Crescimento e Desenvolvimento Humano

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Crescimento e Desenvolvimento Humano"

Transcrição

1 Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano

2 Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento do ensino e treinamento do jogador de futebol, é preciso considerar as mudanças que ocorrem em seu organismo. Série de mudanças que ocorrendo até o seu desenvolvimento completo por volta dos 18/19 anos, ou seja, na entrada da vida adulta. Também é preciso analisar, quais são as exigências técnicas, físicas e táticas que envolvem a prática da modalidade, independentemente se esta prática de uma forma recreativa ou competitiva.

3 Desenvolvimento e Crescimento Humano

4 Crescimento e Desenvolvimento Humano Habilidades Motora: É uma tarefa ou ação do MOVIMENTO VOLUNTÁRIO, APRENDIDA, ORIENTADA para um objetivo, realizada por uma ou mais partes. Atos motores que SURGEM dos movimentos da vida diária do ser humano e dos animais, expressa um grau de qualidade de coordenação dos movimentos.

5 Desenvolvimento e Crescimento Humano Capacidade Física: São definidas como todo ATRIBUTO FÍSICO treinável em um organismo humano. São definidas como atributos físicos treináveis em um organismo. São todas as qualidades passíveis de treinamento.

6 Desenvolvimento e Crescimento Humano Na faixa etária dos 6 aos 12 anos apresenta um crescimento de diferente intensidade, de acordo com as idades. Isso acarreta uma modificação das proporções corporais nas características de cada período de desenvolvimento.

7 Períodos sensíveis para o desenvolvimento dos fatores de treino

8 Fatores Determinantes do Desempenho Resistência Força Flexibilidade Velocidade Habilidades Motoras

9 Fatores Determinantes do Desempenho - Resistência - Aumento gradual do VO2máx até aos 12/13 anos (Pico anos) - Aumento gradual do VO2máx até ao final da adolescência Pico 14/ 16 anos. Até os 12 anos os meninos apresentam valores superior, se comparado com as meninas. O aumento esta determinado por: Alterações cardiovasculares, pulmonares e periféricas. Ex: Peso dos pulmões, Capacidade vital, volume ventricular esquerdo e Concentração de Hemoglobina.

10 Fatores Determinantes do Desempenho - Resistência MELHORA DA EFICIÊNCIA MOTORA Em crianças antes da puberdade: Ênfase no trabalho técnico e menos nos aspectos fisiológico. Trabalho técnico significas aumento do acervo motor, executar movimentos de forma correta e continua com grande eficiência e qualidade.

11 Fatores Determinantes do Desempenho - Resistência

12 Fatores Determinantes do Desempenho Força Muscular Fatores determinantes: 1. Tipo de fibras musculares 2. Propriedades metabólicas do músculo 3. Massa muscular. Antes da Puberdade: Existe efeito significativo do treino da força, embora os ganhos absolutos sejam melhores ao que ocorrem em idades superiores. O aumento da força será proveniente, do aumento da ativação neuromuscular (placas motoras) e não da massa muscular. Existe, no entanto, efeito de hipertrofia como resposta aos estímulos, mas limitados.

13 Fatores Determinantes do Desempenho Força Muscular Antes da Puberdade: Antes da puberdade ambos os sexos respondem de igual modo a um treino (estímulos) de força. O risco de lesões decorrentes ao treino de força é igual em todas as faixas etárias, e deve ser evitado as seguintes situações: 1. Cargas singulares máximas 2. Levantamento com cargas elevadas acima da cabeça 3. Esforços balísticos com inércia elevada.

14 Fatores Determinantes do Desempenho Força Muscular Períodos sensíveis para o treino de força: - Antes e imediatamente após o Pico de Velocidade de Crescimento a 18 meses após o Pico de Velocidade de Crescimento.

15 Fatores Determinantes do Desempenho Força Muscular Como trabalhar Força com crianças e adolescentes: O treino de força deve ser complementar Variedade e formas lúdicas Desencorajar a competição individual Excluir cargas máximas até o final da adolescência Associar a um programa de flexibilidade Respeito pelo estado maturacional Assegurar o desenvolvimento muscular harmonioso Adaptação muscular que permita eliminar o risco de lesões.

16 Fatores Determinantes do Desempenho Velocidade PRÉ - PUBERE Eficácia Técnica Preparação Física Geral Eficácia Técnica Pico de Velocidade de Crescimento Força Rápida Força Geral Potência Alática

17 Fatores Determinantes do Desempenho Velocidade Eficácia Técnica Força Rápida PÓS - PUBERE Força Máxima Potência Alática Potência Lática

18 IDADE Fatores Determinantes do Desempenho Velocidade PERÍODO SENSÍVEIS PARA O TREINO DA VELOCIDADE FATORES TREINÁVEIS (para se desenvolver) Velocidade de Reação (Tempo) Frequência de Movimento Velocidade de Reação (Tempo) Frequência de Movimento Velocidade de Execução (acíclica) Força Rápida (resistência baixa e média) Força Explosiva (> 25% RM) Resistência de Velocidade

19 Fatores Determinantes do Desempenho Velocidade PEÍODOS SENSIVEIS PARA O TREINO DE VELOCIDADE 1º Período 6 8 anos 7 9 anos Relaciona-se com a maturação do SNC 2º Período anos anos Estimulação dos aspectos energéticos anaeróbicos alatico.

20 Flexibilidade e Crescimento Redução contínua com a idade Período sensível 7 11 anos Maiores valores perto dos 15 anos, começando a reduzir Os valores mais elevados são alcançados entre os 2 3 anos de idade A flexibilidade é a capacidade que tende a apresentar valores mais baixo desde de cedo. Especial atenção deve ser dada ao desenvolvimento da Flexibilidade entre os 12 e 14 anos. Deverão existir cuidados especiais durante a puberdade em situação de hiper flexão e extensão provocando lesões nos discos intervetrebais.

21 Desenvolvendo as Habilidades Motoras HABILIDADES MOTORAS BÁSICAS OU FUNDAMENTAIS

22 Desenvolvendo as Habilidades Motoras HABILIDADES MOTORAS BÁSICAS OU FUNDAMENTAIS A capacidade de aprendizagem das habilidades motoras fundamentais declina a partir dos 11/12 anos. O período sensível para meninos situa-se entre os 9 e os 12 anos e para as meninas entre os 8 e os 11 anos. Desenvolver a Literacia Motora= Movimento fundamentais + Habilidades Desportivas Fundamentais.

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA

O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA O TREINO DE UM(a) JOVEM MEIO- FUNDISTA LEIRIA, 21/11/2009 plano da apresentação 1. Jovens meio-fundistas? 2. Que capacidades devem ser desenvolvidas por um jovem meiofundista? 3. Como desenvolver essas

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO AULA 1 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA Organização da Disciplina Repartição Lectiva Carga Horária Semestral (S2) Aulas Teórica- Práticas 4ª Feira

Leia mais

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia? A fisiologia = natureza, função ou funcionamento, ou seja, é o ramo da biologia que estuda as múltiplas funções mecânicas, físicas e bioquímicas

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Princípios do Treinamento - Métodos de Treinamento

Leia mais

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance.

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO FÍSICO Repetição sistemática de exercícios que produz fenômenos

Leia mais

Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas. Prof. Dra. Bruna Oneda 2012

Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas. Prof. Dra. Bruna Oneda 2012 Disciplina: Ginástica Geral Capacidades Físicas Prof. Dra. Bruna Oneda 2012 Capacidades Físicas Ou habilidades físicas são o conjunto de capacidades individuais, orgânicas, musculares e neurológicas que

Leia mais

ESTRUTURA FREQUÊNCIA CARDÍACA 09/06/2013. O número de batimentos cardíacos por unidade de tempo, geralmente expresso em batimentos por minuto (bpm).

ESTRUTURA FREQUÊNCIA CARDÍACA 09/06/2013. O número de batimentos cardíacos por unidade de tempo, geralmente expresso em batimentos por minuto (bpm). Revisar alguns conceitos da fisiologia cardiovascular; Revisar alguns conceitos da fisiologia do exercício do sistema cardiovascular; Estudar as adaptações do treinamento aeróbico e de força no sistema

Leia mais

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Estudo do Movimento Professor Ricardo Ramos Ano letivo 2014/2015 Módulo 4 Qualidades Físicas Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Aluno: N.º : Classificação:

Leia mais

PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA

PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA Introdução: Este estudo de caso seleciou 21 meninos, com idades entre 9 e 12 anos de uma turma do 2º ano da Escola do

Leia mais

Prof. Ms. Sandro de Souza

Prof. Ms. Sandro de Souza Prof. Ms. Sandro de Souza As 5 leis básicas do Treinamento de Força 1º - ANTES DE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR, DESENVOLVA FLEXIBILIDADE Amplitude de movimento Ênfase na pelve e articulações por onde passam

Leia mais

O Treino das Barreiras

O Treino das Barreiras O Treino das Barreiras Jornadas Técnicas da ADAL Rui Norte A Formação de um Atleta (Barreirista?) Na fase de Iniciação, devemos ter por base o desenvolvimento integral e multilateral do jovem; Devemos

Leia mais

Bioenergética. Trabalho Biológico. Bioenergetica. Definição. Nutrição no Esporte. 1

Bioenergética. Trabalho Biológico. Bioenergetica. Definição. Nutrição no Esporte. 1 Bioenergética Trabalho Biológico Contração muscular * Digestão e Absorção Função glandular Manter gradientes de concentração Síntese de novos compostos Profa. Raquel Simões M. Netto 4 Exercício para saúde

Leia mais

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular BE066 Fisiologia do Exercício Flexibilidade Prof. Sergio Gregorio da Silva Flexibilidade É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular É altamente adaptável e é! aumentada

Leia mais

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014 TIPOS DE ELAINE DALMAN MILAGRE Parcela da Musculatura envolvida -Geral -Local Formas de Exigência Motora Envolvida -Força Máxima -Força Rápida -Resistência de Força Tipo de Trabalho do Músculo -Dinâmico

Leia mais

BIOMECANICOS BIOQUIMICOS FISIOLOGICOS MECANICOS

BIOMECANICOS BIOQUIMICOS FISIOLOGICOS MECANICOS Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto Metodologia de Treino Gestão do Desporto METODOLOGIA DO TREINO DA FORÇA Objectivos Factores Condicionantes da Força Estrutura das

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

SÍNTESE DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Ano letivo 2011/12

SÍNTESE DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Ano letivo 2011/12 Departamento de Expressões SÍNTESE DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Ano letivo 2011/12 1. ÁREA DE ATIVIDADES FÍSICAS 3º CICLO MATÉRIAS NUCLEARES SECUNDÁRIO 10º ano 11º e 12º ano Futsal Voleibol Basquetebol

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade I Princípios do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Princípios do Treinamento A teoria e a metodologia do treinamento desportivo possuem princípios

Leia mais

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios do Treinamento: São os aspectos cuja observância irá diferenciar o trabalho feito à base de ensaios e erros, do científico. (DANTAS, 2003)

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 2º Ciclo

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Ensino Secundário Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Ano letivo 2014/2015 I. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais

Interferência. Mecanismos???? Efeito de Interferência 30/07/2015. Definição Treinamento concorrente. Na força máxima (1RM) Na TDF.

Interferência. Mecanismos???? Efeito de Interferência 30/07/2015. Definição Treinamento concorrente. Na força máxima (1RM) Na TDF. Definição Treinamento concorrente Realização de exercícios que desenvolvam a força muscular e a resistência aeróbia dentro da mesma unidade de treino X Interferência Efeito de Interferência Na força máxima

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS

DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CURSOS PROFISSIONAIS - 11º ANO TAGD COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania Promover: a iniciativa e a responsabilidade pessoal,

Leia mais

CURSO SAÚDE VOCAL. Material de Apoio. Roteiro- aula 2. Desenvolvimento da voz. Teoria. Prática

CURSO SAÚDE VOCAL. Material de Apoio. Roteiro- aula 2. Desenvolvimento da voz. Teoria. Prática Programa de Educação Corporativa CURSO SAÚDE VOCAL Material de Apoio Roteiro- aula 2 Teoria 1. Desenvolvimento da voz: evolução da voz do neonato ao senescente 2. Psicodinâmica vocal: impacto psicológico

Leia mais

FUNÇÃO NEUROMUSCULAR ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE

FUNÇÃO NEUROMUSCULAR ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE 2015-2016 A avaliação da força faz parte do controlo do treino, sendo que o objetivo consiste em proporcionar informação constante sobre o efeito do treino realizado,

Leia mais

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016, de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Musculação na Infância e Adolescência

Musculação na Infância e Adolescência Musculação na Infância e Adolescência Sumário: Introdução... 02 O que é adolescência?... 04 Musculação na infância e adolescência... 05 Benefícios da musculação na infância e adolescência... 08 Cuidados

Leia mais

O que é uma lesão neurológica???????

O que é uma lesão neurológica??????? PLASTICIDADE NEURAL O que é uma lesão neurológica??????? Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Estruturas cerebrais Recuperação funcional? Como ocorre? Quais são as bases fisiológicas?

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com alexandre.rocha.944 ProfAlexandreRocha @Prof_Rocha1 prof.alexandrerocha Docência Docência Personal Trainer

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

A APTIDÃO FÍSICA NOS PROGRAMAS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DGE / SPEF / CNAPEF 11 DE ABRIL DE 2016 CASTELO BRANCO

A APTIDÃO FÍSICA NOS PROGRAMAS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DGE / SPEF / CNAPEF 11 DE ABRIL DE 2016 CASTELO BRANCO A APTIDÃO FÍSICA NOS PROGRAMAS NACIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DGE / SPEF / CNAPEF 11 DE ABRIL DE 2016 CASTELO BRANCO SUMÁRIO Enquadramento do FITescola em relação aos Programas Nacionais de Educação Física

Leia mais

Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior

Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Métodos treinamento das valências físicas relacionadas à Saúde Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Princípios científicos do treinamento Princípio da Individualidade biológica cada pessoa nasce com uma

Leia mais

PRINCIPIOS CIENTÍFICOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO

PRINCIPIOS CIENTÍFICOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO PRINCIPIOS CIENTÍFICOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO O que é Princípios do Treinamento Desportivo? Princípios do Treinamento Desportivo São os aspectos cuja observância irá diferenciar o trabalho feito à base

Leia mais

ASPECTOS METODOLÓGICOS DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO. PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO

ASPECTOS METODOLÓGICOS DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO. PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO ASPECTOS METODOLÓGICOS DO TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO PROFESSOR Ms PRODAMY DA SILVA PACHECO NETO Mestre em saúde coletiva Especialista em Fisiologia do

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L - 2º C I C L O

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L - 2º C I C L O DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FISICA ANO: 5º, 6º TURMAS: A, B, C ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L - 2º C I C L O DE AÇÃO No 5º e 6º ano o aluno deverá adquirir competências de nível "introdução"

Leia mais

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO 1. A Sessão de Treino A Sessão de Treino é a unidade estrutural que serve de base para toda a organização do treino. O treinador deve individualizar o treino, adaptando a

Leia mais

16/3/2010 FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO COMPENSATÓRIO EM BOVINOS DE CORTE. 1. Introdução. 1. Introdução. Crescimento. Raça do pai e da mãe

16/3/2010 FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO COMPENSATÓRIO EM BOVINOS DE CORTE. 1. Introdução. 1. Introdução. Crescimento. Raça do pai e da mãe UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA VETERINARIA BOVINOCULTURA DE CORTE 1. Introdução Por que estudar a fisiologia do Crescimento corporal? FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO EM

Leia mais

UNISALESIANO. Profª Tatiani

UNISALESIANO. Profª Tatiani UNISALESIANO Profª Tatiani CONTROLE DAS FUNÇÕES DO CORPO.BIOFEEDBACK As diversas funções do corpo humano são decorrentes de processos físico-químicos que continuamente ocorrem em aproximadamente 100 trilhões

Leia mais

EXERCÍCIO PARA IDOSOS

EXERCÍCIO PARA IDOSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCAR PÓS-GRADUAÇ GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FISIOLÓ FISIOLÓGICAS PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO PARA IDOSOS Qual o tipo de exercício e carga em que os idosos podem se exercitar?

Leia mais

ESCOLA DE FUTEBOL PLANET SOCIETY

ESCOLA DE FUTEBOL PLANET SOCIETY Categoria Mamadeira Considerando a pouca idade das crianças nessa categoria, é essencial desenvolver um trabalho de forma lúdica, mas com muito contato com a bola. Esse método permite melhorar a coordenação

Leia mais

Modelos de Desenvolvimento Motor

Modelos de Desenvolvimento Motor Modelos de Desenvolvimento Motor Modelo da Ampulheta e Modelo da Pirâmide Modelos de desenvolvimento motor A principal função da teoria é integrar os fatos existentes e organizá-los de um modo que lhes

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Considerações iniciais EXCÊNTRICA CONCÊNTRICA ISOMÉTRICA F m F m F m P V P V P V = 0 Potência < 0 Potência >

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTSAL

PLANO DE TRABALHO FUTSAL PLANO DE TRABALHO FUTSAL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR Junho 2015 no esporte, como atleta,

Leia mais

ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE

ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE EDITAL EEFEUSP Nº 019/2013 ABERTURA DE INSCRIÇÃO AO CONCURSO PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE LIVRE-DOCÊNCIA, JUNTO AOS DEPARTAMENTOS BIODINÂMICA DO MOVIMENTO DO CORPO HUMANO

Leia mais

Consumo Máximo de Oxigênio

Consumo Máximo de Oxigênio Consumo Máximo de Oxigênio Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD BE066 Consumo Máximo de Oxigênio VO2max BE066 Sistema Portátil K4b 2 BE066 VO2max Definição: É a razão máxima de O2 que uma pessoa pode absorver,

Leia mais

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO A organização do processo de treino é uma tarefa complexa, onde múltiplos aspetos relacionados com atletas, infraestruturas, objetivos, métodos e meio, têm

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento visa divulgar as características da prova de

Leia mais

Treinamento: Controle Postural e Locomoção em Idosos. Prof. Dr. Matheus M. Gomes

Treinamento: Controle Postural e Locomoção em Idosos. Prof. Dr. Matheus M. Gomes Treinamento: Controle Postural e Locomoção em Idosos Prof. Dr. Matheus M. Gomes 1 Queda Principal causa de morte acidental de idosos 2/3 Deandrea et al. 2010 5 Quedas 30% idosos caem pelo menos uma

Leia mais

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Ano: 6º ano Ano letivo: 201.2014 Disciplina: Educação Física Turmas: A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA 26 / 2015 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO Prof. Hassan Mohamed Elsangedy hassanme20@hotmail.com Hassan M. Elsangedy, MS. Especialização em Fisiologia do Exercício - 2009 1 INCIDÊNCIAS Hassan M. Elsangedy,

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA - PCA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Áreas de investigação Edital Normativo 03/2014 A Comissão de Pós-Graduação da Escola de Educação Física, conforme disposto no subitem VIII.11 do Regulamento da Comissão Coordenadora do Programa, baixado

Leia mais

AVERIGUAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL NO REPOUSO E APÓS ATIVIDADE FÍSICA EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA

AVERIGUAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL NO REPOUSO E APÓS ATIVIDADE FÍSICA EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA AVERIGUAÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL NO REPOUSO E APÓS ATIVIDADE FÍSICA EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA BLOOD PRESSURE OF FINDING AT HOME AND AFTER PHYSICAL ACTIVITY IN STUDENTS OF PHYSICAL THERAPY COURSE

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Teste de Aptidão Básica (Fleishman, 1964) 1. Teste

Leia mais

Periodização do Treino no Futebol

Periodização do Treino no Futebol Curso de Preparadores Físicos 9 de Fevereiro de 2013 Periodização do Treino no Futebol João Aroso Periodizar Modelo Teórico Desenvolvimento do processo de treino no tempo A periodização do treino tem vindo

Leia mais

PLANO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO

PLANO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO PLANO ANUAL EDUCAÇÃO 3º CICLO Ano Letivo 2012/2013 Rua Marquês de Olhão Bairro da Madre de Deus Telefone 21 8610100 Fax 218683995 1900-330 Lisboa E-Mail: eb23.lantonioverney@escolas.min-edu.pt 1 Competências

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR

DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR DESEMPENHO MOTOR DE ADOLESCENTES OBESOS E NÃO OBESOS: O EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO REGULAR Juliana Ewelin dos Santos 1 ; Sérgio Roberto Adriano Prati 2 ; Marina Santin¹. RESUMO: Essa pesquisa quase experimental

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 2 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA BASES CONCEPTUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DOS EXERCÍCIOS DE TREINO Fundamentação Biológica do Treino Na temática

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Fisiologia Humana Código: FAR - 308 Pré-requisito: Anatomia I Período Letivo: 2016.1 Professor:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Educação Física 2.º Ciclo do Ensino Básico As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação

Leia mais

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga O papel do fisiologista é monitorar as variáveis fisiológicas que cercam o treinamento, permitindo avaliar o estado do atleta e realizar prognósticos

Leia mais

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Metabolismo Muscular Prof. Carlos Castilho de Barros http://wp.ufpel.edu.br/obesidadediabetes/ Atividade muscular Principais fontes de energia: 1- Carboidratos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO DE PROFESSOR EFETIVO EBTT ÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA. - PROVA OBJETIVA - Campus Barbacena Edital 04/2016

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO DE PROFESSOR EFETIVO EBTT ÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA. - PROVA OBJETIVA - Campus Barbacena Edital 04/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO DE PROFESSOR EFETIVO EBTT ÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA - PROVA OBJETIVA

Leia mais

DOSE EFEITO DO ETANOL

DOSE EFEITO DO ETANOL Alcoolismo Efeitos Os principais efeitos do álcool ocorrem no sistema nervoso central (SNC), onde suas ações depressoras assemelhamse às dos anestésicos voláteis. Os efeitos da intoxicação aguda pelo etanol

Leia mais

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL 1 OBJETIVOS Discutir o mercado consumidor potencial do treinamento funcional; Discutir o conceito de treinamento funcional; Realizar uma dinâmica prática no formato

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina. Informação-Prova de Equivalência à Frequência Educação Física maio de 2016 Prova 28 2016 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova Código 28-2016 2º Ciclo do Ensino Básico 6º Ano de Escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova de

Leia mais

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008).

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008). PERIODIZAR é dividir de forma organizada o ciclo anual ou semestral de treinamento dos atletas, em períodos e etapas, buscando prepará-los para atingir objetivos pré-estabelecidos, na direção de encontrar

Leia mais

A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE.

A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE. A ATIVIDADE FÍSICA COMO UMA PRÁTICA NORTEADORA DA LONGEVIDADE NA TERCEIRA IDADE. RESUMO O envelhecimento é um processo biológico que acarreta alterações e mudanças estruturais no corpo. Por ser um processo

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física. Código: º Ano de Escolaridade / 2.º Ciclo do Ensino Básico

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física. Código: º Ano de Escolaridade / 2.º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE TRANCOSO Cód. 161561 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física Código: 028 28 6.º Ano de Escolaridade / 2.º Ciclo do Ensino Básico Duração da Prova:

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 CARGO E UNIDADES: Instrutor de Esportes (Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 2 (duas) horas. I N S T

Leia mais

Tema 2 Considerações sobre a puberdade e o crescimento do adolescente 27

Tema 2 Considerações sobre a puberdade e o crescimento do adolescente 27 Tema 2 Considerações sobre a puberdade e o crescimento do adolescente Objetivo geral do tema Apresentar as alterações físicas e fisiológicas que ocorrem na adolescência. Objetivos específicos voltados

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova escrita e prática Prova 26 2016 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM RECOMENDAÇÕES DO ACSM PARA NUTRIÇÃO RECOMENDAÇÃO ACSM 6-10g/kg por dia HCO PELAS RAZÕES ABAIXO REFERIDAS, DEVEM SER PRIVILEGIADOS OS ALIMENTOS RICOS EM AMIDO E CELULOSE (POLISSACARIDEOS)

Leia mais

Treinamento Funcional

Treinamento Funcional Treinamento Funcional Sumário: Introdução... 02 O que é Treinamento Funcional?... 03 Atividades diárias e o Treinamento Funcional... 04 Como deve ser o Treinamento Funcional então?... 06 Características

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

1. Benefícios da atividade física

1. Benefícios da atividade física 1. Benefícios da atividade física "ATIVIDADE FÍSICA É UM DIREITO DE TODOS E UMA NECESSIDADE BÁSICA" (UNESCO). O ser humano, na sua preocupação com o corpo, tem de estar alerta para o fato de que saúde

Leia mais

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física

Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Denomina-se bateria a um conjunto de testes cujos resultados possam ser analisados

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO LÍNGUA ESTRANGEIRA ALEMÃO Profª Lourdes Sufredini Profª Luciane Probst Unidade de Ensino I Prédio João

Leia mais

Assim, uma habilidade motora pode corresponder a um gesto técnico,

Assim, uma habilidade motora pode corresponder a um gesto técnico, 1 H ABILIDADES E C APACIDADES MOTORAS 1.1 D EFINIÇÃO DE HABILIDADES MOTORAS Por habilidade motora entende-se qualquer tarefa, simples ou complexa que, por intermédio da exercitação, pode passar a ser efectuada

Leia mais

Fisiologia do Sistema Cardiovascular. Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça

Fisiologia do Sistema Cardiovascular. Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça Fisiologia do Sistema Cardiovascular Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça Introdução ao Sistema Cardiovascular Coração e sistema fechado de vasos. Sangue move-se continuamente por gradiente de pressão.

Leia mais

A minha Filosofia de Treino em Atletismo

A minha Filosofia de Treino em Atletismo A minha Filosofia de Treino em Atletismo Por Jorge Miguel Treinador de Atletas Olimpicos Como treinador de Atletismo há mais de trinta anos,a minha experiência nesta modalidade leva-me a afirmar que no

Leia mais

Introdução e Classificação das Habilidades Motoras. Prof.ª Luciana Castilho Weinert

Introdução e Classificação das Habilidades Motoras. Prof.ª Luciana Castilho Weinert Introdução e Classificação das Habilidades Motoras Prof.ª Luciana Castilho Weinert Conceitos Habilidade: tarefa com finalidade específica; Habilidade motora: habilidade que exige movimentos voluntários

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE PISTA

ESCOLA NACIONAL DE PISTA CONGRESSO INTERNACIONAL DE CICLISMO ESCOLA NACIONAL DE PISTA ANADIA, JULHO 2012 GABRIEL MENDES UVP-FPC RESUMO ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA O CONTEXTO OS OBJECTIVOS MODELO DE DESENVOLVIMENTO BASE DO SUCESSO

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul CÓDIGO DA PROVA: 28 DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA TIPO DA PROVA: TEÓRICA ESCOLA DE REALIZAÇÃO DA PROVA: ESCOLA BÁSICA Nº 2 DE S.PEDRO DO SUL Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Exercite-se com seu diabetes

Exercite-se com seu diabetes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Exercite-se com seu diabetes Benefícios da atividade física Se você é diabético não tenha medo de

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse

Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deverá realizar todos os exames médicos para que a prática da atividade física descrita nesse plano de treinamento seja liberada. PLANO POLÍCIA CIVIL

Leia mais

Exercícios de Coordenação Nervosa

Exercícios de Coordenação Nervosa Exercícios de Coordenação Nervosa 1. Observe a estrutura do neurônio abaixo e marque a alternativa correta: Esquema simplificado de um neurônio a) A estrutura indicada pelo número 1 é o axônio. b) A estrutura

Leia mais

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ESCOLA EB/S VIEIRA DE ARAÚJO VIEIRA DO MINHO INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 28 Educação Física Ensino Básico 2º Ciclo [Despacho Normativo

Leia mais