamos rever algumas coisas que já sabemos sobre o corpo dos números reais. Por corpo entendemos

Leia mais

2 A Teoria de Conjuntos - Preliminares

2 A Teoria de Conjuntos - Preliminares 2 A Teoria de Conjuntos - Preliminares Esse capítulo se propõe a apresentar de maneira breve os resultados da teoria de conjuntos que serão utilizados nos capítulos subseqüentes. Começamos definindo as

Leia mais

Aula 10: Decidibilidade

Aula 10: Decidibilidade Teoria da Computação Segundo Semestre, 2014 Aula 10: Decidibilidade DAINF-UTFPR Prof. Ricardo Dutra da Silva Definição 10.1. Um problema de decisão P é um conjunto de questões para as quais as respostas

Leia mais