Universidade Estadual de Londrina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Estadual de Londrina"

Transcrição

1 Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ANÁLISE DA POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE DIFERENTES CATEGORIAS Henrique Tomokazu Nakamura LONDRINA PARANÁ 2008

2 HENRIQUE TOMOKAZU NAKAMURA ANÁLISE DA POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE DIFERENTES CATEGORIAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Bacharelado em Educação Física do Centro de Educação Física e Desportos da Universidade Estadual de Londrina, como requisito parcial para sua conclusão COMISSÃO EXAMINADORA Prof. Dr. Antonio Carlos Dourado Universidade Estadual de Londrina Prof. Dr. Luiz Cláudio Reeberg Stanganeli Universidade Estadual de Londrina Prof. Esp. Ariobaldo Frisseli Universidade Estadual de Londrina Londrina, de de 2008

3 A Deus, aos meus pais e aos meus amigos que sempre que precisei estiveram ao meu lado dando apoio e segurança nas minhas decisões.

4 AGRADECIMENTOS Ao Prof. Dr. Orientador Antonio Carlos Dourado, braço amigo e companheiro de todas as etapas deste trabalho dando o apoio necessário para a conclusão deste estudo. A minha família, pela confiança e motivação que me deram em todas as horas. Aos amigos e colegas, pela força e pela vibração em relação a esta grande jornada. Aos estagiários companheiros do CENESP que participaram de todas as coletas, e aos professores do CENESP, pelo apoio dado a este estudo. Aos professores e colegas de Curso, pois juntos trilhamos uma etapa nova e importante de nossas vidas. A todos que, com boa intenção, colaboraram para a realização e finalização deste trabalho.

5 HENRIQUE, Tomokazu Nakamura. Análise da potência anaeróbia em atletas de futebol de diferentes categorias. Trabalho de Conclusão de Curso. Curso de Bacharelado em Educação Física. Centro de Educação Física e Esporte. Universidade Estadual de Londrina, RESUMO Durante uma partida de futebol são realizados inúmeros movimentos que envolvem a força muscular. O treinamento de força constitui-se em um dos elementos fundamentais e imprescindíveis no futebol, pois a capacidade de força muscular influencia consideravelmente a velocidade dos movimentos, resistência e agilidade do futebolista. O presente estudo teve como objetivo caracterizar a resistência anaeróbia de sprint em atletas de futebol das categorias juvenil, juniores e profissional, e a comparação da resistência anaeróbia de sprint de atletas de futebol conforma e categoria e a posição que atuam em campo. A amostra constituiu-se de 199 atletas de futebol do sexo masculino das categorias juvenil, juniores e profissional do Município de Londrina. Sendo distribuídos em 3 categorias juvenil (n=36), juniores (n=125) e profissional (n=38) e de acordo com sua posição tática dentro do jogo goleiro (n=14), zagueiro(n=42), lateral(n=30), meia (n=41), atacante (n=29) e volante(n=44). Para a avaliação da potencia anaeróbia foi utilizado o RAST Test e para análise dos dados. foi utilizado o programa de estatística SPSS 3.0 para Windows com p<0,05. Os principais resultados apontam um diferença estatisticamente significante com F=9.282 e p=0,00 para estatura, F=5,961 e p=0,00 para o peso e F=1,756 e p=0,044, sendo que as demais variáveis são diferentes porém não são consideradas estatisticamente significante. Conclui-se que cada atleta dentro de sua posição de jogo e sua categoria apresenta suas particularidades, sendo necessário considerá-las nas planificação dos treinamento. Palavras-chave:Rast Test, atleta de futebol, Potência anaerobia

6 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Médias e desvio padrão das variáveis antropométricas, potências e índice de fadiga segundo cada categoria...12 Tabela 2: Médias e desvio padrão das variáveis por posição de atuação no jogo...13 Tabela 3: Médias e desvio padrão das variáveis por posição de atuação no jogo e por categoria...14

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO MÉTODOS Caracterização da Amostra Procedimentos de coleta Tabulação e análise dos dados RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERENCIAS...18

8 8 1.INTRODUÇÃO O futebol é uma das modalidades mais praticadas no mundo, tendo por volta de 200 milhões de atletas registrados e 204 países filiados à FIFA 1. No Brasil, este esporte é muito popular podendo ser considerado uma das grandes paixões do povo, sendo reconhecido como uma das potências mundiais nesta modalidade. A seleção nacional é a que disputou todos os Campeonatos Mundiais de Futebol, participando de sete finais, sagrando-se vitorioso em cinco delas. Em razão desta popularidade, a modalidade vem sendo estudada com frequencia, com o intuito de melhorar o desempenho esportivo dos jogadores nos aspectos gerais e específicos da pátrica, mas ainda pode ser considerada como pouco estudada, merecendo mais atenção como mencionam Barros e Guerra (2004) 1. Em razão do avanço na preparação física de atletas e equipes em geral faz-se necessários novos e mais numerosos estudos e publicações desta modalidade em nosso país. Dentre todas as áreas envolvidas na prática do futebol, a preparação física tem recebido atenção especial dos profissionais e pesquisadores envolvidos com a modalidade. Onde muito recentemente, sendo uma tendência atual, verificase elaboração de programas de preparação física que atendam as especificidades dos atletas considerando principalmente, a posição que atuam em campo. Atualmente, a capacidade de resistência anaeróbia de sprint vem sendo muito valorizada nos treinamentos das equipes, pois, é de grande importância para a realização das ações ocorridas durante as partidas. Para jogadores profissionais, o tempo total de exercícios de alta intensidade durante uma partida é aproximadamente 7 minutos, onde são realizados uma média de 19 sprints com duração de 2 segundos 1. Segundo Godick 2, durante o tempo de jogo, o jogador realiza mais ou menos 100 corridas com velocidade máxima em distâncias de 5 a 20 metros, na intenção de vencer o adversário no tempo e no espaço. De acordo com Weineck 3, velocidade é a capacidade, com base na mobilidade dos processos do sistema nervo-músculo e da capacidade de desenvolvimento da força muscular, de completar ações motoras, sob determinadas condições, no menor tempo. De todas as capacidades físicas a velocidade pode ser decisiva, seja um gesto técnico uma ação motora física ou uma jogada.

9 9 Para melhorar o desempenho da velocidade o treinamento de força constitui-se em um dos elementos fundamentais e imprescindíveis, pois a força muscular influência consideravelmente os movimento, resistência e agilidade do atleta. Dintiman, Ward e Telez 4 referem-se à resistência de velocidade, como o ato de resistir o maior tempo possível em velocidade máxima, ou seja, ainda que o atleta atinja altos índices de velocidade, ele deve conseguir manter esses altos índices por um determinado tempo, sem que haja uma grande queda em sua velocidade. Weineck 5 afirma que a resistência de velocidade não pode ser vista da maneira como é vista nas corridas de velocidade do atletismo, pois dificilmente um atleta necessitaria realizar sprints de 100m em linha reta durante um jogo. O atleta de futebol além de percorrer distâncias menores, necessita na grande maioria de finaliza-las com uma ação de conclusão (cruzamento, passe, chute a gol). O mesmo autor ainda diferencia a resistência de velocidade da resistência de sprints, onde entende-se resistência de sprints como a capacidade do atleta, realizar vários sprints máximos, durante o jogo sem a ocorrência da queda no desempenho. Para se obter um melhor rendimento dos atletas de futebol, é necessário que o profissional responsável pela preparação física da equipe conheça as características e necessidades de cada atleta exigidas conforme cada posição de jogo, para assim poder direcionar o treinamento de forma correta, e para uma melhor caracterização das necessidades dos profissionais são utilizados vários testes para quantificar as capacidades físicas, inclusive a potência, um dos testes mais utilizados é o Wingate de perna que consiste em um teste onde o atleta deverá realizar 30 segundos de esforço máximo com uma carga de 7,5% do peso corporal, porém esse não é muito especifico para o futebol, apesar de ter sido muito utilizado pois necessita ser utilizado em um cicloergometro, apresentando dificuldade para transferir as informações para a realidade de um atleta de futebol. Recentemente outro teste vem sendo aplicado em atletas de futebol é o Running-based Anaerobic Sprint Test (RAST TEST), esse teste aparenta ser o mais adequado para a realidade do atleta de futebol, pois pode ser desenvolvido dentro do campo de futebol com o atleta calçando chuteiras, onde ele deverá realizar

10 10 corridas no máximo de sua capacidade, aproximando-se da realidade do atleta dentro de campo. No momento, a preparação física do futebol, é aplicada de forma especializada, ou seja, o treinamento das capacidades é trabalhado de acordo com a função tática desempenhada no jogo, visto que, ao treinar estas capacidades por função, aumenta a possibilidade de um melhor desempenho dos atletas no jogo. De acordo com Bangsbo apud Barros e Guerra 1, um jogador de futebol passa menos de um minuto por jogo em sprints de alta velocidade no total de tempo, porém, muitas vezes, as partidas são decididas em lances de alta velocidade, quando um jogador consegue ser mais rápido em relação ao adversário, reforçando a importância do estudo da variável resistência anaeróbia de sprint. Concordando com Barros e Guerra 1, observa-se que para qualquer variável analisada em atletas de futebol não verifica-se publicações que tragam valores ideais para cada variável e para cada posição em campo, estabelecendo-se dificuldades para a formação de valores normativos, portanto, esse trabalho tende a contribuir com valores extraídos de atletas de diferentes categorias que se encontram em treinamento sistematizado para classificação desses atletas. Desta forma o presente estudo teve como objetivo a caracterização da resistência anaeróbia de sprint em atletas de futebol das categorias juvenil, juniores e profissional; e a comparação da resistência anaeróbia de sprint de atletas de futebol conforme a categoria e a posição que atuam em campo, verificando possíveis diferenças existentes entre ambos.. 2. MÉTODOS 2.1. Caracterização da Amostra O presente estudo caracteriza-se como export facto descritivo, pois as observações e mensurações sobre o desempenho dos atletas de futebol forma feitas sem nenhuma manipulação ou intervenção por parte do pesquisador, durante o período de avaliação.

11 11 A amostra deste estudo foi composta por 199 atletas de futebol, do sexo masculino sendo distribuídas em 3 categorias juvenil (36), juniores (125) e profissional (38) do Município de Londrina-Pr Procedimentos para coleta dos dados Antropometria: para a mensuração das medidas antropométricas foram utilizadas para a massa corporal uma balança filizola, calibrada com precisão de 0,5Kg; a estatura através de um estadiometro com escala de 0,1cm. Rast Test; para o desenvolvimento deste estudo, utilizou-se o protocolo do Running-based Anaerobic Sprint Test ( RAST TEST ), realizado em campo de futebol, específico com o atleta calçando chuteiras. Cada um dos sujeitos realizou seis corridas de 35 metros em local devidamente demarcado, no máximo de sua velocidade, com intervalo de 10 segundos de recuperação entre as corridas, cujo objetivo foi a de observar a capacidade de resistência a esforço máximo repetitivo em alta velocidade. Utiliza-se um sistema de células fotoelétricas, no intuito de obter maior precisão na coleta dos tempos durante as seis corridas do teste e cronômetros da marca Cassio para marcação dos 10 segundos de recuperação. Onde adotou-se também um notebook da marca Toshiba para registro das informações coletadas no RAST TEST e análise posterior. Os indivíduos, após serem informado sobre as finalidades do estudo e os procedimentos aos quais seriam submetidos, assinaram termo de consentimento livre e esclarecido. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual de Londrina sob o protocolo numero 062/ Tabulação e análise dos dados Para análise dos dados foi utilizado o programa de estatística SPSS 3.0 para Windows.

12 12 Para analise dos dados os atletas foram agrupados conforme a categoria e com sua posição tática dentro do jogo (goleiro, zagueiro, lateral, meia, atacante e volante). Os dados obtidos foram organizados com valores de potência máxima absoluta (PMA), potencia máxima relativa (PMR) e índice de fadiga (IF). A análise estatística foi estabelecida através de estatistica descritiva com medidas de tendência centrais (médias de desvio padrão), onde também foram verificados as condições de normalidade através dos testes de Kolmogorov-Smirnof e Shapiro-Wilks. Utilizou-se de Anova One-Way para a identificação de diferenças estatisticamente significantes entre as 3 diferentes categorias e também para as 6 diferentes posições de atuação em campo, com posterior análise de Post-Hoc de Scheffe. Para a verificação de diferenças significantes entre as diferentes posições e cada categoria adotou-se a Anova One-way a dois fatores fixos, com o intuito de verificar o efeito de duas variáveis qualitativas em uma variável quantitativa RESULTADOS Os resultados encontrados no RAST TEST são apresentados na tabela 1 verifica-se a comparação entre as variáveis antropométricas, potências absolutas e relativas e o índice de fadiga entre as diferentes categorias. Na tabela 2 compara-se as mesmas variáveis em relação às diferentes posições de atuação durante o jogo e na tabela 3 compara-se cada atleta na sua posição de jogo dentro da sua categoria. Na tabela 1 podemos verificar as diferenças estatísticas entre as categorias, os resultados encontrados revelaram diferença estatisticamente significante apenas no peso para a variável antropométrica e nas outras potências não houve diferenças. A tabela 2 apresenta os resultados das variáveis antropométricas e das potencias quando comparamos cada variável nas diferentes posições de jogo.

13 13 Os resultados encontrados, apresentam diferença estatisticamente significativa, nas variáveis antropométricas, na potência máxima, na potência máxima relativa e no índice de fadiga. Na tabela 3 verifica-se as diferenças estatisticamente significante na estatura, peso e na potência máxima absoluta entre as posições em todas as categorias Tabela 1: Médias e desvio padrão das variáveis antropométricas, potências e índice de fadiga segundo cada categoria VARIAVEL JUVENIL (36) JUNIOR (125) PROFISSIONAL (38) F P Estatura (cm) 1,77 ±0,71cm 1,77 ± 0,63 cm 1,76 ± 0,80 cm 0,237 0,790 Peso (kg) 69,35 ± 6,68 70,61 ± 7,25 73,89 ± 9,22 3,792 0,024* Pot. Máx. Abs (wats) 730,04 ± 93,92 777,85 ± 131,56 795,27 ± 105,11 3,01 0,051 Pot. Máx. Relat. (w/kg) 10,53 ± 1,03 11,02 ± 1,56 10,81 ± 1,13 1,75 0,176 IF 8,57 ± 2,30 9,14 ± 3,04 8,92 ± 2,73 0,55 0,573 P<0,05 *

14 Tabela 2: Médias e desvio padrão das variáveis por posição de atuação no jogo. 14 VARIAVEL GOLEIRO (14) ZAGUEIRO (42) LATERAL (30) MEIA (41) ATACANTE (29) VOLANTE (44) F P Estatura (cm) 1,86 ± 0,03 1,83 ± 0,04 1,74 ± 0,05 1,72 ± 0,06 1,75 ± 0,06 1,76 ± 0,041 31,53 0,000* Peso (kg) 81,77 ± 8,37 76,16 ± 5,75 67,8 ± 5,30 65,79 ± 6,66 68,95 ± 6,48 71,1 ± 5,68 22,49 0,000* Pot. Máx. Abs. (Wats) 828,46 ± 102,29 834,78 ± 111,39 747,26 ± 127,44 715,17 ± 123,91 789,42 ± 108,12 755,23 ± 110,48 5,73 0,000* Pot. Máx. Relat (w/kg) 10,14 ± 0,93 10,97 ± 1,26 10,96 ± 1,39 10,83 ± 1,42 11,63 ± 1,56 10,59 ± 1,41 2,89 0,015* IF 9,64 ± 2,12 10,00 ± 2,53 8,05 ±0,11 8,18 ± 2,51 10,28 ± 3,57 8,42 ± 2,45 4, * P<0,05

15 15 Tabela 3: Médias e desvio padrão das variáveis por posição de atuação no jogo e por categoria. Juvenil Posição Goleiro (2) Zagueiro (10) Lateral (3) Meia (7) Atacante (7) Volante (7) Estatura*(cm) 1,86 ± 0,057 1,84 ± 0,036 1,71 ± 0,033 1,69 ± 0,053 1,74 ± 0,037 1,78 ± 0,040 Peso** (kg) 75,55 ± 16,19 74,73 ± 5,89 65,23 ± 4,40 63,37 ± 5,10 68,28 ± 3,33 68,74 ± 2,88 Pot. Máx. Absol.***(wats 774,03 ± 133,80 772,99 ± 94,27 654,16 ± 35,52 645,43 ± 40,12 763,5 ± 116,14 739,78 ± 57,08 Pot. Máx. Relat (w/kg) 10,29 ± 0,43 10,32 ± 0,76 10,03 ± 0,43 10,24 ± 1,08 11,18 ± 1,62 10,76 ± 0,79 Indice de Fadiga 8,52 ± 2,72 9,11 ± 1,85 7,42 ± 0,98 7,16 ± 1,92 9,96 ± 3,6 8,33 ± 1,32 Juniores Goleiro (7) Zagueiro (25) Laterais (22) Meia (26) Atacante (16) Volante (29) Estatura*(cm) 1,85 ± 0,036 1,83 ± 0,045 1,74 ± 0,052 1,74 ± 0,055 1,74 ± 0,064 1,77 ± 0,038 Peso**(kg) 79,58 ± 6,50 76,21 ± 6,34 67,17 ± 5,99 66,73 ± 5,71 66,47 ± 6,28 71,97 ± 5,40 Pot. Máx. Absol.***(wats) 805,32 ± 108,84 852,7 ± 122,15 741,04 ± 140,34 736,71 ± 131,60 778,07 ± 121,42 771,37 ± 123,79 Pot. Máx. Relat (w/kg) 10,11 ± 1,07 11,20 ± 1,45 10,98 ± 1,47 11,01 ± 1,62 11,74 ± 1,74 10,72 ± 1,57 Indice de Fadiga 9,78 ± 2,58 10,14 ± 2,96 8,11 ± 3,48 8,43 ± 2,60 10,44 ± 3,56 8,82 ± 2,61 Profissional Goleiro (6) Zagueiro (7) Lateral (5) Meia (5) Atacante (6) Volante (9) Estatura*(cm) 1,85 ± 0,062 1,79 ± 0,052 1,73 ± 0,060 1,74 ± 0,100 1,71 ± 0,104 1,76 ± 0,047 Peso** (kg) 83,48 ± 10,72 73,91 ± 6,73 70,62 ± 3,36 70,72 ± 13,63 71,01 ± 9,40 73,00 ± 6,69 Pot. Máx. Absol.***(wats) 845,77 ± 112,63 810,23 ± 71,13 817,87 ± 100,97 754,15 ± 153,79 806,96 ± 96,83 752,47 ± 104,61 Pot. Máx. Relat (w/kg) 10,16 ± 0,91 10,99 ± 0,79 11,6 ± 1,50 10,66 ± 0,75 11,4 ± 0,86 10,34 ± 1,34 Indice de Fadiga 9,32 ± 1,89 10,16 ± 1,66 10,76 ± 3,82 7,8 ± 2,33 8,75 ± 3,46 7,41 ± 2,39 * F= e p=0.000 ** F=5,961 e p=0,000 *** F= 1,756 e p=0, DISCUSSÃO Pelo fato do atleta de futebol realizar grande número de deslocamentos com intensidade e duração variada, a potência anaeróbia se faz um aspecto importante para o atleta, para que não ocorra um estado de fadiga durante as partidas. Como pode se verificar na tabela 1, a amostra desse estudo apresentou-se com as seguintes características antropométricas: para atletas juvenis verificou-se uma estatura média de 1,77 ±0,71cm e peso de 69,35 ± 6,68; para os juniores a estatura foi de 1,77 ± 0,63 cm e peso de 70,61 ± 7,25 ; para os atletas da categoria profissional a estatura observado foi de 1,76 ± 0,80 cm e o peso de 73,89 ± 9,22.

16 16 Quanto aos resultados encontrados nesta tabela, referentes à PMA, PMR e IF encontrou-se os seguintes valores: para a categoria juvenil verificou-se os valores de PMA= 730,04 ± 93,92, PMR=10,53 ± 1,03 e IF=8,57 ± 2,30; para os juniores os valores são PMA= 777,85 ± 131,56, PMR=11,02 ± 1,56 e IF=9,14 ± 3,04; para os atletas da categoria profissional pode-se observar os seguinte valores PMA=795,27 ± 105,, PMR=10,81 ± 1,13 e IF=8,92 ± 2,73. Em relação aos resultados apresentados anteriormente identificou-se apenas diferenças estatisticamente significante com F=3,792 e p=0,024 para a variável peso, sendo que para as demais variáveis, apesar de verificar-se diferenças essas não são consideradas estatisticamente significantes. Em relação às categorias juvenil e juniores os valores encontrados são diferentes e superiores ao encontrado em um estudo realizado por Spigolon (2007) 7, onde analisou 74 atletas de categorias semelhantes da equipe Esporte Clube XV de Novembro da cidade de Piracicaba/SP encontrando valores de 9,79 w/kg e 10,82 w/kg, respectivamente. Nesse mesmo estudo o autor encontrou na categoria profissionais, valores de PMR de 11,32 w/kg, superiores aos identificados no presente estudo. Na tabela 2, a amostra do estudo apresentou as seguintes características antropométricas quando os atleta foram analisados conforme a sua posição de jogo; para atletas da posição goleiro verificou-se uma estatura média de 1,86 ± 0,03 e peso de 81,77 ± 8,37; para os zagueiro os valores são de 1,83 ± 0,04 para estatura média e 76,16 ± 5,75 para o peso; os laterais apresentaram estatura média de 1,74 ± 0,05 e peso de 67,8 ± 5,30; meia apresentou estatura de 1,72 ± 0,06 e peso de 65,79 ± 6,66; os valores encontrado para os atacantes são 1,75 ± 0,06 para estatura média e 68,95 ± 6,48 para o peso; os volantes apresentam estatura média de 1,76 ± 0,041 e peso de 71,1 ± 5,68. Quanto aos resultados encontrado na tabela 2 referentes a PMA, PMR e IF encontrou-se os seguintes valores para cada posição de jogo: para os goleiros verificou-se PMA= 828,46 ± 102,29, PMR=10,14 ± 0,93 E IF=9,64 ± 2,12; para os zagueiros os valores encontrados foram PMA= 834,78 ± 111,39, PMR=10,97 ± 1,26 e IF=10,00 ± 2,53; para os laterais verificou-se PMA=747,26 ± 127,44, PMR=10,96 ± 1,39 e IF=8,05 ±0,11; para os meias os valores encontrados são PMA= 715,17 ± 123,91, PMR=10,83 ± 1,42 e IF=8,18 ± 2,51; para os atacantes a PMA=789,42 ±

17 17 108,12, PMR= 11,63 ± 1,56 e IF= 10,28 ± 3,57; para os volantes foi encontrado valores de PMA=755,23 ± 110,48, PMR=10,59 ± 1,41 e IF=8,42 ± 2,45. Em relação aos resultados apresentados anteriormente identificou-se diferença estatisticamente significante para todas as variáveis apresentadas com F=31,53 e p=0,00 para a estatura; F=22,49 e p=0,00 para o peso; F=5,73 e p=0,00 para a PMA; F=2,89 e p=0,01 para a PMR; 4,29 e p=0,01. Em relação aos resultados encontrados na tabela 3 quando comparamos os atleta de acordo com sua posição de jogo, dentro de sua categoria, identificou-se apenas diferenças estatisticamente significante com F=9.282 e p=0.00 para estatura, F=5,961 e p=0,00 para peso e F= 1,756 e p=0,04 para PMA, sendo que as demais variáveis apesar de diferentes não são consideradas estatisticamente significante. O Rast Test pode ser considerado como um excelente teste para quantificar a potência anaeróbia em modalidade esportivas coletivas com características intermitentes, utilizando à como avaliação da potência anaeróbia de sprints em atletas, e isso pode ser verificado em alguns estudos publicados de outras modalidade 8,9,10 que o utilizam, onde localizam valores semelhantes aos encontrado nesse estudo. 5. CONCLUSÕES Conforme objetivos estabelecidos no presente estudo e os resultados das análises estabelecidas pode-se concluir: -quando os atleta são comparados dentro de sua categoria é observada diferença estatisticamente significante para à variável peso, sendo que nas outras variáveis não foi encontrado diferença significante; -quando os atletas são comparados nas suas posições de jogo sem levar em conta a categoria são encontradas diferenças estatisticamente significantes em todas as variáveis; -quando os atletas foram comparados dentro de sua posição de jogo e categoria foram encontrado diferença estatisticamente significante nas variáveis estatura, peso e potência máxima absoluta, sendo que nas demais variáveis não foi encontrado diferença estatisticamente significante.

18 18 A utilização da comparação de atletas em suas posições de jogo e categoria mostraram-se aparentemente mais adequada, pois nessa comparação é estabelecida maior distinção para as características da amostra, possibilitando a identificação de diferenças significante para as variáveis adotadas neste estudo.

19 19 REFERÊNCIAS 1. BARROS NETO, T. L.; GUERRA, I. Ciência do Futebol. 1ª ed. São Paulo: Manole, GODIK, M. A. Futebol: preparação física dos futebolistas de alto nível. GOMES, A. C.; MANTOVANI, M. Adaptação Técnica e Científica. 1ª ed. Londrina: Grupo Palestra Sport, WEINECK, J. Biologia do Esporte. 1ª edição. São Paulo: Editora Manole, DINTIMAN, G; WARD, B; TELLEZ, T. Velocidade nos Esportes, Programa nº 1 para Atletas. 2ª edição, Editora Manole, WEINECK, J. Velocidade é a arma do jogador de futebol. Revista Phorte, Phorte Editora, PESTANA M. H.; GAGEIRO J. N. Análise de dados para ciências sociais. 4ª Ed. Lisboa; Silabo, SPIGOLON, L.,M.,P; BORIN, J.,P.; LEITE, G, S; PADOVANI, C, R,P; PADOVANI, C,R. Potência anaeróbia em atletas de futebol de campo: diferenças entre categorias. Coleção Pesquisa em Educação Física, vol.6, junho, p, , ROSEGUINI, A. Z.; SILVA, A. S. R.; GOBATTO, C. A. Determinações e Relações dos Parâmetros Anaeróbios do RAST, do Limiar Anaeróbio e da Resposta Lactacidemica Obtida no Início, no Intervalo e ao Final de uma Partida Oficial de Handebol. Revista brasileira de Medicina do esporte, vol. 14, n 1, Jan/fev ARAUJO G.G; MANCHADO F. B.; CAMARGO B. H.; PAPOTI, M.; GOBATTO C. A. Rast test como indutor de hiperlactacidemia em protocolo de lactato mínimo específico para avaliação aeróbia e anaeróbia de atletas de alto rendimento do basquetebol. In: II Congresso Paulista da Sociedade Brasileira de Fisiologia do Exercício, Anais. São Carlos, 2006

20 JUNIOR U. B. C.; SCAPATICCI E. F.; BLANCO M. V. B.; SILVA G. B. perfil fisiológico de jogadores de beisebol da categoria pré-junior. ( Monografia ) Unisalesiano. Lins, PAVANELLI, C. Testes de avaliação no futebol In: BARROS, T. L. de, & GUERRA, I. (org.) Ciência do Futebol, Barueri, SP : Manole, 2004

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 159 A 164 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 2ª ª Parte ARTIGO ORIGINAL EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL. Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN

Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL. Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN Autores Jeferson Tafarel Pereira do Rêgo Nickson Barbosa Marinho Péricles Roberto Silva Rodrigues Orientador: João

Leia mais

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso).

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso). Caro Sr(a) alunos do Curso de Formação de Oficiais de Arbitragem de Futsal, estamos nos dirigindo a VSrª, para convocá-lo a participar de mais uma etapa componente do processo geral. Nesta etapa, como

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE?

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? 980 O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? Felipe Ruy Dambroz - NUPEF/UFV João Vítor de Assis - NUPEF/UFV Israel Teoldo da Costa

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Composição corporal de judocas: aspectos relacionados ao desempenho

Composição corporal de judocas: aspectos relacionados ao desempenho Composição corporal de judocas: aspectos relacionados ao desempenho Edmar; L. Mendes, Sabrina; P. Fabrini, Ciro; J. Brito, João; Carlos B. Marins LAPEH Lab. de Performance Humana UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP RELATÓRIO DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO VII do Edital n o 005/2010 - CIC/UENP 1. IDENTIFICAÇÃO: 1.1 RELATÓRIO: (Assinalar) SEMESTRAL/PARCIAL

Leia mais

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net)

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net) CORRELAÇÃO ENTRE O ÍNDICE DE ADIPOSIDADE CORPORAL, ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E ESTIMATIVA DE ADIPOSIDADE CORPORAL POR MEIO DE DE DOBRAS CUTÂNEAS EM DIFERENTES FAIXAS ETÁRIAS RAFAEL MACEDO SULINO HENRIQUE

Leia mais

5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG

5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG RELAÇÃO ENTRE A POTÊNCIA MÉDIA DA ARTICULAÇÃO DO OMBRO DOMINANTE E O TESTE

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM

INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM ARTIGO ORIGINAL INCLUSÃO DE TERMO DE INÉRCIA AERÓBIA NO MODELO DE VELOCIDADE CRÍTICA APLICADO À CANOAGEM Fábio Yuzo Nakamura 1,2 Thiago Oliveira Borges 1,2 Fabrício Azevedo Voltarelli 3 Luis Alberto Gobbo

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica COMPARAÇÃO DO TESTE DE RAST EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL DE NÍVEL UNIVERSITARIO 367 João da Hora Araujo Junior 1, Raphael Furtado Marques 1, Herikson Araújo Costa 1, Katia Regina Moura Marques 2, Rosani

Leia mais

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR Giovanna Pereira de Souza 1 Milena Cristina de Souza Lopes Bujato 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah

Leia mais

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO Angélica Weschenfelder Martim Bianco 1 Prof Orientador: Osvaldo Donizete Siqueira RESUMO A verificação das condições

Leia mais

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS.

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. MÁXIMO, Jefferson Jorcelino 1 Introdução: O índice de massa corpórea IMC é uma medida simples do

Leia mais

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Objetivo 1 apuramento para os jogos Objetivo 2 desenvolvimento geral da vertente

Leia mais

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master Street Volei / Barra Music Nelso Kautzner Marques Junior kautzner123456789junior@gmail.com 2016 2 Índice Introdução, 3

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO EDITAL Nº 003/2016, DE 14 DE JANEIRO DE 2016 Seleção para Alunos de Pós-Graduação Lato Sensu para

Leia mais

APOSTILA JOGADORES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES

APOSTILA JOGADORES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES APOSTILA JOGADORES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES O JOGADOR PADRÃO APOSTILA PÁGINA 6 As onze PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DE UM BOM JOGADOR 1 - Sendo um jogo de conjunto, procurar sempre, e o mais rápido possível

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. CARACTERIZAÇÃO DO JOGO 6 2. REGRAS DO JOGO E REGULAMENTOS ESPECÍFICOS 4 3. MEIOS DE ENSINO DO JOGO 20 4. COMPONENTES

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol 13/04/2015 VELOCIDADE PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA Bruno Romão 13/04/2015 VELOCIDADE - SÍNTESE 1. Introdução 2. Definição 3. A no Futebol 4. Formas de Manifestação de 5. Factores

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática

CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática Alexandre Andrade Gomes / UNI-BH Leonardo Henrique Silva Fagundes / UNI-BH Pablo Ramon Coelho de Souza / UNI-BH Alessandro

Leia mais

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL.

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. 1117 EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. Elton Ribeiro Resende /NUPEF - UFV Fernanda Lobato/NUPEF - UFV Davi Correia da Silva/NUPEF UFV Israel

Leia mais

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA Análise do Tempo de Jogo e Tempo de Pausa, em função da alteração de uma regra de jogo (reinício de jogo após golo) Sequeira, P. & Alves, R. Instituto

Leia mais

ALUNO (A): Nº. 2- Quantos jogadores de handebol ficam na reserva? A. 5jogadores. B. 6jogadores. C. 7jogadores. D. 8jogadores. E. 9jogadores.

ALUNO (A): Nº. 2- Quantos jogadores de handebol ficam na reserva? A. 5jogadores. B. 6jogadores. C. 7jogadores. D. 8jogadores. E. 9jogadores. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 6º A, B, C DISCIPLINA:

Leia mais

PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE

PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE 2005 Antônio Rizola Neto (1) Cristino Julio Alves da Silva Matias (2) Pablo Juan Greco (2)

Leia mais

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS.

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. Leandro Mateus Pagoto Spigolon 1, João Paulo Borin 1, Gerson dos Santos Leite 1, Carlos Roberto Pereira Padovani 2, Carlos

Leia mais

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG

6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG ASSOCIAÇÃO DA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DA SAÚDE COM INDICADORES DE COMPOSIÇÃO

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Princípios do Treinamento - Métodos de Treinamento

Leia mais

INICIAÇÃO AO FUTEBOL. Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO:

INICIAÇÃO AO FUTEBOL. Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO: INICIAÇÃO AO FUTEBOL Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO: O jogo de futebol não é feito apenas de fundamentos (movimentos técnicos), a relação com a bola é uma das competências essênciais

Leia mais

CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Ao longo deste capítulo, serão apresentados os resultados obtidos bem como a sua discussão, após o tratamento estatístico das variáveis envolvidas no

Leia mais

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A PROVAS 1) Atletismo 2) Futsal 3) Voleibol Especial 4) Natação 5) Cabo de Guerra 6) Provas de Habilidade 7) Tênis de Mesa A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B - Nesta prova

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO)

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) Prevalência e Factores de Sucesso do Aleitamento Materno no Hospital

Leia mais

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016, de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014 TIPOS DE ELAINE DALMAN MILAGRE Parcela da Musculatura envolvida -Geral -Local Formas de Exigência Motora Envolvida -Força Máxima -Força Rápida -Resistência de Força Tipo de Trabalho do Músculo -Dinâmico

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CAPACIDADES FÍSICAS EM ATLETAS DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS SUB-15 E SUB-17.

AVALIAÇÃO DAS CAPACIDADES FÍSICAS EM ATLETAS DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS SUB-15 E SUB-17. AVALIAÇÃO DAS CAPACIDADES FÍSICAS EM ATLETAS DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS SUB-15 E SUB-17. NAIARA PINTO MESQUITA, OTAVIO NOGUEIRA BALZANO, TÚLIO LUIZ BANJA FERNANDES Universidade Federal do Ceará, Instituto

Leia mais

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA 1. AMOSTRA Com o objectivo de identificar as habilidades psicológicas e avaliar a ansiedade traço, participaram neste estudo 69 praticantes federados de Futebol com idades compreendidas

Leia mais

Introdução à Bioestatística. Profº Lucas Neiva-Silva Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008

Introdução à Bioestatística. Profº Lucas Neiva-Silva Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008 Introdução à Bioestatística Profº Lucas Neiva-Silva lucasneiva@yahoo.com.br Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008 Estatística Do grego statistós, de statízo, que significa estabelecer,

Leia mais

AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS

AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS Jéssica Cruz de Almeida¹ Joyce Cristina de S. N. Fernandes¹ Jozilma de Medeiros Gonzaga¹ Maria Goretti da Cunha Lisboa¹ Universidade Estadual da Paraíba¹

Leia mais

Resposta de Nadadores de Elite Portuguesa aos Estados de Humor, ITRS e Carga de Treino em Microciclos de Choque e recuperação

Resposta de Nadadores de Elite Portuguesa aos Estados de Humor, ITRS e Carga de Treino em Microciclos de Choque e recuperação Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Resposta de Nadadores de Elite Portuguesa aos Estados de Humor, ITRS e Carga de Treino em Microciclos de Choque e recuperação

Leia mais

FIEP BULLETIN - Volume 83 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net)

FIEP BULLETIN - Volume 83 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net) IDENTIFICAÇÃO DA CAPACIDADE AEROBIA, VELOCIDADE E ALTURA DOS SALTOS VERTICAIS DAS ATLETAS DA EQUIPE FEMININA DE HANDEBOL DA CIDADE DE BETIM, MINAS GERAIS, BRASIL, CATEGORIA ADULTO. MARCOS DANIEL MOTTA

Leia mais

Departamento de Estatística

Departamento de Estatística Laboratório de Ciências - Aula 3 Departamento de Estatística 7 de Janeiro de 2014 Introdução Suponha que dispomos de um conjunto de dados, por exemplo, número de gols (ou número de impedimentos, chutes

Leia mais

Federação Mineira de Handebol Filiada a CBHb Confederação Brasileira de Handebol Fundada em 20 de julho de 1971

Federação Mineira de Handebol Filiada a CBHb Confederação Brasileira de Handebol Fundada em 20 de julho de 1971 REGULAMENTO CAMPEONATO MINEIRO INFANTIL DE CLUBES 2013 1. A Competição será realizada de acordo com o Regulamento Geral de Competições da FMH, pelas regras oficiais da IHF e por este Regulamento Especifico.

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Alceste Ramos Régio

Leia mais

ADAPTAÇÃO DO SPECIAL JUDO FITNESS TEST PARA O KARATE: UM ESTUDO COM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA.

ADAPTAÇÃO DO SPECIAL JUDO FITNESS TEST PARA O KARATE: UM ESTUDO COM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA. ADAPTAÇÃO DO SPECIAL JUDO FITNESS TEST PARA O KARATE: UM ESTUDO COM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA. INTRODUÇÃO HERALDO SIMÕES FERREIRA Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil heraldo.simoes@uece.br

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE. CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas

FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE. CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas INTRODUÇÃO O futsal é uma modalidade em que ações apresentam grande imprevisibilidade e variabilidade, exigindo

Leia mais

Medidas e Avaliação da Atividade Motora

Medidas e Avaliação da Atividade Motora Escola de Educação Física e Esporte da USP Tema da aula: Conceitos Básicos Medidas e Avaliação da Atividade Motora Objetivos da aula: Conceituar: medida, teste, avaliação Compreender as etapas do processo

Leia mais

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo Bioquímica da Atividade Motora Calorimetria Medida do Gasto Energético No Exercício Físico Objetivo da aula Medida do gasto energético no exercício

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Eduardo Silva Pinheiro Neves (PIBIC-Jr/Fundação Araucária), Paulo César Paulino (Orientador),

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA Agilidade: executar movimentos dinâmicos com precisão, utilizando velocidade e destreza de movimentos, demonstrando facilidade em se deslocar. Resultados

Leia mais

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento Universidade de São Paulo Escola de Educação Física e Esporte Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento André Casanova Silveira João Lucas Penteado Gomes Ago/2016 Referência Bibliografia

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 RESUMO

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 RESUMO COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 Danilo Cardoso de Sá dos Santos Profa. Ma. Giseli de Barros Silva Centro Universitário

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA

PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA Introdução: Este estudo de caso seleciou 21 meninos, com idades entre 9 e 12 anos de uma turma do 2º ano da Escola do

Leia mais

ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL

ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL José Cícero Moraes / UFRGS Daniel Perin / UFRGS Marcelo Francisco da Silva Cardoso Cardoso / UFRGS Alberto de Oliveira

Leia mais

Artigo de revisão: BALANÇO HÍDRICO EM JOGADORES DE FUTEBOL: PROPOSTA DE ESTRATÉGIAS DE HIDRATAÇÃO DURANTE A PRÁTICA ESPORTIVA

Artigo de revisão: BALANÇO HÍDRICO EM JOGADORES DE FUTEBOL: PROPOSTA DE ESTRATÉGIAS DE HIDRATAÇÃO DURANTE A PRÁTICA ESPORTIVA Artigo de revisão: BALANÇO HÍDRICO EM JOGADORES DE FUTEBOL: PROPOSTA DE ESTRATÉGIAS DE HIDRATAÇÃO DURANTE A PRÁTICA ESPORTIVA Ana Paula Muniz Guttierres 1, Jorge Roberto Perrout Lima 2, Antônio José Natali

Leia mais

X SEMANA ESPORTIVA DA UTFPR-CP (SEUT 2016) De 03 a 09 de novembro

X SEMANA ESPORTIVA DA UTFPR-CP (SEUT 2016) De 03 a 09 de novembro X SEMANA ESPORTIVA DA UTFPR-CP (SEUT 2016) De 03 a 09 de novembro REGULAMENTO GERAL 1. FINALIDADE Resgatar momentos lúdicos e de companheirismo por meio de atividades esportivas entres alunos dos cursos

Leia mais

1ª e 2ª testagem do Programa FitnessGram na turma - 10ºA

1ª e 2ª testagem do Programa FitnessGram na turma - 10ºA 1ª e 2ª testagem do Programa FitnessGram na turma - 1ºA Os testes que a seguir se referem, do Programa Fitnessgram, foram aplicados na turma 1ºA em dois momentos distintos a primeira testagem no início

Leia mais

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA A capacidade do organismo de resistir à fadiga numa actividade motora prolongada. Entende-se por fadiga a

Leia mais

ANÁLISE DO JOGO. Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr.

ANÁLISE DO JOGO. Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr. ANÁLISE DO JOGO Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr. TIPOS DE ANÁLISE QUANTITATIVA SCOUT QUALITATIVA METODOLOGIA OBSERVACIONAL ANÁLISE QUANTITATIVA SCOUT: Processo de recolha de informações acerca dos adversários

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Ensino Secundário Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Ano letivo 2014/2015 I. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano Letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Prova/Código: 311 Ano de Escolaridade: 12º Ano (CH/AEDC) 1. Introdução

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL Marcelo Odilon Cabral de Andrade / UFV Israel Teoldo da Costa / UFV marcelo.andrade@ufv.br ոո Palavras-chave: Tática,

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO

TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO CATEGORIA:

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 55 COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO RELATIVO EM ATLETAS DE FUTEBOL ENTRE DIFERENTES CATEGORIAS DE BASE Ricardo Yukio Asano 1, Eduardo Fernandes Miranda 1, Daniele Bueno Godinho Ribeiro 1, Gabriel

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA Informação

EDUCAÇÃO FÍSICA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova 26 / 2016 3º Ciclo do Ensino Básico 3º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei nº139/2012, de 5 de julho Despacho normativo nº1-f/2016 de 5 de abril Despacho normativo

Leia mais

Tabela de Jogos da Ginchamp 2017

Tabela de Jogos da Ginchamp 2017 Tabela de Jogos da Ginchamp 2017 Equipes: Equipe 1 (E1); Equipe 2 (E2); Equipe 3 (E3); Equipe 4 (E4) e Equipe 5 (E5). Tabela de Jogos de Mini Voleibol Quadra sintética 13h30 13h42 1 E1 x E2 Quadra sintética

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 165 INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FUTSAL NA COMPOSIÇÃO CORPORAL E NA POTÊNCIA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DO SEXO FEMININO Graciele Ferreira de Ferreira 1, Márcia Morschbacher 1, Maurício Lobo Giusti

Leia mais

COMPARAÇÃO ANTROPOMÉTRICA ENTRE ATLETAS DE HANDEBOL DA UFSC COM ATLETAS DE ALTO NÍVEL E SELEÇÃO BRASILEIRA

COMPARAÇÃO ANTROPOMÉTRICA ENTRE ATLETAS DE HANDEBOL DA UFSC COM ATLETAS DE ALTO NÍVEL E SELEÇÃO BRASILEIRA COMPARAÇÃO ANTROPOMÉTRICA ENTRE ATLETAS DE HANDEBOL DA UFSC COM ATLETAS DE ALTO NÍVEL E SELEÇÃO BRASILEIRA Marcelo Queiroz Fróes, Fernanda Pelozin Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Daniel

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 241 COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DAS CAPACIDADES MOTORAS DE ESCOLARES PRATICANTES DE FUTSAL E ATIVIDADE FÍSICA GERAL DA CIDADE DE GUARULHOS/SP Rubem Machado Filho 1 RESUMO O estudo

Leia mais

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. Guilherme Sanches Valverde 2 Fernanda Pereira de Souza 3 Rosangela Marques Busto 4 Abdallah Achour Junior 4 Fausto Orsi de Medola 4 RESUMO Este estudo

Leia mais

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK *

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * Prof. Marcelo Augusti Técnico em Corridas de Fundo Especialização em Fisiologia do Exercício e Treinamento Desportivo

Leia mais

Jogos Champagnat 2013

Jogos Champagnat 2013 Jogos Champagnat 2013 Capítulo I Geral Art. 1º - Este Regulamento é o conjunto das disposições que regem os Jogos Champagnat 2013. Art. 2º - Os Jogos Champagnat são organizados pelo Colégio Marista Santa

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento visa divulgar as características da prova de

Leia mais

CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva. Nome Esportivo: Felipe. Nasc.: 16/11/1994. Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2

CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva. Nome Esportivo: Felipe. Nasc.: 16/11/1994. Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2 CURRÍCULO DO ATLETA DADOS PESSOAIS: Nome: Felipe Borges da Silva Nome Esportivo: Felipe Nasc.: 16/11/1994 Embarcação: Canoa Masculino C-1 - C-2 Naturalidade: Foz do Iguaçu-PR Estado Civil: Solteiro E-mail/msn:

Leia mais

EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O PESO CORPORAL E A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES OBESAS

EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O PESO CORPORAL E A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES OBESAS A obesidade é uma doença crônica classificada como epidêmica, tendo apresentado importante aumento na sua prevalência nas últimas décadas, em diversos países, em todas as faixas etárias e níveis econômicos

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO Loani Landin Istchuk / UEL Wilton Carlos de Santana / UEL Hélcio Rossi Gonçalves / UEL loaniistchuk@hotmail.com

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

Ansiedade Traço e Estado de Atletas Escolares de Esportes Coletivos

Ansiedade Traço e Estado de Atletas Escolares de Esportes Coletivos Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso Ansiedade Traço e Estado de Atletas Escolares de Esportes Coletivos Autor: Dione de Sousa Cabral Orientador: Profª Drª.

Leia mais

GPS e a Dallas Cup: a importância da visão sistêmica na interpretação dos dados e na conduta da comissão técnica Parte 1. Olá caros amigos!

GPS e a Dallas Cup: a importância da visão sistêmica na interpretação dos dados e na conduta da comissão técnica Parte 1. Olá caros amigos! GPS e a Dallas Cup: a importância da visão sistêmica na interpretação dos dados e na conduta da comissão técnica Parte 1 Olá caros amigos! Nosso último encontro foi há cerca de um ano e o tema abordado

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 2º Ciclo

Leia mais

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008).

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008). PERIODIZAR é dividir de forma organizada o ciclo anual ou semestral de treinamento dos atletas, em períodos e etapas, buscando prepará-los para atingir objetivos pré-estabelecidos, na direção de encontrar

Leia mais

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios do Treinamento: São os aspectos cuja observância irá diferenciar o trabalho feito à base de ensaios e erros, do científico. (DANTAS, 2003)

Leia mais

COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA

COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA Francisco Henrique Moreira da Silva 1 ; Ricardo Lima dos Santos

Leia mais

VELOCIDADE E ESTAFETAS III

VELOCIDADE E ESTAFETAS III VELOCIDADE E ESTAFETAS III 1. O Treino da Velocidade com Jovens Quando falamos de Velocidade é importante em primeiro lugar conhecer o conceito de movimento ciclíco, que correcponde a um movimento que

Leia mais

DISCIPLINA: PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA TURMA: Informática de Gestão

DISCIPLINA: PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA TURMA: Informática de Gestão Aula # 04 DISCIPLINA: PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA TURMA: Informática de Gestão Escala de Medidas de Variáveis. Frequência absoluta e relativa de dados quantitativos. Professor: Dr. Wilfredo Falcón Urquiaga

Leia mais

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2 Ginástica Artística Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2 Ementa Fundamentos da Ginástica Artística, conhecimento das habilidades motoras exigidas na modalidade. Ginástica de solo e suas progressões. Organização

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 3 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA ORGANIZAÇÃO E CONDUÇÃO DO PROCESSO DE TREINO As Componentes da Carga de Treino A Carga...no esforço

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 67 A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NOS NÍVEIS DE IMPULSÃO HORIZONTAL E VERTICAL EM GOLEIROS DE FUTEBOL DE CAMPO NA FASE DA ADOLESCÊNCIA Fabiano Vieira Gomes 1 RESUMO Este estudo teve como objetivo

Leia mais