Saúde da Nova Geração Caso de Estudo de RSC HPP Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Saúde da Nova Geração Caso de Estudo de RSC HPP Saúde"

Transcrição

1 Saúde da Nova Geração Caso de Estudo de RSC HPP Saúde Porto, 16 de Setembro de 2010

2 Agenda A presente apresentação tem em vista: A Apresentar o Grupo HPP Saúde e o seu Contexto Organizacional Quem somos, o que fazemos, e para onde vamos. Porque é importante para nós a RSC B Modelo de Concepção e Implementação da Estratégia de RSC Analisar as prioridades definidas, o impacto no posicionamento da marca, as prioridades de actuação e os recursos a alocar C Análise de Projectos Apresentados e Principais Lições Apresentação de alguns projectos implementados e discussão de vantagens e inconvenientes das estratégias definidas

3 Breve Apresentação do Grupo Hoje somos uma empresa de referência no sector da saúde em Portugal Actua de forma inovadora, oferece um serviço diferenciado de qualidade, desenvolve uma rede privada de prestação de cuidados de saúde; Única Rede em Portugal com implantação e cobertura a nível nacional; Presença distintiva nos segmentos de cuidados de saúde primários, hospitalares e continuados e em meios complementares de diagnóstico e terapêutica; sob uma marca única: HPP Saúde. Zona Norte: Hospital da Boavista HPP MM (a) Carlton Life Boavista Hospital de Viseu * Hospital da Misericórdia Sangalhos Zona Centro: Hospital dos Lusíadas Hospital de Cascais - PPP (a) Carlton Life Lusíadas * (a) Carlton Life Alameda * Postos Galp Postos Évora Zona Sul: Hospital Santa Maria de Faro Novo Hospital de Faro * Hospital São Gonçalo de Lagos Clínica do Infante * Em Projecto/Construção. (a) Em parceria com o Grupo Pestana

4 Breve Apresentação do Grupo Estrutura Accionista e Societária (100% detido pelo Estado Português) Área dos Seguros 100% Caixa Seguros e Saúde SGPS, SA Outras Participações 100% 100% 100% 100% 100% 35% HPP Boavista HPP Lusíadas HPP Algarve HPP Cascais Carlton Life 40% HPP M.Molecular Hospital da Boavista Hospital dos Lusíadas Hospital Santa Maria Faro Hospital de Cascais Carlton Life Boavista Hospital Misericórdia Sangalhos Postos Galp Hospital São Gonçalo Lagos Postos Évora Clínica do Infante Detida a 100% pela Caixa Seguros e Saúde SGPS, SA, holding do grupo financeiro do Estado, a CGD

5 Breve Apresentação do Grupo 11 Anos de Conquistas e Novos Desafios < 60 M M Iniciar exploração de 3 novas unidades. Expansão e consolidação > 200 M Dimensão Considerável Consolidação e Maturidade Ciclo irrepetível no Sector da Saúde abertura e gestão de 3 novas unidades entre 2008 e M Criação HPP Saúde Clérigos + Boavista M Faro + HPO + Construção Lagos + Sangalhos Dimensão reduzida Construção HL + HB Negociação PPP Cascais Forte concorrência no sector Forte Investimento 1- Criação 2 - Lançamento 3 - Crescimento 4 - Consolidação 5 - Maturidade

6 A Responsabilidade Social O Contexto Se o mundo fosse uma aldeia de 100 pessoas 80 viveriam em condições desumanas 70 seriam analfabetas 50 estariam desnutridas 1 teria educação universitária 1 teria computador 6 possuiriam 60% da riqueza 57 seriam asiáticos 21 seriam europeias 14 americanas 8 africanas 30 seriam brancas 70 seriam não brancas.

7 A Responsabilidade Social A definição A Responsabilidade Social Empresarial é o compromisso que uma empresa assume para contribuir para o desenvolvimento económico sustentável através de colaboração com os seus empregados, com as suas famílias, com a comunidade local e a sociedade com o objectivo de melhorar a qualidade de vida. World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) Integração voluntária, por parte das empresas, das preocupações sociais e do meio ambiente nas suas operações comerciais e nas relações com os seus interlocutores. Livro Verde da Comissão Europeia

8 A Responsabilidade Social O porquê Os investidores prestam uma atenção crescente às práticas de SER. A RSE de uma empresa é um bom indicador da qualidade da gestão e governos corporativos (Mc Kinsey, 2001; Deloitte e Touch, 2002). Cerca de 15% do dinheiro investido em fundos nos EUA segue algum critério social ou ambiental (Social Investment Forum, 2002). Os consumidores exigem reputação em RSE e produtos elaborados com processos sustentáveis. A quota de consumo ético no Reino Unido cresceu 15% entre 1999 e 2001, comparado com um crescimento total do mercado de 2,8% no mesmo período (NEF, 2001). As empresas líderes em sustentabilidade converteram a gestão das suas cadeias de aprovisionamento num elemento estratégico da gestão empresarial. Está a ser incrementado o nível de exigência às empresas que participam em cadeias de aprovisionamento globais. Os reguladores começam a criar marcos legislativos que incentivam a RSE As empresas francesas cotadas estão obrigadas por lei a incorporar informação social e ambiental nos seus relatórios ambientais. A sociedade civil exerce um crescente escrutínio sobre as actividades das empresas. As novas tecnologias de informação facilitam o rápido intercâmbio de informação aumentado a exposição das empresas face a opinião pública.

9 2. Envolvimento Social das Empresas > a. Contexto Qualificação da Responsabilidade Social Nível de compromisso de responsabilidade social Estratégias RSE (Core, Engagement, Partenership & Finance) Fundações e actividades de RSE integradas Relatório Anual de Sustentabilidade e/ou Certificação SA 8000 Política de Responsabilidade Social dispersa Exemplos de actuação nacional dos 4 níveis de compromisso de responsabilidade social 9

10 Ambiente interno Ambiente externo 2. Objectivos da Reunião Modelo holístico de estratégia Terra dos corporativa Sonhos Ambiente de Mercado Estatégia (negócio) de Mercado Fora do Ambiente de Mercado Drivers de Gestão Estratégica Vantagem competitiva Criação Valor no Mercado Performance Financeira Recursos da Empresa Valores da Empresa Estratégia (social) Fora do Mercado Criação Valor Social Performance Social Drivers de Governação Corporativa 10

11 2. Objectivos da Reunião Activos fora do mercado e profissionalização de Soluções (das empresas para as associações sociais) Que ACTIVOS fazem com que os actores prevalecam nesta arena? Reputação Acesso a decision-makers Conhecimento dos processos decisão Redes, contactos e aliados Informação crítica (financiamentos) O dinheiro interno muitas vezes ajuda, mas nem sempre Os recursos e capacidades profissionais dos principais promotores e agentes de mudança criam um forte impacto na sociedade 11

12 As razões da Responsabilidade Social na HPP Saúde Empresa Comunicação Interna Liderança Motivação Comunicação Integrada Colaboradores Cliente Experiência do Cliente (infra-estruturas, comunicação, processos, interacção)

13 As razões da Responsabilidade Social na HPP Saúde 1 Dinamização de uma Identidade e Cultura Organizacional Forte Identificar e agilizar os processos de comunicação interna como alavanca estratégica para a mudança organizacional e para o incremento do negócio. 3 Fidelização e Satisfação do Cliente 2 Reforço do Posicionamento e Notoriedade da Marca HPP Saúde Identificar e analisar as prioridades de negócio, o posicionamento da marca, as prioridades de comunicação e os recursos a alocar Assegurar o cumprimento das expectativas criadas e criação de mecanismos que permitam conhecer de forma individual os clientes e formatar ofertas com uma percepção de valor acrescentado.

14 2. Envolvimento Social das Empresas > a. Contexto As razões Responsabilidade Social na HPP Saúde A nível interno Programa de RSE estruturado e executado de uma forma integrada e que promova a coesão do grupo Caixa Promoção da responsabilidade profissional e humanização dos colaboradores Promover sinergias com as competências de gestão Envolver os colaboradores com a empresa promovendo o Amor à camisola - company pride e teamspirit Valorização das grandes realizações do grupo Promover o give back to society Criar condições Intercâmbio de boas práticas entre os diferentes hospitais Optimizar o funcionamento de todos os serviços e áreas de actuação dos hospitais Adoptar das melhores práticas nacionais e internacionais Mitigar as externalidades negativas Reforçar e profissionalizar a actuação filantrópica Actuar em sectores estratégicos da economia Aumentar a facturação do negócio com RSE A nível Local e Global Optimizar a comunicação dos bons resultados do grupo interna e externamente Criar parcerias e alianças estratégicas que dinamizem projectos sustentáveis e de maior impacto Obter resultados e reconhecimento social por parte dos beneficiários dos projectos Apoiar as organizações sociais a cumprir e a melhorar os seus objectivos Oportunidade para criar sinergias de forma a obter maior comunicação e exposição mediática Envolver clientes e fornecedores em projectos sociais alavancando mais financiamentos e ampliando o impacto social License to operate e criação de boa vontade entre pessoas e instituições Influência política Dimensão Credibilidade Propomos que a HPP Saúde reforce o posicionamento estratégico da responsabilidade empresarial para um maior retorno económico e social 14

15 Detalhe da Metodologia pelas Fases do Projecto - I Actividades Principais tarefas desenvolvidas Preparar e Prever Scope da Intervenção Prever o Futuro Acordo do plano de Trabalho Levantamento dos objectivos e âmbito do plano estratégico entre os seus promotores (entrevistas) Formular e elaborar considerações sobre o presente e futuro das necessidades reais e impactos desejados Informações externas no ambito do presente e futuro Situar e Descobrir Análise Interna Análise de Mercado Recolher informação do historial das actividades de RSE Articular com as estratégias prévias e correntes do negócio inter-departamentos Identificar as tendências que irão influenciar as actividades de apoio às comunidades e as necessidades dos destinatários finais Análise de potenciais parceiros sociais e outros que podem envolver as actividades de apoio Avaliação qualitativa dos modelos de gestão alternativos Identificação por tipologia das principais fontes de financiamento Benchmarking e Best Practices Análise das características dos modelos de gestão dos principais intervenientes internacionais, com actuações semelhantes Levantamento Best practices de projectos Nacionais e Internacionais 15

16 Detalhe da Metodologia pelas Fases do Projecto - II Actividades Principais tarefas desenvolvidas Brainstorming Criativo Workshops para geração de ideias retiradas das actividades anteriores (através de novas perspectivas para novas oportunidades) Criar e Escolher Cenários Estratégicas Determinar os critérios estratégicos do core a nível da do modelo englobando as geografias, tipo de necessidades servidas, competências a serem criadas Determinar os cenários estratégicas combinando as dimensões que vão ser analizadas e avaliadas Escolha Estratégica Fundir os cenários estratégicas com a visão de forma a preparar o plano estratégico 16

17 Detalhe da Metodologia pelas Fases do Projecto - III Actividades Principais tarefas desenvolvidas Desenhar Programa Geral Definição da Missão, Visão, ambições, príncipios core e valores Descrição dos objectivos estratégicos gerais, específicos, e resultados esperados dos programas e projectos Actividades primárias da cadeia de valor Modelos de avaliação e controlo Modelo de sustentabilidade futura 17

18 Ambição da Responsabilidade Social HPP Ser a referência europeia na área das Parcerias Sociais e I&D para o sector da Saúde Moderar e agregar conhecimento, recursos e parceiros de forma a promovere o acesso da aos mais fragilizados e a melhoria da qualidade de vida da sociedade através da Educação para a Saúde Responsabilidade Social HPP Ser uma instituição de referência no combate aos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio ONU* * XXXXXsustentabilidade 18

19 Vantagem Estratégica Abordagem Diferenciada Com base em parcerias e mediações para levar à consistência e força da marca Adopção de boas práticas e inovação para chegar mais longe Atitude Inclusiva Começar pelos que estão mais perto, o que implica tratar e fortalecer os laços internos Substituir a competição por cooperação, tanto internamente como com as relações exteriores Ambição Global Não ter medo e ter vontade de estar, lado a lado, com os melhores do mundo Custa tanto fazer grande como pequeno 19

20 Uma responsabilidade social profissionalizada com base nos princípios da empresa VISÃO MISSÃO Um mundo com qualidade de vida onde todas as gerações tem acesso à saúde Criar parcerias sustentáveis que promovam e melhorem a qualidade de vida e envolvimento das pessoas através da Educação para a Saúde e melhoria do acesso à saúde aos mais fragilizados PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE SOCIAL DA HPP SAÚDE Saúde pela Positiva Proximidade e acção directa com o beneficiário Profissionalismo e excelência Ambição Global e agir local Integrar na estratégia do grupo Assente em parcerias estratégicas Com lugar para todos Transparência total e abertura à partilha Soluções sustentáveis e integradas Agregador de parceiros, de conhecimento e disseminador

21 Valores e Atitudes da RS da HPP Saúde VALORES DA RESPONSABILIDADE SOCIAL DA HPP SAÚDE Paixão pelas Pessoas Partilha Valores Compromisso Espírito de Equipa ATITUDES DA RESPONSABILIDADE SOCIAL DA HPP SAÚDE Força de Vontade Empenho Cooperação Proactividade Inovação Concretização Saúde pela positiva

22 População-Alvo Beneficiários Colaboradores Grupos de Risco (doenças civilizacionais) Beneficiários Deficientes Crianças, Jovens e Mães 22

23 1. O que é, porquê, para quem e o desafio População-Alvo Destinatários Finais Beneficiários locais (Grupos de Risco, Crianças Jovens e Mães e Deficientes), Instituições Sociais e Sociedade Portuguesa Portugal Cabo Verde Timor Guiné- Bissau São Tomé e Príncipe Angola Moçambique Colaboradores das Unidades de Saúde Beneficiários locais (Grupos de Risco, Crianças Jovens e Mães e Deficientes), Instituições Sociais e Sociedade Mundial 23

24 1. O que é, porquê, para quem e o desafio Áreas de Actuação Tipo de Saúde Implementação de projectos de tratamento médico onde já existe diagnóstico estabelecido Curativa Tipo de Saúde Ser HPP Preventiva Implementação de projectos de responsabilidade social interna Implementação de projectos de prevenção de saúde

25 1. O que é, porquê, para quem e o desafio Áreas de Actuação Aplicação dos projectos Projectos que são comuns ao grupo com intervenção diferenciada ao nível de cada hospital ou localidade inserida Locais e Transversais Aplicação dos Projectos Tranversais Projectos que são comuns ao grupo

26 1. O que é, porquê, para quem e o desafio Áreas de Actuação Tipo de Intervenção Projectos de Produção e difusão de conhecimento técnico e transferência de tecnologia. Criação e promoção de parcerias para a realização de projectos nacionais e internacionais de I&D Projectos de participação em acções concretas, continuadas e enquadradas, sem remuneração, permitindo aprofundar as referências e valores de cada colaborador a nível de apoio local e global I&D Voluntariado Criação e promoção de projectos e outras actividades para intervenção social, apoio ao desenvolvimento, voluntariado e I&D Envolvimento Social Interno Tipo de Intervenção Incubação Projectos de utilização e criação de valor dos recursos da empresa de forma a motivar e inspirar os colaboradores para uma maior humanização e responsabilidade profissional e social Apoio ao Desenvolvimento Intervenção Social Projectos de apoio às comunidades socialmente fragilizadas, num contexto de desequilíbrio da repartição dos recursos e oportunidades nos Países em Vias de Desenvolvimento Projectos de intervenção local e nacional através da proposta de soluções integradas e de uma rede de parcerias sólida, de forma a melhorar as condições de vida das comunidades mais fragilizadas

27 Incubadora de Responsabilidade Social e I&D Modelo Estratégico Health Social Lab Health Social Lab Ser HPP Preventiva Curativa

28 O Futuro Projectos, combinação e oportunidades Envolvimento Social Interno LOCAL I&D Apoio ao Desenvolvimento INTERNA GLOBAL Tipo de Intervenção Health Social Lab Health Social Lab Voluntariado Colaboradores Incubação Intervenção Social Locais e Transversais Curativa Grupos de Risco (doenças civilizacionais) Beneficários Deficientes I&D Projectos Aplicação dos Projectos Tipo de Saúde Crianças, Jovens e Mães Responsabilidade Social Ser HPP Preventiva Tranversais Projectos 28

29 Responsabilidade Social HPP integrada Projectos, combinação e oportunidades SOCIAL INTERNO Criação do Guia de Acolhimento e Manual do Colaborador Guia e Manual de Boas Práticas com vista ao bem-estar e satisfação dos colaboradores e utentes HPP. SOCIAL EXTERNO Projecto Vasco, o Descobridor Projecto de Decoração das alas de Pediatria e Educação para a Saúde junto das escolas. Campanha Nacional Coração de Confiança Campanha de Sensibilização e Prevenção de doenças cardiovasculares. Campanha Nacional Mundo Rosa Campanha de Sensibilização e Prevenção do Cancro da mama. Embaixadores Saúde Nova Geração Projecto de Prevenção e Sensibilização para a Saúde, assim como de apoio a populações carenciadas. Projecto de Apoio a comunidades carenciadas da CPLP Doação de material hospitalar para o projecto Coração na Guine e de apoio ao voluntariado em São Tomé e Príncipe. AMBIENTE Projecto Ice Care Serviço Médico Oficial do projecto, que tem como objectivo sensibilizar a população para alguns dos problemas ambientais mais graves do mundo, através de expedições aos picos glaciares do planeta. MERCADO Política de Qualidade O Grupo HPP Saúde desenvolveu na sua organização uma equipa que actua no âmbito da eficiência operacional e na certificação da qualidade do serviço prestado à população.

30 O Presente Inicio da implementação das novas campanhas Saúde da Nova Geração projecto integrado de responsabilidade social que nasce da ideia de lançar um forte alerta a toda a sociedade em relação à prevenção em saúde. Projecto ICECARE: a defesa do ambiente e a promoção de comportamentos orientados para a sustentabilidade e a preservação dos recursos naturais. Vasco Vai à Escola: Com o seu ar simpático, feliz e aventureiro, o Vasco promove hábitos alimentares saudáveis e serve de modelo para as crianças, sobretudo os mais novos. A nossa intervenção pretende marcar a diferença na sociedade e revela uma vontade de alertar para o problema da obesidade infantil, já considerado pela Organização Mundial de Saúde como um flagelo global. + Notoriedade e Reputação da Marca = FORTALECER O NOSSO ADN

31 Aspectos fundamentais para a sustentabilidade 8 7 Envolvimento de Parceiros e potenciais financiadores Engenharia Criativa Financeira Implementação em parceria 9 6 Envolvimento da Gestão de topo Avaliação 10 Sustentabilidade da RS 5 Força de vontade HPP Saúde Exposição dos Resultados 11 Compromisso Análise de Necessidades 1 4 Motivação Interna Pipeline de iniciativas

32 02 Programa Integrado de Saúde Materno Infantil Parceiros Cadeia de Valor dos Parceiros Principais Tipo de Parceiros Financiadores (não parceiros) Governos e Organizações Locais Clientes e Fornecedores Parceiros Sociais e Parceiros técnicos HPP Saúde CAIXA GERAL

33 Financiamento Modelo de Financiamento Benefícios Concentração do esforço de investimento para um maior PARCERIAS E MARKETING impacto social Redução dos custos e maximização do investimento financeiro HPP Responsab. Social Enfoque em torno de projectos comuns Envolvimento dos colaboradores nos projectos de uma forma contínua, integrada e sustentável com apoio de I&D de parceiros tecnológicos e de investigação FINANCIAMENTO Sinergias de comunicação institucional com outros parceiros sociais e outras organizações parceiras ou financiadores Aumento do conhecimento dos beneficiários, parceiros locais e financiadores

34 Financiamento Fontes de Financiamento Necessidades Resultados Desenvolvimento de Parcerias A Subsídios Inovação e Gestão de conhecimento B Prestação de Serviços Marketing e Comunicação C Patrocínios D Donativos

35 Equipa Passar Acção Motor Mudança Base Essencial Disseminação e Campeões Mudança Steering Comitee Comprometido Entrevistas com Principais Stakeolders Patrocínio da Gestão de Topo

36 Equipa

37 2. Objectivos da Reunião Exemplos das 130 ideias criadas de projectos Steering Comitee As ideias foram avaliadas por 6 pessoas (de 1 a 4) Administração, DRH, DMC, Compras e Logística, Qualidade 130 ideias geradas para projectos Facilitador Externo e Consultores Foram escolhidas só as ideias com um resultado superior a 3,5 em 4 27 ideias 37

38 2. 2. Criar Objectivos e Escolher da Reunião 27 ideias foram aglomeradas em cluster de informação Agrupamento das ideias de projecto em 3 clusters temáticos 27 ideias de projectos com muito boa avaliação (superior a 3,5 em 4) Responsabilidade Social I&D 38

39 Estrutura Organizacional Organograma e Escalonamento Administrador HPP SGPS Coordenação das operações Estratégia da HSL SAF/controlo HPP SGPS Contabilidade, Legal, Recursos Humanos, etc Logística (transporte e distruibuição de materiais Comunicação HPP Marketing Estratégia de Comunicação e Marketing (doadores, parceiros, stakeholders, etc) Gestão Organizacional 2 1 Health Social Lab HPP Genius Um a dois representantes da HPP SGPS e de cada Hospital e outros especialistas convidados Identificação dos motores de projectos sociais e investigadores de I&D Parcerias e Fund Raising Criação da Rede de Parceiros e Estratégia Gestão de Parceiros Identificação de financiamentos e doadores Estratégia de Financiamento e de relação com doadores Health Social Lab (HSL) Health Social Lab Gestão Identificação de necessidades Dinamização, promoção e coordenação dos HPP Genius Gestão com parceiros sociais e técnicos Desenho dos projectos e solução em colaboração Responsável pela implementação das parceria Identifcação dos recursos (humanos, materiais e financeiros) e logística Desenvolver e implementar os projectos Envolvimento com parceiros sociais e beneficiários Dinamização de voluntários internos aa HPP Saúde e outros 2 Centro de Conhecimento Social e I&D Recolher e disseminar conhecimento Agregar e catalogar necessidades e soluções disponíveis Promover a investigação e a formação entre colaboradores e parceiros técnicos e sociais 1 2 Health Social Lab Prioritário, base permanente Secundário, pessoal para aumentar ou outsorcing

40 Parcerias em inclusão Todos somos necessários e começa agora Ideias Recursos Melhores práticas Outras soluções Complementar e fazer sinergias Metodologias/Tecnologias Fazer escalagem dos projectos Projecto: Identificacar necessidades e recursos humanos, financiamento, logística, transporte, etc Conhecimento local das organizações e das comunidades Ajudar no envolvimento das pessoas ao projecto Contactos Promover Com outras instituições interessadas Identificar as pessoas chave (regional e local).. Das parcerias estimular e promover os projectos Passar os projectos e aplicar em outros locais..

41 Obrigado a todos.

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis 10ª Semana da Responsabilidade Social Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis Enquadramento geral No mundo de hoje todas as sociedades têm ambições

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL 3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL João de Sá Nogueira Administrador / Director Executivo Fundação Infantil Ronald McDonald joao.sanogueira@pt.mcd.com

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ONU - ACÇÃO RSE E OS DIREITOS HUMANOS Lisboa, 13 de NOVEMBRO 2012 ESTRATÉGIA DA UE PARA A RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ODETE SEVERINO UE: Responsabilidade Social das Empresas 2002 COM - RSE: um

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável

Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública,

Leia mais

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social -

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social - - Um caso de sucesso de empreendedorismo social - 9 de Junho de 009 . O empreendedorismo social 0 O empreendedorismo social O que resultaria da fusão do sentido criativo e empreendedor de Richard Branson

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Plano de Ação 2016 GRACE

Plano de Ação 2016 GRACE Plano de Ação 2016 GRACE Mensagem da Direção É tempo de preparar mais um ano de intensa atividade do GRACE, procurando consolidar o capital de experiência e partilha acumulado e alargar novas perspetivas

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

POLÍTICA SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA SUSTENTABILIDADE POLÍTICA SUSTENTABILIDADE A EMPRESA Áreas de negócio A Chamartin Imobiliária é uma empresa com mais de 60 anos no mercado imobiliário e que actua na promoção e exploração de três áreas de negócio: 451.408

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

MODELO EUROPEU DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS SOCIAIS EQUASS ASSURANCE. Qualidade nos Serviços Sociais

MODELO EUROPEU DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS SOCIAIS EQUASS ASSURANCE. Qualidade nos Serviços Sociais MODELO EUROPEU DE QUALIDADE NOS SERVIÇOS SOCIAIS EQUASS ASSURANCE Qualidade nos Serviços Sociais 2 Iniciativa da EPR - European Platform for Rehabilitation, Certificação da qualidade ao nível dos serviços

Leia mais

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável.

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. GREEN PROJECT AWARDS BRASIL Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. CANDIDATURAS 201 INSCRIÇÕES NO PRIMEIRO ANO INSCRIÇÕES FEITAS

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

Certificação das Entidades de Acção Social. Soluções e Desafios. rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro. Orador: www.apcer.pt.

Certificação das Entidades de Acção Social. Soluções e Desafios. rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro. Orador: www.apcer.pt. Certificação das Entidades de Acção Social Soluções e Desafios rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro www.apcer.pt AGENDA 0. Apresentação da actividade da APCER 1. Actuais exigências e necessidades

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

Inovação e Responsabilidade Social

Inovação e Responsabilidade Social Inovação e Responsabilidade Social Moçambique CONTACTOS: Manuela Costa manuela.costa@sdo-mocambique.com (+258) 82 671 51 31 Margarida Ferreira dos Santos Margarida.ferreirasantos@sdo-mocambique.com 1 (+258)

Leia mais

A ISO 26000 e a sua relação com os referenciais certificáveis. Os 7 temas fundamentais da ISO 26000 vertente Ambiente - A experiência da EGEO

A ISO 26000 e a sua relação com os referenciais certificáveis. Os 7 temas fundamentais da ISO 26000 vertente Ambiente - A experiência da EGEO A ISO 26000 e a sua relação com os referenciais certificáveis Os 7 temas fundamentais da ISO 26000 vertente Ambiente - A experiência da EGEO Ana Maria Lopes CONTEÚDO EGEO SIG- nas empresas da EGEO social

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

WePeopleValueYourPeople

WePeopleValueYourPeople WePeopleValueYourPeople e info@peoplevalue.com.pt w www.peoplevalue.com.pt Actualizado em 2010Jan14 quem somos? Somos a consultora sua parceira focada nas Pessoas e na sua valorização. Através da especialização

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas.

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas. PLANO ESTRATÉGICO INTEGRADO DE ENSINO TÉCNICO, PROFISSIONAL E EMPREGO CONTEXTO: O Governo de Cabo Verde (CV) começou a trabalhar ao longo desta última legislatura na integração dos sectores da formação

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

APRESENTAÇÃO ACCENDO

APRESENTAÇÃO ACCENDO APRESENTAÇÃO ACCENDO "A Accendo é uma empresa que funciona com uma rede de parceiros e associados, vocacionada para o desempenho de todas as actividades ligadas à formação profissional essencialmente a

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável

Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável Juliana Rehfeld Gerente Desenvolvimento Sustentável Anglo American Brasil BH, 24 de setembro de 2009 0 Visão Macro da Anglo American Sustentabilidade - Negócio,

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

Programa Região de Aveiro Empreendedora. Filipe Teles Pró-reitor

Programa Região de Aveiro Empreendedora. Filipe Teles Pró-reitor Programa Região de Aveiro Empreendedora Filipe Teles Pró-reitor 30 de junho de 2015 EIDT 2020: uma estratégia para a Região VISÃO Uma Região inclusiva, empreendedora e sustentável, que reconhece no seu

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Apoio à Inovação no sector agro-alimentar

Apoio à Inovação no sector agro-alimentar Apoio à Inovação no sector agro-alimentar O Cluster A colaboração entre empresas/entidades: Inovação 1 Posicionamento do Cluster INTERNACIONALIZAÇÃO INOVAÇÃO Invest. & Desenv. Ao Serviço das EMPRESAS COMPETIVIDADE

Leia mais

O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP

O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP PORTO VIVO, SRU SEMINÁRIO ALFÂNDEGA DO PORTO 4 E 5 DE DEZEMBRO DE 2009 Pressuposto O impacto

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Instituto de Ciências Sociais Universidade do Minho 1. Missão Gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Sociais e áreas afins, assente na liberdade de pensamento,

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE ADVID Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense Cluster dos vinhos da Região do Douro 16 de NOVEMBRO DIA DA INOVAÇÃO, UTAD O QUE É INOVAÇÃO? *Uma inovação é a implementação de um produto

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders João José Fernandes director geral executivo jjfernandes@oikos.pt Lisboa, 24 Junho 2008 oikos desafio

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação. 06 de Março de 2010 Hotel Fátima. Orador: Local e Data:

Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação. 06 de Março de 2010 Hotel Fátima. Orador: Local e Data: Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação 06 de Março de 2010 Hotel Fátima AGENDA I. Enquadramento da actividade da APCER II. III. Modelos de Avaliação da Qualidade das Respostas Sociais

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas. José Carlos Caldeira. 28 Fev 2008. Director jcc@inescporto.pt

LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas. José Carlos Caldeira. 28 Fev 2008. Director jcc@inescporto.pt 28 Fev 2008 LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Portugal T +351 222 094 000 F +351 222 094 000 www@inescporto.pt www.inescporto.pt José

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais