ANÁLISE DO PERFIL DE LIDERANÇA DOS ALUNOS DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS EM UMA ORGANIZAÇÃO MILITAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO PERFIL DE LIDERANÇA DOS ALUNOS DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS EM UMA ORGANIZAÇÃO MILITAR"

Transcrição

1 ANÁLISE DO PERFIL DE LIDERANÇA DOS ALUNOS DO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS EM UMA ORGANIZAÇÃO MILITAR Helen Silva Goncalves (UFPB) Ana Carolina Kruta de Araujo Bispo (UFPB) MAYARA ALVES LOPES (UFPB) Um líder eficaz trabalha com pessoas de todos os tipos, em todos os níveis da organização e em situações altamente diversas, desenvolvendo continuamente as pessoas, motivando os grupos de trabalho, monitorando e avaliando o desempenho dos iindivíduos e recompensando o esforço do desempenho eficiente e eficaz. Nesse contexto vê-se a necessidade de cada vez mais líderes habilitados para o exercício do comando, para liderar e motivar os seus subordinados para cumprirem sua missão. Visto isto, a formação profissional militar deve ir além do treinamento militar, necessitando de um preparo intelectual visando o lado humanístico para moldar o profissional. Este estudo teve o propósito principal de identificar e analisar os estilos de liderança percepcionados pelos Cadetes do Curso de Formação de Oficiais da Paraíba. A pesquisa realizada foi de natureza descritivoexploratória, tendo como instrumento de pesquisa o questionário adaptado de Bass e Avolio (1995) denominado Multifactorial Leadership Questionare, com o acréscimo de itens que mediam as dimensões autocrática e democrática e um questionário relacionado ao grau de satisfação. A partir dos resultados, verificou-se um mix do estilo transformacional, democrático e transacional. Foi percebida também uma insatisfação no que concerne as habilidades de liderança desenvolvidas no curso. Palavras-chaves: Liderança. Estilos de Liderança. Polícia Militar. CFO

2 1 Introdução As mudanças e desafios impostos pelo mundo globalizado vêm gerando transformações contínuas que impactam diretamente em todas as organizações, sejam elas públicas ou privadas. Tais mudanças requerem constantes reavaliações de algumas questões, dentre elas o papel da liderança nas organizações. Segundo Soto (2002), em busca do atendimento a essas novas exigências, compete aos líderes conhecer e poder transformar a organização dentro de uma dinâmica competitiva de esforço, adaptação, desafios e mudança constante. A liderança tem desempenhado um papel fundamental nas relações humanas e a capacidade de liderar torna-se associada ao sucesso ou fracasso das equipes e organizações. Embora a liderança seja algo que as pessoas vivenciem de alguma forma no cotidiano, o conceito varia de pessoa para pessoa, o que leva a inúmeras discussões sobre o tema (GONCALVES, 2010). No ambiente militar há normas doutrinárias que são pautadas em diversos valores, tais como lealdade, dever, hierarquia e disciplina. Esses valores são norteadores do estilo de liderança que deve ser apresentado por todos os membros da instituição, inclusive dos oficiais para com seus subordinados. Nesta ambiente a liderança tem uma distinção especial, pois é um elemento catalisador que desperta a motivação para o surgimento do espírito de corpo e que estimula o cumprimento das missões. Neste artigo teve-se como objetivo analisar o perfil de liderança dos alunos do Curso de Formação de Oficiais da Paraíba, tendo-se como base o o questionário adaptado de Bass e Avolio (1995) denominado Multifactorial Leadership Questionare, com o acréscimo de itens que mediam as dimensões autocrática e democrática, além de um questionário de variáveis sócio-demográficas e grau de satisfação. Verificou-se que a percepção dos pesquisados foi um mix do estilo transformacional, democrático e transacional, sendo este último justificado devido a natureza da instituição militar. Foi percebido também uma insatisfação no que concerne às habilidades de liderança desenvolvidas no curso. 2 Liderança e seus aspectos De acordo com Luthans (2005), ainda há controvérsia quando o assunto é liderança, não obstante toda a atenção dada ao tema. Sabe-se que existe e têm influência no desempenho humano, porém seu funcionamento e dimensões específicas não são precisamente definidos. Contudo, mais importante que ter uma definição específica de liderança, é interpretá-la em termos de enquadramento teórico e específico para perceber que a liderança faz diferença (GONCALVES & MOTA, 2011). Apesar de algumas definições específicas, a maioria depende da orientação teórica considerada. Hersey e Blanchard (2007) definem a liderança como o processo de influenciar as atividades dos indivíduos ou grupos para a consecução de um objetivo em uma situação. Para Weathersby (1999) por sua vez liderança centra-se na criação de uma visão comum, motivando as pessoas a contribuir para a visão e encorajá-los a alinhar os seus próprios interesses com os da organização. Existem várias bases teóricas distintas para a liderança. Inicialmente, a teoria da liderança implicava em alguns indivíduos que nasciam com determinadas características que lhes permitiam serem líderes (Teoria dos Traços). Insatisfeito com esta abordagem, pesquisadores mudaram a ênfase do indivíduo para o líder do grupo (Teoria do Comportamento). Depois, 2

3 além do líder e do grupo, o contexto começou a receber maior atenção da teoria da liderança (Teoria Situacional). Esta abordagem situacional vem abrindo espaço também para uma nova perspectiva chamada teoria ou escola neocarismática. Os estudos sobre liderança têm na liderança transformacional um novo paradigma (GONCALVES & MOTA, 2011). Na tabela 1 pode-se visualizar a evolução dessas teorias. Teorias Foco Aspectos da liderança Características Teoria dos traços de liderança Montana e Charnov (2003) Teoria da abordagem comportamental Luthans (2005) Teoria da abordagem contingencial ou situacional Kouzes e Posner (2007); Hersey e Blanchard (2007) Teorias neocarismáticas ou visionárias Robbins (2005); Muller e Turner (2005) Escola da Inteligência emocional Muller e Turner (2005) Escola da Competência Dulewicz e Higgs (2005) Enfatiza de forma especial as qualidades pessoais do líder; determinadas características de personalidades Enfatiza que a liderança pode ser aprendida por meio de técnicas de desenvolvimento pessoal Visualiza como realmente a liderança flui, deixando de lado os comportamentos dos líderes, surgindo a figura dos seguidores e seus anseios em relação ao estilo de liderança adotado. Enfatizam o simbolismo, o apelo emocional e o compromisso dos liderados. Estes atribuem ao líder capacidades heroicas e comportamentos diferenciados. Inteligência emocional tem um impacto maior no desempenho do que no intelecto. Diferentes combinações de competências podem levar a diferentes estilos de liderança, adequados em circunstâncias diferentes. Fonte: Adaptado de Gonçalves & Mota, 2011 Tabela 1: Evolução das principais Teorias de liderança 2.1 Liderança Transacional e Transformacional Avalia os fatores físicos; Avalia as habilidades; Avalia aspectos de personalidade. Liderança autocrática- uma orientação intensa à produção, as atividades do líder estão ligadas a coisas; Estilo democrático- uma orientação aos funcionários, envolvendo pessoas; Estilo liberal- o líder delegar totalmente as decisões ao grupo. Há distinção prévia entre a orientação às tarefas e aos empregados e assinala que o estilo de liderança mais apropriado depende da situação geral. Critérios: Líderes-A autoridade formal e personalidades; Seguidores-com suas expectativas e interesses; Situação-com suas relevâncias e emergências. Dois tipos de líderes: aqueles que se concentram em seus relacionamentos e comunicar valores; e aqueles que se concentram no processo. São chamados de líderes transformacionais e transacionais respectivamente. Esta escola assume todos os gerentes têm um razoável nível de inteligência. O que diferencia os seus dirigentes não é inteligência, mas a sua resposta emocional a situações. Líderes eficazes apresentam certas competências, incluindo características, comportamentos e estilos; Emoções, processo, intelecto. A dificuldade para o entendimento da liderança é que, por ser baseada na genética, ela não assume que as características são aprendidas. Proporcionou uma percepção verdadeira das origens e eficácia da liderança, mas sua procura pelo melhor estilo de liderança é um ponto fraco. A abordagem situacional torna-se atraente por considerar tais critérios. Porém, o exercício da liderança exige, também, uma constante busca de autoconhecimento e de autodesenvolvimento de um líder. A liderança carismática nem sempre é necessários para se atingir altos níveis de desempenho. Inteligência emocional do gerente afeta a sua percepção de sucesso. Diferentes perfis de competência são melhores em situações diferentes, produzindo líderes transacionais em situações de baixa complexidade, e transformacionais em situações de alta complexidade. O líder transacional é aquele que possibilita transações gratificantes tanto para ele, quanto para sua equipe em determinado contexto organizacional. Esse líder orienta ou motiva seus seguidores em direção a metas estabelecidas, esclarecendo requisitos dos papéis e das tarefas, caracterizando-se pelo interesse da troca, ou seja, oferecendo recompensas tanto materiais quanto reforço positivo ou recompensas subjetivas (ROBBINS, 2005). O foco do líder transformacional está no processo de desenvolvimento de pessoas, ou seja, os líderes inspiram os seguidores a transcender seus interesses próprios em benefício da organização, exercendo sobre eles um efeito profundo e extraordinário (ROBBINS, 2005). O autor afirma ainda que para se entender melhor a liderança transformacional pode-se 3

