Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo"

Transcrição

1 Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo Adriano Vretaros Revista Digital - Buenos Aires - Año 8 - N 53 - Octubre de 2002 Resumo A força explosiva se faz presente nas ações motoras dos jogadores de tênis de campo. Um dos meios para se potencializar a força explosiva é através do treino pliométrico. Este trabalho teve como objetivo verificar os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis submetidos a um programa de pliometria de contraste. Foram sujeitos da pesquisa 08 tenistas competitivos do estado de São Paulo, com faixa etária média de 15,98+2,33 de ambos os sexos. Os atletas realizaram seis semanas de um programa de pliometria de contraste e foram avaliados na potencia horizontal pré e pós-programa. Encontramos que este programa descritivamente permite uma evolução nas medidas de impulsão horizontal dos atletas. Unitermos: Pliometria de contraste. Tênis. Impulsão horizontal. Potência. Introdução O tênis de campo competitivo mudou radicalmente as características das suas ações motoras se comparado há vinte anos atrás, pois, naquela época os aspectos técnicos e a tática de uma jogada definiam a partida. Porém, hoje o aparato da força física sobressai sobre os demais quesitos, levando os jogadores a dedicarem uma maior atenção ao seu preparo físico. Dentre as valências físicas exigidas para um jogador de tênis competitivo, encontra-se a força explosiva. A mesma pode ser expressa visualmente nas ações potentes dos golpes dos atletas, bem como em sua velocidade de movimentação na quadra. Um dos meios para se potencializar a força explosiva dos atletas é através do treino da pliometria. A pliometria é um método de treinamento baseado no uso do ciclo alongamentoencurtamento (CAE) cujo componente elástico de um determinado grupo muscular ao ser precedido por uma ação excêntrica (pré-alongamento) na ação concêntrica resultante geraria uma força maior (acúmulo de energia potencial elástica) (Zatsiorsky, 1999). A pliometria sofre uma taxionomia, que pode ser assim disposta em: pliometria simples, média e intensiva. Na pliometria simples os saltos são realizados sem peso adicional e não existe a presença de aparelhos ou instrumentos. Pliometria média refere-se aos saltos realizados sobre caixas, obstáculos e barreiras. Por último, os exercícios da pliometria

2 intensiva sofrem uma complexidade de saltos em diferentes padrões de altura e deslocamentos com graus de exigência elevado (Weineck, 1999). Segundo Cometti (1998) dentro do arcabouço de exercícios pliométricos destaca-se a pliometria de contraste, que possui como características a execução de um exercício de pré-exaustão antecedendo os exercícios com saltos. A pliometria de contraste pode ser classificada como um trabalho de pliometria intensiva. Portanto, esse estudo tem como objetivo verificar o efeito de um programa de seis semanas de pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal em jogadores de tênis de campo. Metodologia Sujeitos: foram sujeitos deste estudo oitos jogadores de treinos de campo competitivo, ambos os sexos, com tempo médio de prática na modalidade de 5,0+2,4 anos. Porém, somente nos últimos dois anos estavam aderindo a programas sistemáticos de treinamento. Os atletas eram submetidos a treinamento sistemático diário (03 horas de parte técnica e 02 de parte física) cinco vezes por semana, todos pertencentes à equipe de competição de uma academia do estado de São Paulo. Material: 01 quadra de tênis, uma barra olímpica, anilhas de diferentes pesos, 06 barreiras (30cm de altura), fita adesiva e trena métrica. Delineamento da pesquisa: os atletas se submeteram a um programa de seis semanas de pliometria de contraste, realizado duas vezes por semana, com intervalo mínimo de 48 horas entre cada sessão. O programa consistia na realização da seguinte seqüência pedagógica: 01 série de 05 repetições do exercício meio-agachamento com carga de 85-90% de 01 repetição máxima (RM) individual, seguido imediatamente pela realização de seis (06) saltos sobre barreiras de 30cm de altura dispostos transversalmente na quadra. Essa seqüência pedagógica foi repetida três vezes por cada atleta, existindo um intervalo de 5 minutos de recuperação entre a execução de cada seqüência. Na metade do programa, ou seja, na terceira semana foram recalculados os valores de 1RM individual do agachamento. Os valores de impulsão horizontal foram mensurados em dois momentos distintos: na primeira semana antes da realização do programa e na última semana do programa respeitando-se um período de 72 horas após a última sessão de treino. A mensuração da impulsão horizontal se deu através dos procedimentos descritos por Marins & Giannichi (1996).

3 Resultados Tabela 01 - Características dos jogadores de tênis Tabela 02 - Dados antropométricos dos jogadores de tênis Tabela 03 - Valores de impulsão horizontal pré-pós-programa de pliometria de contraste

4 Discussão Nos resultados, os maiores valores de impulsão horizontal por nós encontrados correspondem ao atleta H (pré: 2,46 e pós: 2,51). Tais valores, segundo Rocha & Caldas (citado por Marins & Giannichi, 1996) encontram-se na classificação Bom. Se levarmos em conta apenas a média do grupo (pré: 2,11 e pós: 2,18) teremos uma classificação Fraco (Vide tabela 04). Somando-se a isto, o atleta de menor idade (F= 13 anos) foi o mais beneficiado em termos de evolução (pré: 2,02 e pós: 2,11). Tabela 04 - Classificação do teste de salto horizontal Segundo Rocha & Caldas (citado por Marins & Giannichi, 1996) Neste aspecto, deve ser levado em consideração que os atletas em questão possuem faixas etárias distintas e encontram-se em diferentes estágios de maturação biológica. Somando-se a isto, os mesmos ainda possuem pouca experiência com o trabalho de força e especificamente aos métodos de pliometria propostos na pesquisa. Em relação à comparação pré-pós-teste, descritivamente todos os atletas apresentaram uma evolução (média de +0,07). Devido à escassez de estudos envolvendo a impulsão horizontal como parâmetro de medida de potência e aliado ao fato de que na modalidade tênis não foram encontrados valores comparativos, torna-se difícil levantar maiores especulações. A literatura documenta que a impulsão vertical sofre uma correlação com a valência física velocidade (Badillo & Ayestarán, 2001; Weineck, 1999). Para averiguação deste aspecto, seria necessário submeter os atletas a uma bateria de testes de velocidade. A questão que surgiria imediatamente seria: qual a distância ideal para avaliar a velocidade no tênia que permitisse um índice de correlação ótimo com a impulsão horizontal? Portanto, este fato torna-se uma das limitações desta pesquisa. Sendo assim, estudos adicionais objetivando estudar a potência horizontal de tenistas competitivos se faz preciso, principalmente com a utilização de uma população mais homogênea em relação à faixa etária.

5 Conclusão Esta pesquisa de cunho descritivo permitiu-nos chegar as seguintes conclusões: A média de valores da impulsão horizontal dos tenistas estudados é considerada fraca; O treino da pliometria de contraste mostra-se descritivamente um meio eficaz para aprimorar os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis; A confecção de uma bateria de testes de velocidade propiciaria verificar a existência de algum grau de correlação da impulsão horizontal com a velocidade de deslocamento. Referências bibliográficas Badillo, J.J.G. & Ayestarán, E.G. Fundamentos do treinamento de força. 2a edição, Artmed, Porto Alegre; Cometti, G. La Pliometria. Inde Publicaciones, España; Marins, J.C.B. & Giannichi, R.S. Avaliação e prescrição de atividade física. Shape, Rio de janeiro; Weineck, J. Treinamento ideal. Manole, São Paulo; Zatsiorsky, V.M. Ciência e prática do treinamento de força. Phorte, São Paulo; 1999.

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 67 A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NOS NÍVEIS DE IMPULSÃO HORIZONTAL E VERTICAL EM GOLEIROS DE FUTEBOL DE CAMPO NA FASE DA ADOLESCÊNCIA Fabiano Vieira Gomes 1 RESUMO Este estudo teve como objetivo

Leia mais

Os exercícios pliométricos podem ser divididos em:

Os exercícios pliométricos podem ser divididos em: PLIOMETRIA Por João Coutinho INTRODUÇÃO 1 O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento-Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido

Leia mais

EFICÁCIA DOS MÉTODOS PLIOMÉTRICO E POWER TRAINING NO DESEMPENHO DO SALTO VERTICAL EM VOLEIBOLISTAS INFANTIL E INFANTO-JUVENIL

EFICÁCIA DOS MÉTODOS PLIOMÉTRICO E POWER TRAINING NO DESEMPENHO DO SALTO VERTICAL EM VOLEIBOLISTAS INFANTIL E INFANTO-JUVENIL EFICÁCIA DOS MÉTODOS PLIOMÉTRICO E POWER TRAINING NO DESEMPENHO DO SALTO VERTICAL EM VOLEIBOLISTAS INFANTIL E INFANTO-JUVENIL 1 INTRODUÇÃO PRISCILA RANGEL SAMPAIO Centro Universitário Vila Velha - UVV,

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014

FORÇA TIPOS DE FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA. Fatores que influenciam a FORÇA 25/02/2014 TIPOS DE ELAINE DALMAN MILAGRE Parcela da Musculatura envolvida -Geral -Local Formas de Exigência Motora Envolvida -Força Máxima -Força Rápida -Resistência de Força Tipo de Trabalho do Músculo -Dinâmico

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

Medidas e Avaliação da Atividade Motora

Medidas e Avaliação da Atividade Motora Escola de Educação Física e Esporte da USP Tema da aula: Conceitos Básicos Medidas e Avaliação da Atividade Motora Objetivos da aula: Conceituar: medida, teste, avaliação Compreender as etapas do processo

Leia mais

Revista Digital - Buenos Aires - Año 8 - N 56 - Enero de 2003

Revista Digital - Buenos Aires - Año 8 - N 56 - Enero de 2003 Considerações acerca da prescrição de exercícios pliométricos no tênis de campo Consultoria Esportiva Performance One Pós-Graduado em Bases Fisiológicas e Metodológicas do Treinamento Desportivo Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR FORÇA MUSCULAR 13/06/2017. Disciplina Medidas e Avaliação da Atividade Motora 2017 AGILIDADE POTÊNCIA MUSCULAR

AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR FORÇA MUSCULAR 13/06/2017. Disciplina Medidas e Avaliação da Atividade Motora 2017 AGILIDADE POTÊNCIA MUSCULAR FORÇA MUSCULAR AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR AGILIDADE POTÊNCIA MUSCULAR RESISTÊNCIA CARDIORESPIRATÓRIA Disciplina Medidas e Avaliação da Atividade Motora 2017 FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULARES COMPOSIÇÃO CORPORAL

Leia mais

FUNÇÃO NEUROMUSCULAR ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE

FUNÇÃO NEUROMUSCULAR ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE 2015-2016 A avaliação da força faz parte do controlo do treino, sendo que o objetivo consiste em proporcionar informação constante sobre o efeito do treino realizado,

Leia mais

DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves

DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves 2012 PLANEJAMENTO DE TRABALHO PERIODIZAÇÃO Periodização é o planejamento geral do tempo disponível para o treinamento, de acordo com as

Leia mais

Quanto mais se tem, mais se busca!!!!!

Quanto mais se tem, mais se busca!!!!! Velocidade Quanto mais se tem, mais se busca!!!!! Carros Aviação Internet Esportes Velocidade Mecanicamente, a velocidade é demonstrada por meio da relação entre espaço e tempo. Velocidade No TKD, a velocidade

Leia mais

5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG

5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG RELAÇÃO ENTRE A POTÊNCIA MÉDIA DA ARTICULAÇÃO DO OMBRO DOMINANTE E O TESTE

Leia mais

AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO DE FORÇA 2 DE ABRIL NUNO RIBEIRO/ PAULO REIS

AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO DE FORÇA 2 DE ABRIL NUNO RIBEIRO/ PAULO REIS AVALIAÇÃO E CONTROLO DO TREINO DE FORÇA 2 DE ABRIL NUNO RIBEIRO/ PAULO REIS Síntese 1. AVALIAÇÃO FUNCIONAL DO MOVIMENTO - Apresentação da Bateria de Testes FMSTM - Estudo de Caso 2. AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO

Leia mais

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso).

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso). Caro Sr(a) alunos do Curso de Formação de Oficiais de Arbitragem de Futsal, estamos nos dirigindo a VSrª, para convocá-lo a participar de mais uma etapa componente do processo geral. Nesta etapa, como

Leia mais

Prof. Esp. Ricardo de Barros

Prof. Esp. Ricardo de Barros Prof. Esp. Ricardo de Barros Riccardo Rambo Potencial motor do organismo humano Sistema nervoso central, sistema neuromuscular e sistema de abastecimento energético Estrutura morfo-funcionalespecializada

Leia mais

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte.

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. TREINAMENTOESPORTIVO.COM FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. No esporte há poucas modalidades onde os atletas podem ter tempo para atingir a força máxima, portanto a

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CURSO BÁSICO DE ARBITRAGEM MARINGÁ PR 21, 22 E 23 DE AGOSTO DE 2015 PROGRAMAÇÃO

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CURSO BÁSICO DE ARBITRAGEM MARINGÁ PR 21, 22 E 23 DE AGOSTO DE 2015 PROGRAMAÇÃO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CURSO BÁSICO DE ARBITRAGEM MARINGÁ PR 21, 22 E 23 DE AGOSTO DE 2015 PROGRAMAÇÃO UNIDADE I CONTEÚDO Distribuição do material/apresentação O Atletismo Entidades de organização

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

TREINAMENTO PLIOMÉTRICO: UMA PROPOSTA PARA APLICAÇÃO EM ARTES MARCIAIS 1

TREINAMENTO PLIOMÉTRICO: UMA PROPOSTA PARA APLICAÇÃO EM ARTES MARCIAIS 1 TREINAMENTO PLIOMÉTRICO: UMA PROPOSTA PARA APLICAÇÃO EM ARTES MARCIAIS 1 Professor Ms. Jefferson Campos Lopes Professor Ms. Saulo Gil Resumo: Este artigo é uma revisão de bibliografia sobre o estudo dentro

Leia mais

Treinamento de Força Explosiva para Jovens Atletas de Tênis de Campo: Pliometria para membros inferiores. Resumo

Treinamento de Força Explosiva para Jovens Atletas de Tênis de Campo: Pliometria para membros inferiores. Resumo 155 ARTIGO Treinamento de Força Explosiva para Jovens Atletas de Tênis de Campo: Pliometria para membros inferiores José Renan Rodrigues Filho Orientador Prof. Dr. Miguel de Arruda Universidade Estadual

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DA REDUÇÃO DA FREQUÊNCIA SEMANAL NO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA POTÊNCIA

TÍTULO: EFEITO DA REDUÇÃO DA FREQUÊNCIA SEMANAL NO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA POTÊNCIA TÍTULO: EFEITO DA REDUÇÃO DA FREQUÊNCIA SEMANAL NO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA POTÊNCIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva...

Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva... Treinamento desportivo 13 Sumário INTRoDUÇÃO...19 1 Princípios científicos da preparação desportiva...21 preparação desportiva, leis e regras... 21 princípios pedagógicos da preparação desportiva... 21

Leia mais

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK *

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * Prof. Marcelo Augusti Técnico em Corridas de Fundo Especialização em Fisiologia do Exercício e Treinamento Desportivo

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica APLICAÇÃO DE UM TREINAMENTO PLIOMÉTRICO PARA MELHORIA DO SALTO VERTICAL EM JOGADORAS DE BASQUETEBOL DE 13 E 14 ANOS 599 Hanna Helena Hartog Gimenes 1 Felipe Fedrizi Donatto 2 João Marcelo de Queiroz Miranda

Leia mais

Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte

Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte sandrosargentim@gmail.com Sandro Sargentim Entendendo a modalidade 1.Qual a característica da modalidade? 2.A modalidade é individual ou

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica O TREINAMENTO DE 4 SEMANAS DE PLIOMETRIA PROMOVE A MELHORIA NO TESTE DE IMPULSÃO HORIZONTAL NA EQUIPE ADULTA DE VOLEIBOL MASCULINO DA UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA (UNIVERSO) 287 Patrícia Pires 1,3,

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS.

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. MÁXIMO, Jefferson Jorcelino 1 Introdução: O índice de massa corpórea IMC é uma medida simples do

Leia mais

(Regulamento do Júri Nacional de Exames Despacho normativo n.º 1-A/2017, de 10 de fevereiro)

(Regulamento do Júri Nacional de Exames Despacho normativo n.º 1-A/2017, de 10 de fevereiro) ANO LETIVO 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS TEMPLÁRIOS INFORMAÇÃO: PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º Ciclo do Ensino Básico 6.º ano Disciplina de EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 28 (modalidade prática) (Regulamento

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular; Déficit de força; Prescrição do Treinamento; Avaliação do treinamento. Prof. Alexandre C. Rocha Métodos Direto Indireto Vantagens X Desvantagens

Leia mais

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO 1. A Sessão de Treino A Sessão de Treino é a unidade estrutural que serve de base para toda a organização do treino. O treinador deve individualizar o treino, adaptando a

Leia mais

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte.

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. TREINAMENTOESPORTIVO.COM FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. No esporte há poucas modalidades onde os atletas podem ter tempo para atingir a força máxima, portanto a

Leia mais

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol 13/04/2015 VELOCIDADE PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA Bruno Romão 13/04/2015 VELOCIDADE - SÍNTESE 1. Introdução 2. Definição 3. A no Futebol 4. Formas de Manifestação de 5. Factores

Leia mais

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento plurianual Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento de longo prazo Procedimento determinante na formação de um atleta de alto desempenho É comum estruturações de treinamentos

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

ANTROPOMETRIA, FLEXIBILIDADE E DESEMPENHO MOTOR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE FUTSAL.

ANTROPOMETRIA, FLEXIBILIDADE E DESEMPENHO MOTOR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE FUTSAL. ANTROPOMETRIA, FLEXIBILIDADE E DESEMPENHO MOTOR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE FUTSAL. Diagnes Marostica 1 ; Everton Paulo Roman 2 Resumo Introdução: As questões que envolvem

Leia mais

14º Encontro Internacional Phorte

14º Encontro Internacional Phorte 14º Encontro Internacional Phorte FORÇA E POTÊNCIA NO ESPORTES Prof. Dr. Bernardo Neme Ide Faculdade de Educação Física, Metrocamp Laboratório de Bioquímica Do Exercício, Labex, Unicamp Tópicos da Discussão

Leia mais

COMPARAÇÃO DA IMPULSÃO VERTICAL EM ATLETAS DE BASQUETEBOL E A INFLUÊNCIA DE UM TREINAMENTO ESPECÍFICO NO SALTO

COMPARAÇÃO DA IMPULSÃO VERTICAL EM ATLETAS DE BASQUETEBOL E A INFLUÊNCIA DE UM TREINAMENTO ESPECÍFICO NO SALTO DOUGLAS CARVALHO FIDELIS MICHEL EUGÊNIO MACIEL DE SOUZA COMPARAÇÃO DA IMPULSÃO VERTICAL EM ATLETAS DE BASQUETEBOL E A INFLUÊNCIA DE UM TREINAMENTO ESPECÍFICO NO SALTO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado

Leia mais

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Considerações iniciais EXCÊNTRICA CONCÊNTRICA ISOMÉTRICA F m F m F m P V P V P V = 0 Potência < 0 Potência >

Leia mais

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2 Ginástica Artística Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2 Ementa Fundamentos da Ginástica Artística, conhecimento das habilidades motoras exigidas na modalidade. Ginástica de solo e suas progressões. Organização

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO NO DESENVOLVIMENTO DE POTÊNCIA DOS MMII EM ATLETAS AMADORES DE FUTSAL

A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO NO DESENVOLVIMENTO DE POTÊNCIA DOS MMII EM ATLETAS AMADORES DE FUTSAL A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO NO DESENVOLVIMENTO DE POTÊNCIA DOS MMII EM ATLETAS AMADORES DE FUTSAL Agnaldo Lorkievicz 1, Fabiano Macedo Salgueirosa 2. 1- Acadêmico do curso de Educação Física,

Leia mais

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento Universidade de São Paulo Escola de Educação Física e Esporte Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento André Casanova Silveira João Lucas Penteado Gomes Ago/2016 Referência Bibliografia

Leia mais

ANÁLISE DA APTIDÃO FÍSICA DE FUTEBOLISTAS DAS CATEGORIAS JUVENIL E JÚNIOR

ANÁLISE DA APTIDÃO FÍSICA DE FUTEBOLISTAS DAS CATEGORIAS JUVENIL E JÚNIOR ANÁLISE DA APTIDÃO FÍSICA DE FUTEBOLISTAS DAS CATEGORIAS JUVENIL E JÚNIOR EMERSON CRUZ DE OLIVEIRA, ANA FLÁVIA SANTOS SAMPAIO, TALITA PRATO DA SILVA, MARIA LÚCIA PEDROSA, MARCELO EUSTÁQUIO SILVA. Universidade

Leia mais

O Treino das Barreiras

O Treino das Barreiras O Treino das Barreiras Jornadas Técnicas da ADAL Rui Norte A Formação de um Atleta (Barreirista?) Na fase de Iniciação, devemos ter por base o desenvolvimento integral e multilateral do jovem; Devemos

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFI123 Ginástica Artística

Programa Analítico de Disciplina EFI123 Ginástica Artística 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Educação Física - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Métodos de Avaliação em Educação Física Agilidade

Métodos de Avaliação em Educação Física Agilidade Métodos de Avaliação em Educação Física Agilidade Prof. Dr. Carlos Ovalle Agilidade É uma variável de aptidão física geral de esportistas e não esportistas, particularmente importante em modalidades como

Leia mais

II Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão da UniEVANGÉLICA Anais do IX Seminário de PBIC Volume Anápolis-Go

II Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão da UniEVANGÉLICA Anais do IX Seminário de PBIC Volume Anápolis-Go MELHORIA NA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS APÓS SEREM SUBMETIDAS AO TREINAMENTO RESISTIDO CASTRO, Danilo Leandro Santos de 1 LIMA, William Alves 2 SILVA, Maycon Karllos Napolitano da 3 TEIXEIRA, Cristina

Leia mais

Tipos de Treino de Força

Tipos de Treino de Força Tipos de Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Tipos de Treino Treino Isométrico Treino

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 355 COMPARAÇÃO DOS ÍNDICES DE FLEXIBILIDADE, AGILIDADE E FORÇA EM ESCOLARES PRATICANTES DE FUTSAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO ANTES E APÓS UM PROGRAMA DE ATIVIDADE FÍSICA Rubem Machado Filho 1

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projeto Escola de Esportes. Jovens. Crianças. Flexibilidade. Teste.

PALAVRAS-CHAVE Projeto Escola de Esportes. Jovens. Crianças. Flexibilidade. Teste. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

ARTHUR HADDAD DOS SANTOS

ARTHUR HADDAD DOS SANTOS 1 ARTHUR HADDAD DOS SANTOS EFEITOS DO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO SOBRE A POTÊNCIA E VELOCIDADE EM TENISTAS JUVENIS Monografia apresentada como requisito parcial para a conclusão do Curso de Especialização

Leia mais

THIS TOPIC OF YOUR CHOOSING

THIS TOPIC OF YOUR CHOOSING - A PUBLICATION OF COMPANY XYZ - AN INTRODUCTION TO THIS TOPIC OF YOUR CHOOSING THE STEP-BY-STEP GUIDE TO [THIS TOPIC] AND HOW YOU CAN DO IT ÍNDICE 5 Introdução 5 Bases do treinamento de potência 21 Fundamentos

Leia mais

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO A teoria e metodologia do treinamento esportivo têm princípios específicos baseados nas ciências biológicas, psicológicas e pedagógicas. Esses princípios refletem as particularidades

Leia mais

Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes

Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes 4ª Jornada Científica e Tecnológica e 1º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Muzambinho MG Qualidades Físicas Básicas na Canoagem para Iniciantes Denise Miranda de

Leia mais

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA Agilidade: executar movimentos dinâmicos com precisão, utilizando velocidade e destreza de movimentos, demonstrando facilidade em se deslocar. Resultados

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO (PERIODIZAÇÃO) Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO (PERIODIZAÇÃO) Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO (PERIODIZAÇÃO) Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Importância do Planejamento a Longo Prazo

Leia mais

POWER TRAINING. Método desenvolvido por Raoul Mollet no final da década de 50.

POWER TRAINING. Método desenvolvido por Raoul Mollet no final da década de 50. Origem POWER TRAINING Peculiaridades Finalidade Método desenvolvido por Raoul Mollet no final da década de 50. O PT constitui-se de quatro tipos distintos de exercícios: - Exercícios de halterofilismo:

Leia mais

3DUkPHWURVSDUDWUHLQDPHQWRGH IXWHERO GHFDPSRQDVFDWHJRULDVGHEDVH

3DUkPHWURVSDUDWUHLQDPHQWRGH IXWHERO GHFDPSRQDVFDWHJRULDVGHEDVH 3DUkPHWURVSDUDWUHLQDPHQWRGH IXWHERO GHFDPSRQDVFDWHJRULDVGHEDVH * Graduado em Educação Física - UniFMU. Pós Graduado em Treinamento Desportivo - UniFMU Preparador Físico das categorias de base de futebol

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

OS SALTOS EM ATLETAS AMADORES DE VOLEIBOL DE PONTE NOVA

OS SALTOS EM ATLETAS AMADORES DE VOLEIBOL DE PONTE NOVA OS SALTOS EM ATLETAS AMADORES DE VOLEIBOL DE PONTE NOVA DANIELA GOMES ROSADO FUPAC PONTE NOVA MAÍRA PEREIRA BASTOS FUPAC PONTE NOVA RESUMO: Dentro de um jogo de voleibol, no qual a bola deve ultrapassar

Leia mais

Força Explosiva: relação entre saltos verticais e deslocamentos curtos no futebol

Força Explosiva: relação entre saltos verticais e deslocamentos curtos no futebol 379 ARTIGO Força Explosiva: relação entre saltos verticais e deslocamentos curtos no futebol Eduardo Moreno Eduardo Iwamoto Miguel de Arruda Faculdade de Educação Física, Unicamp RESUMO Os estudos que

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

Autor(es) GABRIEL HENRIQUE BARBOSA. Orientador(es) ÍDICO LUIZ PELLEGRINOTTI. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) GABRIEL HENRIQUE BARBOSA. Orientador(es) ÍDICO LUIZ PELLEGRINOTTI. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO TREINAMENTO NO PERÍODO COMPETITIVO NO SALTO EM DISTÂNCIA E DE AGILIDADE EM ATLETAS JUVENIS DE ATLETISMO Autor(es) GABRIEL HENRIQUE BARBOSA

Leia mais

TIPOS DE PESQUISA. Pesquisa Direta. Tipos de Pesquisas. Métodos de Pesquisa Direta 22/03/2014. Pesquisa de Campo (aplicada)

TIPOS DE PESQUISA. Pesquisa Direta. Tipos de Pesquisas. Métodos de Pesquisa Direta 22/03/2014. Pesquisa de Campo (aplicada) Direta TIPOS DE PESQUISA de Campo (aplicada) Prof.ª Andrea Vanzelli de Laboratório (básica) Direta Tipos de s s de Direta Descritivo Não interfere na realidade Indireta Experimental Há manipulação da realidade

Leia mais

Eletiva: Somando Medalhas

Eletiva: Somando Medalhas Eletiva: Somando Medalhas E.E.E.I. Olímpio Catão Professor(es) Apresentador(es): Cristina Lucas Costa Silvia Helena Zonzini Realização: Foco do Projeto Experimentação de práticas esportivas. Conhecimento

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ALUNOS DO PROJETO ESCOLA DA BOLA COM BASE NOS TESTES DA PROESP-BR

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ALUNOS DO PROJETO ESCOLA DA BOLA COM BASE NOS TESTES DA PROESP-BR 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ÍNDICE DE

Leia mais

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda. Aula 1

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda. Aula 1 Ginástica Artística Prof. Dra. Bruna Oneda Aula 1 2017 Denominação Ginástica Artística A Ginástica Artística também é conhecida no Brasil por: Ginástica Olímpica, Ginástica de Aparelhos, Ginástica de Solo

Leia mais

RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA A SELEÇÃO DA ALTURA DE QUEDA NO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO

RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA A SELEÇÃO DA ALTURA DE QUEDA NO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA A SELEÇÃO DA ALTURA DE QUEDA NO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO Nélio Alfano Moura Laboratório de Biomecânica - Departamento de Biodinâmica do Movimento Escola de Educação Física da

Leia mais

THIBAUT JUNQUEIRA CICLO JÚNIOR. Júnior

THIBAUT JUNQUEIRA CICLO JÚNIOR. Júnior THIBAUT JUNQUEIRA CICLO JÚNIOR Projecto do Ciclo Júnior 2009 2011 CICLO JÚNIOR Nesta Apresentação 1. Perfil do Atleta 2. Finalidades e Objectivos 3. Estratégias 4. Planeamento 5. Conteúdos 6. Considerações

Leia mais

COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA

COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA COMPARAÇÃO DA FUNÇÃO FÍSICA E PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO DE ATLETAS DE VOLEIBOL DE PRAIA APÓS TREINAMENTO FÍSICO NA AREIA E NA QUADRA Francisco Henrique Moreira da Silva 1 ; Ricardo Lima dos Santos

Leia mais

Recomendações e orientações para a prática de exercícios físicos no idoso. Prof. Dra. Bruna Oneda

Recomendações e orientações para a prática de exercícios físicos no idoso. Prof. Dra. Bruna Oneda Recomendações e orientações para a prática de exercícios físicos no idoso Prof. Dra. Bruna Oneda Exercícios Físicos Estimular de maneira equilibrada todos os sistemas corporais. Trabalhar postura, equilíbrio

Leia mais

Recomendações e orientações para a prática de exercícios. Prof. Dra. Bruna Oneda

Recomendações e orientações para a prática de exercícios. Prof. Dra. Bruna Oneda Recomendações e orientações para a prática de exercícios físicos no idoso Prof. Dra. Bruna Oneda Exercícios Físicos Estimular equilibradamente todos os sistemas corporais. Trabalhar postura, equilíbrio

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 3 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA ORGANIZAÇÃO E CONDUÇÃO DO PROCESSO DE TREINO As Componentes da Carga de Treino A Carga...no esforço

Leia mais

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR Junho 2015 no esporte, como atleta,

Leia mais

Provas de campo. Condições gerais

Provas de campo. Condições gerais Provas de campo Condições gerais Aquecimento na área de comptição Na área de competição e antes do início da prova, cada Atleta pode realizar várias tentativas. Nas provas de arremessos e lançamentos,

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Treinamento. Voleibol. Força Explosiva. ABSTRACT

RESUMO. Palavras-chave: Treinamento. Voleibol. Força Explosiva. ABSTRACT EFEITOS DA MUSCULAÇÃO SOBRE A FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES E INFERIORES EM PRATICANTES DE VOLEIBOL EFFECTS OF MUSCULATION ON THE STRENGTH OF SUPERIOR AND LOWER MEMBERS ON VOLLEYBALL PRACTICE Leandra Ferreira

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015

REGULAMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE GINÁSTICA RÍTMICA JERNS / JEES 2015 1- CATEGORIAS: Definidas pelo regulamento geral do Evento. 2- EXERCÍCIOS: a) Categoria

Leia mais

CAPA POSSIVEL HISTÓRIA DO ATLETISMO PARALÍMPICO. Desde os Jogos de Roma, em 1960, o atletismo faz parte oficialmente do esporte paralímpico.

CAPA POSSIVEL HISTÓRIA DO ATLETISMO PARALÍMPICO. Desde os Jogos de Roma, em 1960, o atletismo faz parte oficialmente do esporte paralímpico. HISTÓRIA DO ATLETISMO PARALÍMPICO CAPA Desde os Jogos de Roma, em 1960, o atletismo faz parte oficialmente do esporte paralímpico. POSSIVEL As primeiras medalhas do Brasil em Paralimpíadas na modalidade

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade I Princípios do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Princípios do Treinamento A teoria e a metodologia do treinamento desportivo possuem princípios

Leia mais

Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais AVALIAÇÃO FÍSICA: Testes de Aptidão em Escolares ( 7 17 anos) O Proesp-BR Considerando: a) Carência de estrutura física das escolas brasileiras em sua estrutura

Leia mais

5/3/2009. Antonio Carlos Gomes, PhD

5/3/2009. Antonio Carlos Gomes, PhD Antonio Carlos Gomes, PhD Estratégias voltadas para a Formação integral do atleta 1 ? QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS Ações na preparação a longo prazo 2 Fábrica? Usina? Indústria? MEDALHA OLÍMPICA? VOU SER CAMPEÃO?

Leia mais

Prof. Dr.CHARLES LOPES PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO- UNIMEP LABORATÓRIO DE PERFORMANCE HUMANA - UNIMEP

Prof. Dr.CHARLES LOPES PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO- UNIMEP LABORATÓRIO DE PERFORMANCE HUMANA - UNIMEP Prof. Dr.CHARLES LOPES PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO- UNIMEP LABORATÓRIO DE PERFORMANCE HUMANA - UNIMEP Experiência Esportiva... Preparador físico Nossa Caixa Ponte Preta (1993-1994); Preparador físico

Leia mais

VELOCIDADE E ESTAFETAS III

VELOCIDADE E ESTAFETAS III VELOCIDADE E ESTAFETAS III 1. O Treino da Velocidade com Jovens Quando falamos de Velocidade é importante em primeiro lugar conhecer o conceito de movimento ciclíco, que correcponde a um movimento que

Leia mais

Circuito de Atletismo de Rua

Circuito de Atletismo de Rua 2015 Circuito de Atletismo de Rua Objetivos: Promover e fazer crescer a modalidade em condições ideais para crianças e jovens quer em ambiente escolar quer no Clube. Projetado para ser abrangente, competitivo,

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Ténis

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Ténis Versão 1.01 Referenciais de FORMAÇÃO Ténis Grau II Versão 1.01 Referenciais de FORMAÇÃO Ténis Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa de

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON. Grau

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau I Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Portuguesa

Leia mais

RENATO ANGELO SECCO ANÁLISE DA POTÊNCIA EM GOLEIROS DE FUTEBOL ATRAVÉS DO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO

RENATO ANGELO SECCO ANÁLISE DA POTÊNCIA EM GOLEIROS DE FUTEBOL ATRAVÉS DO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO RENATO ANGELO SECCO ANÁLISE DA POTÊNCIA EM GOLEIROS DE FUTEBOL ATRAVÉS DO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

A FORÇA NO FUTEBOL. Abril

A FORÇA NO FUTEBOL. Abril A FORÇA NO FUTEBOL Abril 2015 1 CONCEITO DE FORÇA É a capacidade física que, através da contracção muscular vence determinada resistência e que resulta da acção conjunta da massa muscular implicada e da

Leia mais

MATEMÁTICA MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL

MATEMÁTICA MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL MATEMÁTICA Prof. Marcelo Renato MEDIDA DE TENDÊNCIA CENTRAL. (Livro Novo Olhar da Matemática) O gráfico mostra as notas obtidas na prova da a fase de certo processo de seleção. abendo que se classificaram

Leia mais

Lista 20 Revisão de Impulso e Quantidade de Movimento

Lista 20 Revisão de Impulso e Quantidade de Movimento Lista 0 Revisão de Impulso e Quantidade de Movimento 1. (Espcex (Aman) 017) Um cubo de massa 4 kg está inicialmente em repouso sobre um r plano horizontal sem atrito. Durante 3 s, aplica-se sobre o cubo

Leia mais

Rede Nacional de Treinamento Atletismo. Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo. Relatório março Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez

Rede Nacional de Treinamento Atletismo. Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo. Relatório março Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez Rede Nacional de Treinamento Atletismo Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo Relatório março 2017 Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez Gerente de Esporte I CNTA São Paulo Treinadores: Anísio

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-a/2017, de 10 de fevereiro

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-a/2017, de 10 de fevereiro INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-a/2017, de 10 de fevereiro Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA O presente

Leia mais

Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos

Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos Prof. Paulo Sergio Gomes, Ph.D. Programa de Pós- graduação em Educação Física Centro de Pesquisas Interdiciplinares em Saúde AVISO Material de propriedade

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE

PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE 2005 Antônio Rizola Neto (1) Cristino Julio Alves da Silva Matias (2) Pablo Juan Greco (2)

Leia mais