Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise"

Transcrição

1 Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 1. Prove que para todo x 0 IR é verdade que (1 + x) n > 1 + nx. Solução: É fácil ver que (1 + x) n = ( ) n ) n (1 + x) = (1 + x + x Agora, observe que 1 + x + x = (1 + x) 0, ou seja, x + x 1. Sendo assim, pela Desigualdade de Bernoulli, temos ( ) n ( n 1 + x + x = 1 + (x + x )) 1 + n(x + x ) = 1 + nx + nx > 1 + nx.. Usando indução prove as seguintes: a) n = n(n+1) para todo n IN. Solução: Base da indução: Seja n = 1: Sendo assim, temos 1 = 1(1 + 1) e portanto a afirmação é verdadeira nesse caso. Passo da indução: Por hipótese de indução, suponha que a afirmação n = n(n + 1) seja verdadeira para algum n > 1 IN. Portanto, n + (n + 1) = = n(n + 1) (n + 1)(n + ) Portanto, a afirmação é verdadeira para todo n IN. + (n + 1) = n(n + 1) + (n + 1) = (n + 1)[ (n + 1) + 1 ]. Pág. 1 de 15

2 b) n 1 = n para todo n IN. Solução: Base da indução: Seja n = 1: Sendo assim, temos 1 = 1 e portanto a afirmação é verdadeira nesse caso. Passo da indução: Por hipótese de indução, suponha que a afirmação n 1 = n é verdadeira para algum n > 1 IN. Portanto, n 1 + [ (n + 1) 1 ] = n + n + 1 = (n + 1) Portanto, a afirmação é verdadeira para todo n IN. c) 1 + x + x + + x n = 1 xn+1 1 x para todo x 1. Solução: Base da indução: Seja n = 1: Sendo assim, temos 1 x x = 1 x 1 x = (1 x)(1 + x) 1 x = (1 + x) e portanto a afirmação é verdadeira nesse caso. Passo da indução: Por hipótese de indução, suponha que a afirmação 1+x+x + +x n = 1 x n+1 seja verdadeira para algum n > 1 IN. Portanto, 1 x 1 + x + x + + x n + x n+1 = 1 xn+1 1 x + xn+1 = 1 xn+1 + (1 x)x n+1 1 x = 1 xn+1 + x n+1 x n+ 1 x = 1 x(n+1)+1 1 x Portanto, a afirmação é verdadeira para todo n IN. 3. Dados m, n IN com n > m, prove que ou n é multiplo de m ou existem q, r IN tais que n = mq + r e r < m. Prove que q e r são únicos com essa propriedade. Pág. de 15

3 Solução: (a) Suponha que n km, para todo k IN, e seja A = {k IN n < km}. Se m 1, então (n + 1)m n + 1 > n, ou seja, n + 1 A e, portanto, A é não vazio. Seja k 0 IN o menor elemento de A. Como n < k 0 m, então k 0 1. De fato, se k 0 = 1 então n < m, o que nos leva a um absurdo, pois, contradiz a hipótese. Sendo k 0 > 1 vem que K 0 = q + 1, onde q IN e q < k 0, ou seja, q / A, pois, k 0 é menor elemento de A. Logo, n qm, ou ainda, n > qm. Dessa forma, n = qm + r com r IN e r < m. De fato r < m, pois caso contrário, r m, teríamos n qm + m = (q + 1)m = k 0 m, o que claramente é um absurdo. (b) Agora vamos provar a unicidade de q e r. Sejam q, r IN tais que n = q m + r = qm + r. Se q > q, então r < r < m. Assim, q = q + p e r = r + s, com p, s IN. Logo, (q + p)m + r = qm + r + s, consequentemente pm = s, ou seja, s m. O que é um absurdo, pois, r < m. Por outro lado, Se q q, então r < r < m. Assim, q = q + p e r = r + s, com p, s IN. Logo, q m + r + s = (q + p)m + r, consequentemente s = pm, ou seja, s m. O que é um absurdo, pois, r < m. Portanto, q = q e r = r. 4. Seja X IN um subconjunto não-vazio tal que m, n X se, e somente se, n, m + n X. Prove que existe k IN tal que X é o conjunto dos multiplos de k. Solução: Seja k = min(x). Afirmo que kin = X, onde kin = {k, k, 3k, }. De fato, (a) kin X, ou melhor, kn X para todo n IN. Vamos provar esta afirmação por indução: Base da indução: Seja k = 1: Sendo assim, temos k.1 = k X e portanto a afirmação é verdadeira nesse caso. Passo da indução: Por hipótese de indução, suponha que a afirmação kn X seja verdadeira para algum n IN. Portanto, k(n + 1) X, pois kn, k X e, por definição de X, kn + k = k(n + 1) X. Portanto, kin X. Pág. 3 de 15

4 (b) Agora vamos provar que X kin, ou melhor, se p X então existe n IN tal que p = kn. Seja p X. Se p = kn para algum n IN, então p IN. Suponhamos, por contradição, que p kn para todo n IN. Como p > k, pelo Exercício 3, existem n, r IN tal que r < k e p = kn + r. Uma vez que kin X temos que kn, kn + r X e, por definição de X, kn, r X o que nos leva a uma contradição, pois, r < k e k = min(x). Logo, X kin. Portanto de (a) e (b) vem que kin = X. 5. Dado n IN, prove que não existe x IN tal que n < x < n + 1. Solução: Seja n IN. Suponha, por contradição, que existe x IN tal que n < x < n + 1. Como n < x temos que x = n + p, com p IN. Se p = 1 temos um absurdo, pois, x = n + 1 e x < n + 1. Por outro lado, se p 1, então p > 1 e p = 1 + q, com q IN. Dessa forma, x = n + p = n + (1 + q) = (n + 1) + q, ou seja, x > n + 1 o que é um aburdo, pois, x < n + 1. Portanto, não existe x IN tal que n < x < n Indicando com card(x) o número de elementos do conjunto finito X, prove: a) Se X é finito e Y X, então card(y ) card(x). Solução: Se Y =, então cad(y ) = 0 e, consequentemente, card(y ) card(x). Por outro lado, suponha Y e que Y = {y 1, y,, y n } com n IN. Se Y = X, então n = card(y ) = card(x), e não há nada a fazer. Suponhamos, então, que Y X. Sendo assim, X = {y 1, y,, y n, x 1, x,, x m } com m IN. Logo, card(y ) = n < n + m = card(x), o que completa a demonstração. b) Se X e Y são finitos então X Y é finito e card(x Y ) = card(x) + card(y ) card(x Y ). Solução: Se X = (ou y = ), então X Y = Y (ou X Y = X), X Y = e card(x) = 0 (ou card(y ) = 0). Além disso, card(x Y ) = card(x) + card(y ) card(x Y ). Então, suponhamos que X, Y. Digamos que X = {x 1, x,, x m } e Y = {y 1, y,, y n } com m, n IN. a) Se X Y = então x i y j para todo i, j. Sendo assim, X Y = {x 1, x,, x m, y 1, y,, y n } e, portanto, card(x Y ) = card(x) + card(y ) card(x Y ). Pág. 4 de 15

5 b) Se X Y, façamos X = A C e Y = B C tal que A B = A C = B C =. Assim, temos: X Y = (A C) (B C) = ( ) ( ) (A C) B (A C) C = ( ) ( ) (A B) (C B) (A C) (C C) = C C = C X Y = (A C) (B C) = (A B) C (A B) C = (A C) (B C) = Portanto, card(x Y ) = card(a B) + card(c) = card(a) + card(b) + card(c) = card(a) + card(c) + card(b) + card(c) card(c) = card(a C) + card(b C) card(c) Assim, completamos a demonstração. = card(x) + card(y ) card(x Y ) 7. Seja P(X) o conjunto cujos elementos são todos os subconjuntos de X. Prove por indução que se X é finito então card(p(x)) = card(x). Solução: Se X =, então P(X) = { } e, consequentemente, card(p(x)) = cad(x) = 0 = 1 e não há nada a fazer. Então, suponhamos que X e que card(x) = n para algum n IN. Base da indução: Seja n = 1: Sendo assim, temos que X = {x 1 } e P(X) = {, {x 1 }}. Portanto, card(p(x)) = card(x) = 1 = e a afirmação é verdadeira nesse caso. Passo da indução: Por hipótese de indução, suponha que card(p(x 0 )) = card(x0) seja verdadeira sempre que card(x 0 ) = n, para algum n IN. Além disso, P(X 0 ) = {P 1, P, P 3,, P n}, com P 1 =. Pág. 5 de 15

6 Fazendo X = X 0 {a}, com a / X 0, temos que card(x) = n + 1. Portanto, P(X) = P(X 0 ) {{a} P 1, {a} P, {a} P 3,, {a} P n} = n + n = n+1 = card(x) Portanto, card(p(x)) = card(x). 8. Não existe uma função sobrejetora do conjunto X para o conjunto P(X). Solução: Primeiramente, vejamos o seguinte Teorema: Teorema 1 (Cantor) Sejam X um conjunto arbitrário, Y um conjunto contendo pelo menos dois elementos e F(X; Y ) o conjunto de todas as funções de f : X Y. Nenhuma função ϕ : X F(X; Y ) é sobrejetora. Demonstração: Dada ϕ : X F(X; Y ), indicaremos com ϕ x o valor de ϕ no ponto x X. Assim, ϕ x é uma função de X e Y. Construiremos agora uma f F(X; Y ) tal que ϕ x f para todo x X. Isto é feito escolhendo, para cada x X, um elemento f(x) Y, diferente de ϕ x (x). Como Y possui pelo menos dois elementos, isto é possível. A função f : X Y assim obtida é tal que f(x) ϕ x (x) e, portanto, f ϕ x, para todo x X. Logo f / ϕ(x) e, consequentemente, ϕ não é sobrejetora. Considerando o conjunto {0, 1}, veremos que existe uma bijeção φ : P(X) F(X; {0, 1}) De fato, para cada A P(X), consideremos ξ A : X {0, 1} de modo que 1, se x A ξ A (x) = 0, se x / A Defina φ : P(X) F(X; {0, 1}) como sendo φ(a) = ξ A. É fácil ver que, φ é uma bijeção. Como {0, 1} contém dois elementos, pelo Teorema 1, temos que não existe nenhuma função ϕ : X F(X; {0, 1}) que seja sobrejetiva. Portanto, não existe nenhuma função ψ : X P(X) que seja sobrejetiva. Nota 1 Como consequência do Teorema 1, temos que o conjunto F(IN; {0, 1}) é não enumerável. Pág. 6 de 15

7 9. Prove que o conjunto P(IN) de todos os subconjuntos de IN não é enumerável. Solução: Sabemos, pelo Exercício 8, que não existe uma função sobrejetora do conjunto IN para o conjunto P(IN). Consequentemente, não existe uma função bijetora do conjunto IN para o conjunto P(IN), ou seja, P(IN) não é enumerável. 10. Seja {I n } n IN o conjunto enumerável de intervalos fechados e limitados tal que I n = [a n, b n ] satisfazendo I n+1 I n para todo n IN. Então I n não é vazia. n=1 Solução: Para cada n IN, temos que I n+1 I n, o que significa que a n a n+1 b n+1 b n ou ainda, a 1 a a n b n b b 1. Dai vemos claramente que as sequências (a n ) e (b n ) são, respectivamente, não decrescente e não crescente. Além disso, como a 1 a n < b n b 1 vemos que (a n ) é limitada supiormente por b 1 e (b n ) é limitada inferiormente por a 1. Logo, essas duas sequências, que são monótonas e limitadas, possuem limites, digamos A e B respectivamente, podendo A = B. Como a n < b n, é claro que a n A B b n Portanto, [A, B] I n para todo n IN. Logo, [A, B] ou seja, I n não é vazia. n=1 n=1 I n 11. Dê exemplo de uma sequência decrescente X 1 X X 3 de conjuntos infinitos cuja interseção X n seja vazia. n=1 Pág. 7 de 15

8 Solução: Basta considerar, X 1 = IN X = {, 3, 4, } X 3 = {3, 4, 5, }. X n = {n, n + 1, n +, }. Se existisse x n=1 então x X n para todo n IN e, consequentemente, x n para todo n IN. Mas, isto é um absurdo, pois, IN não é limitado superiormente. X n 1. Uma função f : X IR é dita ser limitada superiormente quando sua imagem f(x) = {f(x) x X} é um conjunto limitado superiormente. Então põe-se o supremo de f como sendo sup(f) = sup{f(x) x X}. Prove que se f, g : X IR são limitadas superiormente, então a soma f + g : X IR também é. Além disso, tem-se sup(f + g) sup(f) + sup(g). Enucie e prove um resultado análogo para o ínfimo. Solução: (a) Sejam f, g : X IR funções limitadas superiormente, ou seja, existem M 1 e M tais que f(x) M 1 e g(x) M, para todo x X. Logo, f(x) + g(x) M 1 + M, para todo x X. Então f + g é limitada superiormente. Por outro lado, f(x) + g(x) sup(f) + sup(g), para todo x X. Portanto, sup(f) + sup(g) é uma cota superior para f + g e, consequentemente, sup(f + g) sup(f) + sup(g). Uma função f : X IR é dita ser limitada superiormente quando sua imagem f(x) = {f(x) x X} é um conjunto limitado superiormente. Então põe-se o supremo de f como sendo sup(f) = sup{f(x) x X}. Pág. 8 de 15

9 Prove que se f, g : X IR são limitadas superiormente, então a soma f + g : X IR também é. Além disso, tem-se sup(f + g) sup(f) + sup(g). (b) Uma função f : X IR é dita ser limitada inferiormente quando sua imagem f(x) = {f(x) x X} é um conjunto limitado inferiormente. Então põe-se o ínfimo de f como sendo inf(f) = inf{f(x) x X}. Prove que se f, g : X IR são limitadas inferiormente, então a soma f + g : X IR também é. Além disso, tem-se inf(f + g) inf(f) + inf(g). De fato, Sejam f, g : X IR funções limitadas inferiormente, ou seja, existem M 1 e M tais que f(x) M 1 e g(x) M, para todo x X. Logo, f(x) + g(x) M 1 + M, para todo x X. Então f + g é limitada inferiormente. Por outro lado, f(x) + g(x) inf(f) + inf(g), para todo x X. Portanto, inf(f) + inf(g) é uma cota inferior para f + g e, consequentemente, inf(f + g) inf(f) + inf(g). 13. Uma sequência (x n ) diz-se periódica quando existe p IN tal que x n+p = x n para todo n IN. Prove que toda sequência periódica convergente é constante. Solução: Suponhamos que (x n ) seja periódica e convergente, ou seja, lim(x n ) = a para algum a. Sendo m IN temos que (x m, x m+p, x m+p,, x m+rp, ) é uma subsequência constante de (x n ). Portanto, lim(x m ) = a, ou seja, x m = a para todo n IN. 14. Dados a, b IR +, defina indutivamente as sequências (x n ) e (y n ) pondo x 1 = ab, y 1 = a+b e x n+1 = x n y n, y n+1 = x n+y n. Prove que (x n ) e (y n ) convergem para o mesmo limite. Solução: Afirmo que 0 < x n y n, para todo n IN. De fato, por indução temos: Base da indução: Seja n = 1: Sendo assim, temos que 0 < x 1 = ab a + b = y 1 e a afirmação é verdadeira nesse caso. Pág. 9 de 15

10 Passo da indução: Por hipótese de indução, suponha que 0 < x n y n, para algum n > 1 IN. Portanto, Portanto, 0 < x n y n, para todo n IN. Observe que: 0 < x n+1 = x n y n x n + y n = y n+1 (a) x n+1 = x n y n x n = x n, ou seja, (x n ) é não decrescente. (b) y n+1 = xn+yn yn+yn = y n, ou seja, (y n ) é não crescente. (c) Além disso, as sequências (x n ) e (y n ) são, respectivamente, limitadas superiormente e inferiormente, pois, 0 < x 1 x n y y y 1 Logo, lim(x n ) = x 0 e lim(y n ) = y 0, com 0 < x 1 x 0 y 0 y 1 Por fim, como y n+1 = xn+yn temos que lim(y n+1 ) = lim( x n + y n ) y 0 = x 0 + y 0 y 0 = x 0 + y 0 o que nos leva a y 0 = x 0, ou seja, lim(x n ) = lim(y n ). 15. Se A B e A é não enumerável, então B deve ser não enumerável. Solução: Suponhamos por contradição que B seja enumerável. Sendo assim, todo subconjunto de B deve ser enumerável, inclusive A. Mas isto é uma contradição. Portanto B é não enumerável. 16. Prove que x + y = x + y se, e somente se, x e y são ambos negativos ou ambos positivos. 17. Sejam a e b números reais positivos. Mostre que: Pág. 10 de 15

11 (a) b < x < a x + b a < a + b. (b) b < x + a b < a x < a + b. 18. Justifique ou dê contra-exemplo para as implicações seguintes: (a) a b a = b. (b) a = b a b. 19. Seja Y IQ. Mostre que o conjunto das frações do tipo 1, com n N, possui inf(y ) = 0 e n sup(y ) = 1. Solução: Com efeito, em primeiro lugar, temos 1 Y e 1 n < 1 para todo n > 1. Logo 1 é o maior elemento de Y e, portanto, sup(y ) = 1 1. Por outro lado, como 0 < para todo n IN, vemos que n 0 é cota inferior de Y. Assim, basta provar que nenhum número racional c > 0 é cota inferior de Y. Com efeito, sendo IQ arquimediano, dado c > 0, podemos obter n IN tal que n > 1 1. Isto c significa 1 + n > 1. Logo, pela desigualdade de Bernoulli temos c n = (1 + 1) n 1 + n > 1 c ou seja, 1 n < c. Logo nenhum c > 0 é cota inferior de Y e, portanto, inf(y ) = Use a propriedade do supremo para provar a existência da raiz n-ésima positiva de qualquer número a > 0, com a 1. Solução: Evidentemente devemos supor n > 1. Sendo assim, devemos mostrar que existe b > 0 IR tal que b n = a. Para isso consideremos o conjunto C dos números c 0 tais que c n < a. O conjunto C não é vazio, pois contém o número 1 se a > 1, e contém a se a < 1 (Verifique! Ou seja mostre que se 0 < a < 1, então a n < a para todo inteiro n > 1. Sugestão: Observe que b = 1 a > 1.). É fácil ver também, que o conjunto C é limitado superiormente, pelo número 1 se a < 1 e pelo próprio a se a > 1. Portanto, possui supremo, digamos sup(c) = b. Afirmamos que b n = a. Para mostrar esta afirmação, vamos primeiro mostrar que b n < a é um absurdo. De fato,sendo 0 < ε < 1 temos: (b + ε) n = b n + nb n 1 ε + + ε [ n ] = b n + ε nb n 1 + n(n 1) b n ε + + ε n 1 [ ] < b n + ε nb n 1 + n(n 1) b n = b n + Kε Pág. 11 de 15

12 onde K é a expressão entre colchetes, que independe de ε. Agora, fazendo temos ε < a bn K b n < (b + ε) n < a o que é um absurdo, pois assim b não seria o supremo do conjunto C. Por outro lado, se b n > a, então ( ) n 1 < 1 b a Então com raciocínio análogo ao que acabamos de fazer, existe ε > 0 tal que ( ) n ( ) n 1 1 < b b + ε < 1 a o que nos leva a b n > ( ) n b > a 1 + bε Mas isto contradiz o fato de b ser supremo do conjunto C. Portanto, somente podemos ter b n = a. 1. Prove, por indução finita, que (n + 1) = (n + 1) para todo n 0.. Para que valores de n a afirmação dada é verdadeira? Justifique sua resposta por indução finita. (a) 3 n > n!. (b) n > n Sejam u e v dois números reais, com u > v > 0. Prove que (a) u n v n > (u v) n. (b) Usando (a) prove que n u v > n u n v para todo natural n. 4. Seja a seqüência x n = 1 + a a n = 1 an+1 1 a com a IR e 0 < a < 1. Prove que esta seqüência é crescente e limitada para todo n. Pág. 1 de 15

13 Solução: A sequência (x 1, x,, x n, ) é crescente, pois x n+1 = x n + a n+1 Além disso, ela é limitada pois para todo n IN. 0 < x n < 1 1 a 5. Prove que a seqüência com x 1 = 0 e x = 1 dada por para todo n = 1,, 3, 4,... é limitada. x n+ = 1 (x n + x n+1 ) Solução: Antes vejamos que, dado a e b, digamos com a < b, sua média aritmética a + b é o ponto médio do segmento de reta [a, b]. Logo obtém-se a + b somando-se ao número a a metade da distância de a e b, ou seja 1 (b a), ou então subtraindo-se de b a mesma quantidade. Seguindo essa ideia, e voltando ao exercício vemos que os termos da sequência são: x 1 = 0, x = 1, x 3 = 1 1, x 4 = , x 5 = , x 6 = , Separando os termos de ordem par dos termos de ordem ímpar temos: x 1 = 0 x 3 = 1 1 = 1 x 5 = ( 1 1 ) ( ) = x 7 = ( 1 1 ) ( ) ( ) = x n+1. = = 1 ( n ) 4 n 1 Fazendo um cálculo análogo para os termos pares teremos ( x n = ) 4 n 1 Assim, vemos que a sequência (x n ) é limitada, com 0 x n 1. Pág. 13 de 15

14 6. Prove que se, lim x n = a > 0, existe n 0 IN tal que n > n 0 x n > 0. Solução: Seja ε = a > 0. Então (a ε, a + ε) = ( a, 3a que n > n 0 x n ( a, 3a ) ou seja, x n > a. Assim, para todo n > n 0 temos que x n > 0. ). Como lim x n = a, existe n 0 IN tal 7. Sejam (x n ) e (y n ) seqüências convergentes. Prove que se x n y n para todo n IN então lim x n lim y n. Solução: Suponhamos, por contradição, que lim x n > lim y n. Sendo assim, temos que 0 < lim x n lim y n = lim(x n y n ) Daí, pelo Exercício 6, temos que x n y n > 0, ou seja, x n > y n. Mas isto é um absurdo, pois, por hipótese x n y n para todo n IN. Portanto, lim x n lim y n para todo n IN. 8. Sejam x n z n y n para todo n IN. Se lim x n = lim y n = a, prove que lim z n = a. Solução: Como lim x n = lim y n = a, dado arbitrariamente ε > 0, existem n 1, n IN tais que n > n 1 x n (a ε, a + ε) n > n y n (a ε, a + ε) Tomando n 0 = max{n 1, n }, temos que: se n > n 0 então n > n 1 e n > n. Além disso, n > n 0 a ε < x n z n y n < a + ε Donde concluimos que lim z n = a. 9. Seja (x n ) a seqüência definida por x n+ x n+1 λ x n+1 x n para 0 < λ < 1. Prove que (x n ) é uma seqüência de Cauchy, e portanto convergente. Pág. 14 de 15

15 Solução: Temos que x 3 x λ x x 1 x 4 x 3 λ x x 1 De um modo geral, x n+1 x n λ n 1 x x 1 para todo n IN. Daí segue-se que, para n, p IN arbitrários, vale x n+p x n x n+p x n+p x n+1 x n ( λ n+p + λ n+p λ n 1) x x 1 = λ n 1( λ p 1 + λ p + + λ + 1 ) x x 1 Como = λ n 1. 1 λp 1 λ. x x 1 λn 1 1 λ. x x 1 lim λn 1 1 λ. x x 1 = 0 segue-se que, para qualquer ε > 0 dado, existe n 0 IN tal que n > n 0 0 < λn 1 1 λ. x x 1 < ε Consequentemente, uma vez que podemos sempre supor m n e tomar m = n + p, m, n > n 0 x m x n < ε Portanto, a sequência é de Cauchy, e portanto convergente. 30. Para todo x > 0, temos que: 1 (x + a a x ) >. Solução: Para x > 0, a desigualdade acima é equivalente a ( ) a x x + a > 0 Como esse polinômio do segundo grau possui discriminante negativo temos que a afirmação é verdadeira. Pág. 15 de 15 Fim do Gabarito

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL. Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL. Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ NOTAS DE AULA: ANÁLISE REAL Profa.: Gislaine Aparecida Periçaro Curso: Matemática, 4º ano CAMPO MOURÃO 203 Capítulo Conjuntos e Funções Neste capítulo vamos fazer uma breve

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Matemática Curso de Verão Lista 2. Sequências de Números Reais

Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Matemática Curso de Verão Lista 2. Sequências de Números Reais Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Matemática Curso de Verão 0 Lista Sequências de Números Reais. Dê o termo geral de cada uma das seguintes sequências: a,, 3, 4,... b, 4, 9, 6,... c,,

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis

Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis Propriedades das Funções Contínuas e Deriváveis O Corpo dos Números Reais Prof. Doherty Andrade 2005/Agosto/20 Vamos rever algumas coisas que já sabemos sobre o corpo dos números reais. Por corpo entendemos

Leia mais

Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011

Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011 Gabarito da Primeira Prova MAT0234 Análise Matemática I Prof. Daniel Victor Tausk 13/09/2011 Questão 1. Sejam X, X conjuntos e φ : X X uma função. (a) (valor 1,25 pontos) Mostre que se A é uma σ-álgebra

Leia mais

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 bras.png Cálculo I Logonewton.png Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 Objetivos da Aula: Definir limite de uma função Definir limites laterias Apresentar as propriedades operatórias

Leia mais

Parte 1. Conjuntos finitos, enumeráveis e

Parte 1. Conjuntos finitos, enumeráveis e Parte 1 Conjuntos finitos, enumeráveis e não-enumeráveis Georg Ferdinand Ludwig Philipp Cantor (1845-1818) Rússia. A descoberta de que há diversos tipos de infinito deve-se a Georg Cantor. Mas, para os

Leia mais

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa.

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa. DR. SIMON G. CHIOSSI @ GMA / UFF MB V 1 0/02/2016 NOME LEGÍVEL: Matemática Básica Prova V 1 turma A1 0 / 02 / 2016 MATRÍCULA: EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS (1) Sejam P(x) o predicado x 2 = x e Q(x) o predicado

Leia mais

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que:

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que: Matemática Discreta 2008/09 Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Axioma (Princípio da Boa Ordenação dos Números Naturais) O conjunto parcialmente (totalmente) ordenado (N, ), em que

Leia mais

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X.

Então (τ x, ) é um conjunto dirigido e se tomarmos x U U, para cada U vizinhança de x, então (x U ) U I é uma rede em X. 1. Redes Quando trabalhamos no R n, podemos testar várias propriedades de um conjunto A usando seqüências. Por exemplo: se A = A, se A é compacto, ou se a função f : R n R m é contínua. Mas, em espaços

Leia mais

Lista 6. Bases Matemáticas. Funções I. 1 Dados A e B conjuntos, defina rigorosamente o conceito de função de A em B.