4 compará-la com a liderança de destaque. Na tabela 2 pode-se visualizar essas diferenças entre os tipos de lideres. Líder transacional Recompensa contingente: negocia, troca de recompensa por esforço, promete recompensa por bom desempenho, reconhece realizações. Administração por exceção (ativa): observa e procura desvios das regras e padrões, toma medidas corretivas. Administração por exceção (passiva): apenas intervém quando os padrões não são cumpridos. Laissez-faire: abdica-se de responsabilidades, evita tomar decisões. Fonte: Bass (apud ROBBINS, 2005, p. 397) Líder transformacional Carisma: apresenta visão e sentido de missão, instila orgulho, obtém respeito e confiança. Inspiração: comunica expectativas elevadas, utiliza símbolos para concentrar esforços, expressa objetivos importantes de maneira simples. Estimulo intelectual: promove a racionalidade, a inteligência e a solução cuidadosa de problemas. Consideração individualizada: dedica a atenção pessoal, trata cada funcionário individualmente, orienta tecnicamente, aconselha. Tabela 2: Características dos Líderes Transacionais e Transformacionais 2.2 Estilos de liderança Segundo Chiavenato (1993, p. 149), estilo de liderança é o padrão recorrente de comportamento exibido pelo líder. O Estado Maior do Exército Brasileiro - EMEB, (BRASIL, 1991) define estilos de liderança como sendo a forma que o líder utiliza para estabelecer a direção, aperfeiçoar planos e ordens e motivar seus homens para o cumprimento da missão. Alem estilos de liderança transacional e transformacional, para este estudo é importante abordar sobre estilos comportamentais autocrático e democrático (KOUZES & POSNER, 2007). Autocrática: também conhecida como liderança autoritária ou liderança voltada para as tarefas. Sua principal característica é a de que o líder é quem toma as decisões e impõe as ordens aos subordinados, sem querer explicá-las ou justificá-las. Democrática: também conhecida como liderança participativa ou liderança voltada para as pessoas. O trabalho é apresentado aos subordinados, e o assunto é debatido entre os mesmos, que fazem sugestão. Este estilo conduz sentimentos de participação, satisfação, envolvimento pessoal, entre outras características. Conforme Chiavenato (1993), o líder deve utilizar os três estilos de acordo com a situação, com as pessoas e com a tarefa a ser executada. E a principal problemática da liderança é saber quando aplicar cada estilo, com quem e dentro de que circunstâncias e tarefas desenvolvidas. 2.3 Liderança militar A definição de liderança militar para o Exército Brasileiro (EB) é a capacidade de influenciar o comportamento humano e conduzir pessoas ao cumprimento do dever (BRASIL, 1991, p. 6,), ou seja, da missão organizacional. Nas definições mais atuais, constata-se uma preocupação que busca um compromisso mais amplo com o aperfeiçoamento continuo da organização, indo além dos limites imediatos da missão (CASTRO, 2009; SILVA et al. 2006). As organizações tipicamente militares são sustentadas por duas colunas mestras: Hierarquia e Disciplina. São princípios filosóficos e ideológicos, de valor inquestionável, protegidos por toda a espécie de legislação e regulamentação. 4

5 Segundo o Estado Maior do Exército Brasileiro (BRASIL, 1991) e Videira (2002), outros conceitos relevantes devem ser citados para melhor se entender o assunto abordado, especificamente voltado para o meio militar, são os seguintes: Chefia Militar (Chefe Militar) - Exercício profissional de um cargo militar, consubstanciando o comando (autoridade legal), a administração (gestão de coisas e pessoas) e a liderança (condução de seres humanos). Comando (Comandante) - Componente da chefia militar que traduz, em essência, a autoridade da qual o militar está investido legalmente no exercício de um cargo. Administração (Administrador) - Componente da chefia militar que traduz, em essência, as ações que o militar executa para gerir pessoal, material, patrimônio e finanças, inerentes ao exercício do cargo que ocupar. Liderança (Líder) - Componente da chefia militar que diz respeito ao domínio afetivo do comportamento dos subordinados compreendendo todos os aspectos relacionados com valores, atitudes, interesses e emoções que permitem ao militar, no exercício de um cargo, conduzir seus liderados ao cumprimento das missões e à conquista dos objetivos determinados. É relevante considerar que todos esses conceitos são originados de estudos e manuais voltados para o Exército Brasileiro. Contudo, é importante salientar que a Polícia Militar é uma Força Auxiliar e reserva do Exército Brasileiro, e integra assim o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social do Brasil. 2.4 Níveis de Liderança Militar A liderança militar pode ser dimensionada em três níveis, que especificam as diferentes ações, necessárias para lidar com a crescente complexidade à medida que os níveis atingem seus pontos mais elevados (BRASIL, 1991; SILVA et al. 2006; VIDEIRA, 2002). Liderança Direta ou de primeira linha: é aquela em que a comunicação entre subordinados e líder acontece face a face. Aplica-se, particularmente, a grupos de combate, seções, pelotões e companhias. O líder mantém contato constante e direto com seus homens. Liderança Organizacional: ocorre de forma indireta, por meio da cadeia de comando. É realizada mais comumente nos escalões brigada e superiores, onde a influência dos comandantes é muito mais ampla quando operam por intermédio de seus estadosmaiores, em função de ser praticamente impossível conhecer pessoalmente e falar com todos os integrantes das unidades. Liderança Estratégica: ocorre nos mais altos níveis, tanto no contexto institucional do Estado quanto em contextos operacionais. É fundamental que o líder nesse nível tenha uma visão do futuro, com a finalidade de traçar metas estratégicas. O EMEB afirma que é possível estruturar o perfil do líder militar segundo três pilares que são: o caráter, a competência profissional e a maneira como ambos se manifestam pelo comportamento, ou seja, o que o líder deve ser, o que o líder deve saber e o que o líder deve fazer, respectivamente. 5

6 3 Procedimentos metodológicos A pesquisa realizada se caracteriza como descritiva, com a finalidade de identificar e caracterizar o perfil de liderança existente no Curso de Formação de Oficiais, e se estes se encontravam de acordo com os pilares desenvolvidos pelo EMEB, e exploratória, com o objetivo de corroborar para o melhor entendimento e o aprimoramento das questões de liderança na instituição militar. Esta pesquisa foi um estudo de caso, com o propósito de analisar o perfil dos Cadetes do Curso de Formação com maior profundidade e detalhamento, baseado nas correntes teóricas e no contexto real da instituição, com base em seus pilares. Os instrumentos da pesquisa utilizados para a coleta de dados foram: o questionário e a observação assistemática. O instrumento foi aplicado no momento definido pela instituição, de acordo com as possibilidades e regras cedidas pela mesma. Apesar de ser uma instituição militar o preenchimento do questionário foi voluntário, sendo distribuídos 45 questionários (de um universo de 232 alunos do curso), contudo obteve-se o retorno de 42 questionários devolvidos e válidos, perfazendo um total de 93,3% de aproveitamento. A aplicação dividida em três partes: a primeira etapa trata de identificar o perfil sócio-demográfico da amostra; a segunda etapa foi à utilização do MLQ (Mutifactor Leadership Questionare ) adaptado de Bass e Avolio (1995), com 45 itens, juntamente com algumas afirmações relacionadas aos estilos de liderança autocrático e democrático; e a terceira etapa foram afirmações relacionadas ao grau de satisfação da amostra analisada com a liderança no curso. As dimensões de liderança foram medidas através de uma escala do tipo Likert de quatro pontos. O questionário foi dividido em onze categorias e os cinco tipos de liderança, conforme tabela 3, sendo que nove categorias têm como base a literatura desenvolvida por Bass e Avolio (1995) e duas baseiam-se na literatura dos demais autores abordados. Fonte: As autoras (2011) Tipos de Liderança Liderança Transformacional Liderança Transacional Liderança Laissez-Faire Liderança Autocrática Liderança Democrática Tabela 3: Estilos de Liderança e Categorias em Análise do Questionário Categorias Atributos de influência idealizada IIA Comportamentos de influência idealizada IIB Motivação inspiracional - IM Estimulação intelectual - IS Consideração individual - IC Recompensa contigente - CR Gestão por excepção (ativa) - MBEA Gestão por excepção (passiva) - MBEP Laissez-faire LF Autoritária Democrática O estudo foi caracterizado como sendo quali-quantitativo, devido ao método, técnica e aos instrumentos de pesquisa utilizados. Por ser uma pesquisa quantitativa, os dados coletados foram analisados estatisticamente, a partir de análises descritivas, utilizando os softwares do Excel e SPSS para Windows versão 16. Com relação à abordagem qualitativa, os dados foram tratados de forma interpretativa, buscando identificar o conjunto de atitudes e comportamentos visando um melhor esclarecimento sobre a abordagem do fato na instituição, isso ocorreu durante toda a interpretação dos dados quantitativos obtidos e especialmente quando se trabalhou com a observação assistemática. 6

7 4 Análise e discussão dos dados Quanto ao Perfil socio-demografico, os resultados da pesquisa são apresentados na tabela 4. Gênero Distribuição quanto a Idade Estado Civil Nível de Escolaridade Já era militar Quanto à graduação Feminino - 12% 21 a 25 anos - 48% Solteiros - Curso superior Sim 45% Soldado - 63% 67% incompleto - 71% Masculino - 88% 26 a 30 anos - 26%, Casados - 29% Curso superior Não 55% Sargento - 21% completo - 17% - Outros 26% Outros 4% Outros 12% - Outros -27% Fonte: As autoras (2011) Tabela 4: Perfil socio-demografico O maior numero de homens ocorre, principalmente, em virtude da pouca disponibilidade de vagas para mulheres nas forças militares, sendo muitas vezes correspondente a apenas 10% das vagas disponibilizadas. Há uma maior concentração entre os 21 e 25 anos, ate porque a idade máxima estipulada pelo edital é de 30 anos, em que os candidatos devem completá-la no ano da matricula no curso, podendo assim concluí-lo com idade superior a máxima permitida. A maior parte dos alunos é formada por solteiros, pois este curso requer disponibilidade de tempo de forma integral, tendo o aluno muitas vezes que abdicar de familiares e amigos em determinados períodos, visto as atribuições que lhes são impostas, além da busca pela independência financeira por muitos jovens. O percentual de respondentes que já eram militares quando ingressaram no CFO foi de 45%, e desses percebeu-se que 63% eram de soldado e 21% de sargentos. Tal situação evidencia que os respondentes já passaram e ainda passam pelas duas situações, de serem subordinado e de comandar subordinados, ou seja, sendo líder e liderado, 4.1 Análise das assertivas dos estilos de liderança São apresentados agora os itens de liderança divididos nas categorias já apresentadas, conforme medida mais expressiva dada pela amostra. Tipos de Liderança Liderança Transformacional Liderança Transacional Liderança Laissez-Faire Categorias Muitas vezes usam Sempre usam Raramente usam Media Desvio padrão IIA 40% 31% 4% 3,24 0,85 IIB 66% 26% 6% 3,45 0,67 IM 40% 43% 1% 3,29 0,92 IS 58% 28% - 3,24 0,62 IC 81% - 4% 3,64 0,53 CR - 66% 7% 3,50 0,63 GMBEA 40% 14% 2% 2,35 0,77 MBEP 7% 11% 63% 1,83 0,96 LF 7% - 84% 1,14 0,90 Liderança Autocrática Autoritária 7% - 73% 1,48 0,77 Liderança Democrática Democrática - 86% 1% 3,64 0,66 Fonte: as autoras (2011). Tabela 5 resumo dos itens de liderança Transformacional 7

8 40% dos Cadetes referiram que usam muitas vezes os atributos de influência idealizada (atributos) no desempenho de suas atividades, enfatizando a importância de existir uma missão a ser seguida. Quanto ao IM, a frequência da utilização desta característica específica nos mostra que 83% dos respondentes a utilizam com assiduidade, evidenciando assim, a capacidade motivacional em que o grupo pesquisado se encontra. O IS evidencia a procura de novas estratégias para a solução de problemas, fazendo com que não só o líder como também seus seguidores se adaptem as novas situações. Todas as categorias têm média acima de 3,0, o que significa que são desempenhadas muitas vezes, mostrando a preocupação dos líderes com sua equipe. Liderança Transacional Os líderes recompensam seus subordinados com a satisfação quando os objetivos são alcançados. Na gestão por exceção, o líder se apega em monitorar como as tarefas estão sendo executadas, atendo-se aos erros de forma e exercer uma ação corretiva imediatamente. Os pilares bases em que cercam as organizações militares favorecem esta situação Liderança Laissez-Faire Nesta categoria, os líderes que possuem esta característica demonstraram de certa forma, um receio nas mudanças de suas ações. O atributo laissez-faire identifica a atuação do líder como um figurante apenas. O resultado mostra que a demora de respostas para questões urgentes, pode vir a prejudicar de forma comprometedora a execução das missões impostas ao grupo. Liderança Autocrática Este é um dado interessante, pois corrobora com as afirmações feitas por Lima e Oliveira (2000), que asseveram que a instituição militar é tida como uma instituição autoritária em virtude de toda a histórica relação entre polícia, Estado e sociedade. Liderança Democrática A partir deste resultado pode-se analisar que os respondentes atribuem um alto grau a comunicação dentro do grupo. E isto facilita o desenvolvimento das missões, fazendo com que as atitudes sejam mais transparentes, promovendo igualdade entre os subordinados e flexibilização nos processos decisórios. 4.2 Grau de satisfação da amostra com a liderança do curso No que tange os assuntos abordados pelo curso, que envolvem o tema liderança no decorrer dos três anos de sua formação, foram elaboradas quatro perguntas sobre o tema, e os respondentes utilizaram uma escala tipo Likert de 1 a 4, onde 1 significava insatisfatória e 4 altamente satisfatória, para expressarem sua opinião. O resultado pode ser visto na figura 1. 8

9 Fonte: as autoras (2011). Figura 2 Distribuição quanto ao Grau de Satisfação Pode-se inferir que os futuros Aspirantes da PMPB estão insatisfeitos com relação à abordagem tanto prática quanto teórica dos assuntos inerentes as atividades de liderança desenvolvidas ao longo do curso de formação, perfazendo um total de 67% de insatisfação. esses resultados podem estar relacionados com a pouca participação de disciplinas, no currículo do curso, que de algum modo contemplem assuntos análogos à liderança. E mesmo as que apresentam o referido assunto, estes são desenvolvidos de maneira rápida, com pouco aprofundamento do mesmo (POLÍCIA MILITAR, 2009). 5 Conclusões De acordo com o resultado da análise das assertivas dos estilos de liderança, observa-se que na percepção dos cadetes do 3º ano CFO-PM o estilo de liderança transformacional e democrático são os predominantes. Isso significa que de modo geral os alunos percebem-se semelhantes aos seus pares e adotam comportamentos de liderança diretivos. Assim sendo, os comportamentos como estimulação das pessoas, valorização dos ideais e valores comuns, envolvimento com a missão da organização, sentimento de maior competência e a renuncia de interesses pessoais quando necessário, são as principais características do grupo pesquisado. Constata-se também que o estilo de liderança menos utilizado é o estilo autocrático e laissezfaire, o que esta em sintonia com a teoria de Bass e Avolio (1995), na qual o perfil caracterizado por baixas frequências de laissez-faire é tido como ótimo. No que concerne a liderança transacional, a sua alta frequência pode estar relacionada com as regras, regulamentos, procedimentos e hierarquia, que servem de pilares para o comportamento na Instituição Militar. E juntamente com a liderança transformacional e democrática podem fornecer um vinculo maior entre comandantes e comandados. Contudo, há insatisfação em relação aos conhecimentos práticos e a prática das ações de liderança propriamente dita. Tais práticas são pouco desenvolvidas no decorrer do curso, contudo este desenvolvimento esta associado a prática dessas ações na operacionalidade, ou seja na atividade fim da organização que é promover o bem estar da sociedade. Diante todo o exposto pode-se averiguar o quão importante é o desenvolvimento da liderança e de líderes 9

10 capacitados para o exercício do comando. Devendo-se trabalhar não só o desenvolvimento da liderança de maneira específica, mas também as características desejáveis e não-desejáveis de seus líderes, ao invés de tentar desenvolve-las de uma forma geral. Referencias SOTO, E. Comportamento Organizacional. São Paulo: Thomson, GONCALVES, H. MOTA, C. M. de M. Liderança situacional em gestão de projetos: uma revisão da literatura. Produção, v. 21, n. 3, p , jul./set BASS, B. M., AVOLIO, B. J.. MLQ: Multifactor Leadership Questionnaire (2nd ed.). Redwood City, CA: Mind Garden, LUTHANS, F. Organizational behavior. 10 th edition. McGraw-Hill series in management HERSEY, P.; BLANCHARD, K. Management of organizational behavior. 5th ed. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, WEATHERSBY, G. B. Leadership vs. management, in: Management Review, vol. 88, p.5, ROBBINS, S. Organisational Behaviour: Concepts, Controversies and Applications. 11th ed. New Jersey: Prentice Hall, KOUZES, J.M.; POSNER, B.Z. the leadership challenge, 4 th ed. Wiley-VCH Verlag GmbH, CHIAVENATO, I. Decorrências da teoria das relações humanas: Liderança. IN: Introdução à teoria geral da administração. 4.ed. São Paulo: Makron Books, CASTRO, P. C. de. A preparação de líderes militares no Exercito Brasileiro. Revista Military Review. Brasil. v.89, n.6, p , Novembro-Dezembro, Disponível em: 1_art012POR.pdf. Acesso em: 02 abr BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, Art. 42, Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%c3%a7ao.htm>. Acesso em: 20 mai LIMA, E. C. B. de. Chefia e liderança: Curso Especial de Formação de Sargentos do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: CBMERJ, POLÍCIA MILITAR do Estado da Paraíba. Currículo do Curso de Formações de Oficiais PM. Paraíba: Centro de Educação, Diretoria de Ensino, ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudo de caso.2.ed. São Paulo: Altas, VIDEIRA, C. M. T. da S. Liderança Militar: revisão, compilação, adaptação e sistematização do General Belchior Vieira. [S.I]: Academia Militar, Estado - maior do Exército, Cap. 1, 4 e 5, p. 9-13; SILVA, T. C. et.al. Liderança Transformacional, a nova tendência. Revista de Villegagnon. [Rio de Janeiro]. v.1, n.1, p ,

Aula 5. Teorias sobre Liderança

Aula 5. Teorias sobre Liderança Aula 5 Teorias sobre Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br O que é Liderança Capacidade de influenciar um grupo em direção ao alcance dos objetivos. Desafios para o líder: desenvolvimento

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão.

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. Liderança Objetivo Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. 2 Introdução O que significa ser líder? Todo gestor é um líder? E o contrário? Liderança

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER?

LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER? LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER? AILA MORAIS V. DE CARVALHO ALAN CÁSSIO G. EVERTON BENFICA DOS SANTOS MARAISA DE LIMA BARCELOS SHÁDYA AMÁBILLE RAMOS LOPES FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS - AEMS

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP Por que projetos falham? Gestão Moderna (anos 90 em diante):

Leia mais

Características da liderança. Estilos de liderança LIDERANÇA. Líder e liderança O LÍDER EFICAZ. Conceito de liderança

Características da liderança. Estilos de liderança LIDERANÇA. Líder e liderança O LÍDER EFICAZ. Conceito de liderança Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 04 e liderança Conceito de liderança Segundo Robbins,

Leia mais

Direção. Liderança. O que é Liderança? Liderança - definições. Liderança. Três componentes do processo da liderança:

Direção. Liderança. O que é Liderança? Liderança - definições. Liderança. Três componentes do processo da liderança: O Processo Administrativo O que é? Direção Um processo social; Trata sobre a influência de alguém sobre o comportamento dos outros; Lider influência Seguidor Texo base: MAXIMIANO, ACA Introdução à administração

Leia mais

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida)

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) Liderança é inata? Abordagem Genética - Antigamente acreditava-se que o indivíduo nascia com características, aptidões e valores próprios de um líder. Na moderna

Leia mais

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler LIDERANÇA Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Conceito de liderança Primeiras teorias Abordagens contemporâneas Desafios à liderança Gênero

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH

FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH Liderança Roberto Carvalho robertjc@uol.com.br Ambientes Turbulentos & Competitivos 10/30/2009 1 Passado Pensamentos mecanicistas! Você não é pago para questionar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

judgment EM PERSPECTIVA:

judgment EM PERSPECTIVA: EM PERSPECTIVA: judgment As teorias de liderança geralmente estão baseadas em características individuais, como o carisma, influência, ética, entre outras, mas um determinante central da performance de

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE UNIPAC DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua Tiradentes, nº. 66 Centro Uberlândia/MG - Telefax: (34) 3291-2100

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

Psicossociologia do Trabalho

Psicossociologia do Trabalho Psicossociologia do Trabalho 159 000 000 pnoriega@fmh.utl.pt 1 pnoriega@fmh.utl.pt 2 pnoriega@fmh.utl.pt 3 Liderança Introdução - Liderança, natureza e necessidade Teorias dos traços de liderança Teoria

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS

12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS 12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS Vários estudos foram feitos no sentido de se isolar fatores situacionais que afetam a eficácia da liderança, tais como: a) grau de estruturação da tarefa que

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Liderança e Comunicação Professor: Roberto César Liderança O líder nasce líder ou aprende a ser líder? Liderar é conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas a

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Discutir liderança feminina em pleno século

Discutir liderança feminina em pleno século Liderança feminina Discutir liderança feminina em pleno século XXI parece ultrapassado, mas apenas agora as mulheres começam a ser reconhecidas como líderes eficazes. Somente neste século o reconhecimento

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Índice. A importância da comunicação nas relações interpessoais MÓDULO 1 NOTA INTRODUTÓRIA 17 COMO UTILIZAR ESTA OBRA 19

Índice. A importância da comunicação nas relações interpessoais MÓDULO 1 NOTA INTRODUTÓRIA 17 COMO UTILIZAR ESTA OBRA 19 Índice NOTA INTRODUTÓRIA 17 COMO UTILIZAR ESTA OBRA 19 MÓDULO 1 A importância da comunicação nas relações interpessoais FINALIDADES 22 PRÉ-TESTE 23 Objetivo 1. Identificar a importância do estudo da comunicação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA Publicado em 12/10/2015 LIDERANÇA A liderança é um fenômeno que ocorre exclusivamente em grupos sociais. Ela é definida como uma influência interpessoal exercida em dada situação

Leia mais

Liderança. Profª Karina Gomes Lourenço

Liderança. Profª Karina Gomes Lourenço Liderança Profª Karina Gomes Lourenço 1.Conceito : Arte ou processo de influenciar pessoas de maneira a que se esforcem espontaneamente para o alcance dos objetivos do grupo. Processo pelo qual pessoas

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

FEAUSP-RP 20 DE AGOSTO DE 2015

FEAUSP-RP 20 DE AGOSTO DE 2015 FEAUSP-RP 20 DE AGOSTO DE 2015 Profa. Dra. Ana Cristina Limongi-França Professora Titular da Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuárias Departamento de Administração

Leia mais

ABORDAGENS BÁSICAS SOBRE LIDERANÇA

ABORDAGENS BÁSICAS SOBRE LIDERANÇA ABORDAGENS BÁSICAS SOBRE LIDERANÇA Ref. Básica: ROBBINS, Stephen P. Comportamento Organizacional. 11. ed. SãoPaulo: Pearson PrenticeHall, 2005. ( Cap. 11 ) Prof. Germano G. Reis germanoglufkereis@yahoo.com.br

Leia mais

GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO

GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA REITORIA DE PÓS P S GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PÓS P S GRADUAÇÃO GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas AULA 3 Administração de Recursos Humanos O papel do gestor

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

LIDERANÇA, COACHING E MENTORING

LIDERANÇA, COACHING E MENTORING , COACHING E MENTORING SEMINÁRIO APRESENTADO NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS E SERVIÇOS. DISCIPLINA: GESTÃO DE PESSOAS Profa.Dra. Margareth Bianchini Diferenças entre Gerente e Líder GERENTE

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Unidade II COMPETÊNCIA DE LIDERANÇA. Prof. José Benedito Regina

Unidade II COMPETÊNCIA DE LIDERANÇA. Prof. José Benedito Regina Unidade II COMPETÊNCIA DE LIDERANÇA Prof. José Benedito Regina 1.5 - Abordagens sobre liderança As teorias sobre liderança sofreram influências de suas épocas, mudaram e se desenvolveram até chegar ao

Leia mais

É habilidade de influenciar pessoas para trabalharem visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum.

É habilidade de influenciar pessoas para trabalharem visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum. Bem-Vindos! É habilidade de influenciar pessoas para trabalharem visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum. Fonte: O Monge e o Executivo, James C. Hunter. ... é uma noção

Leia mais

LIDERANÇA. "Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha." (Provérbio Árabe)

LIDERANÇA. Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha. (Provérbio Árabe) LIDERANÇA "O grande líder é aquele que está disposto a desenvolver as pessoas até o ponto em que elas eventualmente o ultrapassem em seu conhecimento e habilidade." Fred A. Manske "Um exército de ovelhas

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial Conexão Gerencial é um programa modular de Desenvolvimento Gerencial cujos principais objetivos são: Promover um choque de cultura e competência gerencial e tornar mais efetivo o papel dos Gestores. Alinhar

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

O sucesso na Interaçao com o Conselho

O sucesso na Interaçao com o Conselho 24-09-2013 14:45 O sucesso na Interaçao com o Conselho Jose Francisco Moraes QAIP Team Leader IIA Brasil ESTOU PREPARADO PARA: SER PROMOVIDO? Promovido = dar publicidade a uma imagem pessoal desejada Foco

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA Tipos de Liderança Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA LIDERANÇA é o processo de influenciar outros de modo a conseguir que eles façam o que o líder quer que seja feito, ou ainda, a capacidade para influenciar

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais