ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO"

Transcrição

1 ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO Angélica Weschenfelder Martim Bianco 1 Prof Orientador: Osvaldo Donizete Siqueira RESUMO A verificação das condições dos atletas durante o treinamento é uma prática comum no desporto. Essa verificação geralmente é baseada em testes específicos e que mostram as adaptações de cada atleta de acordo com as suas respectivas posições. Assim, este estudo teve como objetivo analisar desempenho das atletas de handebol feminino universitário, comparando-as por suas posições de jogo, em dois testes de campo: Força rápida de membros inferiores (salto sêxtuplo alternado) de acordo com Souza e Gomes (2006), e o teste de força explosiva de membros superiores com medicineball de 2 kg, conforme Projeto Esporte Brasil (PROESP-BR) (2009). Foram estudadas 19 jogadoras de handebol, na faixa etária de 17 a 28 anos, massa corporal média de 65,58 ± 12,0kg (45,4 a 101,4kg), e estatura média de 1,63 ± 0,06m (1,51 a 1,73 m), filiados à equipe da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) do município de Canoas RS, que realizaram os testes durante o treinamento. Para análise dos dados foi realizado estatístico comparando as diferentes posições onde foi possível concluir que cada posição apresenta uma característica física diferente da outra. As centrais apresentaram a maior média de força rápida de membros inferiores, que foi de 11,87 m, e o segundo menor valor de desvio padrão, de 0,59 m, o que indica que as atletas desta posição possuem esta característica física mais desenvolvida do que as outras na média. Já as armadoras possuem a melhor média no arremesso de medicineball, que foi de 419,40 cm, o que indica que as atletas desta posição possuem esta característica física mais desenvolvida do que as outras na média. PALAVRAS-CHAVE: Handebol, feminino, força rápida, força explosiva. INTRODUÇÃO 1 Universidade Luterana do Brasil. Canoas/RS

2 O handebol é um esporte que tem como característica a realização de esforços físicos de curta duração e alta intensidade, enfatizando as capacidades motoras de força e velocidade, em especial as forças rápida e explosiva. Böhme (2003) considera a aptidão física e a condição física, assim como os aspectos técnicos e táticos, como sendo uma condição pessoal direta e interna do desempenho esportivo, pois é possível avaliá-la de forma objetiva. A aptidão física pode ser trabalhada de acordo com o objetivo dos envolvidos (treinador e atletas). As variáveis determinantes para o desempenho físico em atletas de alto rendimento de desportos intermitentes, assim como o handebol, dependem da produção de energia, principalmente, do sistema anaeróbio e da capacidade de utilização de energia dos músculos é o que afirmam Astrand (1980) e Wilmore (2001). Rannou (2001) e Eleno (2002), concluíram em seu trabalho que handebol necessita um alto desenvolvimento da potência anaeróbia, pois interferem no desempenho das capacidades de força e velocidade. Ainda abordando o mesmo assunto é possível citar Verkhoshanski (1995) o qual conclui que o aumento da velocidade de deslocamento, garantido pela elevação do potencial energético do atleta, pode ser conseguido, de maneira eficaz, somente através dos meios de preparação física especial. Na teoria do treinamento, a força é entendida como pressuposto para o rendimento que permite superar ou se opor a uma resistência. Ao referir-se ao movimento esportivo, pode-se distinguir a força interna (produzida pelos músculos, ligamentos e tendões) e a força externa (que age externamente ao corpo humano, por exemplo: a gravidade, o atrito, a resistência do ar, a oposição exercida por um adversário, ou um peso que se queira levantar). A terminologia esportiva diferencia principalmente a capacidade de força máxima, a capacidade de força rápida e a capacidade de resistência de força. A capacidade de força rápida (potência, velocidade de força ou força explosiva) consiste em superar uma resistência externa ao movimento com elevada rapidez de contração. (BARBANTI, 2001). O treinamento da força pode ser geral ou específico. Treinamento geral quando se usam formas de movimento diversas daquelas típicas de jogo ou atividade física, servindo para reforçar os setores musculares que não são suficientemente solicitados no treinamento especial. Este tipo de treinamento deve compor a base para suportar as cargas de treinamento especial. Barela (1998) destaca o desenvolvimento da força básica nos goleiros como alicerce das outras manifestações desse requisito, sendo que esta deve ser desenvolvida de forma ótima e não máxima. Como treinamento de força

3 específico, entende-se os exercícios que permitem a imitação completa ou parcial das formas de movimentos realizados em competição e jogo, o importante neste tipo de treinamento é que se controle a coordenação dos movimentos, em outras palavras, a estrutura técnica do movimento não deve ser perturbada pela sobrecarga. Este tipo de treinamento só deve ser realizado quando houver bom domínio da técnica (BARBANTI, 2001). O objetivo deste estudo é analisar o desempenho das atletas de handebol feminino universitário, comparando-as por suas posições de jogo, em dois testes de campo: O salto sêxtuplo alternado e o teste de força explosiva de membros superiores com medicineball. CARACTERIZAÇÃO DO ESTUDO O estudo caracteriza-se como uma pesquisa descritiva. METODOLOGIA Amostra Foram estudadas 19 jogadoras de handebol, na faixa etária de 17 a 28 anos, massa corporal média de 65,58 ± 12,0kg (45,4 a 101,4kg), e estatura média de 1,63 ± 0,06m (1,51 a 1,73 m), filiados à equipe da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) na cidade de Canoas (RS). As atletas foram separadas por posições: Goleiras (n=3), Extremas (n=5), Pivôs (n=3), Armadoras (n=5), Centrais (n=3). No teste de força explosiva de membros superiores duas atletas não participaram por motivos de lesão. Materiais e Métodos Utilizados Teste de força explosiva de membros superiores (arremesso do medicineball) Procedimento: A atleta arremessou a bola (2 kg) seguindo as descrições do PROESP-BR (2009), ou seja, o aluno senta-se com os joelhos estendidos, as pernas unidas e as costas completamente apoiadas à parede. Segura a medicineball junto ao peito com os cotovelos flexionados. Ao sinal do avaliador o avaliado devera lançar a bola a maior distancia possível, mantendo as costas apoiadas na parede conforme figura xx. A distancia do arremesso será registrada a partir do ponto zero ate o local em que a bola tocou ao solo pela primeira vez. Uma trena foi fixada no solo perpendicularmente a

4 parede. O ponto zero da trena e fixado junto à parede. Cada atleta teve duas tentativas, prevalecendo apenas o maior resultado. Materiais Utilizados: Uma trena e um medicineball de 2 kg (ou saco de areia com 2 kg) Anotação: A medida será registrada em centímetros com uma casa decimal. Exemplo: 547,5 centímetros. Figura 2. Teste do Arremesso de Medicineball. Teste de força rápida de membros inferiores (Salto Sêxtuplo) Procedimento: De acordo com as descrições de Souza e Gomes (2006), o salto sêxtuplo consiste em o indivíduo executar seis saltos alternados consecutivos, na tentativa de atingir a maior distância possível em metros. Cada atleta teve duas tentativas, prevalecendo o maior resultado. Materiais Utilizados: Uma trena. Anotação: A medida será registrada em metros. Exemplo: 11,22 metros. ESTATISTICA Os resultados foram analisados através da estatística descritiva (média, desvio padrão, mínima e máxima) das variáveis força explosiva e força rápida, utilizando o programa estatístico Microsoft Office Excel 2003 (sistema operacional Windows XP). RESULTADOS E DISCUSSÃO Quadro 1: Idade, estatura e massa corporal da população. Variáveis Média ± DP Idade (anos) 20,79 ± 3,21 Estatura (m) 1,63 ± 0,06 Massa corporal (kg) 65,58 ± 12,0

5 Os dados descritivos da amostra estão representados no Quadro 1. Foram realizadas medidas antropométricas de massa corporal (kg), estatura (m) além da idade. Pode-se verificar que a idade média da população foi de 20,79 anos (dp ± 3,21) o que indica uma diferença de idade considerável entre as atletas. Já a estatura, onde a média foi de 1,63 m, o desvio padrão de 0,06 indica uma maior homogeneidade de altura entre a população. Nos resultados de medição de massa corporal o desvio padrão de 12 kg representa 18% do valor da massa corporal média que foi de 65,58 kg, o que indica uma variação relativamente grande, ainda mais levando em conta a baixa variabilidade na estatura das atletas. Quadro 2: Idade, estatura e massa corporal de cada posição. Variáveis Posições Nº Massa corporal Média ± DP (kg) Idade Média ± DP (anos) Estatura Média ± DP (m) Goleiras 3 68,43 ± 5,44 19,33 ± 1,53 1,67 ± 0,05 Extremas 5 54,72 ± 7,40 20 ± 2,12 1,58 ± 0,06 Pivôs 3 66,73 ± 4,63 21,67 ± 5,51 1,65 ± 0,06 Armadoras 5 75,16 ± 16,91 21,4 ± 2,51 1,67 ± 0,06 Centrais 3 63,73 ± 4,53 21,67 ± 5,51 1,61 ± 0,03 Total 19 65,58 20,79 1,63 No quadro 2 representa os dados das medidas antropométricas de massa corporal (kg), estatura (m) e idade (anos) das atletas de acordo com sua posição de jogo. Com relação a massa corporal nota-se que as armadoras são as que possuem maior valor de média, que é de 75,16 kg, porém apresentou desvio padrão alto, o que nos indica uma grande diferença entre as atletas desta posição. O menor valor de massa corporal média foi das extremas (54,72 kg), da mesma maneira de que as armadoras, o desvio padrão entre as atletas desta posição foi alto, o segundo atrás apenas das armadoras, também indicando variação na população. A maior média de idade foi obtida tanto para as centrais quanto para as pivôs e foi de 21,67 anos. Tendo ambas as categorias registrado também o mesmo valor de desvio padrão de 5,51 anos (também é o maior desvio padrão), dado o tamanho reduzido da amostra (3 pessoas) conclui-se que as idades são idênticas para ambas as posições. Já a menor média, que foi de 19,33 anos, está com as goleiras, as quais apresentam também o menor desvio padrão dentre as outras posições. Seguindo na analise dos dados é possível verificar que a média da estatura das goleiras, que é de 1,67 m, é a maior comparando com as outras posições. As extremas

6 que possuem média de 1,58 m e é a menor em relação às outras, ou seja, de acordo com a amostra observada as extremas são as atletas que tem a menor estatura dentro da equipe. Quadro 3: Valores de média, desvio padrão, mínima e máxima do salto sêxtuplo. Teste de força rápida de membros inferiores (Salto sêxtuplo alternado) Posições Nº. de atletas Média (m) Desvio Padrão (m) Mínima (m) Máxima (m) Goleiras 3 10,81 0,43 10,44 11,29 Extremas 5 11,72 1,12 10,70 13,04 Pivôs 3 10,54 0,73 9,70 11,05 Armadoras 5 11,17 0,72 10,46 12,21 Centrais 3 11,87 0,59 11,22 12,36 Total 19 11,27 0,87 9,70 13,04 O quadro 3 apresenta o resultado das medições do teste de força rápida (salto sêxtuplo alternado). Estão descritos valores de média e desvio padrão, bem como os valores mínimos e máximos para cada posição. As centrais apresentaram a maior média de força rápida de membros inferiores e o segundo menor valor de desvio padrão o que indica que as atletas desta posição possuem esta característica física mais desenvolvida do que as outras na média. Analisando o quadro pode-se verificar também que o resultado elevado de média para as extremas foi fortemente influenciado pelo valor obtido por uma das atletas. Esta mesma analise também serve para explicar o baixo rendimento das pivôs neste quesito, ou seja, o valor desvio padrão de 0,73 m é relativamente alto dada uma população de apenas três pessoas. Os resultados obtidos por Souza (2006) com atletas profissionais da elite do handebol masculino brasileiro, foram superiores ao obtido neste estudo, para o teste de força rápida de membros inferiores (salto sêxtuplo alternado). No período da prétemporada o resultado dos profissionais foi de 16,5 m de média e ± 1,2 m de desvio padrão. A diferença também se deve ao fato de que a comparação foi realizada para populações de diferentes sexos, além de ser entre atletas profissionais e amadores. No Estudo de Pasquarelli (2010) com jogadores de futebol, da categoria sub-20, no teste de salto sêxtuplo simultâneo os resultados encontrados foram superiores ao presente estudo. Os dados obtidos foram de 14,01 m de média e 0,91 m o desvio padrão. Esta média alta, comparando com este estudo, se deve ao fato que foram amostras e esportes diferentes.

7 Quadro 4: Valores de média, desvio padrão, mínima e máxima do Arremesso medicineball. Teste força explosiva de membros superiores (Medicineball) Posições Nº. de atletas Média (cm) Desvio Padrão (cm) Mínima (cm) Máxima (cm) Goleiras 2 326,50 103, Extremas 4 349,5 44, Pivôs 3 352,0 26, Armadoras 5 419,40 38, Centrais 3 347,67 37, Total , Os dados de força explosiva de membros superiores estão descritos no quadro 4. Estão representados os valores de média, desvio padrão, mínimo e máximo de cada posição. As armadoras possuem a melhor média no arremesso de medicineball, o que indica que as atletas desta posição possuem esta característica física mais desenvolvida do que as outras na média. Observando os valores de máxima e mínima das armadoras, verifica-se que o maior valor obtido também está com as atletas desta posição, o que é mais um dado que nos direciona a afirmar que as jogadoras desta posição são as mais fortes. Analisando o quadro pode-se verificar que as pivôs possuem o segundo melhor valor de média, que é de 352 cm, e possuem o menor valor de desvio padrão (26,15 cm), o que indica uniformidade entre elas. Já a menor média está com as goleiras que obtiveram 326,5 cm, porém um altíssimo desvio padrão comparado com as outras, o que pode ser explicado, entre outras coisas, pela população reduzida (duas atletas). No trabalho de Oliveira (2009) com atletas do handebol feminino, da categoria sub-21, no teste de força de membros superiores (arremesso de medicineball), os resultados obtidos de média 8,97 m ± 0,35m, no período de treinamento, e média de 9,06 m ± 0,56 m, no período de destreinamento, foram superiores aos encontrados no presente estudo. Este fato se deve ao procedimento do teste ser realizado de maneira diferente ao presente estudo, onde se utilizou apenas uma das mãos onde o cotovelo inicia-se na linha ou superior ao ombro, e permitido a rotação do tronco. CONCLUSÃO Voltando-se para o objetivo deste estudo, que é analisar e comparar o desempenho das atletas de handebol feminino universitário, entre suas posições de jogo, é possível concluir que as armadoras são as atletas que possuem a maior força explosiva

8 de membros superiores. E as que apresentam maior força rápida de membros inferiores são as centrais. Estas conclusões foram tomadas de acordo com os quadros apresentados no decorrer do estudo. Entretanto, são necessários estudos complementares, que auxiliem de forma intangível a determinação das correlações entre as posições dos jogadores de handebol, e as suas características de força explosiva de membros superiores e força rápida de membros inferiores.

9 REFERÊNCIAS ASTRAND P. O., RODAHL K. Tratado de fisiologia do exercício. Rio de Janeiro: Ed. Interamericana, BARBANTI, V.; Treinamento físico: bases científicas. 3ªed. Balieiro editores Ltda. São Paulo BARELA J. A. Fundamentos de handebol: apostila didática. Departamento de Educação Física. Unesp/Rio Claro BÖHME M. T. S. Relações entre aptidão física, esporte e treinamento esportivo. Rev. Bras. Ciênc. e Mov. Brasília v. 11 n. 3 p ELENO T.G., BARELA J.A., KOKUBUN E. Tipos de esforço e qualidades físicas do handebol. Rev. Bras. Ciênc. Esporte 2002; 1: OLIVEIRA V.L., LEITE G.S., LEITE R.D., ASSUMPÇÃO C.O., PEREIRA G.B., BARTHOLOMEU NETO J., et al. Efeito de um período de destreinamento sobre variáveis neuromusculares em atletas de handebol. Fit Perf J mar-abr;8(2): PASQUARELLI B.N, DOURADO A.C., STANGANELLI L.C.R., MATTOS B.R. Relação entre força rápida de membros inferiores e velocidade em jogadores de futebol sub-20. Rev. Bras. Futebol 2010 Jul-Dez; 03(2): PROJETO ESPORTE BRASIL (PROESP-BR). Disponível em: <http://www.proesp.ufrgs.br> Acesso em: 15 de maio RANNOU F., PRIOUX J., ZOUHAL H., GRATAS-DELAMARCHE A., DELAMARCHE P. Physiological profile of handeball players. J Sports Med Phys Fitness 2001; 3:

10 SOUZA J., GOMES A.C., LEME L., SILVA, S.G. Alterações em variáveis motoras e metabólicas induzidas pelo treinamento durante um macrociclo em jogadores de handebol. Rev. Bras. Med. Esporte Vol. 12, Nº VERKHOSHANSKI I. V. Preparação de força especial: modalidades desportivas cíclicas. Rio de Janeiro: Ed. Grupo Palestra Sport, WILMORE J.H., COSTILL D.L. Fisiologia do esporte e do exercício. São Paulo: Ed. Manole, 2001.

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR Giovanna Pereira de Souza 1 Milena Cristina de Souza Lopes Bujato 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG

5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG RELAÇÃO ENTRE A POTÊNCIA MÉDIA DA ARTICULAÇÃO DO OMBRO DOMINANTE E O TESTE

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Alceste Ramos Régio

Leia mais

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016, de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. Guilherme Sanches Valverde 2 Fernanda Pereira de Souza 3 Rosangela Marques Busto 4 Abdallah Achour Junior 4 Fausto Orsi de Medola 4 RESUMO Este estudo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

JOGOS ESTUDANTIS DE LAGOA SANTA 2006

JOGOS ESTUDANTIS DE LAGOA SANTA 2006 CEP 33.400-000 ESTADO DE MINAS GERAIS JOGOS ESTUDANTIS DE LAGOA SANTA 2006 REGULAMENTO GERAL I Das Finalidades II Da Cerimônia de Abertura III Das Categorias IV Das Inscrições V Das Modalidades VI Regulamento

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

Palavras-chave: bolsa atleta; futebol feminino; financiamento público.

Palavras-chave: bolsa atleta; futebol feminino; financiamento público. PROGRAMA FEDERAL BOLSA ATLETA E FUTEBOL FEMININO: UMA ANÁLISE NO NÚMERO DE CONCESSÕES E INVESTIMENTOS DE 2005 A 2015 SZEREMETA, Thaynara do Prado (Educação Física/UFPR) LUZ, Wallinson Ramos Sant ana da

Leia mais

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo serão apresentados os resultados dos dados obtidos relativos à ingestão nutricional dos jovens atletas, após a realização do tratamento estatístico.

Leia mais

FUNÇÃO NEUROMUSCULAR ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE

FUNÇÃO NEUROMUSCULAR ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE 2015-2016 A avaliação da força faz parte do controlo do treino, sendo que o objetivo consiste em proporcionar informação constante sobre o efeito do treino realizado,

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 2º Ciclo

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova escrita e prática Prova 26 2016 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina. Informação-Prova de Equivalência à Frequência Educação Física maio de 2016 Prova 28 2016 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA PERFORMANCE DE ATLETAS DE FUTEBOL

INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA PERFORMANCE DE ATLETAS DE FUTEBOL INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA PERFORMANCE DE ATLETAS DE FUTEBOL INTRODUÇÃO CAMILO ZUMBI RAFAGNIN, CRISTINA FERREIRA DA SILVA, PABLO DANIEL SANTOS QUADROS, DANIELLY FERNANDES FERREIRA, CARLOS EDUARDO

Leia mais

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga O papel do fisiologista é monitorar as variáveis fisiológicas que cercam o treinamento, permitindo avaliar o estado do atleta e realizar prognósticos

Leia mais

COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA

COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA Francisco Henrique Moreira da Silva 1 ; Ricardo Lima dos Santos

Leia mais

PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE

PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE 2005 Antônio Rizola Neto (1) Cristino Julio Alves da Silva Matias (2) Pablo Juan Greco (2)

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 3ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL. Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN

Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL. Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN Autores Jeferson Tafarel Pereira do Rêgo Nickson Barbosa Marinho Péricles Roberto Silva Rodrigues Orientador: João

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA k x Como pode cair no enem (ENEM) Um motor só poderá realizar trabalho se receber uma quantidade de energia de outro sistema. No caso, a energia

Leia mais

Protocolo de Avaliações

Protocolo de Avaliações Confederação Brasileira de Remo 18/01/2016 Protocolo de Avaliações Sistema Nacional de Avaliação de Remadores Anexo do Boletim Técnico 03/2016 1. PROTOCOLO DAS AVALIAÇÕES NO REMO ERGÔMETRO As avaliações

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Princípios do Treinamento - Métodos de Treinamento

Leia mais

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Considerações iniciais EXCÊNTRICA CONCÊNTRICA ISOMÉTRICA F m F m F m P V P V P V = 0 Potência < 0 Potência >

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado

Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Escola Secundária Dr. João Manuel da Costa Delgado Informação - Prova de Equivalência à Frequência Formação: Geral Educação Física 12º Ano Código 311 2016 1 - Introdução: O presente documento visa divulgar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA - Prova teórica e prática 2016 Prova 28. 2º Ciclo do Ensino Básico 1. OBJETO DE AVALIAÇÃO A prova de Educação Física tem por referência o programa

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DE APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA A SAÚDE DE ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: ANÁLISE DE APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA A SAÚDE DE ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA 16 TÍTULO: ANÁLISE DE APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA A SAÚDE DE ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações Metabólicas do Treinamento Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações ao Treinamento Aeróbio Adaptações centrais e periféricas Realização do exercício submáximo

Leia mais

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES Funchal

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES Funchal AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Funchal Ações Creditadas pelo PNFT 2015 Preços de Inscrição: 1) Ações de 1,4 créditos - 20,00 a. Preço para Filiados - 20,00 2) Ações de 0,8 créditos

Leia mais

Estudo do Somatotipo em atletas de luta Greco Romana

Estudo do Somatotipo em atletas de luta Greco Romana Estudo do Somatotipo em atletas de luta Greco Romana *André Lucena *Graciele Araujo Lima *Kharen Samara *Marcelo Da Silva Prazeres *Santiago Oliveira **Júlio César ***José Blanco Herrera Resumo O objetivo

Leia mais

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra VERSÃO RESUMIDA Introdução do manual É feito para quem quer resultados, tenistas ou professores! 1 Simples e completo! 11 fundamentos que tratam

Leia mais

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR Junho 2015 no esporte, como atleta,

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO

RESOLUÇÃO TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO RESOLUÇÃO 001-2012 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE TREINADORES TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO 1) INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A. O Curso de Técnico de Triathlon Nível I CBTri tem a finalidade de oferecer um conteúdo informativo

Leia mais

INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM

INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM ARTIGO ORIGINAL INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM Fábio Yuzo Nakamura 1,2 Thiago Oliveira Borges 1,2 Fabrício Azevedo Voltarelli 3 Luis Alberto Gobbo

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR RESUMO Daiane Grando 1 2 O propósito

Leia mais

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios do Treinamento: São os aspectos cuja observância irá diferenciar o trabalho feito à base de ensaios e erros, do científico. (DANTAS, 2003)

Leia mais

COMPARAÇÃO ANTROPOMÉTRICA ENTRE ATLETAS DE HANDEBOL DA UFSC COM ATLETAS DE ALTO NÍVEL E SELEÇÃO BRASILEIRA

COMPARAÇÃO ANTROPOMÉTRICA ENTRE ATLETAS DE HANDEBOL DA UFSC COM ATLETAS DE ALTO NÍVEL E SELEÇÃO BRASILEIRA COMPARAÇÃO ANTROPOMÉTRICA ENTRE ATLETAS DE HANDEBOL DA UFSC COM ATLETAS DE ALTO NÍVEL E SELEÇÃO BRASILEIRA Marcelo Queiroz Fróes, Fernanda Pelozin Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Daniel

Leia mais

CMT Colégio Militar Tiradentes. Ficha de Inscrição

CMT Colégio Militar Tiradentes. Ficha de Inscrição MODALIDADE: FUTSAL Nº Nome Completo do Atleta MODALIDADE: FUTSAL Nº Nome Completo do Atleta Brasília, de Junho de 25. MODALIDADE: Voleibol CMT Colégio Militar Tiradentes Nº Nome Completo do Atleta 11 12

Leia mais

Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos

Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos Prof. Paulo Sergio Gomes, Ph.D. Programa de Pós- graduação em Educação Física Centro de Pesquisas Interdiciplinares em Saúde AVISO Material de propriedade

Leia mais

XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016

XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016 XL Mini Olimpíadas Concelhias de Santa Maria da Feira 2016 REGULAMENTO DE ATLETISMO 1º - As provas de Atletismo serão realizadas no Estádio do Caldas de São Jorge Sport Clube, nos dias 9 e 10 de Julho

Leia mais

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão)

MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) MOTOR EVALUATION SCALE FOR UPPER EXTREMITY IN STROKE PATIENTS (MESUPES-braço and MESUPES-mão) Nome do paciente: Data do teste - hora: Nome do avaliador: Duração do teste: min Dominância: direita/esquerda

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA:28

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA:28 DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO: 2º CÓDIGO DA PROVA:28 ANO DE ESCOLARIDADE:6º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo Bioquímica da Atividade Motora Calorimetria Medida do Gasto Energético No Exercício Físico Objetivo da aula Medida do gasto energético no exercício

Leia mais

Nº ATLETA DATA DE NASC MATRÍCULA 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Nº ATLETA DATA DE NASC MATRÍCULA 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 PRÓ-REITORIA DE ENSINO IV JOGOS DO IFCE - SOBRAL 0 MODALIDADE: BASQUETEBOL FEMININO Nº ATLETA DATA DE NASC MATRÍCULA 9 0 PRÓ-REITORIA DE ENSINO IV JOGOS DO IFCE - SOBRAL 0 MODALIDADE: BASQUETEBOL MASCULINO

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014 TIPOS DE ELAINE DALMAN MILAGRE Parcela da Musculatura envolvida -Geral -Local Formas de Exigência Motora Envolvida -Força Máxima -Força Rápida -Resistência de Força Tipo de Trabalho do Músculo -Dinâmico

Leia mais

AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS

AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS Jéssica Cruz de Almeida¹ Joyce Cristina de S. N. Fernandes¹ Jozilma de Medeiros Gonzaga¹ Maria Goretti da Cunha Lisboa¹ Universidade Estadual da Paraíba¹

Leia mais

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA Análise do Tempo de Jogo e Tempo de Pausa, em função da alteração de uma regra de jogo (reinício de jogo após golo) Sequeira, P. & Alves, R. Instituto

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA 26 / 2015 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Medidas de Dispersão 1

Medidas de Dispersão 1 Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Dispersão 1 Introdução Uma breve reflexão sobre as medidas de tendência central permite-nos concluir que elas não

Leia mais

ALUNO (A): Nº. 2- Quantos jogadores de handebol ficam na reserva? A. 5jogadores. B. 6jogadores. C. 7jogadores. D. 8jogadores. E. 9jogadores.

ALUNO (A): Nº. 2- Quantos jogadores de handebol ficam na reserva? A. 5jogadores. B. 6jogadores. C. 7jogadores. D. 8jogadores. E. 9jogadores. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 6º A, B, C DISCIPLINA:

Leia mais

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide Informação da prova de equivalência à frequência de Educação Física Prova 28 2013 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o

Leia mais

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG ASSOCIAÇÃO DA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DA SAÚDE COM INDICADORES DE COMPOSIÇÃO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AVALIANDO A PERFORMANCE ESPORTIVA Há pelo menos três formas de avaliar o desempenho em um esporte: Observação; Uso de escala de avaliação; Teste de habilidade esportiva. CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

Leia mais

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia? A fisiologia = natureza, função ou funcionamento, ou seja, é o ramo da biologia que estuda as múltiplas funções mecânicas, físicas e bioquímicas

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

Textos para Leitura e Exploração

Textos para Leitura e Exploração COMPONENTE CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Textos para Leitura e Exploração Handebol. 8º ano - Ensino Fundamental II Professora: Raísa Prado. 1º Bimestre / 2016. Página 1 História do handebol Em 29 de outubro

Leia mais

PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA

PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA Introdução: Este estudo de caso seleciou 21 meninos, com idades entre 9 e 12 anos de uma turma do 2º ano da Escola do

Leia mais

Fisiologia do Esforço

Fisiologia do Esforço Fisiologia do Esforço Curso Desporto e BemEstar 3º Semestre 008/09 Capítulo II Bases da Bioenergética Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Leiria 7 Out 08 ATP-CP e energia O sistema ATP-CP

Leia mais

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Ano: 6º ano Ano letivo: 201.2014 Disciplina: Educação Física Turmas: A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Nadine Herreria dos Santos 2 ; Talita Poli Biason 1 ; Valéria Nóbrega da Silva 1 ; Anapaula

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA maio de Prova º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

EDUCAÇÃO FÍSICA maio de Prova º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA maio de 016 Prova 8 016.....º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/01, de de julho) O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

CONFIRMAÇÃO DA IMPRECISÃO DE RESULTADOS ESTATÍSTICOS OBTIDOS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EXCEL, ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO DE DADOS

CONFIRMAÇÃO DA IMPRECISÃO DE RESULTADOS ESTATÍSTICOS OBTIDOS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EXCEL, ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO DE DADOS CONFIRMAÇÃO DA IMPRECISÃO DE RESULTADOS ESTATÍSTICOS OBTIDOS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE EXCEL, ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO DE DADOS LUCIANA DO NASCIMENTO LANCHOTE 1 Iniciação Científica, Bolsista CNPq, UFLA

Leia mais

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO 1. A Sessão de Treino A Sessão de Treino é a unidade estrutural que serve de base para toda a organização do treino. O treinador deve individualizar o treino, adaptando a

Leia mais

Departamento de Estatística

Departamento de Estatística Laboratório de Ciências - Aula 3 Departamento de Estatística 7 de Janeiro de 2014 Introdução Suponha que dispomos de um conjunto de dados, por exemplo, número de gols (ou número de impedimentos, chutes

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~viali/ Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis X = Grau de Instrução e Y = Região

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO: EDFFIE DISCIPLINA: FISIOLOGIA DO ESFORÇO PRÉ - REQUISITO: FISIOLOGIA GERAL CARGA HORÁRIA: 80 CRÉDITOS: 04

Leia mais

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016 Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016 Prova 24 2º Ciclo/ 6º Ano de escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

LISTA PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1 PROFESSOR GUSTAVO SABINO

LISTA PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1 PROFESSOR GUSTAVO SABINO LISTA PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1 PROFESSOR GUSTAVO SABINO 1. Sobre uma partícula P agem quatro forças, representadas na figura abaixo. O módulo da força resultante sobre a partícula é de: a) 5 N b) 24

Leia mais

Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr.

Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr. Ciclos de Treinamento Ricardo L. Pace Jr. MICROCICLO DE CHOQUE Cargas altas; 80% - 90% da carga máxima; Estímulo ao processo ativo de adaptação; 2-5 cargas de choque por semana; Aplicação da carga no fim

Leia mais

Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física

Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física DOMÍNIO/TEMA Aptidão SUB TEMA (Conteúdos) Resistência Força Velocidade Flexibilidade Coordenação Equilíbrio OBJETIVOS GERAIS Elevar o nível funcional

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA - PCA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ESCOLA DE FUTEBOL PLANET SOCIETY

ESCOLA DE FUTEBOL PLANET SOCIETY Categoria Mamadeira Considerando a pouca idade das crianças nessa categoria, é essencial desenvolver um trabalho de forma lúdica, mas com muito contato com a bola. Esse método permite melhorar a coordenação

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Ensino Secundário Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Ano letivo 2014/2015 I. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Prof. Ms. Sandro de Souza

Prof. Ms. Sandro de Souza Prof. Ms. Sandro de Souza As 5 leis básicas do Treinamento de Força 1º - ANTES DE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR, DESENVOLVA FLEXIBILIDADE Amplitude de movimento Ênfase na pelve e articulações por onde passam

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 241 COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS CAPACIDADES MOTORAS DE ESCOLARES PRATICANTES DE FUTSAL E ATIVIDADE FÍSICA GERAL DA CIDADE DE GUARULHOS/SP Rubem Machado Filho 1 RESUMO O estudo

Leia mais

Medidas Resumo. Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão. A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão.

Medidas Resumo. Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão. A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão. Medidas Resumo Medidas de Posição/ Medidas de Dispersão A intenção desse trabalho é introduzir os conceitos de Medidas de posição e de dispersão. Prof. MSc. Herivelto Marcondes Março/2009 1 Medidas Resumo

Leia mais

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 informação-prova de equivalência à frequência data:. 0 5. 2 0 26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 1.O B J E

Leia mais

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA LEIRIA, 21/11/2009 plano da apresentação 1. Jovens meio-fundistas? 2. Que capacidades devem ser desenvolvidas por um jovem meiofundista? 3. Como desenvolver essas

Leia mais

Regulamento Específico GINÁSTICA ARTÍSTICA

Regulamento Específico GINÁSTICA ARTÍSTICA ÍNDICE Programa de competição... 3 Escalões etários... 3 Generalidades... 3 Desenrolar da competição... 3 Equipamento... 4 Pontuação... 4 Solo... 4 Barra fixa, Paralelas e Trave... 4 Saltos de Plinto...

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade I Princípios do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Princípios do Treinamento A teoria e a metodologia do treinamento desportivo possuem princípios

Leia mais

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica Uma combinação da ginástica clássica com a dança. Esta modalidade não pertence ao calendário olímpico, porém,

Leia mais

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Data: 5 de março de 2016 Horário: 09h30 às 12h30 Organização: *Centro de Formação Desportiva de Atletismo Gonçalo Sampaio Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio

Leia mais

Força. Aceleração (sai ou volta para o repouso) Força. Vetor. Aumenta ou diminui a velocidade; Muda de direção. Acelerar 1kg de massa a 1m/s 2 (N)

Força. Aceleração (sai ou volta para o repouso) Força. Vetor. Aumenta ou diminui a velocidade; Muda de direção. Acelerar 1kg de massa a 1m/s 2 (N) Força Empurrão ou puxão; Força é algo que acelera ou deforma alguma coisa; A força exercida por um objeto sobre o outro é correspondida por outra igual em magnitude, mas no sentido oposto, que é exercida

Leia mais

Canoagem. Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento

Canoagem. Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento Canoagem Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento Diretor Técnico da Seleção Brasileira de Canoagem Velocidade Departamento de Ciências do Esporte Licenciado

Leia mais

GABARITO DA AFE02 FÍSICA 2ª SÉRIE 2016

GABARITO DA AFE02 FÍSICA 2ª SÉRIE 2016 GABARITO DA AFE0 FÍSICA ª SÉRIE 016 1) A figura abaixo representa um móvel m que descreve um movimento circular uniforme de raio R, no sentido horário, com velocidade de módulo V. Assinale a alternativa

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física. Código: º Ano de Escolaridade / 2.º Ciclo do Ensino Básico

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física. Código: º Ano de Escolaridade / 2.º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE TRANCOSO Cód. 161561 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física Código: 028 28 6.º Ano de Escolaridade / 2.º Ciclo do Ensino Básico Duração da Prova:

Leia mais

Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes

Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes 4ª Jornada Científica e Tecnológica e 1º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Muzambinho MG Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes Denise Miranda de

Leia mais