Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia"

Transcrição

1 Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia Giselle Moraes Resende Pereira Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação Tutorial giselle_ yahoo. com. br Geraldo Márcio de Azevedo Botelho Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Professor Associado II ufu. br Resumo: Esse artigo tem por objetivo apresentar três axiomatizações diferentes, mas equivalentes, do conceito de topologia. Mostraremos que o fato de conjunto aberto ser o conceito básico da topologia apenas uma questão de conveniência, que podemos escolher, por exemplo, o conceito de vizinhança, ou o conceito de conjunto fechado, ou ainda o conceito de fecho de um subconjunto, para ser o conceito básico a partir do qual toda a teoria pode ser desenvolvida. 1 Introdução A topologia de conjuntos é uma área básica e unificadora de boa parte da matemática moderna. Normalmente, o conceito de topologia é introduzido como sendo uma coleção τ de subconjuntos de um conjunto X que satisfaz as seguintes condições: o conjunto vazio e X pertencem a τ, a coleção τ é fechada para uniões arbitrárias e para intereseções finitas. Dessa forma os conjuntos pertencentes a τ são chamados de conjuntos abertos. Daí toda a teoria pode ser desenvolvida, em particular são definidos os conceitos de conjuntos fechados, de vizinhanças e de fecho de subconjuntos de X. Ou seja, conhecendo-se os abertos de X, conhecemos toda a topologia de X. O objetivo do presente trabalho é apresentar três axiomatizações diferentes, mas equivalentes, do conceito de topologia. Mostraremos que o fato de conjunto aberto ser o conceito básico da topologia é apenas uma questão de conveniência, que podemos escolher, por exemplo, o conceito de vizinhança, ou o conceito de conjunto fechado, ou ainda o conceito de fecho de um subconjunto, para ser o conceito básico a partir do qual toda a teoria pode ser desenvolvida. 2 Definições e resultados preparatórios Os conceitos topológicos conhecidos em R, C, R n, espaços métricos e espaços normados dependem da noção de distância. Como estudar esses conceitos em ambientes desprovidos da noção de distância? A resposta é a definição usual de topologia: Definição 2.1. Seja X um conjunto e τ uma coleção de subconjuntos de X. Dizemos que τ é uma topologia se: 1. O conjunto e X pertencem a τ. 2. Se A 1, A 2,..., A n τ, então A 1 A 2 A n τ. 3. Se (A λ ) é uma família arbitrária de conjuntos A λ τ, então a união A = A λ τ.

2 66 FAMAT em Revista Definição 2.2. Dizemos que (X, τ) é um espaço topológico e os conjuntos de τ são chamados de abertos. Definição 2.3. Sejam (X, τ) espaço topológico e A X. 1. U X é dito ser uma vizinhança de x X se existir um conjunto aberto V tal que x V U. 2. O ponto x A é um ponto interior de A se existe uma vizinhança V de x contida em A, isto é, existe V tal que x V A. 3. O conjunto de todos os pontos interiores de A é chamado interior de A e é denotado por A. É imediato que A A. 4. A é fechado em τ se A c é aberto em τ. 5. Um ponto x X se diz aderente a A se numa vizinhança V qualquer de x existem elementos de A, isto é, V A para toda vizinhança V de x. 6. O conjunto dos pontos aderentes a A é chamado de fecho de A, e é denotado por A. Lema 2.4. Sejam (X, τ) espaço topológico e A X. Então A = A. Demonstração. Da definição decorre imediatamente que todo conjunto está contido no seu fecho, e portanto A A. Vejamos que também vale A A. Para isso seja x A. Então para toda vizinhança V de x temos que V A. Seja V vizinhança de x. Segue que V é vizinhança de x e, mais ainda, V é vizinhança de y para todo y V. Assim V A e portanto existe z V e z A. De z V segue que V é vizinhança de z; e de z A segue que para toda vizinhança U de z, U A. Logo, V A. Portanto, para toda vizinhança V de x temos V A, isto é, x A. Lema 2.5. Sejam (X, τ) espaço topológico e A X. Então A é fechado. Demonstração. Para demonstrar este fato, mostremos que ( A ) c é aberto. De fato, se x ( A ) c então existe V vizinhança de x tal que V ( A ) c, pois do contrário, para toda V vizinhança de x teríamos que V não estaria contida em ( A ) c, isto é, V A. Mas isto quer dizer que x A = A pelo Lema 2.4. Como isso contradiz o fato de que x ( A ) c, segue que ( A ) c é aberto, ou seja, A é fechado. Lema 2.6. Sejam (X, τ) um espaço topológico e A um subconjunto de X. Então ( A ) c = (A c ). Demonstração. De fato, x ( A ) c se, e somente se, x / A se, e somente se, existe uma vizinhaça V de x tal que V A = se, e somente se, existe uma vizinhaça V de x tal que V A c se, e somente se, x (A c ), como queríamos demonstrar. Definição 2.7. Sejam (X, τ) um espaço topológico e A um subconjunto de X. Chamaremos de fronteira de A, que denotaremos por A, ao conjunto de pontos que são simultaneamente aderentes a A e a A c, isto é, A = { x X : x A e x A c} = A A c. Lema 2.8. Sejam (X, τ) espaço topológico e A X. Então X é a união disjunta de A, A e ( A ) c, isto é, os conjuntos A, A e ( A ) c são disjuntos dois a dois e X = A A ( A ) c. Demonstração. Sejam x um ponto qualquer de X e A X. Então uma e apenas uma das possibilidades abaixo ocorre: (i) Existe V vizinhança de x tal que x V A; e neste caso x A. (ii) Para toda V vizinhança de x, V A e V A c ; e neste caso x A e x A c, isto é x A. (iii) Existe V vizinhança de x tal que V A c, e portanto x (A c ). Pelo Lema 2.6 temos que neste caso x ( A ) c. Definições e resultados preparatórios Universidade Federal de Uberlândia

3 Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia 67 Lema 2.9. Sejam (X, τ) espaço topológico e A X. Então A é fechado se e somente se A = A. Demonstração. Suponha que A seja fechado. Pelo Lema 2.8 temos que X = A A ( A ) c com união disjunta, logo A = A A. Seja x A. Temos então que x A ou x A. Se x A temos que x A. Agora, se x A temos que para toda vizinhança U de x, U tem ao menos um ponto de A e um de A c. Suponha que x / A. Então x A c, que é um conjunto aberto pois A é fechado, e portanto segue que A c é vizinhança de x. Mas como para toda vizinhança U de x, U tem ao menos um ponto de A e um de A c, segue que A A c =. Como isso é obviamente um absurdo, segue que x A. Logo temos x A em ambos os casos, o que completa a demonstração de que A A. A outra inclusão é óbvia. Reciprocamente, suponha A = A. Como A é fechado pelo Lema 2.5, segue que A também é fechado. Lema Sejam (X, τ) espaço topológico e A, B X. Se A B então A B. Demonstração. Se x A, então para toda vizinhança V de x, V A e como A B segue que V B, logo x B. Proposição Sejam (X, τ) espaço topológico e B X. Então B = {A : A é aberto e A B}. Demonstração. Vamos começar mostrando que {A : A é aberto e A B} B. Seja x {A : A é aberto e A B}. Então existe um aberto A B tal que x A. Segue imediatamente que x B. Vamos mostrar agora que B {A : A é aberto e A B}. Seja x B, então existe uma vizinhança V de x tal que x V B. Logo existe um aberto A em X tal que x A V B. Portanto, x {A : A é aberto e A B}. Proposição Sejam (X, τ) espaço topológico e B X. Então B = {F : F é fechado e B F }. Demonstração. Seja F fechado com B F. Pelo Lema 2.10 temos que B F. Mas como F é fechado, pelo Lema 2.9 segue que B F. Provamos então que B {F : F é fechado e B F }. Reciprocamente, seja x {F : F é fechado e B F }. Então x F para todo F fechado com B F. Note que B é fechado pelo Lema 2.9 e B B, logo x B. Vejamos que os conjuntos abertos (elementos da topologia) podem ser caracterizados por meio dos conceitos de ponto interior, de interior de um conjunto, de vizinhança e de fecho. São essas caracterizações que nos ensinaram como definir a topologia a partir dos axiomas de fecho e de vizinhança. Proposição As seguintes afirmações são equivalentes para um subconjunto A do espaço topológico (X, τ): (a) A é aberto. (b) A = A. (c) A é vizinhança de todos os seus pontos. (d) Todos os pontos de A são interiores a A. (e) A c = A c. Demonstração. (a) = (b) Da definição de interior de conjunto é imediato que A A. Mostremos que A A. Seja x A. Por hipótese temos que A é um aberto, A A e x A. Logo, A é uma vizinhança de x contida em A, isto é x A. Portanto A = A. Faculdade de Matemática Definições e resultados preparatórios

4 68 FAMAT em Revista (b) = (c) Seja x A. Então x A, pois A = A por hipótese. Logo existe V vizinhança de x tal que x V A. Portanto A é uma vizinhança de x. Como x é qualquer, segue que A é vizinhança de todos seus pontos. (c) = (d) Se A é vizinhança de todos os seus pontos, então para todo x A existe V aberto, com x V A. Por definição temos que x A é ponto interior de A. Como x é qualquer, segue que x A para todo x. Isto é, todos os pontos de A são pontos interiores. (d) = (b) Por definição é imediato que A A. Falta verificar que A A. Por hipótese temos que todos os pontos de A são interiores a A, isto é para todo x A temos que x A. Portanto, A A. (b) = (e) Por hipótese temos que A = A, logo basta verificar que (A ) c = A c. Seja x (A ) c então x / A isto é, para toda V vizinhança de x temos que V A e então V A c. Mas isto quer dizer que x A c, e então (A ) c A c. Seja agora x A c então para toda V vizinhança de x temos V A c e x / A, pois se x A existiria uma vizinhança V 0 de x tal que V 0 A e então x / A, ou seja, x (A ) c. Portanto A c (A ) c. (e) = (a) Por hipótese temos que A c = A c, então pelo Lema 2.9 segue que A c é fechado. Logo por definição temos que A é aberto. 3 Resultados Temos então três conceitos definidos usando caracterizações de conjuntos abertos: Conjuntos fechados, Vizinhança e Fecho. Isto é, A X é aberto A c é fechado A é vizinhança de seus pontos A c = A c. Começamos mostrando como os conjuntos fechados podem ser a noção básica da topologia. A definição da topologia usando conjuntos fechados é imediata a partir da definição de conjunto fechado como complementar de um conjunto aberto. Teorema 3.1. Sejam X um conjunto e σ uma coleção de subconjuntos de X que satisfaz: 1., X σ. 2. Se A 1, A 2,..., A n σ, então A 1 A 2 A n σ. 3. Se (A λ ) é uma família arbitrária de conjuntos de σ, então a interseção A = A λ σ. Então a coleção τ = {A c : A σ} é uma topologia em X e nesta topologia os conjuntos fechados são exatamente os elementos de σ. Demonstração. Mostremos que τ é uma topologia em X. 1. e X τ. De fato, X c = e X σ, logo τ. Por outro lado, c = X e σ, logo X τ. Definições e resultados preparatórios Universidade Federal de Uberlândia