Lista 6. Bases Matemáticas. Funções I. 1 Dados A e B conjuntos, defina rigorosamente o conceito de função de A em B. Lista 6 Bases Matemáticas Funções I Dados A e B conjuntos, defina rigorosamente o conceito de função de A em B. Dados os conjuntos A = {a, e, i, o, u} e B = {,, 3, 4, 5}, diga qual das relações abaixo

Leia mais

EQUAÇÕES FUNCIONAIS PARA OS MAIS JOVENS Ricardo César da Silva Gomes, IFCE, Jaguaribe CE

EQUAÇÕES FUNCIONAIS PARA OS MAIS JOVENS Ricardo César da Silva Gomes, IFCE, Jaguaribe CE EQUAÇÕES FUNCIONAIS PARA OS MAIS JOVENS Ricardo César da Silva Gomes, IFCE, Jaguaribe CE Nível Intermediário Um dos temas mais desafiadores para um olímpico são os problemas sobre equações funcionais.

Leia mais

1.1 Propriedades Básicas

1.1 Propriedades Básicas 1.1 Propriedades Básicas 1. Classi que as a rmações em verdadeiras ou falsas, justi cando cada resposta. (a) Se x < 2, então x 2 < 4: (b) Se x 2 < 4, então x < 2: (c) Se 0 x 2, então x 2 4: (d) Se x

Leia mais

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c Números Reais Víctor Arturo Martínez León (victor.leon@unila.edu.br) 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais

Leia mais

Limites. 2.1 Limite de uma função

Limites. 2.1 Limite de uma função Limites 2 2. Limite de uma função Vamos investigar o comportamento da função f definida por f(x) = x 2 x + 2 para valores próximos de 2. A tabela a seguir fornece os valores de f(x) para valores de x próximos

Leia mais

CRISTIANE BENDER MONOGRAFIA DE ESPECIALIZAÇÃO

CRISTIANE BENDER MONOGRAFIA DE ESPECIALIZAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA CRISTIANE BENDER UM ESTUDO DE ANÁLISE REAL ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS MONOGRAFIA DE ESPECIALIZAÇÃO CAMPO MOURÃO

Leia mais

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte:

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte: Prova de Implicações Uma implicação é verdadeira quando a verdade do seu antecedente acarreta a verdade do seu consequente. Ex.: Considere a implicação: Se chove, então a rua está molhada. Observe que

Leia mais

Matemática Conjuntos - Teoria

Matemática Conjuntos - Teoria Matemática Conjuntos - Teoria 1 - Conjunto: Conceito primitivo; não necessita, portanto, de definição. Exemplo: conjunto dos números pares positivos: P = {2,4,6,8,10,12,... }. Esta forma de representar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ. 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II Professor Márcio Nascimento

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ. 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II Professor Márcio Nascimento UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ Coordenação de Matemática 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II - 214.1 Professor Márcio Nascimento 1. Sejam a G com o(a) = n 1 e m Z. Se a

Leia mais

Construção dos Números Reais

Construção dos Números Reais 1 Universidade de Brasília Departamento de Matemática Construção dos Números Reais Célio W. Manzi Alvarenga Sumário 1 Seqüências de números racionais 1 2 Pares de Cauchy 2 3 Um problema 4 4 Comparação

Leia mais

a) 10 b) 7 c) 0 d) 3 e) 4 6. (G1 - cftmg 2013) A soma das raízes da equação a) 7. b) 4. c) 3. d) 5.

a) 10 b) 7 c) 0 d) 3 e) 4 6. (G1 - cftmg 2013) A soma das raízes da equação a) 7. b) 4. c) 3. d) 5. Equações Modulares 1. (Espcex (Aman) 015) O número de soluções da equação 1 x x = x, no conjunto, é a) 1. b). c). d) 4. e) 5.. (Ufsc 014) Assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S). x 1 01) O domínio da

Leia mais

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 3. Polinômios em Z[x] Matheus Secco

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 3. Polinômios em Z[x] Matheus Secco XIX Semana Olímpica de Matemática Nível 3 Polinômios em Z[x] Matheus Secco O projeto da XIX Semana Olímpica de Matemática foi patrocinado por: Polinômios em Z[x] N3 Professor Matheus Secco 1 Ferramentas

Leia mais

Contando o Infinito: os Números Cardinais

Contando o Infinito: os Números Cardinais Contando o Infinito: os Números Cardinais Sérgio Tadao Martins 4 de junho de 2005 No one will expel us from the paradise that Cantor has created for us David Hilbert 1 Introdução Quantos elementos há no

Leia mais

Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL: alm URL: alm/cursos/analise06lncc.

Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL:  alm URL:  alm/cursos/analise06lncc. Introdução à Análise Real Pós-graduação do LNCC 1 Alexandre L. Madureira Laboratório Nacional de Computação Científica LNCC, Brasil URL: http://www.lncc.br/ alm URL: http://www.lncc.br/ alm/cursos/analise06lncc.html

Leia mais

José Paulo Carneiro (0; 0) (0; 1) (0; 2) (0; 3) (1; 0) (1; 1) (1; 2) (1; 3) (2; 0) (2; 1) (2; 2) (2; 3) (3; 0) (3; 1) (3; 2) (3; 3)

José Paulo Carneiro (0; 0) (0; 1) (0; 2) (0; 3) (1; 0) (1; 1) (1; 2) (1; 3) (2; 0) (2; 1) (2; 2) (2; 3) (3; 0) (3; 1) (3; 2) (3; 3) A ENUMERABILIDADE DE E O CHÃO TRIANGULAR José Paulo Carneiro Nível Intermediário < < é < < e

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 2 GABARITO 22 de junho de 201 1. Em cada um dos itens abaixo, dê, se possível,

Leia mais

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2006 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Seja E um ponto externo a uma circunferência. Os segmentos e interceptam essa circunferência nos pontos B e A, e, C

Leia mais

File posgrad/metodos/2012.1/total.tex on March 9, 2012 on [49] pages [1]

File posgrad/metodos/2012.1/total.tex on March 9, 2012 on [49] pages [1] File posgrad/metodos/2012.1/total.tex on March 9, 2012 on [49] pages [1] André Toom. Resumo teórico de curso PGE-969, Métodos Matemáticos para Estatística ensinado no departamento de estatística da UFPE

Leia mais

CAPÍTULO II NOÇÕES TOPOLÓGICAS EM R

CAPÍTULO II NOÇÕES TOPOLÓGICAS EM R CAPÍTULO II NOÇÕES TOPOLÓGICAS EM R 1. Distância e vizinhanças Ao número real não negativo d(x, y) = x y chama-se distância entre os números reais x e y. São imediatas as seguintes propriedades: P1 : d(x,

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais

Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META. Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS

Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META. Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS Aplicar a definição de domínio fatorial na resolução de problemas. Estabelecer a definição de máximo divisor comum

Leia mais

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos

Segmento: Pré-vestibular. Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Matemática. Unidade 1: Série 17. Conjuntos Segmento: Pré-vestibular Coleção: Alfa, Beta e Gama Disciplina: Matemática Volume: 1 Unidade 1: Série 17 Resoluções Conjuntos 1. A = {1, } O Conjunto A possui dois elementos: 1 e. O total de subconjuntos

Leia mais

Notas de Aula. Análise na Reta

Notas de Aula. Análise na Reta Notas de Aula (ainda em preparação!) Análise na Reta Higidio Portillo Oquendo http://www.ufpr.br/ higidio Última atualização: 22 de abril de 2015 1 Sumário 1 Preliminares 3 1.1 Conjuntos e Funções....................................

Leia mais

MAT Análise Real - 1 semestre de 2014 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Notas das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 9.11.

MAT Análise Real - 1 semestre de 2014 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Notas das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 9.11. MAT 206 - Análise Real - semestre de 204 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Notas das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 9..204. Segunda-feira, 7 de fevereiro de 204 Apresentação do curso. www.ime.usp.br/

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

XXXV Olimpíada Cearense de Matemática Nível 3 - Ensino Médio

XXXV Olimpíada Cearense de Matemática Nível 3 - Ensino Médio XXXV Olimpíada Cearense de Matemática Nível 3 - Ensino Médio Reservado para a correção Prova Probl. 1 Probl. Probl. 3 Probl. 4 Probl. 5 Total # 3000 Nota - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

(b) O limite o produto é o produto dos limites se o limite de cada fator do produto existe, ou seja, (c) O limite do quociente é o quociente dos limit

(b) O limite o produto é o produto dos limites se o limite de cada fator do produto existe, ou seja, (c) O limite do quociente é o quociente dos limit MATEMÁTICA I AULA 03: LIMITES DE FUNÇÃO, CÁLCULO DE LIMITES E CONTINUIDADES TÓPICO 02: CÁLCULO DE LIMITES Neste tópico serão estudadas as técnicas de cálculo de limites de funções algébricas, usando alguns

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS 14.2 Limites e Continuidade Nesta seção, aprenderemos sobre: Limites e continuidade de vários tipos de funções. LIMITES E CONTINUIDADE Vamos comparar o

Leia mais

Conceitos e Controvérsias

Conceitos e Controvérsias Conceitos e Controvérsias QUAL É A SOMA DOS ÂNGULOS (internos ou externos) DE UM POLÍGONO (convexo ou não)? Elon Lages Lima IMPA Introdução Todos sabem que a soma dos ângulos internos de um triângulo vale

Leia mais

Aula 4 Aula 5 Aula 6. Ana Carolina Boero. Página:

Aula 4 Aula 5 Aula 6. Ana Carolina Boero.   Página: E-mail: ana.boero@ufabc.edu.br Página: http://professor.ufabc.edu.br/~ana.boero Sala 512-2 - Bloco A - Campus Santo André Números naturais Como somos apresentados aos números? Num primeiro momento, aprendemos

Leia mais

4. AS FUNÇÕES EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA

4. AS FUNÇÕES EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA 43 4. AS FUNÇÕES EXPONENCIAL E LOGARÍTMICA 4.1. A FUNÇÃO EXPONENCIAL Vimos no capítulo anterior que dado a R +, a potência a pode ser definida para qualquer número R. Portanto, fiando a R +, podemos definir

Leia mais

Por menor que seja a quantidade δ > 0, há uma ordem p N tal que. x n a δ,

Por menor que seja a quantidade δ > 0, há uma ordem p N tal que. x n a δ, DEFINIÇÃO DE CONVERGÊNCIA E LIMITE Seja (x n ) uma sucessão de números em R ou pontos em R 2. Dizemos que (x n ) converge para a, ou que a é o limite de x n, e escrevemos x n a quando n ou lim x n = a

Leia mais

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012 NÚMEROS INTEIROS PROF. FRANCISCO MEDEIROS Álgebra Abstrata - Verão 2012 Faremos, nessas notas, uma breve discussão sobre o conjunto dos números inteiros. O texto é basicamente a seção 3 do capítulo 1 de

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I MATEMÁTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Números reais Três noções básicas são consideradas primitivas, isto é, são aceitas sem a necessidade de definição. São elas: a) Conjunto. b) Elemento. c)

Leia mais

Princípio de Análise Exercícios de Matemática

Princípio de Análise Exercícios de Matemática Princípio de Análise Exercícios de Matemática David Armando Zavaleta Villanueva Durante a elaboração deste trabalho o autor recebeu auxílio financeiro da FAPERN. Prefácio Estas notas foram escritas durante

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Prof. Ulisses Lima Parente 1 Os números irracionais Ao longo deste módulo, vimos que a representação

Leia mais

Departamento de Matemática do Instituto Superior Técnico

Departamento de Matemática do Instituto Superior Técnico Exercícios de Análise Matemática I/II Departamento de Matemática do Instituto Superior Técnico 8 de Março de 3 Índice Números Reais. Sucessões. 5 Séries 7. Séries numéricas elementares..............................

Leia mais

O verbo induzir significa gerar. Nesta aula, começaremos a ver o assunto Indução Matemática

O verbo induzir significa gerar. Nesta aula, começaremos a ver o assunto Indução Matemática Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Álgebra - Nível 2 Prof. Marcelo Mendes Aula 6 Indução - Parte I O verbo induzir significa gerar. Nesta aula, começaremos a ver o assunto Indução Matemática (ou Indução

Leia mais

A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e Máximos e Mínimos - Aula 18

A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e Máximos e Mínimos - Aula 18 A derivada da função inversa, o Teorema do Valor Médio e - Aula 18 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 10 de Abril de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita

Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita 1 Preliminares Neste curso, prioritariamente, estaremos trabalhando com números inteiros mas, quando necessário,

Leia mais

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Módulo de Equações do Segundo Grau Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Equações do o grau: Resultados Básicos. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. A equação ax + bx + c = 0, com

Leia mais

PROFMAT P1 MA

PROFMAT P1 MA PROFMAT P1 MA 11 011 Questão 1. Um pequeno barco a vela, com 7 tripulantes, deve atravessar o oceano em 4 dias. Seu suprimento de água potável permite a cada pessoa dispor de 3,5 litros de água por dia

Leia mais

Fundamentos de Análise I

Fundamentos de Análise I Universidade Federal de Minas Gerais Educação a Distância 2013 Fundamentos de Análise I Paulo Cupertino de Lima Fundamentos de Análise I Paulo Cupertino de Lima Fundamentos de Análise I Belo Horizonte

Leia mais

Bases Matemáticas Continuidade. Propriedades do Limite de Funções. Daniel Miranda

Bases Matemáticas Continuidade. Propriedades do Limite de Funções. Daniel Miranda Daniel De modo intuitivo, uma função f : A B, com A,B R é dita contínua se variações suficientemente pequenas em x resultam em variações pequenas de f(x), ou equivalentemente, se para x suficientemente

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática Exercícios de Análise I - MAT 341 Turma 1

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática Exercícios de Análise I - MAT 341 Turma 1 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática Exercícios de Análise I - MAT 34 Turma Mostre que: (a) Se α > 0, então P (b) P n= (c) P n=3 (d) P n= n=0 n (n )(n ) = 4 4n 3 (n ) n (n 3) = 3 5

Leia mais

Aula 17 Continuidade Uniforme

Aula 17 Continuidade Uniforme Continuidade Uniforme Aula 17 Continuidade Uniforme MÓDULO 2 - AULA 17 Metas da aula: Discutir o conceito de função uniformemente contínua, estabelecer o Teorema da Continuidade Uniforme e o Teorema da

Leia mais

Convergência de Séries de Números Complexos

Convergência de Séries de Números Complexos Convergência de Séries de Números Complexos META: Apresentar o conceito de convergência de séries de números complexos. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Definir convergência

Leia mais

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de :

Para simplificar a notação, também usamos denotar uma sequência usando apenas a imagem de : Sequências Uma sequência é uma função f de em, ou seja. Para todo número natural i associamos um número real por meio de uma determinada regra de formação. A sequencia pode ser denotada por: Ou, por meio

Leia mais

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Números Irracionais e Reais 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. No quadro abaixo, determine quais números são irracionais.

Leia mais

Sobre Desenvolvimentos em Séries de Potências, Séries de Taylor e Fórmula de Taylor

Sobre Desenvolvimentos em Séries de Potências, Séries de Taylor e Fórmula de Taylor Sobre Desenvolvimentos em Séries de Potências, Séries de Taylor e Fórmula de Taylor Pedro Lopes Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico o. Semestre 004/005 Estas notas constituem um material

Leia mais

CAPÍTULO I NÚMEROS REAIS

CAPÍTULO I NÚMEROS REAIS CAPÍTULO I NÚMEROS REAIS 1. Introdução Admite-se o leitor já familiarizado com as propriedades básicas do corpo ordenado e completo dos números reais, razão pela qual nos limitaremos a apresentar alguns

Leia mais

Diagonal mais curta. Como d = mx e l = nx, teríamos: l 1 = d l = mx nx = (m n)x = n 1 x. d 1 = a:d + b:l = amx + bnx = (am + bn)x = m 1 x

Diagonal mais curta. Como d = mx e l = nx, teríamos: l 1 = d l = mx nx = (m n)x = n 1 x. d 1 = a:d + b:l = amx + bnx = (am + bn)x = m 1 x Diagonal mais curta Seja P um polígono regular de lados ( > 6), d a medida da sua diagonal mais curta e l a medida do seu lado. Supondo que d e l são comensuráveis, temos d mx e l nx, onde m e n são inteiros

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Departamento de Matemática. Teorema de Jacobson. Adriana Wagner(RA: 144768) Gustavo Terra Bastos(RA: 143800)

Universidade Estadual de Campinas Departamento de Matemática. Teorema de Jacobson. Adriana Wagner(RA: 144768) Gustavo Terra Bastos(RA: 143800) Universidade Estadual de Campinas Departamento de Matemática Teorema de Jacobson Adriana Wagner(RA: 144768) Gustavo Terra Bastos(RA: 143800) Campinas - SP 2013 1 Resumo Nesta monografia apresentamos a

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA12 Matemática Discreta Avaliação - GABARITO AV 3 - MA 12 13 de julho de 2013 1. (2,0) Seja (a n ) uma progressão

Leia mais

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... }

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } Conjuntos Numéricos I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } II) Números Inteiros Z = {..., -2, -1, 0, 1, 2,... } Todo número natural é inteiro, isto é, N é um subconjunto de Z III) Números Racionais

Leia mais

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2,

AV1 - MA UMA SOLUÇÃO. d b =. 3q 2 = 2p 2, AV1 - MA 11-01 Questão 1. Prove que se a, b, c e d são números racionais tais que a + b 3 = c + d 3 então a = c e b = d. A igualdade a + b 3 = c + d 3 implica que (a c) = (d b) 3. Suponha que tenhamos

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides 1 Máximo Divisor Comum Definição 1.1 Sendo a um número inteiro, D a indicará o conjunto de seus divisores positivos,

Leia mais

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira:

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira: Aula 1 1. Ângulo entre duas retas no espaço Definição 1 O ângulo (r1, r ) entre duas retas r1 e r se define da seguinte maneira: (r1, r ) 0o se r1 e r são coincidentes, Se as retas são concorrentes, isto

Leia mais

IME º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2004 1º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 CALCULE o número natural n que torna o determinante a seguir igual a 5. Por Chio, tem-se Matemática Questão 02 Considere

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Teoria de Conjuntos Um conjunto é uma colecção de objectos/elementos/membros. (Cantor

Leia mais

Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos

Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática Infinitos, Contínuo e Escolha: Teoria dos Conjuntos Autora: Orientador: Grace Alioska Kawakubo Santana

Leia mais

Sequencias e Series. Exemplo 1: Seja tal que. Veja que os dez primeiros termos estão dados por: ,,,,...,, ou seja que temos a

Sequencias e Series. Exemplo 1: Seja tal que. Veja que os dez primeiros termos estão dados por: ,,,,...,, ou seja que temos a Sequencias e Series Autor: Dr. Cristian Novoa MAF- PUC- Go cristiancalculoii@gmail.com Este texto tem como objetivo principal, introduzir alguns conceitos de Sequencias e Series,para os cursos de Engenharia,

Leia mais

REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES

REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES REVISÃO - DESIGUALDADE, MÓDULO E FUNÇÕES Marina Vargas R. P. Gonçalves a a Departamento de Matemática, Universidade Federal do Paraná, marina.vargas@gmail.com, http:// www.estruturas.ufpr.br 1 REVISÃO

Leia mais

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57 Aula 2 p.1/57 Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE Definição e representação Aula 2 p.2/57 Aula 2 p.3/57 Função Definição: Uma função de um conjunto em um conjunto, é uma correspondência

Leia mais

O Corpo completo dos Números Reais

O Corpo completo dos Números Reais O Corpo completo dos Números Reais Márcio Nascimento da Silva 15 de janeiro de 2009 Resumo Neste trabalho definimos uma estrutura algébrica chamada corpo e a partir de fatos elementares (axiomas), deduzimos

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Curso de Matemática. Prof. André Luiz Galdino

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Curso de Matemática. Prof. André Luiz Galdino Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Curso de Matemática ANÁLISE: UMA INTRODUÇÃO Prof. André Luiz Galdino Ouvidor 2011 Sumário Introdução........................................ 1 1 Números Reais

Leia mais

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1 2.1 Domínio e Imagem 1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1 3 (e) g (x) 2x (f) g (x) = jx 1j x, se x 2

Leia mais

INEQUAÇÕES : Conceito:

INEQUAÇÕES : Conceito: INEQUAÇÕES : Conceito: Toda inequação é uma desigualdade aberta, o que significa que ela contém ao menos uma incógnita Trabalharemos a seguir com inequações de º e de º graus com uma só incógnita, e para

Leia mais

Capítulo 5. séries de potências

Capítulo 5. séries de potências Capítulo 5 Séries numéricas e séries de potências Inicia-se o capítulo com a definição de série numérica e com oção de convergência de séries numéricas, indicando-se exemplos, em particular o exemplo da

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA II 2007/2008. Cursos de EACI e EB

ANÁLISE MATEMÁTICA II 2007/2008. Cursos de EACI e EB ANÁLISE MATEMÁTICA II 2007/2008 (com Laboratórios) Cursos de EACI e EB Acetatos de Ana Matos 1ª Parte Sucessões Séries Numéricas Fórmula de Taylor Séries de Potências Série de Taylor DMAT Ana Matos - AMII0807

Leia mais

Recorrendo à nossa imaginação podemos tentar escrever números racionais de modo semelhante: 1 2 = 1 + 3 + 32 +

Recorrendo à nossa imaginação podemos tentar escrever números racionais de modo semelhante: 1 2 = 1 + 3 + 32 + 1 Introdução Comecemos esta discussão fixando um número primo p. Dado um número natural m podemos escrevê-lo, de forma única, na base p. Por exemplo, se m = 15 e p = 3 temos m = 0 + 2 3 + 3 2. Podemos

Leia mais

Matemática A Extensivo v. 5

Matemática A Extensivo v. 5 Matemática A Etensivo v. Eercícios ) D f() ( ) f(). Portanto, f() é ímpar. Demonstrar que a função f() é bijetora, isto é, injetora e sobrejetora. Pode ser um tanto "difícil". Para resolução da questão,

Leia mais

Turma Demonstre que a série dada é convergente e encontre sua soma. x n uma série de termos não-nulos. Demonstre que se n=1.

Turma Demonstre que a série dada é convergente e encontre sua soma. x n uma série de termos não-nulos. Demonstre que se n=1. Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática Exercícios de Análise I - MAT 34 Mostre que: (a) + P (b) + P n=3 (c) + P n= n(n+)(n+) = 4 4n 3 (n )n(n+3) =3 5 n+3 (n )n(n+) =65 36 (d) Se α >0,

Leia mais

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias 4 Posição relativa entre retas e círculos e distâncias Sumário 4.1 Distância de um ponto a uma reta.......... 2 4.2 Posição relativa de uma reta e um círculo no plano 4 4.3 Distância entre duas retas no

Leia mais

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis

Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites. José Natanael Reis Limites Uma teoria abordando os principais tópicos sobre a teoria dos limites Este trabalho tem como foco, uma abordagem sobre a teoria dos limites. Cujo objetivo é o método para avaliação da disciplina

Leia mais

Matemática I Capítulo 11 Função Modular

Matemática I Capítulo 11 Função Modular Nome: Nº Curso: Mecânica Integrado Disciplina: Matemática I 1 Ano Prof. Leonardo Data: / /016 Matemática I Capítulo 11 Função Modular 11.1 - Módulo O módulo, ou valor absoluto, de um número real x representado

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 9. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema de Euler. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 9. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema de Euler. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 9 O Teorema de Euler Nesta aula, obteremos uma generalização do teorema de Fermat. Definição 1. Dado n N,

Leia mais

O Princípio da Indução diz o seguinte:

O Princípio da Indução diz o seguinte: (*) +-,/. 01+$243/5246/798 : ;"=@?9A@BDC@E@? "!$#%& ' O Princípio da Indução é um eficiente instrumento para a demonstração de fatos referentes aos números naturais. Por isso deve-se adquirir prática

Leia mais

Matemática Discreta - 04

Matemática Discreta - 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Teoria espectral de operadores lineares limitados

Teoria espectral de operadores lineares limitados Capítulo 8 Teoria espectral de operadores lineares limitados A teoria espectral é um dos ramos principais da análise funcional moderna e suas aplicações. Essencialmente consiste no inverso de certos operadores,

Leia mais

Limites e Continuidade

Limites e Continuidade Limites e Continuidade Gláucio Terra glaucio@ime.usp.br Departamento de Matemática IME - USP Elementos de Lógica Matemática p. 1/1 Revisão Elementos de Lógica Matemática p. 2/1 Limite de uma Função num

Leia mais

Teoria Combinatória dos Números

Teoria Combinatória dos Números Teoria Combinatória dos Números Samuel Feitosa, Yuri Lima, Davi Nogueira 27 de fevereiro de 2004 O objetivo deste artigo é mostrar algumas propriedades dos números inteiros, que combinadas podem originar

Leia mais

Ângulos entre retas Retas e Planos Perpendiculares. Walcy Santos

Ângulos entre retas Retas e Planos Perpendiculares. Walcy Santos Ângulos entre retas Retas e Planos Perpendiculares Walcy Santos Ângulo entre duas retas A idéia do ângulo entre duas retas será adaptado do conceito que temos na Geometria Plana. Se duas retas são concorrentes

Leia mais

Aritmética. Somas de Quadrados

Aritmética. Somas de Quadrados Aritmética Somas de Quadrados Carlos Humberto Soares Júnior PROFMAT - SBM Objetivo Determinar quais números naturais são soma de dois quadrados. PROFMAT - SBM Aritmética, Somas de Quadrados slide 2/14

Leia mais

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos LIMITE DE FUNÇÕES REAIS JOSÉ ANTÔNIO G. MIRANDA versão preinar). Revisão: Limite e Funções Continuas Definição Limite de Seqüências). Dizemos que uma seqüência de números reais n convergente para um número

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 11. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema Chinês dos Restos. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 11. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema Chinês dos Restos. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 11 O Teorema Chinês dos Restos Iremos estudar um antigo teorema descoberto pelos chineses no início século

Leia mais

Recorrências - Parte I

Recorrências - Parte I Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Álgebra - Nível Prof. Marcelo Mendes Aula 4 Recorrências - Parte I Na aula anterior, vimos alguns exemplos de sequências. Em alguns deles, os termos são dados em

Leia mais