5 Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia Sejam A 1, A 2,..., A n τ. Então (A 1 ) c, (A 2 ) c,..., (A n ) c σ. Por (2) temos que (A 1 ) c (A 2 ) c (A n ) c σ. Como (A 1 A 2 A n ) c = (A 1 ) c (A 2 ) c (A n ) c, segue que (A 1 A 2 A n ) c σ, e portanto A 1 A 2 A n τ. 3. Seja (A λ ) uma família arbitrária de conjuntos de τ. Logo (A λ ) c σ para todo λ L. Por (3) segue que (A λ ) c σ. Como ( A λ)c = (A λ ) c, segue que A λ τ. Devemos agora mostrar o fato de que na topologia (X, τ) um conjunto F é fechado se e somente se F σ. De fato, F σ F c τ F c é aberto F é fechado. Provaremos agora que a noção de fecho de um conjunto também define a topologia, ou seja, conhecendo os fechos de todos os subconjuntos de X, recuperamos a topologia de X. Os axiomas que definem o fecho de um conjunto são razoavelmente óbvios tendo em vista as propriedades dos fechos de conjuntos. Entretanto, a definição da topologia a partir dos axiomas de fecho não é imediata. É a Proposição 2.13 que nos ensina como proceder: Teorema 3.2. Seja X um conjunto. Considere uma função F : P(X) P(X), onde P(X) é o conjunto das partes de X, tal que: 1. F( ) =. 2. A F(A) para todo A X. 3. F(F(A)) = F(A) para todo A X. 4. F(A B) = F(A) F(B) para todos A, B X. Então, definindo τ = {A c : A = F(A)} temos que τ é uma topologia de X. Além disso, para cada A X o fecho de A nessa topologia é igual a F(A). Demonstração. Note que, chamando B = A c temos que τ = {A c : A = F(A)} = {B : B c = F(B c )}. Logo τ = {A : A c = F(A c )}. Vejamos que τ é uma topologia em X. 1. e X τ. De fato, por (2) temos que X F(X) e a inclusão inversa segue do fato de que o contradomínio de F é P(X). Então c = X = F(X) = F( c ), e portanto τ. Além disso, F(X c ) = F( ) = = X c, e portanto X τ. Faculdade de Matemática Resultados

6 70 FAMAT em Revista 2. Sejam A 1, A 2,..., A n τ. Então (A 1 ) c = F(A c 1),..., (A n ) c = F(A c n). Aplicando (4) repetidas vezes temos que (A 1 A 2 A n ) c = (A 1 ) c (A n ) c = F(A c 1) F(A c n) = F((A c 1) (A c 2)) F(A c 3) F(A c n) = F((A c 1) (A c 2) (A c 3)) F(A c 4) F(A c n) = e portanto segue que A 1 A 2 A n τ. 3. Seja (A λ ) uma coleção de conjuntos de τ. = F((A c 1) (A c 2) (A c n)) = F((A 1 A 2 A n ) c ), Então A λ τ para todo λ L, logo (A λ ) c = F((A λ ) c ) para todo λ L. Devemos provar que ( ) c (( ) c ) A λ = F A λ. ( ) c (( ) c Por (2) sabemos que vale A λ F A λ ). Basta provar então que F (( ) c ) ( ) c ( ) A λ A λ, isto é, F (A λ ) c (A λ ) c. Para isso chame B = (A λ ) c. Então B (A λ ) c para todo λ L, e daí (A λ ) c = B (A λ ) c para todo λ L. Por (4) segue que F((A λ ) c ) = F(B) F((A λ ) c ) e portanto F(B) F((A λ ) c ). Mas isso vale para todo λ L, logo ( ) F (A λ ) c = F(B) F((A λ ) c ) = λ ) (A c. Devemos agora mostrar que o fecho de um subconjunto qualquer A de X na topologia τ coincide com F(A). Isto é, devemos provar que A = F(A) para todo A X, onde A denota o fecho de A na topologia τ. Para isso seja A X. Pela Proposição 2.12 sabemos que A = {F : F é fechado e A F }, isto é, A = δ L F δ, onde (F δ ) δ L é a família de todos fechados que contém A. Para cada δ L temos que A F δ, e portanto A F δ = F δ. Por (4) segue que F(F δ ) = F(A F δ ) = F(A) F(F δ ), e portanto F(A) F(F δ ). Como F δ é fechado, então F c δ τ e portanto temos que F δ = F(F δ ). Daí segue F(A) F δ para todo δ L, e portanto F(A) δ L F δ = A. Para provar a inclusão inversa, usando (3) temos que F(F(A)) = F(A), e daí segue que F(A) c τ, ou seja F(A) é fechado. Por (2), A F(A), logo F(A) é um fechado que contém A. Pela Proposição 2.12 sabemos que o menor fechado que contém A é A, logo A F(A), o que completa a demonstração de que A = F(A). Resultados Universidade Federal de Uberlândia

7 Axiomatizações equivalentes do conceito de topologia 71 O último resultado mostra que o conceito de vizinhança também pode ser usado como conceito básico da topologia, ou seja, podemos recuperar a topologia de um conjunto conhecendo as vizinhanças de todos os pontos do conjunto. Assim como no caso anterior, os axiomas de vizi- nhança são decorrência das propriedades que as vizinhanças gozam, e a definição da topologia a partir desses axiomas é feita tendo em vista a equivalência (a) (c) da Proposição Teorema 3.3. Sejam X um conjunto e µ = {µ x } x X uma coleção de conjuntos µ x de subconjuntos de X que satizfaz: 1. (N1) x A para todo A µ x e X µ x para todo x X. 2. (N2) Se V X e existe A µ x tal que A V então V µ x. 3. (N3) Se A, B µ x então A B µ x. 4. (N4) Para todo A µ x, existe B µ x tal que B A e B µ y, para todo y B. Então, definindo τ = {A : A µ x para todo x A} temos que τ é uma topologia em X e para cada x X, µ x é a coleção de vizinhanças de x nessa topologia, isto é, µ x = {U : U é vizinhança de x na topologia τ} para todo x X. Demonstração. Vejamos que τ é uma topologia em X: 1. e X τ. De fato, τ, pois do contrário existiria x tal que / µ x, o que é absurdo. Mais ainda, X τ por (N1). 2. Sejam A 1, A 2,..., A n τ. Então, por definição, A 1 µ x1 para todo x 1 A 1, A 2 µ x2 para todo x 2 A 2,..., A n µ xn para todo x n A n. Logo A 1 µ x, A 2 µ x,..., A n µ x, para todo x A 1 A 2 A n. Aplicando (N3) repetidas vezes segue que para todo x A 1 A 2 A n, temos que se A 1 A 2 A n µ x então A 1 A 2 A n τ. 3. Seja (A λ ) uma coleção de conjuntos de τ. Dado x A λ, existe λ L tal que x A λ τ. Logo A λ µ x. Mas A λ A λ, logo por (N2) segue que A λ µ x. Assim A λ µ x para todo x A λ, ou seja A λ τ. Devemos agora mostrar o fato de µ x = {U : U é vizinhança de x na topologia τ} para todo x X. Sejam x X e U X. Suponha que U µ x. Por (N4) existe V µ x tal que V U e V µ y para todo y V. Portanto V τ, isto é, V é aberto. E por (N1) temos que x V. Então V é um aberto contendo x e contido em U. Por definição de vizinhança segue que U é uma vizinhança de x. Provamos então que µ x {U : U é vizinhança de x na topologia τ}. Reciprocamente, suponha que U seja uma vizinhança de x na topologia τ. Então existe um conjunto aberto A tal que x A U. Então A τ, isto é A µ y para todo y A. Como x A temos que A µ x. Como A U, por (N2) segue que U µ x, e portanto {U : U é vizinhança de x na topologia τ} µ x, o que completa a demonstração. Referências Bibliográficas [1] JÄNICH, K. Topology ed. Springer, [2] MUNKRES, J. R., Topology, 2 a Ed., Prentice-Hall, Faculdade de Matemática Resultados

8 72 FAMAT em Revista Resultados Universidade Federal de Uberlândia

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X.

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X. 1. Redes Quando trabalhamos no R n, podemos testar várias propriedades de um conjunto A usando seqüências. Por exemplo: se A = A, se A é compacto, ou se a função f : R n R m é contínua. Mas, em espaços

Leia mais

MAT Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004

MAT Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004 MAT 317 - Topologia Bacharelado em Matemática 2 a Prova - 27 de maio de 2004 1 Nome : Número USP : Assinatura : Professor : Severino Toscano do Rêgo Melo 2 3 4 5 Total Podem tentar fazer todas as questões.

Leia mais

1.3 Conjuntos de medida nula

1.3 Conjuntos de medida nula 1.3 Conjuntos de medida nula Seja (X, F, µ) um espaço de medida. Um subconjunto A X é um conjunto de medida nula se existir B F tal que A B e µ(b) = 0. Do ponto de vista da teoria da medida, os conjuntos

Leia mais

Números naturais e cardinalidade

Números naturais e cardinalidade Números naturais e cardinalidade Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 5 de Janeiro de 2008 Resumo 1 Axiomas de Peano e o princípio da indução Intuitivamente, o conjunto N dos números naturais corresponde

Leia mais

Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso)

Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso) Notas sobre conjuntos, funções e cardinalidade (semana 1 do curso) Roberto Imbuzeiro Oliveira 8 de Janeiro de 2014 1 Conjuntos e funções Neste curso procuraremos fundamentar de forma precisa os fundamentos

Leia mais

da Teoria do conjuntos

da Teoria do conjuntos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia - CCET Departamento de Matemática Topologia do ponto de vista da Teoria do conjuntos Aluna: Natalia de Barros Gonçalves Orientador:

Leia mais

σ-álgebras, geradores e independência

σ-álgebras, geradores e independência σ-álgebras, geradores e independência Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 15 de Março de 2009 Resumo Notas sobre a σ-álgebra gerada por uma variável aleatória X e sobre as condições de independência de

Leia mais

14 AULA. Funções LIVRO. META: Apresentar o conceitos de funções.

14 AULA. Funções LIVRO. META: Apresentar o conceitos de funções. 2 LIVRO Funções META: Apresentar o conceitos de funções. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Identificar se uma dada relção é uma função. Determinar a imagem direta e a imagem inversa

Leia mais

Contando o Infinito: os Números Cardinais

Contando o Infinito: os Números Cardinais Contando o Infinito: os Números Cardinais Sérgio Tadao Martins 4 de junho de 2005 No one will expel us from the paradise that Cantor has created for us David Hilbert 1 Introdução Quantos elementos há no

Leia mais

ANÁLISE E TOPOLOGIA. 1 o semestre. Estudaremos neste curso alguns dos conceitos centrais da análise matemática: números reais, derivadas,

ANÁLISE E TOPOLOGIA. 1 o semestre. Estudaremos neste curso alguns dos conceitos centrais da análise matemática: números reais, derivadas, ANÁLISE E TOPOLOGIA 1 o semestre Estudaremos neste curso alguns dos conceitos centrais da análise matemática: números reais, derivadas, séries e integrais. 1. Espaços topológicos e métricos Todos estes

Leia mais

Notas Para o Curso de Medida e. Daniel V. Tausk

Notas Para o Curso de Medida e. Daniel V. Tausk Notas Para o Curso de Medida e Integração Daniel V. Tausk Sumário Capítulo 1. Medida de Lebesgue e Espaços de Medida... 1 1.1. Aritmética na Reta Estendida... 1 1.2. O Problema da Medida... 6 1.3. Volume

Leia mais

Tópicos de Matemática. Teoria elementar de conjuntos

Tópicos de Matemática. Teoria elementar de conjuntos Tópicos de Matemática Lic. em Ciências da Computação Teoria elementar de conjuntos Carla Mendes Dep. Matemática e Aplicações Universidade do Minho 2010/2011 Tóp. de Matemática - LCC - 2010/2011 Dep. Matemática

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

Noções Topológicas em R n

Noções Topológicas em R n Noções Topológicas em R n Revisão - norma e distância em R n Chama-se norma Euclideana em R n à norma associada ao produto interno canónico em R n, isto é, à função definida por PP : R n v R x v PxP x

Leia mais

Começamos relembrando o conceito de base de um espaço vetorial. x = λ 1 x λ r x r. (1.1)

Começamos relembrando o conceito de base de um espaço vetorial. x = λ 1 x λ r x r. (1.1) CAPÍTULO 1 Espaços Normados Em princípio, os espaços que consideraremos neste texto são espaços de funções. Isso significa que quase todos os nossos exemplos serão espaços vetoriais de dimensão infinita.

Leia mais

Matemática Discreta - 07

Matemática Discreta - 07 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 07 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

10 AULA. Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano LIVRO. META: Introduzir propriedades para o produto cartesiano de conjuntos.

10 AULA. Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano LIVRO. META: Introduzir propriedades para o produto cartesiano de conjuntos. 1 LIVRO Operações com Conjuntos: Produto Cartesiano META: Introduzir propriedades para o produto cartesiano de conjuntos. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Demonstrar propriedades

Leia mais

Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011

Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011 Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011 Questão 1. Sejam X, X conjuntos e φ : X X uma função. (a) (valor 1,25 pontos) Mostre que se A é uma σ-álgebra

Leia mais

Capítulo 1. Fundamentos

Capítulo 1. Fundamentos Capítulo 1 Fundamentos A probabilidade moderna se baseia fortemente na Teoria da Medida e supomos durante esse curso que o leitor esteja bem familiarizado com conceitos tais como: Medida de Lebesgue, extensões

Leia mais

Givanildo Donizeti de Melo. Sobre a dimensão do quadrado de um espaço métrico compacto X de dimensão n e o conjunto dos mergulhos de X em R 2n

Givanildo Donizeti de Melo. Sobre a dimensão do quadrado de um espaço métrico compacto X de dimensão n e o conjunto dos mergulhos de X em R 2n Givanildo Donizeti de Melo Sobre a dimensão do quadrado de um espaço métrico compacto X de dimensão n e o conjunto dos mergulhos de X em R 2n São José do Rio Preto 2016 Givanildo Donizeti de Melo Sobre

Leia mais

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada:

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada: Aula 8 polinômios (Anterior: chinês. ) 8.1 séries formais Fixemos um anel A. Denotaremos por A N o conjunto de todas as funções de N = {, 1, 2,... } a valores em A. Em termos mais concretos, cada elemento

Leia mais

Aulas 10 e 11 / 18 e 20 de abril

Aulas 10 e 11 / 18 e 20 de abril 1 Conjuntos Aulas 10 e 11 / 18 e 20 de abril Um conjunto é uma coleção de objetos. Estes objetos são chamados de elementos do conjunto. A única restrição é que em geral um mesmo elemento não pode contar

Leia mais

Limites de Funções de Variáveis Complexas

Limites de Funções de Variáveis Complexas Limites de Funções de Variáveis Complexas AULA 2 META: Introduzir o conceito de limite de funções de variáveis complexas. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Definir limites de

Leia mais

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas. Aula 05 GRUPOS QUOCIENTES METAS Estabelecer o conceito de grupo quociente. OBJETIVOS Definir classes laterais e estabelecer o teorema de Lagrange. Aplicar o teorema de Lagrange na resolução de problemas.

Leia mais

Teoria Elementar dos Conjuntos

Teoria Elementar dos Conjuntos Teoria Elementar dos Conjuntos Este capítulo visa oferecer uma breve revisão sobre teoria elementar dos conjuntos. Além de conceitos básicos importantes em matemática, a sua imprtância reside no fato da

Leia mais

Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras. Silvia Gonçalves Santos

Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras. Silvia Gonçalves Santos Generalizações do Teorema de Wedderburn-Malcev e PI-álgebras Silvia Gonçalves Santos Definição 1 Seja R um anel com unidade. O radical de Jacobson de R, denotado por J(R), é o ideal (à esquerda) dado pela

Leia mais

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit CONSTRUÇÃO DOS REAIS: UM ENFOQUE

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 1. Prove que para todo x 0 IR

Leia mais

Demonstração. Ver demonstração em [1]. . Para que i j se tem µ i µ j? Determine a derivada no sentido de Radon-Nikodym em cada caso.

Demonstração. Ver demonstração em [1]. . Para que i j se tem µ i µ j? Determine a derivada no sentido de Radon-Nikodym em cada caso. Proposição 2.39 (Propriedades de e.). Sejam µ, λ, λ 1, λ 2 medidas no espaço mensurável (X, F). Então 1. se λ 1 µ e λ 2 µ então (λ 1 + λ 2 ) µ. 2. se λ 1 µ e λ 2 µ então (λ 1 + λ 2 ) µ. 3. se λ 1 µ e λ

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/30 3 - INDUÇÃO E RECURSÃO 3.1) Indução Matemática 3.2)

Leia mais

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos Pode-se dizer que a é em grande parte trabalho de um único matemático: Georg Cantor (1845-1918). noção de conjunto não é suscetível de definição precisa a partir d noções mais simples, ou seja, é uma noção

Leia mais

Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta

Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta Capítulo 3 Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta Nesta aula vamos caracterizar de forma algébrica a posição relativa de duas retas no plano e de uma reta e de um círculo

Leia mais

n. 25 DIAGRAMAS DE VENN

n. 25 DIAGRAMAS DE VENN n. 25 DIAGRAMAS DE VENN Foi o matemático inglês John Venn (1834-1923) que criou os diagramas, com o intuito de facilitar a compreensão na relação de união e intersecção entre conjuntos. John Venn desenvolveu

Leia mais

Imersões e Mergulhos. 4 a aula,

Imersões e Mergulhos. 4 a aula, 4 a aula, 12-04-2007 Imersões e Mergulhos Um mapa entre variedades f : X Y diz-se um mergulho sse (1) é uma imersão, i.e., Df x : T x X T f(x) Y é injectiva, para todo x X, (2) é injectiva, e (3) a inversa

Leia mais

Análise Funcional Aplicada. Dimitar K. Dimitrov

Análise Funcional Aplicada. Dimitar K. Dimitrov Análise Funcional Aplicada Dimitar K. Dimitrov Preface i ii Contents Preface 1 1 Álgebra dos Conjuntos 3 1.1 Álgebra dos Conjuntos....................... 3 1.2 Relações de Equivalência.......................

Leia mais

Convergência em espaços normados

Convergência em espaços normados Chapter 1 Convergência em espaços normados Neste capítulo vamos abordar diferentes tipos de convergência em espaços normados. Já sabemos da análise matemática e não só, de diferentes tipos de convergência

Leia mais

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula de junho de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula de junho de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Pré-Cálculo Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Aula 12 06 de junho de 2011 Aula 12 Pré-Cálculo 1 A função afim A função afim Uma função f : R R

Leia mais

3 NOÇÕES DE PROBABILIDADE

3 NOÇÕES DE PROBABILIDADE 3 NOÇÕES DE PROILIDDE 3.1 Conjuntos Um conjunto pode ser considerado como uma coleção de objetos chamados elementos do conjunto. Em geral denota-se conjunto por letras maiúsculas,, C,... e a sua representação

Leia mais

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos

Capítulo 2. Conjuntos Infinitos Capítulo 2 Conjuntos Infinitos Não é raro encontrarmos exemplos equivocados de conjuntos infinitos, como a quantidade de grãos de areia na praia ou a quantidade de estrelas no céu. Acontece que essas quantidades,

Leia mais

Elementos de Topologia para Sistemas Dinâmicos

Elementos de Topologia para Sistemas Dinâmicos Elementos de Topologia para Sistemas Dinâmicos Fernando Lucatelli Nunes Brasília - DF Sumário Prefácio.............................. 3 0 Conjuntos e Relações 5 0.1 Conjuntos.............................

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula 4 82

Geometria Analítica II - Aula 4 82 Geometria Analítica II - Aula 4 8 IM-UFF K. Frensel - J. Delgado Aula 5 Esferas Iniciaremos o nosso estudo sobre superfícies com a esfera, que já nos é familiar. A esfera S de centro no ponto A e raio

Leia mais

INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS

INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS 1 INTRODUÇÃO À TEORIA DOS CONJUNTOS Gil da Costa Marques 1.1 Introdução 1.2 Conceitos básicos 1.3 Subconjuntos e intervalos 1.4 O conjunto dos números reais 1.4.1 A relação de ordem em 1.5 Intervalos 1.5.1

Leia mais

Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas

Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas Prof a.: Elisangela Farias e Sérgio Motta FUNÇÕES Sejam X e Y conjuntos.

Leia mais

CAPÍTULO II NOÇÕES TOPOLÓGICAS EM R

CAPÍTULO II NOÇÕES TOPOLÓGICAS EM R CAPÍTULO II NOÇÕES TOPOLÓGICAS EM R 1. Distância e vizinhanças Ao número real não negativo d(x, y) = x y chama-se distância entre os números reais x e y. São imediatas as seguintes propriedades: P1 : d(x,

Leia mais

Conjuntos. Notação: Exemplo 1. O conjunto Z dos números inteiros é numerável.

Conjuntos. Notação: Exemplo 1. O conjunto Z dos números inteiros é numerável. Notação: Conjuntos Representamos os conjuntos por letras maiúsculas: A, B, C,. Representamos os elementos dos conjuntos por letras mnúsculas: a, b, c,. Representamos colecções de conjuntos (ou seja, conjuntos

Leia mais

Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n

Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n Método prático para extrair uma base de um conjunto de geradores de um subespaço de R n 1. Descrição do método e alguns exemplos Colocamos o seguinte problema: dado um conjunto finito: A = {a 1, a 2,...,

Leia mais

MA12 - Unidade 2 Indução Matemática Semana de 04/04 a 10/04

MA12 - Unidade 2 Indução Matemática Semana de 04/04 a 10/04 MA - Unidade Indução Matemática Semana de 04/04 a 0/04 Nesta unidade mostraremos como o Axioma da Indução, que foi apresentado na Unidade como um dos axiomas pilares dos números naturais, nos fornece um

Leia mais

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 bras.png Cálculo I Logonewton.png Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 Objetivos da Aula: Definir limite de uma função Definir limites laterias Apresentar as propriedades operatórias

Leia mais

Aula 1 Conjuntos. Meta. Introduzir as noções básicas de conjunto e produto cartesiano de. conjuntos. Objetivos

Aula 1 Conjuntos. Meta. Introduzir as noções básicas de conjunto e produto cartesiano de. conjuntos. Objetivos Conjuntos AULA 1 Aula 1 Conjuntos Meta conjuntos. Introduzir as noções básicas de conjunto e produto cartesiano de Objetivos Ao final desta aula, você deve ser capaz de: Definir as noções básicas de conjunto

Leia mais

Topologia e espaços métricos

Topologia e espaços métricos Topologia e espaços métricos Roberto Imbuzeiro Oliveira 7 de Fevereiro de 2014 Conteúdo 1 Preliminares sobre conjuntos 2 2 Introdução aos espaços métricos 3 2.1 Definição............................. 3

Leia mais

Teoria da medida e integral de Lebesgue

Teoria da medida e integral de Lebesgue nálise Matemática III Teoria da medida e integral de Lebesgue Manuel Guerra Conteúdo 1 Introdução 3 2 Noções básicas de teoria de conjuntos 5 2.1 Relações de pertença e de inclusão.............................

Leia mais

A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e Máximos e Mínimos - Aula 18

A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e Máximos e Mínimos - Aula 18 A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e - Aula 18 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 10 de Abril de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106

Leia mais

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula de maio de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula de maio de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Pré-Cálculo Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Aula 12 11 de maio de 2010 Aula 12 Pré-Cálculo 1 A função afim A função afim Uma função f : R R

Leia mais

Convergência de Séries de Números Complexos

Convergência de Séries de Números Complexos Convergência de Séries de Números Complexos META: Apresentar o conceito de convergência de séries de números complexos. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Definir convergência

Leia mais

O Teorema da Curva de Jordan

O Teorema da Curva de Jordan UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática Trabalho de Conclusão de Curso A Relatório Final O Teorema da Curva de Jordan Aluna: Laís Alegria

Leia mais

Análise Convexa. 1. Conjuntos convexos 1.1. Casca convexa, ponto extremo, cone. 2. Hiperplanos: suporte, separador, teorema da separação

Análise Convexa. 1. Conjuntos convexos 1.1. Casca convexa, ponto extremo, cone. 2. Hiperplanos: suporte, separador, teorema da separação Análise Convexa 1. Conjuntos convexos 1.1. Casca convexa, ponto extremo, cone 2. Hiperplanos: suporte, separador, teorema da separação 3. Funções convexas 4. Teoremas de funções convexas 5. Conjunto poliedral

Leia mais

SMA Elementos de Matemática Notas de Aulas. Ires Dias - Sandra Maria Semensato de Godoy

SMA Elementos de Matemática Notas de Aulas. Ires Dias - Sandra Maria Semensato de Godoy SMA - 341 - Elementos de Matemática Notas de Aulas Ires Dias - Sandra Maria Semensato de Godoy 2006 Capítulo 1 Noções de Lógica Lógica é a higiene usada pelos matemáticos para conservar suas idéias saudáveis

Leia mais

Notas de aula de MAC0329 Álgebra Booleana e Aplicações

Notas de aula de MAC0329 Álgebra Booleana e Aplicações Notas de aula de MAC0329 Álgebra Booleana e Aplicações Nina S. T. Hirata Depto. de Ciência da Computação IME / USP Este texto é uma referência-base para o curso de MAC0329 (Álgebra Booleana e Aplicações).

Leia mais

Lista 6. Bases Matemáticas. Funções I. 1 Dados A e B conjuntos, defina rigorosamente o conceito de função de A em B.

Lista 6. Bases Matemáticas. Funções I. 1 Dados A e B conjuntos, defina rigorosamente o conceito de função de A em B. Lista 6 Bases Matemáticas Funções I Dados A e B conjuntos, defina rigorosamente o conceito de função de A em B. Dados os conjuntos A = {a, e, i, o, u} e B = {,, 3, 4, 5}, diga qual das relações abaixo

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/42 7 - ESTRUTURAS ALGÉBRICAS 7.1) Operações Binárias

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

Uma condição necessária e suciente para integrabilidade de uma função real

Uma condição necessária e suciente para integrabilidade de uma função real Uma condição necessária e suciente para integrabilidade de uma função real Jonas Renan Moreira Gomes 1 e Fernanda S. P. Cardona (orientadora) 1 Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de

Leia mais

A função afim. Pré-Cálculo. A função afim. Proposição. Humberto José Bortolossi. Parte 5. Definição

A função afim. Pré-Cálculo. A função afim. Proposição. Humberto José Bortolossi. Parte 5. Definição Pré-Cálculo Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense A função afim Parte 5 Parte 5 Pré-Cálculo 1 Parte 5 Pré-Cálculo 2 A função afim Proposição O gráfico

Leia mais

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Fernando Neres de Oliveira 21 de junho de 2015 Resumo Neste trabalho iremos provar uma curiosa propriedade para listas de inteiros positivos da forma 1, 2,...,

Leia mais

3 O Teorema de Ramsey

3 O Teorema de Ramsey 3 O Teorema de Ramsey Nesse capítulo enunciamos versões finitas e a versão infinita do Teorema de Ramsey, além das versões propostas por Paris, Harrington e Bovykin, que serão tratadas no capítulos subseqüentes.

Leia mais

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos MAT 1351 Cálculo para funções uma variável real I Curso noturno de Licenciatura em Matemática 1 semestre de 2016 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios

Leia mais

Teoria Combinatória dos Números

Teoria Combinatória dos Números Teoria Combinatória dos Números Samuel Feitosa, Yuri Lima, Davi Nogueira 27 de fevereiro de 2004 O objetivo deste artigo é mostrar algumas propriedades dos números inteiros, que combinadas podem originar

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Teoria de Conjuntos Um conjunto é uma colecção de objectos/elementos/membros. (Cantor

Leia mais

Produtos de potências racionais. números primos.

Produtos de potências racionais. números primos. MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 4 Dezembro/2006 pp. 23 3 Produtos de potências racionais de números primos Mário B. Matos e Mário C. Matos INTRODUÇÃO Um dos conceitos mais simples é o de número natural e

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

MAT Análise Real - 1 semestre de 2014 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Notas das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 9.11.

MAT Análise Real - 1 semestre de 2014 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Notas das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 9.11. MAT 206 - Análise Real - semestre de 204 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Notas das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 9..204. Segunda-feira, 7 de fevereiro de 204 Apresentação do curso. www.ime.usp.br/

Leia mais

Sistemas de equações lineares com três variáveis

Sistemas de equações lineares com três variáveis 18 Sistemas de equações lineares com três variáveis Sumário 18.1 Introdução....................... 18. Sistemas de duas equações lineares........... 18. Sistemas de três equações lineares........... 8

Leia mais

= f(0) D2 f 0 (x, x) + o( x 2 )

= f(0) D2 f 0 (x, x) + o( x 2 ) 6 a aula, 26-04-2007 Formas Quadráticas Suponhamos que 0 é um ponto crítico duma função suave f : U R definida sobre um aberto U R n. O desenvolvimento de Taylor de segunda ordem da função f em 0 permite-nos

Leia mais

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis O Corpo dos Números Reais Prof. Doherty Andrade 2005/Agosto/20 Vamos rever algumas coisas que já sabemos sobre o corpo dos números reais. Por corpo entendemos

Leia mais

As Pontes de Königsberg

As Pontes de Königsberg As Pontes de Königsberg Anderson Freitas Ferreira e Lívia Minami Borges 13 de junho de 2015 Resumo A teoria de grafos teve seu início em 1736, quando Euler utilizou uma estrutura para resolver o Problema

Leia mais

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto -

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - MÓDULO 2 - AULA 10 Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - Aplicações II Objetivos Estudar as posições relativas entre retas no espaço. Obter as expressões para calcular distância entre retas. Continuando

Leia mais

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que:

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que: Matemática Discreta 2008/09 Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Axioma (Princípio da Boa Ordenação dos Números Naturais) O conjunto parcialmente (totalmente) ordenado (N, ), em que

Leia mais

Conjuntos Abelianos Maximais

Conjuntos Abelianos Maximais Conjuntos Abelianos Maximais (Dedicado para meu filho Demetrius) por José Ivan da Silva Ramos (Doutor em Álgebra e membro efetivo do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Federal do

Leia mais

Aula Distância entre duas retas paralelas no espaço. Definição 1. Exemplo 1

Aula Distância entre duas retas paralelas no espaço. Definição 1. Exemplo 1 Aula 1 Sejam r 1 = P 1 + t v 1 t R} e r 2 = P 2 + t v 2 t R} duas retas no espaço. Se r 1 r 2, sabemos que r 1 e r 2 são concorrentes (isto é r 1 r 2 ) ou não se intersectam. Quando a segunda possibilidade

Leia mais

Ordem dos Inteiros AULA. 4.1 Introdução. 4.2 Ordem Ordem dos Inteiros

Ordem dos Inteiros AULA. 4.1 Introdução. 4.2 Ordem Ordem dos Inteiros META: Apresentar ordem nos números inteiros e os Princípio de indução e do Menor elemento. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Usar o processo de indução finita dos Inteiros. Justificar

Leia mais

Generalidades sobre conjuntos

Generalidades sobre conjuntos Generalidades sobre conjuntos E-mail: ana.boero@ufabc.edu.br Página: http://professor.ufabc.edu.br/~ana.boero Sala 512-2 - Bloco A - Campus Santo André Conjuntos e a noção de pertinência Na teoria dos

Leia mais

Notas de Aula. Análise Funcional

Notas de Aula. Análise Funcional Notas de Aula Análise Funcional Rodney Josué Biezuner 1 Departamento de Matemática Instituto de Ciências Exatas (ICEx) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Notas de aula do curso Análise Funcional

Leia mais

Bézout e Outros Bizus

Bézout e Outros Bizus 1. Introdução Bézout e Outros Bizus Davi Lopes Olimpíada Brasileira de Matemática 18ª Semana Olímpica São José do Rio Preto, SP Neste material, iremos demonstrar o teorema de Bézout, que diz que, dados

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais

Definição: Todo objeto parte de um conjunto é denominado elemento.

Definição: Todo objeto parte de um conjunto é denominado elemento. 1. CONJUNTOS 1.1. TEORIA DE CONJUNTOS 1.1.1. DEFINIÇÃO DE CONJUNTO Definição: Conjunto é toda coleção de objetos. Uma coleção de números é um conjunto. Uma coleção de letras é um conjunto. Uma coleção

Leia mais

Lógicas Construtivas: Intuicionismo, uma

Lógicas Construtivas: Intuicionismo, uma Lógicas Construtivas: Intuicionismo, uma Introdução Ricardo Bianconi 1 Introdução Vamos tratar agora de Lógicas Construtivas, ou seja, aquelas em que se admitem apenas argumentos construtivos. O que seriam

Leia mais

2 A Teoria de Conjuntos - Preliminares

2 A Teoria de Conjuntos - Preliminares 2 A Teoria de Conjuntos - Preliminares Esse capítulo se propõe a apresentar de maneira breve os resultados da teoria de conjuntos que serão utilizados nos capítulos subseqüentes. Começamos definindo as

Leia mais

Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos Análise de Algoritmos Técnicas de Prova Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG julho - 2015 Técnicas de Prova Definição Uma prova é um argumento válido que mostra a veracidade de um enunciado matemático.

Leia mais

Sequencias e Series. Exemplo 1: Seja tal que. Veja que os dez primeiros termos estão dados por: ,,,,...,, ou seja que temos a

Sequencias e Series. Exemplo 1: Seja tal que. Veja que os dez primeiros termos estão dados por: ,,,,...,, ou seja que temos a Sequencias e Series Autor: Dr. Cristian Novoa MAF- PUC- Go cristiancalculoii@gmail.com Este texto tem como objetivo principal, introduzir alguns conceitos de Sequencias e Series,para os cursos de Engenharia,

Leia mais

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Joaquim H Vianna Neto Relatório Técnico RTE-03/013 Relatório Técnico Série Ensino Variáveis

Leia mais

» Teorema (CROSSBAR) Seja ABC um triângulo e seja X um ponto em seu interior. Então todo raio AX corta o lado BC.

» Teorema (CROSSBAR) Seja ABC um triângulo e seja X um ponto em seu interior. Então todo raio AX corta o lado BC. » Teorema (CROSSBAR) Seja ABC um triângulo e seja X um ponto em seu interior. Então todo raio AX corta o lado BC. Iniciamos, nesta seção, o estudo sistemático da geometria dos quadriláteros. Dentre os

Leia mais

1.1 Propriedades básicas dos números reais, axiomática dos números reais.

1.1 Propriedades básicas dos números reais, axiomática dos números reais. I - Funções reais de variável real 1. Números Reais. 1.1 - Números naturais, números relativos, números racionais e números reais. De uma forma muito simples vamos recordar os números: Números Naturais

Leia mais

Chapter Conjuntos

Chapter Conjuntos Chapter Conjuntos, funções e relações: noções básicas.1 Conjuntos Usamos o termo conjunto como um termo primitivo, ou seja, não definido a partir de outros termos. Intuitivamente um conjunto é uma qualquer

Leia mais

Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações

Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações Capítulo 0: Conjuntos, funções, relações Notação. Usaremos Nat para representar o conjunto dos números naturais; Int para representar o conjunto dos números inteiros. Para cada n Nat, [n] representa o

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Licenciatura em Matemática

Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Licenciatura em Matemática Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Licenciatura em Matemática 2014 Na teoria dos conjuntos três noções são aceitas sem denição (noção primitiva):: Conjunto;

Leia mais

12 AULA. Relações de Ordem LIVRO. META: Apresentar o conceito de relações de ordem e suas propriedades.

12 AULA. Relações de Ordem LIVRO. META: Apresentar o conceito de relações de ordem e suas propriedades. 2 LIVRO Relações de Ordem META: Apresentar o conceito de relações de ordem e suas propriedades. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Determinar se uma dada relação é uma relação

Leia mais

Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17)

Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17) Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17) Lista 1 - Bases Matemáticas Elementos de Lógica e Linguagem Matemática 1

Leia mais

Funções monótonas. Pré-Cálculo. Funções decrescentes. Funções crescentes. Humberto José Bortolossi. Parte 3. Definição. Definição

Funções monótonas. Pré-Cálculo. Funções decrescentes. Funções crescentes. Humberto José Bortolossi. Parte 3. Definição. Definição Pré-Cálculo Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Funções monótonas Parte 3 Parte 3 Pré-Cálculo 1 Parte 3 Pré-Cálculo 2 Funções crescentes Funções

Leia mais

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais (inteiros positivos)

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais (inteiros positivos) Capítulo 1 Os Números 1.1 Notação Números naturais: N = {1, 2, 3,...}, mas existem vários autores considerando N = {0, 1, 2, 3,...}. Por isso, é recomendado dizer números positivos, números não negativos,

Leia mais

Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos

Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos Autora: Orientador: Grace Alioska Kawakubo Santana

Leia mais